04.04.2017 Views

01 - Enemies of the State

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

The

E ec v ff c


IMPORTANTE:

Aqui.


Como os dois homens colidem, as regras são quebradas e o mundo se

O mandato do recém-eleito presidente Jack Spires é

abalado desde o início, ele está trabalhando furiosamente

para evitar que o mundo se desintegre. Entre os atentados

terroristas que destroem a Europa, a postura politica

agressiva da Rússia e os conflitos religiosos que permeiam o

Oriente Médio, Jack está lutando para manter sua promessa

de campanha - trabalhar em prol de um mundo melhor e

mais seguro.

Para o agente especial Ethan Reichenbach, Jack é apenas

mais um presidente, o terceiro que conhece ao longo da sua

carreira de doze anos nas forças especiais. Com a eleição

de Jack, ele foi promovido, o que o coloca lado a lado com o

presidente diariamente. No entanto, ele estava esperando

outro político arrogante e engomadinho de DC, mas Jack o

choca com seu humor e humanidade.

Existem regras contra um agente do Serviço Secreto e um de seus

protegidos desenvolvendo regras de amizade. Além disso, Jack é reto

como um governante, e um viúvo, e Ethan sempre evitou cair para

homens heterossexuais. Ethan mantém sua distância, mas Jack o atrai,

como gás para uma chama nua, e é uma atração que ele não é forte o

suficiente para se afastar.


Prólogo

Um futuro próximo

04:00 Hora Local, Washington, DC

De manhã cedo em Washington, DC, era o tempo para fantasmas, especialmente no inverno.

Nevoeiro envolvia a cidade, envolvendo a capital em uma frágil quietude. A escuridão se

agarrava como seda úmida.. Poucos carros se moviam pela cidade, os motoristas ficavam longe

das ruas escorregadias.

Um SUV solitário atravessou a neve, brevemente derrapou e se deteve diante do National Mall 1 .

O general Porter Madigan, vice-presidente do Estado-Maior Conjunto, esperou atrás do

Memorial Lincoln. Do outro lado do Potomac, o Cemitério Nacional de Arlington parecia reluzir,

as lápides brancas pegando e segurando firmemente a luz que filtrava através da cidade

enevoada. Estava fraca, mas o brilho era suficiente para tocar a alma do general. Tantos mortos.

Tantos que se sacrificaram para levar o mundo a este lugar. Ele podia sentir os fantasmas dos

mortos pairando na névoa, pressionando nele.

Ele não acabaria daquele jeito, esquecido por todos, exceto por um dia do ano (dia de finados). Ele

não teria seu fim assim. O som de neve sob as botas, vindo à direita do Memorial da Guerra da

Coréia, o fez caminhar até a praça principal do memorial. Ele ainda podia sentir a pesada

presença de Arlington se demorando em sua espinha.

"General." Seu visitante assentiu, atravessando a praça do memorial até que ele estava parado

atrás de uma das enormes colunas, escondido da vista. Mãos empurradas em seus bolsos, seu

visitante enfiou o rosto no colarinho virado para cima de seu casaco.

Sorrindo, Madigan se juntou a ele. "Sentindo frio?"

Disse com um olhar duro. "Você sabe que sou de um estado quente. Qualquer coisa abaixo de

20 graus e eu congelo. "

Madigan voltou a seu severo profissionalismo. "Você fez contato com Al-Karim?"

"Sim." Seu visitante acenou com a cabeça em seu casaco. "Esta manhã, no horário local de

Karim." No meio da noite em DC.

________________

National Mall é um amplo parque nacional estadunidense localizado em Washington, D.C


"E ele está de volta com o plano?" A voz de Madigan ressoou sobre suas palavras, quase

rosnando.

"Sim senhor."

"Será que ele precisa ser lembrado novamente de seu lugar nesse universo? Meu universo?"

Uma sacudida da cabeça do visitante, embora pudesse ter sido um arrepio. - Não acredito,

senhor. Nosso último ataque de drone tirou uma das refinarias que ele e suas forças

controlavam. Ele não estava satisfeito. "

"Eu não estou satisfeito por ele achar que tem um reinado livre para fazer o que quiser no

Oriente Médio. Eu não tirei esse filho da puta fora de Abu Gharib para agir por conta própria. Eu

o puxei para fora daquela merda para que ele pudesse seguir minhas ordens. "Al-Karim deixou

Abu Gharib num dia ensolarado em Bagdá, jogado atrás de uma caminhonete para o deserto.

Um ano depois, ele surgiu na Líbia, recrutando lutadores para sua rebelião jihadista 2 contra o

governo da Líbia. Quando a Líbia caiu, Al-Karim ressurgiu na Síria, recrutando facções rebeldes

sírias em seu movimento jihadista. Os anos passaram, e Al-Karim aumentou seu poder,

comandando assim, uma ala do califado islâmico. Al-Karim tinha pessoalmente liderado o

ataque do califado islâmico contra Tikrit, capturando a antiga casa de Saddam Hussein. Ele havia

despachado soldados islâmicos do Califado em outras operações globais, tudo sob ordens

explícitas do general. Ocasionalmente, entretanto, Al-Karim tinha que ser lembrado quem o

manteve vivo. "Ele deve me obedecer porra."

- Ele entende isso, senhor.

-“ Bom. ” Madigan estudou o visitante. "Estamos prontos para começar a fase final. Você está

pronto para ir? "

- Sim, senhor. – A voz estava sem hesitação. Firme. Se havia alguém passível de ter vacilado, ou ter

sido o elo fraco, Madigan sempre suspeitava que fosse ele. O garoto alimentou um nível de

adoração por heróis em direção a Madigan ao longo dos anos, mas ele tinha se preocupado de

que poderia ter esfriado, ou se transferido para outra pessoa. Aparentemente, sua preocupação

não era necessária. Ele deveria ter tido mais fé no garoto. Ele o recrutou pessoalmente, afinal,

tirando-o de sua missão no Iraque e deixando-o em seu comando. Vinte anos se passaram, e

mesmo que o garoto agora usasse roupas civis e não trabalhasse oficialmente para o Exército

mais, ainda se dirigia a ele como sendo General Madigan.

"Excelente. Entregue as encomendas para a nossos agentes da Turquia. Coloque a entrega daqui

a seis meses. "

“Sim, senhor”. O garoto estava tremendo de novo, embrulhado em seu casaco. Quase lhe fez

querer bagunçar seu cabelo. Porém, não era justo chamá-lo de garoto, não quando ele estava

beirando seus quarenta anos. Ele ainda era um garoto perto dos sessenta do general. Ele sempre

seria aquele soldado com cara de bebê perdido e assustado em Bagdá, cheio de potencial não

reconhecido.

___________

jihadista 2 - Guerra muçulmana.


"Saia daqui." Madigan afastou-o. "Vá para casa. Descanse um pouco. Você vai precisar. " Ele

tentou sorrir, mas o humor há muito tempo fugiu de sua vida, e em vez disso, mal conseguiu uma

curva astuta de sua boca, áspera e forrada com os lábios rachados do frio. "O maior trabalho de

sua carreira começa em três semanas jovem."


Capítulo Um

O PRESIDENTE RECÉM-ELEITO, SPIRES, PASSA O NATAL NO ESTADO DO TEXAS!

* * * * *

Austin, Texas, não era tão fria como Washington, DC, no Natal, mas tinha muito vento. O vento

frio serpenteava em torno de Ethan Reichenbach enquanto ele estava na varanda da casa do

presidente eleito, Jack Spiers, com vista para o centro de Austin, no cruzamento da West 6th

Street com à Congress Avenue. A West 6th Street, era um vibrante e elegante aglomerado de

ruas com: bares, boates, salões de bilhar e estúdios tatuagens que agitavam, pulsando com os

risos e gritos de estudantes universitários atingindo a cidade, os moradores descendo pelas ruas

e prostitutas vendendo suas mercadorias. Era natal, e movimento ainda continuava furioso.

E as mulheres que notara, usavam as coisas mais esquisitas. Ethan balançou a cabeça,

observando as longas filas de pernas lisas que se estendiam para baixo de minissaias e vestidos

justos. Ele nunca entenderia as mulheres. Em vez disso, seus olhos se dirigiram para um grupo

de homens, ainda na faculdade, pela aparência de suas roupas e falta de senso de moda. Calças

de brim desbotadas, t-shirts e casacos de flanela, e gorros frouxos sobre suas cabeças. Alguns

fumavam, outros estavam com as mãos nos bolsos, tentando se aquecer. Sorrindo, a mente de

Ethan viajou. Ele tinha sido jovem assim uma vez. Quando fora isso, há vinte anos atrás? Ele

tinha vinte e um anos e fora levado para o centro de Fayetteville, na Carolina do Norte, para


ficar bêbado e, pela primeira vez, não precisara se esconder no porta-malas quando ele e o

resto dos caras voltaram para a base. A Polícia Militar de Fort Bragg adorava abater bebedores

menores de idade e passara inúmeros fins-de-semana amontoado no porta-malas, abraçando o

pneu sobressalente enquanto ele entrava e saía da base.


História antiga. Ethan respirou fundo, deixando o frio encher seus pulmões. A cúpula do

Capitólio do Texas chamou sua atenção, brilhando na iluminação noturna. A bandeira de Texas

agitava orgulhosa no céu noturno, abaixo da bandeira americana.

E la vamos nós novamente. Outro presidente, mais quatro ou oito anos, se Spires pudesse

quebrar a cautela acirrada dos eleitores americanos.

Depois de doze anos trabalhando, ele se tornara um veterano do Serviço Secreto. Dez anos

depois de sua carreira no Exército, ele precisava de uma mudança. Era muito sufocante, ter que

esconder-se o tempo todo, ou lembrar-se de mudar nomes, ou inventar desculpas por que ele

não queria que os caras ficassem com ele quando precisava sair e transar, apenas ter sorte e

encontrar algum cara para foder a noite toda. O governo federal era muito mais indulgente do

que os militares, e aplicava- se a todas as exigências que podia, e algumas das quais não sabia

que existiam. O Serviço Secreto dos Estados Unidos chamou-o de volta em primeiro lugar.

Doze anos e três presidentes mais tarde, Ethan era o novo agente sênior responsável pela

incumbência de proteger o presidente eleito Spires. O designaram quando se tornou cada vez

mais óbvio que o senador do Texas estava na frente para ganhar as eleições gerais. O antigo

presidente que ficara um só mandato, perdeu a reeleição devido ao desgosto dos cidadãos

americanos. E a inquietação pendia no ar na capital do país, como se todos no escritório tivessem

um cronômetro nas costas, pronto para estourar, ou um gancho apenas fora da vista, esperando

para puxá-los para fora do palco.

Presidentes vieram e foram. Para Ethan, Spires era apenas outro a proteger. Só mais um

emprego. Spires era uma promoção, um novo rosto e novas rotinas, mas nada mais. O Serviço

Secreto não se envolvia com suas atribuições. Eles nunca ficavam apegados, ou eram amigáveis,

ou deixavam que um presidente se machucasse. Eram invisíveis, sentinelas silenciosas de

prontidão.

Atrás de Ethan, a porta de vidro da varanda se abriu. O presidente Jack Spires afastou a cabeça.

Franzindo o cenho, Ethan virou-se. Por que o presidente estava fechando seu casaco e colocando

os sapatos? Ele deveria estar lendo resumos na frente da lareira, onde Ethan o deixara, pés para

cima e um copo de uísque na mão. "Senhor?"

"Ei, vou aparecer na 6th Street e me misturar um pouco." O presidente acenou com a cabeça,

como se não fosse nada, e voltou a fechar a porta.

Ethan agarrou a porta, detendo-o. "Senhor, não, você não pode."

O presidente fez uma careta. "Olha, este é o meu estado natal. Esta é a minha casa, na verdade.

Eu tenho ido para 6th Street a cada feriado. É uma tradição. Eu me misturo com as pessoas, nós

compartilhamos histórias, eu escuto suas preocupações, e todos nós temos um grande

momento. Não posso parar agora.”

“Senhor, não posso deixa-lo se misturar a multidão. Ninguém foi examinado ou monitorado.

Não protegemos nenhum dos locais na rua. Não é um lugar seguro para você, Sr. Presidente. "

"Está bem. Realmente. " Ele tentou forçar a porta de correr fechada, contra a mão de Ethan.


Ethan recuou, abrindo a porta e avançando, fazendo o presidente recuar quando entrou na sala

de estar do homem. Jack Spires não era um homem baixo; nenhum dos presidentes nunca era.

Ele tinha mais ou menos 1,82 de altura, mas parecia mais nerd do que os outros presidentes.

Mais jovem, também. Quarenta e poucos anos, um rosto tenso, uma mandíbula quadrada, e

corpo forte e esculpido. Os óculos de leitura com bordas negras enquadravam seus belos olhos

azuis, olhos que olhavam duros e brilhantes para Ethan.

“Senhor. ” Ethan fez uma pausa, respirando fundo. Não faria nada para irritar o chefe antes do

Dia de Inauguração 3 . Isso seria um novo recorde, ate mesmo para ele. "Não é seguro para você

sair e" se misturar "como você costumava fazer. As coisas são diferentes agora. Você não pode

vagar desprotegido em multidões. " Ele exalou. "Senhor, todos os presidentes passam por isso. É

difícil se acostumar com essas mudanças. Proteção constante, segurança e vigilância. "

O presidente Spires se virou, de costas para Ethan. Suas mãos pousaram em seus quadris. "É

como ser um rato em uma gaiola." Girando, os olhos de Spires se estreitaram. "Você não tem

agentes aqui que podem fornecer proteção à multidão? Onde está o resto da minha segurança?

Eles não deveriam estar de plantão?”

O estômago de Ethan afundou. Sua promoção e o caloroso sorriso que o diretor Peter Stahl lhe

deu, brilharam em sua mente e depois desapareceram. Ele engoliu em seco. “ Senhor, confirmei

com o seu chefe de gabinete que os seus planos para esta noite deveriam ser ficar em casa e ter

uma noite tranquila”.

"O que Jeff tem a ver com isso?"

Jeff Gottschalk, chefe de gabinete do presidente, era um homem calmo, sério e dedicado ao

serviço. Ele era um homem normalmente ocupado demais para as perguntas de outras pessoas,

mas ele tinha dado a maior parte dos planos do presidente para Ethan. Talvez ele não devesse

confiar nas informações de Gottschalk. " Senhor, com base na informação do seu chefe de

gabinete, decidi dar ao resto de seus seguranças pessoais a noite de folga." Ethan segurou o

olhar do presidente. "Este é o último Natal que eles vão passar com suas famílias pelos próximos

quatro anos. Talvez até nos próximos oito anos”.

Ethan observou-o tomar uma respiração profunda, segurando-a em seus pulmões. Aqueles

olhos azuis, que estavam duros e frios momentos antes, suavizaram. Ele puxou seus óculos e

apertou a ponta do nariz enquanto falava. "Minha segurança pessoal. Esses são os caras que

estão na campanha, certo? Com você? Quero dizer, eles estão vão para Washington comigo?

Conosco?"

"Sim senhor. Sao os agentes Levi Daniels, Harry Inada e Scott Collard. Todos nós estivemos ao seu

lado desde a nomeação da republica." O agente Scott Collard era como um irmão mais velho para

ele, e eles tinham apoiado uns aos outros com besteiras e assédio de boa-natureza através do

fim amargo da campanha presidencial. Quando Spires venceu, eles brindaram com vodca barata

jazidas em canecas de café lascadas, à perda de suas vidas sociais pelos próximos quatro anos.

___________________________

Dia de Inauguração 3 - Posse presidencial


O presidente Spires desabotoou o casaco e deu de ombros. Atirou-o na parte de trás de seu

sofá, onde havia deixado uma série de pastas e relatos, todos cobertos com selos vermelhos

oficiais com bordas e especificações como "CONFIDENCIAL" ou "INFORMACOES SECRETAS".

"Bem," Spires suspirou. “Parece que vou ter que ficar aqui hoje à noite. ”

Alívio varreu Ethan, acalmando seu estômago. "Sim, senhor" foi tudo o que ele disse, acenando

com a cabeça uma vez.

Rindo, o presidente caiu de volta no canto do sofá e pegou uma das pastas. Ele suspirou, longo e

alto, e empurrou seus óculos de volta em seu rosto.

Tomando isso como a sua sugestão para sair, Ethan virou-se. Ele não estava indo longe, talvez

para a cozinha para arranjar comida, não importava em tudo porra.... só não queria ficar no

mesmo ambiente que o presidente. Jesus, ele ia ver o suficiente do cara pelos próximos quatro

anos fodidos.

As palavras do presidente o fizeram parar. "Agente Reichenbach, foi uma coisa boa que você deu

esta noite de folga para seus homens. Eles fizeram um bom trabalho na campanha, e sei que

serão excelentes em Washington, também. Eles merecem descansar um pouco." Ele lançou um

olhar por cima de seu ombro. “E você também”.

Os lábios de Ethan se curvaram em um pequeno sorriso. “ O gato fica e trabalha enquanto os

ratos brincam, senhor. ”

"Não sei porque, mas não acredito este seja o único motivo." Agora o presidente estava

sorrindo. E inflexível. Parte da sua rígida formalidade desaparecera.

"Eu sou o solitário do grupo, senhor. Eles têm famílias e entes queridos. Eu não." Nenhum

namorado, nenhum amante, nenhum relacionamento a longo prazo. Alguns rapazes haviam

tentado, mas ele tinha acabado com isso rapidamente. Ele não era o homem para

relacionamentos duradouros. Ele não tinha esse tipo de vida. Ele não tinha esse tipo de coração.

O sorriso do presidente eleito ficou triste. Ethan se chutou por dentro, quase fazendo uma

careta, e seus lábios ficaram tensos quando seus olhos se dirigiram para a bandeira dobrada

embutida em uma caixa memorial no manto da lareira ao lado de uma foto da esposa falecida

de Jack Spires, Capitã do exército, Leslie Spires. O ano de sua morte estava impresso na caixa.

Quinze anos atrás, no auge da Guerra do Iraque. Jack tivera sorte; tinha sobrevivido a guerra. A

esposa dele não.

- Desculpe, senhor - grunhiu Ethan.

"Gostaria de uma bebida?" De repente fez um gesto para que Ethan se juntasse a ele no sofá,

indo para as prateleiras de bebidas no canto da sala. A tristeza tinha desaparecido de seus olhos,

substituída em vez disso por um olhar suplicante. Um desejo de não estar sozinho.

A decepção rastejou sobre a pele de Ethan, deixando-o desconfortavelmente inquieto por ter

que recusar. “Sinto muito, senhor. Eu não posso beber quando estou de plantão." Sem

mencionar o fato de que não deveria ficar confortável com o presidente, ou qualquer pessoa que

ele protegia. Sem socializar. Sem distrações. Jack é apenas um emprego. Mas merda, também

era um ser humano, um ser humano solitário, e Ethan compreendia isso melhor do que ninguém.

"Eu, ah, tenho alguns relatórios para fazer. Eu poderia trazer meu laptop para cá?" Deus, ele

odiou como sua voz se elevou no final, incerteza escorrendo de suas palavras.


O presidente sorriu. "Certo. Tem bastante espaço. ” Ele empurrou três pastas do DOD e uma da

CIA para o aparador, abrindo espaço no tampo da mesa de café, para Ethan.

Ethan agarrou seu laptop e tentou ligar o cabo de energia, primeiro desconectando as luzes da

árvore de Natal, minutos depois eles estavam sentados, absorvidos cada um com seu próprio

trabalho, o silêncio reinando sobre o ambiente. A inquietação se agarrou a Ethan, mas ela se

dissipou lentamente ao ter sua mente voltada para seus relatórios. Ainda assim, a cada virada

de página que o presidente fazia, e a cada mudança no sofá, Ethan ficava desconfortavelmente

ciente de que havia uma linha aqui que estava sendo muito seriamente avançada.

Porra, essa não era a melhor maneira de começar seu novo trabalho.


Capítulo dois

Posse do Presidente Jack Spiers aplaudida por milhões

A cerimonia de posse do presidente Jack Spiers foi aplaudida por milhões de americanos que se

aglomeravam ao longo da Avenida Pennsylvania. Outros se agruparam na frente da Sede do

congresso observando o Presidente fazer o Juramento e dar seu Discurso Inaugural. No discurso,

o Presidente Spires reiterou muito do que sua campanha tinha sido centrada: a força da América

aliada por seus compromissos com seus aliados em um mundo perigoso, os perigos apresentados

pelo crescente poder do estado islâmico renegado e seu compromisso de fortalecer as forças

armadas dos EUA em resposta ao cenário político e militar incerto. O presidente falou sobre seus

compromissos com a Otan e com os aliados europeus da América, especialmente depois da crise

dos refugiados da década passada e do crescente número de ataques terroristas nas principais

cidades europeias.

Grande parte do apoio popular do Presidente Spires vem de uma base ampla. Durante a

campanha, os especialistas ficaram surpresos com a forma como o Presidente Spires conseguiu

atrair bases de apoio tão diversas como os sindicatos educacionais e os militares, que deram

todo o seu apoio ao Presidente Spires. "A liderança do partido olha para o presidente Spires como

um unificador", disse o presidente da RNC, Rick Smith. "Ele é um cara simpático. Ele cumpre suas

promessas. Ele acredita na grandeza da América, e quer o que é melhor para todos. Não apenas

você ou eu. Mas verdadeiramente todos." Presidente Spires tem desfrutado de um dos mais altos

índices de popularidade de qualquer candidato recente, mas se esses números se traduzem em

avaliações de aprovação ninguém sabe.

Alguns se perguntam o quanto a esposa falecida do presidente Spires, a capitã do exército Leslie

Spires, que foi morta durante uma emboscada durante a Guerra no Iraque, pode ter afetado sua

campanha. "Certamente a morte de sua esposa afetou a vida do presidente Spires", disse o

presidente Smith. "Ele nunca teria entrado na política se sua esposa não tivesse sido

tragicamente morta em ação. Ele era advogado em Austin, e trabalhava para a Fort Hood. Então

ela foi morta, e toda a sua vida mudou. Ele se dedicou a servir soldados em serviço ativo e

veteranos, e depois passou anos trabalhando com o Departamento de Defesa no Iraque. Quando

voltou, criou no Texas uma plataforma para melhorar nossas forças armadas e fornecer um

melhor apoio aos nossos veteranos. No Congresso, serviu no Comitê de Inteligência e no Comitê

de Serviços Armados, dois comitês profundamente entrelaçados com os esforços militares dos

Estados Unidos. Ele não mostrou nada além do mais forte compromisso com os heróis de nossa

nação, e acredito plenamente que isso decorre do amor que ele tem por sua esposa, e como ele

honra sua memória ".

* * * * *


Quando Ethan retornou à Casa Branca após a Inauguração, toda a neve tinha derretido das ruas

da DC e a temperatura era de 21 °C.

"Eu ainda não posso acreditar que você foi pego por um bando de punks." O agente Scott

Collard, e melhor amigo de Ethan, girou na cadeira, sorrindo como um louco.

Ethan jogou uma caneta em sua cabeça enquanto se inclinava contra a mesa do agente Levi

Daniels. Flexionou a perna, endireitou o joelho e deu um pontapé na cadeira de Collard. Collard

fugiu a tempo.

"Eu não vi você brigando no Dia da Inauguração." Ethan cruzou seus braços e levantou suas

sobrancelhas. “Onde estava meu backup? ”

"Ei, você é a único que queria andar na multidão com as inteligências." Collard ergueu as palmas

das mãos, encolhendo os ombros. "Por que você não estava na rota conosco é o seu negócio."

"Tivemos informações confiáveis de que haveria uma tentativa de saltar o perímetro e atacar a

Besta." A Besta era o nome de código não oficial para a limusine presidencial.

"E por ataque, significava ser atingido por tomates."

"Ainda é um ataque."

"Você teve sua bunda chutada por vegans (vegetarianos) lançadores de vegetais."

"Hey, eu chutei suas bundas!" Ethan levantou-se, caminhando para a cadeira de Collard e

cruzando os braços. Ele estava tentando ser intimidador, mas seu sorriso estava arruinando o

efeito.

"Você tinha tomate gotejando de seu nariz e cabelo."

- E se tivessem escondido uma bomba em um desses tomates? Hã? Você não estaria zombando

de mim então. "

"Estou lhe dando um novo nome de código. Salada Reichenbach." Collard girou em sua cadeira,

gritando para os caras lá fora em todos os cantos de seu escritório. "Vocês todos ouviram?

Quarterback é agora Salada. Entenderam?"

Risos e assentimentos voltaram para os dois homens. Ethan sacudiu a cabeça. Ele pôs o pé na

borda da cadeira de Collard e empurrou, enviando seu amigo afastando-se, para baixo das filas

de mesas e para os armários onde os agentes de plantão na Casa Branca guardavam suas roupas

de reposição, ternos extras e seus smokings.

Eles estavam no posto de comando da Casa Branca do Serviço Secreto, com o nome de código

Horsepower, diretamente abaixo do Escritório Oval. Retangular e do tamanho de um campo de

futebol, os agentes usavam o posto de comando como um escritório completo. Camas de

beliche foram empurradas para um canto distante perto dos armários, e mesas alinhadas na

metade da frente da sala. Espelhos na parede ajudaram os agentes a entrar em seus ternos e

smokings, se necessário, e na frente um projetor da inteligência exibia duas telas,

constantemente atualizado e alimentado a partir do escritório da Sede do Serviço Secreto em H

Street. Quando os detalhes não precisavam estar ao redor do presidente, ou quando não

estavam em pé, os agentes gastavam seu tempo de inatividade em Horsepower.

"Ei, como está o agente Welby?" Ethan voltou para a mesa de Daniels e se sentou de novo na

borda, cruzando os braços.


Daniels lançou-lhe um olhar furioso, mal olhando para cima a partir do e-mail que ele estava

digitando. “ Welby está certo” ele disse. Suas sobrancelhas se ergueram, quase fora de sua testa,

enquanto fixava seus olhos em Ethan. "Tire seu traseiro daí, mas ele está certo."

Ethan escondeu um sorriso. O agente Welby entrou para substituí-lo como líder da segurança

presidencial enquanto ele estava fora, recuperando de seu joelho torcido após a briga durante o

dia da Inauguração. Collard o tinha enviado textos quase diariamente, lamentando o

comportamento de Welby, seu comportamento grosseiro e sua personalidade risonha.

"Você está voltando como líder?" Daniels olhos brilhavam, esperançosos.

"Espero que sim. Tenho que passar por mais algumas pilhas de papelada primeiro. ” Ethan piscou

para Daniels e ficou de pé, esticando-se. Ele tentou ser casual, falando enquanto ele rolava os

ombros. "Como está o presidente?"

Ele falhou. Daniels arqueou as sobrancelhas de novo. "O presidente?" Ele olhou para Ethan

como se seu líder acabasse de afirmar que ele era um príncipe do planeta Saturno.

"Sim. Como ele está? " Não tinha nenhuma maneira de voltar atrás agora. Ele também poderia

tentar contornar seu caminho, como se perguntar por um protegido fosse a coisa mais natural

do mundo.

Daniels franziu o cenho. "Eu tento ficar fora do seu caminho, e eu faço questão de não ouvir

sempre que estou na Besta. Eu não quero saber como suas negociações estão indo com o

Congresso sobre o projeto de lei educacional, ou se ele está batendo quaisquer assessores na

Ala Oeste. "

"Ele está?" Franzindo a testa, Ethan cruzou os braços, sem saber que estava fazendo.

"Nah cara, o sujeito atira em linha reta." O amplo sorriso de Daniels quebrou seu rosto severo

por um momento. "Mas sério, cara, eu fico fora disso. Mantenho minha distância, assim como

você nos ensinou. Daniels olhou para ele por um longo momento. “Isso é um teste? ”

Resmungando, Ethan aplaudiu Daniels no ombro. Uma saída, e ele a pegou com as duas mãos.

"Você passou. Bom trabalho, Daniels.

O olhar nos olhos de Daniels dizia "foda-se", ele abotoou a jaqueta de seu terno enquanto se

levantava de sua mesa. “Preciso de uma xícara de café da Sala de Imprensa. ”

“O refeitório da Casa Branca é à dois metros a direita. ” Abaixo do Salão Oval no nível do porão

da Casa Branca, o posto de comando do Serviço Secreto compartilhava espaço com o refeitório

da Casa Branca, a Sala de Situação e o centro de controle da Casa Branca e da Segurança Interna.

Foi uma estranha mistura de agentes secretos, mordomos e chefs, mas pelo menos o café e a

comida estavam sempre à mão. Os agentes atacavam a geladeira em todas as horas da noite, e

a sala da situação hospedou improvisadas lugares de descanso no caso de ocorrer uma batida

de míssil predator.

Sorrindo, Daniels fez um gesto para que Ethan se juntasse a ele. "Sim é, mas refeitório não tem

Annie Perkins trabalhando lá em baixo."

“Annie Perkins? ”

Enquanto caminhavam pelas escadas para o primeiro andar da Ala Oeste, aparecendo no

corredor, do lado de fora do Salão Oval e da Sala do Gabinete, Daniels encheu Ethan com a


eleza voluptuosa que era Annie Perkins, repórter do Tribune e um projeto atual De Daniels.

Ethan riu, já bem à frente de Daniels no roteiro. Ele tinha visto essa história acontecer uma e

outra vez. Daniels poderia cortejar as damas em massa, e ele ficava com elas por alguns meses

antes de terminar e voltar a jogar novamente. Misturavam-se em sessões de uma noite, e noites

de devassidão, e várias noites memoráveis em que Daniels tinha corrido para ir com Ethan para

Adams Morgan e a bares gay. Ethan lhe dissera o segredo de pegar mulheres em bares gays -

quase todos eram retos, e elas desmaiariam por um homem heterossexual confiante o suficiente

para relaxar em um bar gay com seu amigo gay. Daniels nunca saiu sozinho.

“ Você já a convidou para sair? ”

“Paciência, mano. Paciência. ” Daniels levantou as mãos, gesticulando para que Ethan

desacelerasse o inferno. "Ela precisa querer mais." Levantou uma sobrancelha, mostrando seu

sorriso.

Ethan sacudiu a cabeça, uma resposta na ponta da língua, quando uma voz no corredor chamou

seu nome.

“Agente Reichenbach! ”

Os olhos de Daniels ficaram grandiosamente enormes, retomando a postura em um segundo,

limpando o sorriso de seu rosto e entrando no modo "profissional", quando o presidente Jack

Spiers se separou de seu chefe de gabinete e caminhou pelo corredor até os dois agentes. O

Presidente Spires estendeu a mão para Ethan.

Ethan apertou sua mão, atordoado. "Sr. Presidente. Como posso ajudá-lo, senhor? ”

"Eles me disseram que você foi ferido e estava se recuperando. Eu não sabia que você estava de

volta ao serviço." O presidente estava sorrindo para ele, um sorriso radiante percorreu todo o

caminho até seus olhos. A imprensa tinha dissecado sem parar esse sorriso na campanha.

Ethan compreendeu de repente por que o Presidente Spires havia ganhado os votos das

mulheres casadas.

"Primeiro dia, senhor." Ethan soltou a mão do presidente e deu um passo para trás. "Estou

trabalhando na sede por enquanto."

O presidente franziu o cenho. Atrás dele, Jeff Gottschalk limpou a garganta, um lembrete

educado ao presidente para apressar-se.

"Escute, eu tenho uma reunião que eu preciso que ir. Você pode passar por meu escritório em

uma hora? " O presidente esperou que Ethan concordasse com a cabeça antes que ele voltasse

a sorrir de novo. "Ótimo. Então falaremos depois. ”

E então ele se afastou, andando pelo corredor com sua equipe. Ele pegou as pastas de arquivos e

um fichário e tirou o smartphone de uma só vez. Seus óculos estavam escorregando pelo nariz, e

ele distraidamente empurrou-os para cima com um dedo enquanto ele percorria os e-mails em

seu telefone.

Quando Ethan se voltou para Daniels, o rosto incrivelmente inexpressivo do jovem agente olhou

para ele, os olhos semicerrados. Ethan suspirou e revirou os olhos. “Isso não foi nada. ”

“Posso perguntar como está o presidente? ”

"Cale-se."


* * * * *

Uma hora mais tarde, Ethan permanecia rígido no Salão Oval, sozinho, com os pés separados

por uma espessura de quarenta e cinco graus, as mãos entrelaçadas nas costas, a coluna reta, os

joelhos destrancados. Seus olhos correram pelo escritório, absorvendo as mudanças que o

presidente fizera. Seu antecessor tinha jogado o escritório de volta aos "velhos tempos" como

um lembrete físico do que sua campanha tinha sido aparentemente, pesadas cortinas vermelhas

haviam sido penduradas das janelas enquanto o tapete tinha sido substituído por um veludo

azul profundo, fazendo o Selo presidencial no centro do escritório destacar-se ainda mais. Os

sofás listrados vermelhos e brancos haviam sido adicionados ao quarto, e todo o escritório

parecia que um desfile de quarto de julho tinha explodido dentro. O presidente Spires, por outro

lado, preferiu uma aparência mais refinada e majestosa. Tirando fora as cortinas pesadas e o

tapete de pelúcia azul. Cortinas de renda branca pendiam atrás da Mesa do Resolute 4 , e um

tapete bege esticado em torno do Selo Presidencial. O creme e as listras macias bronze

alinharam as paredes acima do revestimento de madeira, dando à sala uma sensação macia,

serena. Os sofás eram elegantes, com braços de madeira expostos, polido marrom escuro, e

listras de seda em branco, azul pálido e bronze juntaram o quarto. Ele foi, contudo,

extremamente de bom gosto.

Ethan olhou para a foto de George Washington sobre a chaminé, um espaço do Salão Oval para

cada presidente. Que diabos estou fazendo aqui? Por que ele quer falar comigo? Eu sou apenas

um agente secreto. Merda, foi algo que Welby fez? Aquele filho da puta.

Ele saltou em seus calcanhares, e seus olhos rastrearam o relógio náutico empoleirado na borda

do manto da lareira. O presidente estava atrasado. Não era uma surpresa. O mundo mudou-se

para o presidente. O tempo era algo que aconteceu com outras pessoas.

Quando o presidente entrou abruptamente no seu escritório através do corredor privado à

esquerda, Ethan tentou a chamar a atenção. O presidente não percebeu. Sua cabeça estava

enterrada em seu smartphone enquanto falava. "Desculpe estou atrasado. Os líderes do

Congresso estiveram aqui com uma atualização sobre o projeto de reforma educacional. Eles

sabem como falar. "Ele deixou cair o telefone na mesa do Resolute com um ruído, suspirou, e

depois sorriu de forma acidentada para Ethan. "Eu era um deles, e eu ainda fico espantado com o

quanto eles podem falar em torno de um assunto." Ele gesticulou para Ethan para chegar mais

perto. “Por favor, relaxe. Isso é informal. Totalmente fora dos livros. Só um bate-papo." Ele

cruzou os braços e inclinou o quadril contra a mesa. "Como você está, Ethan? Posso te chamar

de Ethan?

"Uhh sim senhor, você pode se você quiser." Ethan franziu a testa. “Há algo que eu possa ajudálo

senhor presidente? ”

____________________________________________________

Mesa do Resolute 4 - é a mesa utilizada pelo Presidente dos Estados


O presidente acenou com a mão. "Por favor, não há necessidade para formalidades. Como eu

disse, eu só queria te encontrar. Ver como você estava. Quando você está voltando? " A última

frase terminou em uma nota mais alta, uma pergunta, e suas sobrancelhas se ergueram.

É a merda do Welby. "Eu ainda preciso preencher alguma papelada antes de eu ser autorizado a

voltar ao serviço senhor."

"Mas você está melhor? Você está se sentindo bem? Nenhum ferimento a longo prazo,

nenhuma dor, nada de errado? "

"Estou melhor, senhor." Ethan sorriu. "Alguém teve um chute de sorte enquanto estávamos

subjugando alguns suspeitos durante o dia da posse. Nada ameaçador. Na maior parte chato.

O presidente sorriu. "Fico feliz em ouvir. E, se isso ajudar, eu ficaria feliz em ligar para o Serviço

Secreto e pedir sua reintegração. "

Porra Welby, o que diabos você fez? "Há alguma coisa errada com o chefe atual, Sr. Presidente?"

Um longo suspiro, e o presidente desviou o olhar, apertando os olhos através da porta de vidro

que conduzia à passagem da coluna e ao Jardim das Rosas. "Tecnicamente, ele é um ótimo

agente. Parece conhecer as coisas e é sólido. Confiável."

"Mas?" Ethan esperou que continuasse.

O presidente Spires estremeceu. "Ele é... rígido. Não há nada, não é uma coisa que ele vai

considerar fora de seus deveres. Ele é impossível de se envolver. Ele é como... um carcereiro. ”

"Soa como um agente de livro para mim. Temos regras a seguir Senhor Presidente, regras que o

mantêm vivo. Você acha que eu vou ser diferente? "

Os olhos do presidente se encontraram com os dele e seguraram. "Eu acho que você tem um

coração, e você pode ver o quadro maior quando você precisa."

Ethan se moveu em seus pés. O Natal brilhava desconfortavelmente em sua mente. Ele nunca

contou a ninguém sobre o que ele havia feito, e como o presidente poderia ter-lhe entregado o

rabo naquela noite, mas ao invés disso se sentou ao seu lado e trabalhou até altas horas da

manhã.

"Você está aqui falando comigo agora Ethan. Não muitos outros agentes fariam isso. " “Não

devemos fazer isso, senhor. Eu deveria ser sua sombra opressiva. E o seu carcereiro. ”

O Presidente Spires jogou a cabeça para trás e riu. Ele descruzou os braços e pegou seu telefone

vibrando, batendo na mesa. Uma rolagem rápida, e então ele estava franzindo o cenho, uma

única linha enrugando o espaço entre as sobrancelhas. "Eu só quero que você saiba que eu estou

ansioso para o seu retorno, Ethan." Ele sorriu e em seguida agitou seu telefone. "Eu sinto Muito.

O dever chama. Mas podemos recuperar o atraso quando você voltar ao serviço. ”

Ele não deveria estar fazendo isso. Deus, ele não deveria estar fazendo isso. Isto teve má decisão

escrita por toda ela. Até o menor indício de amizade com o protegido de um agente era

profundamente desaprovado. Mas Ethan sorriu de volta e assentiu. "Sr. Presidente. ”

Desculpando-se, Ethan entrou no corredor, deixando o presidente enquanto ele verificava seu

telefone.


* * * * *

Três semanas mais tarde, Ethan estava de volta como chefe da segurança presidencial,

trabalhando ao lado de Daniels, Collard e Inada em sua principal equipe de proteção. Havia mais

de trezentos agentes sobre a segurança, espalhados para cobrir cada turno e manter postos nos

escritórios da Casa Branca e da Residência. Todos trocavam farpas com os seguranças do vicepresidente

e atiravam conversa fora em Horsepower juntos, mas os quatro principais agentes, a

proteção mais próxima atribuída ao presidente, foram Ethan e sua equipe. Ethan ainda tinha

comando tático sobre toda a segurança, dividiu turnos e atribuições e leu os relatórios de

qualquer incidente das últimas vinte e quatro horas - em Horsepower enquanto o Presidente

estava na Casa Branca. Ele manteve distância dele tanto quanto podia e passava todo o seu

tempo - que não estava com o presidente fora dos terrenos da Casa Branca - em Horsepower ou

ajudando a treinar outros agentes.

Ele pensou que as coisas estavam indo bem. Ele sintonizava o rádio da Besta nas estações

favoritas do presidente e perguntou se ele viu o jogo recente - golfe, basquete ou hóquei,

dependendo da época do ano. Depois, calou-se, monitorou os rádios e aconselhou Inada no

banco do motorista, enquanto o presidente percorria o telefone ou folheava as pastas e os

memorandos. O presidente não pediu para conversar com ele novamente, e Ethan estava se

esforçando para interagir com um protegido, saindo das sombras para lhe fazer algumas

perguntas sem sentido. Ele estava fazendo mais, ele sabia, do que Welby tinha feito.

Então, foi uma surpresa quando Daniels o encurralou no refeitório da Casa Branca uma manhã

– entre revisar relatórios, checar o grupo presidencial que iria a Turim para a Cúpula do G-7 e

finalizar detalhes de segurança para o jantar do presidente na residência oficial.

"Ei, Ethan. Tem um minuto? "Daniels tinha uma xícara de café na mão - do refeitório, não da

sala de Imprensa lá em cima - e estava olhando para Ethan.

Com um olhar como aquele, ele não podia dizer não. "'Claro. Aqui?"

Daniels sacudiu a cabeça. Ele fez um gesto para que Ethan o seguisse, e eles saíram para a área

mais calma do porão, escondido atrás da escada. ”É sobre o presidente” disse Daniels em voz

baixa, girando um pauzinho de madeira pelo café. “Algo está acontecendo. ”

Ethan piscou. "O que você quer dizer com 'algo está acontecendo'? Trata-se de uma questão de

segurança, ou é relacionado a política? ou pessoal? Você sabe que não nos envolvemos nos dois

últimos." E, mais frequentemente do que não, se havia alguma coisa na mente do presidente -

na mente de qualquer presidente - era política ou pessoal. Eles deixaram as preocupações de

segurança para seus agentes.

"Ele cancelou seus exercícios matutinos."

Ethan piscou. "Já?" Os presidentes ocasionalmente cancelavam seus exercícios quando estavam

psicologicamente estressados - exatamente quando devem chegar ao ginásio, mas nunca tão

cedo. Havia algum memorando que ele tinha perdido sobre a próxima Guerra Mundial

começando?


Daniels suspirou. "E eu acho que pode ter algo a ver conosco."

"Nós? Nós como o Serviço Secreto? Sua segurança? ”

"Sim. Ele estava tentando conversar por um tempo e depois parou de fazer isso. Ele tentou fazer

algumas perguntas, mas mesmo isso parou. Nós mantemos nossos postos quando ele está

trabalhando, mas não nos envolvemos. Da última vez que ele estava trabalhando, ele apenas

olhou para nós e então nos disse para não se preocupar mais com isso ".

" Isso significa seus exercícios? "

Daniels assentiu. Ethan tirou o telefone do bolso e olhou a agenda diária do presidente. Como

parte da segurança, ele tinha que ter o calendário a mão em todos os momentos. Hoje era

suposto ser um dia calmo - um dia inteiramente na Casa Branca. Isso geralmente significava um

dia cheio também, cheio de reuniões e telefonemas. Mas no meio poderia haver uma brecha. O

presidente estava almoçando, aparentemente sozinho.

“Obrigado por me avisar, D. Vou tentar falar com ele. ” Ethan enfiou o telefone no bolso,

ignorando as sobrancelhas levantadas de Daniels.

Um presidente tinha de exercitar-se. Não importava o que fosse, mas eles tinham que fazer

alguma coisa. Qualquer coisa. Mesmo apenas andando ou pior ainda passeando. O estresse iria

matá-los se não, e eles precisavam de uma saída de suas funções.

“Obrigado, Ethan. Deixe-me saber o que os caras e eu podemos fazer. ” Daniels acenou com a

cabeça e se afastou, voltando para Horsepower.

Inalando profundamente Ethan fechou os olhos por um momento, planejando como se

aproximaria do presidente. Dizer ao líder do mundo livre para voltar ao ginásio não era a tarefa

mais fácil. Ele podia delegar, passar para o chefe de gabinete do presidente ou sua secretária.

Mas se seus caras tivessem feito algo para irritá-lo, ele deveria saber sobre isso.

Ele verificou o relógio. Ele tinha duas horas e meia.

* * * * *

A secretária do presidente - que tinha o codinome secreto de "Avó" que lhe foi dado pelo Serviço

Secreto - deixou-o entrar no Salão Oval dez minutos depois de o mordomo entregar o almoço

do presidente. "Ele não está esperando ninguém." Ela avisou, olhando para Ethan com as

sobrancelhas levantadas e um brilho nos olhos.

Ele pegou o presidente enquanto ele estava comendo, viu quando ele olhou para cima de seu

assento no sofá, inclinado sobre sua salada de frango César 5 . Olhos arregalados e chocados se

lançaram para Ethan quando ele entrou, e Ethan o pegou timidamente fechando e arrumando o

livro de mistério. Ethan sorriu. "Eu estou querendo ler esse. Como é?"

____________________________

Salada de alface, frango e molho. 5


“Bom. ” O Presidente Spires enxugou a boca com o guardanapo e riu. "É bom. Eu deveria estar

revisando o relatório do Congresso sobre a última versão do projeto de reforma educacional. "

Ele encolheu os ombros, corando levemente. "Você me pegou."

"Senhor, se você é como os outros caras que ocuparam esse cargo, você não será o primeiro a

esgueirar-se para algum tempo pessoal." Bom para ele. Às vezes ele parecia rígido demais na

campanha, fazendo malabarismos com seu telefone, seu bloco de notas e uma dúzia de pastas

entre discursos e voos. E havia sempre mais relatórios e arquivos estendidos no chão de

qualquer quarto de hotel em que estivessem naquela noite. Ethan não estivera na residência da

Casa Branca muito desde que o presidente Spires se mudara para lá, mas ele vira pilhas de pastas

e relatórios secretos enchendo as mesas de café e bancadas, quando ele tinha checado com

seus homens.

O presidente Spiers recostou-se e jogou o braço sobre o dorso do sofá. Uma longa perna cruzouse

sobre a outra, com o pé suavemente batendo no ar. Um sorriso suave permaneceu em seu

rosto. “Como posso ajudá-lo, Ethan? Acho que essa reunião está fora do calendário? ”

Ethan tentou sorrir de volta, mas anos de exercício em respeito à autoridade e um forte senso

de honra para a cadeia de comando torceram seus lábios em uma careta apertada e fina, mais

dolorosa do que qualquer outra coisa. Seus pés estavam enraizados no chão enquanto apertava

as mãos atrás das costas. "Senhor, meus homens me disseram que você cancelou seus

exercícios."

O presidente olhou para ele. Ele não piscou.

Ethan engoliu em seco. “Senhor, a aptidão física é importante, especialmente com este trabalho.

Você precisa de um alívio do estresse. ”

"Eu não percebi que ser babá e bisbilhotar faziam parte dos deveres do serviço secreto."

Suas mãos cerraram atrás de suas costas. “Senhor, não é isso que está acontecendo aqui.

Estamos preocupados com você e com sua saúde. Nós todos vimos presidentes que tiveram

colapsos porque não tiveram um alivio de estresse. Confie em mim. Se exercitar é uma ótima

maneira de esquecer o trabalho quando você precisar. "

Mais uma vez, o presidente ficou em silêncio. Ele simplesmente olhou para Ethan, olhando-o

nos olhos, e onde tinha havido uma abertura amigável apenas momentos antes, havia agora

desconfiança. "E se os meus exercícios estão me causando estresse?" Ele falou suavemente.

"Senhor?" Ethan franziu a testa.

Suspirando, ele se levantou e se afastou de Ethan, indo em direção a sua mesa na extremidade

do Salão Oval. Suas mãos desapareceram nos bolsos das calças, mas suas costas estavam retas,

os ombros apertados e tensos. Ethan pôde ver as costuras de seu terno forçando seus ombros.

"Eu não sou um cara sociável, mas eu não sou tímido também. Minha carreira política inteira foi

construída sobre ser um "homem do povo." Ele parou na frente de sua mesa, com a cabeça

inclinada o queixo quase no peito. "De repente eu sou o presidente, e há essa divisão

impenetrável entre mim e todos os outros."


Não havia nada repentino sobre sua presidência. Ethan lembrou-se da longa campanha, assistiu

pela primeira vez à notícia e então durante o ciclo turbulento de paradas de campanha e viagens

de avião que compunham os últimos 180 dias da campanha, quando ele e sua equipe - e tantos

outros agentes - foram designados para os principais candidatos à eleição. “Senhor, você é o

presidente. Você é o homem mais importante do mundo. ”

"Não, eu não sou." O presidente riu olhando pelas janelas do escritório com vista para o jardim

das rosas. "Eu sou apenas um cara que quer empurrar suas ideias para todos os outros." Ele

piscou para Ethan, lançando um olhar por cima do ombro.

Foi a vez de Ethan ficar calado. Ele mordeu o interior do lábio. Normalmente, apelar para o

sentimento de vaidade de um presidente trabalhava para ele. Pelo menos tinha no passado

quando precisava convencer um presidente a ouvir o serviço secreto e seguir suas diretrizes de

segurança.

"Eu tinha um grupo de caras com quem eu corri em Austin", disse o presidente, rompendo o

silêncio. "E em DC alguns anos atrás, eu tinha um grupo de pessoas com quem fiquei no YMCA 6 ,

onde fui nadar. Não éramos amigos íntimos. Eu perdi contato com eles quando comecei a fazer

campanha. Eu nem sequer sei como alcançá-los." Ele se virou recostando-se contra sua mesa e

agarrou a borda da madeira esculpida em suas mãos. “Mas era algo social sabe? ”

"Nós podemos... convidar os membros do Congresso para se juntar a você em uma corrida? ou

contratar um personal trainer para a sala de musculação da Casa Branca? ou se você tem amigos

ou associados localmente podemos traze-los e executar uma verificação de antecedentes, e se

passarem eles poderiam se juntar a você durante seus exercícios?” Ethan estava lutando,

tentando chegar a algum tipo de solução.

O presidente riu dele. "Em primeiro lugar não conheço nenhum membro do Congresso que

quisesse correr em qualquer lugar, mesmo com o presidente." Ele sorriu, mas desapareceu

rapidamente, e então balançou a cabeça. "E não se trata de contratar ninguém. Meu Deus, eu

tenho bastante gente trabalhando para mim. E você não acha que é um pouco deprimente que

qualquer um e todos que eu já conheci tem que se submeter a uma verificação de antecedentes

completa para me ver ou fazer uma corrida comigo? Eu vou jantar na casa de Bob, e toda a noite

se tornou um evento governamental. "

"Bob" foi Robert J. MacNaughten, o presidente da Câmara dos Deputados, e toda a noite era um

grande negócio para o serviço secreto. Ethan ficou em silêncio.

Suspirando, o presidente cruzou os braços novamente. "Ethan, eu aprecio sua consideração e de

onde vem a preocupação. Eu estou tendo dificuldade em me ajustar eu acho. Eu sou como um

peixinho dourado naquele ginásio. Seus caras estão lá fora vigiando, ainda é assustador e eu

estou sozinho lá dentro suando sob os holofotes. É estranho." Ele balançou a cabeça. "Eu não

posso ser o único cara que passou por uma fase de ajuste."

______________________________________

YMCA 6 - é a sigla inglesa de Young Men's Christian Association, que em português é traduzida como Associação

Cristã de Moços ou Associação Cristã da Mocidade


Você é a única pessoa que não ama os holofotes, a adulação e o súbito espetáculo feito de si

mesmo. Ethan balançou a cabeça, mantendo seus pensamentos para si mesmo. "Não senhor.

Mas, por favor senhor. Você pode retomar seus exercícios? Eu vou... " Ele parou. “Vou pensar

em alguma coisa. ”

De onde isso veio, ele não tinha ideia. Pensar em algo para ajudar o presidente? Quem ele

pensava que era? Se o presidente tivesse algum cérebro, ele o retiraria de seu escritório. Mas,

uma vez que este era o presidente Spiers, ele provavelmente agradeceria a Ethan por seu tempo

primeiro e depois se desculparia oh tão educadamente para terminar seu almoço. O calor se

acumulava na barriga de Ethan, pesado e cheio de constrangimento. Por que ele estava sempre

enfiando o pé na boca ao redor do presidente?

O Presidente Spires sorriu, grande e largo. "Eu apreciaria isso Ethan. Sabe, eu valorizo seu

conselho. Vocês viram meus antecessores e todas as suas fraquezas e falhas. Se você tem

conselhos para mim eu sempre sou todo ouvidos. "

Não era isso que ele esperava. Engolindo, Ethan tentou encontrar sua fala. "Eu sou apenas seu

chefe de segurança senhor."

"Você é o tipo de cara que eu teria orgulho de chamar de amigo. ”

E lá estava, aquela barreira invisível que o presidente lamentara, batendo entre eles com toda a

força de uma guilhotina. Ethan sentiu o impulso físico da barreira contra ele, uma buzina

explodindo em sua mente, dizendo-lhe para se afastar. Isso era perigoso, esse caminho de

familiaridade e sorrisos trocados. Onde havia familiaridade, havia facilidade e onde havia

facilidade, havia perigo e risco, e violações de segurança. Ele não poderia ser um amigo para ele, o

homem que ele deveria proteger a todo custo, mesmo com sua própria vida. Como ele poderia ser

objetivo se ele fosse fazer amizade com esse homem?

Entretanto, não seria difícil fazer amizade com ele. Ele era um homem único, um homem aparte

entre a máquina política de Washington. Alguém que não tinha perdido sua alma ou vendido

sua moralidade para o diabo. Ele era um homem de honra e promessas mantidas, de sorrisos

fáceis e risos quentes, e olhos azuis suaves que escutavam. Alguém que corria com estranhos

em Austin para que ele tivesse caras normais mantendo-o aterrado à realidade, e que só queria

tornar o mundo um lugar mais seguro, melhor, mas que odiava a torre isolada que ele tinha sido

colocado para fazê-lo.

A presidência ia esmagá-lo.

Esse pensamento bateu duro em Ethan, um soco em seu estômago, e desejou por um momento

que pudesse ser diferente. Que ele pudesse conversar com o presidente, poderia dar-lhe alguma

conversa direta sobre como voar direito e não se perder no pântano que era o salão oval. Ou

levá-lo para uma cerveja quando o estresse ficasse muito alto, ou envia-lhe um texto ou um

vídeo do youtube para fazê-lo expelir café no meio de um relatório. Essas eram coisas que os

amigos faziam, e se havia algum homem que precisasse de um amigo, era o presidente Jack

Spires.

Mas não Ethan. Não poderia ser Ethan.

Ethan colou um sorriso apertado e falso, assentiu uma vez e se desculpou. "Sr. Presidente. Não

vou mais ocupar seu tempo. ”


Quando se virou para sair, não perdeu a surpresa nos olhos do presidente, nem a maneira como

ele não conseguiu esconder o súbito olhar franzido e a única linha enrugando o espaço entre as

sobrancelhas.

Ethan não parou de andar quando saiu do gabinete do secretário do presidente. Ele contornou a

sala do gabinete, não falando com ninguém, ignorando acenos e assentimentos que ele

conseguiu nos corredores. Descendo as escadas para o piso térreo, passando a Sala de Situação 6 ,

Horsepower, e depois para os túneis.

Por baixo da Casa Branca, onde os túneis concentravam os comissários e agentes indo de um

lado para outro, um carro de golfe ocasional ou um pequeno caminhão carregado com caixas de

comida ou roupa, e até mesmo flores frescas. Pode ser qualquer coisa abaixo da Casa Branca,

realmente.

Ele saiu dos túneis no porão da residência e tomou uma das escadas internas até os pisos

pessoais para a Primeira Família. A Primeira Família no momento consistia em uma única pessoa, e

a maioria dos quartos extras não eram usados e estavam fechados. Flores frescas ainda

preenchiam os vasos em todas as áreas comuns. Na sala de jantar, louças da China foram

dispostas, esperando o presidente para escolher seu designer. Era responsabilidade da Primeira

Dama escolher a louça, mas na ausência de uma primeira dama, o presidente ainda não havia

selecionado a decoração. Ethan engoliu em seco.

Chegou finalmente ao ginásio, esquivando-se de empregados na área de serviço, mantendo a

residência limpa e organizada - além dos funcionários do presidente - enquanto o presidente

estava em seu escritório. Fora das portas do ginásio, porém, ele hesitou. Através das janelas, ele

podia ver a sala de exercícios. Esteiras, bicicletas ergométricas, aparelho de musculação, pesos,

dois bancos supinos, e uma esteira wrestling para luta greco-romana. Espelhos alinhados na

parede. Os agentes se posicionavam na porta e no corredor, observando se o presidente

precisava de alguma coisa, mas não interferiam.

O plano estava batendo em seu cérebro desde que ele tinha deixado a ala oeste, ele passou a

maior parte da caminhada tentando convencer-se de que era uma ideia estúpida e que ele

estava fora de linha. Que só terminaria em desastre. Tudo isso era verdade.

No entanto, o sorriso torto do presidente e a inclinação de sua cabeça permaneceram em sua

mente.

Maldito seja. Ele era o chefe da segurança do presidente. Esta era apenas outra parte do

trabalho. Mantendo o presidente seguro e sã.

Ele continuou repetindo, tentando convencer a si mesmo.

Ethan tirou o telefone e digitou um rápido memorando para seus agentes. Ele não hesitou, e

não a releu. Ele bateu em enviar. Inclinando a cabeça para trás, Ethan começou a contar os

segundos até que Daniels chama-se.

Quarenta e dois segundos. Seu telefone vibrou. Daniels.

_________________

Sala de Situação 6


"Reichenbach." Rosnou quando ele respondeu.

"Você quer que nós o quê?" Daniels não poderia ter forçado mais incredulidade nessa frase.

Ethan fechou os olhos, ocultando o ginásio do presidente. Inclinou a testa contra o vidro.

"Apenas esteja pronto, certo? Vou assumir a liderança. E eu quero ter uma conversa com você.

Encontra-me em Horsepower em cinco? "

* * * * *

Na manhã seguinte, Ethan, vestido com bermudas de serviço secreto e uma camiseta de

treinamento enfiada firmemente em seus shorts, passeava dentro do ginásio. Dois outros

agentes estavam se exercitando: um na bicicleta e outro no aparelho de musculação. Ele os

colocou nas duas máquinas que o presidente - de acordo com Daniels - nunca usou.

Antes desta manhã, Daniels tinha tomado a chefia do turno da manhã com o presidente no

ginásio, enquanto Ethan tinha gerenciado a administração em Horsepower. Hoje, eles trocaram e

Ethan aparentemente tinha decidido perder sua maldita mente.

Ele nem mesmo disse ao presidente.

Ele esperava que o presidente decidisse trabalhar hoje. Isso tudo seria um show embaraçoso de

estupidez se o presidente simplesmente ignorasse tudo o que tinham discutido ontem. Ele

continuou andando.

Quando a porta do ginásio abriu, Ethan girou ao redor, seu queixo erguido, a mandíbula

apertada tensa, seus olhos se estreitaram. Inconscientemente, ele estava de pé, com os pés

separados pela largura dos ombros, os ombros de linebacker erguidos, os punhos cerrados

firmemente. Ele era um cara grande e exercícios regulares ajudavam a manter sua força. Ele

normalmente usava a academia do Serviço Secreto. Não do presidente.

O presidente Spires parou na entrada, sua boca se abrindo quando ele viu Ethan e seus agentes

instalados em seu ginásio. Ele estava vestido com uma velha camiseta da Universidade do Texas,

folgada e com manchas de café sobre ela. Suas sobrancelhas se ergueram quando ele sorriu

lentamente. "Então esta é a sua solução? Invadir meu ginásio? "

A coluna de Ethan estalou quando ele se endireitou. Seus ombros ficaram tensos. "Senhor, eu

pensei que você iria gostar de alguma companhia." E não apenas qualquer companhia, tais como

fazer com que alguns congressistas incomodassem o presidente em seus exercícios, ou fazê-lo

esperar enquanto eles verificavam um amigo – mesmo um amigo que veio do Texas - apenas

agentes secretos, homens que eram - quando todo o brilho do Serviço Secreto foi tirado - apenas

caras normais vivendo sua vida.

E quem eram agentes de nível superior aprovados.

O presidente continuou sorrindo quando ele se aproximou de Ethan, de pé no centro da esteira

de luta. "Então, que tipo de treino você tem em mente Ethan?"


Do outro lado do ginásio, um dos pés do agente escorregou de seu pedal, girando as rodas da

bicicleta em um frenesi. Ethan rangeu os dentes, mas manteve o olhar do presidente. “O que

você quiser, senhor. Podemos correr e depois passar para os pesos, como a sua rotina normal.

"Eu não sei se devo estar assustado ou impressionado que você conhece minha rotina."

"Parte do meu trabalho, senhor." Ethan deu um rápido sorriso. "Se eu não souber tudo, então

eu perco algo importante."

O presidente estava se esticando, se inclinando e apoiando contra seu joelho. “Forças Especiais?

Ethan assentiu com a cabeça.

"Você vai ter que me contar tudo sobre isso. Adoro ouvir sobre veteranos. ”

Sem saber o que dizer, Ethan manteve a boca fechada enquanto se esticava ao lado do

presidente. Eventualmente o presidente limpou o suor, revelando um par de shorts de corrida

que mal se estendiam até o topo de suas coxas. Suas pernas eram macias, longas e magras, e

salpicadas de cabelo escuro até os tornozelos. Ethan colou os olhos no teto.

"Tudo bem, vamos fazer algumas milhas para aquecer e então levantar os pesos. Eu me

identifico com você, você se identifica comigo? Embora... " O presidente parou enquanto

estudava o bíceps proeminente de Ethan, esticando os limites das mangas de camiseta. "Eu acho

que me mataria se eu tentasse levantar o que você é capaz de levantar."

"Nós sempre podemos fazer um concurso flexões." Ethan fechou a boca. Quem era esse cara

que roubou sua língua e falou por ele na frente do presidente? Ele sempre dizia as coisas mais

idiotas.

O presidente Spires riu. Ele flexionou, e sua musculatura compacta não teve chance contra

Ethan. Onde Ethan era lustroso e musculoso, o presidente era magro e elegante, um nadador

com uma musculatura e corpo apertados. Mesmo em seus quarenta anos, o presidente estava

apto e em forma, com uma pequena parte preenchida. Ethan não se vangloriava de um conjunto

de abdominais desde que tinha vinte e poucos anos, mas ele tinha um estômago plano e um

peito largo, e nunca tinha vindo para casa sozinho quando ia a bares. Seus braços eram tão

grandes quanto as coxas de algumas pessoas, puxavam tantos para dentro.

"Eu vou sentar em suas costas para uma desvantagem; então você pode fazer flexões ", disse o

presidente. Através do ginásio, a bicicleta girou novamente, e o agente amaldiçoou encobrindo

o escorregão com uma tosse alta.

Ethan deixou-o ir subindo na esteira ao lado do presidente. Ele começou devagar, correndo sem

parar, mas deixou o presidente correr a um ritmo mais rápido do que ele. Ele não era um

velocista, mas ele poderia correr por horas, uma vez que ele encontrou o seu ritmo. Um ritmo

que era geralmente mais rápido que o do presidente. Mas ele estava fazendo isso para o

presidente, e isso significava trabalhar à sua velocidade.

Ele continuava dizendo a si mesmo que isso fazia parte do trabalho.

O sorriso no rosto do presidente também não doeu.

"Então, Ethan?" O presidente estava sorrindo, seu rosto quase dividido em dois.

“Sim, senhor presidente? ”


"Eu estava pensando em começar kickboxing. Quer lutar? ”

"Não empurre sua sorte senhor. Eu já estou quebrando as regras fazendo isso. Não estou lhe

dando um soco, senhor presidente. ”

Rindo alto, o presidente lançou lhe um sorriso irônico. Ethan balançou a cabeça, mas sorriu de

volta. Piadas. Agora eles estavam fazendo piadas e provocando uns aos outros. Cristo, ele estava

em apuros. Ele precisava parar com isso.

"Já que estamos trabalhando juntos, você realmente pode me chamar de Jack." Desta vez, o

presidente não estava brincando.

“Sim, Sr. Presidente. ”

Nem Ethan.

Eles correram em silêncio durante os próximos vinte minutos, até que o presidente assinalou o

fim, e então eles se mudaram para os pesos.

Ethan sentiu o peso dos olhares de seus agentes em suas costas a manhã inteira.


Capítulo três

Presidente Spires visita o cemitério nacional de Arlington para o Memorial Day, e faz visita ao

túmulo da esposa falecida.

O presidente Spires visitou o cemitério nacional de Arlington hoje para mostrar seus respeitos

como Comandante Chefe aos heróis militares mortos da nação. O presidente Spires participou de

uma cerimônia de colocação de coroas no túmulo do soldado desconhecido antes de fazer o seu

caminho através do memorial em uma missão pessoal. Há quinze anos, a esposa do presidente

Spires, Capitã Leslie Spires, foi morta em combate durante a Guerra no Iraque. Ela foi posta para

descansar no Cemitério Nacional de Arlington. O presidente passou meia hora em silêncio em sua

lápide, em privado, com apenas os seus seguranças nas proximidades.

Estado Islâmico tenta derrubar avião comercial sobre o espaço aéreo iraquiano

O estado islâmico tentou derrubar um avião comercial em um voo da Índia para Berlim ontem.

Os caças do estado islâmico dispararam mísseis antiaéreos, roubados do exército iraquiano e do

ex-governo sírio, no jato com passageiros, enquanto voavam a 31 mil pés. O piloto tentou uma

ação evasiva, colocando o avião de passageiros em um mergulho antes de desviar o avião para o

espaço aéreo do Azerbaijão.

* * * * *

Primavera e verão significavam viagens na Casa Branca. Era uma regra, junto com "não toque

nos biscoitos assados para o presidente" e "nunca confie que um microfone está

verdadeiramente desligado." Primeiro foram a cúpula do G-7 em Turin, na Itália. Ethan já havia

enviado a equipe de reconhecimento e tudo estava pronto para que o presidente chegasse na

noite de segunda-feira. Isso só deixou as bagagens.

O presidente... Jack - insistiu uma voz traidora dentro de sua cabeça - queria ir para Camp David 7

no fim de semana antes da cúpula. Ethan deu a Inada e Collard o fim de semana de folga para

gastar com suas famílias e dirigiu com Daniels e o presidente até Camp David, juntamente com

300 outros agentes e funcionários em um comboio. Um fim de semana longe é o que o

presidente poderia ter desejado, mas Washington veio com ele.

________________________________________________________________

Camp David - é uma base militar e casa de campo localizada no Condado de Frederick que serve ao


presidente e sua família.


Ainda assim, Camp David era um mundo longe da panela de pressão que era DC. Ethan sempre

adorara viajar com os presidentes anteriores até o retiro, mesmo com presidentes que ele não

gostara. Ele tomava turnos na floresta, andando pelo perímetro ou postos em pé na solidão,

apenas desfrutando do silêncio por uma vez. Embora tivesse apenas uma ilusão de estar sozinho,

o sentimento de paz que ele obtinha desses momentos o sustentaria assim que voltassem para

DC. Agora, no passeio com o Presidente Spires pela primeira vez, Ethan fechou os olhos e

inclinou a cabeça para trás, absorvendo o cheiro fresco de pinho e ar fresco da montanha, de

poeira levantada o gramado dos prados, e flores de primavera explodindo livres do inverno. As

lembranças borbulhavam pelo cérebro, dias como uma criança correndo nas marés de

Wyoming, troncos de pinheiro fresco crepitando em fogueiras, e dedos pegajosos com seiva de

árvore agarrando os punhos enferrujados de sua bicicleta de velocidade única.

Ele abriu os olhos, com um sorriso persistente no rosto e congelou.

No banco de trás, o presidente sorriu para ele através do espelho retrovisor. “Gosta do bosque,

Ethan? ”

"Sr. Presidente, Camp David é definitivamente um dos meus lugares favoritos. Você vai adorar

isso aqui." E essas não eram apenas palavras. O presidente - Jack - realmente ia adorar. Ethan o

conhecia bem agora para dizer isso com certeza.

