ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AEROMODELISMO - Aeronline

aeronline.com.br

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AEROMODELISMO - Aeronline

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DEAEROMODELISMO


2ÍNDICEIntrodução a AssociaçãoÉ sua Associação 03Os objetivos da Associação 03Relações com o Público em Geral 04Áreas de Clubes 04Vôo Responsável 04Negociações para áreas de vôo 04Código de Segurança para VôoIntrodução 05Áreas Compartilhadas 05Geral 06Locais de Vôo de R/C e VCC 06Guia Operacional de Segurança1. Todos os Modelos 062. Segurança para Modelos R/C 083. Helicópteros 104. Planadores 115. Modelos de V.C.C. 116. Modelos Com Turbina a Gás 11O Iniciante 12Teste de Aptidão 13Instrutores 13INFORMAÇÕES GERAISTabela de Freqüências 13Seguro contra Terceiros 15Competição 16Ranking 17Conduta de Provas 19Protestos 19Regulamentos 20Anexos:Croqui da pista de R/CCroqui da pista de VCCFichas de testes de aptidãoFicha de Cadastro de InstrutoresFicha de Registro de Licença OperacionalModelos de fichas de protestosAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


3INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃOBem-vindo à ASSOCIAÇÃOBRASILEIRA DE AEROMODELISMO,órgão máximo de administração doaeromodelismo nacional. Duranteesses quarenta anos a ABA ajudou aconstruir muitos clubes e conseguiumuitas áreas, acumulouconhecimentos, experiência ebenefícios para seus sócios. Comomuitos devem saber, operaraeromodelos no Brasil ainda sofrepressões e preconceitos. Por isso, énosso dever divulgar o esporte e tornáloatrativo e fascinante aos milhares deespectadores.Muito do tempo da ABA étomado com contatos em órgãosgovernamentais, autoridades locais eoutro organizações para salvaguardarseus interesses. Apesar disto, achatambém tempo para promover econtrolar muitas outras faces doaeromodelismo.A diretoria está a disposição detodos para responder a maioria desuas dúvidas e podem colocá-los emcontato com o Presidente, quandonecessário.Por favor leia este livrocuidadosamente e o se familiarize comseu conteúdo. Deste modo seu clube etodos os seus associados só terão aganhar e os guiará para estabeleceruma imagem responsável dosaeromodelistas aos olhos de nossopróprio meio e aos olhos do público emgeral.É SUA ASSOCIAÇÃOPara ganhar todos os benefíciode sua Associação é importante quevocê regularize todos os seusassociados e exija a apresentação daLicença de Operação (PT) dentro davalidade.Os documentos do Clube (atasde mudança de diretoria, mudanças deendereço e telefone e outros) deverãotambém ser enviados em dia para aABA, a fim de que os problemas sejamresolvidos rapidamente, quandoaparecerem.Deste modo seu clube poderáinfluenciar o voto para a eleição dadiretoria da ABA e decidir sobre metase diretrizes do aeromodelismobrasileiro.Todos os anos, entre fevereiro emarço, a Assembléia Geral da ABAreuni-se para discutir problemas emcomum, prestar conta de seu trabalho ecolocar suas propostas para votação. Éimportante a representação nestareunião dos presidentes para que osproblemas de todos possam sersolucionados juntos. Além disso, novasidéias podem vir destas reuniões.A ABA é formada por Clubes epor seus associados. Os presidentessão a voz do aeromodelista brasileiro.Sem a participação ativa destes, nãohá desenvolvimento.OS OBJETIVOS DA ASSOCIAÇÃOOs objetivos principais são:A promoção, proteção, organizaçãoe encorajamento doaeromodelismo, desde a suaconstrução, vôo e desenvolvimento,em todos os seus aspectos noBrasil¡Auxiliar na criação de novos clubese orientar novos aeromodelistas.¡Trabalhar em cooperação com oDepartamento de Aviação Civil eoutrosdepartamentosgovernamentais.Encorajar e apoiar pesquisa em¡desígnio de aeromodelos, teoria e¡construção.Controlar e registrar o desempenhode esportistas.¡Agir como promotora deCampeonatos Nacionais e auxiliarna organização de eventos.A ABA é o corpo delegado peloAeroclube do Brasil para serresponsável por todos os aspectos deaeromodelos no Brasil, e está em umasituação idêntica como, por exemplo, aConfederação Brasileira de Páraquedismoou a Associação Brasileirade Vôo Livre, entre outras.Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


4Também é reconhecido como aorganização representativa exclusivapara o esporte no Brasil pelaFederacion Aeronautique Internationale(FAI) que é a organização mundialadministrativa para todas as formas deaviação esportiva, inclusiveaeromodelos.A FAI tem numerosos comitêsinternacionais relativo a seus váriosinteresses, como por exemplo,acrobacia aérea, pára-quedismo eaeromodelismo e a CIAM é o comitêresponsável de nosso esporte.RELAÇÕES COM O PÚBLICOGERALA ABA, cuja diretoria eleita sãovoluntários que trabalham para você esua Associação no seu tempo livre,gasta um tempo considerável e esforçopara criar a melhor impressão possívelpara o público. Todo este trabalho podeser desperdiçado facilmente se vocêvoa de uma maneira irrefletida.Não há lugar para aeromodelistas quenão consideram a segurança de outraspessoas e bens de terceiros; nem hálugar para aqueles que desconsideramas normas de conduta. O vôo seguro ecuidadoso deve ser sempre nossameta.ÁREAS DE CLUBESQualquer que seja seu interesse emparticular, você deve saber que a ABAtrabalha a seu lado. Se você voa rádiocontrole, saiba que a Associação é degrande ajuda a você, possivelmente atémesmo antes de saber queexistíssemos. Por exemplo, a ABAtrabalhou durante anos para obter asfreqüências que você voa atualmente etrabalha constantemente para mantelas.Onde quer que você voe, a ABA podeajudá-los a negociar e manter comautoridades locais e proprietários deáreas um diálogo, de forma que todospossam ter os locais adequados paravoar em segurança.VÔO RESPONSÁVELSeu prazer de voar um aeromodelo,agora e no futuro, depende dedesenvolver e exibir uma atitudealtamente consciente de segurançapara o equipamento e o local que vocêusa. A melhor publicidade que oesporte pode receber é a atituderesponsável e segura doaeromodelista.É importante lembrar que nossoesporte é um pouco fora do comum e,embora nós sejamos uma das maioresassociações aerodesportivas, somosainda vulneráveis aos aspectosnegativos de opinião pública.Para proteger seus interesses, a ABAtem adotado uma atitude firme paracom os aeromodelistas irresponsáveis.Com o aumento dos associados eclubes regularizados, a ABA cresce,tornando-se um voz mais forte. Porém,para fazer uma voz nacional mais fortenecessita-se que todos osaeromodelista unam-se a ABA ao invésde tentar resolver seus problemasisoladamente. Como um cluberegularizado, você pode ajudarencorajando outros grupos da mesmacategoria a unirem-se a Associação.Você, e eles, acharão ser útil estaremregularizados, mesmo não tendo emseu quadro de associadoscompetidores. Um dos trabalhosprincipais da consiste em manter osclubes local e nacionalmente emcontato uns com os outros, estandopresente , orientando, ajudando eatuando como conselho imparcial, sejaqual for o problema.NEGOCIAÇÕES DE LOCAISPARA VÔOSPara ajudar seu clube em negociaçõescom autoridades governamentaislocais, a ABA tem muitos anos deexperiência a oferecer. Antes que seuclube entre em qualquer forma deconversação com autoridades locais noassunto de aeromodelos que vocêpode discutir suas propostas com aABA.Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


