Jornal sticapjulhoultimo.p65 - Sindicato dos Trabalhadores nas ...

sticap.org.br

Jornal sticapjulhoultimo.p65 - Sindicato dos Trabalhadores nas ...

JULHO 2007Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação de PelotasSTICAPFiliada a CUT e CONTACwww.sticap.org.brimprensa@sticap.org.brRua Almirante Barroso, 3124 Centro – Pelotas/RS33 ANOSde LutaFlorestamentoSindicato dos Trabalhadores nas Indústrias eCooperativas da Alimentação de Pelotas -filiado à CUTRua Almirante Barroso, 3124 - centro - Pelotas – RSCGC Nº 88.387.758/0001-75Base Territorial: Pelotas, Capão do Leão, Morro Redondo,Canguçu, Piratini, Pinheiro Machado, Pedro Osório, ArroioGrande, Jaguarão, Cerrito e Arroio do Padre.EDITAL DE CONVOCAÇÃOELEIÇÕES SINDICAISDeserto Verde avançae ameaça ambienteAs mega empresas florestais, comoa Votorantim e a Aracruz, estão investindopesado em áreas de florestamento naZona Sul do RS. A plantação intensiva deárvores destinadas às indústrias de celulosepoderá destruir a pequena economiado campo e até produtores maiores que,equivocadamente, estão trocando a produçãode alimentos, como a pecuária,pelo plantio de eucaliptos. O avanço destasculturas é uma ameaça também aoNesta Ediçãomeio ambiente, pois faz surgir os chamados“Desertos Verdes”, grandes porçõesrurais onde nada existe, a não ser extensasáreas ocupadas pelas árvores que alimentarãoas fábricas de papel de mega gruposempresariais. Estas empresas, conformeinformações oficiais da própria JustiçaEleitoral, fazem generosas doações acampanhas eleitorais de políticos de todasas esferas e de variados partidos.Páginas CentraisNovo presidente da FTIARSfala sobre os desafios da categoriaPágina 7Pelo presente edital faço saber que nos dias29 e 30 de agosto de 2007, no horário das 8h às17h, na sede do Sindicato e nas empresas ondehouver associados, sendo nestas através de urnasitinerantes no horário das 8h do dia 29 às 17h do dia30, serão realizadas eleições para a composiçãoda diretoria, conselho fiscal, delegados representantesjunto à Federação e de representantes sindicais,bem como seus suplentes. Fica aberto o prazode 30 (trinta) dias para o registro de chapas apartir do dia imediato da publicação deste edital nostermos do capítulo VII dos estatutos do Sindicato. Asecretaria geral da entidade funcionará no períododestinado ao registro de chapas no horário da 8hàs 11h e 30 min de das 13h e 30 min às 18h. Aimpugnação das candidaturas deverá ser feita noprazo de 10 (dez) dias a contar da data de publicaçãoda relação das chapas registradas. Caso nãoseja obtido o quorum em primeira convocação, bemcomo em caso de empate na apuração, a eleiçãoem segunda votação será realizada nos dias 13 e14 de setembro do mesmo ano, de acordo com osartigos 79 e 83 do estatuto do Sindicato.Pelotas, 29 de junho de 2007Elton de Oliveira LimaPresidenteFale com o SindicatoTelefone(53) 3225-3564Ligações a cobrar(9090 3225-3564)Sede do Sindicato,rua Alm. Barroso, 3.124,centro, Pelotas.Internet www.sticap.org.brE-mailimprensa@sticap.org.brCEP 96010-280


02Salário-maternidadeGoverno amplia proteção às mulheresSeguradas da previdência poderão requerer o salário-maternidade se o nascimento ou a adoção do bebê ocorrer no período de graçaDecreto do Governo Federalalterou a regra atual do saláriomaternidade,pago pela PrevidênciaSocial. O decreto beneficia asseguradas que foram demitidas, apedido ou por justa causa, ou quedeixaram de contribuir.Antes, as seguradas da PrevidênciaSocial só tinham direito aobenefício enquanto mantivessema relação de emprego ou enquantocontribuíam. A partir de agora,terão direito ao salário-maternidadese o nascimento ou adoçãodo filho ocorrer no período degraça. Esse período é uma proteçãoprevidenciária, que garanteo recebimento dos benefícios,mesmo que as seguradas não estejamcontribuindo.O período de graça, no casodo salário-maternidade, pode variarde 12 a 36 meses. O períodode 12 meses vale para todas as seguradas, independentemente do tempo de contribuição.Já o de 24 meses é para as que têm mais de 10 anos de contribuição. Essesprazos podem ser ampliados em mais 12 meses para a segurada que comprovara condição de desemprego por meio de registro no Ministério do Trabalho eEmprego (MTE).Benefício - O salário-maternidade é o mais exclusivo direito previdenciário damulher. São 120 dias de licença assegurados à mãe, devidos a partir de oitavomês de gestação (comprovado por atestado médico) ou a partir do nascimento(comprovado com a certidão de nascimento). Em casos de adoção, as licençasvariam de 120 dias (bebês até um ano), 60 dias (crianças de um a quatroanos) e 30 dias (crianças de quatro a oito anos).Para a segurada empregada, empregada doméstica e trabalhadora avulsa,não é necessário tempo de carência. Já as autônomas, donas-de-casa eseguradas especiais rurais, devem ter contribuído, pelo menos, 10 mesesantes de solicitar o benefício.