Os treinos da manhã se tornaram uma ocorrência regular quase por acidente. Nenhum dos dois

falou sobre mudar a rotina ou alterar o cronograma, e Ethan simplesmente continuava

aparecendo. Ethan deixou os outros agentes irem embora, e eram apenas os dois sozinhos de

manhã cedo. O presidente sempre estava lá, sorrindo. Alguns dias eles empurravam um ao

outro, correndo na pista ou nas bicicletas ergométricas, e outros dias eles levaram mais fácil,

movendo-se devagar e trocando histórias de seu passado. Ethan conhecia uma incômoda

quantidade de histórias verdadeiramente dignas de chantagem sobre o Congresso desde os dias

do presidente...Jack.

Sua mente traidora nunca desistiu do pedido do presidente de chamá-lo pelo nome. Tinha se

tornado uma luta para se referir a ele por seu título, mesmo em sua própria mente. Ele estava

em guerra consigo mesmo, tentando evitar as aberturas da amizade desse homem, lutando e

odiando aquela contenção com cada respiração.

"Eu não posso esperar. Existem trilhas? Acha que podemos sair para correr? ”

Ethan inalou profundamente, ignorando o olhar de lado de Daniels. O não dito pedido do

presidente foi "acho que podemos sair para uma corrida juntos?"

"Mandaremos uma equipe para verificar as trilhas", Ethan disse. "Ver se elas estão em boas

condições. Seguro."

O presidente Jack acenou com a cabeça e recostou-se. Ele estava fazendo isso mais e mais

recentemente também. Em vez de empurrar, ele se fechava ficava em silêncio e desviava o

olhar. Na viagem, ele passou a maior parte do tempo olhando pelas janelas, observando a selva

de concreto desaparecer da vista, sendo substituído por campos e prados ondulantes e,

eventualmente, pela floresta de pinheiros que cercava Camp David. Ethan o olhou no espelho

por um momento antes de se virar.


Chegar a Camp David foi um exercício de loucura orquestrada. Os funcionários e os militares de

Camp David assumiram o comando, os comissários da marinha e os oficiais militares que se

agitavam quando o presidente saia em uma grande turnê. Eles mostraram-lhe o pavilhão

presidencial, a suíte do quarto principal com vista para a floresta intocada, e a grande sala com

uma lareira que ocupava uma parede inteira. Eles mostraram-lhe as varandas e o pátio traseiro, a

fogueira, e o deck da piscina antes de carregá-lo em uma caravana de carrinhos de golfe e levá- lo

ao redor do terreno. Havia duas capelas, quadras de tênis, um campo de golfe, pistas de

caminhada, ciclismo e trilhas de corrida, e uma reservar animal no retiro, tudo para o prazer do

presidente.

Ethan não precisava acompanhá-lo. A segurança era quase desnecessária lá, isolado como eles

estavam em uma das instalações militares mais seguras nos Estados Unidos. Foi um pseudoférias

para os agentes, já que eles não eram a única camada de proteção para o fim de semana.

Ele observou desde os degraus da varanda que o presidente - Jack - foi escoltado ao redor e

acenou um sorridente "não" quando ele convidou Ethan para o carrinho de golfe para o resto da

turnê. Os olhos de Daniels queimando em suas omoplatas o deteve, assim como sua autoconsciência.

Eles se inclinaram contra a grade da varanda quando a caravana saiu, levantando

poeira e deixando-os em silêncio.

"Vou ver as trilhas?" Daniels olhou Ethan de lado.

"Sim." Ethan hesitou. "Quer dar um passeio?" Ele não tinha passado muito tempo com Daniels

fora de seus deveres de segurança. Não havia tempo para pequenas conversas ou distrações.

Andar com Daniels seria bom. "Eu não ouvi sobre Annie Perkins em um tempo."

"Homem, esqueça essa garota." Daniels sorriu enquanto descia os degraus, balançando a cabeça e

os braços longos, aparentemente sacudindo DC do seu sistema com um grande sopro de ar

fresco. "Eu estou curtindo a vida de solteiro de novo."

Ethan deu uma risadinha enquanto seguia, e os dois saíram pela estrada antes de ir para a trilha

principal. Daniels deixou-os andar em silêncio durante a primeira meia milha, e Ethan

simplesmente gostou do esmagamento da terra úmida e da trituração das folhas de pinho secas

sob suas botas. Ambos estavam usando botas de combate para percorrer o caminho,

juntamente com suas camisas do Serviço Secreto.

O silêncio não pareceu durar, no entanto. Ethan estava esperando por isso quando Daniels falou.

"Por que você está sendo todo amigável com este presidente Ethan? Você tem sido como o

Iceman com os três últimos políticos, desde que você se tornou um agente. Você nos ensinou

toda essa coisa de distância e não interferência quando se trata de trabalho. Agora você está

cheio de conversinha com ele?” Daniels balançou a cabeça. "Eu não entendo."

"O Iceman?" Ethan parou.

“Iceman Reichenbach, foi como te chamaram quando me disseram que iria trabalhar contigo. ”

Daniels deixou o momento ir observando Ethan enquanto eles se voltavam para uma das trilhas

laterais.

Engolindo em seco, Ethan sacudiu a cabeça. "Estou tentando entender tudo, Levi." Ele colocou

um pé na frente do outro, folhas de pinheiro e ramos triturando debaixo de suas botas. “A

distância é importante. Criticamente importante. Você não pode ser objetivo se estiver

envolvido com o protegido. "

“Você está me dizendo que está "envolvido" com o presidente? ”


"Não," Ethan respondeu rapidamente. "Eu sou apenas o chefe da segurança. E, como parte do

meu trabalho, estou tentando mantê-lo seguro. "

"Isso é o que você está dizendo a si mesmo?"

Ethan suspirou novamente. "Ele é um bom sujeito. Melhor do que os últimos três. Não estou

falando de política ou coisa parecida. Quero dizer, ele é um bom homem. Uma boa pessoa."

Silêncio. Então, "Você está atraído por ele?"

"O quê?" Ethan olhou horrorizado para Daniels. “Que diabos, Levi? Que tipo de pergunta é

essa?"

"A que pergunto a qualquer agente feminino, ou qualquer agente masculino que é atraído por

homens, uma pergunta justa quando os mesmos estão passando um longo tempo com um

atraente protegido. Ele é um cara bonito Ethan. Eu sou hetero, mas eu não sou cego." Os olhos

de Daniels eram amáveis quando ele olhou para Ethan, enquanto caminhavam sob as arvores.

Os arbustos agrupando-se a margem da trilha com bagas vermelhas maduras. Acima, os sons

dos pássaros enchiam o ar, cantando entre os ramos.

"Eu sou profissional", Ethan resmungou. "Está fora de questão."

Sua mente guerreava com seu coração, chamando-o de um mentiroso e um canalha. Daniels o

chamara, tinha realmente questionado a única coisa que ele tinha tentado esconder, enterrar e

escapar. Atração física era uma coisa. Já tinha lidado com isso antes. Suas entranhas se

contorceram, seu estômago torcendo enquanto tentava engolir o caroço alojado em sua

garganta. Os olhos de Daniels ficaram sobre ele, observando.

O que sentia era apenas atração? Luxúria? Durante todo esse tempo, ele esteve se remoendo e

se censurando por querer chamar o homem de "Jack" na privacidade de sua própria mente. Tal

fato guerreava contra seus princípios, contra os grilhões de sua própria formação policial, seu

próprio e inabalável respeito pela hierarquia de poder.

Se apaixonar por um protegido já fora abordado na aula 101 durante seu treinamento como

Agente do Serviço Secreto e resumia- se em poucas palavras: “Nunca faça essa merda”.

Por que ele teria se apaixonado por presidente Jack Spires? Seria seu apelo nerd? Seu corpo

forte? Ou os olhos tempestuosos e seus traços romanos? Ele tinha a aparência de um militar,

bem arrumado, e isso sempre atraíra Ethan, mas já tinha visto homens atraentes e não tinha

comprometido seu profissionalismo. Os maiores chefes de estado dos EUA eram alguns dos

homens mais quentes do planeta, especialmente vestidos em seus uniformes, mas Ethan não

tinha estado ofegante em torno deles como ficava no ambiente em que o presidente estava,

apenas por um simples olhar voltado em sua direção.

Era, em vez disso pela personalidade do presidente que o fizera cair de amores- oh, pelo amor

de Deus, Jack - então? Seu sorriso peculiar e a maneira como ele gostava de zombar de Ethan?

Seu senso de humor irónico?

Como ele se iluminou quando ele pensou que tinha feito uma conexão humana, e como sozinho e

solitário ele tinha parecido naqueles primeiros meses depois de Ethan ter assumido a

segurança?

Não merda, ele não podia continuar nutrindo isso. Não ia se permitir. E se ele cometesse um

erro devido ao que sentia? Jack poderia acabar morto. Não porra....essa merda tinha que acabar

já.


"Eu só estou tentando ajudar," Ethan finalmente grunhiu. "Ele está tendo dificuldade em se

ajustar a segurança em tempo integral. Eu vou recuar quando ele estiver mais confortável com

sua nova rotina Eu só estava tentando ajudar. Apenas tentando...” sua voz se desvaneceu, rouca

e sufocada. "Ser um pouco amigável, eu acho."

"Tudo bem Ethan. Parece bom. Deixe-me saber se precisar de ajuda quando precisar recuar. ”

Daniels bateu uma mão nas costas de Ethan e deixou que ela persistisse enquanto caminhavam

pela trilha de volta para o alojamento.

* * * * *

Por volta da meia-noite, Ethan vagou inquieto pela casa principal em Camp David. Seus

pensamentos continuavam a pular, lembrando-se das memorias do presidente - Jack - do treino

deles naquela manhã e da noite anterior, quando ele o levara do Salão Oval para a Residência. O

presidente tinha levado sua jaqueta sobre o ombro, enganchado em um dedo, e suas mangas

estavam enroladas, mostrando seus braços. Os olhos de Ethan haviam percorrido a pele por

baixo do cotovelo.

Agora merda, ele não conseguia tirar a memória de sua mente.

Suave e macia, a curva dentro do cotovelo de um homem era um lugar que ele adorava colocar

os lábios, salpicando a pele de seu amante com beijos enquanto ele percorria seu corpo com a

língua. Um beijo na parte interna do cotovelo, uma mão no quadril do seu amante, acariciando,

e o mesmo rolaria em seus braços, contra seu corpo, envolvendo suas pernas ao redor de seus

quadris.

Se fechasse os olhos, ele podia praticamente sentir. Parando na entrada da cozinha, Ethan

encostou-se à parede. Tinha sido um longo tempo desde que transara. Isso é o que estava

acontecendo. Era por isso que sua libido tinha tomado o controle de sua mente racional. Era por

isso que ele estava agindo tão ridiculamente estúpido. Ele não tinha transado desde antes da

posse. Uma foda rápida e quente durante os dias da campanha tinha sido sua última parada de

uma noite, uma parada na campanha do meio oeste e um alívio durante a noite a partir do

estresse de ser um agente.

Ele não queria que as coisas durassem tanto tempo. Não era seu procedimento habitual. Ele

nunca quis um parceiro, nunca. Buscava sexo casual, sempre que ele queria, de apenas algumas

horas nos bares. Era isso o que acontecia quando não transava? Será que ele realmente era um

homem tão viciado em sexo que a seca o fazia ansiar desesperadamente pelo presidente? Por

Jack?

Pelo amor de Deus, Daniels chamou sua atenção hoje. Não era apenas algo que ele estava

lutando para conter por conta própria, com sonhos incômodos, ereções dolorosas e masturbação

rápida no chuveiro. Isso era algo que outros poderiam ver também. Merda fodida. Poderia o

presidente ver também o quanto o afetava?

A luz do fogo da grande sala chamou sua atenção, cintilando sobre os painéis de madeira ao

longo da parede traseira da casa e as vigas expostas acima, cruzando o teto. Ecos das chamas

dançavam pelas janelas com vista para o pátio traseiro da casa. Do lado de fora, ondulações

suaves do vento acariciavam a superfície da piscina iluminada e, além disso, as arvores de

pinheiros balançavam com a suave brisa da meia-noite.

Ele encostou-se à porta, apoiando o ombro na viga, e olhou para fora. Se ele pudesse capturar

parte daquela paz, um pouco daquela serenidade no bosque e trazê-la à sua alma, ele seria um


homem muito melhor. Ele poderia obter um controle sobre este tesão, controlar seus

pensamentos inapropriados. Camp David sempre fora um lugar de consolo para ele, uma das

melhores vantagens do trabalho, e ele precisava desesperadamente disso agora. Seus olhos

rastrearam um ramo de pinheiro, balançando na brisa. Controle-se, Reichenbach. Não seja um

idiota. Não jogue tudo fora por causa de seu pau. Você é melhor que isso.

“Ethan? ”

Sua garganta fechou, apertando forte, como se estivesse sob ataque. Nervos esvoaçaram

através de sua barriga e então serpenteou para fora de seus braços e dedos. Culpa mais pesada

que chumbo afundou em sua alma, puxando sua língua e acalmando suas palavras. Que

palhaçada era essa, quando ele estava implorando por força, sua tentação chamava seu nome?

Expirando, Ethan afastou-se de sua espreguiçadeira e entrou na sala. O presidente - Jack - Oh

pelo amor de Cristo. Jack. Posso chamá-lo de Jack na minha mente. Foda-se! - Estava sentado no

sofá, sua cabeça jogada para trás sobre a almofada olhando para Ethan indo em direção a ele a

partir de uma vista de cabeça para baixo. Um sorriso torto se estendeu pelo rosto dele, o mesmo

sorriso que derreteu a coluna de Ethan e acariciou as bordas de seus sonhos.

Algo depravado dentro de Ethan levou-o para o fundo do sofá, até que ele estava inclinado sobre

Jack, olhando para ele de cima. Inalando, ele descansou suas mãos em qualquer lado da cabeça

de Jack, segurando as almofadas do sofá com as palmas manchadas de suor e cobertas de medo.

Lá dentro, ele gritava ordens a si mesmo para virar e se afastar, para repelir esse anseio, para

combater esses desejos.

Em vez disso, Ethan sorriu para Jack. "Sr. Presidente” disse ele suavemente. Sua voz tinha caído

uma oitava, quase ronronando sobre as sílabas. O cabelo em sua nuca estava em pé, tremendo

na noite.

Os óculos de leitura de Jack estavam fora, sobre a mesa de café. Papéis espalhados

desordenaram a superfície da mesa, e Ethan pegou as palavras "China", "Taiwan" e

"backchannel" antes de desviar o olhar, de volta aos olhos de Jack. À luz do fogo, o cinza em

torno de suas têmporas era quase uma prata líquida, fios dançando através de seu cabelo curto

cortado em toda sua cabeça. Os arcos de suas maçãs do rosto pareciam brilhar, capturando as

chamas cintilantes, deixando a superfície de suas bochechas envoltas em sombras. Lábios

carnudos, e covinhas nas suas bochechas faziam seu sorriso caloroso e convidativo. Ethan não

tinha bebido nem uma única gota de álcool, mas seus joelhos estavam fracos, como se estivesse

prestes a ser puxado para baixo, e sua cabeça ficou perdida no nevoeiro de um zumbido

delirante.

Ele não poderia ter impedido o lento sorriso de espalhar em seu rosto mesmo se tivesse

tentado. Ele não tentou, entretanto, e isso era apenas outra coisa para estar chateado consigo

mesmo, mais tarde. Mais tarde, ele ficaria chateado. Agora, ele aceitaria isso. Ele beberia esse

momento e depois o esqueceria, enterrando-o e esses sentimentos inadequados no fundo de

sua alma.

"Você ainda está acordado." Jack manteve o olhar em Ethan, ainda olhando para ele, de cima

para baixo, encostado na parte de trás do sofá.

"Assim como você."

"Um dos privilégios em ser presidente. Não ha hora para dormir. ” Jack piscou para Ethan.


Rindo, Ethan deu um passo para o lado e se agachou, cruzando os braços sobre o dorso do sofá

e colocando o queixo em seus pulsos. Ele estava de repente no mesmo nível que Jack, a poucos

centímetros do calor de sua pele. O cheiro de Jack - amadeirado e viril - provocou o cérebro de

Ethan. Deus, por que ele tem que cheirar tao bem? Era apenas o lugar, Camp David que estafa

afetando sua razao? Ou Jack realmente cheirava a uma fatia do céu na terra?

"Posso te perguntar uma coisa?" Jack virou a cabeça, inclinando-se para o lado e olhando para

os olhos de Ethan. Ele colocou uma mão em volta do joelho, balançou a cabeça e esperou.

A culpa estava de volta, inundando Ethan com vergonha. Calor queimou através do interior da

sua pele. Aqui estava a realidade, ele nunca teria Jack. Sentiu humilhação e repúdio, por suas

tolas fantasias. Inalando, Ethan acenou com a cabeça uma vez, tentando preparar-se para o golpe

com certeza o presidente notara seu desejo por ele e iria demiti-lo. Seus olhos acariciaram o

rosto de Jack uma última vez, tentando se agarrar à beleza antes que o momento fosse

quebrado.

"O que você acha da China?"

Ethan piscou. Ele não respirou, simplesmente olhou para Jack. Ele piscou novamente. "Desculpeme?"

Ele finalmente grunhiu.

Jack empurrou para cima de seu ombro com um gemido, arrastando-se até a borda do sofá,

onde ele apoiou seus antebraços em seus joelhos e empurrou seu queixo para as pilhas de papel

espalhados na frente dele. "A China e o pesadelo que temos entre eles e Taiwan, cortesia de

meu antecessor. " Jack sacudiu a cabeça, beliscando a ponta de seu nariz. "Quando a China

invadiu Taiwan há dezoito meses, meu antecessor havia levado os militares dos EUA para tal

nível que não poderíamos responder para ajudar Taiwan sem nos abrirmos para outro lugar. E

com os bombardeios em toda a Europa e as constantes ameaças ao país, ninguém no Congresso

estava disposto a autorizar uma missão militar em Taiwan. A China tomou Taiwan sem nenhuma

interferência nossa." Jack deu a Ethan um encolher de ombros pesaroso. "Tanto para sermos

um parceiro forte e aliado."

"Eles invadiram por causa do ataque do estado islâmico contra a capital. A que destruiu o POB

em Taipei. ” Ethan lembrou-se da energia frenética daquele dia, e do olhar perturbado de

fracasso que assombrava os olhos do ex-presidente. Ele tinha sabido, naquele dia, que estava

acabado. Ele não podia ajudar a um aliado, não poderia responder à invasão da China - envolta

em uma missão para ajudar a atacada Taiwan - e não poderia lutar contra o dano que causou à

sua presidência. Tinha sido como assistir a uma gazela ferida que foi perseguida na savana por

quatorze tipos diferentes de predadores.

"Exatamente." Jack se inclinou para trás, cruzando os braços atrás da cabeça dele e inclinando

seu pescoço na almofada do sofá. Suas costas estavam retas, seu abdômen definido esticandose

contra a sua camisa apertada. Ethan rasgou seus olhos longe da tentação. Suas memórias o

traíram, trazendo flashes de quando Jack tinha limpado seu rosto com a borda da camisa antes,

revelando seu abdômen cheio de gominhos e a pele do seu peito levemente peluda e

bronzeada.

As unhas de Ethan se cravaram em suas palmas.

"Eu tenho revisado a inteligência sobre o ataque. O estado islâmico não conseguiu se firmar na

Ásia, apesar de seus melhores esforços. A China tem sido cruel com qualquer dica de atividade

islâmica. Sem liberdade religiosa de expressão lá. "


O que Ethan esperava quando entrou na sala não era conversar com o presidente sobre a política

externa dos Estados Unidos com a China e Taiwan. Ele lentamente se levantou, empurrando-se

para cima, e deu um passo para frente do sofá. Havia uma cadeira com a jaqueta de Jack

preguiçosamente lançada sobre ela e um espaço vazio ao lado de Jack. Ethan hesitou.

Jack gesticulou para o sofá. "Por favor sente-se. Quero ouvir sua opinião”.

Engolindo em seco Ethan sentou-se, olhando para qualquer lugar menos para Jack. “ Senhor,

não estou qualificado para falar sobre este assunto. Eu não sou um de seus membros do

gabinete, eu não sou um especialista em política externa, não tenho..."

Jack o cortou, estendendo a mão e a colocando em seu braço. "Ethan, relaxe. Eu não quero um

gênio ou um especialista em política sobre isso também. So quero conversar com alguém em

quem possa confiar, alguém com que possa simplesmente desabafar e trocar ideias. Alguém ...”

Ele sorriu, recostou-se e encolheu os ombros. O fogo pegou em seus olhos enquanto inclinava a

cabeça. "Normal", ele terminou. "Eu preciso entrar conversar normalmente ser ter o peso de ser

o presidente."

"E você acha que eu sou um americano normal?" Ethan bufou e balançou a cabeça.

"Você é muito mais normal do que qualquer um no meu gabinete. Você é sensato. Você tem

senso de realidade. Às vezes me pergunto como meus conselheiros chegam ao escritório

sozinhos”.

“Eles não chegam senhor. Todo mundo tem proteção de Serviço Secreto, incluindo um motorista

particular. "

Jack riu outra vez. "Eu sabia. Eles estão completamente fora." Ele virou os olhos meio

implorantes para Ethan. "Eu apenas continuo indo ao lingo das minhas opções. Os especialistas

têm sua opinião. Meu gabinete tem sua opinião. Eu tenho a minha própria opinião sobre o

assunto. Você tem um minuto para conversar sobre isso? Ajude-me a pensar com clareza? Vê se

perdemos alguma coisa?”

Inalando, Ethan encolheu os ombros, jogando as mãos abertas. "Apenas não me escute se eu

defender um ataque nuclear."

Jack sorriu. Ele pegou sua garrafa de cerveja da mesa, rolando entre suas palmas enquanto

falava. Ethan olhou para a cerveja, desejando desesperadamente ser a garrafa para poder sentir

mesmo que por alguns minutos as mãos de Jack.

"Eu não entendo como o estado islâmico encontrou um ponto de apoio em Taiwan, muito

menos Taipei. A polícia secreta chinesa deveria ter parado esse ataque. De alguma forma eles

não o fizeram, e a devastação foi suficiente para empurrar a China a invadir. Taipei caiu, a China

assumiu a ilha, e fomos deixados de fora no frio, sem opções. Foi um dia ruim para a América. "

Ethan assentiu, seguindo a narrativa com suas próprias lembranças da antiga administração e

com a feroz raiva do ex-presidente, atacando qualquer coisa após a queda de Taipei. A forma

como ele tinha lidado com a ira tinha sido lendária, e sua queda nos índices de aprovação

surpreendentes. "Você está... planejando invadir Taiwan?"

Jack sacudiu a cabeça. "Não. Nós ainda não temos poder militar. Não com tudo o que tem

acontecido ao redor do mundo. A Europa está constantemente alerta contra mais ataques

terroristas, e o estado islâmico vem se movendo contra todos os nossos aliados no Oriente

Médio. Além disso, eu não quero uma guerra total com a China. Eu não quero guerra em tudo.

Quero paz, e quero segurança para os inocentes envolvidos. ”


Paz através de um reforço militar e uma postura defensiva agressiva no mundo. Ethan lembrouse

da campanha. Ele acenou com a cabeça, instigando Jack.

"Desde aquele dia, eliminamos os laços diplomáticos oficiais com a China. Não temos

comunicação direta com seu governo. Nós colocamos pequenas tarifas sobre suas importações,

mas não podemos fazer muito mais, não sem afetar a economia global. Não é como tentar

sancionar o Irã, que poderíamos efetivamente isolar nas últimas décadas. Este é um jogador

econômico global. ” Jack tomou um gole de sua cerveja e colocou a garrafa no tapete, encostada

ao lado da borda do sofá. Ele se inclinou para Ethan com olhos ardentes. "Teremos uma

conferência com a China durante a Cúpula do G-7 em Turim", disse Jack lentamente. "Eles o

prepararam. Estão estendendo a mão em uma proposta. ” Fez uma pausa. "Assim. Nós os

envolvemos? Ou os mantemos no gelo? "

Expirando, os olhos de Ethan se arregalaram, aumentando enquanto Jack o encarava. Ele estava

pedindo a opinião de Ethan sobre política externa? E não apenas a política externa trivial, como:

o primeiro-ministro da Grã-Bretanha prefere golfe ou polo durante a sua visita?. Mas em relação

a decisões mundiais. Ethan não era o cara para isso. Ele não era alguém que um presidente

deveria ouvir sobre o que fazer em relação à China. "Senhor, eu realmente não sou

qualificado...."

“Por favor, Ethan. Só preciso conversar com alguém. Acho que minha mente está feita, mas

quero ter certeza. ” Jack sorriu suavemente. "E você realmente pode me chamar pelo meu

primeiro nome."

"Sr. Presidente. "Ethan lambeu os lábios e desviou o olhar. Seus pensamentos girando enquanto

olhava para o fogo. Tentou concentrar-se na China, em Taiwan, nos perigos da invasão e nas

complicações de um adversário global na economia mundial, mas tudo o que ele podia ver na

sua mente era a curva dos lábios de Jack e a covinha na bochecha quando ele sorriu para Ethan.

O cheiro dele que flutuava em seu nariz o estavam deixando-o louco, seus olhos se fecharam

quando ele inalou, ávido pelo cheiro. Merda ele estava fodido. Completamente. Suspirando, ele

se inclinou para frente, apertando as mãos enquanto as apoiava nos joelhos. “Eu disse que não

entendo nada sobre politica. Posso falar sobre coisas militares, e sobre detalhes de proteção. Isto

não é uma dessas coisas. " Ele balançou a cabeça. "O que quer que façamos, não será

exatamente o que esse país quer. O que eles querem, senhor, é pé de igualdade. Eles querem

ser uma potência co-mundial. Eles sempre quiseram. Mas não lhes daremos isso”.

"Eles não são uma potência mundial. Eles são um influenciador mundial”. A interrupção de Jack

foi suave.

Ethan assentiu com a cabeça. “Apenas suas questões de direitos humanos os deixam fora dessa

corrida. Então eles tentam forçar a barra. Como fizeram com Taiwan. Certamente, teremos que

lidar com eles como iguais agora, certo? Pelo menos em sua mente. ”

"Então, a escolha é engajar-se como iguais ou ir embora completamente?" Jack esperou pela

resposta de Ethan.

"Meio terreno pode ser perigoso. Às vezes eles estão apenas... esperando retaliação para serem

piores. ” Ethan se encolheu. "Olha, te disse que não sou bom em falar sobre... "

"Não, você está exatamente tocando no ponto chave da questão." Jack levantou sua perna,

colocando um pé abaixo de sua coxa. "Dê-se mais crédito. Você é melhor do que pensa. E você

está certo. Eu não quero engajá-


los em pé de igualdade. Eu não quero dar-lhes essa satisfação. Eles invadiram um aliado.

Tomaram Taiwan. Agora, eles querem voltar para onde estávamos antes de tudo isso? Não, não

enquanto Taiwan está sob ocupação chinesa. Eu quero mantê-los no gelo." Ele franziu a testa,

torcendo os lábios antes de falar. "Mas algo ainda não está somando para mim. Por que invadir

Taiwan e depois sair? Eles não tentaram fazer um espetáculo da invasão. Eles não pressionaram

seus militares nem nenhum de nossos aliados. Quando Putin invadiu a Ucrânia, foram anos de

exibicionismo. Com a China, é como se eles quisessem ser esquecidos. E agora isso?

Os olhos de Ethan se estreitaram. Todos os seus anos no Exército, nas Forças Especiais, estavam

enviando sinais de advertência ao seu cérebro. “ Concordo, senhor. Algo não está certo.

Poderiam estar esperando algo? Economizando energia para um show maior? Uma ameaça

maior? Isso é apenas uma distração? "

"Possivelmente. Mas não há nenhuma indicação de que eles estão fazendo qualquer movimento

como esse. Eles quase pararam de tentar incitar o Japão a entrar em conflito com aquelas

malditas ilhas. Além disso, eles reforçaram seus planos de auxilio no Iraque. Construindo novos

hospitais, juntamente com cerca de quatro novos oleodutos. Mas eles não agendaram nenhuma

nova manobra militar, nenhum exercício no Mar da China Meridional ou em qualquer lugar

perto de nossa frota. Eles estão apenas... calados. " Ele exalou. "Até agora."

"Então, você vê o que eles têm a dizer, ou você dá-lhes o gelo?"

"Eles não me deram nenhuma razão convincente para se envolver com eles. É praticamente uma

convocação.

"O Presidente dos Estados Unidos nunca é convocado por ninguém ou por qualquer nação".

Jack sorriu. "Não, o cargo certamente não é. O homem, Jack Spires? Posso ser humilde. “ Ele

esfregou o rosto, gemendo em voz baixa. "Existe alguma coisa para isso, ou é apenas a postura e

disputa por reconhecimento? Para a igualdade? ”

"Eu não sei." Os pensamentos de Ethan nadaram, caindo ao redor um do outro. "Eu jogaria

cautelosamente. Se eles não deram uma razão convincente para se envolver com eles, então

eles poderiam só quero aproveitar esta reunião como um reconhecimento, ou pior, girá-lo como

um acordo. Eles podem vazar os detalhes para a imprensa, e então vai parecer que estamos nos

encontrando em segredo. "

"Meus pensamentos exatamente. Há muitos riscos em aceitar essa proposta. "

“ E o que você perde se não aceitar? ”

Jack balançou a cabeça lentamente. "Eu não sei."

Ficaram em silêncio por um momento. O fogo estalou enquanto um tronco se movia,

reassentando-se na grade. Ethan segurou o olhar de Jack, estudando-o. Seu coração bateu mais

rápido. "O que você vai fazer, Sr. Presidente?"

"Eu não vou aceitar." Jack acenou com a cabeça uma vez. "Eu não vou." Ele se inclinou para trás,

observando Ethan, aparentemente avaliando-o. "Pensando?"

Deus, ele não deveria estar aqui. Ele não deveria está tendo essa conversa. Era todos os tipos de

errado, seis diferentes tipos de errado, e teria implicações trágicas para sua carreira. “Você é

mais decisivo do que seus antecessores, senhor. É admirável. ”


Jack deu uma risadinha. "Você sabe, eu adoraria ouvir sua visão sobre meus antecessores algum

dia. Deve ser bom. ”

"Honestamente, senhor, não realmente. Eu tento coordenar a maior parte dele. Eu não sou um

político. A parte da política que toma decisões não me interessa. ”

Jack abriu a boca, pronto para falar, quando a lâmpada na cozinha clicou. Ethan levantou-se em

um salto, de pé sobre Jack instintivamente, e pegou seu coldre. Uma mão caiu no ombro de Jack,

estabilizando-o. Como se houvesse um intruso na cozinha de Camp David. Ainda assim, o instinto

de proteção foi muito enraizado, uma vontade de agir em cada osso dentro dele.

Jack olhou para Ethan, sorrindo.

Um momento depois, Daniels saiu da cozinha, congelando na porta. "Senhor," ele disse,

dirigindo-se a Jack e de pé mais reto. Seus olhos escureceram quando ele se virou para Ethan.

“Agente Reichenbach. Precisa de ajuda? ”

Ethan tentou relaxar, mas ter Daniels pegando-o sozinho com Jack foi quase tão irritante como

se houvesse um intruso. "Não, obrigado, Daniels." Ele deixou cair as mãos, deixando-as

penduradas flácidas e inúteis na frente dele. Sentiam-se como patas de gorila, inúteis e suadas, e

ele enfiou as mãos nos bolsos de suas calças. "Eu estava apenas fazendo uma verificação final

antes de me deitar."

Ethan olhou para baixo. Jack estava olhando para ele, seus olhos tempestuosos pareciam arder

sob as chamas crepitantes do fogo. Seriam aquelas brasas em seus olhos um reflexo, ou havia

algo que queimava profundamente dentro dele? E aquele calor - isso não poderia estar vindo de

Jack, não é?

Inalando sentiu - aquele maldito perfume amadeirado que flutuava de Jack! - Ethan se afastou,

saindo do lado de Jack. Ele estava vendo e imaginando coisas que não estavam lá. Ele queria

acreditar que Jack olhou para ele com algo diferente de camaradagem, mas isso não era

realidade. Na realidade, ele estava fora de linha, projetando seus desejos de forma inadequada

em seu protegido.

"Eu vou voltar com você." Ethan cruzou a grande sala ate Daniels, deixando Jack para trás. “Boa

noite senhor presidente” falou, virando-se para a porta da cozinha.

Jack assentiu, acenando com a mão. "Boa noite Ethan. Vejo-te amanhã."

Daniels ficou em silêncio todo o caminho de volta para a casa de hóspedes do serviço secreto.

Ele agarrou o ombro de Ethan, apertando uma vez, e depois o deixou com seus pensamentos.

* * * * *

Logo após amanhecer, quebrando a tranquilidade da única manhã que Ethan e Daniels tiveram

para dormir, rompendo seu dia de descanso e relaxamento dentro dos confins de Camp David.

Um bater ecoou pela casa de hóspedes do Serviço Secreto, acordando ambos os homens. Ethan

levantou-se de repente indo para porta em sua boxers e camiseta, enquanto Daniels ignorava as

batidas e ficava no quarto, resmungando pela porta.

Resmungando, Ethan abriu a porta com um olhar furioso. Quem quer que fosse o idiota que

viera acordá-lo, teria que lidar com seu mau humor matutino.


Ele congelou quando viu Jack na porta, vestido com shorts de corrida e uma camisa de mangas

compridas dos Dallas Cowboys.

"Grande manhã para uma corrida!" Jack disse com um sorriso. "Quer sair?" Ele franziu a testa

um momento depois, percebendo o estado sonolento de Ethan. "Eu acordei você?"

Encolhendo-se, Ethan se arrastou para falar com seu cérebro sonolento-confuso. O choque o

acalmou, esvaziando sua mente. Vendo Jack tão inesperadamente, e em seu domínio, enviou

seu coração em um frenesi selvagem e sua garganta em um no apertado. "Sr. Presidente " ele

disse. "Estávamos planejando tirar a manhã de folga. A segurança e os fuzileiros navais iriam

puxar turnos hoje. " Foi considerado uma cortesia profissional para ambos os lados; a Marinha e

os Fuzileiros Navais adquiririam o prestígio de fazer a segurança pessoal do presidente, e o

Serviço Secreto tirava algum tempo fora.

"Merda. Desculpe-me, Ethan. ” Jack recuou, seus olhos cheios de constrangimento. "Eu não

sabia. Sinto muito. Eu não devia ter invadido aqui assim. " Ele se virou, voltando para a casa

principal.

Não, você não deveria ter feito tal coisa, mas é minha culpa por deixa-lo pensar que essa relação

informal que temos está bem. Suspirando, Ethan bateu sua testa contra a porta, praguejando

sob sua respiração quando observou Jack saindo. "Sr. Presidente, estarei pronto em apenas um

minuto. ”

Ele fechou a porta no "você tem certeza" de Jack e correu para seu quarto. Daniels estava

amaldiçoando por trás de sua porta, zombando de quem quer que o tivesse acordado e de Ethan

por não lhes ter dito para ir embora. Ethan ignorou seus murmúrios enquanto se despia, tirando

os shorts de corrida de sua mochila e vestindo-os. Ele tirou sua camisa de dormir e pegou seu

moletom com capuz, puxando-o sobre sua cabeça. Não tinha como fazer nada com seu cabelo

despenteado. Ele pegou o boné do Serviço Secreto e colocou-o na cabeça. Meias e tênis postos

e alguns minutos mais tarde, ele estava de volta lá fora, ao lado de Jack.

"Vamos senhor?" Ele grunhiu.

Jack estava silencioso quando eles saíram. A culpa derramava dele em ondas, em meio a olhares

cautelosos e franzidos. Ethan ficou quieto, tão diferente, em comparação com as brincadeiras e

provocações que costumavam fazer um para o outro no ginásio da Casa Branca. Ele manteve

seus olhos para frente, olhando fixamente para os ramos e o chão molhado, coberto de galhos

secos.

Ele não podia continuar com isso. Isso tinha que acabar. Qualquer que fosse o desejo e o fascínio

sexual que tinha desenvolvido por Jack, deixara-o ir muito longe. Jack não podia procurá-lo

assim. Ele simplesmente não podia. Não estava certo; não era apropriado, e teria sorte se saísse

com uma carta de recomendação e um rebaixamento de posto. E o presidente pedindo-lhe

conselhos sobre política externa? Porra, isso era perigoso ao extremo.

Ele ficara acordado quase toda a noite anterior, revirando-se enquanto a luz da lua penetrava

através da janela do seu quarto, filtrada através das árvores. A autopunição se transformou em

raiva, que se transformou em vergonha quando o relógio bateu três horas da manhã. Embora

Jack estivesse sozinho, procurando uma amizade e um elo regular, ele perverteu a situação,

transformando-a em sua própria fantasia suja torcida. Ele se aproveitara da falta de um amigo

de Jack, e tinha inserido seus próprios desejos.


Eram por isso que as regras de objetividade, distância e não-envolvimento eram tão

importantes. Ele não podia deixar que nada se interpusesse no caminho de seus deveres, e oh,

merda, ele tinha feito isso.

Tinha resolvido colocar distância entre eles. O tamanho de um Grand Canyon de distância..

Daniels poderia acompanhar os exercícios matutinos de Jack. Ele iria promover Collard a chefe

de segurança do presidente e assumir um papel mais administrativo. Ele ficaria para trás, ficaria

fora da órbita de Jack, e deixaria que isso - fosse o que fosse - morresse. Ele tinha que ser

implacável. Ele tinha que ser rápido. Mate-o inteiramente.. Retire a ameaça e volte às operações

normais. Exorcizaria Jack definitivamente da porra da sua vida. E ele voltaria para os bares,

foderia um pedaço fresco de bunda, e bateria esse desejo insano de seu sistema.

Ele tinha decidido tudo isso quando o relógio bateu quatro da manhã, e ele finalmente foi capaz

de dormir um pouco mais tarde.

Então por que ele estava correndo às oito e meia da sua manhã de folga com Jack?

A raiva agarrou-se a seus ossos, fez seus pés baterem no chão de forma mais dura do que o

normal. Ele correu mais rápido, empurrando seu corpo em um exorcismo físico. Ao lado dele,

Jack respirou fundo, mas ficou ao seu lado. Olhares preocupados de Jack volta e meia pousavam

em Ethan, rastreando suas emoções.

Jack perceberia que isso era um erro. Que não deviam ser amigos, e se não, tudo bem. Ele se

afastaria também. Ele teria que fazê-lo. Isso simplesmente não era saudável.

Ethan trabalhou arduamente para convencer a si mesmo, repetindo sua decisão dentro de sua

cabeça como uma batida eletrônica, gravando-a em seu cérebro com cada batida de seus pés

contra a terra. Quando chegaram a última curva da trilha e encaminharam-se para o último

trecho de volta para a casa, ele não conseguia pensar em outra coisa a não ser ficar o mais longe

possível de Jack.

Eles pararam, respirando com dificuldade, e se esticando na parte de trás da casa, sob o convés

da piscina e perto da área de estacionamento da casa de hóspedes. Jack estava curvado, as

mãos nos joelhos, o suor escorrendo das têmporas. Ele olhou para Ethan de onde estava, com

uma expressão de arrependimento.

Ethan se virou. Seu estômago se apertou. Engoliu em seco, mas não conseguiu afastar a massa

de culpa que se abrigava em sua garganta.

“Desculpe, Ethan” disse Jack entre respirações. "Eu não deveria ter incomodado você."

Não foi um incômodo. Ficaria feliz em sempre correr contigo, faria isso todos os dias se pudesse,

Jack. Ethan fechou os olhos contra sua mente rebelde, jogando sua decisão em seu rosto

enquanto seu desejo pelo outro homem ardia. Ele queria confortar, acalmar e tranquilizar Jack

que tudo estava bem, e levá-lo de volta para uma exploração mais privada das trilhas, e de seu

corpo. Começando no topo e trabalhando o seu caminho para baixo, lambendo suor de seu

pescoço e acariciando sua pele. Sedução, seu jogo habitual. Seduzir e varrê-lo fora de seu

sistema, seria um turbilhão de prazer sexual.

Ele apertou seus punhos até que suas unhas machucaram suas palmas. "Se você precisar de

qualquer coisa em termos de segurança, Sr. Presidente, a Marinha e os Fuzileiros Navais poderão


ajudá-lo até amanhã de manhã. Nós vamos assumir quando voltarmos para DC. " Ele acenou

com a cabeça uma vez, brevemente encontrando os olhos de Jack.

Jack assentiu com a cabeça. Ele olhou para baixo, olhando para a sujeira quando uma gota de

suor rolou até a ponta de seu nariz.

Porra, Ethan queria lamber a mesma.

“Entendido, agente Reichenbach. Tenha um bom dia." Endireitando-se Jack voltou para a casa,

seus ombros quadrados, costas retas, e cabeça erguida. Ele nunca olhou para trás.

Ethan o observou até que ele desapareceu na porta de trás da casa. Voltando, Ethan caminhou

de volta para a casa de hóspedes, encostando entre os SUV estacionados pairando ao redor da

porta.

Ele girou ao redor, batendo o punho contra o revestimento de aço reforçado no SUV do

presidente. Não amaçou, mas a dor bateu nele, balançando o seu braço enquanto a pele em

seus nódulos se partia. O sangue gotejou e deslizou até o cascalho sob seus pés.

Ele tinha que acabar com essa merda o quanto antes, exorcizar este

fascínio, está obsessão sexual. Apenas acabava com ele ter que fazêlo.

Doía, ainda mais do que deveria.


Capítulo quatro

Rumores de comunicações entre os Estados Unidos e a China estão congelados na Cúpula do

G-7 em meio a relatos de aumento da ajuda chinesa ao Iraque e à África

Rumores correram pela Cúpula do G-7, em Turim, na Itália, de que conversas entre diplomatas

americanos e chineses tinham esfriado, talvez congelando completamente. A China, embora não

seja membro da cúpula do G-7, enviou embaixadores ao evento mundial, assim como outras

nações na periferia dos países do G-7. De acordo com uma fonte anônima, a China tentou chegar

aos diplomatas americanos na cúpula, mas foi ignorada e não foi dada uma audiência. "A China

exigiu falar com diplomatas americanos de alto nível", afirmou a fonte. "A China não tem esse

tipo de poder". Quando perguntado se havia alguma reunião entre os diplomatas chineses e

americanos, a fonte se recusou a comentar. Os rumores de um congelamento sino-americano

vêm em meio ao governo chinês publicar relatórios que irão aumentar seus pacotes de ajuda ao

Iraque e à África Oriental. Os pacotes de ajuda incluem a construção de hospitais, escolas e

infraestrutura, incluindo estradas, oleodutos e portos de embarque, totalizando US $ 2 bilhões de

dólares.

* * * * *

O restaurante Al Muntaha, localizado no Burj Jumeriah, foi o primeiro hotel de luxo de seis

estrelas do mundo que tentou redefinir o destino de refeições requintadas para a elite global.

Situado no topo do hotel Burj Jumeriah, na brilhante cidade de Dubai, as ilhas de palmeiras

artificiais e o Golfo Pérsico estendiam-se sob as janelas do chão ao teto, brilhando nas cores

escuras do crepúsculo do Oriente Médio.

Em outras noites, Al Muntaha ficava cheio de sussurros suaves de guardanapos e o tinido de

talheres de prata e ouro, e os sussurros de cristal escorregando contra toalhas de linho como

risadas suaves e quatorze línguas diferentes falando sobre refeições de sete pratos. Esta noite,

apenas duas pessoas estavam sentadas no restaurante, contra as janelas com vista para o Golfo.

Nenhum dos dois notou a vista.

O Coronel Song Jian-Heng, um oficial de meio-escalão sem nenhuma pompa ou circunstância

distinta, ou um complemento extravagante ao seu título, mantinha uma vaga posição dentro da

Comissão Militar Central na China. Sua obscuridade ajudou a sua ofuscação, escondendo quão

perto uma ligação Coronel Song tinha com o poder dentro da China.

O príncipe Faisal, vice-ministro Diretoria Geral de Inteligência da Arábia Saudita, nunca

subestimou a importância do coronel Song. Este era um homem que o tinha telefonado

diretamente, fora do radar, contornando toda a sua segurança e todos os seus bloqueios


cibernéticos. Mas o que era para um dos principais espiões da China encontrar o número de

telefone celular pessoal para o sobrinho não reconhecido - mas favorito - do Príncipe Herdeiro

da Arábia Saudita?


O Coronel Song fechou uma pasta de papel, descansando na borda da mesa de jantar. Um copo

cheio de vinho estremeceu quando sua mão recuou. “Como ele morreu de novo? ”

“Durante o interrogatório” contestou Faisal. Os interrogatórios sauditas eram conhecidos pela

sua eficiência e pela sua brutalidade. Quando Hu Xeng-Chen morreu no porão de uma base

militar saudita sem marcas, molhado, machucado, ferido, sangrando e quebrado, revelou tudo

- absolutamente tudo - que já conhecera. Sobre tudo. "Estamos confiantes de que ele falou a

verdade."

Faisal tomou o Laqimat revestido de mel enquanto o Coronel Song estudava a pasta de. Faisal

era quase duas décadas mais novo do que o coronel, e lembrou-se de não saltar a perna sob as

vestes. Um sinal de nervosismo, uma mensagem que ele não queria compartilhar com o coronel.

Eles tinham o suficiente para lidar sem acrescentar sua inexperiência à mistura. Além disso, se

ele pudesse impressionar os ministros e príncipes dentro da Diretoria de Inteligência, então

talvez eles o levassem a sério, e não o descartariam como um incômodo familiar que eles tinham

que suportar.

“ E ele não sabia por que o tinha? ” Os olhos escuros do Coronel Song penetraram de repente

em Faisal, movendo-se em seu olhar mais rápido que um piscar de olhos.

Faisal engoliu em seco. “Nenhum. “ Ele lambeu os lábios, provando mel. "Ele nunca tinha ouvido

falar da conta em seu nome na HBCC Banking. Ele não conhecia os detalhes da conta. Suas razões

para viajar para o exterior nas datas em questão eram para contratos de construção e reuniões

de arbitragem. "

“Ele estava disfarçado. ” O Coronel Song não estava fazendo uma pergunta.

Faisal assentiu com a cabeça. "Alguém trabalhou arduamente para fazer parecer que o Sr. Hu

estava envolvido na lavagem de dinheiro para o estado islâmico".

“Alguém? ” As sobrancelhas do coronel Song levantaram-se. "Eu acho que você é mais esperto

do que isso."

O queixo de Faisal levantou-se. Olhou fixamente para o coronel Song, sem se mexer. O silêncio

preencheu o restaurante. No canto do olho de Faisal, ele viu um de seus guarda-costas se mudar,

os olhos lançando-se sobre o falso relaxamento do Coronel Song.

"Isso cheira aos americanos", disse finalmente Faisal. "Eles não se importam com quem eles

destroem em sua inquisição."

O Coronel Song murmurou baixo, baixinho. "Os americanos", ele concordou. Chegando mais à

frente, o Coronel Song estendeu a mão para a taça de vinho, rodopiando as profundezas de

vinho antes de tomar um gole. "Exceto, o Sr. Hu deveria ser a entrada do estado Islâmico em

Taiwan. Ele era o seu principal "patrimônio local", de acordo com as informações que

recuperamos. Como eles foram capazes de ter sucesso. "

Faisal sacudiu a cabeça, franzindo a testa. "Sr. Hu não tinha ligação com o estado islâmico. Ele

não fazia parte do ataque contra Taipe. A conta em seu nome canalizava dinheiro para estado

islâmico, mas ele não estava ciente de sua existência, ou como essa conta foi criada. " Ele se

inclinou para frente, cruzando os braços dentro de suas mangas arejadas e volumosas contra a

borda da mesa. “Ele foi criado. ”


"O que, por extensão, significa que quem criou o Sr. Hu também é responsável por permitir o

ataque do estado islâmico contra Taiwan".

Com os pensamentos voando, Faisal não percebeu seu corpo mexer, ou sua perna começar a

saltar debaixo da mesa. O vinho do copo do Coronel Song começou a tremer. "Por que os

americanos montariam uma embaixada em Taiwan como uma falsa frente para financiar o

estado islâmico para invadir Taiwan?"

O coronel Song pegou a taça de vinho, um pequeno sorriso nos lábios. Ele girou o vinho

novamente antes de tomar um gole. "Os americanos não são conhecidos por sua política externa

de pensamento avançado. Eles armam as mesmas pessoas que se voltam contra eles e matam

seus cidadãos. Eles querem jogar de polícia mundial, mas não têm a ferocidade de fazer o que é

necessário. " Ele girou o copo de vinho entre os dedos. "Já os vi empregar ataques de bandeira

falsa antes. Eu vi-os configurar outro como o bode expiatório, ou mesmo a nação cair. Isso,

porém... " Ele suspirou. "Eles estavam honestamente furiosos quando invadimos Taiwan para

restaurar a estabilidade na província e banir o estado islâmico".

Banir o estado islâmico. Faisal se forçou a não reagir. Os chineses haviam varrido Taiwan,

destruindo e exterminando todo soldado do estado islâmico na ilha. Nenhum prisioneiro. Sem

interrogatórios. Apenas eliminação.

"Por que levar todos aqueles soldados à morte?" Faisal franziu o cenho, inclinando-se para

baixo. "Se os americanos montaram a invasão do em Taiwan, o que eles esperavam que

acontecesse?"

"Aqueles soldados estavam mortos no momento em que deixaram o Oriente Médio." O Coronel

Song dispensou os soldados com um movimento de seu pulso. "Ou nós fomos feitos para

destruí-los como nós fizemos, ou os americanos teriam matado eles quando entraram em seus

porta-aviões para proteger Taipe." O Coronel deu um pequeno sorriso. "Exceto, eles não tinham

forças militares para proteger Taiwan quando a invasão aconteceu. Eles foram,

verdadeiramente, incapazes de responder. "

"Então... por que fazê-lo?" Faisal descansou sua testa em uma mão, apoiando o cotovelo na

mesa com um suspiro.

“Porque não foram os americanos que montaram o Sr. Hu. ” O Coronel Song pousou a taça de

vinho no centro da pasta.

Faisal olhou em silêncio.

"Não são os americanos que estão por trás disso. Não seu governo. Isso é distração. Alguém

cobrindo suas pegadas. "

"Bem, quem é o responsável, então?" A manga de Faisal mergulhou em um rastro de mel

derramado. Ele se afastou, endireitando-se na cadeira e forçando a perna a ficar quieta. “São os

russos? Tentando minar a América no cenário mundial? Ou Israel? Esta poderia ser uma

operação do Mossad." Sua mente girou, possibilidades girando e caindo ao redor uma da outra.

A Rússia odiava a América, sempre tinha - parecia como sempre. Eles tinham querido trazer o

Ocidente abaixo, E uma vez que tinham conseguido apreender a Ucrânia uma década antes, eles

haviam expandido seus rumores territoriais. A Arábia vendeu-lhes petróleo em troca de

garantias de que não iriam destruir o Reino com suas tramas selvagens e estratagemas.


E Israel... Bem, se havia algo estranho acontecendo no Oriente Médio, Israel sempre foi um

suspeito, aos olhos da Arábia Saudita.

O Coronel Song sorriu. Não foi um sorriso acolhedor, ou um simpático. "Isso é o que temos que

descobrir." Ele olhou para a pasta. "Silenciosamente. Isso não é algo para o cenário mundial, ou

para a mídia ocidental. Devemos ficar em silêncio nessa busca. Nós não queremos que quem

está puxando essas cordas saibam que estamos sobre eles. "

Faisal assentiu rapidamente. Seu estômago revirou. A morte de Hu deixaria perguntas quando

seus fantoches tentassem usá-lo novamente. “Farei o que puder para que o Sr. Hu continue vivo.

Pelo menos no mundo financeiro. ”

“Como nós” o coronel Song levantou-se, abotoando a jaqueta. “Vou entrar em contato. ”

Faisal também se levantou, apressadamente tentando endireitar as vestes sob seus pés. "Os

jornais estão dizendo que os americanos ignoraram seu governo no G-7."

O Coronel Song fez uma pausa. Olhando fixamente para Faisal, com as mãos nos botões do

terno, sem se mexer.

“Tem certeza de que não são eles? ”

O coronel Song terminou de abotoar o terno e pegou a taça de vinho pela última vez. Ele engoliu o

restante do vinho em um gole. "Depois do G-7, estou mais seguro do que antes."

* * * * *

Como era tradição, após a primeira viagem no exterior, Ethan levou sua equipe para jantar e

beber no Capital Grille. Scott Collard, Levi Daniels e Harry Inada estavam empilhados no SUV de

Ethan indo para o centro da cidade, conversando e recuperando o atraso, e finalmente

relaxando. Ethan sentou-se ao lado de Inada, dando-lhe um abraço de um braço quando todos

eles se encontraram fora do carro e antes de dirigir-se para a garagem do estacionamento. Inada

tinha acabado com um turno oposto a Ethan - mais tarde à noite - e ele não tinha visto muito do

homem durante meses. Mesmo quando eles estavam na Casa Branca juntos, inevitavelmente

eles estariam em diferentes setores. Inada também não ficava muito tempo depois de seu

turno. Ele tinha filhas gêmeas na primeira série, e quando ele não estava na Casa Branca ou na

segurança, Inada estava em casa com sua família.

Depois de se sentar em uma cabine no canto, Inada sacou seu telefone e exibiu fotos recentes,

distraindo Ethan com fotos do último dia das gêmeas na escola, suas férias de verão e sua viagem

para o National Mall como uma família em um dos dias de folga de Inada. Collard, pai de uma

filha adolescente, sorriu largamente ao ver as fotos de Inada. Momentos mais tarde, ele estava

horrorizando Inada com histórias de aflição adolescente e agonia paternal - esgueirando-se à

noite, gritando sobre notas, e namorados que não gostavam em tudo. Inada colocou as mãos

sobre as orelhas e se recusou a ouvir, especialmente quando Collard continuava dizendo que ele

teria uma dose dupla de gêmeas adolescentes.

Daniels, o homem das senhoras, e Ethan, o homem dos homens, riram, balançando a cabeça.

Enquanto comiam, Collard incitou Daniels a falar sobre suas namoradas. "Ei! Eu sou casado! Eu

não posso me divertir mais, mas eu gostaria de pelo menos ouvir suas historias! ", Ele disse com

uma risada quando Inada lhe lançou um olhar sujo.


Daniels falou enquanto comia seus bifes, mas depois passou a bola para Ethan com um brilho

malicioso em seus olhos. "E como vão as coisas para o outro jogador da nossa equipe? Eu não

sou o único a ter uma vida amorosa mais ativa do que vocês dois. ” Ele agitou o garfo entre Inada e

Collard.

Ethan bufou e balançou a cabeça. "Honestamente, nada a relatar." Ele balançou a cabeça

enquanto Daniels zombava. "Realmente não. Não tinha um monte de divertimento acontecendo

enquanto estava deitado com meu joelho vagabundo. Essa não é a coisa mais sexy do mundo,

você sabe”.

Collard zombou da ignorância e do sarcasmo enquanto Inada, sempre o mais sensível do grupo,

assentia com compreensão para Ethan.

"Mas você está de volta há meses. Certamente você já saiu algumas vezes? "Daniels franziu a

testa um pouco.

Foi a cerveja que fez isso, pensou mais tarde. Ele estava relaxado e tranquilo, e não o viu perigo

chegando. "Não," Ethan disse, cortando em seu bife e dando uma mordida. “ É engraçado, você

sabe. Ser o chefe da segurança consome muito tempo. Não deixa muito espaço para nada. Vou

para casa, durmo, tomo banho, cago, me barbeio e depois volto ao escritório. "

Daniels e Collard compartilharam um longo olhar. Ethan congelou, seu garfo a meio caminho de

sua boca.

"Bem, isso é por causa de todo o turno extra que você está pegando", disse Collard lentamente.

Ele tinha um sorriso provocante em seus lábios, mas um cinismo em seus olhos quando ele

olhou para Ethan.

"Você esta pegando turnos extras Ethan?" Inada, totalmente fora do que acontecia, perdeu a

indireta implícita na frase.

Ethan lentamente mastigou seu bife, cuidadosamente tentando disfarçar. Ele não dissera nada a

Collard, não como tinha dito a Daniels. Collard iria executa-lo, ler-lhe o ato de motim, e depois

bater nele. Eles tinham sido melhores amigos tempo suficiente para chamar uns aos outros em

sua merda da maneira mais difícil.

"Eu não estou puxando nada extra mais," Ethan disse, engolindo. "Houve apenas uma fase de

ajuste que o presidente estava passando. Está tudo bem agora. ”

Daniels sorriu para ele através da mesa antes de voltar para seu prato. Inada ignorou toda a

troca, esquecendo-se de tudo quando sua esposa o enviou para que ele soubesse que estavam

no caminho de casa de sua reunião das escoteiras e que ele deveria ir para casa agora para vêlas

antes de deitar.

Os olhos de Collard ficaram em Ethan, persistindo.

Daniels deu suas desculpas saindo logo após Inada. Ele tinha um encontro com uma amiga em

um bar, ele disse. Quando Ethan apertou sua mão e pediu o nome da mulher, Daniels riu e disse

que ele iria contar a Ethan amanhã, depois que ele a conhecesse. Um piscar de olhos e um tapa

nas costas mais tarde, Ethan observou Daniels passear fora do restaurante, deixando ele e

Collard sozinho.

Parecia uma armadilha. Ele não tinha perdido o longo olhar que Daniels e Collard tinha

compartilhado quando eles disseram adeus.


Collard esperou até que o garçom limpasse os pratos e lhes trouxesse outra cerveja cada. Ele

segurou o olhar de Ethan, os dois homens se encarando na mesa em silêncio, sorrisos pequenos

brincando sobre seus lábios.

Ethan olhou para baixo, finalmente, brincando com a borda da toalha de mesa. “Então Levi falou

com você. ”

Collard assentiu, lentamente. "Ele fez. Ele estava preocupado com você, especialmente depois

de Camp David. ”

"Olha, eu estou bem. Não há nada acontecendo. Ele não tem nada com o que se preocupar. ”

“Foi por isso que me colocou na posição de chefe da segurança e tomou um banco traseiro em

Turim? ” Collard inclinou a cabeça para o lado.

Ethan tomou um gole da cerveja, proletando. "Todos nós sabíamos que o Presidente Spires era

diferente do palhaço político usual que estávamos costumados a proteger", disse ele,

gesticulando com sua garrafa de cerveja. "Ele teve um período de ajuste mais difícil do que os

outros. Ele não está acostumado a ficar isolado, e ele definitivamente não estava acostumado a

ter seguranças com ele 24hrs do dia. Ele estava sozinho, nós éramos os únicos ao seu redor o

tempo todo. Foi apenas um mal-entendido. "

"Um mal-entendido?" Collard levantou as sobrancelhas. “De quem? ”

"O presidente queria um amigo." Ethan pousou sua garrafa de cerveja e se inclinou para frente,

cotovelos sobre a mesa. Ele perfurou os olhos de Collard com seu olhar afiado. "Eu o ajudei a se

instalar na nova rotina de ser o presidente. Mas ele sabe que há uma linha que nos separa.

Separando o protegido do agente. Não há amizade. Ele sabe disso agora. ”

Collard manteve seu olhar fixo, sem pestanejar.

Segurando a respiração, Ethan chamou seus anos no Exército e nas Forças Especiais, para manter

seu rosto inexpressivo. Ele tinha vendido a Collard sua história. Cabia a seu amigo comprá-la

agora.

Depois de Camp David, Ethan tinha chamado Collard e trocado com ele enquanto Ethan assumiu a

administração. Ele conduziu o posto de comando móvel durante a viagem, sentado em

monitores e correndo com as equipes de avanço, enquanto Collard, Daniels e Inada moviam-se

com Jack durante todo o G-7. Não havia exercícios matutinos. Não tinham conversas tarde da

noite. Não havia contato, de qualquer tipo, entre Ethan e Jack.

Doeu, nos primeiros dias. Ele voltou para DC em um SUV diferente de Jack. Ele se forçou a não

se dirigir para o Salão Oval ou a Residência quando eles retornaram. Havia agentes colocados na

residência para a proteção de Jack, e se ele precisava de um amigo, então ele poderia chamar

alguém que ele conhecia. Eles não estavam lá para serem amigos. Ele se forçou a ficar em

Horsepower por horas, arquivando papelada enquanto ele tirava seus sentimentos fora de seu

sistema, como ele tinha enterrado sua dor, sua necessidade e seu desejo.

Se ele tivesse assistido Jack nos monitores, com os olhos fixos no rosto do homem, não precisava

admitir isso a ninguém. Especialmente não ele mesmo.

Partiram para Turim na manhã seguinte e foi um turbilhão, como sempre foi, de movimentos

calculados e cenários de segurança coreografados, movendo o presidente de um lugar para o

outro e mantendo um constante controle sobre ele durante o evento. O tempo casual foi o pior.


Jack poderia estar relaxando no salão com os líderes da Europa, e o serviço secreto estaria

operando ombro a ombro com todos os outros agentes de proteção dos líderes mundiais.

Não havia tempo para pensar, muito menos para sentir, e Ethan tinha operado vinte horas por

dia com oito xícaras de café, mantendo os agentes e os seguranças perfeitamente coordenados,

em sincronia e em serviço. Quando todos embarcaram na Força Aérea Um para voltar, Ethan

tinha se deitado em um beliche embaixo na sala dos agentes e dormiu durante todo o voo.

Dois dias atrás em DC, e ele ainda não tinha visto Jack. Ele estava chamando isso de um sucesso.

Um sucesso doloroso, mas algo que tinha que acontecer. Tempo diferente, lugar diferente,

pessoas diferentes, e talvez ele pudesse flertar um pouco mais. Empurrar os limites um pouco.

Ou talvez não. Ele nunca foi um para a perseguição direta. Isso era apenas uma dor de cabeça, e

não necessário. Havia muitos homens gays por perto. Homens que sabiam que gostavam de

outros homens, onde não precisasse constantemente procurar sinais, ou tentar adivinhar o

significado por trás de gestos, olhares ou frases.

Não, isso foi para o melhor. Ele era um profissional, e ele não ia deixar que algo assim interferisse

em seus deveres. Havia um milhão de peixes no mar. E não era como se ele estivesse procurando

algo em particular de qualquer maneira. Ele não era para qualquer coisa de longo prazo. Se ele

tivesse que colocar um número nele ele, o comprimento de seus relacionamentos poderia ser

medido em horas - o tempo que levou para transar na cama, vestir-se e deslizar para fora. Não

havia nenhum ponto para passar a noite depois de uma transa quente se ele não estava

interessado em qualquer coisa que veio depois.

Desejar depois de Jack por um caso de uma noite estava fora de questão. Assim, ele esmagou

sua libido, matou seu desejo pelo homem. Era uma fantasia, nada mais. De onde veio, ele nunca

saberia. Mas o que foi feito foi feito. Ele tinha lavado as mãos do negócio.

Agora, convencera Collard, de que não havia nada com que se preocupar. “O presidente

perguntou por mim? ”

Collard arregalou os olhos. Merda, essa não era a maneira de convencer Collard de que ele não

tinha uma atração por Jack ou se o mesmo conhecia seus limites. Ethan se mexeu em seu

assento. "Eu só quero saber se ele entendeu o limite, ou se precisa de mais reforço?" Deus, ele

poderia ser tão fodidamente estúpido às vezes.

"Ele nunca mencionou você uma vez." Collard o observava atentamente de perto.

Porra, isso doeu. Por alguma razão, não importa o quanto Ethan se convencesse de que estava

acabado, completamente, ficar longe de Jack não era fácil, ele se encontrava vagando de volta

para suas memórias, ou ficando picado por um comentário improvisado. Talvez essa amizade

realmente significasse algo para você. Quantos amigos de verdade ele tinha, afinal?

“Ótimo” disse Ethan, forçando a sua voz. Ele sorriu, encolhendo de volta em seu assento,

tentando parecer indiferente. "Isso é ótimo. Veja, as coisas estão bem ".

"Você vai assumir o cargo de chefe novamente?"

A garrafa de cerveja de Ethan hesitou a meio caminho de seus lábios, por apenas um momento.

"Vamos ver," ele deu de ombros. "Eu vou esperar. Ver como as coisas vão agora que estamos de

volta à nossa rotina. "

Collard ainda o observava.


“Olha, sério.. Não há nada acontecendo, nada está errado. O presidente está fazendo o que tem

que fazer. Você está fazendo um grande trabalho como chefe de segurança. Eu estou tomando

o tempo para me familiarizar com todas as partes do setor administrativo. Está tudo bem, Scott.

Eu juro."

Collard sorriu lentamente. Ele estendeu a mão com sua cerveja, segurando o pescoço em um

ângulo para um brinde. Ethan bateu a garrafa contra a de Collard e bebendo o resto.

"Você realmente deveria transar novamente," Collard disse enquanto pousava sua cerveja vazia.

"Você sabe, há limites para esta amizade." Ethan sorriu, balançando a cabeça.

"Não, não há. Você disse uma vez que a melhor parte sobre ser gay era o sexo constante. Se

você está tendo um período de seca, então o que diabos isso significa para nós heterossexuais?

Hã?"

"Cara, nossa vida sexual fica aqui", Ethan fez um gesto de colocar algo dentro de uma caixa

invisível. "Nesta caixa de coisas que não falamos".

“Não havia limites quando estava me contando tudo sobre o comissário de bordo que você

fodeu. ”

"Ele era flexível." Ethan piscou.

"Ou o advogado que você pegou naquele jantar de Estado há dois anos."

"Ele era bem quente."

"Ou o médico de Georgetown que você pegou no National Mall correndo. Correndo. Cara, eu

pareço um Basset Hound 8 morrendo quando eu termino uma corrida, e você pode pegar as

pessoas enquanto corre? " Collard jogou seu guardanapo em Ethan.

Ethan bateu fora.

"Por que você não pegou algum médico enquanto você estava com o joelho todo preso,

salvando o presidente dos vegans?" Foi a vez de Collard para piscar.

Encolhendo os ombros, Ethan se inclinou para trás com um suspiro. Por que esse período de

seca veio sobre ele? Até que sua libido tinha disparado sobre Jack, ele realmente não tinha

notado a mudança repentina em sua vida sexual, de toda a velocidade à frente para apenas um

remar. "Não sei porra. Talvez eu esteja ficando velho. ”

Collard, previsivelmente, bufou e gargalhou ao mesmo tempo, um tipo indigno de grito que

sacudiu a pequena barriga de Collard. "Okay, certo. Você está ficando velho, mas isso não te

afeta. Vocês gays não ligam para isso de idade quando envolve sexo. ”

"Não me odeie." Ethan piscou novamente. "Eu ficaria feliz em compartilhar os segredos gays

com você, no entanto."

Basset Hound é uma raça de cães franceses.


"Estou bem." Collard ficou de pé, junto com Ethan, e deixou cair uns dólares sobre a mesa. "Eu

gosto de irritar minha esposa e minha filha com minhas maneiras de homem das cavernas."

