Agosto/2015 - Referência Industrial 166

grupojota

Visitantes - Grupo Jota Comunicação

ESPECIAL - Toda a versatilidade da teca, a madeira nobre que se consolidou em solo brasileiro

I N D U S T R I A L

Resina para

compensados

Dólar valorizado encarece insumo

Resin for

plywood

Higher valued dollar makes

this input more expensive

WOOD TAIWAN – Fabricantes asiáticos de máquinas querem novos mercados e Brasil está na mira


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

SUMÁRIO

SUMÁRIO

ANUNCIANTES DA EDIÇÃO

30

Abrafati 81

Affemaq 23

Arch Química/Lonza 83

AWK Indústria de Máquinas 17

Brasmetal 05

Cola Sempre 79

Engecass 51

Fhaizer Industrial 59

Fiep 45

42

04 Editorial

06 Cartas

08 Bastidores

52

Formar 27

Gaidzinski 41

Giacomelli Máquinas 09

H. Bremer 11

Icavi 07

Indumec 21

Jowat Adesivos 29

Máquinas Dallabona 67

Mill Indústrias 84

Montana Química 02

MSM Química 15

Pilana 19

Planeta Industrial 67

Razi Máquinas 39

Rossin 63

Vantec 13

10 Coluna Flavio C. Geraldo

12 Notas

18 Aplicação

20 Alta e Baixa

22 Frases

24 Entrevista

28 Coluna Abimci Paulo Pupo

30 Principal

42 Construção Civil

46 Marcenaria

52 Especial

60 Madeira Tratada

64 Química na Madeira

68 Internacional

76 Artigo

80 Agenda

82 Espaço Aberto

AGOSTO | 03


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

EDITORIAL

Ano XVII - Edição n.º 166 - Agosto 2015

Year XVII - Edition n.º 166 - August 2015

Segmento de

compensados vive momento

de retomada de vendas

externas com a alta do dólar, o

que, por outro lado, também

encarece insumos importantes

como as resinas fenólicas. Este

tema inspirou a ilustração da

capa desta edição

SINCRONICIDADE

A edição de agosto é uma união de matérias que se

complementam. A começar pela reportagem de capa, que

faz a relação entre o desempenho do mercado de compensados

e os impactos da indústria de resinas fenólicas, um

dos principais insumos para a produção do painel. Um dos

grandes destaques desta edição é, sem dúvida, a cobertura

da Wood Taiwan 2015. Tivemos a satisfação de estar entre os

três veículos de comunicação no mundo a serem convidados

pela organização do evento e o único das Américas. Acompanhe

com exclusividade o que a indústria de máquinas para

madeira de Taiwan tem à oferecer aos brasileiros. Já nossa

matéria especial conta um pouco da história da teca e de

como alguns fabricantes estão se valendo deste nicho de

mercado para confeccionar produtos diferenciados. O tema

também é abordado por graduandos na seção Artigo Técnico.

O assunto madeira tratada aparece em duas partes. A primeira

na construção de quiosques e a segunda ressalta a importância

correta de seu descarte. Construção verde e logística reversa,

tema tratado na entrevista principal concedida por Cris Baluta,

conselheira da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha,

também fazem parte do casamento de matérias da edição.

SYNCHRONICITY

Our August Issue is a marriage, intentional or not, of stories

that complement each other. It starts with the cover story,

which defines the relationship between the plywood market

performance and the impact of the phenolic resin industry,

responsible for one of the main inputs in the manufacture of

the wood panel. One of the major highlights of this Issue is

undoubtedly the coverage of Wood Taiwan 2015. We had the

satisfaction of being amongst the three media outlets in the

world to be invited by the organization of the event, and the

only one from the Americas. With exclusivity, we tell you what

the forest machinery industry in Taiwan has to offer Brazilians.

Our special article tells the story of teak and how some manufacturers

are taking advantage of this niche market to produce

differentiated products. The theme is continued by students in

the article in the Technical Section. The subject of treated wood

appears in two parts. The first is about the construction of kiosks,

and the second stresses the importance of its disposal. Green

Building Construction and Reverse Logistics, the latter covered

in the main interview granted by Cris Baluta, Councilor for the

Brazilian–German Chamber of Commerce, are also part of the

marriage of stories in this Issue.

EXPEDIENTE

JOTA COMUNICAÇÃO

Diretor Comercial / Commercial Director

Fábio Alexandre Machado

fabiomachado@revistareferencia.com.br

Diretor Executivo / Executive Director

Pedro Bartoski Jr

bartoski@revistareferencia.com.br

Diretora de Negócios / Business Director

Joseane Knop

joseane@jotacomunicacao.com.br

ASSINATURAS

0800 600 2038

Veículo filiado a:

JOTA EDITORA

Diretor Comercial / Commercial Director

Fábio Alexandre Machado

fabiomachado@revistareferencia.com.br

Diretor Executivo / Executive Director

Pedro Bartoski Jr

bartoski@revistareferencia.com.br

Redação / Writing

Rafael Macedo - Editor

editor@revistareferencia.com.br

Larissa Angeli

jornalismo@referenciaindustrial.com.br

Colunista / Columnist

Paulo Pupo

Flavio C. Geraldo

Depto. de Criação / Graphic Design

Fabiana Tokarski - Supervisão

Fabiano Mendes

Bruce Cantarim

Fernanda Domingues

criacao@revistareferencia.com.br

Colaboradores / Colaborators

Fotógrafos: Fabio Ortolan, Valterci Santos

Depto. Comercial / Sales Departament

Gerson Penkal, Viviane Kraft

comercial@revistareferencia.com.br

fone: +55 (41) 3333-1023

Tradução / Translation

John Wood Moore

Depto. de Assinaturas / Subscription

Monica Kirchner - Coordenação

Elaine Cristina

assinatura@revistareferencia.com.br

A Revista REFERÊNCIA - é uma publicação mensal e independente, dirigida

aos produtores e consumidores de bens e serviços em madeira, instituições de

pesquisa, estudantes universitários, orgãos governamentais, ONG’s, entidades de

classe e demais públicos, direta e/ou indiretamente ligados ao segmento madeireiro.

A Revista REFERÊNCIA do Setor Industrial Madeireiro não se responsabiliza por conceitos

emitidos em matérias, artigos ou colunas assinadas, por entender serem estes

materiais de responsabilidade de seus autores. A utilização, reprodução, apropriação,

armazenamento de banco de dados, sob qualquer forma ou meio, dos textos, fotos e

outras criações intelectuais da Revista REFERÊNCIA são terminantemente proibidos

sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais, exceto para fins didáticos.

Revista REFERÊNCIA is a monthly and independent publication directed at the

producers and consumers of the good and services of the lumberz industry, research

institutions, university students, governmental agencies, NGO’s, class and other entities

directly and/or indirectly linked to the forest based segment. Revista REFERÊNCIA does

not hold itself responsible for the concepts contained in the material, articles or columns

signed by others. These are the exclusive responsibility of the authors, themselves. The

use, reproduction, appropriation and databank storage under any form or means of

the texts, photographs and other intellectual property in each publication of Revista

REFERÊNCIA is expressly prohibited without the written authorization of the holders

of the authorial rights.

04 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

CARTAS

Capa da Edição 165 da

Revista REFERÊNCIA INDUSTRIAL,

mês de julho de 2015

Ligna 2015

Marcenaria

Por Jose Gilberto Longo,

de Piracicaba (SP) -

proprietário de uma

empresa de móveis sob

medida

Por Lucas Juarez

Cunha, marceneiro

de São João de

Meriti (RJ)

Gostei muito da reportagem

de cobertura da Ligna

2015. Parabéns pelo trabalho!

Foto: REFERÊNCIA

Muito boa a matéria

sobre a serra circular,

a série está bem elaborada.

Foto: Valterci Santos

Exportação

Construção civil

Por Roberto de Carvalho,

São Paulo (SP)

Por Ailson A. Loper,

gerente executivo da

Apre

A reportagem: O melhor

da madeira, da edição de

julho, ficou muito bem

feita, parabéns!

Exportação é sempre um

tema que gosto e procuro ler.

O mercado precisa de mais

reportagens assim, como a

entrevista realizada com o

consultor da Abracomex, da

edição de julho.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Leitor, participe de nossas pesquisas online respondendo os

e-mails enviados por nossa equipe de jornalismo.

As melhores respostas serão publicadas em CARTAS. Sua opinião

é fundamental para a Revista REFERÊNCIA INDUSTRIAL.

revistareferencia@revistareferencia.com.br

06 |

www.referenciaindustrial.com.br

E-mails, críticas e sugestões podem ser

enviados para redação ou siga:


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

BASTIDORES

Na foto, o diretor da Twma

(Taiwan Woodworking

Machinery Association),

Pedon Wang e o presidente

da entidade, Shin Jsung Po

DO OUTRO LADO

DO MUNDO

Durante nossa visita à

Wood Taiwan tivemos a oportunidade

de conhecer os dirigentes

da principal associação

de fabricantes de máquinas

para madeira do país asiático.

Na foto (esq. p/ dir.)

Bernardino Damiani,

Thiago Flores, Fabio

Furlin.

Foto: REFERÊNCIA Foto: REFERÊNCIA

CONSTRUSUL 2015

Na primeira semana de agosto a equipe da Jowat marcou

presença na Construsul, XVIII Feira Internacional da Construção,

em Novo Hamburgo (RS).