É importante observar que, a partirde setembro de 2003, o pagamentodo salário-maternidade das gestantesempregadas passou a ser feito diretamentepelas empresas, que são ressarcidaspela Previdência Social. O benefíciodevido às seguradas desempregadasa partir da publicação do Decretonº 6.122/2007 será pago diretamentepela Previdência Social.O requerimento para o salário-maternidadepode ser feito pela Internet ou em umas das Agências da PrevidênciaSocial, que funcionam de 8h às 18h. Para mais informações, a interessada podeacessar a página da Previdência Social www.previdencia.gov.br ou ligar para aCentral de Tele-atendimento no número 135.Nova direção tomaposse na FTIA-RSA nova direção da FTIA-RS foi empossada dia 30 de junho, emsolenidade ocorrida em Porto Alegre. O presidente Cairo FernandoReinhardt e toda a direção da entidade terão o desafio de levar adianteas lutas dos trabalhadores do setor até 2010. Participaram do eventodiversas lideranças representativas dos trabalhadores. No dia 29 haviaocorrido a posse informal.Presidente nos últimos dois mandatos, Darci, agora secretário-geral,disse que se sentiu honrado não só por ter cumprido uma jornada dedois mandatos a frente da federação, mas ter deixado a entidade unidaem torno das grandes lutas dos trabalhadores, com vários projetos emandamento. “Ninguém faz nada sozinho. Se chegamos a este momentotão positivo para a federação é graças ao apoio incansável dos sindicatose de suas direções. Neste momento não poderia deixar de agradecera garra de nossos diretores, dos nossos funcionários e assessoriastécnicas, que nos ajudaram a fazerem as coisas acontecerem nestaentidade”, afirmou Rocha, nominando um a um dos colaboradores deseu mandato.O presidente Cairo Fernando Reinhardt conclamou todos os sindicatos,funcionários, assessorias e diretores da federação a realizar umaverdadeira cruzada em defesa dos trabalhadores.Participaram do evento diversas lideranças representativas dos trabalhadorescomo o Senador Paulo Paim (PT-RS); deputada federalTarcísio Zimmermann (PT-RS); Presidente do PT-RS, Chico Vicente;deputada federal (PC do B-RS), Manuela D`Ávila; ; deputado estadualRaul Carrion ( PC do B) ; Presidente da CUT-RS, Celso Woyciechowski;Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Alimentação(CNTA), Artur Bueno de Camargo; Guiomar Vidor, Presidenteda Federação dos Trabalhadores no Comércio RS (Fecosul) ePresidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores da AlimentaçãoCutista (CONTAC) Siderlei Silva de Oliveira.Posse informal ocorreu no dia 29 de junhoRepresentantes de todo o estado compareceram à posseDireção do Sindicato presenteALERTA AOS TRABALHADORESOderich: Contrato emaberto não existe!Funcionários da Oderichestão sendo logrados.A empresa tem se utilizadode uma prática ilegalpara não efetivar seus funcionários.Após o primeirocontrato de safra, a empresafirma um segundo contratode safra, e assim sucessivamente.Isto é ilegal.O prejuízo para o trabalhadoré grande, pois se vier aser demitido, não terá direitoao aviso prévio, à multado FGTS e ao seguro desemprego.O Sindicatoalerta aos trabalhadoresque foram demitidos, ouvierem a sê-lo, para ingressaremcom ação na Justiçado Trabalho para reaveremo que lhes foi sonegado.Os textos contidos nesta publicação são de responsabilidade do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação de Pelotas eRegião. Presidente: Elton Lima Secretário de Imprensa: Clóvis Rogério. Conselho Editorial: Clóvis Rogério, Elton Lima, Lair de Mattos. Rua Almirante Barroso,3124 - Fones (Fax)(053) 3225.3564 Pelotas-RS. Jornalista: Paulo Otávio Pinho,r.p. 179\92\7461. Gráfica Signus Tiragem: 3.500 exemplares


AcordoTrabalhadores dosetor avícola têm5,5% de reajusteOs trabalhadores do setor avícola do Rio Grande do Sul terão seus saláriosreajustados em 5,5%, índice retroativo a maio. O acordo foi fechado entre a Federaçãodos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (FTIARS) e sindicatospatronais, ocorrida na sede da FTIARS, em Porto Alegre. O salário de ingressoficou em R$ 455,40, o de efetivação em R$ 502,00, o abono em R$ 443,00 e oauxílio-escolar em R$ 279,00.O índice foi o mesmo acordado diretamente entre a Federação e duas empresasque estavam de fora da mesa de negociação que foi estabelecida entre trabalhadorese patrões, a Minuano e a Avipal.O reajuste, conforme a avaliação das lideranças da FTIARS, é fruto da mobilizaçãoda categoria, que entrou em estado de greve em algumas empresas.Trabalhador acidentado ganha indenizaçãode meio milhão de reais03Um ajudante de motorista da empresa Rápido TransporteGuido Ltda. vai receber cerca de meio milhão dereais a título de indenização por danos morais decorrentede um acidente de trânsito ocorrido durante seu expedientede trabalho, e que lhe acarretou graves lesões naspernas. A decisão do Tribunal Regional do Trabalho da15ª Região (Campinas/SP) foi confirmada pela SegundaTurma do Tribunal Superior do Trabalho.Segundo relatou na petição inicial, tanto ele quanto omotorista do caminhão estavam trabalhando há mais de12 horas, sem descanso, quando ocorreu o acidente.Empresa indenizará empregadoacidentado por não ter feito seguroA Companhia Energética do Piauí foi condenada pela Justiçado Trabalho a indenizar em 20 salários-base um trabalhador quesofreu acidente de trabalho e não conseguiu receber o segurode vida em grupo previsto no acordo coletivo de trabalho da categoria.O trabalhador foi admitido pela Cepisa em abril de 1978. Emjunho de 1999, durante a jornada de trabalho, sofreu acidentequando executava manutenção preventiva e corretiva num transformador.Uma das cláusulas do acordo coletivode trabalho da categoria relativo à database2003/2004 previa que a Cepisa deveriamanter seguro de vida em grupo para seusempregados, “com cobertura de morte naturalou acidental, total ou parcial por doença,no valor de 15 remunerações brutasdo empregado”. O trabalhador tentou semêxito receber o seguro por via administrativa,daí o motivo do ajuizamento da reclamaçãotrabalhista.Disse que ao retornar ao emprego, após