5CÓDIGO de SEGURANÇA PARA VÔO GERALUma pessoa não deve voar de maneiraa causar riscos para pessoas,aeronaves ou propriedades.Esta lei serve para TODOS osaeromodelos. Foram desenvolvidos oscódigos de prática contidos nestemanual durante muitos anos emresposta a situações reais.INTRODUÇÃOPelas baixas estatísticas de acidente ea conquista de um seguro que hoje nóspodemos desfrutar, chegamos aconclusão que o aeromodelismo não éum esporte perigoso mas, como comoutras atividades esportivas, podemsurgir riscos se as regras de bomsenso não forem aplicadas. Com onúmero de entusiastas que entram emnosso esporte a cada ano, fica maisessencial que todos nós sigamos omesmo código de segurança.Este código deverá ser divulgado atodos os aeromodelistas para todas asatividades de vôo, excluindocompetições, onde o Regulamento FAIdeverá ser aplicado. Os clubesdeverão, adicionalmente a estemanual, incluir mais normas desegurança, dependendo da sua área.Por exemplo, limitar o número deespectadores ou o número de modelosa serem voados em um únicomomento.A ABA deseja encorajar tal iniciativa,onde quer seja necessário e, qualquersugestão sobre os conteúdos dasegurança e deste manual será bemvindo.Finalmente - lembre-se que sua atitudepara com a segurança pode afetar aimagem inteira de todos osaeromodelistas.Vôo de aeromodelo não deve só SERseguro - deve SER VISTO comoseguro.Embora não seja uma prática difundida,vôo com aeromodelos podem (e devemcontinuar) acontecendo seguramenteem locais onde outros usuários deespaço aéreo estão operando aomesmo tempo e perto de - e em algunscasos, compartilhando o mesmoespaço aéreo.Em todos os casos, envolvendo outrosusuários da aviação, como porexemplo, pára-quedas, asa-delta, ultraleve,etc., o aeromodelista sempre vaiter que aceitar que as necessidadesdele vão ser secundárias à segurançado outro usuário.Tendo como certo este ponto, estáclaro que áreas compartilhadas podemoperar com segurança, contanto quehaja boa preparação anterior e podeenvolver todos os grupos de usuários.A prática mais habitual para arranjos éque, antes que as seções de vôoiniciem, os representantes dosÁREAS COMPARTILHADASAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999usuários agrupem-se para determinaras suas áreas respectivas como pouso,decolagem, caminhos, etc. ecombinarem métodos de chamar aatenção caso necessitem modificar asáreas.Como uma regra geral, uma vez quefique certo a localização e limites deárea de vôo, o conhecimento e aconfiança que todos irão aderir aoslimites de acordo, é suficiente parapermitir que todos operem livremente ede forma segura dentro de seuspróprios limitesEm essência, então, os locais“mixados” geralmente nãocompartilham o mesmo espaço aéreo –e sim, em consulta entre todos osusuários, o espaço aéreo segregado éfixo por acordo e, normalmente,controlado pela direção de vento.Em qualquer local decompartilhamento, deve ser prestada


6especial atenção aos iniciantes a fim demanter a proficiência de vôosestabelecidos. Se possível, evitar oensinamento nestes locais.GERAL(a) Clubes ou grupos devem prepararcódigos de segurança considerandoseus locais específicos emcomplemento a este código.(b) Clubes devem olhar periodicamentea necessidade de ser revisada asegurança local.(c) Em locais públicos, ou locais ondevisitas casuais do público sãoprováveis, sempre tente usar asmesmas áreas de decolagem. Emlocais privados que o público tenhaacesso, devem ser claras advertênciassatisfatórias que avisem sobre oacesso restrito de pilotos na área. Emqualquer local que o público tenhaacesso é recomendado que umDIRETOR DE SEGURANÇA sejadesignado a qualquer sessão de vôocomo disponhe parágrafo:(e) Os clubes devem designar umDIRETOR DE SEGURANÇAcompetente cujo dever deve serassegurar que sejam seguidos oscódigos de segurança da ABA e os doclube, advertir o público eaeromodelistas de padrões de vôo,áreas de decolagem e pouso eaconselhar os espectadores da áreamais segura para permancer.(f) Os clubes devem educar e encorajarseus sócios, principalmente os novos,a terem conhecimento de todas asexigências de segurança e não devemvacilar em punir os ofensorespersistentes.(g) Todos os aeromodelistas têm queassegurar que o local que elespretendem usar é completamentesatisfatório para os tipos específicos demodelos, antes de tentar usar a área.(h) Todos os aeromodelistas têm queassegurar que o local de pouso edecolagem permanece livre dequalquer objeto estranho ou escombro.Como uma regra geral, os clubes nãodevem operar próximos num raio de 4km. Se operação próximas sãoinevitáveis, no interesse da segurança,os clubes devem ter contatosconstantes e um acordo deve sernegociado dando uma freqüênciaeqüitativa e executável que possa sercompartilhada.Comunicações eficientes sãoimportantes nestes circunstâncias a fimde evitar que enganos possamacontecer e para que se possa tercerteza que o vôo será tão seguroquanto possível.A maioria das atividades deaeromodelismo está mais ligada aolazer do que às competições. Namaioria das vezes, tais atividadesdesenvolvem-se em áreas abertas aopúblico, com pouco ou nenhumLOCAIS DE VÔO DE R/C E V.C.C.GUIA OPERACIONAL DE SEGURANÇA1. TODOS os MODELOSAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999De um estudo dos relatórios deincidentes recebidos pela ABA duranteos últimos anos é aparente que muitosacidentes são causados por falta deplanejamento da área, falta de perícia,excesso de confiança dosaeromodelistas ou falta de disciplina novôo.Verifique a figura no anexo paramaiores detalhes quanto a área a serdeixada para segurança,estacionamento e público em áreas deR/C e no anexo seguinte, o desenhopara pistas de Vôo Circular Controlado.controle formal. Um acidente com umaeromodelo pode resultar em danosmateriais, danos pessoais e até emmorte. Além das conseqüênciasdiretas, o resultado menos óbvio será oprejuízo para o aeromodelismo em


