Leia Mais - Acats

acats.com.br

Leia Mais - Acats

FLORIANÓPOLIS JANEIRO/FEVEREIRO 2007 ANO IX 63 o EDIÇÃOUm Senhor CDENCONTRO REGIONAL EM RIO DO SUL - 20/03/2007www.acats.com.br


Encontro Regional: a vez de Rio do SulSerá realizado no dia 20 de marçoem Rio do Sul o Encontro Regional deSupermercadistas e Fornecedores doAlto Vale do Itajaí, nas dependências doParque Universitário Noberto Frahm, daUnidavi de Rio do Sul. Intercâmbio deinformações, relacionamento comerciale atualização em termos de segmentosão as propostas do evento da ACATS,organizado pelos representantes da regiãona Diretoria, Armando Luiz Nardelli eJovino Nardelli.Nova Diretoria da Abras tem novamente um catarinense.www.acats.com.br


O MAIOR COELHODE CHOCOLATE DO MUNDOA loja Imperatriz do ShoppingItaguaçu montou em uma esculturao maior coelho de chocolate domundo, com 3,2 metros de altura, 2metros de diâmetro e 2,3 toneladasde chocolate. A escultura levou 11dias sendo preparada e foi colocadaem exposição em área isolada e refrigeradado supermercado Imperatriz,onde permanecerá até a semana queantecede a Páscoa.Gerente de Marketingda Rede Imperatriz,Luciano Faraco,está cuidando dos encaminhamentospararegistro da esculturano livro dr recordesmais famoso do mundo,o Guiness. “Anopassado construímos omaior ovo de Páscoa doBrasil e este ano decidimosbuscar um novodesafio e chegamosnesta escultura”.A iniciativa da Rede de SupermercadosImperatriz teve a parceriada indústria Nestlé, que forneceu amatéria prima e também cedeu o consultorgastronômico Luiz FernandoCechinel, encarregado de montar aescultura em uma base de estruturametálica.Na semana da Páscoa o ovo serádesmontado e dividido em cotas paraser distribuído a entidades assistenciaisque forem cadastradas pela RedeImperatriz. As interessadas poderãofaze-lo pelo telefone 0800 48 8080das 08h às 12h e das 13h às 17h. LucianoFaraco faz questão de enfatizarque entidades de todo o Estado, enão apenas da Grande Florianópolis,poderão se habilitar em receber chocolatepara distribuir a crianças maisnecessitadas.www.acats.com.br


ANGELONI REFORÇACAMPANHA DO TROCODA BONDADEA campanha de arrecadação doTroco da Bondade do Angeloni esteano traz o tema “Sua ajuda faz a diferença”.Somente no mês de fevereiro asdoações dos clientes das 19 lojas e 26farmácias da rede Angeloni de Florianópolis,Criciúma, Joinville, Blumenau,Laguna, Tubarão, Lages, Jaraguá doSul, Curitiba, Itajaí e Balneário Camboriúsomaram R$ 34.799,25,.A iniciativa já existe há oito anose tem por objetivo motivar os clientesa participar de forma mais ativa naAção Social Angeloni (ASA), e é oresultado da parceria empresa-clientesem prol dos mais necessitados.Este ano tem uma novidade: parafazer parte dessa “correntedo bem” basta que, ao pagarsuas compras em dinheiro,o cliente diga ao atendenteda farmácia ou ao operadorde caixa do supermercadoque deseja doar seu troco,(qualquer valor, mesmocentavos). A doação é eletrônicae emite, junto como cupom fiscal, um comprovantecom o valor e onome da instituição que ocliente está auxiliando. Emcontrapartida, o Angeloniacrescenta mais 5% ao montantearrecadado e doa o valor total paraentidades assistenciais previamenteselecionadas junto a cada loja e quemudam a cada quatro meses.BREITHAUPT LANÇA CAMPANHA SOCIALCom o intuito de fortalecer o vínculocomunitário com a região ondeatua, os Supermercados Breithauptpromoveram mais uma campanha dedoação de material escolar e livros didáticosem pról do estudante carente.As doações foram feitas nos meses dejaneiro e fevereiro em todas as lojasda Rede Breithaupt.www.acats.com.br