"Você culpa seu cão pelos peidos, não faz?"

"Não. Culpa a minha esposa mesmo. ”

Rindo, a dupla saiu, acenando para a anfitriã enquanto eles escorregavam para fora. Os verões

de DC eram quentes, mesmo depois que o sol se pôs, e Ethan manteve sua jaqueta jogada sobre

um ombro. Collard tinha o seu agarrado em uma mão, enrugando o colarinho.

"Ei, cara", disse Collard, parando ao lado do SUV de Ethan. "A sério. Você pode me ligar a

qualquer hora. Qualquer coisa que precise. " Ele agarrou a mão de Ethan, segurando seu olhar.

“Qualquer coisa, a qualquer hora. ”

Ethan puxou-o para perto, envolvendo-o em um abraço de um braço, dando uma tapa nas

costas. "Obrigado, Scott," ele disse suavemente, no pescoço de seu amigo. "Sério. Obrigado."

Collard puxou para trás, arrastando os pés e sorrindo daquela maneira incômoda que os homens

faziam quando estavam excessivamente emotivos com um de seus amigos do sexo masculino.

"Você deveria vir logo. Vamos preparar o jantar para você. Liz pode irritar o inferno fora de você

com seu drama adolescente. Podemos ficar bêbados e gritar na TV. Stacy pode virar os olhos

para nós. Vai ser ótimo. "

"Parece bom." Ethan riu, destravando seu carro. “ Quer uma carona para o metrô? ”

"Nah, eu vou andar." Collard bateu em seu ombro mais uma vez. "Tenha uma boa noite. Vejo

você no escritório. ”

Ethan acenou quando Collard foi embora, caminhando pela rua até a estação de Metro do

Arquivo Nacional. Ele pulou em seu SUV depois Collard desapareceu abaixo as escadas de Metro,

mas ele se sentou, ocioso, como ele suspirou e se recostou contra o assento.

Não, ele não ia fazer isso. Ele não se lembraria dos últimos meses, nem pensaria no sorriso de

Jack, nem em sua risada.

Movendo a engrenagem, Ethan puxou para o tráfego de DC e virou no norte na Pennsylvania

Ave em direção a 12th Street. A Casa Branca passou pela esquerda, mármore branco brilhando

sobre os gramados exuberantes, uma fonte borbulhante na frente da Residência. Ele hesitou na

12th Street e na Massachusetts Avenue. A direita no Mass Ave o levaria para a 18th Street e até

Adams Morgan, um bar gay e seu campo de caça. Ele poderia ir esta noite. Encontrar alguém

para ir para casa com - ou não ir para casa com, mas escorregar na parte de trás com - e quebrar

este período de caça.

Ou, ele poderia virar à esquerda na rua I e ir para casa em Foggy Bottom.

Uma buzina de carro soou atrás dele.

Ethan virou à esquerda na rua. O sorriso de Jack permaneceu em sua mente.

* * * * *


Na manhã seguinte, estava de pé cedo na madrugada, se preparando para a viagem a Turim.

Estava fora escuro, e tão quieto como uma cidade metropolitana importante poderia começar.

Carros buzinavam enquanto os pneus batiam contra o pavimento e os motores zumbiam, a vida

noturna da cidade arrastando-se. Demasiado cedo para correr, Ethan vestiu seu terno e foi para a

garagem do condomínio. Nunca era muito cedo para começar o dia, e neste momento, não

haveria nenhum tráfego em seu trajeto. Ethan balançou a cabeça com sua própria piada.

A Casa Branca estava quieta às quatro da manhã, mas não vazia. Atravessou o portão, acenando

para os agentes uniformizados que ficavam na portaria e estacionou na garagem. Pegando uma

xícara de café, e ele se dirigiu para Horsepower. Talvez até chegasse à frente da curva.

Assobiando enquanto caminhava, Ethan girou suas chaves em sua mão enquanto se dirigia para a

Casa Branca.

Ele parou, congelado no lugar quando viu Jack encostado no balcão de café em aço inoxidável,

as mãos apoiadas na frente dele, cabeça baixa. Seu terno estava fora, a gravata desfeita se fora,

deixada para trás em algum lugar, e suas mangas estavam enroladas até os cotovelos,

desarrumadas e desfeitas. Seus olhos estavam fechados enquanto ele respirava profundamente,

inclinando-se sobre uma xícara de café.

"Sr. Presidente? ” Ethan avançou, um olho em Jack e o outro procurando desesperadamente o

agente que deveria estar na sala com o homem. Ele não deveria estar vagando sozinho. Ele

sempre tinha um agente na sala com ele, além de espaços privados e áreas de segurança. Onde

estava o agente dele?

Jack se levantou, os olhos arregalados e surpreso, como se estivesse acordando. Ele olhou para

Ethan por um longo momento e depois franziu o cenho. “Ethan? ”

"Senhor? Você está bem? O que você está fazendo aqui? " E onde diabos está o seu agente?

Jack piscou rapidamente, estendendo a mão para esfregar a ponta do nariz. "Droga," ele

suspirou. "Tem sido uma longa noite."

Noite? “ Senhor, são quatro e meia. Você já dormiu? ”

Gemendo, Jack sacudiu a cabeça. "Isso explica tudo. Não, não dormi está noite. Estive na Sala de

Situação desde as sete da noite passada”.

Isso não era bom. Ethan não tinha ligado o rádio no carro, ouvindo em vez seu MP3. Se outro

9/11 tivesse acontecido, ele era lamentavelmente ignorante disso. "O que está acontecendo,

senhor?" Ele hesitou. “ E você está bem? ”

Jack finalmente se virou para ele, encontrando seu olhar. Um sorriso triste brincou sobre seus

lábios, cansado, mas quente. "Eu estou bem, Ethan. Obrigado por perguntar. " Ele inalou o vapor

de sua caneca de café antes de tomar um gole. “ E o que aconteceu foi... ”

“Na verdade, senhor, eu não deveria ter perguntado." Ethan tentou afastá-lo. " Isso foi um

deslize meu. Por favor. Não responda. " Agora que se lembra dos seus limites profissionais. A

frase estava zombando dele no fundo de sua mente.

Jack sacudiu a cabeça, ignorando os protestos de Ethan. "Bobagem. Você sabe que eu valorizo

sua opinião. Eu queria seu conselho sobre algumas coisas, mas não o tenho visto muito

ultimamente." Disse tomando outro gole de café, enquanto Ethan amaldiçoou-se pelo orgulho

que aqueceu sua espinha nas palavras de Jack, bem ao lado do seu intestino, encolhendo-se.

"Nós


colocamos alguns LCSs 9 no Mediterrâneo, na Liberdade e no Coronado, como parte de um

acordo com a OTAN para verificar os meios de transportes (caminhões) e navios de carga. Tentar

conter a onda de pirataria, tráfico de pessoas e contrabando de armas atravessando aquele

lugar, especialmente no Oriente Médio. Bem, um dos nossos navios parou um transportador de

carga com contêineres supostamente com destino as zonas de reinstalações de refugiados na

Alemanha, Áustria e França "

Ethan ocupou-se com o preenchimento de sua própria xícara de café. Jack não se moveu, e Ethan

acabou lado a lado com ele, encostando-se ao balcão de aço. "Deixe-me adivinhar", grunhiu

Ethan. "Não era alimentos e cobertores? ”

"Fuzis, RPGs, granadas e outras armas de alta tecnologia. E o estado islâmico acaba de emitir

outra ameaça, incitando ataques imediatos contra o Ocidente. A polícia francesa prendeu um

refugiado que tinha dinamite caseira amarrada ao peito”.

"Merda."

Jack assentiu com a cabeça. “Outra notícia ruim para os refugiados. ” Ele suspirou. "O estado

islâmico também diz que eles têm mais seis reféns, mas eles não vão liberar os nomes ou as

nacionalidades." Jack apertou os olhos para Ethan, esfregando o rosto em uma careta. "Paris e

Berlim estão se cagando. A Europa como um todo está enlouquecendo, perguntando como

muitas caixas de armas desapareceram e nós não percebemos. As equipes de contraterrorismo

da França e da Alemanha estão batendo nas portas e questionando todos na sua lista de

observação. O MI6 está voando para o continente agora para compartilhar qualquer informação

que eles têm. "

Ethan assobiou, longo e baixo. "Qualquer ameaça credível ou questionável? Alguma coisa

específica? ”.

Jack sacudiu a cabeça. "Não de acordo com a CIA, NSA e DOD. É um grande ponto de

interrogação agora, e é isso que assusta mais todos ".

"Eu entendo." Ethan bufou. "Tive mais do que alguns desses momentos no Exército. Os grandes

pontos de interrogação, onde você não sabe o que vai acontecer. "

"Eu ouvi você lá." Jack bufou, era muito fácil continuar conversando com ele.

"Você acha que está tudo bem, e então você está limpando uma casa durante uma busca, e de

repente, você está cara a cara com um míssil montado para explodir. Ou um BCIED. "

O sorriso de Jack se tornou frágil. "Você foi pego em um edifício que continha uma bomba?"

As bombas haviam tirado mais soldados do que Ethan podia contar. Grandes bombas colocadas

dentro de casas ou edifícios, no caminho de unidades militares dos EUA procurando em casas e

bairros. "Eu desarmei quando a encontramos. Nunca fui azarado o suficiente para ser pego em

uma explosão. Tinha bons observadores na minha equipe, bons rapazes que sabiam como

controlar os fios através das casas. "

LCS – Navio de Combate


Jack olhou para baixo, profundamente em seu café. Longas linhas se estendiam de seus olhos

cansados, alcançando suas têmporas e seus cabelos de sal e pimenta. "Leslie foi pega em um

BCIED", ele disse suavemente, quase sussurrando. “ Vaporizou sua unidade. ”

Será que nunca haveria um momento em que ele regiamente não estragasse quando falasse

com ele? Talvez este fosse o castigo dele por falar com Jack novamente. Ele deveria estar

distante, certo? Em vez disso, aqui ele estava fazendo uma bunda de si mesmo, novamente.

“Jesus ” balbuciou ele. “Desculpe, senhor. Merda, desculpa. Eu não quis dizer... ”

"Foi há muito tempo, Ethan." Jack apoiou uma mão em seu antebraço, acalmando suas palavras.

"Estou bem. Estou feliz por você e seus caras chegarem em casa. "

O braço de Ethan queimou onde Jack o tocou, mesmo através de seu terno. Seu olhar estava

colado à mão de Jack, a seus dedos, e ele mal conseguia pensar, e muito menos falar. Sua língua

estava pesada, seus pensamentos tontos, como se sua mente estivesse cheia de hélio. "Senhor,

eu realmente sinto muito ..." ele sussurrou. Ele nem sabia mais do que estava se desculpando.

"Não seja," Jack respirou. Um sorriso brincou sobre seus lábios, mostrando as covinhas de suas

bochechas. O momento se estendeu, demorando-se enquanto Ethan se perdia nos olhos de

Jack, perdido nas suas profundezas aquáticas, perdido nas emoções que de repente rasgavam

Ethan, um abismo de puro desejo que o atingiu diretamente no coração. Ethan inalou

bruscamente, apenas um pouco, e captou o sutil aroma de pinheiro de Jack. Ele quase gemeu,

quase choramingou enquanto ele fisicamente se manteve para trás de seu anseio. Foco, foco!

Que porra está errado com você? Este é o presidente, e ele está em linha reta! Ele está falando

sobre sua esposa morta, por amor de merda. Seu coração ficou mais quente, tentando derreter

os fluxos de gelo glacial dentro das veias de Ethan.

Jack se afastou, empurrando-se para fora do balcão de aço enquanto segurava sua xícara de café

de papel. "Eu senti sua falta em Turim. Acho que não a vi você em tudo lá.

"Uhh, não, senhor." Ethan se atrapalhou com seu próprio café, derramando-o sobre a palma de

sua mão. Ele amaldiçoou em voz baixa, sacudiu a queimadura, e então agarrou um punhado de

guardanapos para limpar-se. "Eu estava monitorando a viagem. No PC.

Jack assentiu com a cabeça. "Você fez um ótimo trabalho. Eu ainda estou vivo." Ele sorriu. "Agora

que estamos de volta, podemos ver mais um ao outro novamente?" A voz de Jack levantou-se,

uma pergunta em suas palavras. Ele engoliu em seco, e os olhos de Ethan fixaram a ascensão e

queda do seu pombo de adão. "Pronto para me derrotar na esteira?"

Eu não posso escapar deste homem, mesmo que tenha tentado. E Deus me ajude, mas eu não

quero tentar mais. Ethan lambeu os lábios. O cheiro de café se agarrou a ele, mas ele ainda

podia sentir a sugestão persistente de pinho e um cheiro mais profundo e quente que era tudo

Jack pendurado no ar. Seu coração batia forte, quase saindo do seu peito. Por que este homem,

por que este lugar, por que agora? Não posso, meu Deus, não posso fazer isto.

“Claro, Sr. Presidente. Que tal amanhã? Posso passar na nossa hora habitual? ”

Sorrindo, Jack assentiu. "Parece ótimo." Ele se dirigiu de volta para a Sala de Situação, mas parou

na entrada. "Você sabe," ele disse, voltando-se para Ethan. "Você realmente pode me chamar

de Jack."

Ethan assentiu com a cabeça. "Melhor não, Sr. Presidente ", disse ele, sorrindo.


Jack balançou a cabeça e continuou andando.

Suspirando, Ethan desmoronou para trás contra o balcão de café, mal colocando seu copo antes

de suas mãos voaram para se firmar contra a grade. Foda-se, foda-se! Ele estava em uma merda

tão profunda. Qual era o problema dele? Isso era mais do que apenas luxúria. Ele não era burro

o bastante para negar isso. Mas como? E porquê? Ele tinha fechado a porta sobre esse tipo de

coisa anos atrás. Ele não tinha coração para amar. Ele não era aquele homem. Então, por que

ele estava caindo de cabeça por Jack?

Uma cabeça com cabelo de cor arenosa apareceu. O jovem agente olhou para Ethan com olhos

arregalados. Engoliu em seco, hesitou e abriu a boca. Fechado novamente.

"Agente," Ethan rosnou, endireitando-se a toda a altura. Ele se elevava sobre a maioria das

pessoas. “Qual é o seu cargo e dever? ”

Os olhos do agente mais novo se arregalaram. "Eu troquei meu turno com Keifer e levei sua

noite. Eu deveria estar em pé na residência, mas então o presidente foi para a sala de situação.

Eu... ” ele hesitou novamente. “Adormeci senhor. Você... viu o presidente? ”

Ethan fechou os olhos e contou até dez, respirando profundamente. Se ele matasse o jovem

agente, ele nunca mais iria ver Jack novamente. "O presidente voltou para a Sala de Situação,

agente", ele rosnou. "Quando seu turno acabar e você ficar acordado pelo resto dele, venha me

ver em Horsepower".


Capítulo Cinco

Os russos reforçam o poderio militar nas terras europeias por causa da crise de armas dos

refugiados; militares russos em movimento contra a situação na Síria.

Na semana passada houve notícias de um navio de carga transportando contêineres cheios de

armas para as zonas de reinstalação de refugiados na Alemanha, Áustria e França, o pânico

atravessou a Europa Ocidental. Líderes da Europa Ocidental questionaram a frota de inspeção

do Mar Mediterrâneo liderada pela Otan, perguntando quantos outros contêineres de armas

haviam chegado ao continente. Outros à direita, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos,

questionaram em voz alta por que armas seriam enviadas aos refugiados e apontaram para

avaliações de inteligência recorrentes alegando que muitos dos refugiados que têm residido na

Europa durante a última década foram de fato treinados pelo estado islâmicos, esperando por

uma chance de atacar. Em resposta à crise, a Rússia emitiu uma declaração da frota de inspeção

mediterrânea liderada pela OTAN e declarou que suas terras ocupadas - Ucrânia, Moldávia,

Romênia e Estônia - teriam segurança garantida contra-ataques terroristas graças à segurança

do exército russo e do Kremlin. Além disso, a Rússia anunciou que eles estavam enviando

unidades militares para a Síria, embora se eles estivessem operando em apoio ao Governo

Provisório da Síria ou operando de forma independente era o palpite de qualquer um.

Líderes europeus da Alemanha, Áustria, França e Inglaterra se reunirão com o Presidente dos

Estados Unidos em Camp David no final desta semana em uma cúpula de emergência organizada

para resolver as contínuas preocupações de segurança na Europa e o crescente número de

ataques terroristas dentro das cidades europeias. Também estão na agenda os movimentos

militares da Rússia, tanto na Europa como no Oriente Médio. Quando questionado sobre as

atividades da Rússia, o primeiro-ministro da Inglaterra disse: "Embora seja admirável que a

Rússia quer participar no cenário mundial como uma grande economia, seus esforços seriam

mais apoiados e bem-vindos se contribuíssem para o sucesso e segurança do mundo, em vez de

invadir nações soberanas e ajudar a sustentar regimes ditadores com registros desprezíveis de

direitos humanos. Se quer saber qual o jogo final da Rússia, é se eles realmente querem ser

conhecidos como piores convencidos do mundo "

* * * * *

Na próxima vez que Ethan e Jack se dirigiam para Camp David, mais de duas mil pessoas os

acompanhavam, e não era para um fim de semana de férias. O primeiro-ministro da Inglaterra,

o presidente da França e a chanceler da Alemanha estavam todos amontoados no Marine One,

juntamente com seus agentes de segurança, o presidente, o vice-presidente, Ethan, Daniels e

Collard. Inada partira no dia anterior, levando uma caravana de agentes do Serviço Secreto até

Camp David e preparando-se para a cúpula de emergência com a marinha e os fuzileiros navais.


Ethan, Daniels e Collard sentaram-se na parte de trás do Marine One, ao lado da segurança

pessoal de outros líderes mundiais no helicóptero. Os agentes da França passaram o voo todo

lançando olhares sombrios e pesados para a linha de agentes alemã, que fingiram ignorar os

franceses enquanto lançava uma careta desdenhosa. A linha de agentes britânica espalhou o

Times em seus rostos e foram dormir. Seus roncos encheram a cabine traseira.

Na cabine da frente, Ethan podia ver Jack sentado perto do primeiro-ministro britânico, falando

rápido e gesticulando com as mãos. Eles conversavam um com o outro às vezes, discussões

acaloradas aumentando e caindo. O riso flutuava para trás, de vez em quando. Ele relaxou em

sua poltrona de couro, mas manteve os olhos na cabine dianteira enquanto Daniels e Collard

jogavam cartas.

No meio do voo, Jack olhou para cima, encontrando o olhar de Ethan através da porta

entreaberta para a cabine traseira. Ele sorriu, e passou por Ethan, lançando-o de uma maneira

que ele tanto viera para agonizar e adorar. Ele sorriu de volta, embora seu coração doesse e

suas palmas estavam suando, e ele se odiava um pouco mais cada vez que isso acontecia.

Jack voltou a discutir com o chanceler alemão, e Ethan deliberadamente olhou pela janela para

o resto do voo. Seus ouvidos escutaram a voz de Jack, e embora ele não conseguisse entender

as palavras sobre o barulho dos motores, ele ainda fechou os olhos ao redor dos sons de sua voz e

do calor de sua risada.

Quando chegaram, Inada já havia coordenado três equipes completas de agentes atribuídas aos

emissários alemães, franceses e britânicos. As primeiras horas foram uma bagunça de pessoas

em movimento no lugar - a chanceler alemã e sua equipe tomaram uma das casas de hóspedes

sul, a primeira-ministra britânica e sua equipe assumiram a casa que o serviço secreto

normalmente usava e o presidente francês e seus agentes se mudaram para a casa de hóspedes

no norte. Carros de golfe moviam-se em torno de Camp David, homens com rádios em barcos e

fuzileiros navais com M-4s em toda a propriedade.

Ethan ajudou Gottschalk a reorganizar a grande sala de jantar da casa, empurrando as mesas

para o centro da sala e arrastando os sofás para a parede mais distante. A equipe de Gottschalk

correu em seguida, soltando relatórios encadernados e pastas classificadas com "SOMENTE

OTAN" ao lado de cada assento.

Gottschalk fez um gesto para que Ethan se juntasse a ele na cozinha. Puxaram garrafas de água

da geladeira e ficaram em silêncio, olhando para a propagação preparada para o jantar dos

embaixadores naquela noite.

“Agente Reichenbach, certo? ” Perguntou Gottschalk, esfregando a testa. Seu cabelo foi cortado

curto, alto e apertado, e seus olhos castanhos eram afiados quando eles olharam para Ethan.

Tinha a mochila do exército maltratada sobre o ombro, sua versão de uma maleta.

Ethan acenou com a cabeça, pegando um biscoito da bandeja mais próxima. Ele quebrou ao

meio e ofereceu um pedaço para Gottschalk.

Gottschalk levantou uma sobrancelha. Ele não pegou o biscoito. "Você passou muito tempo com

o presidente. Há algo que eu preciso saber? Alguma preocupação de segurança? ”

Ethan empurrou ambas as metades do biscoito na boca, tomando seu tempo com sua

mastigação. Gottschalk era a mão direita do presidente, seu chefe de gabinete e alguém que

Ethan conseguira evitar, até agora. Não tinha havido uma administração ainda que o serviço


secreto e o chefe de gabinete não vieram a golpes verbais. Geralmente era em torno dos seis

primeiros meses, ou em torno da reeleição.

"Não", ele finalmente disse, engolindo o biscoito. "O presidente está totalmente seguro."

Gottschalk franziu o cenho. Ele enfiou as mãos nos bolsos das suas calças. "Então por que você

está gastando tanto tempo com o presidente?"

Ethan levaria uma merda de Collard, e ele estava começando a tomar a merda de Daniels

também. Aqueles caras eram seus amigos. Ele também pegaria toda a merda que ele pudesse

jogar contra si mesmo, todo seu próprio ódio e punição.

Mas ele seria condenado se ele estava indo para tomar uma única dose de besteira de

Gottschalk.

"Ele pediu um companheiro de treino", Ethan encolheu os ombros. "Ele precisava de um

observador." Endireitando, Ethan inclinou seus ombros, mostrando seu peito e ombros largos e

grossos. Ele parecia um linebacker. "Você pode não saber disso, mas a aptidão física é um alívio

de estresse importante para os presidentes em exercício."

Gottschalk o surpreendeu. Ele riu, a primeira vez que Ethan o vira rachar tanto quanto um

sorriso. Ele desviou o olhar, para fora das janelas da cozinha. "Bem, você é uma boa escolha para

isso."

Ethan de repente percebeu qual era a emoção no rosto de Gottschalk, uma emoção que o chefe

de gabinete estava tentando esconder. Jesus, ele está com ciúmes. Ele limpou a garganta,

escovando migalhas de biscoito de sua jaqueta, de repente se sentindo como um burro. "Tenho

certeza que se você dissesse que estava interessado, ele gostaria de trabalhar com você,

também. " Doía dizer, oferecer seu tempo sagrado com Jack para outro. Mas era a coisa certa a

fazer, por muitas razões.

Gottschalk sorriu, mas estava fraco nas bordas. “Obrigado, agente Reichenbach. Tenho certeza

que ele vê o suficiente do meu rosto como ele é. " Ele deu um tapa no ombro de Ethan.

"Obrigado por cuidar dele. Estou feliz por você estar lá. Ele precisa. ”

O sorriso de Ethan era vazio quando Gottschalk se afastou. Ele estava em gelo fino, e só estava

ficando mais fino.

* * * * *

A primeira noite da cúpula de emergência foi longa. Jack, a chanceler alemã, a primeira-ministra

britânica, e presidente o francês, estavam reunidos na grande sala com os presidentes e vicepresidentes

dos chefes de estado-maior, o conselheiro de segurança nacional, o diretor da CIA e

os chefes de estado-maior da administração de cada líder. Gottschalk sentou-se ao lado de Jack,

escrevendo notas e recostando-se para sussurrar no ouvido de seu ajudante a cada dez minutos.

Seu assessor furiosamente digitava mensagens no seu laptop, e em algum lugar na mesa,

alguém mais verificaria seu tablet.

Ethan observou através das janelas de vidro no deck da piscina, sentando-se com Inada

enquanto Daniels e Collard faziam uma pausa no interior. Os seus agentes tinham sido

transferidos para a casa principal, e os quatro estavam compartilhando dois quartos do outro


lado do corredor da suíte do presidente e apenas dos quartos do vice-presidente. Os fuzileiros

navais estavam postos em cada entrada e saída da casa, e dentro nos corredores protegidos.

Quando a reunião da primeira noite rastejou após a meia-noite, Daniels e Collard trocaram com

Ethan e Inada, assumindo a vigia para o resto da noite. Ethan escorregou para dentro, seus olhos

traçando a parte de trás da cabeça de Jack, e seguiu pelo corredor em direção ao quarto que

dividia com Inada. Seus olhos se detiveram na porta fechada de Jack. Visões jogando em sua

cabeça, que fizeram seu sangue correr quente e seu pau se contorcer em suas calças. Ele o

queria; Maldição, ele o queria. Fechando os olhos, Ethan se virou, entrando em seu quarto.

* * * * *

A cúpula não foi retomada até o almoço do dia seguinte. Ethan correu sozinho de manhã,

correndo pelas trilhas secas de Camp David. Ele avistou os agentes alemães e franceses correndo

juntos em uma parte nas trilhas, cada um deles discutindo com o outro em sua língua nativa.

Ethan virou na direção oposta, balançando a cabeça.

Ele passou o dia trabalhando no deck do pátio, observando a reunião através das janelas. Todos

foram mais casuais no segundo dia, vestidos de polo e caqui, enquanto a chanceler alemã e a

primeira-ministra britânica usavam saias e casacos até o joelho. Jack estava de jeans e uma

camiseta de futebol dos Cowboys. Ethan teve a sensação de que seria retirada até o final da

tarde.

Ele ouviu trechos da conversa enquanto os assistentes entravam e saíam da casa. A Rússia estava

na cola de todos, assim como o estado islâmico. O general Bradford, presidente dos chefes do

estado-maior, fez uma apresentação ao grupo sobre o apoio que os militares dos Estados Unidos

poderiam oferecer aos seus aliados. Ethan espionou locais identificados na Europa por tropas

norte-americanas, ao lado de seus parceiros europeus, e um aumento da área no solo em

Ramstein, Landstuhl, Brunssum e Aviano. Foi proposta uma nova frota naval no Mediterrâneo.

Ethan viu zonas de queda em potencial para paraquedistas na Síria, e até mesmo no oeste do

Iraque, na província de Anbar. Talvez agora o mundo estivesse endireitando a Síria. Finalmente.

A cúpula terminou antes do jantar, com cada um dos participantes vesgos, beliscando os narizes e

esfregando as têmporas. Assistentes zumbiam em torno de seus líderes, caindo em comboios de

carrinhos de golfe enquanto voltavam para suas casas de hóspedes para refrescar-se. No deck

da piscina, os comissários estavam montando uma longa mesa de banquete para os convidados.

Ethan estava desconectando seu laptop e empilhando seus arquivos quando Jack vagou fora. Ele

tinha um vinco no centro da testa. A exaustão se agarrou a ele. Como Ethan previu, sua

camiseta estava fora, solta em torno de seus quadris.

"Sr. Presidente."

"Meu cérebro dói." Jack enfiou as mãos nos bolsos. "Quer sentar-se por mim? Me faz um feitiço?

O cérebro de Ethan foi para todos os lugares errados, imaginando tudo o que poderia fazer para

Jack se apenas tivesse uma chance. Tossindo, ele se concentrou em enrolar o cabo do laptop em


um círculo apertado. "Eu lideraria o mundo para o apocalipse", ele riu. "Você definitivamente

não me quer no lugar do motorista."

“Dedo do gatilho nuclear? ”

Ele imitou um disparo no ar. "Se não fosse por aquelas partículas radioativas..." Era humor

negro, mas Jack sorriu para Ethan, e isso era tudo que importava. Ele ficou sério, reunindo seu

laptop e arquivos em seus braços. "Parece que vocês fizeram um bom trabalho lá dentro." Não

que isso fosse de sua conta.

"Sim, acho que sim." Jack abriu caminho para dentro, segurando a porta aberta para Ethan. Eram

todos os tipos de errado, e Ethan rezava para que ninguém pudesse ver. Claro, a primeira pessoa

que ele colocou os olhos quando ele entrou na casa foi Gottschalk, olhando para eles. Mas

Gottschalk apenas desviou o olhar, sufocando um pequeno sorriso.

Talvez ele estivesse errado sobre o chefe de gabinete.

Ethan deslocou-se na frente de Jack enquanto se dirigiam pelo corredor para a suíte do

presidente e os quartos do serviço secreto. Jack falou novamente quando estavam sozinhos,

passando pelo guarda da Marinha. "Temos algumas opções para nos prepararmos para todos os

cenários possíveis. Respostas escaláveis. “Estamos planejando tentar trabalhar com a Rússia

também ".

“Trabalhar com a Rússia? Não é como pedir a um urso para não te comer? "

Jack bufou. "Sim, realmente é, mas a última coisa que queremos que eles façam é fornecer apoio

material ao governo provisório Sírio enquanto estamos tentando apoiar os rebeldes contra o

governo. Teríamos uma nova guerra por procuração, desta vez no barril de pólvora nuclear do

mundo. Ninguém quer isso. “

Eles pararam no final do corredor, fora da entrada da suíte de Jack e da porta do quarto

compartilhado de Ethan. Inada estava em algum lugar no terreno, e Daniels e Collard

provavelmente ainda estavam dormindo no turno da noite. Eles estavam sozinhos, realmente

sozinhos, novamente.

Talvez fosse a proximidade do corredor ou o desleixo relaxado de Jack contra a parede com um

sorriso torto esticando os lábios, ou talvez fosse a luz da floresta dispersa brilhando através das

janelas, profunda espumante dentro do olhar de Jack.

Seja lá o que fosse, Ethan estava paralisado. Sua pele de repente parecia muito pequena, seus

ossos muito grandes. Ele estava flutuando livre, desimpedido, e ao mesmo tempo, ele estava em

queda livre, gritando em direção a algum abismo escuro desconhecido. Sua língua presa ao céu

de sua boca, espessa, pesada e congelada. Ele procurou algo, qualquer coisa para dizer.

"Grande jantar que eles estão montando lá fora." Jesus. Ethan poderia realmente se superar

algumas vezes. Como ele poderia pegar qualquer um que ele quisesse em um bar, e ainda

atrapalhar-se tão estupidamente na frente de Jack uma e outra vez?

"Sim, querem impressionar os chefes de Estado visitantes ou algo assim. Eu sugeri um bom

churrasco à moda antiga. O Chefe me mandou sair. " Jack hesitou, e Ethan viu a cautela fluindo

em seu olhar. "Você está... livre depois? Quero dizer, fora de serviço? Eu não vi você depois de

terminarmos ontem à noite. "


Ethan engoliu em seco, seu coração se alojou em sua garganta. "Eu saio à meia-noite, Sr.

Presidente," ele grunhiu. “Suas negociações correram até tarde. ”

“Tarde demais. ” Jack esfregou o rosto, exalando. "Esta noite pode terminar tarde novamente.

Em Turim, esses caras gostavam de falar e jogar conversa fora. Se você estiver por perto, você

pode organizar um resgate para mim? Talvez possamos estabelecer um sinal? ” Jack parou

quando Ethan riu.

"O quê, você vai bater os braços como uma águia, e eu me lanço para o resgate?"

"Algo assim, com certeza." Jack sorriu largo.

Ethan relaxou, a tensão se desenrolando da base de sua espinha. “Vou ver o que posso fazer, Sr.

Presidente. Eu estou com você todo o caminho, e tenho certeza que podemos arranjar um

resgate. Embora... ” Ele hesitou. "Isso não é mais o papel do seu chefe de gabinete?"

Jack sacudiu a cabeça. "Jeff riria de mim. Ele me deixa para as conversas políticas e prefere ficar

nos bastidores. Ele nem sequer conversa com a imprensa. Eu acho que ele gosta quando eu me

contorço. " Jack sorriu, mas desapareceu em um olhar suave, melancólico. "Jeff conhecia Leslie

e sua unidade. Eles serviram juntos. Eu não o conhecia, mas assim que descobri que eles se

conheciam, eu sabia que queria que ele estivesse a bordo, não importa o quê. "

Agora, Ethan sentia-se ainda pior. Seu estômago caiu, pesado de culpa. "Parece um bom

sujeito."

"Eu gosto de pessoas boas ao meu redor. ” Jack me deu uma piscadela, e ele estendeu a mão,

batendo o cotovelo de Ethan brevemente. Ethan reagiu antes de pensar, pegando a mão de Jack e

segurando-o no lugar. O calor se espalhou pelo seu toque, florescendo no corpo de Ethan. Seu

coração batia mais rápido quando seus dedos formigavam. Ele lambeu os lábios, os olhos se

lançando para o par vermelho de Jack.

A confusão começou a emaranhar-se com o riso quente nos olhos de Jack.

Do outro lado do corredor, a porta de Daniels e Collards se abriu. Daniels parou congelado na

porta, seus olhos se arregalaram quando seu queixo caiu. "Sr. Presidente, " ele disse

rapidamente, endireitando-se. Ele estava vestido em suas calças e uma t-shirt do serviço

secreto, sua toalha ainda em volta do pescoço.

Os olhos de Daniels caíram nas mãos de Jack e Ethan, entrelaçadas no cotovelo de Ethan.

"Agente Reichenbach." Ele olhou para cima, olhando para Ethan.

Jack falou primeiro, afastando-se de Ethan e enfiando as mãos nos bolsos das calças. “Vou deixar

de incomodá-lo, agente Reichenbach. Lembre-se do nosso negócio? Você precisa me salvar. É

seu dever americano. ”

"Por minha honra, senhor." Ethan sorriu quando Jack acenou para Daniels e se afastou, voltando

pelo corredor, onde um fuzileiro montava guarda.

Ethan o observou ir evitando olhar para Daniels. Finalmente, ele se virou para o amigo.

Daniels estava encostado no batente da porta, apenas olhando para ele, os lábios franzidos.

"O quê?" Ethan resmungou.

“ Espero que saiba o que está fazendo. ”


* * * * *

O jantar durou muito tempo, no estilo europeu, conversando sobre garrafas de vinho no deck

da piscina enquanto os comissários limparam a mesa. Ethan ficou para trás com Inada, Daniels e

Collard, comendo sobras na cozinha com os outros membros da segurança internacional

enquanto o jantar continuava lá fora.

Pouco antes das onze, os chefes de estado se afastaram da mesa e se espalharam pelo deck da

piscina. A chanceler alemã e a primeira-ministra britânica ambas se sentaram nas

espreguiçadeiras da piscina com taças cheias de vinho e olharam fixamente para o céu. O

presidente francês sentou-se sozinho, fumando um charuto com os pés pendurados na água. Os

agentes de segurança - o serviço secreto e os estrangeiros - haviam se mudado para fora,

espalhados pelo pátio e deck da piscina observando seus protegidos.

Gottschalk sentou-se com os Generais Madigan e Bradshaw, vice-presidente e presidente dos

chefes do estado-maior, compartilhando uma garrafa de uísque. Por uma vez, Gottschalk

parecia relaxado - a gravata desfeita, a camisa desabotoada e um sorriso cansado no rosto. Era

bom ver, e Ethan assentiu enquanto olhava para o outro lado do convés. Gottschalk levantou o

copo e convidou Ethan para se juntar a eles com um sorriso e um aceno para a mesa. Ethan

recusou, balançando a cabeça, mas parte dele queria ir até lá e tomar um assento e esquecer a

preocupação mordendo-lhe a parte de trás do cérebro.

Uma preocupação chamada Jack. Ethan o viu de pé no pátio acima do deck da piscina, olhando

para o quadro. Ethan se moveu por trás, deslizando ao lado dele silenciosamente. “Você precisa

de um resgate, senhor presidente? ”

"Graças a Deus, você está aqui." Jack cutucou Ethan com seu cotovelo. "Eu realmente não queria

ir sentar com o presidente francês por mais duas horas. Rápido, movimente-se como se você

precisasse de mim dentro, e eu vou te seguir. "

Sufocando um sorriso, Ethan deu um tapa em sua cara oficial de não foda comigo e acenou com a

cabeça para Jack, gesticulando em direção a casa. Ele escoltou-o um momento depois, fechando

a porta atrás deles, com um resmungo.

Eles não estavam sozinhos, porém, ainda não. Um fuzileiro naval montava guarda, e o cozinheiro

chefe e alguns comissários ainda andavam na cozinha. Jack segurou seu dedo em seus lábios e

acenou com a cabeça para a suíte. Ethan acenou com a cabeça e seguiu quando Jack partiu.

Ele hesitou quando Jack abriu a porta da suíte do presidente. Ele não deveria estar fazendo isso.

Ele não deveria estar fazendo nada disso.

Jack abriu a porta para ele com um sorriso, chamando-o para dentro.

Ethan o seguiu, e ele só sabia que ele tinha uma careta no rosto, aquela que Collard disse que o

fazia parecer constipado. Ótimo. Exatamente o que ele queria parecer na frente de Jack.

"Eu nunca pensei que eu diria isso, mas estou pronto para voltar para Washington." Jack dirigiuse

através da sala de estar da suíte, contornando mesas cobertas de relatórios e papéis, e dirigiu-


se para o frigobar escondido debaixo do aparador. "Ethan, posso abrir uma cerveja para você?

Eu lhe devo um agradecimento por tudo que você fez por mim. Sente-se comigo. Vamos

conversar um pouco."

Ele não conseguia respirar. O ar não enchera seus pulmões, não arrastava através de sua

garganta apertada. Seu dever, seu profissionalismo e sua carreira todos gritavam para ele,

gritando para se afastar, para dizer não. Seu coração batendo dolorosamente apertado como

estava, ansiava, querendo, por um momento, ser um homem diferente. Ser um homem que

poderia aceitar a oferta de Jack de uma bebida, mesmo que fosse apenas uma conversa

amigável. Ser um homem que pudesse aceitar a amizade de Jack abertamente e honestamente

por aquilo que era, e não tentar torcê-lo, ver coisas que não estavam lá, ler o significado nas

ações de Jack que ele desejava, mas não estavam realmente presentes. Por mais que ele

quisesse que fosse um sinal de algo mais, na realidade, não era.

Isso doía profundamente. O único homem para o qual ele tinha caído de amor, estava de todos

os tipos diferentes fora de seus limites. O primeiro fato, e mais importante, naturalmente, é que

Jack era heterossexual. E depois ele estava pisando na borda, de ser demitido. Iria perder tudo

que batalhara para conquistar se ele continuasse. Ele perderia Jack, qualquer amizade que

tivessem, seu trabalho, e sua carreira.

Ele não deveria estar aqui.

"Sr. Presidente, " Ethan começou.

“ Jack ” interrompeu ele suavemente.

"Sr. Presidente ” repetiu Ethan. "Eu não posso. Desculpe, mas eu não posso. " Ele mascarou sua

tristeza com dureza em sua voz. "Eu sou seu chefe da segurança, senhor."

Jack bufou, as mãos indo para os quadris. "Bem, quando posso tomar um drinque com você?

Não até eu sair do cargo? "

Ethan ficou em silêncio. A palavra "Nunca" não dita, pairava no ar.

Era como se um interruptor tivesse sido ligado. Um momento, Jack estava olhando-o

cuidadosamente, pedindo algo que Ethan simplesmente não podia dar. No outro, depois de

Ethan ter recusado, Jack endireitou seus ombros, e assentiu, uma vez. “ Entendido agente

Reichenbach. Peço desculpas se o coloquei em uma situação profissional desconfortável. Não

ira acontecer novamente. " Ele acenou com a cabeça para a porta. " Tenha uma boa noite."

A boca de Ethan caiu aberta, mas Jack não viu. Jack desapareceu em seu quarto, fechando a

porta atrás dele, e deixou Ethan completamente sozinho. Inclinando a cabeça para trás, Ethan

amaldiçoou sob sua respiração enquanto suas mãos apertavam em punhos.

Um passo à frente, dez mil saltos gigantescos para trás.

* * * * *

Ethan estava com uma aparência tão boa quanto um fantasma no dia seguinte. Jack não prestou

atenção extra a ele, não lhe deu qualquer olhar ou a nenhum outro agente de sua segurança.

Ele era educado, mas distante, dizendo "obrigado" sempre que Ethan lhe abria uma porta, mas

era só isso. Foram-se os sorrisos, os olhares rápidos e as piadas internas. Era como se eles nunca

tivessem sido amigos.


Era exatamente como deveria ter sido sempre.

Mas a frieza de Jack doía pra caralho, parecia que Ethan tinha raspado seu coração com um

ralador de queijo. Seus olhos se fixaram em Jack atrás de seus óculos de sol, querendo-o. Não

importava o quanto ele dissesse que era assim que as coisas deveriam ser, que era assim que

devia ser entre ele e qualquer presidente, porem, a parte calma e esperançosa de seu coração -

uma parte que ele tentara destruir, estava envolto em uma agonia silenciosa.

Ethan implorou em Marine One, colocando Daniels e Inada no comando da segurança de volta à

Casa Branca enquanto ele fechava Camp David. Inada tinha que voltar para sua família, disse a si

mesmo. Mesmo ele não acreditava em suas desculpas.

Collard parecia sentir que algo estava errado, e ele se ofereceu para ajudar com o resumo da

segurança pós-cúpula, apesar de todos os protestos de Ethan. Horas depois que Marine One se

levantou, levando Jack e o resto da cúpula de volta para DC, Ethan e Collard empilharam-se em

um SUV blindado e começaram a longa viagem de volta para Washington.

O silêncio encheu o carro durante a primeira meia hora. Collard aumentou o nervosismo de

Ethan enquanto ele se inclinava para trás, dormindo atrás de seus óculos. A mandíbula de Ethan

cerrou-se uma e outra vez, os músculos contraindo no tempo de seu pulso.

"Como você sabe quando uma mulher gosta de você?" Ethan finalmente quebrou o silêncio

opressivo.

Collard lentamente se voltou para Ethan, tirando seus óculos enquanto olhava para seu amigo.

"Cara, isso é honestamente a última coisa que esperava que saísse da sua boca."

A mandíbula de Ethan cerrou-se novamente, tensa. Ele ficou em silêncio.

"Porque disso cara?" Collard franziu a testa.

Exalando com força pelo nariz, as mãos de Ethan se agarraram ao volante, amassando o couro.

“Sério. Como você sabe quando alguém está flertando com você? Como as pessoas

heterossexuais fazem isso? "

"Há... uma mulher em que esteja interessado?" A confusão banhava a voz de Collard.

"Scott, por favor," Ethan rosnou. “Só responda a merda da pergunta? ”

"Que porra é essa, Ethan?" A voz de Collard ficou dura, cortando. "O que diabos está

acontecendo?"

"Diabos, não sei como vocês pessoas heteras namoram, ok?" Ethan explodiu. "Eu não posso dizer

quando alguém reto está tentando flertar comigo, ou se eles estão apenas sendo amigáveis, ou

seja o que for. No meu mundo, quando eu quero um cara, eu só vou até ele e digo isso. Eu acho

que ele é gostoso, ele acha que eu sou quente, e bam, nós fodemos. " Exalando, os nódulos de

Ethan ficaram brancos enquanto apertava o volante. "Eu não sei como as pessoas

heterossexuais fazem as coisas."

Silêncio, enquanto Collard olhava para Ethan. "Se eles são heteros cara, então ha noventa e

nove por cento de chance de não estarem flertando com você."

Ethan resmungou.


"Alguém em quem você está interessado?", Perguntou Collard, sua voz era cuidadosamente

neutra.

Ethan não respondeu. Ele bateu o indicador girando, empurrando o SUV para a pista rápida, e

pisando no acelerador. "Se alguém estivesse tentando passar um tempo com você, quisesse sua

opinião sobre as coisas, brincasse contigo, e depois pedisse- lhe para tomar uma bebida com ela,

isso seria considerado um flerte?"

"Se estamos falando de um cara e uma mulher, então sim, isso seria um bom palpite. Você

poderia levá-la para casa e fode-la. ” Collard hesitou. "Mas se estamos falando de você e do

maldito presidente..." Ele parou.

O pombo de adão de Ethan subiu e desceu, lentamente, enquanto ele engolia em seco.

"Jesus... porra ", sibilou Collard. Ele girou em seu assento, inclinando-se através do console

central e colocando seu dedo no rosto de Ethan. “Que merda, é essa Ethan? Você disse que isso

não era um problema. Você disse que tinha essa besteira sob controle! "

"Eu não pedi isso!" Ethan gritou de volta. "Eu não pedi para ele flertar comigo! Eu não pedi...’

Ethan fechou a boca.

“ O quê? ” Sibilou Collard. “Que porra não está me dizendo? ”

"Nada," Ethan rosnou.

“ Como não é nada?, idiota! ” Rugiu Collard. "Você está tão malditamente comprometido que está

além de fuzilamento. Isso é tudo que nunca deviamos fazer. " Ele começou a listar os pecados de

Ethan em seus dedos. Perder a objetividade. Tornar-se excessivamente familiarizado com um

protegido. Comportamento inadequado com um protegido. E mentir sobre isso, " ele terminou

com um rugido. Depois de um momento, a cabeça de Collard virou-se para trás, olhando para

Ethan. "E o que diabos você disse sobre ele estava pedindo seu conselho? Você está falando

com ele sobre negócios políticos? "

“Ele queria minha opinião... ” Ethan começou.

"Oh, Jesus, porra de Cristo," Collard gemeu de novo, caindo em seu assento. Suas mãos se

ergueram, esfregando o rosto. "Que merda você foi fazer."

Ele não tinha pensado que seria possível sentir-se pior do que ele tinha se sentindo depois que

Jack o ignorou naquela manhã, dispensando-o como se não fosse ninguém especial, mas a raiva

furiosa de Collard atingiu Ethan com força. Tinha sido seguro viver em seu mundo de fantasia,

onde só ele sabia sobre suas fantasias, e só ele sabia sobre as constantes propostas de Jack de

amizade. Ele estava "lidando com isso" com seus amigos e, atrás de suas costas, deleitando-se

com o proibido. De repente, em uma tarde ensolarada em um SUV blindado, tudo estava

desmoronando.

Sentia-se como gelo rachando, como uma geleira partida, profundamente em seu peito. Ele

inalou contra a dor, as lanças afiadas, esfaqueando e o frio gelado varrendo através dele. Deve

ser meu coração. Sua garganta se fechou, e Ethan piscou rapidamente atrás de seus óculos,

tentando para uma onda de lágrimas quentes. Deus, há quanto tempo ele não chorava? Doze

anos? Mais?


"Eu não..." Ethan começou, mas parou quando sua voz vacilou, pesada com lágrimas não

derramadas. Collard virou a cabeça, olhando para seu perfil. "Eu não pedi isso," ele terminou

com os dentes cerrados.

"Você não fez nada para impedir isso também." Collard não estava gritando mais, pelo menos,

mas sua voz ainda era dura.

"Eu não queria parar com isso," Ethan finalmente admitiu. Eu ainda não quero.

Um suspiro pesado soou, enquanto Collard se inclinava para frente em seu assento, apoiando os

cotovelos nos joelhos. O cinto de segurança estendeu-se por muito tempo, zunindo pela fivela,

o único som na cabine.

"Você sabe que o presidente é reto, certo?" Collard finalmente disse. "Quero dizer, ele estava

casado. Com uma mulher. Ele é viúvo. ”

Muitos homens gays já foram casados antes, a parte traidora de sua mente tentou protestar.

Ethan fechou isso. Ele não precisava de mais falsas esperanças. Uma esperança falsa foi o que o

levou a este lugar. "Eu sei", ele sufocou. "E isso é o que está me deixando louco. Ele não é...”

Ethan hesitou. Ele realmente iria falar sobre isso? "Ele não está me dando qualquer sinal como

eu esperaria de uma cara gay. Quero dizer, se ele só quisesse foder, já poderíamos ter feito isso

cem vezes. "

“ Jesus Cristo ” murmurou Collard, esfregando os olhos. “ Graças a Deus que ele não o fez. ”

"Que porra, Scott?" As palavras feriram Ethan.

"Oh, pelo amor de Deus!" Collard gemeu novamente, fechando os olhos. "Eu não me importo

que você seja gay, Ethan. Você sabe que eu te amo como um irmão. Mas eu estou preocupado

como o inferno sobre sua carreira, e sobre suas habilidades de tomada de decisão agora. Isso é

loucura, Ethan! Estamos falando de você enlouquecendo perguntando se o presidente está

flertando com você? Sério?"

"É o que ele está fazendo algo que os caras heterossexuais fazem?"

"Ethan..." O tom de Collard manteve um aviso enquanto ele exalava.

“ Scott, por favor. Estou ficando louco."

"Não merda!" Collard estalou. Depois de um momento, ele continuou, "Quero dizer, sim,

rapazes retos fazem tudo isso. Como é que você e eu nos tornamos amigos? Nós bebemos

juntos, fazíamos besteiras juntos, rimos juntos. Tudo isso. Você não estava confuso sobre mim,

estava? ”

"Sem ofensa, cara, mas eu nunca me perguntei sobre você." Ethan rangeu os dentes. Eu nunca

quis você também. Não como eu o quero... Ele acelerou o motor do carro para afogar seus

pensamentos.

Collard suspirou. "Eu pensei por um tempo que o que você e o presidente estavam fazendo

juntos era estranho mesmo antes de Levi vir a mim com suas preocupações. O que quer que

vocês dois estejam fazendo, qualquer tipo de amizade que você tenha feito, é estranho. E você

está fazendo um trabalho de merda de escondê-lo. "


O silêncio encheu o SUV outra vez, a não ser pelo som dos pneus contra a estrada e o zumbido

do motor.

"O que você vai fazer?" Collard finalmente perguntou.

Não era essa a verdadeira pergunta? O que ele ia fazer? O que ele queria fazer? Ele tinha se

deixado pensar no que ele queria?

Seu coração subiu e depois soluçou, e ele inalou fortemente contra a repentina dor. O que ele

queria era impossível.

Ele queria Jack.

E não só no sentido físico. Ele não só queria foder e correr. Não, não era só um caso de uma

noite com esse homem. Ele queria tudo. O sonho americano, a vida da torta de maçã. Na manhã

seguinte, vendo Jack lentamente acordar em seus braços. Seu cabelo, despenteado e em pé no

final. Seu sorriso de manhã preguiçoso, sonolento na luz do sol. Ele queria ouvir Jack falar sobre

política e sobre o mundo e como ele iria trazer ordem para um planeta caótico, desesperado e

mortal. Ele queria esfregar os ombros de Jack enquanto ele relaxava, desfazer a gravata no final

do dia e enterrar o rosto no pescoço, inalando aquele maldito perfume de pinho, aquele

perfume de pinho perfeito e paradisíaco que Jack parecia exalar.

Como isso poderia acontecer? Suas vidas, seus empregos, a sexualidade de Jack. Tudo estava

contra Ethan.

"Eu não sei o fazer", ele sufocou, lutando contra o nó em sua garganta. "Porem sei o que eu

quero", ele brincou, tentando sorrir.

"Sim, não merda. Eu sei o que você quer também. "

"Scott, por favor." Ethan balançou a cabeça, os ombros caindo. "Isso não é fácil para mim. Eu

não faço... isso. "

Finalmente, Collard pareceu olhar para ele, realmente vendo-o. Ethan sentiu os olhos de Collard

rastreando seu perfil, vagando por seu rosto, por sua veia latejante em suas têmporas, sua

mandíbula apertada, e a pesada tristeza apegando-se a ele. "O que está acontecendo, Ethan?"

Ele finalmente perguntou, quase sussurrando.

"Eu não persigo rapazes retos," Ethan exclamou. "Eu odeio essa merda. Eu não gosto de ler

sinais, e tentar descobrir o que alguém quer dizer quando dizem ou fazem alguma coisa. Eu

odeio isso. Eu odeio essa merda. Essa porra de incerteza. Eu gosto da minha vida simples. Eu

gosto de pegar caras para sexo sem ligação. Eu nunca quis um namorado. Eu nunca quis passar

por qualquer porcaria de relacionamento. Tentando encontrar alguém, tentando descobrir se

eles gostam você, e assim por diante. " Ethan sacudiu a cabeça, exalando com força. "Essa merda é

bastante difícil na cena gay. Não, obrigado. E tentando namorar com os caras retos? Esqueça. Só

me dê uma boa noite com um cara gay. Eu gosto de gays. "

"Até agora."

Seus olhos malditos arderam novamente, ameaçando os cantos dos olhos de Ethan. Ele piscou

rápido, limpou a garganta. "Até agora," ele grunhiu.


"Sabe, eu me perguntava por que você nunca namorou ninguém. Quer dizer, você é um bom

sujeito, Ethan. ” Collard cruzou os braços sobre o peito, inclinando-se para trás no assento.

"Parece que você foi e quebrou ambas as regras ao mesmo tempo."

Ethan assentiu, sem falar.

Collard apertou os olhos para ele. "Como você acha que realmente conhece o presidente, Ethan?

Quero dizer, você trabalha com ele, você gastou tempo com ele fora do registro, vocês

conversam aqui e ali. Isso é suficiente para você se apaixonar por ele? "O ceticismo coloriu suas

palavras. “O suficiente para jogar fora a sua carreira? ”

Um longo suspiro, enquanto Ethan apertava o volante, quase ferindo o couro sob seus dedos.

"Não."

"Você vai dizer ao presidente como você se sente?"

"Foda-se, não!" Ethan pisou no acelerador, empurrando o SUV mais rápido pela estrada. "Você

está louco?"

"Esta situação é apenas uma merda de emoções para você, hein?" Collard esperou, observando

o aceno de Ethan, antes que ele falasse novamente. "Assim. O que você vai fazer?"

"Acho que o presidente já fez o suficiente. Eu disse a ele que não podia ficar para uma bebida

ontem à noite em sua suíte... "

“Em sua suíte? “ A mandíbula de Collard caiu.

"Sim. Disse a ele que não podia. Eu era seu chefe de segurança. Ele se fechou, pediu desculpas

por qualquer mal-entendido profissional e depois saiu. Ele me deu um gelo toda à manhã. ”

Collard assobiou. "Você acabou de explodir sua grande chance gay lá."

"Não diga isso," Ethan estalou. "Não merda...nem brinque com isso."

"Ok, ok!" Collard ergueu as mãos, rindo. "Olha, você fez a coisa certa. Você está esgotado,

perdendo a cabeça, e chateado. Quanto mais tempo você ia fazer isso, hein? Fingir ser seu amigo

enquanto você realmente queria mais? Escondendo o que vocês estavam fazendo? Alguém iria

descobrir, e é melhor você ficar feliz por ter sido eu e Daniels quem os apanharam.

"Jeff sabia que algo estava acontecendo."

“Jeff? ”

"Gottschalk. Chefe... "

"...de gabinete. Merda, Ethan. ” Collard sacudiu a cabeça. "Olha, basta colocá-lo atrás de você. Ir

em frente. Você consegue manter seu emprego se terminar isso. Hoje."

Coloque isso atrás de você. Quantas vezes ele tinha zombado de caras nos bares, ferido e

deprimido após o fim de seu relacionamento? Ele tinha sido mal-humorado, então, seguro em

seu conhecimento que ele nunca iria ferir como se estivessem sofrendo.

Agora, ele iria ter que superar o seu próprio "homem que fugiu." Ele teria que lutar com o "o

que-se" e os "porquês." E sobre um homem reto para arrancar.

Ele precisava de uma bebida. Deus, ele precisava de dez.


"Sim," ele grunhiu. "Eu sei. É para o melhor. E você está certo. Eu realmente não conheço o cara.

Eu não deveria estar assim por cima dele. "

Collard assentiu com a cabeça. Ele estendeu a mão para o rádio, ligando-o ao canal de rádio via

satélite para o hard rock. O som passou pelo SUV, sacudindo as janelas. “Esqueça isso, cara”

gritou Collard sobre a música. "Sério."

Heavy metal levou-os o resto do caminho de volta para DC, batendo e pulsando no silêncio tenso

entre os dois homens. Ethan, perdido no deserto de seu coração dolorido e sua mente

rodopiante. Scott estava certo. Não havia final feliz aqui, nenhuma maneira de varrer o cara fora

de seus pés e passeio para o pôr do sol. Não havia futuro para essa fantasia, sem

relacionamento, sem despertar matinal com Jack em seus braços. A única coisa que poderia

esperar era salvar seu trabalho nos próximos três anos e meio - ou sete e meio, se o presidente

ganhasse a reeleição. Talvez ele pudesse pedir uma reinstalação. Trabalhar em um lugar

diferente. Haveria perguntas, e isso prejudicaria sua carreira. Houve rumores de que ele estava

sendo revisto como possível Agente Especial Adjunto responsável pelo escritório do Serviço

Secreto em DC. Se ele pedisse uma reinstalação, acabaria com qualquer possível promoção.

Era o que ele queria, certo? Uma boa carreira, promoções, realização. Ele não se importava com

relacionamentos. Por que começar agora? O que era tão especial sobre Jack?

Daniels uma mensagem quando atingiram os limites do estado, informando que tudo estava

seguro e bom para ir. Os agentes da Casa Branca já estavam rodando com o presidente, e se

Ethan e Collard quisessem, podiam tirar a tarde de folga.

Ethan derrubou Collard em sua casa nos subúrbios de Maryland. Collard apertou sua mão,

segurando por um longo momento, e olhou para ele por cima da borda de seus óculos. “Ligue se

precisar de alguma coisa ’’ disse ele. "Você vai superar isso."

Deixou trilhas de pneu na entrada de Collard quando ele se afastou, e ele cheirou a borracha

queimando por dois quilômetros.

Ele tomou 16th Street Sul para o Distrito. Ethan virou-se para Columbia Heights e entrou em

Adams Morgan.

* * * * *

Ele comeu um jantar mais cedo em uma de suas lanchonetes de hambúrguer favorita, um local

de gerencia gay, com hambúrgueres chamados "Garganta Profunda" e "O tiro do dinheiro". Ele

bebeu outra cerveja, sentou-se no pátio, assistindo o bar gay ir vivo em volta dele. Estes eram o

seu povo. Era onde ele estava em casa. Seus olhos vagavam por cima de corpos apertados e

bronzeados, jeans skinny e golas levantadas de casacos esportivos. Ele bebeu outra cerveja.

Ethan não tinha empacotado o uniforme do clube quando embalou para Camp David, mas tinha

um suéter preto de mangas compridas que se agarrava em todos os lugares certos. Ele mudou

atrás de seu carro em uma das vagas de estacionamento onipresentes de DC e trocou suas calças

por seus jeans - apertados, eles abraçaram seu traseiro e mostraram suas coxas musculosas - e

então se dirigiram para o bar. Primeiro, o seu mergulho antes do jogo.


Um grupo de caras da faculdade estavam fazendo barulho no bar, alto e espalhafatoso. Ethan

derrubou outra cerveja enquanto olhava distraidamente, mantendo um olho na porta. Nada,

mas jovens 'uns andando nesta noite. Ethan pagou a conta e saiu.

Ele terminou com uma frequência regular, um bar que queria ser um clube, mas ainda não

estava lá. A pista de dança na parte de trás estava lotado, mas pequeno, e o bar na frente sempre

estava cheio de homens assistindo a pista de dança. Um pátio do salão serviu à clientela do

negócio, com as tevês que alternam entre as notícias, esportes, e pornografia gay.

A música bateu nele, sacudindo os ossos. Na pista de dança, homens jovens, malvestidos,

giravam no tempo com homens vestidos de terno, cabelos despenteados e camisas

desabotoadas. Homens mais velhos ficaram atrás, observando e às vezes juntando-se. Ethan

deslizou em um assento no bar e pediu uma cerveja.

O barman sorriu para ele. "Não te vejo há muito tempo, sexy."

Ethan soprou o peito um pouco. Ele sorriu de volta. “Estive ocupado. Não consegui sair. ”

"Você estava perdido." O barman piscou para ele antes de seguir em frente. Ethan o observou

ir, seus olhos colados ao traseiro do cara.

Era disso que ele precisava. Sim isto. Sexo, paixão crua e a sensação de outro homem. Ele

precisava disso.

Uma hora depois, e várias bebidas, Ethan fez contato visual com um dos jovens dançarinos. Sem

camisa e loiro, o homem mais jovem tinha uma grande bunda, mamilos rosados e lábios

redondos que imploravam por profanação. Ethan sorriu para o dançarino, e o homem mais novo

seguiu seu caminho.

Ele se envolveu no colo de Ethan, suado e fedendo como sexo e pecado. Suas calças, de perto,

eram de couro escuro, tão roxas que eram quase pretas, e divididas ao longo do lado com uma

incrustação de rede.

"Oi, papai", ele ronronou, envolvendo os braços ao redor do pescoço de Ethan. "Eu sou Blaine."

Papai? Ethan franziu a testa, mas envolveu um braço em torno de Blaine e agarrou um punhado

de sua bunda. "Ei, ", ele resmungou. "Você está muito bem lá fora. Posso te oferecer uma bebida

para te refrescar? ”

"Só se você me aquecer novamente." Blaine piscou para ele e se inclinou para perto. "Eu vou

tomar um martini sujo, extra, extra sujo."

Como Ethan ordenou, as mãos de Blaine encontraram sua braguilha, e ele espalmou o pau meioduro

de Ethan através de sua calça jeans. Fechando os olhos, Ethan inclinou a testa contra o

cabelo suado de Blaine. Sim, um pouco mais difícil. Ali. Isso era exatamente o que ele precisava.

O rosto de Jack passou por sua mente e bateu em seu coração. Ele estremeceu e depois

congelou. Atrás de suas pálpebras, Jack estava rindo, sorrindo, sentado na frente do fogo e

pedindo sua opinião. Sob o suor, e o couro, Ethan de repente sentiu o pinho.

"O que há de errado, papai?" Blaine sussurrou em seu ouvido, chupando seu lobo. "Precisa de

uma pílula? Um vibrador? Eu posso ligar você. "

Jesus. Ethan se afastou, olhando para Blaine. "Por que você está me chamando de 'papai'?"


Blaine levantou as sobrancelhas enquanto sorria. "Querido, você é exatamente o que um papai

é. Quente e velho. Agora, você quer me levar para o quarto dos fundos e me dizer que menino

bom eu sou? "

Ethan piscou. Blaine olhou para ele, seus lábios cheios e molhados segurando um sorriso

arrogante. Seu traseiro caiu no colo de Ethan. Jesus. Blaine era jovem. Com cara de bebê. Talvez

21. Talvez não.

"Blaine," ele começou, nem mesmo sabendo o que iria sair de sua boca em seguida. Suas mãos

se ergueram para os quadris do jovem. "O que você acha da China?"

"Que merda?" Blaine franziu a testa, olhando para ele como se Ethan de repente tivesse três

cabeças. "China? Quem se importa com a China? Você e eu vamos foder ou o quê? "

De repente, tudo estava errado. Isso não era o que ele queria, nem um pouco. Blaine estava

errado - muito jovem, muito loiro, muito nu. Ele não tinha covinhas, não tinha pelos de sal e

pimenta. Ele não tinha um sorriso caloroso, nem uma risada amigável. Ele não dava a mínima

para o mundo, e não queria ouvir os pensamentos de Ethan sobre qualquer coisa.

Ele era apenas um cara para foder. Apenas um lugar para obter alguma paixão, alguma merda

dura, e seguir em frente.

Mas não era isso que ele queria. Não mais. A realização atingiu-o como uma marreta, quebrando a

ilusão que tinha agarrado toda a noite. Ele só precisava disso para superar Jack, só um pouco

disso.

Que mentira.

Ethan tentou engolir sua própria aversão e o aperto da bile subindo. Mudando, ele empurrou

Blaine para baixo, colocando-o de volta no chão.

Blaine olhou para ele como se ele fosse lixo da semana passada. "Obrigado pela bebida, velho",

ele respondeu. "Pegue um pouco de Viagra." Com um estalo da cabeça, Blaine desapareceu,

voltando para a pista de dança e drenando seu martini em um longo gole. Colocou o copo vazio

sobre uma mesa que passou e deslizou entre dois homens de negócios vestidos de suor,

esfregando-se contra outro moreno jovem e meio vestido.

Girando de volta para o bar, Ethan descansou sua cabeça em suas mãos e fechou seus olhos. E

agora, Romeu? De repente, ele sentiu por todos os caras que ele tinha desprezado, todos os

homens que ele assistia bateram nas grades e depois não conseguiram puxar nada, embrulhados

em lembranças, feridos e ansiosos pelo que perderam. Tinha tanta certeza de que nunca estaria

nessa posição. Tão malditamente certo.

"Desculpe, amigo." O barman deslizou um tiro de tequila através do bar para Ethan. "Da casa."

Ele se inclinou para baixo, sua cabeça direita ao lado de Ethan. "Sentindo os anos?"

"Eu sou fodidamente estúpido," Ethan resmungou. Ele agarrou o tiro e derrubou-o.

"Coração partido?" Ele esperou o aceno de Ethan. "Bem... eu saio em três horas. Posso ajudá-lo a

esquecer-se dele.

Maldição, seus olhos estavam molhando novamente. Que porra é essa? Jesus, ele era

fodidamente estúpido. Tão estúpido. "Obrigado," ele grunhiu, "mas eu acho que vou apenas ir

para casa."


O barman sorriu, desapontamento escondido por trás de seu sorriso tranquilo. "OK. O convite

está aberto, no entanto. Apenas volte, se quiser. " Ele olhou para Ethan. “E que tal eu chamarlhe

de táxi? ”

Ethan acenou com a cabeça antes de enterrar o rosto em suas mãos. Dez minutos depois, o

barman bateu no ombro dele e disse-lhe que sua carona estava lá fora. Ethan jogou um monte

de dinheiro no bar - muito mais para dar uma gorjeta, mas ele não se importou - e tropeçou lá

fora. Seu cérebro já estava doendo, e a ressaca ainda não havia entrado. Ele desabou no assento

traseiro do táxi e resmungou seu endereço em Foggy Bottom. O motorista olhou para ele por

alguns segundos antes de partir.

"Se você precisa de vômito, você se inclina para fora do carro." O taxista cravou os dedos no

rosto de Ethan na próxima luz. "Sem vomitar dentro!"

Resmungando, Ethan amaldiçoou o taxista em voz baixa. Tentou passar o cartão pelo leitor de

crédito três vezes antes de acertar. Sua visão estava embaçada, e ele não podia ver. Sacudindo a

cabeça, tentando atravessar a neblina, Ethan de repente sentiu gotas caindo em suas mãos. Ele

enxugou as bochechas. Jesus, agora ele realmente estava chorando. Tão estúpido. Ele era tão

malditamente estúpido. Ele era um embaraço.

O taxista o observou em silêncio enquanto finalmente conseguia pagar com seu cartão de

crédito e tropeçou fora do táxi. Deixou Ethan atrás cantando os pneus queimando borracha.