um ano deafastamento para tratamento médico, foi sumariamentedemitido.Em junho de 1996, ajuizou reclamação trabalhistapleiteando indenização por danos morais de 1.500 vezeso salário mínimo, além de indenização por danosmateriais calculados sobre o valor do último salário recebido,na data do acidente, até o dia em que completaria65 anos. Pediu ainda o ressarcimento dos gastoscom fisioterapia e prótese. O valor atualizado da indenizaçãogira em torno de R$ 500 mil.Bancária ganha dano moral por LER/DortA Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou agravo de instrumentoem que a Caixa Econômica Federal pretendia a reforma de decisão que acondenou ao pagamento de indenização no valor de R$ 85 mil, por dano moral,a uma bancária aposentada por invalidez, em razão de doença adquirida no trabalho(LER/DORT). O relator, juiz convocado Ricardo Machado, ressaltou queo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) constatou, de forma inequívoca,o nexo causal entre a doença e a atividade desempenhada, aplicando corretamentea condenação.


04Mega empresas de florestamentofinanciam campanhas e políticosConforme informoua AgênciaChasque, dadosdo Tribunal SuperiorEleitoral(TSE) revelamque pelo menos 21deputados estaduaise 14 deputados federaisdo Rio Grande doSul receberam dinheiroda Aracruz Celulose parao financiamento das campanhaseleitorais de 2006. Asinformações são prestadaspelos próprios candidatos aoTSE.As três maiores empresasde celulose que estão emfase de expansão no Rio Grande do Suldoaram cerca de R$ 1,360 milhão para75 candidatos a deputado e governadorna última eleição.A empresa finlandesa Stora Enso, quetem interesse em mudar a lei que proíbecompra de terras por estrangeiros nachamada faixa de fronteira, doou R$ 103mil para candidatos a deputado estaduale federal. Já a Votorantim Celulose e Papel,outra grande empresa em fase deexpansão na Zona Sul do Estado, destinouR$ 348 mil às campanhas eleitoraisno Rio Grande do Sul.A Aracruz é a campeã de doação. Aempresa, que teve sua imagem prejudicadacom a invasão da Via Campesinano dia 8 de março, em Barra do Ribeiro,e com os conflitos com populações indígenasno Espírito Santo, desembolsoumais de R$ 900 mil nas campanhas doscandidatos gaúchos.O dinheiro da Aracruz ajudou a eleiçãode 21 deputados estaduais, do PP,do PSDB, do PPS, do PMDB, do PDTe do PT. Também foram eleitos com ajudada Aracruz 14 deputados federaisgaúchos, membros do PSB, do PFL, doPDT, do PMDB, do PSDB e do PP. AAracruz também fez doações aos comitêsde campanha do PP, do PCdoB, doPV e do PDT.A empresa, que também foi uma dascampeãs de doação em todo o País, jádivulgou nota oficial à imprensa afirmandoque as ajudas financeiras são uma contribuiçãoao amadurecimento do processodemocrático.Em todo o Brasil, as empresas quemais financiaram as campanhas eleitoraisdeste ano foram as construtoras, comR$ 66,3 milhões; as siderúrgicas, que doaramR$ 21,6 milhões; as empresas doagronegócio, com R$ 19,6 milhões; e omercado financeiro, que desembolsou R$17,8 milhões. Somente esses setores responderampor 10% da arrecadação decampanha.Bioma pampa ameaçadoNo Brasil o Pampa só existe no Rio Grandedo Sul e ocupa 63% do território do estado.Durante 300 anos o Pampa foi destinadoa produção agropecuária. Visto como terraspara gado e de batalhas para defenderfronteiras. Teve sua biodiversidade subestimada.Hoje reconhece-se que resguarda espéciesraras de fauna e flora, animais endêmicose outras tantas espécies desconhecidaspela ciência. Na eminência de sua totaldestruição, um novo olhar é dado ao Pampae em 2004 é considerado pelo Ministério doMeio Ambiente como um Bioma, o BiomaPampa.Indubitavelmente o Pampa sofre ainfluência e pressão seletiva da atividade econômicaque mais se desenvolveu na região,a monocultura da pecuária. Por anos o pastejoselecionou algumas espécies de plantasque melhor se adaptavam às patas e bocas,dificultando o desenvolvimento de espéciesarbóreas de maior porte, sobretudo nas matasciliares. Isso seria remediado com a implementaçãodas áreas de Proteção Permanentee Reservas Legais nas propriedades,previstas no novo código florestal.Quando pensávamos que o equilíbrioda região estaria garantido, surge umnovo e mais forte perigo que pode causar atotal transformação deste Bioma: a monoculturade árvores exóticas.O Pampa é composto basicamentede gramíneas, herbáceas e algumas árvores.Serão graves os impactos da transformaçãodo ecossistema atual em monoculturade árvores, cujo estágio de sucessão ébem diferente.Toda monocultura e inserção deespécies exóticas gera um desequilíbrio ambiental,com a diminuição de algumas espéciese aumento de outras, além de alteraçãonas funções ecológicas básicas do ecossistema.Toda atividade destinada para exportaçãonão gera equilíbrio e igualdades no paísde origem.Este cenário mais parece de extrema-unção,pois o Bioma só foi reconhecidoquando está em vias de acabar.A ameaça do DApesar damobilização dosmovimentosambientais, sociais esindicais, as megaempresas florestaiscontinuamavançando de modopreocupante naregião e em todo oEstado. A ameaça doavanço dos “DesertosVerdes” fica a cadadia mais presente eforte. Numadefinição simples, osDesertos Verdesseriam o resultado daaplicação em grandeescala, ou seja, emgrande quantidade,do florestamento emcampos da região,com plantações deárvores como oseucaliptos. Estesinvestimentos estãosendo feitos nametade sul do RS emgrande quantidade,fazendo com queprodutores primáriostroquem, porexemplo, a