FUTEBOL CLUBE DO PORTO – FUTEBOL SAD

clubite

RCConsolidado20152016

FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

Sociedade Aberta

Capital Social: 112.500.000 euros

Capital Próprio: 26.903.240 euros (aprovado em Assembleia Geral de 12 de novembro de 2015)

Sede Social Estádio do Dragão, Via FC Porto, Entrada Poente Piso 3

Matricula na 1ª Conservatória do Registo Comercial do Porto e Pessoa Coletiva n.º 504 076 574

Relatório e Contas Consolidado 2015/2016

A. Relatório de Gestão

1. Mensagem do Presidente

2. Órgãos Sociais

3. Destaques

4. Evolução da Atividade

5. Outros Factos Ocorridos Durante o Exercício

6. Factos Relevantes Ocorridos após o Termo do Exercício

7. Perspetivas Futuras

8. Informação sobre ações próprias

9. Declaração do Órgão de Gestão

B. Demonstrações Financeiras Consolidadas e Anexo

1. Demonstrações Consolidadas da Posição Financeira

2. Demonstrações Consolidadas dos Resultados por Naturezas

3. Demonstrações Consolidadas dos Resultados e de Outro Rendimento Integral

4. Demonstrações Consolidadas das Alterações no Capital Próprio

5. Demonstrações Consolidadas dos Fluxos de Caixa

6. Notas às Demonstrações Financeiras Consolidadas

7. Certificação Legal de Contas e Relatório sobre a Auditoria das Demonstrações Financeiras

Consolidadas

8. Relatório e Parecer do Conselho Fiscal

C. Relatório sobre o Governo da Sociedade

D. Participações detidas pelos membros do Conselho de Administração e Conselho Fiscal


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A. Relatório de Gestão

1. Mensagem do Presidente

A época a que se refere este exercício não correu bem. Desportivamente a equipa de futebol ficou muito

aquém das nossas expetativas e do valor “per si” dos nossos jogadores.

A consequência do fracasso desportivo foi a reformulação da direção técnica da equipa de futebol, com

a contratação de um novo treinador, Nuno Espírito Santo, um antigo jogador do clube, com um

profundo conhecimento da nossa matriz e da nossa ambição.

Acreditamos firmemente estarmos a iniciar um novo período de sucesso, à imagem do que ciclicamente

aconteceu no passado.

Para isso, assumindo as consequências nos resultados do exercício, optámos por manter todos os

jogadores considerados nucleares para a nova época e certamente já esta temporada retiraremos os

dividendos desportivos e financeiros desta estratégia.

Jorge Nuno Pinto da Costa

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 2


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

2. Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente:

Secretário:

Conselho de Administração

Presidente:

Administradores:

Conselho Fiscal

Presidente:

Membros:

Membro Suplente:

José Manuel de Matos Fernandes

Rui Miguel de Sousa Simões Fernandes Marrana

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa

Adelino Sá e Melo Caldeira

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

Fernando Manuel Santos Gomes

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro

José Américo Amorim Coelho (não executivo)

Rui Ferreira Vieira de Sá (não executivo)

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães

José Augusto dos Santos Saraiva

André Ferreira Antunes

Sociedade de Revisores Oficiais de Contas

Deloitte & Associados, SROC SA, representada por António Manuel Martins Amaral

Secretário da Sociedade

Secretário:

Suplente:

Conselho Consultivo

Presidente:

Vogais:

Comissão de Vencimentos

Presidente:

Membros:

Raul Filipe Pais da Costa Figueiredo

Nuno Filipe Ferreira Barroso Chatillon

Alípio Barrosa Pereira Dias

Álvaro Sá Marques Rola

D. António Francisco dos Santos

António Manuel Gonçalves

Artur Santos Silva

Emídio Ferreira dos Santos Gomes

Fernando Alberto Pires Póvoas

Ilídio Costa Leite Pinho

João Espregueira Mendes

Jorge Nuno Pinto da Costa

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

Joaquim Manuel Machado Faria e Almeida

José Alexandre Oliveira

Jorge Alberto Carvalho Martins

Luis António Silva Duarte Portela

Pedro Américo Violas Oliveira Sá

Sebastião José Cabral Feyo de Azevedo

Alípio Barrosa Pereira Dias

Emídio Ferreira dos Santos Gomes

Joaquim Manuel Machado Faria e Almeida

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 3


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

3. Destaques

• Resultado Líquido Consolidado negativo em 58.411m€, bastante inferior ao obtido no período

homólogo, em que foi positivo em 19.352m€, principalmente devido à diminuição dos

resultados com transações de passes de jogadores.

• Proveitos Operacionais excluindo proveitos com passes reduzem-se em 17.778m€, atingindo

agora os 75.811m€, fundamentalmente devido à quebra das receitas de participação nas

provas europeias.

• Custos operacionais, excluindo custos com passes de jogadores, crescem 13%, equivalente a

14.091m€, devido ao aumento dos custos com os fornecimentos e serviços externos mas

também pelo pagamento de indemnizações às equipas técnicas lideradas por Julen Lopetegui

e José Peseiro.

• Rúbricas relacionadas com passes de jogadores (Amortizações e perdas por imparidade com

passes e Proveitos / Custos com transações de passes) tiveram um saldo líquido de 7.102m€,

o que representa um decréscimo de 44.025m€ relativamente ao período homólogo.

• Capital próprio consolidado atinge os 25.864m€ em 30 de junho de 2016, o que representa

uma diminuição de 57.240m€, pela incorporação do resultado líquido obtido no período.

• Ativo cresce 15.810m€ face a 30 de junho de 2015, situando-se nos 375.045m€, devido ao

aumento do valor contabilístico do plantel que atinge os 90.625m€ no final do exercício.

• O passivo total atinge os 349.181m€, o que representa um aumento de 73.049m€ face a 30

de junho de 2015, no entanto o passivo remunerado cresceu apenas 11.327m€.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 4


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

4. Evolução da Atividade

A Futebol Clube do Porto Futebol, SAD vem cumprir os seus deveres de prestação de informação de

natureza económica e financeira, relativa ao exercício 2015/2016, período compreendido entre 1 de

julho de 2015 e 30 de junho de 2016.

Este documento foi elaborado de acordo com o quadro normativo vigente, nomeadamente o disposto

no Código das Sociedades Comerciais, Código dos Valores Mobiliários e nos Regulamentos da

Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Conforme estipulado no Regulamento do Parlamento Europeu, as sociedades com valores mobiliários

admitidos em mercados regulamentados sediados na União Europeia devem utilizar nas suas

demonstrações financeiras consolidadas, as normas internacionais de contabilidade (IAS/IFRS)

adotadas no seio da União, para todos os exercícios financeiros com início em ou após 1 de janeiro de

2005.

No caso da FC Porto Futebol, SAD, estas normas entraram em vigor no exercício 2005/2006. As contas

apresentadas em todos os trimestres, bem como este relatório sobre as contas anuais, foram

elaborados de acordo com as normas internacionais de contabilidade.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 5


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

RESUMO DA ATIVIDADE DESPORTIVA

A temporada 2015/2016 ficou aquém das expetativas em termos de resultados. A equipa principal

passou o Ano Novo na liderança da Liga portuguesa, mas viria depois a cair na classificação, terminando

no terceiro lugar. As hipóteses de conquistar um título esfumaram-se no último jogo da época, a final

da Taça de Portugal, com uma derrota nos penáltis frente ao Sporting de Braga. Na fase de grupos da

Liga dos Campeões, os dez pontos amealhados não foram suficientes para garantir a qualificação para

os oitavos de final, uma ocorrência pouco comum no historial da prova e inédita para os Dragões. O

terceiro lugar no grupo G valeu um bilhete para os 16 avos de final da Liga Europa, e aí o sorteio foi

pouco simpático, ditando um confronto com o Borussia Dortmund, que triunfou na Alemanha (2-0) e

no Dragão (1-0).

A época acabou assim por ser atribulada, verificando-se uma troca de treinador em janeiro, saindo

Julen Lopetegui e entrando José Peseiro. O início de temporada tinha sido marcado pela saída de vários

futebolistas fundamentais, alguns deles de forma inevitável (Casemiro e Óliver Torres regressaram a

Real e Atlético de Madrid, terminado o período de empréstimo), enquanto outros (Danilo, Alex Sandro

e Jackson Martínez) foram alvo de propostas irrecusáveis. Para colmatar essas baixas, a administração

contratou futebolistas como Iker Casillas, um dos mais prestigiados jogadores da história da

modalidade, Maxi Pereira, Layún, Danilo, André André, Corona, Imbula, Alberto Bueno e Pablo

Osvaldo. A maioria das incorporações revelou-se uma mais-valia, mas o plantel foi incapaz de manter

a regularidade na segunda metade da época.

O exercício trouxe, porém, boas notícias em relação ao futuro, com o FC Porto B a sagrar-se vencedor

da Segunda Liga e a equipa Sub-19 a conquistar, pelo segundo ano consecutivo, o título nacional da

categoria. Merece especial relevo o feito dos “bês”, que apenas encontra paralelo em Espanha, onde

a formação secundária do Real Madrid se sagrou campeã em 1983/84. No âmbito de uma divisão muito

competitiva, o treinador Luís Castro potenciou o talento de jogadores jovens e maioritariamente

formados nas escolas do clube, que podem alimentar o plantel principal num futuro próximo. O

avançado André Silva é o melhor exemplo deste trabalho.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 6


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Já fora do período em análise neste relatório, o FC Porto garantiu o acesso à fase de grupos da Liga dos

Campeões, eliminando a Roma, que gastou mais de 100 milhões de euros em reforços sonantes no

defeso. A vitória por 3-0 deixou vincada a determinação da equipa em voltar às conquistas em

2016/17, tendo para tal sido reforçada com Felipe, Boly, Alex Telles, João Teixeira, Óliver Torres,

Depoitre, Diogo Jota e os regressos dos emprestados Otávio e Adrián López. Por seu turno, Helton,

Martins Indi, José Ángel, Aboubakar, Marega e Suk abandonaram o plantel.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 7


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

ATIVIDADE ECONÓMICA

Após um exercício económico em que atinge um resultado liquido positivo próximo dos vinte milhões

de euros, a FC Porto Futebol, SAD apresenta o seu pior resultado líquido, na ordem dos cinquenta e

oito milhões de euros negativos, na época em análise. A prestação de contas deste período é marcada

pela decisão estratégica de não transferência de alguns ativos da sociedade, com a finalidade de

competir ao mais alto nível em 2016/2017. Também a não contabilização, no período em análise, do

acesso à edição 2016/2017 da UEFA Champions League contribuiu para o agravamento do deficit

apresentado.

A situação económico-financeira, analisada neste relatório, incidirá sobre o resultado consolidado, ou

seja, o obtido através da participação individual das empresas do grupo incluídas no perímetro de

consolidação, líquido das transações efetuadas entre elas. No entanto, é o resultado individual da FC

Porto Futebol, SAD que contribui de maneira decisiva para o resultado consolidado.

O exercício em análise conta, pela primeira vez, com a participação da atividade de exploração da

Avenida dos Aliados Sociedade de Comunicação, SA e da sua participada a Miragem Produção

Audiovisual, SA. No dia 10 de julho de 2015, a FC Porto Media adquiriu à Medialuso - Produções para

Televisão, SA uma participação equivalente a 99,4% do capital social da Avenida dos Aliados, que por

sua vez detinha 100% do capital social da subsidiária Miragem Produção Audiovisual, SA, por

4.000m€. Na mesma data a PortoMedia alienou 17% do capital social da Avenida dos Aliados à

Mediapro Portugal, SGPS, SA, por 684m€. Na sequência destas operações a PortoMedia passou a deter

diretamente 82,4% da Avenida dos Aliados e a FC Porto Futebol, SAD passou a deter indiretamente

81,58% do capital das sociedades Avenida dos Aliados e Miragem, bem como o controlo das mesmas,

pelo que estas sociedades foram incluídas na consolidação, pelo método integral, com referência

àquela data.

Mais à frente neste relatório apresenta-se um resumo dos resultados individuais de cada uma das

empresas do perímetro de consolidação, pelo que agora nos concentraremos na análise, a dois anos,

dos resultados consolidados.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 8


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Como se pode ver no gráfico abaixo, no período em análise a Futebol Clube do Porto Futebol, SAD

obteve um resultado líquido negativo de 58.411m€, o que contrasta com os 19.352m€ positivos

obtidos no exercício anterior.

O resultado líquido da FC Porto Futebol, SAD, à semelhança de outras empresas do mesmo sector de

atividade, é constituído por 3 componentes:

• Resultados operacionais excluindo transações de passes de jogadores;

• Resultados relacionados com passes de jogadores;

• Resultados financeiros e relativos a investimentos (mais imposto sobre o rendimento)

Todas estas componentes tiveram um comportamento negativo face ao período homólogo. A primeira

componente, resultados operacionais excluindo passes de jogadores, é a mais estável ao longo dos

exercícios, uma vez que agrega os proveitos e custos recorrentes ano após ano, e que derivam, em

grande parte, de contratos estabelecidos a longo prazo. Estão aqui também incluídas as receitas

obtidas pela participação nas competições europeias, que é uma rúbrica recorrente e relevante nas

demostrações financeiras da Sociedade. A segunda, relacionada com passes de jogadores, é a mais

volátil, refletindo as decisões da Administração, a cada ano, de reforçar, manter ou prescindir de

atletas do seu plantel. São as oscilações aqui verificadas as grandes responsáveis pela obtenção de

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 9


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

resultados positivos / negativos da Sociedade. Por último, os resultados financeiros espelham as

necessidades de tesouraria e acesso ao crédito do Grupo. No exercício em análise, os resultados com

transações de passes de jogadores influenciou determinantemente o resultado final.

Observando os proveitos operacionais, excluindo proveitos com passes de jogadores, verifica-se uma

diminuição de 17.778m€, o que representa 19% relativamente ao exercício anterior. Esta quebra

assenta principalmente nas receitas obtidas pela participação nas provas europeias.

valores em milhares de euros

Proveitos Operacionais excluindo proveitos com passes 2015/2016 % 2014/2015 %

Merchandising 4.583 6% 3.828 4%

Bilheteira 6.259 8% 7.878 8%

Provas UEFA 11.603 15% 36.170 39%

Outras Receitas Desportivas 1.866 2% 1.177 1%

Direitos de Transmissão / Distribuição Televisiva 22.314 29% 17.251 18%

Publicidade e Sponsorização 14.183 19% 13.565 14%

Corporate Hospitality 8.397 11% 8.201 9%

Outras Prestações de Serviços 5.851 8% 4.269 5%

Outros Proveitos 756 1% 1.250 1%

TOTAL 75.811 100% 93.589 100%

Como se pode ver no quadro acima, as rúbricas que compõem os proveitos operacionais, excluindo

proveitos com passes, tiveram comportamentos diferenciados quando comparadas com o período

homólogo.

O merchandising, que a partir desta época desportiva passou a ter como principal fornecedor a New

Balance, e que contribuiu para os proveitos globais em 4.583m€, apresenta um aumento de 20% face

a 2014/2015, o que é de destacar principalmente numa época em que os resultados desportivos

ficaram muito aquém dos esperados pelos adeptos.

As receitas de bilheteira da Sociedade ficaram penalizada pela decisão tomada entre a Direção do

Futebol Clube do Porto e o Conselho de Administração da sua sociedade desportiva para o futebol, de

deixar de transferir, a partir de julho de 2015, 25% das quotizações pagas pelos associados do Clube

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 10


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

para a FC Porto Futebol, SAD. Adicionalmente verificou-se também uma diminuição das receitas

obtidas na comercialização de bilhetes jogo a jogo devido à diminuição dos jogos para as competições

europeias realizados no Estádio do Dragão. No entanto, a receita obtida com a venda de dragon seats

cresceu neste exercício.

Como se pode observar pelo quadro acima, destaca-se a diminuição, no período em análise, da receita

obtida pela participação do FC Porto nas competições europeias em 24.566m€. Apesar do aumento

significativo do valor dos prémios atribuídos pela UEFA para o triénio 2015/2018 e do registo do

recebimento de um montante adicional relativo à época anterior, de 2.737m€, o valor apresentado

nesta rubrica desceu acentuadamente devido a vários fatores:

• Tendo em conta a política contabilística consistentemente adotada, em que o prémio fixo

obtido pelo acesso à UEFA Champions League é contabilizado no exercício em que esse acesso

é garantido, os 8.600m€ que a Sociedade arrecadou ao garantir o direito de participar na

edição 2014/2015 da UEFA Champions League, após passagem nos play-offs em agosto de

2014, foi apenas contabilizado no 1º trimestre de 2014/2015, enquanto os 12.000m€ relativos

ao acesso à competição em 2015/2016 foi contabilizado ainda em 2014/2015, quando o acesso

foi garantido.

• Não está aqui incluído o valor relativo ao prémio de acesso à edição 2016/2017 da UEFA

Champions League uma vez que a equipa não garantiu o direito ao acesso direto à prova no

exercício em análise e, por outro lado, pelo facto de a Sociedade ter procedido à alteração de

respetiva política contabilística. A FC Porto Futebol, SAD, neste exercício, alterou a forma de

contabilização do prémio fixo relativo à obtenção do direito à participação em competições

europeias (na UEFA Champions League ou na UEFA Europa League), passando a reconhecer o

mesmo no exercício em que os jogos são disputados, e não no exercício em que aquele direito

de acesso é garantido, política esta seguida até ao exercício 2014/2015. Ainda que a Sociedade

considere que esta política estava a ser corretamente adotada, procedeu à alteração pelo facto

de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários entender que esta deverá ser a política

contabilística a ser seguida. Caso a FC Porto Futebol, SAD mantivesse a política contabilística

adotada nos exercícios anteriores, os proveitos operacionais e o resultado líquido da

Sociedade, no exercício em análise, seriam superiores em 2.000m€, pelo reconhecimento do

prémio de presença no play-off de acesso à UEFA Champions League, garantido no exercício

2015/2016.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 11


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• A performance da equipa na fase de grupos nesta época desportiva não permitiu a passagem

aos oitavos-de-final da prova, tendo a equipa sido relegada para a UEFA Europa League que

atribui prémios significativamente inferiores. O FC Porto foi depois eliminado pelo Borussia

Dortmund nos dezasseis avos-de-final, enquanto na época 2014/2015 atingiu os quartos-definal

da UEFA Champions League.

Nas Outras receitas desportivas estão contabilizados os rendimentos da participação na Taça de

Portugal, assim como em torneios de pré-época e os proveitos advindos do Dragon Force. O

crescimento de 690m€ verificado no período em análise assenta principalmente nas receitas obtidas

pela participação nos jogos da Taça de Portugal, competição em que o FC Porto disputou a final com o

Sporting de Braga e saiu derrotado nas grandes penalidades, enquanto na época 2014/2015 foi

afastado logo na 3ª eliminatória. Também a receita obtida pela exploração das escolas Dragon Force

tem crescido ao longo dos anos principalmente com a internacionalização deste conceito, que já se

expandiu para a Colômbia e Canadá. Verificou-se ainda um aumento das receitas de participação em

torneios de pré-temporada, com a participação na Colonia Cup, no início da época.

Os direitos de transmissão / distribuição televisiva cresceram 5.063m€ relativamente ao exercício

anterior. Parte deste crescimento deve-se aos rendimentos progressivos garantidos pelo contrato

entre a FC Porto Futebol, SAD e a PPTV Publicidade de Portugal e Televisão S.A. para a cedência

dos direitos de transmissão televisiva dos jogos do campeonato nacional, na condição de visitado. No

entanto, verificou-se também um aumento das receitas advindas dos direitos de distribuição do Porto

Canal, explorados pela participada PortoMedia, devido aos rendimentos garantidos no contrato

assinado com a Altice em 27 de dezembro de 2015.

Os proveitos inerentes aos contratos de publicidade e sponsorização advêm, na sua maioria, da

publicidade feita no equipamento oficial do FC Porto, pelos seus principais patrocinadores, que no

exercício em análise são a Unicer e a New Balance (novo sponsor técnico) e a partir de janeiro de 2016,

também a MEO. Incluem-se aqui também as receitas decorrentes da comercialização pela

PortoComercial de suportes publicitários disponíveis e da publicidade que é feita no Porto Canal.

Apesar de o contrato de patrocínio com a MEO só ter entrado para as contas a partir de janeiro, o valor

obtido nesta rubrica aumentou, o que espelha o crescimento das receitas obtidas com os restantes

suportes.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 12


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A rúbrica ‘Corporate Hospitality’ abrange as receitas relacionadas com a gestão e exploração deste

segmento, que são proveito das sociedades aqui analisadas, expurgados dos ajustamentos de

consolidação. Este negócio, que de forma resumida, consiste na cedência de um conjunto de produtos

e serviços destinados a empresas e que incluem os direitos de utilização de camarotes e lugares para

empresas no Estádio do Dragão para assistir a jogos do FC Porto, são faturados pela PortoComercial e

depois direcionados para a sociedade EuroAntas, que utiliza esta liquidez para fazer face ao serviço da

dívida contraída para a construção do Estádio. No período em análise, o valor desta rúbrica cresceu

196m€.

Os restantes proveitos operacionais, ainda não referidos, inscritos em ‘Outras Prestações de Serviços’

e ‘Outros Proveitos’ e que incluem principalmente as receitas operacionais das sociedades

participadas, excetuando os proveitos já referidos, crescem 1.087m€, em grande parte devido à

inclusão das receitas geradas pelas duas novas sociedades, a Avenida dos Aliados e a Miragem, no

perímetro de consolidação.

Como resultado dos factos enunciados, os proveitos operacionais excluindo proveitos com passes de

jogadores atingiram os 78.811m€, diminuindo 17.778m€ relativamente ao período anterior, como se

pode verificar no gráfico abaixo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 13


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

No que diz respeito aos custos operacionais, ainda excluindo os relacionados com passes de jogadores,

verificou-se um aumento de 13% relativamente a 2014/2015.

valores em milhares de euros

Custos Operacionais excluindo custos com passes 2015/2016 % 2014/2015 %

CMV 3.004 2% 2.655 2%

Fornecimentos e serviços externos 38.662 31% 33.237 30%

Custos com Pessoal 75.790 61% 69.999 63%

Amortizações excluindo depreciações de passes 3.950 3% 2.775 3%

Provisões e perdas por imparidade excluindo passes 355 0% 632 1%

Outros Custos 2.663 2% 1.037 1%

TOTAL 124.425 100% 110.334 100%

Acompanhando o aumento da venda de merchandising, cresceu também o custo das mercadorias

vendidas, ainda que em menor percentagem, o que levou a melhoria do resultado deste negócio.

No que diz respeito aos fornecimentos e serviços externos, verificou-se um acréscimo de 16%, dividido

pelos vários tipos de gastos que os compõem. Parte deste incremento resulta do aumento dos custos

de produção do Porto Canal.

Apesar do acréscimo de 5.792m€ nos custos com o pessoal, a remuneração auferida pelos atletas e

técnicos da sociedade desportiva manteve-se praticamente inalterada face ao exercício homólogo. O

aumento aqui verificado ficou a dever-se fundamentalmente ao pagamento de indemnizações às

equipas técnicas lideradas por Julen Lopetegui e José Peseiro e também à incorporação dos encargos

salariais dos colaboradores da Avenida dos Aliados.

O crescimento das amortizações, excluindo depreciações de passes, deve-se ao facto de a integração

da EuroAntas no consolidado ter sido efetuada em outubro de 2014, pelo que as amortizações do

Estádio do Dragão, detido por esta empresa, terem apenas sido parcialmente consideradas nas contas

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 14


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

consolidadas do exercício anterior. Também a integração do imobilizado afeto à Avenida dos Aliados

e Miragem fez aumentar as amortizações no exercício em análise.

As provisões e perdas por imparidade, excluindo passes, atingem os 355m€ pelo registo de novas

provisões e perdas por imparidade consideradas adequadas.

Os ‘outros custos’, onde estão representados os custos de menor expressão não referidos, e que

representam apenas 2% do total, cresceram 1.626m€ face ao período homólogo.

Em resumo, os custos operacionais, excluindo custos com passes de jogadores, atingem os 124.425m€,

crescendo 14.091m€, como mostra o gráfico abaixo:

O valor líquido resultante da soma dos proveitos e custos operacionais, excluindo transações com

passes de jogadores, atingiu o valor global negativo de 48.614m€, o que representa, um agravamento

de 31.869m€ face ao exercício homólogo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 15


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Focamo-nos agora na segunda componente do resultado líquido, a das rúbricas relacionadas com

transações de passes, que espelha o efeito dos investimentos / desinvestimentos no plantel, tanto ao

nível dos proveitos e dos custos com transações de passes, como das amortizações e perdas por

imparidade com passes de jogadores.

Contribuindo negativamente para o resultado da sociedade, as Amortizações e perdas por imparidade

com passes de jogadores registaram um valor de 31.556m€, praticamente em linha com o registado

no período homólogo. Ainda que as amortizações tenham diminuído no período em análise, o registo

de imparidades de passes de atletas, principalmente do Helton e Ghilas, respetivamente pela rescisão

e por se encontrar emprestado na última época de contrato de trabalho, fez aumentar o valor refletido

nesta rúbrica.

O Resultado das Transações de Passes, que engloba os custos e os proveitos resultantes da venda e

empréstimo dos direitos desportivos de jogadores, tem sido, tradicionalmente, uma rubrica de sinal

positivo nas demonstrações financeiras do grupo, contribuindo determinantemente para o resultado

apresentado.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 16


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Positivamente, os proveitos com transações de passes de jogadores, que incluem transferências

definitivas, empréstimos e outras receitas, como direitos de solidariedade relativos a jogadores que

fizeram parte da sua formação no FC Porto, ascenderam aos 75.357m€ no período em análise. A

contribuir para este valor destaca-se a alienação dos direitos desportivos do atleta Alex Sandro para

Juventus, por 26.000m€, do Imbula para o Stoke City por 24.000m€ e do Maicon para o São Paulo por

12.000m€. Já os custos com transações de passes, onde se registam os custos associados com essas

mesmas transferências e empréstimos (nomeadamente os custos relativos à solidariedade, comissões

de intermediação e o abate do valor contabilístico do “passe” do jogador), assim como o fee pago aos

clubes de origem pela cedência temporária de direitos desportivos ao FC Porto, atingem os 36.699m€.

Assim, o resultado com transações de passes foi na ordem dos 38.658m€, o que representa uma

diminuição de 43.842m€ face ao obtido no exercício 2014/2015, onde se registaram as mais-valias

resultantes da transferência, no início da época, dos jogadores Eliaquim Mangala e Steven Defour, para

o Manchester City e Anderlecht, respetivamente, por 30.504m€ e 6.000m€, e já perto do fecho do

exercício, a do Danilo e Jackson Martinez, para o Real Madrid por 31.500m€ e Atletico de Madrid por

35.000m€, respetivamente.

É precisamente na variação desta rúbrica que assenta a justificação para o agravamento dos resultados

operacionais (resultados antes de custos e proveitos financeiros, resultados relativos a investimentos

e impostos sobre o rendimento), que atingem os 41.512m€ negativos, contrastando com os 34.381m€

positivos obtidos no período anterior.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 17


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Adicionamos agora a esta análise a terceira componente, a dos resultados financeiros e relativos a

investimentos, a que se junta o imposto sobre o rendimento do exercício.

Neste exercício os resultados financeiros mantiveram-se praticamente em linha com os verificados no

exercício homólogo. A partir do exercício 2014/2015, com a integração da EuroAntas no consolidado,

estão aqui também espelhados os custos financeiros relativos ao cumprimento do project finance para

a construção do Estádio do Dragão, que tem vindo a ser cumprido escrupulosamente.

Já os resultados relativos a investimentos, onde se contabilizam os resultados obtidos com o

investimento em direitos económicos de jogadores em que a Sociedade não detém os direitos

desportivos, foram negativos em 604m€, uma vez que não foi contabilizada qualquer mais-valia da

transferência desses atletas.

Finalmente o último item que compõe o resultado do Grupo, o imposto sobre o rendimento do

exercício atinge os 943m€.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 18


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Como epílogo da análise efetuada, a Sociedade obteve um resultado líquido consolidado negativo em

58.284m€, sendo 58.411m€ atribuíveis a detentores de capital próprio da empresa-mãe. Este

resultado destaca-se dos 19.352m€ positivos apresentados em 2014/2015.

Analisando agora a situação patrimonial do Grupo a 30 de junho de 2016, destaca-se a diminuição do

capital próprio para os 25.864m€, pela incorporação do resultado líquido apresentado.

No entanto, dada a incorporação da EuroAntas no perímetro de consolidação, cujo capital social não

é detido pela FC Porto Futebol, SAD em 53%, a exclusão dos interesses minoritários leva a que o

capital próprio atribuído aos acionistas da Empresa-Mãe seja substancialmente inferior, atingindo os

33.578m€ negativos.

No que diz respeito ao ativo, que atinge os 375.045m€ em 30 de junho de 2016, verifica-se um

crescimento do valor contabilístico do plantel, que atinge agora os 90.625m€. Verificou-se também

um crescimento do saldo de clientes, relativo a valores a receber da transferência de direitos

desportivos de jogadores.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 19


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Relativamente ao passivo, que ascende aos 349.181m€ em 30 de junho de 2016, verificou-se um

crescimento de 73.049m€, assente principalmente no crescimento dos ‘outros passivos’, que refletem

o adiantamento recebido do contrato com a Altice. O passivo remunerado do Grupo aumentou

11.327m€ no exercício em análise.

Em 30 de junho de 2016 não existem dívidas em mora ao Estado e a situação das Sociedades do Grupo

perante a Segurança Social encontra-se regularizada, dentro dos prazos legalmente estipulados.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 20


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A estruturação do passivo aparece penalizada, relativamente a 30 de junho de 2015, devido à

aproximação do prazo de reembolso de um dos empréstimos obrigacionistas, no montante de 20M€.

Neste momento, a sociedade detém dois empréstimos obrigacionistas, um de 45M€, com reembolso

a 28 de maio de 2018, e outro de 20M€, cujo pagamento integral será efetuado no dia 6 de junho de

2017. O Conselho de Administração está a estudar a realização de uma operação financeira para

reestruturação deste passivo, de forma a assentar uma parte significativa da sua dívida no longo prazo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 21


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

PERFORMANCE INDIVIDUAL DAS EMPRESAS PERTENCENTES AO PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO

As contas até agora apresentadas expõem a situação económico-financeira da FC Porto Futebol, SAD

de forma consolidada, ou seja, agregando as contas das dez empresas (oito em 2014/2015) que

constituem o perímetro de consolidação, líquido das transações efetuadas entre elas.

Abaixo apresenta-se o desempenho individual de cada uma delas, antes de serem feitos os

ajustamentos de consolidação:

valores em milhares de euros

Empresas do perímetro de consolidação

FC Porto

Futebol, SAD

Porto

Comercial

Porto

Estádio

Porto

Multimédia

Porto Dragon

Seguro Tour

Porto

Media EuroAntas

Avenida

dos Aliados Miragem

Proveitos operacionais excluindo Transações de Passes 46.724 27.104 3.275 37 908 3.446 6.280 13.146 3.615 1

Custos operacionais excluindo Transações de Passes (97.490) (25.643) (3.227) (94) (591) (3.311) (6.930) (11.019) (3.957) (22)

Resultados operacionais excluindo Transações Passes (50.765) 1.461 48 (57) 317 135 (650) 2.127 (342) (21)

Amortizações e perdas por imparidade com passes (31.556) - - - - - - - - -

(Custos)/proveitos com Transações de passes 38.658 - - - - - - - - -

Resultados operacionais (43.664) 1.461 48 (57) 317 135 (650) 2.127 (342) (21)

Resultados Financeiros (13.632) (401) (0) - 0 - - (866) (1) -

Resultados relativos a investimentos (612) - - - - - - - (26) -

Imposto sobre o rendimento (226) (335) (28) - (84) (34) (49) (134) (109) -

Resultado Líquido do Exercício (58.133) 725 20 (57) 234 101 (699) 1.127 (479) (21)

O quadro acima demonstra que o resultado alcançado pela FC Porto Futebol, SAD de forma

consolidada foi obtido quase exclusivamente pelo resultado individual da Sociedade, uma vez que o

resultado consolidado é semelhante ao registado pela Sociedade nas suas contas individuais.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 22


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

5. Outros Factos Ocorridos Durante o Exercício

• No dia 21 de outubro de 2015, o Futebol Clube do Porto informou a FC Porto Futebol, SAD que,

na qualidade de titular único da totalidade das 7.500.000 ações preferenciais sem voto emitidas

pela Sociedade em outubro de 2014, deliberou suprimir os direitos especiais inerentes às referidas

ações e solicitar a esta Sociedade a prática dos atos necessários para converter as ditas ações

preferenciais sem voto em ações ordinárias. Assim, em Assembleia Geral de 12 de novembro, a FC

Porto Futebol, SAD aprovou a alteração da redação dos artigos 5.º e 7.º dos seus estatutos, no

sentido de prever que o capital social da Sociedade está representado apenas por ações ordinárias

e de eliminar a percentagem máxima de direitos de voto a exercer por cada acionista titular de

ações preferenciais sem voto, que deixa de ter aplicação na sequência da conversão acima

referida. Assim, o Futebol Clube do Porto passou a ser detentor de 74, 59% direta e 75,80%

indiretamente tanto do capital como dos direitos de voto da Sociedade. Em 30 de junho de 2016,

tendo em conta as ações detidas pelos Membros da Direção do principal acionista eleitos em abril

de 2016, o Futebol Clube do Porto passou a deter indiretamente 75,72% do capital social e direitos

de voto da Sociedade.

Nesta conformidade, os acionistas de referência, Olivedesportos, SGPS, S.A. e António Luís Alves

Ribeiro de Oliveira, comunicaram a esta Sociedade que, na sequência da aprovação da supressão

pelo respetivo titular dos direitos especiais atribuídos às 7.500.000 ações preferenciais sem voto

emitidas pela Futebol Clube do Porto Futebol, SAD e sua conversão em ações ordinárias, as suas

ações, respetivamente de 1.502.188 e 1.651.730 ações passaram a representar 6,68%e 7,34% dos

direitos de voto e do capital social da Sociedade.

• No âmbito da emissão de obrigações pela Sociedade, procedeu-se ao pagamento dos juros dos

cupões:

o nº 1 e nº 2 das obrigações “FC PORTO SAD 2015-2018”a 26 de novembro de 2015 e 26 de maio

de 2016, respetivamente. O reembolso da operação ocorrerá a 28 de maio de 2018, conforme

foi definido no prospeto da oferta pública.

o nº 3 e nº 4 das obrigações “FC PORTO SAD 2014-2017”, a 7 de dezembro de 2015 e 6 de junho

de 2016, respetivamente. O reembolso da operação ocorrerá a 6 de junho de 2017, conforme

foi definido no prospeto da oferta pública.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 23


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• No dia 27 de dezembro de 2015 a FC Porto Futebol, SAD informou o mercado do contrato

realizado com a Altice, pelo valor global de EUR. 457.500.000, para a cedência de:

o Direitos de Transmissão Televisiva dos jogos disputados pela Equipa Principal de Futebol, na

qualidade de visitado, na Primeira Liga, bem como do Direito de Exploração Comercial de

Espaços Publicitários do Estádio do Dragão, pelo período de 10 épocas desportivas, com inicio

em 01 de julho de 2018;

o Direito de Transmissão do Porto Canal, pelo período de 12 épocas e meia, com inicio a 01 de

janeiro de 2016; e

o Estatuto de Patrocinador Principal do FC Porto, com o direito de colocar publicidade na parte

frontal das camisolas da Equipa Principal de Futebol do FC Porto, pelo período de 7 épocas e

meia, com inicio a 01 de janeiro de 2016.

• No dia 8 de janeiro de 2016, o Conselho de Administração da FC Porto Futebol, SAD tomou a

decisão de substituir a equipa técnica liderada por Julen Lopetegui, tendo Rui Barros assumindo

interinamente a direção técnica da equipa profissional de futebol. No dia 19 de janeiro, a

Sociedade chegou a acordo com José Vítor dos Santos Peseiro, para a celebração de um contrato

de trabalho desportivo, como treinador da sua equipa principal de futebol.

• No dia 19 de fevereiro de 2016 a CMVM aprovou prospeto de admissão à negociação em mercado

regulamentado das 7.500.000 ações emitidas inicialmente como preferenciais sem direito de voto,

que tinham sido já convertidas em ações ordinárias, pelo que o capital social da FC Porto Futebol,

SAD é agora constituído por 22.500.000 ações ordinárias em negociação no mercado

regulamentado.

• No dia 3 de março de 2016 a Assembleia Geral da FC Porto Futebol, SAD elegeu os Órgãos Sociais

para o quadriénio 2016/2019, que constam já neste relatório.

• No dia 30 de maio de 2016, a FC Porto Futebol, SAD chegou a acordo com o treinador da sua

equipa principal de futebol, José Peseiro, para a cessação do seu vínculo contratual no final da

época desportiva. No dia 1 de junho de 2016, a Sociedade chegou a acordo com Nuno Espirito

Santo para a celebração de um contrato de trabalho, como treinador da sua equipa principal de

futebol, para as épocas desportivas 2016/2017 e 2017/2018.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 24


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

6. Factos Relevantes Ocorridos após o Termo do Exercício

• A Sociedade, a 25 de agosto de 2016, garantiu os direitos de inscrição desportiva do jogador Óliver

Torres, ao Club Atlético de Madrid, até 31 de dezembro de 2017, com opção de compra definitiva

dos referidos direitos.

• A FC Porto Futebol, SAD, no dia 26 de agosto de 2016, garantiu os direitos de inscrição desportiva

do jogador Diogo José Teixeira da Silva (“Diogo Jota”), ao Club Atlético de Madrid, até 30 de junho

de 2017, com opção de compra definitiva dos referidos direitos.

• No dia 1 de setembro de 2016, a FC Porto Futebol, SAD comunicou que o Sr. Antero José Gomes

da Ressurreição Diogo Henrique apresentou a renúncia ao seu cargo de Administrador da

Sociedade, tendo esta sido aceite.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 25


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

7. Perspetivas Futuras

A época em análise combinou insucesso desportivo e económico.

Assim, a época 2016/2017 representa um novo desafio, com a necessidade de uma profunda

reestruturação, com implicações desportivas e financeiras.

Esta temporada começou pela subida ao cargo de treinador principal de Nuno Espirito Santo, um exjogador

do FC Porto, cujo perfil se prevê como o ideal para liderar a formação principal.

A equipa conseguiu passar o play-off de acesso à UEFA Champions League, garantindo assim a

participação na maior prova do futebol europeu. Ao eliminar o Roma, o FC Porto garantiu a 21ª

presença na fase de grupos da liga milionária, mantendo-se no topo da lista de presenças na

competição, ao lado de Real Madrid e Barcelona.

Foram recrutados jovens atletas, de valor seguro, com qualidade e margem de progressão assinalável

ao mesmo tempo que se olha com apreço para os feitos conseguidos nos escalões mais jovens. O FC

Porto B sagrou-se vencedor da Segunda Liga e a equipa Sub-19 conquistou, pelo segundo ano

consecutivo, o título nacional da categoria. Estes sucessos e a ambição do técnico principal serão

determinantes para uma evolução continuada e duradoura do plantel, e para chegarmos o mais longe

possível em todas as competições.

Demos um passo atrás, para darmos agora dois ou três em frente.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 26


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

8. Informação sobre ações próprias

A FC Porto Futebol, SAD detém, em termos de consolidado, 100 ações próprias, no valor de 499€.

Estas ações, com uma pequeníssima representação no capital social da empresa, são detidas pela

PortoSeguro, sociedade no perímetro de consolidação, detida em 90% pela FC Porto Futebol, SAD.

A PortoSeguro adquiriu as 100 ações no momento da constituição da SAD, em 1997, e desde aí não

alienou nem adquiriu mais nenhuma ação. Assim, a FC Porto Futebol, SAD detinha em termos de

consolidado, tanto no início como no final do período em análise, 100 ações próprias, com o custo de

aquisição de 500€.