Em colapso, Ethan puxou seu telefone e abriu uma mensagem de texto. Seu polegar pairava

sobre o teclado. Para quem diabos ele escreveria? Collard apenas lhe diria que tinha que superar

isso. Daniels estaria ocupado, com uma garota. Inada estava com sua família, e ele não sabia

nada sobre isso de qualquer maneira. Não havia ninguém com quem ele estivesse perto o

suficiente para abrir-se, ou para enviar um texto embriagado numa noite de segunda-feira. Ele

deveria ter se sentado com Gottschalk em vez de seguir os calcanhares de Jack. Talvez nada

disso tivesse acontecido. Talvez ele pudesse ter chamado Gottschalk, conhecido o homem, feito

um amigo, em vez de ficar bêbado e estúpido e se sentindo como dez tipos diferentes de um

idiota.

O que foi feito foi feito, embora. Ele tinha empurrado Jack para longe. Fez um idiota de si mesmo

na frente de Collard. Parecia um idiota para Daniels. Ficado bêbado e emocional e estúpido em

seu bar.

E no final da noite, ele estava completamente sozinho.


Capítulo Seis

Cúpula de Emergência da OTAN: Convoca Rússia

Em um movimento histórico, a OTAN pediu uma reunião de emergência da cúpula em Praga no

próximo mês para abordar a ameaça de segurança em curso para a Europa e o mundo a partir

do estado islâmico, e a OTAN estendeu um convite para a Rússia para a cúpula. "Gostaríamos de

encontrar uma solução conjunta entre a Europa e a Rússia para os problemas comuns entre

eles", disse a primeira-ministra britânica, Whitehall. "Apreciamos a assistência e a visão da

Rússia nestes assuntos. Juntos, podemos conseguir mais. ” Críticos do convite acusam os líderes

europeus de apaziguamento, dizendo que eles estão cedendo prematuramente à agressão russa

na Europa e no Oriente Médio. O convite para a cúpula da OTAN, indicam eles, não está sujeito a

restrições. A Rússia não é obrigada a deixar de operar sozinha na Síria ou a retirar-se das

posições que ocupam na Geórgia, Ucrânia, Roménia, Moldávia ou na Estónia. Alguns

comentaristas políticos esperavam que qualquer compromisso com a Rússia viesse com um

preço, com o Ocidente exigindo que a Rússia mudasse seus caminhos beligerantes antes de

concordarem com qualquer diálogo com o agressivo Estado russo. Fontes dentro da Casa Branca

revelaram que, enquanto a OTAN está aberta a envolver-se com a Rússia para explorar soluções

conjuntas, a OTAN é, em última instância, responsável perante países membros da OTAN, dos

quais a Rússia não é. Todas as opções para lidar com a agressão da Rússia na Europa e suas

operações na Síria, incluindo a ação militar direta, permanecem na mesa, de acordo com a fonte.

* * * * *

"Você está atrasado", o General Madigan rosnou em seu telefone seguro.

“Desculpe, senhor. ” A voz do outro lado da linha era fina e atormentada. O garoto estava

estressado. Madigan já ouvira aquele tom antes, em tempos mais difíceis na caixa de areia. “Fiz

contato com Al-Karim. ”

“ Ele conhece seus próximos alvos? ”

"Sim senhor. E ele diz que outro vídeo será lançado ainda esta semana. "

Madigan resmungou. Mais reféns sendo executados. "Excelente. Precisamos atrair os russos e

os chineses para a zona-alvo. Estimule-os. Faça-os reagir. Nós fazemos isso, e vamos está feitos

até o Natal. ” Madigan sorriu. "Vai ser um grande feriado."

"Sim, senhor." Sons amortecidos romperam a linha do lado do garoto. “Tenho de ir, senhor. A

Casa Branca está me chamando. Estarei em contato. ”

"Você está indo bem. Excelente trabalho."


Uma pausa. “ Obrigado, senhor. ”

A linha foi cortada. Madigan abaixou o telefone, pressionando contra o queixo. Se o garoto

seguisse o protocolo, teria desligado aquele telefone no instante em que terminou a chamada e

retirado a bateria. Sem fonte de energia e sem um som ativo para a rede de celular, seu telefone

seria impossível de rastrear por qualquer pessoa. Nem mesmo a NSA.

Não que Madigan tivesse que se preocupar com a NSA. O diretor, John Luntz, era um partidário

entusiasta de sua missão. Ele se juntou à causa deles. Ele tinha dado um auxílio inestimável

durante os primeiros dias da missão, quando eles estavam operando em sigilo. Luntz, como

Madigan, era um patriota. Alguém que olhava para frente. Mas era muito ruim com o general

Bradshaw. Ele e outros, não entenderiam sua missão.

Haveria uma limpeza quando chegasse a hora, na Casa Branca e no governo como um todo. Não

era pessoal. Era apenas segurança nacional. Era o futuro.

Porque quando o mundo inteiro desmoronou, eles herdariam os escombros e estabeleceriam

uma nova ordem, uma nova promessa de paz e estabilidade.

Apenas mais algumas peças teriam que ser manobradas no lugar. Eles rasgariam o mundo em

pedaços, e nenhuma das manobras do presidente para a paz faria um pouco de diferença.

* * * * *

O coronel Song inclinou-se sobre a cadeira de Faisal, apoiando-se na mesa do príncipe. Ele olhou

fixamente para o monitor de computador panorâmico de pé no meio da mesa de Faisal,

mostrando os resultados dos esforços da agencia de inteligência.

"Veja aqui, este número de telefone chama essas pessoas com uma atualização. Agora, esse

número... ” Faisal digitou furiosamente, chamando uma segunda tela. "É um contato legítimo.

Quando ligamos para nossos sócios na embaixada americana em Riade e os avisamos sobre a

construção de uma base russa no sul da Síria, todos esses números foram chamados.

Funcionários da embaixada, oficiais do departamento de estado, a CIA em Langley... " Faisal

percorreu os números de telefone. "Mas, então esse número foi chamado." Ele apontou para

um número isolado, sozinho. "E este número que temos sinalizado como um que Al-Karim

recebe chamadas telefônicas."

"Al-Karim, o líder da ala militar do estado islâmico no oriente?" Os olhos do Coronel Song

perfuraram Faisal.

"Sim. Esse Al-Karim. Nós não sabemos nada da pessoa que chamou, embora. Não corresponde a

nada que tenhamos em nossos bancos de dados. Não é atribuído a nenhuma agência

governamental. Nós não temos hackeado antes. Não podemos rastreá-lo. " Mais digitação.

"Fizemos mais escavações, no entanto. Sabemos agora que este telefone misterioso chama o

vice-presidente do estado-maior. Eles chamam a Agência de Segurança Nacional. Eles chamam

Langley. " Ele listou cinco números que o telefone celular desconhecido tinha chamado. "Mas

não podemos identificar a sua identidade. O telefone é mantido fora a menos que esteja fazendo

uma chamada. Quando eles fazem uma chamada, eles estão sempre em movimento. Nós

batemos o telefone em Washington, DC, Turim e Maryland. "


"Maryland." O Coronel Song franziu o cenho. "Camp David está em Maryland. Você tem as

coordenadas do telefonema? "

"Deixe-me puxá-los para cima..." Faisal jogou uma das janelas do monitor do desktop para o

monitor de parede embutido na parte de trás de seu escritório. Foram feitas algumas pesquisas

rápidas e o arquivo de dados para as interceptações de chamadas foi aberto. "Aqui está."

O Coronel Song acenou com a cabeça. “Esse é Camp David. ”

"Você sabe disso? Como você sabe disso? " Faisal franziu a testa, olhando fixamente entre o

Coronel Song e os dados. "Camp David é o retiro secreto do presidente americano."

“É Camp David. E não é tão secreto. Está no Google. " O Coronel Song inclinou-se para trás,

equilibrando-se nas bolas de seus pés. "Assim. Alguém próximo do presidente americano está se

comunicando com Al-Karim. "

"É Al-Karim da CIA?" Faisal pensava que todos no Oriente Médio estavam de alguma forma

ligados à CIA.

"Não. Já confirmamos isso.

"Mossad?" Se não fossem CIA, eles eram, sem dúvida, agentes do Mossad. O

Coronel Song sacudiu a cabeça, olhando furiosamente para Faisal. "Não."

"Você acha que eles são os responsáveis pela criação de Hu?"

"Possivelmente. Ainda podia ser um chamariz. ” O Coronel Song tocou um dedo nos lábios.

"Você manteve Hu vivo no mundo digital?"

Faisal assentiu com a cabeça. "Ele voou de Saudia 10 para a Tailândia na semana passada. Ele

estara em Jacarta na semana que vem e depois entrará no Burj Jumeriah na semana seguinte. ”

"Bom. E sua conta de email que o tenente de Al-Karim estava enviando e-mails ainda está ativa? "

"Sim. Nós estamos assistindo. Nenhuma mensagem dos homens de Al-Karim, ou do estado

islâmico. "

O Coronel Song caminhou em frente à mesa de Faisal, com um dedo batendo ritmicamente nos

lábios. "Hu foi criado como um homem de queda. Alguém o criou com uma vida dupla, um como

um apoiador do estado islâmico. Uma transação bancária desleixada pela Arábia Saudita

chamou sua atenção. ” O Coronel Song acenou com a cabeça para Faisal, uma espécie de

reconhecimento. Faisal ergueu o queixo. “ Você descobriu essa mentira. Começou a cavar. E

você encontrou uma conexão desconhecida entre um membro da administração do presidente

americano e Al-Karim. "

"Isso é quase certo, sim." Faisal se agitou em seu assento. Ele deveria ter mais? O Coronel Song

era tão misterioso quanto um alienígena. Ele não conseguia ler o espião sem emoção. Ele

também estava calado, honestamente, aterrorizante. Um pensamento surgiu em sua mente,

preocupando ele. "Você disse que não eram os americanos." Ele franziu o cenho. "Você disse,

depois do G-7, que você tinha certeza de que não eram os americanos."

Saudia – empresa aérea


"Isto não é os americanos." O coronel Song parou, enfrentando Faisal. "O governo americano

não é assim... desleal." Ele balançou a cabeça, mais uma vez, cruzando os braços. "Isso é algo

mais profundo. Uma célula quebrada do governo americano, talvez.

Faisal engoliu em seco. Vídeo games brilharam em sua mente. "Ninjas com visão noturna?"

O Coronel Song olhou para ele. "Uma facção separatista do governo. Operando fora da política

governamental sancionada. ” Ele cantarolou em voz baixa. "Mas de quem eles tomam as suas

ordens?" Ele atravessou a sala, de volta à lista de chamadas feitas pelo homem mistério,

juntamente com as datas, exibido no monitor. "Cada uma dessas datas e locais corresponde a

uma viagem feita pelo presidente americano. Quem quer que seja esse chamador, ele está

dentro do círculo do presidente. Talvez receba as ordens do presidente. ”

Faisal estava acostumado a ver conspirações e bichos-papões americanos no Oriente Médio. Era

como ele cresceu, como sua geração havia crescido. Seria fácil acreditar que o presidente

americano estava, mais uma vez, tentando destruir o Oriente Médio. Mas, como um príncipe na

agencia de Inteligência, ele tinha que pensar maior. "Ou", ele disse lentamente, "O presidente

americano não sabe o que está acontecendo".

"Nós não saberemos até saibamos o que é que eles estão planejando." Coronel Canção acenou

uma vez para Faisal. "Eu voltarei a Pequim e farei com que meu pessoal hackeie esse número de

telefone. Vamos encontrar uma maneira de gravar essas chamadas. "

"Como? Nós mal conseguimos acompanhar o telefone. Ele está desligado e sem alimentação

quando não está em uso. "

O Coronel Song sorriu. "Nós temos os nossos caminhos." Girando nos calcanhares, o coronel

marchou para longe de Faisal, em direção à porta.

Fez uma pausa na entrada. “ Este é um excelente trabalho, Vossa Alteza ” disse ele. "Vocês, os

sauditas, aprenderam a colocar as táticas da NSA dos americanos contra si mesmos. Muito

bem."

Faisal inalou profundamente, soprando o peito. Ele aproveitou o elogio do coronel, deixando-o

rolar sobre ele. O coronel saiu, um sorriso minúsculo em seus lábios às custas de Faisal.

"O que você está fazendo, seu pequeno traidor americano", Faisal meditou, olhando para os

dados em sua tela. "O que você está planejando agora?"

* * * * *

Às sextas-feiras na Casa Branca eram geralmente calmas. Eles estavam trabalhando todos os

dias, evitando a loucura do resto da semana. Jack gostava de ficar em casa às sextas-feiras, se

possível, e em contato com seus conselheiros.

Ele também tomou seu café em seu escritório no segundo andar da residência, gastando uma

hora extra no andar de cima para recuperar as notícias. Jack tinha confiado a Ethan uma vez,

meses atrás, durante um treino matinal, que gostava de dar a sua equipe o máximo de tempo

livre de estresse quanto possível, e isso significava que ele se mantinha fora do caminho.


A manhã de sexta-feira, então, era o momento perfeito para uma emboscada.

Ethan andou de um lado para o outro no primeiro andar da residência, logo em frente à escada

principal que desembarcava no Cross Hall, coberto de mármore. Lustres brilhavam acima, e

retratos mais altos do que Ethan estavam pendurados ao longo das paredes. Rostos sombrios e

imponentes de lendas americanas passadas olhavam para Ethan, o julgamento em seus olhares

pintados.

Um andar acima, Jack sem dúvida estava sentado em seu escritório, ao lado do quarto principal,

em frente à sala de jantar da família e à cozinha no ala oeste. Ele podia ver, perfeitamente. Já o

tinha visto antes, quando inventara desculpas para caminhar com Jack da Residência para a ala

oeste, escoltando-o lado a lado e conversando, rindo mesmo, em vez de acompanhar seus

movimentos.

Ele não deveria estar aqui. Mas isso era agora o lema de sua vida. Ele não deveria estar aqui; Ele

não deveria estar fazendo isso, e ele não deveria estar sentindo o que sentia. Ele não deveria

estar nessa confusão.

Mas ele estava, e ele tinha duas escolhas. Esquecer tudo; fugir; esconder seus sentimentos;

enterrar suas emoções e matar esse inicial, terno sussurro de esperança e saudade que surgiu

dentro dele. Ou ... jogar a cautela ao vento. Se empenhar. Enfrentar um ataque frontal

completamente, e ver o que acontece. Lance os dados. Vá com o fluxo.

E se era isso o que estava faltando? Ethan nem sequer sabia que estava faltando alguma coisa

até os últimos meses, ou mesmo a semana passada. Sentado em sua varanda da frente, seus

olhos vazando lágrimas que se recusavam a parar, e passando pelo telefone como um solitário

foi um momento humilhante. Seis meses atrás, ele não tinha sido tão patético. Ele não estava

tão vazio. Ou tinha?

Algo havia acordado em seu coração. Algo no fundo dele estava desejando Jack. Por tudo o que

o homem era: sua mente rápida, sorriso de covinhas e coração quente. O homem que queria

salvar o mundo, mas odiava a pompa direcionada aos líderes mundiais. Quem enterrou sua

esposa e voltou daquele momento, querendo consertar o que estava quebrado no mundo.

Quem furtivamente fugia de sentar-se com o pretencioso presidente francês para sentar-se com

um amigo e compartilhar de uma cerveja em vez disso. Quem tinha oferecido a Ethan sua mão

em amizade.

E Ethan o empurrara para longe.

Ele só esperava que não fosse tarde demais.

O Agente Sanders fitou Ethan, observando-o andar. Ele ficou calado, porém, e desviou o olhar

quando Ethan olhou para ele.

Ethan consultou o relógio. Nove e meia. Jack deveria aparecer a qualquer momento. Ele inalou,

conteve a respiração e passou as mãos pelo cabelo enquanto exalava. Deus, e se fosse tarde

demais?

Passos soaram no mármore polido, descendo as escadas. Ethan girou ao redor, com os olhos

arregalados. Sua garganta fechada.

Jack subiu as escadas, o nariz enterrado em uma pasta de arquivos.

Ele não viu Ethan.


Agora ou nunca. Ethan agarrou sua coragem com ambas as mãos. Parte dele ainda queria correr.

Hora de atravessar o Rubicão 11 . "Sr. Presidente, " ele chamou. Ele apenas grunhiu um pouco.

Jack fez uma pausa, hesitando antes que seu pé caísse no último degrau. Olhando para cima, ele

encontrou o olhar de Ethan, mas seu rosto estava impassível, completamente em branco.

“Agente Reichenbach? Posso lhe ajudar com alguma coisa? ”

Não era a recepção brilhante que ele esperava. Ethan limpou a garganta e disse a si mesmo para

ser um homem. "Sim senhor. Eu tenho uma proposta para você. Alguma coisa, uh, que você

pediu há alguns dias. " Ele levantou uma pasta de papel. “Posso acompanhar você até o

escritório, senhor? ”

Jack olhou para ele. "Claro," ele finalmente disse e continuou caminhando.

Ethan fez sinal para Sanders ficar para trás. Ele correu para alcançar Jack antes de chegar à porta

da Colunata Oeste. Ethan agarrou a maçaneta da porta pouco antes de Jack, deslizando perto de

seu corpo quando ele abriu a porta. O pinho flutuava em seu nariz, e ele mal conteve um suave

gemido.

Deslocando ao lado de Ethan, Jack passou por ele. "Obrigado", ele murmurou, olhando para o

Jardim das Rosas.

Caminharam em silêncio por alguns metros. Obtenha-o junto! Você vai explodir!

“Então, qual é essa proposta... ” Jack começou, ao mesmo tempo em que Ethan falava. "Sr.

Presidente, eu... ”

Ambos congelaram. Jack voltou-se para Ethan, arqueando as sobrancelhas em uma pergunta. À

sua esquerda, o Jardim de Rosas estava em gloriosa floração, repleta de cor e o cheiro do verão.

"Tenho algo para você, Sr. Presidente." Ethan estendeu a pasta de papel. "Demorou um tempo

para chegar a este lugar. Mas eu acredito que isso é certo. Eu apenas peço sua consideração

neste assunto. É... delicado. " Ele apertou os lábios.

Silêncio. Jack olhou para ele, franzindo ligeiramente a testa. Ele olhou para a pasta, e, por fim,

estendeu a mão para ela.

Descendo a colunata, a porta do escritório do secretário do presidente abriu. Jeff Gottschalk

enfiou a cabeça para fora. “ Bom dia, senhor presidente. Agente Reichenbach. ”

Ethan sorriu de volta e acenou. "Bom dia, Sr. Gottschalk." Quando ele se virou, Jack já havia

aberto a pasta e estava lendo a folha dentro. Engolindo, Ethan seguiu os olhos de Jack enquanto

lia a mensagem manuscrita de Ethan:

Sr. Presidente...

Este é o meu número de telefone pessoal. Eu vou ser demitido se alguém descobrir que eu dei

isso para você. Mas me desculpe pelo que aconteceu em Camp David, e eu gostaria de ter ficado e

tomado essa cerveja com você.

Rubicon River ou Rio Rubicão localizado na península da Itália.


Jack fechou a pasta. Ele tomou seu tempo encontrando o olhar de Ethan. Quando finalmente o

fez, seus olhos normalmente quentes estavam fechados. “ Vou levar isso em consideração,

agente Reichenbach ” disse ele. "Tenha um bom dia."

Fechando os olhos, Ethan esperou até Jack se encontrar com Gottschalk e desaparecer na Ala

Oeste antes de se deixar exalar. Ele inclinou a cabeça para trás e deixou que o calor do sol de

verão brilhasse sobre sua pele e o cheiro das rosas da Casa Branca – vermelho sangue espalhadas

por todo o jardim - encherem seu nariz. Qualquer coisa para se livrar da memória de Jack.

* * * * *

Na sexta-feira à noite, o estado islâmico tomou outra cidade no norte do Iraque, dividindo ainda

mais o país e dividindo o Iraque na terra de ninguém do estado islâmico, a região Kurdish do

Norte e a capital cercada, Bagdá. Quando o estado islâmico se moveu, eles executaram todos

que estavam contra eles ou não se juntaram imediatamente às regras rígidas do estado islâmico

ou que olhavam de lado para eles. Todos os civis que haviam tentado montar uma defesa - os

militares iraquianos haviam fugido há muito tempo - foram executados, assim como a polícia, os

professores e os políticos. Vídeos horríveis inundaram a Internet, juntamente com gritos de

raiva e angústia dos refugiados espalhados pelo mundo. Eles clamaram para que parasse,

tomando as ruas em toda a Europa em uma noite de protestos furiosos. Os protestos

continuaram nas escuras horas da noite, enquanto carros e latas de lixo eram acesos em chamas e

janelas quebradas em Paris, Berlim e Budapeste.

A Casa Branca zumbiu até altas horas da manhã, tentando descobrir o que fazer em seguida. O

presidente e sua equipe de segurança nacional se enterraram na Sala de Situação, examinando

relatórios de inteligência e imagens de satélite. Eles assistiram os europeus colocarem a polícia

de choque na rua, à medida que o sol subia na Europa, a fumaça ondulava nos ventos da manhã.

Eles discutiram até tarde, estratégias e cenários para combater o estado islâmico, aqueles a

favor e contra alfinetando-se. Palavras ásperas voaram pela sala. Não havia nenhum interesse

americano urgente na região. Rússia e China estavam envolvidos na região agora. Deixe a luta

ficar isolada no Oriente Médio. A perda de vidas foi trágica, mas em última análise, não era um

problema americano. Por essa lógica, Ethan ouviu Jack estalar, não demoraria a ser um

problema americano.

“Estranhos companheiros foram feitos a partir de inimigos em comuns ” disse o general

Madigan. Ele falou sobre os diretores argumentando, propondo continuar a espera e ver

abordagem na região. “ Vamos ver o que os russos fazem “ grunhiu ele. "Eles têm mais interesse

na região do que nós fazemos agora."

Ethan saiu depois disso. Ele só tinha entrado na Sala de Situação para verificar os agentes que

estavam em seus postos e entregar cada um uma xícara de café fresco. Seus olhos se detiveram

em Jack, mas ele nunca olhou para Ethan.

Ethan ficou até tarde em Horsepower, analisando os relatórios de inteligência dos escritórios de

campo e as propostas da equipe avançada para a próxima Cúpula da OTAN em Praga. Um mês

até a cúpula. Ethan tinha boas relações com os serviços de segurança em Praga. Seria um evento


coordenado, de alto stress, mas não seria difícil. Ethan assinou os planos de viagem da equipe

de avanço.

Depois de caminhar pela Casa Branca e verificar seus agentes de plantão, ele finalmente saiu

pouco antes da meia-noite. O turno da noite foi bom, e os agentes fazendo uma pausa em

Horsepower estavam jogando basquete com uma bola de espuma contra a parede traseira. Ele

acenou e saiu enquanto o Agente Beech colocava uma cesta ao redor do Agente Caldwell, em

meio a aplausos e vaias.

Gottschalk estava no telefone fora da Sala de Situação quando Ethan saiu de Horsepower.

Gottschalk acenou, sorrindo enquanto puxava o telefone para longe da boca. "Tenha um bom

fim de semana, Ethan."

A garagem da casa branca estava tranquila. Ethan deslizou em seu SUV, mas hesitou antes de

ligar o carro. Inclinando-se para trás, ele deixou seus olhos se fecharem. Ele tinha estado

esperançoso apenas esta manhã. Talvez muito esperançoso. Seu primeiro fim de semana

completo fora de serviço surgiu diante dele. Ele estava indo dormir toda essa bagunça fora.

* * * * *

O telefone de Ethan zumbindo em sua mesa de cabeceira o acordou pouco antes das nove horas

da manhã. Estreitando os olhos, agarrou o telefone, estendeu a mão por toda a cama e puxou- o

para dentro dos travesseiros com ele. Sem camisa, Ethan rolou de costas com um gemido antes

de puxar o telefone para o rosto.

Uma nova mensagem o cumprimentou.

Isso é Ethan?

Seu coração pulou uma batida. Ele verificou o código de área. Não era DC. Ethan puxou a

Internet e procurou o número. Era um número do Texas. Austin. Ele engoliu em seco.

Este é POTUS 12 ?

POTUS - código usado para designar o local onde se encontra o presidente dos Estados Unidos.

Você realmente pode me chamar pelo meu primeiro nome. Especialmente se estamos

envolvidos em textos clandestinos agora.

Ethan exalou com força, um sorriso dividindo seu rosto em dois. Jack estava mandando

mensagens para ele. Isso tinha que significar algo.

Claro que sim, Sr. Presidente.

Você está sem esperança.

Ethan lutou por algo a dizer. Ele empurrou-se para cima, recostando-se contra sua cabeceira.

Noite longa? Vocês ainda estavam em reunião quando saí à meia-noite.


Nós terminamos depois das uma.

E você dormiu, certo?

Sim mãe.

Apenas fazendo o meu dever. Não pode ter um presidente enlouquecendo por falta de sono.

Sua dedicação é admirável. Você deve ser promovido.

Ha. Eu sou despedido se alguém descobre sobre isso. E uma promoção me tiraria da Casa

Branca. Estou feliz onde estou.

Houve uma longa pausa. Ethan olhou fixamente para o telefone, desejando que outro texto

chegasse. Seu pé balançou sob as cobertas. Deus, ele tinha que fazer xixi. Mas ele não queria

perder uma mensagem. Amaldiçoando-se, Ethan saiu da cama e entrou no banheiro. Ele colocou o

telefone entre os dentes e urinou, e naturalmente, o telefone quase quebrou seus dentes

quando ele zumbiu. Ele cuspiu, pegando o telefone com uma mão enquanto ele terminava.

Você mencionou isso antes. Eu não entendo. Por que é um grande negócio se somos amigos?

Sou amigo de outros membros da minha equipe.

Ele lavou as mãos e voltou para a cama, tentando descobrir o que dizer.

Sua equipe são todos príncipes da política. É bom ser amigo deles. Somos apenas a ajuda,

senhor. É indecoroso fazer amizade conosco. Além disso, é tarefa de um agente manter

distância objetiva dentro de sua atribuição de protetor. Se alguém se aproximar muito de um

protegido, eles podem fazer um mau julgamento, ou ser prejudicado em relação a esse

protegido. Há também um diferencial de poder, e uma percepção de poder. As regras estão lá

para protegê-lo, senhor.

Ele mordeu o lábio depois que ele bateu enviar. Ele acabara de se condenar e fez parecer que

estava bem sendo rápido e desleixado com a segurança de Jack. Ele digitou rapidamente.

Conhece-lo me tornou mais dedicado a você, senhor. E para sua segurança.

Ethan esperou.

É bom ouvir isso. Eu nunca tive quaisquer preocupações de segurança. Você e seus homens são

incríveis. E eu gostaria de pensar que, como adultos, sabemos separar profissional e pessoal.

Isso doeu em todos os lugares errados. Não era exatamente isso que estava errado com Ethan?

Ele se moveu, suspirando.

Seria de esperar, senhor.

O que você quer dizer com uma percepção de poder?

Oh garoto. Eles estavam indo a todos os tipos de lugares que não deveriam.

Você é o presidente, senhor. Tecnicamente, devemos seguir todas as nossas próprias regras.

Mas se um presidente exige algo diferente, então nós geralmente cedemos. Nós não estamos

orgulhosos disso, mas o que você faz quando o presidente exige alguma coisa? Assim, se

houver um relacionamento interpessoal e um presidente fossem exigir algo... pessoal de um

agente, o agente se sentiria obrigado ceder? Sentiriam que poderiam dizer não ao presidente?


OMG. Foi isso que aconteceu aqui, Ethan? Eu estava preocupado que eu tinha empurrado você

em algo que você não queria. Eu fiz?

Merda. Ethan digitou furiosamente.

NÃO. Não senhor. Eu te dei meu número livremente. Essa foi a minha escolha. Decidi

cuidadosamente quebrar as regras aqui. Eu não estou cedendo a nada de você. Você não está

me pressionando, senhor.

Outra longa pausa. Ethan olhou para o telefone. Tocando a tela quando ficava escura. Ele se

jogou na cama, descansando o telefone em seu peito. Nada.

Eventualmente, Ethan se dirigiu para a cozinha dele. Ele jogou o telefone na ilha da cozinha e

tirou uma caixa de suco de laranja e ovos. Ele não se incomodou com um copo para o suco

enquanto mexia três ovos, e olhava para seu telefone silencioso.

No meio do café da manhã, seu telefone zumbiu.

Isso é bastante perturbador, Ethan. Eu odiaria pensar que alguém faria isso, muito menos

alguém neste trabalho. Já aconteceu antes?

Sim.

Por favor, saiba que nunca farei algo assim. Se você mesmo pensar que eu estou exigindo ou

pedindo algo que não é permitido, ou pressionando você, ou qualquer um, para... qualquer

coisa. Por favor, bata-me.

LOL. Eu não vou bater em você, senhor. Vou educadamente me inclinar e perguntar se você

tem certeza.

Bem, talvez você possa rosnar um pouco.

Porra. Ethan deixou cair o garfo, deixando-o bater no prato. Seu pênis se contorceu. Droga. Jack

não estava flertando. Ele não estava.

Ele olhou para o telefone. Ele não tinha ideia do que dizer em resposta a isso.

O que você está fazendo hoje? Você não está aqui, está?

Não. Tenho o fim de semana de folga. Não estava fazendo muita coisa agora. Eu estava

dormindo em...

Ethan sorriu. Hora de deixar seu cabelo para baixo. Se Jack flertar, então ele poderia tomá-lo.

Droga. Eu tenho um talento para arruinar seus dias de folga. Eu sinto muito.

Não se preocupe. Isto é melhor.

Silêncio, novamente. Ethan saltou o telefone em sua mão. Isso era demais?

Isso pode soar estranho, mas você gostaria de vir e assistir ao jogo mais tarde? Os Nationals

estão na série. Estou torcendo pelo meu Texas Rangers, é claro, mas qualquer dia de verão

com um jogo é bom, certo? Por favor, sinta-se livre para recusar. Você não tem que vir ao

trabalho em seu fim de semana de folga. Sem pressão. Mas sempre quis dizer isso quando

disse que queria conhecê-lo melhor.


Jesus. Ethan fechou os olhos. Por mais que quisesse que isso fosse um encontro, tanto quanto

queria ler entre as linhas e encontrar todos os tipos de sinais, não podia fazer isso. Ele não podia

projetar seu desejo nele. Jack estava apenas procurando amizade. Ele disse isso antes. Ele só

queria ser amigo. Ethan não podia fingir que era algo mais do que isso.

Eu gostaria, senhor. Parece divertido. Estou preocupado sobre como fazer isso. Tecnicamente,

eu não deveria estar saindo com você nos meus dias de folga.

Então, apenas deixando a porta destrancada e gritando para você vir para cima não vai

funcionar?

Os alarmes desligariam se as portas estivessem desbloqueadas. E eu passaria por de metade

dos meus agentes, todos eles se perguntando por que eu estava lá e por que eu estava com

você.

Parece que é um não?

Não. Não é um não. É um 'deixe-me descobrir isso.'

Senhor.

Você realmente pode me chamar de primeiro nome. Especialmente se estamos fazendo

missões de baseball secretas agora.

* Pelo meu primeiro nome

Sorrindo, Ethan respondeu rapidamente.

Tudo bem, Primeiro Nome.

Você está sem esperança.

Eu só vou estar andando em torno desta grande casa vazia até o jogo começar. Deixe-me saber

se você gostaria de vir e como você gostaria de realizar esta missão secreta. Deixo todos os

assuntos táticos em suas mãos.

LOL está bem. Eu vou dar uma corrida e pensar nisso. Vou te enviar um texto em breve,

Primeiro Nome.

Eu vou ter a cerveja fria e pronta para você, sem esperança.

Ethan deixou cair o telefone na mesa da cozinha com um ruído. Ele olhou para ele e então

enterrou o rosto em suas mãos. Agora eles tinham apelidos um para o outro. Isso não estava

ajudando. Mas se sentia tão bem, tão deliciosamente bem.

Ele se dirigiu para seu quarto, tirando suas boxers e chutando-as para o topo de sua pilha de

lavanderia transbordante antes de agarrar seus shorts de corrida do chão. Suas boxers caíram

da montanha de sua roupa, voando para o chão de madeira. Droga. Ele estava com os últimos

trajes no armário e tinha que correr para a lavanderia, ou ele estaria nu no trabalho na terçafeira.

Ethan olhou para seu armário e os dois últimos ternos pendurados no lugar, como uma

ideia lentamente formada.

* * * * *


Ethan correu o National Mall, saindo de Foggy Bottom, e descendo 2nd Street, para o Lincoln

Memorial, e depois para leste passado o espelho d’agua. Ele correu da colina até o Monumento

de Washington e depois correu pela parte de trás, correndo a um ritmo confortável passado

Smithsonian em direção ao Congresso. Jack consumiu seus pensamentos.

Parou para descansar na grama em frente ao Capitólio. Seu telefone estava bombeando música

em seus fones de ouvido, e quando ele reajustou a braçadeira, ele viu uma mensagem piscando.

Ele puxou o telefone para fora, enxugando o suor de sua testa. Jack tinha enviado uma

mensagem para ele de novo.

Eu tenho que jogar bonito com os franceses? Posso dizer-lhes para não encher meu saco?

Ethan deu uma risadinha.

Yikes 13 . O que aconteceu?

Ele não deveria estar perguntando. Adicionar isso à lista de "Não deveria."

Eles estão sendo difíceis sobre a Cúpula da OTAN no próximo mês. Eles estavam todos a bordo

querendo a Rússia lá quando estávamos em Camp David. Agora eles estão culpando o convite

sobre nós. Naturalmente. Não é como se eu precisasse de mais complicações em nossa política

externa.

Não, a sério não.

Eu pensei que você estivesse correndo?

Ethan levantou o telefone, tirando uma foto rápida do edifício do Capitólio e empurrando-o

sobre o texto para Jack.

Mentira. Você não apenas correu até lá. Você dirigiu.

Colocou um sorriso ridículo em seu rosto e tirou um selfie rápido. Pingando de suor, rosto

vermelho e peito nu. Não era sua melhor imagem. Ele pressionou enviar.

Uau. Isso é impressionante. Você é uma besta. Para ser honesto, eu choro às vezes quando

corremos juntos depois que você sai. Você pode correr para sempre. Eu poderia te chamar de

coelho energizado.

Ethan fechou os olhos e jogou a cabeça para trás, largando o telefone ao seu lado enquanto

apertava as mãos. Seu telefone lamentou em seu punho. Expirando, ele soltou seu aperto e se

concentrou em manter seu pau mole. Ele não precisava de um tesão em seus shorts de corrida, e

definitivamente não porque o presidente tinha chamado ele de coelho energizado.

Por favor, não deixe isso sair. Eu nunca ouvirei o fim disso com os agentes.

Eu não vou dizer uma palavra. Palavra de escoteiro. Devo dizer aos comissários que esperam o

Sr. Bunny esta noite?

É o seu funeral.



Yikes é uma gíria usada para expressar choque e alarme e muitas vezes parar efeito humorístico.


Vamos, Sr. Bunny.

O suficiente. Ethan enfiou os fones de ouvido de volta e deslizou o telefone de volta para a

braçadeira. Por capricho, ele apareceu na Avenida Pensilvânia, correndo para o norte. A Casa

Branca surgia diante dele, reluzente e serena. Jack estaria na varanda Truman, aproveitando o

sol? Ele parou na cerca, tirando outra foto como qualquer outro turista. Um dos guardas notou- o

e assentiu. Ethan acenou com a cabeça quando ele enviou a foto para Jack.

Ei, você chegou cedo.

Apenas de passagem. Ou pulando, como eu tenho certeza que você vai dizer.

Eu acenei para você do salão oval. Você sabe, eu não achei que haveria tanto trabalho quando

eu me candidatei para este trabalho. Com quem posso reclamar sobre essa carga de trabalho?

Deus?

Ha! Se apenas o estado islâmico tomasse um fim de semana de folga de vez em quando. Ou

simplesmente desaparecesse inteiramente.

Nós só poderíamos ter tanta sorte. Vou pulando, Primeiro nome. Este coelho tem milhas a ir.

Você é repugnante.

São apenas dez milhas. Você pode vir comigo algum dia.

Que tal você vir nadar comigo? Um par de voltas na piscina, e eu vou fumar com você.

Ethan enfiou o telefone de volta na braçadeira e seguiu em frente. Ele ficaria lá por horas,

enviando mensagens para frente e para trás, se ele não tivesse cuidado, sorriso estupido em seu

rosto e tudo. Não, não há tempo para isso. Ele tinha que chegar em casa, levar suas roupas para a

lavanderia, e vestir seu terno novamente. Esta noite, ele estava voltando ao trabalho para,

aparentemente, apanhar algumas coisas. Se ele simplesmente passou a andar pela residência e

acabar gastando algumas horas com o presidente...

Eles poderiam fazer isto funcionar. Eles podiam.


Capítulo sete

O estado islâmico visa projetos de reconstrução chinesa no Iraque e na África Oriental

Na trilha do assassinato brutal do estado Islâmico de mais dois reféns, os combatentes do

atacaram e devastaram os projetos de reconstrução no oeste e no centro do Iraque e os projetos

de ajuda na Somália e no Quênia na África. Os projetos de reconstrução no Iraque eram dirigidos

pelo governo chinês e estavam focados na reconstrução da infraestrutura do Iraque, incluindo

estradas, pontes, hospitais e oleodutos. Na Somália, caças do estado islâmico bombardearam e

destruíram a construção do novo porto de águas profundas em Mogadíscio, capital da Somália,

e no Quênia, os combatentes invadiram a fábrica de Rift Valley Steel, uma fábrica de materiais

que fornece aço para projetos de reconstrução da África Oriental. No Iraque, trabalhadores

chineses expatriados foram executados, e o vídeo foi postado on-line pelas contas de mídia social

do estado islâmico. Na Somália, os trabalhadores conseguiram fugir do ataque, alguns deles

pulando nas águas do porto para escapar. Três quenianos morreram no ataque a Rift Valley

Steel. A resposta chinesa tem sido até agora uma renovação do pessoal e dos materiais para o

Iraque. Pequim prometeu manter seus compromissos com o Iraque, que incluem um pacote de

ajuda de dois bilhões de dólares. Para salvaguardar seus projetos, os chineses estão planejando

pedir um desdobramento de "forças de segurança" ao lado de seus projetos. Embora não tenham

sido dados detalhes sobre quem ou o que essas forças de segurança são, a maioria dos

especialistas parecem acreditar que eles são, de fato, militares chineses. A China está pedindo

que até 100 mil forças de segurança sejam permitidas no Iraque, que está apenas abaixo do

número total de soldados que os Estados Unidos usaram na invasão do Iraque em 2003. Bagdá

deverá aprovar o pedido de Pequim.

* * * * *

Três semanas e oito encontros secretos mais tarde, Ethan estava mais confuso do que antes.

Gastar tempo com Jack deveria ajudar a saciar seu desejo. Ele estava jogando a cautela ao vento,

tendo uma chance de construir uma amizade com um homem que significava algo para ele, mais

do que qualquer um tinha na memória de Ethan. Ele disse a si mesmo repetidamente que

ficariam como amigos. Era tudo o que Jack podia dar, e era mais do que suficiente. Ele poderia

ansiar por Jack no silêncio de seu coração e se concentrar em construir sua amizade. Sua

amizade platônica.

Então por que ele estava mais fixo em Jack do que nunca? E por que seu coração lhe gritava para

fazer alguma coisa, para estender a mão para Jack, acariciar seu rosto com ambas as mãos e

acariciar seus lábios num primeiro beijo terno?

Ele estava falhando maciçamente em separar o pessoal do profissional.


Mas Ethan colocou parte dessa culpa nos pés de Jack, também. Se não soubesse melhor,

pensaria que Jack estava flertando com ele. Talvez até mesmo tentando cortejá-lo, tão

antiquado como aquilo soou.

Tudo começou de uma forma simples. Ethan voltou para a Casa Branca naquela tarde de sábado

para pegar recuperar o atraso no trabalho que ele já tinha realizado. Depois de uma hora

perdendo tempo em Horsepower, Ethan saiu para uma varredura do terreno, verificando todos

os seus agentes. Que o levou para a Residência, onde ele correu para encontrar Jack... e onde

ele passou o resto da tarde e à noite. Algumas cervejas e um longo jogo mais tarde, Ethan

escorregou para fora da Residência através da escada secreta no salão leste, todo o caminho

para o piso inferior, e esgueirou-se de volta para a Ala Oeste através do túnel subterrâneo.

Ninguém o tinha visto.

E tinha sido perfeito. Absolutamente perfeito. Bem, uma vez que ele passou por seus nervos e o

medo de que ele estava prestes a ser pego por um de seus agentes. Mas os agentes não

entravam na residência a menos que eles fossem solicitados, e Jack propositadamente enviou os

comissários a distância. Uma vez que Ethan tinha se deixado ir e relaxado na frente do jogo no

escritório de Jack, ele finalmente se permitiu apreciar plenamente o momento, o homem, e a

amizade que estava sendo oferecida. Horas mais tarde, suas bochechas doíam de rir das piadas

ruins de Jack e das chamadas de jogos agressivas, e ele praticamente flutuou quando saiu da

residência.

Na terça-feira, Jack convidou Ethan de volta para outro jogo depois de sua noite de atualização

do Conselho de Segurança Nacional. Ethan teve que esperar na escada escondida no salão leste,

trocando mensagens com Jack quando ele e Gottschalk receberam um telefonema tardio dos

líderes do senado antes de Ethan entrar.

Na sexta-feira, um dos funcionários da Casa Branca agarrou um hambúrguer para o almoço e o

cheiro das batatas fritas flutuou pela ala leste. Jack queixou-se sobre a comida da Casa Branca,

alegando que era perfeita demais, e ele só queria um hambúrguer gorduroso, que entopem as

artérias de vez em quando. Ethan saiu ao final da tarde. Jack estava atualizando e-mails e

resumos no salão oval quando Ethan voltou com hambúrgueres e batatas fritas para dois, com

um milk-shake de chocolate para Jack.

O sorriso de Jack havia alcançado Ethan, e ele sorriu durante o fim de semana apenas com aquela

memória, repetindo aquele sorriso totalmente fixo nele.

Dias depois, Jack zumbiu para o agente Reichenbach, pedindo para falar com ele sobre a cúpula

de Praga chegando. Ethan, com foco em negócios oficiais, entrou no privado de Jack Sala de

jantar, apenas fora do Escritório Oval, para encontrar um almoço privado conjunto para dois.

Costela e purê de batatas, feijão verde e chá doce; os grampos de uma refeição todo-americana.

"Um agradecimento para os hambúrgueres", Jack tinha dito, puxando a cadeira para Ethan. - E

porque eu queria.

A cada poucos dias, Ethan desceu até a Residência. Na primeira, era para assistir a jogos juntos,

mas então Jack perguntou se ele jogava bilhar, e então eles estavam no terceiro andar da sala

de jogo, quebrando conjuntos e trocando listras e sólidos. Ethan estava muito distraído por Jack

para limpar a mesa enquanto Jack limpava o chão com Ethan, mais e mais.

Através de tudo isso, as mensagens de texto continuaram, até aumentaram. Assim como as

piadas.


Ei. Venha assistir durante a próxima reunião do gabinete, ok?

Sim senhor. Existe uma ameaça?

Não, mas há um jogo. Toda vez que Jim diz "vamos pendurar isso em um quadro", Jeff e eu

vamos tomar um copo de água. A bexiga que romper primeiro perde.

Jim era o embaixador das Nações Unidas, e amava suas expressões. Ethan sufocou um sorriso.

Ele estava observando o relatório do turno anterior quando o texto de Jack chegou, e

estourando em risos enquanto o antigo líder de turno discutia matrizes de ameaças não seria

bom.

O povo americano sabe que você é um bobo total?

Eles sabem que o Coelho Energizado me protege?

Este coelho tem que ir para o trabalho, Primeiro Nome. Saltador 1, fora.

Pulando!

Ou, quando Ethan estava certo que Jack estava em uma reunião com os líderes do Congresso no

Salão Oval.

Qual é a melhor coisa sobre a Suíça?

Boa comida, cerveja decente, e, claro, os bancos. Militares muito doces. Por que você

pergunta?

Bem, isso é tudo bom, mas você sabe, sua bandeira é uma grande vantagem.

Meu Deus. Isso dói.

Ba dum tissh! Estarei aqui toda a semana.

Como você foi eleito?

Ethan deixou seu paletó na residência na primeira vez que jogaram bilhar. Ele não o tinha tirado

antes, mas para jogar bilhar, ele tirou o casaco, enrolou as mangas e afrouxou a gravata. Jack

tinha tirado a gravata e desabotoado os três primeiros botões da sua camisa.

Em pânico, Ethan enviou uma mensagem para Jack às cinco da manhã, assustado que os

comissários teriam encontrado uma misteriosa jaqueta. Jack riu, e ele tinha a jaqueta de Ethan

dobrada sobre o encosto de uma cadeira esperando por ele quando Ethan aparecesse para o

treino da manhã. "Há homens suficientes em paletós, Ethan. Um mais voando ao redor não

levantará nenhuma sobrancelha. "

“ Mas é o único em sua residência, senhor. Ethan não pôde deixar de apontar isso. “Além do

seu. Isso pode levantar algumas sobrancelhas. ”

Jack simplesmente deu de ombros e continuou correndo na esteira.

Ethan esqueceu seu paletó de terno quase todas as vezes depois. Ele estava muito distraído por

Jack e desfrutando do pequeno zumbido de cerveja que ele conseguia cada vez. A cerveja

misturada com sua euforia o deixou andando no ar até o final da noite, e ele sempre dirigia para

casa repassando suas conversas, lembrando a curva do sorriso de Jack e o som de seu riso ou a

luz em seus olhos quando ele provocava Ethan. No momento em que ele puxou para trás as


coberturas e deslizou em sua cama, os pensamentos de Ethan iria virar novamente, desta vez

questionando o que tudo isso significava.

Se ele fosse uma mulher, isso seria obviamente flerte. Jack estaria flertando com ele se ele fosse

uma mulher. Se Jack fosse gay - ou mesmo bi - isso também seria flerte. Ele veria os sinais:

contato visual prolongado, e um desafio enterrado no olhar. Olhas lançados, despindo-se com

os olhos.

Mas ele não era gay, e ele não sabia que Ethan era gay, então isso era apenas amizade masculina.

Uma ligação hétero, algo que Ethan nunca tinha feito antes. Era estranho para ele, alienígena, e

nada em seu passado ajudou a entender isso. Mesmo sua amizade com Collard e Daniels não foi

útil. Eles sabiam que ele era gay, e nunca houve uma questão de flerte ou limites. Não havia

nada obscuro lá. E de volta ao Exército, ele tinha voltado em grande parte entre as missões e

saído, deslizando para bater os caras nos bares de uma cidade quando ele queria fugir. Mesmo

em DC.

Isto embora... não significava o que desesperadamente desejou que significasse. Jack estava em

linha reta.

Certo?

* * * * *

Uma semana antes de ir a Praga, Ethan e Jack foram inundados com os preparativos para a

cúpula da OTAN. Jack foi transportado de reunião para a reunião - reuniões de gabinete,

reuniões do Conselho de Segurança Nacional, reuniões com os chefes do estado maior e vídeo

conferências seguras na Sala de Situação com os aliados. Ele estava atendendo chamadas da

Europa, Jordânia, Israel e Egito, e tentando obter o presidente francês no telefone a cada duas

horas.

Seria demais se eu emitisse um decreto ordenando que voltemos ao "Batatas Livres" em vez

de batatas fritas? Isso é longe demais?

Se isso te faz sentir melhor, cada presidente quase teve um aneurisma com os franceses.

Oh bom. Então não é pessoal. Tenho que ir. Os britânicos estão chamando de volta e os

generais estão ficando mal-humorados que eu estou mandando mensagens de texto.

Por favor, concentre-se no mundo, Primeiro Nome.

Eu sempre fui bom em multitarefas.

Ethan deslocou a equipe de avanço para Praga e passou uma hora no telefone recuperando o

atraso com o seu velho amigo, Pavel Chovanec, um oficial do serviço de segurança da

inteligência checa, e o homem encarregado da segurança americana enquanto eles estavam no

país. Pavel cumprimentou a equipe de avanço no chão quando aterrissaram e levaram os

agentes para o Aria Hotel, que os Estados Unidos estava completamente alugando para a cúpula.

Com apenas cinquenta e um quartos, o hotel não acomodaria todos a comitiva do presidente,

mas acomodaria o presidente, seus conselheiros e os agentes de segurança. Pavel assegurou a


Ethan que o Aria era perfeito para eles em todos os sentidos, e apostou com Ethan uma rodada

de bebidas que o presidente iria adorar.

Seu telefone tocou às seis da tarde.

Eu estou feito. Eu não posso fazer essa coisa Presidente hoje. Eu preciso chamá-lo um dia antes

que eu fique bêbado e puxe um Reagan.

Vá para casa, Primeiro Nome. Você tem a melhor trajetória que qualquer um.

Ou o pior. As pessoas têm o hábito de me encontrar quando eu quero me esconder.

Jogar esconde-esconde como presidente não é aconselhado. Nós tendemos a ficar um pouco

irritados quando isso acontece.

LOL eu aposto. Ei, vamos lá para cima? Eu me sinto como batendo algumas bolas ao redor e

tendo algumas bebidas.

Ethan lembrou-se de respirar, dentro e fora, e desejou que seu pau ficasse quieto. Jack não

estava flertando com ele. Ele não estava. Certo?

Sabe, eu estou muito feliz por você ter um redator de discursos, senhor. Deixe-me terminar

algumas coisas aqui. Então eu vou escorregar até as escadas leste.

Ha! Piadas! Eu vou ter certeza de não empurrar uma cadeira na frente de sua passagem

secreta. Até logo!

Jack já tinha duas cervejas no momento em que Ethan chegou. Ele mandou uma mensagem

enquanto ele descia o túnel para sua entrada da escada, e Jack disse-lhe para vir em linha reta

até a sala de jogos. Quando ele chegou, Jack estava tomando um gole de sua cerveja, camisa ora

da calça e desabotoada revelando sua camiseta branca. As mangas estavam enroladas e Ethan

teve que arrastar os olhos para longe da pele macia em seus cotovelos e forçar-se a não dar Jack

um longo e persistente olhar enquanto Jack acenava para ele.

Na parede, a TV de tela plana estava fixada nas notícias, falando de cabeça discutindo para

frente e para trás sobre a próxima cúpula e postura da Rússia.

"Eu só acho que estamos nos preparando para uma catástrofe enorme convidando os russos",

disse um comentarista, falando em voz alta sobre sua companheira feminina. "Não há, repito,

não, zero, nada, condições para os russos mudarem seu comportamento!"

"Ignorando os russos e sua agressão não fez nada!", argumentou sua companheira. "Há dez anos

que ignoramos as invasões russas no leste europeu. E não apenas nós! Europa, também! Não

deveríamos estar fazendo mais? Tomando a liderança no mundo e intensificando, envolvendo

os russos?

"A América não negocia com terroristas ou regimes brutais "

Ethan agarrou o controle remoto e desligou a TV. "Vamos lá. Você já ouviu tudo isso antes. Você

precisa de uma pausa.

Com um suspiro pesado, Jack acenou com a cabeça e se levantou de onde estava inclinado na

parte de trás do sofá. "Sim. Eu sei. Mas não consigo tirar isso da cabeça.

"Como posso ajudar?"


Jack cruzou os braços. "Estou começando a sentir que estou à beira da 3ª Guerra Mundial."

"É tão ruim assim?" Ethan se aproximou, inconscientemente tentando confortar Jack.

Um profundo suspiro, novamente. "Os russos estão conquistando terra na Europa, e ninguém se

levanta contra eles. Eles estão operando sozinhos na Síria, talvez até ajudando o Governo

Provisório da Síria - um governo de hackers que está apenas roubando o país e não fazendo nada

pelo que resta dos cidadãos. Acrescente a isso o estado islâmico, um grupo terrorista radical e

sem estado que está matando centenas de pessoas por dia e destruindo vidas em toda a região.

E eles simplesmente odeiam a todos, ao Ocidente e à Rússia. Quem usara armas nucleares

primeiro? Se o estado islâmico colocarem as mãos nas armas nucleares? Irã e Rússia, tirando o

estado islâmico e destroem o Oriente Médio? E a Europa... " Jack sacudiu a cabeça.

"Todos os dias, há outra ameaça terrorista descoberta no continente. As zonas de

reassentamento de refugiados são barris de pó com fusíveis. Os radicais recrutaram jovens

descontentes, descontentes com o que obtiveram da vida. Eles não vieram para a Europa como

terroristas, mas ficarem nas zonas de reassentamento durante anos presos sem perspectivas

futuras não os deixou mais ansiosos para se juntar à comunidade europeia ".

Ethan cruzou os braços, espelhando Jack, e ficou largo. Seus ombros apareceram sobre Jack, e

se ele pudesse, ele teria enrolado Jack num abraço.

“E agora os chineses estão se deslocando para o Iraque? ” Jack esfregou uma mão sobre seu

rosto, exalando. "Eu sou o chefe de gabinete, bem antes da Segunda Guerra Mundial? Estou

apenas apaziguando o agressor? Estou me concentrando demais na 'paz do nosso tempo'? " Ele

engoliu em seco. "Eu só não sei qual é o curso certo às vezes."

Jesus. Ethan mastigou seu lábio, observando os ombros de Jack caírem quando ele tomou outro

gole de sua cerveja. "O que você quer fazer?"

“Dizer aos russos para irem se foder, enviar tropas para a Síria para endireitar aquele lugar e

bombardear o estado islâmico. ” Jack sacudiu a cabeça. "Eu odeio ver toda a devastação, toda a

morte e a dor, o tempo todo. Há tanta dor por lá. As pessoas estão apenas tentando viver suas

vidas, mas estão presas no meio de toda essa besteira. ” Jack esvaziou sua cerveja em um longo

gole. "Mas onde 'querer salvar o mundo' se encaixa em 'proteger interesses americanos'?"

“Acho que seria uma grande manobra, senhor. E eu votaria em você em um piscar de olhos se

você fizesse isso. Eu acho que as pessoas estão doentes da morte e do horror, também. Temos

visto e esperado por tanto tempo, e nada mudou. Talvez devêssemos ajudar. Se nós somos a

polícia mundial, como sempre somos acusados de ser, então por que não fazemos algum bem?

Os regimes autoritários e os estados bandidos detêm poder e território porque o mundo não faz

nada ".

"E por que os australianos, os suíços ou os chineses não vão em frente e enviam tropas em uma

missão humanitária? Nós não somos os únicos que podem salvar essas pessoas. Mas se não

fizermos nada, ninguém mais o fará. E se nós nos enviarmos, vamos perder soldados ali para

salvar vidas que, no final do dia, não são americanas. ” Jack olhou para baixo enquanto seus

dedos pegavam o rótulo em sua garrafa de cerveja. "Eu sei como é ser dito que seu soldado não

está voltando para casa", ele disse suavemente.

Foda-se. Ethan se moveu na frente de Jack e agarrou seus ombros, apertando. "Sr. Presidente,

eu acredito em você. Eu sei que você vai fazer a coisa certa. E, falando como um ex-soldado,


acho que é hora de fazer algo, senhor. Nós perderíamos algumas ótimas pessoas, sim. Mas, sei

por estar lá, que morrer pela missão e morrer por sua equipe é parte do negócio. É algo em que

você acredita. Algo que você sabe que é uma parte de você, no seu sangue e na sua alma, todos

os dias. "

"Eu não quero começar a próxima Guerra Mundial. Dizer aos russos para irem se foder não vai

parar uma guerra. É provável que comece uma. Mas eles não estão interessados em cooperar

há anos. "

"Eu sei que você vai descobrir isso. Se houve algum presidente que possa nos fazer passar por

esse momento, é você.

Jack olhou para cima, segurando o olhar de Ethan. O azul em seus olhos queimou, como gelo

transformado em chamas. Ele olhou fixamente, não piscando, procurando por algo em Ethan.

Ethan ficou imóvel, sem respirar, enquanto seus polegares acariciavam os ombros de Jack.

"Obrigado, Ethan," Jack finalmente disse. Ele sorriu, suave e lento. “Você não sabe o quanto eu

realmente o valorizo. ”

Ethan manteve seu sorriso apertado, tentando esconder sua decepção. Você não sabe o quanto

eu me importo com você. "Posso distrair você?" Ele disse em vez disso. "Que tal um jogo?" Ele

acenou com a cabeça para a mesa de bilhar.

"Sim. Definitivamente. E não mais falar sobre isso. Quero ouvir algo diferente. Jack se mexeu

quando Ethan recuou. Ele pousou a cerveja e agarrou o bastão. "Sirva uma bebida e me conte

histórias sobre você".

As mãos de Ethan tremeram quando ele serviu um copo de uísque, puro, do bar no fundo da

sala. Esta não era uma noite para cerveja. Ele precisava de algo mais forte. "Eu? Você não quer

ouvir minhas histórias.

"Sim, eu quero." Jack se alinhou na pausa e pegou o primeiro tiro. Bolas espalhadas ao redor da

mesa, e ele afundou duas bolas. "Bola novamente. Vamos. Tente me distrair enquanto eu atiro.”

Respire. Respire. A mão de Ethan se apertou em torno de seu taco. Seus olhos se arrastavam

pelas costas de Jack, até a bunda dele, e então de volta ao seu rosto. Jack estava concentrado

em seu tiro, e ele não viu os olhos errantes de Ethan. "Eu realmente não sou tão interessante."

Estalo. Outra bola afundada. Jack balançou as sobrancelhas para Ethan enquanto caminhava em

volta da mesa de bilhar, alinhando-se para o próximo tiro. Agora ele estava enfrentando Ethan,

fazendo um tiro que o tinha encarando diretamente na virilha de Ethan.

Ethan mudou de posição, tentando esconder seu pau meio duro.

"Você sabe, você passou muito tempo aqui na Casa Branca. Ou trabalhando ou gastando tempo

comigo. ” Outro estalo, outra bola afundada. Jack voltou a andar pela mesa, desta vez sem olhar

para Ethan. "Eu não quero monopolizar seu tempo. Você disse que uma vez que você era um

solitário, mas você tem que ter algum tipo de vida social. Namorada? " Ele se inclinou para baixo,

sua língua espreitando para fora de seus lábios quando ele montou seu próximo tiro.

Agora ou nunca. Ethan inalou, exalou e depois inalou novamente. Estava tonto, de repente,

como se estivesse desvinculado da realidade. Ele estava realmente prestes a fazer isso?

"Nenhuma namorada. Não que houve alguma vez. Sou gay, senhor. ”


Estalo. Outro tiro limpo, e um cair perfeito da bola número quatro. Se a revelação surpreendeu

Jack, ele não mostrou. Ele se inclinou para trás, procurando seu próximo tiro. "Legal", ele disse

simplesmente. "Nenhum namorado, então?"

Jesus Cristo. Ele é ou não é? Ethan tinha aberto a porta, e se Jack estivesse mesmo remotamente

interessado nele, ele deveria estar entrando como o Kool-Aid 13 homem. Se ele estivesse

flertando. Mas ele parecia não se importar, e enquanto parte de Ethan se alegrava por Jack não

se importar com sua sexualidade, outra parte gritava dentro dele, desesperada, frustrada,

confuso ansioso. "Nenhum namorado," ele grunhiu. Ele hesitou, fechando os olhos enquanto

outro sólido afundava no bolso. "Conheci alguém com quem acho que gostaria de estar."

"Ah, sim?" Esse tiro foi mais difícil, e Jack se esticou para ele. Ele pôs um giro na bola branca, e a

bola sete deslizou para o lado no bolso lateral. "Como ele é?"

"Brilhante", Ethan disse rapidamente. Seus olhos ardiam enquanto olhava para Jack,

observando-o estudar a mesa. Só faltava a bola oito, e se Jack afundasse isso, ele teria corrido a

mesa sem Ethan tomar um único tiro. A cabeça de Jack inclinou-se para o lado, seus olhos se

estreitando, enquanto estudava os ângulos. "Ele é perfeito. Brilhante, hilariante, confiante. Acho

que ele pode fazer qualquer coisa. ” Ethan engoliu em seco. Seus olhos percorreram o corpo de

Jack, lentamente. "Ele é lindo, também."

"Uau." Jack lançou lhe um rápido sorriso, grande e quente. "Parece uma pegadinha. E você,

Ethan, parece ferido. " Jack chamou o bolso do canto com a ponta do bastão. "Onde vocês se

encontraram? E o que você vai fazer? Vai convida-lo para sair? ” Jack virou a cabeça, piscando

para Ethan. "Eu suponho que eu posso aprender a compartilhar você." Ele se virou para a mesa

e fez seu tiro.

Uma piada perfeita.

Jack ficou de pé, sorrindo.

Ethan sorriu de volta. O momento cristalizou em sua mente, um momento perfeito guardado

nas profundezas de seu coração. A luz macia e suavizada do salão, os painéis de madeira

profunda, o feltro verde da mesa de bilhar, tudo contrastando com o brilho de Jack, de pé ali

desleixado, uma mão em sua vara de bilhar, sua camisa desabotoada e solta e seu Cabelos

despenteados.

Jesus Cristo, eu amo este homem. Estou apaixonado por ele.

“Vamos, Ethan. O que você vai fazer?"

Ele estava movendo-se antes que ele soubesse, almofadando ao redor da mesa ao lado de Jack.

Jack olhou para ele, um pequeno sorriso no rosto, os olhos abertos e relaxados, esperando a

resposta de Ethan.

"Isso," Ethan respirou. Ele estendeu a mão para o rosto de Jack com uma mão, segurando sua

mandíbula. A barba de Jack, mal crescendo desde aquela manhã, raspou a palma de sua mão.

"Jack... eu vou fazer isso." Inclinando-se, Ethan pressionou seus lábios em Jack. Escovando

contra Jack, os lábios de Ethan se separaram, sua língua serpenteando para fora e deslizando

contra o lábio inferior de Jack. Ethan gemeu, tentou se aproximar. Sua mão deslizou ao longo da

mandíbula de Jack até a nuca.

Koo-Aid é uma marca de sucos.


A mão de Jack apertou o peito de Ethan, empurrando com força.

Empurrando-o para longe.

Ethan quebrou o beijo com um suspiro e caiu para trás enquanto Jack olhava para ele, chocado.

A confusão choveu dos olhos de Jack. Ele olhou para Ethan como se Ethan estivesse de repente

diferente, inteiramente assim, do homem em quem ele tinha confiado apenas um momento

atrás. Tentou formar palavras enquanto o mundo de Ethan se despedaçava em fragmentos à

sua volta.

"Merda," Ethan sibilou. "Merda!"

"Ethan..." Jack deixou cair o taco de bilhar. Ele bateu no tapete. "Eu sou... Ethan... Eu sinto

muito... Eu não sou... sinto muito..." Ele balançou a cabeça, piscando lentamente. Sua boca

aberta vacilou, parecendo procurar algo para dizer.

Tremendo, as mãos de Ethan cerraram os punhos. Ele jogou o pedaço de piscina na mesa ao

lado dele, batendo bolas em todos os sentidos. O fogo inundou seu corpo, queimando-o vivo.

Ele era tão estúpido. Tão estúpido. Ele sabia que não deveria ter feito isso. Porra! Qual era o

problema dele? "Não. Eu sinto muito. Eu não deveria ter... " Sua garganta fechou em torno de

suas palavras. Sua visão ficou turva. Ethan piscou rapidamente. Droga, ele não ia chorar. Ele não

ai.

Jack ainda estava olhando para ele, imóvel. Ethan olhou-o rapidamente.

E desviou o olhar imediatamente quando seu coração se despedaçou novamente, sugando o ar

de seu peito. Não era o que ele queria ver no rosto de Jack. Nunca.

"Eu tenho que ir," Ethan rosnou. "Eu sinto muito. Sinto muito. ” Sem olhar para Jack, Ethan saiu

correndo da sala de jogos. Nem sequer usava a escada secreta. Ele trovejou descendo a escada

principal, passando pelos agentes que estavam em pé na base das escadas no salão transversal.

Ele correu até o túnel, e ele não parou até que ele estava sozinho, enterrado no centro

subterrâneo entre a Residência e a Ala Oeste. Desmoronando contra a parede, Ethan afundou,

ajoelhando-se enquanto ele se inclinava para a frente.

Ele era impotente para impedir que as lágrimas fluíssem. Elas explodiram, chovendo pelos seus

punhos. Grunhindo, Ethan cerrou os punhos, enterrando-os contra seus olhos, tentando impedir o

dilúvio de suas lágrimas. Ele não podia respirar, e ele ofegou, soluçado contra sua garganta

sufocada. Rugindo, Ethan se levantou e girou ao redor, batendo o punho contra a parede de

concreto atrás dele. Foda-se, porra!

A dor batendo através de seu braço. Seus nódulos se partiram novamente, pele rasgada e

sangue manchando contra o concreto sujo. Estremecendo, Ethan se inclinou para frente,

pressionando sua testa contra o cimento frio. Lentamente, ele caiu de joelhos, encolhido contra a

parede sobre sua mão sangrando.

* * * * *

Quatro horas mais tarde, Ethan estava batendo tônicos de vodka no bar The Sky no aeroporto

de Dulles. Ele tinha um saco cheio de ternos e calças ao lado dele e um bilhete de avião para


Praga, embarque em meia hora. Talvez fosse covardia correr, mas Ethan teve que fugir. Ele não

podia encarar Jack, não agora. Não depois de se expor, revelando seu amor, e sendo demitido.

Jack não era gay. Ele não estava flertando com Ethan. Ele não o queria. Tudo estava na cabeça

de Ethan.

Exatamente como ele disse a si mesmo. Exatamente o que ele tinha gritado a si mesmo sobre.

Isso era exatamente - exatamente - o que todo mundo lhe dissera que aconteceria.

Ethan olhou para seu telefone, para suas mensagens de texto. Nenhum som, nem uma palavra

de Jack.

Ele fez sinal para tomar outro drinque, mantendo os olhos vermelhos abaixados.

Chegar a Praga. Lidar com o fim da cúpula. Ficar longe de Jack. E, quando ele voltar, solicitar uma

transferência. Nem se importava onde. Envie-o para o Alasca. Ou para Utah. Envie-o para

qualquer lugar. Apenas tire ele perto de Jack. Leve-o para longe do seu coração partido.

Seu queixo tremia quando as lágrimas ameaçaram derramar novamente. Porra. Ele não achava

que um ser humano pudesse chorar tanto assim.

Ethan passou a mão pelo rosto e, quando a bebida chegou, ele a derrubou em uma longa

tragada. Apenas entorpeça tudo. Faça tudo ir embora. Faça desaparecer toda a dor.

* * * * *

Jack permaneceu enraizado na sala de jogos enquanto Ethan fugia. "Ethan, espera!" Ele tentou

chamar, mas as palavras ficaram presas em sua garganta. Congelado no lugar, ele observou

Ethan correr.

Depois que Ethan se foi, Jack exalou, desmoronando ao meio enquanto se apoiava com as mãos

nos joelhos. Ele tropeçou de lado, caindo contra o sofá. Um longo escorregão fez com que ele se

sentasse no tapete, recostando-se para trás enquanto respirava com força e rapidez.

Hiperventilando, isso é o que ele estava fazendo. Estava hiperventilando. Calma, Jack. Inspire e

expire. Ele inclinou a cabeça para trás, tentando se concentrar no teto.

A jaqueta de Ethan, jogada sobre o dorso do sofá, roubou seu olhar.