Pesquisa Acats/WB Telecom:Vendas dos supermercados catarinensescrescem em 2006Os supermercados catarinenses conquistamresultados acima da média nacional.Florianópolis (SC) – As vendasdos supermercados catarinenses cresceramem 2006 comparativamentea 2005, segundo pesquisa realizadapela WB Telecom para a a ACATS- Associação Catarinense de Supermercados.No resultado de janeiro adezembro a variação acumulada foide 3,35%, descontadaa inflação. O resultadoficou acima da médianacional, cujo índice foinegativo em 1,65%, deacordo com a ABRAS- Associação Brasileirade Supermercados. Ocrescimento nominalregistrado em 2006 pelosetor em Santa Catarinafoi de 7,67% elevandoo resultado do exercíciopara R$ 4,79 bilhões.Os números foramapurados em pesquisarealizada pela WBTelecom para a ACATS junto a 50das principais empresas do setor emtodas as regiões de Santa Catarina.No período de dezembro de 2006em relação a dezembro de 2005 foiregistrado crescimento de 2,10%,enquanto de novembro para dezembroo resultado foi positivo em 29%,mantendo a tradição pelo fato de serdezembro o mês das festas de final deano e do décimo terceiro.O Presidente da ACATS, JoséEmílio Menegatti comemora estebom momento do varejo de autoserviçocatarinense “Já tínhamos estasinalização de pesquisas nacionais, asquais detectaram um ganho de rendapor parte da mão de obra empregadaem Santa Catarina acima da médianacional. Isso está tendo reflexos noconsumo”, interpreta o dirigente.Menegatti acha que Santa Catarinacontinua levando a vantagem por serum estado menor e mais bem distribuído,que não depende de um únicovetor de crescimento econômico,“mas tem vários deles, diversificadose bem distribuídos”.- Podemos ter um problema localizadoem algum setor, como ocorreucom a agricultura ano passado, masa diversificação de nosso modelo geográficoe econômico neutraliza esterevés, que também é eventual.Presidente do Conselho Deliberativoda ACATS e da Rede Giassi,Zefíro Giassi , indica mais um diferenciala favor de Santa Catarina.“Aqui a maioria das empresas são depequenas a médias e administradaspor familiares. Os bons resultados daspequenas e médias, somados, acabamfazendo a diferença”, destacou.FATURAMENTO(Supermercados em SC - em bilhões de reais)www.acats.com.br


Termômetro de Vendas Acats 2004Termômetro de Vendas Acats 2005Termômetro de Vendas Acats 2006www.acats.com.br


Um Senhor CDNovo Centro de Distribuição moderniza e racionalizaa armazenagem de produtos na rede AngeloniDesde outubro de 2006, a redeAngeloni passou a reunir em umúnico Centro de Distribuição todas asoperações de abastecimento das suasunidades de varejo (com exceção dospostos de combustíveis), modernizandoe racionalizando as atividades da área.A projeção de necessidades foi desenvolvidaconsiderando os departamentosda empresa, com respectivas linhas deprodutos, bem como uma projeção decrescimento das vendas e do númerode lojas para os próximos anos. A partirdesses dados, foi definida a capacidadenominal e operacional, resultando naatual área, e projetadas as instalações,incluindo estruturas de armazenagem,equipamentos de movimentação e terminaisde informação. Nesta entrevistacom o Diretor Norberto Colla, responsávelpela área de Logística da empresa,vamos conhecer mais detalhes desteinvestimento de R$ 35 milhões nesteCentro de Distribuição.O CDDimensão: O CD tem 38.500 m2.Tempo de construção: Seis meses.Área do Terreno: Aproximadamente450.000 m2.Capacidade: O CD tem capacidadepara armazenar 27.000 pallets. Atualmentetemos centralizados no CD oabastecimento de 25.000 itens.Área de refrigeração: O CD tem 2 câmarasde resfriados e 2 de congelados,com capacidade de armazenar 3.600pallets. As câmaras de refrigeradosoperam na faixa de 0ºC até 8ºC. Ascâmaras de congelados operam até18ºC negativos.Quantos trabalhadores operam oCD: Atualmente o CD conta comaproximadamente 250 funcionários,que trabalham de segunda a sábado,das 8h às 16h50min.O POSTONúmero de Bombas: 9 bombas (com14 bicos) para abastecimento diesel,gasolina e álcool. Em breve teremostambém o abastecimento de GNV.Número de funcionários: Aproximadamente60 funcionários.Atendimento: 24h.DEMAISCARACTERÍSTICAS DO CD.Como se chegou à conclusão de queaquela localização era a ideal?O projeto completo foi realizado comapoio da Vantine Consultoria e foirealizado em etapas. 1a etapa: estudode localização; nesta etapa elaboramosum estudo considerando a melhorlocalização para a instalar o CD considerandovários itens como: frete,acesso viário, crescimento da rede,etc; 2a etapa: projeto do plano diretorbásico; nesta etapa elaboramos o projetobásico das áreas de armazenagem,fluxo de veículos, posto, etc.. 3a etapa:desenvolvimento do projeto completo,incluídos equipamentos comoempilhadeiras, transpaleteiras, etc..Qual a menor e a maior distância dele(CD) para uma loja Angeloni?Do CD até a loja mais próxima, 30Km. Do CD até a loja mais distante,250 Km.Quantos por cento de lojas da redeestão num raio de até 100km?www.acats.com.br