9. Declaração do Órgão de Gestão

Nos termos do disposto na alínea c) do nº 1 do artigo 245º do Código dos Valores Mobiliários, os

administradores da FC Porto Futebol, SAD, como responsáveis pela Sociedade, afirmam que, tanto

quanto é do seu conhecimento, a informação constante no relatório de gestão, nas contas anuais e

nos demais documentos de prestação de contas exigidos por lei ou regulamento, ainda que não

tenham sido submetidos a aprovação em Assembleia-Geral, foi elaborada em conformidade com as

normas internacionais de relato financeiro tal como adotadas na União Europeia, dando uma imagem

verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação financeira e dos resultados do emitente e

das empresas incluídas no perímetro da consolidação, e que o relatório de gestão expõe fielmente a

evolução dos negócios, do desempenho e da posição do emitente e das empresas incluídas no

perímetro da consolidação e contém uma descrição dos principais riscos e incertezas com que se

defrontam.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 27


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Porto, 6 de outubro de 2016

O Conselho de Administração,

________________________________

Jorge Nuno Lima Pinto da Costa

________________________________

Adelino Sá e Melo Caldeira

________________________________

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

________________________________

Fernando Manuel Santos Gomes

________________________________

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro

________________________________

José Américo Amorim Coelho

________________________________

Rui Ferreira Vieira de Sá

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 28


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

B. Demonstrações Financeiras Consolidadas e Anexos

1. Demonstrações Consolidadas da Posição Financeira

(montantes expressos em euros)

Ativo Notas 30.06.2016 30.06.2015

ATIVOS NÃO CORRENTES

Ativos tangíveis 7 140.503.928 139.965.096

Ativos intangíveis - Valor do plantel 8 90.625.256 65.909.714

Outros ativos intangíveis 7 1.669.575 1.715.184

Outros ativos financeiros 9 466.443 292.167

Goodwill 6 e 10 4.469.164 3.139.715

Clientes 11 15.689.532 13.545.184

Outros Ativos não correntes 13 6.812.260 8.091.867

Total de ativos não correntes 260.236.158 232.658.927

ATIVOS CORRENTES

Inventários 12 2.549.375 2.180.310

Clientes 11 86.669.884 74.757.925

Outros ativos correntes 13 12.151.763 24.571.205

Outros ativos financeiros 14 6.621.556 6.826.271

Caixa e equivalentes de caixa 14 6.816.192 18.240.722

Total de ativos correntes 114.808.770 126.576.433

TOTAL DO ATIVO 375.044.928 359.235.360

CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO

CAPITAL PRÓPRIO:

Capital social 16 112.500.000 112.500.000

Ações próprias (499) (499)

Prémios de emissão de acções 259.675 259.675

Reserva legal 175.752 169.075

Outras reservas 652.307 652.307

Resultados transitados (88.496.054) (108.260.976)

Outras Variações no Capital Próprio (258.840) (331.262)

Resultado líquido atribuível aos acionistas da Empresa-Mãe (58.410.836) 19.351.824

Total do capital próprio atribuível aos acionistas da Empresa-Mãe (33.578.495) 24.340.144

Interesses sem controlo 17 59.442.692 58.763.775

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 25.864.197 83.103.919

PASSIVO:

PASSIVO NÃO CORRENTE

Empréstimos bancários 18 34.360.593 36.288.117

Empréstimos obrigacionistas 18 44.705.224 63.711.415

Outros instrumentos financeiros - derivados 33 305.775 526.226

Fornecedores 20 11.213.328 5.635.495

Outros passivos não correntes 21 54.060.054 15.963.736

Responsabilidades por benefícios pós emprego 23 324.948 335.224

Passivos por impostos diferidos 15 2.153.545 2.210.218

Total de passivos não correntes 147.123.467 124.670.431

PASSIVO CORRENTE

Empréstimos bancários 18 78.529.682 61.454.581

Empréstimos obrigacionistas 18 19.653.905 -

Outros credores 19 6.841.234 11.089.200

Fornecedores 20 49.368.438 46.132.804

Outros passivos correntes 21 47.664.005 32.784.425

Total de passivos correntes 202.057.264 151.461.010

TOTAL DO PASSIVO 349.180.731 276.131.441

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 375.044.928 359.235.360

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 29


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

2. Demonstrações Consolidadas dos Resultados por Naturezas

(montantes expressos em euros)

Notas 30.06.2016 30.06.2015

Vendas 24 4.583.427 3.828.129

Prestações de serviços 24 70.472.195 88.510.534

Outros proveitos 755.552 1.250.341

Custo das vendas 12 (3.003.995) (2.654.892)

Fornecimentos e serviços externos 25 (38.662.122) (33.236.607)

Custos com o pessoal 26 (75.790.467) (69.998.566)

Amortizações excluindo depreciações de passes de jogadores 7 (3.950.246) (2.774.532)

Provisões e perdas por imparidade excluindo passes de jogadores 22 (355.399) (632.435)

Outros custos operacionais (2.663.147) (1.037.215)

Resultados operacionais excluindo resultados com passes de jogadores (48.614.202) (16.745.243)

Amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores 27 (31.556.150) (31.373.937)

Proveitos com transações de passes de jogadores 27 75.357.145 118.476.363

Custos com transações de passes de jogadores 27 (36.699.195) (35.975.932)

7.101.800 51.126.494

Resultados operacionais (41.512.402) 34.381.251

Custos e perdas financeiras 28 (17.217.148) (17.009.385)

Proveitos e ganhos financeiros 28 1.992.700 2.090.505

Resultados relativos a investimentos 29 (604.084) 1.096.113

Resultado antes de impostos (57.340.934) 20.558.484

Imposto sobre o rendimento 15 (942.887) (600.791)

Resultado líquido consolidado do período (58.283.821) 19.957.693

Atribuível a:

Detentores de capital próprio da Empresa-Mãe (58.410.836) 19.351.824

Interesses sem controlo 17 127.015 605.869

Resultados por acção

Básico 31 (2,95) 1,29

Diluído 31 (2,60) 0,97

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 30


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

3. Demonstrações Consolidadas dos Resultados e de Outro Rendimento Integral

(montantes expressos em euros)

Notas 30.06.2016 30.06.2015

Resultado líquido consolidado do exercício (58.283.821) 19.957.693

Itens que futuramente serão reclassificados para o resultado líquido

Variação no justo valor dos derivados de cobertura dos fluxos de caixa 33 203.589 249.011

Ganhos e perdas atuariais 23 14.046 138.526

Total rendimento integral consolidado do exercicio (58.066.186) 20.345.230

Atribuível a:

Acionistas da Empresa-Mãe (58.301.103) 19.739.361

Interesses sem controlo 17 234.917 605.869

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 31


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

4. Demonstrações Consolidadas das Alterações no Capital Próprio

(montantes expressos em euros)

Atribuível aos Acionistas da Empresa-Mãe

Prémios de Outras

Capital Ações emissão de Reserva Outras Resultados variações do Resultado Interesses Total do

Notas social próprias Ações legal reservas transitados Capital próprio líquido Total sem controlo Capital próprio

Saldo em 1 de Julho de 2014 75.000.000 (499) 259.675 169.075 652.307 (68.266.976) - (40.701.114) (32.887.532) (179.808) (33.067.340)

Aplicação do resultado consolidado de 2013:

Transferência para reserva legal - - - - - - - - - - -

Transferência para outras reservas - - - - - - - - - - -

Transferência para resultados transitados - - - - - (40.701.114) - 40.701.114 - - -

Distribuição de dividendos - - - - - - - - - (25.716) (25.716)

Aumento de capital 16 37.500.000 - - - - - - - 37.500.000 - 37.500.000

Variação nas reservas - - - - - - (11.685) - (11.685) (1) (11.686)

Variação no perímetro 6 - - - - - 707.114 (707.114) - - 58.363.431 58.363.431

Rendimento integral consolidado do exercício - - - - - - 387.537 19.351.824 19.739.361 605.869 20.345.230

Saldo em 30 de Junho de 2015 112.500.000 (499) 259.675 169.075 652.307 (108.260.976) (331.262) 19.351.824 24.340.144 58.763.775 83.103.919

Saldo em 1 de Julho de 2015 112.500.000 (499) 259.675 169.075 652.307 (108.260.976) (331.262) 19.351.824 24.340.144 58.763.775 83.103.919

Aplicação do resultado consolidado de 2014: -

Transferência para reserva legal - - - 6.677 - - - (6.677) - - -

Transferência para outras reservas - - - - - - - - - - -

Transferência para resultados transitados - - - - - 19.345.147 - (19.345.147) - -

Distribuição de dividendos - - - - - - - - - (35.964) (35.964)

Aumento de capital 16 - - - - - - - - - -

Variação nas reservas - - - - - 419.775 (37.311) - 382.464 (384.117) (1.654)

Variação no perímetro 6 - - - - - - - - - 864.081 864.081

Rendimento integral consolidado do exercício - - - - - - 109.733 (58.410.836) (58.301.103) 234.917 (58.066.186)

Saldo em 30 de Junho de 2016 112.500.000 (499) 259.675 175.752 652.307 (88.496.054) (258.840) (58.410.836) (33.578.495) 59.442.692 25.864.197

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 32


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

5. Demonstrações Consolidadas dos Fluxos de Caixa

(montantes expressos em euros)

Notas

30.06.2016 30.06.2015

Actividades operacionais:

Recebimentos de clientes 106.594.121 90.429.496

Pagamentos a fornecedores (36.764.804) (38.604.559)

Pagamentos ao pessoal (77.716.343) (73.965.833)

Outros recebimentos/(pagamentos) relativos à atividade operacional 264.272 (1.411.969)

Imposto sobre o rendimento (298.552) (7.921.306) (601.276) (24.154.141)

Fluxos gerados pelas actividades operacionais (1) (7.921.306) (24.154.141)

Actividades de investimento:

Recebimentos provenientes de:

Alienação de "passes" de jogadores 79.448.592 76.585.758

Juros e proveitos similares 856 1.025.838

Investimentos financeiros 14 256.539

Dividendos - 79.705.987 - 77.611.596

Pagamentos relativos a:

Investimentos financeiros 14 (1.500.000) (37.500.000)

Aquisição/vendas de "passes" de jogadores (76.200.103) (45.402.780)

Outros ativos financeiros (204.515)

Ativos tangíveis (1.679.469) (79.584.087) (112.499) (83.015.279)

Fluxos gerados pelas actividades de investimento (2) 121.900 (5.403.683)

Atividades de financiamento:

Recebimentos provenientes de:

Investimentos financeiros - 37.500.000

Empréstimos obtidos de investidores (Nota 19) - 5.000.000

Empréstimos obtidos 79.668.338 79.668.338 77.408.767 119.908.767

Pagamentos respeitantes a:

Empréstimos obtidos de investidores (Nota 19) (5.562.500) (3.000.000)

Dividendos (35.964) (25.716)

Empréstimos obtidos (64.079.550) (70.733.861)

Juros e custos similares (13.650.829) (83.328.843) (13.326.972) (87.086.549)

Fluxos gerados pelas actividades de financiamento (3) (3.660.505) 32.822.218

Caixa e seus equivalentes no início do exercício 14 18.240.722 14.965.439

Efeito de variação de perímetro 6 35.380 10.889

Variação de caixa e seus equivalentes: (1)+(2)+(3) (11.459.911) 3.264.394

Caixa e seus equivalentes no fim do exercício 14 6.816.192 18.240.722

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 33


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

6. Notas às Demonstrações Financeiras Consolidadas

1. NOTA INTRODUTÓRIA

A Futebol Clube do Porto Futebol, S.A.D. (“FC Porto, SAD” ou “Sociedade”, com sede no Estádio

do Dragão, Via F.C. Porto, Entrada Poente, Piso 3, 4350-451 Porto, foi constituída em 30 de Julho

de 1997 sendo a Empresa-mãe de um conjunto de empresas conforme indicado na Nota 5 como

Grupo FCP ("Grupo"). A sua atividade principal consiste na participação na modalidade de futebol

em competições desportivas de carácter profissional, promoção e organização de espetáculos

desportivos.

As demonstrações financeiras consolidadas anexas são apresentadas em Euros, com

arredondamentos às unidades, sendo essa a divisa utilizada pela Sociedade nas suas operações e

como tal considerada a moeda funcional.

2. PRINCIPAIS POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS

As principais políticas contabilísticas adotadas na preparação das demonstrações financeiras

consolidadas são como segue:

2.1 BASES DE APRESENTAÇÃO

As demonstrações financeiras consolidadas anexas foram preparadas no pressuposto da

continuidade das operações a partir dos livros e registos contabilísticos das empresas incluídas na

consolidação, mantidos de acordo de acordo as Normas Internacionais de Relato Financeiro, tal

como adotadas pela União Europeia, em vigor para os exercícios económicos iniciados em 1 de

julho de 2015. Devem entender-se como fazendo parte daquelas normas, as Normas

Internacionais de Relato Financeiro (“IFRS” International Financial Reporting Standards)

emitidas pelo International Accounting Standard Board (“IASB”), as Normas Internacionais de

Contabilidade (“IAS”), emitidas pelo International Accounting Standards Committee (“IASC”) e

respetivas interpretações IFRIC e SIC, emitidas, respetivamente, pelo International Financial

Reporting Interpretation Committee (“IFRIC”) e pelo Standing Interpretation Committee (“SIC”),

que tenham sido adotadas pela União Europeia. De ora em diante, o conjunto daquelas normas e

interpretações serão designados genericamente por “IAS/IFRS”.

As demonstrações financeiras intercalares foram apresentadas, trimestralmente, de acordo com

a IAS 34 “Relato Financeiro Intercalar”.

1- Normas, interpretações, emendas e revisões que entraram em vigor no exercício

As seguintes normas, interpretações, emendas e revisões adotadas (“endorsed”) pela União

Europeia tiveram aplicação obrigatória pela primeira vez no exercício findo em 30 de junho de

2016:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 34


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Norma / Interpretação

Aplicável na

União Europeia

nos exercícios

iniciados em ou

após

IFRIC 21 Pagamentos ao Estado 17-Jun-14 Estabelece as condições quanto à tempestividade do

reconhecimento de uma responsabilidade

relacionada com o pagamento ao Estado de uma

contribuição por parte de uma entidade em

resultado de determinado evento (por exemplo, a

participação num determinado mercado), sem que o

pagamento tenha por contrapartida bens ou serviços

especificados.

Emenda à IFRS 3 Concentração

de atividades empresariais

(incluída nos melhoramentos das

normas internacionais de relato

financeiro ciclo 2011-2013)

Emenda à IFRS 13 Mensuração

ao justo valor

(incluída nos melhoramentos das

normas internacionais de relato

financeiro ciclo 2011-2013)

Emenda à IAS 40 Propriedades

de investimento

(incluída nos melhoramentos das

normas internacionais de relato

financeiro ciclo 2011-2013)

Emenda à IAS 19 Benefícios dos

empregados Contribuições de

empregados

Melhoramentos das normas

internacionais de relato

financeiro (ciclo 2010-2012)

1-Jan-15

1-Jan-15

1-Jan-15

1-Fev-15

1-Fev-15

Clarifica que a IFRS 3 exclui do seu âmbito de

aplicação a formação de um acordo conjunto nas

demonstrações financeiras do próprio acordo

conjunto.

Clarifica que a exceção de aplicação da norma a

ativos e passivos financeiros com posições

compensadas se estende a todos os contratos no

âmbito da IAS 39, independentemente de cumprirem

com a definição de ativo ou passivo financeiro da IAS

32.

Clarifica que é necessário aplicar juízo de valor para

determinar se a aquisição de uma propriedade de

investimento constitui uma aquisição de um ativo ou

uma concentração de atividades empresariais

abrangida pela IFRS 3.

Clarifica em que circunstâncias as contribuições dos

empregados para planos de benefícios pós-emprego

constituem uma redução do custo com benefícios de

curto prazo.

Estas melhorias envolvem a clarificação de alguns

aspetos relacionados com: IFRS 2 Pagamentos com

base em ações: definição de vesting condition; IFRS 3

Concentração de atividades empresariais:

contabilização de pagamentos contingentes; IFRS 8

Segmentos operacionais: divulgações relacionadas

com o julgamento aplicado em relação à agregação

de segmentos e clarificação sobre a necessidade de

reconciliação do total de ativos por segmento com o

valor de ativos nas demonstrações financeiras; IAS 16

Ativos fixos tangíveis e IAS 38 Ativos intangíveis:

necessidade de reavaliação proporcional de

amortizações acumuladas no caso de reavaliação de

ativos fixos; e IAS 24 Divulgações de partes

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 35


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

relacionadas: define que uma entidade que preste

serviços de gestão à Empresa ou à sua empresa-mãe

é considerada uma parte relacionada; e IFRS 13

Justo valor: clarificações relativas à mensuração de

contas a receber ou a pagar de curto prazo

Não foram produzidos efeitos significativos nas demonstrações financeiras do Grupo no exercício

findo em 30 de junho de 2016, decorrente da adoção das normas, interpretações, emendas e

revisões acima referidas.

2- Normas, interpretações, emendas e revisões que irão entrar em vigor em exercícios futuros

As seguintes normas, interpretações, emendas e revisões, com aplicação obrigatória em

exercícios económicos futuros, foram, até à data de aprovação destas demonstrações financeiras,

aprovadas (“endorsed”) pela União Europeia:

Norma / Interpretação

Melhoramentos das normas

internacionais de relato

financeiro (ciclo 2012-2014)

Emenda à IFRS 11 Acordos

conjuntos Contabilização de

Aplicável na

União Europeia

nos exercícios

iniciados em ou

após

1-Jan-16

1-Jan-16

Estas melhorias envolvem a clarificação de alguns

aspetos relacionados com: IFRS 5 Ativos não

correntes detidos para venda e unidades

operacionais descontinuadas: introduz orientações

de como proceder no caso de alterações quanto ao

método expectável de realização (venda ou

distribuição aos acionistas); IFRS 7 Instrumentos

financeiros: divulgações: clarifica os impactos de

contratos de acompanhamento de ativos no âmbito

das divulgações associadas a envolvimento

continuado de ativos desreconhecidos, e isenta as

demonstrações financeiras intercalares das

divulgações exigidas relativamente a compensação

de ativos e passivos financeiros; IAS 19 Benefícios

dos empregados: define que a taxa a utilizar para

efeitos de desconto de benefícios definidos deverá

ser determinada com referência às obrigações de

alta qualidade de empresas que tenham sido

emitidas na moeda em que os benefícios serão

liquidados; e IAS 34 Relato financeiro intercalar:

clarificação sobre os procedimentos a adotar

quando a informação está disponível em outros

documentos emitidos em conjunto com as

demonstrações financeiras intercalares.

Esta emenda está relacionada com a aquisição de

interesses em operações conjuntas. Estabelece a

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 36


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

aquisições de interesses em

acordos conjuntos

Emenda à norma IAS 1

Apresentação de demonstrações

financeiras “Disclosure

Iniciative”

obrigatoriedade de aplicação da IFRS 3 quando a

operação conjunta adquirida constituir uma

atividade empresarial de acordo com a IFRS 3.

Quando a operação conjunta em questão não

constituir uma atividade empresarial, deverá a

transação ser registada como uma aquisição de

ativos. Esta alteração tem aplicação prospetiva para

novas aquisições de interesses.

1-Jan-16 Esta emenda vem clarificar alguns aspetos

relacionados com a iniciativa de divulgações,

designadamente: (i) a entidade não deverá

dificultar a inteligibilidade das demonstrações

financeiras através da agregação de itens materiais

com itens imateriais ou através da agregação de

itens materiais com naturezas distintas; (ii) as

divulgações especificamente requeridas pelas IFRS

apenas têm de ser dadas se a informação em causa

for material; (iii) as linhas das demonstrações

financeiras especificadas pela IAS 1 podem ser

agregadas ou desagregadas, conforme tal for mais

relevante para os objetivos do relato financeiro; (iv)

a parte do outro rendimento integral resultante da

aplicação do método da equivalência patrimonial

em associadas e acordos conjuntos deve ser

apresentada separadamente dos restantes

elementos do outro rendimento integral

segregando igualmente os itens que poderão vir a

ser reclassificados para resultados dos que não

serão reclassificados; (v) a estrutura das notas deve

ser flexível, devendo estas respeitar a seguinte

ordem:

• uma declaração de cumprimento com as

IFRS na primeira secção das notas;

• uma descrição das políticas contabilísticas

relevantes na segunda secção;

• informação de suporte aos itens da face

das demonstrações financeiras na terceira

secção; e

• outra informação na quarta secção

Emenda à IAS 16 Ativos fixos

tangíveis e IAS 38 Ativos

intangíveis Métodos de

depreciação aceitáveis

1-Jan-16

Esta emenda estabelece a presunção (que pode ser

refutada) de que o rédito não é uma base

apropriada para amortizar um ativo intangível e

proíbe o uso do rédito como base de amortização

de ativos fixos tangíveis. A presunção estabelecida

para amortização de ativos intangíveis só poderá

ser refutada quanto o ativo intangível é expresso

em função do rendimento gerado ou quando a

utilização dos benefícios económicos está

altamente correlacionada com a receita gerada.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 37


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Emenda à IAS 16 Ativos fixos

tangíveis e IAS 41 Agricultura

Plantas de produção

Emenda à IAS 27 Aplicação do

método de equivalência

patrimonial nas demonstrações

financeiras separadas

Emenda à IFRS 10

Demonstrações financeiras

consolidadas, IFRS 12 -

Divulgações sobre participações

noutras entidades e IAS 28

Investimentos em associadas e

entidades conjuntamente

controladas

1-Jan-16

1-Jan-16

1-Jan-16

Esta emenda vem excluir as plantas que produzem

frutos ou outros componentes destinados a

colheita e/ou remoção do âmbito de aplicação da

IAS 41, passando as mesmas a estar abrangidas pela

IAS 16.

Esta emenda vem introduzir a possibilidade de

mensuração dos interesses em subsidiárias,

acordos conjuntos e associadas em demonstrações

financeiras separadas pelo método da equivalência

patrimonial, para além dos métodos de

mensuração atualmente existentes. Esta alteração

aplica-se retrospetivamente

Estas emendas contemplam a clarificação de

diversos aspetos relacionados com a aplicação da

exceção de consolidação por parte de entidades de

investimento.

O Grupo não procedeu à aplicação antecipada de qualquer destas normas nas demonstrações

financeiras no exercício findo em 30 de junho de 2016.

Não são estimados impactos significativos nas demonstrações financeiras decorrentes da sua

adoção.

3- Normas, interpretações, emendas e revisões ainda não adotadas pela União Europeia

As seguintes normas, interpretações, emendas e revisões, com aplicação obrigatória em

exercícios económicos futuros, não foram, até à data de aprovação destas demonstrações

financeiras, adotadas (“endorsed”) pela União Europeia:

Norma / Interpretação

IFRS 9 Instrumentos financeiros (2009)

e emendas posteriores

Esta norma insere-se no projeto de revisão da IAS 39 e estabelece

os novos requisitos relativamente à classificação e mensuração de

ativos e passivos financeiros, à metodologia de cálculo de

imparidade e para a aplicação das regras de contabilidade de

cobertura. Esta norma é de aplicação obrigatória para os exercícios

iniciados em ou após 1 de janeiro de 2018;

IFRS 14 Ativos regulados

Esta norma vem estabelecer os requisitos de relato, por parte de

entidades que adotem pela primeira vez as IFRS aplicáveis a ativos

regulados;

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 38


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

IFRS 15 Rédito de contratos com

clientes

Esta norma vem introduzir uma estrutura de reconhecimento do

rédito baseada em princípios e assente num modelo a aplicar a

todos os contratos celebrados com clientes, substituindo as normas

IAS 18 Rédito, IAS 11 Contratos de construção; IFRIC 13

Programas de fidelização; IFRIC 15 Acordos para a construção de

imóveis; IFRIC 18 Transferências de Ativos Provenientes de

Clientes e SIC 31 Rédito - Transações de troca direta envolvendo

serviços de publicidade. Esta norma é de aplicação obrigatória para

os exercícios iniciados em ou após 1 de janeiro de 2018;

IFRS 16 Locações

Esta norma vem introduzir os princípios de reconhecimento e

mensuração de locações, substituindo a IAS 17 Locações. A norma

define um único modelo de contabilização de contratos de locação

que resulta no reconhecimento pelo locatário de ativos e passivos

para todos os contratos de locação, exceto para as locações com um

período inferior a 12 meses ou para as locações que incidam sobre

ativos de valor reduzido. Os locadores continuarão a classificar as

locações entre operacionais ou financeiras, sendo que A IFRS 16 não

implicará alterações substanciais para tais entidades face ao

definido na IAS 17.

Emendas à IFRS 10 Demonstrações

financeiras consolidadas e IAS 28

Investimentos em associadas e

empreendimentos conjuntos

Estas emendas vêm eliminar um conflito existente entre as referidas

normas, relacionado com a venda ou com a contribuição de ativos

entre o investidor e a associada ou entre o investidor e o

empreendimento conjunto.

Emendas à IAS 12 Reconhecimento de

ativos por impostos diferidos para

perdas não realizadas

Emenda à IAS 7 (Divulgações)

Emenda à IFRS 15 Rédito de contratos

com clientes

Esta emenda vem clarificar os seguintes aspetos:

As perdas não realizadas em instrumentos de dívida mensurados ao

valor justo e mensurados ao custo, para efeitos fiscais, dão origem

a uma diferença temporária dedutível independentemente do

titular do instrumento de dívida esperar recuperar o valor

contabilístico do instrumento de dívida pela venda ou pelo uso;

O valor contabilístico de um ativo não limita a estimativa de lucros

tributáveis futuros prováveis;

As estimativas de lucros tributáveis futuros excluem deduções

fiscais resultantes da reversão de diferenças temporárias

dedutíveis.

Uma entidade avalia um imposto diferido ativo em conjunto com

outros ativos por impostos diferidos. Quando a legislação fiscal

restringir a utilização de prejuízos fiscais, uma entidade deve avaliar

um ativo por imposto diferido em conjunto com outros ativos por

impostos diferidos da mesma natureza.

Esta emenda esclarece que as entidades devem fornecer

divulgações que permitam aos usuários das demonstrações

financeiras avaliar as alterações em passivos provenientes de

atividades de financiamento.

Esta emenda clarifica três aspetos da norma: (i) identificação de

obrigações de desempenho, (ii) considerações sobre a classificação

de uma entidade como principal ou agente e (iii) licenciamento.

Proporciona também a possibilidade de uma transição mais suave

para contratos modificados e completos.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 39


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Emenda à IFRS 2 (Classificação e

mensuração de operações de

pagamento baseado em ações)

Emenda à IFRS 4 Contratos de Seguro

(aplicação da IFRS 9 "Instrumentos

Financeiros" com a IFRS 4 - “Contratos

de Seguros”)

Esta emenda vem clarificar a contabilização de transações de

pagamento baseado em ações liquidadas em dinheiro, que incluem

uma condição de desempenho, a classificação das transações de

pagamentos baseados em ações com características de liquidação,

e a contabilização de alterações de transações de pagamentos

baseados em ações de liquidação em dinheiro para liquidação em

instrumentos de capital próprio.

Esta emenda proporciona duas opções para as entidades que

emitem contratos de seguro no âmbito da IFRS 4:

• uma opção que permite que as entidades reclassifiquem,

da Demonstração de Resultados para “Outro rendimento

integral”, algumas das receitas ou despesas decorrentes

de ativos financeiros designados; esta é a denominada

abordagem “Sobreposição”;

• uma isenção temporária opcional da aplicação da IFRS 9

para entidades cuja atividade predominante seja a

emissão de contratos dentro do âmbito da IFRS 4; esta é

a denominada abordagem “Diferimento”.

A aplicação de ambas as abordagens é opcional e é permitido a uma

entidade parar de aplicá-las antes que nova norma IFRS 4

“Contratos de Seguros” seja aplicada.

Estas normas não foram ainda adotadas (“endorsed”) pela União Europeia e, como tal, não foram

aplicadas pelo Grupo no exercício findo em 30 de junho de 2016.

2.2 BASES DE CONSOLIDAÇÃO

As bases de consolidação usadas pelo Grupo na preparação das suas demonstrações

financeiras consolidadas são as seguintes:

a) Investimentos financeiros em empresas do Grupo

As empresas em que o Grupo detém controlo, isto é, em que cumulativamente

preenche as seguintes condições: i) tem poder sobre a participada; ii) está exposta a,

ou tem direito sobre, resultados variáveis por via do seu relacionamento com a

participada; e iii) tem capacidade de utilizar o seu poder sobre a participada para afetar

o montante dos seus resultados (definição de controlo utilizada pelo Grupo), foram

incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas anexas pelo método de

consolidação integral. O capital próprio e o resultado líquido destas empresas

correspondente à participação de terceiros nas mesmas, são apresentados

separadamente na demonstração da posição financeira consolidada e na

demonstração dos resultados consolidada, na rubrica “Interesses sem controlo”. As

empresas do Grupo incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas pelo

método de consolidação integral encontram-se detalhadas na Nota 5.

Nas concentrações empresariais ocorridas após a data de transição para as Normas

Internacionais de Relato Financeiro tal como adotadas pela União Europeia - IFRS (1

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 40


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

de julho de 2004), os ativos e passivos de cada filial são identificados ao seu justo valor

na data de aquisição conforme estabelecido pela IFRS 3 “Concentrações de

atividades empresariais”, podendo tal mensuração ser concluída num prazo de 12

meses após da data de aquisição. Qualquer excesso do custo de aquisição face ao justo

valor dos ativos e passivos líquidos adquiridos (incluindo passivos contingentes) é

reconhecido como Goodwill (Nota 2.2 b)). Caso o diferencial entre o custo de aquisição

e o justo valor de ativos e passivos líquidos adquiridos seja negativo, o mesmo é

reconhecido como proveito do exercício após reconfirmação do justo valor atribuído

aos ativos líquidos adquiridos. Os interesses de acionistas sem controlo são

apresentados pela respetiva proporção do justo valor dos ativos e passivos

identificados.

Os resultados das filiais adquiridas ou vendidas durante o exercício estão incluídos na

demonstração dos resultados desde a data da sua aquisição ou até à data da sua

venda, respetivamente.

Sempre que necessário e quando considerado relevante, são efetuados ajustamentos

às demonstrações financeiras das filiais para adequar as suas políticas contabilísticas às

adotadas pelo Grupo. Os saldos, transações e dividendos entre empresas do Grupo são

eliminados no processo de consolidação.

b) Goodwill

Nas concentrações de atividades empresariais ocorridas após a data de transição para

as Normas Internacionais de Relato Financeiro tal como adotadas pela União Europeia -

IFRS (1 de julho de 2004), as diferenças entre o custo de aquisição dos investimentos em

empresas do Grupo e associadas e o justo valor dos ativos e passivos identificáveis

(incluindo passivos contingentes) dessas empresas à data da sua aquisição, se positivas,

são registadas na rubrica do ativo “Goodwill” (Nota 10), e quando negativas, são

registadas como proveitos diretamente na demonstração dos resultados, após

reconfirmação do justo valor atribuído.

O Grupo, numa base de transação a transação (para cada concentração de atividades

empresariais), optará por mensurar qualquer interesse que não controla na adquirida

ou pelo justo valor ou pela parte proporcional do interesse que não controla dos ativos

líquidos identificáveis da adquirida.

O valor dos pagamentos contingentes futuros é reconhecido como passivo no momento

da concentração empresarial de acordo com o seu justo valor, sendo que qualquer

alteração ao valor reconhecido inicialmente é registada em contrapartida do valor de

“Goodwill”, mas apenas se ocorrer dentro do período de mensuração (12 meses após a

data de aquisição) e se estiver relacionada com eventos anteriores à data de aquisição,

caso contrário deverá ser registada por contrapartida de resultados.

Transações de compra ou venda de interesses em entidades já controladas, sem que tal

resulte em perda de controlo são tratadas como transações entre detentores de capital

afetando apenas as rubricas de capital próprio sem que exista impacto na rubrica

“Goodwill” ou em resultados.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 41


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

No momento em que uma transação de venda gerar uma perda de controlo, deverão

ser desreconhecidos os ativos e passivos da entidade, e qualquer interesse retido na

entidade alienada deverá ser remensurado ao justo valor, e a eventual perda ou ganho

apurada com a alienação é registada em resultados.

O valor do goodwill não é amortizado, sendo testado anualmente para verificar se

existem perdas por imparidade. Os valores recuperáveis das unidades geradoras de

caixa são determinados com base no valor presente dos fluxos de caixa futuros

estimados que se espera que surjam do uso continuado do ativo e da sua alienação no

final da sua vida útil. A quantia recuperável é estimada para cada ativo, individualmente

ou, no caso de não ser possível, para a unidade geradora de caixa à qual o ativo pertence.

Estes cálculos exigem a utilização de pressupostos que são efetuados com base em

estimativas de circunstâncias futuras cuja ocorrência poderá vir a ser diferente da

estimada. As perdas por imparidade das diferenças de consolidação constatadas no

exercício são registadas na demonstração dos resultados do exercício na rubrica

“Provisões e perdas por imparidade”. As perdas por imparidade relativas a Goodwill não

podem ser revertidas.

2.3 PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

Os principais critérios valorimétricos usados pelo Grupo na preparação das suas

demonstrações financeiras consolidadas, são os seguintes:

a) Ativos tangíveis

Os ativos tangíveis adquiridos até 1 de Julho de 2004 (data de transição para as IFRS),

encontram-se registados ao seu “deemed cost”, o qual corresponde ao custo de aquisição,

deduzido das amortizações acumuladas e de perdas por imparidade até então registadas.

Os ativos tangíveis adquiridos após aquela data encontram-se registados ao custo de

aquisição, deduzido das correspondentes amortizações e das perdas por imparidade

acumuladas.

As amortizações são calculadas, após o início de utilização dos bens, pelo método das

quotas constantes em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo

de bens. Para os principais grupos de bens, o período de vida útil estimado varia entre:

Edificios e outras construções 8 e 50 anos

Equipamento básico 4 e 50 anos

Equipamento de transporte 3 e 8 anos

Equipamento administrativo 3 e 8 anos

Outras imobilizações corpóreas 1 a 10 anos

O edifício associado ao Estádio do Dragão encontra-se a ser amortizado por um período de

50 anos.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 42


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

As despesas de conservação e reparação que não aumentem a vida útil dos ativos nem

resultem em benfeitorias ou melhorias significativas nos elementos dos ativos tangíveis são

registadas como custo no exercício em que são incorridas.

As mais ou menos-valias resultantes da venda ou abate do ativo tangível são determinadas

como a diferença entre o preço de venda e o valor líquido contabilístico na data de

alienação ou abate, sendo registadas na demonstração dos resultados nas rubricas “Outros

proveitos” ou “Outros custos”.

b) Ativos intangíveis - Valor do plantel

O saldo da rubrica “Ativo intangíveis - Valor do plantel” inclui os custos associados à

aquisição dos direitos de inscrição desportiva dos jogadores (“passes”) incluindo

encargos com serviços de intermediação, bem como os encargos com o prémio de

assinatura do contrato de trabalho desportivo pago aos jogadores, nos termos da Lei

nº 103/97 de 13 de setembro.

Nas situações em que a percentagem do “passe” detida é inferior a 100% (ver Nota 8)

significa que apesar da Sociedade deter integralmente o direito de inscrição desportiva,

celebrou com entidade terceira um contrato de associação de interesses económicos

que consubstancia uma parceria de investimento, resultando na partilha proporcional

dos resultados inerentes às transações daqueles direitos.

Caso se estime uma perda no valor de realização (“perda por imparidade”) dos direitos

de inscrição desportiva de jogadores, o correspondente efeito é registado na

demonstração dos resultados do exercício, na rubrica “Amortizações e perdas por

imparidade com passes de jogadores”. Os montantes destas perdas por imparidade

correspondem ao valor líquido contabilístico dos direitos económicos dos jogadores, à

data de 30 de junho de 2016, cujos contratos de trabalho tenham sido rescindidos até

à data de aprovação destas demonstrações financeiras.

Os encargos com a renovação dos contratos de trabalho desportivo celebrados com os

jogadores, são igualmente registados na rubrica “Ativos intangíveis - Valor do plantel”,

sendo apurado um novo valor líquido contabilístico do “passe” dos jogadores, o qual é

amortizado em função do novo período do contrato de trabalho.

Os montantes incluídos na rubrica “Ativo intangíveis - Valor do plantel” são amortizados

em função da duração dos direitos de inscrição desportiva, os quais estão associados

ao prazo dos contratos celebrados entre os jogadores e a Sociedade, de acordo com a

Lei nº103/97 de 13 de setembro.

“Empréstimos de jogadores”

Os encargos com a aquisição dos direitos de inscrição desportiva de jogadores cuja

utilização desportiva é cedida temporariamente pela Sociedade a clubes terceiros

mantêm-se registados na rubrica “Ativos intangíveis - Valor do plantel” e continuam a

ser amortizados de acordo com o número de anos em que se vencem aqueles direitos,

conforme o contrato de trabalho desportivo, na medida em que se considera a

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 43


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

valorização potencial do “passe” do jogador enquanto jogador que actua por outro

clube, no âmbito da acima referida cedência temporária. Caso se estime uma perda no

valor de realização (“perda de imparidade”) de “jogadores emprestados” até ao

término do respetivo período do contrato, nomeadamente nas situações em que o

jogador se encontra emprestado no último ano do contrato de trabalho, é registado o

correspondente efeito na demonstração dos resultados do exercício, na rubrica

“Amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores”.

c) Outros ativos intangíveis

Os ativos intangíveis que não os relativos ao “Valor do plantel” encontram-se registados

ao custo de aquisição, deduzido das amortizações e das perdas por imparidade

acumuladas. Os ativos intangíveis só são reconhecidos se for provável que deles

advenham benefícios económicos futuros para o Grupo, sejam controláveis pelo Grupo

e se possa medir razoavelmente o seu valor.

As amortizações são calculadas, após o momento em que os bens se encontram

disponíveis para uso, pelo método das quotas constantes em conformidade com o

período de vida útil estimado (Nota 7).

d) Locação financeira e aluguer de longa duração

Os ativos tangíveis adquiridos mediante contratos de locação financeira, bem como as

correspondentes responsabilidades, são contabilizados pelo método financeiro,

quando cumprem com os requisitos da IAS 17 “Locações”. De acordo com este

método, o custo do ativo é registado no ativo tangível, a correspondente

responsabilidade é registada no passivo e os juros incluídos no valor das rendas e a

amortização do ativo, calculada conforme descrito na Nota 2.3.a), são registados como

custos na demonstração dos resultados do exercício a que respeitam.

As rendas de aluguer de longa duração referentes a bens adquiridos neste regime são

reconhecidas como custo na demonstração dos resultados do exercício a que

respeitam.

A classificação das locações como financeiras ou operacionais é realizada em função

da substância dos contratos em causa e não da sua forma.

Nas locações consideradas como operacionais, as rendas devidas são reconhecidas

como custo na demonstração dos resultados numa base linear durante o período do

contrato de locação.

e) Imparidade dos ativos não correntes, exceto “Goodwill”

São efetuados testes de imparidade sempre que seja identificado um evento ou

alteração nas circunstâncias que indiquem que o montante pelo qual um ativo se

encontra registado possa não ser recuperado.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 44


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Sempre que o montante pelo qual um ativo se encontra registado é superior à sua

quantia recuperável, é reconhecida uma perda por imparidade, registada na

demonstração dos resultados na rubrica “Provisões e perdas por imparidade, excluindo

passes de jogadores”.

A quantia recuperável é a mais alta entre o preço de venda líquido e o valor de uso. O

preço de venda líquido é o montante que se obteria com a alienação do ativo, numa

transação entre entidades independentes e conhecedoras, deduzido dos custos

diretamente atribuíveis à alienação. O valor de uso é o valor presente dos fluxos de

caixa futuros estimados que são esperados que surjam do uso continuado do ativo e

da sua alienação no final da sua vida útil. A quantia recuperável é estimada para cada

ativo, individualmente.

A reversão de perdas por imparidade reconhecidas em exercícios anteriores é registada

quando se conclui que as perdas por imparidade reconhecidas anteriormente já não

existem ou diminuíram. Esta análise é efetuada sempre que existam indícios que a

perda por imparidade anteriormente reconhecida tenha revertido. A reversão das

perdas por imparidade é reconhecida na demonstração dos resultados na rubrica

“Outros proveitos”. Esta reversão da perda por imparidade é efetuada até ao limite da

quantia que estaria reconhecida (líquida de amortização ou depreciação) caso a perda

por imparidade não tivesse sido registada em períodos anteriores.

f) Encargos financeiros com empréstimos obtidos

Os encargos financeiros relacionados com empréstimos obtidos são reconhecidos

como custo na demonstração dos resultados do exercício de acordo com o princípio da

especialização dos exercícios.

g) Inventários

As mercadorias e matérias-primas encontram-se registadas ao custo de aquisição ou

ao valor realizável líquido, dos dois o mais baixo, utilizando-se o custo médio como

método de custeio.

As diferenças entre o custo e o respetivo valor de realização dos inventários, no caso

deste ser inferior ao custo, são registadas como custos operacionais na rubrica “Custo

das vendas”.

h) Provisões

As provisões são reconhecidas quando, e somente quando, o Grupo tem uma obrigação

presente (legal ou implícita) resultante de um evento passado, seja provável que para

a resolução dessa obrigação ocorra uma saída de recursos e o montante da obrigação

possa ser razoavelmente estimado. As provisões são revistas na data de cada

demonstração da posição financeira e são ajustadas de modo a refletir a melhor

estimativa a essa data.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 45


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

i) Instrumentos financeiros

i) Investimentos

Os investimentos, quando existem, classificam-se como segue:

- Investimentos detidos até ao vencimento

- Investimentos mensurados ao justo valor através de resultados

- Investimentos disponíveis para venda

Os investimentos detidos até ao vencimento são classificados como Investimentos

não correntes, exceto se o seu vencimento for inferior a 12 meses da data da

demonstração da posição financeira, sendo registados nesta rubrica os

investimentos com maturidade definida para os quais o Grupo tem intenção e

capacidade de os manter até essa data.

Os investimentos mensurados ao justo valor através de resultados incluem os

investimentos detidos para negociação que o Grupo adquira tendo em vista a sua

alienação num curto período de tempo, sendo classificados na demonstração da

posição financeira consolidada como Investimentos correntes.

O Grupo classifica como investimentos disponíveis para venda os que não são

enquadráveis como investimentos mensurados ao justo valor através de

resultados nem como investimentos detidos até à maturidade. Estes ativos são

classificados como ativos não correntes, exceto se houver intenção de os alienar

num período inferior a 12 meses da data da demonstração da posição financeira.

Todas as compras e vendas destes investimentos são reconhecidas à data da

assinatura dos respetivos contratos de compra e venda, independentemente da

data de liquidação financeira.

Os investimentos são inicialmente registados pelo seu valor de aquisição que

corresponde ao justo valor do preço pago, incluindo despesas de transação.

Os investimentos que não sejam cotados e para os quais não seja possível estimar

com fiabilidade o seu justo valor, são mantidos ao custo de aquisição deduzido de

eventuais perdas por imparidade.

ii)

Clientes e Outros devedores

As contas a receber não correntes são registadas ao custo amortizado utilizando o

método da taxa de juro efetiva e deduzidas de eventuais perdas por imparidade.

As contas a receber correntes são apresentadas na demonstração da posição

financeira consolidada, deduzidas de eventuais perdas por imparidade, e são

registadas pelo seu valor nominal, exceto quando o impacto do desconto for

material, situação em que são registadas ao custo amortizado utilizando o método

da taxa de juro efetiva.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 46


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Os proveitos financeiros são calculados de acordo com a taxa de juro efetiva,

exceto para os valores a receber de muito curto prazo cujos valores a reconhecer

sejam imateriais.

As contas a receber são classificadas como ativos correntes, exceto nos casos em

que a maturidade é superior a 12 meses da data da demonstração da posição

financeira, as quais se classificam como não correntes. Estes ativos financeiros

estão incluídos nas classes identificadas na Notas 11 e 13.

As perdas por imparidade são registadas na sequência de eventos ocorridos que

indiquem, objetivamente e de forma quantificável, que a totalidade ou parte do

saldo em dívida não será recebido. Para tal, cada empresa do Grupo tem em

consideração informação que demonstre que:

- a contraparte apresenta dificuldades financeiras significativas;

- se verifiquem atrasos significativos nos pagamentos por parte da

contraparte;

- se torna provável que o devedor vá entrar em liquidação ou em

reestruturação financeira.

iii) Passivos financeiros e Instrumentos de capital próprio

Os passivos financeiros e os instrumentos de capital próprio são classificados de

acordo com a substância contratual da transação. São considerados instrumentos

de capital próprio os que evidenciam um interesse residual nos ativos do Grupo

após dedução dos passivos, sendo registados pelo valor recebido, líquido dos

custos suportados com a sua emissão.

As ações preferenciais emitidas pela sociedade são classificadas como capital

quando o reembolso ocorre apenas por opção da sociedade e os dividendos são

pagos pela Sociedade numa base discricionária.

iv) Empréstimos

Os empréstimos são registados no passivo pelo seu valor nominal recebido, líquido

dos custos de transação que sejam diretamente atribuíveis à emissão desses

passivos. Os encargos financeiros são calculados de acordo com a taxa de juro

efetiva e contabilizados na demonstração dos resultados do exercício, de acordo

com o princípio da especialização dos exercícios.

v) Fornecedores e Outros credores

As contas a pagar não correntes são registadas ao custo amortizado utilizando o

método da taxa de juro efetiva.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 47


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

As contas a pagar, correntes, são registadas pelo seu valor nominal, exceto quando

o efeito do desconto é considerado material, situação em que são registadas

utilizando o método da taxa de juro efetiva.

Os custos financeiros são calculados de acordo com a taxa de juro efetiva, exceto

para os valores a pagar de muito curto prazo cujos valores a reconhecer sejam

imateriais.

As contas a pagar são classificadas como passivos correntes, exceto nos casos em

que a maturidade é superior a 12 meses da data da demonstração da posição

financeira, as quais se classificam como não correntes. Estes passivos financeiros

estão incluídos nas classes identificadas nas Notas 20 e 21.

vi) Letras descontadas

Os saldos a receber de clientes titulados por letras descontadas e não vencidas à

data de cada demonstração da posição financeira são reconhecidos na

demonstração da posição financeira até ao momento do recebimento das

mesmas.

vii) Caixa e equivalentes de caixa

Os montantes incluídos na rubrica de “Caixa e equivalentes de caixa”

correspondem aos valores de caixa, depósitos bancários, depósitos a prazo e

outras aplicações de tesouraria, vencíveis a menos de três meses e que possam ser

imediatamente mobilizáveis sem risco significativo de alteração de valor.

Ao nível da demonstração consolidada dos fluxos de caixa, a rubrica “Caixa e

equivalentes de caixa” compreende também os descobertos bancários incluídos

na rubrica do passivo corrente “Empréstimos bancários”.

viii) Outros ativos financeiros Direitos económicos de jogadores

Os montantes incluídos na rubrica de “Outros ativos financeiros Direitos

económicos de jogadores” dizem respeito a direitos económicos sobre diversos

jogadores, relativamente aos quais a FCPorto, SAD alienou os direitos de inscrição

desportiva, tendo mantido parte dos direitos económicos. Estes ativos são

registados ao custo deduzidos de eventuais perdas por imparidade.

ix) Método da taxa de juro efetiva

O método da taxa de juro efetiva é o método utilizado para cálculo do custo

amortizado de um ativo ou passivo financeiro e para efetuar a alocação de

proveitos ou custos até à maturidade do instrumento financeiro. A taxa de juro

efetiva é aquela que, sendo utilizada para descontar os fluxos de caixa futuros

estimados associados ao instrumento financeiro, permite igualar o seu valor atual

ao valor do instrumento financeiro na data do reconhecimento inicial.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 48


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

x) Imparidade de instrumentos financeiros

Os ativos financeiros são analisados à data de cada demonstração da posição

financeira consolidada para verificar da existência de indícios de perdas por

imparidade.

Os ativos financeiros encontram-se em situações de imparidade quando exista

evidência objetiva que, como consequência de um ou mais eventos que tenham

ocorrido após o reconhecimento inicial dos ativos, os fluxos de caixa estimados

tenham sido negativamente afetados.

Para os ativos financeiros mensurados ao custo amortizado, a imparidade é

calculada como a diferença entre o valor contabilístico do ativo e o valor presente

dos fluxos de caixa futuros estimados descontados à taxa de juro efetiva original.

Relativamente aos investimentos em subsidiárias, mensurados pelo seu custo de

aquisição líquido de imparidade, a análise de imparidade envolve o recurso a

modelos de fluxos de caixa descontados para estimar o valor de uso dos referidos

investimentos. Tais modelos implicam que a Sociedade estime o valor presente

dos fluxos de caixa futuros da empresa subsidiária de acordo com uma taxa de

desconto adequada ao risco específico da mesma.

É entendimento do Conselho de Administração que a metodologia acima descrita

conduz a resultados fiáveis sobre a existência de eventual imparidade dos

investimentos em análise, uma vez que consideram a melhor informação

disponível à data da preparação das demonstrações financeiras.

j) Ativos e passivos contingentes

Os ativos contingentes são possíveis ativos que surgem de acontecimentos passados e

cuja existência somente será confirmada pela ocorrência, ou não, de um ou mais

eventos futuros, incertos e não totalmente sob o controlo do Grupo.

Os ativos contingentes não são reconhecidos nas demonstrações financeiras sendo

unicamente objeto de divulgação quando é provável a existência de um benefício

económico futuro.

Os passivos contingentes são definidos pelo Grupo como: (i) obrigações possíveis que

surjam de acontecimentos passados e cuja existência somente será confirmada pela

ocorrência, ou não, de um ou mais acontecimentos futuros, incertos e não totalmente

sob o controlo do Grupo; ou (ii) obrigações presentes que surjam de acontecimentos

passados mas que não são reconhecidas porque não é provável que um exfluxo de

recursos que incorpore benefícios económicos seja necessário para liquidar a obrigação

ou a quantia da obrigação não pode ser mensurada com suficiente fiabilidade.

Os passivos contingentes não são reconhecidos nas demonstrações financeiras do

Grupo, sendo os mesmos objeto de divulgação, a menos que a possibilidade de uma

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 49


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

saída de fundos afetando benefícios económicos futuros seja remota, caso este em que

não são sequer objeto de divulgação.

k) Impostos sobre o rendimento

O grupo de sociedades abaixo mencionadas, dominado pela Futebol Clube do Porto

Futebol, S.A.D. é tributado de acordo com o Regime Especial de Tributação de Grupo

de Sociedades (“RETGS”).

As empresas incluídas no grupo fiscal, a 30 de junho de 2016, tributadas de acordo com

o RETGS são as seguintes:

Futebol Clube do Porto Futebol, S.A.D.

PortoComercial Sociedade de Comercialização, Licenciamento e Sponsorização, S.A.

PortoEstádio, Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, S.A.

PortoSeguro - Sociedade Mediadora de Seguros do Porto, Lda.

Dragon Tour - Agência de Viagens, S.A

FCP Media, S.A.

O imposto sobre o rendimento do exercício é calculado com base nos resultados

tributáveis das empresas incluídas na consolidação e considera a tributação diferida.