Ele estendeu a mão para o casaco preto, puxando-o para baixo em seu colo. Era maior do que

suas jaquetas. Ethan era maior do que ele, mais forte, mais alto, mais musculoso. Ele era como

um garoto-propaganda para o Exército, com músculos durante dias e uma mandíbula cortada

totalmente americana. Ele poderia ter alguém - cara ou menina - que ele queria.

Por que diabos ele tinha se apaixonado por Jack?

As palavras de Ethan se repetiam em sua mente. Brilhante. Hilário. Pode fazer qualquer coisa.

Lindo. A maneira Ethan tinha falado... Ele não estava apenas apaixonado. Ele estava de pontacabeça

para ele.

Para ele. Ethan estava de ponta-cabeça para ele.

Jack bateu a cabeça contra o sofá macio. Suas mãos seguraram o casaco de Ethan.


Lentamente, ele puxou o casaco até o nariz.

O cheiro do perfume de Ethan, - cítrico e uma pitada de suor - o provocavam. Seus olhos se

fecharam um momento depois, Jack tirou a jaqueta do rosto. O que ele estava fazendo? Ethan

era seu amigo. Ele se tornara seu melhor amigo, se Jack fosse honesto consigo mesmo. Tornarase

importante para ele, profundamente importante, de um modo que o surpreendera.

Mas ele não se sentia atraído por Ethan. Ele não era gay. Ele nem estava procurando um

relacionamento. Ele nunca esteve, não desde a morte de Leslie.

O que ele ia fazer?


Capítulo Oito

Dias a ir a cúpula da OTAN, a Rússia faz movimentos agressivos.

Dias antes de uma Cúpula de Emergência da OTAN sem precedentes, a Rússia voltou a balançar

o mundo após a crescente agressividade do estado islâmico. A Rússia transferiu tropas e tanques

para Abkhazeti, uma província separatista da Geórgia que se alinha com a Federação Russa. Os

movimentos das tropas russas sugerem uma possível invasão do Iraque islâmico controlado pelo

estado islâmico. Abkhazeti é apenas 1200 milhas de Mosul, uma cidade importante controlada

pelo estado islâmico. A Rússia também afirmou que "defenderá agressivamente" seus interesses,

incluindo seu pessoal de prontidão, e tomará "todas as ações necessárias para evitar perdas de

vidas russas". Enquanto isso, as forças russas na Península da Criméia aumentaram, seus

territórios ocupados na Romênia, Moldávia e Estônia. Os líderes europeus expressaram o

nervosismo que estas últimas movimentações feitas pela Rússia indicam uma possível

apropriação da terra dentro de Europa pelo estado russo beligerante.

* * * * *

Ethan acordou em seu quarto de hotel no Aria, em Praga, com uma dor de cabeça ofuscante.

Gemendo, Ethan rolou para longe da janela do hotel, enterrando o rosto no travesseiro. A luz do

sol escorria através do vidro, golpeando a caixa de tulipas e margaridas, e refletindo nas paredes

brancas do castelo que cercavam o quarto de hotel de Ethan.

Ele era perfeito. O hotel era um castelo menor renovado, a passos de mais famoso, e enorme,

Castelo de Praga, e as paredes do Aria tinha sido pintado de branco enquanto os telhados de

barro vermelho sobrepunham as paredes góticas sinuosas, em camadas construídas contra o

lado de uma colina no centro do Little Kings Quarter. Parques espalhados em torno dos jardins

do antigo castelo para a realeza ao longo dos séculos anteriores. O Aria tinha uma vista do Little

Kings Quarter, incluindo o castelo de Praga, o rio e a cidade velha. Esculturas góticas escorriam

dos telhados e alamedas do jardim, pontes novas misturadas com reconstruções medievais, e

ruas de paralelepípedos passando pela cidade antiga, trazendo a agitação das pessoas e buzinas

de carros europeus juntos na agitação da manhã.

Ethan puxou seu travesseiro mais apertado sobre sua cabeça. Ao lado da cama, uma garrafa

vazia de uísque livre de impostos estava de lado, sem tampa.

Seu telefone zumbiu, fazendo barulho no assoalho. Ethan pulou, caindo da cama. Gemeu, ele

tentou rastejar até o telefone. Talvez seja Jack, seu coração sussurrou. Talvez, talvez.


Era Welby.


Ethan tinha feito dele o líder da equipe de avanço, depois de removê-lo da posição temporária

de agente. Ele abaixou a cabeça por um momento, mas caiu de costas, chutando o lençol que se

enroscou em suas pernas quando caiu da cama. "O quê?" Ele rosnou quando ele respondeu.

“Senhor, estamos prontos para começar o ensaio de movimento do presidente. ”

Merda. Ethan lutou para sentar-se. A luz do sol o cegou e ele voltou a cair. "Que horas são?"

“Nove e meia, senhor. Você disse que queria começar na hora certa. ”

"Sim, sim." Esfregando seus olhos, Ethan rolou e empurrou-se até seus joelhos. O quarto nadou, e

ele prendeu a respiração enquanto lutava para manter o estômago calmo. "Olha, eu estou

correndo um pouco tarde. Comece com a equipe agora. Eu vou te pegar. Vou descer em alguns

minutos. Deixe um agente com um carro. ”

“Sim, senhor. ” Welby desligou.

Exalando, Ethan caiu de volta em seus calcanhares. Ele abriu os olhos, estremecendo contra a

luz do sol.

Ele olhou para o telefone em sua mão. Sem textos. Nenhum texto na noite passada, nenhum

texto quando ele desembarcou, e nenhum texto esta manhã. Jack estava ignorando-o.

Porra! Ethan jogou seu telefone no quarto do hotel. Ele bateu na parede e caiu para o tapete, o

plástico quebrando como ele impactado. Engolindo, Ethan caiu para a frente, enterrando sua

testa no tapete.

Flexionou a mão direita. Seus nódulos ainda estavam inchados e machucados. Ele tinha lavado o

sangue seco fora em seu condomínio antes de ir para Dulles, e ele poderia mover todos os seus

dedos. Nada estava quebrado. Mas doeu como uma puta.

Seu coração doía mais, no entanto.

Gemendo, Ethan se pôs de pé e foi para o banheiro. Só mais alguns dias. Ele terminaria com isso e

poderia pedir uma transferência. Ele poderia fugir, para longe. Só mais alguns dias.

* * * * *

Jack piscou, olhando para o bloco de notas. Ele estava rabiscando, tentando desenhar um

triângulo perfeito. Os ângulos não estavam certos, e ele já havia tentado uma dúzia de vezes

antes. Vozes ecoavam ao seu redor, mas soavam muito longe, como se estivessem debaixo

d'água. Seu cérebro não funcionaria, não pensaria. Ele piscou novamente.

"Senhor? Sr. Presidente? ” Gottschalk o cutucou. "Você está bem?"

Jack largou a caneta. “Estou bem ” mentiu. Ele se endireitou, ajustando a jaqueta e fitou a mesa

em seu gabinete. "Desculpe, o que você estava dizendo?"

Lewis Parr, o secretário de Defesa, compartilhou um longo olhar com o secretário de segurança

interna. "Sr. Presidente, você deve viajar para a Cúpula da OTAN amanhã à tarde e os russos

colocaram tropas e mísseis a menos de mil milhas de Praga, na Romênia. Isto é uma ameaça

direta, senhor. Temos de responder. ”


"Eles também estão movendo aeronaves de elevação pesada para a região de Abkhazeti da

Geórgia. Nós pensamos que eles vão invadir o Iraque enquanto a cúpula está acontecendo. "

Gottschalk inclinou-se para a frente, olhando de lado para Jack. "A França tem dito 'eu avisei' a

todos os canais notícias. Os alemães e os britânicos estão calados, senhor. Eles estão esperando

nossa resposta. "

“ E qual é a nossa resposta? ” Jack olhou para o conselho, reunido em volta da mesa.

Silêncio.

O rosto de Ethan brilhou atrás de suas pálpebras enquanto ele piscava. Jack inalou

profundamente, mantendo os olhos fechados.

"Podemos enviar tropas para nossas bases na Europa. Podemos ter duas divisões mobilizadas

em vinte e quatro horas. ” Lewis inclinou-se para a frente, as mãos cruzadas sobre a mesa.

Os olhos de Jack se abriram. "E transformar uma situação já tensa em um impasse mexicano

sem sentido? "

"Sr. Presidente, podemos nos retirar da Cúpula da OTAN ", disse a Secretária de Estado Elizabeth

Wall. "Nós não pareceremos nobres, mas salvamos o rosto. Não estamos enfrentando um

agressor hostil enquanto eles estão ativamente construindo tropas na Europa e no Oriente

Médio ".

“Isso derrotará todo o propósito da cúpula, Elizabeth. ”

“Não já tem sido derrotado, senhor? ”

Jack agarrou sua caneta, desenhando outro triângulo. O que você quer fazer? A voz de Ethan

rolou através dele, repassando a conversa deles. Queria fechar os olhos e voltar para aquela

memória. Ethan, por que você tem tanta fé em mim?

Qual era a decisão certa? Corresponder aos russos? Agressão por agressão? A resposta provada e

verdadeira da América aos russos, durante os últimos cem anos?

Ou algo diferente?

"Tanto quanto eu realmente quero dizer aos russos para ir se ferrar, não podemos simplesmente

ignorar isso e esperar que tudo desapareça. Isso não funcionou por décadas. " Jack espiou ao

redor da mesa, olhando seu conselho nos olhos. Isso não seria popular. "Não. Iremos à cúpula.

Vou me encontrar com o presidente russo. Tente acalmar essa bagunça antes que todos

estejamos no meio da Terceira Guerra Mundial. Temos de tentar a via diplomática antes de

mandarmos a Europa de volta para uma guerra mundial ".

"Senhor... "

"Eu tomei minha decisão. Eu quero inteligência sobre o presidente russo, e tudo o que temos

sobre o ambiente político russo. Se ele tem problemas com os sindicatos dos professores, eu

quero saber. Se seu tio não pagou a conta de eletricidade, eu quero saber. Quero saber tudo o

que temos antes de partir. ” Ele olhou ao redor da mesa novamente. “Mande suas preocupações

para Jeff. Vou analisa-los e voltar para você. "

De pé, Jack virou a pasta saiu. O resto do conselho ficou em pé e silenciosamente esperou que

ele partisse.


Teria ele condenado a Europa a outra invasão? Seus dedos apertaram em torno de sua pasta.

Gottschalk o seguiu, atrás. "Sr. Presidente?"

Jack fez uma pausa, mas não se virou.

“Você está bem, senhor? ” Jeff se aproximou, falando em seu ouvido. Seu peito tocou o braço

de Jack, quente.

Jack estremeceu. Seus olhos se fecharam. “ Estou cansado, Jeff ” ele murmurou, mentindo. "Só

cansado."

A mão de Gottschalk levantou-se, apertando o ombro de Jack. “Faça uma pausa, senhor. Você

precisa estar descansado. " Ele apertou mais uma vez e então deixou cair a mão e afastou-se.

"Se você precisar de alguma coisa, me avise."

"Obrigado, Jeff." Jack assentiu, sem olhar para o chefe de gabinete, e apressou-se. Passou

rapidamente por sua secretária e entrou no salão oval, fechando a porta atrás dele.

Sozinho. Finalmente sozinho.

Inclinando-se para trás, Jack fechou os olhos enquanto ele afundava no chão. O que havia de

errado com ele? Ele não conseguia se concentrar. Ele não podia pensar direito. Havia um milhão

de coisas que ele deveria estar pensando, e nenhum deles tinha nada a ver com sua vida

amorosa. Ele estava equilibrado no precipício de um conflito que poderia separar o mundo

ocidental, e ainda assim... Ele estava perdido em suas memórias, repassando cada momento

que ele já tinha compartilhado com Ethan. Suas conversas. Assistindo aos jogos. Sendo

surpreendido com hambúrgueres. Surpreendente Ethan em troca.

Exalando, Jack bateu a cabeça contra a porta. Ethan...

Cada lembrança estava agora sombreada, corada com o conhecimento de que Ethan o queria.

Ethan estava tentando colocá-lo em sua cama? Ele estava tentando seduzir Jack?

Não, não podia pensar isso. O esmagamento totalmente devastado ao rosto de Ethan quando

ele o empurrou para longe não tinha sido apenas sobre um plano falhado, ou uma sedução

fracassada. Quando ele afastou Ethan, parecia que tinha arrancado o coração de Ethan.

Sua mente o traiu, trazendo uma lembrança que queria esquecer. Em vez de trazer o casaco de

Ethan para devolver, como tinha feito todas as outras vezes, Jack o tinha mantido. Ele não sabia

por quê, mas tinha. Ele pendurou-o no armário, enfiado entre seus outros ternos, de modo que

os comissários não o levassem para ser limpo com suas roupas. Por que ele estava mantendoo?

Por que o cheirou de novo quando o pendurou?

Ele não era gay. Ele não era atraído por homens. Inferno, ele não tinha sido atraído por ninguém

desde a morte de Leslie. Ele tinha sido um monge, um guerreiro-político celibatário dedicado ao

serviço público. As mulheres haviam sido atraídas por ele antes, tinham-lhe pedido para sair. Ele

não teve problemas em corta-los. Ele não tinha pensado duas vezes, e isso nunca o incomodara.

Assim não.

Então por que isso era tão doloroso? Por que sentiu que seu próprio coração tinha sido

arrancado? Por que ele tinha esse doloroso buraco em seu peito, sugando-o para as

profundezas?


Estava zangado? Não, ele não estava zangado com Ethan. Assustado? Não, isso era estúpido.

Não tinha nada com que temer. Ele não tinha razão para ter medo. A afeição de um homem não

o assustava. Ethan era seu amigo. Ethan era... importante. Muito importante.

Engolindo, Jack deixou seus olhos se abrirem. Ele olhava sem ver através de seu escritório, vendo

memórias jogar em sua mente. Ethan, inclinando-se para o beijo, começou a subir novamente. A

sensação de sua mão, quente, gentil, segurando sua mandíbula. Seus lábios secos acariciando

Jack. O deslize da língua de Ethan.

Gemendo, Jack inclinou-se para a frente, a cabeça entre os joelhos enquanto tentava recuperar

o fôlego. Droga, o que havia de errado com ele?

O bater na porta atrás dele sacudiu através de seu corpo. "Sr. Presidente?"

Jack se levantou, endireitando a jaqueta e passando as mãos pelo cabelo. "Sim?" Ele esperava

que ele não soasse tão desesperadamente nervoso quanto ele sentia.

Sua secretária enfiou a cabeça pela porta. O agente Daniels estava atrás dela. "Sr. Presidente,

hora de dirigir ao quarto de Roosevelt. Seu próximo compromisso está pronto. "

"Meu próximo compromisso?" Sua mente estava em branco. Ele continuou olhando para

Daniels. Onde estava Ethan?

"Você tem uma sessão de preparação de fala com sua equipe, senhor." Sua secretária franziu a

testa para ele. “Está se sentindo bem, senhor presidente? Você está pálido. ”

"Eu estou bem." Jack pegou sua pasta, ainda no chão. "Obrigado por perguntar." Ele tentou

sorrir.

Seu sorriso desapareceu quando ele se virou para o agente Daniels. "Vamos?"

O agente Daniels assentiu. Seus olhos se detiveram em Jack quando ele passou por ele, mas ele

permaneceu em silêncio. Os ombros de Jack caíram. Deveria ser Ethan andando com ele. Eles

estariam falando, as cabeças inclinadas perto. Ele pediria suas opiniões sobre a cúpula, sobre os

russos. Se havia uma voz que ele queria ouvir, o conselho de um homem que ele queria, era de

Ethan.

Jack hesitou na porta da sala Roosevelt. Tristeza puxou a base de seu coração, puxando sua

alma. O que tinha acontecido? Por que tudo tinha sido tão estranho? Para onde iriam daqui?

Ele queria seu amigo de volta.

* * * * *

A reunião de preparação do discurso foi longa. Jack não estava totalmente na reunião, e todos

sabiam disso. Como eles não poderiam, quando eles estavam tentando recuperar sua atenção

para todas as outras perguntas? Jack cancelou o resto da tarde e ficou na sessão. Ele ia fazer

isso. A segurança do mundo pode depender disso.


O que só o fazia sentir mais um idiota. Eles estavam pairando no precipício de um confronto

total com a Rússia e, por extensão, uma explosão no Oriente Médio, e ele estava distraído por

seus próprios problemas pessoais. Foi distraído por um único beijo.

Droga, por que Ethan o beijara? Não era como se ele tivesse o suficiente com o que se preocupar.

Não, isso não era justo. Ethan o beijou porque ele queria. Por causa de como ele se sentia. E por

Deus, como ele se sentia. O jeito que ele descreveu o que viu em Jack...

O suficiente. Ele estava andando em círculos.

Jack andava de um lado para o outro no quarto vazio de Roosevelt, examinando ostensivamente

os relatórios preparados que a equipe havia reunido naquela tarde. Ele já havia afastado dois

comissários que perguntaram sobre os seus planos de jantar. Ele não estava com fome. Mal

conseguira terminar um pedaço de torrada naquela manhã. Ele continuou pensando nos

hambúrgueres que tinha compartilhado com Ethan. Ethan tinha feito isso, tinha ido e pegou

hambúrgueres para os dois porque ele se preocupava com Jack. Porque ele queria fazê-lo feliz.

E ele estava muito feliz.

Tinha sido um encontro?

Gemendo, Jack se inclinou contra uma das cadeiras da mesa de conferência e olhou para o teto.

Por que isso o afetava tanto? Um beijo, a atração de um homem. No grande esquema das coisas,

não foi um grande negócio.

Mas isso é. Você sente falta de Ethan. Você não teve um amigo como esse em anos. Você sabe

que é verdade.

Sim, ele estava focado em sua carreira. Ele tinha sido conduzido, primeiro pela morte de Leslie e

depois por sua vontade de mudar e melhorar o sistema. As amizades tornaram-se símbolos,

pessoas que podiam fazer favores e que podiam chama-lo em troca. As poucas pessoas que ele

tinha em sua vida que estavam fundamentadas, normal e equilibrado estavam na periferia. Seus

companheiros de corrida. Companheiros de treino. Mas ele nunca tinha feito amizade com eles.

Nunca os procurou, os conheceu, passou um tempo com eles. Confiou neles.

Por que ele tinha feito isso com Ethan? Por que Ethan se tornou o que ele tinha: a pessoa mais

significativa em sua vida que ele tinha tido em anos? Foi sua dedicação? Sua humanidade?

Aquele coração aberto e quente na manga... o que Jack tinha destruído? O jeito que ele olhou

para Jack e fez ele se sentir como ele realmente poderia fazer qualquer coisa? Como se ele

realmente pudesse salvar o mundo.

"Ethan," Jack sussurrou. "Porque eu? Eu não sou especial o suficiente para você. Não sou o que

você quer.

A maçaneta girando fez Jack pular. Ele olhou, culpado, na entrada, tentando ficar quieto.

O agente Daniels levantou ambas as sobrancelhas quando viu Jack. Muito quieto.

"Sr. Presidente “ começou Daniels. “Estou saindo do turno em breve. O agente Keifer está

tomando conta. Ele estará fora se precisar de alguma coisa. ”

Jack acenou com a cabeça, uma vez. Sua língua parecia estar colada ao teto de sua boca. "Agente

Daniels", ele finalmente chamou, enquanto Daniels estava saindo.

Daniels virou-se. "Senhor?"


"Eu... não vi o agente Reichenbach hoje. Ele... ele está bem?

Os agentes do Serviço Secreto foram treinados para ficar em branco, foram treinados para ter

caras de poker impecáveis. Mas mesmo assim, Jack viu Daniels ficar pálido e seus olhos se

apertaram nos cantos. Daniels se mexeu, as mãos entrelaçadas nas costas e levantou o queixo.

“O agente Reichenbach levou uma equipe para Praga ontem à noite, senhor. Ele se juntou à

equipe de avanço lá. Eu... pensei que você sabia disso. ”

Jack apertou os lábios, segurando um grito. Ele balançou sua cabeça.

“Peço desculpas, senhor. ” Uma batida. Daniels olhou para ele, prendendo-o de volta com os

olhos. “ Há algo que eu possa fazer por você, senhor presidente? ”

Mudo, Jack sacudiu a cabeça novamente. "Não," ele finalmente disse, mal acima de um sussurro.

"Não. Vejo você amanhã na força aérea um. Boa noite."

Daniels acenou com a cabeça, pegou a dica e saiu.

* * * * *

Seus passos não pararam na sala Roosevelt. Jack finalmente se dirigiu para a residência depois

das nove da noite. Ele evitou o terceiro andar, seu escritório, o ginásio e o salão leste, todos os

lugares em que passara algum tempo com Ethan. Ele olhou para o interior da geladeira por cinco

minutos antes de fechar as portas. Ele não estava com fome.

Passear pelo salão central durou até a meia-noite. Rússia, a cúpula, o estado islâmico, o

desdobramento da China, o desdobramento da Rússia, e Ethan - sempre, sempre Ethan -

rolavam em seu cérebro. O que ele deveria fazer? Qual era o caminho certo?

Jack se deitou na cama depois de uma da manhã. Ele se moveu e se virou. Olhou para o teto.

Olhou para o relógio.

Finalmente, Jack entrou no armário. Lá, escondido entre seus ternos, estava o casaco de Ethan.

Ele olhou para ele por um minuto, antes de estender a mão e tirá-lo do cabide. O gancho caiu no

chão, mas ele o ignorou, puxando a jaqueta de Ethan perto do peito. Inalando, Jack fechou os

olhos. Outro inalar, mais curto, quase um suspiro, e ele enterrou o rosto no casaco de Ethan.

Desmoronando, Jack abraçou a jaqueta de Ethan em seu rosto, de repente gritando, cheio de

raiva, e em seguida, soluçando, arfando, peito dolorido, coração partindo. Ele enterrou o rosto

no tecido enquanto estava deitado no chão do armário, amontoado em uma bola. O tecido

encheu-se de lágrimas, encharcado sob o rosto, e o cheiro de Ethan acalmou Jack, levando-o ao

sono enquanto seus soluços diminuíam lentamente.

* * * * *


Ele acordou vindo em suas boxers.

Jack gemeu, esmagando os quadris contra o tapete, ainda meio adormecido. Gozando em jatos

em torno de suas bolas, molhando suas boxers. Ele se afastou, com os olhos arregalados, e olhou

para a virilha.

Ele recuou, tentando escapar de seu próprio gozo, limpando suas boxers e a mancha debaixo

dele no tapete. Não, não! Isso não poderia acontecer. Ele não poderia ter vindo apenas em suas

boxers como um adolescente. E merda! Vir no tapete da Casa Branca não era o legado que ele

queria deixar para trás. Jack rasgou sua camisa e esfregou a mancha, furiosamente tentando

puxá-la para cima. O cheiro de sexo o atingiu na cara.

Jack caiu de volta em sua bunda, encostado em suas calças de terno no armário. Que diabos

tinha acontecido? Ele não tinha gozado... fazia anos? Depois de Leslie, seu desejo sexual tinha

morrido. Masturbava-se algumas vezes depois de alguns anos, e depois um pouco mais com o

passar do tempo, mas não conseguia se lembrar da última vez em que se tocou. O que isso dizia

dele? Ele era basicamente sem sexo. Praticamente um robô. Ele certamente se sentia como um.

Seus sonhos, fragmentados, brilharam em sua mente.

Ele estava sonhando com Leslie, com sua esposa. Seu sorriso, o jeito que ela riu quando se

conheceram pela primeira vez. Como seu coração batia mais rápido, toda vez que a via. A

primeira vez que eles fizeram amor, deslizando sobre seu corpo, beijando seu caminho por seu

pescoço.

Ele tinha acariciado a pele quente, e suas mãos tinham acariciado uma coxa.

Uma coxa forte e peluda, flexionando poderosamente sob seu toque.

Ele continuou beijando, pelo pescoço quente, pelo pombo trepidante de adão e até um peito

amplo e peludo. Forte, poderoso e empolgado sob seu toque. Sob seus lábios. Uma voz

profunda, respirando seu nome, reverente e suplicante.

Ethan. Ele estava sonhando com Ethan.

Ele corou, de repente queimando. O embaraço inundou-o, seguido de choque. Ele estava

sonhando com Ethan. Flashes de memórias inundaram Jack: Ethan protegendo-o das multidões e

do perigo invisível. Ethan correndo ao seu lado em Camp David. O sorriso de Ethan e sua risada.

Os lábios de Ethan, beijando-o.

Jack exalou, tremendo. Suas lembranças do sonho o agarraram, repetindo a sensação de Ethan

sob suas mãos.

O que teria acontecido se Ethan o tivesse virado contra a mesa de bilhar e o tivesse beijado mais

fundo?

E se ele tivesse agarrado Ethan em troca e o beijasse de volta?

Que diabos estava errado com ele? Ele não era gay. Ele não era atraído por homens.

Mas ele tinha acabado de gozar, sonhando com Ethan.

Ele era ridículo. Jack levantou-se, atirando a camiseta arruinada sobre a mancha. O casaco de

Ethan estava em uma bagunça amassada no chão. Ele olhou para ele. Seu gozo tinha manchado

em um canto. As lágrimas manchavam o colarinho.


Jack agarrou a jaqueta e enrolou-a. Ele queria jogá-lo fora. Ele queria enterrar o rosto nele

novamente. Ele queria rasgá-lo em pedaços. Ele queria colocá-lo e embrulhar Ethan em torno

dele.

Em vez disso, voltou para o quarto. O relógio mostrou quatro da manhã. Ele não estaria

recebendo mais sono hoje à noite.

As malas estavam abertas ao pé da cama. Os comissários tinham embalado para ele ontem, e

eles deixaram o restante para Jack para terminar. Em algumas horas, ele estaria em Marine One

para a base da força aérea Andrews e depois para Praga.

Jack enfiou o casaco de Ethan em um dos bolsos de sapato da mala. Até para si mesmo, ele não

tinha nenhuma explicação do por que ele estava fazendo isso.

Lentamente, Jack recuou para fora do quarto, sem tirar os olhos da mala. Quando ele se

encostou na porta, a maçaneta espeto-o em seus rins, ele fugiu para fora, batendo-a fechada

atrás dele. Seu coração batia forte, batendo um ritmo baixo em seu cérebro, e ele não podia

ouvir, não podia ver, mal podia ficar de pé. Finalmente, ele conseguiu recuperar o fôlego,

profundo e longo, dentro e fora.

Pegajoso com as boxers molhadas, Jack deslizou pela parede e enterrou o rosto em suas mãos.

* * * * *

"Cavaleiro Um para Castle Keep. Vigilante em movimento. Saí do aeroporto agora e fui para

Castle. ”

Ethan digitou o rádio no Posto de Comando no Aria Hotel. "Castelo para Cavaleiro Um.

Reconheça o movimento. A rota é clara e a estimativa é vinte e quatro minutos. A ponte levadiça

estará para baixo quando você chegar. "

“Roger, Castle Keep. Cavaleiro Um fora. "

A voz de Daniels desligou o canal de rádio. Na tela, a caravana presidencial, um ponto vermelho

no mapa de Praga explodido em uma projeção de tamanho de parede, moveu-se do aeroporto

Checo R7, dirigindo-se para o sul para a cidade. Daniels era o motorista de Jack. Collard estava

correndo como homem de ponta, no lugar de Ethan, enquanto Ethan dirigia o Posto de

Comando. Castelo era o Posto de Comando no hotel, e cavaleiro era o codinome para os agentes

que se moviam com Jack.

Vigilante era Jack.

Ethan apertou a xícara de café em sua mão tão forte que o papel amassou. Café preto

derramado sobre o lado, batendo em sua pele. Ele a sacudiu, esfregando a mão na calça de

carga.

Sua cabeça ainda doía, mesmo dois dias depois de tomar aquela garrafa de uísque. Tinha-o

pegado de graça em uma passagem em Frankfurt, e tinha tomado a garrafa nas primeiras horas

da noite entre Frankfurt e Praga, e no táxi para o Aria. Um movimento eminentemente estúpido,

mas que ele tinha recebido no momento. Ele só precisava não sentir nada, só por algumas horas.


Agora, ele sentia apenas dor. E não apenas a dor de cabeça e o fígado ferido, também. Jack tinha

desembarcado, e isso havia rasgado as feridas em seu coração, tudo de novo.

Não tinha ninguém a quem culpar senão a si mesmo.

"O presidente tem trinta e cinco minutos no hotel antes que ele tenha que desembarcar para o

Castelo de Praga." Houve uma recepção para os chefes de estado naquela noite, em Vladislav

Hall no castelo do presidente checo. "A estimativa para o Castelo de Praga é de dez minutos."

Welby ficou ao lado de Ethan, esperando.

"Só tempo suficiente para o presidente desembaraçar." Ethan poderia imaginá-lo. Ele se

perguntou como seria o rosto de Jack quando ele entrou em sua suíte. Ele estava no topo do

castelo transformado em hotel com uma vista deslumbrante sobre a cidade. Uma vista do

Castelo de Praga brilhou da varanda da suíte do presidente. Opulento nem sequer começou a

descrever o quarto. A decadência europeia escorria das paredes, onde pendiam vigas medievais,

esculturas góticas e obras de arte renascentistas originais.

Ele só queria poder ver o sorriso de Jack.

Welby olhou para Ethan. “Gostaria de informar o presidente quando ele chegar, senhor? ”

Apesar de Welby ser o líder da equipe de avanço, desde que Ethan tinha chegado, ele era um

agente de classificação. Faria sentido que ele informasse Jack sobre os procedimentos de

segurança para a cúpula.

"Não. Não, vá em frente e cuide-se disso. ” Ethan firmou o estômago. Ele não queria encarar

Jack. Agora não. Nunca.

Ethan observou o ponto vermelho de Jack se aproximar.

* * * * *

Trinta e cinco minutos era tempo suficiente para que os assessores de Jack transportassem sua

bagagem para sua suíte e para o furacão que era sua equipe de apoio para descer no hotel em

massa. As malas caíram pelo corredor enquanto as portas se fechavam, e assessores se reuniam

nos corredores, compartilhando a senha do Wi-Fi e lendo e-mails uns com os outros. Ethan ficou

no Posto de Comando, um andar abaixo da suíte de Jack.

Ele não podia evitar. Ele ouviu no micro aberto quando Welby informou Jack.

Jack parecia exausto, o que era apenas mais uma coisa para Ethan ficar chateado com ele

mesmo. Sem dúvida, isso era culpa dele. Ele tinha colocado outro problema nos ombros de Jack,

tudo em meio a uma crise internacional. Ele só precisava ficar longe, manter a distância, e Jack

iria perceber que ele não era uma ameaça. Ele não iria mais o perseguir. Ou tente beijá-lo.

Assalto e bateria, sua mente sussurrou. Tocando sem consentimento. Toque indesejado sem

consentimento.


Jack respondeu às perguntas de Welby com respostas de uma palavra e grunhidos,

reconhecendo o plano de segurança, sua linha do tempo, e os procedimentos de emergência se o

pior acontecesse.

"Partimos em..." Ethan ouviu, imaginando Welby verificando seu relógio. “ Dez minutos, Sr.

Presidente. Nós bateremos em sua porta quando for hora. "

Jack grunhiu, e Ethan ouviu Welby desculpar-se.

“Agente Welby? “

“Sim, senhor presidente? ”

Ethan pressionou o fone de ouvido na orelha dele. A voz de Jack fez seus ossos doerem, mas ele

queria ouvir um pouco mais.

“O agente Reichenbach está aqui? ”

Ethan congelou.

"Sim senhor. Você gostaria que eu o chame para você? "

"Não!" Jack praticamente bateu em Welby.

O sangue de Ethan se transformou em gelo. Seu coração parou.

“Não ” continuou Jack. "Eu só queria verificar. Não precisa incomodá-lo. ”

"Sim, senhor." Welby se desculpou novamente, e Ethan ouviu a porta se abrir e fechar antes de

arrancar o fone de ouvido para fora e se inclinar para frente, tentando desesperadamente não

se perde completamente na frente de todos.

Jack o odiava.

* * * * *

Vladislav Hall no Castelo de Praga era tudo o que um salão de banquetes medieval gótico deveria

ser.

Jack olhou com admiração para os tetos abobadados e as vigas de madeira expostas que

cercavam a catedral. Tintas douradas cobriam as paredes de pedra e o teto. Cinco lustres de

bronze de mão tripla de três cantos pendurados em correntes, iluminando o salão cavernoso. A

luz brilhou nos vidros cintilantes das janelas arqueadas ao longo da parede mais distante. As

janelas eram as mais antigas peças sobreviventes da arquitetura renascentista do mundo, fora

da Itália.

Os líderes da OTAN se moveram no salão, a vibração suave e o tilintar de cristal ecoando com os

sons de delicados garfos e porcelana. Linguiça, pato e coelho assando em espetos de mesa,

cercados por aperitivos artisticamente dispostos e pilhas de guardanapos de seda dobrados. Os

garçons se moviam entre os presidentes, primeiros-ministros e chanceleres, carregando

bandejas de vinho, cerveja e champanhe.


“Aqui não vai nada ” murmurou Jack. À sua direita e à esquerda, os Agentes Collard e Daniels

flanquearam todos os seus movimentos. A secretária Elizabeth Wall estava atrás dele, com seu

próprio agente do serviço secreto, e atrás dos dois, Gottschalk e sua equipe ficaram na

retaguarda.

Ele foi anunciado para o salão, e a maioria dos chefes de Estado aplaudiram.

Notavelmente silencioso era o presidente russo, comendo lentamente um espeto de coelho

frito. Ele olhou para Jack, sorrindo devagar. Não foi um sorriso amigável.

Jack se dirigiu para ele. “ Presidente Puchkov ” disse ele, estendendo a mão. "Estou tão feliz que

você foi capaz de fazê-lo."

O presidente russo, Sergei Puchkov, olhou para sua mão estendida.

Os sons de conversa no salão desapareceram.

"Sr. Presidente, " Puchkov resmungou. Alto e esguio, o presidente russo ofuscava a altura de

quase 1,80 de Jack. Seu braço longo estendeu a mão, uma mão fria apertando Jack. "Eu não

pensei que você conseguiria."

"É preciso mais do que suas tropas indo para uma caminhada para me impedir de vir." Jack

balançou a mão de Puchkov mais uma vez antes de deixar ir. "O compromisso dos EUA com

nossos aliados da OTAN é absoluto."

Puchkov sorriu. Ele colocou seu espeto de coelho em uma bandeja de garçom que passava e

pegou duas taças de champanhe. “ Um brinde, Sr. Presidente. ” Ele passou um dos copos para

Jack. "Para manobras militares!" Puchkov tomou um gole de champanhe, seus sarcásticos olhos

rindo, observando Jack como um falcão. “Você finge surpresa? ”

Jack piscou. Ele não tomou uma bebida. "A que eu deveria estar bebendo?"

“Os seus militares também fizeram um pouco de caminhada, Sr. Presidente. Uma divisão,

acredito, se mobilizando para o seu Centro de Treinamento em Hoenfels, sim? ”

A fúria desenrolou-se dentro de Jack, um lento rebentar de cada vez. Ele não tinha ordenado

isso. Ele havia ordenado explicitamente para não mover aquelas tropas. Não que ele pudesse

revelar isso a Puchkov. “ Tenho certeza de que você entendeu.

Puchkov riu em voz baixa. Terminando o champanhe. "Teremos tanto para discutir aqui, Sr.

Presidente. O mundo está em jogo, não? Estou ansioso para isso. " Um rápido aceno de cabeça, e

então o presidente russo foi embora.

"Filho da puta," sibilou Jack sob sua respiração. Ele estava tremendo, praticamente vendo

vermelho.

"Sr. Presidente? ” Collard estava em seu cotovelo instantaneamente.

Deveria ser Ethan.

“ Vamos embora ” grunhiu Jack. "Vamos."

* * * * *


Berrando com secretário de defesa no assento traseiro de seu SUV não era como Jack queria

que sua primeira noite em Praga acabasse. Lewis disse que não sabia o que tinha acontecido,

mas assumiu a responsabilidade pelo movimento das tropas, no entanto.

"Esta não é a mensagem que eu queria enviar para os russos, Lewis!" Jack gritou através do

telefone. "Eu queria começar esta cúpula de um espírito de cooperação!"

“Eu entendo, Sr. Presidente. Eu não emiti estas ordens. Mas eu tomo totalmente a

responsabilidade por este erro, e vou descobrir como isso aconteceu, senhor. "

"Faça isso. E coloque as nossas forças europeias no bloqueio. Preciso esfriar esta situação,

imediatamente. "

"Sim senhor."

Jack suspirou. “ Me ajude, Lewis. Eu não preciso lutar contra os russos e meu próprio povo.

Precisamos passar por isso juntos. Entende?"

"Sim senhor. Eu entendo."

"Por favor, deixe-me saber quando você tem informações para mim sobre o que aconteceu

aqui." Jack desligou depois que Lewis concordou. Ele inclinou-se para a frente, apoiando o

telefone na testa.

O que Ethan diria? Se ele estivesse no carro, eles poderiam ter falado sobre isso? Ou pelo menos

enviado mensagens, do banco traseiro ao assento dianteiro? Ele olhou para frente, observando

as formas silenciosas dos agentes Daniels e Collard. Eram companheiros de Ethan. Seus colegas

mais próximos. Amigos dele.

Eles sabiam? Não. Ethan queria manter a amizade em segredo de todos. Eles não podiam saber.

Mas eles sabiam sobre os sentimentos de Ethan por ele?

Jack ligou a tela do telefone e puxou suas mensagens de texto. Ethan ainda estava no topo e o

último texto que trocaram foi há três dias. Foram apenas três dias? Seu polegar pairava sobre o

teclado.

O que diabos ele diria?

Eu sinto muito? Eu não sou digno de seus sentimentos? Eu tive um sonho molhado ontem à

noite sobre você, e é a primeira vez que eu gozei e eu não consigo me lembrar por quanto

tempo? Eu não sei o que isso significa... mas eu não consigo tirar você da minha mente?

Jack desligou a tela do telefone.

* * * * *

A maior parte da equipe de viagem presidencial estava exausta e desviada quando Jack voltou.

Ele passou quase duas horas com Gottschalk em sua suíte, examinando os pontos de

conversação e seu discurso para o dia seguinte e fazendo ajustes agora que estavam na

defensiva. Jack chutou Gottschalk quando ele pegou seu chefe de gabinete sufocando seu

terceiro bocejo.


Ele deveria estar exausto. Ele não tinha dormido muito na noite anterior, mas ele estava

correndo em alguma mistura enlouquecida de apreensão e adrenalina. Amanhã era isso. Ele

enfrentaria Puchkov, deteria essa agressão... ou falharia.

Jack andou, longos metros para frente e para trás em toda a suíte. Realmente era uma fabulosa

suíte.

Também era solitário. Tão dolorosamente solitário.

Antes que ele soubesse o que estava fazendo, Jack estava pegando o telefone do Serviço Secreto e

discando para o Posto de Comando.

Um agente que ele não reconheceu por voz apanhou. “Posto de comando, Agente Torres. ”

“Agente Torres, pode mandar o agente Reichenbach para a minha suíte? ”

“Agente Reichenbach? Uh, sim, senhor, Sr. Presidente. Imediatamente."

"Obrigado." Jack desligou o telefone, colocando-o no gancho com um clique silencioso e

controlado.

O que diabos ele estava fazendo?

* * * * *

Ethan fechou os olhos do lado de fora da porta do quarto de hotel de Jack. Ele tinha sido

convocado, convocado oficialmente, e tinha certeza de que tudo iria sair nos próximos minutos.

Censura, a raiva de Jack, sua demissão. Ele teria preferido não ter isso feito em uma rede aberta,

mas talvez isso era o que ele merecia. Ele suportaria sua vergonha e seus erros.

Duas batidas rápidas assinalaram sua chegada. A porta se abriu sob seu toque.

“Está aberto ” Jack chamou de dentro.

Inalando profundamente, Ethan preparou-se uma última vez antes de entrar no quarto.

Jack estava no centro da suíte, seu casaco, as mangas da camisa enroladas, a gravata desfeita e

o cabelo desgrenhado. Seus óculos estavam empoleirados no topo de sua cabeça, ligeiramente

torcidos, e suas mãos estavam emaranhadas na frente dele, os dedos se torcendo um contra o

outro.

Ele parecia perfeito. O coração de Ethan doía, desejando-o com as profundezas de sua alma.

Mas ele já cometeu esse erro uma vez. Ele não poderia fazê-lo novamente. Endireitando-se,

Ethan juntou as mãos atrás das costas e limpou a garganta. "Sr. Presidente, " ele grunhiu.

Jack abriu a boca. Fechando. Seus dedos se torceram.

Ele segurou o olhar de Ethan, seus olhos azuis insondáveis olhando profundamente em Ethan.

Uma respiração tornou-se duas, tornou-se cinco.

Ethan lambeu os lábios.

Jack começou a se virar. Ele balançou, apoiado contra uma mesa lateral e se apoiando com uma

mão.

"Sr. Presidente? ” Ethan deu um passo à frente, mas hesitou. "Você está bem?"


"Eu preciso sair daqui," Jack finalmente disse. Ele virou os olhos ardentes para Ethan. Desespero

urgente explodiu de dentro. “Por favor, Ethan. Preciso sair. Só um pouquinho. ”

Ele piscou lentamente. “ Para onde, senhor? ”

Jack engoliu em seco. Ele jogou a mão na direção da janela e do Bairro dos Pequenos Reis.

"Apenas para fora, talvez ao redor do bloco? Pegar uma bebida em algum lugar? "

"Você pode tomar um drinque aqui, senhor..."

"Não, não é a bebida. Estou... estou sufocando aqui, Ethan. Preciso sair. ” Jack aproximou os

lábios. "Por favor. Por favor, me ajude a sair, só por um pouco. "

Ethan fechou os olhos e exalou. A sugestão foi ridícula. Mas ele tinha o poder de virar Jack,

depois de tudo?

"Você me chamou porque sabia que eu teria que te ajudar? ", Ele sussurrou.

Jack desviou o olhar. "Eu... "

"Eu farei isso," Ethan interrompeu. Ele não queria ouvir essa resposta. "Eu vou fazer isso, mas

faremos do meu jeito. Vou pegar alguns agentes. Vamos executar uma formação de pontos. Nós

nunca deixaremos seu lado. " Ethan fixou Jack com um olhar duro. “ Entende, senhor

presidente? ”

"Sim."

"Você tem alguma coisa causal?"

Jack vasculhou sua mala, revirando calças e calções antes de tirar um jeans e um suéter com

capuz. Ethan avistou um pedaço de tecido preto saindo do canto da mala de Jack.

“Coloque isso. Voltarei com mais alguns itens para o seu disfarce. ” Ele saiu. “ Estarei de volta

com os agentes em dez minutos, senhor presidente. ”

"Ethan..."

Ethan parou, mas não se virou.

"Obrigado," Jack finalmente disse, em voz baixa.

Ele saiu da suíte sem dizer uma palavra, sem olhar para trás.

No corredor, Ethan puxou seu rádio, falando no microfone preso no interior da manga do casaco

do terno. "Preciso de um agente vestido com roupas simples para vigilância e os agentes Collard e

Daniels vestidos em civis e armados no Posto de Comando em cinco minutos." Aperte a

formação de pontos. Ele nunca deixaria Jack desprotegido. Mesmo que Jack odiasse o

pensamento, ele estava recebendo uma segurança completa. "Vigilante está indo em uma

caminhada."


Capítulo nove

Rússia diz que qualquer mobilização militar dos EUA na Europa será "um ato de guerra."

O presidente russo, Sergei Puchkov, anunciou esta manhã que qualquer mobilização de tropas

americanas dentro da Europa seria tomada como um ato de guerra. O Presidente Puchkov falou

antes de viajar para Praga, onde se reunirá com o Presidente dos Estados Unidos para discutir a

situação de segurança na Europa e a ameaça contínua do estado islâmico. Os Estados Unidos

ainda não responderam à declaração do presidente russo.

* * * * *

O Bairro dos Pequenos Reis ostentava vários bares e restaurantes, a maioria deles abertas até

altas horas da manhã. Ethan, Daniels e Collard escoltaram Jack para fora do Hotel Aria através

da entrada dos fundos e depois o levaram entorno das paredes e pela rua principal. O resto dos

agentes estavam fora da visão de Jack, já no lugar nas calçadas, em seus SUVs, e percorrendo a

rota à frente de Jack.

Jack puxou o boné que Ethan lhe tinha dado ainda mais baixo na cabeça. Ele trocou o terno por

um capuz, e com o gorro, ele parecia todo um festeiro europeu. Ethan, Daniels e Collard

completaram a fachada com suas calças casuais e blusas de mangas compridas.

A noite estava fria, mais fria do que em Washington, e o ar estava fresco e limpo. Antigos muros

de pedra se erguiam ao redor deles, junto com torres de castelos medievais. O Castelo de Praga

apareceu acima do bairro dos Pequenos Reis, brilhando à noite e aparentemente flutuando

acima deles. Ruas de paralelepípedos retorcidos e virados sob seus pés, passagens antigas pela

cidade atemporal.

Olhando para os lados, Ethan viu Jack sorrir e seus ombros se desenrolarem enquanto eles

subiam a rua. Seu próprio coração se soltou um pouco. Se Jack precisasse disso, estaria lá por

ele.

Ethan tinha colocado agentes em cada um dos bares ao longo de sua rota e tinha três equipes

acompanhando seus movimentos. Quando Jack sugeriu, pelo seu capricho, que estivesse no

terceiro bar à direita, Ethan jogou, fingindo que era uma decisão fora do roteiro, e que ele não

tinha o lugar já garantido. Ele ordenou a Daniels e Collard para deixar os microfones abertos.

Todos os agentes, e todas as equipes que os acompanhavam e estacionavam em bares, podiam

ouvir cada palavra.

"O U Maleho Glena?" Ethan falou o nome do bar em voz alta, alertando os agentes lá dentro.

“Claro, Sr. Presidente. ” Ainda caminhando com Jack entre ele e Daniels, com Collard levantando a

retaguarda, Ethan se assegurou de dar uma olhada ao bar, contando janelas portas e saídas

traseiras enquanto subia os degraus. Entrou primeiro, atravessando a soleira e estendendo a


mão, parando Jack enquanto fazia uma rápida verificação do interior. Quatro agentes sentaramse

no bar, colocados estrategicamente, e cada um encontrou seu olhar casualmente antes de

afasta-lo. Mais sinalizando que eles estavam no caminho. Ethan viu outros quatro agentes

instalados do outro lado da rua, encostados à antiga lâmpada a gás e fingindo dar uma volta.

O bar foi, na verdade, um clube de jazz, cheio, mas não abarrotado. Músicos com dreadlocks

lamentavam em saxofones e faziam uma batida lenta, balançando, e uma morena voluptuosa

envolta em seda vermelha estendia uma canção trágica. Ethan não podia entender as palavras,

mas o som de sua voz roubou na alma de Ethan, abrindo as fraturas de seu coração partido. Ele

queria ficar e ouvir para sempre. Ele queria fugir e nunca mais voltar.

Em vez disso, Ethan levou Jack a um espaço vazio no bar. Ficou de pé entre Jack e o resto do bar

quando Daniels pegou o outro lado, entre Jack e a parede. Pedra áspera forrava o clube,

deixando o espaço escuro. A bar de noz escura brilhou, e atrás dos barmens, prateleiras de vidro

iluminadas apresentavam as seleções de bebidas. Ethan observou as mercadorias. Este foi um

lugar de alta classe.

Jack recostou-se contra o bar e observou a banda de jazz, batendo o dedo com a batida. Ethan

tinha roubado um par de Converse de um dos agentes de tecnologia no Posto de Comando, e

Jack estava atualmente ostentando um par de Chucks de cano-alto com cadarços desgastados.

Ele se encaixava, de uma maneira nerd, e Ethan tinha tentado duro para não sorrir quando Jack

olhou para ele para aprovação.

O barman chegou, e Ethan ordenou para Jack. Ele não pensou duas vezes sobre isso, pedindo

uma cerveja local que era escura e rica, mais de um lager do que um pilsner, torrado e pesado e

não muito viciante. Ele tinha bebido com ele o suficiente para saber seu gosto em cerveja.

Daniels, aparentemente, achou estranho. Ele olhou para Ethan quando o barman se afastou,

falando "o que diabos?" Para ele com uma careta.

Ethan o ignorou.

Sem bebidas para ele, ou para Daniels ou Collard. Ou o resto dos agentes da equipe. Era melhor

todos beberem água ou refrigerante.

Quando a cerveja de Jack chegou, Ethan se virou e se inclinou contra o lado de Jack. Ele passou

sem dizer nada, tentando ser rápido, mas Jack se virou e sorriu para ele, quente, amigável e

cheio. Isso roubou a respiração de Ethan, e ele apertou sua mandíbula e rangeu os dentes,

tentando impedir um soluço repentino de rasgar livre de sua alma. A morena sensual sussurrou

uma última nota, aparentemente apenas para o coração torturado de Ethan sozinho.

Ele se afastou de Jack e se apoiou contra o bar.

Daniels olhou para ele. Ethan podia sentir os olhos de Collard colados nas suas costas. Porra. Ele

estava tão fodido.

"Omluvte..." Atrás de Ethan, uma pequena loura estava tentando alcançar o bar. Ela falou

novamente, em tcheco, e espremida entre Jack e Ethan. "Omluvte, promiňte."

Langer e Pilsner são tipos de cervejas. ( achei melhor deixar no original )


Franzindo o cenho, Ethan tentou empurrá-la para fora. "Ei. Por favor, afaste-se. ”

"Oh, desculpe-me," ela disse, mudando para inglês acentuado. Jack se afastou, dando-lhe mais

espaço no bar.

Ethan olhou para ele por cima da cabeça da mulher. Droga, eles não deveriam deixar ninguém

perto dele.

"Desculpe," ela disse novamente, sorrindo apologética para Ethan e Jack. "Eu só preciso pedir."

"Não há problema!" Jack sorriu e se virou com ela, de frente para o bar. “ O que você está

bebendo? ”

Oh Deus. Não, porra, não. O olhar de Ethan tornou-se assassino, e Daniels e Collard estavam

altos e prontos. Eles olharam para Ethan, esperando por direção.

Ethan esperou também. Jack não ia flertar com aquela mulher... iria?

Ela riu novamente. Ela estava embriagada, apenas tímida de estar bêbada. "Eu bebo uísque,"

ela disse, olhando Jack de cima a baixo, lentamente. "Uísque americano."

"Uísque americano?" Jack riu.

"É forte e barato. Como os americanos. "Ela piscou para Jack enquanto uma mão o cutucava no

peito. "Você é americano."

"Talvez."

"Você parece familiar..." Agora ela estava olhando para Jack, tentando ler seu rosto.

"Tudo bem, isso é suficiente." Ethan deu a volta e empurrou seu caminho entre Jack e ela. Jack

recuou, quase colidindo com Daniels, mas abriu espaço para a súbita entrada de Ethan.

Ela olhou fixamente para Ethan, de olhos arregalados, antes de sua expressão azedar. "Com

licença," ela estalou. "Você é muito rude."

De repente, Jack estava de volta, encostado ao lado de Ethan tomando um gole de cerveja.

"Desculpe, senhora", ele disse, com seu melhor sotaque de cowboy. "Este é meu namorado, e

ele não gosta de compartilhar."

Todo o ar parecia desaparecer fora do universo. A cabeça de Ethan nadou, as cores ficaram

borradas e misturadas, e vagamente ele registrou o som do vidro caindo e quebrando. O rosto

chocado da mulher se transformou, voltando-se para um riso feliz, e pediu desculpas

repetidamente enquanto ela esperava por sua bebida. Jack acenou, ainda grudado ao lado de

Ethan. O calor de seu corpo se tornou abrasador, e Ethan se afastou, tentando escapar.

Jack tropeçou. Collard agarrou-o, estabilizando-o.

Todos olharam para Ethan.

Collard e Daniels tinham assassinato em seus olhos, fúria crua misturada com choque nu.

O olhar de Jack machucou mais. A confusão guerreava com medo, um medo ansioso, profundo,

enterrado nas profundezas de seus olhos azuis quebrados.

Omluvte significa desculpa em Tcheco.


Medo dele. Deus, medo dele.

Ethan virou a cabeça e puxou a manga do suéter, falando no microfone. "Quarterback está

saindo. Preciso de um agente dentro do bar, agora. ” Fúria surgiu dentro dele, rugindo em suas

veias. Ele não podia ver direito, não podia ouvir direito. Havia vidro quebrado sob seus pés - o

copo de água de Daniels - e ele continuou pisando nos cubos de gelo. Grunhindo, Ethan chutou

o vidro e o gelo contra a parede, quebrando os últimos grandes pedaços de vidro em pó.

Franzindo o cenho, Jack abriu a boca. "O que? Existem outros aqui? ”

Um dos agentes no canto levantou e se dirigiu a eles enquanto outro dois do outro lado da rua

começaram a subir os degraus do bar.

"Sim," Ethan sibilou, girando para enfrentar Jack. "Você acha por um segundo que eu correria

algum risco com sua vida?" Ele se virou. Ele não podia olhar para ele. Agora não. Não depois de

ter feito isso, disse isso.

A substituição de Ethan finalmente chegou. Ele olhou para Ethan, olhos cobertos tentando

esconder sua risada. Para os outros agentes, isso era uma piada, uma história hilariante que eles

jogariam ao redor do posto de comando, de como o presidente se livrou de um bêbado tentando

pegá-lo em um bar de jazz tcheco.

Não era engraçado para ele. "Eu estou saindo para a rua," ele grunhiu. Ele empurrou seu

caminho passado Collard - que propositadamente bateu-lhe com o ombro - e se dirigiu para a

saída.

“Ethan! Ethan, espere! ”

Ethan ouviu palavrões e arrastar de cadeiras no bar, depois pesados passos atrás dele. Ele

continuou abrindo a porta e saindo para a rua de paralelepípedos. O ar da noite bateu em seu

rosto, e embora fosse legal, não fez nada para acalmar sua fúria ardente, ou seu coração

gritando.

"Ethan!" Jack veio descendo os degraus atrás dele, seguido por Collard, Daniels, e o outro

agente, todos tentando alcançá-lo.

Ele não podia deixar Jack persegui-lo, desprotegido e exposto assim. Amaldiçoando, Ethan girou.

"O que?"

Os olhos do agente substituto se arregalaram. Ninguém jamais falou com o presidente dessa

maneira.

Jack não pestanejou. Ele parou diante de Ethan, franzindo o cenho. "O que aconteceu, Ethan? O

que há de errado?"

"O que há de errado?" Ethan tentou controlar sua voz, tentou se manter de gritar. Ele não

deveria gritar com ele, não na frente de metade do serviço secreto inteiro. Ele viu Daniels puxar

Collard de volta, e seu substituto. "O que você disse lá..." A garganta de Ethan apertou quando

sua raiva se derretu, transformando-se em angústia. Suas mãos se apertaram, mais e mais. O

microfone aberto. Cuidado com o que você diz, idiota!

"Isso foi apenas uma piada," Jack disse suavemente. "Eu só estava tentando me livrar dela."


"Não assim!" Ethan rosnou entre dentes cerrados. Maldição, seus olhos estavam lacrimejando.

Ele piscou rápido e desviou o olhar. Ele não podia olhar para Jack. “ Pode ser hilário para você,

mas para mim... ”

A mão de Jack se levantou, tentando alcançar Ethan, mas ele parou. Puxado de volta. "Apenas

saiu, Ethan. Eu não estava pensando. "

"Significa algo para mim!" Ethan sibilou. Deus, ele estava tremendo. Ele ia se despedaçar. Ethan

apertou os olhos. Inalado. Exalado. Soltou os punhos.

Jack ficou em silêncio.

"Está feito, Sr. Presidente", ele finalmente grunhiu. "Você deveria voltar para dentro."

“Não. ” Jack sacudiu a cabeça. Ele desviou o olhar. “ Não, já acabei. Vamos."

Ethan acenou com a cabeça uma vez. "Quarterback chamando. Todos os agentes, se encontrar

em U Maleho Glena imediatamente." Agentes saiam das construções, equipes saiam das ruas e

de atrás de edifícios e postes. Outros saíram de bares acima e abaixo na rua. Mais de cinquenta

agentes reunidos em torno de Jack em alguns momentos.

Jack balançou a cabeça, rindo entre dentes. Não era uma risada feliz.

Ethan assentiu para a equipe. "Todo mundo, forma-se."

"Sr. Presidente. ” O agente mais próximo de Jack fez sinal para a frente enquanto o resto dos

agentes formavam uma bolha solta ao redor dele.

Jack se afastou, sem olhar para Ethan.

Ethan esperou, parado no meio da rua, enquanto Daniels e Collard caminhavam lentamente em

sua direção.

"O que diabos foi isso?" Collard sibilou. “ Droga, Ethan! ”

Daniels cruzou os braços e sacudiu a cabeça. "O que está acontecendo com vocês dois?"

Deus, ele não precisava dessa merda. Ele já sabia que ele tinha fodido. Ele já sabia que tinha

cometido um erro. Ele não precisava de Jack esfregando no rosto dele, e ele certamente não

precisava de merda empurrada sobre ele de Daniels e Collard. Agora não. Não quando ele só

queria correr em frente ao trem mais próximo, ou rasgar as paredes de pedra que cercavam-no

na rua com as mãos nuas.

Ou desmoronar no chão e apenas soluçar. Deixar sair toda sua dor, dor agonizante. Porra.

Ethan atirou a ambos os seus amigos um olhar fulminante. “Nada está acontecendo entre nós. ”

“Isso não parecia nada! ” Berrou Collard. Ele avançou, ameaçador, em direção a Ethan.

Reagindo, Ethan agarrou Collard imobilizando e puxando-o para baixo. Collard reagiu,

perfurando Ethan no estômago e dando-lhe uma joelhada. Grunhindo, Ethan afastou-se,

girando fora do alcance, mas Collard abaixou e veio com um gancho de direita através da

bochecha de Ethan.

"Pare!" Daniels gritou. "Jesus, pare com essa merda!"


Ethan estreitou os olhos, segurando uma mão no rosto. Ele correu a língua sobre os dentes,

verificando se todos estavam ali e nenhum estava solto. Até aí tudo bem, mas sua cabeça doeu

e seu olho estava latejando. "Foda-se, Scott," Ethan gemeu.

"Foda-se, Ethan!" Collard gritou. "O que você está fazendo? Você disse que estava bem! Você

disse que não era nada! "

"Isso não é nada!" Ethan rugiu. “ Ele não me quer! Ele não quer nada comigo! "

“ Ele te chamou de namorado! ”

"Ele estava jogando na minha cara." Ethan cuspiu no concreto, procurando sangue.

Finalmente, Daniels olhou para Ethan com algo diferente da raiva. Seus olhos se escureceram

quando seus lábios se torceram, e ele lambeu os lábios enquanto olhava para longe. "O que

aconteceu?"

Ele tinha fodido, isso era o que tinha acontecido. Ele tinha se apaixonado pelo homem errado e,

como uma ilusão, esperava algo vir a partir daí. Que porra idiota ele tinha sido.

"Um erro."

* * * * *

Horas depois, Ethan estava trocando o gelo em seu saco e cutucando seu olho inchado. Collard

não tinha falado com ele na caminhada de volta, em vez correr em frente e deixar Ethan com

Daniels. Daniels não disse muito, mas também não censurou Ethan.

Seu telefone zumbiu.

Ethan olhou para a tela iluminada. Passava das duas da manhã. Collard estava querendo gritar

com ele de novo? Ele não sabia que Ethan já se odiava pelo que tinha feito?

Ele agarrou o telefone e se sentou na cama, descansando a bolsa de gelo em seu olho inchado.

Estaria roxo amanhã. Ele bateu a tela do telefone.

O texto era de Jack.

Por favor, volte para segurança amanhã. Os russos querem se encontrar cedo. Dizem que têm

algo para nós. Eu preciso de você comigo. Eu preciso de você lá. Por favor, Ethan. E depois,

depois da cúpula, podemos conversar?

Droga! Ethan apertou o telefone em suas mãos até que o plástico rachado se esticou, rangendo

em seu aperto. Cerrando seus dentes, Ethan arremessou o telefone através do quarto quando

seu peito desmoronou e seu coração explodiu, e os soluços o puxaram até que ele enterrou seu

rosto nos travesseiros, rugindo para fora sua dor.

* * * * *

Na manhã seguinte, Ethan abriu a porta da limusine presidencial para Jack exatamente às sete e

quinze. "Sr. Presidente."


Ele escondeu seu olho preto inchado atrás de seus óculos. Eles não o impediram de ver a ferida, o

rosto nervoso de Jack quando ele saiu do elevador no saguão do hotel, ou como sua expressão

mudou, transformando-se num alívio surpreso misturado com agonia ao ver Ethan. Ainda assim,

Jack não disse nada a Ethan enquanto se aproximava ou respondia ao cumprimento do lado do

carro.

Gottschalk entrou depois de Jack, acenando uma vez para Ethan. A secretária Elizabeth Wall

seguiu atrás, percorrendo seu telefone. Ethan fechou os três dentro e depois saltou para o banco

do passageiro dianteiro.

Daniels estava dirigindo. Collard o olhou fixamente, completamente chateado, quando ele disse

que estava retomando sua posição de chefe sobre a segurança naquela manhã e movendo

Collard para o posto de comando. Collard não tinha dito nada a ele desde a noite anterior.

Estavam a dez minutos do Castelo de Praga. Os russos pediram uma reunião matutina com Jack,

antes do início da cúpula. Na parte de trás, Ethan ouviu Jack, Gottschalk e a secretária Wall

passar sobre sua preparação de última hora enquanto roubava olhares no espelho retrovisor

para Jack.

"O que supomos é que eles têm algo para nos oferecer?" Os óculos de Jack estavam

empoleirados na ponta do nariz, enquanto ele olhava entre Gottschalk e Wall.

“Desconhecido, senhor. ” Gottschalk inclinou-se para a frente. "Eles não diriam ao telefone. Eles

disseram que o presidente Puchkov só falaria com você, e apenas cara a cara. "

Jack suspirou. "Eu não gosto disso. Eu não confio em Puchkov, e eu não vejo por que eles

estariam em um bom estado de espírito depois do que aconteceu ontem. "

Ethan franziu o cenho.

"Senhor, o destacamento de tropas para a Alemanha foi interrompido. Eles deveriam ter

percebido o rebaixamento de nossas forças durante a noite. " Wall estava folheando papéis em

sua pasta.

"Enquanto eu o tenho sozinho, esta é uma oportunidade perfeita para trazer todos os outros

problemas que temos com os russos." Jack enviou um olhar azedo para Gottschalk. "Por um

centavo, por uma libra. Não podemos deixar que eles continuem operando sozinhos na Síria. "

“Ou fazer outra invasão na Europa. ” Jeff segurou o olhar de Jack, sem vacilar.

"A Geórgia também está nos chamando sobre a mobilização dos russos em Abkhazeti", disse a

secretária Wall. "Não podemos deixar isso sem resposta."

"O que Bagdá disse sobre a ameaça russa de invasão?"

"É... difícil conseguir alguém em Bagdá nos telefones hoje em dia", disse Wall.

"Tudo certo. Certo. ” Jack assentiu para si mesmo. Ele olhou para o espelho, encontrando o olhar

de Ethan. "Eu vou ver o que Puchkov tem. Estarei exigindo que ele saia de Abkhazeti, se retire

das terras ocupadas na Europa e concorde com a colaboração internacional em relação à Síria. "

Ele exalou. “ Acha que ele vai rir de mim e me tirar da sala? ”

Gottschalk e Wall compartilharam um olhar inquieto.


Daniels abrandou na entrada do Castelo de Praga. "Cavaleiro Um para Castle Keep," Ethan disse

para o microfone. "Vigilante chegou ao tabuleiro." Ele ouviu o reconhecimento de Welby

enquanto ele saiu da limusine e abriu a porta para Jack e sua equipe.

Jack abotoou seu terno ao lado de Ethan quando Gottschalk e Wall se afastaram.

"Você ouviu tudo isso?" Jack disse em voz baixa.

"Sim."

"Pensamentos?" Jack alisou suas mãos na frente de sua jaqueta.

Ethan virou-se para Jack. Apesar de tudo, ele ainda acreditava em Jack, nas profundezas de sua

alma. A dor que sentia era de sua própria conta, não dá de Jack. "Você consegue fazer isso. Eu

sei que você pode... Jack. " Ethan inalou rapidamente. “Não há nada que você não possa fazer.”

Os olhos de Jack se fecharam quando ele exalou. "Você pensa muito de mim," ele sussurrou. Ele

abriu os olhos. Encontrou o olhar de Ethan através dos óculos de Ethan. "Estou feliz por estar

aqui."

"Eu estou com você todo o caminho, senhor," Ethan sussurrou de volta. Depois de um momento,

ele limpou a garganta. “ Pronto para entrar, senhor presidente? ”

“Sim, agente Reichenbach. Lidere o caminho."

* * * * *

O presidente Puchkov estava sentado sozinho na mesa do café da manhã quando Jack entrou.

Momentos antes, Jack trocou um longo olhar com Ethan antes de fechar a porta e deixá-lo

sozinho com Puchkov.

"Eu estarei bem aqui fora", Ethan sussurrou.

"Estou feliz," Jack sussurrou de volta.

Agora, era só ele e Puchkov.

"Junte-se a mim, Sr. Presidente!" Puchkov gesticulou para a única cadeira em frente à pequena

mesa redonda. "O café tcheco é bom aqui. Exportação russa. Pode dar partida no motor. " Ele

serviu a Jack uma xícara cheia de café preto profundo e então deslizou o pires sobre a mesa. “

Temos muito que discutir. ”

Puchkov puxou uma mão para baixo, sobre uma pasta, dobrada ao lado de sua xícara de café.

"Você deve ser uma pessoa da manhã." Jack se sentou em frente a Puchkov e cheirou o café.

"Isso cheira muito bem."

"Russo. Eu prometo; você nunca terá melhor café, nunca. Seu material americano... “ Puchkov

descartou a ideia de Jack de café com um aceno de sua mão. “Venha. Tome um gole. Me diga o

que você acha."

Jack sorriu, saudou Puchkov com sua xícara de café e tomou um gole. O café estava quente,

espesso, e profundamente torrado. Tinha consistência, e estava pesado na língua, como

chocolate derretido, antes de deslizar pela sua garganta.


Foi o melhor café que ele já provou.

“Você tem razão, senhor presidente ” disse Jack com um sorriso. "Isso é delicioso."

"Ah. Sabe, o café não é a única coisa que eu estou certo. Puchkov manteve o olhar fixo de Jack

enquanto a temperatura na sala mergulhava.

Lentamente, Jack se recostou na cadeira, com todos os traços de seu sorriso desaparecido.

Claro, Puchkov tinha jogos. "E o que é isso?"

“Estou certo de que você quer ver o que está nesta pasta. ” Os dedos de Puchkov tocaram na

pasta, um após o outro.

Jack não disse nada por um longo momento. "Você queria que eu estivesse aqui, mas você não

fez nada além de me ameaçar, na Europa e no Oriente Médio por meses. Não estou brincando

com você, Puchkov. ”

Puchkov empurrou a pasta, com um olhar amargo no rosto. “Não estou tentando brincar com

você, senhor presidente. ”

"Seu anúncio sobre nossos movimentos de tropas ser um ato de guerra certamente soa como

jogos."

