Preços Juros e Câmbio

ronilo.luiz

PrecoJurosCambio

www.fdc.org.br

Indicadores da Economia Brasileira:

Preços, Juros e Câmbio

Observatório de Políticas Econômicas|2016


Indicadores da Economia Brasileira:

Preços, Juros e Câmbio

IR

• Quadro-Resumo

IR

• Meta de Inflação Observada

IR

IR

IR

• Inflação Anual e Variação dos Preços Administrados

• Taxa de Juros Real, SELIC e Faixa de Juros Neutros

• Taxa de Câmbio

Publicação completa na NOTA DE CONJUNTURA BRASILEIRA, disponível em:

http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Paginas/centro-de-referencia.aspx?Nucleo=Estrat%C3%A9gia%20e%20Neg%C3%B3cios%20Internacionais&Info=Materiais&CR=33

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas


Quadro-Resumo

(com relação ao período imediatamente anterior)

Janeiro Fevereiro Variação

IPCA

(MENSAL)

IPCA – ADMINISTRADOS

(MENSAL)

INPC

(MENSAL)

IPCA

(DOZE MESES)

IPCA – ADMINISTRADOS

(DOZE MESES)

INPC

(DOZE MESES)

TAXA SELIC

(AO ANO)

TAXA DE JUROS REAL

(AO ANO)

TAXA DE CÂMBIO

(R$/US$, FECHAMENTO DO MÊS)

1,27% 0,90%

1,75% 0,39%

1,51% 0,95%

10,71% 10,36%

17,91% 14,94%

11,31% 11,08%

14,25% 14,25% ••

7,26% 7,05%

R$ 4,04 R$ 3,97

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

VOLTAR


Meta e Inflação Observada

(2004-2016 – IPCA ACUMULADO NO ANO)

11

10

9

8

7

6

• ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

AMPLO (IPCA) ACUMULADO NO ANO

• Em 2016, a Inflação acumulada alcançou

2,18% com relação a dezembro de 2015.

Nesse sentido, o crescimento mensal médio

de 1,08% a.m. Entretanto, nota-se que em

fevereiro houve arrefecimento da taxa de

inflação de modo que, a inflação acumulada

em doze meses variou de 10,71% a.a. em

janeiro de 2016 para 10,36% a.a. de

fevereiro de 2015 a fevereiro de 2016.

5

4

3

2

1

2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

meta IPCA

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

VOLTAR


Inflação Anual e Variação dos Preços Administrados

(2014-2015 – IPCA, ÍNDICES ACUMULADOS EM 12 MESES)

20

18

16

14

12

10

8

6

4

2

0

superior tolerância administ. IPCA

• ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR

AMPLO E PREÇOS ADMINIS-TRADOS

• O IPCA, que já acumulou 2,18% de

crescimento no primeiro bimestre de 2016,

apresentou arrefecimento em sua trajetória

de expansão no horizonte de doze meses

encerrado o período com crescimento de

10,36% a.a. Mesmo a despeito do largo

aumento nos preços administrados, os

preços livres (regulados pelo mercado)

cresceram 8,93% no período de doze meses

encerrados em fevereiro.

• Em 2016 a trajetória de reajustes nos preços

administrados arrefeceu e, mesmo a

despeito do crescimento de 1,75% em

janeiro comparado com dezembro de 2015,

o mês de fevereiro apresentou

desaceleração do reajuste, que cresceu

0,39% comparado com o mês

imediatamente anterior. Deste modo, os

preços administrados pelo governo

acumularam 2,15% em 2016 e 14,21% no

horizonte de doze meses encerrado em

fevereiro.

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

VOLTAR


jan/14

abr/14

jul/14

out/14

jan/15

abr/15

jul/15

out/15

jan/16

Taxa de Juros Real, SELIC e Faixa de Juros Neutros

(SELIC EM RAZÃO DA EXPECTATIVA DO IPCA 12 MESES)

8,5

7,5

6,5

5,5

4,5

3,5

14,4

13,4

12,4

11,4

10,4

9,4

• TAXAS DE JUROS

• No Gráfico, pode-se observar que desde

abril de 2015 a Política Monetária do

Governo Central é de Desinflação

(contração monetária). Com a taxa SELIC,

que é o principal instrumento de política

econômica do governo, a 14,25% a.a. o

Banco Central decidiu anunciar o fim do

período de ajustes no sentido de conter a

Inflação e promover a demanda por Títulos.

• Do ponto de vista da Taxa de Juros Real,

nota-se que a política monetária do

governo, cujo objetivo visa controlar a

inflação dentro da meta (de 4,5% a.a.) em

2017 apresentou duas fases: (i) ajuste das

expectativas de inflação durante o terceiro

trimestre de 2015 e, (ii) estabilização dos

juros e das expectativas de longo prazo

desde outubro de 2015 até o encerramento

do primeiro bimestre de 2016, com juros

reais flutuando entre 6,46% a.a. e 6,98%

a.a.

Juros Neutros Juros Reais Taxa SELIC (eixo sec.)

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

VOLTAR


Taxa Mensal de Câmbio

(2011-2015 – R$/US$)

4,00

3,50

3,00

2,50

• TAXA DE CÂMBIO:

• A despeito do período de overshooting do

câmbio que persistiu de setembro de 2014

até setembro de 2015, o último trimestre

de 2015 apresentou ligeira estabilidade em

torno do cambio médio de R$ 3,84, já o

primeiro trimestre de 2015, apresentou

câmbio médio de R$ 3,91 – crescimento de

1,82% com relação ao trimestre

imediatamente anterior.

• No horizonte de 12 meses, a taxa de câmbio

cresceu em R$ 1,41 do primeiro trimestre

de 2015 ao primeiro trimestre de 2016. Tal

desvalorização cambial adveio,

principalmente da incerteza dos mercados

quanto à política econômica do planejador

central com relação a manutenção do

crescimento econômico e controle da

inflação no curto prazo.

2,00

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

VOLTAR


Campus Aloysio Faria

Av. Princesa Diana, 760

Alphaville Lagoa dos Ingleses

34000-000 – Nova Lima (MG)

Campus Belo Horizonte

Rua Bernardo Guimarães, 3.071

Santo Agostinho

30140-083 – Belo Horizonte (MG)

Campus São Paulo

Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.184

Vila Olímpia – 15º andar

04548-004 – São Paulo (SP)

Campus Rio de Janeiro

Av. Afranio de Melo Franco, 290

2º andar – Leblon

22430-060 – Rio de Janeiro (RJ)

atendimento@fdc.org.br

0800 941 9200

Associados em todo Brasil

www.fdc.org.br

Material de responsabilidade do Observatório de Políticas Econômicas

Similar magazines