7geral, que leva ao antagonismo dopúblico e a perda de áreas de vôo.É da maior importância que oaeromodelista observe as regras desegurança, em geral e aquelasaplicáveis especificamente na áreautilizada para vôo.Regras de segurança não são umobstáculo ao prazer. Ao contrário,ajudam a provar que o aeromodelista éo cidadão responsável que diz ser. Nãoé sinal de inteligência fazerdemonstrações de habilidade entre osespectadores. O piloto pode saber oque está fazendo, mas não tem comosaber o que os outros irão fazer. Assim,é para seu próprio benefício certificarsede que nenhuma ação de sua parteresultará em um acidente.É portanto, muito importante não voarum aeromodelo, em competições oudurante o lazer, na presença deespectadores, até que tenha sidotestado, previamente, em vôo e tenhaprovado ser seguro.SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDOS• hélice ou rotor de metal;• hélice ou rotor que tenha sidoreparado• motor montado impropriamente• bordo de ataque de asa afiado oumuito fino• “spinner” ou prendedor de hélicepontiagudo• equipamento de rádio que nãoesteja protegido contra vibrações• qualquer lastro ou peça pesadasujeita a alijamento• qualquer fusível que não estejadentro de um tubo de segurança ouapetrecho similar, para retê-lo eextingüi-lo• bebidas alcóolicas ou qualquer tipode drogas antes e durante o vôo.• vôo com fogos artificiais ouqualquer outro instrumento oudispositivo pirotécnico que exploda,lance foguetes ou bombas dequalquer natureza, salvo comautorização expressa da A.B.A.• que o aeromodelo tenha aidentificação (nº da Licençadesportiva - PT) de seuproprietário na asa num tamanhonunca inferior a 25 mm de altura.Esta identificação é obrigatóriaem vôos de lazer ou decompetição, de qualquer gênero,sendo dispensado somente, paraaeromodelos em escala. Nestamodalidade, a identificação deveráestar dentro da fuselagem.• que o “spinner” e outras peçasmetálicas ou igualmente rígidas quese projetem a frente do aeromodelodevam ter um raio mínimo de 5mm.Os aeromodelos devem serconstruídos a um padrão tal de modoque não falhem debaixo decircunstâncias normais e atençãoparticular nos controles de superfícies econexões.Os aeromodelos devem ser checadoscompletamente antes de cada sessãode vôo e depois de qualqueraterrissagem anormal.(a) Nunca voe com pouca luz ouvisibilidade.(b) Nunca voe em cima ou perto dequalquer cabo. Fios de telefone sãoperigosos e cabos de eletricidadepodem até matar. Até mesmo as baixaslinhas de eletricidade niveladas empostes de madeira levam voltagensletais.(c) Não deixe combustível, baterias,etc. onde crianças ou outrosespectadores possam ter acesso.(d) Voar sozinho deve ser evitado, sepossível. Há vários casos em queaeromodelistas são feridos e precisamde pronto atendimento de colegas.(e) Se houver crianças, tenha certezade que estão sob forte supervisão deum adulto.(f) Cachorros e aeromodelos não semisturam. Se você leva seu cachorrocampo de vôo, prenda-o firmementelonge da área de risco.EXIGE-SE:Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


82. SEGURANÇA EM MODELOS RÁDIO CONTROLADOSSeu prazer em voar um aeromodelo,agora e no futuro, depende dodesenvolvimento em exibir umaconsciência de segurança em primeirolugar, em seu equipamento e no localem que você voa. A melhor publicidadeque o esporte pode receber é ademonstração de atitude responsávelde nosso pessoal.É importante lembrar-se que nossoesporte é um pouco fora do usual e,embora nós sejamos uma das maioresassociações nas atividadesaerodesportivas, somos aindavulneráveis aos aspectos negativos deopinião pública.As normas aqui apresentadas nãosão um obstáculo ao seu prazer. Pelocontrário, mostram o respeito doaeromodelista para com seuequipamento e seus colegas.Faça destas normas, um hábito edivulgue-as aos novatos. Coloque-asem prática no seu clube. Assim, suassessões de vôo serão sinônimos deprazer.ANTES DE SAIR DE¢CASARecicle ou carregue as baterias doTransmissor/Receptor.Recicle ou carregue NiStarter.¢Verifique a carga da bateria da¢maleta de campo. Deixe na cargatoda a noite antes dos vôos, se foro¢caso.Verifique o nível do reservatório decombustível. Se for o caso,¢completar.Verifique o conteúdo da maleta decampo. Todos os itensindispensáveis ao vôo deverãoestardisponíveis(parafusos/elásticos de asa,ferramentas, material de limpeza,¢etc).Logo antes de sair, ao retirar asbaterias do carregador, verifique acarga disponível, talvez o passomais importante de todo o checklist.MODELOSAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999Todos os modelos de R/C estão¢sujeitos a vibração em vôo, batidasno pouso, dano no transporte etc.Esteja certo que os receptores ebaterias estão bem protegidos,servos estão fixados com firmeza,controle de links, são fortes obastante para sua finalidade, estãoapoiados corretamente onde¢necessário.Com um equipamento de rádionovo ou o de seu uso habitual, umcheque de alcance no solo éessencial, preferencialmente com omotor acelerado em alta rotação.Se distancie pelo menos 50 metrosdo modelo para teste de alcance do¢rádio.Quando acionar o motor, tenhacerteza que o modelo esteja bemseguro e não pode avançar. Façaos ajustes sempre posicionadoatrás do aeromodelo, se possível.Uma hélice quebrada poderá¢voar.Uma hélice quebrada também seráum perigo a qualquer um queestiver na área de pit. Assim, tenhacerteza que não há ninguémpróximo quando acionar seu¢motor.Antes de todo vôo, confira atrimagem do transmissor,interruptores de switches etc. seestão nas posições corretas e quecada superfície de controle nosmovimentos do modelo estejamlivres e posicionados¢corretamente.Imediatamente antes dedecolagem, os controle de vôodeverão ser checados porcompleto, livres e com movimentocorretos. Se houver qualquerdúvida sobre a operação, não VOE.IMPORTANTE:Após chegar e se instalar na pista:¢Verificar o quadro de freqüências.Combinar vôos se houverfreqüência igual à sua.¢Nunca é demais lembrar que álcoolsó no combustível. Deixe paraencher seu tanque depois de voar.PRE-CHECAGEM