pecuáriae a produção deoutros alimentos,pela plantação deárvores.Projeto de Zoneamento Florestal daFepam: Yeda trabalha para quem?As empresas que promorantin e a Aracruz, votecerem suas fábricasO termo deserto veflorestas não se vê mais nada, nennem gente, nem nada, somente umdestino certo, o corte programadoculturas causam ao ambiente e ecoado, a geração de empregos no floTodos somos a favor dos novosempreendimentos no estado, inclusiveprojetos de silvicultura (cultura dearvores florestais). Mas não podemoscolocar em risco o equilíbrio ambiental,prejudicando os recursos naturais.Foi para garantir isso que a FEPAM,com o apoio de muitas entidades científicas,elaborou o projeto de ZoneamentoAmbiental. O ZoneamentoAmbiental libera nove milhões de hectarespara o plantio das arvores, muitomais que as empresas precisam.A governadora Yeda suspendeu otrabalho da FEPAM, deixando as empresaslivres para cultivarem eucaliptosonde quiserem, criando o risco deampliar as áreas de desertificação noEstado e prejudicando outras atividadeseconômicas importantíssimas,como a agricultura familiar, o turismorural e o arroz irrigado.


eserto Verde Monocultura do eucalipto e fábrica de celulose- O que você tem direito de saber –Sobre a monocultura do eucalipto (desertos verdes):1. Cada Eucalipto (árvore australiana) consome até 25 litros/dia de água.Ou seja, 1hectare plantado pode chegar a 50 milhões de litros/ano;2. Milhares de hectares de Eucalipto podem resultar em falta de águapara o abastecimento da população e para agricultura/pecuária;3. Monoculturas comerciais de Eucaliptos não são florestas! Florestastêm biodiversidade ;4. Os plantios utilizam grande quantidade de venenos agrícolas (agrotóxicos);5. Após os cortes, deixam o solo empobrecido e coberto por tocos,inutilizando os campos;6. Na Metade Sul estão 95% dos latifúndios gaúchos! Agora 3 empresastransnacionais estão se tornando os “maiores latifundiários do Brasil”;7. Logo controlarão e venderão Água Mineral do maior lençol subterrâneodo mundo: o Aqüífero Guarany;8. Não possuem Estudo Prévio de Impacto Ambiental – EIA nem realizaramAudiências Públicas, exigidos pela Constituição Federal;9. As monoculturas de Eucalipto geram apenas 1 emprego a cada 185hectares, enquanto a Agricultura Familiar gera cerca de 5 empregos por hectare;10. Na América Latina aceleram o desemprego e o êxodo rural;Sobre as fábricas de celulose:05vem estas plantações são grandes firmas, como a Votorazes por matérias-primas, no caso as árvores, para abasde celulose e de papel.rde surgiu porque nas grandes áreas que recebem estashum outro tipo de planta nem de cultivo, nem animais,a concentração intensa de árvores, que já nascem comAmbientalistas alertam sobre os danos que estas mononomistasdizem que, ao contrário do que é propaganderestamentoé insignificante.11. Se compararmos ao dinheiro público liberado pelo governo, as IndústriasQuímicas de Celulose empregam pouquíssima mão-de-obra;12. Por causa da intensa mecanização a mão-de-obra é especializada;13. Utilizam grande quantidade de Água Doce que é lançada contaminada;14. Produzem o conhecido “cheiro a ovo podre” e elevados níveis depoluentes na água e no ar, causadores de câncer e deformações;15. A Celulose produzida por esta Indústria Química não se transformaráem livros e cadernos para nossa comunidade, pois cerca de 98% da produçãoé exportada;16. Mais uma vez interesses privados são beneficiados por conhecimentoe verbas públicas que deveriam estar à serviço da população;17. Alguns governos tem valorizado nossas vocações regionais (agroindustrial,pesqueira, portuária, comercial e turística), outros supervalorizamIndústrias Químicas Poluentes;18. Querem manter e aumentar o poder que hoje está nas mãos dos mesmosde sempre, ou seja, 80% da renda está com apenas 7% da população rica.MovimentoAlerta Contra DesertosVererdese Pólos de Celulose na Metade Sul / RS.Contatos: (53) 3225-4954 ou 3227-6028Você sabia que?A plantação em larga escala e sem regras de arvores exóticas, comoos eucaliptos, pode destruir o bioma pampa, que ocupa 63% do territóriodo Rio Grande do Sul.Os municípios em que o florestamento é a principal atividade econômicasão os mais pobres do estado.A multinacional Stora Enzo chegou a criar uma empresa laranja comsócios brasileiros por que estrangeiros não podem comprar terras nafronteira sem autorização.Segundo a organização das Nações Unidas (ONU), mais de um bilhãode pessoas em todo mundo não tem acesso a água potável?A ONU também calcula que, se não houver um esforço coletivo, em2025 o número de pessoas que sofrem com a falta de água pode ultrapassartrês bilhões.Fique por dentroAs empresas de celulose querem plantar eucaliptos e outras árvoresexóticas no Estado para produzir celulose. Elas estão comprando terraem larga escala na fronteira e no centro do Estado.A cultura dessas árvores em áreas extensas pode comprometer a qualidadeambiental por que existe o risco de aumentar as áreas de desertificação.Preocupada com isso, a FEPAM, que é o órgão governamental, elaborouum projeto de Zoneamento Ambiental para preservar áreas importantes.Como as empresas já tinham comprado terras antes do Zoneamento,agora não aceitam as regras que proíbem o cultivo próximo a rios e outrasfontes de água.Quem é a favor das regras não é contra os empreendimentos, comodizem. Ao contrário, as regras são uma garantia que os empreendimentosserão realizados conforme os interesses de todos os gaúchos.