"Bah." Puchkov afastou Jack e se sentou. "Você sabe como é. Postura, para a mídia ".

Jack pegou a pasta mas manteve o olhar fixo de Puchkov. O presidente russo tinha olhos

pequenos e um nariz curvado, tensão saindo de seu rosto estreito. Profundos sulcos estavam

gravados em suas bochechas, uma vida inteira de olhares azedos e falta de sorrisos. Não que

houvesse muitos sorrisos na KGB ou no exército russo, onde Puchkov ganhara sua experiência.

Puchkov cruzou as pernas.

Ele abriu a pasta.

Uma foto olhou para ele. Ele piscou.

O braço direito de Al-Karim, seu tenente, Talib Al-Síria, olhou para Jack a partir da foto. Seus

olhos estavam desesperados, procurando algo, e um oficial militar russo o reteve em um abraço

russo. Jack supunha que se ele estivesse preso num abraço russo, ele ficaria igual. Talib estava

molhado e contusões cobriam seu peito e pescoço. O sangue escorria da sua têmpora. Seu lábio

estava dividido, e havia uma queimadura fresca esticada em seu ombro direito.

“Você conhece esse homem, não é? ”

Jack olhou para Puchkov pela borda da pasta. "Todo mundo conhece Talib Al-Syria. Ele

desapareceu. Ninguém foi capaz de obter qualquer informação sobre seus movimentos, não por

anos. Quando foi tirada? ”

Puchkov olhou para o relógio. “Cerca de três horas atrás. ” Ele esperou a resposta de Jack.

Silêncio.

“Pegamos o Sr. Talib na fronteira entre o Iraque e o Irã. ” Puchkov fez um gesto para afastar o

olhar franzido de Jack. "Sim, já estamos no Iraque. Nós nos mudamos para o Iraque quando nos

mudamos para a Síria, mas vocês estavam todos tão preocupados com a Síria que não prestaram


atenção ao que estávamos fazendo sobre o Mar Negro. " Um sorriso sórdido, suas mãos

estendidas. "Você está tão preocupado com algo que já está acontecendo, Sr. Presidente."

"O que você quer de mim?"

"Ah. É o que você quer de mim. " Puchkov inclinou-se para a frente, cotovelos sobre a mesa.

"Nós temos Talib. Nós pegamos ele contrabandeando uma bomba através da fronteira do Irã

para o Iraque. "

"O quê!" Jack se levantou, quase derrubando o café.

Outra vez, Puchkov rejeitou a preocupação de Jack. "Meh, você sabe que o estado islâmico tem

querido uma bomba nuclear. Por que você está tão surpreso? "

A terceira Guerra Mundial parecia cada vez mais iminente. Jack tentou controlar sua respiração,

tentou firmar-se. A voz de Ethan tocou em sua mente. Você consegue fazer isso. Eu acredito em

você. Engolindo, Jack tentou enterrar sua súbita vergonha. Ethan, você pensa muito de mim.

"Como aliado do Irã, devo assumir que você sabia de suas capacidades nucleares?"

"Sabíamos de certas facções dentro do Irã. Sabemos de suas capacidades ", corrigiu Puchkov. "E

eles, sendo aliados amigáveis, nos derrubaram na aquisição do estado islâmico."

Aparentemente, falar com Puchkov foi como ele falou com os iranianos hoje em dia.

"Você sabe que os iranianos odeiam o estado islâmico. Xiita, sunita... ” Puchkov encolheu os

ombros, minimizando séculos de conflito religioso com um dar de ombros. "Nós levamos Talib

antes que ele fizesse contato com Al-Karim."

"Por que não esperar e pegar Karim ao mesmo tempo?"

"Vocês americanos! Temos Talib, um dos homens mais procurados do planeta, e você se queixa

de que não o embrulhamos para você! " As mãos de Puchkov bateram na mesa. Inclinou-se para

perto, não mais brincando, de repente sério. "Nós não esperamos, Sr. Presidente, porque como

você, não queremos ver uma arma nuclear destruir o Oriente Médio. Havia uma chance de ele

detonar antes de encontrar Al-Karim. Não vimos isso como um risco aceitável. "

Exalando, Jack estudou o presidente russo. Alguma coisa era verdadeira?

Poderia ele ter a chance de que não era?

"Eu teria feito a mesma ligação", ele finalmente disse. "Você tem meus agradecimentos."

"Bah." Puchkov afastou-se da mesa e cruzou os braços. Ele estava sempre em movimento, nunca

quieto. "Eu não quero seus agradecimentos. Quero negociar. ”

E aqui está. Jack cruzou as pernas e recostou-se. “ Negociar o quê? ”

"Talib".

"Para?"

"Você vai fechar suas bases militares no Cazaquistão. E o Uzbequistão. ”

Jack sacudiu a cabeça. "Fora de questão. Fazemos voos de reconhecimento sobre o Irã a partir

dessas bases. Não podemos fechá-los. ”


"Eu sei que você faz voos de reconhecimento de lá", Puchkov gemeu. "E os iranianos sabem que

você faz voos de reconhecimento do Cazaquistão. Todo mundo sabe que vocês voam nessas

missões, Sr. Presidente. Suas bases não são tão eficazes como você acredita. Você sabia sobre

Talib, por exemplo? "

Jack permaneceu em silêncio.

"Aqui está o que eu proponho. Você fecha suas bases no Cazaquistão. Nós, no espírito da

cooperação internacional e da comunidade, e tudo isso, " Puchkov rolou o pulso, brincando com

os princípios fundamentais do direito internacional e boa vontade " vai recebê-lo em nossas

bases do norte do Iraque. Você pode lançar suas missões a partir daí. Nós compartilharemos

nossa inteligência iraquiana com você, e permitiremos que voem através do espaço aéreo do

norte do Iraque de suas bases na Turquia. "

"Bagdá sabe que você já está no seu país?"

"Bagdá não sabe nada do que acontece fora de Bagdá. Todo o país é o oeste selvagem. ” Puchkov

bateu na mesa. "Eu farei isto melhor para você. Vamos parar nossas operações na Síria por conta

própria. Traremos uma moção para as Nações Unidas, pedindo uma força de manutenção da

paz. Tomaremos a dianteira, naturalmente, mas tudo estará em cima e para cima. " Puchkov

falava a língua americana facilmente, embora seu sotaque russo fosse grosso e pesado, cortando

as palavras.

“Isso é bom. ” Refletiu Jack. Inclinou-se para a frente também, observando Puchkov. "Mas não é

suficiente. Você não apenas invadiu o Iraque, e você não apenas iniciou operações militares na

Síria sem qualquer tipo de supervisão ou cooperação internacional. Você também invadiu as

nações soberanas na Europa. Você invadiu países democráticos. Isso não podemos ficar

sentados e ignorar. "

“Você o ignorou por dez anos, sim? ”

"Eu não a ignorei. E eu sou o presidente agora. "

Puchkov se inclinou para trás, sorrindo. "Eu gosto de você, Sr. Presidente. Você tem muda. "Ele

agarrou sua virilha. “ Bolas. ”

Jack levantou uma sobrancelha.

"Concordo com isso, e só isso: vou realizar eleições antes do fim do ano. Nessas eleições, pedirei

ao povo que vote sobre um referendo. Continuam a fazer parte da grande Rússia, ou cortam

todos os laços e voltam a ficar fracos e sozinhos. "

Era quase muito fácil. Jack olhou para Puchkov. O presidente russo balançava o pé e batia os

dedos na mesa.

“O que você acha, Sr. Presidente? Nós temos um acordo?"

“Abaixe suas forças também em Abkhazeti. ”

"Eles eram apenas um show." Puchkov sorriu. "Nós coordenaremos com você, naturalmente,

em implantações para o norte do Iraque. Você vai querer colocar suas Forças Especiais no país,

sim? "

Jack não respondeu. "Por que você quer as bases do Cazaquistão e do Uzbequistão? Por que isso é

tão importante para você? "


O sorriso de Puchkov desapareceu de seu rosto. Sua fachada fácil, sua brincadeira, desapareceu.

"Porque é." Seus lábios se torceram enquanto ele balançava seu pé, para cima e para baixo, mais e

mais. Ele suspirou. "Sr. Presidente, temos a chance, agora, de mudar o mundo. Podemos tentar

trabalhar juntos por uma vez, sim? América e Rússia? Nós temos algo que você quer. Eu quero

algo de você. Podemos ajudar uns aos outros. Talvez até ajude o mundo, sim? ” Puchkov franziu a

testa, como se não gostasse do gosto de suas próprias palavras. “ Agora, temos um acordo, Sr.

Presidente? Devemos entregar o senhor Talib à sua embaixada em Moscou? ”

“Qual é o seu horário? ”

"Paramos as operações na Síria imediatamente. Propomos uma resolução da ONU antes do final

do mês. Nós anunciamos os referendos... humm, no próximo mês. Eles serão realizados em

dezembro. ” Os olhos de Puchkov entediados em Jack. “ Suas bases fecharão dentro de doze

meses. ”

"Dezoito."

“Doze meses, senhor presidente. Ou nenhum negócio. "

Doze meses. Os militares poderiam quebrar as bases até então. Não havia voos regulares de

longo curso dentro e fora do Afeganistão mais, não desde a retirada completa anos atrás. O que

eles perderiam?

O que os russos ganhariam?

Este era o caminho certo? Quantas vidas seriam salvas? A Rússia voltaria à comunidade mundial

para ajudar a encontrar uma solução para a Síria e o estado islâmico, em vez de aumentar o

problema. A Europa veria um levantamento do Véu de Ferro que começara a cair. Eles

receberiam Talib e qualquer inteligência que Talib pudesse ter. Talvez até Al-Karim.

Quantas vidas tinham os russos tinham salvo por parar Talib?

Puchkov estava certo; foi uma oportunidade para mudar seu curso. América e Rússia,

trabalhando junto. Fazia quase cem anos que isso acontecera pela última vez, e eles haviam

mudado o mundo então.

Poderiam fazê-lo novamente?

Eu acredito em você. Eu sei que você pode fazer isso.

Exalando, Jack segurou a imagem de Ethan em sua mente enquanto fechava os olhos. Espero

que isso funcione, Ethan. Estou confiando na sua confiança em mim.

"Doze meses. Mas você fornece ajuda alimentar às zonas de reassentamento de refugiados na

Europa. "

Puchkov revirou os olhos, mas ele acenou com a cabeça, agitando as mãos no ar. "Sim", ele

disse, "vamos alimentar os preciosos refugiados".

De pé, Jack estendeu a mão. Puchkov levantou-se também, segurando a palma da mão e

balançando o braço, uma vez.

"Meu povo entregará Talib à sua embaixada às seis da tarde de hoje, em Moscou." Ele assentiu.

“Estaremos em contato, Sr. Presidente. ”


Sem outra palavra, Puchkov afastou-se, desaparecendo do quarto pela entrada de trás que

levava para os jardins do castelo. Sua equipe de segurança esperou, descendo em torno de

Puchkov no momento em que ele estava lá fora.

Jack desmoronou de volta em sua cadeira. Ele tinha cometido um erro? Ou salvou o mundo?

O que ele tinha feito?

Atrás de Jack, a porta se abriu. Ethan entrou na sala, verificando tudo, sua cabeça em um giro.

"Sr. Presidente? Puchkov acabou de sair. " Os passos de Ethan desapareceram no tapete oriental

de pelúcia. "Você está bem?"

Olhando para cima, Jack viu o olho negro de Ethan pela primeira vez. “Ethan! O que aconteceu? ”

Ele estendeu a mão para o rosto de Ethan.

Ethan interceptou sua mão, gentilmente, e guiou seu braço para baixo. "Não," ele sussurrou.

"Por favor."

Jack assentiu, mesmo que seu peito estivesse desmoronando, e sua garganta estava apertada.

Desde aquele beijo, nada tinha sido o mesmo. Como ele poderia corrigir isso? Como ele poderia

consertar isso?

"Eu preciso ficar com minha equipe," Jack grunhiu. “ Fique perto. Quero ouvir seus

pensamentos. ” Jack parou. “ Se está tudo bem? ”

Ethan desviou o olhar. "Você sabe que eu estou com você todo o caminho."

Por que parecia que o fim estava bem na esquina?


Capítulo dez

Rússia deixa a Cúpula da OTAN antes que ela comece, anuncia retirada na Síria e proposta de

resolução da ONU.

O presidente russo, Sergei Puchkov, deixou a Cúpula de Emergência da OTAN em Praga esta

manhã antes do início da cúpula. Esta partida abrupta veio depois de um encontro entre Puchkov e

presidente Spires pela manhã no castelo de Praga. Os detalhes da reunião permanecem vagos;

contudo, o Presidente Puchkov fez dois anúncios inovadores pouco antes de partir de Praga.

Primeiro, as tropas russas suspenderão imediatamente as operações militares na Síria até que

sejam criadas parcerias internacionais sustentáveis. Recentemente, as tropas russas na Síria

operaram sem nenhuma cooperação ou contato com outras forças da região. "A Rússia sempre

acreditou na plena cooperação das nações", disse Puchkov. "A Rússia quer que todas as nações

saibam que têm o apoio da comunidade internacional, liderada pela Rússia. Para isso, vamos

apresentar uma resolução nas Nações Unidas para construir uma coalizão de nações que

abordará a Síria e as preocupações de segurança do Oriente Médio, incluindo o estado islâmico.”

* * * * *

O resto da cúpula passou em um borrão.

Ethan ficou com Jack enquanto ele se reunia com Gottschalk e a secretária Wall, dissecando sua

troca com Puchkov. Gottschalk e Wall estavam nos telefones depois disso, chamando

Washington, DC e Moscou, e todos no meio.

Havia espaço, no meio de tudo isso, para que Ethan se inclinasse e sussurrasse ao ouvido de

Jack, "Você fez a coisa certa."

Quando Jack oscilou para trás, apoiando-se nele, Ethan não sabia o que fazer. Ele apertou a mão

nas costas de Jack, firmando-o, e depois afastou-se. Jack estremeceu sob seu toque, e Ethan

puxou sua mão para trás, como se queimado.

O anúncio da Rússia mudou o tom e o teor das reuniões. De repente, os líderes estavam

discutindo sobre os desdobramentos de tropas e o que eles poderiam contribuir para uma força

de manutenção da paz e o que eles precisavam mantê-los em casa, protegendo suas terras. À

tarde, eles finalmente chegaram a discutir a inteligência compartilhada em toda a Europa e

aumentaram os sistemas de alerta para a prevenção de futuros ataques.

Em vez de jantar, houve um coquetel de recepção, e uma série de ONGs foram convidadas.

Dignitários e líderes de organizações de ajuda, empreiteiros de reconstrução e missões

humanitárias juntaram-se aos políticos no coquetel.

Penélope de Mendoza virou mais de uma cabeça quando entrou no corredor. Ela não estava

usando nada de especial; Como presidente dos Médicos sem Fronteiras, ela tinha se


comprometido publicamente a não se deleitar em aparência e circunstância. Ela usava um

vestido de bainha simples e um xale tecido no Nepal, e seus longos cabelos castanhos pendiam

soltos em ondas em cascata.

O presidente francês estava sobre ela em um piscar de olhos, prendendo seu braço através do

dela e guiando-a pelo salão.

Ethan ficou na sombra de Jack durante a recepção, parado atrás de seu ombro. Quando o

presidente francês finalmente abriu caminho em direção a Jack, com Penélope no braço, o

estômago de Ethan caiu no chão.

"Sr. Presidente. ” Penélope fez uma reverência quando Jack segurou sua mão na dele. Era um

gesto delicado, quase real.

Jack sorriu largo. Ethan desviou o olhar.

"Senhora. Mendoza. Eu ouvi muito sobre você. O trabalho de ajuda de sua organização em todo o

mundo é incomparável. ” Jack estendeu o braço. "Posso roubar você por um momento?"

Penélope trocou alegremente o velho presidente francês por Jack, escorregando em seu braço.

Embora estivesse linda e se mexesse como uma princesa, ela tinha uma mente afiada, e em

poucos minutos, ela e Jack tinham suas cabeças juntas, falando sobre a situação síria e as

necessidades na região.

Ethan queria vomitar, de pé atrás dos dois.

Ele tinha recebido a mensagem, obrigado, e ele não precisava desse lembrete. Sim, Jack estava

em linha reta. Não, Jack não o queria. Mas ele precisava estar lá quando Jack encontrou alguém

que ele queria?

Seu humor se azedou durante a noite, mesmo depois que Penélope despediu-se graciosamente

de Jack e se mudou, conversando com a primeira-ministra britânica por mais uma hora,

enquanto as duas mulheres bebiam vinho pelas janelas renascentistas. Ele ficou quieto durante a

viagem de volta ao aeroporto, e ficou na área de beliche do convés abaixo quando todos

subiram na força aérea um.

Ninguém o incomodava. Ninguém tentou falar com ele. Nem mesmo Daniels. Especialmente

não Collard.

Quando seu telefone tocou, pouco antes da decolagem, Ethan não quis responder. Ele estava

deitado de costas no beliche, tentando esquecer a vida dele, e tentando descobrir como

escrever seu pedido de transferência para o diretor Stahl. Ele teria sorte se ele ainda pudesse se

transferir depois desta viagem. Ele poderia muito bem apenas renunciar.

Seu telefone tocou novamente, chocalhando contra seu peito.

Ele tocou a tela.

Jack.

Podemos conversar?

Ethan. Por favor. Estou te implorando. Eu não quero deixar coisas assim. Por favor. Venha ao

meu escritório na AF1? Temos dez horas neste voo. Vamos usá-los.


Ele não queria fazer isso. Ele não queria enfrentar Jack, ou ter que enfrentar a si mesmo e o que

ele tinha feito. Ele tinha quebrado as regras, violado os regulamentos, e destruído qualquer e

todos os limites entre ele e Jack. Ele não tinha ninguém para culpar por sua mágoa, senão ele

mesmo.

Estou a caminho.

Hora de acabar com isso. Ele ouvia Jack esboçar uma explicação de como ele estava lisonjeado,

mas reto, e Ethan tinha que superar isso e seguir em frente. Ele acenava com a cabeça e

concordava e então escapava, e quando aterrissassem, ele nunca mais precisaria ver Jack

novamente.

Só podia esperar.

Ethan subiu as escadas de volta para a cabine principal. Um comissário passou por ele no

corredor, levando uma bandeja de água para a cabine traseira. Na frente do avião, as portas do

escritório privado de Jack se erguiam grandes, levando à Suíte do Presidente a bordo do avião.

Atrás do escritório, Jack tinha um quarto e um banheiro, e até um chuveiro. Ao fundo do

corredor estava a sala de conferências onde Gottschalk gostava de se espalhar em voos longos.

Ethan tinha coberto Gottschalk com um cobertor e apagou as luzes na sala de conferências

depois que ele desmaiou mais de uma vez.

Duas rápidas batidas na porta sinalizaram sua chegada. Jack gritou, “Entre. ”

Ele escorregou para dentro. Fechando a porta atrás dele.

Jack estava parado lentamente atrás de sua mesa. "Obrigado", ele sussurrou. "Estou feliz que

você veio."

Ethan deixou seus olhos percorrer Jack. Era a última vez, afinal. Jack tinha tirado seu terno e

aberto os botões da camisa, e estava apenas com sua camiseta puxada para fora das suas calças

de terno. Ele havia tirado os sapatos ao lado da mesa.

"Me desculpe," Ethan começou. "Eu sinto muito pelo que eu fiz. Eu não deveria ter... eu não

devia ter te beijado. Eu não deveria ter me apaixonado por você. Eu não deveria ter dado o meu

número de celular, e eu não deveria ter passado algum tempo com você em tudo. Tudo o que

aconteceu é por causa do meu mau julgamento, e tudo isso é culpa minha. " Ele engoliu em

seco. “Sinto muito, senhor presidente. ”

Suspirando, Jack afundou. Seus ombros caíram, e seus dedos esfregaram um contra o outro,

repetidamente. "Não é tudo culpa sua, Ethan. Não tome toda a culpa. "

Ethan desviou o olhar. Se pudesse, saltaria deste avião. Pousar em qualquer outro lugar, em

qualquer lugar do mundo.

"Eu não sabia... eu não pensei... " Jack parou, gaguejando e exalando. "Olhando para trás, parece

tão claro. Mas eu não sabia no momento o que estava acontecendo. "

"Senhor, você não precisa fazer isso." Ele falou através de dentes cerrados e apertados. “ Vou

pedir uma transferência assim que aterrissarmos. Não precisamos mais discutir isso. E você não

precisa se preocupar com qualquer comportamento inadequado de mim. " Ethan fez uma pausa.

“Qualquer outro comportamento impróprio. ”


Jack levantou a cabeça. Seus olhos estavam arregalados, o choque marcando as bordas de seu

olhar enquanto seu rosto empalidecia. Seus lábios se apertaram quando ele os pressionou

juntos. Ethan observou o pombo de adão subir e descer engolindo lentamente.

O momento se prolongou, o silêncio deixando o ar tenso entre eles. O som dos motores a jato

atravessou o escritório, tremendo o chão sob os pés de Ethan. Soou como estática enchendo

seu cérebro, como o borrão elétrico que tomara conta de sua mente, lavando seu mundo em

um coro de “deveria ter” e “se apenas”.

Deveria ir embora. Ele deveria se desculpar e sair do escritório, mas Ethan ficou onde estava.

Jack parecia estar trabalhando em algo. Ele lambeu os lábios e desviou o olhar. Olhou para baixo.

Inclinou-se para frente, apoiando as mãos contra a mesa. Exalando.

Finalmente, Jack encontrou o olhar de Ethan.

Seu rosto aterrorizado chocou Ethan, e sua respiração engatou.

"Eu não quero que você vá embora," Jack respirou. Sua voz era áspera, capturando o que parecia

um medo preso em seu peito. "Eu quero que você fique."

"Eu não posso." Ethan odiava a forma como sua voz rachou, quebrando em seu coração partido.

"Eu não posso. Assim não."

Os olhos de Jack se arregalaram quando ele respirou fundo. Mas seu olhar era forte enquanto

olhava para Ethan. "Então vamos descobrir como fazer isso funcionar."

O coração de Ethan pulou uma batida. Ele abriu a boca, mas nenhuma palavra saiu.

Endireitando, Jack manteve a cabeça erguida e, embora o medo ainda o derramasse, Ethan o

observou juntar suas forças. “Quando me apaixonei por minha esposa” começou Jack, com a voz

trêmula, “ eu estava consumido por pensamentos dela. Perguntei-me o que ela estava fazendo a

cada momento. Eu não podia esperar para vê-la novamente. O som de sua voz aumentou meu

ânimo. Seu sorriso fez o meu dia. Eu queria passar cada minuto que eu podia com ela. " Jack

piscou rapidamente e limpou sua garganta. Ele olhou para baixo, olhando para sua mesa por um

longo momento. "Quanto mais eu a conhecia, mais eu me apaixonava por ela. Eu sabia o que

estava acontecendo, e eu me apaixonei por ela com os olhos bem abertos. Eu o recebi. "

Quando Jack olhou para cima, todo o ar dos pulmões de Ethan explodiu em um rápido suspiro.

O anseio havia substituído o medo de Jack, profundas, e misturado com esperança e tristeza.

"Quando estou ao seu redor, sinto como se estivesse me apaixonando por ela."

Ethan não conseguia respirar. Suas palmas coçavam, e seus ossos estavam em chamas,

queimando-o por dentro. "Você é reto," ele grunhiu.

“Toda a minha vida. ” Jack lambeu os lábios. "Nos últimos quinze anos, eu realmente fui

celibatário. Pensei que o sexo, o romance e o amor haviam desaparecido da minha vida. Eu não

queria nem considerar nada depois da morte de Leslie. ”

De novo não. Ele não queria ser o idiota que lembrou Jack de sua esposa morta novamente. "Por

favor senhor. Pare. Não precisamos... ”

"Me escute, Ethan, caramba." Exalando, Jack passou as mãos pelo cabelo selvagem. As pontas

ficaram loucas. "Eu conheci e me casei com minha esposa, e eu a amava com todo meu coração.


Aos trinta anos, parei minha vida sexual e empurrei para longe qualquer pessoa que quisesse

algo romântico de mim. " Ele hesitou, engolindo de novo. “E aos quarenta e cinco anos, fui

beijado pelo meu melhor amigo, e não consigo tirar aquele beijo da minha cabeça. ”

De repente, Jack estava em um rolo. Ele começou a andar no espaço apertado atrás da mesa,

afastando a cadeira. "Hoje, quando Penélope Mendoza estava comigo, tudo que eu conseguia

pensar era o quanto eu queria que fosse você. Eu queria que você se inclinasse perto de mim,

Ethan. Eu queria estar resolvendo os problemas do mundo com você. E antes, eu queria estar

explorando Praga com você ao meu lado. Eu quero você na minha vida. Eu quero ver você todos

os dias. Quero ouvir sua voz. Quero passar meu tempo livre com você e roubar tempo longe do

trabalho só para ouvir sua risada. " Ele parou, olhando para Ethan. "Eu soltei essa piada no bar

porque o pensamento de você e eu juntos está em minha mente desde que você me beijou."

"Pare. Por favor. Pare. " Ethan balançou a cabeça, para frente e para trás, tentando apagar as

palavras de Jack. “Você não sabe o que está dizendo... ”

"Algo está acontecendo aqui. Eu não sei o que é. Eu nunca teria conhecido... eu nunca teria

sequer considerado isso se você não tivesse me beijado. Você era meu amigo, meu melhor

amigo agora, e eu provavelmente teria mantido uma amizade de longo prazo com você, nunca

percebendo o que... " Ele hesitou. " o que isso poderia ser," ele terminou, sua voz suave.

“Você está isolado. Solitário. Este é apenas o isolamento da presidência falando. " As mãos de

Ethan cerraram em punhos, repetidamente. "Se você tivesse outras opções, você não diria isso."

Ele se virou.

“Caramba! ” A mão de Jack bateu para baixo em sua mesa, dando um tapa na superfície e

quebrando o ar no escritório. "Eu não consigo dormir porque eu continuo vindo por todos os

meus sonhos! Sonhos sobre você! "

Girando, a mandíbula de Ethan se fechou enquanto seus olhos ardiam, olhando para Jack.

"Eu não sei o que está acontecendo comigo!" Jack gritou. "Eu não sei se isso significa que eu me

sinto assim sobre você! Eu não consigo tirar você da minha mente! Eu quero estar com você o

tempo todo! Parece que estou me apaixonando por alguém mais uma vez. Caindo por você. ”

Jack estremeceu quando ele exalou. "Tudo o que eu pensava que sabia sobre mim está

mudando." Ele olhou nos olhos de Ethan. "Eu tenho duas escolhas. Posso ignorar isso, e posso

deixá-lo se transferir. Nós dois podemos enterrar isso, e eu volto para minha vida sem amor,

vazia. Eu posso te deixar ir. Seria fácil. Tão fácil. ”

Ethan não podia aceitar isso. Seu coração iria explodir, ou ele iria vomitar ou entrar em

combustão espontaneamente. O fogo e o gelo enfureceram dentro dele, queimando sua alma.

Sua cabeça doía, e sua mandíbula apertava, seus dentes rangiam juntos. Ia quebrar um dente;

Ele só sabia disso.

"Ou eu posso enfrentar isso. Permitir-me sentir novamente. Aceitar que eu... " Jack mordeu o

lábio. "Que eu acho que posso me apaixonar por você. Cair para um homem. Apesar de tudo o

que eu já conheci. "

"Você acha que pode cair para..." Ethan balançou a cabeça, tentando limpar o grito de sua

mente. Isso não estava acontecendo. Ele estava sonhando, e ele ia acordar soluçando,

novamente. "O que você está tentando dizer? Que você quer um experimento gay? Porque eu


não posso fazer isso. Não posso ser seu teste gay, Jack. Eu me preocupo muito com você por

isso. ”

“Não. ” Jack deslizou ao redor da mesa, parando em frente a Ethan, a poucos metros de

distância, mas parecia milhas. Ou mais. " Eu nunca pensei que eu me sentiria assim por um

homem. Mas eu sinto. Eu quero você, Ethan. E agora eu tenho que descobrir o que fazer sobre

isso. " Ele cruzou os braços e se deslocou em seus pés. "Eu quero descobrir como fazer isso

funcionar. Juntos. Quero tentar, Ethan. Porque... ” Uma pausa, quando Ethan sentiu seu coração

explodir. "Porque quando você realmente se apaixona por alguém, você tem que estar disposto a

tentar qualquer coisa para fazer isso funcionar. Por isso estou perguntando... podemos

descobrir isso? Podemos fazer isso funcionar? "

"Você é o presidente..."

“Somente nos próximos três anos e meio. Eu não sou o cargo. Você sabe disso melhor que

ninguém. ”

"Você vale mais do que uma palavra."

Jack sorriu, melancólico. "Você pensa tanto de mim. Não sei o que fiz para ganhar o seu respeito.

Mas, Ethan, a maneira como você olha para mim. " Seus olhos mudaram. O calor ardia em seu

olhar. "Isso me faz sentir vivo."

Ethan fechou os olhos, tentando respirar. Dentro e fora, mais e mais, com suas mãos apertadas

em punhos. O mundo estava girando muito rápido. Ethan estava realmente adormecido,

provavelmente gemendo em seu beliche embaixo dos decks, e acordaria a qualquer minuto. Por

favor, acorde. Acorde! Eu não quero mais ouvir isso. Eu não quero ouvir meus sonhos se

tornarem realidade só para eles acabarem!

"Você é reto," Ethan respirou. "Você vai decidir que isso não é para você. Você gosta da ideia,

mas não vai gostar da realidade. "

"Eu me masturbava pensando em você ontem à noite," Jack soltou. "Depois que voltamos do

bar. Eu gozei... mais difícil do que tenho em mais de uma década. E ", ele curvou a cabeça para o

lado. "Você esqueceu os sonhos molhados que eu tenho tido? Eu não tive um, Deus, em anos.

Eles começaram com mulheres, mas agora... é só você. Seu corpo. Nós, juntos. Só consigo pensar

em você. ”

Sibilando, os olhos de Ethan correram sobre o corpo de Jack, bebendo-o. A ideia de Jack,

tocando-se e pensando em Ethan, rasgou-o. "Você realmente quer isso? Um homem?"

"Eu realmente quero você." Jack engoliu em seco. Suas mãos agarraram a mesa atrás dele. Seus

nós dos dedos eram brancos. "Podemos ir devagar?" Sua voz finalmente tremeu. “Quero dizer

que sou corajoso, mas... estou nervoso, Ethan. Eu quero você, entretanto. Eu quero tentar isso.

Com você."

“O que significa lento? Quero ser absolutamente claro. "

"Eu não estou pronto para ter sexo com você ainda, mas eu quero te beijar novamente." Jack

levantou o queixo. "Está claro?"

Deus, Ethan ia morrer. Seus olhos se fecharam, e ele orou, mais forte do que ele já tinha orado

antes, para acordar naquele momento. Ou para ficar dormindo para sempre. Para este


momento nunca, nunca terminar. Quando seu coração continuou batendo e o mundo continuou

girando, recusando-se a desaparecer em uma paisagem de sonhos, Ethan abriu os olhos.

Jack estava esperando por ele.

A escolha era dele. Como isso aconteceu com o dele? Ele tinha ferrado tudo. Isso não conduziu

a finais felizes. Ele não deveria terminar com o desejo de seu coração, não depois de tudo o que

tinha feito. Mas, Deus, Jack estava lá, esperando por ele.

Ele tinha que escolher. Ele dava um passo adiante e aproveitava esta oportunidade? Alcançar

Jack e esperar que isso funcione? Descobrir como amar um homem heterossexual andando em

um novo território?

O que ele queria?

Queria Jack como se quisesse oxigênio. Como se quisesse que seu coração continuasse batendo.

Ele queria, tão profundamente, tão mal, mas que querem ignorado as realidades do mundo.

Teriam de se esconder. Eles teriam que esconder tudo de todos. Foi errado estar com Jack em

tantos níveis. Ele perderia tudo se eles fossem descobertos.

E Jack também. O risco que ele estava tomando... não era apenas sua sexualidade com quem ele

estava brincando. Se uma palavra disto saiu...

Ethan arregalou os olhos. Como ele poderia fazer isso, conhecendo os riscos? Sabendo o que

Jack poderia perder se tudo der errado?

Como ele poderia se afastar de Jack lhe oferecendo seu coração? Ele não era forte o suficiente

para fazer esse sacrifício, não importa o quanto de um herói ele queria ser. Ele era apenas um

homem, um homem comprometido pelo amor.

Ele teve que escolher, e o peso da decisão quase esmagou sua alma. Vá até Jack. Encontre seu

amor. Encontrar alguma maneira que poderiam amar um ao outro, apesar de tudo. Viva com

segredos e mentiras até que possam ser livres. Compartilhe sua vida com o melhor homem que

já conheceu, sempre, no mundo.

Ou afaste-se. Quebre o coração de Jack, como o coração de Ethan tinha quebrado. Nada de

risco. Deixe o mundo ligar, sem o risco de cair em pedaços quando tudo isso sair, e quando tudo

desabar. Jack iria sobreviver, e ele continuaria. O mundo não necessitava dele como presidente?

Quanto doeria quando tudo vazasse, e quando Jack fosse destruído por sua vontade de dar ao

amor uma segunda chance?

Era a escolha de uma vida, e mais do que apenas dois corações pendurados na balança.

Amar ou acabar. Valorizar ou destruir. Seu mundo, juntos, ou o mundo em geral.

Ethan abriu os olhos.

Jack estava esperando, ainda.

Ele não era forte o suficiente para isso. Não era forte o suficiente para negar seu coração e optar

por salvar o mundo em seu lugar.

Ele era apenas um homem. Um homem que ansiava. Um homem que amou.

"Eu estou com você todo o caminho, Jack," Ethan respirou. “Contanto que você me tenha. ”


Lentamente, Jack sorriu, embora vacilasse nos cantos. "Eu vou cobrar isso de você."

Ficaram de pé, olhando um para o outro, enquanto o momento se desenrolava. A tensão se

infiltrou, substituindo o calor de suas palavras.

Ethan piscou. E agora? O que ele faz agora? Como ele deveria fazer isso? Havia mil coisas que

precisavam discutir, mas ele só queria cair de joelhos aos pés de Jack e afastar o mundo.

Jack limpou a garganta. "Você tomou a iniciativa da última vez. É justo que eu... " Ele parou.

Antes que Ethan soubesse o que estava acontecendo, Jack avançou, com os olhos fixos nos de

Ethan e cheios de determinação. Congelado, Ethan só pôde ver quando a mão de Jack se

levantou, segurando sua mandíbula em um toque gentil e suave.

O polegar de Jack acariciou o rosto de Ethan. "Você segurou meu rosto," ele respirou. “Ninguém

jamais fez isso. ” Inclinando-se para a frente, os lábios de Jack roçaram os de Ethan.

Seus lábios estavam secos, ligeiramente rachados do ar que circulava no avião. Ele tinha gosto

de café e creme, e sua barba raspava a pele de Ethan. A mão de Jack serpenteou em torno do

pescoço de Ethan, puxando-o para mais perto.

Ethan fez um barulho, algo entre um lamento e um gemido, que ele teria sido mortificado em

ouvir a qualquer outro momento. Ele estava tremendo, tremendo, e sua alma estava em

chamas.

Finalmente, algo diferente de dor tocou seu coração. Alívio inundou ele, esmagando-o

inteiramente, e Ethan ofegou em seu beijo. Avançando, os braços de Ethan se armaram ao redor

de Jack, um braço ao redor de sua cintura e o outro se entrelaçou em seu cabelo, acariciando a

parte de trás de sua cabeça. Sua língua escapou, brincando nos lábios de Jack, e então, um

momento depois, tocou a língua hesitante de Jack de volta. Gemendo, Ethan puxou Jack mais

perto enquanto seus joelhos se dobravam e seu coração disparava, enchendo seu corpo com

uma súbita onda de carinho, afeto e de seu amor por Jack. Deus, ele já estava apaixonado por

Jack, caindo tão profundamente no amor.

Puxando para trás, Ethan recuou, segurando Jack propositadamente ao comprimento do braço.

Jack ofegou, afastou-se dos braços de Ethan e seu beijo, e ele olhou para Ethan com os olhos

arregalados e os lábios inchados.

Lentamente, Ethan sacudiu a cabeça. "Fui muito rápido na primeira vez", grunhiu Ethan. "Te

assustei. Eu não vou fazer isso de novo. Nunca. ” Respirou, tentando acalmar seu coração

acelerado. “ Você disse devagar. ”

"Eu também disse que eu quero você," Jack disse. Sua voz era muito baixa, em um tom que

Ethan nunca ouvira.

Foi direto para seu pênis, através do seu coração.

"Eu disse que eu queria você, e que eu não posso tirar você da minha mente." Jack puxou as

mãos de Ethan fora de seus ombros, escapando de sua contenção. Ele olhou nos olhos de Ethan.

"Me beije como você realmente quer. Isso é o que eu quero."

Ethan caiu em Jack como um homem atormentado, envolvendo-o em seus braços e acariciando

sua pele. Suas mãos percorreram as costas de Jack, sobre seus ombros, até que uma mão se

enredou em seu cabelo novamente, a outra serpenteando sob a camisa de Jack na parte de


aixo das suas costas. Os lábios de Ethan acariciaram Jack, sugando e mordiscando, e então

havia um duelo de línguas, acariciando e acariciando para frente e para trás. Ele avançou,

apoiando Jack até que ele bateu na frente de sua mesa, sua bunda batendo na borda.

Jack deslizou para a borda da mesa sem quebrar o beijo. Suas mãos arrastaram Ethan mais perto,

pressionando seus corpos juntos do peito até as coxas.

O pau duro de Ethan pressionado contra o de Jack.

Estremecendo, Jack ofegou. Suas mãos agarraram o terno de Ethan, enrolando-se nas lapelas.

"Ethan," Jack respirou. Seus quadris balançaram para a frente.

Ethan se sacudiu, seu pau em espasmos, e então ele se afastou, quebrando o beijo. Seus lábios

se agarraram aos de Jack, seus dentes puxando o lábio inferior de Jack. Exalando, Ethan

pressionou suas testas juntas enquanto suas mãos cobriam as bochechas de Jack.

Ele recuou, puxando seus quadris para longe da virilha de Jack.

"Você disse devagar." Os polegares de Ethan acariciaram as maçãs do rosto de Jack.

Jack assentiu, ofegante, e lambeu os lábios. "Eu fiz," ele respirou. As mãos de Jack se ergueram,

agarrando os pulsos de Ethan, e seus polegares acariciaram um ponto no pulso de Ethan em

troca. Seus olhos se abriram. Ethan mal podia ver qualquer azul em torno das bordas de suas

pupilas.

"Você está bem?" Ethan deixou cair um beijo na ponta do nariz de Jack. "Foi muito?" Suas mãos

tremiam contra a pele de Jack.

"Apenas o suficiente." Jack sorriu, lento e fácil, e a felicidade quente saindo de seu olhar

derreteu a coluna de Ethan. Ele sorriu de volta.

O momento quebrou quando Jack bocejou, seu rosto torcendo e contorcendo, seus olhos se

alargando e mandíbula rachando.

Rindo, Ethan beijou o topo da cabeça de Jack. "Quando você dormiu pela última vez?"

"Eu não tenho dormido bem," Jack gemeu, pressionando seu rosto no pescoço de Ethan. "Entre a

cúpula, os russos, e sonhando com você..."

"Me desculpe." Ethan enrolou Jack em seus braços, esfregando para cima e para baixo suas

costas.

"Mmm. Não é culpa sua. " Jack bocejou de novo. Ele se afastou, seu sorriso ainda estava lá, mas

sonolento. "Venha comigo."

Ethan recuou, dando a Jack espaço para saltar da mesa. Ele corou por um momento, castigando a

si mesmo por empurrar Jack de volta contra sua mesa e quase transar com ele, mesmo no

pedido de Jack para ir devagar. Ele não podia pensar com seu pênis, não agora.

Jack acenou para que ele seguisse, e ele conduziu Ethan pela porta para sua cabine privada. Uma

cama queen-size estava intocada, e a mala de Jack estava sentada em um valet de bagagem ao

lado de uma poltrona de couro. Na parte de trás da sala, uma porta deslizante conduziu ao

banheiro privado de Jack. Ethan pairava na porta enquanto Jack se sentava na beira da cama.


"Temos dez horas até chegar a Washington." Olhando para cima, Jack mordiscou seu lábio. "Eu

sei que temos muito o que falar. Nós temos que descobrir como isso ", ele acenou com a mão

entre os dois," vai funcionar. Você está ocupado no voo? "

Ethan sacudiu a cabeça. "Não. Eu estava escondido nas camas lá em baixo, honestamente. "

Jack fez uma careta. “Não mais escondido. ” Inalando, ele se virou na cama, batendo no espaço

ao lado dele. "Estou muito cansado, mas podemos conversar por um tempo?" Sua voz levantouse,

suas palavras uma pergunta.

Era muito perigoso entrar na cama com Jack, mas Ethan jurou para si mesmo que se

comportaria. Tirou a jaqueta, jogando-a sobre a poltrona de couro e arregaçou as mangas da

camisa. Jack recuou na cama, sentou-se contra a cabeceira e deu um tapa no colchão ao lado

dele.

"Nós vamos ter que ter cuidado com isso, certo?" Jack estendeu a mão para Ethan enquanto

Ethan se arrastou ao lado dele.

Ethan se inclinou para trás, envolvendo um braço em volta dos ombros de Jack e enredando os

dedos junto com a outra mão. "Mais do que cuidado", ele suspirou. "Isso tem que ficar em

segredo. Ninguém pode saber. Nem uma alma. As consequências se alguém descobrir... "

“Você perderá o emprego. ”

Acenando com a cabeça, Ethan apertou a mão de Jack. "Estou mais preocupado com você. Sua

presidência estaria arruinada. Um caso de amor gay secreto? "

"Eu não me importo com a imprensa ou o público." Jack sacudiu a cabeça. "Com quem eu quero

estar é minha própria escolha."

As palavras tocaram o coração de Ethan. Esperança estava crescendo em seu peito, apesar de

seus medos consumi-lo. Voltando-se, Ethan pressionou um beijo na têmpora de Jack. "Ainda

seria devastador. Quero poupar-lhe isso. ”

"Então nós ficamos escondidos." Jack enfiou a cabeça no pescoço de Ethan e se apoiou contra

seu ombro. "Voltamos ao que estávamos fazendo antes. Vendo um ao outro em segredo. Mas

agora, estamos... juntos. "

Ethan assentiu. Sua mão acariciou a parte de trás da cabeça de Jack. Suaves fios morenos

deslizaram pelos seus dedos.

"Nós vamos ter que descobrir como você pode ficar a noite." Jack apertou seus dedos quando

ele falou.

Era quase demais. A cabeça de Ethan nadou, e o súbito medo de que ele realmente estava

sonhando caiu por ele novamente. Ele prendeu a respiração, desesperado para não acordar

dessa vez, até que o terror desapareceu. "Vamos devagar," ele murmurou, pressionando outro

beijo no topo da cabeça de Jack. “Vamos descobrir. Não há pressa. ”

"Eu quero que você seja feliz," Jack sussurrou. "Eu não quero que você se conforme com nada

menos do que você merece."

Ethan virou-se, olhando para Jack que de repente estava em seus braços, sua cabeça pousada

no ombro de Ethan. "Você já me faz feliz," Ethan respirou. Ele sorriu, deixando Jack ver a

plenitude de suas emoções, a profundidade de seus sentimentos estourando de seu coração.


“Mais feliz do que já estive, Jack. Você não sabe o que você significa para mim. " Os olhos dele

procuraram Jack. Ele viu uma alegria que refletia a dele, brilhante. “Farei tudo o que for preciso. ”

Sussurrou. "Qualquer coisa. Para você."

Jack tentou sufocar um bocejo. Ethan riu.

"Estou começando a adormecer." Jack sorriu e levantou a mão, segurando a bochecha de Ethan.

"Quero adormecer em seus braços. Eu quero estar com você a cada momento que posso. Fique?

Vamos ignorar o mundo por dez horas. ”

“Você sabe que eu estou com você todo o caminho. " Foi perfeito. Ele se inclinou para frente,

capturando os lábios de Jack novamente. Jack sorriu contra seu beijo, e Ethan não pôde deixar

de sorrir de volta. “Durma um pouco, Sr. Presidente. ”

“Jack. ”

O sorriso de Ethan cresceu. "Jack," ele respirou. Meu Jack.

Os olhos de Jack deslizaram fechados, e então ele estava dormindo, suavemente roncando nos

braços de Ethan. Ethan traçou o rosto com os olhos, mapeando as linhas, a curva de suas

bochechas e a força de sua mandíbula. Deus, ele era lindo. Tão impressionantemente bonito, e

ele só parecia ficar mais bonito todos os dias. Estava Ethan, caindo mais fundo no amor?

Isso era sábio? Não, provavelmente não. Definitivamente não. Havia muito em jogo se fossem

descobertos.

Mas havia muito a perder se não tentassem. Uma vida de felicidade, alegria nos braços uns dos

outros.

Amor.

Jack poderia realmente amá-lo? Poderia Jack, um homem que sempre foi reto, realmente se

apaixonar por ele, um homem gay? E desejá-lo, mesmo? Se seu beijo fosse qualquer coisa perto,

então talvez poderia funcionar. Jack tinha estado duro quando Ethan o empurrou contra a mesa.

Duro por causa dele.

Jack era o único homem mais corajoso que Ethan conhecia. Para ter uma chance no amor,

quando esse amor parecia tão distante fora de sua realidade, dos contornos de seu mundo.

Ethan poderia ter feito a mesma coisa? Provavelmente não. Ele provavelmente não teria

decidido arriscar um relacionamento com uma mulher, se a situação tivesse sido revertida.

O que quer que seja que eles criaram, no entanto eles perceberam isso entre eles, uma coisa

era certa. Valeu a pena.

* * * * *

Ethan pretendia ficar acordado. Ele queria pensar sobre isso, descobrir um plano para como

cobrir seus rastros. Tentar descobrir o que dizer a Daniels. Tentar consertar sua amizade com

Collard.

Nada disso aconteceu. Ele adormeceu segurando Jack, com a cabeça encostada ao lado de Jack

na cama, e a próxima coisa que ele sabia, era que alguém batia na porta da cabine de Jack.


"Sr. Presidente? ” Um dos comissários de bordo do avião chamou pela porta. "Sr. Presidente,

estaremos chegando em alguns momentos. ”

"Merda!" Ethan se agitou, ajudando Jack enquanto ambos piscavam o sono de seus olhos.

"Droga!"

"Tudo bem." Jack agarrou o braço de Ethan, estabilizando-o. "Está tudo bem. Vejo você de volta

na Casa Branca.

Acenando com a cabeça, Ethan esperou até ouvir o comissário sair do escritório de Jack. Ele

pressionou um beijo rápido na bochecha de Jack e se afastou para o escritório, onde ele rolou as

mangas antes de escorregar para o corredor principal. Os comissários passaram por ele,

carregando o último resíduo de lixo do voo para a área de preparo a frente. Ethan cruzou para

estibordo e dirigiu-se para a cabine do serviço secreto no convés principal. No interior, os

agentes estavam se sentando para aterrissar.

Ethan escorregou para dentro e sentou-se na cadeira vazia ao lado de Daniels. Ele apertou o

cinto e esfregou o rosto.

“Onde você esteve? ” Grunhiu Collard, sem olhar para Ethan.

"Ocupado."

“Onde está sua jaqueta? ”

Porra. Ethan fechou os olhos e ignorou Collard. Ele tinha deixado seu casaco sobre a cadeira na

cabine de Jack.

Eles pousaram suavemente, e então o movimento da massa de pessoas que foi o desembarque

da Força Aérea Um. Jack foi o primeiro, seguido pelos agentes de plantão. Ethan recuou com

Collard, Daniels e os outros saindo de seus turnos em Praga, e esperou pela nova mudança para

preparar a limusine presidencial. Eles andariam de volta no SUVs caçador.

Ethan desceu o corredor depois que a imprensa tirou fotos e Jack respondeu suas perguntas

curtas e deslizou para o fundo de sua limusine. Ethan segurou seu sorriso, embora seu coração

cantasse enquanto observava Jack. O sol estava se pondo quando eles pousaram, e o calor do

pôr-do-sol de verão penetrou em sua alma. Ele sorriu para o céu em vez de para Jack, rindo sem

parar.

Collard cutucou Ethan e grunhiu em direção a um dos SUVs na parte de trás da linha. "Passeie

comigo."

"Agente Reichenbach!" A voz de Jack quebrou o barulho da multidão, navegando sobre todos.

Ethan e Collard voltaram-se.

Jack caminhou em direção a eles, segurando o casaco de Ethan e usando um amplo sorriso.

"Aqui está, Ethan." Quando Jack entregou a jaqueta na mão de Ethan, sua mão escovou a de

Ethan, e seu rosto se iluminou, radiante.

Ethan não conseguiu segurar seu sorriso de volta. “ Obrigado, senhor presidente. ”

Jack voltou correndo para sua limusine. Ethan se virou e ficou cara a cara com a expressão de

Collard.


Subiram no último SUV, Collard no banco do motorista. A porta bateu atrás de Collard com força

suficiente para sacudir o carro em suas rodas.

Collard esperou antes de ligar o motor. Eles observaram a limusine de Jack sair, o silêncio

forçando sua amizade.

"Você está sendo fodidamente estúpido?" Collard finalmente rosnou. "Quero dizer, você está

sendo tão fodidamente estúpido que eu nem quero saber?"

Amigos durante anos, mesmo antes de se juntarem ao Serviço Secreto, eles estavam no mesmo

batalhão do Exército, em diferentes fileiras, mas compartilhando missões, cervejas e ferimentos.

Collard tinha sido o primeiro que Ethan tinha saído depois do Exército, bem antes de iniciar a

academia para o Serviço Secreto. Eles subiram as fileiras do Serviço Secreto juntos, inúmeras

equipes, viagens antecipadas e paradas de campanha compartilhadas entre eles. Eles não

tinham segredos um do outro.

"Sim," Ethan resmungou. "Estou sendo estúpido." Ele mordeu o lábio, pensando em Jack

dormindo em seus braços. "Mas vale a pena."

"Vale o seu trabalho? Vale a sua presidência? Vale tudo? ” Collard freou fortemente para luz,

batendo no sinal de volta.

"Eu acho que sim. Nós pensamos assim. "

"Jesus..." Collard sacudiu a cabeça, seu rosto uma máscara de pedra mal escondendo sua fúria.

Atingiu o acelerador, fundindo-se na rodovia no final da caravana. "O que você precisa de mim,"

ele finalmente perguntou.

"Scott, você não deveria se envolver. Esta é a minha escolha. Nossa escolha. ”

"Eu já estou envolvido," Collard estalou. "Eu já sei sobre isso, mesmo que eu fodidamente não

queira." Ele exalou duro, quase rosnando. “ E você é meu maldito amigo. E, se há alguém neste

planeta que realmente conseguiu capturar seu coração, bem... " Engolindo, Collard parou.

Ethan agarrou o ombro de Collard. "Obrigado, cara." Sua voz estava cerrada. "E... talvez algum

dia você pudesse me cobrir?"

Silêncio. "Eu vou pensar sobre isso." Ethan assentiu e sentou-se. Era mais do que ele merecia,

mesmo tendo a aceitação mal-humorada de Collard. Depois de um momento, Collard falou

novamente. "Você está feliz? Sério?"

"Sim." Ethan falou instantaneamente. “Deus, sim. ”

"Parecia muito fodido em Praga. E levando o presidente para um bar? Jesus, Ethan. Quero dizer,

isso estava fora lá. ”

"Nós tivemos que descobrir algumas coisas. Finalmente conversamos. ” Ethan encolheu os

ombros. "E ele precisava sair. Foi uma cúpula difícil. Os russos estão jogando com ele, e eles o

surpreenderam com um alvo de inteligência de alto valor esta manhã. O alvo deve ser entregue

hoje à nossa embaixada. ”

“Talib Al-Síria? ”

“Como você sabe? ”


Collard encolheu os ombros. "Ele é o segundo alvo mais procurado. Se fosse Al-Karim, seria tudo

sobre a notícia. " Ele agarrou o volante, amassando o couro. À frente, a comitiva passava pelos

portões da Casa Branca e subia até a Residência. "Olha, você está envolvido em uma bela louca,

merda estúpida e perigosa agora, tudo bem? Você tem que ter cuidado. Assista a sua volta, cara.

Ethan olhou duro para Collard. Esse medo estava escondido atrás do aço de sua voz? "Eu vou

tomar cuidado."

"Você me avisa se precisar de alguma coisa. ” Como sempre, Collard era áspero e curto quando

estava estressado.

"Sim. ” Ethan finalmente sorriu para seu amigo enquanto estacionavam. "Sério. Obrigado."

"Não me agradeça," Collard rosnou. "Eu deveria estar denunciando você."

Através da janela, Ethan observou Jack sair da limusine e subir a escada. Jack virou-se,

procurando a comitiva, e deu um rápido sorriso a Ethan quando o viu na parte de trás. Então

Gottschalk estava ao seu lado, e o vice-presidente estava encontrando-o nas escadas, e o

negócio de ser presidente desceu sobre Jack novamente.

Cinco minutos depois, enquanto Ethan caminhava para Horsepower com sua mochila no ombro,

seu telefone vibrou.

Quer ir em frente?

Eram quase oito da noite, e as horas de sono que haviam conseguido agarrar no voo mal estavam

fazendo um arranhão na exaustão de Ethan. Ele estava cansado, seu olho roxo ainda doía, e ele

não tinha comido uma verdadeira refeição desde antes de beijar Jack ao lado da mesa de bilhar.

Mas, a promessa de mais tempo ao lado de Jack era um canto de sereia, e ele estava impotente

contra a atração.

Deixe a escada do leste destrancada.


Para você. Sempre.

* * * * *

Faisal respondeu seu telefone celular no terceiro toque, mesmo que não houvesse identificação

para o chamador.

"As-salamu alaykum," ele disse no telefone, pegando suas vestes enquanto ele se sentava de

volta em sua limusine.

"Faisal." A voz do Coronel Song quebrou a tranquilidade da tarde de Faisal.

"Coronel. Alguma coisa aconteceu?

"Os russos entregaram Talib Al-Syria à embaixada americana em Moscou esta noite".

"O quê?" Faisal se ergueu. “Como o encontraram? ”

As-salamu alaykum - Que a paz esteja com vós.


"Desconhecido. Mas o nosso homem misterioso fez uma ligação para o General Madigan esta

noite. Pudemos registrá-lo. Ouça."

Faisal pressionou seu celular na orelha e mandou o motorista diminuir o rádio. O Coronel Song

iniciou a reprodução.

A primeira voz falou, profunda e pesada, e rosnando através de sua raiva. "O que diabos

aconteceu? Como os malditos russos puseram as mãos em Talib? "

O segundo homem, o desconhecido misterioso, respondeu. Ele era mais jovem, e embora ele

estava com raiva, sua voz estava controlada. Firme. Até. “ Não sabemos, senhor. Eles o pegaram

com pacote nuclear do Irã. "

"Droga."

"Eles o ofereceram para nós, senhor. Estão entregando-o à embaixada de Moscou esta noite. ”

"Isso não pode acontecer. Talib não pode ser levado sob custódia dos EUA. Nossa missão está

acabada. ”

“Não se preocupe, senhor. Estou cuidando disso. Talib não vai chegar a embaixada com vida. ”

“É melhor você ter certeza. ”

"Eu tenho."

O general Madigan rosnou de novo. "As notícias da cúpula são ainda piores do que eu esperava.

Estamos perdendo terreno aqui. Isto não é onde nós queríamos estár. É suposto construir uma

guerra com a Rússia. Não estou trabalhando em negociações de paz. "

"Não senhor."

Um suspiro pesado.

Faisal apertou o telefone contra o crânio, tentando ouvir mais, como se pudesse adivinhar

sozinho a identidade do orador.

"Vamos precisar mudar de tática. Precisamos de outra fonte para as armas nucleares. E

precisamos mudar para o plano B. Precisamos sacudir as coisas ainda mais. Madigan fez uma

pausa. "Precisamos de um cordeiro para o sacrifício. As apostas têm de ser mais elevadas. "

O homem misterioso hesitou antes de falar. Foi uma primeira vez para o homem, e Faisal

prendeu a respiração. Isso era significativo? “Sim, senhor ” disse finalmente o jovem. Sua voz

estava diferente? Ele parecia hesitante?

"Certifique-se de que Talib está morto. Traga-me suas ideias para iniciar o plano B. " Madigan

resmungou, e então a chamada acabou.

O Coronel Song voltou à linha. “ Você reconhece a voz do segundo homem? ”

Faisal sacudiu a cabeça. "Não. Eu não. Você não tem a sua voz impressa em algum lugar que

você pode fazer referência cruzada? " Ele disse isso em brincadeira, mas o silêncio do Coronel

Song o fez parar.

“Estamos procurando sua identidade ” disse finalmente o Coronel. "Talib foi entregue à

embaixada americana ontem."


"Vivo?"

"Morto. Ele estava morto há horas. ”

Faisal amaldiçoou sob sua respiração. "Ele teria sido capaz de revelar muito."

"Sr. Hu já não é necessário. Você pode terminar sua vida on-line. "

“O que vamos fazer com o plano B deles? ” Faisal olhou pela janela da limusine, observando as

terras de sua província. Com os americanos, o plano B poderia significar qualquer coisa.

"Nós esperamos." A voz do Coronel Song era dura. “ E encontramos este homem misterioso. ”

"Alertamos alguém no governo americano? Este General e seu parceiro estão trabalhando

contra... " Faisal parou. "Bem, eles estão trabalhando contra alguém."

"Nós não sabemos para quem eles estão trabalhando ou contra. Se revelarmos o que sabemos

às pessoas erradas, poderíamos perder tudo. " O Coronel Song suspirou. "Estamos um passo à

frente agora. Este homem misterioso é a chave. Precisamos saber mais. ”

"Antes que seja tarde demais." Faisal ouviu o grunhido de reconhecimento do Coronel Song

antes que a linha fosse desligada.


Capítulo onze

NOTÍCIAS DE ÚLTIMA HORA

Últimas notícias de Nairóbi, Quênia. Uma explosão nuclear ocorreu no centro de Nairóbi às oito

e quarenta e duas da manhã, hora local, na quarta-feira, 13 de setembro. Relatórios iniciais

afirmam que um raio de doze quilômetros em Nairóbi foi reduzido a uma cratera. A nuvem de

cogumelo nuclear pairava sobre a cidade por cinco minutos, muito depois de uma bola de fogo

de 180 metros de largura incinerar tudo ao redor do raio de explosão.

O estado islâmico reivindicou a responsabilidade pela explosão nuclear. A explosão aconteceu

sem aviso, atordoando uma comunidade internacional que tinha desfrutado de um outono de

relativa calma. Dois meses após a Cúpula de Emergência da OTAN, a cooperação internacional

contra o estado islâmico vinha melhorando constantemente, com a Rússia e os Estados Unidos

em parceria contra o estado islâmico na Síria e no Iraque.

* * * * *

A chamada veio no meio da noite. Naturalmente, era uma das noites em que Ethan ficara na

Casa Branca com Jack.

O comissário da Marinha de plantão durante a noite bateu na porta do quarto de Jack antes de

meter a cabeça para dentro. "Sr. Presidente?"

Ethan acordou instantaneamente. Ele congelou, mantendo os olhos fechados, mas afrouxou seu

aperto em torno da cintura de Jack.

Jack acordou mais devagar. Ele rolou em direção a Ethan antes de se sentar piscando para a luz

que entrava pela fenda da porta. Com o peito nu, e seu cabelo espetado para todos os lados, os

lábios inchados e uma contusão no pescoço, Jack parecia imoral.

"O que está acontecendo?" Jack grunhiu.

"Sr. Presidente. ” O comissário ficou na porta. Não havia nenhuma maneira do que o comissário

não observou Ethan na cama, mas também não reconheceu a estranheza de encontrar um

homem enrolado em torno do presidente. "Houve um ataque nuclear em Nairóbi. A segurança

nacional tem uma transmissão ao vivo na Sala de Situação. "

Jack deu um salto, atirando as cobertas e saiu da cama. Ele estava nu, e pescou por suas boxers

descartadas jogadas descuidadamente no chão. "Acorde todos," ele grunhiu. "Levem todos para a

Sala de Situação. E que horas são? ”

“ Duas da manhã, senhor. ” O comissário assentiu e fechou a porta.


Ethan estava se movendo antes que a porta se trancasse, pulando da cama, pegando seus

próprios boxers e calças de terno, e puxando-os rapidamente. Jack jogou sua camiseta na parte

de trás de sua cabeça enquanto ele girava, procurando. Ambos fechando as abotoaduras em

silêncio, ainda tentando acordar.

* * * * *

Os dois meses passados, desde que retornaram da cúpula, tinham sido surpreendentes.

Aterrorizante, às vezes, e com mais do que algumas chamadas próximas. Mas, no que dizia

respeito a Ethan, cada dia tinha sido melhor que o anterior. Ele estava vivendo em um sonho,

uma fantasia ganhando vida. E foi perfeito.

Eles estavam descobrindo isso, lentamente.

Ethan tinha fantasiado e sonhava em estar com Jack tantas vezes antes de se juntarem. Ele tinha

alimentado fantasias quentes e pesadas sobre agarrar Jack e prendê-lo apertado ou dobrá-lo

sobre sua mesa no escritório oval, ou varrendo-o de seus pés e vendo Jack derreter em seus

braços, delirando com desejo e querendo tudo que Ethan poderia lhe dar.

A realidade era diferente.

Jack era um ser humano com desejos e fantasias próprias, e suas próprias preferências, e

negociando os espaços entre elas, e sua relação crescente, era um processo contínuo. No

passado, Ethan tinha sido o perseguidor, perseguindo seus parceiros em bares e em clubes e

sempre que tinha escolhido homem que estava fora para o mundo. Ele tinha sido o agressor,

seduzindo seus parceiros num turbilhão de paixão. Isso era diferente, e Ethan inicialmente

segurou atrás de uma perseguição quente e pesada de Jack. Lentamente, disse a si mesmo.

Deixe Jack levar.

Em resposta, Jack tinha tomado o controle, dirigindo o ritmo de seu relacionamento. Jack

também tinha começado a perseguir Ethan, perseguindo o caçador, e Ethan se viu na estranha

posição de ser seduzido, até mesmo cortejado, pela primeira vez em sua vida.

Era tão diferente de tudo o que ele tinha fantasiado, e tudo o que ele esperava, mas agora que

eles estavam lá, e agora que eles estavam construindo sua realidade, Ethan descobriu que ele

amava cada momento disso. Ele amava a lentidão, a certeza deliberada de seu relacionamento.

Como ele estava sendo perseguido - seduzido - pelo homem que já possuía seu coração.

A queimadura lenta, a descoberta do outro, e a antecipação que se erguia como um raio entre

eles chiaram contra a alma de Ethan.

Para um homem que não tinha feito sexo em uma década e meia, Jack parecia muito feliz

conduzindo Ethan no caminho de sua revolução sexual pessoal.

A primeira noite, ambos estavam muito cansados e aliviados demais para fazer algo mais do que

deitar na cama e beijar um pouco antes de adormecer nos braços um do outro. Ethan escorregou

antes do amanhecer, evitando os comissários, e voltou para seu condomínio para um banho

rápido antes de voltar.

Depois disso, Ethan mal podia ficar longe, e Jack convidou-o para a residência todas as noites.


Assistindo beisebol juntos se transformou em Ethan deitado com a cabeça no colo de Jack, os

dedos de Jack acariciando seu cabelo. Depois desabotoando sua camisa e tirando-a dos ombros.

Até o final do sétimo período, Ethan estava deitado sem camisa e ofegante, e ele estava certo

de que Jack podia sentir as batidas do seu coração enquanto acariciava o peito nu de Ethan, os

dedos puxando os cabelos seus cabelos.

Ethan deu a Jack uma massagem naquela noite, montando-o e cavando em seus músculos com

movimentos longos e profundos, desde a parte inferior das costas até o pescoço. A pele morna

derreteu sob seu toque enquanto trabalhava nos nós que Jack tinha ignorado por mais de uma

década. Sob ele, Jack se afastou de uma tensão nervosa - apreensão nervosa por ter um homem

tocando-o tão intimamente pela primeira vez? - para gemer de contentamento e relaxamento, e

arquear-se no toque de Ethan. Jack era uma pilha derretida de sorrisos quentes e beijos de boca

aberta no final, e ele acariciou o rosto de Ethan com o nariz, enfiado perto de seu corpo,

enquanto adormecera.

Algumas noites depois, Jack mudou as regras de seu jogo de bilhar. Para cada bola afundada, o

outro jogador teve que tirar um pedaço de roupa. Jack disse a Ethan as novas regras com um

piscar de olhos e um sorriso antes de quebrar e correr a mesa. Ethan acabou em seus boxers e

um rubor, sorrindo.

"Se você executar a mesa, eu pelo menos tenho um beijo?" Ethan tinha perguntado.

Jack ficou sério. "Você nunca precisa de uma razão para me beijar. Ou um jogo. "

Ethan o beijou então, puxando-o para seus braços e segurando-o perto. Jack lentamente o virou,

pressionando Ethan contra a mesa de bilhar, e o beijo se estendeu por muito tempo. Ethan

finalmente o empurrou de volta, ofegante, com um olhar de desculpas para a tenda de seus

boxers.

“Vamos redefinir a tabela. Sua vez de jogar. "Jack deu um passo para trás e configurou as bolas

enquanto Ethan se recompôs.

Ethan estava muito excitado e distraído demais para dirigir a mesa, mas colocou Jack em seu

peito nu, embora ainda vestido em suas calças, antes que ele errasse o próximo tiro. Jack

arranhou em seguida, e então foi para a frente e para trás, bola para a bola, até que ambos

estavam em boxers e perseguindo a bola oito.

"Há uma brincadeira aqui sobre afundar bolas em buracos, certo?" Jack disse enquanto Ethan se

alinhou para o seu tiro.

Gemendo, Ethan batendo sua testa em cima da mesa, deixando cair sua vara de bilhar no feltro.

"Você é uma provocação completa."

Ethan não podia ficar a noite depois disso. Ele não podia ficar deitado ao lado de Jack e não

queria, desesperadamente, pressionar seu corpo perto do de Jack. Ele queria fazer isso bem,

embora, e ele saiu depois de um beijo longo e sensual, um que quase o teve vindo em suas calças e

tinha olhos de Jack pretos com desejo.

Mais tarde, quando ele chegou em casa, Jack o enviou um texto.

Devo dizer-lhe que eu me masturbei com aquele beijo? E que eu pensei em você, estando lá

em apenas suas boxers? E lembrei a sensação de seu peito em minhas mãos? Sua força, seus

músculos... seu corpo...


Sim. Deus sim, você deveria me dizer isso.

Você pensa em mim?

Cada momento.

