Edição 52 - Instituto de Engenharia

ie.org.br

Edição 52 - Instituto de Engenharia

“DISTRIBUIÇÃO GRATUITAANO V • Nº 52 • AGOSTO DE 2009iengenharia.org.brInstituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 1


“ opinião e EcletismoEngenhariaEcletismo é método que consisteem reunir teses de sistemasdiversos, ora simplesmentejustapondo-as, ora dispondo-asnuma unidade superior nova, criadora;posição intelectual ou moral caracterizadapela escolha, dentre várias formasde conduta ou opinião que se destacam,sem a observância de uma linha rígidade pensamento; flexibilidade intelectualprovida pela assimilação de informaçõesde diferentes setores culturais.Engenharia, fundamentada na ciência,é o conjunto sistemático de conhecimentosaplicáveis ao estudo, pesquisa,projeto, construção, operação, processo,sistema, materiais, máquinas, instrumentos.Sua doutrina, análise, síntese, integraçãoprojeto-construção lhe outorgaum papel central: o progresso da ciênciabasilar, dirigir o processo econômico,enfrentar desafios sociais, evoluir a pesquisabásica à aplicação definida, traduzirdescobertas e ideias inovadoras em ferramentasúteis, explorar o duplo sentidoda relação entre tecnologia e sociedade,essencial para desenvolver cidadãos capazesde aplicar ciência, tecnologia e técnicanos urgentes problemas dos povos,e, conduzir seu próprio crescimento paripassu à evolução dos meios de produção.O engenheiro, agente da concepçãoà construção e operação, é o profissionalpelo inato e formação, apto a criar modelosmentais, tornar em prática a teoria, temo perfil do especialista versátil, generalizante,capaz também de aprender questõesnovas do seu ou de outro métier, por forçado ofício ou mero interesse.Foto: Instituto de EngenhariaEngº Benedicto A. dos Santos SilvaA formação do engenheiro, em universidadeconceitualmente de integraçãodisciplinar, requer intimidade com as CiênciasNaturais (biologia, física, geografia,geologia, química) e com as Exatas(matemática, estatística, computação). Aconclusão do curso representa a bagagemnecessária ao desempenho profissional,entretanto, proficiência requer intrepidez,contínua soma de experiência, atualização,especialização, cultura geral, e, inquestionáveladerência aos valores morais.O exercício da profissão exige constanteadaptação. A produção é regidapelo mercado (na atualidade globalizadaele se impõe ao homem, à sociedade, aoEstado) condicionando o trabalho. Bense serviços requerem criatividade, estudo,projeto, construção, influenciáveis pelo nívelda infraestrutura à mercê da incúria daadministração pública, de irracional crescimentopopulacional e de inadequadosprocessos de urbanização.Os conhecimentos sobre o Universoe sobre os sistemas naturais conduzem omundo a transformações (revolução quântica,revolução informática); ele precisa teranalisados seu conteúdo e dinâmica paraser entendido como um todo e não comouma série de partes inconsistentes.A conjuntura internacional de produção:processos, instalações, matériasprimas,energia, mão de obra, políticasprotecionistas, tratados regionais, afetamaqui indústria, comércio, trabalho. Ospaíses preeminentes investem maciça ecriteriosamente em pesquisa se mantendona vanguarda; outros destinam recursos asetores considerados prioritários. O Brasiltem CNPq, Capes, Finep e FAPs, maspouco investe em pesquisa (C&T, P&D),atualiza-se em alguns segmentos, em muitosimporta produtos e/ou tecnologia, masprecisa despender na habilitação de pessoalpara incorporar o importado.Nenhum homem é uma ilha, nemautossuficiente, o intercâmbio se impõe;é preciso justificar a existência e prover opróprio sustento. O indivíduo não é apenasresponsável por cumprir seu dever,mas por determiná-lo para manter créditoem sua relação com a sociedade. Precisadar tudo de si, guiar-se pela responsabilidade,mobilizar seus inerentes recursos,tratar os dados e condicionantes