06Anunciado o calendário do PISAnunciado oQuem trabalha com carteira assinada pelomenos 30 dias em um ano e ganha menos de doissalários mínimos por mês tem direito a receber oabono anual do PIS, desde que esteja cadastradono sistema há pelo menos cinco anos. O PIS épago aos trabalhadores do setor privado e os valoressão depositados na Caixa Econômica Federal, localdo pagamento. Os trabalhadores cadastrados noconvênio Caixa-PIS-Empresa recebem opagamento automaticamente de julho a setembro,no contra-cheque.Sindicato no RádioVOZ TRABALHADORATodas as sextas-feiras das 18h às 19h naRadiocom 104.5 FM - Pelotas. Ligue eparticipe pelo fone - 3222.1571TRIBUNA SINDICALTodos os sábados das 12h 30min às 13h naRádio Livre 87.9 FM - Capão do Leão Ligue eparticipe pelo fone - 32755059Telefones úteisCaixa Econômica Federal : 2123-1660. Ligar das 9h às 17h.Sine – 3225-7494Procon – 3284-4477Conselho Tutelar – 9118-1661 (Plantão)Delegacia Regional do Trabalho - 3222-2111/ 3225-4405Conselho Municipal de Saúde – 3227-6555Conselho Municipal de Meio Ambiente – 3284-4445RadioCom 104.5 FM – 3222-1571Vigilância Sanitária – 3284-7700Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – 3225-6688SAMU – 192ClassificadosVENDO – (motivo Mudança) Terreno com frentepara a Br 293, medindo 47,5 m² de frente por 71 m²fundos. Valor R$ 7.000,00 + R$ 2.000,00 de documentação.Tratar fones; 32214424 ou 91366627 (Laerteou Oswaldo).BARBADA - Vendo, Fusca 76 Vermelho 1300L valorR$ 1.000,00 ou troco. Tratar pelo fone 913666 27 (Laerteou Berenice).VENDO - Terreno de esquina medindo 30x20,localizado no Bairro Jardim América, próximo aocampo do Estrela, valor R$ 4.000,00. Tratar pelo fone32821534 ou 91082145.VENDO - Desinfetante, amaciantes, clorofina edetergente. Ligue e encomende produtos de limpezade ótima qualidade. Fones 32737311 e 81197970.VENDE-SE- Passat 79. Valor R$ 2 mil. Documentaçãoem dia. Fone 91035852.VENDO- ou Troco por casa em Pelotas. Casa centralno município de santa Vitória do Palmar, com 3quartos, sala, escritório, 2 banheiros, varanda, lareira.VENDO- uma maquina de costura eletrica marcaElgin, otimo estado, valor R$ 250,00. tratar pelo fone;32716368, a partir das 19 horas.VENDO- uma maquina de lavar louças, marcaEnxuta, estado de nova valor R$ 250,00. tratar pelofone; 32716855, com Marcia em horario comercial.NOVO CALENDÁRIO / ANO-BASE 2006 / EXERCÍCIO 2007/2008Nascidos em: Recebem a partir de: Até:Julho 08/08/2007 30/06/2008Agosto 15/08/2007 30/06/2008Setembro 22/08/2007 30/06/2008Outubro 12/09/2007 30/06/2008Novembro 19/09/2007 30/06/2008Dezembro 25/09/2007 30/06/2008Janeiro 09/10/2007 30/06/2008Fevereiro 17/10/2007 30/06/2008Março 24/10/2007 30/06/2008Abril 09/11/2007 30/06/2008Maio 13/11/2007 30/06/2008Junho 21/11/2007 30/06/2008SALÁRIO MÍNIMONACIONALR$ 380,00SALÁRIO FAMÍLIARemuneraçãoaté R$ 449,93 - R$ 23,08de R$ 449,94a R$ 676,27- R$ 16,26Anuncie nosclasificados do JornalNOSSA LUTAAssociado deixe seuclassificadono sindicato ou atravésdo telefone 32253564Associe-se ao SindicatoCONVÊNIOS DE SAÚDEAlém da luta política, o Sindicato oferecevários serviços aos seus associadosATENDIMENTO JURÍDICODe terças a sextas-feiras, apartir das 18h.ATENDIMENTO MÉDICODe segundas a sextas-feiras,a partir das 18h30min.Para ter direito é preciso ter a carteira de sócio ou dependenteCardiologistaMichel Halal .......................................................................... 3222.8099NeurologistaF. F. de Freitas ...................................................................... 3225.4930OftalmologistaJose Ananias Silveira do Amaral ............................................. 3227.1343Raio XInstituto de Pneumologia ........................................................ 3222.2791Análises ClínicasLaboratório Maurício Guimarães VIP- 20% de desconto ....... 3222.5969Laboratório Oswaldo Cruz - Tabela do SUS ........................ 3222.2597Pronto Socorro InfantilPronto Baby .......................................................................... 3222.1293PsicólogasRejane Paiva Fonseca e Silva ................................................ 3222.1293Elmides Colares..................................................................... 3225.2873NutricionistaCátia Borba .......................................................................... 3222.2791GINÁSTICAFEMININAÀs terças equintas-feiras,das 18h45min às19h45min, comaulas gratuitas asócias edependentes.ATENDIMENTOODONTOLÓGICOSóciosDe segundas a sextas-feiras, apartir das 18h, com consultasagendadas com antecedência.DependentesDe segundas a quintas-feiras, das9h às 11h, por agendamento epagamento de taxa de manutençãode R$ 8,00 e nas quintas-feirastambém das 13h30min às15h30min.GRUPODA LERÀs quartasfeiras,às18h30min.Reuniõesparaassistênciae terapiasparaportadoresde LER.