9Ao chegar na área de£vôo:Confira a estrutura do modelo ecertifique-se que não houve avariano transporte. Observar se não hásinais de fadiga ou fissuras,principalmente se for£chapeadoCheque se os servos tem seufuncionamento perfeito e estão£seguros.Confira hélice e motor. Verifique seestá seguramente fixa.Todos os links internos e externos.£Todas as dobradiças de superfícies££móveis.Tubulação de combustível.Observar se há furos ou rasgos£aparentes.Observar também se há algumadobra pronunciada, principalmentena do¤ ¥§¦©¨©saídaApós obter a liberação defreqüência, interruptor dotransmissor LIGADO então receptorLIGADO. Cheque se todos oscontroles operam livremente e nosentido correto. Cheque se todasas superfícies de controle estão nasposições corretas com a trimagemdo transmissor no neutro.Fique de olho para qualquer maufuncionamento do rádio comorespostas lentas ou servostrêmulos. Se houver dúvida, nãoVOE.Depois de ligar o motor, aguardar oaquecimento e cheque suacarburação levantando o nariz domodelo e aguardando de dez aquinze segundos com o motor todoacelerado. Certifique-se de que nãohá variação na carburação. Se omotor falhar ou cortar, isto significaque ele está pobre de combustível.Abra um pouco a agulha até queele fique afinado. Repita o teste atéque tudo funcione perfeitamente.Verifique também a marcha lenta ea retomada de aceleração.VOANDOAeromodelistas de R/C semexperiência nunca devem voar semum instrutor experiente.Todos os pilotos devem usar amesma área de decolagem emqualquer sessão de vôo particular.Não taxie fora de, ou na área de pit.Antes da decolagem, confira que osolo e a área de vôo estejam livrese nunca decole ou aterrisse sehouver outros pilotos ouespectadores na área.Sempre execute a volta inicialdepois da decolagem longe deespectadores e áreas deestacionamento. As manobrassempre devem ser realizadas longede espectadores, áreas deestacionamento e outras pessoas.Sempre mantenha uma visão clarado modelo e permita que fique certode que existe uma área grandeentre a área de vôo e osespectadores. NUNCA voe entrevocê e espectador ou áreas de pit,especialmentequandoaterrissando.Não SOBREVOE casas, jardinsdomésticos, estacionamentos,estradas, estradas de ferro ouespectadores.Você não podecontrolar as pessoas quecaminham a uma distância razoávelda área dedecolagem/pouso.A qualquer sinal de maufuncionamento ou um lançamentoinesperado de partes do modelo,pouse assim que seja seguro fazêlo.Não distraia os pilotos,especialmente quando eles estãocontrolando os modelos nadecolagem ou aterrissagem.Os clubes devem exercitar controlerígido na área de pouso/decolagemusadas. Os aeromodelistas queestão chegando para decolardevem ser informados dosaeromodelistas que estão voando.Pilotos que estejam aterrissandodevem ter prioridade, porém devemfalar alto e claro suas intenções etenha certeza que foi ouvido. Umcolega pode não ouvir você pertodo ruído do motor.NUNCA assuma que a área deaterrissagem está mesmo limpa sevocê chamou a aterrissagem. EmAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


10situações de emergência peçaajuda de seus colegas e sempreesteja preparado para aterrissar emum lugar seguro fora da área deaterrissagem se necessário. EmTODOS os casos, a segurança daspessoas é prioridade.CHEQUES DEPOIS DE CADA VÔOReceptor DESLIGADO, entãotransmissor DESLIGADOLibere o sistema de controle defreqüência.Confira hélice, estrutura,subestrutura e asas.LEMBRE-SE - Nunca voe com umaeromodelo danificado ou hélicequebrada, ou com qualquer possívelproblema de rádio.Não deve ser acentuado que umhelicóptero tenha que ter um grau maisalto de segurança que qualquer outromodelo.É VITAL que você nunca voe ou hovereseu helicóptero em ou próxima a áreade pits ou próximos espectadores.Quando acionar o modelo na área pits,segure a cabeça de rotor firmemente.Só voe quando estiver seguro queesteja longe de outras pessoas.Não libere o rotor do modelo até quevocê esteja seguro em fazê-lo eNUNCA ESQUEÇA a quantidade deenergia que há em um rotor girando.Sempre equilibre as pás do rotor elembre-se sempre que a vibração emhelicópteros pode ser destrutiva.Um HELICÓPTERO NUNCA DEVE, deforma alguma, ser VOADO OUHOVERADO(a) EM OU PRÓXIMA a área de pits ouperto de qualquer espectador.(b) Diretamente para a área de pits ouqualquer espectador.(c) Com lâminas de rotor de metal.(d) Com lâminas de rotor danificadasou fora de passo. Note que as pás demadeira devem ser reforçadas na raizcom fibra de carbono ou algum outromaterial satisfatório.(e) Na presença de espectadores ouem uma competição até que sejacorretamente testado e provado estarem condições aeronavegáveis.(A) CONFIRA ANTES DE CADASESSÃO DE VÔO(1) confira toda os balls links e mude-osse necessário.(2) cheque se todas as lâminas de rotorestão em boas condições3. HELICÓPTEROS(3) confira se todos os parafusos estãono lugar e devidamente apertados.(4) cheque se todos os servos estãoseguros e livres de óleo.(5) cheque se o tanque de combustívelestá seguro.(6) cheque se a antena de receptorestá segura e em boas condições(B) CHEQUE ANTES DE CADA VÔO(1) se um helicóptero sofrer dano ouuma aterrissagem forçada, rechequenovamente a parte (A)(2) confira todos os controles antes deiniciar, especialmente os links e servos.(3) reconfira os controles em altarotação antes de hoverar.(4) confira se há vibração e elimine-aantes do vôo.(5) confira as lâminas do rotor principal(6) cheque se a antena de receptor nãoesteja “emaranhada”(7) cheque em dobro se todos osinterruptores no transmissor estão nasposições corretas antes de TODO ovôo.SEGURANÇA DE HÉLICES DOROTORPerda de hélices do rotor têm cincocausas básicas: defeito de fabricação,montagem incorreta, consertosincorretos, dano em acidente edesgaste natural.Por isso, resumindo, mantenha o olhoaberto em suas hélices do rotor e nãovacile em descartá-las caso tenhaalguma dúvida de suas condições. Nãoconserte nada que você não estejacompletamente ciente do que estejafazendo.Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