do meio,distribuídos nas variáveis pessoais e ambientais,das quais o domínio permite caracterizaralternativas e definir posição:Pessoais. O inato e o adquirido: estrutu-8Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“opiniãora orgânica, destacando-se o cérebro, o sítioda mente: consciente, inconsciente, subconsciente,inteligência, razão, emoção, aptidões,habilidades, vocação, caráter, personalidade,visão, aspirações, espírito, ambição, gostos,idiossincrasias. Conhecimentos assimiladosao longo da trajetória escolar, desde o ensinobásico ao superior, outros cursos, vivência,trabalho, experiência, desenvolvimento.Ambientais. Parâmetros institucionais,materiais e mentais: geografia física e humana,educação, cultura, governo (políticase desempenho), leis, tributos, economia,nível de desenvolvimento, infraestrutura,energia, materiais e métodos construtivos,incompetência, fraude, corrupção, sonegação,violência, impunidade, justiça.As considerações sobre a Engenhariae o trabalho do engenheiro buscam equacionara dimensão da versatilidade cultural.O bom profissional se caracteriza pelaposse de visão coerente do mundo, pelo espíritocrítico, por saber articular conhecimentos.Ademais, o vigor do crescimentocientífico/tecnológico exige engenheiro doconceito, sólido conhecimento de tecnologia,firme condutor globalizado, mas aindalhe é indispensável o domínio da línguaportuguesa, do inglês, espanhol, francês,da linguagem do computador, e, noçõesdas Ciências Humanas e Sociais: antropologia,artes – arquitetura e urbanismo -, direito,negócios - economia e administração-, filosofia, história, letras, medicina, pedagogia,política, psicologia e sociologia.O saber científico é significativo naconfiguração do mundo atual, a culturahumanística e literária tem sólida importânciana formulação de diretrizes e naarticulação de valores para a sociedade. Éfundamental a recíproca e efetiva interrelaçãoentre eles, para possibilitar o tratamentodas questões contemporâneas.Vê-se, ecletismo para o engenheiroé dotar-se de recursos intelectuais abrangentes,permanecer inserto na vida de suaEscola, na sociedade dos colegas, utilizar aslições aprendidas, manter-se atualizado, amente apta às transformações, e, se estendeao pessoal: prezar a autoestima, se abstrairter amigos, ler, cultuar a música (expressaideias, sentimentos, valores, cultura, ideologia),praticar esporte, ir a cinema, teatro,conversar, contar piada, rir, cantar, dançar,viajar. Enfim, não se trata de privilégio nemsuperioridade, mas de dinâmica mental,pois toda e qualquer pessoa pode usufruira assimilação racional de conhecimento eevidenciá-la no comportamento em Família,na Profissão, na Sociedade.IEBenedicto A. dos Santos SilvaEngenheiroInstituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 9


“ opinião como uma medida urbanística de açãoO Plano Diretor,o uso do solo e a mobilidadecom segurançaOEstatuto da Cidade (Lei Federalno 10.257/2001) determinaque o Plano Diretor éobrigatório para os municípiosque tenham mais de 20 mil habitantes,sendo o conjunto de princípiose regras orientadoras e indutoras doordenamento e da ocupação físico-territoriale ambiental do município.Ele deve atender ao princípio constitucionalda participação popular noprocesso de elaboração, implementaçãoe revisão, ou seja, envolver toda a sociedadena construção coletiva dos destinosda cidade, a procura de um localmelhor e mais saudável para os cidadãos.Quantos de nós ouvimos comentárioscomparativos de nossa cidade,com outras cidades modelos em qualidadede vida, seja no Brasil ou no exterior.Isso parece objetivo inalcançável,um sonho. Ledo engano; precisamoster coragem para iniciar um processode mudanças.O Plano Diretor, com relação aotrânsito e transportes, deve contemplarmudanças de caráter preventivo devidoà complicação crescente para a mobilidadee segurança. As medidas tomadastêm