Entrevista Especial“Silvicultura será uma tragédia para a alimentação”07O novo presidente da Federaçãodos Trabalhadores nas Indústriasda Alimentação do RS(FTIARS),Cairo Fernando Reinhardt, em entrevistaao jornal Nossa Luta, reafirmouos compromissos da entidadee da nova gestão na defesa dosinteresses dos trabalhadores do setorno Estado e falou sobre comoconduzirá a FTIARS nos próximostrês anos. Para Cairo Reinhardt, oramo da alimentação e o meio ambientesofrerão muito com o florestamentopromovido pelas grandesempresas na Zona Sul do RS, poisonde se plantavam alimentos e pastagenspara criação de gado de corte,passou-se a cultivar eucaliptos.Nossa Luta: Quais as principaismetas da gestão que está começando?Cairo: São nossos compromissosa negociação da reposição integraldas perdas salariais, nas campanhassalariais, com ganho real; a defesa dasaúde do trabalhador; a elaboração decampanhas nas indústrias de abrangêncianacional; a defesa dos direitos humanosnos locais de trabalho; a reduçãodo ritmo de trabalho; a realizaçãode atividades de esporte e lazer para acategoria; a profissionalização e a qualificaçãodos trabalhadores; a formaçãode novas lideranças; a ampliação daorganização dos trabalhadores nas basesonde não há sindicatos; a valorizaçãodo piso regional e a defesa do ambiente,da produção de alimentos e daagricultura familiar.Nossa Luta: Na sua visão,quais são os principais problemas dacategoria como um todo.Cairo: Os trabalhadores estãodivididos entre as grandes, as médias epequenas empresas . O que mais temdificultado a organização dos trabalhadorestem sido a falta de uma fiscalizaçãomais eficaz, como do Ministério doTrabalho e do Inss, bem como a legislaçãoatual, onde apontamos com principaisentraves a terceirização e o contratotemporário.Nossa Luta: Como vê a situaçãoda categoria na Zona Sul do RS,especialmente em Pelotas e região?Cairo: A categoria, a partir dadécada de oitenta, na metade Sul sofreuuma grande redução de postos detrabalho formais. Perdemos grandesempresas do ramo que quebraram ouse transferiram para outras regiões, porquereceberam incentivos de dinheiropúblico para ampliação e geração deemprego. Tem se notado uma grandefalta de habilidade política para atrairnovos empreendimentos que venhamgerar novospostos de trabalho.Por outrolado, o quetem se observadonos últimostempos,como formade desenvolvimentona região,tem sidoa atuação dealguns políticos,que temalardeadocomo a salvaçãopara criseda metade sula questão dasilvicultura.Para o ramo da alimentação e meioambiente será uma tragédia, pois ondese plantavam alimentos, pastagens paracriação de gado de corte, passou-se aplantar eucaliptos e já começamos asentir os reflexos do que já esta ocasionandofalta de gado para os frigoríficos,acarretando em demissões no setorem todo o estado, sendo que jamaisas áreas plantadas de eucalipto irãogerar os mesmos empregos gerados nosetor da alimentação, além provocar sériosreflexos ao meio ambiente.Nossa Luta: Como vê a trajetóriados trabalhadores da alimentaçãoao longo dos anos, vitóriasconquistadas e o que ainda faltaconquistar?Cairo-A FTIA/RS completaneste ano 62anos de sua fundação.Desde lámuitos desafiosforam enfrentadose superados.Apesar de tudo,nosso ramo semprefoi marcado por lutashistóricas, comopela defesa da eqüidadesalarial das mulheres,ainda na décadade 50, pelo trabalhode assistência médicae jurídica à categoria,pela conquista desaláriosdignos e melhores condições de trabalhopara o ramo. Mesmo durante a ditaduramilitar, a federação da alimentaçãoconseguiu feitos históricos, comoreunir uma conferência internacional detrabalhadores em sua sede, em 1979,para debater formas de lutas e garantiasdos direitos civis e trabalhistas de todosos cidadãos. No atual momento históricoo ramo continua sendo um referênciano cenário político e