12desde que o total do empuxo nãoexceda esta proporção.Motores que utilizam gás propanodeverão ser segregados em partesseparadas para cada um dosmotores, de modo que a exaustãodos gases não se misturem,causando uma ignição contrária.Rodas com freio são obrigatórias, amenos que o modelo demonstreque possa permanecer inertequando o motor estiver em baixarotação.Um extintor de incêndio deveráestar presente por toda a operação,inclusive nas recuperações. Paraeventos e demonstrações, umequipamento de combate a fogodeverá estarpresente.O combustível é limitado aquerosene, propano e gasolina, amenos que aprovado pela ABA.Uma área de início de pelo menos9 metros do som da turbina deveráser designada. Adicionalmente,para combustíveis a gás, mais 9metros deverá ser mantido durantea operação de ignição. O escapenunca deverá estar apontada paraninguém durante a partida oufuncionamento do modelo.A instalação do motor deverá serrealizada com atenção de modoque sejam livres os fluxos de ar ede gases de escape e não hajaobstáculos que dificultem a rápidaextinção de fogo ao se dar partida.É proibido qualquer sistema de póscombustão.Qualquer motor envolvido emacidente deverá ser examinadoatentamente e certificada suasegurança antes de operá-lo emvôo novamente.Além do controle padrão do fluxode combustível, o motor deve teruma válvula para o corte daalimentação acionada remotamentepelo piloto e/ou por um dispositivoautomático no caso de falha nosistema de rádio-controle.OBSERVAÇÕES:Para demonstrações ou vôos nosEstados Unidos, o aeromodelistanecessita requerer uma carta da A.B.A.autorizando-o e qualificando-o comopiloto desta modalidade.A documentação para a obtençãodesta autorização encontra-se adisposição na secretaria da A.B.A.Só serão aceitas demonstrações deestrangeiros no Brasil, caso tenha umacarta de sua Entidade, autorizando-o equalificando-o como aeromodelista demodelos com turbina a gás.O INICIANTEÉ importante que todo o clube recebabem os iniciantes e curiosos. Conversecom ele respondendo a todas asdúvidas e apresentando-o a todas asmodalidades para que ele as conheça.Oriente-o para a compra de modelostreinadores e escolas de montagem.Disponibilize horários específicos paratreinar os novos aeromodelistas.Destaque um ou mais instrutores quereceberão o manual da ABA, envie suaficha para que faça parte de nossocadastro. Não será cobrado nada maispor isso.Lembre-o da importância de tirar suaLicença e ser bem recebido emqualquer clube do país e fora daquitambém. Sua atitude no vôo refletirásua atitude como aeromodelista.Os aeromodelistas novatos nãopoderão operar seu aeromodelo sem apresença de um instrutor até que estejaapto para tal. Porém, o clube enviará aA.B.A. a ficha de registro e opagamento do aeromodelista que estáiniciando para que seja enviado umaLicença Provisória. O seguro só cobrirácaso o aluno esteja voando com cabotraining. O clube será responsável emmarcar uma prova para que ele possademonstrar suas habilidades, conformeanexo. Deverá ser enviado a ABA asúmula da prova assinada, e a novacarteira será enviada, caso estejadentro da validade.Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


13O teste de aptidão é uma provaimportante para que o aeromodelistaconscietize-se da importância de voardentro de padrões adversos de vôo.Marque um dia para o teste e peça aoestudante que realize os três itens doTESTE DE APTIDÃOteste normalmente, como um diacomum de vôo e o professor deverápontuar discretamente, sem nadacomentar. Após a realização da prova,parabenize o estudante e comentesuas falhas em tom ameno, mas firmeCada clube deverá enviar a A.B.A., anomeação de instrutores e asrespectivas categorias, de acordo como número de sócios.Na ficha do instrutor deverá constar aassinatura do presidente do clube erespectivo diretor técnico.A licença dos instrutores terá avalidade de um ano e substitui alicença de operação somente para acategoria anotada.Uma listagem será enviada a todos osclubes e lojas com as nomeações.QUESITOS MÍNIMOS PARAINSTRUTORESter sua licença de operaçãoatualizada e válidaINSTRUTORESque seja apto tecnicamente a darinstruções tanto de vôo como desolo (parte mecânica e teórica)que seja indicado pelo Presidentee Diretor Técnico com osrespectivos avaisque seja maior de 18 anos ou sefor menor, deverá vir acompanhadodo nome do responsável erespectivo número de documento.que não esteja respondendo anenhum processo administrativo naABA ou impedimento em algumaentidade regularizada.Será enviado aos instrutores, ummanual com as orientações parainstrução.Obs.: o diretor técnico será responsávelpela efetuação das provas nos clubesque não tiverem instrutores.As tabelas de freqüência devem serdifundidas entre os associados. Deveser proibido pelo clube que oaeromodelista voe com outrafreqüência que não sejam asrelacionadas abaixo. Lembre-se que oseguro não cobre danos causados cominterferências provocados comfreqüências que não aquelasdestinadas ao aeromodelismo.Portaria nº 915 de 27.07.1993 -Ministério das ComunicaçõesLargura da Faixa:A largura máxima de faixa autorizadapara qualquer tipo de transmissor detelecomando é 8 Mhz.Estabilidade de FreqüênciaTABELA DE FREQÜÊNCIASAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999Todos os transmissores detelecomando deverão ser mantidosdentro de uma tolerância de freqüênciade 0,005%. Após 1º de março de 1998,para as faixas 72 Mhz e 75Mhz, atolerância de freqüência passará para0,002%.PotênciaA potência máxima da portador nasaída de um transmissor detelecomando, sob qualquer condiçãode modulação, não deverá exceder a0,75 W, das faixas 72 e 75.Condições de uso:A utilização destas faixas, na formaestabelecida por esta Norma, éexclusiva para a operação remota dedispositivos, de forma unidirecional,