sido de caráter corretivo, com regrasrestritivas aos cidadãos e suas atividades,“corremos atrás do prejuízo”.Existe uma liberalidade no uso dosolo para concentrações populacionaise comerciais, com a criação crescentede polos geradores de tráfego, é sóobservarmos as mudanças urbanísticasFoto: Arquivo PessoalEng“ Roberto Farahocorridas em São Paulo com poucacontrapartida nas medidas para reduçãodo impacto de trânsito, com oagravante do aumento de volume deveículos por família.Tem-se tornado comum a fixaçãode regras restritivas de circulação, semse coibir a construção de novos empreendimentosem áreas já saturadas. Poroutro lado, o Plano Diretor da cidadetem que contemplar medidas mais ousadasde incentivo a descentralizaçãoda cidade.Temos que inovar com soluções, assimcomo em tempos atrás foi modismoa Engenharia Reversa, irei utilizaro termo Trânsito Reverso, que definireipreventiva pela qual os viários já saturadose todo o seu entorno, seriam analisadostecnicamente e determinada aproibição de instalação de novos polosgeradores de tráfego ou alterações quecomprometam ainda mais a mobilidadee/ou segurança desta região.Estes viários, já saturados, apósanálise teriam seus estudos divulgadosà população a fim de evitar especulaçõese pressões políticas por novas instalações.A sociedade, neste caso, temum importante papel de protetor daquiloque almeja, ou seja, melhor qualidadede vida.Infelizmente tenho notado que ascidades menores têm seguido os mesmoscaminhos das maiores, permitindoo crescimento desordenado e centralizado,com nenhuma ou uma fraca regulamentaçãopara polos geradores detráfego e, quando percebem, já não hámais o que prevenir, é só remediar eouvir queixas de seus cidadãos.Sou adepto de maior foco de medidaspreventivas no Plano Diretor, talqual o relatado acima, além de investimentoem capacitação de profissionaiscompatível com a complexidade técnicado tema. Deixaríamos aí um legadopara as futuras gerações.IEEng. Roberto A. FarahVice-coordenador da Divisão de Trânsitodo Instituto de Engenharia10Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“ associe-sePara se associar ao Instituto de Engenharia, preencha o cupom abaixo e encaminhe à nossa Secretaria Geral, pessoalmente, pelos Correios(Av. Dr. Dante Pazzanese, 120 – Vila Mariana – São Paulo/SP – 04012-180) ou pelo fax (11) 3466-9232. Se preferir, ligue para (11)3466-9230 ou envie para o e-mail secretaria@iengenharia.org.br.NomeFormação:Instituição:Ano de Conclusão:Registro no CREA:EndereçoresidencialCidade:UF:CEP:Tel.:Fax:E-mail:EndereçocomercialCidade:UF:CEP:Tel.:Fax:E-mail:Correspondência:Endereço residencialEndereço comercialDesejando fazer parte do Instituto de Engenharia, na qualidade do associado,peço a inclusão do meu nome no respectivo quadro socialLocal:Data:Assinatura:Categoria Mensalidade Trimestre Anualcapital e Grande SP R$ 60,00 R$ 180,00 R$ 600,00nos primeiros 6 meses R$ 40,00 R$ 120,00 ----------------outros municípios R$ 30,00 R$ 90,00 R$ 300,00Recém-formado até 1 anocapital e Grande SP R$ 15,00 R$ 45,00 R$ 150,00outros municípios R$ 7,50 R$ 22,50 R$ 75,00Até 2 anoscapital e Grande SP R$ 20,00 R$ 60,00 R$ 200,00outros municípios R$ 10,00 R$ 30,00 R$ 100,00até 3 anoscapital e Grande SP R$ 24,00 R$ 72,00 R$ 240,00outros municípios R$ 12,00 R$ 36,00 R$ 120,00Estudantescapital e Grande SP ---------------- ---------------- R$ 20,00outros municípios ---------------- ---------------- R$ 10,0014Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“eventosAbertas as inscriçõespara o Torneio de XadrezEstão abertas as inscrições para o2º Torneio de Xadrez do Institutode Engenharia, que se realizaráno dia 29 de agosto (sábado), apartir das 13h, na sede social do Instituto.As inscrições, que se encerram às 18h dodia 26 de agosto (quarta-feira), podem serefetuadas por associados, estudantes de Engenhariae engenheiros não associados. Astaxas