De acordo com a legislação em vigor, as declarações fiscais das empresas incluídas na

consolidação estão sujeitas a revisão e correção por parte da Administração Tributária

durante um período de quatro anos (cinco anos para a Segurança Social), exceto

quando tenha havido prejuízos fiscais, tenham sido concedidos benefícios fiscais, ou

estejam em curso inspeções, reclamações ou impugnações, casos estes em que,

dependendo das circunstâncias, os prazos são alongados ou suspensos. Além do

referido na Nota 34 no que diz respeito a inspeções, reclamações e impugnações em

curso, a situação fiscal relativa aos exercícios findos em 30 de junho de 2013 a 30 de

junho de 2016 poderá ainda vir a ser sujeita a revisão e eventuais correções.

A Administração da Empresa-mãe e das suas filiais entende que eventuais correções

resultantes de revisão por parte da Administração Tributária à situação fiscal e parafiscal

das empresas, em relação aos exercícios em aberto, não deverão ter um efeito

significativo nas demonstrações financeiras consolidadas anexas.

Nos termos do artigo 88º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Coletivas, as empresas do Grupo encontram-se sujeitas adicionalmente a tributação

autónoma sobre um conjunto de encargos às taxas previstas no artigo mencionado.

Os impostos diferidos são calculados com base no método da responsabilidade da

demonstração da posição financeira e refletem as diferenças temporárias entre o

montante dos ativos e passivos para efeitos de reporte contabilístico e os respetivos

montantes para efeitos de tributação. Os ativos e passivos por impostos diferidos são

calculados e anualmente avaliados utilizando as taxas de tributação em vigor ou

anunciadas para estarem em vigor à data expectável da reversão das diferenças

temporárias.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 50


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Os ativos por impostos diferidos são reconhecidos unicamente quando existem

expectativas razoáveis de lucros fiscais futuros suficientes para a sua utilização, ou nas

situações em que existam diferenças temporárias tributáveis que compensem as

diferenças temporárias dedutíveis no período da sua reversão. No final de cada período

é efetuada uma revisão desses impostos diferidos, sendo os mesmos reduzidos sempre

que deixe de ser provável a sua utilização futura.

l) Rédito e especialização dos exercícios

O rédito é registado pelo justo valor dos ativos recebidos ou a receber, líquido de

descontos.

i) Vendas

O rédito proveniente de vendas de mercadorias (produtos de merchandising)

apenas é reconhecido na demonstração dos resultados quando: (i) são

transferidos para o comprador os riscos e vantagens significativos da propriedade

dos ativos; (ii) não seja mantido um envolvimento continuado de gestão com grau

geralmente associado com a posse ou o controlo efetivo dos ativos vendidos; (iii)

a quantia do rédito pode ser fiavelmente mensurada; (iv) seja provável que os

benefícios económicos associados com as transações fluam para o Grupo; e (v) os

custos incorridos ou a serem incorridos referentes à transação possam ser

fiavelmente mensurados. As vendas são reconhecidas líquidas de impostos,

descontos e outros custos, incluindo comissões inerentes à sua concretização, pelo

justo valor do montante recebido ou a receber.

ii)

Alienação dos direitos de inscrição desportiva dos jogadores

Os resultados provenientes da alienação dos direitos de inscrição desportiva de

jogadores (“passe”) são registados em rubrica individualizada da demonstração

dos resultados denominada “(Custos)/proveitos com transações de passes de

jogadores”, pelo montante total da transação deduzido do valor líquido

contabilístico do respetivo “passe” e de outras despesas incorridas, incluindo

custos com serviços de intermediação e encargos com responsabilidades com o

mecanismo de solidariedade (que corresponde a uma compensação devida,

aquando da transferência de um jogador para outro clube, antes do término do

respetivo contrato de trabalho desportivo no clube atual, aos clubes anteriores,

nos quais os jogadores estiveram inscritos desde o seu 12º ao 23º aniversário -

este valor corresponde a 5% do valor da transferência, a distribuir

proporcionalmente entre estes, 0,25% do 12º ao 15º aniversário e 0,5% do 16º ao

23º aniversário). Sempre que relevante, é considerado na determinação do valor

da transação, o efeito da atualização financeira dos montantes a receber no

futuro. O reconhecimento do rédito é efetuado apenas no período em que se

considere estarem substancialmente transferidos os riscos e benefícios dos

direitos desportivos inerentes aos “passes” de jogadores.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 51


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

iii)

Contratos de associação de interesses económicos

Os montantes resultantes de celebração de contratos de associação de interesses

económicos que consubstanciem uma parceria de investimento são registados na

demonstração dos resultados ou no passivo, conforme as referidas transações

evidenciem, em função do definido contratualmente, que os riscos e benefícios

significativos tenham sido efetivamente transferidos, ou não, respetivamente.

iv) Prémios de participação em competições europeias

Os prémios distribuídos pela UEFA relativos à participação e ao desempenho nos

jogos das competições europeias de futebol são reconhecidos no período em que

se realizam os referidos jogos.

v) Proveitos diversos

Os proveitos relativos a direitos de transmissões, publicidade, distribuição

televisiva e patrocínios são reconhecidos na demonstração dos resultados de

acordo com o período de duração dos respetivos contratos. Os proveitos relativos

aos jogos, nomeadamente de bilheteiras e lugares anuais, são registados no

período em que os mesmos se realizam.

Os juros e proveitos financeiros são reconhecidos de acordo com o princípio da

especialização dos exercícios e de acordo com a taxa de juro efetiva aplicável.

As restantes receitas e despesas são registadas de acordo com o princípio da

especialização de exercícios pelo qual estas são reconhecidas à medida que são geradas

independentemente do momento em que são recebidas ou pagas. As diferenças entre

os montantes faturados a clientes e por fornecedores e os correspondentes proveitos

e custos gerados são registadas nas rubricas de acréscimos e diferimentos incluídas nas

rubricas “Outros ativos não correntes”, “Outros ativos correntes”, “Outros passivos não

correntes” e “Outros passivos correntes”.

m) Benefícios pós Emprego

O Grupo assumiu o compromisso de conceder a determinados empregados prestações

pecuniárias a título de complementos de pensões de reforma, os quais configuram um

plano de benefícios definidos.

A fim de estimar as suas responsabilidades pelo pagamento das referidas prestações,

foram obtidos cálculos atuariais das responsabilidades determinadas de acordo com o

Projected Unit Credit Method. Os ganhos e perdas atuariais são registados na

demonstração de resultados e de outro rendimento integral no exercício em que

ocorrem, conforme definido na IAS 19.

As responsabilidades por pensões foram reconhecidas à data do balanço na rubrica de

“Responsabilidades por benefícios pós emprego” e representam o valor presente das

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 52


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

obrigações por planos de benefícios definidos, ajustado de ganhos ou perdas atuariais

e/ou de responsabilidades por serviços passados não reconhecidas.

n) Saldos e transações expressos em moeda estrangeira

Todos os ativos e passivos expressos em moeda estrangeira são convertidos para Euros

utilizando as taxas de câmbio oficiais vigentes à data da demonstração da posição

financeira. As diferenças de câmbio, favoráveis e desfavoráveis, originadas pelas

diferenças entre as taxas de câmbio em vigor na data das transações e as vigentes na

data das cobranças, pagamentos ou à data da demonstração da posição financeira, são

registadas como proveitos e custos na demonstração dos resultados do exercício.

o) Eventos subsequentes

Os eventos ocorridos após a data da demonstração da posição financeira que

proporcionem provas ou informações adicionais sobre condições que existiam à data

da demonstração da posição financeira (“adjusting events”) são refletidos nas

demonstrações financeiras do Grupo. Os eventos após a data da demonstração da

posição financeira que sejam indicativos de condições que surgiram após a data da

demonstração da posição financeira (“non-adjusting events”), quando materiais, são

divulgados no anexo às demonstrações financeiras (Nota 35).

p) Julgamentos e estimativas

Na preparação das demonstrações financeiras anexas foram efetuados juízos de valor

e estimativas e utilizados diversos pressupostos que afetaram as quantias relatadas de

ativos e passivos, assim como as quantias relatadas de rendimentos e gastos do

exercício.

As estimativas e os pressupostos subjacentes foram determinados com base no melhor

conhecimento existente à data de aprovação das demonstrações financeiras dos

eventos e transações em curso, assim como na experiência de eventos passados e/ou

correntes. Contudo, poderão ocorrer situações em períodos subsequentes que, não

sendo previsíveis à data de aprovação das demonstrações financeiras, não foram

consideradas nessas estimativas. As alterações às estimativas que ocorram

posteriormente à data das demonstrações financeiras serão corrigidas de forma

prospetiva. Por este motivo e dado o grau de incerteza associado, os resultados reais

das transações em questão poderão diferir das correspondentes estimativas.

As estimativas contabilísticas mais significativas refletidas nas demonstrações

financeiras consolidadas incluem:

(i) Vidas úteis dos ativos tangíveis e intangíveis;

(ii) Análises de imparidade do Goodwill, de ativos financeiros (nomeadamente

Direitos Económicos de jogadores), dos ativos intangíveis valor do plantel

(Nota 2.3.b)), e de outros ativos tangíveis e intangíveis;

(iii) Registo de ajustamentos aos valores do ativo e provisões.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 53


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

q) Informação por segmentos

Em cada exercício, são identificados os segmentos relatáveis aplicáveis ao Grupo mais

adequados tendo em consideração as atividades desenvolvidas.

A informação relativa ao rédito ao nível dos segmentos de negócio identificados é

incluída na Nota 32.

3. GESTÃO DO RISCO FINANCEIRO

Para além dos riscos inerentes aos resultados da atividade desportiva e seus impactos nos

resultados económicos e na valorização dos seus ativos, a atividade do Grupo encontra-se

exposta, igualmente, a uma variedade de riscos financeiros, tais como o risco de mercado,

o risco de crédito e o risco de liquidez. Estes riscos resultam da incerteza subjacente aos

mercados financeiros, a qual se reflete na capacidade de projeção de fluxos de caixa e

rendibilidades. A política de gestão dos riscos financeiros do Grupo, procura minimizar

eventuais efeitos adversos decorrentes destas incertezas características dos mercados

financeiros.

3.1. Risco de mercado

a) Risco de taxa de juro

O risco de taxa de juro é, essencialmente, resultante de endividamento indexado a

taxas variáveis.

O endividamento do Grupo encontra-se indexado a taxas de juro fixas

(essencialmente relativos a empréstimos obrigacionistas) e variáveis, expondo o

custo da dívida a um risco de volatilidade. O impacto dessa volatilidade nos

resultados e no capital próprio do Grupo pode ser significativo em virtude do

elevado nível de endividamento.

Apesar do risco de taxa de juro ser significativo, o Grupo não utiliza, normalmente,

instrumentos financeiros derivados para efeitos de cobertura deste risco.

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o Grupo apresenta um endividamento bruto de,

184.091 milhares de Euros e 172.543 milhares de Euros, respetivamente, divididos

entre empréstimos correntes e não correntes (Notas 18 e 19) contratados junto de

diversas instituições e outros investidores (“Outros credores”).

Análise de sensibilidade de taxa de juro

A análise de sensibilidade que a seguir se apresenta foi determinada com base na

exposição do Grupo a variações na taxa de juro em instrumentos financeiros, tendo

por referência o endividamento na época 2015/2016. Para os instrumentos

financeiros, a análise foi preparada considerando-se que as alterações nas taxas de

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 54


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

juros de mercado afetam o proveito ou custo financeiro dos instrumentos

financeiros indexados a taxas de juros variáveis.

A análise efetuada indicou que se a Euribor tivesse sido 50 pontos base superior e

as restantes variáveis mantidas constantes, os encargos financeiros do exercício

findo em 30 de junho de 2016 viriam aumentados aproximadamente em 277.000

Euros (234.000 Euros em 30 de junho de 2015).

b) Risco de taxa de câmbio

3.2. Risco de crédito

Na sua atividade operacional, o Grupo realiza algumas transações expressas em

outras moedas que não Euro, nomeadamente transações de “passes” de

jogadores. No entanto, o volume dessas transações em moeda estrangeira tem

sido historicamente reduzido, sendo na sua grande maioria expressos em Euros e,

residualmente, em dólares dos Estados Unidos. Assim sendo, o Grupo opta por não

recorrer a instrumentos financeiros derivados de cobertura, nomeadamente

“forwards” de taxas de câmbio.

A exposição do Grupo ao risco de crédito está maioritariamente associada às contas a

receber decorrentes da venda de “passes” de jogadores e outras transações relacionadas

com a atividade que exerce, nomeadamente venda de direitos de transmissões

televisivas, publicidade e patrocínios diversos. O risco de crédito refere-se ao risco da

contraparte incumprir com as suas obrigações contratuais, resultando numa perda para

o Grupo.

A gestão deste risco tem por objetivo garantir a efetiva cobrança dos créditos nos prazos

estabelecidos sem afetar o equilíbrio financeiro do Grupo. Este risco é monitorizado

numa base regular, sendo que o objetivo da gestão é: (a) avaliação da contraparte de

modo a aferir da sua capacidade de cumprir com a dívida; (b) monitorar a evolução do

nível de crédito concedido; e (c) realizar análise de imparidade aos valores a receber

numa base regular.

O Grupo não considera existir risco de crédito significativo com alguma entidade em

particular, ou com algum grupo de entidades com características semelhantes, na

medida em que as contas a receber estão repartidas por diversos clientes e diferentes

áreas geográficas. O Grupo procura obter garantias de crédito, sempre que a situação

financeira do cliente assim o recomende. Para os clientes em que o risco de crédito, ou

o montante da conta a receber, o justifique, essas garantias consubstanciam-se em

garantias bancárias.

As perdas por imparidade para contas a receber são calculadas considerando-se: (a) o

perfil de risco do cliente; (b) o prazo de recebimento de cada contrato, o qual difere de

negócio para negócio; e (c) a condição financeira do cliente. Os movimentos destes

ajustamentos para os exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015 encontram-se

divulgados na Nota 22.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 55


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o Grupo considera que não existe a necessidade de

registo de perdas por imparidade adicionais para além dos montantes registados

naquelas datas e evidenciados de forma resumida na Nota 22.

3.3. Risco de liquidez

O risco de liquidez é definido como sendo o risco de falta de capacidade para liquidar ou

cumprir as obrigações no prazo estipulado e a um preço razoável. A existência de liquidez

implica que sejam definidos parâmetros de gestão dessa liquidez que permitam

maximizar o retorno obtido e minimizar os custos de oportunidade associados à

detenção dessa liquidez de forma segura e eficiente.

A gestão deste risco no Grupo tem por objetivo:

- Liquidez garantir o acesso permanente e de forma eficiente a fundos suficientes

para fazer face aos pagamentos corretos nas respetivas datas de vencimento;

- Segurança minimizar a probabilidade de incumprimento no reembolso de

qualquer aplicação de fundos; e

- Eficiência financeira garantir a minimização do custo de oportunidade da

detenção de liquidez excedentária no curto prazo.

O Grupo tem como política procurar compatibilizar os prazos de vencimento de ativos e

passivos, gerindo as respetivas maturidades de forma equilibrada. Por norma, cada

empréstimo que o Grupo contrai é garantido por uma conta a receber (ou relativa à

venda do “passe” de um jogador, ou por valores a receber relativos a prémios de

competições europeias e a direitos de transmissões televisivas). Também, por norma, os

prazos de vencimento destes financiamentos coincidem ou aproximam-se dos prazos de

recebimento da conta a receber por parte do Grupo.

A informação constante deste anexo, de análise de maturidade dos passivos financeiros,

inclui os montantes em dívida não descontados e tendo por base o cenário mais

pessimista, isto é, o período mais curto em que o passivo se torna exigível, no

pressuposto do cumprimento de todos os requisitos contratualmente definidos.

Relativamente ao risco de liquidez, embora as demonstrações financeiras do Grupo, em

30 de junho de 2016, evidenciem um total do capital próprio atribuível aos acionistas da

Empresa-Mãe negativo em aproximadamente 34 milhões de Euros e um fundo de

maneio negativo em aproximadamente 87 milhões de Euros (25 Milhões de Euros em 30

de junho de 2015), é convicção do Conselho de Administração da FC PORTO, SAD,

suportado em orçamentos de tesouraria anuais, que com base (i) nos financiamentos

entretanto obtidos ou em via de formalização, (ii) na renegociação de prazos de

vencimento de atuais financiamentos, (iii) na realização de uma operação financeira para

reestruturação do passivo, de forma a assentar uma parte significativa deste no longo

prazo, bem como (iv) na previsão do eventual encaixe financeiro e / ou financiamento de

créditos garantidos com a alienação de direitos desportivos de jogadores, tal como tem

vindo a ser prática em exercícios anteriores, este risco encontra-se devidamente

mitigado.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 56


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

3.4. Risco regulatório “Fair Play Financeiro”

A FCP, SAD está sujeita ao sistema de licenciamento para a admissão de clubes de futebol

a participar nas competições organizadas pela UEFA: “Regulamento de Licenciamento de

Clubes para as competições da UEFA” que também incorpora os Regulamentos do Fair

Play.

Este regulamento rege os direitos, tarefas e responsabilidades de todas as partes

envolvidas no sistema de licenciamento de clubes para participação nas competições de

clubes da UEFA e define em particular os critérios desportivos, relativos a infraestruturas,

administrativos e relativos ao pessoal, jurídicos e financeiros mínimos a serem cumpridos

por uma sociedade desportiva para obter uma licença de modo a participar nas

competições de clubes da UEFA como parte do processo de admissão à competição.

De acordo com este sistema a FC PORTO, SAD terá que cumprir um conjunto de

requisitos, de entre os quais se destacam os seguintes:

1. Inexistência de dívidas vencidas e não pagas (i) com clubes de futebol relativamente

a atividades de transferência de direitos económicos de jogadores e (ii) para com

trabalhadores e/ou autoridades tributárias e à Segurança Social;

2. Verificação de equilíbrio (“break even”) agregado entre as receitas relevantes e as

despesas relevantes, cujo desvio aceitável acumulado ascende a 5 milhões de Euros

por um período de monitorização equivalente à soma de 3 exercícios (as três

épocas anteriores, à exceção do primeiro ano de aplicação deste critério (época

2013/2014) em que apenas foram consideradas duas épocas). Este desvio negativo,

no caso da sua existência, poderá ser ultrapassado no caso de tais excessos serem

inteiramente cobertos por contribuições de participações no capital próprio de

acionistas e/ou de partes relacionadas:

• Épocas de 2013/14 e 2014/15 - 45 milhões de Euros;

• Épocas de 2015/16, 2016/17 e 2017/18 - 30 milhões de Euros

As sanções previstas para o não cumprimento destas regras podem incluir (i) avisos, (ii)

multas, (iii) retenção dos prémios pagos e, no limite, (iv) a proibição de participar nas

competições organizadas pela UEFA.

Tendo em consideração os resultados obtidos nos exercícios económicos 2013/14,

2014/15 e 2015/2016 aqui apresentados, o resultado agregado do break even, no

período de monitorização 2013/14 a 2015/2016 da FC PORTO, SAD, será deficitário e

acima do desvio aceitável.

O Conselho de Administração da Sociedade abordou os responsáveis da UEFA no sentido

de explicar os motivos para o deficit apurado, que passaram pela decisão de não alienar

os direitos desportivos de determinados jogadores de forma a não prejudicar a

performance desportiva da equipa.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 57


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

É expectativa do Conselho de Administração da FCP, SAD, à semelhança de processos de

investigação levados a cabo em épocas anteriores por clubes em situação similar, que a

Sociedade tenha que cumprir com algumas obrigações e implementar algumas medidas,

definidas pelo Comité de Controlo Financeiro dos Clubes da UEFA, que tenham como

objetivo o equilíbrio do break-even em exercícios futuros.

No entanto, é convicção do Conselho de Administração da Sociedade, tendo em

consideração processos de investigação levados a cabo em épocas anteriores em clubes

em situação similar, que as medidas passarão por uma abordagem de reequilíbrio

económico-financeiro ao invés de uma mais punitiva, pelo que é expectável que não

tenham um impacto significativo na performance desportiva e económica da Sociedade.

3.5. Risco desportivo

A FCP, SAD tem a sua atividade principal ligada à participação nas competições nacionais

e internacionais de futebol profissional. A Sociedade depende assim da existência dessas

competições desportivas, da manutenção dos seus direitos de participação, da

manutenção do valor dos prémios pagos no âmbito das mesmas e da performance

desportiva alcançada pela sua equipa de futebol profissional, nomeadamente da

possibilidade de apuramento para as competições europeias, principalmente na UEFA

Champions League. Por sua vez, a performance desportiva poderá ser afetada pela venda

ou compra dos direitos desportivos de jogadores considerados essenciais para o

rendimento desportivo da equipa da FCP, SAD.

A FCP, SAD, tal como previsto na atividade das sociedades anónimas desportivas,

procede regularmente à alienação de “passes” dos seus jogadores. Na aquisição de cada

jogador, não há garantias de que o valor de uma potencial alienação corresponda ao seu

justo valor ou sequer que existam compradores interessados em adquirir o “passe” de

um determinado jogador. Como é habitual na sua atividade, a FCP, SAD dispõe de

“passes” de jogadores que poderão ser vendidos a todo o momento, sendo que, em caso

de venda desses “passes”, poderão não ser encontrados jogadores que substituam os

jogadores vendidos, assegurando, pelo menos, o mesmo nível de desempenho.

Parte significativa dos proveitos de exploração da FCP, SAD resulta de contratos de

cedência dos direitos de transmissão televisiva dos jogos de futebol e de contratos

publicitários. Essas receitas estão dependentes da projeção mediática e desportiva da

equipa principal de futebol bem como da capacidade negocial da FCP, SAD face às

entidades a que sejam cedidos os direitos de exploração daquelas atividades.

Adicionalmente, a FCP, SAD está dependente da capacidade das contrapartes dos

referidos contratos cumprirem com os pagamentos acordados e de, no limite, ser

possível encontrar no mercado outras entidades concorrentes daquelas.

Os custos relativos ao conjunto de jogadores de futebol da FCP, SAD assumem um peso

determinante nas suas contas de exploração. A rentabilidade e o equilíbrio económicofinanceiro

do Sociedade estão, por isso, significativamente dependentes da capacidade

da administração da FC Porto SAD para assegurar uma evolução moderada dos custos

médios por jogador e a racionalização do número de jogadores, especialmente tendo em

conta os critérios do Financial Fair Play definidos no ponto 3.4.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 58


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

4. ALTERAÇÕES DE POLÍTICAS, ESTIMATIVAS E ERROS

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2016, a FCP SAD procedeu à alteração da

política contabilística relativa ao reconhecimento do rédito do prémio fixo relativo à

obtenção do direito à participação em competições europeias (na UEFA Champions League

ou na UEFA Europa League), passando a reconhecer o mesmo no exercício em que os jogos

são disputados, e não no exercício em que aquele direito de acesso é garantido, política

esta seguida até ao exercício findo em 30 de junho de 2015 e que foi alterada pelo facto de

a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários entender que esta deverá ser a politica

contabilística a ser seguida.

Caso a FCP, SAD mantivesse a política contabilística adotada até ao exercício findo em 30

de Junho de 2015, os proveitos operacionais e o resultado líquido da Sociedade, no

exercício findo em 30 de Junho de 2016, viriam aumentados em, aproximadamente,

2.000.000 Euros, pelo reconhecimento do rédito do prémio de acesso ao play off da edição

2016/17 da Liga dos Campeões.

5. EMPRESAS FILIAIS INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO

As empresas incluídas na consolidação pelo método integral, conforme referido na Nota 2.2.a),

respetivas sedes, proporção do capital detido e atividade desenvolvida em 30 de junho de 2016

e 2015 são as seguintes:

Denominação social

Sede

social

Atividade desenvolvida % capital

detido

30.06.2016

% capital

detido

30.06.2015

Futebol Clube do Porto

Futebol, S.A.D.

Porto

Participação na modalidade de futebol

em competições desportivas de carácter

profissional, promoção e organização de

espetáculos desportivos

Empresa

mãe

Empresa

mãe

PortoComercial

Sociedade

de

Comercialização,

Licenciamento e

Sponsorização, S.A.

(“PortoComercial”)

Porto

Comercialização de direitos de imagem,

sponsorização, merchandising e

licenciamento de produtos.

93,5% 93,5%

F.C.PortoMultimédia -

Edições Multimédia, S.A.

(“PortoMultimédia”)

Porto

Edição, produção e comercialização de

material multimédia e para a internet,

publicações periódicas e não periódicas.

70% 70%

PortoEstádio Gestão e

Exploração de

Equipamentos

Desportivos, S.A.

(“PortoEstádio”)

Porto

Gestão e exploração de equipamento

desportivo.

100% 100%

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 59


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

PortoSeguro - Sociedade

Mediadora de Seguros do

Porto,

Lda.

(“PortoSeguro”)

Dragon Tour, Agência de

Viagens, S.A.

Porto

Porto

Intermediação de seguros.

Organização e venda de viagens e

pacotes turísticos; bilheteria e reserva de

lugares; representação de outras

agências de viagens e turismo.

FC Porto Media, S.A. Porto Concepção, criação, desenvolvimento,

produção, realização, promoção,

comercialização, aquisição, exploração

de direitos, gravação, distribuição e

difusão de obras e programas

audiovisuais, multimédia, televisão,

vídeo, cinema, canais temáticos,

internet, eventos turísticos, culturais e

desportivos em quaisquer formatos e

sistemas; gestão, exploração e prestação

de serviços nas áreas de gravação,

produção e comunicação de obras

audiovisuais, programas de televisão,

sons, imagens, multimédia e quaisquer

outros audiovisuais; edição de

publicitações periódicas, de livros e de

multimédia.

Euroantas, Promoção e

Gestão

de

Empreendimentos

Imobiliários, S.A.

(“Euroantas”) (a)

Avenida dos Aliados,

Sociedade

de

Comunicação, S.A

(“Avenida dos Aliados”)

(b)

Miragem Produção

audiovisual S.A.

(“Miragem”) (b)

Porto Exploração de Ativos imobiliários,

nomeadamente do “Estádio do Dragão”

Porto

Porto

Exploração de um serviço de programas

televisivo por cabo denominado “Porto

Canal”

Produção e realização de anúncios

publicitários,

reportagens,

documentários e programas para

televisão, em suporte vídeo

(a) Entidade que passou a integrar o perímetro de consolidação em 22 de Outubro de 2014.

(b) Entidades que passaram a integrar o perímetro de consolidação em 10 de Julho de 2015.

90%

93,5%

90%

93,5%

98,78% 98,78%

47% 47%

81,58% -

81,58% -

6. ALTERAÇÕES OCORRIDAS NO PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO

O detalhe dos saldos da rubrica “Goodwill” em 30 de junho de 2016 e 2015 é o seguinte:

30.06.2016 30.06.2015 Variação

PortoSeguro 238.045 238.045 -

Segmento "Porto Canal" 4.231.119 2.901.670 1.329.449

4.469.164 3.139.715 1.329.449

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 60


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Nota: o segmento “Porto Canal” inclui o Goodwill referente às subsidiárias FC Porto - Media,

S.A., Avenida dos Aliados - Sociedade de Comunicações, S.A. e Miragem - Produção

Audiovisual, S.A..

Exercício de 2015/16

No dia 10 de julho de 2015, a FCP Media adquiriu, à Medialuso - Produções para Televisão,

S.A. (“Medialuso”), uma participação equivalente a 99,4% do capital social da Avenida dos

Aliados Sociedade de Comunicações, S.A., que por sua vez detinha 100% do capital social

da subsidiária Miragem Produção Audiovisual, S.A., por 4.000.000 Euros. Na mesma data,

a FCP Media alienou 17% do capital social da Avenida dos Aliados à Mediapro Portugal, SGPS,

S.A. por 684.104 Euros.

Na sequência desta operação a FCP Media passou a deter diretamente 82,4% da Avenida dos

Aliados e a FCP, SAD passou a deter indiretamente 81,58% do capital das sociedades Avenida

dos Aliados e Miragem Produção Audiovisual bem como o controlo das mesmas pelo que

estas sociedades foram incluídas na consolidação pelo método integral com referência

àquela data.

O Goodwill da Avenida dos Aliados e da Miragem resultante da aquisição foi apurada com

base nas demonstrações financeiras das filiais adquiridas reportadas a 1 de julho de 2015.

No exercício de imputação de justo valor aos ativos e passivos adquiridos, e tendo em

consideração o contrato de compra e venda de ações celebrado com a Medialuso, no qual

estava prevista, no prazo de 6 meses após a data de celebração do mesmo (10 de julho), a

dotação do canal de televisão “Porto Canal” dos meios e equipamentos técnicos de

transmissão, foram detetadas diferenças face ao valor contabilístico dos mesmos, tendo

estes mesmos equipamentos sido reconhecidos na rubrica de ativos fixos tangíveis (Nota 7),

no montante de 1.804.440 Euros, valorizados a preços de mercado, através de relatório de

avaliação efetuado por entidade independente. Adicionalmente o Grupo obteve uma

avaliação do imóvel do Porto Canal, através de relatório de avaliação efetuado por entidade

independente, cujo valor de avaliação era superior ao seu valor contabilístico em 477.128

Euros. Consequentemente o valor do Goodwill apurado inicialmente foi diminuído nos

montantes atrás referidos.

O justo valor dos ativos e passivos à data da entrada daquelas sociedades, bem como o

apuramento das diferenças de consolidação geradas são como se segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 61


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Ativos

Segmento

"Porto Canal"

Ativos fixos tangíveis 499.520

Equipamentos cedidos Medialuso 1.804.440

Ajustamento ao justo valor do imóvel Porto Canal 477.128

Clientes 1.887.305

Caixa e depósitos bancários 35.380

Investimentos financeiros 512.745

Diferimentos 1.671

Outras contas a receber 304.732

Passivos

Financiamentos obtidos (150.415)

Fornecedores (3.318)

Diferimentos (3.313)

Outros credores (2.005.346)

Ativos líquidos 3.360.527

Percentagem efectiva total (ii) 81,58%

Valor dos capitais próprios adquiridos 2.741.384

Interesses sem controlo (v) 619.144

Capital próprio (iii) 3.360.527

Valor de aquisição líquido 3.315.896

Valor da participação financeira da Avenida dos Aliados

na subsidiária "Miragem" antes operação de aquisição 510.000

Valor de aquisição total (i) 3.825.896

Goodwill total (iv)=(i)/(ii)-(iii) 1.329.449

Interesses sem controlo totais (vi)=(iv)*[1-(ii)]+(v) 864.081

Exercício de 2014/15

No dia 22 de Outubro de 2014 a FC Porto SAD adquiriu uma participação equivalente a 47% do

capital social da Euroantas ao Futebol Clube do Porto. O Conselho de Administração do FC

Porto, SAD entendeu que, pelo facto de ter adquirido esta participação e ter passado a

controlar as políticas financeiras e operacionais da Euroantas, a FC Porto SAD passou a deter o

controlo sobre a Euroantas, passando esta entidade a integrar o perímetro de consolidação a

partir daquela data.

O justo valor dos ativos e passivos à data da entrada daquela filial (22 de Outubro de 2014),

bem como o apuramento do Goodwill gerado, são como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 62


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Activos

Activos fixos tangíveis (Nota 7) 106.779.263

Clientes 4.154.557

Caixa e depósitos bancários 10.889

Outros activos financeiros 6.298.324

Diferimentos 3.901.535

Outras contas a receber 340.232

Passivos

Financiamentos obtidos (15.269.690)

Outros instrumentos financeiros - derivados (786.967)

Fornecedores (8.845.392)

Diferimentos (18.571.199)

Outros (120.332)

Activos líquidos

Percentagem efectiva total

Valor de aquisição

Diferencial apurado

77.891.220 (iii)

47,00% (ii)

51.756.250 (i)

32.228.461 (iv)=(i)/(ii)-(iii)

Difererença entre o valor contabilístico e valor fiscal do Estádio 10.727.247

Taxa de imposto 21%

Passivos por impostos diferidos

2.252.722 (v)

Goodwill total (Nota 7)

Interesses sem controlo à data da transacção

34.481.183 (vi)=(v)+(iv)

58.363.431 (vii)=(i)/(ii)-(i)

O Goodwill da Euroantas resultante da aquisição foi apurada com base nas demonstrações

financeiras da filial adquirida reportadas a 22 de Outubro de 2014. No exercício de imputação

de justo valor aos ativos e passivos adquiridos foram detetadas diferenças face ao valor

contabilístico dos mesmos, tendo este Goodwill sido alocado integralmente ao valor do ativo

fixo tangível “Estádio do Dragão” (a principal atividade desta Empresa é a exploração de ativos

imobiliários, nomeadamente do “Estádio do Dragão”, sendo este ativo fixo tangível a principal

componente do seu ativo), de acordo com uma avaliação independente.

Caso esta aquisição tivesse sido reportada com efeitos a 1 de Julho de 2014, os

proveitos do Grupo do exercício findo em 30 de Junho de 2015 viriam aumentados no

montante de, aproximadamente, 500.000 Euros e o resultado líquido teria um decréscimo de,

aproximadamente, 7.000 Euros.

7. ATIVOS TANGÍVEIS E OUTROS ATIVOS INTANGÍVEIS

Durante os exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015, o movimento ocorrido no valor dos

ativos tangíveis e outros ativos intangíveis, bem como nas respetivas amortizações e perdas por

imparidade acumuladas, foi o seguinte:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 63


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Ativos tangíveis

30.06.2016

Terrenos e Edifícios e Outras Ativos fixos

recursos outras Equipamento Equipamento Equipamento imobilizações tangíveis em

naturais construções básico de transporte administrativo corpóreas curso Total

Ativo bruto:

Saldo inicial (30.06.2015) 13.830.598 129.492.935 35.398.545 1.143.230 2.312.620 383.183 112.499 182.673.610

Variações de perímetro (Nota 6) 39.649 569.799 971.522 - 106.365 120 - 1.687.455

Imputação de justo valor (Nota 6) - 477.128 1.804.440 - - - - 2.281.568

Adições - 90.324 409.860 - 26.446 - 1.135.751 1.662.381

Transferências - 535.000 713.250 - - - (1.248.250) -

Saldo final (30.06.2016) 13.870.247 131.165.186 39.297.617 1.143.230 2.445.431 383.303 - 188.305.014

Amortizações e perdas por

imparidade acumuladas:

Saldo inicial (30.06.2015) - 22.753.923 16.382.470 1.083.817 2.210.983 277.321 - 42.708.514

Variações de perímetro (Nota 6) - 218.407 891.986 - 77.422 120 - 1.187.935

Depreciações do exercício - 2.861.183 940.617 46.315 53.461 3.061 - 3.904.637

Saldo final (30.06.2016) - 25.833.513 18.215.073 1.130.132 2.341.866 280.502 - 47.801.086

Valor líquido 13.870.247 105.331.673 21.082.544 13.098 103.565 102.801 - 140.503.928

Ativos tangíveis

30.06.2015

Terrenos e Edifícios e Outras Ativos fixos

recursos outras Equipamento Equipamento Equipamento imobilizações tangíveis em

naturais construções básico de transporte administrativo corpóreas curso Total

Activo bruto:

Saldo inicial (30.06.2014) - 1.102.098 3.445.312 1.143.230 2.292.856 256.679 - 8.240.175

Variações de perímetro (Nota 6) 13.830.598 93.909.553 31.833.001 - 19.764 126.504 - 139.719.420

Imputação de justos valor (Nota 6) - 34.481.183 - - - - 34.481.183

Adições - - 120.232 - - - 112.499 232.731

Regularizações - 101 - - - - 101

Saldo final (30.06.2015) 13.830.598 129.492.935 35.398.545 1.143.230 2.312.620 383.183 112.499 182.673.610

Amortizações e perdas por

imparidade acumuladas:

Saldo inicial (30.06.2014) - 815.538 2.797.163 1.037.514 2.136.143 256.411 - 7.042.769

Variações de perímetro (Nota 6) - 19.809.090 13.095.364 - 17.109 18.594 - 32.940.157

Depreciações do exercício - 2.129.295 489.943 46.303 57.731 2.316 - 2.725.588

Saldo final (30.06.2015) - 22.753.923 16.382.470 1.083.817 2.210.983 277.321 - 42.708.514

Valor líquido 13.830.598 106.739.012 19.016.075 59.413 101.637 105.862 112.499 139.965.096

Outros ativos intangíveis

30.06.2016

Propriedade

industrial Outros Total

Ativo Bruto:

Saldo inicial (30.06.2015) 2.465.597 227.432 2.693.029

Regularizações (470.405) 107.038 (363.367)

Saldo final (30.06.2016) 1.995.192 334.470 2.329.662

Amortizações e perdas por

imparidade acumuladas:

Saldo inicial (30.06.2015) 750.545 227.300 977.845

Amortização do exercício 21.459 24.150 45.609

Regularizações (389.097) 25.730 (363.367)

Saldo final (30.06.2016) 382.907 277.180 660.087

Valor líquido 1.612.285 57.290 1.669.575

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 64


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Outros activos intangíveis

30.06.2015

Propriedade

industrial Outros Total

Activo Bruto:

Saldo inicial (30.06.2014) 2.465.597 227.432 2.693.029

Saldo final (30.06.2015) 2.465.597 227.432 2.693.029

Amortizações e perdas de

imparidade acumuladas:

Saldo inicial (30.06.2014) 705.079 223.822 928.901

Amortização do exercício 45.466 3.478 48.944

Saldo final (30.06.2015) 750.545 227.300 977.845

Valor líquido 1.715.052 132 1.715.184

O valor registado na rubrica “Propriedade industrial” respeita ao direito de utilização da

marca FCP por um período de 99 anos, o qual está a ser amortizado naquele período.

8. ATIVOS INTANGÍVEIS - VALOR DO PLANTEL

Durante os exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015, o movimento ocorrido na

rubrica “Ativos intangíveis - Valor do plantel”, bem como nas respetivas amortizações e

perdas por imparidade acumuladas, foi o seguinte:

Ativos intangíveis

- Valor do plantel

30.06.2016 30.06.2015

Valor bruto:

Saldo inicial 120.209.577 117.698.516

Aquisições 75.188.563 53.372.782

Adiantamento por conta de aquisição

de passes de jogadores

2.484.188 -

Alienações (40.020.111) (46.285.529)

Transferências (Nota 9) (720.350) (250.000)

Abates (3.402.673) (4.326.192)

Saldo final 153.739.194 120.209.577

Amortizações e perdas de

imparidade acumuladas:

Saldo inicial 54.299.863 56.192.875

Amortização do exercício (Nota 27) 29.584.867 30.227.292

Perdas por imparidade no exercício (Nota 27) 1.971.283 1.146.645

Alienações (19.357.176) (29.955.014)

Abates (2.238.253) (3.311.935)

Utilização de imparidade (1.146.646) -

Saldo final 63.113.938 54.299.863

Valor líquido 90.625.256 65.909.714

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 65


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Aquisições

As principais aquisições realizadas no exercício findo em 30 de junho de 2016, em valor, podem

ser resumidas como segue:

Jogador

% direitos

económicos

Data de

aquisição

Vendedor

Final do

contrato

Valor total de

aquisição do

passe

Imbula 100% jul-15 Olympique de Marseille jun-20 20.000.000

Corona 70% ago-15 FC Twente jun-20 10.500.000

Felipe 75% jun-16 Corinthias Paulista jun-21 6.000.000

Layún 100% jun-16 Watford jun-19 6.000.000

Marega 100% jan-16 Maritimo da Madeira, Futebol, SAD jun-20 3.800.000

Inácio 50% jun-16 São Paulo Futebol Clube jun-21 3.000.000

Danilo Pereira 80% jul-15 Portimonense Futebol, SAD jun-19 2.800.000

Victor Garcia 50% ago-15 Northfields Sports, B.V. jun-20 1.800.000

André André 100% jul-15 Vitória Sport Clube - Futebol, SAD / Onsoccer jun-19 1.500.000

Suk 70% jan-16 Vitória Futebol Clube, SAD jun-20 1.500.000

Aboubakar 10% set-15 e jan-16 FC Lorient jun-18 1.300.000

Outros 5.050.000

Encargos relacionados com aquisições de "passes" de jogadores 15.162.610

78.412.610

Efeito atualização financeira (3.224.047)

Valor líquido 75.188.563

A rubrica “Encargos adicionais” refere-se a gastos relacionados com as aquisições de direitos

económicos, nomeadamente encargos com serviços de intermediação, serviços legais,

prémios de assinatura de contratos, entre outros custos relacionados com a aquisição dos

direitos económicos.

De referir que nas situações em que a percentagem do passe adquirida é inferior a 100%,

significa que apesar da Sociedade deter integralmente o direito de inscrição desportiva,

mantém com entidade terceira uma associação de interesses económicos que consubstancia

uma parceria de investimento, resultando na partilha proporcional dos resultados inerentes à

futura transação daqueles direitos, caso ocorra.

As principais aquisições realizadas no exercício findo em 30 de junho de 2015, em valor, podem

ser resumidas como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 66


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Jogador

% direitos

económicos

Data de

aquisição

Vendedor

Final do

contrato

Valor total de

aquisição do

passe

Adrian Lopez 60% jul/14 Club Atlético de Madrid jun/19 11.000.000

Martins Indi 100% jul/14 Feyenoord Rotterdam N.V. jun/18 7.700.000

Brahimi 100% jul/14 Granada Club de Futbol jun/19 6.500.000

Quintero 50% dez/14 Delfino Pescara 1936 SRL jun/17 4.500.000

Aboubakar 30% ago/14 Football Club Lorient jun/18 3.000.000

Marcano 100% ago/14 Football Club Rubin jun/18 2.650.000

Hernani 75% fev/15 Vitória Sport Clube - Futebol, SAD jun/19 2.900.000

Otávio 33% ago/14 Coimbra Esporte Clube Ltda. jun/19 2.500.000

Evandro 100% jul/14 Estoril Praia, SAD jun/18 2.350.000

Outros 4.492.963

Encargos relacionados com aquisições de "passes" de jogadores 8.358.018

55.950.981

Efeito atualização financeira (2.578.199)

Valor líquido 53.372.782

Os encargos com serviços de intermediação nas aquisições de passes de jogadores acima

referidos realizados nos exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015, bem como na

negociação e renegociação dos contratos de trabalho com jogadores, ascenderam a um total

de 13.013.878 Euros e 6.863.545 Euros, respetivamente.

No exercício findo em 30 de junho de 2016, os serviços de intermediação foram prestados

pelas entidades Onsoccer International - Gestão de Carreiras Desportivas, S.A., Media Base

Sports, S.L., 380 Around Marketing, S.L., Northfields Sport BV, Cantera Latina SA de CV,

Tigerfish Ltd., Energy Soccer, Proeleven Gestão Desportiva, Lda, Calitecs SA, Alexander Zahavi

Unipessoal, Lda., Gondry Financial Services Limited, Gopro Sport Management, S.A., Vela

Management Limited, RAMP Management Group International, Jorge António Berlanga

Amaya, Team Management, Ricardo Calleri, Onsidefoot Malta Limited,

C.B.Nafricatalentssport, Lda., For Gool Company Ltd., Sidius Unipessoal, Lda, D20 Sports

Management Limited, Pacheco & Teixeira Lda., Buga Assesssoria em Marketing Esportivo

Ltda. e Bertolucci Assessoria e Propaganda Esportiva Ltda. e Normam Capuozzo Silva.

No exercício findo em 30 de junho de 2015, os serviços de intermediação foram prestados

pelas entidades Gespro Sport, SL, Bahía Atlántica S.L., Japer Sport, S.R.L., Eurogol Consultoria

e Marketing Esportivo, Ltda, Gesdek Gestão Desportiva, Lda., RAMP Managment Group

International, A.R.B. Sport Asesores SL, Idub Servicios Desportivos, SL, Idoloasis Soc.

Unipessoal, Lda., Termford Managment Limited, SP International Management GMBH,

Northfields Sports B.V, Tramontin Advogados, Foot2Foot Gestão de Carreiras Desportivas,

Lda., Prestige Sports Managment Limited, FootInvest, SA, D.L. Soccer Service SAS, JOD - Gestão

de carreiras desportivas, Lda., Vela Managment Limited e Unifoot Gestão e Eventos de

carreiras de profissionais desportivos, S.A., Nescar Sports, S.L. e pelos agentes Maxime Nana,

Luis Pompeo, Graham Heydorn e José Caldeira.

O montante das aquisições dos passes dos jogadores realizadas nos exercícios findos em 30 de

junho de 2016 e 2015, considera os efeitos da atualização financeira, quando aplicável, no

montante de, aproximadamente, 3.224.047 Euros e 2.578.199 Euros, respetivamente,

referente à parcela que se vence a médio prazo das contas a pagar relativamente à aquisição

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 67


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

de passes de jogadores, nomeadamente Imbula, Inácio, Corona, Marega, Felipe, Layún e Danilo

Pereira (30 de junho de 2016) e de Adrian Lopez, Brahimi, Evandro, Martins Indi, Octávio,

Hernâni, Sérgio Oliveira e Quintero (em 30 de junho de 2015).