esteve presenteem todos os momentos de disputade políticaspúblicas de interesseda sociedade,bemcomo na lutapela manutençãodo PisoMínimo Regional,pela Valorizaçãodo SalárioMínimo,Contra aEmenda 3 epela garantia dedireitos históricos.O Brasil éo líder mundialem acidentesde trabalho,nosso focotambém está voltado a melhorar as condiçõesdo ambiente fabril, buscando aredução do número de trabalhadoresdoentes e do número de acidentes detrabalho.Nossa Luta- Como pretendeefetuar o relacionamento com a classepatronal?Cairo- Na verdade o relacionamentocom os patrões deve ser tratadocom o mesmo grau de respeito para comos trabalhadores. Ao longo dos dois últimosmandatos nos fizemos respeitar,pela conduta que tivemos. É claro quemuitas conquistas ou manutenção de direitosforam adquiridas através de muitaluta e mobilização.“Salários dignos eboas condições detrabalho serão,sem dúvida,grandes desafios aseremenfrentados”Nossa Luta- Aquestão da saúdedo trabalhador éum dos pontos quemais preocupa.Que ações específicasnesta áreadeverão ser realizadasnestagestão?Cairo- Esseé um tema quejá vem preocupandoaFederação,onde temos percebidoo descaso com a saúde do trabalhador,o descumprimento da legislação.Para tanto, a Federação emparceria com os sindicatos que têm frigoríficosde frango em suas bases, desenvolveuo Projeto Pista, e no setorde carne bovina está sendo desenvolvidoo Projeto Alerta. Os mesmos jáestão tendo retornos positivos, promovendomuitas mudanças na organizaçãodo trabalho de empresas do ramoe servindo de subsídio para elaboraçãode políticas públicas para o ramo.Podemos afirmar que essa será um desafioa ser perseguindo pela nova direção.Nossa Luta- Qual sua visãosobre a conjuntura estadual, posturado governo do Estado?Cairo- A atual conjuntura no RioGrande do Sul é muito complicadopara a classe trabalhadora, visto quetodas as políticas públicas estão voltadasao favorecimento de grandes corporações,na forma de isenções, subsídiose incentivos a empresas multinacionaisque a médio-longo prazodeixarão conseqüências drásticas paraa cadeia produtiva e recursos naturaisem nosso estado.O forte investimento na silvicultura,que está redesenhando toda o biossistemada metade sul é o que maisnos preocupa, além da quebra na cadeiaprodutiva da alimentação, como jáfalamos anteriormente, deixará uma herançaambiental que compromete seriamenteas novas gerações com a reduçãoda diversidade biológica da florae da fauna, comprometimento dossolos com “destocamento” e empobrecimento.Os impactos sobre a indústriada alimentação já podem ser percebidos,pois deixa-se de produzir a principalmatéria-prima (alimentos) e a expectativaé que se agrave com o fechamentode milhares de postos de trabalho,ampliando a crise de emprego noestado. A questão da política para pisomínimo do estado também pressupõeuma acirrada disputa de forças políticase de enfrentamento com poder econômico.Nossa Luta- E sobre a conjunturanacional, avanços e perdasnos direitos dos trabalhadores, geraçãode emprego, ganhos reais de salário,ou nem tanto?Cairo- O enfrentamento comgrandes corporações do ramo da alimentação(setores como do óleo, frango,laticínios, bebidas, entre outros), quea cada ano lucram mais, às custas doadoecimento dos trabalhadores, e a disputapor salários dignos e boas condiçõesde trabalho serão sem dúvidagrandes desafios a serem enfrentados.Será um objetivo da federação a elaboraçãode um projeto de lei que viseregular o ritmo de trabalho nas empresasda alimentação, a começar pelosabatedouros.A questão da Emenda 3 que feree retira direitos conquistados historicamente,a questão da estabilidade dosdirigentes sindicais e, por fim a intervençãodo Estado no Movimento Sindicaltambém constituem uma nova realidadeque se impõe e que nos leva abuscar criar alternativas de luta paragarantir as ações dos sindicatos.