Eu sinto sua falta. Volte? Não

se quisermos ir devagar.

Você é muito bom para mim.

Isso é importante para mim. Eu não quero te machucar. Ou assustá-lo. Quero que isso funcione

tão mal.

Está funcionando, Ethan. Está funcionando.

Ele não podia escrever depois disso, e ele estava preso entre engasgar, apaixonar-se e precisar

gozar. Ele tinha acabado em sua cama em uma bagunça, masturbando-se e tentando não chorar

e esperando, desesperadamente, para que isso continuasse.

Eles ainda trabalhavam juntos todas as manhãs, mas em vez de Ethan deslizar para tomar banho

no vestiário do Serviço Secreto, ele contrabandeou seus ternos em sua bolsa de ginástica e

tomou banho depois que Jack fez em seu banheiro. Eles também tomaram o café da manhã,

juntos, na cozinha particular de Jack na Residência. Jack picou frutas e legumes enquanto Ethan

mediu a proteína em pó e o leite de soja. Era simples, e doméstico, e eles passavam a maior

parte do tempo brincando.

Jack, naturalmente, enviou o mundo de Ethan girando mais alto uma manhã após seus

exercícios, não fazendo nada mais do que ser ele mesmo. Jack estava cortando morangos, e ele

enviou a Ethan um olhar sutil e furtivo antes de fazer sinal para o pó de proteína no balcão.

"Você pode pegar isso?"

Ethan fez o que pediu, inclinando-se, e Jack jogou o suco de morango na camisa de treino de

Ethan, e então deslizou sua mão suculenta pelo peito de Ethan.

Chocado, Ethan recuou, olhando para Jack.

"Oops." Jack sorriu. "Acho que você vai ter que tirar isso agora. Não quero que ela manche. "

"Eu não me importo com manchas." Ethan tentou - e falhou - sufocar seu próprio sorriso.

Jack empurrou seu lábio inferior.

Lentamente, Ethan tirou sua camisa de ginástica sobre sua cabeça e a deixou cair no chão. Ele

estava suado de seu treino, e o ar fresco da cozinha tinha seus mamilos apertado duros com o

suor evaporado fora de sua pele.

Os olhos de Jack se escureceram. A fruta foi esquecida. Ele se moveu para Ethan, que estava de

pé, imóvel, de costas para a pia, e suas mãos se ergueram, traçando levemente as costelas de

Ethan antes de se esticar sobre seus abdominais.

Ethan ofegou, mas ficou imóvel. Seus nós dos dedos ficaram brancos, onde ele agarrou o balcão

atrás dele. Respirações ofegantes escaparam de seus lábios enquanto seu corpo tremia.


Jack se moveu com cuidado, seus olhos traçando o caminho de suas mãos, hipnotizado pelo

peito de Ethan. Seus dedos se espalharam pela pele de Ethan, deslizando através de seu cabelo

no peito antes de bater um mamilo. Ethan grunhiu e fechou os olhos.

Eles voaram abertos novamente quando Jack lambeu seu mamilo.

"Jack..." ele ofegou, joelhos dobrando.

As mãos de Jack continuaram a vagar, apertando seu peitoral, beliscando seus mamilos, e

traçando as linhas de suas costelas. Jack estava respirando com dificuldade e mordendo o lábio.

Ele agarrou a cintura de Ethan enquanto ele se aproximava, acariciando o rosto de Ethan antes

de pressionar um beijo persistente na boca aberta de Ethan.

Ethan pensou que iria quebrar o balcão em seu aperto agitado. Ele finalmente soltou o balcão e

embalou o rosto de Jack, embora estivesse quase tremendo em pedaços.

Quando se beijaram, a ereção de Jack deslizou contra a de Ethan, quente, pesada e furiosa.

Ethan gemeu e se afastou.

Jack deu um beijo em sua têmpora. "Quanto mais me apaixono por você, mais atraído sou por

você", sussurrou Jack. "Eu não posso ter o suficiente de você, Ethan."

Ethan tinha se masturbado furiosamente no chuveiro de Jack naquela manhã, quase apagando

quando ele veio.

Eles fizeram algumas noites mais tarde, esticados no sofá e lentamente descascar camadas. Pela

primeira vez, eles deixaram seus corpos balançar e rolar juntos, seus pênis duros - envoltos em

boxers e calças de terno - deslizando um contra o outro. Eram beijos, peitos nus e carícias

pesadas, e marcas deixadas em clavículas, e mamilos sendo sugados, mas eles mantiveram suas

calças. Os olhos de Jack arderam quando Ethan o enrolou e beijou sua barriga, ou quando

segurou a coxa de Jack ao lado de suas costelas enquanto balançava seu pau contra Jack.

Mas os olhos de Jack ardiam, brilhantes e aquecidos, quando Ethan estava de costas e Jack

estava entre suas pernas, suas mãos vagavam sobre o corpo de Ethan, ou agarrando seus joelhos e

espalhando-os, ou beijando Ethan com os olhos abertos enquanto empurrava contra ele.

Ethan arquivou isso e deixou Jack rolar sobre ele.

Um texto brincalhão de Jack aumentou a tensão uma quinta-feira à tarde. Ethan estava se

encontrando com os líderes da equipe da segurança presidencial, revisando procedimentos e

problemas e respondendo a perguntas dos líderes.

Então você é considerado um urso, certo?

O texto tinha atravessado a tela, e seu telefone estava na mesa do refeitório, onde conversava

com os outros agentes. Ele pegou seu telefone e enfiou-o no bolso, tossindo. Um dos agentes

que tinha capturado a mensagem, mas não visto o identificador de chamadas, sufocou seu

sorriso.

Mais tarde, Ethan respondeu.

Onde você aprendeu isso?

Eu tenho feito algumas pesquisas on-line. Você é um urso, certo? Estou usando isso

corretamente?


OMG.

Você está procurando termos de sexo gay na rede da Casa Branca?

Não, estou procurando sexo masculino na rede da Casa Branca. Eu encontrei ursos, e eles se

parecem com você. Eu gosto disso.

Jesus Cristo. Você está assistindo pornô?

Foi a minha pausa para o almoço. Eu estava fazendo pesquisa, mas então eu pensei... por que

não apenas assistir o negócio real?

[...]

Primeiro, a pornografia gay não é o negócio real. Há mais alguns passos que eles ignoram. E

em segundo lugar... Porra, o pensamento de você assistir isso... ou que fazendo pesquisa.

Você está muito mais quente do que os caras online. Não se preocupe.

Você sabe que pode me perguntar qualquer coisa. Quero que você se sinta confortável.

E eu quero saber o que estou fazendo com você. Quero fazer você feliz.

Você faz. E sim, eu sou um urso. Estou feliz que você gosta de ursos.

Há um urso que eu realmente gosto. Mais do que todos os outros. Ele é o mais sexy.

...Ele está prestes a rasgar suas calças.

Talvez possamos cuidar disso mais tarde.

Eles se masturbaram na frente um do outro naquela noite, ajoelhados na cama de Jack com suas

boxers puxadas para baixo e se beijando lentamente, no tempo com seus golpes. A mão de Jack

acariciou o peito de Ethan, e Ethan apertou os quadris de Jack, mas se segurou para não arrastalo

perto.

Era a primeira vez que Jack vira o corpo nu de Ethan. Seu coração saltou para sua garganta,

remexendo dez diferentes tipos de ansiedade enquanto se observavam, acariciando. Ele tinha

mantido seu pau coberto em torno de Jack, sempre mantendo suas boxers ou uma toalha em

torno de sua cintura após o banho e enquanto se preparava. Havia uma grande diferença entre

estar sem camisa e acariciar e ser confrontado com um pau real, duro, desesperado e doendo

por um toque.

Jack tinha sido mais do que cortês sobre seu espaço, dando-lhe privacidade no banheiro gigante

feito para dois enquanto Ethan vestida.

Jack mudou as regras sobre isso também, mais tarde naquela semana.

Ethan tinha terminado de escovar os dentes quando Jack entrou no banheiro. Jack já estava

vestido, calças de terno escuro impecavelmente apertadas, camisa branca engomada, e uma

gravata vermelha amarrado perfeitamente em seu pescoço. Recostou-se no balcão do banheiro,

com os braços cruzados e observou Ethan.

O nervosismo rolou através de Ethan, e ele continuou a roubar olhares em direção a Jack. "Vê

algo que você gosta?" Ele finalmente grunhiu.

Jack assentiu em silêncio. Ele deu um passo à frente e pegou a toalha de Ethan.


Ethan ficou quieto. Ele observou Jack, mas os olhos de Jack estavam em suas próprias mãos,

lentamente puxando a toalha de Ethan. Jack deixou cair ao chão sem uma palavra.

E então, Ethan estava completamente nu na frente de Jack, e o olhar de Jack. O ar quente do

banheiro, ainda úmido, fazia cócegas nas costas de suas coxas, mas eram os olhos de Jack

vagando por seu corpo que queimaram sua alma. Olhares longos e persistentes percorreram as

pernas de Ethan e sobre seu peito antes de cair até sua virilha.

Ele não podia evitar. O pau de Ethan endureceu, enchendo e levantando enquanto Jack o

observava.

Jack mordeu o lábio e sorriu. Seus olhos ardentes finalmente encontraram o de Ethan.

"Posso te tocar?" A voz de Jack era muito baixa e retumbou sobre suas palavras.

"Por favor," Ethan respirou. Seu cérebro preso a sua necessidade. "Mas só se tiver certeza", ele

grunhiu. Tenha certeza!

"Eu tenho." Jack se aproximou, seus olhos trancados no pau de Ethan. Ele estendeu a mão para

Ethan, sua mão tremendo. "O que eu faço?" Jack sussurrou. Seus dedos pairando sobre o eixo

de Ethan. Escovado a ponta de seu pênis.

"Qualquer coisa," Ethan gemeu. Ele estremeceu e mal se segurou de agarrar os ombros de Jack

para ficar em pé. "É como se tocar. Faça o que quiser. ”

Jack agarrou seu pênis em um aperto firme, um polegar acariciando a cabeça do seu pau, e

começou um ritmo lento, bombeando. Ethan gemeu de novo e depois ofegou. Ele estremeceu

quando Jack continuou acariciando-o, empurrando-o para cima e para baixo. O olhar de Jack

parecia dividido entre o pau duro de Ethan que deslizava através de seu punho e o rosto de

Ethan, contorcendo em prazer dolorido sob o toque de Jack.

"Mais rápido," Ethan respirou. Jack apertou enquanto ele acelerava, e Ethan balançou, agarrou

o ombro de Jack, e explodiu. Ele veio em toda a mão de Jack, jorrando em riachos que correu

entre os dedos de Jack e embebeu sua palma.

Jack olhou para ele, com a boca aberta e depois com a mão encharcada.

"Você está bem?" Ethan ofegou. Deus, por favor, não deixe que este seja o fim. Não deixe que

este seja o momento em que ele decide que ele não pode levá-lo.

Movendo-se, Jack agarrou Ethan e o puxou para perto. Sua mão limpa envolveu o pescoço de

Ethan, e o atraiu para um beijo molhado, de boca aberta. Línguas duelando, Jack gemeu em seu

beijo quando ele alcançou seu cinto.

Ethan afastou as mãos e empurrou-o até ele bater no balcão do banheiro. "Jack", ele grunhiu,

entre chupar o lábio de Jack na boca e lambendo a língua. "Tem certeza que?"

"Sim! Me toque! Ethan, por favor! "

Ele tinha as calças de Jack desfeitas em um instante, e então o pau duro de Jack estava fora,

pingando com pre-sémen. Ele deveria ter apenas empurrado, como Jack tinha feito, mas Ethan

estava sonhando com esse momento por meses. Ele caiu de joelhos, gemendo, e acariciou o

pênis de Jack. O cheiro, o aroma almiscarar de Jack, atingiu-o com toda a força, e ele sentiu seu

pau se mexendo novamente entre suas pernas.


Jack soltou um grito ofegante e cheio de gemidos quando Ethan o engoliu. Suas mãos se

atrapalharam atrás dele, derrubando pasta de dente e desodorante e procurando algo para

agarrar antes de ele alcançar Ethan. Seu polegar molhado acariciou a bochecha de Ethan, sobre

o buraco de sua sucção.

Quando Jack estourou, no fundo da garganta de Ethan, Ethan alcançou entre suas pernas e

acariciou-se novamente, grunhindo, choramingando e engolindo. Ele veio pela segunda vez no

chão do banheiro, uma poça de entre os joelhos.

Desossado, Jack caiu de joelhos, suas calças perfeitas arruinadas, camisa desgrenhada, gravata

esticada e solta.

“Desculpe ” Ethan resmungou. Sua voz era áspera e atraente. Pau áspero. "Eu não deveria ter

feito isso."

"Cale a boca," Jack respirou, "e me beije, Ethan."

Jack gemeu em seu beijo, quase caindo em Ethan, e os braços de Ethan se envolveram ao redor

dele, segurando apertado. Ele foi perfeito, absolutamente perfeito.

Jack surpreendeu Ethan com um trabalho de mão na cozinha depois de seu treino matinal na

semana seguinte, e Ethan mal teve tempo de dar um tremor antes que Jack estivesse em suas

calças, sua mão envolvendo seu pênis. Jack o beijou, sugando sua língua enquanto ele o

masturbava rapidamente, e Ethan abriu os pés, agarrou os ombros de Jack se preparando para

gozar.

"Sr. Presidente, temos notícias da colina de que... ” Gottschalk parou congelado na porta da

cozinha, com a boca aberta.

Jack girou ao redor enquanto Ethan rasgou longe dele, abaixando e quase caindo ao chão.

"Jeff!" Os olhos de Jack estavam arregalados, em pânico. “Jesus, Jeff! ”

"Eu vou, uh... Eu vou esperar lá fora." Atordoado, Gottschalk desapareceu em transe, sua

mandíbula ainda aberta.

Mais tarde, Gottschalk voltou para a cozinha, mas desta vez, Ethan estava sentado na pequena

mesa de jantar, e Jack estava longe dele. Gottschalk olhou para os dois. "Eu não vi nada", disse

ele. "Para mim, não havia nada para ver." Ele sorriu, autodepreciativo. "Embora, eu vou bater

quando eu ver uma porta fechada de agora em diante."

"Obrigado, Jeff." Gratidão derramou da voz de Jack. "Isso é novo. E especial. ”

"E secreto." Gottschalk acenou com a cabeça. “Você não tem nada a temer de mim. ”

Gottschalk enviou a Ethan um sorriso curto e rápido quando saiu da cozinha, depois de ter

informado Jack sobre o estado da legislação que estavam assistindo. Tinha acabado de deixar o

comitê no meio da noite e estava indo para uma votação controversa.

Eles não estavam mantendo seu relacionamento tão secreto quanto tinham planejado

originalmente. Além de Gottschalk, os comissários tinham que saber. Ethan passou mais noites

na Casa Branca do que em seu condomínio. Ternos dele ficavam ao lado de Jack, e ele tinha uma

escova de dentes, um desodorante e uma máquina de barbear no banheiro de Jack. Eles

tentaram se esgueirar no início da manhã, fingindo que Ethan não tinha acabado de acordar na

cama de Jack, mas não havia muito que eles podiam fazer.


"Eu não sou o primeiro presidente a ter um caso de amor secreto", disse Jack.

"Com um homem?" Ethan riu e roubou uma cenoura do prato de Jack.

"Alguns historiadores dizem que Lincoln tinha amantes masculinos." Jack golpeou a mão de

Ethan com o garfo. "Nós vamos ficar bem."

Se eles estavam sendo preguiçosos na residência, Ethan compensou com o serviço secreto.

Entrou e saiu da residência usando passagens secretas e o túnel subterrâneo, e Collard cobriu- o

com razões inventadas sempre que um agente o pegou vagando ao redor depois de horas.

Depois que Ethan passou sete dias seguidos na Casa Branca, Collard começou a mover seu SUV

para que ninguém percebesse que ele nunca tinha ido embora.

À noite, eles liam documentos espalhados na cama de Jack, discutindo o dia e planejando o

próximo. Eles riam e roubavam olhares para o outro quando pensavam que não seriam

apanhados, e alcançavam um ao outro por apoio, ou um beijo longo e preguiçoso. Quando as

luzes se apagaram, Ethan puxou Jack para perto, enterrando seu rosto na parte de trás do

pescoço de Jack. Eles começaram em boxers e camisetas, e então era apenas boxers e peitos

nus, e pele quente contra pele quente.

Eles acordaram lentamente no domingo passado nos braços um do outro, ereções duras

esticando suas boxers enquanto eles rolavam juntos, estocadas lentas construindo enquanto

seus beijos cresciam. Ethan juntou Jack em seus braços, acariciando suas bochechas enquanto o

beijava profundamente, e então se virou, trazendo Jack em cima dele. Apenas um pouco mais, e

então talvez eles se separassem e se masturbassem na frente um do outro.

Os joelhos de Jack empurraram as coxas de Ethan, espalhando-as mais largas enquanto seus

braços se enrolavam em volta da cabeça e pescoço de Ethan. Ele se afastou, sem fôlego. "Porque

não tiramos nossas cuecas?" Jack perguntou, sussurrando.

"Só se você... "

"Tenho certeza." Jack sorriu para Ethan, cortando-o.

Jack se recostou e deslizou suas boxers pelas pernas. Seu pênis se soltou livre, balançando duro e

vazando. Ethan levantou os quadris e tirou o próprio par, jogando-os para o lado

descuidadamente.

Lentamente, Jack voltou a subir nos braços de Ethan, e entre as pernas de Ethan. Suas coxas

escovadas e, em seguida, seus paus, e eles estavam nus juntos, balançando um contra o outro,

corpo a corpo, pela primeira vez.

O coração de Ethan pousou em sua garganta, frenético, aterrorizado e esperançoso. Tudo o que

eles tinham feito poderia ser desculpado, mas ter pau contra pau, e contorcendo-se nos braços

de outro homem, suado e necessitado e querendo, foi um momento crucial.

Eles se moveram juntos, batendo os quadris, Jack no topo e dirigindo seu pau contra o de Ethan.

Ethan beijou-o e nunca o deixou ir compartilhando respirações entre mordidas e chupando o

lábio inferior de Jack. Suas pernas enroladas em torno da cintura de Jack, incitando-o, tentando

atraí-lo mais perto. Jack estava em toda parte, ao redor dele, seus braços em volta do pescoço

de Ethan, suas coxas empurrando contra as costas das pernas de Ethan, seu pau entrando no

pau de Ethan, liso com pre-sémen. Ethan não estava acostumado a isso, estar rodeado e

envolvido por outro homem, mas Jack estava tomando o controle, envolvendo Ethan em seus


aços e beijando-o sem fôlego. Ethan normalmente não era que estava recebendo, mas ele

percebeu, naquele momento, quando Jack deu um beijo contra sua bochecha antes de enterrar

seu rosto no pescoço de Ethan, que era exatamente o que estava acontecendo.

Jack veio com um suspiro, gemendo contra o pescoço de Ethan. O calor do seu orgasmo,

queimando no pênis de Ethan, provocou o seu próprio. Ethan agarrou os quadris de Jack e

puxou-o para baixo, navegando acima no calor liso, molhado e explodiu.

Puxando para trás, Jack sorriu para Ethan, ofegante e rindo. "Nós apenas…"

"Sim." Ethan alisou as mechas do cabelo de Jack, suado contra a pele de sua testa. "Sim. Nós

fizemos. " Ele lambeu os lábios. Então, sorriu. "Você não esta surtando sobre isso ne?"

"Não porra, esta tudo perfeito." Jack ainda estava radiante enquanto se inclinava, pressionando

um beijo nos lábios de Ethan.

* * * * *

Apenas dois dias depois, eles foram acordados no meio da noite com as notícias de Nairóbi.

Era muito grande, de repente, para se preocupar em se esconder. Uma vez que estavam

vestidos, Jack fez um gesto para que Ethan viesse com ele. Ele correu com Jack pela escada

principal, ignorando o olhar de surpresa de seu agente enquanto eles passavam por seus postos

no Sala Transversal.

"O que aconteceu?" Os calcanhares de Jack soaram no mármore, rápidos e cortados. "De onde

veio isso?"

Ethan percorreu o telefone, lendo as manchetes tão rapidamente como eles entraram. "O

estado islâmico assumiu a responsabilidade".

"Isso é por causa do que estamos fazendo com os russos? Retorno para a missão da ONU na

Síria? "

"Tem que ser." Ethan abriu a porta da ala oeste para Jack. "Não há uma razão dada ainda. Os

relatórios de notícias estão apenas dizendo que eles reivindicaram a responsabilidade, mas eles

não estão relatando um manifesto ou qualquer coisa. ” Eles correram pela Ala Oeste vazia,

ignorando a equipe de limpeza noturna enquanto corriam para a escada que descia até o andar

térreo.

Jack parou antes do último passo. "Ethan... eu quero você lá dentro comigo."

"Você sabe que eu não posso." Ethan sacudiu a cabeça, guardando seu telefone. "Eu não deveria

saber nada disso. Eu não deveria estar aconselhando você em nada. "

“Ou seja, meu namorado, mas você é."

Ele não podia evitar. Ethan sorriu e olhou para baixo, tentando esconder seu rubor. “Namorado,

hein? ”

"Sim." Jack empurrou o ombro de Ethan, sorrindo. "Você tem fobia a compromissos?"

Agora não era o momento para essa conversa. "Vá salvar o mundo, Jack." Ele olhou para cima e

para baixo as escadas antes de inclinar-se para um beijo rápido. "Eu não posso estar ao seu lado

agora. Mas eu estou com você todo o caminho. "


Jack tomou sua bochecha, sorriu, e então correu pelo último degrau e do outro lado da esquina,

até a Sala de Situação.

Mais tarde, depois que Ethan checou os agentes postados em torno da Ala Oeste para o turno

da noite e reatribuiu dois agentes dentro da Sala de Situação, sentado na parte de trás, ele

preparou quatro xícaras de café no refeitório e empilhou-os todos em uma bandeja. Ethan

entrou na Sala de Situação e deu dois copos para seus agentes.

Ele pegou a terceira para Jack, encontrando seu olhar brevemente enquanto Jack desferia

perguntas rápidas a sua equipe de segurança nacional e os chefes do estado maior. Todos

estavam com sono, mas tinham os olhos arregalados de susto e adrenalina correndo por suas

veias. Não houve um ataque nuclear desde a Segunda Guerra Mundial.

A quarta xicara que ele segurava, cuidando dela enquanto se demorava no fundo, tentando ficar

longe da vista. As informações estavam piscando nas telas ao redor da sala. Um comandante da

marinha a bordo de um navio estacionado no Mar Vermelho estava relatando detalhes de seus

voos de reconhecimento em curso sobre Nairóbi. A notícia estava fluindo dentro de África-

Kampala, de Dar es Salaam, e de Addis Ababa. O alimento seguro para a embaixada dos EUA em

Nairóbi foi para baixo, e o secretário de Estado não poderia confirmar se a embaixada tinha sido

atingida ou não.

O diretor-adjunto da CIA chegou com uma hora de atraso, seguido pelo diretor da NSA. "Sr.

Presidente ", disse Gary Luss, Diretor Adjunto da CIA, deixando cair uma pilha de pastas de

arquivo e uma pilha de papéis bagunçados na beira da mesa de conferência. Ele tinha um

telefone celular preso entre a orelha e o ombro. "Tenho contato com o chefe da estação da CIA

de Nairóbi. Bill Dix.

Luss jogou o celular de volta para os oficiais da NSA, que transferiu a chamada para o alto-falante

seguro embutido no centro da mesa. Jack se inclinou para frente, assumindo a ligação. “Bill, você

está conosco? Este é o Presidente Spires. ”

"Sr. Presidente! ” Ao telefone, Bill tossiu com força. "Estou aqui. Não sei quanto tempo a bateria

vai durar neste telefone via satélite, mas estou aqui. "

"Onde está você? Você está a salvo?

"A bomba explodiu em algum lugar ao sul de nós em direção ao centro da cidade. A nuvem de

fumaça nos cobria, mas agora está dissipada. Todos na embaixada chegaram aos abrigos. Temos

muitos feridos. Muitas queimaduras e cortes. Todas as janelas explodiram e o calor era incrível.

As pessoas ficaram feridas na evacuação para o abrigo. O embaixador está brigado.

"Já estamos trabalhando em um plano de evacuação para todos. Temos o USS Truman indo para o

Oriente Médio agora, e o Arleigh Burke está no Mar Vermelho. Vamos levá-los para fora de lá e

tratá-los o mais rápido possível. ” Jack assentiu para os Chefes de Estado Maior. Que já estavam se

mexendo, trabalhando dois telefones celulares cada e digitando furiosamente em laptops

seguros.

"Obrigado, Sr. Presidente. Essa será uma notícia muito bem-vinda para todos aqui. "

"Você tem alguma informação sobre a situação em terra, Bill?"

“Sim, senhor. ” Bill limpou a garganta novamente. "A bomba nivelou uma cratera de seiscentos

metros de largura. Podíamos vê-lo da embaixada. Cerca de um quilometro fora do que todos na


área pensavam. Os edifícios explodiram, e tudo por aqui está em chamas. Há pânico em massa

nas ruas. Nós não ouvimos falar do governo. Veículos militares estão passando pela capital e

ouvimos muitos disparos. “

"Há alguma indicação de que isso poderia ter sido um prelúdio para um ataque maior? Alguma

evidência de soldados estrangeiros se mudarem? ”

“Não tenho essa informação, senhor. ” Bill tossiu novamente, soando como se estivesse prestes a

cortar um pulmão.

“Bill, você está indo bem. Obrigado por fazer contato. Aguente firme, mantenha o telefone perto

de você, e nós vamos chamá-lo com o nosso plano de resgate em breve. " Jack acenou para o

chefe de gabinete da Marinha e, em seguida, apontou para o telefone. Assentindo com a cabeça, o

chefe se levantou e correu de volta para os agentes de vigilância para assumir o telefonema.

Então, o viva-voz foi desligado.

A reunião continuou e, lentamente, mais informações fluíram. Ethan ficou no fundo, pegando o

olhar de Jack de vez em quando. Ao amanhecer, a sala estava exausta, zumbindo de cafeína e

correndo em fumos. Eles tinham um plano, porém, para evacuar a embaixada e qualquer

pessoal americano no país, e um cronograma de implantação de voos de reconhecimento sobre a

zona de impacto. Os ativos de inteligência estavam sendo contatados, procurando por pistas

sobre o ataque e sobre o que estava acontecendo na zona de terror.

E, Jack exigiu que o país liderasse uma operação de socorro, no começo do dia. Uma força-tarefa

combinada de militares e organizações de ajuda estava sendo montada, juntamente com

equipamentos biológico, comida, abrigo e assistência médica.

“Quero dirigir-me à nação às oito da manhã. ” Jack esfregou os olhos e beliscou o nariz. Sua

mandíbula rachou quando ele bocejou largo.

Gottschalk, de pé ao lado de Ethan e enviando e-mails em três telefones diferentes, assentiu

com a cabeça e deu um passo à frente. Pete Reyes era o secretário de imprensa de Jack. "Ele já

está trabalhando em alguns rascunhos iniciais. Eu vou ficar com ele. Teremos algo para você às

sete e meia. ”

Jack assentiu com a cabeça. "Todo mundo, informe-se com relatórios atualizados à medida que

você a recebe. Eu quero resumos completos de hora em hora. Eu também quero falar com os

russos, os ugandenses, os tanzanianos, e qualquer pessoa que você pode entrar na linha no

Quênia. E os britânicos. ”

E com isso, Jack se levantou, agradeceu a todos por terem entrado e saiu. Ethan caiu ao lado

dele, como fez Gottschalk. Os dois agentes seguiram atrás enquanto subiam as escadas para o

Salão Oval.

"Você deve descansar um pouco, Sr. Presidente", disse Gottschalk.

"Estou bem."

"Sr. Presidente. " Ethan olhou de relance para Jack. “Pelo menos tente dormir um pouquinho. ”

"Você descansou na noite passada, senhor?" Gottschalk atirou a Ethan um olhar rápido e seco,

escondendo um sorriso afetado.

“Sim “ disse Jack, ao mesmo tempo Ethan disse: “ Não muito, não. ”


Jack olhou para Ethan. "Isso é conspiração."

"Conivência ", corrigiu Gottschalk. “E é para seu benefício. Tenta deitar-se no seu escritório,

senhor. Você não quer parecer um fantasma quando se dirigir à nação. " Gottschalk tentou, e

falhou, sufocar outro sorriso. “Vou tentar afastar o agente Reichenbach dos seus cabelos,

senhor. ”

Pararam diante da porta do Salão Oval. Suspirando, Jack se virou para os dois homens, fixando

cada um com um brilho. O efeito teria sido maior se não houvesse círculos escuros debaixo de

seus olhos, desmentindo sua exaustão. “ Quero ver um de vocês lá dentro às sete e quinze. Nem

um minuto depois. ”

Gottschalk e Ethan assentiram, e depois que Jack desapareceu no salão oval, eles

compartilharam um sorriso pequeno, cansado antes de dirigir seus caminhos separados.


Capítulo doze

Os EUA lideram o mundo no fornecimento de ajuda em massa socorro a Nairóbi vítima de um

ataque nuclear; anuncia greves aéreas conjuntas com russos contra o estado islâmico.

Os Estados Unidos organizaram uma resposta maciça à Nairóbi, que foi atingida por ataques

nucleares, reunindo a maior resposta de ajuda, apenas algumas horas após o ataque terrorista.

Mais de vinte nações comprometeram recursos significativos para a nação africana, e a Rússia

surgiu como um forte parceiro no esforço humanitário. Fontes da Casa Branca dizem que o

presidente Puchkov e o presidente Spires passaram muitas horas no telefone juntos, um sinal de

fortalecimento das relações entre os dois países. Também significativo, os Estados Unidos e a

Rússia planejaram operações militares conjuntas contra o estado islâmico em resposta ao

ataque a Nairóbi e estão cooperando com inteligência da região.

* * * * *

"Ei Scott, você tem um minuto?" Daniels pairava atrás de Collard no terraço da Casa Branca

acima da Ala Oeste, esperando enquanto Collard terminava uma ligação em seu telefone celular.

Collard girou ao redor, os olhos arregalados. “Jesus, Daniels. Você me assustou. " Ele deslizou o

telefone no bolso. "O que você precisa?"

“ Esta manhã, fui chamado ao quartel-general. ”

Collard arqueou as sobrancelhas. "HQ? Por quê? E sozinho? ’

Daniels assentiu. "Sim. Eles queriam me perguntar sobre Ethan. ” Daniels lambeu os lábios.

“Sobre o Ethan e o presidente. ”

"Merda." Collard puxou Daniels longe da passarela, até que eles estavam escondidos atrás e

ocultos de vista. “Que tipo de perguntas? E quem estava perguntando? ”

"Cara, era o diretor!" Daniels exalou, trocando os pés enquanto empurrava as mãos nas calças

do terno. "Eles me chamaram direto para o escritório do diretor Stahl, e então ele estava falando

comigo um a um. Fazendo-me perguntas sobre quanto tempo Ethan estava gastando com o

presidente. Sobre se eu tinha visto alguma coisa não profissional ou em violação dos

regulamentos. E se havia alguma coisa acontecendo entre os dois. ”

"Jesus. O que você disse?"

“Eu disse que não tinha visto nada. E que, tanto quanto eu sabia, não havia nada acontecendo.

Mas, Scott. Merda, cara. Devemos dizer a eles? ”

Collard suspirou e recostou-se contra a parede debaixo do toldo. "Eu cuidarei disso."

Daniels assentiu. "Obrigado. E, sabe, deixe me saber se eles precisarem de alguma coisa. Sério."


* * * * *

Uma semana após a explosão nuclear, as organizações humanitárias e os militares americanos

haviam inundado Nairóbi. Acampamentos de refugiados tinham sido construídos ao norte da

capital, fora do alcance da radiação e dos ventos, e longe da devastação, da doença e da

decadência dos escombros. Milhares haviam morrido. Milhares de pessoas foram incineradas na

explosão inicial e a onda de choque atingiu as favelas e distritos de Nairóbi. Corpos queimados e

em decomposição jaziam nas ruas ao lado de concreto torcido e aço derretido.

Em tendas médicas, centenas de pessoas suavam e vomitavam através da doença de radiação.

Vinte morriam a cada hora.

Os sobreviventes se amontoaram, vivendo em barracas de refugiados e abrigos criados por um

bando de organizações humanitárias e militares que haviam chegado. Médicos sem fronteiras

administravam cinco hospitais em torno de Nairóbi. A União Africana mobilizou tropas da

Tanzânia, Uganda, Nigéria e África do Sul. Soldados americanos patrulhavam as ruas lado a lado

com seus parceiros africanos.

Jogos de futebol aleatórios estouraram entre os soldados e adolescentes depois das patrulhas.

Através do medo, as pessoas estavam sobrevivendo.

As perguntas ainda persistiam. "Por que" penduradas no ar, sem resposta. O estado islâmico

tinha sido visivelmente - suspeitosamente - calmo, e mesmo as operações dentro da Síria e do

Iraque tinham diminuído.

A Assembleia da União Africana, uma conferência de todos os chefes de Estado das nações

membros da União Africana, convocou uma reunião de emergência em Addis Abeba, a capital

da Etiópia. O presidente Amameka, presidente da assembleia, convidou Jack, juntamente com

outros líderes mundiais, para se juntar à assembleia na conferência.

Jack achou que era uma ótima ideia. Ele concordou com entusiasmo em participar e fazer tudo o

que pudesse para ajudar na reconstrução de Nairóbi.

Ethan odiava tudo sobre a viagem proposta.

Do ponto de vista de segurança, foi um pesadelo. Um desastre esperando para acontecer. Jack

queria voar para uma região sitiada pelo terrorismo nuclear apenas uma semana depois da

explosão da bomba.

Os níveis de radiação se dissiparam, e Nairóbi estava funcionando melhor do que muitos

esperavam sob a lei marcial, mas ainda era uma ideia absolutamente ridícula.

Ethan foi anulado, porém, por quase todo mundo. Gottschalk pensou que era uma boa jogada, e

Reyes, secretário de imprensa de Jack, achou que seria uma imprensa fenomenal. Jack achou

que era a coisa certa a fazer. Os Chefes do Estado Maior garantiram a Jack que poderiam mantêlo

seguro no caminho de ida e de volta. A CIA assegurou-lhe que, na medida em que eles

pudessem dizer, a situação no terreno estava segura, e que a assembleia seria bem protegida.

Todos se voltaram para Ethan, então, como chefe dos agentes presidenciais, e perguntaram se

ele e seus homens estavam preparados para proteger Jack no exterior em Addis Ababa, na

Etiópia. Ethan conhecia uma batalha perdida quando viu uma. Ele concordou em elaborar planos

de segurança para a viagem.


Seguiram-se longas noites sem dormir, e sua primeira e real luta com Jack. Ethan pediu - quase

implorou-lhe - para reconsiderar, e cancelar a viagem. Jack acusou Ethan de querer mantê-lo na

gaiola dourada da Casa Branca. Ethan rugiu de volta, gritando que não era apenas a vida de Jack

em suas mãos, mas o amor de sua vida também.

Jack retirou-se para o Salão Oval, deixando Ethan na Residência para esfriar.

Uma tensão frenética rasgou as entranhas de Ethan. Ele queria manter Jack numa gaiola. Era

seguro em uma gaiola. A Casa Branca era um casulo, um lugar seguro e controlado onde poderia

garantir a segurança de Jack. Voar pelos Estados Unidos era bastante estressante, e voar para

cúpulas europeias no exterior era exaustivo. Mas levar Jack para a África? Etiópia? Sobre os

calcanhares deste ataque nuclear?

Seria mostrar o compromisso do mundo de Jack para as pessoas em todos os lugares. Depois de

Praga e seu pacto com Puchkov para combater conjuntamente o estado islâmico, Jack tinha de

alguma forma assumido a imagem de ser um campeão do mundo. Ele tinha visto a desconfiança

de Jack com o nome. Se ajudasse o mundo de qualquer maneira, Jack disse, então ele o

abraçaria.

Jack poderia fazer muito bem pelo mundo. Como presidente, ele já tinha feito um enorme

impacto. Trabalhando com os russos pela primeira vez em décadas, e combatendo juntos o

estado islâmico. Garantir eleições dentro dos territórios europeus detidos pela Rússia. Cometer

mais tropas e mais informações compartilhadas para os aliados europeus e frustrar ataques

terroristas. Lançamento da maior missão de ajuda na história para Nairóbi e poupando milhares e

milhares de vidas. Ele estava construindo a paz um dia de cada vez, apesar de tudo empilhado

contra ele.

Mas Jack não podia fazer nada de bom para ninguém se ele estivesse morto.

Ethan caiu no pé da cama de Jack - sua cama, nos últimos dois meses - e se inclinou para frente,

segurando a cabeça nas mãos.

Era isso. Essa foi realmente a raiz de tudo.

Ele estava petrificado de perder Jack.

Morrer era a perda final, e a morte era algo que nem Jack nem Ethan eram estranhos. Ethan

tinha perdido soldados e amigos nas guerras. Jack tinha perdido sua esposa.

Mas o pensamento de Jack morrendo enviou Ethan em uma raiva quase apoplética, e ele soltou

isso em Jack, gritando para ele e gritando sobre a estúpida viagem para a Etiópia.

Era tudo apenas uma máscara, uma capa conveniente para o medo roer, dolorido, rachando a

alma que ele iria perder Jack de alguma forma.

Jack encontrou Ethan lutando para segurar tudo isso, perdido nas profundezas escuras e túneis

torcidos de sua ansiedade. Ethan tinha caído ao chão, de costas para o pé da cama, e ele estava

agarrado ao tapete enquanto sua mandíbula se apertava e se soltava. Seus olhos brilharam, o

pânico molhado desesperadamente sendo retido por pura força de vontade sozinho.

Dobrando os joelhos, Jack sentou no tapete na frente de Ethan, grunhindo enquanto dobrou-se

para baixo. Ethan não podia olhar para ele no começo, mas quando o fez, a primeira de suas

lágrimas deslizou por suas bochechas. “Tenho pavor de te perder ” murmurou Ethan. "É o meu

maior medo. Meu pior medo. ”


Jack puxou Ethan em seu colo, puxando seus ombros até que ele o puxou para fora. Ethan caiu

no abraço de Jack, seu rosto enterrado na camisa de Jack enquanto seus braços se enrolavam ao

redor de sua cintura, e soluçou. Jack segurou-o através de cada lágrima, acariciando suas costas

e esfregando seu pescoço.

Os soluços de Ethan não eram bonitos. Eles eram duros, doloridos e puxados das profundezas

escuras de seu coração medroso. Muco encharcou a camisa de Jack. A cabeça de Ethan latejava, e

ele se agarrou a Jack como um marinheiro afogado que se agarrava a destroços de um navio.

"Eu estou com você todo o caminho", Jack sussurrou nos ouvidos de Ethan. “Você não vai me

perder. ”

“Estou encarregado de sua vida ” gemeu Ethan. "Está em minhas mãos." Agora ele entendeu as

regras, finalmente, de uma maneira visceral, real. Estava paralisado, quase incompetente com o

medo.

"Não coloque tudo isso em si mesmo. Você não é uma ilha. " Jack acariciou o pescoço de Ethan

enquanto Ethan pressionava sua testa no ombro de Jack e suspirou. "Eu confio em toda uma

equipe de pessoas inteligentes. Você é muitas vezes a minha pessoa mais inteligente. "

Ethan ofegou.

"Mas agora, você não está vendo tudo. Abra seus olhos, Ethan. Veja todo o campo. Você tem

ajuda. Puxe o Agente Collard e o Agente Daniels. Eles são seus amigos. Eles podem ajudá-lo a

configurar isso. "Jack apertou um beijo para o cabelo de Ethan. “E você me tem. Deus, Ethan,

você me tem. ”

A mão de Ethan encontrou Jack, e ele juntou os dedos. "O que eu disse, quando eu gritei para

você... "

"Shhh." Jack o beijou novamente. Acariciou seu braço. "Você não precisa dizer nada."

Mas Ethan queria dizer isso. Ele queria dizer a Jack uma e outra vez que o amava, que ele estava

terrivelmente incompleto sem Jack. Que Jack era o amor de sua vida, e que ele sabia disso como

ele sabia que precisava respirar.

Talvez fosse melhor não dizer isso se Jack não pudesse dizer o mesmo. Ethan poderia ficar em

sua terra de sonhos protegida, e se havia uma coisa que Ethan tinha aprendido sobre si mesmo,

era que ele almejava por sua terra de sonhos.

* * * * *

"Trabalhamos com nossos parceiros no exterior para espalhar-se a chegada de cada chefe de

Estado".

Ethan, vestido com calças cargo pretas enfiadas em botas de combate e uma camiseta da equipe

de contra assalto do Serviço Secreto, apontou para a tela plana atrás dele na sala de conferências

principal do Força Aérea Um. Foi a última leitura, as últimas instruções antes de Jack e toda a

equipe aterrissar na Etiópia. Jack sentou-se à frente da mesa de conferência, sorrindo para

Ethan. Gottschalk e Reyes o ladeavam de ambos os lados. A Secretária Elizabeth Wall, o Diretor

da CIA, Lawrence Irwin, e o Diretor de Segurança Nacional, John Luntz, também se sentaram à

mesa, observando Ethan.


Collard e Daniels sentaram-se no fim da mesa mais próxima de Ethan. Collard tinha sido

inestimável em ajudar Ethan a elaborar os planos de segurança para a viagem, e Daniels tinha

acalmado tanto Ethan e Collard quando eles estavam latindo um contra o outro sobre os

detalhes. Welby se encostou na parede atrás. Welby tinha tomado o lugar de Inada depois que

Inada pediu mais tempo com sua família.

Ethan continuou com sua apresentação, avançando pelos slides. "Sr. Presidente, você é o

primeiro chefe de Estado a chegar. O primeiro-ministro britânico deve chegar doze horas depois

de chegarmos ao país e o presidente Puchkov doze horas depois. Como em todas as viagens no

exterior, a polícia local está assumindo a liderança em matéria de segurança e proteção civil. A

Polícia Federal da Etiópia assegurará a rota do Aeroporto Internacional de Addis Ababa Bole ao

palácio do primeiro-ministro. O tempo de viagem é de quinze minutos indo para o nortenoroeste

na Estrada do Aeroporto em direção ao centro de Addis Abeba. " Ethan percorreu os

slides enquanto Jack continuava a sorrir para ele.

"Nós também estaremos implementando duas equipes de contra-assalto do serviço secreto." As

equipes de contra assalto foram a versão do Serviço Secreto de uma equipe SWAT. Quando

ativados, cinco homens sombreavam cada movimento do presidente, a pé, de carro ou de avião.

"A equipe CAT Um acompanhará o SUV do presidente em seu próprio veículo. A Equipe 2 do CAT

será transportada pelo ar, monitorando o solo de um helicóptero voando acima do comboio.

Eles vão tirar qualquer carga e encarregar-se de quaisquer bandidos nas estradas, conforme

permitido. " Cada equipe de contra assalto carregava um atirador, além de especialistas

dedicados ao combate. As regras de combate, porém, eram sempre deprimentes em terras

estrangeiras.

"A Polícia Federal da Etiópia terá policiais à paisana andando pelas ruas. Agentes do grupo de

avanço estarão de pé ao lado das forças de defesa nacionais etíopes ao longo da rota. Assim que

pousarmos, o Agente Welby estará a bordo de um helicóptero no aeroporto e coordenará

pessoalmente as nossas operações com o chefe da Polícia Federal da Etiópia.

"Secretária Wall, os diretores Irwin e Luntz, o Sr. Gottschalk, e o Sr. Reyes montarão no terceiro e

quarto SUV, junto com uma equipe de agentes dedicada para cada veículo." Seus olhos

encontraram Jack. "Eu, o agente Collard, e o agente Daniels estaremos fornecendo proteção

detalhada para o presidente Spires. Vamos andar no SUV com você, Sr. Presidente. Dois na

frente. Um na parte de trás com você. " Ethan assentiu a Jack. Não havia perguntas sobre quem

estaria no banco de trás ao lado de Jack. "E nós não vamos deixar seu lado."

O silêncio pendia no ar depois das últimas palavras de Ethan.

Jack sorriu largo. "Estou confiante de que serei mais do que seguro. Excelente plano, agente

Reichenbach. ”

"Vamos confirmar o nosso plano de saída e fornecer uma leitura final, uma vez que estamos no

chão. Esperamos estar no país por trinta e oito horas. Nós convocaremos uma reunião final no

chão no palácio do primeiro-ministro. " Ethan desligou seus slides.

Collard acenou para ele, um pequeno sorriso curvando seus lábios. Daniels chutou sua bota, sua

própria versão de um high five.

“Obrigado, agente Reichenbach. Eu vou falar com você depois desta reunião. " Jack ainda estava

sorrindo, mas não alcançou seus olhos.


Hora de Ethan e sua equipe ir. Como ele havia dito a Jack antes, ele não era o conselheiro do

presidente, e tanto quanto Jack disse que queria que ele estivesse em todas as reuniões ao seu

lado, isso simplesmente não poderia acontecer. Em vez disso, Ethan juntou seu laptop e seus

colegas agentes e saiu da sala de conferências.

* * * * *

Mais tarde, o telefone de Ethan tocou em pleno voo. Uma das vantagens do serviço de celular

dedicado da Força Aérea Um. Collard e Daniels estavam jogando cartas, e Welby estava

desmaiado e roncava quando Ethan se levantou e saiu do compartimento do Serviço Secreto.

"Divirta-se", Collard ligou. "Não se desgaste antes de aterrissarmos."

Ethan sacudiu Collard enquanto Daniels bufava em suas cartas.

Jack estava esperando por ele em sua cabine privada, descalço e com apenas suas calças e

camiseta. "Hey lindo," ele disse com um sorriso. "Foi uma ótima apresentação. Você fez um

ótimo trabalho. "

“Ainda estou preocupado. Ficarei preocupado até que você esteja a bordo do Força Aérea Um e

voltemos para casa. ”

“Estarei perfeitamente seguro. Eu confio em você. Confio em seus homens. Confio no seu plano. ”

Jack estendeu a mão para Ethan, atraindo-o para perto, mesmo que Ethan estivesse frustrado e

mal-humorado. "Quando nós reabastecemos?"

"Nós pousamos em Frankfurt em quatro horas. Estamos pousados durante trinta minutos,

enquanto abastecemos, e depois são dez horas para Adis Abeba. ”

"Eu disse a todos que eu estava ficando com um pouco de sono e eu não devia ser incomodado."

Jack correu suas mãos sobre os ombros de Ethan e para baixo em seu bíceps protuberantes.

"Você encolheu esta camisa antes de você espremesse nela? É como se estivesse pintado. ” As

mãos de Jack continuaram a percorrer, cruzando o peito de Ethan e seu estômago achatado.

Rindo, Ethan tentou afastar a ansiedade rangendo em seus dentes. "Você gosta?"

Jack assentiu com a cabeça, e então tirou a camisa de Ethan das calças. “Acho que vou gostar

mais no meu chão. ”

Ethan riu e deixou Jack puxar a camisa para cima, mas Jack enredou os braços de Ethan e puxou o

tecido apertado, cobrindo os olhos de Ethan com sua camisa a meio caminho fora da cabeça e

seus braços dobrados para trás. Lentamente, Jack capturou os lábios de Ethan, acariciando sua

língua através do lábio inferior de Ethan.

"Ethan," Jack respirou. "Deixe-me cuidar de você."

Mudo, Ethan assentiu, e ele deixou Jack levá-lo para a cama.

* * * * *

O que Ethan esperava ao chegar a Adis Abeba, não era isso.

Ele esperava um inferno do terceiro mundo, uma paisagem empoeirada, estéril, repleta de lixo,

de desespero e degradação, como todos os países do terceiro mundo que ele havia sido enviado


no Exército. Ele esperava olhares perigosos e rostos irritados e odiosos. Ele estava de guarda

para o pior.

Ele não esperava um aeroporto cintilante, aço e vidro brilhando à luz do sol e reluzindo com

tinta branca brilhante. Azulejo branco dentro do aeroporto tinha sido polido para um alto brilho, e

as lojas no pátio poderia ter sido de qualquer aeroporto europeu. Prada, Louis Vuitton, Chanel. O

pátio inteiro tinha sido fechado para a chegada de Jack, e eles eram os únicos caminhando,

saltos clicando contra o azulejo.

Um militar os encontrou no corredor e escoltou o agente Welby a distância, de volta à pista de

aterrissagem do helicóptero. "Nós vamos encontrar o Comissário Maleke em um local seguro."

Welby e Ethan tinham compartilhado um aceno rápido - Ethan à direita do lado de Jack - e então

Welby estava fora.

O general Zabanya cumprimentou Jack na entrada do aeroporto com um sorriso caloroso e um

enorme aperto de mão.

A equipe de avanço já tinha os SUVs de Jack alinhados na calçada. Ethan abriu a porta para Jack

antes de deslizar atrás dele.

Jack segurou sua mão uma vez que eles estavam dentro. Ethan pressionou um beijo na parte de

trás da mão de Jack e entrelaçou os dedos.

Collard e Daniels fingiram não notar.

Dois helicópteros subiram atrás do aeroporto e voaram pela caravana. Um virou para o norte,

indo em direção ao centro de Addis Ababa. Welby, sendo levado para conhecer o comissário de

polícia. O segundo voou mais lentamente, e mais baixo, seguindo a rota dos carros.

Eles partiram, se movendo em uma longa linha longe do aeroporto e indo para o centro de Addis

Ababa. A capital surgia à frente, arranha-céus brilhantes e edifícios modernos contra as terras

altas da Etiópia. A Polícia Federal da Etiópia conduziu a comitiva, carros de polícia lamentando

suas sirenes de duas notas e policiais de motocicleta se misturando com sargentos montados

em cavalos. Todo o tráfego normal tinha sido empurrado para o lado da estrada. As pessoas

saíam de micro-ônibus assistindo ao comboio, e Tuk Tuks de queixos caídos no meio dos ombros

apertados, tentando empurrar. Ao longo da estrada em direção à brilhante capital, casas de aço

de um andar, construído de aço ondulado e telhados de madeira, foram subdivididos em lojas

de tenda, vendendo tudo, de pneus e peças de motor decrépito para frutas e verduras murchas.

Por trás da caravana presidencial, o General Zabanya montou em seu próprio veículo.

"Dois quilômetros para baixo", Daniels disse do banco da frente, chamando a distância da rota.

"Um quilômetro para Bulbula River e Cabo Verde Street."

O polegar de Ethan acariciou o dorso da mão de Jack.

* * * * *

O agente Welby pulou do helicóptero na plataforma de pouso atrás de um colonial de três

andares que parecia ter sido transportada das colônias americanas nos anos 1700 para a Etiópia.

As chaminés de tijolos vermelhos subiam do teto inclinado, e as colunatas se alinhavam a


frente e atrás do edifício firme. Persianas pretas emolduradas cada janela, compensando o

exterior de tijolo claro.

"Onde estamos?" Welby gritou sobre o som do helicóptero para o militar guiando-o para dentro

do edifício.

“Venha. O Comissário está à espera. ”

Eles correram juntos até a escadaria grande dentro, passos soando com altos ecos. Algo

mordiscou a base do cérebro de Welby, e a antecipação fez cócegas abaixo da sua espinha. Onde

estava todo mundo?

O militar o encorajou, acenando Welby pelo corredor do terceiro andar. Todas as janelas

estavam abertas, e Welby podia ver o furgão dirigindo para o norte no caminho para o

aeroporto. Eles estavam se aproximando do rio Bulbula, a primeira divisa.

Os olhos de Welby voltaram-se para o militar. Seu uniforme era descuidado, quase desleixado.

Quase que não se encaixava bem com ele.

"Ei. Onde estamos? Onde estão todos os outros? ”

"Eles estão esperando por nós."

"Ei. Idiota. Onde diabos estamos? ”

O soldado o encarou. “ Embaixada da Somália. Nós levamos isso. Deste jeito. Rapidamente. ” O

soldado abriu uma porta no final do corredor, entrando numa sala com vista para a estrada e o

carro que se aproximava. A mão de Welby caiu em sua arma, enfiada no quadril. Ele atravessou a

porta.

No centro da sala, o Comissário Maleke estava de pé, de uniforme, usando cada uma de suas

medalhas. Ele estava suando, gotas de gordura descendo sua pele e manchando o colarinho alto

de seu uniforme de lã. Ele olhou para cima quando a porta se abriu e olhou para Welby.

Welby apertou seu braço.

“Desculpe ” disse o Comissário Maleke. "Eles têm minha família."

Antes que Welby pudesse tirar sua arma, balas passaram por ele, batendo o Comissário. Atrás

de Welby, três lutadores mascarados jihadistas avançaram, saindo de seus esconderijos,

enfiados num buraco ao longo da parede. O comissário caiu de joelhos, sangrando.

Welby ligou o rádio. Três jihadis, todos armados com rifles de assalto, estavam de encontro a ele

em um espaço fechado. Ele não iria viver com isso, mas ele poderia muito bem avisar o

presidente. "Quebra! Quebra! "Ele gritou. "Código... "

Por trás, um dos jihadis saltou sobre as costas de Welby, arrancando seu fone de ouvido de sua

orelha e puxando o microfone da garganta até que ele estava sufocando ele. Gemendo, Welby

tentou tirar as mãos do jihadi do cabo do microfone.

Ele não viu a faca subir e cair em seu ombro, ou subir novamente e deslizar sobre a pele exposta

de seu pescoço.

Welby caiu no chão ao lado do Comissário.


* * * * *

Ethan estremeceu quando a transmissão interrompida de Welby atravessou a rede de rádio.

Daniels tirou a arma dele enquanto Collard segurava o volante.

“O que aconteceu... ”Jack começou.

Ele não conseguiu terminar.

Do outro lado da rua, a ponta de um RPG cutucou a janela traseira de um micro-ônibus.

"RPG!" Ethan gritou. "Vai! Vai!"

O RPG lançou-se com um rugido e um assobio distintivo enquanto disparou através do ar. Ethan

ouviu o vidro quebrando enquanto a pressão explodiu para fora as janelas do micro-ônibus.

"Vai!", Ele gritou novamente, seu corpo inteiro tenso, esperando o impacto. Sua mão apertou

Jack, apertado o suficiente para machucar.

Em vez de bater-se para o lado de seu SUV, o foguete navegou sobre suas cabeças, indo direto

para helicóptero da equipe de CAT dois.

"Segurança!" Ethan gritou para o rádio, o codinome para a equipe CAT dois. "Entrada! Evasiva

ação, agora! "

O piloto do helicóptero amaldiçoou e girou, virando na rua apertada, mas o RPG cortou o rotor

traseiro, mastigando a seção de cauda do helicóptero. “ Quebra, quebra ” o piloto gritou. "A

segurança foi atingida. A segurança foi atingida. " Eles giraram no ar, lutando para manter a

altitude, e Ethan viu membros da equipe CAT agarrado à rede de carga e os apoios de mão na

baía aberta do Falcão Negro. "A segurança está caindo. Prepare-se para a colisão."

Não havia nada que pudessem fazer do chão. A boca de Jack se abriu quando o helicóptero

começou a girar e se dirigiu para a estrada empoeirada atrás deles. Daniels se retorceu em seu

assento, olhando com os olhos arregalados.

Droga. O coração de Ethan bateu, um ritmo destacado batendo contra suas costelas. Ele

continuou segurando a mão de Jack, forte o suficiente para machucar. Foda-se, tudo estava se

desfazendo, no espaço de vinte e três segundos, em uma estrada empoeirada em Addis Ababa.

Eles tinham um plano de backup para isso. Se a merda batesse no ventilador, como se ele tivesse

prometido que não iria, então os procedimentos de emergência pediam que a comitiva

desviasse para a embaixada britânica, a cinco quilômetros de distância para o nordeste. A

embaixada americana estava a oito quilômetros de distância, e direto através do centro de Addis

Ababa. Collard empurrou uma direita dura na rua Cabo Verde, pneus deslizando e girando na

sujeira, freios guinchando, quando o helicóptero caiu atrás deles. Metal gritou, esmagando e

rachando quando os rotores caíram no chão, fraturando no impacto. Eles aceleraram, o motor

rugindo, mas Ethan, Jack e Daniels giraram em seus assentos, vendo o helicóptero se separar no

meio da estrada do aeroporto.

A estática do rádio retumbava, um vago, estrondo. Daniels amaldiçoou e arrancou seu fone de

ouvido.

Voltando-se para trás, Ethan empurrou a cabeça entre os dois bancos da frente, observando a

estrada que tinham desviado. Collard acelerou o motor do SUV, levando-os para longe do local

do acidente.


Embaixadas corriam de cada lado da rua, um quem é quem de países que odiavam a América.

Chade, Congo, Burkina Faso, Palestina e Somália, todos em uma fileira, todos com vista para a

estrada.

A estrada deserta. Ao longe ficaram os espectadores, os transeuntes e os civis observando a

comitiva. O medo cravou dentro de Ethan enquanto sua adrenalina bombeava, inundando seu

corpo. Droga, isso era exatamente o que ele tinha medo. A tensão se enrolou em torno de sua

espinha, envolvendo-a com força. Seus músculos apertados, prontos para a ação. Deus ajude o

homem que tentasse tirar Jack dele. Seu polegar acariciou a parte de trás da mão de Jack, ainda

segurando firme em seu aperto. Ethan sabia, de repente, que ele estaria matando pessoas

naquele dia. A escolha resolvida dentro dele, pesada, mas necessário.

Ele alcançou atrás do assento traseiro e agarrou um M-4 do armário de arma na área de carga.

Jack olhou para ele, de olhos arregalados, mas silencioso.

Em um instante, dezenas de soldados mascarados apontando rifles de assalto saíram das ruas

laterais, inundando a estrada e Cabo Verde Street. Alguns rolaram micro-ônibus em seu

caminho, incendiados e expelindo fumaça negra no ar. Outros dispararam seus rifles de assalto

violentamente, pulverizando o céu com balas. Uma vez desertas, as estradas agora estavam

sufocadas com combatentes, com homens mascarados com a morte, com intenção de assassinálos.

"De onde diabos isso veio?" Daniels gritou. "A CIA disse que não havia informações para isso!"

Na estrada à frente, cinco soldados mascarados se alinharam no meio da rua, apontando seus

rifles para o SUV do presidente.

“Temos bandidos à frente! ” A voz de Collard continha um pânico, sob seu duro aço.

"Rolem para baixo!" Ethan berrou.

Quando as balas começaram a voar, Jack se encolheu, encolhendo-se para trás do para-brisa. A

prova de balas, o vidro rachou com cada impacto, mas não quebrou.

"Mais rápido!" Ethan gritou. "Leve-nos fora da estrada! Passe por eles antes que você não possa

ver fora desta maldita janela! "

Collard apertou os dentes e pisou no acelerador.

À frente, um novo pedaço de concreto pegou a luz do sol da tarde, brilhando.

"Oh, porra," Ethan respirou. Ele teve um momento para agarrar Jack e empurrá-lo para trás,

prendendo-o em seu assento quando ele jogou seu ombro em Jack, antes de Collard dirigir sobre

o concreto recém-caído.

Um IED enterrado apenas naquela manhã explodiu quando eles passaram, lançando o SUV para

o ar. O carro inteiro explodiu fora do chão da explosão, lançado pelo ar descuidadamente,

voando como um brinquedo. Girando e torcendo, o SUV gritou e saltou quando aterrissou,

rolando mais e mais até que finalmente parou de cabeça para baixo em um longo deslizamento

em toda a estrada.

A cabeça de Ethan bateu contra a janela traseira do passageiro, e ele piscou rápido, tentando

acalmar as ondas em cascata de tontura e tripla visão que turvavam. O vidro explodiu, as janelas

se estilhaçaram quando o SUV se desintegrou e desmoronou por todos os lados. Faíscas


entraram em erupção, uma chuva de luz de fogo envolvendo-os, quando o telhado derrapou

abaixo na estrada. Daniels gritava, baixo e com os dentes cerrados, e Collard repetia as mesmas

palavras repetidamente. "Oh foda, oh foda, oh foda!"

Quando finalmente pararam, Ethan desatou o cinto de segurança e caiu de frente para o telhado

do SUV. Ele gemeu enquanto seu mundo entrava e desaparecia, apagando-se antes de

desvanecer-se. A borracha ardente queimava seu nariz. Fumaça encheu seus olhos. O grão da

estrada esfregou contra sua pele e rangido entre os dentes. Cacos de vidro cavados em seus

joelhos, e palmas da mão. Seu rádio gritava, a equipe do CAT reportando ao SUV do presidente

que eles estavam tomando fogo e tinham sido separados de Vigilante e Quarterback. O veículo

do general entrando em chamas após uma explosão de foguete. Armados jihadis correndo pelas

ruas. Balas voando por toda parte.

Ele rolou em sua barriga e olhou pelas janelas quebradas do SUV amassado. Pés estavam

correndo em direção a eles, vindo de todas as direções.

Ethan virou as costas e olhou para Jack. Seu coração apertou, segurado em um vício. Jack não

estava se movendo. O sangue escorria de seu couro cabeludo, correndo por sua têmpora.

"Ei, Jack." Ethan estendeu a mão para sua bochecha. Colocou seu rosto e seu pescoço. Sentiu

um pulso enquanto prendia a respiração.

Deus, lá estava ela. Rápido e fraco, mas lá estava. Exalando duro, Ethan lutou pelo controle.

“Jack. Jack, acorde. Vamos, Jack, temos que sair daqui! "

No banco da frente, Daniels gemeu e desafivelou o cinto de segurança. Ele caiu para a frente,

pousando em suas mãos e joelhos no para-brisas destruído. “Mais que merda? “ Ele gemeu.

"Coloque o Collard em movimento", Ethan latiu. “ E arrume um perímetro! Eles estão vindo para

nós! " Ele se virou para Jack quando Daniels alcançou Collard, apenas começando a se mover e

gemer.

"Jack..." Ethan respirou. "Não faça isso comigo..."

Finalmente, Jack piscou. Ele tossiu, tentou se concentrar no rosto de Ethan. "O que aconteceu?"

“Estamos sob ataque ” disse Ethan. Ele estendeu a mão para o cinto de segurança de Jack.

"Temos que avançar. Há mais deles vindo para nós. Estamos isolados do resto da equipe. Temos

de nos mover a pé. ” Ethan passou o braço pelos ombros de Jack e clicou no cinto de segurança.

“Temos de ir, Jack. ”

Assentindo com a cabeça, Jack desmoronou contra Ethan. Ele gemeu de novo, mas balançou a

cabeça, parecendo tentar limpá-la.

“Você está comigo, Jack? ”

"Eu estou aqui." Jack apertou a mão de Ethan. "Vamos."

Ethan sacudiu-se fora do SUV em sua barriga, suas mãos cortando no vidro quebrado espalhado

na rua. Daniels e Collard estavam ajoelhados na parte dianteira e traseira do SUV, estourando

rodadas de seus M-4s na multidão de jihadistas que vinham em seu caminho.

IED - dispositivo explosivo improvisado, como um carro-bomba.


“Temos que avançar! ” Gritou Collard. O sangue escorria do seu nariz. As balas batendo no SUV

amassado de todos os ângulos, dos atiradores elevados nos edifícios e parabaixo nas ruas.

"Estamos em uma caixa de morte!"

Ele ajudou Jack a deslizar para fora do SUV, puxando o colete à prova de balas de Jack por sua

camisa para arrastá-lo os últimos pés.

"Qual é a nossa situação?"

"CAT Dois caiu", Daniels chamou. "CAT Um está preso entre o local do acidente e nós. O carro

do general explodiu, cortando a rota principal de volta ao aeroporto. Tiros disparados em todos

os edifícios de vigilância ao longo da rota. "

Porra. Todo o cordão de segurança estava comprometido. Eles estavam sozinhos. Os agentes

atribuídos aos outros SUVs teriam de obter seus protegidos de volta à segurança por qualquer

meio possível. Sua prioridade era as pessoas em seus SUVs. Não o presidente. Não agora.

Qual o caminho a percorrer? Fazer um movimento em direção ao local do acidente e esperar

reagrupar com as equipes CAT? Ou dirigir-se à embaixada britânica, a cinco quilômetros de

distância a pé? Ethan inclinou-se contra a traseira do SUV virado e disparou uma rodada de tiros

para os soldados. A multidão desenfreada de jihadis tinha se dispersado, escondendo-se atrás

de micro-ônibus flamejantes e tendo cobertura de seus tiros. Eles estariam de volta, no entanto.

Balas passando, fogo de retorno.

O caminho de volta ao aeroporto estava atolado com soldados e destroços. Micro-ônibus

queimando e pilhas de pneus em chamas bloqueavam a rota. Eles não poderiam dirigir dessa

forma.

Ele olhou para a rua Cabo Verde. Mais soldados, e mais micro-ônibus. Alguns estavam em

chamas. Outros sentaram silenciosamente no meio da estrada. Esperando.

Porra. Tinha que ser uma armadilha.

Mas eles não podiam ficar em pé, não com balas batendo no SUV ao lado de suas cabeças.

Ethan cobriu Jack com seu corpo e gritou, "Nós temos que fazer uma corrida para ele. Temos de

ir para a embaixada britânica. São cinco quilômetros a nordeste desta estrada. Parece que eles

têm algumas armadilhas prontas para nós, então corremos baixos, corremos rápido, e nos

atemos ao centro da rua. Collard, você toma o ponto. Daniels, você e eu corremos com Jack.

Vou assistir a retaguarda. Daniels, você mantém sua cabeça em um giro e verifique esquerda e

direita. Dirija para cima, grite para qualquer coisa que você vê. Lixo, uma pilha de detritos,

qualquer coisa que pudesse cobrir uma bomba. " Ele exalou. “E fique longe dos micro-ônibus.

Não use eles como cobertura. Eles podem ser manipulados para explodir. "

O rosto de Jack estava apertado, os olhos apertados e cheios de dor. Sangue escorria de sua

testa, pegando seus cílios. "Entendido," Jack grunhiu.

Ethan rapidamente cuspiu o plano em seu rádio quando ele disparou pela estrada, tentando

dispersar os jihadista de seu caminho. "Tudo bem, aos três, nós corremos. Collard, você toma a

dianteira. Eu vou cobrir para você. Daniels, pegue o Jack. Estou logo atrás. ” Ethan engoliu e

segurou o olhar de Jack por um momento que parecia esticar-se enquanto as balas zuniam pelo

ar.

"Pronto?"


Collard e Daniels gritaram de volta, prontos para ir. "Um dois três!"

Collard pulou para parte de trás do SUV, disparando rajadas de tiros enquanto se movia,

concentrado nos soldados que se esconderam atrás do micro-ônibus através do SUV derrubado.

Daniels seguiu um momento depois, arrastando Jack atrás dele e atirando em outro microônibus

em chamas. Inalando rapidamente, Ethan saltou para fora, estourando tiros fora em

soldados que estavam saindo fora de seus esconderijos.

Eles correram rapidamente, derrubando o centro da estrada e atirando em qualquer coisa que

se movia. Daniels agarrou a camisa de Jack em um punho e equilibrou sua M-4 na frente dele

com uma mão. Ethan seguiu os passos de Jack, observando cada um de seus movimentos

quando ele disparou tiros contra os soldados perseguindo atrás.