Alienações

As alienações no exercício findo em 30 de junho de 2016, que geraram mais-valias no

montante de 40.222.955 Euros (Nota 27), resultaram, essencialmente, da:

a) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Alex Sandro à Juventus, pelo

montante de 26.000.0000 Euros, que gerou uma mais-valia de 21.362.880 Euros, após

dedução do valor global 4.637.120 Euros relativo a: (i) efeito de atualização financeira das

contas a receber a médio prazo originadas por estas transações; (ii) responsabilidades

com o mecanismo de solidariedade, (iii) valores a pagar ao jogador a título de

indemnização e (iv) do valor líquido contabilístico do passe à data da alienação.

b) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Imbula ao Stoke City pelo

montante de 24.000.000 Euros, que gerou uma mais-valia de 3.867.345 Euros, após

dedução do valor global de 3.048.638 Euros relativo a (i) efeito de atualização financeira

das contas a receber a médio prazo originadas por estas transações (ii) responsabilidades

com o mecanismo de solidariedade, (iii) custos com serviços de intermediação prestados

pela sociedade Kick International Agency B.V. e (iv) do valor líquido contabilístico do passe

à data de alienação. A Sociedade mantém ainda o direito a receber 15% da mais valia

obtida numa futura transferência do referido jogador (liquida dos valores pagos pelo

Stoke City à Sociedade).

c) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Maicon ao São Paulo, pelo

montante de 12.000.000 Euros, que gerou uma mais-valia de 9.093.100 Euros, após

dedução do valor global de 2.906.900 Euros relativo a: (i) efeito da atualização financeira

das contas a receber a médio prazo originadas por estas transações; (ii) responsabilidades

com o mecanismo de solidariedade; (iii) custos com serviços de intermediação prestados

pela Company Overview of Teo Co., Ltd. e (iv) do valor líquido contabilístico do passe à

data da alienação.

As alienações no exercício findo em 30 de junho de 2015, que geraram mais-valias no

montante de 86.470.297 Euros (Nota 27), resultaram, essencialmente, da:

a) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Mangala ao Manchester City,

pelo montante de 30.503.590 Euros, que gerou uma mais-valia de 22.806.942 Euros, após

dedução do valor global de 11.073.331 Euros relativo a: (i) efeito da atualização financeira

das contas a receber a médio prazo originadas por estas transações; (ii) responsabilidades

com o mecanismo de solidariedade; (iii) custos com serviços de intermediação prestados

pela Gestifute Gestão de carreiras de Profissionais Desportivos, S.A; (iv) valores a pagar

ao jogador a título de indemnização; (v) do valor líquido contabilístico do passe à data da

alienação. Adicionalmente, o clube comprador assumiu a obrigação de pagar diretamente

à Doyen a proporção que esta entidade detinha sobre os direitos económicos do jogador

pelo que o passivo reconhecido na rubrica de “Outros Credores” em 30 de junho de 2014,

no montante de 3.376.684 Euros, foi revertido e reconhecido no cálculo da mais-valia;

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 68


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

b) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Defour ao Anderlecht, pelo

montante de 6.000.000 de Euros, que gerou uma mais-valia de 2.683.593 Euros, após

dedução do valor global de 3.316.407 Euros relativo a: (i) efeito da atualização financeira

das contas a receber a médio prazo originadas por estas transações (ii) responsabilidades

com o mecanismo de solidariedade; (iii) proporção do valor de venda do passe detida por

terceiros (10%); (iv) anulação de valores a pagar ao jogador; e (v) valor líquido

contabilístico do passe à data da alienação;

c) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Danilo ao Real Madrid, pelo

montante de 31.500.000 Euros, que gerou uma mais-valia de 23.101.403 Euros, após

dedução do valor global de 8.398.597 Euros relativo a: (i) efeito da atualização financeira

das contas a receber a médio prazo originadas por estas transações; (ii) partilha da parte

da mais-valia com o Santos Futebol Clube; (iii) custos com serviços de intermediação

prestados pela Elenka B2F Sports LTDA; e (iv) valor líquido contabilístico do passe à data

da alienação.

d) Alienação dos direitos de inscrição desportiva do jogador Jackson Martinez ao Atlético de

Madrid, pelo montante de 35.000.000, que gerou uma mais-valia de 26.633.515 Euros,

após dedução do valor global 8.366.485 Euros relativo a (i) proporção do valor de venda

do passe detida por terceiros (5%), (ii) proporção do valor da mais-valia atribuível à

Northfields Sports B.V., (iii) valor da indemnização decorrente da rescisão do contrato de

trabalho desportivo do jogador; e (iv) valor líquido contabilístico do passe à data da

alienação.

Perdas por imparidade no exercício

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2016 foram registadas perdas por imparidade no

montante de 1.971.283 Euros relativamente aos passes dos jogadores Helton pelo facto da FC

Porto SAD ter rescindido o contrato de trabalho com este jogador no início da época desportiva

2016/17 e do Ghilas pelo facto do jogador se encontrar emprestado na época 2016/17, no seu

último ano de contrato (Nota 2.3.b), entre outros.

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2015 foram registadas perdas por imparidade no

montante de 1.146.645 Euros relativamente aos passes dos jogadores Djalma, Opare e

Quinõnes, pelo facto da FC Porto SAD ter rescindido o contrato de trabalho com estes

jogadores no início da época desportiva 2015/16.

Valor do plantel

Em 30 de junho de 2016 e 2015, a agregação dos jogadores por classe de valor líquido

contabilístico dos respetivos “passes” é como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 69


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Valor líquido Nº de Valor Nº de Valor

contabilístico do passe atletas acumulado atletas acumulado

Superior a 2.000 mEuros 15 63.596.063 12 46.152.407

Entre 1.000 mEuros e 2.000 mEuros 9 13.308.648 5 7.860.617

Inferior a 1.000 mEuros 45 13.720.545 40 11.896.690

69 90.625.256 57 65.909.714

Em 30 de junho de 2016 e 2015, no valor líquido do plantel estão inseridos os seguintes

jogadores:

30.06.2016 30.06.2015

Fim do

Fim do

Jogador % Passe contrato % Passe contrato

Corona 70% jun-20 - -

Felipe 75% jun-21 - -

Layún 100% jun-19 - -

Adrian Lopez 60% jun-19 60% jun-19

Quintero (d) 100% jun-21 100% jun-17

Marega (a) 100% jun-20 - -

Brahimi (b) 50% jun-19 50% jun-19

Martins Indi (a) 100% jun-18 100% jun-18

Herrera 80% jun-19 80% jun-17

Aboubakar (a) 40% jun-18 30% jun-18

Danilo Pereira 80% jun-19 - -

Inácio 50% jun-21 - -

Maxi Pereira 100% jun-18 - -

Hernâni (a) 85% jun-19 75% jun-19

Diego Reyes (a) 47,5% jun-18 47,5% jun-18

Otavio 32,5% jun-19 32,5% jun-19

Marcano 100% jun-18 100% jun-18

Kayembe 85% jun-19 85% jun-19

Suk (a) 70% jun-20 - -

Evandro 100% jun-18 100% jun-18

Victor Garcia (a) 60% jun-20 10% jun-16

André André 100% jun-19 - -

Gudiño 85% jun-20 85% jun-18

Alex Sandro (c) - - 100% jun-16

(a) Jogador emprestado a outro Clube ou Sociedade Anónima Desportiva na época 2016/17, cujo período de empréstimo

contratado não ultrapassa 30 de junho de 2017;

(b) Jogadores cuja percentagem dos direitos económicos evidenciada está deduzida, em 30 de junho de 2016, da parcela de 50%

cedida, em regime de associação económica, a terceiros;

(c) Jogador alienado a outro Clube ou Sociedade Anónima Desportiva durante a época desportiva 2015/16.

(d) Jogador emprestado a outro Clube ou Sociedade Anónima Desportiva na época 2016/17, cujo período de empréstimo

contratado não ultrapassa 31 de dezembro de 2017.

As percentagens de “passe” acima evidenciadas têm em consideração a partilha dos direitos

económicos efetuada na data de aquisição dos direitos desportivos de cada jogador, ou alienados

em data posterior, bem como as percentagens atribuídas pela FC Porto, SAD a terceiras entidades

relativas à partilha do valor resultante de alienações futuras daqueles passes.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 70


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Adicionalmente, foram estabelecidos compromissos com terceiros, nomeadamente clubes e

agentes desportivos, no sentido de repartir o valor de futuras mais-valias que venham a ser obtidas

através da alienação dos direitos desportivos de jogadores detidos pela FC Porto SAD, mediante

verificação de condições específicas definidas contratualmente.

Em 30 de junho de 2016, a FC Porto SAD mantinha no seu plantel “passes” de jogadores que haviam

sido dados como garantia de financiamentos, tal como segue:

Banco

Montante a

30.06.2016 Data de vencimento "Passes" de atletas Fim contrato

Millennium BCP 1.250.000 30-06-2017 Helton Jun17

Novo Banco 17.000.000 30-09-2016 Herrera e Brahimi Jun19

Adicionalmente, foram estabelecidos acordos de opções de compra e venda de direitos

económicos de jogadores, com terceiros, nomeadamente clubes e agentes desportivos, exercíveis

por períodos de tempo e por montantes definidos contratualmente.

9. OUTROS ATIVOS FINANCEIROS

Durante os exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015, o movimento ocorrido na rubrica

“Outros ativos financeiros” bem como nas respetivas perdas por imparidade acumuladas, foi

o seguinte:

Outros ativos financeiros

30.06.2016 30.06.2015

Valor bruto:

Saldo inicial 315.426 1.923.036

Aquisições 14.870 157

Transferências (Nota 8) 720.350 250.000

Alienações - (658.333)

Abates (503.524) (1.199.434)

Saldo final 547.122 315.426

Perdas por imparidade

acumuladas

Saldo inicial 23.259 1.202.037

Perdas por imparidade no período (Notas 22 e 29) 560.944 432.114

Alienações - (411.458)

Abates (503.524) (1.199.434)

Saldo final 80.679 23.259

Valor líquido 466.443 292.167

O detalhe desta rubrica em 30 de junho de 2016 e 2015 é como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 71


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Custo de

Custo de

Descrição % participação aquisição % participação aquisição

Outras ativos financeiros: 30.147 15.277

Outras investimentos:

Chidera Ezeh 50% 325.205 - -

Quiñones 30% 126.608 - -

Carlos Eduardo 25% - 50% 250.000

Outros jogadores 65.162 50.150

516.975 300.150

Perdas por imparidade acumuladas (Nota 22) (80.679) (23.260)

466.443 292.167

A rubrica “Outros ativos financeiros”, acima detalhada, considera direitos económicos sobre

diversos jogadores, relativamente aos quais a FC Porto, SAD alienou os direitos de inscrição

desportiva, tendo mantido parte dos direitos económicos.

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2016 e 2015 foram estimadas imparidades relativas

a estes direitos económicos de jogadores que correspondem à melhor estimativa do Conselho de

Administração do valor recuperável esperado destes investimentos.

10. GOODWILL

No exercício findo em 30 de junho de 2016 e 2015, o detalhe do Goodwill é como se segue:

30.06.2016 30.06.2015 Variação

PortoSeguro 238.045 238.045 -

Segmento "Porto Canal" 4.231.119 2.901.670 1.329.449

4.469.164 3.139.715 1.329.449

O saldo desta rubrica em 30 de junho de 2016, respeita às diferenças de consolidação (“Goodwill”)

apuradas:

(i) Porto Seguro:

No exercício findo em 30 de junho de 2007, na aquisição de 90% do capital da

PortoSeguro, Lda., no montante de 717.647 Euros, deduzidas de perdas por imparidade

acumuladas apuradas em exercícios anteriores, no montante de 479.602 Euros.

(ii) Segmento “Porto Canal”:

a. No exercício findo em 30 de junho de 2014, na sequência da operação de aumento

de capital na FCP Media, S.A., passando a FCP SAD a deter 98,78% do capital da

mesma, no montante de 2.901.670 Euros.

b. No exercício findo em 30 de junho de 2016, na sequência da aquisição por parte da

FCP Media à Mediluso - Produções para Televisão, S.A., de uma participação de 82,4%

da Avenida dos Aliados, a FCP, SAD passou a deter indiretamente 81,58% do capital

das sociedades Avenida dos Aliados e Miragem Produção Audiovisual, no montante

global de 1.329.449 Euros.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 72


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O Grupo efetua testes anuais de imparidade sobre o “Goodwill” e sempre que existam

indicações que o mesmo possa estar em imparidade. Durante os exercícios findos em 30 de

junho de 2016 e 30 de junho 2015, o Grupo procedeu à análise de imparidade de “Goodwill”

não se tendo verificado a necessidade do reconhecimento de qualquer ajustamento adicional.

Para efeitos da análise de imparidade das subsidiárias Porto Seguro e do segmento “Porto

Canal”, a quantia recuperável foi determinada com base no valor de uso, de acordo com o

método dos fluxos de caixa descontados, tendo por base o business plan desenvolvido pelos

responsáveis daquelas empresas e devidamente aprovado pelo Conselho de Administração da

Sociedade.

Os pressupostos fundamentais utilizados nos referidos business plans (para o segmento “Porto

Canal” e Porto Seguro) são como segue:

Período utilizado: Projeções de cash-flows para 5 anos

Taxa de crescimento (g) (1) 2,0%

Taxa de desconto utilizada (2) 8%

(1)

Taxa de crescimento usada para extrapolar os cash-flows para além do período considerado

no business plan

(2)

Taxa de desconto aplicada aos cash-flows projetados

O Conselho de Administração, suportado no valor dos fluxos de caixa previsionais das

subsidiárias acima referidas, descontados à taxa de 8%, concluiu que, em 30 de junho de 2016,

os respetivos valores recuperáveis, excediam os seus valores contabilísticos dos ativos líquidos,

não tendo sido apurada qualquer necessidade de registo de imparidade.

A Empresa fez análises de sensibilidade, como segue:

- um aumento de 0,5% no pressuposto da taxa de desconto ao longo dos anos das projeções

não geraria perdas por imparidade adicionais, em 30 de junho de 2016.

- uma diminuição de 0,5% no pressuposto da taxa de crescimento na perpetuidade não geraria

perdas por imparidade adicionais, em 30 de junho de 2016.

As projeções dos fluxos de caixa basearam-se no desempenho histórico e nas expectativas de

desenvolvimento do negócio.

11. CLIENTES

Ativo não corrente

O detalhe dos saldos não correntes da rubrica “Clientes” em 30 de junho de 2016 e 2015 é o

seguinte:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 73


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Clientes - conta corrente:

Transações com passes de jogadores 17.713.096 14.500.000

17.713.096 14.500.000

Atualização de dívidas de terceiros (2.023.564) (954.816)

15.689.532 13.545.184

Ativo corrente

O detalhe dos saldos correntes da rubrica “ Clientes” em 30 de junho de 2016 e 2015 é o

seguinte:

30.06.2016 30.06.2015

Clientes - conta corrente:

Transações com passes de jogadores 50.695.129 60.563.818

Operações correntes 36.819.643 14.405.300

87.514.772 74.969.118

Clientes de cobrança duvidosa 5.482.393 5.039.019

92.997.165 80.008.137

Atualização de dívidas de terceiros (844.888) (211.193)

Perdas por imparidade acumuladas (Nota 18) (5.482.393) (5.039.019)

86.669.884 74.757.925

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o saldo das rubricas corrente e não corrente de “Clientes

Transações com passes de jogadores” inclui, essencialmente, as seguintes contas a receber:

Entidade jun-16 jun-15

Corrente Não corrente Corrente Não corrente

Juventus Football Club SPA 14.462.055 7.713.096 - -

Stoke City 13.370.000 - - -

Real Madrid 12.356.500 - 9.356.500 12.000.000

Al Hilal 3.241.387 - 5.500.000 -

Doyen Sports Investments Limited 2.788.750 - 2.500.000 2.500.000

São Paulo 2.657.970 10.000.000 2.000.000 -

Portimonense Futebol SAD 615.000 - - -

Clube Atlético Paranaense 500.000 - - -

Real Sociedad de Fútbol, Sad 300.000 - - -

Manchester City 9.545 - 2.719.255 -

Atlético de Madrid - - 35.000.000 -

Fluminense FC - - 2.125.000 -

Kasimpasa - - 529.000 -

Gol Football Luxembourg - - 375.000 -

Outros 393.922 - 459.063 -

50.695.129 17.713.096 60.563.817 14.500.000

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 74


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Em 30 de junho de 2016, os saldos a receber das entidades acima referidas resultaram,

essencialmente, da alienação dos direitos económicos dos jogadores Alex Sandro, Imbula,

Danilo, Celestin Djim, Carlos Eduardo e Maicon.

O saldo da rubrica do ativo corrente “Clientes Operações correntes” inclui saldos resultantes

de operações diversas, com destaque para os montantes a receber:

(i)

(ii)

do Futebol Clube do Porto (“Clube”) (14.828.271 Euros em 30 de junho de 2016 e

7.412.444 Euros em 30 de junho de 2015;

da Altice Picture S.A.R.L. no montante de 12.5000.000 Euros decorrente do acordo

de direitos de transmissão de jogos celebrado.

A exposição do Grupo ao risco de crédito é atribuível às contas a receber da sua atividade

operacional. Os montantes apresentados na demonstração da posição financeira encontramse

líquidos das perdas por imparidade acumuladas para cobranças duvidosas que foram

estimadas pela Sociedade, de acordo com a sua experiência e com base na sua avaliação da

conjuntura e envolventes económicas. A Sociedade entende que os valores contabilísticos das

contas a receber, líquidas de perdas por imparidade, se aproximam do seu justo valor.

Em 30 de junho 2016 não existem indicações de que não serão cumpridos os prazos normais

de recebimento relativamente aos valores incluídos na rubrica de Clientes, dos saldos não

vencidos e para os quais não existe imparidade registada.

Em 30 de junho de 2016 e 2015 a antiguidade dos saldos de clientes pode ser analisada como

segue:

30.06.2016 Total - 90 dias 90 - 180 dias 180 - 360 dias + 360 dias

Clientes conta corrente 87.514.772 69.409.250 3.761.206 5.935.601 8.408.715

Transações com passes de jogadores 50.695.129 47.244.573 1.707.972 1.162.846 579.738

Operações correntes 36.819.643 22.164.677 2.053.234 4.772.755 7.828.977

Clientes de cobrança duvidosa 5.482.393 - - - 5.482.393

92.997.165 69.409.250 3.761.206 5.935.601 13.891.108

30.06.2015 Total - 90 dias 90 - 180 dias 180 - 360 dias + 360 dias

Clientes conta corrente 74.969.118 64.663.490 1.147.664 2.281.532 6.876.432

Transações com passes de jogadores 60.563.818 57.809.818 60.000 2.205.000 489.000

Operações correntes 14.405.300 6.853.672 1.087.664 76.532 6.387.432

Clientes de cobrança duvidosa 5.039.019 - - - 5.039.019

80.008.137 64.663.490 1.147.664 2.281.532 11.915.451

A 30 de junho de 2016 e 2015 a maioria do saldo de “Clientes conta corrente Transações

com passes de jogadores” com antiguidade acima de 180 dias diz respeito a valores

contratualmente definidos, não se registando casos de atrasos de recebimento significativos.

A 30 de junho de 2016 e 2015 uma parte significativa do saldo de “Clientes conta corrente

Operações correntes” com antiguidade acima de 180 dias diz respeito às contas a receber do

Futebol Clube do Porto.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 75


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A 30 de junho de 2016 saldo da rubrica “Clientes de cobrança duvidosa” considera, na sua

maioria, contas a receber de clubes de futebol, como sejam da União Desportiva de Leiria,

Futebol SAD e Esporte Clube Vitória, entre outros.

Na determinação da recuperabilidade dos valores a receber de clientes o Grupo analisa todas

as alterações de qualidade de crédito das contrapartes desde a data da concessão do crédito

até à data de reporte das demonstrações financeiras. O Grupo não tem uma concentração

significativa de riscos de crédito, dado que o risco se encontra diluído por um conjunto disperso

de clientes. A Administração considera que o risco de crédito não excede a perda de

imparidade registada para clientes de cobrança duvidosa e que a máxima exposição ao risco

de crédito corresponde ao total de clientes evidenciado na demonstração da posição

financeira.

12. INVENTÁRIOS

O detalhe da rubrica “Inventários” em 30 de junho de 2016 e 2015 o seguinte:

30.06.2016 30.06.2015

Mercadorias 3.121.571 2.789.761

Perdas por imparidade acumuladas em inventários (Nota 22) (572.196) (609.451)

2.549.375 2.180.310

A rubrica de inventários a 30 de junho de 2016 e 2015 considera as mercadorias afetas à

exploração das áreas comerciais do Futebol Clube do Porto, efetuada pela subsidiária

PortoComercial.

O custo das mercadorias vendidas em 30 de junho de 2016 e 2015 foi apurado como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Saldo inicial 2.789.761 1.974.275

Compras 3.362.322 3.238.220

Regularizações (86.648) -

Saldo final 3.121.571 2.789.761

2.943.864 2.422.734

Perdas por imparidade (Nota 22) 60.131 232.158

Custo das mercadorias vendidas e das matérias consumidas 3.003.995 2.654.892

13. OUTROS ATIVOS NÃO CORRENTES E CORRENTES

Outros ativos não correntes

O detalhe dos saldos da rubrica “Outros ativos não correntes” em 30 de junho de 2016 e 2015,

é o seguinte:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 76


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Adiantamento renda Museu (exploração comercial) 6.375.000 7.875.000

Adiantamento renda Centro de Treinos do Olival 180.723 216.867

Devedores por aquisição de investimentos financeiros 256.537 -

6.812.260 8.091.867

Em 30 de junho de 2016 as rubricas corrente e não corrente “Devedores por aquisição de

investimentos financeiros” diz respeito ao valor a receber pela alienação de 17% do capital

social da Avenida dos Aliados, por parte da FCP Media à Mediapro Portugal, SGPS, S.A. (Nota

6).

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2014 foi assinado entre a Porto Comercial e o

Futebol Clube do Porto um contrato de exploração do Museu do FCP (cuja abertura ao público

ocorreu em Outubro de 2013). De acordo com este contrato a Porto Comercial adquiriu o

direito de exploração do Museu durante um período de 8 anos tendo pago antecipadamente

o montante de 12.000.000 Euros relativos às rendas vincendas. Em 30 de junho de 2016 a

rubrica de outros ativos não correntes Adiantamento renda da exploração do Museu

corresponde às rendas do exercício de 2017/18 e seguintes.

Outros ativos correntes

O detalhe dos saldos da rubrica “Outros ativos correntes” em 30 de junho de 2016 e 2015 é o

seguinte:

30.06.2016 30.06.2015

Outras dívidas a receber

Estado e outros entes públicos 976.216 3.744.503

Outros devedores 2.384.503 3.547.165

3.360.719 7.291.668

Acréscimos de Rendimentos

Prémios de participação na Liga dos Campeões a receber - 12.000.000

Protocolo de prestação de serviços - FCP 750.000 1.500.000

Direitos de transmissão 2.166.667

Receitas publicitárias/patrocínio não faturadas 1.656.141 -

Indemnizações de seguros 83.274 -

Prémio de participação dos jogadores da FC Porto, SAD

no Europeu de Futebol 2016 a receber

500.084 -

Devedores por aquisição de investimentos financeiros 171.028 -

Outros acréscimos de rendimentos 531.980 151.885

Gastos diferidos

Adiantamento por conta de despesas relativas à época seguinte 893.977 1.619.545

Adiantamento renda exploração do Museu 1.500.000 1.500.000

Seguros 328.807 251.789

Outros Gastos Diferidos 209.086 256.318

8.791.044 17.279.537

12.151.763 24.571.205

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 77


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Em 30 de junho de 2016 e 2015 o montante relevado na rubrica “Outros devedores” inclui

adiantamentos efetuados a atletas no montante de 800.083 Euros e 1.428.279 Euros,

respetivamente.

Em 30 de junho de 2016 e 2015 o montante relevado na rubrica “Adiantamento por conta de

despesas relativas à época seguinte” inclui essencialmente gastos diferidos relacionados com

contratos de scouting (634.914 Euros em 30 de junho de 2016 e 223.744 Euros em 30 de junho

de 2015) e gastos diferidos com empréstimos de jogadores e intermediação de treinadores

(249.892 Euros em 30 de junho de 2016 e 1.277.213 Euros em 30 de junho de 2015).

14. CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

Caixa e Equivalentes de caixa

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o detalhe de “Caixa e equivalentes de caixa” é o seguinte:

30.06.2016 30.06.2015

Numerário 4.633 23.727

Depósitos bancários imediatamente mobilizáveis 3.441.179 17.951.996

Aplicações de tesouraria 3.370.380 265.000

6.816.192 18.240.722

Em 30 de junho de 2016 e 2015 os montantes registados na rubrica de “Aplicações de

Tesouraria” referem-se a depósitos a prazo mobilizáveis a menos de 3 meses e que vencem

juros a taxas de mercado.

Outros ativos financeiros - corrente

Em 30 de junho de 2016 e 2015 a rubrica de “Outros ativos financeiros” no valor de 6.621.556

Euros e 6.826.271 Euros respetivamente, refere-se a montantes de disponibilidades afetos a

reservas para o serviço da dívida (4.514.907 euros em 30 de junho de 2016 e 4.529.224 Euros

em 30 de junho de 2015) e para outros custos de exploração e manutenção do Estádio do

Dragão (2.106.649 Euros em 30 de junho de 2016 e 2.297.047 Euros em 30 de junho de 2015),

conforme referido na Nota 18 deste anexo às demonstrações financeiras.

Pagamentos e recebimentos de investimentos financeiros

Em 30 de Junho de 2016 os pagamentos de investimentos financeiros, no montante de

1.500.000 Euros, referem-se aos pagamentos efetuados à Medialuso pela aquisição da

participação de 99,4% do capital social da Avenida dos Aliados Sociedade de Comunicações,

S.A. (Nota 6).

Em 30 de Junho de 2016 os recebimentos de investimentos financeiros, no montante de

256.539 Euros, referem-se aos recebimentos da Mediapro Portugal, SGPS, S.A. relativamente

à alienação de 17% do capital social da Avenida dos Aliados (Nota 6).

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 78


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

15. IMPOSTOS

Os prejuízos fiscais reportáveis, conforme declarações de rendimentos apresentadas pelas

sociedades que integram o perímetro de consolidação e outros registos das mesmas,

ascendiam a 78.732.377 Euros e vencem-se como segue:

Montante

Caducidade

Gerados no exercício findo em:

30 de Junho de 2013 1.190.982 30 de junho de 2018

30 de Junho de 2014 38.434.907 30 de junho de 2019

30 de Junho de 2015 56.941 30 de junho de 2027

30 de junho de 2016 39.049.547 30 de junho de 2028

78.732.377

Impostos correntes

A reconciliação do resultado antes de imposto com o imposto sobre o rendimento é como

segue:

30.06.2016 30.06.2015

Resultado antes de impostos (57.340.934) 20.558.484

A acrescer:

Variações pat. positivas não reflectidas no resultado liquido do periodo (art. 21.º) 723.050 -

Provisões não dedutíveis ou para além dos limites legais 2.912.859 1.756.485

Perdas por imparidade para além dos limites legais 69.576 -

Mais valias fiscais (1) 38.613.220 60.053.122

Gastos de financiamento não dedutíveis (3) 12.988.196 -

Gastos de benefícios de cessação de emprego, benefícios de reforma

e outros benefícios pós emprego ou a longo prazo

908.851 792.195

Ajust. val ativos não dedutiveis ou para além dos limites legais 338.475 -

Outros 1.663.121 1.166.675

A deduzir:

Mais valias contabilísticas (1) (38.731.710) (82.648.005)

Lucros distribuídos de empresas subsidiárias (323.678) (231.449)

Reversão de ajustamentos de valores de activos tributados (111.142) (602.808)

Quotizações - (64.508)

Utilização de provisão não aceite fiscalmente - (355.501)

Outros (203.893) (12.865)

Resultado tributável (38.494.009) 411.825

Prejuízos fiscais utilizados (713.140) (903.218)

Base de imposto (39.207.149) (491.393)

Taxa de imposto sobre o rendimento 21,0% 23,0%

Taxa de derrama (sobre o resultado tributável) 1,5% 1,5%

Imposto calculado 613.319 602.525

Derrama (2) 46.667 48.709

Tributação autónoma 705.160 714.689

Ganhos / perdas RETGS (365.583) (721.593)

Impostos diferidos (56.673) (42.504)

Outros (3) (1.035)

Imposto sobre o rendimento do exercício 942.887 600.791

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 79


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

(1)

No apuramento do resultado tributável o Grupo optou por considerar o reinvestimento das

mais-valias geradas na alienação dos direitos de inscrição desportiva de jogadores, nos

prazos legais, o que lhe permite deduzir 50% das mais-valias fiscais geradas no exercício.

(2)

Derrama das empresas tributadas de acordo com o RETGS e que apresentam resultado

tributável positivo no exercício.

(3)

Limitação à dedutibilidade de gastos de financiamento de acordo com o artigo 67 do Código

do IRC.

No decorrer do Regime Excecional de Regularização de Dívidas à Segurança Social e à

Autoridade Tributária (“RERD”) concedido pelo Ministério das Finanças aos pagamentos

voluntários efetuados pelos sujeitos passivos até 31 de dezembro de 2013 relativos aos

montantes de imposto em falta, a FC Porto SAD liquidou o montante de 4.227.685 Euros,

relativos a processos fiscais, utilizando a provisão criada para o efeito, no montante de

1.514.094 Euros e reconhecendo o restante como gasto do exercício, no valor de 2.713.591

Euros. Não obstante a realização deste pagamento, a Sociedade mantém as reclamações

graciosas e impugnações judiciais, tendo a Sociedade ativos contingentes relacionados com os

mesmos conforme detalhado na Nota 34.

Impostos diferidos

Os movimentos ocorridos na rubrica “Passivos por impostos diferidos”, no exercício findo em

30 de junho de 2016 e 2015, pode ser resumido como segue:

Saldo inicial

30.06.2016 30.06.2015

Impacto fiscal da diferença entre justo

valor contabilístico e fiscal do Estádio (Nota 6) 2.210.218 2.252.722

Variações ocorridas no exercício

Impacto no resultado líquido (56.673) (42.504)

Saldo final 2.153.545 2.210.218

16. CAPITAL SOCIAL

Em 30 de junho de 2016, o capital social da FCPorto, SAD encontrava-se totalmente subscrito

e realizado e era composto por 22.500.000 ações nominativas de 5 Euros cada.

Em 30 de junho de 2016, as seguintes pessoas coletivas detinham uma participação no capital

subscrito de, pelo menos, 20% sobre as ações ordinárias com direito a voto:

- Futebol Clube do Porto 74,59%

No dia 2 de Outubro de 2014 o Futebol Clube do Porto adquiriu 2.818.185 ações ordinárias,

correspondentes a 18,79% dos direitos de voto, às sociedades Somague Imobiliária, S.A. e

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 80


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Somague - Engenharia, S.A.. Em consequência deste negócio, ao Futebol Clube do Porto passou

a ser imputável mais de 50% dos direitos de voto na Sociedade pelo que o Clube se viu obrigado

a lançar um Oferta Pública de Aquisição sobre as ações em oferta. Da conclusão deste processo

o Futebol Clube do Porto adquiriu mais 464.746 ações, correspondentes a 3,1% dos direitos

de voto da Sociedade.

No exercício findo em 30 de junho de 2015, foi efetuado ainda um aumento de capital de

37.500.000 Euros, realizado por entradas em dinheiro através da subscrição particular pelo

Futebol Clube do Porto de 7.500.000 ações preferenciais sem voto.

Na assembleia geral realizada dia 9 de novembro de 2015 foi deliberada a alteração dos

estatutos da sociedade, no sentido de refletir na sua redação a conversão das ações

preferenciais sem voto em ações ordinárias da Sociedade, com as quais passam a formar uma

única categoria, e a eliminação da percentagem máxima de direitos de voto a exercer por cada

acionista titular de ações preferenciais sem voto, que deixa de ter aplicação na sequência da

referida conversão.

As demonstrações financeiras individuais da Sociedade apresentam, em 30 de junho de 2016

um capital próprio negativo, pelo que são aplicáveis as disposições dos artigos 35º e 171º do

Código das Sociedades Comerciais (“CSC”). Conforme mencionado no Relatório de Gestão, o

Conselho de Administração da FC Porto, SAD considera que a melhoria dos resultados

económicos e financeiros vai continuar nos próximos exercícios, e assim dará cumprimento ao

disposto no mesmo artigo.

Ainda assim e no pressuposto de mais rapidamente dar cumprimento a esta obrigação, o

Conselho de Administração tem vindo a estudar outras soluções que possibilitem o reforço dos

capitais próprios da Sociedade conforme referido no Relatório de Gestão.

O Conselho de Administração poderá também convocar uma Assembleia Geral Extraordinária,

para discussão e aprovação das propostas que vierem a ser apresentadas, as quais poderão

passar pelas seguintes alternativas:

• Redução do capital social para montante não inferior ao capital próprio da Sociedade;

• Realização pelos acionistas de entradas para reforço da cobertura do capital; e

• A conjugação das duas alternativas.

De acordo com o artigo 171º do CSC, as sociedades cujo capital próprio seja inferior a metade

do capital social devem indicar o capital social, o montante do capital realizado e o montante

do capital próprio segundo o último balanço aprovado em todos os contratos,

correspondência, publicações, anúncios, sítios na Internet e de um modo geral em toda a

atividade externa.

17. INTERESSES SEM CONTROLO

Os movimentos ocorridos nesta rubrica durante os exercícios findos em 30 de junho de 2016

e 2015, são como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 81


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Saldo inicial em 1 de julho de 2014 (179.808)

Rendimento integral atribuível aos interesses sem controlo 605.869

Distribuição de dividendos (25.716)

Variações de perímetro (Nota 6) 58.363.431

Outras variações (1)

Saldo final em 30 de junho de 2015 58.763.775

Saldo inicial em 1 de julho de 2015 58.763.775

Rendimento integral atribuível aos interesses sem controlo 234.917

Distribuição de dividendos (35.964)

Variações de perímetro (Nota 6) 864.081

Outras variações (384.117)

Saldo final em 30 de junho de 2016 59.442.692

18. EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS E EMPRÉSTIMOS OBRIGACIONISTAS

Em 30 de junho de 2016 e 2015 o detalhe das rubricas “Empréstimos bancários” e

“Empréstimos obrigacionistas” é como segue:

30.06.2016

Custo amortizado

Valor nominal

Natureza Corrente Não corrente Corrente Não corrente

Empréstimos bancários 46.176.097 25.240.593 46.537.372 25.240.593

Factoring 32.353.585 9.120.000 32.453.915 9.120.000

78.529.682 34.360.593 78.991.287 34.360.593

Empréstimo obrigacionista 19.653.905 44.705.224 20.000.000 45.000.000

98.183.587 79.065.817 98.991.287 79.360.593

30.06.2015

Custo amortizado

Valor nominal

Natureza Corrente Não corrente Corrente Não corrente

Empréstimos bancários 34.979.147 23.879.350 35.141.831 23.879.350

Factoring 16.475.435 12.408.767 16.500.000 12.408.767

Letras descontadas 10.000.000 - 10.000.000 -

61.454.581 36.288.117 61.641.831 36.288.117

Empréstimo obrigacionista - 63.711.415 - 65.000.000

61.454.581 99.999.532 61.641.831 101.288.117

Em 30 de junho de 2016, o valor nominal em dívida destes empréstimos, registado no passivo

não corrente, é reembolsável como segue:

30.06.2016

2017/2018 62.866.466

2018/2019 16.494.127

79.360.593

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 82


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O detalhe dos empréstimos classificados no passivo em 30 de junho de 2016 é como se segue:

Banco / título Corrente Não corrente Total

Data

abertura

Taxa de juro Prestações Juros

Data

vencimento

Garantia / colateral

Empréstimos obrigacionistas

Empréstimo obrigacionista

2015-2018

Empréstimo obrigacionista

2014-2017

- 45.000.000 45.000.000 mai/15 5,00% Ao valor nominal, no vencimento Semestrais mai/18 -

20.000.000 - 20.000.000 jun/14 6,75% Ao valor nominal, no vencimento Semestrais jun/17 -

Empréstimos bancários

NOVO BANCO 3.000.000 8.000.000 11.000.000 ago/10

NOVO BANCO 17.000.000 - 17.000.000 out/13

Millennium BCP 412.500 - 412.500 dez/13

Millennium BCP 1.250.000 - 1.250.000 mai/99

BIC 6.876.923 573.077 7.450.000 mar/16

Euribor 12M +

spread

Macquarie Bank 13.370.000 - 13.370.000 abr/16 Fixa

Montepio Geral - 10.000.000 10.000.000 abr/16

Montepio Geral 750.000 360.000 1.110.000 fev/15

Sindicato bancário - BPI banco

líder

"Factoring"

4 prestações anuais em Setembro de

2015 e 2016 de 3.000.000 Euros cada

e em Setembro de 2017 e 2018 de

4.000.000 cada.

Anuais

set/18

Receitas relativas aos bilhetes de época, bilheteira e

quotas dos associados

Euribor 3M +

spread

Ao valor nominal, no vencimento Trimestral set/16 Direitos económicos do Herrera e Brahimi

Euribor 6M +

spread

11 prestações trimestrais de igual valor Trimestral dez/16 Penhor créditos fiscais e hipoteca sobre imóveis do Clube

Euribor 1M +

spread

8 prestações trimestrais de igual valor Mensais jun/17 "Passe" do jogador Helton

Euribor 6M + Amortizações mensais a partir de

spread

01/08/2016.

Mensais jul/17 Patrocinio MEO|PT épocas futuras

Euribor 6M +

spread

Euribor 6M +

spread

3 prestações de 1.910.000 € em

31/08/2016; 9.550.000 € em Antecipados jun/17 Verbas a receber venda do Imbula

15/01/2017; 1.910.000 € em 30/06/2017

Prazo de 30 meses, com carência de

26 meses e amortização nos últimos 4

meses em prestações de igual valor

Mensais out/18 Verbas a receber do contrato TV PT Altice épocas futuras

1 prestação de 390.000 Euros em

31/08/2016 e 2 prestações de 360.000 Postecipados ago/17 Contrato patrocinio Coca-Cola

Euros em 28/02/2017 e em 11/08/2017

3.806.361 6.300.488 10.106.849 jul/03 (*) 28 prestações semestrais Semestrais set/18 (*)

Banco Popular 71.588 7.028 78.616 jul/07

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

Internationales Bankhaus

Bodensee AG

EUR 6M +

spread

12.000.000 - 12.000.000 abr/15 Fixa

408.768 - 408.768 jan/15 Fixa

120 prestações mensais Mensais jul/17

Livrança em branco subscrita pela Avenida dos Aliados e

avalizada pela Miragem

Recebimento da 3ª Tranche da venda

do Danilo ao Real Madrid - 15-07-2016

Antecipados jul/16 Verbas receber venda Danilo ao Real Madrid

Nas datas de recebimento das verbas

da New Balance

Antecipados nov/16 Contrato patrocínio New Balance

1.287.477 - 1.287.477 dez/15 Fixa Ao valor nominal, no vencimento Antecipados out/16 Verbas a receber UCL 15/16-Market Pool

14.475.000 7.720.000 22.195.000 set/15 Fixa

750.000 - 750.000 dez/15 Fixa

732.670 - 732.670 dez/15 Fixa

BIC 2.800.000 1.400.000 4.200.000 abr/16

98.991.287 79.360.593 178.351.880

(*) Financiamento destinado à construção do Estádio do Dragão

Euribor 3M +

spread

3 prestações de 7,7M € em

30/07/2016; 6,7M € em 31/12/2016;

7,7M € em 30/07/2017

Amortizações única no vencimento -

30/09/2016

2 prestações iguais em Nov-16 e Fev-

17

3 prestações de 1,4M€ em Jul-16, Jan-

17 e Jul-17

Antecipados jul/17 Valor receber venda Alex Sandro à Juventus

Antecipados set/16 Proveitos de transmissões televisivas

Antecipados fev/17 Contrato patrocinio New Balance

Antecipados jul/17 Contrato patrocínio Unicer

Em 8 de Julho de 2003 foi celebrado um contrato de financiamento de longo prazo no

montante total de 40.000.000 Euros entre a Euroantas, o FCPorto e cinco instituições

financeiras (sendo o Banco BPI o líder), tendo em vista o financiamento do projeto de

construção do Estádio do Dragão. O reembolso do empréstimo encontra-se a ser efetuado em

28 prestações semestrais, tendo-se vencido a primeira em 31 de Março de 2005 e a última

vencer-se-á em 28 de setembro de 2018.

O financiamento obtido é sujeito às taxas de juro de mercado. Ao abrigo do Decreto-Lei n

284/2001, o Grupo beneficia de uma bonificação de juros sobre o montante de 25.289.053

Euros do total do empréstimo obtido. À data de 30 de junho de 2016 a tranche bonificada do

empréstimo ainda em dívida ascende 4.515.902 Euros (6.322.263 Euros em 30 de junho de

2015. No entanto, no seguimento da publicação do Decreto-Lei nº 166/2004, de 7 de Julho,

que revogou o nº 3 do artigo 2º do Decreto-Lei nº 284/2001, de 26 de Outubro e, em

articulação com o Regulamento aprovado pela Portaria nº 535/2002, de 27 de Maio, e

atendendo ao disposto no Nº5 do artigo 2º do DL Nº 284/2001, a Euroantas tem direito a 10

anos de bonificação de juros (dado que o prazo de financiamento é superior), contabilizados a

partir da data de celebração do contrato, pelo que este benefício terminou no exercício findo

em 30 junho de 2014.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 83


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Deste modo, o empréstimo vence juros nas seguintes condições:

• Tranche não bonificada: taxa de juro: 4,53125% + Spread;

• Tranche bonificada: taxa de juro: Euribor 6M + Spread (com contratação de “SWAP” para

taxa fixa de 4,26%).

No âmbito deste contrato de financiamento, para além da hipoteca voluntária constituída a

favor daquelas instituições financeiras, a Euroantas e o FCPorto assumem determinadas

obrigações, das quais se destacam:

Euroantas

(i) A não alienação ou transferência de bens do seu ativo (terrenos e edifícios), presente ou

futuro;

(ii) A não oneração ou promessa de oneração do seu ativo, presente ou futuro;

(iii) A não contratação de endividamento bancário adicional perante outras instituições

financeiras.

Futebol Clube do Porto

(i) Não alienar, nem prometer alienar, as suas ações Euroantas;

(ii) Não propor, nem votar, quaisquer alterações aos estatutos da Euroantas;

(iii) Não alienar, nem prometer alienar, quaisquer ações da Futebol Clube do Porto Futebol,

S.A.D. sem o acordo prévio das instituições financeiras que concederam o financiamento.

Ainda no âmbito deste contrato de financiamento, a Euroantas assume a obrigação de, em

cada exercício, dotar integralmente um Fundo de Reserva para Serviço da Dívida

correspondente a um ano de serviço da dívida (montante equivalente ao reembolso de capital

e encargos com os respetivos juros, não se considerando o montante relativo a bonificações

de juros acima mencionado), o qual em 30 de junho de 2016 ascende a, aproximadamente,

4.514.907 Euros (4.529.224 Euros em 30 de Junho de 2015 (Nota 14).

A taxa média anual dos empréstimos bancários e obrigacionistas à data de 30 de junho de 2016

é de 5,45%.

19. OUTROS CREDORES

Em 30 de junho de 2016 e 2015, a rubrica de “Outros credores” é como segue:

Entidade 30.06.2016 30.06.2015

Pearl Design 1.562.500 2.125.000

Doyen Sports Investments Ltd. 1.200.000 1.200.000

For Gool - 5.000.000

2.762.500 8.325.000

Juros corridos 4.078.734 2.764.200

6.841.234 11.089.200

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 84


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

No exercício findo em 30 de junho de 2011, a Sociedade celebrou contratos tendo em vista a

cedência de parte dos direitos económicos, em regime de associação económica, de 25% dos

direitos económicos do jogador Walter por 2.125.000 Euros à Pearl Design Holding, Ltd.. Dado

que, de acordo com os referidos contratos, não foram transferidos os principais riscos e

benefícios associados à detenção daqueles direitos, aquelas transações não foram registadas

como alienações, não tendo, por conseguinte, sido desreconhecido do ativo intangível aquela

parcela de direitos económicos, encontrando-se os montantes recebidos daquelas entidades

registados na rubrica da demonstração da posição financeira “Outros credores”.

A 23 de Julho de 2014, o Grupo celebrou com a Doyen Sports Investments Limited, um contrato

tendo em vista a cedência de parte dos direitos económicos, em regime de associação

económica, do jogador Brahimi pelo montante de 5.000.000 Euros. Este contrato prevê opções

de recompra por parte da FC PORTO, SAD de até 55% dos direitos económicos até junho de

2017, e opções de venda de até 80% dos direitos económicos por parte da Doyen até setembro

de 2017. Dado que, de acordo com o referido contrato, não foram transferidos os riscos e

benefícios significativos associados à detenção daqueles direitos, aquela transação não foi

registada como alienação, não tendo, por conseguinte, sido desreconhecido do ativo intangível

aquela parcela de direitos económicos. No exercício findo em 30 de junho de 2015 a Sociedade

exerceu duas opções de compra correspondentes a 30% dos direitos económicos do jogador

por 3.800.000 Euros, tendo este montante sido deduzido ao passivo.

Deste modo, as percentagens referidas na Nota 6, relativas às percentagens detidas dos passes

dos jogadores, consideram a partilha com aquelas entidades do valor resultante de alienações

futuras dos passes dos jogadores Walter e Brahimi.

Em 24 fevereiro de 2015, foi obtido um financiamento de 5.000.000 Euros da For Gool Co Ltd

vencível até 30 de setembro de 2015, tendo, à data, o mesmo sido liquidado.