serão de R$ 10,00 para associados e es-tudantes e de R$ 20,00 para não associados.Além da Direção Técnica do Torneioser de Diogo Domiciano da Costa, ascompetições serão realizadas de acordocom as regras internacionais da FederaçãoInternacional de Xadrez (FIDE);e as arbitragens, pelo Árbitro da C.B.X.Sérgio Melo.Veja o regulamento no site www.iengenharia.org.br.Foto: Felipe ZanninVereador Ricardo Teixeira visita o Instituto de EngenhariaFoto: Claudio SilvaIEDa esq. para a dir. Amândio Martins, vicepresidentede Assuntos Internos; Aluiziode Barros Fagundes, presidente; MirianaMarques, diretora-secretária; vereador RicardoTeixeira; Sonia Freitas, vice-presidente deRelações Externas, e Marcelo Rozenberg,vice-presidente de Atividades TécnicaslivrosAmorização daMatemática comMapleAndré HeckPublit SoluçõesEditoriais - 2007A rápida evolução da Informática impõe permanentementeatualização de textos e, neste ponto,o Maple tem notável presença, tendo-se tornadoo software padrão para cálculo algébrico enumérico. Além disso, permite que por meio doMapleNet você realize seus cálculos por meio daweb. Traz a versão da Web 2.0 para a Matemática.20 anos de lições detrânsito - desafiose conquistas dotrânsito brasileirode 1987 a 2007J. Pedro CorrêaEditora Infolio – 2009O objetivo desse livro é procurar mostrar açõese omissões na área de trânsito nas últimas décadas.Não pode nem deve mostrar só rosas ou só espinhos,mas procurar um equilíbrio de análise factual entreo que aconteceu, o que poderia/deveria ter acontecidoe o que pode ainda acontecer. Avanços houve, emuitos, desapontamentos também.Exemplares disponíveis na Biblioteca.Para conhecer o funcionamento e o catálogo, acesse o site: www.iengenharia.org.brInstituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 15


“ especialInpe:desenvolvimento espacial parabenefício da sociedadeFernanda NagatomiConsiderado o centro de excelênciada área espacial, o InstitutoNacional de PesquisasEspaciais (Inpe) completouneste mês – dia 3 de agosto – 48 anosde história. Dirigido pelo engenheiro deeletrônica Gilberto Câmara desde dezembrode 2005, o Inpe é reconhecidonacional e internacionalmente devidoà geração de conhecimentos, produtos,processos e serviços.Ligado ao Ministério da Ciênciae Tecnologia (MCT), o órgão atua nodesenvolvimento tecnológico,pesquisa científica ecapacitação derecursoshumanos em Ciência Espacial e da Atmosfera,além de prestar serviços de monitoramentodiário do desmatamento daAmazônia, previsão do tempo, sensoriamentoremoto e observação da Terra.Vários projetos e programas estão emoperação para contribuir para que a sociedadepossa usufruir dos benefícios do contínuodesenvolvimento do setor espacial.A instituição desenvolve tecnologiade satélites de sensoriamento remoto,coleta de dados e científicos, além deaplicações e pesquisas científicas na áreaespacial. Já desenvolveu e colocou emórbita cinco satélites, sendo dois de coletade dados (SCD-1 e SCD-2), ambosoperacionais, com concepção, projeto eexecução nacionais; e três de sensoriamentoremoto CBERS 1 e 2 (inoperante)e CBERS 2B (em operação),desenvolvidos em parceriacom a China. Outrosdois satélites dessaparceria estãoem desenvolvi-mento, CBERS 3 e 4.Mesmo com todo o trabalho para odesenvolvimento de tecnologias, o Inpetem um orçamento anual de R$ 190milhões. Embora tenha conseguido aumentá-lonos últimos anos, ainda não é opatamar ideal. Outra dificuldade enfrentadaé a carência de profissionais jovens equalificados. “Hoje, estamos com saláriosmuito aquém do razoável. (...) A idademédia dos profissionais do Inpe é 47 anos.Temos uma enorme carência de jovenscientistas e engenheiros para substituir ageração que criou o Inpe, que está se aposentando.Atualmente, precisamos contratar60 pessoas por ano nos próximosdez anos, apenas para manter o quadroatual”, desabafou o diretor em entrevistaao Jornal