a implementação de um projeto de certificação digital em ... - SBIS

sbis.org.br

a implementação de um projeto de certificação digital em ... - SBIS

XIII Congresso Brasileiro em Informática em Saúde – CBIS 2012Dificuldades na utilização da CertificaçãoComo todo sistema informatizado, existe um grande risco da utilização de informações indevidamente,quebrando completamente a segurança e a confiabilidade nas informações que são manipuladas dentro dosistema. Para que esse tipo de problema não ocorra, são necessários acima de tudo que todos osprofissionais envolvidos tenham bom senso e ética, pois os riscos relacionados à má utilização são muitoelevados.Quais as normativas e resoluções necessárias para o processo de Certificação nos hospitaisA Troca de Informação em Saúde Suplementar (TISS) estabelecida pela Agência Nacional de SaúdeSuplementar (ANS), tem como objetivo principal a padronizar as trocas eletrônicas de informaçõesadministrativas, a fim de aprimorar a eficiência e efetividade do sistema de saúde suplementar. Para quese seja possível alcançar esses objetivos, é necessário seguir algumas normas, são elas:“A Resolução Normativa nº 153/2007 determina a adoção do padrão TISS por parte das operadoras deplanos privados de assistência à saúde e de seus prestadores de serviço. O normativo é composto por umconjunto de regras operacionais para a troca eletrônica de informações, via rede mundial decomputadores, entre as operadoras e os prestadores de serviços de saúde”.Essa resolução está organizada em quatro componentes principais, são eles:Conteúdo e estrutura, representações de conceitos em saúde, segurança e comunicação. A Resolução153, através do Art. 9o, determina que para as transmissões remotas de dados identificados, os sistemasdeverão possuir um certificado digital de aplicação única emitido por uma Autoridade Certificadora (AC)credenciada pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), junto à Infraestrutura de ChavesPúblicas Brasileira (ICP-Brasil), garantindo assim a identidade do sistema.A Certificação Digital no ICESPEm parceria com a E-VAL, empresa especializada em soluções que envolvem tecnologias inovadoras,com foco na Certificação Digital, o ICESP iniciou o projeto de implementação dessa tecnologia em 2009,projeto esse que tem como principal objetivo a segurança e rapidez na execução da assistência realizadaao paciente e diminuição do uso de papel.A solução MADICS – Módulo de Assinatura Digital e Certificação em Saúde, integrada a um sistemade prontuário eletrônico, viabiliza a eliminação do uso da impressão e da assinatura manuscrita dosprofissionais de saúde e colabora pra um processo cada vez mais seguro e confiável de trabalho.A solução da E-VAL se integrada com o TASY, ERP utilizado pelo ICESP que utiliza da AssinaturaDigital e se integra com o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP), auxiliando assim na diminuição dopapel nos registros de saúde, permitindo alinhar ainda mais a tecnologia com o processo de trabalho.A redução de impressões é um processo complexo que abrange tecnologias diversas e por isso, deveexistir uma ótima integração entre todos os sistemas, dessa forma se torna possível à assinatura digital dasações clínicas, o que desobriga o hospital a imprimir milhões de prontuários, uma vez que este tipo deassinatura já tem validade jurídica, e o que pode também se estender aos documentos de faturamento.Para comprovar que o projeto de implantação dos Certificados digitais esta com um bom nível deadesão, e que está colaborando cada vez mais para a TI verde, o ICESP apresentou alguns númerosrelacionados às melhorias e aos benefícios alcançados com a utilização dessa tecnologia, dentre algunsdos benefícios, está o maior controle sobre o número de registros que são efetivamente realizados.3


XIII Congresso Brasileiro em Informática em Saúde – CBIS 2012A Figura 2 do exemplo abaixo demonstra a quantidade de registros que não foram assinados,auxiliando assim no controle, e na posterior cobrança dos colaboradores do ICESP para que os registrosnão assinados sejam regularizados.Figura 2: Procedimentos não assinadosOutro ponto importante relacionado a TI Verde faz referencia ao fato de que todo processo de trabalhodo ICESP passou de um modelo manual, onde a cada necessidade de prescrição de um prontuário, omédico teria que solicitar esse prontuário em papel, prontuário que era deslocado do seu local dearmazenamento para o consultório do médico, processo esse que demandava muito tempo, e um grandenúmero de profissionais, além disso, a cada consulta o médico precisava carimbar e assinar todos osprontuários, autenticando assim a validade de seu atendimento. Porém com a implantação do sistema dedigitalização, foi possível reduzir esse fluxo todo para um único sistema, onde o médico faz logon nosistema e já consegue realizar suas prescrições e assinadas eletronicamente, dessa forma o processo setorna mais rápido e pratico e evita além de um consumo excessivo de papel, um fluxo desnecessário deprontuários pelo prédio.No Brasil existem poucas empresas que são certificadas e que desenvolvem sistemas hospitalaresinformatizados, dentre elas esta a Wheb, atual fornecedora do sistema TASY para o ICESP, e grandecolaboradora para que fosse possível que esse projeto fosse realizado com sucesso.O ICESP tem hoje mais de 2500 certificados em uso por seus profissionais. Essa tecnologia utilizaservidores com placas HSM, essas placas fazem a armazenagem dos certificados que ficamcriptografadas. Nesses servidores, além da armazenarem os certificados, também é feita a integração como TASY, onde é executada uma consulta específica no momento que um dos colaboradores tenta abrir osistema, e quando ele tenta realizar um procedimento que necessita de autenticidade, como por exemplo,em uma prescrição de uma medicação. Esses equipamentos utilizam um Banco de dados para manter asinformações cadastrais dos colaboradores, e de um servidor que faz a validação na internet doscertificados, consultando se os mesmos estão validos, ou se já estão vencidos, sendo nesse caso necessáriaa renovação do certificado. Todo esse processo envolve além da E-VAL, todas as equipes internas de TI.Pois em cada parte do processo algum dos profissionais tem atuação direta ou indireta para que sejapossível a execução com sucesso do processo de assinatura digital.4