08 |

www.referenciaindustrial.com.br


Própria para

produção de pallets,

caixas, estrados,

grades e caixas para

cama box

Tecnologia

exclusiva no Brasil

Máquina

totalmente

adequada a NR-12

Disponibilização de

técnicos para

manutenção em

todo o Brasil e

países vizinhos

Flexibilidade

de produção

Set-up reduzido

Memória para até

500 modelos de

embalagem

Rua Antonio Aver, 446 - Bairro Ana Rech

Caxias do Sul / RS - Fone: (54) 3212-3099

giacomelli@giacomelli.ind.br | vendas@giacomelli.ind.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

COLUNA

Flavio C. Geraldo

Arch Proteção de Madeiras - Grupo Lonza

Contato: flavio.geraldo@lonza.com

LENHA NA FOGUEIRA

Madeira tratada deve receber uma destinação correta de descarte, sendo segura apenas em circunstâncias

normais de uso

Foto: divulgação

V

ez por outra surgem alguns fatos relacionados ao

correto descarte da madeira tratada. Isto ocorre

devido à existência de sobras de alguma obra

ou quando da substituição após uso por alterações de

projetos ou vida útil completada. Há relatos de destinações

inadequadas com potenciais consequências, como

por exemplo, a queima em ambientes fechados, assim

como há relatos, investigados e não comprovados, de

consequências graves originadas pela queima de madeira

tratada em churrasqueiras ou fogões. Madeira tratada é

segura em circunstâncias normais de uso. As formulações

de preservativos utilizadas hoje no Brasil possuem ingredientes

que reagem com os componentes celulósicos da

madeira para formarem complexos químicos altamente

insolúveis e resistentes à lixiviação. Na madeira com o

teor de umidade apropriado, os preservativos hidrossolúveis

penetram nas camadas permeáveis e, após as

reações de fixação, permanecerão por um longo tempo

dentro da madeira, protegendo-a contra a ação dos

agentes deterioradores. As empresas responsáveis que

atuam no setor de proteção de madeiras divulgam normalmente

recomendações que objetivam assegurar as

boas práticas de manipulação e uso àqueles que estão

construindo ou utilizando de qualquer outra forma a madeira

tratada. As recomendações vão além do descarte.

Em algumas obras, é comum a produção de partículas

leves que podem ser inaladas ou acumuladas nas roupas,

em especial durante as operações de lixamento. Nestes

casos, a utilização de óculos protetores, toucas de cabelo

e máscaras contra pó são muito importantes. As roupas,

normalmente utilizadas e que estejam sujeitas ao acumulo

de poeiras de madeira tratada devem ser lavadas

separadamente. Quanto às práticas de descarte, a gestão

de resíduos da construção e demolição deve atender à

Resolução Conama 307/2002 e às legislações municipais,

estaduais e federais. Essas legislações determinam as

responsabilidades e ações dos agentes envolvidos, entre

eles o gerador, o transportador, as empresas de transbordo

e triagem, as empresas de tratamento e as áreas

de destinação. Todo tipo de desperdício deve ser evitado

e a reutilização de sobras de materiais deve sempre ser

considerada. Durante uma obra, todo e qualquer tipo de

resíduo que seja de madeira tratada deve ser segregado

dos outros materiais para que sejam posteriormente

facilitadas as ações de destinação final. Os resíduos de

madeira tratada podem ser encaminhados para uma

ATT (Área de Transbordo e Triagem) para posterior

remoção e destinação adequada e a partir de então serem

destinados a Ecopontos, neste caso para pequenos

volumes, até um metro cúbico. Acima desse volume,

esses resíduos podem ser reciclados, destinados à geração

energética em unidades credenciadas para tal, ou

destinados a aterros industriais. Existem normas da Abnt

que orientam quanto à amostragem e caracterização de

resíduos sólidos que permitem a classificação como não

perigosos ou inertes ou perigosos. Os tempos mudaram,

valendo destacar que resíduos de outros materiais, como

plásticos, metais, sobras de tintas e suas embalagens,

entre inúmeros outros, seguem outras regras de gestão

específicas. No caso da madeira tratada, em nenhuma

hipótese os resíduos podem ter contato com alimentos

ou água potável, servirem de camas para animais, granjas,

por exemplo, ou serem queimados a céu aberto ou

em fogões, churrasqueiras, lareiras, fornos de padarias,

pizzarias e domésticos ou, ainda, em caldeiras de baixa

temperatura. Nada de esquentar as marmitas do almoço

no fogareiro da obra sem antes assegurar se a lenha não

é de madeira tratada.

Durante uma obra, todo e qualquer tipo de resíduo que

seja de madeira tratada deve ser segregado dos outros

materiais para que sejam posteriormente facilitadas as

ações de destinação final

10 |

www.referenciaindustrial.com.br


Gerando energia para o mundo.

CALDEIRAS AQUATUBULARES

• Grelha rotativa ou fixa refrigerada a água

• Vapor saturado ou superaquecido

• Capacidade de 10 a 60 ton/h vapor

• Pressão de trabalho de 15 a 68 kgf/cm²

CALDEIRAS FLAMOTUBULARES

• Capacidade: 1 a 40 ton/h vapor

• Pressão de trabalho: 10 a 23 kgf/cm²

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO

• Capacidade: 1 a 10 Gkal/h

Gerando soluções

tecnológicas de energia

Rua Lilly Bremer, 322 • Bairro Navegantes • Rio do Sul • Santa Catarina

Tel.: (047) 3531-9000 • Fax: (047) 3525-1975

bremer@bremer.com.br • www.bremer.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

NOTAS

Nova fábrica

de MDF

Imagem: Abimóvel

Seminário sobre

exportação

O Seminário Abimóvel de Exportação acontece

no dia 13 de agosto, na Fiesp (Federação das Indústrias

do Estado de São Paulo), na capital paulista, e

é uma oportunidade de aprendizado para empresas

e profissionais do setor moveleiro. Cenário, mercado

exportador, dentre outros, serão alguns dos temas

abordados. Dois painéis compõem o evento. O primeiro

sobre o cenário da indústria moveleira no país e

o segundo sobre a experiência do móvel brasileiro no

mercado internacional, com empresas convidadas,

entre elas: A Lot Of, Artefama, Butzke e Saccaro, que

participarão de uma mesa redonda com mediação do

presidente da Abimóvel (Associação Brasileira das

Indústrias do Mobiliário), Daniel Lutz. O encontro é

realizado pela Abimóvel, com apoio da Brazilian Furniture,

Apex Brasil, Design Weekend e Fiesp.

Foi lançada a pedra fundamental que dará início

às obras da indústria do grupo Asperbras – Tecnologia

Industrial e Agronegócios, em Água Clara

(MS). O município, que receberá a fábrica de MDF

e MDP, já está com a área, que será utilizada para

a construção, desocupada. A chegada da indústria

trará, em média, R$ 380 milhões em investimentos

para a região. A expectativa é que a empresa

produza 200 mil m³ (metros cúbicos) de placas a

partir de 2017. A prefeitura de Água Clara é parceira

no projeto, doando uma área de 500 mil metros

quadrados para montagem da indústria, situada às

margens da rodovia BR-262, e garantindo isenção

tributária municipal. Também há previsão de geração

de pelo menos 400 empregos, 200 deles diretos

e outros 200 indiretos.

Foto: Prefeitura de Água Clara

Mudança no ranking

Foto: divulgação

De acordo com o Iemi (Instituto de Marketing e Estudos Industriais),

em 2015, Santa Catarina passou a ocupar o primeiro

lugar no ranking nacional de móveis vendidos para o exterior. O

Estado é responsável por aproximadamente US$ 102 milhões,

crescendo 6,7% em relação ao mesmo período de 2014. Os catarinenses

tomaram o lugar do Rio Grande do Sul, que agora é o

segundo em exportações. No primeiro semestre deste ano, o Estado

registrou queda de 7%, gerando US$ 91,4 milhões em vendas

internacionais. Segundo o presidente da Movergs (Associação

das Indústrias de Móveis do Estado do Rio Grande do Sul), Ivo

Cansan, em 2015, mesmo com a valorização do câmbio, o setor

não consegue ser competitivo perante os produtores mundiais.

Para ele, outro motivo é a grave oscilação econômica e a política

interna, que prejudica a confiança dos importadores.

12 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

NOTAS

Mostra Affemaq

desembarca em solo

catarinense

No período de 25 a 27 de agosto de 2015 a 17ª edição da Mostra

Affemaq será realizada no Centro de Eventos Promosul, das 16h às 21h,

em São Bento do Sul (SC). A feira itinerante de máquinas, ferramentas,

acessórios, insumos e serviços para a indústria de madeira e móveis tem

como objetivo aproximar fornecedores de fabricantes, na troca de informações

e no fechamento de negócios.

Imagem: Affemaq

Imagem: divulgação

Escola da

Construção

Com previsão de término da obra para outubro de 2016,

a Escola da Construção do Senai, em Campo Grande (MS),

custará R$ 18 milhões, segundo pronunciamento do presidente

da Fiems (Federação das Indústrias do Mato Grosso),

Sérgio Longen. Ele afirma que esta é uma obra que atenderá

a demanda da indústria da construção da região por mão de

obra qualificada. A escola vai trabalhar o profissionalismo de

toda a cadeia da construção. Está previsto o curso de marcenaria

em diversos níveis e modalidades, desde a aprendizagem

até os superiores, além de assistências e consultorias

às indústrias do Estado. No primeiro ano de funcionamento,

a Escola da Construção de Campo Grande vai ofertar os

cursos de pedreiro, armador, carpinteiro, pintor, encanador,

gesseiro, técnico em edificações, tecnólogo em construção,

técnico em móveis, marceneiro, desenhista em CAD e técnico

em segurança do trabalho, que terão previsão de disponibilizar

2.100 vagas.