14sendo vedada a transmissão de voz oudados.Não será exigido o licenciamento parainstalação e funcionamento deestações de telecomando que atendamas condições estabelecidas destaNorma. Esta dispensa não diminui aresponsabilidade do usuário em operarconvenientemente o sistema, a fim deevitar interferências prejudiciais nasestações licenciadas e na recepçãodos canais 4 e 5 de televisão. EstasFAIXA 72 MhzAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999estações não tem direito a proteçãocontra interferência prejudicial causadapor outra estação deradiocomunicações, inclusive deestações do mesmo tipo.As freqüências da faixa 72 Mhz sãodestinadas, exclusivamente para aoperação de aeromodelos.As freqüências da faixa 75 Mhz sãodestinadas, exclusivamente para ooperação de modelos de superfície.CANAL Nº FREQÜÊNCIA (Mhz) CANAL Nº FREQUÊNCIA (Mhz)1 72,010 26 72,5102 72,030 27 72,5303 72,050 28 72,5504 72,070 29 72,5705 72,090 30 72,5906 72,110 31 72,6107 72,130 32 72,6308 72,150 33 72,6509 72,170 34 72,67010 72,190 35 72,69011 72,210 36 72,71012 72,230 37 72,73013 72,250 38 72,75014 72,270 39 72,77015 72,290 40 72,79016 72,310 41 72,81017 72,330 42 72,83018 72,350 43 72,85019 72,370 44 72,87020 72,390 45 72,89021 72,410 46 72,91022 72,430 47 72,93023 72,450 48 72,95024 72,470 49 72,97025 72,490 50 72,990FAIXA 75 MHZ (preferência p/ modelismo de superfície)CANAL Nº FREQÜÊNCIA (Mhz) CANAL Nº FREQUÊNCIA (Mhz)1 75,410 16 75,7102 75,430 17 75,7303 75,450 18 75,7504 75,470 19 75,7705 75,490 20 75,7906 75,510 21 75,8107 75,530 22 75,8308 75,550 23 75,8509 75,570 24 75,87010 75,590 25 75,89011 75,610 26 75,91012 75,630 27 75,93013 75,650 28 75,950


1514 75,670 29 75,97015 75,690 30 75,990A ABA, seguindo a tendência mundial,está oferecendo seguro contra terceiros(responsabilidade civil) para osassociados possuidores da LicençaDesportiva.Leia com atenção o texto abaixo equalquer dúvida, entre em contato coma entidade:DEFINIÇÃO DO SEGURO:Garante ao segurado o reembolso deindenização que tenha pago emconseqüência de lesões corporais oudanos materiais sofridos por terceiros,desde que provocados por atosinvoluntários do segurado.COMPANHIA: América Latina Cia. deSeguros (fundada em 1887)GARANTIA OFERECIDA:Reembolso ao Segurado por danosmateriais e/ou pessoais resultanteexclusivamente de acidente provocadopor aeromodelo de qualquer espéciepelo próprio segurado, desde quedevidamente licenciados junto aABA e habilitados para exercer aprática do esporte e que tal práticaesteja sendo realizada emdependências legalizadas, de acordocom os regulamentos internacionais,e normas estabelecidas pelaAssociação.Segurado: exclusivamente as pessoasfísicas associadas a ABA enominalmente incluídas na apólice,através de identificação contendo nomecompleto, número de documento deidentidade, modalidade que pratica,número da Licença na ABA eImportância Segurada contratada. ASeguradora não reconhecerá qualquerSEGURO CONTRA TERCEIROSresponsabilidade resultante deacidentes provocados por associadosque não tenham sido incluídos naapólice mediante identificação.IMPORTÂNCIA SEGURADADe livre escolha do segurado a partirde R$ 20.000,00, limitada ao máximode R$ 100.000,00 por associado erepresenta o máximo deresponsabilidade da Seguradora emrelação ao associado, por prejuízosresultante de um sinistro e/ou série desinistro decorrente do mesmo evento e,ainda pela soma das indenizaçõespagas durante o período de vigência doseguro individual.Para fazer juz ao seguro, oaeromodelista deverá enviar a ficha deregistro corretamente preenchida esem deixar de anotar nenhum dado. Oaeromodelista menor de idade deverácolher a assinatura do responsável como devido nº de documento.O seguro será válido da emissão daLicença até seu vencimento (01 ano).O aeromodelista só está assegurado seestiver operando dentro de qualquerclube que esteja regularizado a ABA ecaso seja constatado fatalidade. Ouseja, o clube deverá apurar os fatoscorretamente (se não houve corretoprocedimento das normas desegurança, se o aeromodelista estavautilizando a freqüência destinada, etc.).Se for constatado a qualquer momentoque houve negligência nas normas desegurança, o aeromodelista nãoreceberá o reembolso do seguro alémde estar passível de sofrer asuspensão de sua Licença.Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


16VALOR DO PTTabela de prêmios e coberturasTOTAL A ENVIARVALOR DOPRÊMIOVALOR DACOBERTURAOBRIGATÓRIAR$ 19,00 R$ 10,00 R$ 29,00 R$ 20.000,00OPCIONAISR$ 19,00 R$ 14,00 R$ 33,00 R$ 30.000,00R$ 19,00 R$ 17,00 R$ 38,00 R$ 40.000,00R$ 19,00 R$ 23,00 R$ 42,00 R$ 50.000,00R$ 19,00 R$ 28,00 R$ 47,00 R$ 60.000,00R$ 19,00 R$ 32,00 R$ 51,00 R$ 70.000,00R$ 19,00 R$ 37,00 R$ 56,00 R$ 80.000,00R$ 19,00 R$ 41,00 R$ 60,00 R$ 90.000,00R$ 19,00 R$ 46,00 R$ 65,00 R$ 100.000,00O seguro não será pago se:• O aeromodelista estiver voando emoutra área que não os clubesregularizados pela Entidade;• Não estiver utilizando freqüênciadestinada ao aeromodelismo;• Estiver voando fora das normas desegurança da entidade.O clube em que ocorrer o acidentedeverá enviar a ABA um relatóriocontendo todos os detalhes possíveisdo acontecido, os envolvidos, causas eoutras observações pertinentes. Esterelatório deverá ser assinado pelosegurado e pelo presidente do clube.Procedimento para acionar o seguro:A ABA também ajuda na organizaçãodo calendário nacional de provas eeventos do ano. Para que seu clubepossa incluir-se neste calendário, bastaenviar a ABA até o dia 10 dedezembro de todos os anos umcronograma de provas e eventos queserão organizados pelo clube. Assim,seu evento será divulgado durante oano todo, pela Internet e pela revista daABA, dando tempo aos aeromodelistasprogramarem-se.Cuidamos também da organizaçãopara que sua prova ou evento nãoocorra com outros na mesma região.O Clube que enviar a ABA umcalendário deverá cumprir o que segue:• As provas e eventos deverão serrealizadas na data constante nocalendário.• A organização das provasconstantes do calendário,excetuando o CampeonatoBrasileiro, é de responsabilidadeCOMPETIÇÃOAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999dos Clubes. Solicitamos a gentilezade entrar em contato antes comcada um para confirmação doevento e solicitação das regras deprovas que não constam noregulamento ABA ou FAI(promocionais).• Clube que cancelar ou adiar provasdeverá informar a A.B.A. com pelomenos 15 dias de antecedência,por escrito, já marcando uma novadata dentro do prazo máximo de 30dias para o acontecimento doevento, conforme disponibilidade decalendário. Caso não hajadisponibilidade, o evento seráautomaticamente cancelado. AABA não homologará provas quetenham sido remarcadas semprévia autorização.• A prova que não for realizada pormotivo de força maior (chuva,ventania, falta de corpo deorganização) será cancelada, nãopodendo ser remarcada.