- 50% estão num raio de 120 km.Algum esquema especial para atendimentoda operação de Curitiba? Sai domesmo CD ou é diferente?Não temos nenhuma operação diferenciadapara Curitiba, todas as lojas efarmácias são abastecidas diretamentepelo CD.A instalação de um posto acopladotem objetivo também de ser um espaçode descanso e convivência para motoristas?Sim. Além de ser um excelente pontode parada para os motoristas que vãoaté o CD, o Posto Angeloni na BR temvários diferenciais como restaurante,lanchonete, área de descanso, acesso àinternet, loja de conveniência, etc..Quantas pessoas trabalham no esquemade segurança do local? Como foiconcebida a logística desse esquema desegurança, que deve ser muito importantepara a empresa?- A empresa contratada para fazer asegurança foi a Prosegur, tanto internaquanto externamente. A área é totalmentemonitorada por câmeras e cercaelétrica. Com isso, a segurança no localé alta.Se um caminhão chega totalmentevazio, quanto tempo em média ele levapara carregar e deixar o CD de voltapara a loja?- O carregamento é rápido, normalmenteleva de 15minutos a 30 minutos, nomáximo, pois são usadas transpaleteiraselétricas para fazer a carga.O transporte é terceirizado?- Todo o transporte para as lojas é terceirizadocom a empresa Monteiro e coma empresa J.R.O Angeloni faz um controle do tempomédio de reposição de estoque paracada loja?- O processo de abastecimento do CDpara as lojas é automático, ou seja, owww.acats.com.brsistema registra as vendase automaticamente informaao CD a quantidade demercadoria que deve serenviada novamente para oabastecimento. Com isso, oestoque tem um giro médiode 14 a 21 dias.De que maneira a empresafaz o controle do fluxo deentrada e saída de mercadorias?- O controle das mercadorias é por datade validade, sempre as mercadorias quechegam primeiro são as primeiras quesaem.Num CD dessas dimensões, como combateras perdas?- A questão das perdas nãoestá diretamente relacionadaao tamanho do CD, massim ao formato da operação.Estamos trabalhando muitocom o RH no sentido deelaborar novos programas detreinamentos específicos parao pessoal de operação.Quais is itens que não passampela etapa do CD, ou seja, aentrega é direta nas lojas?- Os itens que não passam pelo CDsão os hortifruti, os laticínios, os pãese alguns outros, cuja entrega é maiseficiente loja a loja.Num CD das dimensões do Angeloni,como é feita a distribuição dos produtos.Como é que as pessoas “se acham”lá dentro?O Centro de Distribuição tem um sistemaque gerencia todas as atividadese operações. Todos os funcionários deoperações utilizam coletores de dadosque capturam e transmitem todas asinformações e transações On-Linevia Rádio Freqüência. O Sistema deW.M.S. (Warehouse ManagementSystem) gerencia todo o estoque do CDdesde o recebimento até o envio para aslojas. A próxima etapa é fazer a implantaçãodas etiquetas eletrônicas (RFID).Assim o controle das mercadorias serátotalmente automatizado.O ANGELONILojas - 19Checkouts - 470Cidades - Florianópolis, Blumenau,Criciúma, Balneário Rincão (Içara),Joinville, Laguna, Tubarão, Lages, Jaraguádo Sul, Itajaí, Balneário Camboriúe CuritibaO Angeloni é hoje a maior empresado setor de supermercados em SantaCatarina, a 9a no país e a 3a da RegiãoSul. A empresa foi eleita oito vezes“Supermercado do Ano” pela AssociaçãoCatarinense de Supermercados e12 vezes “Top of Mind” (marca maislembrada no setor supermercadista) empesquisa realizada em Santa Catarinae, também, em categoria criadapela mesma pesquisa, quatrovezes consecutivas a marca maislembrada no comércio varejistacatarinense. O Angeloni tambémfigura entre as 500 maiores empresasdo país, conforme rankingelaborado anualmente pela RevistaExame e, segundo dados daSecretaria Estadual da Fazenda, éa 14ª empresa em arrecadação detributos em Santa Catarina, sendoque apenas três das 20 maioresarrecadadoras são catarinenses.