Manual de

pisos laminados

A Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) lançou

recentemente o Manual de Uso e Manutenção de

Pisos Laminados. A publicação, voltada a construtoras

e profissionais da área da construção civil e

consumidores, reúne informações sobre as aplicações

e procedimentos para a escolha e instalação

do piso, além de cuidados.

O manual foi elaborado no âmbito do PSQ (Programa

Setorial da Qualidade ) e atende o regimento

do SimaC (Sistema de Qualificação de Materiais,

Componentes e Sistemas Construtivos), do Pbqp-H

(Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade

do Habitat), Ministério das Cidades e pode ser conferido

no site da entidade: www.iba.org

Foto: Duratex

14 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

NOTAS

Homenagem

A Revista REFERÊNCIA INDUSTRIAL faz uma homenagem em

memória de Anderson Kaiser, diretor comercial da Bruno Industrial.

Anderson nasceu em Videira (SC), no dia 14 de janeiro de 1977. Na adolescência

mudou-se com a família para Campos Novos (SC). Filho de

Arlete e Ivo Kaiser, era formado em Engenharia Mecânica e dedicou a

vida profissional à Bruno Industrial. Trabalhou intensamente no avanço

tecnológico dos equipamentos para o setor florestal e de biomassa

fabricados no Brasil. Parte da evolução destas máquinas se deve ao esforço incansável de Anderson por um mercado mais competitivo.

Ele faleceu no dia 27 de julho, após um acidente de carro quando viajava à trabalho. O empresário deixa esposa e dois filhos.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Inovações em

revestimento

A primeira edição da Movelprint será realizada no

dia 12 de agosto em Arapongas (PR) e consiste em um

seminário técnico de impressão de padrões e texturas

para a indústria moveleira. Temas como “Inovação em

pintura como diferencial estratégico”, Revestimentos

dos Cilindros e Impressão no setor moveleiro serão

abordados. O evento será realizado nas dependências

do Senai de Arapongas. As inscrições não têm custo e

podem ser realizadas em www.movelprint.com.br

Orchestra Brasil

As ações do Projeto Orchestra Brasil de promoção das

exportações vêm impulsionando o alcance das fornecedoras

do setor moveleiro no mercado externo. Em um cenário de

queda das exportações da indústria brasileira, no primeiro

semestre de 2015, os valores em dólares das exportações das

empresas apoiadas caíram 4,1%, enquanto das empresas

não apoiadas registraram uma queda de 33,2%.

Além disso, entre 2010 e 2014, o projeto teve um aumento

de 40 para 76 destinos. Nesse período, o crescimento dos

valores em dólares exportados pelas empresas apoiadas foi

156,3% superior ao das empresas não apoiadas.

Foto: divulgação

Prêmio

Brasil-Alemanha

Na terceira edição, o Pbai (Prêmio Brasil-Alemanha

de Inovação), iniciativa da AHK-SP (Câmara de Comércio

e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo), pretende aumentar a visibilidade e a articulação de empresas inovadoras de todo o

Brasil. Os projetos serão avaliados de acordo com o grau de inovação e também por aspectos como impacto na empresa, na

sociedade e no meio ambiente, assim como possíveis relações com organizações alemãs utilizadas para o seu desenvolvimento.

As inscrições são gratuitas e vão até o dia 24 de agosto. Já o anúncio dos vencedores ocorrerá no dia 12 de novembro, após o Seminário

Brasil-Alemanha de Inovação. Outras informações podem ser obtidas pelo site oficial: www.inobrasilalemanha.com.br.

16 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

APLICAÇÃO

DO LADO DE

FORA

Ó

tima opção para quem busca agregar

sofisticação e refinamento às

áreas externas, os pergolados se

adéquam facilmente a qualquer projeto. Apesar

dos padrões clássicos serem os mais conhecidos,

com linhas retas, surge uma novidade, os

com acabamento curvo. Na foto, a pérgola deste

ambiente foi feita em madeira de Garapeira

e Itaúba. Especificamente na viga curva, foi utilizado

a técnica de sobreposição, com seções

intercaladas de madeiras, cortadas através de

molde pré-definido em projeto e distribuído sobre

pés direito, a fim de garantir a resistência

necessária. Com torninhos feitos na carpintaria,

é uma peça única de quase 4 m de 3“x 6“ que dá

um toque especial ao projeto.

Foto: The Log

DO LADO DE

DENTRO

A

escolha do piso para compor

ambientes como salas

e dormitórios pode contribuir

não só para deixá-los mais charmosos,

mas também para conferir

um clima acolhedor e aconchegante

ao local, principalmente durante os

dias e noites de temperaturas mais

baixas. A Indusparquet, oferece as linhas

Majestic e Rustik, que possuem

como característica em comum não

só a composição em lamelas de madeiras

nobre e de alta densidade, mas

também oferecerem um acabamento rústico e fosco, sustentando a aparência natural da madeira. Já a linha Reale foi desenvolvida

semelhante ao taco, permitindo, durante o processo de instalação, a possibilidade de compor diversas opções

de desenhos como espinha de peixe, diagonal, amarração, montagem em tabuleiro de dama, entre outros.

Foto: Indusparquet

18 |

www.referenciaindustrial.com.br


www.pilana.com

PILANA Knives no Brasil

Petr Mol e

Ronaldo Dias

Macedo

A empresa PILANA Knives Ltda., com

seus 250 colaboradores, é uma das

maiores empresas de produção de facas

industriais para a indústria de madeira e

reciclagem na Europa. A principal planta

produtiva situa-se em Hulin, na República

Checa. Nosso portfólio inclui mais de

18 mil itens. Mais de 97% da produção

é exportada para todo o mundo. A maior

parte é destinada para Alemanha, EUA,

Rússia, Itália, Grã-Bretanha, Suécia e outros

80 países.

A primeira fábrica para serras e ferramentas

foi criada em 1934, na cidade de Morávia.

Inicialmente, a empresa era focada

na produção de pequenas ferramentas e

componentes para várias máquinas. Gradualmente,

a produção foi crescendo e

direcionada para produtos para a indústria

da madeira. Com a expansão em diversos

setores, a empresa foi dividida de

acordo com a especialização da produção

em novas empresas, PILANA Knives

Ltda., PILANA Wood Ltda. PILANA Saw

Bodies Ltda., PILANA Metal Ltda., que

fornecem ferramentas de alta produtividade.

A indústria possui a própria fundição.

Em 2008, a empresa comprou a concorrente

norueguesa, Mesna, e em 2013

outra concorrente sueca, Mesna Stribi.

No ano passado a PILANA comemorou o

80º aniversário de fundação. Nesta ocasião

especial foram convidados 200 grandes

clientes de todo o mundo.

A empresa utiliza tecnologias modernas

como laser, plasma, centros CNC, fornos

atmosféricos e a vácuo, e outras máquinas

automáticas e semiautomáticas. Para

atender as normas DIN e ISO, a indústria

usa aço de alta qualidade de fabricantes

líderes como a Böhler Uddeholm, além

de fornecedores da Alemanha e Suécia.

A empresa investe, constante, em processos

inovadores, novos equipamentos

e melhoria do desempenho dos produtos,

facas para lâminas de madeira, sapatas

e acessórios para moinhos usando as

tecnologias mais recentes. Para manter a

qualidade da produção, as instalações foram

submetidas a extensas renovações.

As máquinas são seguradas pelo Grupo

Vienna Insurance contra quebras devido

a falha do material. Os produtos segurados

incluem facas para picadores móveis

e fixos e para outras industrias.

Devido à crescente demanda dos produtos

da PILANA no Brasil, a empresa

decidiu estabelecer uma filial em São

Paulo. Durante um curto período de visitas

aos grandes clientes na região sul do

País observamos uma grande demanda

e a carência das empresas por produtos

com alta tecnologia fabricados pela PI-

LANA. Como o território Brasileiro é um

dos maiores no mundo e a diversidade de

produtos fabricados para atender a demanda

mundial também, a Pilana Knives

decidiu investir em uma unidade, em região

central afim de facilitar a todos com

estrutura, rapidez e logística.

O escritório em São Paulo conta com

funcionários permanentes e capacitados

técnica e comercialmente. Eles completaram

o treinamento em Hulin, na República

Checa. Também possuímos um

local de armazenamento, e que vamos

expandir gradualmente nossos estoques

permanentes.

“Queremos estar mais perto de nossos

clientes e assim fornecer um serviço melhor.

Atualmente, estamos preenchendo

nosso armazém com itens mais comuns,”

diz Petr Mol, Gerente de vendas para PI-

LANA do Brasil e parte do continente.

Os Gerentes de vendas, Petr Mol e Ronaldo

Dias Macedo estão em contato

com os clientes diariamente. “A prioridade

principal é adquirir novos clientes,

difundir a boa reputação de nossos produtos

e promover a PILANA Knives,” adiciona

Petr Mol.

No ano passado, a empresa participou da

feira ExpoForest Brasil 2014, onde apresentou

produtos, e recebeu visitas de dezenas

de novos clientes em potencial.

Tradicionalmente, a empresa participa

da maior feira do mundo, Ligna 2015,

em Hannover, Alemanha. Sob a marca

PILANA, estiveram presentes na feira as

empresas PILANA Knives, PILANA Wood

and PILANA Saw Bodies.

O número total de empresas expositoras

desta edição foi 1.567 nos 120 mil metros

quadrados de espaço. O número total de

visitantes foi 96 mil em cinco dias de duração

da feira, do que 96% foram profissionais

da indústria de madeira e 40 mil

pessoas foram os visitantes do exterior.