17• Divulgue com antecedência regraslocais• Organize o corpo de jurados comantecedênciaO aeromodelismo traduz-seprincipalmente por competição. Osnovatos sempre são sempre bemvindose não devem ter nenhum medode participar, pois não há nenhumadúvida que a competição melhorarásuas habilidades e até mesmo osperitos podem ser batidos. Participandode provas, pode somar-se o prazer domodelista em voar e também lhe dará aoportunidade para ver alguns dosmelhores e competidores em ação.Estimule seus associados acompetirem, começando pelas provaspromocionais que são mais simples doque as modalidades FAI. Divulgue oregulamento e forneça-os aosinteressados. Assim, você tambémestará divulgando o nome de seu clubepelo país.Para escolher os representantes doBrasil que participarão deCampeonatos Mundiais, a ABA formulaum ranking que dura dois anos.O Campeonato Brasileiro é realizadoem anos alternados ao Mundial comosegue:RANKING 1999 - 2000MODALIDADE BRASILEIRO MUNDIALF2 – Modalidades anos ímpares anos paresVCCF3 – Acrobacia R/C, anos pares anos ímparesPlanadores,Helicóptero e PylonRacingF4 – Escala anos ímpares anos paresF3J – Planador anos ímpares anos paresCRITÉRIOS PARA A FORMAÇÃO DO RANKINGVÁLIDO A PARTIR DE 01.01.1999• A seleção será feita entre osaeromodelistas de posse da licençade operação (PT) devidamenteregularizada.• Os clubes deverão enviar osresultados para registro no prazomáximo de 15 dias após arealização do evento.• O Clube em que o aeromodelistaestiver registrado deverá estar comsuas obrigações em dia com aA.B.A.• Não serão válidos resultados cujaprova tenha sido realizada em Clubenão regularizado perante aEntidade.CRITÉRIOS PARA A CLASSIFICAÇÃOMODALIDADES R/C – ACROBACIA /HELICÓPTERO / PYLON RACINGPor motivos de Campeonato Mundial,não haverá em 1999, sistema deranking para as modalidades R/C. Parao ano 2000, o ranking deverá seguir deacordo com o descriminado abaixo.Para que 1999 não passe semincentivo, a ABA instituirá um troféuestadual para estas modalidades. Sepossível, será instituído também paraas modalidades promocionais.Utilizaremos a tabela abaixo declassificação e será fornecido um troféutransitório para o campeão de cadaestado nas modalidades realizadas eAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999entregaremos, junto com a divulgaçãodos resultados no mês dedezembro/99.Este troféu ficará sob responsabilidadedo clube a que o campeão pertença eserá responsável pela sua devoluçãoem dezembro de 2000. Deverá sergravado no troféu, o nome do campeãoestadual e o ano de sua conquista,ficando assim, historicamenteregistrado os campeões estaduais acada dois anos.MODALIDADE ESCALA R/C F4CDevido a complexidade da prova,somente o Campeonato Brasileiro, que


18será realizado em Brasília – DF seráválido para a classificação do ranking.MODALIDADE PLANADOR F3JPor ser o primeiro ano de provas destamodalidade e termos somente oCampeonato Brasileiro esta ano, seráválido para classificação do ranking ostrês primeiros colocados.MODALIDADE V.C.C.As provas determinadas pela ABArecebidas pelos clubes, constantes docalendário de 1999 serão válidas paradeterminação do RankingTABELA DE PONTUAÇÃOColocação 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º.....Pontos 20 19 18 17 16 15 14 13 12 11 10• Só serão computados pontos parao competidores (equipes para F2Ce F3D) que efetuarem pelo menos01 rodada completa.• O competidor (equipes para F2C eF3D) que não completar ao menosuma rodada na prova receberápontuação zero.• Caso haja cancelamento da provapor motivo de força maior (chuvaforte, ventania, falta de corpo deorganização ou o mínimonecessário de competidores paraque a prova seja realizada), a provanão poderá ser remarcada e a ABApoderá marcar o mais brevepossível, outra prova futuraconstante no calendário oficialcomo sendo válida para o ranking,para que o número de provasnecessárias não seja prejudicado.• Caso haja cancelamento do eventopor parte do clube, a ABA indicaráoutra prova futura de imediato paraa computação dos resultados,divulgando previamente a todos osclubes a alteração.• Será obrigatória a participaçãono Campeonato Brasileiro. Ocompetidor ou equipes (equipesF2C ou F3D) que não competirautomaticamente ficará fora doranking.• Por determinação do diretor deprova ou direção técnica (ABA) ocheck dos modelos poderá serefetuado antes do início dascompetições ou ao término damesma. O(s) modelo(s) que estiverfora das especificações técnicasserá desclassificado da provaindependente de sua colocação esua pontuação será zero. Poderáser sorteado no mínimo de 02participantes , os três finalistas outodos os participantes.Obs = O check deverá ser feito nosmodelos inscritos, tanto os titularesquanto aos reservas inscritos sehouverem, independentes de teremparticipado do evento. O materialtécnico para check deverá serfornecido pelo clube que venha asediar o evento.• O competidor que quiser efetuar umprotesto, deverá faze-lo, conformeregulamento FAI (inclusive com opagamento da taxa que será fixadapara o ano de 99 correspondendoao valor pago na inscrição). Todosos protestos deverão serencaminhados para a ABA com oparecer do diretor de prova paraanálise.• Os resultados parciais serãodivulgados na revista da ABA,Dédalus, pela Internet, através dahome page da entidade(http://www.aba-br.org.br) e ficarãoa disposição dos competidores sobsolicitação.Classificação final:• O resultado final do Ranking édeterminado considerando a somatotal de pontos obtidos pelocompetidor (equipes para F2C eF3D) nas provas determinadas,sem descarte de nenhumresultado.• Se ocorrer empate, serãorealizadas provas seletivas,Associação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