Inovação, da Unicamp.O Inpe dispõe de cursos de pósgraduaçãonas áreas de Astrofísica, Engenhariae Tecnologia Espacial, GeofísicaEspacial, Computação Aplicada,Meteorologia e SensoriamentoRemoto.16Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“especialDESTAQUESPrograma CBERS (China-Brazil Earth Resources Satellite) –Nasceu em julho de 1988 e foi umaparceria inédita entre Brasil e Chinano setor técnico-científico espacial.Com isso, o Brasil ingressou no seletogrupo de países detentores datecnologia de sensoriamento remotoe obteve uma poderosa ferramentapara monitorar seu imenso territóriocom satélites próprios com essa tecnologia,buscando consolidar uma importanteautonomia neste segmento.O Programa CBERS contemplounum primeiro momento apenas doissatélites de sensoriamento remoto,CBERS-1 e 2 já inoperantes desde2003 e 2009, respectivamente. Ambosgovernos decidiram expandir o acordoe incluir outros dois satélites da mesmacategoria, os satélites CBERS-3 e4, como uma segunda etapa da parceriasino-brasileira, que serão lançados,respectivamente, em 2011 e 2014.Como o lançamento do CBERS-3acontecerá em 2011 e a vida útil doCBERS-2 não chegaria até essadata, o programa decidiu construiro CBERS-2B e lançá-lo em 2007.Além da recepção, gravação, produçãoe disseminação de dados de satélitesnacionais e estrangeiros, o Inpe disponibiliza,desde 2004, as imagensgratuitamente pela internet do satéliteCBERS. O sucesso é atestadopelos mais de 20 mil usuários demais de duas mil instituições públicase privadas cadastradas. Em média,têm sido registrados diariamente750 downloads no catálogo CBERS.Suas imagens são usadas em importantescampos, como o controle do desmatamentoe queimadas na AmazôniaLegal, o monitoramento de recursoshídricos, áreas agrícolas, crescimentourbano, ocupação do solo, em educaçãoe em inúmeras outras aplicações.Também é fundamental para grandesprojetos nacionais estratégicos, como oProdes, de avaliação do desflorestamentona Amazônia, o Deter, de avaliaçãodo desflorestamento em tempo real, e oCanasat, de monitoramento das áreas canavieiras,entre outros.Os sistemas Prodes e Deter estão inseridoscomo ações do MCT no GrupoPermanente de Trabalho Interministerialpara a redução dos índices de desmatamentoda Amazônia Legal, criado pordecreto presidencial de 3 de Julho de2005.Prodes (monitoramento da florestaamazônica brasileira por satélite) - Desde1988, o Inpe vem produzindo estimativasanuais das taxas de desflorestamentoda Amazônia Legal. A partir do ano de2002, essas estimativas estão sendo produzidaspor classificação digital de imagensseguindo a metodologia Prodes. Aprincipal vantagem desse procedimentoestá na precisão do georreferenciamentodas áreas de desflorestamento, de formaa produzir um banco de dados geográficomultitemporal.Além dos dados tabulares, tambémestão disponíveis à comunidade brasileiraos resultados do Prodes digital na formade mapas vetoriais e imagens de satéliteutilizadas, em formato compatível coma maioria dos sistemas de informaçõesgeográficas de mercado.Deter (detecção de desmatamentoem tempo real) – Desenvolvido comoum sistema de alerta para suporte àfiscalização e controle de desmatamento.Por essa razão o Deter mapeiatanto áreas de corte raso quanto áreasem processo de desmatamento por degradaçãoflorestal, mensalmente, desdemaio de 2004.Canasat (mapeamento da cana viaimagens de satélites de observação daTerra) – Fornece informações sobre adistribuição espacial da área cultivadacom cana-de-açúcar na região Centro-Sul do Brasil utilizando imagens de satélitesde sensoriamento remoto. Essasinformações são utilizadas por diversossetores do agronegócio e do meio ambienteque direta e indiretamente estãoenvolvidos com a produção de cana.Além desses programas, há o Degrad(mapeamento da degradaçãoflorestal na Amazônia brasileira) – desenvolvidoa partir das indicações docrescimento da