Também apresentamos a nova empresa

subsidiária recém-criada, PILANA Service,

que trata das atividades de manutenção,

reparos, reconstrução e fornecimento

de novas máquinas e equipamentos.

Oferece serviço regular e manutenção

em vários tipos de máquinas. Também

efetua a manutenção durante a paralisação

da máquina (soldagem, montagem

e trabalhos em metal) em correias transportadoras.

Na Ligna, os visitantes tiveram

a oportunidade de ver o trabalho do

PILANA Service e a nova faca para processamento

de cavacos. O estande de

PILANA Knives foi visitado por mais de

1200 clientes de 50 países. O objetivo da

empresa é não apenas fornecer produtos,

mas também assistência pós-venda

aos clientes.

Para mais informações sobre as empresas,

PILANA Knives and PILANA Service,

visite www.pilana.com

PILANA DO BRASIL

Guarulhos - São Paulo

(11) 4178.0262 (11) 4969.9855

www.pilana.com.br - contato@pilana.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ALTA E BAIXA

BAIXA

ALTA

20 |

www.referenciaindustrial.com.br


50 ANOS DE EXPERIÊNCIA

NA INDÚSTRIA MADEIREIRA

www.indumec.com.br

Sistemas Especiais

de Manuseio

• Mesas elevadoras

• Manipulação

• Soluções customizadas

Linhas de Acabamento

para Painéis de Madeira

• Resfriamento de chapas

• Manipulação

• Lixamento

• Armazenamento

Preparação de

Partículas & Reciclagem

• Pátios de toras

• Sistemas de alimentação

• Linhas de picagem

Tecnologia de Secagem

• Secadores de lâminas de madeira

• Secadores Industriais

Tecnologia de Prensagem

• Prensas para linha de revestimento

• Prensas para linha de portas

• Prensas para indústria de madeira

• Prensas de ciclo curto

• Prensas industriais

Madeira Sólida

• Indústria de Serrarias

• Linhas de Remanufatura

Rua General Potiguara, 1115 | CIC | Curitiba | PR | Brasil | CEP 81050-500

Fone +55 41 3347 2412 | +55 41 3347 4545 | indumec@indumec.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

FRASES

Não podemos acreditar que tudo está

perdido, a direção que devemos seguir

é a de muito trabalho. Essa é a linha

que temos procurado avançar com a

consolidação da indústria

Sérgio Longen, presidente da Fiems (Federação das Indústrias

do Estado de Mato Grosso do Sul), sobre como a indústria fará a

diferença para reverter a crise econômica

Foto: Fiems

Os empregadores têm a preocupação com a saúde e

segurança dos trabalhadores, mas as normas de segurança

têm de ser razoáveis e exequíveis

Luciana Freire, diretora executiva jurídica da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de

São Paulo), sobre os ajustes da NR 12 na Portaria nº 857/2015 que não contemplarem todas as

reivindicações da indústria

A gente espera um terceiro trimestre melhor do que o

segundo. Tivemos um mês de junho que foi bastante fraco e

a gente sente alguns pontos de melhora em julho, mas temos

que aguardar. A visibilidade é pouca

Antonio Joaquim de Oliveira, presidente-executivo da Duratex, a respeito da demanda e

expectativas para os próximos meses

É preciso priorizar despesas e discutir o

quanto que essas despesas nos levam a

resultados. Temos que avaliar a eficácia,

eficiência do gasto para podermos ver

a trajetória fiscal. Uma trajetória que dê

segurança aos agentes econômicos

Foto: Agência Brasil

Joaquim Levy, ministro da Fazenda, reconhecendo o momento

de incertezas da economia brasileira

22 |

www.referenciaindustrial.com.br


MOSTRA


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ENTREVISTA

CRIS BALUTA

DATA DE NASCIMENTO

DATE OF BIRTH:

3/12/1964, em Curitiba (PR)

March 12, 1964, in Curitiba (PR)

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

EDUCATION:

Marketing Internacional e Gestão Ambiental

International Marketing and Environmental Management

Foto: Editora Senac

CARGO

PROFESSION:

Conselheira da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha (AHK Paraná),

Coordenadora do Giema (Grupo de Intercâmbio de Experiências

em Meio Ambiente) e diretora comercial e de Eco Relacionamento

com clientes Roadimex Ambiental

Councilor for the Brazilian-German Chamber of Commerce (AHK

Paraná), Coordinator for Giema (Environmental Experience

Interchange Group) and Director of Sales and Customer

Eco Relationships for Roadimex Ambiental

Desafios para a logística

reversa

Challenges for reverse logistics

A

LR (Logística Reversa) consiste no retorno dos materiais

ao ciclo produtivo, seja por defeito ou por

fim de vida útil. Nas indústrias, os canais reversos

são necessários devido ao aumento da descartabilidade dos

produtos. Com a crescente preocupação ecológica e as criações

de legislações ambientais, esses canais colaboram para

que as empresas sejam competitivas. No cenário atual, Cris

Baluta afirma que é possível se deparar com empresas que

utilizam ferramentas de gestão, a fim de reduzir ao máximo

o dano ambiental causado por suas atividades.

R

L (Reverse Logistics) is the return of materials to the

production cycle, either by default or by end-of-life.

In industries, reverse channels are required due to

the increasing disposability of products. With the growing

ecological concern and the creation of environmental legislation,

these channels collaborate so that companies can be

competitive. In the current scenario, Cris Baluta asserts that

it is possible to come across companies using management

tools, in order to reduce the environmental damage caused

by their activities.

24 |

www.referenciaindustrial.com.br


Com as

exigências

legais (da Logística

Reversa), uma parcela

significativa das

empresas está mudando o

seu comportamento

AGOSTO | 25


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ENTREVISTA

Com a

globalização, não

importa em que ponta

do barco está o furo,

somos todos responsáveis

26 |

www.referenciaindustrial.com.br


14 16 a

outubro 2015

das 13h às 20h

Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo

FAÇA SEU CREDENCIAMENTO

EM NOSSO SITE!

PARTICIPE!

MARCENARIA MODELO | DESIGN FÓRUM MÓVEIS

Inscrições no local!

Promoção e realização: Filiada à: Cia Aérea Oficial

Mídia Oficial:

Sindicatos Parceiros:

Agência de viagens oficial:


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

COLUNA ABIMCI

Paulo Pupo

Superintendente da Associação Brasileira da Indústria de

Madeira Processada Mecanicamente

Contato: abimci@abimci.com.br

Foto: divulgação

INFORMAÇÃO PARA ENFRENTAR OS DESAFIOS

Abimci lança informativo impresso como parte das ações da associação no intuito de dialogar com os diferentes

atores envolvidos na cadeia da madeira

Neste momento preocupante que estamos vivenciando

com a economia nacional, a troca de informações e

experiências entre os atores do setor é crucial para

melhorarmos nossa representatividade

28 |

www.referenciaindustrial.com.br


Colagens de primeira classe

Jowatherm® 281.40

Jowatherm-Reaktant® 607.30

Colagem de fitas

de borda

Sistemas de adesivos

modernos

Bordas de móveis com

"linha de cola zero"

Adesivos hot melt para

as tecnologias atuais

Recobrimento

de perfis

Recobrimento de perfis com

adesivos hot melt

Adesivos adaptados para

seus processos

Adesivos de alto desempenho

com tecnologia de

polímeros moderna

Jowatherm® 291.45

Jowat-Toptherm® 236.50

Jowat-Hightherm® 221.00

Jowatherm-Reaktant® 607.30

Obs.: Os produtos listados representam apenas uma seleção limitada do portfólio de produtos disponíveis. Nossa equipe técnica

e de vendas terá prazer em fornecer informações específicas para selecionar o produto adequado para o seu processo.

Rodovia RS 239, n° 600, Bairro São José, Novo Hamburgo/RS

Telefone: +55 (51) 3594 1404

vendas@jowat.com.br | www.jowat.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

Foto: divulgação

THE PLYWOOD SECTOR

SEEKS EQUILIBRIUM

EVEN WITH A MAJOR FOCUS ON EXPORTS, THE

HIGH DOLLAR VALUE HAS NOT ONLY PROVIDED

ADDED REVENUE, BUT ALSO, WITH SEVERAL INPUTS

BEING IMPORTED, CREATED A NEED TO ADJUST

PRODUCTION EQUILIBRIUM

30 |

www.referenciaindustrial.com.br


SETOR DE

COMPENSADOS

BUSCA

EQUILÍBRIO

MESMO COM GRANDE FOCO NAS

EXPORTAÇÕES O DÓLAR EM ALTA NÃO

TRAZ SOMENTE RECEITA, COM PARTE DE

INSUMOS IMPORTADOS É PRECISO AJUSTAR A

PRODUÇÃO DE FORMA BALANCEADA

AGOSTO | 31


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

NO PROCESSO DE COLAGEM

DEVEM SER CONSIDERADAS:

• Temperatura

• Tempo de prensagem

• Pressão

• Quantidade de cola e

viscosidade do adesivo

• Teor de umidade das lâminas

• Grau de limpeza da superfície

Foto: Fabio Ortolan

32 |

www.referenciaindustrial.com.br


COLAGEM

Dentro do processo de produção dos compensados a colagem representa a etapa em que a lâmina

recebe cola e/ou resina. A cola é preparada de acordo com as exigências de resistência do compensado

e tipo de madeira a ser colocada. As principais matérias-primas utilizadas no processo de colagem são:

• Resinas Fenólicas WBP

• Extensores (substâncias á base de amido ou proteína com alguma ação adesiva e que são

adicionados na composição dos compensados)

• Água: ajusta a viscosidade da cola pronta

Foto: Fabio Ortolan

Fonte: Compensados Schmitz

AGOSTO | 33


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

Foto: Fabio Ortolan

34 |

www.referenciaindustrial.com.br


Foto: Fabio Ortolan

AGOSTO | 35


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

RESINAS FENÓLICAS

[RESINAS DE FENOL FORMALDEÍDO]

GRUPO RESINAS TERMOFIXAS

PRODUÇÃO E VENDAS DECLARADAS (T/ANO)

ANO

2009

2010

2011

2012

2013

PRODUÇÃO

108.925,0

115.762,3

114.348,3

n.d.

n.d.