20. FORNECEDORES

Passivo não corrente

O detalhe e prazo de vencimento dos saldos não correntes de Fornecedores em 30 de junho

de 2016 e 2015 é o seguinte:

30.06.2016 > 1 ANO > 2 ANOS > 3 ANOS > 4 ANOS > 5 ANOS

Fornecedores - não corrente

Fornecedores de ativos tangíveis e intangíveis:

Transações de passes de jogadores 12.800.000 5.000.000 1.800.000 - 6.000.000 -

Atualização de dívidas a terceiros (1.586.672) (619.794) (223.126) - (743.752) -

11.213.328 4.380.206 1.576.874 - 5.256.248 -

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 85


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2015 > 1 ANO > 2 ANOS > 3 ANOS > 4 ANOS > 5 ANOS

Fornecedores - não corrente

Fornecedores de ativos tangíveis e intangíveis:

Transações de passes de jogadores 6.000.000 6.000.000 - - - -

Atualização de dívidas a terceiros (364.505) (364.505) - - - -

5.635.495 5.635.495 - - - -

O saldo da rubrica do passivo não corrente “Fornecedores transação de passes de jogadores”

em 30 de junho de 2016 decorre: (i) da aquisição dos direitos económicos e de inscrição

desportiva do Inácio no montante de 3.000.000 Euro, (ii) Layún no montante de 3.000.000

Euros, (iii) e Felipe no montante de 2.000.000 Euros, entre outros.

O saldo da rubrica do passivo não corrente “Fornecedores transação de passes de jogadores”

em 30 de junho de 2015 decorre: (i) da aquisição dos direitos económicos e de inscrição

desportiva do Brahimi no montante de 5.500.000 Euros e (ii) e da aquisição dos direitos

económicos e de inscrição desportiva de Gudiño no montante de 500.000 Euros.

Passivo corrente

Em 30 de junho de 2016 e 2015, os saldos correntes de fornecedores e a sua exigibilidade

podem ser detalhados como segue:

A pagar

30.06.2016 - 90 dias 90 - 180 dias + 180 dias

Fornecedores, conta corrente 11.085.926 11.085.926 - -

Fornecedores de ativos tangíveis e intangíveis:

Transacções com "passes" de jogadores 38.743.665 29.093.665 1.000.000 8.650.000

38.743.665 29.093.665 1.000.000 8.650.000

Atualização de dívidas a terceiros (461.153) (346.292) (11.903) (102.958)

49.368.438 39.833.299 988.097 8.547.042

A pagar

30.06.2015 - 90 dias 90 - 180 dias + 180 dias

Fornecedores, conta corrente 9.402.719 9.402.719 - -

Fornecedores de ativos tangíveis e intangíveis:

Transacções com "passes" de jogadores 36.855.915 13.528.265 3.257.500 20.070.150

36.855.915 13.528.265 3.257.500 20.070.150

Atualização de dívidas a terceiros (125.830) (46.187) (11.121) (68.522)

46.132.804 22.884.797 3.246.379 20.001.628

Em 30 de junho de 2016 e 2015, os principais saldos incluídos nas rubricas, corrente e não

corrente, “Fornecedores de ativos tangíveis e intangíveis Transações com passes de

jogadores” podem ser desagregados como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 86


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Entidade jun-16 jun-15

Corrente Não corrente Corrente Não corrente

Olympique De Marseille SASP 9.650.000 - - -

F.C.Twente 6.500.000 - - -

Sport Club Corinthians Paulista 4.000.000 2.000.000 - -

São Paulo Futebol Clube - 6.000.000 - -

Maritimo da Madeira Futebol SAD 3.925.000 - - -

Granada Club de Futbol SAD 3.332.170 - 500.000 5.500.000

Watford Association Football Club Ltd - 3.000.000 - -

Onsoccer International, S.A. 2.005.000 - 2.000.000 -

Northfields Sports B.V. 1.700.000 - - -

SASP FC Lorient Bretagne Sud 1.300.000 - - -

Portimonense Sporting Clube 2.750.000 1.800.000 - -

Gestifute, S.A. 600.150 - 600.150 -

Vitoria Sport Clube - Futebol SAD 254.592 - 2.300.000 -

Club Atlético de Madrid SAD - - 11.000.000 -

Feyenoord Rotterdam NV - - 3.720.000 -

Danubio Finanzierungsleistungen und Marketing GMBH 1.000.000 - 2.676.000 -

Coimbra Esporte Clube - - 2.500.000 -

Delfino Pescara - - 2.250.000 -

Santos FC - - 1.718.500 -

Pencilhill - - 1.618.223 -

Chivas Corazón - - 1.500.000 500.000

Universidade do Chile - - 924.667 -

Gol Football Luxembourg - - 800.000 -

Estoril - SAD - - 705.000 -

Outros 1.726.753 - 2.043.376 -

38.743.665 12.800.000 36.855.915 6.000.000

Em 30 de junho de 2016, os saldos a pagar às entidades acima mencionadas resultaram,

essencialmente, de encargos com aquisição de direitos económicos, de proporções no valor

de venda de passes detidos por terceiros e com comissões de intermediação em aquisições e

alienações de “passes” referentes aos jogadores Imbula, Corona, Felipe, Inácio, Marega,

Brahimi, Layún, entre outros.

Em 30 de junho de 2015, os saldos a pagar às entidades acima mencionadas resultaram,

essencialmente, de encargos com aquisição de direitos económicos, de proporções no valor

de venda de passes detidos por terceiros e com comissões de intermediação em aquisições e

alienações de “passes” referentes aos jogadores Adrian Lopez, Brahimi, Martins Indi, Celestin

Djim, Kayembe, Otavio, Hernani, Quintero e Fernando, entre outros.

21. OUTROS PASSIVOS CORRENTES E NÃO CORRENTES

Em 30 de junho de 2016 e 2015, as rubricas “Outros passivos não correntes” e “Outros passivos

correntes” podem ser detalhadas como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 87


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Outros passivos não correntes

Acréscimo de gastos:

Encargos com transações de "passes" de jogadores, não vencidos 1.035.000 6.166.478

Indemnizações a processar 200.000 -

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/faturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas

36.904.141 4.000.000

Adiantamento de receitas de publicidade - patrocinador principal do FC Porto 9.000.000 -

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 5.259.685 5.957.167

Outros 291.267 -

Outras contas a pagar não correntes

Credores por aquisições de participações financeiras 1.500.000 -

Atualização de responsabilidades com terceiros (130.039) (159.909)

54.060.054 15.963.736

Outros passivos correntes 30.06.2016 30.06.2015

Estado e outros entes públicos 4.179.332 2.638.865

Credores por aquisições de participações financeiras 1.000.000 -

Outros valores a pagar 4.800.082 2.819.930

9.979.414 5.458.795

Acréscimos de gastos:

Remunerações a liquidar 956.207 780.856

Encargos com transações de "passes" de jogadores,

não vencidos

15.071.935 10.967.739

Prémios de competições pendentes de processamento 9.851.615 3.338.422

Indemnizações a processar 2.899.029 5.737.785

Outros Custos a Acrescer 3.487.801 3.658.014

32.266.587 24.482.816

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/facturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas

2.899.704 2.000.000

Adiantamento de receitas de publicidade - patrocinador principal do FC Porto 1.500.000 -

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 695.576 695.576

Receitas relativas a reservas de lugares cativos a

diferir

182.688 98.688

Faturação antecipada relativa a receitas publicitárias 82.675 -

Outros proveitos a diferir 267.977 645.920

5.628.620 3.440.184

Atualização de responsabilidades com terceiros (210.616) (597.370)

47.664.005 32.784.425

A rubrica “Outros passivos correntes/não correntes Acréscimos de gastos Encargos com

transações de “passes” de jogadores, não vencidos” inclui os compromissos assumidos em

transações relativas a direitos de inscrição desportiva de jogadores, não vencidos e pendentes de

faturação à data da demonstração da posição financeira e suportados pelos respetivos contratos.

Em 30 de junho de 2016 inclui, nomeadamente, valores relativos:

(a) a encargos com serviços de intermediação dos jogadores no montante 10.241.397 Euros

relativos, entre outros, à alienação dos passes do Imbula, Danilo e Maicon e à aquisição do

passe do Maxi Pereira, Felipe, Corona, Bueno e Quintero.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 88


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

(b) à celebração e/ou renegociação de contratos de trabalho nomeadamente no que se refere

a prémios de assinatura no montante de 1.083.188 Euros relativos, entre outros, ao Diego

Reyes, André Fernandez e Walter;

(c) a valores a pagar relativos à proporção do valor de venda do passe detido por terceiros,

aquando da respetiva alienação, no montante de 2.960.505 Euros, relativos entre outros,

ao Danilo, Walter, Carlos Eduardo e Defour;

(d) Responsabilidades com o mecanismo de solidariedade no montante de 1.312.345 Euros,

relativos, entre outros, ao Maicon, Alex Sandro, Imbula, Kléber, Celistin Djim e Carlos

Eduardo.

Em 30 de junho de 2015 inclui, nomeadamente, valores relativos:

(a) a encargos com serviços de intermediação dos jogadores no montante 14.683.295 Euros

relativos, entre outros, à alienação dos passes do Jackson Martinez e Iturbe e ao preço do

exercício de opções de compra de uma percentagem dos direitos económicos de Brahimi

(Nota 19).

(b) à celebração e/ou renegociação de contratos de trabalho nomeadamente no que se refere

a prémios de assinatura no montante de 1.670.893 Euros relativos, entre outros, ao Andrés

Fernandez e Walter.

Na classificação do saldo como não corrente, a qual respeita a prémios de assinatura de contrato,

foram consideradas as datas acordadas de pagamento.

A rubrica “Outros valores a pagar”, em 30 de junho de 2016 e 2015, inclui remunerações a pagar

aos jogadores e treinadores os quais têm prazo de pagamento no curto prazo (aproximadamente

1.844.000 Euros e 2.000.000 Euros, respetivamente).

Em 30 de junho de 2016 e 2015, a rubrica “Prémios de competições pendentes de processamento”

inclui os montantes relativos a prémios de séries de jogos e valores e gratificações atribuídas a

determinados atletas de forma a garantir salários mínimos anuais contratados nos respetivos

contratos de trabalho.

A rubrica “Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG” refere-se ao diferimento das receitas

relativas ao acordo assinado entre a subsidiária Porto Comercial e o Banco de Minas Gerais a título

de adiantamento no âmbito da assinatura do contrato de parceria relativo a publicidade e apoio

na construção do Museu do Futebol Clube do Porto. O contrato prevê patrocínio e o naming do

Museu no valor de 8.000.000 Euros até 2025. Conforme referido na Nota 13, a Porto Comercial

adquiriu em Outubro de 2013 ao Futebol Clube do Porto o direito de explorar o Museu, tendo

pago, para tal, um adiantamento correspondente ao adiantamento das rendas correspondentes a

8 anos de exploração no montante global de 12.000.000 Euros.

A rubrica “Credores por aquisições de participações financeiras” é relativa à aquisição por parte da

FCP Media, no dia 10 de julho de 2015, à Medialuso - Produções para Televisão, S.A. de uma

participação equivalente a 99,4% do capital social da Avenida dos Aliados Sociedade de

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 89


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Comunicações, S.A., que por sua vez detinha 100% do capital social da subsidiária Miragem

Produção Audiovisual, S.A., por 4.000.000 Euros. Na mesma data, a FCP Media alienou 17% do

capital social da Avenida dos Aliados à Mediapro Portugal, SGPS, S.A. por 684.104 Euros (Nota 13).

A 30 de junho de 2016 as rubricas corrente e não corrente “Adiantamento de receitas/faturação

antecipada emitida relativas a direitos de transmissões televisiva” e “Adiantamento de receitas de

publicidade - patrocinador principal do FC Porto” são compostas pelo (i) adiantamento efetuado

pela PPTV no montante de 4.000.0000 Euros (Nota 30) e pelo adiantamento no montante global

de 46.303.845 Euros (cujo valor inicial ascendeu a 47.500.000 Euros) do contrato celebrado com a

Altice, pelo valor global de 457.500.000 Euros, relativos à cedência de:

(a) Direitos de Transmissão Televisiva dos jogos disputados pela Equipa Principal de Futebol,

na qualidade de visitado, na Primeira Liga, bem como do Direito de Exploração Comercial

de Espaços Publicitários do Estádio do Dragão, pelo período de 10 épocas desportivas, com

inicio em 01 de Julho de 2018;

(b) Direitos de Transmissão do Porto Canal, pelo período de 12 épocas e meia, com inicio a 01

de Janeiro de 2016; e

(c) Estatuto de patrocinador principal do FC Porto, com o direito de colocar publicidade na

parte frontal das camisolas da Equipa Principal de Futebol do FC Porto, pelo período de 7

épocas e meia, com inicio a 01 de Janeiro de 2016.

Em 30 de junho de 2016 e 2015 a maturidade dos outros passivos correntes e não correntes, foi

como segue:

30.06.2016 > 1 ANO > 2 ANOS > 3 ANOS > 4 ANOS > 5 ANOS

Outros passivos não correntes

Acréscimo de gastos:

Encargos com transações de "passes" de jogadores, não vencidos 1.035.000 490.000 545.000 - - -

Indemnizações a processar 200.000 200.000

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/faturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas

36.904.141 2.899.704 4.649.704 4.649.704 4.649.704 20.055.325

Adiantamento de receitas de publicidade - patrocinador principal do FC Porto 9.000.000 1.500.000 1.500.000 1.500.000 1.500.000 3.000.000

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 5.259.685 695.576 695.576 695.576 695.576 2.477.381

Outros 291.267 291.267 - - - -

Outras contas a pagar não correntes

Credores por aquisições de participações financeiras 1.500.000 1.000.000 500.000 - - -

Atualização de responsabilidades com terceiros (130.039) (61.564) (68.475) - - -

54.060.054 7.014.983 7.821.805 6.845.280 6.845.280 25.532.706

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 90


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Outros passivos correntes

30.06.2016 < 90 DIAS

90-180

DIAS

180-360

DIAS

Estado e outros entes públicos 4.179.332 4.179.332 - -

Credores por aquisições de participações financeiras 1.000.000 250.000 250.000 500.000

Outros valores a pagar 4.800.082 4.800.082 - -

9.979.414 9.229.414 250.000 500.000

Acréscimos de gastos:

Remunerações a liquidar 956.207 485.084 310.284 160.839

Encargos com transações de "passes" de jogadores,

15.071.935

não vencidos

12.163.185 175.000 2.733.750

Prémios de competições pendentes de processamento 9.851.615 9.851.615 - -

Indemnizações a processar 2.899.029 885.762 737.756 1.275.511

Outros Custos a Acrescer 3.487.801 3.487.801 - -

32.266.587 26.873.447 1.223.040 4.170.100

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/faturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas (Nota 30)

2.899.704 724.925 724.925 1.449.854

Adiantamento de receitas de publicidade - patrocinador principal do FC Porto 1.500.000 375.000 375.000 750.000

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 695.576 173.894 173.894 347.788

Receitas relativas a reservas de lugares cativos a

diferir

182.688 182.688 - -

Faturação antecipada relativa a receitas publicitárias 82.676 82.676 - -

Outros proveitos a diferir 267.977 267.977 - -

5.628.621 1.807.160 1.273.819 2.547.642

Atualização de responsabilidades com terceiros (210.616) (169.969) (2.445) (38.202)

47.664.005 37.740.051 2.744.414 7.179.540

30.06.2015 > 1 ANO > 2 ANOS > 3 ANOS > 4 ANOS > 5 ANOS

Outros passivos não correntes

Acréscimo de gastos:

Encargos com transacções de "passes" de jogadores, não vencidos 6.166.478 5.746.478 420.000 - - -

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/facturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas (Nota 30)

4.000.000 2.000.000 2.000.000 - - -

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 5.957.167 695.576 695.576 695.576 695.576 3.174.863

Actualização de responsabilidades com terceiros (159.909) (149.017) (10.892) - - -

15.963.736 8.293.037 3.104.684 695.576 695.576 3.174.863

Outros passivos correntes

30.06.2015 < 90 DIAS

90-180

DIAS

180-360

DIAS

Estado e outros entes públicos 2.638.865 2.638.865 - -

Outros valores a pagar 8.557.715 8.557.715 - -

11.196.580 11.196.580 - -

Acréscimos de gastos:

Seguros a liquidar - - - -

Remunerações a liquidar 780.856 - 260.285 520.571

Juros a liquidar - - - -

Encargos com transacções de "passes" de jogadores,

não vencidos

10.967.739 8.857.017 1.201.611 909.111

Prémios de competições pendentes de processamento 3.338.422 3.338.422 - -

Outros Custos a Acrescer 3.658.014 3.658.014 - -

18.745.031 15.853.453 1.461.896 1.429.682

Rendimentos a reconhecer:

Adiantamento de receitas/facturação antecipada emitida relativas a direitos

de transmissões televisivas (Nota 30)

2.000.000 500.000 500.000 1.000.000

Receitas relativas a reservas de lugares cativos a

diferir

98.688 98.688 - -

Receitas de patrocínio diferidas - Museu BMG 695.576 173.894 173.894 347.788

Outros proveitos a diferir 645.920 645.920 - -

3.440.184 1.418.502 673.894 1.347.788

Actualização de responsabilidades com terceiros (597.370) (420.901) (22.875) (153.594)

32.784.425 28.047.634 2.112.915 2.623.876

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 91


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

22. PROVISÕES E PERDAS POR IMPARIDADE ACUMULADAS

O movimento ocorrido nas provisões e perdas por imparidade acumuladas durante os

exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015, foi como segue:

Saldo

Saldo

inicial Variação de final

Rubricas 30.06.2015 perímetro Reforço Utilização Redução 30.06.2016

Perdas por imparidade acumuladas em investimentos (Nota 9 e 29) 23.259 - 560.944 (503.524) - 80.679

Perdas por imparidade acumuladas em contas a receber (Nota 11) 5.039.019 156.018 739.145 (68.043) (383.746) 5.482.393

Perdas por imparidade acumuladas em inventários (Nota 12) 609.451 -

60.131 (97.386) - 572.196

5.671.729 156.018 1.360.220 (668.953) (383.746) 6.135.268

Saldo

Saldo

inicial Variação de final

Rubricas 30.06.2014 perímetro Reforço Utilização Redução 30.06.2015

Perdas por imparidade acumuladas em investimentos (Nota 9 e 29) 1.202.037 - 432.114 (1.610.892) - 23.259

Perdas por imparidade acumuladas em contas a receber (Nota 11) 4.878.255 60.963 1.429.549 (943.189) (386.559) 5.039.019

Perdas por imparidade acumuladas em inventários (Nota 12) 377.293 - 232.158 - - 609.451

Provisões 410.555 - - - (410.555) -

6.868.140 60.963 2.093.821 (2.554.081) (797.114) 5.671.729

Provisões

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2008 foi intentado por um terceiro contra o Grupo

um processo judicial, tendo sido proferida sentença pela 7ª Vara Cível do Tribunal Judicial do

Porto, em Maio de 2009, que condenou a PortoEstádio a pagar uma indemnização no

montante de 404.241 Euros, acrescida de juros moratórios, tendo o Grupo recorrido da

decisão. Em Julho de 2015 o desfecho deste processo foi conhecido, sendo a decisão favorável

à PortoEstádio pelo que a provisão anteriormente constituída foi revertida, encontrando-se

apenas a decorrer o prazo para a definição das custas.

Garantias bancárias

A 30 de junho de 2016, o Grupo apresentava as seguintes garantias bancárias:

(a) Porto Estádio: garantia bancária de 410.555 Euros relativa a processo judicial descrito

acima, sendo que a garantia ainda não foi levantada;

(b) PortoComercial: garantias bancárias no montante global de 143.204 Euros a favor de

proprietários de lojas arrendadas em centros comerciais;

(c) Dragon Tour: garantia bancária de 75.000 Euros a favor da IATA Associação

Internacional de Transportes Aéreos.

Outras responsabilidades

A FC Porto, SAD assumiu um aval com a FCP Serviços Partilhados, S.A. no valor de 364.000

Euros, no âmbito do contrato de leasing financeiro de equipamento informático adquirido por

esta entidade do Grupo Futebol Clube do Porto.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 92


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

23. RESPONSABILIDADES POR BENEFICIOS PÓS EMPREGO

O Grupo assumiu o compromisso de conceder a determinados empregados prestações

pecuniárias a título de complemento de reforma. Estes benefícios encontram-se previstos no

Acordo de Empresa entre o Futebol Clube do Porto e o CESP Sindicato dos Trabalhadores do

Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal e outros.

A avaliação atuarial mais recente dos ativos do plano e do valor presente da obrigação de

benefícios definidos foi efetuada em 15 de julho de 2016 pela Mercer (Portugal) Lda.. O valor

presente da obrigação de benefícios definidos e o custo dos serviços correntes e dos serviços

passados relacionados foram mensurados através do método Projected Unit Credit.

Os principais pressupostos seguidos na avaliação atuarial atrás referida foram os seguintes:

30.06.2016 30.06.2015

Idade normal de reforma 66 anos 66 anos

Tábua de mortalidade TV 88/90 TV 88/90

Tábua de invalidez EVK 80 a 50% EVK 80 a 50%

Taxa de desconto 1,50% 2,25%

Taxa de inflação 2,00% 2,00%

Taxa de crescimentos dos salários 3,00% 3,00%

Taxa de crescimentos das pensões 2,00% 2,00%

Os movimentos no valor presente da obrigação de benefícios definidos nos exercícios findos

em 30 de junho de 2016 e 2015 são descritos conforme se segue:

30.06.2016 30.06.2015

Saldo inicial 335.224 448.818

Redução (10.892) -

Custo de juros 14.662 24.932

(Ganhos)/perdas actuariais (14.046) (138.526)

Saldo final 324.948 335.224

Os riscos mais importantes a que o Plano de Pensões poderá estar exposto são os seguintes:

• Comportamento das variáveis demográficas;

• Alterações a ocorrer na Segurança Social;

• Indexação das pensões.

Foi efetuada uma análise de sensibilidade, com vista a medir o impacto nas responsabilidades

causado pela alteração da taxa de desconto (variação positiva de 75 p.b.) sendo apurado um

impacto negativo no valor das mesmas no montante de, aproximadamente, 34.000 Euros.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 93


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

24. VENDAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO

Vendas

Em 30 de junho de 2016 e 2015 a rubrica “Vendas” diz respeito às vendas de produtos de

merchandising do FCP pela Porto Comercial.

Prestações de serviço

Os saldos de prestações de serviços relativos aos exercícios findos em 30 de junho de 2016 e

2015, podem ser detalhados como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Receitas desportivas

Prémios competições europeias 11.603.301 36.169.711

Receita de bilheteira 3.399.053 4.269.628

Receita de lugares anuais 2.859.517 2.690.530

Quotas de associados - 918.144

Outras receitas desportivas 1.866.279 1.176.611

19.728.150 45.224.624

Publicidade 14.182.602 13.564.684

Direitos de transmissões 22.314.085 17.251.214

Corporate Hospitality 8.396.500 8.200.550

Outras prestações de serviços 5.850.858 4.269.462

70.472.195 88.510.534

A diminuição das receitas de “Prémios competições europeias” justifica-se pelo facto de: (i a

receita obtida pelo acesso à fase de Grupos da Liga dos Campeões 2014/15, no montante de

8.600.000 Euros ter sido registado na em 2014/2015 e não na época anterior pelo facto de a

Sociedade só ter ganho o direito de acesso a esta fase na época 2014/15, (ii) pelo

reconhecimento da receita obtida pelo acesso à fase de Grupos da Liga dos Campeões

2015/16, reconhecida no exercício findo em 30 de junho de 2015, no montante de 12.000.000,

receita essa não obtida na presente época quer pelo facto da FCP, SAD não ter obtido o direito

ao acesso direto à fase de Grupos da Liga dos Campeões 2015/16 na presente época, quer pelo

facto da Sociedade ter procedido à alteração de respetiva política contabilística (Nota 4) e (iii)

da equipa principal não se ter apurado na presente época, para os oitavos e quartos-de-final

da Liga dos Campeões ao contrário do ocorrido na época 2014/15.

A diminuição da receita de bilheteira justifica-se pelo menor número de jogos realizados em

casa na presente época, nomeadamente nas competições europeias.

A partir da época 2015/16 as receitas das “Quotas de associados” passaram a ser reconhecida

na sua totalidade pelo Futebol Clube do Porto (em 2014/15 a FCP, SAD tonha direito a 25% das

quotas cobradas).

O aumento das receitas de publicidade e transmissão televisiva está relacionado com a

celebração de novos contratos de transmissão televisiva e publicidade com a Altice, parte dos

quais entraram em vigor, a partir de 1 de janeiro de 2016 (Nota 21).

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 94


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Corporate Hospitality

No âmbito do contrato de financiamento e do Acordo de Cooperação celebrado em Julho de

2003 com a PortoEstádio Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, S.A.

(“PortoEstádio”), FCPorto e Futebol Clube do Porto Futebol, S.A.D. (“FCP, SAD”), a Euroantas

detém o direito exclusivo de comercializar os Camarotes e Business Seats (“Lugares

Euroantas”).

25. FORNECIMENTOS E SERVIÇOS EXTERNOS

Em 30 de junho de 2016 e 2015, os principais saldos incluídos nesta rubrica eram como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Trabalhos especializados 11.150.834 11.212.766

Subcontratos 6.233.212 5.336.446

Rendas e alugueres 3.699.375 3.956.461

Direitos de imagem de atletas 3.514.972 601.126

Vigilância e segurança 1.659.661 1.592.689

Seguros 1.266.082 1.146.193

Conservação e reparação 1.243.668 1.359.541

Despesas de organização 1.119.617 1.382.672

Material desportivo 1.090.941 835.074

Publicidade e propaganda 1.064.030 2.168.258

Honorários 940.376 736.189

Limpeza, higiene e conforto 611.092 544.618

Despesas de representação 574.935 500.442

Combustíveis 558.792 212.528

Comunicação 531.242 470.155

Electricidade 486.584 327.418

Outros fornecimentos e serviços 2.916.709 854.031

38.662.122 33.236.607

Na rubrica de “Trabalhos especializados” são registados custos de naturezas diversas

associados à atividade do Grupo, nomeadamente: (i) custos com serviços de prospeção de

mercado; (ii) custos com serviços de consultadoria jurídica; (iii) custos com serviços de

consultadoria financeira, nomeadamente os prestados pela FC Porto Serviços Partilhados,

S.A.; e (iv) custos de produção de conteúdos do Canal de Televisão “Porto Canal”.

A rubrica “Subcontratos” considera, na sua maioria, aos encargos incorridos relacionados com

o protocolo celebrado entre o Grupo e o Futebol Clube do Porto, essencialmente constituídos

pela cedência de instalações e utilização do centro de treinos, quer à equipa principal, quer

aos jogadores da formação, bem como os custos das deslocações e estadas (efetuadas pela

equipa de futebol para a realização dos jogos no campeonato nacional, nas competições

europeias e na realização dos estágios), incorridos pela subsidiária Dragon Tour. A partir da

época 2015/16 com integração da Avenida dos Aliados no perímetro de consolidação da FCP,

SAD, esta rubrica passou a incluir custos de produção de conteúdos do Porto Canal,

nomeadamente assessoria e produção de conteúdos, meios técnicos de engenharia, entre

outros.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 95


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A rubrica “Direitos de imagem” diz respeito a encargos com a cedência de direitos de imagem

dos jogadores do plantel do FCP que são negociados pela subsidiária Porto Comercial. O

aumento verificado nesta rubrica é devido ao aumento do número de contratos desta

natureza celebrados com jogadores. Em 30 de junho de 2016 os encargos com “Direitos de

imagem” diziam respeito aos jogadores Brahimi, Casillas, Corona, Diego Reyes, Herrera, Layún,

Imbula e Osvaldo (Herrera e Diego Reyes em 30 de junho de 2015).

A rubrica “Despesas de organização” considera custos diversos relacionados com a realização

de jogos.

26. CUSTOS COM PESSOAL

Os saldos relativos a custos com pessoal nos exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015 da

Sociedade e empresas subsidiárias, podem ser detalhados como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Remunerações Orgãos sociais 1.970.681 1.827.494

Remunerações de atletas/técnicos 54.327.109 54.120.242

Remunerações do pessoal 6.449.501 4.891.902

Benefícios Pós-Emprego 14.662 24.035

Indemnizações 4.406.589 473.169

Encargos sobre remunerações 5.811.038 4.627.194

Seguros 2.171.665 2.316.993

Outros custos 639.222 1.717.537

75.790.467 69.998.566

No exercício findo em 30 de junho de 2016, os custos de remunerações com jogadores

emprestados a outros clubes ascenderam a, aproximadamente 1.600.000 Euros (600.000 Euros

em 30 de junho de 2015) e os custos com remunerações com jogadores emprestados por outros

clubes ascendeu a, aproximadamente,1.400.000 Euros (6.100.000 Euros em 30 de junho de 2015).

Em 30 de junho de 2016 a rubrica “Indemnizações” diz respeito a indemnizações por rescisão do

contrato de trabalho do jogador Helton, assim como remunerações a liquidar ao treinador de

futebol Julen Lopetegui e respetiva equipa técnica, entre outros.

Em 30 de junho de 2016 o aumento da rubrica “Remunerações do pessoal” resulta,

essencialmente, da integração da Avenida dos Aliados no perímetro de consolidação da FCP, SAD,

a partir daquele exercício.

A remuneração dos membros do Conselho de Administração da FCPorto, SAD e das suas

subsidiárias, nos exercícios findos em 30 de junho de 2016 e de 2015 tem a seguinte composição:

30.06.2016 30.06.2015

Remuneração fixa 1.970.681 1.827.494

1.970.681 1.827.494

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 96


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O detalhe das remunerações por cada membro do Conselho de Administração e restantes órgãos

sociais encontra-se divulgado no Relatório sobre o Governo da Sociedade.

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o número de pessoas ao serviço do Grupo era como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Orgãos sociais 8 7

Administrativos 217 133

Tecnicos desportivos 54 37

Museu 25 32

Vendedores (Lojas) 42 43

Atletas 85 77

431 329

27. RESULTADOS COM TRANSAÇÕES DE PASSES DE JOGADORES

Os resultados com transações de passes de jogadores nos exercícios findos em 30 de junho de

2016 e 2015, podem ser detalhados como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores

Amortizações de passes de jogadores (Nota 8) (29.584.867) (30.227.292)

Perdas por imparidade com passes de jogadores (Nota 8) (1.971.283) (1.146.645)

(31.556.150) (31.373.937)

Proveitos com transações de passes de jogadores

Proveitos com alienações de passes de jogadores 71.793.000 114.959.838

Proveitos com empréstimos de jogadores 2.769.000 1.017.500

Outros proveitos com jogadores 795.145 2.499.025

75.357.145 118.476.363

Custos com transações de passes de jogadores

Custos com alienações de passes de jogadores (31.570.045) (28.489.541)

Custos com empréstimos de jogadores (3.374.344) (3.511.210)

Outros custos com jogadores (Nota 16) (1.754.806) (3.975.181)

(36.699.195) (35.975.932)

7.101.800 51.126.494

Mais-valias com alienações de passes de jogadores 40.222.955 86.470.297

As perdas por imparidade com “passes” de jogadores consideram o valor líquido contabilístico

dos direitos de inscrição desportiva dos jogadores à data de 30 de junho de 2016, cujos contratos

de trabalho foram rescindidos até à data de aprovação destas demonstrações financeiras, assim

como a perda de imparidade estimada dos “passes” de jogadores tendo em consideração a

situação desportiva dos mesmos na data de aprovação destas demonstrações financeiras. Em 30

de junho de 2016, o saldo desta rubrica respeita essencialmente aos jogadores Helton, Ghilas, Licá

e Ricardo Nunes. Em 30 de junho de 2015 o saldo desta rubrica respeita essencialmente aos

jogadores Djalma, Opare e Quiñones.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 97


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Em 30 de junho de 2016, a rubrica de “Custos com empréstimos de jogadores” respeita aos gastos

incorridos no âmbito do empréstimo dos jogadores Tello, Layún, Osvaldo, Gleison, Cissokho,

Ismael, Reyes, Leonardo Ruiz, entre outros.

Em 30 de junho de 2015, a rubrica de “Custos com empréstimos de jogadores” respeita aos gastos

incorridos no âmbito do empréstimo dos jogadores Malthe Johansen, Roniel, Olive, Pavlovki,

Tello, Casemiro, Ruiz, Campaña e Gudiño.

No exercício findo em 30 de junho de 2016, o valor de “Outros proveitos com jogadores” inclui

essencialmente o mecanismo de solidariedade relativo à transferência do jogador André Gomes

e Otamendi.

No exercício findo em 30 de junho de 2015 a rubrica “Outros proveitos com jogadores” inclui o

mecanismo de solidariedade relativo à transferência do jogador James Rodriguez do AS Mónaco

para o Real Madrid (1.069.000 Euros).

A rubrica “Outros custos com jogadores”, no exercício findo em 30 de junho de 2016, inclui o

montante de aproximadamente 660.000 Euros, relativos à decisão desfavorável à FCP, SAD do

processo intentado pelo SCP, SAD no qual reclamava o direito de receber 25% da mais-valia

realizado aquando da venda do jogador João Moutinho por parte do FC PORTO, SAD ao AS

Mónaco.

A rubrica “Outros custos com jogadores”, no exercício findo em 30 de junho de 2015, inclui (i)

uma compensação a pagar ao Clube Corinthias Alagoano decorrente de um litigio com esta

entidade relativo à transferência do jogador Pepe, para o qual as duas sociedades chegaram a

acordo, acordo esse que prevê o pagamento de uma indemnização no montante de 1.650.000

Euros e (ii) acertos de mais valias decorrentes de processo negociais concluídos durante o

exercício findo em 30 de junho de 2015 no montante de 1.300.000 Euros.

Os montantes apresentados nas rubricas “Mais-valias de alienações de passes de jogadores” e

“Menos-valias de alienações de passes de jogadores” são apresentados líquidos do valor

contabilístico dos “passes” dos jogadores, dos custos de intermediação suportados com aquelas

alienações, das responsabilidades com o mecanismo de solidariedade (se e quando aplicável), do

efeito da atualização financeira das contas a receber e a pagar originadas com aquelas transações

e do custo com indemnizações eventualmente suportadas. Em 30 de junho de 2016 a rubrica

“Mais-valias de alienações de passes de jogadores” respeita essencialmente à alienação dos

direitos desportivos e económicos do Alex Sandro (21.362.880 Euros). Maicon (9.093.100 Euros)

e Imbula (3.867.346 Euros), entre outros. Em 30 de junho de 2015, os valores mais expressivos

respeitam à alienação dos direitos desportivos e económicos do Mangala (22.806.942 Euros).

Danilo (23.101.403 Euros), Jackson Martinez (26.633.515 Euros) e Defour (2.683.593 Euros), entre

outros.

28. RESULTADOS FINANCEIROS

Os custos e proveitos financeiros dos exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015 podem ser

detalhados como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 98


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016 30.06.2015

Custos e perdas:

Juros suportados 12.410.407 12.844.769

Atualização de dívidas a terceiros 2.226.226 2.239.002

Outros custos e perdas financeiras 2.580.515 1.925.614

17.217.148 17.009.385

Proveitos e ganhos:

Juros obtidos 33.191 641.150

Atualização de dívidas de terceiros 1.959.509 1.449.355

1.992.700 2.090.505

Resultados financeiros (15.224.448) (14.918.880)

Os saldos das rubricas “Atualização de dívidas a terceiros” e “Atualização de dívidas de terceiros”

respeitam aos juros da diferença temporal entre a data transação de venda/compra dos direitos

de inscrição desportiva de diversos jogadores e as datas de recebimento/pagamento acordadas

contratualmente.

No exercício findo em 30 de junho de 2015 os juros obtidos dizem respeito, essencialmente, a

juros devidos pelo Futebol Clube do Porto de acordo com o acordo de regularização de dívida

assinado com este e entretanto findo no exercício findo em 30 de junho de 2015.

29. RESULTADOS RELATIVOS A INVESTIMENTOS

O detalhe da rubrica “Resultados relativos a investimentos” dos exercícios findos em 30 de junho

de 2016 e 2015 é como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Perdas por imparidade - direitos enconómicos do plantel (Nota 9) (560.944) (432.113)

(Mais)/menos valia originada na alienação dos direitos económicos (Nota 9) (43.140) 1.528.226

(604.084) 1.096.113

No exercício findo em 30 de junho de 2015 o São Paulo FC alienou os direitos de inscrição

desportiva do jogador Sousa ao Fenerbahce por 8.000.000 Euros; tendo a FCP, SAD direito a um

valor de 2.000.000 Euros, relativo a 25% dos direitos económicos deste jogador, gerando uma

mais-valia de 1.528.226 Euros.

30. ENTIDADES RELACIONADAS

Os saldos e transações entre a Sociedade e as suas subsidiárias, as quais são partes relacionadas

desta, foram eliminados no processo de consolidação e, consequentemente, não são relevados

nesta Nota. Os principais saldos com outras entidades relacionadas, identificadas abaixo, em 30

de junho de 2016 e 2015 e as principais transações realizadas com essas entidades durante os

exercícios findos nessa data, podem ser detalhados como segue:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 99


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2016

Contas a Contas a Outros ativos correntes Outros passivos

Saldos receber pagar e não correntes correntes e não correntes

FCP Clube 14.898.271 51.037 8.833.888 236.618

FCP Serv. Part. 1.140.605 610.382 - -

Investiantas - - 5.600 -

Fundação Porto Gaia - - 226.953 2.460

PPTV/Olived./Sport TV 3.071 - 2.166.667 4.000.000

Sportinveste 59.154 11.886 - -

16.101.101 673.305 11.233.108 4.239.078

30.06.2015

Contas a Contas a Outros activos correntes Outros passivos

Saldos receber pagar e não correntes correntes e não correntes

FCP Clube 7.412.444 48.894 12.693.331 515.692

FCP Serv. Part. 722.411 980.986 67.261 155.183

Investiantas - - 5.600 -

Fundação Porto Gaia - - 263.098 2.460

PPTV/Olived./Sport TV - - - 6.000.000

Sportinveste 61.067 8.760 23.568 48.534

8.195.922 1.038.639 13.052.858 6.721.869

30.06.2016

Vendas e serviços Fornecimentos e Juros Juros Outros

Transacções prestados serviços externos obtidos suportados custos

Futebol Clube do Porto (Nota 9) 3.721.828 5.074.147 - - 18.144

FCP Serviços Partilhados 64.323 4.961.193 - - (996)

PPTV/Olivedesportos 19.731.968 - - - -

Sportinveste 96.962 78.838 - - -

Investiantas - - - - -

Fundação Porto Gaia - 36.145 - - -

23.615.081 10.150.323 - - 17.147

30.06.2015

Vendas e serviços Fornecimentos e Juros Juros Outros

Transacções prestados serviços externos obtidos suportados custos

Futebol Clube do Porto (Nota 9) 4.210.983 5.165.065 269.268 - 471

FCP Serviços Partilhados 108.883 5.045.019 - - (34.503)

PPTV/Olivedesportos 16.463.326 (695) - (47.396) (14.424)

Sportinveste 82.096 59.753 - - -

Investiantas - - - - -

Fundação Porto Gaia - 36.145 - - -

20.865.289 10.305.286 269.268 (47.396) (48.456)

O Futebol Clube do Porto é o principal acionista da FCPorto, SAD (Nota 9), sendo a Euroantas

detida em 53% e a FC Porto Serviços Partilhados, S.A. detida em 96% por esta entidade.

Adicionalmente, é apresentada acima informação dos saldos e transações do Grupo com as

empresas Sportinveste - Multimédia, S.A. (“Sportinveste”) e PPTV/Olivedesportos - Publicidade

Televisão e Media, S.A. (“Olivedesportos”), dado que o Presidente do Conselho de Administração

destas entidades é acionista de referência da FCPorto, SAD.

Em 30 de junho de 2016 e 2015, as transações com a entidade PPTV/Olivedesportos relevadas na

rubrica “Vendas e prestações de serviços” são justificadas pelo contrato de cedência, em regime

de exclusividade, dos direitos de comunicação audiovisual respeitantes aos jogos em que a equipa

principal da FCP Futebol, SAD dispute, na condição de visitada, para a I Liga de Futebol

Profissional bem como os direitos à exploração comercial da publicidade estática e virtual

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 100


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

referentes a tais espetáculos, assinado entre as partes. Por seu turno, o saldo registado na rubrica

“Outros passivos correntes e não correntes” em 30 de junho de 2016 e 2015 corresponde,

essencialmente, a adiantamentos recebidos assim como a faturação antecipada à referida

entidade relativamente aos direitos acima referidos aplicáveis à época 2016/17, assim como a

faturação antecipada à mesma entidade relativa a parte dos direitos de transmissões televisivas

para as épocas posteriores (Nota 21).

Adicionalmente, durante o exercício findo em 30 de junho de 2016 foram realizadas transações

com membros íntimos da família do pessoal-chave da gerência (administradores) conforme

definição preconizada na IAS 24, representadas pela Energy Soccer, Lda. (“Energy Soccer”),

sociedade detida em 60% por Alexandre Pinto de Costa, filho do presidente do Conselho de

Administração da FCP, SAD, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa.

As transações efetuadas com a Energy Soccer no exercícios findo em 30 de junho de 2016

ascendendo a um valor global de 465.250, são relativas a:

• Comissão de intermediação da venda dos direitos desportivos do jogador Ricardo Quaresma e

do Rolando;

• Comissão de intermediação da aquisição dos direitos desportivos do jogador Fede Varela;

• Comissão de intermediação na renovação do contrato de trabalho do jogador Leandro Silva e

• Comissão de intermediação na assinatura do contrato de trabalho do jogador Rui Pires

Destas transações está pendente, a 30 de junho de 2016, um saldo total de 108.300 Euros.

31. RESULTADOS POR AÇÃO

Os resultados por ação do exercício, foram calculados em função dos seguintes montantes:

Resultado 30.06.2016 30.06.2015

Resultado para efeito de cálculo dos resultado líquido por

ação básico (resultado líquido do período) (58.410.836) 19.351.824

Resultados para efeito do cálculo do resultado líquido por

ação diluídos (58.410.836) 19.351.824

Número de ações

Número médio ponderado de ações para efeito de cálculo do

resultado líquido por ação básico 19.795.082 15.000.000

Efeitos das ações potenciais 2.704.918 4.972.603

Número médio ponderado de ações para efeito de cálculo do

resultado líquido por ação diluído 22.500.000 19.972.603

Resultado por ação básico (2,95) 1,29

Resultado por ação diluído (2,60) 0,97

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 101


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

32. INFORMAÇÃO POR SEGMENTOS

Em termos operacionais, o Grupo encontra-se organizado em três segmentos principais:

Segmento A:

Segmento B:

Segmento C:

atividade relacionada com a participação na modalidade de futebol em

competições desportivas de carácter profissional, promoção e organização de

espetáculos desportivos, representada pela FCP SAD.

atividade relacionada com a comercialização de direitos de imagem,

sponsorização, merchandising e licenciamento de produtos, representada pela

PortoComercial e Euroantas.

atividade relacionada com a produção de conteúdos e transmissão do canal de

televisão “Porto Canal”, representadas pela FCPorto Media, Avenida dos Aliados

e Miragem.

Outros serviços: engloba as atividades das subsidiárias PortoMultimédia, PortoEstádio,

PortoSeguro e Dragon Tour.

Os proveitos operacionais, com a indicação dos relativos a transações com outros segmentos e

aqueles resultantes de transações com entidades externas, podem ser apresentados como segue:

30.06.2016

Segm. A Segm. B Segm. C Outros

Total

serviços

Proveitos operacionais excluindo proveitos com passes de jogadores

Resultantes de operações com clientes externos 41.850.536 24.908.786 6.033.468 3.018.384 75.811.174

Resultantes de operações com outros segmentos 4.873.885 15.341.624 3.862.751 4.647.477 28.725.737

30.06.2015

Segm. A Segm. B Segm. C Outros

Total

serviços

Proveitos operacionais excluindo proveitos com passes de jogadores

Resultantes de operações com clientes externos 68.219.820 17.960.046 4.621.478 2.787.660 93.589.004

Resultantes de operações com outros segmentos 4.589.249 15.064.089 242.188 5.270.647 25.166.173

Os valores relativos aos resultados operacionais, cash-flow operacional e cash-flow, por segmento

de negócio, podem ser apresentados como segue:

30.06.2016

Segm. A Segm. B Segm. C Outros

serviços

Eliminações e

ajustamentos

Total

Resultado operacional (43.663.561) 3.588.495 (1.013.377) 443.492 (867.451) (41.512.402)

Amortizações excluindo depreciações de passes de jogadores (213.961) (2.494.918) (340.829) (33.088) (867.450) (3.950.246)

Provisões e perdas por imparidade excluindo passes de jogadores 203.364 (537.358) (101.348) 19.812 - (415.530)

Amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores (31.556.150) - - - - (31.556.150)

Cash-flow operacional - EBITDA (a) (75.230.308) 556.219 (1.455.554) 430.216 (1.734.901) (77.434.328)

Resultados relativos a investimentos (611.688) - (25.811) - 33.415 (604.084)

Custos financeiros (16.229.348) (1.267.947) (1.394) (102) 281.643 (17.217.148)

Proveitos financeiros 2.597.126 856 - 38 (605.320) 1.992.700

Imposto sobre o rendimento (225.879) (469.612) (158.536) (145.533) 56.673 (942.887)

Cash-flow (b) (89.700.097) (1.180.484) (1.641.294) 284.619 (1.968.491) (94.205.747)

(a) - Resultado antes de impostos, resultados financeiros, amortizações, provisões e Perdas por imparidade

(b) - Resultado líquido do exercício + amortizações, provisões e Perdas por imparidade

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 102


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

30.06.2015

Segm. A Segm. B Segm. C Outros

serviços

Eliminações e

ajustamentos

Total

Resultado operacional 30.213.392 3.776.902 238.053 803.492 (650.588) 34.381.251

Amortizações excluindo depreciações de passes de jogadores 181.773 1.879.304 28.135 34.732 650.588 2.774.532

Provisões e perdas por imparidade excluindo passes de jogadores 901.610 76.566 - (345.741) - 632.435

Amortizações e perdas por imparidade com passes de jogadores 31.373.937 - - - - 31.373.937

Cash-flow operacional - EBITDA (a) 62.670.712 5.732.772 266.188 492.483 - 69.162.155

Resultados relativos a investimentos 1.096.113 - - - - 1.096.113

Custos financeiros (15.975.098) (1.414.034) - (848) 380.595 (17.009.385)

Proveitos financeiros 2.496.510 205.982 - 57 (612.044) 2.090.505

Imposto sobre o rendimento 97.303 (423.732) (47.118) (269.748) 42.504 (600.791)

Cash-flow (b) 50.385.540 4.100.988 219.070 221.944 (188.945) 54.738.597

(a) - Resultado antes de impostos, resultados financeiros, amortizações, provisões e Perdas por imparidade

(b) - Resultado líquido do exercício + amortizações, provisões e Perdas por imparidade

Os dados relativos a ativo total e passivo total, bem como sobre o investimento realizado no

exercício em ativos tangíveis e intangíveis, incluindo passes de jogadores, podem ser

apresentados, por segmento, como segue:

30.06.2016

Segm. A Segm. B Segm. C Outros Eliminações e Total

serviços ajustamentos

Total do ativo 264.200.345 138.376.841 19.308.288 6.598.538 (53.439.084) 375.044.928

Total do passivo 295.405.563 59.511.824 18.557.151 5.222.920 (29.516.727) 349.180.731

Investimento realizado no exercício (c) 77.949.881 90.650 1.294.602 - - 79.335.133

30.06.2015

Segm. A Segm. B Segm. C Outros Eliminações e Total

serviços ajustamentos

Total do ativo 269.782.076 136.932.732 4.090.268 6.509.401 (58.079.117) 359.235.360

Total do passivo 242.878.838 60.112.251 3.657.285 5.072.035 (35.588.968) 276.131.441

Investimento realizado no exercício (c) 53.485.281 120.232 - - - 53.605.513

(c) - Aumentos dos ativos tangíveis e intangíveis, incluindo passes de jogadores

Dado o Grupo FCP desenvolver atualmente a sua atividade exclusivamente no mercado interno,

não são relatados segmentos geográficos.

33. INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVADOS

Por forma a reduzir a sua exposição à volatilidade das taxas de juro, o Grupo contrata “swaps” de

taxa de juro. Estes contratos são avaliados de acordo com o seu justo valor à data de

encerramento das demonstrações financeiras, sendo o correspondente montante reconhecido

na rubrica “Outros instrumentos financeiros - derivados” do ativo ou passivo, conforme os casos.

Os instrumentos financeiros derivados registados nas demonstrações financeiras em 30 de junho

de 2016 e 2015 correspondem a um swap de taxa de juro relativo ao empréstimo de

financiamento do Grupo. O Conselho de Administração entende que este derivado cumpre

integralmente os requisitos descritos pela IAS 39 Instrumentos financeiros: Reconhecimento e

Mensuração, para serem classificados como de cobertura, pelo que as variações do justo valor

dos mesmos foram registadas diretamente em capitais próprios.

Em 30 de junho de 2016 e 2015, o instrumento derivado (swap) contratado pelo Grupo

apresentava as seguintes características:

Moeda

Nocional

(em moeda)

Nocional

(em Euros)

Data

Contratação

Data

Vencimento

EUR 4.515.902 4.515.902 29/08/2003 28/09/2018

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 103


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O movimento ocorrido durante os exercícios findos em 30 de junho de 2016 e 2015 pode ser

apresentado como segue:

30.06.2016 30.06.2015

Saldo inicial (526.226) -

Variação de perímetro - (786.966)

Aumentos / (diminuições) 203.589 249.011

Variação no juro corrido 16.862 11.729

Saldo final (305.775) (526.226)

34. ATIVOS E PASSIVOS CONTINGENTES

Passivos Contingentes

i) Pepe Marítimo da Madeira Futebol SAD

Em 14 de Outubro de 2010, a Marítimo da Madeira Futebol, SAD (“Marítimo”) intentou uma ação

declarativa contra a FC Porto, SAD junto da Comissão Arbitral da Liga Portuguesa de Futebol

Profissional reclamando um acerto no montante que lhe seria devido pela transferência do jogador

Pepe para o Real Madrid no montante de, aproximadamente, 840.000 Euros, o qual inclui juros de

mora. No dia 14 de setembro de 2012 a Comissão Arbitral da LPFP julgou improcedente todos os

pedidos do Marítimo absolvendo a FC PORTO, SAD. Subsequentemente, a 17 de Outubro de 2012, o

Marítimo apresentou recurso para o plenário da LPFP. Em Dezembro de 2013 o pedido de anulação

da decisão do Plenário da Comissão Arbitral da LPFP intentado pela Marítimo Futebol SAD junto das

Varas Cíveis do Porto foi julgado improcedente, desta decisão foi intentado recurso junto do Tribunal

da Relação do Porto, por parte da Marítimo, SAD, encontrando-se o processo ainda a tramitar.

O Conselho de Administração da Sociedade, bem como os seus consultores legais, entenderam que a

fundamentação considerada pelos clubes acima referidos não é correta, pelo que foi apresentada

contestação, não estimando que do desfecho destes processos resultem quaisquer impactos

materiais sobre as Demonstrações Financeiras.

ii) João Moutinho Sporting

Foi intentada pela Sporting Clube de Portugal, SAD, junto da Comissão Arbitral da LPFP uma ação

declarativa de condenação respeitante ao contrato de cedência definitiva dos direitos desportivos

relativo ao atleta João Filipe Iria Santos Moutinho, mediante a qual foi conferido à Sporting SAD o

direito de receber 25% da mais-valia verificada em futura cedência do jogador a terceiro clube. A 17

de setembro de 2014 a Comissão Arbitral da LPFP notificou a FC PORTO, SAD do acórdão relativo a

este processo no qual condenou a Sociedade ao pagamento, ao Sporting Clube de Portugal, SAD, de

658.047 Euros acrescido de juros de mora.

A FC PORTO, SAD apresentou recurso da decisão para o Plenário da Comissão Arbitral da LPFP a 6 de

outubro de 2014, tendo sido notificada no exercício findo em 30 de junho de 2016 da decisão

desfavorável desta instância, tendo a FCP, SAD reconhecido, nesse seguimento, o valor total da

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 104


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

responsabilidade a que foi condenado (Nota 27). No entanto o SCP, por sua vez, recorreu desta

decisão, argumentando que os valores que lhe são devidos são superiores àqueles a que a FCP, SAD

foi condenada.

iii) Tony Djim e Celestin Djim Standard Liége

Foram intentadas pelo Standard de Liège, junto da FIFA duas reclamações contra a FC PORTO, SAD,

na qual reclama que lhe é devida a quantia global de 430.000 Euros a título de compensação por

formação, pela contratação, por parte da FC PORTO, SAD, dos jogadores Tony Djim e Celestin Djim.

Em 18 de Fevereiro de 2016 o Dispute Resolution Center da FIFA emitiu uma decisão favorável à

Sociedade. Apesar de, relativamente a este processo, ser ainda possível o recurso ao Tribunal Arbitral

do Desporto, é convicção do Conselho de Administração da Sociedade, bem como os seus consultores

legais, que a fundamentação considerada pelo Standard de Liège não é correta, pelo facto deste clube

não ter cumprido uma exigência do Regulamento FIFA do Estatuto e Transferência de Jogadores e que

do eventual recurso que venha a ter lugar não resultará quaisquer impactos materiais sobre as

demonstrações financeiras.

iv) ERCS Avenida dos Aliados

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERCS) instaurou um procedimento

contraordenacional à sociedade Avenida dos Aliados, com fundamento na alínea d) do nº1 do artigo

77º da Lei da Televisão, que prevê a punição de 75.000 Euros a 375.000 Euros, sendo convicção do

Conselho de Administração que, do mesmo processo não resultarão responsabilidades para a

Empresa.

v) Iturbe Verona

O Clube Italiano Verona reclamou junto da FIFA o reembolso por parte do FCP SAD do valor de

solidariedade que lhe foi reclamado por clubes terceiros por força de cedência temporária (num

primeiro momento) e da cedência definitiva (posteriormente) do jogador Iturbe. No entanto, em

ambas as cedências, as contrapartidas a pagar à SAD foram definidas de forma expressa no contrato

como sendo liquidas deste mecanismo, pelo que a FCP, SAD considera que o valor não lhe é devido.

Decisões do Dispute Resolution Chamber (“DRC”) da FIFA de 17 de setembro de 2015 condenam a

SAD a reembolsar ao Verona as quantias pagas de solidariedade no valor de 310.500 euros e 31.824

euros reclamadas pelo Cerro Porteno e pelo River Plate, respetivamente.

No seguimento daquela decisão a FCP SAD já apresentou recurso para o tribunal arbitral do desporto

(“TAS”), na Suíça, sendo entendimento do Conselho de Administração da Sociedade, bem como os

seus consultores legais que, tendo em consideração decisões recentes por parte dos TAS

relativamente a esta matéria, em que revogou várias decisões do DRC da FIFA, que a fundamentação

considerada pelo Verona não correta, não estimando que o desfecho deste processo resulte

quaisquer impactos materiais sobres as demonstrações financeiras.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 105


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Outros processos

Durante o exercício findo em 30 de junho de 2008 foi intentado por um terceiro contra o Grupo um

processo judicial, tendo sido proferida sentença pela 7ª Vara Cível do Tribunal Judicial do Porto, em

Maio de 2009, que condenou a PortoEstádio a pagar uma indemnização no montante de 404.241

Euros, acrescida de juros moratórios, tendo o Grupo recorrido da decisão. Em Julho de 2015 o desfecho

deste processo foi conhecido, sendo a decisão favorável à PortoEstádio pelo que a provisão

anteriormente constituída foi revertida, encontrando-se apenas a decorrer o prazo para a definição

das custas.

Ativos Contingentes

i) Processos fiscais

A Sociedade efetuou, em exercícios anteriores, pagamentos referentes a liquidações adicionais

de processos fiscais, registando esses pagamentos como gasto nos exercícios em que esses

pagamentos ocorreram. No entanto a Sociedade mantêm ativas reclamações graciosas e/ou

impugnações judiciais, em que reclama a devolução desses montantes.

Desta forma, existem os seguintes ativos contingentes de natureza fiscal a 30 de junho de 2016:

Imposto

Natureza

Ativo

contingente

30.06.2016

IRC 2003 Liquidação adicional 2.155.916

IVA 2003 Liquidação adicional 171.369

IRC 2005 Liquidação adicional 626.650

IRC 2007 Liquidação adicional 416.475

IRC e IVA 2008 Liquidação adicional 823.732

IRC 2009 Liquidação adicional 979.550

IRC e IRS 2010 Liquidação adicional 316.366

5.490.058

ii) Imposto Municipal sobre Imóveis

Em reunião pública da Câmara Municipal do Porto realizada em 18 de Abril de 2006, foi aprovada

por unanimidade a proposta de classificação do Estádio do Dragão como “imóvel de interesse

municipal”. Em Fevereiro de 2008, foi emitido um despacho pelos Serviços de Finanças do Porto

aprovando o pedido de isenção de Imposto Municipal sobre Imóveis (“IMI”), relativamente ao

referido imóvel, e que, de acordo com a legislação expressa nos Estatutos dos Benefícios Fiscais,

será aplicável para os anos de 2006 e seguintes. Em Outubro de 2006, o Conselho de

Administração da Euroantas endereçou um requerimento ao Ministro das Finanças solicitando

que a isenção de IMI obtida fosse aplicável desde 2004. No entanto, em Fevereiro de 2008, o

Grupo recebeu uma nota de liquidação do IMI referente aos anos de 2004 e 2005 cujo montante

global ascende a 343.871 Euros. Apesar do referido montante ter sido registado como custo na

demonstração dos resultados do exercício findo em 30 de junho de 2008, por ser entendimento

do Conselho de Administração da Empresa que existe fundamentação que justifique que a isenção

fosse igualmente aplicável aos anos de 2004 e 2005, em Julho de 2008, o Grupo apresentou uma

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 106


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

reclamação graciosa relativamente à referida liquidação, tendo sido a mesma indeferida e sido

apresentada posteriormente impugnação judicial.

Não tendo existido ainda qualquer desenvolvimento adicional neste processo, o Grupo continua

a aguardar por uma decisão definitiva.

35. EVENTOS SUBSEQUENTES

Subsequentemente à data das demonstrações financeiras ocorreram os seguintes factos que, pela

sua relevância, são apresentados como segue:

i) Alterações no Conselho de Administração:

Em 1 de setembro de 2016, o Exmo. Sr. Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

apresentou renúncia ao seu cargo de Administrador da FCP, SAD, tendo esta sido aceite.

ii) Empréstimo de jogadores

A FC Porto SAD garantiu os direitos de inscrição desportiva do Oliver Torres e Diogo Jota ao Club

Atlético de Madrid por uma época e meia e uma época desportiva, ou seja, até dezembro de 2017

e junho de 2017, respetivamente. Ambos os contratos comtemplam opções de compra definitiva

dos direitos acima referidos.

iii) Aquisições de “passes” de jogadores:

A FCP, SAD adquiriu os direitos de inscrição desportiva e 100% dos direitos económicos dos jogador

Alex Telles ao Galatasaray, Depoitre ao Gent e Boly ao Sporting Clube de Braga por um valor global

de 19.000.000 Euros.

36. APROVAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

As demonstrações financeiras foram aprovadas pelo Conselho de Administração em 6 de outubro de

2016.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 107


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

7. Certificação Legal de Contas e Relatório sobre a Auditoria das Demonstrações Financeiras

Consolidadas

Opinião

Auditámos as demonstrações financeiras consolidadas anexas da Futebol Clube do Porto Futebol

S.A.D (“Sociedade”) e suas subsidiárias (“Grupo”), que compreendem a demonstração consolidada da

posição financeira em 30 de junho de 2016 (que evidencia um total de ativo de 375.044.928 Euros e

um total de capital próprio de 25.864.197 Euros, incluindo um resultado líquido consolidado negativo

atribuível aos acionistas da EmpresaMãe de 58.410.836 Euros), a demonstração consolidada dos

resultados por naturezas, a demonstração consolidada dos resultados e de outro rendimento integral,

a demonstração consolidada das alterações no capital próprio e a demonstração consolidada dos

fluxos de caixa relativas ao período findo naquela data, e as notas anexas às demonstrações financeiras

consolidadas que incluem um resumo das políticas contabilísticas significativas.

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras consolidadas anexas apresentam de forma verdadeira

e apropriada, em todos os aspetos materiais, a posição financeira consolidada da Futebol Clube do

Porto Futebol S.A.D. e suas subsidiárias em 30 de junho de 2016 e o seu desempenho financeiro e

fluxos de caixa consolidados relativos ao período findo naquela data de acordo com as Normas

Internacionais de Relato Financeiro tal como adotadas pela União Europeia.

Bases para a opinião

A nossa auditoria foi efetuada de acordo com as Normas Internacionais de Auditoria (ISA) e demais

normas e orientações técnicas e éticas da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas. Somos

independentes da Empresa nos termos da lei e cumprimos os demais requisitos éticos nos termos

do código de ética da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas.

Estamos convictos que a prova de auditoria que obtivemos é suficiente e apropriada para

proporcionar uma base para a nossa opinião.

Continuidade

Tal como referido nas notas anexas às demonstrações financeiras consolidadas, o Grupo prepara as

demonstrações financeiras consolidadas no pressuposto da continuidade. O pressuposto da

continuidade implica que o Grupo dispõe de recursos adequados para manter as atividades e que o

órgão de gestão não tem intenção de cessar as atividades no curto prazo.

Com base no nosso trabalho, informamos que as demonstrações financeiras individuais da

Sociedade, em 30 de Junho de 2016, evidenciam estar perdida a totalidade do seu capital social,

apresentando naquela data capitais próprios negativos atribuíveis aos acionistas da Sociedade, pelo

que são aplicáveis as disposições dos artigos 35º e 171º do Código das Sociedades Comerciais.

Adicionalmente, as demonstrações financeiras individuais e consolidadas naquela data apresentam

uma situação em que o ativo corrente é manifestamente inferior ao passivo corrente.

Adicionalmente, conforme referido na Nota 3.4 do anexo às demonstrações financeiras consolidadas

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 108


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

a Sociedade não cumpriu com os requisitos do “break-even” tal como definido pelo Regulamento de

Licenciamento de Clubes para as competições da UEFA. Conforme referido no relatório de gestão

consolidado e na Nota 16 do Anexo às demonstrações financeiras consolidadas, o Conselho de

Administração entende que esta situação deverá ser analisada e decidida em Assembleia Geral de

Acionistas, tendo em vista a adequação dos capitais próprios às disposições legais. O pressuposto da

continuidade das operações assume a manutenção do apoio financeiro das instituições financeiras e

outras entidades financiadoras, nomeadamente a renovação/reforço e reestruturação das linhas de

crédito e passivos financeiros existentes (Notas 3.3 e 18), bem como o sucesso futuro das operações

do Grupo, incluindo o resultado positivo da alienação de direitos de inscrição desportiva de

jogadores, tal como previsto nos orçamentos de exploração e tesouraria, essencial para o equilíbrio

e cumprimento dos compromissos financeiros assumidos.

Responsabilidades do órgão de gestão

É da responsabilidade do órgão de gestão:

- a preparação de demonstrações financeiras consolidadas que apresentem de forma

verdadeira e apropriada a posição financeira, o desempenho financeiro e os fluxos de caixa do

Grupo de acordo com as Normas Internacionais de Relato Financeiro tal como adotadas na

União Europeia;

- a elaboração do relatório de gestão consolidado e do relatório de governo societário nos

termos legais e regulamentares;

- a criação e manutenção de um sistema de controlo interno apropriado para permitir a

preparação de demonstrações financeiras isentas de distorção material devido a fraude ou

erro;

- a adoção de políticas e critérios contabilísticos adequados nas circunstâncias;

- a divulgação de qualquer facto relevante que tenha influenciado a atividade, a posição

financeira consolidada ou os resultados consolidados do Grupo; e

- a avaliação da capacidade do Grupo de se manter em continuidade, divulgando, quando

aplicável, as matérias que possam suscitar dúvidas significativas sobre a continuidade das

operações.

Responsabilidades do auditor

A nossa responsabilidade consiste em obter segurança razoável sobre se as demonstrações

financeiras consolidadas estão isentas de distorções materiais devido a fraude ou erro, e emitir um

relatório profissional e independente baseado na nossa auditoria que inclui a nossa opinião. Incluemse

nas nossas responsabilidades:

- a verificação de as demonstrações financeiras das entidades incluídas na consolidação terem

sido auditadas e, nos casos significativos em que o não tenham sido, a verificação, numa base

de amostragem, do suporte das quantias e divulgações constantes das demonstrações

financeiras e a avaliação das estimativas, baseadas em juízos e critérios definidos pelo órgão

de gestão, utilizadas na sua preparação;

- a verificação das operações de consolidação e da aplicação do método da equivalência

patrimonial;

- a apreciação sobre se as políticas contabilísticas adotadas são adequadas e a sua divulgação

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 109


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

apropriada tendo em conta as circunstâncias;

- a verificação da aplicabilidade do pressuposto da continuidade; e

- a apreciação sobre se é adequada, em termos globais, a apresentação das demonstrações

financeiras consolidadas.

A nossa responsabilidade inclui ainda a verificação da concordância da informação constante do

relatório de gestão consolidado com as demonstrações financeiras consolidadas, bem como as

verificações previstas nos números 4 e 5 do artigo 451.º do Código das Sociedades Comerciais.

RELATÓRIO SOBRE OUTROS REQUISITOS LEGAIS E REGULAMENTARES

Em nossa opinião: (i) o relatório de gestão consolidado foi preparado de acordo com as leis e

regulamentos aplicáveis em vigor e a informação nele constante é coerente com as demonstrações

financeiras consolidadas auditadas, não tendo sido identificadas incorreções materiais, e (ii) o

relatório do governo societário inclui os elementos exigíveis à Sociedade nos termos do artigo 245º-

A do Código dos Valores Mobiliários.

Porto, 7 de outubro de 2016

Deloitte & Associados, SROC S.A.

Representada por António Manuel Martins Amaral

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 110


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

8. Relatório e Parecer do Conselho Fiscal

Senhores Acionistas,

Em cumprimento das disposições legais e estatuárias aplicáveis e do mandato que lhe foi conferido, o

Conselho Fiscal do Futebol Clube do Porto Futebol SAD, vem apresentar relatório e parecer sobre o

relatório de gestão e restantes documentos de prestação de contas individuais e consolidadas do

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD, relativos ao exercício findo em 30 de Junho de 2016, da

responsabilidade do Conselho de Administração.

Fiscalização

Durante o exercício, o Conselho Fiscal acompanhou a gestão da sociedade, a evolução da sua atividade

e das suas participadas e efetuou reuniões com a frequência e extensão que considerou adequadas.

Estas reuniões, em função das matérias em análise, tiveram a presença dos responsáveis das áreas de

Contabilidade e Fiscalidade, Planeamento Financeiro e Controlo de Gestão, Departamento Jurídico e

Conselho de Administração. Este Conselho manteve estreito contacto com o revisor oficial de contas

e auditor externo permitindo estar continuamente informado da natureza e conclusões das auditorias

realizadas. No cumprimento destas funções o Conselho Fiscal obteve da Administração, dos diversos

serviços da empresa, das empresas englobadas na consolidação, e do revisor oficial de contas, todas

as informações e esclarecimentos solicitados, nomeadamente, para a devida compreensão e avaliação

da evolução dos negócios, do desempenho e da posição financeira, bem como dos sistemas de gestão

de riscos e de controlo interno.

Acompanhou ainda o processo de preparação e de divulgação de informação financeira, bem como a

revisão aos documentos de prestação de contas individuais e consolidadas da empresa, tendo recebido

do revisor oficial de contas todas as informações e esclarecimentos solicitados. Adicionalmente, no

âmbito das suas atribuições, o Conselho Fiscal examinou os balanços individual e consolidado em 30

de Junho de 2016, as demonstrações individuais e consolidadas dos resultados por naturezas, dos

fluxos de caixa, do rendimento integral e das alterações no capital próprio do exercício findo naquela

data e os correspondentes anexos.

Apreciou o relatório de gestão emitido pelo Conselho de Administração, e a certificação legal das

contas e relatório de auditoria sobre as contas, emitidos pelo revisor oficial de contas, os quais

merecem o acordo do Conselho Fiscal.

Perante o exposto, o Conselho Fiscal é de opinião que a informação constante das demonstrações

financeiras em apreço foi elaborada em conformidade com as normas contabilísticas, legais e

estatuárias aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da situação

financeira e dos resultados do Futebol Clube do Porto Futebol, SAD e das empresas incluídas no

perímetro de consolidação e que o relatório de gestão expõe fielmente a evolução dos negócios, do

desempenho e da posição financeira da mesma e das empresas incluídas no perímetro de consolidação

e contém uma descrição dos principais riscos e incertezas com que se defrontam.

Depois do encerramento das contas, o Conselho Fiscal analisou os factos mais relevantes ocorridos e

que estão devidamente explicitados no Relatório de Gestão

O Conselho Fiscal manifesta o seu apreço pela colaboração recebida do Conselho de Administração e

dos serviços.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 111


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Parecer

Em consequência do acima referido, o Conselho Fiscal é de opinião que estão reunidas as condições

para que a Assembleia-Geral aprove:

a) O relatório de gestão, os balanços individual e consolidado em 30 de Junho de 2016, as

demonstrações individuais e consolidadas dos resultados por natureza, dos fluxos de caixa e dos

correspondentes anexos;

b) A proposta de aplicação de resultados das contas individuais apresentada pelo Conselho de

Administração.

Declaração de Responsabilidade

Os membros do Conselho Fiscal do Futebol Clube do Porto Futebol, SAD, nos termos da alínea c) do

nº 1 do art.º 245º do Código dos Valores Mobiliários, declaram que, tanto quanto é do seu

conhecimento, a informação prevista na alínea a) do artigo supracitado, incluindo os documentos de

prestação de Contas Individuais e Consolidadas, foi elaborada em conformidade com as normas

contabilísticas aplicáveis, dando uma imagem verdadeira e apropriada do ativo e do passivo, da

situação financeira e dos resultados da sociedade e das empresas incluídas no perímetro de

consolidação, contendo ainda uma descrição dos principais riscos e incertezas com que a mesma se

defronta.

Porto, 07 de outubro de 2016

O Conselho Fiscal

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 112


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 113


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

C. Relatório sobre o Governo da Sociedade

PARTE I INFORMAÇÃO SOBRE ESTRUTURA ACIONISTA,

ORGANIZAÇÃO E GOVERNO DA SOCIEDADE

A. ESTRUTURA ACIONISTA

I. Estrutura de capital

1. Estrutura de capital

O capital social da FC Porto Futebol, SAD é, em 30 de junho de 2016, de 112.500.000€ (cento e doze

milhões e quinhentos mil euros), representado por 22.500.000 (vinte e dois milhões e quinhentas mil)

ações com um valor nominal de 5€ (cinco euros) cada.

Em 30 de junho de 2014, o capital social era de 75.000.000. No entanto, em Assembleia Geral de

acionistas de 2 de outubro de 2014, foi aprovado o aumento de capital social no valor total de

37.500.000€, mediante emissão de ações preferenciais sem voto. Na sequência deste aumento de

capital, que foi integralmente subscrito pelo Futebol Clube do Porto, o capital social da Sociedade

ascende agora ao valor total de 112.500.00€ (cento e doze milhões e quinhentos mil euros), não tendo

existido quaisquer alterações ao capital social da FC Porto Futebol, SAD desde essa data.

Já neste exercício e a pedido do FC Porto titular único das ações preferenciais, na Assembleia Geral de

12 de novembro de 2015 a FC Porto Futebol, SAD aprovou a conversão destas ações em ações

ordinárias, eliminando também a percentagem máxima de direitos de voto a exercer por cada

acionista. Posteriormente, a 19 de fevereiro de 2016, a CMVM aprovou prospeto de admissão à

negociação em mercado regulamentado das 7.500.000 ações entretanto convertidas.

Assim, a esta data, o capital social encontra-se integralmente subscrito e realizado e está dividido em

16.782.931 ações de categoria A e 5.717.069 ações de categoria B, respetivamente 74,59% e 25,41%

do capital e direitos de voto da sociedade, dependendo da identidade do respetivo titular. As ações da

categoria A só integram tal categoria enquanto na titularidade do Futebol Clube do Porto, ou de

Sociedade Gestora de Participações Sociais em que esse Clube detenha a maioria do capital social,

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 114


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

convertendo-se automaticamente em ações da categoria B no caso de alienação a terceiros, a qualquer

título. Para efeito do exercício do direito de voto, a cada ação corresponde um voto.

As ações de categoria A conferem ao seu titular os seguintes direitos especiais:

• Direito de veto das deliberações da assembleia geral que tenham por objeto a fusão, cisão,

transformação ou dissolução da sociedade e alteração dos seus estatutos, o aumento e a redução do

capital social e a mudança da localização da sede (artigo 7.º, n.º 2 dos estatutos), de acordo com o

artigo 23.º n.º 3 do Decreto-Lei 10/2013 de 25 janeiro.

• Direito a designar, pelo menos, um dos membros do Conselho de Administração, o qual disporá de

direito de veto das deliberações de tal órgão que tenham por objeto idêntico ao do n.º 2 do artigo 7.º

dos Estatutos (artigo 11.º, n.º 3 dos estatutos1).

2. Restrições à transmissibilidade das ações e à titularidade de ações

Existem limitações legais à titularidade de ações representativas do capital da FC Porto Futebol, SAD,

decorrentes das especiais exigências da atividade desportiva que constitui o seu principal objeto. As

sociedades desportivas regem-se pelo regime jurídico especial estabelecido no Decreto-Lei 67/97, de

3 de abril de acordo com as alterações que lhe foram introduzidas pela Lei n.º 107/97, de 16 de

setembro e posteriormente pelo Decreto-Lei n.º 10/2013, de 25 de janeiro. De entre estas

especificidades é de realçar:

• A existência de duas categorias de ações, sendo as ações de categoria A as ações subscritas e

detidas, a qualquer momento, pelo clube fundador, as quais só são suscetíveis de apreensão

judicial ou oneração a favor de pessoas coletivas de direito público;

• O sistema especial de fidelização da Sociedade ao clube fundador, que se traduz,

designadamente, na obrigatoriedade do clube manter uma participação mínima na Sociedade

(não inferior a 10%); na atribuição de direitos especiais às ações detidas pelo clube fundador.

3. Ações próprias

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 115


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A FC Porto Futebol, SAD detém, em termos de consolidado, 100 ações próprias, no valor de 499€.

Estas ações, com uma pequeníssima representação no capital social da empresa, são detidas pela

PortoSeguro, sociedade no perímetro de consolidação, detida em 90% pela FC Porto Futebol, SAD.

A PortoSeguro adquiriu as 100 ações no momento da constituição da SAD, em 1997, e desde aí não

alienou nem adquiriu mais nenhuma ação. Assim, a FC Porto Futebol, SAD detinha em termos de

consolidado, tanto no início como no final do período em análise, 100 ações próprias, com o custo de

aquisição de 500€.

4. Acordos significativos de que a sociedade seja parte e que entrem em vigor, sejam alterados ou

cessem em caso de mudança de controlo da sociedade na sequência de uma oferta pública de

aquisição, bem como os efeitos respetivos

Não existem acordos significativos de que a Sociedade seja parte e que entrem em vigor, sejam

alterados ou cessem, em caso de mudança de controlo da Sociedade na sequência de uma oferta

pública de aquisição, nem acordos entre a FC Porto Futebol, SAD e os titulares do órgão de

administração ou trabalhadores que prevejam indemnizações em caso de renúncia ou destituição de

membros do órgão de administração, nem em caso de pedido de demissão do trabalhador,

despedimento sem justa causa ou cessação da relação de trabalho, na sequência de uma oferta pública

de aquisição.

Do mesmo modo, a FC Porto Futebol, SAD não adotou qualquer medida que tenha como objetivo

impedir o êxito de ofertas públicas de aquisição que desrespeitem os interesses da Sociedade e dos

acionistas.

5. Regime a que se encontre sujeita a renovação ou revogação de medidas defensivas, em particular

aquelas que prevejam a limitação do número de votos suscetíveis de detenção ou de exercício por

um único acionista de forma individual ou em concertação com outros acionistas

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 116


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Na Assembleia Geral de 12 de novembro de 2015 a Sociedade alterou o n.º 3 do artigo 7.º dos seus

estatutos, eliminando a percentagem máxima de direitos de voto a exercer por cada acionista titular

de ações preferenciais sem voto, uma vez que deixou de ter aplicação na sequência da conversão das

ações preferenciais sem voto em ações ordinárias.

Assim, a FC Porto Futebol, SAD não tem qualquer medida defensiva que vise ter por efeito uma

erosão automática e grave no património da Sociedade em caso de transição de controlo ou de

mudança da composição do órgão de administração, prejudicando dessa forma a livre

transmissibilidade das ações e a livre apreciação pelos acionistas do desempenho dos titulares dos

órgãos de administração.

6. Acordos parassociais que sejam do conhecimento da sociedade e possam conduzir a restrições em

matéria de transmissão de valores mobiliários ou de direitos de voto

O Conselho de Administração desconhece qualquer acordo parassocial com a natureza dos

mencionados no Art.º 19 do Código dos Valores Mobiliários relativamente ao exercício de direitos

sociais, ou à transmissibilidade de ações da FC Porto Futebol, SAD.

Não existe, nomeadamente, qualquer sindicato de voto ou acordo de defesa contra ofertas públicas

de aquisição (OPA).

II. Participações Sociais e Obrigações detidas

7. Participações qualificadas

Nos termos e para os efeitos do disposto nos Artigos 16º e 20º do Código de Valores Mobiliários e no

Artigo 448º do Código das Sociedades Comerciais, informa-se que as Sociedades e/ou pessoas

singulares que têm uma participação social qualificada que ultrapasse os 2%, 5%, 10%, 20%, um terço,

50%, dois terços e 90% dos direitos de voto, em 30 de junho de 2016, e de acordo com as notificações

recebidas na sede da Sociedade, são:

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 117


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Nº de Acções % Direitos de voto

Directamente 16.782.931 74,59%

Através de Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa 250.000 1,11%

Através de Alípio Jorge Calisto Fernandes 2.175 0,01%

Através de Eduardo Jorge Tentugal Valente 200 0,00%

Através de António Manuel Leitão Borges 2.480 0,01%

Através de Rodrigo Afonso Pinto de Magalhães Pinto Barros 200 0,00%

Total imputável 17.037.986 75,72%

António Luís Alves Oliveira Nº de Acções % Direitos de voto

Directamente 1.650.750 7,34%

Através de Francisco António de Oliveira 980 0,00%

Total imputável 1.651.730 7,34%

Joaquim Francisco Alves Ferreira de Oliveira Nº de Acções % Direitos de voto

Através da sociedade Olivedesportos SGPS, S.A 1.502.188 6,68%

8. Número de ações e obrigações detidas por membros dos órgãos de administração e de

fiscalização, nos termos do n.º 5 do art.º 447º do Código das Sociedades Comerciais (CSC)

Nos termos e para os efeitos do disposto no art.º 447º do Código das Sociedades Comerciais informase

que, em 30 de junho de 2016, os administradores da FC Porto Futebol, SAD detinham as seguintes

ações:

Ações Detidas pelos Membros do Conselho de Administração

Nº de Ações

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa* 250.000

Adelino Sá e Melo Caldeira* 0

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique* 0

Fernando Manuel Santos Gomes * 0

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro 9.850

José Américo Amorim Coelho 100

Rui Ferreira Vieira de Sá 0

* O Futebol Clube do Porto, do qual é Presidente / Vice-Presidente da Direção, detinha, em 30 de junho de 2016

16.782.931 ações

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 118


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Ações Detidas pelos Membros do Conselho Fiscal

Nº de Ações

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida 100

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães 25

José Augusto dos Santos Saraiva 0

André Ferreira Antunes 0

Em 30 de junho de 2016, o Revisor Oficial de Contas não possuía ações representativas do capital social

da FC Porto Futebol, SAD.

9. Poderes especiais do Conselho de Administração, nomeadamente relativos a aumentos do capital

Sem prejuízo das demais atribuições que lhe conferem a lei e os Estatutos da Sociedade, ao Conselho

de Administração compete assegurar a gestão de todos os negócios sociais e efetuar todas as

operações relativas ao objeto social, no que lhe são conferidos os mais amplos poderes,

nomeadamente:

a) Representar a Sociedade, em juízo e fora dele, propor e contestar quaisquer ações, transigir e

desistir das mesmas e comprometer-se em arbitragens. Para o efeito, o conselho de

administração poderá delegar os seus poderes num só mandatário;

b) Elaborar o orçamento da empresa, para aprovação pela Assembleia Geral;

c) Adquirir, alienar e onerar ou locar bens móveis, incluindo ações, quotas, obrigações e direitos

de inscrição de jogadores;

d) Celebrar contratos de trabalho desportivo e contratos de formação desportiva e proceder à

sua rescisão, tanto unilateral como por mútuo acordo;

e) Adquirir bens imóveis;

f) Deliberar que a Sociedade se associe com outras pessoas, nos termos do artigo quarto dos

Estatutos;

g) Deliberar a emissão de obrigações e contrair empréstimos no mercado financeiro nacional

e/ou estrangeiro e aceitar a fiscalização das entidades mutuantes;

h) Designar quaisquer outras pessoas, individuais ou coletivas, para exercício de cargos sociais

noutras empresas.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 119


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O Conselho de Administração não tem poderes para deliberar sobre aumento de capital. Tal como

definido no artigo sétimo dos Estatutos da Sociedade, qualquer aumento de capital carece de

deliberação prévia da Assembleia Geral, sendo que as ações de categoria A, detidas pelo Futebol Clube

do Porto (Clube), conferem sempre direito de veto das deliberações da Assembleia Geral que tenham

por objeto, nomeadamente, o aumento e a redução do capital social. No entanto, com a entrada em

vigor, da alínea b) do artigo 23.º, n.º 2, do Decreto-Lei n.º 10/2013, de 25 de janeiro, o FC Porto deixa

de ter, nos termos da lei, direito de veto sobre a alteração dos estatutos da FC Porto SAD e sobre o

aumento ou redução do capital social da mesma, passando no entanto a ter direito de veto sobre

qualquer alteração ao emblema ou ao equipamento das equipas de futebol profissional.

10. Relações significativas de natureza comercial entre os titulares de participações qualificadas e a

Sociedade

Não existem quaisquer negócios significativos em termos económicos, para qualquer das partes

envolvidas, realizados entre a Sociedade e os membros dos órgãos de administração, fiscalização,

titulares de participações qualificadas ou Sociedades que se encontrem em relação de domínio ou de

grupo, exceto no que respeita aos negócios ou operações que são realizados em condições normais de

mercado para operações similares e fazem parte da atividade corrente da Sociedade.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 120


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

B. ÓRGÃOS SOCIAIS E COMISSÕES

I. ASSEMBLEIA GERAL

a) Composição da mesa da assembleia geral

11. Identificação e cargo dos membros da mesa da assembleia geral e respetivo mandato

Na Assembleia Geral realizada no dia 3 de março de 2016 deliberou-se a eleição, para o quadriénio

2016/2019, de José Manuel de Matos Fernandes como Presidente da Mesa da Assembleia Geral, e de

Rui Miguel de Sousa Simões Fernandes Marrana para secretário da Mesa da Assembleia Geral.

b) Exercício do direito de voto

12. Eventuais restrições em matéria de direito de voto

A FC Porto Futebol, SAD, previamente a cada Assembleia Geral, e respeitando os prazos legais,

procede à publicitação do aviso convocatório, inclusive no site institucional da Sociedade

(www.fcporto.pt).

De acordo com o disposto nos Estatutos da Sociedade, podem participar na reunião da Assembleia

Geral os acionistas com direito de voto cujas ações se encontrem inscritas em seu nome na data de

registo correspondente às zero horas (GMT) do 5.º dia útil imediatamente anterior ao designado para

a reunião da Assembleia Geral, e que comprovem tal inscrição perante a sociedade, até ao fim do

mesmo quinto dia útil anterior ao designado para a reunião, devendo, ainda, declarar a intenção de

participar na Assembleia Geral mediante comunicação escrita, dirigida ao Presidente da Mesa da

Assembleia Geral, o mais tardar, até ao fim do sexto dia imediatamente anterior ao designado para a

reunião da Assembleia Geral, podendo, para o efeito, utilizar o correio eletrónico. No entanto, os

últimos Presidentes da Mesa da Assembleia Geral têm entendido que, tendo em conta as questões

que se prendem com o prazo de recebimento das declarações de bloqueio das ações, se deve aceitar

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 121


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

aquelas cujas cópias sejam recebidas por fax ou e-mail até ao prazo indicado nos Estatutos e

confirmadas pelo recebimento dos originais até à véspera da realização da Assembleia.

Os Acionistas que sejam pessoas singulares poderão fazer-se representar nas reuniões da Assembleia

Geral nas condições definidas pela legislação em vigor. As pessoas coletivas far-se-ão representar pela

pessoa que para o efeito designarem através de carta cuja autenticidade será apreciada pelo

Presidente da Mesa.

A Sociedade disponibiliza aos Senhores Acionistas um formulário de carta de representação que pode

ser obtido através de solicitação dirigida a esta Sociedade, via telefone (+351225070500) ou via e-mail

(geral@fcporto.pt). Os instrumentos de representação voluntária deverão ser entregues na sede

social, dirigidas ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, com pelo menos três dias de antecedência

relativamente à data da Assembleia Geral, e que, especificando a reunião a que respeita, pela

indicação da data, hora e local em que a mesma se realiza e da respetiva Ordem de Trabalhos, confira

inequivocamente o mandato ao representante, com adequada identificação deste último.

Os Estatutos da Sociedade, no número quatro do artigo oitavo, admitem a emissão de ações

preferenciais sem direito a voto, eventualmente remíveis, pelo seu valor nominal, acrescido ou não de

um prémio, se a Assembleia Geral assim o deliberar, devendo, sendo esse o caso, definir o método de

cálculo do eventual prémio de remissão. No caso de incumprimento da obrigação de remissão, a

sociedade fica constituída na obrigação de indemnizar o titular, em montante já determinado na

deliberação de emissão. Em 31 de outubro de 2014 foi realizado um aumento de capital por emissão

de emissão de ações preferenciais, sem voto, no valor de 37.500.000€, tendo estas ações sido

entretanto convertidas em ações ordinárias.

No final de cada Assembleia Geral, a Sociedade emite um comunicado, disponível para consulta no seu

sítio da internet, bem como no sítio oficial da CMVM, com as deliberações tomadas, o capital

representado e os resultados das votações. As atas das reuniões de Assembleia Geral têm vindo a ser

enviados aos acionistas que as requeiram. De forma a cumprir com as recomendações da CMVM, a

Sociedade passou, desde 2009, a disponibilizar no seu sítio da internet, as atas das reuniões das

Assembleias Gerais, no entanto, fá-lo cumprindo o prazo máximo de quinze dias, tal como estipulado

no Decreto-Lei nº 49/2010.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 122


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

13. Percentagem máxima dos direitos de voto que podem ser exercidos por um único acionista ou

por acionistas que com aquele se encontrem em alguma das relações do n.º 1 do art.º 20.º

Para efeito do exercício do direito de voto, a cada ação corresponde um voto, sendo que a presença

na Assembleia Geral não se encontra condicionada à detenção de um número mínimo de ações.

Na Assembleia Geral de 12 de novembro de 2015 a Sociedade alterou o n.º 3 do artigo 7.º dos seus

estatutos, eliminando a percentagem máxima de direitos de voto a exercer por cada acionista titular

de ações preferenciais sem voto, uma vez que deixou de ter aplicação na sequência da conversão das

ações preferenciais sem voto em ações ordinárias.

Assim, não existem regras estatutárias que prevejam a existência de ações que não confiram o direito

de voto ou que estabeleçam que não sejam contados direitos de voto acima de certo número, quando

emitidos por um só acionista ou por acionistas com ele relacionados.

14. Deliberações acionistas que, por imposição estatutária, só podem ser tomadas com maioria

qualificada

De acordo com o artigo vigésimo dos Estatutos, a Assembleia Geral delibera qualquer que seja o

número de acionistas presentes ou representados, tanto em primeira como em segunda convocação,

sem prejuízo da exigência legal de certo quórum constitutivo para determinados atos e,

designadamente, da necessidade de que, em primeira convocação, estejam presentes ou

representados acionistas com, pelo menos, dois terços do total dos votos para que a assembleia possa

autorizar algum dos atos previstos no artigo décimo terceiro, número dois, destes Estatutos (“Carecem

de autorização da assembleia geral os atos que excedam as previsões inscritas no orçamento,

mediante deliberação aprovada por maioria simples, e a alienação e oneração, a qualquer título, de

bens que integrem o património imobiliário da Sociedade, mediante deliberação aprovada por dois

terços dos votos emitidos”).

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 123


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

II. ADMINISTRAÇÃO E SUPERVISÃO

a) Composição

15. Identificação do modelo de governo adotado

A estrutura de Governo Societário da Sociedade baseia-se no modelo latino reforçado e é composta

pelo Conselho de Administração, Conselho Fiscal e pelo Revisor Oficial de Contas, todos eleitos pela

Assembleia Geral de Acionistas.

16. Regras estatutárias sobre requisitos procedimentais e materiais aplicáveis à nomeação e

substituição dos membros, consoante aplicável, do Conselho de Administração

A substituição de um administrador ocorrerá nos termos do Código das Sociedades Comerciais, não

existindo regras estatutárias relativas a esta matéria, ocorrendo por uma das seguintes formas:

inexistindo administradores suplentes, o Conselho de Administração poderá proceder à cooptação de

um administrador, a qual deve ser submetida a ratificação na primeira Assembleia Geral seguinte; no

caso de não se proceder à cooptação num prazo de 60 dias, o Conselho Fiscal designa o administrador

substituto, a qual deve ser igualmente submetida a ratificação na primeira Assembleia Geral seguinte;

se tal não suceder, a substituição far-se-á através da eleição de um novo administrador pela

Assembleia Geral.

Não há nenhuma regra estatutária que estabeleça o processo de seleção dos administradores não

executivos. A eleição dos Órgãos Sociais, nomeadamente do Conselho de Administração, com a

totalidade dos seus membros, é feita como um todo, numa lista apresentada pelos acionistas que o

pretendam e sufragada em Assembleia Geral.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 124


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

17. Composição do Conselho de Administração

De acordo com os Estatutos da Sociedade, esta é gerida por um Conselho de Administração, composto

de três, cinco, sete ou nove membros, que serão obrigatoriamente, gestores profissionalizados, eleitos

em Assembleia Geral, os quais designarão o presidente, caso não tenha já sido designado naquela

assembleia. O mandato dos membros dos órgãos sociais tem a duração de quatro anos, sendo

permitida a sua reeleição por uma ou mais vezes.

Atualmente este órgão é composto por 7 membros, 5 dos quais executivos, aos quais cabe a gestão

corrente da Sociedade.