degradação florestalda Amazônia obtidas pelos dados doDeter. Destinado a mapear áreas emprocesso de desmatamento onde acobertura florestal ainda não foi totalmenteremovida, o sistema utiliza imagensdos satélites Landsat e CBERS,assim como o Prodes, com a finalidadede mapear anualmente áreas de florestadegradada.Outro importante instrumentoutilizado na preservação da maior reservanatural da Terra é monitoramentoorbital de focos de calor, que fornecedados ao Programa de Prevenção eControle às Queimadas e IncêndiosFlorestais no Arco de Desflorestamento,conhecido como Proarco, sob a responsabilidadedo Ibama.Fotos: Inpe e PhotoDiscInstituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 17


“ especialMETEOROLOGIAQuanto à área de meteorologia, oInpe criou em 1994, em CachoeiraPaulista (SP), o Centro de Previsãode Tempo e Estudos Climáticos (CP-TEC). Um prédio de 6 mil m² de áreaconstruída projetado especialmentepara receber os supercomputadoresvetoriais SX-4, SX-6 (capacidade deprocessar até 768 bilhões e 16 bilhõesde operações aritméticas em pontoflutuante por segundo, respectivamente)e o Cluster com 1100 processadores(capacidade de processar até 5,7trilhões de operações aritméticas emponto flutuante por segundo). Essastecnologias permitem que as previsõesde tempo (secas e inundações) sejamextremamente confiáveis para todo oPaís, principalmente nas atividadeseconômicas ligadas à agricultura.OUTRAS ATIVIDADESAlém das áreas de Observaçãoda Terra e o CPTEC, o Inpe possuiCiências Espaciais e Atmosféricas,Engenharia e Tecnologia Espacial eCiência do Sistema Terrestre.Ciências Espaciais e Atmosféricas- CEA – A área das CEA desenvolvetecnologia e assessora órgãosgovernamentais e empresas privadasem assuntos relativos às ciências etecnologias espaciais e atmosféricas,com o objetivo de realizar pesquisasbásicas e aplicadas para entender osfenômenos físicos e químicos queocorrem na atmosfera e no espaço deinteresse para o País.Nas CEA, são realizadas pesquisasteóricas e observacionais emdiversas áreas da Astrofísica. Atualmente,entre seus principais projetos,está sendo desenvolvido um imageadorde raios X, o Mirax, e o radiointerferômetroBDA para investigaçõesde fenômenos solares e cósmicos.O Mirax é um instrumento astronômicode raios X que investigará a regiãocentral do plano galáctico e seusobjetos, como buracos negros e estrelasde nêutrons. Estará a bordo doLattes, um satélite científico desenvolvidopelo Inpe e com lançamentoprevisto para 2012, que atenderá nãosó aos objetivos astronômicos do Miraxcomo também a missão científicaEquars, esta voltada para estudos nabaixa, média e alta atmosfera e ionosferana região equatorial.Engenharia e Tecnologia Espacial- ETE – Abrange uma das grandesáreas de atuação do Inpe. Nestesetor, a inovação tecnológica é primordiale grande parte dos equipamentose subsistemas que compõemas plataformas espaciais e suas cargasúteis é desenvolvida em parceria comas indústrias pertencentes ao parquenacional, contribuindo significativamentena formação e fortalecimentodo setor industrial de alta tecnologianacional.Atualmente, além dos satélites doprograma CBERS, estão em desenvolvimentopela área de Engenhariado Inpe os satélites Amazônia-1,18Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“especialFotos: InpeLattes, Mapsar e GPM. (Veja detalhesna página 20)Ciência do Sistema Terrestre -CST – Inaugurado em 2008, desenvolvetrabalhos multidisciplinares emvárias áreas. No CST, instalado emSão José dos Campos, serão desenvolvidosnovos modelos para os sistemasde supercomputação do Inpe paraelaborar cenários futuros de mudançasambientais globais de interesse doPaís. Para isso, irá coordenar e realizarpesquisas de excelência em Modelageme Observações do SistemaTerrestre, especialmente do SistemaClimático, Mudança de Uso e Coberturada Terra, Hidrologia, QuímicaAmbiental, Energias