VENDAS INTERNAS

105.847,5

108.184,3

111.270,7

n.d.

n.d.

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO (T/ANO E US$-FOB)

ANO

t

IMPORTAÇÃO

US$ 1.000 FOB

2009

2010

2011

2012

2013

5.418,4

5.726,8

4.981,2

6.628,0

7.053,8

14.432,3

18.016,6

16.863,3

19.673,3

21.955,1

t

13.275,3

19.538,0

21.824,0

14.592,8

11.950,4

VENDAS EXTERNAS

1.730,0

5.942,,0

2.683,0

n.d.

n.d.

EXPORTAÇÃO

US$ 1.000 FOB

22.602,1

37.286,3

47.401,5

32.226,2

26.981,2

Fonte: Sistema Alice (base: junho/2014)

36 |

www.referenciaindustrial.com.br


Foto: Fabio Ortolan

AGOSTO | 37


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

EMBARQUE DE COMPENSADO

PINUS FENÓLICO

M³ (METROS CÚBICOS)

2014 NCM 4412.39.00

ANO

2007

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

* 2015

TOTAL

1.536.792

1.389.973

1.034.731

1.014.181

865.639

983.619

1.164.213

1.272.171

802.519

Pela tabela acima, nota-se a retomada da

exportação nos últimos três anos

* até o mês de julho de 2015

Foto: Fabio Ortolan

38 |

www.referenciaindustrial.com.br


Setor de fabricação de cola

da Randa Compensados

Foto: Randa Portas e Compensados


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

PRINCIPAL

“O BRASIL DEIXA DE IMPORTAR E

SOMENTE EXPORTA, OS CUSTOS DE

PRODUÇÃO INVIABILIZAM OS PROCESSOS

PRODUTIVOS, ONDE SOMENTE QUEM

CONSEGUE CONTROLE TOTAL DAS PERDAS

E DESPERDÍCIOS VAI SE MANTER VIVO NO

MERCADO”

GUILHERME DAMIANI RANSSOLIN,

DIRETOR CORPORATIVO DA RANDA PORTAS E COMPENSADOS

Foto: Fabio Ortolan

40 |

www.referenciaindustrial.com.br


PLEITOS ATUAIS

A Abimci protocolou no último dia 31 de julho

petição formal junto ao Ustr (The Office Of The

United States Trade Representative) solicitando a

revisão do status e da redesignação do compensado

brasileiro de pinus dentro do sistema SGP (Sistema

Geral de Preferências), atualmente taxado em 8%.

O compensado de pinus do Brasil está excluído

desse benefício da isenção da tarifa desde 1995,

quando o país representou 55,13% do total de importações

desse produto, o que levou o governo

dos EUA a suspender o benefício.

Daquele período para cá, o volume exportado

pelo Brasil diminuiu muito devido à crise norte-

-americana. Agora, está novamente em patamares

que permitem a revisão desse status para que o

produto possa então se beneficiar com a eliminação

da taxa de importação, fator imprescindível

para o aumento das exportações brasileiras para

aquele país.

CURRENT FILINGS

On July 31 of this year, Abimci filed a formal request

with the Ustr (The Office of the United States

Trade Representative) requesting a review of the

status and reassignment of Brazilian pine plywood

within the GSP (General System of Preferences),

currently taxed at 8%.

Pine plywood from Brazil has been excluded from

that tariff exemption benefit since 1995, when Pine

plywood from Brazil represented 55.13% of total imports

of that product, which led the U.S. Government

to suspend the benefit.

From this period on, the volume exported by Brazil

has very much declined due to the crisis. Now, we’re

again at levels that allow for a review of that status

so that the product can then benefit from the elimination

of the import tax, an essential factor to the

increase in Brazilian exports to that Country.


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

CONSTRUÇÃO CIVIL

Foto: divulgação

PELA

NORMATIZAÇÃO

DO WOOD FRAME

42 |

www.referenciaindustrial.com.br


Foto: divulgação

APÓS CONSEGUIR A LIBERAÇÃO

DO USO DA TECNOLOGIA EM

OBRAS FINANCIADAS PELO

GOVERNO, A COMISSÃO CASA

INTELIGENTE QUER ESTABELECER

AS NORMAS TÉCNICAS PARA

GARANTIR PADRONIZAÇÃO

A

Comissão Casa Inteligente, formada por diversas

entidades representativas dos setores da Construção

Civil, Madeira, e da Fiep (Federação das

Indústrias do Paraná), criou um GT (Grupo de Trabalho) que

deverá atuar em uma nova etapa do uso da tecnologia de

wood frame em construções no Brasil.

Formada em 2009 para pesquisar técnicas de construção

civil mais sustentáveis, a partir da utilização de madeira

certificada e tratada, a comissão Casa Inteligente deve agora

propor normas técnicas para garantir um mesmo padrão de

segurança a qualquer obra que utilize o sistema. Os integrantes

do grupo também querem a revisão do Sinat (Sistema de

Avaliação Técnica de Produtos Inovadores) 05, voltado ao

uso de wood frame.

AGOSTO | 43


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

CONSTRUÇÃO CIVIL

Foto: Fabio Ortolan Foto: Fabio Ortolan Foto: Fabio Ortolan

Foto: Tecverde

Foto: divulgação

O CB (COMITÊ BRASILEIRO) É

UM ÓRGÃO TÉCNICO DA ABNT

(ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE

NORMAS TÉCNICAS), FORMADO

POR COMISSÕES DE ESTUDO, EM

QUE AS NORMAS BRASILEIRAS

SÃO DESENVOLVIDAS. A ABNT

POSSUI 55 COMITÊS BRASILEIROS

E QUATRO ORGANISMOS DE

NORMALIZAÇÃO SETORIAL,

CHAMADOS GENERICAMENTE DE

COMITÊS TÉCNICOS

44 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

MARCENARIA

O uso incorreto pode resultar

em desgaste prematuro de

peças. Na foto, o uso correto

da ferramenta

Foto: Bosch

46 |

www.referenciaindustrial.com.br


Foto: Bosch

PULSO FIRME

Por Marina Werneck de Capistrano

POR MAIS SIMPLES QUE PAREÇA, O USO CORRETO DA

FURADEIRA É PRIMORDIAL PARA A EXECUÇÃO DE UM BOM

TRABALHO DENTRO DA MARCENARIA

AGOSTO | 47


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

MARCENARIA

A

s furadeiras em geral são muito fáceis de serem

utilizadas, desde que sejam respeitadas as normas

de segurança recomendadas. Cláudio Cardoso,

técnico de ensino pleno do Senai (Serviço Nacional

de Aprendizagem Industrial) de Arapongas (PR), explica

que com a escolha do modelo e brocas apropriadas,

pode-se obter o resultado desejado em poucos instantes.

Antes da origem dessa ferramenta tão comum nos

dias de hoje, não havia toda essa facilidade. Cláudio conta

um pouco da história. “Talvez fosse necessário utilizar um

trado (broca com olhal para colocar um cabo de madeira)

ou arco de pua (antecessor da furadeira, já com mandril,

mas que necessitava de força humana para girar o eixo),

a parafusadeira automática.”

Temos hoje no mercado diversos tipos e modelos,

tais como furadeira elétrica comum, à bateria (sem fio),

furadeira com encaixe para broca SDS (engate rápido),

furadeira horizontal, furadeira vertical, furadeira múltipla,

cada uma com sua característica própria, especificações

e utilizações. Existem lojas e fabricantes de máquinas

portáteis que disponibilizam treinamentos de curta

duração (três a quatro horas), como também eventos,

feiras e workshops em que fazem a demonstração de

como utilizar a furadeira.

UTILIZAÇÃO CORRETA

Cláudio comenta que o primeiro passo é ler com

atenção o manual de instrução do modelo adquirido.