EXPOSUPER2007O evento será realizado no Centrosul emFlorianópolis (SC) de 19 a 21 de junho,desta vez com várias inovações, a começarpela própria data. O evento abrirá numaterça feira pela manhã, estendendo-se paraquarta e quinta feira. O mapa da área deexposição esta assim:CONDOR LANÇA OS NOVOS RODOS EVAEmpresa catarinense líder demercado na linha de limpezaapresenta produto moderno,feito com duas camadas deborracha EVA, que seca aomesmo tempo em que empurraa água.Líder de mercado na linha delimpeza, a Condor está usando eabusando da tecnologia em seusmais recentes lançamentos. As novidadesagora são os novos rodosfeitos com duas camadas de borrachaEVA, que secam ao mesmotempo em que empurram a água.Sempre em busca de novidadesinovadoras, funcionais e práticas, aempresa catarinense aposta em umproduto que enxuga melhor e duramuito mais que os rodos comuns.O Rodo de EVA Condor é indicadopara a limpeza em pisos lisos,rústicos e semi-rústicos. Com suporteplástico feito na cor azulpetróleo, cabo de madeira comcomprimento de 1,2 metro, ependurador giratório, o produtoé confeccionado nos tamanhos30, 40 e 60 centímetros.Além de oferecer excelentecusto x benefício, o novo rodo daCondor possui dupla borracha deEVA, que proporciona maior durabilidadee eficiência. Com isso, oproduto dispensa panos para secaro chão, pois seca ao mesmo tempoem que empurra a água. Alémdisso, é muito mais leve e fácil deusar. O cabo de madeira impedeferrugens no contato com água eprodutos químicos.Confira os modernos produtospara limpeza interna e externaem pisos lisos secos, molhados,rústicos, de madeira e cantos dedifíceis acessos. Toda a linha delimpeza da Condor também podeser conhecida através do site www.condor.ind.br10 www.acats.com.br


MATE CINI EMCOPINHOSVisando seduzir consumidores quebuscam qualidade de vida e praticidade,a Cini Bebidas está lançando no mercadobrasileiro o Chá Mate Cini emcopinhos, em embalagens de 300ml,nos sabores natural, limão e pêssego,visando crescer 10% em suas vendas.O Chá Mate Cini em copinhos chegaaos consumidores, com a tradiçãode quem está há mais de 100 anos nomercado, trazendo toda força da ervamate, com sabor inigualável e refrescante,além dos benefícios à saúde, porconter quasetodos os nutrientesnecessáriosaoorganismo.www.acats.com.brACCSADACAgrovênetoAGVSULAlumínio Cinco EstrelasAnacondaApti AlimentosAtacado JoinvilleATM E MaxworkBebidas ChiamurelaBertoliniBiscoitos ZezéChemimCMW AutomaçãoCoop. Auri VerdeCORECottonbabyDD ServDepirollDequêchDeycon-PegoraroExpositoresDistr. CondorDistr. MullerExcelsiorFlorestal AlimentosFrimesaGermani AlimentosGiócaGirando SolIndiana MáquinasJ.H.A. EquipamentosJJ EquipamentosJohnson & JohnsonLíder PanificaçãoLorenzonMáquinas PerfectasMarchettiMassitaMili S/AMotomacNautecNestlèNextelNinfaNutrisulParatiParosPerdigãoPietrobomRR EtiquetasSavalasSchincariolSenffnetSepacSul BrasilTHI BobinasTiscoskiToledo do BrasilTondoTozzo & Cia.Vinhos SaltonVirtual Prod. PessoaisZaeli Alimentos11