Direitos e Processos• Processos Trabalhistas Contra Produtos Alimentícios do Litoral (Massas Trevi)A justiça expediu alvarás de pagamento para as pessoas abaixo indicadas asquais estavam relacionadas no processo movido pelo sindicato em 1987. Estaspessoas devem procurar imediatamente a assessoria jurídica, munidas de carteiraprofissional, identidade e CPF a fim de retirar seus alvarás e receber o que lhes édevido. Caso existam apenas dependentes os mesmos deverão se habilitar parareceber o crédito. O atendimento jurídico é de terça a sexta-feira das 18h às19h30min na sede do sindicato.Milton ZschormackDiva RadtkeLeoncio Acelino Affonso Ramos• Restituição do imposto de rendaA restituição do imposto de renda já tem calendário fixado. O primeirolote foi pago no dia 15 de junho. Serão sete lotes sempre nos dias 15 de cada mêsou no dia útil subseqüente quando este dia cair no final de semana ou feriado.Quem preencheu corretamente a declaração de 2007, ano base 2006, irá recebereste ano caso contrario fica para o ano de 2008.A Receita Federal informou queterão preferência os contribuintes com mais de 60 anos e os contribuintes queentregaram a restituição pela internet, desse total quem entregou primeiro terápreferência.DenúnciasJOSAPARNa edição anterior informamosque na unidade da Vila Princesa háapenas um bebedouro. Não é verdade,há dois.No setor empacotamento/carregamento há um. No setor do beneficiamentotem outro equipamento,que, quando está funcionando, o queé raro, também é um bebedouro. Vejao que dia a lei sobre este assunto:NR24 - Condições Sanitárias e de Confortono Local de TrabalhoEm todosFRIGORÍFICO EXTREMO SULDenuncie: Ligações à cobrar: 9090 3225 35 64Atenção médico da empresa:RESOLUÇÃO do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA nº 1.488/1998Art. 1º - Aos médicos que prestam assistênciamédica ao trabalhador, independentemente desua especialidade ou local em que atuem, cabe:I -assistir ao trabalhador, elaborar seu prontuáriomédico e fazer todos os encaminhamentosdevidos;II - fornecer atestados e pareceres para o afastamentodo trabalho sempre que necessário,CONSIDERANDO que o repouso, o acesso aterapias ou o afastamento de determinados agentesagressivos faz parte do tratamentoArt. 3° - Aos médicos que trabalham em empre-MAIS EXTREMO SULJornada DesumanaO Extremo Sul conseguiu sesuperar. No dia 21de junho, a jornadados funcionários iniciou às 7h. Das10h30min às 11h30min foi o almoço.Só que justamente neste horário a empresadistribuiu os vales-transporte, demodo que tempo para descanso nãohouve, pois o pessoal teve que curtiruma longa fila para pegar o vale.Mas o tormento recém estavacomeçando, pois a jornada à tarde/os locais de trabalho deverá ser fornecidaaos trabalhadores água potável,em condições higiênicas, sendoproibido o uso de recipientes coletivos.Onde houver rede de abastecimentode água, deverão existir bebedourosde jato inclinado e guarda protetora,proibida sua instalação em piasou lavatórios, e na proporção de 1(um) bebedouro para cada 50 (cinqüenta)empregados.sas, independentemente de sua especialidade,é atribuição:I - atuar visando essencialmente à promoção dasaúde e à prevenção da doença, conhecendo,para tanto, os processos produtivos e o ambientede trabalho da empresa;II - avaliar as condições de saúde do trabalhadorpara determinadas funções e/ou ambientes,indicando sua alocação para trabalhoscompatíveis com suas condições de saúde,orientando-o, se necessário, no processo deadaptaçãonoite estendeu-se até às 19h para opessoal da desossa e até às 20h30minpara o abate. Sem intervalo. Sem lanche.Apenas o pessoal do abate, apóso fim da jornada, ganhou dois pãezinhoscomo lanche. Os da desossa forampara casa com o estômago vazio.Para completar o quadro, asxingações e humilhações continuam,as horas-extra não são pagas e o“adiantamento” salarial foi pago nofim do mês.• Massa Falida AgapêMassa falida: Processo movido pelo sindicato em 1989 contra a AgapêS/A indústria da alimentação e que cobrava adicional de insalubridade foi pago nomês de junho. Ao total foram 33 trabalhadores beneficiados e o valor total doacordo homologado pela justiça foi de R$ 199.080,84.• Arrozeira CuriFoi pago no mês de junho a parcela final do acordo firmado referente àdiferenças do adicional de insalubridade. Ao total foram R$ 28.075,45 devido a140 trabalhadores.Processo trabalhistaConservas AlmeidaRosana Terezinha JeskeRosane ZumermannRosângela Oliveira BahnRoselaine Peixoto ReisRoselaine Pinto DemariRoseli Borges BentoRoselita Pereira da SilvaRosilda da Silva MesquitaRuberley CardosoRuberney CardosoRudinei Ferreira SoaresSandra Regina Soares GonçalvesSanta Baldina Maciel GeraldSanta Ivani de Vasconcelos FankaSanta Terezinha G. De GarciaSanto Robaldino FerreiraSelaine Ferreira PortoSeleida Silveira TavaresSerafina L. Aires SilveiraSergio Renato Paladine DieguesSheila Terezinha R. PortoShirlei SchaunSilba Denize Ferreira MarquesSilvia Elena Soares de PaulaSilvia GuidottiSilvia Rejane Fabres DiasSimone Fernanda R. VieiraSirlei de Souza LessaSirlei Rita Soares da SilvaSonia Maria Rosa RodriguesTeixeiraSofia Gessi Vieira SilveiraSonia Maria S. Da SilvaSonia Maria Motta QuintanaSonia Maria OliveiraSonia Maria Rosa VargasSueli Schmidt VieiraTania Beatriz N. ChagasTania de Oliveira NascenteTania FuhrmannTania Margarete LacerdaCEREAIS DIAMANTE AMARGA DERROTA NA JUSTIÇAFRIGORÍFICO MERCOSULNo final de 2005 a Diamantedemitiu um funcionário por justa causa,alegando que este subira na pilhade arroz pela esteira, cometendo, assim,ato inseguro. O trabalhador demitidoentrou na justiça e conseguiuprovar que aquela era única forma deacesso, utilizada por todos, pois aempresa não disponibilizava escadapara os funcionários chegarem ao toposdas pilhas de sacos de arroz. Aempresa foi condenada a pagar as verbasrescisórias, a multa do FGTS e oseguro desemprego, bem como as horasextras que o funcionário não recebiaquando estava trabalhando. Alémdisso, a empresa foi obrigada a realizarvárias melhorias no ambiente detrabalho.Entretanto, a bandalheira dosdois cartões ponto continua.Os funcionáriosforam revistados na saídado trabalho no dia 9 dejulho. Foram forçados aabrir as roupas, tantohomens quanto mulheres,e a abrir bolsas, numarevista pessoal constrangedora.Se desapareceualgo do interior do frigoríficocabe a empresaresolver de outra maneira,e não causando esteembaraço a todos.

More magazines by this user
Similar magazines