Foto: Senai/Arapongas

Furadeira horizontal

Furadeira de bancada

ou de coluna

Foto: Senai/Arapongas

48 |

www.referenciaindustrial.com.br


Foto: Bosch

Arco de pua,

ferramenta manual

para fazer furos em

madeira

Foto: Senai/Arapongas

DIFERENÇAS ENTRE A MANUAL E A ELÉTRICA

“A furadeira manual possui pouca precisão, com força motriz

variada, e o operador tem que fazer muita força, para a

utilização da mesma. A elétrica, se a ferramenta estiver com

a manutenção correta, o serviço a ser executado com muito

mais precisão e esforço do operador”

Cláudio Cardoso

Técnico de ensino pleno do Senai de Arapongas

AGOSTO | 49


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

MARCENARIA

Fotos: Bosch

50 |

www.referenciaindustrial.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ESPECIAL

ÁSIA

EM SOLO

BRASILEIRO

ESPÉCIE RELATIVAMENTE

NOVA NO PAÍS, A TECA

TEM SIDO UTILIZADA NA

FABRICAÇÃO DE PORTAS E

MÓVEIS PARA ÁREA EXTERNA,

DADA SUA DURABILIDADE E

BELEZA EXÓTICA

52 |

www.referenciaindustrial.com.br

Foto: Portobello


A TECA É A MATÉRIA-PRIMA

PARA OS MOSAICOS

DECORATIVOS DA LINHA TECA

DECOR DA PORTOBELLO

AGOSTO | 53


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ESPECIAL

Tectona grandis, também chamada

comercialmente de teca, teak ou

djati, é uma espécie com árvores

de madeira de densidade média

com marcantes características que

a vocacionam para a construção

naval, entre elas:

- Durabilidade: devido a presença

de oleosidade e sílica

- Coeficiente de retratibilidade baixo

- Relativa leveza

- Pertencente à família das

verbenáceas, é nativa da Ásia,

mais precisamente das florestas

tropicais de monção do sudeste

asiático

Fotos: Floresteca

LINHA DE REVESTIMENTOS

DECORATIVOS, CHAMADA

TEAKTILE, DA TWBRAZIL

Foto: TWBrazil

54 |

www.referenciaindustrial.com.br


PORTA MACIÇA

ACIFER FABRICADA EM

MADEIRA DE TECA

Foto: Acifer

AGOSTO | 55


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ESPECIAL

CORTES DIVERSOS QUE ORIGINAM

FORMATOS E SUPERFÍCIES

PIGMENTADOS OU NATURAIS

SURPREENDEM FORMANDO

RELEVOS NAS PAREDES INTERNAS

O CULTIVO FLORESTAL DE TECA

TAMBÉM É REALIDADE NA EMPRESA

DE PAINÉIS BERNECK, COM SEDE NO

PARANÁ. A PRODUÇÃO DE MÓVEIS E

ARTEFATOS COM A LINHA BERTECA

BRASIL AJUDA A PROTEGER

AS FLORESTAS TROPICAIS,

UMA VEZ QUE A EMPRESA VEM

REFLORESTANDO A MADEIRA COM

EXCELENTES RESULTADOS. ALÉM

DOS PAINÉIS FABRICADOS A PARTIR

DELA, SOMAM-SE A LINHA MADEIRA

SERRADA E DECKS

56 |

www.referenciaindustrial.com.br


“ESCOLHEMOS

TRABALHAR COM

A TECA POR SUA

BELEZA EXÓTICA

E DURABILIDADE”

NADIR ANTÔNIO CECCHIN,

DA ACIFER

Foto: Acifer

Foto: Acifer

PORTA MACIÇA

ACIFER FABRICADA EM

MADEIRA DE TECA

AGOSTO | 57


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ESPECIAL

TEXTURAS DA LINHA TECA DECOR

REVELAM A CONTEMPORANEIDADE

DO AMBIENTE

58 |

www.referenciaindustrial.com.br


TODA A MADEIRA DA TWBRAZIL

É SUBMETIDA AO TRATAMENTO

TÉRMICO (TMT - THERMALLY

MODIFIED TIMBER)

Foto: TWBrazil

Usina de Preservação de Madeira (UPM)

Monitore toda a

operação da

autoclave de seu

celular ou tablet!

Reduza seus custos com tempo e mão-de-obra!

Modalidades de financiamento

Cartão BNDES | Finame | Proger Banco do Brasil |

Leasing | CDC | Crédito Próprio

Fabricamos produtos que ajudam na sustentabilidade do planeta!

Ligue (47) 3461.6528 | 3461.6545

ou consulte www.fhaizer.com

FHAIZER Industrial Ltda. | Fone: (47) 3461-6500 Rua Guilherme Boldt, 245 - Distrito de Pirabeiraba | CEP: 89239-260 - Joinville/SC


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

MADEIRA TRATADA

QUIOSQUES COM

MADEIRA TRATADA SÃO

ÓTIMA OPÇÃO PARA

QUEM BUSCA ESPAÇOS

EM CONTATO COM A

NATUREZA

A CÉUABERTO

Fotos: divulgação

60 |

www.referenciaindustrial.com.br


AGOSTO | 61


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

MADEIRA TRATADA

Quiosques são

geralmente

utilizados em:

- Clubes

- Hotéis

- Fazendas

- Áreas de lazer

- Pousadas

- Condomínios

- Jardins

- Parques

A

bertos por todos os lados e em sua essência

de planta octogonal, os quiosques são ótimas

alternativas de ambientes descontraídos e

que remetem a uma extensão da natureza. Desde 1999

no mercado, a Alpina Eucaliptos, empresa de São José

dos Campos (SP), trabalha com madeira tratada e um

dos nichos que a marca atende é o fornecimento de

matéria-prima para a construção destes espaços.

Feitos com madeira de eucalipto tratado, a versatilidade

deste tipo de estrutura está entre os pontos fortes,

dada a diversidade de comprimento, bitolas e formas.

João Marcelo Bondesan de Oliveira, sócio-proprietário

da Alpina Eucaliptos, explica que o tratamento da

madeira é feito com CCA (Cobre, Cromo e Arsênio) em

autoclave com a medida de I. A./m³ (Ingrediente Ativo

por metro cúbico) de concentração. “Estando pronta e

seca, a madeira demora quatro horas para ser tratada

e mais uma semana de descanso para fixar o produto,

para assim poder ser utilizada”, explica.

Segundo ele, a madeira dura 20 anos neste tipo de

tratamento. E são escolhidas normalmente variedades

de densidade, com boa proporção de alburno (parte tratável),

que possibilitam vida longa à estrutura. “A manutenção

a ser feita durante este período é a aplicação de

stain, resina de efeito decorativo que ressalta a tonalidade

natural da madeira, repele água (hidrorrepelente)

e combate a formação de fungos, a cada dois anos, dependendo

da exposição às intempéries”.

Engana-se quem pensa que não existe especificação

técnica para a construção de um quiosque. João

afirma que como em qualquer construção, deve ser levado

em consideração vários fatores, como inclinação

da cobertura, peso, diâmetro das peças, vãos livres, tipos

de terreno, fixação dos esteios, tipo de insolação,

direção mais frequente de chuvas, entre outros.

Ao ser questionado se a madeira usada pode ser

reutilizada em outras construções, o proprietário comenta

que a vida útil do material tratado vai se esgotando.

“Pode-se até reutilizar mourões para cerca, por

exemplo, só que a vida útil será menor. Neste caso, o

custo de mão de obra e outros materiais é fundamental

na decisão de reutilizá-la ou não”, conclui.

62 |

www.referenciaindustrial.com.br


1 2 3

Após a secagem e o

preparo, a primeira

etapa é introduzir a

madeira na autoclave,

e então o tratamento a

vácuo, para retirar o ar

das células da

madeira.

Depois do tratamento

a vácuo, começa o

tratamento com a

solução do CCA, a

qual é injetada na

madeira, em alta

pressão.

A madeira fica

submersa na solução

até atingir a saturação.

5Finalmente, um último

tratamento a vácuo

final para eliminar o

excesso do produto

da superfície da

madeira.

4

A

pressão é aliviada e

o restante da solução

volta ao tanque.

Infraestrutura completa em

produção, instalação e

treinamento em autoclaves

para madeira, borracha e

placas de acrílico.

101 UTMs

Instaladas e

em Operação

no Brasil e na

América do Sul

+55 (16) 3947-1981

+55 (16) 99781-6093

Av. Nelson Benedito

Machado, 86 - Distrito

Industrial II

CEP 14176-110

Sertãozinho - SP

www.rossinequipamentos.com.br


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

QUÍMICA NA MADEIRA

Foto: O. Usher (UCL Maps)

64 |

www.referenciaindustrial.com.br


REVESTIMENTOS

DO FUTURO

Pesquisa, desenvolvimento e inovação movem o mundo dos negócios.

Fabricantes de acabamentos que agregam proteção às superfícies, ou

outras funcionalidades, estão na linha de frente dessa nova realidade

AGOSTO | 65


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

QUÍMICA NA MADEIRA

A

ideia de revestimentos e tintas do futuro aponta

para a especialização em desenvolvimento

de soluções para proteção e acabamento das

mais diversas superfícies: madeiras, compósitos, vidros,

metais, cerâmica, alvenaria, entre outros. Dependendo

do tipo de superfície, o produto deverá ter propriedades

específicas em função do ambiente e da exposição. Por

exemplo, uma superfície em ambiente abrigado exigirá

um grau menor de proteção do que aquela exposta ao

intemperismo. Além dessa, há uma gama crescente de

funcionalidades demandadas pelo mercado em relação

a produtos de pintura, seja ela imobiliária, mobiliária,

automotiva, naval ou aeronáutica.

Novas soluções vêm de novos caminhos tecnológicos,

como é o caso da nanotecnologia, estudo de manipulação

da matéria em uma escala atômica e molecular.

A incorporação de avanços como esse, irá impactar

positivamente as linhas industriais de acabamentos

protetores para superfícies de madeira tratada. Outra

novidade é a chamada tinta autocorretiva, sua característica

principal será a autorregeneração do filme após

sofrer pequenos danos causados por agentes externos.

A tudo isso chamamos de smarts coatings, a proteção

inteligente.

IMPACTO

TECNOLÓGICO

Foto: Olivia Henry

66 |

www.referenciaindustrial.com.br


“Deus cuida de nós”

PLANETA INDUSTRIAL

DE MADEIRAS LTDA.

Madeira serrada de Eucalyptus Grandis

seco em estufa, madeira estabilizada,

própria para indústrias de móveis, portas

e batentes. Com três tipos de

classificações para atender um mercado

exigente.

Foto: Divulgação Montana Química

DULCÍDIO RAMIRES MACEDO,

diretor industrial da

Montana Química S.A.