Em Assembleia Geral de Acionistas realizada em 3 de março de 2016 foram eleitos para o mandato

2016/2019, os seguintes elementos para integrar o Conselho de Administração, com os seus cargos

distribuídos como se segue:

Nome

Data da 1ª

designação

Data do termo

mandato

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa (Presidente) 23-Set-1997 31-Dez-2019

Adelino Sá e Melo Caldeira 23-Set-1997 31-Dez-2019

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique 03-Mar-2016 31-Dez-2019

Fernando Manuel Santos Gomes 31-Mar-2014 31-Dez-2019

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro 23-Set-1997 31-Dez-2019

José Américo Amorim Coelho (não executivo) 03-Mar-2016 31-Dez-2019

Rui Ferreira Vieira de Sá (não executivo) 13-Fev-2012 31-Dez-2019

18. Distinção dos membros executivos e não executivos do Conselho de Administração e,

relativamente aos membros não executivos, identificação dos membros que podem ser

considerados independentes

Em 30 de junho de 2016, o Conselho de Administração incluía dois membros não executivos: José

Américo Amorim Coelho e Rui Ferreira Vieira de Sá.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 125


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Os membros do Conselho de Administração são não independentes, à exceção de José Américo

Amorim Coelho e Rui Ferreira Vieira de Sá, na medida em que fazem parte da Direção do Futebol Clube

do Porto, detentor de cerca de 75% do capital e dos direitos de voto da Futebol Clube do Porto

Futebol, SAD, e que sobre ela exerce uma influência dominante.

Os administradores não executivos exerceram as suas funções não só no âmbito da participação nas

reuniões do Conselho de Administração, mas igualmente através de um acompanhamento e

supervisão permanente dos trabalhos dos administradores executivos, mediante a apresentação, de

forma coordenada e eficiente, de pedidos de informação complementar relacionados com assuntos

analisados em sede do Conselho de Administração, dos quais se destacam, os assuntos relacionados

com a vertente financeira, as matérias de governance e as matérias relacionadas com aspetos

regulatórios. De realçar que os administradores não executivos não se depararam com nenhum

constrangimento no exercício das suas funções.

Sempre que solicitados por outros membros dos Órgãos Sociais, foram prestados pelos

administradores executivos em tempo útil e de forma adequada, as informações por aqueles

solicitadas.

19. Qualificações profissionais dos membros do Conselho de Administração

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa

• Escolaridade: Ensino Secundário completo

• Outros cargos desempenhados no Grupo FC Porto, referidos no ponto 26.

Adelino Sá e Melo Caldeira

• Licenciado em Direito, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, em 1980

• Advogado desde 1980 até hoje

• Membro da Sociedade de advogados Graça Moura & Associados de 1996 até 2005

• Membro da Sociedade de advogados Gil Moreira dos Santos, Caldeira, Cernadas & Associados desde 2005

• Outros cargos desempenhados no Grupo FC Porto, referidos no ponto 26.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 126


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

• Escolaridade: Ensino Secundário completo

• Outros cargos desempenhados no Grupo FC Porto, referidos no ponto 26.

Fernando Manuel Santos Gomes

• Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade

Técnica de Lisboa, em 1971

• Outros cargos desempenhados no Grupo FC Porto, referidos no ponto 26.

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro

• Escolaridade: 1º Ciclo do Ensino Básico

• Outros cargos desempenhados no Grupo FC Porto, referidos no ponto 26.

José Américo Amorim Coelho

• Empresário;

• Outros cargos referidos no ponto 26.

Rui Ferreira Vieira de Sá

• Licenciado em Engenharia Civil, pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, em 1977

• De 1977 a 1996, Chefe de Serviços e Diretor de Obra no Grupo Somague

• De 1996 a 2013,Membro do Conselho de Administração da Somague Engenharia, SA;

• De 2013 a 2016, Presidente do Conselho de Administração da Somague Engenharia, SA;

• Outros cargos referidos no ponto 26.

20. Relações familiares, profissionais ou comerciais, habituais e significativas, dos membros do

Conselho de Administração com acionistas a quem seja imputável participação qualificada superior

a 2% dos direitos de voto

Não existem relações familiares, profissionais ou comerciais, habituais e significativas, dos membros

do Conselho de Administração com acionistas a quem seja imputável participação qualificada superior

a 2% dos direitos de voto.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 127


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

21. Organogramas ou mapas funcionais relativos à repartição de competências entre os vários

órgãos sociais, comissões e/ou departamentos da sociedade, incluindo informação sobre delegações

de competências, em particular no que se refere à delegação da administração quotidiana da

sociedade

São Órgãos Sociais da FC Porto Futebol, SAD a Assembleia Geral, o Conselho de Administração, o

Conselho Fiscal, a Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, o Secretário da Sociedade, o Conselho

Consultivo e a Comissão de Vencimentos.

A FC Porto Futebol, SAD não tem qualquer comissão executiva, dada a sua reduzida dimensão, pelo

que é o próprio Conselho de Administração que assegura a gestão quotidiana da Sociedade.

b) Funcionamento

22. Existência e local onde podem ser consultados os regulamentos de funcionamento do Conselho

de Administração

Os Órgãos Sociais da FC Porto Futebol, SAD não possuem regulamentos de funcionamento

formalmente aprovados. No entanto, os respetivos membros pretendem elaborar os devidos

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 128


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

regulamentos, divulgando-os posteriormente no sítio da internet do Futebol Clube do Porto

(www.fcporto.pt).

23. Número de reuniões realizadas e grau de assiduidade de cada membro do Conselho de

Administração às reuniões realizadas

Neste exercício o Conselho de Administração reuniu-se por 6 vezes, tendo sido elaborada uma ata de

cada uma dessas reuniões, que se encontram disponíveis para consulta pelos Órgãos Sociais que o

requeiram. Todos os membros executivos do Conselho de Administração estiveram presentes em

todas as reuniões.

24. Indicação dos órgãos da sociedade competentes para realizar a avaliação de desempenho dos

administradores executivos

Tendo em consideração o modelo de governo societário implementado pela FC Porto Futebol, SAD,

que integra uma Comissão de Vencimentos que de certa forma avalia o desempenho da administração,

e a reduzida dimensão da Sociedade, tem-se entendido não haver espaço para a criação de comissões

especializadas com o objetivo único de avaliar o desempenho dos administradores executivos ou a

atividade das comissões existentes.

Por outro lado, a FC Porto Futebol, SAD, pela sua especificidade como sociedade desportiva, no

desempenho da sua atividade, tem uma série de obrigações a cumprir junto de organismos

desportivos. De forma a poder participar nas competições nacionais e europeias, a Sociedade tem de

comprovar que cumpre uma série de requisitos, com uma forte incidência nos financeiros, que de certa

forma validam a competência da administração que, caso não cumpram as condições exigidas,

excluem a equipa da participação nas provas.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 129


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

25. Critérios pré-determinados para a avaliação de desempenho dos administradores executivos

Nos termos das suas competências, a Comissão de Vencimentos, reeleita em fevereiro de 2012 para o

quadriénio 2012/2015 e que foi ainda a responsável pela política de remunerações no exercício

2015/2016, decidiu alterar a política de remunerações aprovada em Assembleia Geral, que apesar de

ser submetida anualmente a escrutínio, era semelhante em todo o mandato. Tal como no exercício

anterior, não foi atribuída qualquer remuneração variável relativa à performance desportiva da equipa

principal do FC Porto.

A proposta para a nova política de remunerações dos órgãos de administração e fiscalização da

Sociedade foi apresentada e levada à apreciação dos acionistas na Assembleia Geral de 2015 tendo

sido aprovada.

Na época em análise, as remunerações dos titulares do órgão de administração não estiveram

dependentes da evolução da cotação das ações emitidas nem de qualquer outra variável.

Não existiu qualquer tipo de plano de atribuição de ações ou opções de aquisição de ações aos

Administradores. Da mesma forma, não existiu qualquer política ou medida definida no sentido da

atribuição de compensações negociadas contratualmente, em caso de cessação de funções ou reforma

antecipada, nem mecanismos de limitação da remuneração variável. Não houve qualquer obrigação

contratual relativa à compensação por destituição sem justa causa.

26. Disponibilidade de cada um dos membros do Conselho de Administração com indicação dos

cargos exercidos em simultâneo em outras empresas, dentro e fora do grupo, e outras atividades

relevantes exercidas pelos membros daqueles órgãos no decurso do exercício

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa

• Presidente da Direção do FC Porto

• Presidente do Conselho de Administração da InvestiAntas, SGPS, SA

• Presidente do Conselho de Administração da EuroAntas, Promoção e Gestão de Empreendimentos

Imobiliários, SA

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 130


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• Presidente do Conselho de Administração da PortoEstádio, Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos,

SA

• Presidente do Conselho de Administração da Fundação PortoGaia para o Desenvolvimento Desportivo

• Presidente do Conselho de Administração da FC PortoMultimédia, Edições Multimédia, SA

• Presidente do Conselho de Administração da PortoComercial, Sociedade de Comercialização, Licenciamento e

Sponsorização, SA

• Presidente do Conselho de Administração da FC Porto Serviços Partilhados, SA

• Presidente do Conselho de Administração da FCP Media, SA

• Presidente do Conselho de Administração da Dragon Tour, Agência de Viagens, SA

• Presidente do Conselho de Administração da Avenida dos Aliados, Sociedade de Comunicação, SA

• Presidente do Conselho de Administração da Miragem, Produção Audiovisual, SA

Adelino Sá e Melo Caldeira

• Vice-Presidente da Direção do FC Porto

• Vogal do Conselho de Administração da Investiantas, SGPS, SA

• Vogal do Conselho de Administração da EuroAntas, Promoção e Gestão de Empreendimentos Imobiliários, SA

• Vogal do Conselho de Administração da PortoEstádio, Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, SA

• Vogal do Conselho de Administração da FC PortoMultimédia, Edições Multimédia, SA

• Vogal do Conselho de Administração da PortoComercial, Sociedade de Comercialização, Licenciamento e

Sponsorização, SA

• Gerente da PortoSeguro Sociedade Mediadora de Seguros do Porto, Lda.

• Vogal do Conselho de Administração da FC Porto Serviços Partilhados, SA

• Vogal do Conselho de Administração da FCP Media, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Dragon Tour, Agência de Viagens, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Avenida dos Aliados, Sociedade de Comunicação, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Miragem, Produção Audiovisual, SA

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

• Vice-Presidente da Direção do FC Porto

• Vogal do Conselho de Administração da PortoComercial, Sociedade de Comercialização, Licenciamento e

Sponsorização, SA

• Vogal do Conselho de Administração da FCP Media, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Dragon Tour, Agência de Viagens, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Avenida dos Aliados Sociedade de Comunicação, SA

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 131


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Fernando Manuel Santos Gomes

• Vice-Presidente da Direção do FC Porto

• Vogal do Conselho de Administração da EuroAntas, Promoção e Gestão de Empreendimentos Imobiliários, SA

• Vogal do Conselho de Administração da PortoComercial, Sociedade de Comercialização, Licenciamento e

Sponsorização, SA

• Vogal do Conselho de Administração da PortoEstádio, Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, SA

• Gerente da PortoSeguro Sociedade Mediadora de Seguros do Porto, Lda.

• Vogal do Conselho de Administração da FC Porto Serviços Partilhados, SA

• Vogal do Conselho de Administração da FCP Media, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Dragon Tour, Agência de Viagens, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Avenida dos Aliados, Sociedade de Comunicação, SA

• Vogal do Conselho de Administração da Miragem, Produção Audiovisual, SA

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro

• N.a.

José Américo Amorim Coelho

• Presidente do Conselho de Administração da Amorim Participações Mobiliárias II, S.G.P.S., S.A.

• Presidente do Conselho de Administração da Soamco - Investimentos Imobiliários, S.A.

• Gerente da Elemento Essencial Sociedade Agrícola Unipessoal, Lda.

• Administrador da Manageable Number, S.G.P.S., S.A.

• Administrador da Estratégia Singular, S.G.P.S., S.A.

• Gerente da Tropicalocean, Lda.

• Membro do Conselho de Administração da Brasilimo Investimentos Imobiliários no Brasil, S.G.P.S., S.A.

• Membro do Conselho de Administração da S2IS Serviços e Investimentos imobiliários, S.G.P.S., S.A.

• Vice-Presidente do Conselho de Administração da Amorim Turismo, S.G.P.S., S.A.

• Vice-Presidente do Conselho de Administração da Sociedade Figueira Praia, S.A.

Rui Ferreira Vieira de Sá

• N.a.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 132


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

c) Comissões no seio do órgão de administração ou supervisão e administradores delegados

27. Identificação das comissões criadas no seio do Conselho de Administração e local onde podem

ser consultados os regulamentos de funcionamento

O Conselho de Administração entende que a única comissão especializada imprescindível para fazer

face às necessidades da Sociedade, tendo em conta a sua dimensão e complexidade, é a Comissão de

Vencimentos / Remunerações.

A Comissão de Vencimentos da FC Porto Futebol, SAD tem por finalidade fixar a remuneração dos

titulares dos Órgãos Sociais da Sociedade e definir a política de remunerações a aplicar aos membros

do Conselho de Administração da FC Porto Futebol, SAD.

A atual Comissão de Vencimentos da FC Porto Futebol, SAD (quadriénio 2016-2019) é composta pelos

seguintes membros:

• Alípio Dias (Presidente)

• Emídio Ferreira dos Santos Gomes

• Joaquim Manuel Machado Faria de Almeida

28. Composição, se aplicável, da comissão executiva e/ou identificação de administrador(es)

delegado(s)

A FC Porto Futebol, SAD não designou uma Comissão Executiva do Conselho de Administração, sendo

as decisões relativas a matérias estratégicas adotadas pelo Conselho de Administração enquanto órgão

colegial composto pela totalidade dos seus membros, executivos e não executivos, no normal

desempenho das suas funções.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 133


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

29. Indicação das competências de cada uma das comissões criadas e síntese das atividades

desenvolvidas no exercício dessas competências

O Conselho de Administração entende que a única comissão especializada imprescindível para fazer

face às necessidades da Sociedade, tendo em conta a sua dimensão e complexidade, é a Comissão de

Vencimentos / Remunerações.

A Comissão de Vencimentos é composta por membros independentes em relação à administração.

Nesta medida, a Comissão de Vencimentos não inclui qualquer membro de outro órgão social para o

qual defina a respetiva remuneração, não tendo os três membros em exercício qualquer relação

familiar com membros desses outros órgãos sociais, enquanto seus cônjuges, parentes ou afins em

linha reta até ao 3º grau, inclusive. Os membros da Comissão de Remunerações possuem

conhecimentos e experiência em matéria de política de remunerações. Durante o exercício 2015/2016

a Comissão de Vencimentos não considerou necessária a contratação de serviços para a apoiar no

desempenho das suas funções. Em cada reunião da Comissão de Vencimentos é elaborada a respetiva

ata.

Esta Comissão é o órgão competente para realizar a avaliação de desempenho dos Administradores

Executivos, seguindo os critérios que em cada momento entende, com respeito pelas normas legais e

estatutárias aplicáveis.

III. FISCALIZAÇÃO

a) Composição

30. Identificação do órgão de fiscalização correspondente ao modelo adotado

A estrutura de Governo Societário da Sociedade baseia-se no modelo latino reforçado e é composta

pelo Conselho de Administração, Conselho Fiscal e pelo Revisor Oficial de Contas, todos eleitos pela

Assembleia Geral de Acionistas.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 134


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

31. Composição do Conselho Fiscal, com indicação do número estatutário mínimo e máximo de

membros, duração estatutária do mandato, número de membros efetivos, data da primeira

designação, e data do termo de mandato de cada membro

De acordo com os Estatutos da Sociedade, A fiscalização da sociedade será exercida por um Conselho

Fiscal e um revisor oficial de contas. O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos e um

suplente. O mandato dos membros dos órgãos sociais tem a duração de quatro anos, sendo permitida

a sua reeleição por uma ou mais vezes.

Em Assembleia Geral de Acionistas realizada em 3 de março de 2016 foram eleitos para o mandato

2016/2019, os seguintes elementos para integrar o Conselho Fiscal:

Nome Data da 1ª

designação

Data do termo

mandato

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida 13-Nov-2008 31-Dez-2019

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães 03-Mar-2016 31-Dez-2019

José Augusto dos Santos Saraiva 13-Nov-2014 31-Dez-2019

André Ferreira Antunes (Suplente) 03-Mar-2016 31-Dez-2019

32. Identificação dos membros do Conselho Fiscal que se considerem independentes, nos termos do

art.º 414.º, n.º 5 do CSC

Por declaração prestada pelos seus membros verificou-se o cumprimento das regras de

incompatibilidade e os critérios de independência previsto no nº 1 do artigo 414 A e no nº 5 do artigo

414, respetivamente, ambos do Código das Sociedades Comerciais.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 135


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

33. Qualificações profissionais de cada um dos membros do Conselho Fiscal e outros elementos

curriculares relevantes

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

• Licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia do Porto

• Atividade Empresarial:

1982/1984

1984/2005

1984/2004

1990/2000

1991/1993

1994/2014

1994/2011

2002/2004

2010/2013

Técnico no Departamento Comercial do Banco Português do Atlântico.

Administrador da empresa Sofite - Sociedade Industrial de Fibras Têxteis, SA

Sócio Gerente da empresa ATM Gabinete de Gestão, Lda.

Gerente da empresa Gorem Sociedade Técnica de Serviços, Lda.

Administrador da Risfomento - Sociedade de Fomento Empresarial, SA

Sócio-Gerente da empresa TRL - Têxteis em Rede, Lda.

Sócio-Gerente da empresa Expomoda Têxteis e Representações, Lda.

Sócio-Gerente da empresa Ninfamar Indústria de Confecções, Lda.

Sócio-Gerente da empresa Hot Pink Comércio, Lda.

• Atividade Associativa:

1986/1996

1991/1994

1994/2003

1996/2000

1996/2002

1996/2011

1997/2001

Vice-Presidente da ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários.

Diretor da APET Associação Portuguesa dos Exportadores de Têxteis.

Vice-Presidente do Conselho Geral da ATP Associação Portuguesa de Têxteis e Vestuário.

Membro do Conselho Económico e Social.

Presidente da Assembleia-geral da ANJE Associação Nacional de Jovens Empresários.

Vice-Presidente da Direção do Sport Club do Porto.

Diretor da Associação Comercial do Porto Câmara de Comércio e Indústria do Porto.

1997/2002 Membro da Comissão Nacional de Acompanhamento do IMIT Iniciativa para a

Modernização da Indústria Têxtil.

1999/2014 Membro da Comissão Executiva do projeto Portugal Fashion.

2001/2003

2002/2006

2003/2008

2004/2008

2004/2010

Vogal do Conselho Fiscal do MTV Movimento do Têxtil e do Vestuário.

Presidente do Conselho Geral da Associação Gabinete de Desporto do Porto.

Presidente da Direção da ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal.

Vice-Presidente da Direção da CIP Confederação da Indústria Portuguesa.

Membro da Comissão de Acompanhamento do Prime Programa de Incentivos à

Modernização da Economia.

Desde 2004 Presidente da Mesa da Assembleia Geral da AAJUDE Associação de Apoio à Juventude

Deficiente.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 136


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

2005/2008

Vogal do Conselho Geral e do Conselho de Administração da AEP Associação Empresarial

de Portugal

Desde 2005 Presidente do Conselho Fiscal da Associação Fórum Manufuture Portugal

2007/2013

Presidente do Conselho Geral da PortoLazer Empresa Municipal

Desde 2007 Membro do Conselho Consultivo da Fundação da Juventude.

2007/ 2008 Vice-Presidente do Conselho Fiscal do Futebol Clube do Porto

2008/ 2014 Vice-Presidente do Conselho Geral e do Conselho de Administração da AEP Associação

Empresarial de Portugal.

2008/2013

Presidente do Conselho de Administração da EURISKO Estudos, Projetos e Consultoria,

S.A.

Desde 2008 Vogal da Direção da Associação para a Feira Internacional do Porto Exponor

2008/ 2015 Vice-Presidente da Direcção do Europarque Centro Económico e Social

Desde 2008 Presidente do Conselho Geral da Exponor Brasil Feiras e Eventos, Lda.

Desde 2008 Presidente da Direção do CESAE Centro de Serviços e Apoio às Empresas

Desde 2008 Presidente do Conselho Fiscal do Futebol Clube do Porto, da Futebol Clube do Porto

Futebol, SAD, da Porto Estádio Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, S.A. e da Euroantas

Promoção e Gestão de Empreendimentos Imobiliários, S.A.

Desde 2009 Presidente do Conselho de Administração da Fundação AEP

2010/ 2015 Presidente do Conselho Fiscal da ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal

2011/ 2013 Presidente do Conselho Fiscal da Futebol Clube do Porto Basquetebol, SAD.

Desde 2011 Vice-Presidente do Conselho Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal

Desde 2011

Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da AGAVI Associação para a Promoção das

Gastronomia, Vinhos, Produtos Regionais e Biodiversidade

Desde 2012

Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Paredes Industrial- Parques Industriais, S.A.

Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Tirso Parques Parques Empresariais de Santo Tirso, S.A.

Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Parque-Invest Sociedade Promotora de Parques

Industriais, SA., entre outras.

Desde 2013 Vice-Presidente da CCIAP Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa.

Desde 2014 Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Delegação Regional Norte da DECO

Desde 2014 Presidente do Conselho Geral e do Conselho de Administração da AEP Associação

Empresarial de Portugal.

Desde 2015 Presidente da Direção do Europarque Centro Económico e Social

• Outros cargos referidos no ponto 36

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 137


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães

Licenciatura em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1982

Pós-graduação em Estudos Europeus, no Centro de Estudos da Faculdade de Direito da Universidade de

Coimbra, em 1983 (frequência)

Advogado, desde 1984

Outros cargos referidos no ponto 36.

José Augusto dos Santos Saraiva

• Licenciatura em Economia, pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (1982/3)

• Curso de Finanças da Escola Prática de Administração Militar (1983)

• Contabilista Certificado (Nº 25239)

• Formador, Monitor e Programador certificado (CAP EDF1202/98 DN; CCPFC/RFO-10585/00)

• Técnico SHST (Certificado nº 83/2015)

• De junho de 2012 a setembro de 2015 Vogal Direção IDARN, em representação da AEP,

• Desde março de 2012 Vogal do Conselho de Administração de APCER-Certificação SA, em representação

da AEP

• De março de 2012 a maio de 2014 Adjunto da Direção Administrativa e Financeira do Grupo AEP,

• Desde novembro de 1995 - Coordenador Administrativo, Financeiro e Manutenção CESAE,

• De outubro de 1985 a outubro de 1995 Técnico Superior Economista e formador / Coordenador

Departamento de Informática de Gestão do CESAI.

• De janeiro de 1985 a setembro de 1985 Técnico Superior Economista CICCOPN,

• De agosto de 1983 a outubro de 1984 Aspirante Oficial Miliciano Técnico Economista EPAM e UGF da

Região Militar Centro QG-BAS Coimbra,

• Outros cargos referidos no ponto 36.

André Ferreira Antunes

• Licenciatura em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa Centro Regional

do Porto, em 1997

• MBA em Gestão para Licenciados em Direito, pela Universidade Católica Portuguesa, em 2003

• Outros cargos referidos no ponto 36.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 138


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

b) Funcionamento

34. Existência e local onde podem ser consultados os regulamentos de funcionamento do Conselho

Fiscal

Os Órgãos Sociais da FC Porto Futebol, SAD não possuem regulamentos de funcionamento

formalmente aprovados. No entanto, os respetivos membros pretendem elaborar os devidos

regulamentos, divulgando-os posteriormente no sítio da internet do Futebol Clube do Porto

(www.fcporto.pt).

35. Número de reuniões realizadas e grau de assiduidade às reuniões realizadas de cada membro do

Conselho Fiscal

Neste exercício o Conselho Fiscal reuniu-se por 4 vezes, tendo sido elaborada uma ata de cada uma

dessas reuniões. Todos os membros do Conselho Fiscal estiveram presentes em todas as reuniões.

36. Disponibilidade de cada um dos membros do Conselho Fiscal com indicação dos cargos exercidos

em simultâneo em outras empresas, dentro e fora do grupo, e outras atividades relevantes exercidas

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

• Presidente da Mesa da Assembleia Geral da AAJUDE - Associação de Apoio à Juventude Deficiente

• Presidente do Conselho Fiscal da Associação Fórum Manufuture Portugal

• Membro do Conselho Consultivo da Fundação da Juventude

• Presidente do Conselho Geral e do Conselho de Administração da AEP - Associação Empresarial de Portugal

• Presidente do Conselho de Administração da Fundação AEP

• Presidente da Direção do Europarque Centro Económico e Cultural

• Presidente do Conselho Geral da Exponor Brasil - Feiras e Eventos, Lda.

• Presidente da Direção do CESAE - Centro de Serviços e Apoio às Empresas

• Vice-Presidente do Conselho Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal

• Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da AGAVI Associação para a Promoção das Gastronomia, Vinhos,

Produtos Regionais e Biodiversidade

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 139


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Paredes Industrial - Parques Industriais, SA

• Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Tirso Parques Parques Empresariais de Santo Tirso, SA

• Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Parque-Invest Sociedade Promotora de Parques Industriais, SA

• Presidente do Conselho Fiscal do Futebol Clube do Porto

• Presidente do Conselho Fiscal da PortoEstádio, Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, SA

• Presidente do Conselho Fiscal da EuroAntas, Promoção e Gestão de Empreendimentos Imobiliários, SA

• Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Delegação Regional Norte da DECO.

• Vice-Presidente da CCIAP Câmara de Comércio e Indústria Árabe-Portuguesa.

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães

• Membro da Sociedade de Advogados “Jorge Carvalho Guimarães, Francisco Sá Morais e Associados, RL”, desde

1984

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “Ferfor Empresa Industrial de Ferramentas e Forjados,

SA”

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “Segrobe, SA”

• Administrador da sociedade “Microprocessador Sistemas Digitais, SA”, até 2011

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “Microprocessador Sistemas Digitais, SA”

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “STE Sociedade de Turismo de Espinho, SA”

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “Gitum Imobiliário e Serviços, SA”

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “ Ideável Investimentos Imobliários, SA”

• Presidente da Mesa de Assembleia Geral da sociedade “ Refaz Sociedade Imobiliária, SA”

• Membro efetivo (desde 1990) da Comissão de Conflitos e Jurisdição da Venerável Ordem Terceira de S.

Francisco (Porto)

• Vice-Presidente do Conselho Fiscal e Disciplinar do Futebol Clube do Porto

• Presidente do Conselho Fiscal da sociedade “PortoComercial, Sociedade de Comercialização, Licenciamento e

Sponsorização, SA”

• Presidente do Conselho Fiscal da sociedade “ FCP Serviços Partilhados, SA”

• Presidente do Conselho Fiscal da sociedade “ FCP Media, SA”

José Augusto dos Santos Saraiva

• Presidente do Conselho Fiscal IDARN, em representação da AEP,

• Presidente Conselho Fiscal ADDICT, em representação da AEP,

• Ex Presidente Conselho Fiscal da Comissão de Melhoramentos de Figueiró da Serra, IPSS,

• Vogal do Conselho Fiscal da Associação dos Parques e Exposições do Norte-EXPONOR, em representação da

AEP,

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 140


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• Vogal do Conselho Fiscal de FCP Futebol SAD

• Vogal do Conselho Fiscal da CERTIF, em representação da AEP,

• Vogal do Conselho Fiscal da Escola de Gestão Empresarial, em representação da AEP,

• Vogal do Conselho Fiscal da Fundação AEP, em representação da AEP,

• Vogal do Conselho Fiscal DragonTour SA,

• Vogal do Conselho Fiscal Futebol Clube do Porto Serviços Partilhados SA,

• Vogal do Conselho Fiscal de Euroantas SA e Porto Estádio SA,

• Relator de contas do Conselho Fiscal do FCPorto,

• Formador/Consultor/Profissional Liberal Economista.

André Ferreira Antunes

• Advogado Associado Sénior da Andreia Lima Carneiro & Associados, Sociedade de Advogados, R.L.

• Relator do contencioso do Conselho Fiscal e Disciplinar do Futebol Clube do Porto

• Presidente do Conselho Fiscal da Dragon Tour Agência de Viagens, S.A

• Vogal do Conselho Fiscal da Porto Estádio Gestão e Exploração de Equipamentos Desportivos, SA

• Vogal do Conselho Fiscal da FC Porto Média, SA

• Presidente da Assembleia Geral da Artefacto Investimentos Imobiliários, SA

c) Competências e funções

37. Descrição dos procedimentos e critérios aplicáveis à intervenção do órgão de fiscalização para

efeitos de contratação de serviços adicionais ao auditor externo

O Conselho Fiscal, sempre que necessário, reúne com o Auditor Externo não só em nome próprio como

da Sociedade, nos termos das suas atribuições. Não lhe competiu, no entanto, propor o prestador dos

serviços de Auditoria Externa, dada a sua contratação ser anterior à nomeação de Conselho Fiscal

separado da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas. Os serviços de auditora externa têm sido

analisados de forma independente e permanente pelo Conselho Fiscal, emitindo parecer anual sobre

a atividade desenvolvida pelo Auditor ao longo do ano e fazendo menção de factos que possam obstar

à continuidade do exercício de funções, por justa causa. O Conselho Fiscal é, em simultâneo com o

Conselho de Administração, o primeiro destinatário dos relatórios emitidos pela empresa de auditoria

externa.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 141


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Relativamente aos outros trabalhos realizados pelo auditor externo, distintos dos de auditoria,

relacionados com a validação dos pressupostos de natureza financeira para que a Sociedade possa

disputar as competições organizadas pela LPFP, uma vez que a contratação da Deloitte se mostrou

como a mais adequada, à luz da sua sólida experiência e conhecimento da operação e contas da

Sociedade, o Conselho Fiscal analisou e aprovou o âmbito dos referidos serviços tendo concluído que

os mesmos não punham em causa a independência do Auditor Externo.

38. Outras funções dos órgãos de fiscalização

Compete ao Conselho Fiscal fiscalizar a atividade da Sociedade, observando o cumprimento rigoroso

da lei e dos Estatutos. Em resultado, o Conselho Fiscal elabora, com periodicidade anual, um relatório

sobre a atividade de fiscalização desenvolvida, referindo eventuais constrangimentos detetados, e

emite um parecer sobre os documentos de prestação de contas e sobre a proposta de aplicação de

resultados, apresentados pelo Conselho de Administração à Assembleia Geral. Este relatório está

disponível para consulta no sítio da internet da sociedade, bem como no sítio oficial da CMVM,

juntamente com os documentos de prestação de contas.

Os relatórios anuais sobre a atividade desenvolvida pelo Conselho Fiscal são objeto de divulgação no

sítio da Internet da Sociedade, em conjunto com os documentos de prestação de contas.

Deve ainda representar a Sociedade, para todos os efeitos, junto do seu Auditor Externo, competindolhe,

designadamente, propor o prestador destes serviços, a respetiva remuneração, zelar para que

sejam asseguradas, dentro da empresa, as condições adequadas à prestação dos serviços, bem assim

como ser o interlocutor da empresa, sendo o destinatário dos respetivos relatórios em concreto,

simultaneamente com o Conselho de Administração.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 142


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

IV. REVISOR OFICIAL DE CONTAS

39. Identificação do revisor oficial de contas e do sócio revisor oficial de contas que o representa

O cargo de Revisor Oficial de Contas da Sociedade é desempenhado pela Sociedade de Revisores de

Contas Deloitte & Associados, Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, com sede na Avenida Eng.

Duarte Pacheco, 7 1070-100 Lisboa, inscrita na Ordem dos Revisores Oficiais de Contas sob o n.º 43 e

registada na CMVM sob o n.º 231, representada por António Manuel Martins Amaral (ROC n.º 1130).

40. Indicação do número de anos em que o revisor oficial de contas exerce funções

consecutivamente junto da sociedade e/ou grupo

A Deloitte & Associados, SROC, S.A. é responsável pela revisão oficial de contas da Sociedade e das

sociedades do grupo desde 2004, sendo o seu representante António Manuel Martins Amaral desde

2011.

41. Descrição de outros serviços prestados pelo ROC à sociedade

O revisor oficial de contas é, simultaneamente, auditor externo da Sociedade conforme detalhados

nos pontos abaixo.

V. AUDITOR EXTERNO

42. Identificação do auditor externo designado para os efeitos do art. 8.º e do sócio revisor oficial de

contas que o representa no cumprimento dessas funções, bem como o respetivo número de registo

na CMVM

O auditor externo da Sociedade, designado para os efeitos do art.º 8.º do CVM, é a Deloitte &

Associados, SROC, S.A., registada sob o n.º 231 na CMVM, representada por António Manuel Martins

Amaral.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 143


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

43. Indicação do número de anos em que o auditor externo e o respetivo sócio revisor oficial de

contas que o representa no cumprimento dessas funções exercem funções consecutivamente junto

da sociedade e/ou do grupo

O auditor externo foi eleito pela primeira vez em 2004 e está no seu terceiro mandato, representado

pelo sócio António Manuel Martins Amaral desde 2011.

44. Política e periodicidade da rotação do auditor externo e do respetivo sócio revisor oficial de

contas que o representa no cumprimento dessas funções

Esta Sociedade não definiu um período de rotatividade para o auditor externo. No entanto, a própria

Sociedade Revisora tem procedimentos internos que exigem a rotatividade do ROC responsável, de 7

em 7 anos. Este método tem a total concordância da administração da FC Porto Futebol, SAD e do

seu Conselho Fiscal.

No entanto, a Lei 140/2015 de 7 de setembro veio exigir a substituição do revisor oficial de contas, que

no caso da FC Porto Futebol, SAD é o mesmo que o auditor externo. Assim, a periodicidade da rotação

do auditor externo na Sociedade passa a cumprir com o disposto nesta lei.

45. Indicação do órgão responsável pela avaliação do auditor externo e periodicidade com que essa

avaliação é feita

O Conselho Fiscal, no exercício das suas funções, efetua anualmente uma avaliação da independência

do Auditor Externo. Adicionalmente, o Conselho Fiscal promove, sempre que necessário ou adequado

em função dos desenvolvimentos da atividade da Empresa ou da configuração do mercado em geral,

uma reflexão sobre a adequação do Auditor Externo ao exercício das suas funções.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 144


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

46. Identificação de trabalhos, distintos dos de auditoria, realizados pelo auditor externo, bem como

indicação dos procedimentos internos para efeitos de aprovação da contratação de tais serviços e

indicação das razões para a sua contratação

Os outros serviços prestados pelo auditor externo em 2015/2016 incluíram, essencialmente, serviços

relacionados com a validação dos pressupostos de natureza financeira para que a Sociedade possa

disputar as competições organizadas pela LPFP. Os outros serviços são prestados por técnicos

diferentes dos que estão envolvidos no processo de auditoria, pelo que se considera que a

independência do auditor é assegurada.

O Conselho Fiscal analisou e aprovou o âmbito dos referidos serviços tendo concluído que os mesmos

não punham em causa a independência do Auditor Externo. Neste aspeto particular, a contratação da

Deloitte mostrou-se como a mais adequada, à luz da sua sólida experiência e conhecimento da

operação e contas da Sociedade.

47. Indicação do montante da remuneração anual paga ao auditor e a outras pessoas singulares ou

coletivas pertencentes à mesma rede e discriminação da percentagem respeitante aos seguintes

serviços:

Pela Sociedade*

Valor dos serviços de revisão de contas (€) [€/%] 47.000 44%

Valor dos serviços de garantia de fiabilidade (€) [€/%] 10.000 9%

Valor dos serviços de consultoria fiscal (€) [€/%] 8.437 8%

Valor de outros serviços que não revisão de contas (€) [€/%] 0%

Por entidades que integrem o grupo* 0%

Valor dos serviços de revisão de contas (€) [€/%] 42.000 39%

Valor dos serviços de garantia de fiabilidade (€) [€/%] - 0%

Valor dos serviços de consultoria fiscal (€) [€/%] - 0%

Valor de outros serviços que não revisão de contas (€) [€/%] - 0%

TOTAL 107.437 100%

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 145


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

C. ORGANIZAÇÃO INTERNA

I. Estatutos

48. Regras aplicáveis à alteração dos estatutos da sociedade

Com a entrada em vigor, da alínea b) do artigo 23.º, n.º 2, do Decreto-Lei n.º 10/2013, de 25 de janeiro,

o FC Porto deixa de ter, nos termos da lei, direito de veto sobre a alteração dos estatutos da FC Porto

SAD, pelo que se aplicam, nesta matéria, o regime previsto no Código das Sociedades Comerciais.

II. Comunicação de irregularidades

49. Meios e política de comunicação de irregularidades ocorridas na sociedade

Ainda que a política de comunicação de irregularidades internas não esteja formalmente definida,

tendo em consideração a proximidade dos membros do Conselho de Administração às atividades da

Sociedade e dos seus colaboradores, a FC Porto Futebol, SAD considera que tal proximidade permite

que sempre que sejam detetadas irregularidades as mesmas sejam prontamente comunicadas ao

Conselho de Administração, que assegura a implementação de procedimentos que visam lidar de

modo eficaz e justo com as eventuais irregularidades detetadas. Ao nível das competências na

avaliação de questões éticas e da estrutura e governo societário, tais funções são exercidas

diretamente pelo Conselho de Administração, mais concretamente pelo administrador com o pelouro

jurídico, que mantém um debate constante sobre esta problemática.

Os colaboradores da FC Porto Futebol, SAD devem comunicar ao departamento jurídico, ou mesmo

ao próprio administrador com o pelouro jurídico, quaisquer práticas irregulares que detetem ou de

que tenham conhecimento ou fundadas suspeitas, de forma a prevenir ou impedir irregularidades que

possam provocar danos financeiros ou danos na imagem da Sociedade. A referida comunicação deve

ser efetuada por escrito e conter todos os elementos e informações de que o colaborador disponha e

que julgue necessários para a avaliação da irregularidade, podendo numa primeira fase ser efetuada

de forma direta ou pelo telefone.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 146


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A comunicação de irregularidades no seio da Sociedade tem confidencialidade assegurada e sua

sequência mediante eventual inquérito preliminar da responsabilidade de quem, para tanto, venha a

ser designado pelo aludido administrador.

III. Controlo interno e gestão de riscos

50. Pessoas, órgãos ou comissões responsáveis pela auditoria interna e/ou pela implementação de

sistemas de controlo interno

O departamento de Auditoria Interna é o departamento responsável pelo controlo interno da

Sociedade.

51. Explicitação das relações de dependência hierárquica e/ou funcional face a outros órgãos ou

comissões da sociedade

Ambos os departamentos, de Auditoria Interna e Planeamento e Controlo de Gestão dependem do

Conselho de Administração.

O Conselho Fiscal não tem responsabilidade na criação e funcionamento dos sistemas de controlo

interno, mas tem em consideração a sua existência e eficácia aquando da análise dos riscos da

sociedade.

52. Existência de outras áreas funcionais com competências no controlo de riscos

Existe também um departamento de Planeamento e Controlo de Gestão que visa sobretudo apoiar a

administração na deteção de riscos financeiros relevantes e consiste fundamentalmente na análise

periódica e exaustiva de informação de planeamento e controlo financeiro, nomeadamente o plano

de negócios, os orçamentos de exploração e tesouraria e o respetivo controlo, indicadores de gestão,

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 147


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

entre outros. Estes procedimentos contribuem para auxiliar a qualidade da informação divulgada ao

mercado.

53. Identificação e descrição dos principais tipos de riscos (económicos, financeiros e jurídicos) a que

a sociedade se expõe no exercício da atividade

O Conselho de Administração considera que a FC Porto Futebol, SAD se encontra exposta aos riscos

normais decorrentes da sua atividade. Assim, os principais riscos a que a Sociedade considera estar

sujeita são, a nível financeiro: risco de mercado (risco de taxa de juro e de risco de taxa de câmbio),

risco de crédito, risco de liquidez, risco regulatório (Fair Play Financeiro) e risco desportivo. Os

mecanismos de monitorização destes riscos estão descritos no anexo às demonstrações financeiras.

Para além do risco financeiro, a atividade da Sociedade está também bastante dependente da

performance desportiva da sua equipa principal de futebol. O sucesso desportivo é fator essencial para

a obtenção das receitas tradicionais e para a valorização dos seus ativos, que uma vez transferidos

geram proveitos indispensáveis na atividade da Sociedade.

54. Descrição do processo de identificação, avaliação, acompanhamento, controlo e gestão de riscos

Os órgãos de administração e fiscalização da Sociedade têm atribuído crescente importância ao

desenvolvimento e aperfeiçoamento dos sistemas internos de controlo e de gestão de risco, nos

aspetos operacionais, económicos e financeiros com impacto relevante nas atividades das empresas

do Grupo, em linha, aliás, com as recomendações formuladas a nível nacional e internacional, incluindo

nas recomendações da CMVM sobre governo das sociedades.

Assim, no exercício 2010/2011 foi constituído o departamento de Auditoria Interna, que desenvolve a

sua atividade no sentido de avaliar a eficácia e eficiência do sistema de controlo interno e dos

processos de negócio ao nível de todo o Grupo de forma independente e sistemática, examinar e

avaliar o rigor, a qualidade e a aplicação dos controlos operacionais, contabilísticos e financeiros,

promovendo um controlo eficaz e a um custo razoável e propondo medidas que se mostrem

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 148


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

necessárias para fazer face a eventuais deficiências do sistema de controlo interno. Tem também como

função fazer cumprir todas as leis e regulamentos a que a organização está sujeita.

O departamento de Auditoria Interna delineou um plano anual, no qual foi definido o âmbito das

auditorias a realizar de forma a avaliar a qualidade dos processos de controlo que zelam pelo

cumprimento dos objetivos do Sistema de Controlo Interno, designadamente os que passam por

assegurar a eficiência das operações, a fiabilidade dos relatórios financeiros e operacionais e o respeito

pelas leis e regulamentos. As deficiências de controlo interno são reportadas superiormente, sendo

que os assuntos mais graves são reportados ao Conselho de Administração.

55. Principais elementos dos sistemas de controlo interno e de gestão de risco implementados na

sociedade relativamente ao processo de divulgação de informação financeira

Quanto ao controlo de risco no processo de divulgação de informação financeira apenas um número

muito restrito de colaboradores da FC Porto Futebol, SAD está envolvido no processo de divulgação

de informação financeira.

Todos aqueles que estão envolvidos no processo de análise financeira da Sociedade são considerados

como tendo acesso a informação privilegiada, estando especialmente informados sobre o conteúdo

das suas obrigações bem como sobre as sanções decorrentes do uso indevido da referida informação.

O sistema de controlo interno nas áreas da contabilidade e preparação e divulgação de informação

financeira assenta nos seguintes elementos chave:

• A utilização de princípios contabilísticos, detalhados ao longo das notas às demonstrações

financeiras, constitui uma das bases do sistema de controlo;

• Os planos, procedimentos e registos da Sociedade e suas subsidiárias permitem uma garantia

razoável que apenas são registadas transações devidamente autorizadas e que essas

transações são registadas em conformidade com os princípios contabilísticos geralmente

aceites;

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 149


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• A informação financeira é analisada, de forma sistemática e regular, pela gestão das unidades

operacionais, garantindo uma monitorização permanente e o respetivo controlo orçamental;

• Durante o processo de preparação e revisão da informação financeira, é estabelecido

previamente um calendário de encerramento de contas e partilhado com as diferentes áreas

envolvidas, e todos os documentos são revistos em profundidade;

• Ao nível das demonstrações financeiras individuais das várias empresas do grupo, os registos

contabilísticos e a preparação das demonstrações financeiras são assegurados pelos serviços

administrativos e contabilísticos. As demonstrações financeiras são elaboradas pelos

contabilistas certificados e revistas pela direção financeira;

• As demonstrações financeiras consolidadas são preparadas com periodicidade trimestral pela

equipa de consolidação. Este processo constitui um elemento adicional de controlo da

fiabilidade da informação financeira, nomeadamente, garantindo a aplicação uniforme dos

princípios contabilísticos e dos procedimentos de corte de operações assim como a verificação

dos saldos e transações entre empresas do grupo;

• As demonstrações financeiras consolidadas são preparadas sob a supervisão do CFO. Os

documentos que constituem o relatório anual são enviados para revisão e aprovação do

Conselho de Administração. Depois da aprovação, os documentos são enviados para o Auditor

Externo, que emite a sua Certificação Legal de Contas e o Relatório de Auditoria; e

• O processo de preparação da informação financeira individual e consolidada e o Relatório de

Gestão é supervisionado pelo Conselho Fiscal e pelo Conselho de Administração.

Trimestralmente, estes órgãos reúnem e analisam as demonstrações financeiras individuais e

consolidadas da Sociedade.

No que se refere aos fatores de risco que podem afetar materialmente o reporte contabilístico e

financeiro, salientamos a utilização de estimativas contabilísticas que têm por base a melhor

informação disponível à data da preparação das demonstrações financeiras bem como o

conhecimento e experiência de eventos passados e/ou presentes. Salientamos igualmente os saldos e

as transações com partes relacionadas: no grupo FC Porto os saldos e transações com entidades

relacionadas referem-se essencialmente às atividades operacionais correntes das empresas do grupo,

bem como à concessão e obtenção de empréstimos remunerados a taxas de mercado.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 150


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

O Conselho de Administração, em articulação com o Conselho Fiscal, analisa e supervisiona

regularmente a elaboração e divulgação da informação financeira, no sentido de obviar o acesso,

indevido e extemporâneo, de terceiros, à informação relevante.

IV. Apoio ao Investidor

56. Serviço responsável pelo apoio ao investidor, composição, funções, informação disponibilizada

por esses serviços e elementos para contacto

O representante da FC Porto Futebol, SAD para as relações com o mercado de capitais é o interlocutor

privilegiado de todos os investidores, institucionais e privados, nacionais e estrangeiros.