Renováveis, EletricidadeAtmosférica, Oceanografia eZonas Costeiras, Queimadas, DesastresNaturais, Adaptação, Mitigação ePolíticas Públicas.INFRAESTRUTURAA sede está localizada em SãoJosé dos Campos (SP), mas o Inpedispõe de instalações ainda em CachoeiraPaulista (SP), Atibaia (SP),São Paulo (SP), São Luís (MA),Eusébio (CE), Natal (RN), Cuiabá(MT), Brasília (DF), São Martino daSerra (RS) e Santa Maria (RS).Fazem parte ainda da infraestruturado Inpe como apoio ao desenvolvimentodos satélites, o Centrode Rastreio e Controle de Satélites(CRC) e o Laboratório de Integraçãoe Testes (LIT).Centro de Rastreio e Controlede Satélites - CRC – É um conjuntointegrado de instalações, sistemas epessoas dedicado, primordialmente, àoperação em órbita dos satélites desenvolvidospelo Inpe ou em cooperaçãocom instituições estrangeiras.O Centro está capacitado, ainda, adar suporte às missões espaciais deterceiros.O Centro de Rastreio e Controlede Satélites é composto pelo Centrode Controle de Satélites (CCS) emSão José dos Campos (SP), pela EstaçãoTerrena de Cuiabá (MT), pelaEstação Terrena de Alcântara (MA,)bem como pela rede de comunicaçãode dados e voz que conecta os trêslocais. Opera 24 horas por dia, 365dias por ano.O CCS é o responsável pelocronograma de atividades das EstaçõesTerrenas e otimiza o rastreiode vários satélites pelas ET’s.Laboratório de Integração eTestes – LIT – Foi inaugurado emdezembro de 1987, sendo o único Laboratóriodo gênero no HemisférioSul capacitado para a realização deatividades de montagem, integração etestes de satélites e seus subsistemas.Especialmente projetado e construídopara atender às necessidades doPrograma Espacial Brasileiro, esteLaboratório representa atualmenteum dos instrumentos mais sofisticadose poderosos na qualificação dosprodutos industriais que exijam altograu de confiabilidade.Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 19


“cursosGestão da Qualidadena Construção CivilInstrutor: Carlos Williams CarrionData: 8, 9 e 10 de setembro, das 18h às 22h30Investimento: Associados do Instituto de Engenharia:R$ 270,00 - Não associados: R$ 360,00Oferecer conhecimentos de Engenharia de Qualidade aosprofissionais envolvidos com a gestão e controle da qualidadeem obras de construção civil e industrial, públicas eprivadas. O instrutor é engenheiro consultor da CDHU/PMSP, professor de Planejamento e Gerenciamento dasConstruções e Doutorando pela Unicamp.Confiabilidade, Análise e oTratamento da FalhaInstrutor: Nei Pizzati SalesData: 16 e 17 de setembro, das 8h30 às 17h30Investimento: Associados do Instituto de Engenharia:R$ 700,00 - Não associados: R$ 850,00O instrutor é engenheiro mecânico (ITA), diretor Técnico daA&RM Associados. Autor do livro - Confiabilidade, a análisee o tratamento da falha.Análise Preliminar de RiscosViabilidade Executiva deEmpreendimentosInstrutor: Djalma Pinto Pessôa NetoData: 15 de setembro, das 8h às 17hInvestimento: Associados do Instituto de Engenharia:R$320,00 - Não Associados: R$400,00Dar uma visão prática sobre a engenharia de custos. O cursoestá dividido em sete tópicos. O instrutor é Mestre em EngenhariaCivil pela Universidade Federal de Viçosa (2004) emMinas Gerais, com preparação e defesa de tese para obtençãode título.Gerenciamento da manutençãoindustrial e predialInstrutor: Francisco Alexandre TiengoData: 16 a 18 de setembro, das 8h às 18hInvestimento: Associados ao Instituto de Engenharia:R$ 750,00 - Não associados: R$ 850,00.Promover a interação dos participantes, análise e troca de experiênciasdas empresas na função manutenção; realizar umapré avaliação dos estágios atuais das manutenções nas quaisos participantes exercem papéis; fornecer ferramentas para odesenvolvimento de estudos, definição de estratégia de manutenção,elaboração de Manual de Gestão e demais processos;propiciar aos participantes análise crítica na identificação dospontos