O “RANCHO MENSAL”CONTINUA FORTEDona de casa encaminha sua compra com o serviço de entrega do Supermercado Florêncio.O dia-a-dia nas lojas de supermercadosindica que os consumidoresestão indo mais vezes por mês aossupermercados. As compras ficarammenores, porém, mais freqüentes.Muitas pessoas deram adeus aofamoso rancho mensal. Mas essastendência não vale para todo mundo.Quando o rancho está associadoao benefício da entrega à domícílioincluída, a prática indica que estamodalidade de compra ainda tem suaforça em Santa Catarina.Uma pesquisa do Instituto LatinPanel concluiu que diminuíram astradicionais compras do mês. Oconsumidor passou a ir mais vezes àslojas. A freqüência aumentou de 4,2visitas por semana para 4,8 visitasnos supermercados e de 5,4 para 12,4visitas por semana nos outros canais,na comparação de 2001 com 2005.Em Criciúma temos uma exemplode empresa com lojas no centro dacidade e em bairros, a do SupermercadosMartins, onde esta mudançaficou bem nítida nos últimos cincoanos, conforme seu diretor, NiltonBolan. O tíquete médio de comprasdiminuiu 30% no período e os ranchosmensais vieram de 1.200 paracerca de 300 atualmente.- Nossa empresa tem três lojas eacontecem o seguinte: quanto maisafastada do centro da cidade, maioré o número de ranchos – revelaBolan.Instalado com loja única na Capitaldo Estado, bairro Monte Verde, oSupermercado Florêncio calcula quetem de 15% a 20% de seu resultadode vendas creditado ao rancho mensal.Duas Kombis fazem as entregase o maior movimento é perto doquinto dia útil do mês, quanto funcionáriosda iniciativa privada recebemsalário, de acordo com OsmarKoerich, diretor proprietário.Nos finais de semana o Florênciotambém vê crescer a demanda porcompras de ranchos, uma clientelatambém identificada. São profissionaisprestadores de serviçosremunerados semanalmente, a cadasexta feira.Na região de Palhoça, GrandeFlorianópolis, o SupermercadoSantos tem duas lojas (centro e Pinheira,praia) que dão muita atençãoà clientela dos ranchos, tanto que afrota de 03 veículos, terceirizada,opera semana inteira para dar contadas entregas, feitas gratuitamentenum raio de até 25 quilômetros.“Quando a compra é feita das 10hàs 20h garantimos entrega no mesmodia”, afirma Adriano Santos, diretorproprietário.O Supermercadista Paulo Cezar12 www.acats.com.br


Lopes, do SupermercadoCentral de Blumenau, temoutra leitura para o recrudescimentodos ranchos.“A clientela está vindo maisvezes ao supermercado paracomprar verduras, frutase carnes fresquinhas. Temtambém o pão e o leite. Omaior número de vezes acabadiluindo a compra total domês”.Na visão de Paulo César,os ranchos são compras bemdefinidas, formadas pelositens de sacaria, não perecíveise material de limpeza,aquilo que a dona de casachama de “grosso”, o maispesado. Essa compra é pagacom cheque pré-datado e representao rancho atual.No Supermercado Centralsão 1,2 mil destes ranchospor mês, despachados até ascasas da clientela com duasKombis e mais um veiculoauxiliar usado nos dias depico.A Mordomia do Rancho Bom: busca-e-levaA casa de comércio de secos e molhados(como se dizia antigamente) que deuorigem ao Supermercado Rancho Bom, localizadoem Schroeder, a 19km de Jaraguádo Sul, chamava-se Érico Borinelli, commais de 34 anos de existência. Em 1990surgia o Supermercado Rancho Bom e em1998 veio a ampliação para a atual lojade 600 metros quadrados. Rancho Bomé o nome do bairro mas nada relacionadocom a compra mensal, aqui abordada nareportagem.O Rancho Bom foi um rancho mesmo,uma espécie de abrigo, que servia aos caçadorescomo base de apoio e local de pernoiteseguro nas caçadas de antigamente. Olocal era referência e o nome ficou forte. Acivilização foi chegando mais perto, o localcomeçou a ser habitado e virou nome debairro do município de Schroeder.Neste mercado a figura da compra derancho é tão forte que representa até 80% doresultado mensal do Supermercado RanchoBom, empresa familiar dos Baggenstoss. Aloja está localizada a 19 km de Jaraguá doSul, a cerca de 7km dos bairros e também´belisca´ clientes em Guaramirim.A frota que faz as entregas é formadapor duas Kombis, uma picape F 250 ealgumas vezes até um caminhão dá apoio,quando as compras são muito concentradas,perto do dia do pagamento.Só que os clientes do Rancho Bomtem uma mordomia que pouca gente tem.Eles são buscados em casa, vem até a loja,fazem as compras, e são levados de voltaaté a residência. E não é que são moradoresque não dispõe de veículo próprio. Elesse acostumaram com a mordomia e nãoquerem saber de outra coisa. O carro ficana garagem na hora de fazer a compra domês no supermercado.- Começou assim. Fomos até as casasdos clientes que moram mais longe, anotávamosaquilo que ele queria comprare buscávamos na loja. Quando a compraera entregue sempre faltava uma coisaesquecida na lista, ou determinado produtopedia uma troca. Então fizemos diferente:convidamos o cliente a ir fazer a comprae depois o levamos de volta – descreveuClelio Baggenstoss, proprietário da loja.Material de higiene e limpeza, não perecível, é forte na composição dos ranchos mensais.www.acats.com.br13