PROCURE PRODUTOS CERTIFICADOS

Rua Projetada B, lote 65, Cx.P. 2083

Distrito Industrial | Telêmaco Borba - PR

E-mail: planetaindustrial@hotmail.com | Tel: (42) 3273-2868


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

INTERNACIONAL

68 |

www.referenciaindustrial.com.br


DE TAIWAN

PARA O

BRASIL

ENVIADO ESPECIAL RAFAEL MACEDO - TAIPEI (TAIWAN)

FABRICANTES DE MÁQUINAS

PARA MADEIRA DO PAÍS ASIÁTICO

QUEREM AMPLIAR MERCADOS E

NÓS ESTAMOS NA MIRA

Fotos: REFERÊNCIA e divulgação

AGOSTO | 69


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

INTERNACIONAL

N

esta edição trazemos notícias do outro lado

do mundo. A REFERÊNCIA INDUSTRIAL foi

um dos três veículos de comunicação selecionados

pela organização da Wood Taiwan para cobrir

o evento que aconteceu na capital da ilha, Taipei, nos

dias 2 a 5 de julho. Como os únicos representantes da

América fomos com a missão de observar o que os fabricantes

de máquinas para trabalhar madeira de lá têm

para oferecer para as empresas daqui. Sem sombra de

dúvidas o grande foco foi mostrar que eles têm tecnologia

de ponta com preços acessíveis. Mas entrar no

mercado brasileiro não é algo fácil, a distância, a língua

e principalmente os impostos de importação são barrerias

que terão que ser contornadas.

A abertura do evento foi uma atração. Estiveram

presentes autoridades governamentais e representantes

da indústria de máquinas e equipamentos para madeira.

O discurso de Peter Huang, presidente da Taitra

(Taiwan External Trade Development Council), uma das

organizadoras do evento, mostrou o tom do evento,

que pela primeira vez foi exclusivamente voltado para

o setor industrial da madeira, em edições anteriores

outras indústrias como de metal e plástico também faziam

parte da feira.

“Taiwan é atualmente o quarto maior exportador

de máquinas para madeira do mundo”, comemorou

Huang. Em 2014 o país, alcançou US$ 585 milhões em

vendas externas somente destes equipamentos. Foi

70 |

www.referenciaindustrial.com.br


sar de normalmente serem um pouco mais baratos que

os europeus. Em segundo lugar pela briga política. Enquanto

a China continental considera Taiwan uma província

rebelde, a ilha age com independência, apesar de

não ser oficial. Tanto que China e Taiwan são governadas

separadamente.

Já o presidente da Twma (Taiwan Woodworking Machinery

Association), outra entidade responsável pela

feira, comemorou a edição de estreia dedicada somente

para as máquinas para madeira. “Pequenas e médias

empresas não conseguem atingir todo o potencial diante

do mercado globalizado, a tendência hoje é a cooum

aumento de 15,4% em relação ao ano anterior. Para

2015 a expectativa é manter essa taxa de crescimento.

O recado mais importante veio em seguida. “Os fabricantes

de Taiwan passaram do estágio de máquinas

para trabalhar somente madeira sólida para centros de

usinagem CNC de última geração”, afirmou. “A qualidade

dos equipamentos produzidos aqui está no mesmo

nível dos fabricados na Itália e Alemanha”, garantiu.

A verdade é que se alguém comparar a qualidade

das máquinas chinesas com as de Taiwan vai arrumar

confusão. Primeiro porque eles investem pesado nas

plantas industrias e não tentam brigar pelo preço, ape-

A MODERNA TAIPEI, CAPITAL DE TAIWAN, É

CERCADA POR MONTANHAS ONDE SÃO CULTIVADOS

DIVERSAS VARIEDADES DE CHÁS, BEBIDA MUITO

APRECIADA PELA POPULAÇÃO LOCAL

AGOSTO | 71


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

INTERNACIONAL

MADE IN TAIWAN

O evento foi de médio porte, cerca de 188 expositores,

com uma visitação de pouco mais de cinco mil pessoas.

Mas a intenção da organização não era mostrar

algo grandioso, até porque trata-se de uma ilha com

apenas 36 mil km² (quilômetros quadrados) e abriga 23

milhões de habitantes. A ideia mesmo era mostrar soluções

inovadoras e muita tecnologia.

Entre estas empresas estava a CPT Carpenter Machinery,

que inclusive tem presença no Brasil por meio

de representante. O destaque no evento foi a otimizadora

de corte, um conceito que vem desenvolvendo

ao longo de 15 anos. Os maiores compradores da emperação

e a realização de parcerias complementares.

Exatamente o que pode ser visto durante este evento”,

avaliou Shin Jsung Po.

A intenção dos fabricantes da ilha asiática é de abrir

novos mercados. De acordo com o diretor da Twma, Pedon

Wang, o Brasil é uma região que merece atenção e

a expectativa é ampliar a participação no país, que ainda

não é muito expressiva. “Taiwan sempre teve uma

ligação muito forte com metalurgia e computação, por

isso nossas máquinas são voltadas para serem tecnologicamente

avançadas”, garante. Atualmente os cinco

maiores importadores das máquinas fabricadas por lá

são os EUA (Estados Unidos da América), China, Vietnã,

Canadá e Indonésia.

Porém algo que preocupa é a instalação de fábricas

na China. De acordo com ele outros setores como

o têxtil e calçados estão migrando sua produção em

massa para o outro país. O mesmo não acontece com

tanta intensidade no segmento de máquinas para ma-

deira, mas algumas empresas também adotaram esta

estratégia, já que o custo de produção chinês é muito

inferior. Além disso a falta de interesse da nova geração

por trabalhar na indústria é outro ponto que preocupa

o setor.

72 |

www.referenciaindustrial.com.br


presa estão na América do Norte. “Estamos há 10 anos

no Brasil e esperamos um pequeno crescimento neste

ano”, avaliou Kaysie Chang, do departamento de vendas.

O faturamento da empresa é de US$ 5 milhões por

ano e as máquinas custam entre US$ 5 mil a US$ 150

mil.

A segunda parada foi o estande da OAV Equipment

and Tools, fabricante de coladeiras de bordo, esquadrejadeiras

e coletores de pó. A empresa também tem presença

no mercado brasileiro e afirmou que nos últimos

5 anos os resultados começaram a aparecer. “Existe a

preocupação em mostrar que nossas máquinas não são

chinesas, nossa qualidade é semelhante à europeia,

porém 20% mais barata”, garantiu Mary Wu, diretora

comercial. Ela afirma que 5% a 10% do faturamento da

indústria é convertido em pesquisas tecnológicas.

Após os primeiros encontros foi possível notar uma

particularidade que só o Oriente possui. Algumas delas

são quase que imperceptíveis, mas têm muito sig-

nificado. Se para nós trocar cartões é algo quase que

sem importância, o mesmo não se pode dizer para os

taiwaneses. Eles seguram o cartão com as duas mãos

e mostrando que estão segurando algo importante, os

entregam fazendo uma reverência com a cabeça.

O terceiro estande visitado, pertencente a Side Machinery

Company, mostrou algumas máquinas diferentes.

Entre elas uma unidade cinco eixos, pouco utilizada

no Brasil, em dois modelos. Além de centros CNC com

mesas na vertical e na horizontal. “Temos 50 anos de

experiência e estamos pensando em iniciar as operações

no Brasil”, afirmou Paul Lin, vice-presidente. Por

enquanto o grande mercado da empresa é a China, que

abocanha 60% das vendas.

Já a fabricante de ferramentas, Arden, adotou, há

cinco anos, a estratégia de montar uma fábrica na China.

Na planta em Taiwan são empregados 150 colaboradores,

e no país continental 250. Apesar de não atuar

diretamente no Brasil, a indústria produz para grandes

AGOSTO | 73


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

INTERNACIONAL

vezes mais e em breve o custo da mão de obra na China

vai aumentar”, aposta Richard.

A novidade no estande da Titan K era a SDC que

corta painéis de madeira em tamanhos diferentes em

uma única operação. O diretor comercial, Kuma Shon,

até gostaria de desbravar o mercado brasileiro. “Mas

com uma taxa de importação de 45% para a América do

Sul fica inviável. Sem ter uma fábrica no país é muito

difícil”, desabafa.

A fabricante de lixadeiras customizadas Sanderson

possui duas linhas: uma industrial, que é vendida para

EUA, Ásia e Europa e outra para carpintaria, com bastante

procura pelos consumidores norte-americanos.

São produzidas 600 unidades por ano. A América do

Sul está fora do mapa por causa do custo logístico. Para

bater os europeus, eles confeccionam as máquinas em

função da produção do cliente, assim normalmente

conseguem um valor de venda mais barato.

A High Point foi uma das representantes de máquimarcas

que têm presença nacional e estão muito bem

estabelecidas. Aproximadamente 35% da produção vai

para a China, 30% fica na América do Norte, 20% na Europa

e 15% no Japão e Malásia.

VISÃO DIFERENTE

Sabe aquelas empresas que saem do convencional?

Então, a Ching Feng está entre elas. Para começar o diretor

geral, Richard Hsieh, é o principal projetista dos

equipamentos. O lançamento na Wood Taiwan foi a

CF-80S-SD2, nome longo para um equipamento que já

chama atenção pela cor rosa. Trata-se de uma máquina

em duas, ela produz peças arredondadas em madeira

como cabos de vassouras e outras aplicações, e ainda

lixa as peças na mesma operação. E olha a ironia, não

atende o Brasil porque não consegue competir com os

preços chineses. Os maiores compradores ficam na Europa.

