n?u=RePEc:ipe:ipetds:2247&r=his

repec.nep.his

n?u=RePEc:ipe:ipetds:2247&r=his

Rio de Janeiro, novembro de 2016

A vulnerabilidade externa pode estar associada tanto a problemas de liquidez

quanto de solvência. A grande diferença está em problemas de liquidez que são

tipicamente conjunturais, associados a desequilíbrios na economia mundial (como uma

crise financeira ou um aumento dos juros internacionais) ou, ainda, a uma percepção

negativa quanto à solvência do país – mesmo que não haja, efetivamente, inconsistência

na trajetória das contas externas. Diante disso, ressalta-se a importância de medidas

preventivas que garantam a oferta de moeda estrangeira até em situações de restrição

externa – a exemplo da acumulação de reservas internacionais ou ainda de acordos

internacionais que garantam linhas de crédito contingentes. 7 Aponta-se também para

a necessidade de gerenciar o perfil do passivo externo, evitando-se, por exemplo, um

excessivo acúmulo de dívidas de curto prazo.

A questão da solvência, por sua vez, está associada a problemas de ordem mais

estrutural, de modo que a reversão de um processo de crescimento do passivo externo

pode exigir medidas mais drásticas de ajuste – em geral envolvendo recessão, forte

desvalorização cambial e, em casos mais extremos, algum tipo de perdão ou renegociação

da dívida externa. Esta questão aponta diretamente para o adequado monitoramento

da trajetória do deficit em TCs e de seus principais componentes. Edwards (2004) e

Milesi-Ferreti e Razin (1996; 2000) enfatizam este aspecto, discutindo até que ponto

tais deficit são sustentáveis ao longo do tempo, sob quais condições se tornam excessivos

e de que maneira são revertidos, bem como os custos deste processo de reversão.

Em termos empíricos, a avaliação da solvência externa de um país parte de uma

equação que expressa a dinâmica intertemporal do PEL em função de seus três principais

elementos, de forma que, a cada momento, a variação do PEL é dada pela remuneração

do passivo externo diminuída dos saldos comercial e da balança de serviços: 8

PEL t

– PEL t – 1

= PEL t – 1

(r t – 1

) – BC t

– BS t

. (2)

7. Vale destacar, nesse sentido, que Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS) assinaram um acordo contingente de

reservas no valor de US$ 100 bilhões. Ver Brasil (2014).

8. Adaptada da equação apresentada em Adler e Sosa (2013). A equação ignora um componente menos relevante das

transações correntes: as transferências unilaterais, ou renda secundária.

22

More magazines by this user
Similar magazines