JURÍDICOUMA NOVA LEI DE EXECUÇÕES EM VIGOREntrou em vigor a Lei de Execução deTítulos Extrajudiciais, segunda e última parteda reforma da execução civil proposta pelo Ministérioda Justiça em 2004. A Lei nº 11.382, de2006, altera 85 artigos do Código de ProcessoCivil (CPC) para tapar buracos que permitiamque devedores mal intencionados - e bemassessorados - escapassem das dívidas comseu patrimônio ileso ouadiassem indefinidamentea conclusão dosprocessos. A lei facilitao bloqueio de bens depositadosno sistemafinanceiro ou em cartórios,elimina cortesiasprocessuais antes oferecidasaos devedores e dáfim aos temidos leilõesjudiciais, onde muitopatrimônio costumavase transformar em poucodinheiro.A proposta se somaà primeira parte da reformada execução civil - aLei nº 11.232, de 2005,que entrou em vigor emjunho do ano passado eacabou com a separaçãoentre o processo de conhecimentoe o processode execução, transiçãoque costumava deixarpara trás muitas dívidaspendentes por tornar oprocesso quase que infinito.Agora, a segundaparte da reforma, queentra em vigor amanhã,complementa o textode 2005 focando nasfrestas existentes entre alocalização, o bloqueio ea alienação dos bens dosdevedores relutantes.Um dos autores danova execução cível, ojurista Petrônio Calmon,diz que a lei tem doispontos principais. Omais importante é o fimdo efeito suspensivo dosembargos à execução,principal tipo de recursousado pelo devedor. Pelanova lei, o recurso setorna inócuo, pois o processocontinua correndo, a despeito da medida.Outra mudança é a alienação do bem, que acabacom a exclusividade do leilão público.O leilão público é um processo complicado,que nunca acaba, e é monopolizado porum grupo de pessoas que conhecem o sistemae compram os bens por um valor muito pequeno”,diz. Pela nova lei, o credor pode simplesmentetransferir o bem encontrado para opróprio nome e vendê-lo ou levar o compradordiretamente ao juiz.Outra mudança aparentemente formal, mascom grandes resultados práticos, é a prioridadena indicação de bens à penhora. Segundo oadvogado Mário Gelli, do Barbosa, Müssnich& Aragão, pela regra atual o devedor temprioridade para apresentar o patrimônio queele quer que seja penhorado. Isso significariaa indicação dos piores bens possíveis, comotítulos podres ou veículos e equipamentosvelhos. O que seria um pequeno contratempose transforma em uma longa disputa judicial.O credor precisa questionar a validade do bemindicado, ao que cabe recurso do devedor, eassim por diante, atrasando em meses e atéanos o fim do processo.Outra medida vista com bons olhos é aaverbação dos bens em cartório. Com essamedida, assim que iniciaa fase de execução o credorpode ir ao cartório eregistrá-la no patrimôniodo devedor - veículos ouimóveis -, o que dificultao tradicional desaparecimentodo patrimôniode empresários comproblemas financeiros.Com os bens averbados,fica mais difícil para ocredor vendê-los, poisos compradores tomarãoconhecimento do processo- que pode resultarna tomada do seu bem.A medida também facilitaa caracterização defraude caso o bem sejatransferido para algumparente ou “laranja”.O advogado tambémdestaca ainda a multa de20% no caso de o devedoromitir a existência dopatrimônio ou apresentarrecursos protelatórios.A regra, que já poderiaser deduzida de outrostrechos do Código deProcesso Civil, foi explicitadano novo texto.A nova redação tambémcria uma espécie de moratóriajudicial, segundoa qual o devedor, antesde apresentar bens à penhora,pode depositar30% do valor da causa eparcelar o resto em seisvezes. A regra cria umpatamar mínimo paraas negociações extrajudiciais,ainda que muitofavorável ao credor -não reduz o principal dadívida e o prazo de seismeses é muito menor doque o prazo de tramitaçãodo processo a partir da penhoraConsultoria JurídicaDra. Regina Almeida14 www.acats.com.br


www.acats.com.br15


16 www.acats.com.br

More magazines by this user
Similar magazines