XIII Congresso Brasileiro em Informática em Saúde – CBIS 2012A Figura 3 abaixo demonstra o fluxo utilizado no ICESP para que seja possível o funcionamento dasassinaturas digitais:ConclusãoFigura 3: Fluxo para ativação dos CertificadosApós conhecer um pouco sobre o que é a Certificação Digital, pode-se concluir que o projeto deimplantação dessa tecnologia envolve não só requisitos técnicos, mas também uma grande mudança noprocesso cultural dentro da organização, pois não se trata apenas da assinatura de um registroeletronicamente, mas sim da conscientização de todos da necessidade de diminuição de documentosimpressos, auxiliando a melhoria da eficiência e da gestão em todo o processo interno da organização,trazendo dessa forma benefícios de forma direta para a assistência, segurança do paciente e ao meioambiente.5


XIII Congresso Brasileiro em Informática em Saúde – CBIS 2012Bibliografia[1] Eliminação de papel é destaque da E-VAL e parceiros na Hospitalar (2011) “Eliminação de papel édestaque da E-VAL e parceiros na Hospitalar”Disponível em: http://portal.comunique-se.com.br/index.php/releases/eliminacao-de-papel-e-destaqueda-e-val-e-parceiros-na-hospitalar.html- Acesso em 25 jun. 2012.[2] Portal Hospital de Clínicas de Porto Alegre - Certificação Digital (2011) “Certificação Digital”Disponível em: http://www.hcpa.ufrgs.br/content/view/2366/1228/ - Acesso em 25 jun. 2012.[3] Logística Hospitalar e Saúde - Certificação digital para médico avança nos conselhos de medicina(2011) “Certificação digital para médico avança nos conselhos de medicina”Disponível em: http://gestaodelogisticahospitalar.blogspot.com.br/2011/05/certificacao-digital-paramedico-avanca.html-Acesso em 25 jun. 2012.[4] Certificação digital para médico avança nos conselhos de medicina (2011) “Certificação digital paramédico avança nos conselhos de medicina”Disponível em: http://www.saudebusinessweb.com.br/noticias/index.asp?cod=77841 - Acesso em 25jun. 2012.[5] E-VAL TECNOLOGIA | Certificação Digital – Segurança – Business Intelligence (2011)“Certificação Digital e Eliminação do Papel na saúde no Hospital Samaritano de São Paulo”Disponível em: http://www.evaltec.com.br/arquivo.aspx?id=111 - Acesso em 25 jun. 2012.[6] PressRelease2011Aug18_180310 – Noticias – Twiki (2011) “Certificação Digital moderniza gestãohospitalar”Disponível em: http://www.iti.gov.br/twiki/bin/view/Noticias/PressRelease2011Aug18_180310 -Acesso em 25 jun. 2012.[7] 10º CertForum – Forúm de Certificação Digital (2012) “Certificação digital na gestão hospitalar serádestaque no 10°CertForum – etapa SP”Disponível em: http://certforum.iti.gov.br/?p=759 - Acesso em 25 jun. 2012.[8] Bry Certificação Digital Prontuário eletrônico e certificação digital em saúde são temas de congressona hospitalar. (2011) “Prontuário eletrônico e certificação digital em saúde são temas de congresso naHOSPITALAR”Disponível em: http://bry.com.br/blog/prontuario-eletronico-e-certificacao-digital-em-saude-saotemas-de-congresso-na-hospitalar/#.T8-_ILWVsdU- Acesso em 25 jun. 2012.ContatoFlávio Osete Gonçalves da SilvaAnalista de SuporteTelefone: (11) 3893-3839E-mail: flavio.osete@icesp.org.brCamila Ramos de MouraAnalista de SistemasTelefone: (11) 3893-2778E-mail: camila.moura@icesp.org.br6