19considerando-se as necessidades ecircunstâncias, sendo que deverãoser efetuadas em duas etapas e emdias diferentes, salvo se houverconcordância de todos osparticipantes para se realizar emum só dia. Locais e datas serãoestipuladas pela A.B.A. e aconvocação para a seletiva seráexpedida com pelo menos 15 diasde antecedência.• A lista dos selecionados serádivulgada e expedida a convocaçãoa cada um dos elementosselecionados, após a apuração dosresultados. Os convocados deverãoconfirmar sua participação dentrode 30 dias após a emissão daconvocação. No caso dedesistência ou não confirmação noprazo determinado por parte doaeromodelista, será convocado osubseqüente na lista.• Normas de segurança devem serrespeitadas.• Regulamentos foram escritos paraserem cumpridos na íntegra.• Todo competidor deverá portar suaLicença de Operação (PT) dentroda validade e apresentá-la naocasião da inscrição.• Caso o competidor não tenhanúmero de PT ou esteja vencido,deverá ser vetada suaparticipação em provas oficiais,sob pena de não homologaçãoda prova. Não há justiça emCONDUTA DE PROVASPROTESTOSconceder um prêmio ao competidorque não está em dia com seu Clubeou com sua Entidade Maior.• É de direito de qualquer membro dadiretoria da A.B.A. fiscalizar provasque constem no Calendário Oficial.• Não deverão ser aceitos protestosverbais do competidor. Só serãoanalisados os protestos que vierempor escrito em formulário próprioconforme modelo em anexo.• Diretor da Prova é soberano e suasresoluções deverão ser acatadaspelos competidores.• Em caso de protestos, o Diretor deProva tem o direito de paralizar acompetição pelo tempo que fornecessário e consultar seusassistentes ou árbitros para que adecisão seja justa e de acordo comos Regulamentos. Seu parecerdeverá ser enviado junto com assúmulas para a A.B.A..• Caso não haja condições dedecisão na hora do evento, oprotesto deverá ser encaminhado aDiretoria Técnica da ABA paraanálise e posterior divulgação doresultado, juntamente com assúmulas.• É obrigação do competidor acataras decisões da mesa diretora.Estas normas deverão ser doconhecimento de todos oscompetidores antes do início dasprovasAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


20Existem dois tipos de regulamentos deprovas: FAI e Promocional. Osregulamentos FAI são utilizadosmundialmente em todas ascompetições. Os promocionais foramdesenvolvidos para iniciar novoscompetidores e suas regras são válidassomente no Brasil.REGULAMENTOSOs regulamentos são enviados a todosos clubes na ocasião de sua filiação eanualmente são enviadas modificaçõesque visam melhorar cada vez maisseus desempenhos ou criar novasnormas de segurança.Abaixo, a classificação de competições:Categoria F1 - Vôo LivreVôo durante o qual não existe nenhuma ligação entreo aeromodelo e o concorrente, ou seu ajudante. Sãosomente permitidas funções de rádio controle quandoespecificamente referidas nas regras para determinadaclasse.ClassesF1A Planadores A-2F1B Modelos Com Motor A ElásticoF1C Modelos Com Motor De PistãoF1D Indoors Ou Modelos De InteriorF1E Planadores Com DireçãoAutomáticaF1F HelicopterosF1G Modelos "Coupe D Hiver" ComMotor ExtensívelF1H PlanadoresFIJ Modelos Com Motor A PistãoF1K Modelos Com Motor Co2F1L Modelos Indoor (Ezb)Categoria F2 - Vôo Circular ControladoVôo durante o qual o aeromodelo éaerodinamicamente manobrado por superfícies decontrole, em altitude e atitude, por um piloto no chão, por meio de um oumais cabos não extensíveis,diretamente ligados ao aeromodelo. Podem ser usados sistemas nos quaisos fios ou cabos de controle sãomantidos na mão ou conectados a um pivô central.Nenhum outro meio de controle do modelo ou motorpode ser usado durante a decolagem e vôo, excetoo exercido pelo piloto através dos cabos ou cabo.F2AF2BF2CF2DClasseModelos de VelocidadeModelos de AcrobaciaModelos de Corrida em ConjuntoModelos de CombateNACIONAISAcrobacia Mini-FAIAcrobacia IniciantesCorrida Fórmula BrasilCorrida Força LivreCombate CBAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999


21Categoria F3 - Rádio ControleVôo durante o qual o modelo é aerodinamicamentecontrolado por superfícies de controle em atitudedireção e altitude, pelo piloto estando no solo,usando rádio controle.F3AF3BF3CF3DF3FF3GF3HF3IF3JClasseModelos De AcrobaciaPlanadores TérmicosHelicopterosPylon RacePlanadores De ColinaPlanadores Com MotorPlanadores Térmicos De "CrossCountry”Planadores Rebocados PorModelos MotorizadosPlanadores Térmicos De DuraçãoNACIONAISAcrobacia Mini-FAIAcrobacia AvançadoHelicóptero AvançadoHelicóptero Mini-FAIPlanadores Classe OpenPlanadores Classe 2,0Categoria F4 - EscalaUm modelo em escala é uma reprodução reduzida deum aeronave mais pesado que o ar concebido paratransportar um ser humano .F4AF4BF4CF4DF4EF4FClasseModelos em Escala Vôo LivreModelos em Escala V.C.C.Modelos em Escala Rádio-ControladoModelos em Escala para Indoor(elástico)Modelos em Escala Indoor(CO2)Modelos em Escala Indoor(Fórm. Peanut)NACIONAISEscala Stand-OffCategoria F5 - Modelos de RádioControlados com Motores ElétricosEsta categoria divide-se nas seguintes classes:F5AF5BF5CF5DClasseModelos AcrobáticoModelos PlanadoresHelicópterosPylon RaceAssociação Brasileira de AeromodelismoHandbook – Normas e Procedimentos1999

More magazines by this user
Similar magazines