de melhoria a desenvolver e implementar, apresentarsugestões de indicadores e relatórios de gerenciamento.Francisco Alexandre Tiengo é Engenheiro mecânico comvasta experiência em contratação de serviços e com atuaçãonos últimos 12 anos como Gerente Operacional e Comercialna prestação de serviços. É diretor da Access Consulting -empresa de consultoria em terceirização, gestão de contratose manutenção.Instrutor: Luiz Fernando J. AssumpçãoData: 21 de setembro, das 8h30 às 17hInvestimento: Associados do Instituto de Engenharia:R$ 300,00 - Não associados: R$ 360,00Preparar e formar profissionais especialistas em gerenciamentode riscos (ambientais, da saúde e da segurança do trabalhoe de incêndios). O instrutor é engenheiro químico e de segurançado trabalho com experiência profissional de mais de 23anos nas áreas de Segurança do Trabalho de Meio Ambientee de Produção em grandes empresas.Curso básico sobre as técnicasde Degustação de VinhoInstrutor: Ivan Carlos ReginaData: 16, 23 e 30 de setembro, das 20h30 às 22hInvestimento: Associados do Instituto de Engenharia:R$ 270,00 - Não associados: R$ 330,00O professor é enólogo e engenheiro do setor de transportespúblicos. Excepcionalmente as inscrições devemser feitas na secretaria do Instituto de Engenharia, comMarcela, na av. Dr. Dante Pazzanese, 120, Vila Mariana.Informações pelo telefone 3466-9230.Informações e inscrições:www.iengenharia.org.brContato: Roseli CoimbraTel. 11-3466-9253E-mail: cursos@iengenharia.org.br22Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52


“visitasVisitantes conhecemhábitos noturnos de animais no ZoológicoFoto: Instituto de EngenhariaConsiderado um dos eventosmais concorridos da agendapaulistana, o passeio noturnoao Zoológico de São Paulo,realizado no dia 3 de julho, foi maisuma programação da Diretoria de VisitasTécnicas e Lazer, da Vice-Presidênciade Assuntos Internos.Iniciado em 2003, o passeio dá aosvisitantes a oportunidade de observare conhecer melhor várias espécies deanimais de hábitos crepusculares e noturnos,que muitas vezes encontram-semenos ativas durante o dia.Ao chegar, os participantes foramrecebidos pela diretoria e pelos guiasdo Zoológico e direcionados ao auditório,onde houve a apresentação de umvídeo institucional.Antes de iniciar a visita, os guiasfizeram duas apresentações. Uma doPrograma Rapinantes, em que expuseramas características e hábitos dessesanimais. “[Neste momento], uma corujavoava de um guia para o outro soba cabeça dos convidados”, disse KátiaMiranda, assessora de Gabinete daSubprefeitura Penha da Prefeitura deSão Paulo.A outra apresentação foi do Setorde Répteis, em que foram faladas ascuriosidades, mitos e lendas deles. Naocasião, os participantes mais corajosostiveram a experiência de tocar em umacobra Piton, monitorados pela equipedo Zoológico.Durante o passeio, a equipe doZoológico solicitou que os convidadosconversassem o mínimo possívele em tom baixo, não usar o celularnem lanternas com iluminação quepudessem assustar ou excitar os animais.Os primeiros visitados foramos felinos, depois as aves, os hipopótamos- mãe e filha. Além disso,foram ao local restrito à entrada defuncionários do parque, onde os tigres,leões e onças são alimentados epassam boa parte da noite.Segundo os visitantes, os guias,muito atenciosos, explicaram as característicasfísicas, idade e hábitosde cada animal. Após três horas, osparticipantes foram convidados a fazerum lanche, servido pelo Zoológico.“Foi maravilhoso estar com nossosamigos num passeio tão diferente eser tão bem acolhidos. (...) Parabénspara o Instituto”, opinou Kátia.Devido à aprovação dos participantes,o Instituto de Engenhariapretende planejar um novo grupo parao próximo ano.IEInstituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52 23


“24Instituto de Engenharia • Agosto • 2009 • nº 52

More magazines by this user
Similar magazines