“Fazemos máquinas customizadas por isso a competição

é difícil, mas as nossas duram pelo menos cinco

74 |

www.referenciaindustrial.com.br


nas para o trabalho com madeira maciça. O lançamento

na feira foi a serraria HP-42DF. Capaz de processar

toras com a até 1.300 mm (milímetros), possui serras

móveis e tudo é comandado por joystick. “A máquina

faz o corte lateral e horizontal na tora, um produto que

é muito bem aceito na Rússia”, explicou Haley Huang,

representante da empresa. A máquina foi projetada

para trabalhar com madeira tropical, por isso também

é consumida na Malásia.

Outra empresa que também tem um conceito diferente

é a Chiu Ting Machinery. Eles fabricam uma

máquina para aquele hobista que não tem a menor habilidade

no trabalho com a madeira, mas gostaria de

produzir peças exclusivas.

Ela vem equipada com um software capaz de reproduzir

em madeira e outros materiais praticamente qualquer

foto ou desenho. “A ideia foi inovar e proporcionar

para pessoas comuns a possibilidade de produzir algo

só delas, sem a intenção de chegar à uma escala indus-

trial”, explica Andersen Shuai, diretor comercial.

Algumas empresas com presença no mundo todo

também participaram da feira.

O Anderson Group, que tem sede Taiwan e é detentora

da Giben do Brasil, prestigiou o evento no quintal

de casa. O grupo é especializado na produção de equipamentos

como fresas, centros CNC, centros de pintura

em 3D entre outros. O público asiático aprovou os lançamentos

da marca, que ocupou um grande estande

bem ao centro da feira.

O grupo italiano SCM também marcou presença

por meio da representante asiática, que levou a Morbidelli

Tech Z5. Trata-se de um centro de trabalho com

cinco eixos voltado para seccionar painéis, que ainda

permite o beneficiamento de madeira sólida. De acordo

com a empresa, ela tem capacidade de otimizar tempo

e matéria-prima graças a integração com a Netline,

sistema que compreende o projeto, planejamento, programação,

produção e apuração de custos.

AGOSTO | 75


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ARTIGO

DIMENSIONAMENTO

DE UMA ESTRUTURA EM

WOOD FRAME UTILIZANDO

TECTONA GRANDIS E

PINUS SP

Fotos: REFERÊNCIA

76 |

www.referenciaindustrial.com.br


HELOISA FUGANTI

CAMPOS

DEPARTAMENTO DE

CONSTRUÇÃO CIVIL DA UFPR

(UNIVERSIDADE FEDERAL

DO PARANÁ)

FERNANDO

AUGUSTO MARINS

DEPARTAMENTO DE

ENGENHARIA E TECNOLOGIA

FLORESTAL UFPR

ALAN SULATO

DE ANDRADE

DEPARTAMENTO DE

ENGENHARIA E TECNOLOGIA

FLORESTAL UFPR

AGOSTO | 77


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ARTIGO

Imagem: Tecverde

78 |

www.referenciaindustrial.com.br


Líder do mercado

brasileiro na

fabricação de Fios e

Fitas para a junção de

lâminas de madeira

e sarrafeados

Fita Gomada Fio Poliéster Fio Resinado

Rua José Estácio Pereira, 414 - Bairro Campina

São José dos Pinhais - PR

Tel: (41) 3382-1876 - Fax: (41) 3544-0452

colasempre@colasempre.com.br

www.colasempre.com.br

A MADEIRA DE TECA

PARA A PRODUÇÃO

ATUALIZE SUAS INFORMAÇÕES

ASSINANDO AS PRINCIPAIS

REVISTAS DO SETOR

DE UMA PAREDE

EM WOOD FRAME

NECESSITOU DE

UMA BITOLA DE

APROXIMADAMENTE

20% MENOR EM

RELAÇÃO AO PINUS

LIGUE AGORA PARA NOSSA

CENTRAL DE ATENDIMENTO

0800 600 2038

Pagamento nos Cartões de Crédito em até 3X sem juros


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

AGENDA

AGOSTO 2015

III Simpósio Madeira &

Construção

13 e 14

Curitiba (PR)

www.expomadeira.com.br

EXPO Mueble

Internacional Verano 2015

19 a 22

Guadalajara (México)

www.expomuebleverano.

com.mx

SETEMBRO 2015

XVII Feira Mineira de

Móveis e Decoração

7 a 14

Belo Horizonte (MG)

www.feiramineirademoveis.

com.br

Ciff (China Internacional

Furniture Fair)

8 a 12

Xangai (China)

http://en.cecsh.com/

Congresso Moveleiro

16 e 17

Curitiba (PR)

www.fiepr.org.br/congressomoveleiro

VII Feira da Construção

Civil, Mobiliário e

Decoração

22 a 27

Lajeado (RS)

www.construmobil.com.br

OUTUBRO 2015

Formar

14 a 16

São Paulo (SP)

www.feiraformar.com.br

Vietnamwood

14 a 17

Tân Phú (Vietnam)

secc.com.vn

DESTAQUE

SIMPÓSIO DA MADEIRA & CONSTRUÇÃO

13 e 14 de agosto

Curitiba (PR)

www.expomadeira.com.br

A terceira edição do Simpósio da Madeira & Construção acontece

nos dias 13 e 14 de agosto, em Curitiba (PR). O evento apresenta

aos participantes as soluções construtivas, as atualidades e a

potencialidade futura do uso da madeira de florestas plantada

na construção civil e seus benefícios ambientais. Composto por

palestras e painéis de especialistas, abordará o tema Construções

sustentáveis com madeira de florestas plantadas.

Imagem: reprodução

80 |

www.referenciaindustrial.com.br


13 a 15 de outubro de 2015

Transamerica Expo Center | São Paulo | SP

EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL

DE FORNECEDORES PARA TINTAS

A principal vitrine do setor de tintas e a maior oportunidade

para fazer negócios com o setor na América Latina. Presença de mais

de 250 expositores, incluindo os maiores fornecedores globais e as mais

importantes empresas do Brasil.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE TINTAS

Apresentações das mais recentes pesquisas de especialistas

do Brasil e do exterior, com enfoque concentrado

na sustentabilidade.

Site www.ABRAFATI2015.com.br

INSCRIÇÕES para assistir ao Congresso

CREDENCIAMENTO para visitar a Exposição

ABRAFATI

Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas

marketing@abrafati.com.br | (11) 4083 0504 – (11) 4083 0505

PATROCINADORES


REFERÊNCIA INDUSTRIAL

ESPAÇO ABERTO

O HOMEM E A BUSCA PELA

FORMA 3D

D

esde os primórdios da humanidade o homem cria

objetos 3D para sua sobrevivência, constrói suas armas

para defesa e caça, e como forma de expressão

desenha e esculpe figuras que marcam seu tempo e costumes.

Acelerando a história chegamos ao século XVIII, no meio

deste inicia-se a revolução industrial com o surgimento das

primeiras máquinas e com elas os primeiros profissionais.

No século XIX para o século XX a evolução das máquinas

ocorreu de forma significativa. Em 1949, a Persons aliou-se

a Cincinnati Milling Machine Company (grande fabricante de

tornos) para desenvolverem a Teoria do CNC (Controle Numérico

Computadorizado), conectando um computador da época

a uma fresadora de três eixos de automação eletromecânica a

pedido da Força Aérea Americana, para que pudesse produzir

peças complexas para aviões e mísseis.

Nos anos 60 as ferramentas CAD começaram a ser utilizadas

na criação de aeronaves, automóveis e componentes

eletrônicos. Na década de 70 surgem os tornos CNC programados

via software. Na de 80, os centros de usinagem e, nos

anos 90, os tornos CNC com múltiplos carros.

Essas máquinas fantásticas estão presentes na maioria

das indústrias principalmente do setor metalúrgico. Produzem

moldes 3D ou peças em série com qualidade e grande

produtividade.

Atualmente temos as impressoras 3D, tecnologia recente

que vem conquistando diversos segmentos e as mais diversas

aplicações principalmente na elaboração de moldes, peças

técnicas e de pesquisas.

As Impressoras 3D criam peças a partir da deposição

de materiais e oferecem o modelo pronto e funcional, já as

Fresadoras Routers CNC ou Centros de Usinagem produzem

peças ou moldes pelo processo de desbaste de materiais,

também chamado de usinagem.

A tecnologia 3D é possível pela combinação do projeto

desenvolvido em softwares CAD e transformado através de

softwares específico em linguagem de máquina G Code para

que esta execute todas as etapas do processo.

Os Centros de Usinagem são equipamentos para produção

industrial, já as impressoras são equipamentos para modelagens

e protótipos normalmente aplicados em peças únicas.

Foto: divulgação

Por João da Mata Ribeiro

Gerente comercial da 3D Transform

Acesse:

www.portalreferencia.com.br


Líder mundial em preservação de madeiras

PROPORCIONANDO INOVAÇÕES

PROTEÇÃO DE MADEIRAS

Uma empresa do Grupo Lonza

Sistemas analíticos

na usina.

Automação.

O inovador CA-B. Acabamento base óleo

para madeiras

Aditivo repelente à água.

Uso em autoclave com

CCA e CA-B.

Novos rumos

CCA

A marca do CCA.

Controles Laboratoriais na Usina

Controles de Operação

Novos Produtos

Novos Aditivos

Capacitação Técnica

INTERNATIONAL

RESEARCH GROUP

ON WOOD

PROTECTION

Arch Proteção de Madeiras

Av. Brasília, 1500 - Salto (SP) - Brasil

elcio.lana@lonza.com - (11) 4501-1211

flavio.geraldo@lonza.com - (11) 4501-1209

denise.castilho@lonza.com - (11) 4028-8086

www.lonza.com

More magazines by this user
Similar magazines