Este representante assegura a prestação de toda a informação relevante no tocante a acontecimentos

marcantes, factos enquadráveis como factos relevantes, divulgação trimestral de resultados e resposta

a eventuais pedidos de esclarecimento por parte dos investidores ou público em geral sobre

informação financeira de carácter público. Tem a seu cargo também todos os assuntos relativos ao

relacionamento com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, de forma a garantir o

cumprimento pontual das obrigações junto da entidade supervisora do mercado de capitais e de

outras autoridades financeiras. É igualmente da sua responsabilidade desenvolver e manter o site de

Relação com Investidores na página Web da empresa

Para os efeitos decorrentes do exercício das respetivas funções, a morada, o número de telefone e de

telefax e o endereço de e-mail do representante para as relações com o mercado são os seguintes:

Endereço: Estádio do Dragão, Via FC Porto, Entrada Poente, piso 3,

4350-451 Porto

Telefone: 22 5070500

Telefax: 22.5506931

E-Mail:

fernando.santos.gomes@fcporto.pt

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 151


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

57. Representante para as relações com o mercado

O representante da FC Porto Futebol, SAD para as relações com o mercado atualmente é o Dr.

Fernando Manuel Santos Gomes, membro do Conselho de Administração.

58. Informação sobre a proporção e o prazo de resposta aos pedidos de informação entrados no ano

ou pendentes de anos anteriores

Sempre que necessário, o representante das relações com o mercado assegura a prestação de toda a

informação relevante no tocante a acontecimentos marcantes, factos enquadráveis como factos

relevantes, divulgação trimestral de resultados e resposta a eventuais pedidos de esclarecimento por

parte dos investidores ou público em geral sobre informação financeira de carácter público. Todas as

informações solicitadas por parte dos investidores são analisadas e respondidas num prazo máximo

de cinco dias úteis.

V. Sítio de Internet

59. Endereço(s)

A FC Porto Futebol, SAD dispõe de um sítio de internet (www.fcporto.pt) com um conjunto alargado

de informação sobre o Grupo. O objetivo é permitir aos interessados obter um conhecimento

generalizado acerca do Grupo, as suas áreas de negócio, informação de natureza institucional e de

natureza financeira. Na página dedicada a Investor Relations, é possível consultar as divulgações de

resultados periódicas, os documentos de prestação de contas, as informações sobre as Assembleias

Gerais de acionistas, incluindo convocatórias e documentação de suporte, e informação de natureza

institucional, nomeadamente os Estatutos e a identificação dos Órgãos Sociais. É ainda possível

consultar as participações qualificadas, toda a informação privilegiada e outros comunicados emitidos

pela Sociedade bem como as atas das reuniões das Assembleias Gerais, desde 2009.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 152


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

60. Local onde se encontra informação sobre a firma, a qualidade de sociedade aberta, a sede e

demais elementos mencionados no artigo 171.º do Código das Sociedades Comerciais

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/futebol-clube-do-porto-futebol-sad.aspx#ancora_topo

61. Local onde se encontram os estatutos e os regulamentos de funcionamento dos órgãos e/ou

comissões

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/futebol-clube-do-porto-futebol-sad.aspx#ancora_topo

62. Local onde se disponibiliza informação sobre a identidade dos titulares dos órgãos sociais, do

representante para as relações com o mercado, do Gabinete de Apoio ao Investidor ou estrutura

equivalente, respetivas funções e meios de acesso

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/futebol-clube-do-porto-futebol-sad.aspx#ancora_topo

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/contactos.aspx#ancora_topo

63. Local onde se disponibilizam os documentos de prestação de contas, que devem estar acessíveis

pelo menos durante cinco anos, bem como o calendário semestral de eventos societários, divulgado

no início de cada semestre, incluindo, entre outros, reuniões da assembleia geral, divulgação de

contas anuais, semestrais e, caso aplicável, trimestrais

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/r-c-2013-2014.aspx#ancora_topo

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/calendario.aspx#ancora_topo

64. Local onde são divulgados a convocatória para a reunião da assembleia geral e toda a informação

preparatória e subsequente com ela relacionada

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/ag-2014.aspx#ancora_topo

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 153


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

65. Local onde se disponibiliza o acervo histórico com as deliberações tomadas nas reuniões das

assembleias gerais da sociedade, o capital social representado e os resultados das votações, com

referência aos 3 anos antecedentes

http://www.fcporto.pt/pt/clube/grupo-fc-porto/Pages/ag-2014.aspx#ancora_topo

D. REMUNERAÇÕES

I. Competência para a determinação

66. Indicação quanto à competência para a determinação da remuneração dos órgãos sociais

O órgão competente para realizar a avaliação de desempenho dos Administradores Executivos para

efeito de remuneração é a Comissão de Vencimentos, que segue os critérios que em cada momento

entende, com respeito pelas normas legais e estatutárias aplicáveis.

II. Comissão de remunerações

67. Composição da comissão de remunerações, incluindo identificação das pessoas singulares ou

coletivas contratadas para lhe prestar apoio e declaração sobre a independência de cada um dos

membros e assessores

A atual Comissão de Vencimentos da FC Porto Futebol, SAD (quadriénio 2016-2019) é composta pelos

seguintes membros:

• Alípio Dias (Presidente)

• Emídio Ferreira dos Santos Gomes

• Joaquim Manuel Machado Faria de Almeida

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 154


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A Comissão de Vencimentos é composta por membros independentes em relação à administração.

Nesta medida, a Comissão de Vencimentos não inclui qualquer membro de outro órgão social para o

qual defina a respetiva remuneração, não tendo os três membros em exercício qualquer relação

familiar com membros desses outros órgãos sociais, enquanto seus cônjuges, parentes ou afins em

linha reta até ao 3º grau, inclusive.

Durante o exercício 2015/2016 a Comissão de Vencimentos não considerou necessária a contratação

de serviços para a apoiar no desempenho das suas funções.

68. Conhecimentos e experiência dos membros da comissão de remunerações em matéria de política

de remunerações

Os membros da Comissão de Remunerações possuem conhecimentos e experiência em matéria de

política de remunerações.

A FC Porto Futebol, SAD considera que a experiência e percurso profissionais dos membros da

Comissão de Remunerações lhes permite exercer as suas funções de forma rigorosa e eficaz.

Adicionalmente, e sempre que tal se revela necessário, aquela comissão recorre a recursos

especializados, internos ou externos, para suportar as suas deliberações.

III. Estrutura das remunerações

69. Descrição da política de remuneração dos órgãos de administração e de fiscalização a que se

refere o artigo 2.º da Lei n.º 28/2009, de 19 de junho

Tal como estipulado na Lei n.º 28/2009, de 19 de junho, é submetida anualmente à apreciação da

Assembleia Geral uma declaração sobre a política de remunerações dos órgãos de administração e

fiscalização.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 155


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A política de remuneração e compensação dos órgãos sociais da FC Porto Futebol, SAD, aprovada na

Assembleia Geral de 12 de novembro de 2015, é a seguinte:

A Comissão de Vencimentos, enquanto responsável pela definição da política de remunerações do

Conselho de Administração, submete à Assembleia Geral a seguinte declaração de princípios:

• Os membros do Conselho de Administração devem desempenhar as suas funções de forma

diligente e criteriosa, no interesse da sociedade, tendo em conta os interesses dos seus

acionistas, colaboradores e demais partes interessadas (“stakeholders”);

• É do interesse da sociedade e dos seus acionistas definir uma política de remunerações que

crie as condições e os incentivos adequados para que o desempenho dos membros do seu

Conselho de Administração se alinhe com os critérios anteriormente definidos;

• O seu desempenho e fixação devem ter em consideração, em primeiro lugar, o nível de

compensações atualmente praticado, e, em segundo lugar, deverá estar condicionado pelo

grau de cumprimento dos objetivos estratégicos definidos para a sociedade.

Tendo em consideração os princípios anteriormente enumerados, a Comissão de Vencimentos propõe

à Assembleia Geral um modelo de remuneração assente numa componente mensal fixa que

recompense os Administradores executivos pelo desempenho da Sociedade. No início de cada

mandato (de 4 em 4 anos), a Comissão de Vencimentos estabelece os parâmetros genéricos de

remuneração do Conselho de Administração, com o objetivo de a tornar competitiva em termos de

mercado e de servir de elemento motivador de um elevado desempenho individual e coletivo.

Considera a Comissão de Vencimentos que a remuneração dos membros executivos do Conselho de

Administração da Sociedade deverá ser fixada no mês de junho para vigorar de 1 de julho a 30 de junho

seguintes, levando em consideração os resultados desportivos alcançados. As remunerações dos

titulares do órgão de administração não estão dependentes da evolução da cotação das ações emitidas

nem de qualquer outra variável, incluindo os lucros apresentados em cada exercício.

A Comissão de Vencimentos entende ainda fazer notar aos Senhores Acionistas que não existe

qualquer tipo de plano de atribuição de ações ou opções de aquisição de ações aos Administradores.

Da mesma forma, não existe qualquer política ou medida definida no sentido da atribuição de

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 156


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

compensações negociadas contratualmente, em caso de cessação de funções ou reforma antecipada.

Também não está previsto o pagamento de quaisquer prémios.

Relativamente à Sociedade de Revisores Oficiais de Contas da Sociedade, a sua remuneração é feita

por via do contrato de prestação de serviços de revisão de contas com o Grupo Futebol Clube do Porto,

que abrange a quase totalidade das suas participadas. A remuneração prevista neste contrato está em

linha com as práticas do mercado.

Os membros dos restantes Órgãos Sociais da sociedade: Assembleia Geral, Conselho Fiscal, Secretário

da Sociedade; Conselho Consultivo e Comissão de Vencimentos, não são remunerados pelo exercício

destas funções na F.C. Porto Futebol, SAD.

70. Informação sobre o modo como a remuneração é estruturada de forma a permitir o alinhamento

dos interesses dos membros do órgão de administração com os interesses de longo prazo da

sociedade, bem como sobre o modo como é baseada na avaliação do desempenho e desincentiva a

assunção excessiva de riscos

A política de remuneração dos administradores executivos visa assegurar uma contrapartida adequada

e rigorosa do desempenho e contribuição de cada administrador para o sucesso da organização,

alinhando os interesses dos administradores executivos com os dos acionistas e da Sociedade.

As propostas de remuneração dos administradores executivos são elaboradas tendo em conta as

funções desempenhadas na FC Porto Futebol, SAD e nas diferentes subsidiárias; a responsabilidade

e o valor acrescentado pelo desempenho individual; o conhecimento e a experiência acumulada no

exercício da função; a situação económica da Empresa; a remuneração auferida em empresas do

mesmo sector e outras sociedades cotadas na NYSE Euronext Lisbon. Em relação a este último aspeto,

a Comissão de Remunerações tem em consideração, nos limites da informação acessível, todas as

sociedades nacionais de dimensão equivalente, designadamente cotadas no NYSE Euronext Lisbon, e

também sociedades de outros mercados internacionais com características equivalentes à FC Porto

Futebol, SAD.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 157


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

A fixação das remunerações tem ainda em conta o desempenho de longo prazo da Sociedade, o

cumprimento das normas aplicáveis à atividade da empresa, a contenção na tomada de riscos e o

conhecimento do mercado.

71. Referência à existência de uma componente variável da remuneração e informação sobre

eventual impacto da avaliação de desempenho nesta componente

A remuneração dos membros do Conselho de Administração da Sociedade não tem prevista a

existência de componentes variáveis.

72. Diferimento do pagamento da componente variável da remuneração, com menção do período

de diferimento

A remuneração dos membros do Conselho de Administração da Sociedade não tem prevista a

existência de componentes variáveis.

73. Critérios em que se baseia a atribuição de remuneração variável em ações

A remuneração dos membros do Conselho de Administração da sociedade não tem prevista a

existência de componentes variáveis. Não existiu qualquer tipo de plano de atribuição de ações ou

opções de aquisição de ações aos Administradores.

74. Critérios em que se baseia a atribuição de remuneração variável em opções

A remuneração dos membros do Conselho de Administração da sociedade não tem prevista a

existência de componentes variáveis. Não existiu qualquer tipo de plano de atribuição de ações ou

opções de aquisição de ações aos Administradores.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 158


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

75. Principais parâmetros e fundamentos de qualquer sistema de prémios anuais e de quaisquer

outros benefícios não pecuniários

A FC Porto Futebol, SAD não tem qualquer sistema de prémios anuais ou outros benefícios não

pecuniários.

76. Principais características dos regimes complementares de pensões ou de reforma antecipada

para os administradores e data em que foram aprovados em assembleia geral, em termos individuais

A Sociedade não tem definidos quaisquer planos de atribuição de ações e/ou de opções de aquisição

de ações ou sistemas de benefícios de reforma, a membros do órgão de administração, pelo que nunca

foram postas à consideração da Assembleia Geral propostas dessa natureza.

IV. Divulgação das remunerações

77. Indicação do montante anual da remuneração auferida, de forma agregada e individual, pelos

membros dos órgãos de administração da sociedade, proveniente da sociedade, incluindo

remuneração fixa e variável e, relativamente a esta, menção às diferentes componentes que lhe

deram origem

As remunerações atribuídas durante o exercício aos elementos do Conselho de Administração da FC

Porto Futebol, SAD ascenderam a 1.476.667 euros e estão totalmente pagas.

A remuneração bruta auferida no exercício em causa, pelo conjunto dos membros do órgão de

administração, respeita exclusivamente aos administradores executivos.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 159


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Administrador

Remuneração

Fixa

Gratificações

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa 520.000 0

Adelino Sá e Melo Caldeira 287.000 0

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique (*) 95.667 0

Fernando Manuel Santos Gomes 287.000 0

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro 287.000 0

José Américo Amorim Coelho 0 0

Rui Ferreira Vieira de Sá 0 0

(*) Remuneração após eleição como administrador (março de 2016)

78. Montantes a qualquer título pagos por outras sociedades em relação de domínio ou de grupo ou

que se encontrem sujeitas a um domínio comum

Os membros do Conselho de Administração da FC Porto Futebol, SAD não são remunerados por

outras empresas do grupo ou em empresas controladas por acionistas titulares de participações

qualificadas.

79. Remuneração paga sob a forma de participação nos lucros e/ou de pagamento de prémios e os

motivos por que tais prémios e ou participação nos lucros foram concedidos

Durante o exercício não foram pagas quaisquer remunerações a título de participação nos lucros ou

sob a forma de prémios.

80. Indemnizações pagas ou devidas a ex-administradores executivos relativamente à cessação das

suas funções durante o exercício

Durante o exercício não foram pagos nem são devidos quaisquer montantes relativos a indemnizações

a administradores cujas funções tenham cessado.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 160


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

81. Indicação do montante anual da remuneração auferida, de forma agregada e individual, pelos

membros dos órgãos de fiscalização da sociedade

Os membros do Conselho Fiscal não são remunerados pelo exercício destas funções na FC Porto

Futebol, SAD.

82. Indicação da remuneração no ano de referência do presidente da mesa da assembleia geral

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral não é remunerado pelo exercício destas funções na FC

Porto Futebol, SAD.

V. Acordos com implicações remuneratórias

83. Limitações contratuais previstas para a compensação a pagar por destituição sem justa causa de

administrador e sua relação com a componente variável da remuneração

A política de remunerações mantém o princípio de não contemplar a atribuição de compensações aos

administradores, ou membros dos demais órgãos sociais, associadas à cessação de funções antecipada

ou no termo do respetivo mandato, sem prejuízo do cumprimento pela Sociedade das disposições

legais em vigor nesta matéria.

84. Referência à existência e descrição, com indicação dos montantes envolvidos, de acordos entre

a sociedade e os titulares do órgão de administração e dirigentes, na aceção do n.º 3 do artigo 248.º-

B do Código dos Valores Mobiliários, que prevejam indemnizações em caso de demissão,

despedimento sem justa causa ou cessação da relação de trabalho na sequência de uma mudança

de controlo da sociedade

Não existem acordos entre a Sociedade e os titulares do órgão de administração ou outros dirigentes

da FC Porto Futebol, SAD, na aceção do n.º 3 do artigo 248.º-B do Código dos Valores Mobiliários,

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 161


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

que prevejam indemnizações em caso de pedido de demissão, despedimento sem justa causa ou

cessação da relação de trabalho na sequência de uma mudança de controlo da Sociedade. Não se

encontram igualmente previstos acordos com os administradores no sentido de assegurar qualquer

compensação em caso de não recondução no mandato.

VI. Planos de atribuições de ações ou opções sobre ações (‘stock options’)

85. Identificação do plano e dos respetivos destinatários

A Sociedade não tem em vigor qualquer tipo de plano de atribuição de ações, ou de opções de

aquisição de ações aos membros dos órgãos sociais, nem aos seus trabalhadores.

86. Caracterização do plano

A Sociedade não tem em vigor qualquer tipo de plano de atribuição de ações, ou de opções de

aquisição de ações.

87. Direitos de opção atribuídos para a aquisição de ações (‘stock options’) de que sejam

beneficiários os trabalhadores e colaboradores da empresa

Não existem quaisquer direitos de opção atribuídos para a aquisição de ações de que sejam

beneficiários os trabalhadores e colaboradores da empresa.

88. Mecanismos de controlo previstos num eventual sistema de participação dos trabalhadores no

capital na medida em que os direitos de voto não sejam exercidos diretamente por estes

Não aplicável conforme exposto acima.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 162


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

E. TRANSACÇÕES COM PARTES RELACIONADAS

I. Mecanismos e procedimentos de controlo

89. Mecanismos implementados pela sociedade para efeitos de controlo de transações com partes

relacionadas

Atualmente, não estão estabelecidos quaisquer procedimentos ou critérios relativos à definição do

nível relevante de significância de negócios entre a Sociedade e titulares de participações qualificadas,

ou entidades que com eles estejam qualquer em relação de domínio ou grupo, a partir do qual é exigida

a intervenção do órgão de fiscalização.

90. Indicação das transações que foram sujeitas a controlo no ano de referência

Não foram realizados quaisquer negócios ou operações significativos entre a Sociedade e os

membros dos seus órgãos sociais (de administração e de fiscalização), titulares de participações

qualificadas ou sociedades em relação de domínio ou de domínio ou grupo, exceto os que, fazendo

parte da atividade corrente, foram realizados em condições normais de mercado para operações do

mesmo género. Não houve negócios ou transações com membros do Conselho Fiscal. Os serviços

prestados pelo Revisor Oficial de Contas diversos dos serviços de Auditoria foram aprovados pelo

Conselho Fiscal e encontram-se detalhados no ponto 47 acima.

91. Descrição dos procedimentos e critérios aplicáveis à intervenção do órgão de fiscalização para

efeitos da avaliação prévia dos negócios a realizar entre a sociedade e titulares de participação

qualificada ou entidades que com eles estejam em qualquer relação

Para além dos requisitos legalmente aplicáveis à atividade do Conselho Fiscal, não foram estabelecidos

pela sociedade mecanismos adicionais para efeitos da avaliação prévia dos negócios a realizar entre a

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 163


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

sociedade e titulares de participação qualificada ou entidades que com eles estejam em qualquer

relação, nos termos do artigo 20.º do Código dos Valores Mobiliários.

II. Elementos relativos aos negócios

92. Indicação do local dos documentos de prestação de contas onde está disponível informação

sobre os negócios com partes relacionadas

A informação sobre os negócios com partes relacionadas, no exercício 2015/2016, pode ser consultada

na nota 30 do anexo às contas consolidadas e na nota 26 do Anexo às contas individuais da Sociedade.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 164


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

PARTE II AVALIAÇÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO

1. Identificação do Código de governo das sociedades adotado

O presente relatório foi elaborado de acordo com o Regulamento da CMVM n.º 4/2013, de 1 de agosto

e com o Código de Governo das Sociedades, disponíveis em www.cmvm.pt, e pretende ser o resumo

dos aspetos fundamentais da gestão da Sociedade no que respeita ao Conselho de Administração,

tendo em conta a necessidade de transparência relativamente a esta matéria e a premência de

comunicação para com os investidores e demais stakeholders. O modelo de relatório adotado pela

Sociedade é o estipulado pelo número 4 do artigo 1º daquele Regulamento e constante do Anexo I ao

mesmo.

O relatório cumpre as normas do artigo 245º-A do Código dos Valores Mobiliários bem como divulga,

à luz do princípio comply or explain, o grau de observância das Recomendações da CMVM integradas

no Código de Governo das Sociedades da CMVM de 2013.

São igualmente cumpridos os deveres de informação exigidos pela Lei 28/2009, de 19 de junho, pelos

artigos 447º e 448º do Código das Sociedades Comerciais e pelo Regulamento da CMVM n.º 5/2008,

de 2 de outubro de 2008.

2. Análise de cumprimento do Código de Governo das Sociedades adotado

A FC Porto Futebol, SAD cumpre com a maioria das recomendações da CMVM relativas ao Governo

das Sociedades como segue:

RECOMENDAÇÕES DA CMVM SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE

I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE

GRAU DE

CUMPRIMEN

TO

RELATÓRIO

I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas

assembleias gerais, designadamente não fixando um número excessivamente

elevado de ações necessárias para ter direito a um voto e implementando os meios

Adotada Parte I / B / I. /

b) / 12, 13 e 14

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 165


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

indispensáveis ao exercício do direito de voto por correspondência e por via

eletrónica.

I.2. As sociedades não devem adotar mecanismos que dificultem a tomada de

deliberações pelos seus acionistas, designadamente fixando um quórum

deliberativo superior ao previsto por lei.

I.3. As sociedades não devem estabelecer mecanismos que tenham por efeito

provocar o desfasamento entre o direito ao recebimento de dividendos ou à

subscrição de novos valores mobiliários e o direito de voto de cada ação ordinária,

salvo se devidamente fundamentados em função dos interesses de longo prazo dos

acionistas.

I.4. Os estatutos das sociedades que prevejam a limitação do número de votos que

podem ser detidos ou exercidos por um único acionista, de forma individual ou em

concertação com outros acionistas, devem prever igualmente que, pelo menos de

cinco em cinco anos, será sujeita a deliberação pela assembleia geral a alteração ou

a manutenção dessa disposição estatutária sem requisitos de quórum agravado

relativamente ao legal e que, nessa deliberação, se contam todos os votos

emitidos sem que aquela limitação funcione.

I.5. Não devem ser adotadas medidas que tenham por efeito exigir pagamentos ou

a assunção de encargos pela sociedade em caso de transição de controlo ou de

mudança da composição do órgão de administração e que se afigurem suscetíveis

de prejudicar a livre transmissibilidade das ações e a livre apreciação pelos

acionistas do desempenho dos titulares do órgão de administração.

II. SUPERVISÃO, ADMINISTRAÇÃOE FISCALIZAÇÃO

II.1. SUPERVISÃO E ADMINISTRAÇÃO

II.1.1. Dentro dos limites estabelecidos por lei, e salvo por força da reduzida

dimensão da sociedade, o conselho de administração deve delegar a administração

quotidiana da sociedade, devendo as competências delegadas ser identificadas no

relatório anual sobre o Governo da Sociedade.

II.1.2. O Conselho de Administração deve assegurar que a sociedade atua de forma

consentânea com os seus objetivos, não devendo delegar a sua competência,

designadamente, no que respeita a: i) definir a estratégia e as políticas gerais da

sociedade; ii) definir a estrutura empresarial do grupo; iii) decisões que devam ser

consideradas estratégicas devido ao seu montante, risco ou às suas características

especiais.

II.1.3. O Conselho Geral e de Supervisão, além do exercício das competências de

fiscalização que lhes estão cometidas, deve assumir plenas responsabilidades ao

nível do governo da sociedade, pelo que, através de previsão estatutária ou

mediante via equivalente, deve ser consagrada a obrigatoriedade de este órgão se

pronunciar sobre a estratégia e as principais políticas da sociedade, a definição da

estrutura empresarial do grupo e as decisões que devam ser consideradas

estratégicas devido ao seu montante ou risco. Este órgão deverá ainda avaliar o

cumprimento do plano estratégico e a execução das principais políticas da

sociedade.

II.1.4. Salvo por força da reduzida dimensão da sociedade, o Conselho de

Administração e o Conselho Geral e de Supervisão, consoante o modelo adotado,

devem criar as comissões que se mostrem necessárias para:

a) Assegurar uma competente e independente avaliação do desempenho dos

administradores executivos e do seu próprio desempenho global, bem assim como

das diversas comissões existentes;

b) Refletir sobre sistema estrutura e as práticas de governo adotado, verificar a sua

eficácia e propor aos órgãos competentes as medidas a executar tendo em vista a

sua melhoria.

II.1.5. O Conselho de Administração ou o Conselho Geral e de Supervisão,

consoante o modelo aplicável, devem fixar objetivos em matéria de assunção de

riscos e criar sistemas para o seu controlo, com vista a garantir que os riscos

efetivamente incorridos são consistentes com aqueles objetivos.

Adotada Parte I / B / I. /

b) / 13 e 14

Adotada Parte I / B / I. /

b) / 12 e 13

Adotada Parte I / B / I. /

b) / 13 e 14

Adotada Parte I / A / I. /

2, 4, 5 e 6

Não adotada

Parte II / 2 e

Parte I / B / II. /

a) / 21

Adotada Parte I / B / II. /

a) / 21

Não aplicável

Não adotada

Não adotada

Parte II / 2 e

Parte I / B / II. /

c) / 29

Parte II / 2 e

Parte I / C / III. /

52, 54 e 55

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 166


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

II.1.6. O Conselho de Administração deve incluir um número de membros não

executivos que garanta efetiva capacidade de acompanhamento, supervisão e

avaliação da atividade dos restantes membros do órgão de administração.

II.1.7. Entre os administradores não executivos deve contar-se uma proporção

adequada de independentes, tendo em conta o modelo de governação adotado, a

dimensão da sociedade e a sua estrutura acionista e o respetivo free float.

A independência dos membros do Conselho Geral e de Supervisão e dos membros

da Comissão de Auditoria afere-se nos termos da legislação vigente, e quanto aos

demais membros do Conselho de Administração considera-se independente a

pessoa que não esteja associada a qualquer grupo de interesses específicos na

sociedade nem se encontre em alguma circunstância suscetível de afetar a sua

isenção de análise ou de decisão, nomeadamente em virtude de:

a. Ter sido colaborador da sociedade ou de sociedade que com ela se encontre em

relação de domínio ou de grupo nos últimos três anos;

b. Ter, nos últimos três anos, prestado serviços ou estabelecido relação comercial

significativa com a sociedade ou com sociedade que com esta se encontre em

relação de domínio ou de grupo, seja de forma direta ou enquanto sócio,

administrador, gerente ou dirigente de pessoa coletiva;

c. Ser beneficiário de remuneração paga pela sociedade ou por sociedade que com

ela se encontre em relação de domínio ou de grupo além da remuneração

decorrente do exercício das funções de administrador;

d. Viver em união de facto ou ser cônjuge, parente ou afim na linha reta e até ao 3.º

grau, inclusive, na linha colateral, de administradores ou de pessoas singulares

titulares direta ou indiretamente de participação qualificada;

e. Ser titular de participação qualificada ou representante de um acionista titular de

participações qualificadas.

II.1.8. Os administradores que exerçam funções executivas, quando solicitados por

outros membros dos órgãos sociais, devem prestar, em tempo útil e de forma

adequada ao pedido, as informações por aqueles requeridas.

II.1.9. O presidente do órgão de administração executivo ou da comissão executiva

deve remeter, conforme aplicável, ao Presidente do Conselho de Administração, ao

Presidente do Conselho Fiscal, ao Presidente da Comissão de Auditoria, ao

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão e ao Presidente da Comissão para as

Matérias Financeiras, as convocatórias e as atas das respetivas reuniões.

II.1.10. Caso o presidente do órgão de administração exerça funções executivas,

este órgão deverá indicar, de entre os seus membros, um administrador

independente que assegure a coordenação dos trabalhos dos demais membros não

executivos e as condições para que estes possam decidir de forma independente e

informada ou encontrar outro mecanismo equivalente que assegure aquela

coordenação.

II.2. FISCALIZAÇÃO

II.2.1. Consoante o modelo aplicável, o presidente do Conselho Fiscal, da Comissão

de Auditoria ou da Comissão para as Matérias Financeiras deve ser independente,

de acordo com o critério legal aplicável, e possuir as competências adequadas ao

exercício das respetivas funções.

II.2.2. O órgão de fiscalização deve ser o interlocutor principal do auditor externo e

o primeiro destinatário dos respetivos relatórios, competindo-lhe, designadamente,

propor a respetiva remuneração e zelar para que sejam asseguradas, dentro da

empresa, as condições adequadas à prestação dos serviços.

II.2.3. O órgão de fiscalização deve avaliar anualmente o auditor externo e propor

ao órgão competente a sua destituição ou a resolução do contrato de prestação dos

seus serviços sempre que se verifique justa causa para o efeito.

II.2.4. O órgão de fiscalização deve avaliar o funcionamento dos sistemas de

controlo interno e de gestão de riscos e propor os ajustamentos que se mostrem

necessários.

II.2.5. A Comissão de Auditoria, o Conselho Geral e de Supervisão e o Conselho

Fiscal devem pronunciar-se sobre os planos de trabalho e os recursos afetos aos

Não adotada Parte I / B / II. /

a) / 18

Não adotada

Parte II / 2 e

Parte I / B / II. /

a) / 18

Adotada Parte I / B / II. /

a) / 18

Adotada Parte I / B / II. /

a) / 18 e Parte I

/ B / II. / b) / 23

Não adotada

Parte II / 2 e

Parte I / B / II. /

a) / 18

Adotada Parte I / B / III. /

a) / 32 e I.A.II.8

Não adotada Parte I / B / III. /

c) / 38

Adotada Parte I / B / V. /

45

Não adotada Parte I / B / III. /

c) / 38

Não adotada Parte I / C / III. /

50

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 167


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

serviços de auditoria interna e aos serviços que velem pelo cumprimento das

normas aplicadas à sociedade (serviços de compliance), e devem ser destinatários

dos relatórios realizados por estes serviços pelo menos quando estejam em causa

matérias relacionadas com a prestação de contas a identificação ou a resolução de

conflitos de interesses e a deteção de potenciais ilegalidades.

II.3. FIXAÇÃO DE REMUNERAÇÕES

II.3.1. Todos os membros da Comissão de Remunerações ou equivalente devem ser

independentes relativamente aos membros executivos do órgão de administração e

incluir pelo menos um membro com conhecimentos e experiência em matérias de

política de remuneração.

II.3.2. Não deve ser contratada para apoiar a Comissão de Remunerações no

desempenho das suas funções qualquer pessoa singular ou coletiva que preste ou

tenha prestado, nos últimos três anos, serviços a qualquer estrutura na

dependência do órgão de administração, ao próprio órgão de administração da

sociedade ou que tenha relação atual com a sociedade ou com consultora da

sociedade. Esta recomendação é aplicável igualmente a qualquer pessoa singular ou

coletiva que com aquelas se encontre relacionada por contrato de trabalho ou

prestação de serviços.

II.3.3. A declaração sobre a política de remunerações dos órgãos de administração e

fiscalização a que se refere o artigo 2.º da Lei n.º 28/2009, de 19 de Junho, deverá

conter, adicionalmente:

a) Identificação e explicitação dos critérios para a determinação da remuneração a

atribuir aos membros dos órgãos sociais;

b) Informação quanto ao montante máximo potencial, em termos individuais, e ao

montante máximo potencial, em termos agregados, a pagar aos membros dos

órgãos sociais, e identificação das circunstâncias em que esses montantes máximos

podem ser devidos;

d) Informação quanto à exigibilidade ou inexigibilidade de pagamentos relativos à

destituição ou cessação de funções de administradores.

II.3.4. Deve ser submetida à Assembleia Geral a proposta relativa à aprovação de

planos de atribuição de ações, e/ou de opções de aquisição de ações ou com base

nas variações do preço das ações, a membros dos órgãos sociais. A proposta deve

conter todos os elementos necessários para uma avaliação correta do plano.

II.3.5. Deve ser submetida à Assembleia Geral a proposta relativa à aprovação de

qualquer sistema de benefícios de reforma estabelecidos a favor dos membros dos

órgãos sociais. A proposta deve conter todos os elementos necessários para uma

avaliação correta do sistema.

III. REMUNERAÇÕES

III.1. A remuneração dos membros executivos do órgão de administração deve

basear-se no desempenho efetivo e desincentivar a assunção excessiva de riscos.

III.2. A remuneração dos membros não executivos do órgão de administração e a

remuneração dos membros do órgão de fiscalização não deve incluir nenhuma

componente cujo valor dependa do desempenho da sociedade ou do seu valor.

III.3. A componente variável da remuneração deve ser globalmente razoável em

relação à componente fixa da remuneração, e devem ser fixados limites máximos

para todas as componentes.

III.4. Uma parte significativa da remuneração variável deve ser diferida por um

período não inferior a três anos, e o direito ao seu recebimento deve ficar

dependente da continuação do desempenho positivo da sociedade ao longo desse

período.

III.5. Os membros do órgão de administração não devem celebrar contratos, quer

com a sociedade, quer com terceiros, que tenham por efeito mitigar o risco

inerente à variabilidade da remuneração que lhes for fixada pela sociedade.

III.6. Até ao termo do seu mandato devem os administradores executivos manter as

ações da sociedade a que tenham acedido por força de esquemas de remuneração

variável, até ao limite de duas vezes o valor da remuneração total anual, com

exceção daquelas que necessitem ser alienadas com vista ao pagamento de

impostos resultantes do benefício dessas mesmas ações.

Não adotada Parte I / D / II. /

67 e 68

Adotada Parte I / D / II. /

67

Adotada Parte I / D / III. /

69

Não aplicável Parte I / D / III. /

73 e 74

Não aplicável Parte I / D / III. /

76

Adotada Parte I / D / III. /

70

Adotada Parte I / D / III. /

69 e Parte I / D /

IV. / 78, 81 e 82

Não aplicável Parte I / D / III. /

69

Não aplicável Parte I / D / III. /

69

Adotada Parte I / D / III. /

71

Não aplicável Parte I / D / III. /

73 e 74

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 168


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

III.7. Quando a remuneração variável compreender a atribuição de opções, o início

do período de exercício deve ser diferido por um prazo não inferior a três anos.

III.8. Quando a destituição de administrador não decorra de violação grave dos seus

deveres nem da sua inaptidão para o exercício normal das respetivas funções mas,

ainda assim, seja reconduzível a um inadequado desempenho, deverá a sociedade

encontrar-se dotada dos instrumentos jurídicos adequados e necessários para que

qualquer indemnização ou compensação, além da legalmente devida, não seja

exigível.

IV. AUDITORIA

IV.1. O auditor externo deve, no âmbito das suas competências, verificar a aplicação

das políticas e sistemas de remunerações dos órgãos sociais, a eficácia e o

funcionamento dos mecanismos de controlo interno e reportar quaisquer

deficiências ao órgão de fiscalização da sociedade.

IV.2. A sociedade ou quaisquer entidades que com ela mantenham uma relação de

domínio não devem contratar ao auditor externo, nem a quaisquer entidades que

com ele se encontrem em relação de grupo ou que integrem a mesma rede,

serviços diversos dos serviços de auditoria. Havendo razões para a contratação de

tais serviços que devem ser aprovados pelo órgão de fiscalização e explicitadas no

seu Relatório Anual sobre o Governo da Sociedade eles não devem assumir um

relevo superior a 30% do valor total dos serviços prestados à sociedade.

IV.3. As sociedades devem promover a rotação do auditor ao fim de dois ou três

mandatos, conforme sejam respetivamente de quatro ou três anos. A sua

manutenção além deste período deverá ser fundamentada num parecer específico

do órgão de fiscalização que pondere expressamente as condições de

independência do auditor e as vantagens e os custos da sua substituição.

V. CONFLITOS DE INTERESSES E TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS

V.1. Os negócios da sociedade com acionistas titulares de participação qualificada,

ou com entidades que com eles estejam em qualquer relação, nos termos do art.

20.º do Código dos Valores Mobiliários, devem ser realizados em condições normais

de mercado.

V.2. O órgão de supervisão ou de fiscalização deve estabelecer os procedimentos e

critérios necessários para a definição do nível relevante de significância dos

negócios com acionistas titulares de participação qualificada ou com entidades

que com eles estejam em qualquer uma das relações previstas no n.º 1 do art. 20.º

do Código dos Valores Mobiliários , ficando a realização de negócios de relevância

significativa dependente de parecer prévio daquele órgão.

VI. INFORMAÇÃO

VI.1. As sociedades devem proporcionar, através do seu sítio na Internet, em

português e inglês, acesso a informações que permitam o conhecimento sobre a

sua evolução e a sua realidade atual em termos económicos, financeiros e de

governo.

VI.2. As sociedades devem assegurar a existência de um gabinete de apoio ao

investidor e de contacto permanente com o mercado, que responda às solicitações

dos investidores em tempo útil, devendo ser mantido um registo dos pedidos

apresentados e do tratamento que lhe foi dado.

Não aplicável Parte I / D / III. /

74

Adotada Parte I / D / III. /

69 e Parte I / D

/ V. / 83

Adotada Parte I / B / III. /

c) / 38

Adotada Parte I / D / IV. /

41 e Parte I / D

/ V. / 47

Adotada Parte I / D / V. /

44

Adotada Parte I / E / I. /

90

Não adotada

Parte II / 2 e

Parte I / E / I. /

91

Adotada Parte I / C / V. /

59 a 65

Adotada Parte I / C / IV. /

56 a 58

As recomendações II.1.1., II.1.4., II.1.5., II.1.6, II.1.7., II.1.10., II.2.2., II.2.4., II.2.5., II.3.1. e V.2. não são

integralmente adotadas pela FC Porto Futebol, SAD, conforme explanado abaixo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 169


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• Recomendação II.1.1.: Os administradores da FC Porto Futebol, SAD centram a sua atividade

na gestão das participações do Grupo e na definição das linhas de desenvolvimento

estratégico. As decisões relativas a matérias estratégicas e de relevo são adotadas pelo

Conselho de Administração enquanto órgão colegial composto pela totalidade dos seus

membros, executivos e não executivos, no normal desempenho das suas funções.

Adicionalmente, alguns dos administradores da Sociedade. integram o Conselho de

Administração das várias unidades operacionais do Grupo pelo que a recomendação não é

integralmente cumprida.

• Recomendação II.1.4.: A FC Porto Futebol, SAD considera que, tendo em consideração a sua

dimensão, a única comissão especializada imprescindível para fazer face às necessidades da

Sociedade é a Comissão de Remunerações, não dispondo de comissões especificamente

destinadas a identificar candidatos a administradores e a refletir sobre o sistema de governo

adotado, pelo que a recomendação não pode ser considerada adotada.

• Recomendação II.1.5.: No presente relatório encontram-se descritos os aspetos mais

importantes da gestão de risco implementados no Grupo. No entanto, a FC Porto Futebol,

SAD não possui um sistema interno de controlo e gestão de risco sistematizado e formalizado

que abarque a totalidade das componentes previstas para aquele tipo de sistema, pelo que a

recomendação não é integralmente adotada.

• Recomendação II.1.6.: A FC Porto Futebol, SAD não cumpre com a recomendação II.1.6., que

recomenda que o Conselho de Administração deve incluir um número de membros não

executivos que garanta efetiva capacidade de acompanhamento, supervisão e avaliação da

atividade dos restantes membros do órgão de administração. Apesar de a Sociedade entender

que, dada a sua reduzida dimensão e pelo facto dos seus membros executivos estarem muito

vocacionados para a gestão corrente da sociedade, a existência de um administrador não

executivo garante a efetiva capacidade de supervisão, fiscalização e avaliação da atividade dos

membros não executivos, é entendimento da CMVM que, para cumprir com esta

recomendação, pelo menos um terço do número total de administradores deverá ser não

executivo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 170


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

• Recomendações II.1.7. e II.1.10.: Os membros do Conselho de Administração são não

independentes, à exceção de Rui Ferreira Vieira de Sá e José Américo Amorim Coelho, na

medida em que fazem parte da Direção do Futebol Clube do Porto, detentor de cerca de 75%

do capital e dos direitos de voto da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD, e que sobre ela

exerce uma influência dominante. Rui Ferreira Vieira de Sá pertenceu ao Conselho de

Administração da Somague Engenharia, SA detida a 100% pela Somague, SGPS, SA, que por

sua vez é detida a 100% pelo Grupo Sacyr SYV, sociedade que foi detentora de 18,79% do

capital social da FC Porto Futebol, SAD, até outubro de 2014. José Américo Amorim Coelho

foi, até abril de 2016, Vice-presidente da Direção do Futebol Clube do Porto. Face ao modelo

societário adotado e à composição e ao modo de funcionamento dos seus órgãos sociais,

nomeadamente a independência dos órgãos de fiscalização, sem que, entre eles ou para

outras Comissões existam delegações de competências, o Grupo considera que a designação

de administradores independentes para exercerem funções no Conselho de Administração

não traria valias significativas para o bom funcionamento do modelo adotado que se tem vindo

a revelar adequado e eficiente.

• Recomendação II.2.2.: A recomendação não se encontra integralmente cumprida uma vez que

os relatórios emitidos pelo auditor externo têm como primeiro destinatário o Conselho Fiscal,

em simultâneo com o Conselho de Administração. No entanto, a FC Porto Futebol, SAD

entende que este procedimento em nada afeta o critério da independência e conflito de

interesses, uma vez que o relatório do auditor externo não é influenciado nem alterado em

função da apresentação ao Conselho de Administração.

• Recomendação II.2.4.: Apesar do Conselho Fiscal não ter responsabilidade na criação e

funcionamento dos sistemas de controlo interno, tem em consideração a sua existência e

eficácia aquando da análise dos riscos da sociedade.

• Recomendação II.2.5.: Uma vez que os departamentos de Auditoria Interna e Planeamento e

Controlo de Gestão dependem do Conselho de Administração, esta recomendação é

considerada não cumprida. No entanto, apesar do Conselho Fiscal não ter responsabilidade na

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 171


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

criação e funcionamento dos sistemas de controlo interno, tem em consideração a sua

existência e eficácia aquando da análise dos riscos da sociedade.

• Recomendação II.3.1.: A recomendação não se encontra integralmente cumprida uma vez que

um dos membros da Comissão de Vencimentos é Vice-Presidente do Futebol Clube do Porto,

acionista maioritário da sociedade. No entanto, uma vez que este é um cargo não executivo, a

FC Porto Futebol, SAD considera que que não está posta em causa o rigor e isenção deste

órgão.

• Recomendação V.2.: Atualmente, não estão estabelecidos quaisquer procedimentos ou

critérios relativos à definição do nível relevante de significância de negócios entre a Sociedade

e titulares de participações qualificadas, ou entidades que com eles estejam em relação de

domínio ou grupo, a partir do qual é exigida a intervenção do órgão de fiscalização. No entanto,

as transações com administradores da FC Porto Futebol, SAD ou com sociedades que estejam

em relação de grupo ou domínio com aquela em que o interveniente é administrador,

independentemente do montante, estão sujeitas à autorização prévia do Conselho de

Administração com parecer favorável do órgão de fiscalização, nos termos do artigo 397º do

Código das Sociedades Comerciais.

3. Outras informações

A Futebol Clube do Porto Futebol, SAD considera que, não obstante o não cumprimento integral das

recomendações da CMVM, tal como acima justificado, o grau de adoção das recomendações é

bastante amplo e completo.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 172


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

D. Participações detidas pelos membros do Conselho de Administração e Conselho Fiscal

Conselho de Administração

Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa

Detinha a 30 de junho de 2015 250.000 ações. Não adquiriu nem alienou no decorrer deste período

quaisquer ações, detendo em 30 de junho de 2016, 250.000 ações. O Futebol Clube do Porto, do qual

é Vice-Presidente da Direção, detinha em 30 de junho de 2016, 16.782.931 ações.

Adelino Sá e Melo Caldeira

Não tem ações. O Futebol Clube do Porto, do qual é Vice-Presidente da Direção, detinha em 30 de

junho de 2016, 16.782.931 ações.

Antero José Gomes da Ressurreição Diogo Henrique

Não tem ações. O Futebol Clube do Porto, do qual é Vice-Presidente da Direção, detinha em 30 de

junho de 2016, 16.782.931 ações.

Fernando Manuel Santos Gomes

Não tem ações. O Futebol Clube do Porto, do qual é Vice-Presidente da Direção, detinha em 30 de

junho de 2016, 16.782.931 ações.

Reinaldo da Costa Teles Pinheiro

Detinha a 30 de junho de 2015 9.850 ações. Não adquiriu nem alienou no decorrer deste período

quaisquer ações, detendo em 30 de junho de 2016, 9.850 ações. O Futebol Clube do Porto, do qual é

Vice-Presidente da Direção, detinha em 30 de junho de 2016, 16.782.931 ações.

José Américo Amorim Coelho

Detinha a 30 de junho de 2015 100 ações. Não adquiriu nem alienou no decorrer deste período

quaisquer ações, detendo em 30 de junho de 2016, 100 ações.

Rui Ferreira Vieira de Sá

Não tem ações

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 173


Relatório e Contas Consolidado

2015/2016

___________________________________________________________________________________________

Conselho Fiscal

José Paulo Sá Fernandes Nunes de Almeida

Detinha a 30 de junho de 2015 100 ações. Não adquiriu nem alienou no decorrer deste período

quaisquer ações, detendo em 30 de junho de 2016, 100 ações.

Jorge Luís Moreira Carvalho Guimarães

Detinha a 30 de junho de 2015 25 ações. Não adquiriu nem alienou no decorrer deste período

quaisquer ações, detendo em 30 de junho de 2016, 25 ações.

José Augusto dos Santos Saraiva

Não tem ações.

André Ferreira Antunes

Não tem ações.

Sociedade de Revisores Oficiais de Contas

Deloitte & Associados, SROC S.A. representada por António Manuel Martins Amaral

Não tem ações.

___________________________________________________________________________________________

Futebol Clube do Porto Futebol, SAD 174

Similar magazines