Uma bala bateu em Daniels braço estendido. O sangue pulverizando, voando pelo ar e

manchando a camisa de Jack enquanto Daniels caia, tropeçando no impacto.

"Foda-se!", gritou, estendendo o braço.

"Vai! Vai! "Ethan pressionou Jack para frente, contra Collard, enquanto agarrou Daniels pela

parte de trás de seu colete à prova de balas e o arrastou pela estrada. “ Daniels, fale comigo! ”

"Maldito inferno!" Daniels rugiu. Sua mão cobria o buraco de bala, o sangue escorrendo pelos

dedos. "Eu não acho que a artéria foi atingida!"

Seus rádios estalaram para a vida. "Quarterback, seja prudente. Reforços a caminho da

embaixada britânica. Helicóptero entrando.

Graças a Deus. A cavalaria estava chegando. Eles não teriam que correr todo o caminho, se

pudessem sobreviver a essa maldita rua.

Mais tiros foram disparados na frente dos pés de Collard. Ele pulou para trás, girou e disparou

contra um soldado que se inclinava para fora de uma janela quebrada do segundo andar na

embaixada do Chade. "Nós temos que sair da rua!"

Ethan olhou para a esquerda e para a direita. Um micro-ônibus estava logo à frente de Collard,

aparentemente convidativo. O estômago de Ethan afundou.

Collard agarrou Jack e se dirigiu para o micro-ônibus enquanto mais tiros soavam. Era um

movimento de soldado: procure cobertura e ocultação, e se reagrupe enquanto corria. Mas

Ethan tinha um mau pressentimento sobre os micro-ônibus, uma sensação de afundamento,

frenética e doentia que puxava sua alma enquanto os observava correr. “Não! ” Gritou. “Collard,

maldição! ”

Jack e Collard correram mais perto, aproximando-se do micro-ônibus. Ethan agarrou Daniels,

arrastando seu amigo para o lado da estrada, e então caiu em uma vala de drenagem rasa na

frente da embaixada. "Cubra a retaguarda," Ethan grunhiu para Daniels, empurrando seu M-4

de volta em suas mãos. Sangrando, Daniels pegou a arma e apontou para a estrada, onde uma

multidão de jihadista avançava lentamente, cantando e disparando no ar.

"Foda-se... " Ethan sibilou quando Collard empurrou Jack contra o lado do micro-ônibus.

Engolindo, ele saltou para fora da vala, pronto para correr para o lado de Jack. Ele não podia

deixá-lo lá fora. Ele não podia deixá-lo exposto a uma armadilha. Em sua mente, ele viu o microônibus

explodir, viu Jack desaparecer em uma bola de fogo. Ethan não conseguia respirar

enquanto as imagens o agarravam. Não!


Na parte de trás do micro-ônibus, um jihadista surgiu, um RPG na mão. Collard girou, e ele

disparou através das janelas, estilhaçando vidro e batendo no jihadista no peito. O soldado

pulou pela janela, tentando agarrar Collard. Collard balançou para baixo com a ponta de seu

rifle, esmagando o estoque no crânio do soldado, e então puxou seu corpo através da janela. Ele

disparou três rodadas no peito do soldado, enquanto ele estava deitado no chão.

O jihadista não se moveu.

Jack se encolheu perto da parte de trás do micro-ônibus, salpicado de sangue, congelado.

Ethan encontrou seu olhar.

"Ethan..." Daniels chamou. "Alguma coisa está acontecendo!" Atrás deles, um enxame de

combatentes tinha se aglomerado na estrada, de pé em um grupo apertado, longe dos lados da

rua e atrás do micro-ônibus em chamas mais próximo.

Ethan girou ao redor, sua arma para cima. Ele viu a multidão de combatentes, de pé,

observando.

Esperando.

Ele girou novamente. Vi Jack encostado ao micro-ônibus, ao lado de Collard. De ambos os lados

da rua, dois edifícios de três e dois andares de tijolo, vidro e colunas subiam pela rua. Além do

combatente no micro-ônibus, morto aos pés de Collard, não havia outras pessoas ao seu redor.

As memórias o atingiram, arrastando-se de inúmeras missões onde ele pensava que nunca sairia

vivo. Edifício contendo sinais de alerta de IED. Esteja atento a zonas vazias inexplicáveis. Grandes

edifícios que podem ser transformados em estilhaços. Pessoas evitando um edifício ou área.

"Não!" Ethan rugiu. Ele saiu correndo em direção a Jack.

Uma erupção vulcânica floresceu em ambos os lados da rua, som e fúria e uma explosão

ofuscante que soprou Ethan fora de seus pés. Ele bateu no chão duro, derrapando e rolando, e

perdeu sua arma. Ao redor, os edifícios explodiram, tijolos, vidro e metal voando em todas as

direções. Paredes amassadas e desmoronadas. O fogo explodiu, piscando como as bombas

escondidas nos edifícios em chamas. Pilhas de armas amontoadas perto das bombas acendiamse,

e foguetes chamuscados pelo ar, aleatórios e sem direção. Granizo ardente chovia na rua,

detritos caíam ao chão. Um pedaço distorcido do micro-ônibus de metal explodiu sobre a cabeça

de Ethan, cortando o chão em linha reta, embutida no concreto. As ruínas dos prédios que

batiam na rua soavam como chuva forte no chão, em volta de Ethan.

Seus dentes tremiam quando o chão continuou a tremer, barulhos balançando o ar ao redor. Ele

pensou ter ouvido seu rádio, mas o som estava muito distante, ecoando e tinindo. Barulho rugiu

em seus ouvidos, um toque que parecia como se estivesse dentro do Sino da Liberdade.

"Quarterback! Relatório! Quarterback, qual é o seu status! Você tem Vigilante? "

Outra voz estalou através do rádio, fortemente acentuada. " Cão de Caça 23 na estação em um

microfone." Os britânicos. Eles estavam apenas um minuto atrasados.

Jack. Onde estava Jack? Ethan puxou-se para suas mãos e joelhos, lutando para se mover. Ele

não conseguia respirar, e sua perna não se movia. Ele tentou rastejar e seu joelho cedeu. Ele

caiu em seu rosto, deitado na poeira e inalando detritos da estrada. Droga! Ele tinha que chegar a

Jack!


Através da fumaça, Ethan podia apenas distinguir a silhueta do micro-ônibus que Collard e Jack

tinham estado ao lado. Ele enxugou os olhos, lutando para se concentrar em sua visão dupla.

Dois corpos jaziam no chão, completamente imóveis.

"Não!" Ethan berrou. Ele tentou se arrastar para frente, puxando com os braços. "Não!"

Uma das cabeças ergueu-se, e Ethan viu o rosto coberto de fuligem de Jack olhar para ele. Os

brancos de seus olhos brilharam através da névoa de fumaça.

Ethan congelou, ofegando. Um soluço rasgou dele, desesperado e dolorido.

Collard olhou em sua direção, fazendo um gesto para que Ethan rastejasse pelo caminho. Ele viu

seus lábios se movendo, mas seus ouvidos ainda estavam zumbindo, e ele não conseguia

entender as palavras. Ele finalmente podia ver, porém, que eles estavam se abrigando debaixo

do micro-ônibus. Collard deve tê-los rolado quando a primeira explosão aconteceu.

Atrás do micro-ônibus, Ethan viu três helicópteros pairar sobre a rua, espantando a fumaça da

explosão e dos incêndios. Tiros irromperam dos lados dos helicópteros, chovendo na rua para os

combatentes enquanto soldados rapidamente desciam ao chão.

Mãos agarraram as pernas de Ethan.

Ele rolou e ficou cara a cara com um grupo de jihadistas.

Ethan tentou chutar, mas só uma perna funcionou. Havia tantos rebeldes, de repente o

cercando, agarrando suas pernas e seus braços. Ele se contorcia, mas eles o seguraram. Os

helicópteros dispararam contra os jihadistas, mas Ethan viu um combatente ajoelhado ao lado

dele com um RPG e outros seis alinhados com rifles de assalto, disparando de volta para os

britânicos.

Ele lutou, batendo, chutando e perfurando o máximo que pôde. Os jihadistas o chutaram no

estômago e nas costelas, e ele sentiu o impacto até mesmo através de seu colete à prova de

balas. Um rebelde começou a socá-lo e não parou, e sua cabeça bateu contra o concreto,

saltando duro. O sangue encheu sua boca. Tossindo, Ethan cuspiu sangue e detritos em seu

rosto.

O jihadista empurrou o cano de seu rifle contra a testa de Ethan, cavando a ponta de metal em

sua pele. Os grãos da estrada cavaram na parte de trás de seu crânio. Ethan ofegou, lutando

pelo ar. O rosto de Jack nadou em sua mente; sorrindo, rindo, amando. Ele gritou, com os olhos

arregalados, como desejava, pela última vez, ver Jack. No último momento, era tudo o que ele

queria. Apenas ver o amor de sua vida.

O jihadista inclinou-se para baixo, empurrando seu rifle duro na cabeça de Ethan.

O mundo de Ethan ficou escuro.

* * * * *

Sob o micro-ônibus quebrado, Jack gritou, batendo no concreto e batendo contra o soldado

britânico que estava tirando-o pelas pernas. "Vá buscá-lo!" Gritou Jack. "Jesus Cristo, vá buscar

Ethan!"


O soldado britânico o ignorou. Ele agarrou Jack pelo pescoço de seu colete à prova de balas e o

puxou até seus pés. "Eu tenho o pacote!", gritou o soldado.

Uma segunda equipe de soldados tirou Daniels da vala de drenagem, jogando fora pedaços

planos de metal que o tinham aprisionado e coberto. Collard os ajudou, arrastando Daniels e

ajudando a levar o agente inconsciente de volta para o helicóptero. No chão, cinco soldados

britânicos dispararam contra a multidão, tentando mantê-los à distância.

A multidão disparou de volta. Um jihadista apontou um RPG no helicóptero vindo para um

pouso.

"Nós temos que ir! Agora! " Os britânicos reagiram, recuando e disparando enquanto se moviam

para o helicóptero.

Jack lutou contra o soldado segurando-o apertado. "Foda-se!", Ele gritou. "Nós não vamos

embora sem Ethan!"

Collard virou os olhos escuros para Jack. "Nós não podemos pegá-lo!", Ele gritou sobre o som do

motor do helicóptero. “Eles o pegaram! ”

"Nós não vamos deixá-lo para trás!" Jack rugiu.

Collard pulou no helicóptero, puxando Daniels para cima com ele. "O trabalho é levá-lo para a

segurança, Sr. Presidente! Essa é a missão! Não salvar Ethan! " Collard agarrou Jack e o puxou

para o helicóptero, com a ajuda dos britânicos. "Ele iria colocá-lo neste helicóptero e deixar-se

para trás!"

Todos os agentes do Serviço Secreto sabiam disso: a vida do presidente sempre era a primeira,

mesmo antes da deles, mesmo que tivessem de deixar um homem para trás.

"Foda-se!" Furioso, Jack lutou contra Collard, tentando saltar do helicóptero. Collard agarrou-o,

segurando-o em um aperto de ferro, e caiu de volta no helicóptero. Os britânicos empilhados,

ainda disparando sobre a multidão. Um soldado derrubou o homem com o RPG, mas outro

rebelde o pegou.

"Vai! Vai! "O líder da equipe britânica gritou para os pilotos. “Vá agora! ”

“Não! ” Berrou Jack quando o helicóptero se levantou. Ele bateu contra Collard, chutando, e um

dos soldados britânicos pulou em suas pernas, segurando-o ainda. “Saia de cima de mim! ”

Abaixo do helicóptero, os rebeldes ergueram o corpo inconsciente de Ethan no ar, segurando-o

em uma paródia doentia de surf. Tiros disparados contra o helicóptero britânico, perseguindo

sua retirada através da fumaça e da devastação.


Capítulo treze

NOTÍCIA URGENTE - Presidente atacado em Adis Abeba; Sete americanos feridos, um

desaparecido.

O presidente foi submetido a um intenso ataque em Addis Abeba, na Etiópia, enquanto viajava

para a reunião da Assembleia da União Africana para discutir a situação em Nairóbi. O

presidente foi forçado a partir de sua caravana por um IED de alta intensidade. O Serviço Secreto

dos Estados Unidos forneceu proteção para ele até que a embaixada britânica conseguiu

resgatar o presidente e seus agentess. Outros agentes do Serviço Secreto ficaram sob fogo em

um ataque separado ao helicóptero do Serviço Secreto que forneceu segurança aérea e nos

postos de tripulação dos agentes ao longo da rota do cortejo. O general Zabanya também foi

morto no ataque. Sete agentes do Serviço Secreto foram feridos no ataque: três em um acidente

de helicóptero, três durante uma batalha de rua ao tentar evacuar o presidente e outros

funcionários de volta ao aeroporto, e um crítico depois de ser esfaqueado no pescoço. Um agente

permanece desaparecido, possivelmente capturado por combatentes jihadistas.

* * * * *

Os ingleses levaram Jack, Collard e Daniels a Nairobi até a embaixada americana.

A embaixada americana estava em confinamento, e os fuzileiros mexeram-se quando os

britânicos chegaram, guiando-os para as plataformas de aterrissagem no pátio. O embaixador e a

equipe médica da embaixada esperaram junto com o tenente-coronel da Marinha encarregado

da segurança da embaixada.

Quando Jack saltou para fora do helicóptero, coberto de sangue e fuligem, seu terno rasgado, e

seu rosto coberto de sujeira e trilhas de lágrima, todos pararam. A boca do Embaixador se abriu

quando ele congelou.

Jack interceptou o oficial da marinha. "Coronel, temos um homem desaparecido lá fora. Preciso

de seus homens para sair e recuperá-lo. ”

Collard ajudou Daniels na maca de espera antes de seguir Jack.

O oficial da marinha olhou para Jack, hesitando. “Senhor... não temos autoridade para fazer

isso... ”

"Eu estou dando a você a autoridade!" Jack rugiu. Ethan estava lá fora, nas mãos de quem os

tinha atacado. Tinham que recuperá-lo e traze-lo de volta agora. Ele não aceitaria mais nada.

"Vá e pegue nosso homem!"

Engolindo, os olhos do oficial apertaram. "Senhor, minhas ordens são para colocá-lo em um

helicóptero e levá-lo para o Arleigh Burke no Mar Vermelho, imediatamente. Você foi atacado,

senhor, e precisamos preservar o governo dos Estados Unidos e levá-lo para a segurança ".


Collard se moveu atrás de Jack, pressionando contra seu lado. “Coronel “ disse, “ acredito que

tem uma unidade de operadores especiais aqui. Atribuído como apoio de Djibouti para a visita

do presidente?


O oficial da Marinha assentiu, uma vez.

Collard puxou o braço de Jack, puxando-o para o lado. "Sr. Presidente ” disse ele, falando

suavemente. "Você precisa sair daqui."

"Eu não vou embora sem Ethan." Jack olhou duro para Collard. Como Collard poderia deixar

Ethan para trás? Seu Amigo? Ethan já havia falado sobre o agente Collard antes, tinha

compartilhado histórias de sua amizade. Collard deveria ser o melhor amigo de Ethan, como um

irmão para ele. Jack não conhecia o homem, mas sabia que Ethan gostava dele, sabia que Ethan

confiava nele. E agora?

Como Collard poderia ter feito isso? Como ele poderia ter deixado Ethan lá? Jack queria rasgar o

homem, sacudi-lo até que ele admitisse que estava errado. Até Ethan estar de volta ao seu lado,

seguro e sorrindo novamente.

"Sr. Presidente ” insistiu Collard. "Ethan queria que você chegasse até a segurança."

"Não se atreva a me dizer o que Ethan iria querer!" Jack sibilou. "Você não tem esse direito!"

Os olhos de Collard brilharam. "Ethan me ordenou fazer qualquer coisa e tudo para salvar sua

vida", ele rosnou. "Mesmo deixá-lo para trás, se eu tivesse que fazer isso. Eu não achei que eu

faria, mas eu apenas fiz. Acabei deixando o meu melhor amigo, Senhor Presidente, porque ele

acredita em você e porque ele o ama. ”

Silêncio. Jack apertou a mandíbula.

"Você tem que chegar a segurança. Todo mundo já está indo para o Arleigh Burke. Você se

encontrará com a secretário Wall, os diretores Irwin e Luntz, e seu chefe de gabinete. Trabalhe

com eles para descobrir o que deu errado. " Collard desviou o olhar, limpando a garganta. “Mas

me escute, senhor presidente ” rosnou novamente. “Vou ficar aqui. Eu vou voltar lá fora. E eu

não vou voltar sem Ethan. "

Isso não está acontecendo. Isso não está acontecendo. Jack exalou enquanto sua cabeça nadava,

cores e sons sangrando juntos. Ele soltou um suspiro.

"Traga-o de volta para mim", ele finalmente sussurrou. Sua voz tremia. "Por favor."

Collard assentiu com a cabeça. “Vá, senhor presidente. Por Ethan. ”

Ele assentiu com a cabeça, embora estivesse piscando para conter as lagrimas. Juntos voltaram

para o tenente-coronel da Marinha. “Coronel ” grunhiu Jack, limpando o nariz. "Reuna seus

operadores. O agente Collard tem uma missão para eles. E leve-me ao Arleigh Burke. ”

* * * * *

O médico da embaixada insistiu em checá-lo antes que ele subisse no helicóptero da marinha.

Além de cortes e contusões, ele estava bem. Daniels foi carregado depois, enfaixado em uma

tipoia e segurando sua própria bolsa de fluidos IV. Jack dirigiu um sorriso para o jovem agente e

colocou o saco IV no trilho de carga principal do helicóptero para ele. Em minutos, Daniels estava

dormindo.

Outros três fuzileiros se sentaram no helicóptero com eles, em silêncio e olhando para a cidade.

Adis Abeba desvaneceu-se, substituída pelas terras altas de Etiópia e os penhascos áridos e


secos que ficam junto ao Corno de África. O helicóptero contornou a Somália, dirigindo-se para

as águas do Mar Vermelho antes de virar para o sudeste.

Jack olhou para a água. Como isso aconteceu? O que tinha acontecido? Eles estavam a caminho

da capital e tudo estava bem. A CIA repetidamente assegurou a ele e Ethan que não havia

ameaças ativas. Não havia nenhuma indicação de movimento no país de rebeldes estrangeiros.

A Etiópia estava estável, disseram. Isso não aconteceria lá.

Bem, tinha acontecido. Eles haviam sido atacados em grande escala.

E Ethan...

A garganta de Jack apertou. Ele estremeceu, exalando rapidamente, e apertou os olhos

fechados. O sangue dele congelado dentro de suas veias, mesmo quando seu coração batia com

um ritmo terrível, um baixo e exigente ecoando em sua cabeça. Você o deixou; você o deixou!

Volte; volte! Você nunca mais o verá!

Olhando para baixo, Jack tentou sufocar um soluço crescendo sob seu peito. Ele fechou os olhos,

mas a visão de Ethan, deitado no chão com um jihadista cavando o cano de seu rifle na testa,

estava gravado na parte de trás de suas pálpebras. Ele não queria ver isso, nunca. Ele nunca

fecharia os olhos novamente.

As pressões palpitantes dentro de sua cabeça e seu coração cresceram, ensurdecendo-o com

seu rugido.

Não. Este não é o fim. Não é. Collard estava voltando lá fora. Ele iria trazer Ethan de volta. Ele ia

trazer Ethan para casa. Havia tanta coisa que ele não disse a Ethan, tanto que ainda precisava

dizer. Tanta coisa ainda precisava fazer. Isso era muito novo, muito especial, para terminar. Não

poderia terminar aqui, não em uma batalha de rua em Addis Ababa. Este não era o fim.

Jack se agarrou a essa esperança, a essa oração, a tudo em sua alma.

* * * * *

Quando aterrissaram no Arleigh Burke, Gottschalk estava esperando no convés de voo com um

olhar sombrio e melancólico. Ele tinha abandonado sua jaqueta, mas o sangue e o fuligem

manchavam sua camisa branca normalmente impecável.

Jack ajudou Daniels fora do helicóptero e para a maca da marinha esperando na cabine de voo

antes de correr para Gottschalk. "Qual é a situação? E onde está o Diretor Irwin? ”

"Ele está na clínica. Estilhaços na perna. "

"Quando ele estiver fora, eu vou arrancar essa perna eu mesmo. De onde diabos isso veio? "

“Desconhecido, senhor. ” Gottschalk engoliu em seco. Ele lambeu os lábios. “Senhor, houve um

desenvolvimento. O Comandante nos instalou na sala da enfermaria. Temos operações lá

dentro. Há algo que você precisa ver. ”

* * * * *


Jack entrou na sala silenciosa e parou congelado.

Na beira da tela, Ethan tinha a cara surrada, sangrenta e desfigurada com o nariz quebrado e

dois olhos negros - olhava através do monitor.

O oficial comandante de Arleigh Burke estava de pé, assim como a secretária Wall e o diretor da

NSA Luntz. Ambos pareciam abalados. Os cabelos de Elizabeth estavam em desordem, e a

fuligem manchou ambas as bochechas.

"O que diabos é isso?" Jack rosnou. Seu sangue ferveu, queimando suas veias.

“Isso foi transmitido há cerca de vinte minutos, Sr. Presidente. ” O comandante Conrad, o

comandante do Arleigh Burke, deu um passo à frente. "Meus caras intel o pegaram." O

comandante Conrad hesitou. “ Não é bonito, senhor. Você quer vê-lo? "

“Sim. ” As mãos de Jack se fecharam em punhos. Gottschalk se aproximou de Jack por trás. Seu

ombro se apoiou em Jack, apoio silencioso.

O Comandante Conrad sinalizou para o vídeo começar.

Na tela, Ethan sacudiu, puxado para trás pelo cabelo por uma pessoa invisível. Ele foi jogado

para baixo, gemendo, e os homens em silhueta começaram a falar com ele, chutando e

perfurando seu corpo de bruços. Ethan lentamente enrolou-se, protegendo-se, mas ele estava

tossindo, e suas respirações estavam molhadas e difíceis.

“Americanos! ” Gritou uma voz fortemente acentuada. "Nós temos um de seus Agentes

Especiais do Serviço Secreto! Ele está sob nossa custódia! Ele será sacrificado para pagar os

crimes do governo americano! Como Deus quer, o grande Satanás será destruído! " Um dos

rebeldes retirou uma longa faca de uma bainha no cinto.

“Não! ” Jack gritou. Ele deu um passo à frente, desabando contra a mesa de conferência

enquanto agarrava a borda. "Não!"

O vídeo ficou escuro.

“O que aconteceu? ” Gritou Jack, virando-se para o comandante Conrad. “ Eles... eles... ” Não,

não, não!

"Nós não sabemos. Não há exigências neste vídeo. Geralmente em uma situação de reféns,

temos uma exigência. Aqui... ” Conrad exalou. "Não temos certeza se eles planejam executá-lo

publicamente, ou se haverá exigências vindo."

A mente de Jack girou. Ele tentou respirar, através de breves suspiros que só o faziam tonto.

Foco, foco! Ele baixou a cabeça, pendurando-a entre seus ombros, e esfregou as têmporas. O

sangue escorria em seus dedos. O que você faria se não fosse Ethan? Percorra os passos. Passe

pelo processo.

"Seu povo pode rastrear o sinal? Eles sabem de onde veio isso? "

“Estamos trabalhando nisso agora, senhor. Podemos ter uma equipe no local em trinta minutos

depois de se concentrar em. ”

Foda-se o processo usual. Este é Ethan! Jack sacudiu a cabeça. "Não. Não, entre na linha e ligue

para a embaixada em Adis Abeba. O agente Collard está levando uma equipe da embaixada.

Entregue-lhes as informações. Ele pode se mover mais rápido. ”


"Senhor, uma equipe de terra saindo de uma embaixada americana... "

Jack cortou o Comandante Conrad com um grunhido. “Não quero ouvir, comandante! Eu não

quero ouvir nada além de termos resgatado nosso homem desaparecido! Então, obtenha as

informações para a embaixada! Agora! "

Conrad assentiu com a cabeça. "Sim, senhor." Ele saiu da sala quando Jack começou a andar de

um lado para o outro.

* * * * *

Gemendo, Ethan enrolou-se em uma bola. Ele tentou contar seus ferimentos com base nas

ondas de dor que rolavam através de seu corpo. Costelas feridas, possivelmente fraturadas. Seu

joelho estava queimando. Seu ombro estava fora do lugar. Seu estômago doía. Talvez

hemorragia interna. E seu nariz estava definitivamente quebrado.

Cuspe caiu no lado do seu rosto. “ Seu porco americano! ” Gritou o jihadista. Saliva escorria pelo

lado do rosto de Ethan. Outro jihadista riu, frio e cheio de malícia.

Alguém agarrou o cabelo de Ethan, puxando sua cabeça para trás. Em cima, uma única lâmpada

iluminava a sala úmida. Paredes de pedra e um chão de terra continham Ethan e o grupo de

rebeldes. Ele tentou contá-los, mas perdeu a contagem entre sete e dez.

Uma longa lâmina brilhava na luz da lâmpada. Pesada e manchada, a lâmina tinha visto tanta

ação. Tanta morte. Ethan estremeceu, tentando se afastar.

"Vou cortar sua cabeça como um cachorro", o jihadi sibilou.

"Espere!"

Do outro lado da sala, uma porta de metal pesado se abriu, rangendo em lâminas não

lubrificadas e dobradiças velhas. Um rebelde mais velho com o rosto descoberto e vestido com

uniformes incompatíveis entrou, ladeado por mais dois rebeldes. Guarda-costas, se Ethan os leu

bem.

O recém-chegado caminhou até Ethan e ficou de pé sobre ele, olhando para baixo. Seu rosto

estava escuro, bloqueado a partir da luz, mas Ethan cerrou os olhos ainda mais. Ele estremeceu

quando a bota do recém-chegado escavou em seu ombro deslocado, empurrando-o de volta até

que ele estivesse deitado no chão.

"Então," ele cantarolou, riso em sua voz. "Você é amante do presidente americano."

Suspiros chocados ressoaram pela sala, seguidos de risadas e maldições curtas em árabe. Ethan

pegou a gíria para "Filho da puta" na mistura de árabe rápido.

"Ele nunca negociará," Ethan conseguiu grunhir. "Eu sou inútil para você."

Um sorriso perverso congelou a coluna de Ethan. "Sua morte", disse o homem, rindo, "vai

devastar seu presidente." Lentamente, ele se ajoelhou ao lado dele. Ethan desejou ter força para

se mover, para lutar, para estender a mão e agarrar seu pescoço e estrangular esse homem até

que seus olhos se tornassem azuis e sua língua saísse de sua boca. “ Vou curtir sua morte. Vou

saboreá-lo e apreciá-lo, e sei que atingirei seu presidente, onde outros não puderam. ”


Quando o homem se levantou, Ethan finalmente viu seu rosto.

Al-Karim.

* * * * *

Quando o Comandante Conrad voltou para a sala, ele não estava sozinho. O diretor da CIA, Irwin,

seguiu atrás dele, mancando, e com uma bandagem grossa envolvendo a coxa.

Jack olhou para ele, como se estivesse olhando para comida podre ou lixo de ontem.

"Sr. Presidente ” disse Conrad, interrompendo a raiva fervilhante de Jack. "Temos a localização

do vídeo transmitido para a embaixada e para o Pentágono. Eles estarão fornecendo imagens de

drone do agente Collard e os fuzileiros navais de um lançamento fora de nossa base em Djibuti.

Além disso, o General Madigan assumiu o comando pessoal desta missão. Ele estará

coordenando operações da sala de situação do Pentágono e lançou helicópteros de apoio de

Djibouti para sua equipe. "

Exalando, Jack se recostou na cadeira na mesa de conferência. Isso vai funcionar. Eles trarão

Ethan para casa. Eles vão.

Ao lado de Jack, Gottschalk se moveu, aproximando-se. Jack sorriu para ele, embora fosse fraco e

forrado de medo.

* * * * *

Collard se mudou com o líder da equipe de Forças Especiais da Marinha, o tenente Cooper,

enquanto avançavam sobre o abrigo parcialmente escondido enterrado nas colinas etíopes,

oitenta quilômetros ao sudeste de Addis Abeba. Faixas áridas de terra estavam abertas para o

céu, varridas pelo vento e estéril, com apenas uma árvore dispersa aqui e ali para quebrar a

desolação. As rochas tombadas estavam armadas em pilhas, e a entrada do abrigo parecia quase

um monte de pedras e vegetação das terras altas da Etiópia.

Mas o sinal dos sequestradores jihadistas de Ethan vinha desses pontos da grade.

Collard agarrou a arma com mais força e arrastou-se para trás do tenente Cooper.

Um vigia sentou-se fora do abrigo, comendo um figo. Ele sugou os sucos e cuspiu sementes no

chão, e deixou sua arma apoiada contra a entrada de pedra.

Um único tiro do rifle do tenente Cooper terminou a vida do vigia. Ele caiu no chão, com um

buraco na cabeça.

Eles se moveram rapidamente, se alinhando de cada lado da entrada do abrigo. Um túnel escuro

desaparecia no subsolo, levando a profundidades abaixo. Eles não podiam ouvir nada, mas se

alguém tivesse ouvido o tiro, eles estariam recebendo mais rebeldes para a festa a qualquer

momento.

Ninguém saiu da entrada do túnel. Tudo estava em silêncio.

Os sinais de mão rápidos do Tenente Cooper espalharam a equipe. Cooper assumiu a liderança,

Collard em seu ombro, enquanto eles começaram a descer o túnel escuro. Uma vez dentro, os


homens puxaram os óculos de visão noturna para baixo de seus capacetes e sobre seus olhos. O

túnel à frente mudou, transformando-se em uma queda de formas verdes e brancas, ásperas

em ângulo e estéril.

O túnel ramificou-se, avançando à esquerda e à direita. Cooper colocou três homens na entrada

do lado da esquerda e levou o resto da equipe para a direita, silenciosamente.

O riso ecoou pelos corredores de pedra.

Os homens ficaram em silêncio. Cooper deu o sinal para parar, um punho segurado no ar.

À frente, uma porta rangeu em dobradiças velhas, oxidado de desuso e secado do árido deserto.

Dois jihadistas viraram a esquina à frente de Cooper. Eles não viram os Marines escondidos no

escuro túnel.

Cooper e Collard esperaram até que eles estivessem próximos, então estenderam a mão e

agarraram ambos os homens, as palmas das mãos apertadas sobre suas bocas. Os jihadistas

debateram-se, mas Cooper e Collard os dominaram. Eles apertaram, e depois empurraram, e os

homens caíram ao chão depois de um alto estalo, mortos.

Cooper fez sinal para a equipe seguir.

Eles chegaram a uma porta metálica deslizante, enrugada e deformada. Cooper alinhou seus

homens atrás dele, prontos para invadir. Collard estava à frente, o rifle levantado e pronto.

Em três, eles abriram a porta, sacudindo-a pelos trilhos e entrando na sala. Os homens de

Cooper limparam os cantos, disparando balas contra os rebeldes enquanto os jihadistas estavam

atônitos com o ataque surpresa.

No centro da sala, uma lona era esticada de canto a canto. Ethan estava ajoelhado no centro

sob uma lâmpada, a cabeça puxada pelos cabelos e a garganta exposta. Rebeldes mascarados

estavam atrás dele, todos com rifles de assalto.

Um segurou um facão.

Cooper e Collard colocaram três balas no peito do homem segurando o facão, deixando-o cair

no chão. O resto da equipe abriu fogo, derrubando os jihadistas avançando. Dez rebeldes se

empurrando pelos cotovelos na sala, gritando e tentando disparar de volta contra o ataque

surpresa dos marines, mas apenas três deram alguns tiros antes de Cooper e a equipe trouxesse

todos eles para baixo.

"Limpo!" Cooper finalmente disse, sua voz soando através do quarto escuro. Em cima, a lâmpada

suja balançava para frente e para trás, pintando a sala em luz empoeirada e profundas sombras.

Os homens de Cooper ecoaram suas palavras, dizendo o tudo limpo em seus cantos.

"Ethan?" Collard correu para Ethan, machucado na lona e não se movendo. "Ethan, droga, me

responda." Ele fungou enquanto se agachava ao lado de seu amigo. O quarto fedia, uma

combinação de suor e mijo do terceiro mundo, e algo mais profundo. Algo que atingiu a parte

de trás de sua língua e fez ele esforçar-se para não vomitar. Algo que tinha gosto de medo.

"Ethan?" Cuidadosamente, Collard o rolou, embalando sua cabeça. A camiseta de Ethan estava

arruinada, manchada de sangue e rasgada em pedaços. Seu corpo era uma confusão de

hematomas, e sangue seco cobria seu rosto.


O rosto machucado de Ethan olhou para Collard através dos olhos semicerrados. Ele piscou, e

então virou a cabeça e fez uma careta.

Alívio inundou Collard. "Ele está vivo!" Por agora, pelo menos. Grunhindo, Collard levantou

Ethan por cima do ombro, carregando-o nas costas. Ethan grunhiu e gemeu, choramingando

quando ele foi empurrado e movido.

Cooper já estava no rádio. "Salão de baile, este é o Cavaleiro Negro 6. Nós vamos extrair."

Todo o caminho desde os corredores do Pentágono, a voz grosseira do General Madigan

quebrou através do rádio. "Excelente", ele grunhiu. “Dois helicópteros entrando em três

minutos. ”

Cooper reuniu os homens, mandou-os para fora da sala, e então ordenou a outra equipe para

limpar e explodir o segundo túnel. Momentos mais tarde, booms ecoaram através do abrigo, e

poeira caiu do teto. Granadas saindo da outra equipe. Collard levantou Ethan mais alto em seus

ombros e seguiu atrás de Cooper, indo para a saída do abrigo.

No momento em que saíram do abrigo, dois pontos pretos no horizonte estavam se

aproximando, e Collard podia apenas distinguir o fraco ronco dos rotores.

"Salão de baile, Cavaleiro Negro 6. Esteja avisado, a fumaça laranja é amigável." Cooper tirou

uma lata de fumaça laranja de sua mochila e atirou-a na frente do abrigo, sinalizando para os

pilotos do helicóptero.

"O salão de baile reconhece," Madigan resmungou.

Depois, houve um difamar, um choro elétrico e um grito que fez com que todos alcançassem os

fones de ouvidos e os rasgassem, amaldiçoando. Cooper enfiou de volta e reiniciou seu rádio.

"Salão de baile, entre. Salão de baile, entre."

* * * * *

A bordo dos helicópteros, a voz do General Madigan falou diretamente aos pilotos em uma linha

segura do Pentágono. "Aqueles filhos da puta tiraram toda a nossa equipe. Eu quero que você

atire naquele abrigo, e qualquer ser humano que você vê no chão. Não se atreva a sair até que o

abrigo se foi e toda alma viva naquele chão está morta. Os hajistas roubaram uma das granadas de

fumaça do nosso rapaz. Não se deixe enganar pela fumaça.

"Sim senhor."

Sem saber, os pilotos começaram a atirar nos homens que estavam do lado de fora do abrigo.

* * * * *

A bordo do Arleigh Burke, Jack assistiu a partir da perspectiva de um drone vindo apenas online,

pairando acima do abrigo e do campo de batalha. Ele viu silhuetas negras rastejando para fora

do abrigo.

“Esses são nossos homens? ” Perguntou. Ele se voltou para o Comandante Conrad, procurando

informações.


Conrad franziu o cenho e se voltou para os diretores Irwin e Luntz. "Não tenho certeza. A

vantagem aqui é bastante alta. Não consigo obter detalhes. ” O diretor Luntz grunhiu, espiando a

tela.

A voz do general Madigan percorreu o viva-voz na mesa de conferência. "Sr. Presidente, estamos

tendo dificuldades de comunicação com nossa equipe agora. Não temos certeza de quem são os

homens no chão. Houve relatos de tiros disparados e algumas granadas antes que tudo

escurecesse. Aqueles poderiam ser rebeldes esperando para atacar nossos helicópteros. Mas

nossos pilotos de helicóptero se aproximarão. ”

Jack assentiu, embora Madigan não pudesse vê-lo. Ele apertou suas mãos na frente de seu rosto e

descansou sua testa em seus nós dos dedos. Por favor, Ethan, por favor, venha para casa para

mim. Por favor.

* * * * *

"Salão de baile, entre. Salão de baile, entre." Cooper franziu o cenho e passou pelo rádio

novamente.

“Senhor... ” Um dos homens de Cooper levantou-se de joelhos. “ Esses helicópteros não estão

diminuindo, senhor. ”

Cooper ergueu os olhos. "Eles estão chegando na velocidade de ataque", ele gritou. Ele agarrou

seu rádio, tentando transmitir em uma frequência de onda curta para alcançar os pilotos

diretamente. "Pilotos, esta é a equipe de terra! Somos amigos, mais! Não ataque! Fumaça

laranja é amigável! "

As balas rugiam para fora das baterias de arma do helicóptero, mastigando a terra dura na frente

da equipe. Praguejando, Collard mergulhou de lado, rolando com Ethan longe do caminho das

balas. Um dos homens de Cooper gritou.

"Jesus!" Cooper pulou na sujeira, acenando para os pilotos, embora eles ficassem fora do

alcance visual. "Nós estamos no seu lado do caralho!"

O segundo helicóptero juntou-se ao primeiro, cuspindo balas e atingindo um segundo membro

da equipe.

"Voltem para o abrigo!" Cooper gritou. "Movam-se, agora, agora!"

Collard agarrou Ethan, jogou-o sobre seu ombro novamente, e então correu em direção à

entrada do abrigo. Balas perseguiam seus pés, rebatendo nas pedras e cortando o pacote em

suas costas. Ele mergulhou para a entrada escurecida, aterrissando em cima de dois dos

companheiros de Cooper.

"Mova-se, mova-se!" Cooper gritou correndo para o túnel depois que os restos de sua equipe

tinham conseguido entrar. "Vá mais fundo!"

Acima, o barulho mecânico dos helicópteros carregando seus foguetes gelou o sangue de

Collard. Agarrando Ethan sob seus braços e arrastando seu amigo, até que um dos homens de

Cooper segurou os tornozelos de Ethan e eles correram pelo túnel escuro juntos.


"Vá, vá!" Cooper gritou. "Mais fundo! Se atirarem aquele foguete, esse abrigo inteiro poderia ... “

Suas palavras foram interrompidas pelo rugido do túnel quando ele desabou. Os sons de pedra

explodindo misturados com a raiva de chamas do impacto do foguete, dominando os gritos de

todos.

* * * * *

“ Não! ” Jack saltou de seu assento enquanto o abrigo explodiu em um brilho cegante de luz,

piscando para fora do monitor. "O que aconteceu? Onde está nossa equipe? "

"Sr. Presidente, " Madigan disse bruscamente, tristeza forrando suas palavras. "Nossos pilotos

relataram que os homens no chão eram rebeldes jihadistas se passando por nossos homens.

Eles atiraram fogo e tiveram que responder. "

Os olhos de Jack correram pelo quarto. O pânico crescia em seu peito, quebrando seu coração.

"Não," ele sussurrou. "Onde está nossa equipe? Onde está nossa equipe? Agente Collard?

Agente Reichenb... ” Ele não podia dizer o nome de Ethan. Sua voz sufocou quando sua garganta

se fechou, e ele caiu para a frente, mal se segurando na borda da mesa. "Onde está nossa

equipe?", Ele gritou.

"Sr. Presidente... ” A voz de Madigan desapareceu. O comandante Conrad olhou para baixo. "A

nossa equipe foi eliminada. Eles se foram, senhor. ”

Jack balançou a cabeça, repetidamente, e afastou-se da mesa. Sua respiração veio muito rápido

quando ele olhou para a tela, no abrigo destruído queimando e deitado em escombros. Eles

deveriam resgatar Ethan, trazê-lo de volta para Jack. Ele devia encontrar Ethan no convés de

voo, ferido, mas vivo, e ele o beijaria na frente de todos. Ele não se importava, não mais, com o

sigilo, o esconder ou manter o amor em segredo. Ele amava Ethan, e queria que o mundo o

conhecesse, e que se condenasse as consequências.

Mas Ethan não estava voltando para casa.

Ele não estava voltando para Jack, e Jack nunca seria capaz de dizer que ele o amava.

Rugindo, Jack atirou sua cadeira de conferência de lado, enviando-a batendo na antepara do

Arleigh Burke. Soluços caiu através dele, ondas de angústia quebrando sua alma. Seu coração,

recentemente completo, rachado, revelando seu amor terno por Ethan escondido no fundo. Por

que não tinha dito algo? Por que não disse a Ethan?

Ele nunca teria a chance.

Gritando, Jack tentou ficar de pé, mas o mundo girou, e ele caiu para trás, tropeçando. Fortes

mãos agarraram-no, firmando sua cintura e mantendo ele em seus pés, e então os braços

envoltos em torno dele por trás. "Jack," uma voz no seu ouvido murmurou. “Jack. ”

As mãos giraram Jack, e ele se encontrou cara a cara com Gottschalk. Havia um brilho nos olhos

de Gottschalk, molhado e cansado, e ele enrolou Jack em seus braços e o atraiu para perto.

"Jack," Gottschalk sussurrou novamente, suspirando.

Jack deixou tudo sair, em seguida, caindo nos braços de Gottschalk enquanto seus soluços o

rasgavam. Ele agarrou seu chefe de gabinete, envolvendo-o em uma luta furiosa, e agarrou


firmemente. Nos braços de Gottschalk, Jack estremeceu, tremendo e tremendo quando seus

piores medos, medos que ele ignorou e empurrou para longe, os temores que ele havia dito que

nunca iriam acontecer novamente, caiu de todos os lados.

Como isso pôde acontecer a um homem duas vezes? Ele tinha enterrado sua esposa, e agora ele

tinha que enterrar seu amante, um homem que ele tinha vindo, quase inexplicavelmente, a

amar. Ele tinha tido uma chance, e ele tinha encontrado um amor que não poderia ser nomeado,

que não poderia ser contido, e que tinha redefinido sua vida de maneiras que ele só tinha

começado a descobrir.

E agora, tudo tinha desaparecido. Todo o amor. Toda a felicidade que ele tinha encontrado. Toda a

alegria que ele havia descoberto nos braços de Ethan.

Jack caiu contra a antepara, ainda segurando Gottschalk, e deslizou para o convés. Gottschalk

foi com ele, nunca deixando ir. Os outros saíram da sala, dando ao presidente privacidade, mas

Jack não se importava com a privacidade. Soluços rasgaram dele, machucando sua garganta e

moendo em seu peito. Muco e lágrimas encharcaram a camisa de Gottschalk.

Ele não queria abrir os olhos. Ele não queria parar de chorar. Ele não queria reconhecer que isso

era real, e ele teria que avançar a partir deste momento. Não, ainda não. Ele não podia deixar ir

ainda.

“Ethan ” Jack gemeu na jaqueta de Gottschalk. "Ethan, eu te amo. ”

* * * * *

O general Madigan falou diretamente com os pilotos do helicóptero novamente. "Vocês fizeram

um ótimo trabalho. Você confirmou as identidades do jihadista? "

"Não senhor. No momento em que chegamos na faixa de identificação, os corpos fora do abrigo

foram queimados. Nenhum ID positivo. "

"Não se preocupe, rapazes. Você fez um ótimo trabalho. Volte para o Djibuti. ”

Madigan desligou o rádio e pegou o telefone.

* * * * *

“Todo mundo está bem? ” A voz de Cooper, sufocada pela poeira, rompeu a escuridão do túnel

desmoronado. "Som desligado!"

Collard tossiu, tentando respirar. Algo estava sobre ele, esmagando suas costelas. Ele empurrou

na escuridão, e alguém grunhiu. Jesus, Ethan. "Ethan? Ainda está com a gente? ”

Respondeu-lhe um gemido e um sibilo.

"L-T, nós temos que nos mover." Collard mudou, se movendo em um agachamento sobre o

corpo de Ethan. "Ele está muito ferido."

"Ainda não podemos nos mover." Cooper falou através da escuridão. “Estamos encurralados

aqui. Temos que cavar. E eu não posso levantar ninguém no rádio. "

"Esqueça o rádio." Collard jogou seu microfone e fone de ouvido através do túnel desintegrado.

"Nós fomos alvejados por aqueles helicópteros. Alguém os enviou para nos matar. ”


O silêncio de Cooper pairava no túnel escuro.

“Precisamos de um novo plano ” grunhiu Collard. "Precisamos saber o que está acontecendo."


Capítulo quatorze

Presidente falara à nação e ao resto do mundo do USS Truman.

O presidente está pronto para fazer um grande pronunciamento após o ataque a ele e sua

comitiva em Addis Ababa, Etiópia, a partir do convés do USS Truman, estacionados no Mar

Mediterrâneo. Desde o ataque, a administração foi criticada amargamente, com muitos em

Washington dizendo que o presidente nunca deveria ter feito a viagem em primeiro lugar. Sem

ligação com os ataques na Etiópia, dois helicópteros do Camp Lemonier, a base expedicionária

naval dos EUA em Djibouti caiu durante uma missão de treinamento na fronteira da Etiópia e

Djibuti. Ambos os pilotos foram confirmados mortos.

* * * * *

"Meus compatriotas americanos..." Jack lambeu seus lábios, as palavras familiares da abertura

para o pronunciamento presidencial caindo de seus lábios. Do outro lado da plataforma de voo

do USS Truman, os marinheiros estavam de pé, e uma equipe de imprensa filmou cada uma de

suas palavras. Ele não estava no pódio. Ele era apenas ele mesmo. Apenas Jack.

Um soluço quase o pegou de surpresa. "Apenas Jack" tinha sido o que Ethan costumava dizerlhe

e ele adorava. Não o presidente. Apenas Jack.

Limpando a garganta, Jack continuou com sua declaração. O Arleigh Burke não tinha um

teleponto, então ele estava voando sozinho. Não importava. Tudo veio do coração, do lugar

onde Ethan vivia dentro dele.

Tudo isso é para você.

"Meus compatriotas americanos e cidadãos do mundo", continuou Jack. Sua voz ficou presa nas

palavras, e ele limpou a garganta novamente. "Hoje, houve um ataque ao comboio presidencial

no caminho para a Assembleia dos líderes da União Africana para resolver a situação em Nairóbi.

A Etiópia perdeu o Comissário da Polícia Federal e o General das Forças de Defesa Nacional.

Juntamo-nos hoje em luto.

"Os americanos também sofrem hoje, e ninguém mais do que eu." A voz de Jack vacilou. Ele

inalou rapidamente. Segurou sua respiração. "Hoje, a América perdeu verdadeiros heróis.

Homens que deram tudo. Hoje, os agentes especiais Scott Collard e Ethan Reichenbach deram

suas vidas para garantir a minha própria. "Jack olhou para a direita, fora da plataforma de voo, e

no horizonte. Ele piscou rápido, sem se importar com a câmera de notícias. "Também

perdermos uma equipe do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. A esses homens e a

suas famílias, devo-vos a minha vida e a minha gratidão. ”

"Mas a gratidão não pode trazer de volta esses homens." Jack mordeu o lábio, forçando as

lágrimas a ficar para trás. "Gratidão não pode salvar vidas no futuro. A gratidão é um conforto

vazio e frio para aqueles que ficaram para trás. "


Ele pensou que poderia fazer isso, mas estando ali, tentando fingir que não era um daqueles que

ficaram para trás, um daqueles perdidos e enlutados e apegados a palavras vazias, estava

cortando os restos de sua alma em dois. Ethan... eu faço isso por você. Ele continuou repetindo

suas palavras, imaginando o sorriso de Ethan enquanto olhava para os rebites no convés e reunia

suas forças novamente.

"Hoje, eu venho para você não com frio conforto, mas com ação." Jack levantou o queixo.

Ethan... "Eu venho a você com uma promessa. Um voto. Não permitirei que outro americano, ou

qualquer ser humano, seja tirado desta terra por causa do terror, do medo e da opressão. Eu me

levantarei para aqueles que semeiam o terror e que lutam contra a liberdade. Não deixarei mais

que as desculpas se interponham no caminho de fazer o que é certo. Hoje, peço aos meus

colegas líderes mundiais que se juntem a mim para assumir uma posição direta contra o estado

islâmico. Não ficaremos de braços cruzados no mundo enquanto bombas nucleares são

detonadas nas cidades, e os melhores de nosso povo são arrancados de nossas vidas. Esses atos

são atos de guerra feitos por terroristas desesperados que tentam destruir a vida das pessoas ".

Jack olhou diretamente para a câmera. "Estou, hoje, prometendo que a América vai responder.

Nós estamos vindo para você. Nós estamos indo libertar aqueles que você escravizou. Resgatar

aqueles que você prejudicou. Restaurar o que você destruiu. Nós estamos vindo no chão, sobre o

mar, e dos céus. Vamos eliminá-lo, e qualquer inimigo da raça humana aliados com você, da

face da terra. ”

"Presidente Puchkov, líderes da OTAN, peço a vocês que se juntem a mim nesta promessa.

Juntos, vamos nos comprometer a garantir o mundo para todas as pessoas em todas as terras.

Aliados, apelo ao seu apoio contínuo e à sua amizade, e obrigado pelo seu apoio contínuo até

agora. "

Olhando para cima, Jack fechou os olhos enquanto olhava para as estrelas. Em algum lugar, a

alma de Ethan estava em um lugar melhor, um lugar livre dos horrores que haviam dominado os

momentos finais de sua vida. Uma velha citação voltou para ele, subindo de suas memórias. "E

se as estrelas acima são simplesmente buracos no céu onde nossos entes queridos nos olham de

cima?"

Ele tinha duas estrelas no céu agora. A dor de Leslie tinha desaparecido, e o que restava era uma

cicatriz em seu coração. Ele pensou que a cicatriz significava o fim, mas Ethan lhe mostrou uma

nova vida, um novo lado de si mesmo, e ele se sentiu mais vivo do que ele jamais se lembrou

ser. Qual foi o próximo, depois de Ethan?

Era muito novo para ser considerado. Por enquanto, ele encheria sua vida com esse propósito.

Com a destruição daqueles que tiraram Ethan dele. Com livrar o mundo dos monstros e dos

homens que exerciam o mal e malicia chocante como armas.

O amor havia sido arrancado de sua vida. Que a vingança tomasse o seu lugar.

* * * * *

Levou horas para se livrar dos escombros no túnel.

Collard trabalhou com a equipe de Cooper, mas um homem se sentou com Ethan o tempo todo.

Eles alternaram, contando as respirações superficiais de Ethan e verificando seu pulso a cada

quinze minutos. O Doc da equipe fez o que pôde, bombeando um saco de fluidos em Ethan e

examinando seus ferimentos. Ele colocou o ombro deslocado de Ethan no lugar enquanto Ethan


estava inconsciente, e Ethan não se moveu quando seu osso voltou ao lugar. Collard franziu a

testa.

Quando se aproximaram da entrada do túnel, Cooper diminuiu a velocidade de seus homens e

acalmou todos. Eles ouviram durante dez minutos, esticando as orelhas. Eles estavam tentando

ouvir sons de helicópteros, ou soldados no chão, ou qualquer coisa que significasse perigo.

Depois que seus próprios helicópteros dispararam contra eles, eles não sabiam o que significava o

perigo mais. Em quem eles poderiam confiar?

O que tinha acontecido?

Finalmente, a equipe empurrou através da pedra quebrada e o tijolo desmoronado da entrada

do abrigo e escaparam para a desolação árida dos planaltos etíope. A noite tinha caído, e nas

colinas, a escuridão parecia visível, uma asfixia quase visceral cobria a equipe. Descobrir os

corpos queimados de dois de seus companheiros não ajudou.

“E agora, L-T? ”

Cooper olhou para a distância ociosa. Parecia ser um estudo em silêncio, um retrato de calma,

mas Collard percebeu o seu pulso crescente acima de seu colarinho.

“Precisamos levar esse homem para um hospital ” disse Doc, agachado ao lado de Ethan. "Ele

não está indo bem."

“Há uma aldeia a dez quilómetros a oeste. ” Cooper desenhou um mapa rápido na poeira,

brilhando sua lanterna vermelha no chão. "Vocês dois, caminhem, encontrem um veículo,

peguem e voltem aqui. Consiga todo o combustível que puder. ”

Os dois homens que ele apontou assentiram e partiram, correndo para a noite.

"Quando eles voltarem, nós vamos para o norte. Vamos para Massawa, na Eritréia. Há um porto

lá, e muitos contrabandistas. Pegamos um barco até Jazan, no sul da Arábia Saudita. ”

"A Arábia Saudita?" Doc girou na sujeira, olhando para seu L-T como se ele tivesse crescido uma

segunda cabeça. "Por que não ir para a nossa base em Djibouti? "

"Esses pilotos vieram de nossa base, e eles dispararam contra nós. Voltando para base não é o

movimento certo. Agora não."

"Mas saudita?" Collard juntou-se, questionando Cooper. “ Como isso ajuda a Ethan? ”

"Nós dirigimos toda a noite, e nós vamos estar do outro lado do Mar Vermelho pela manhã.

Tenho um contato na Arábia Saudita. Alguém que eu usei antes. Nós compartilhamos

informações. ” Os olhos de Cooper piscaram. “Você terminou de questionar minhas ordens? ”

Doc ergueu as mãos e se virou para Ethan silenciosamente. Collard acenou com a cabeça, e ele

se estendeu sobre a terra seca, deitando-se contra sua mochila ao lado de Ethan e escutando

suas respirações molhadas e superficiais. Doc cantarolava enquanto trabalhava com Ethan,

examinando todo seu corpo antes de examiná-lo novamente.

Acima, as estrelas pulverizavam pelo céu, mais brilhantes do que Collard jamais vira. Todo o

braço da Via Láctea brilhava, quase como se a galáxia estivesse caindo no chão. Ele pensou que

podia ver de horizonte a horizonte, e cada estrela no meio, brilhando e brilhando no céu. Era

bonito, mais bonito do que qualquer outro céu antes.


A silhueta escura de Cooper pairando contra o spray de estrelas e as respirações agitadas e

curtas de Ethan tiraram a majestade da noite. Collard apertou os olhos e tentou bloquear tudo.

* * * * *

Os homens de Cooper voltaram com um caminhão batedor. O topo da cabine tinha sido serrado e

o interior estava aberto para o céu. Collard e Doc empilhados na parte de trás com Ethan e os

outros, enquanto Cooper montou na frente, embalado com dois outros fuzileiros. Estava

apertado no banco do caminhão, e Collard andava com a cabeça de Ethan no colo e os braços

em volta dos ombros do amigo. Sua mão descansou no peito de Ethan, e ele contou o rápido

aumento e queda de suas respirações superficiais.

Eles atravessaram a noite, passando lavagens secas e percorrendo paisagens áridas que estavam

vazias por muito tempo. Ventos solitários sopraram ao redor do caminhão, chicoteando através

de suas roupas e sob seus capacetes. As cabras de montanha pastoreavam nos campos que

atravessavam, espalhando-se pela noite com balidos zangados e o barulho de chocalhos

enferrujados. Eles não ficaram para ver se havia um pastor nas proximidades.

O caminhão ficou sem gás depois que eles passaram através da fronteira da Eritreia, mas com

cinquenta quilômetros para percorrer ainda. A primeira luz da madrugada se arrastou pelo

horizonte, cores de pêssego e berinjela manchando o céu noturno como aquarelas derramadas.

Collard ergueu Ethan de costas, encolhendo-se na carga. Ethan não era um homem pequeno e

carregá-lo tantas vezes - e pulando, correndo e jogando-o quando tiveram que escapar de volta

para o abrigo - tinha feito um número nas suas costas e ombros. Ainda assim, continuou. Ele não

podia deixar Ethan para trás. Mais uma vez.

Eles ficaram na estrada das montanhas da Eritreia até que se aproximaram da costa. Eles

despojaram-se numa moita, derramando suas insígnias e uniformes, queimando tudo, em

seguida, seguindo em apenas roupas de combate preta, botas, suas mochilas e capacetes. Eles

se pareciam com qualquer grupo de mercenários que dobravam seu comércio nas florestas da

África Oriental, rifles de assalto e tudo mais.

Ethan pendurado nas costas de Collard poderia ter levantado uma sobrancelha em qualquer

outro lugar, mas na Eritréia, ninguém se importou.

Eles chegaram ao porto de Massawa depois que o sol havia subido completamente acima do

horizonte. Galos cacarejavam nas ruas empoeiradas, pavoneando-se atrás de galinhas e cães,

todos raspando por restos de comida nas calhas cobertas de sujeira. Massawa parecia como se

o tempo tivesse esquecido, uma casa esmagadora de edifícios decrépitos e estruturas podres de

cada época. Os palácios muçulmanos medievais compartilhavam ervas daninhas e poeira com

barracos de tábuas e telhados de zinco ondulados e enferrujados. Torre de mesquitas se

aglomeravam ao lado de antenas parabólicas piratas, e armadilhas vazias e enferrujadas presas

fora dos prédios de tijolos de barro, as ambições de um construtor para uma segunda história

frustrada nos últimos duzentos anos.

Eles se deslocaram pela rua principal, sufocando com a poeira e passando eritreus observandoos

com os olhos mortos. Ninguém levantou um dedo para os homens que se moviam pela

cidade. Ninguém se incomodou em ficar de pé. Mulheres e homens se agachavam contra

barracos de lata em ruínas quando tentavam vender legumes podres, e crianças sem camisa

corriam na rua chutando uma bola de futebol esvaziada, usando sandálias feitas de pneus de

carros usados.


O porto era nada mais do que uma seção de concreto em ruínas e uma linha de torres que se

estendiam ao longo do cais. Nos anos cinquenta, poderia ter sido novo. Um iate afundado ainda

estava amarrado no cais, algum brinquedo da elite do Golfo que desceu e nunca foi recuperado.

As embarcações simples de madeira foram amarradas junto, as redes de pesca caseiras

dobraram-se com cuidado e as varas de pesca alinharam-se na parte inferior de cada barco.

Cooper encontrou alguém que falava árabe, e então eles foram conduzidos a uma embarcação

com uma vela que era mais remendos do que a lona original. Doc deu a Cooper um olhar

duvidoso antes de ajudar Collard e Ethan dentro do barco.

A travessia era ventosa, e as ondas salpicavam o lado da embarcação molhando os homens.

Collard tentou proteger Ethan o melhor que pôde, mas a água salgada espirrou sobre seu rosto, e

Ethan salivou, tossindo, mas não acordou. Isso, mais do que qualquer outra coisa, preocupou

Collard, e ele chutou Doc até que o marine parou de agarrar-se ao lado do barco e veio ao seu

lado.

Doc era um tom doentio de verde, mas ele examinou Ethan. Depois, balançou a cabeça e se

inclinou contra Collard, gritando sobre o vento e as ondas que não havia nada que pudesse fazer,

não agora. As lesões de Ethan eram internas e, a menos que encontraram um hospital e

descobrissem o que estava acontecendo, nunca saberiam o que fazer. Ele deu um tapa nas

costas de Collard e ofereceu um humor marinho. “Ele ficou vivo até aqui ” gritou Doc. "Ele tem

que ir para ele!"

O porto de Jazan, na Arábia Saudita, era pior do que Massawa. A cinquenta metros do cais de

pesca, o casco enferrujado de um petroleiro encalhado estava deitado de lado, metade na água e

meio exposto ao ar. Caras amedrontadas olhavam para fora de um buraco podre no casco,

sentando-se nas rochas cutucando a barriga de ferro do petroleiro. Linhas de pesca se estendiam

de seus postes, mas as cestas ao lado dos homens estavam vazias.

O barco deixou os homens no fim do cais de pesca, uma pilha inclinada de tábuas de madeira

que balançavam nas ondas. Pedras e rochas rodeavam a borda do cais, e os barcos de pesca

estavam amarrados a estacas de madeira empurradas entre as rochas.

Cooper pagou o velejador em MREs recolhidos dos homens, suas lanternas, e um cantil de água.

Então eles estavam de pé no cais vazio em Jazan, Arábia Saudita, olhando para cima e para baixo

nas ruas vazias e ouvindo a manhã silenciosa. Nenhuma alma pareceu se mexer.

"Agora eu preciso de um telefone." Cooper olhou para trás das sombras. À frente havia um posto

de gasolina, talvez a duzentos metros de distância. Collard deslocou o corpo de Ethan,

caminhando com ele em suas costas. Ele se mudou para a porta do posto, e embora seus ombros

estavam recebendo uma pausa, sua parte inferior das costas estava dando espasmos.

Um dos homens de Cooper tirou seu celular do bolso traseiro e entregou-o a Cooper.

"Não. Mantenha seus celulares desligados. Nós ainda estamos em silêncio de rádio. " Cooper

sacudiu a cabeça em direção ao posto de gasolina. O anúncio para a gasolina era 0,48 riyals

Saudita. “ Movam-se para o posto de gasolina. ”

Com um suspiro, Collard caminhou atrás dos fuzileiros, rangendo os dentes a cada passo. Ethan

começou a murmurar, gemendo com cada um dos passos de Collard. "Aguente ai, cara grande,"

Collard grunhiu.


"Jack..." Ethan gemeu. "Jack..."

"Ainda não, amigo." Ele rolou seu ombro, tentando parar a queimadura em suas costas. "Apenas

eu."

Doc ficou com Collard, caminhando com ele e Ethan em vez de avançar com os fuzileiros.

Quando chegaram ao posto de gasolina, Cooper já estava no telefone, falando árabe

rapidamente e usando uma pesada carranca.

* * * * *

Faisal ordenou que seu piloto fizesse o voo de duas horas de Riade a Jazan na metade do tempo.

Eles gritaram fora do aeroporto de Riyadh em uma longa linha de aviões comerciais, citando

negócios reais e jogando o cartão de privilégio.

No ar, Faisal tirou o celular e discou o número que o Coronel Song havia deixado. O telefone não

tocou, mas mesmo assim, o coronel Song respondeu depois de apenas alguns momentos de

silêncio.

“Como posso ajudá-la, Alteza? ”

“Coronel. ” Faisal pegou suas vestes e cruzou as pernas. Ele os descruzou um momento depois.

"Coronel, tenho alguns convidados surpresa vindo para uma visita."

Silêncio.

"Convidados que eu acho que você vai estar muito interessado." Ele hesitou. Inalado. "Eu acho

que você deveria vir visitar também."

“Quem são esses convidados? ” A voz do Coronel Song pingava com grande desprezo e séria

suspeita.

Faisal engoliu em seco. "Fantasmas americanos da Etiópia".

* * * * *

Do USS Truman, Jack foi levado para a Base Aérea de Aviano, no norte da Itália. O médico da

base da Força Aérea queria verifica-lo novamente, mas Jack recusou, pedindo em vez, um quarto

no BOQ, onde ele poderia tomar outro banho e deitar-se enquanto a base preparou o Força

Aérea Um para o seu voo de volta para os Estados Unidos. Depois da Etiópia, e após Jack ter sido

evacuado para fora do país pelos fuzileiros, a Força Aérea Um decolou com a secretária Wall, os

diretores Irwin e Luntz, Gottschalk e o resto da comitiva presidencial que havia escapado de

volta ao aeroporto. A equipe CAT 2 voltaram com o helicóptero ao aeroporto e resgataram

Welby, sangrando na embaixada somaliana abandonada. Welby agarrou-se à vida todo o

caminho de volta para ao Força Aeréa Um, e o médico da marinha do presidente salvou sua vida

na mesa da sala de conferências. A Polícia Federal da Etiópia lutou contra os jihadistas até que

os rebeldes se dispersaram e correram para as terras altas.

Jack estava sozinho - finalmente - na sala da BOQ que encontraram para ele. O restante dos

apartamentos de estúdio tinha sido esvaziado, os ocupantes disseram para ir ser ocupado em

outro lugar enquanto o presidente descansou por algumas horas. Ele tentou se sentir mal por

causa disso, mas era difícil sentir qualquer coisa.


O mundo parecia não existir, ou apenas existia pela metade, como ver através da borda curvada

de um vidro, ou virado em um espelho. Desde aquele momento na sala no Arleigh Burke, quando

ele perdeu tudo, o mundo e tudo o que havia nisso pareciam ser nada mais do que uma série de

cenas cortadas de um filme e montadas do jeito errado. Ações isoladas. As pessoas falavam com

ele, mas ele não conseguia entender suas palavras. Tudo estava nebuloso, distorcido. Era tudo o

que ele podia fazer para respirar fundo.

A solidão adormecida agarrou sua alma, mas afastou-a. Não, não havia tempo para a solidão. Ele

tinha trabalho a fazer. Ele tinha que exterminar os assassinos de Ethan.

O presidente Puchkov tinha telefonado e a chamada fora encaminhada para a sala de Jack, em

Washington. Pela primeira vez, ele soou algo diferente de despreocupado e arrogante, e seu

profundo sotaque russo tinha permanecido nas consoantes pesadas enquanto ele dava a Jack

suas condolências. "Eu levantarei o brinde a seus homens caídos hoje à noite," ele rosnou. “E

conte com a Rússia para te ajudar a vingar-te deste ataque. ”

Jack se inclinou para frente, encostado no balcão do banheiro do apartamento e tentou limpar

sua mente. Ele manteve os olhos baixos, sem olhar para o seu reflexo no espelho.

"Ethan..." ele sussurrou, "o que você acha que eu deveria fazer? Essas pessoas merecem morrer.

Eles assassinam indiscriminadamente. Eles destroem vidas. Eles destruíram países. Devemos

fazer mais para ajudar todos os milhares - milhões - que sofreram em suas mãos. E eles te

tiraram de mim. Se eu agir agora, eu poderia salvar vidas? " Suspirando, Jack mordeu o lábio.

“Mas isso vai custar, Ethan. Estou tirando alguém amado? Alguém vai se sentir assim um dia por

causa da minha escolha? Eu serei o único a quebrar o coração das pessoas e tirar os amores de

suas vidas longe delas? Para estranhos? Se eu evitar futuras mortes, mas dar vidas para fazê-lo, o

que se ganha? " Ele suspirou. "Estou olhando para frente para parar outro genocídio ou entrar

em outro Vietnã?"

Ele olhou para cima, finalmente olhando em seus próprios olhos. Ele estava abatido, e as linhas

em seu rosto pareciam gravar mais profundamente em sua pele durante a noite. Ele sempre foi

magro – construção de nadador, eles tinham dito - mas em um dia, ele se tornou magro. Buracos

encheram suas bochechas, pálidas, e seu cabelo parecia mais cinza do que marrom. "O que eu

faço, Ethan?" Ele respirou. "Eu preciso de sua sabedoria. Eu preciso do seu conselho."

Silêncio. Se ele esperava que o espelho brilhasse, e o reflexo de Ethan sorriria para ele, ou ele

ouvisse a voz de Ethan falando de cima, então ele estava sem sorte. Ethan se foi, e ele nunca

mais ouviria sua voz.

Jack afastou-se do balcão e foi para o chuveiro. Havia uma garrafa de xampu genérico e uma

barra de sabonetes meia usada no prato. Jack despiu-se, empilhando suas roupas no banheiro

antes de retirar as bandagens nos antebraços e na bochecha. Feridas e arranhões sangrentos

apenas cicatrizando se agarraram à gaze. Vários reabriram, escorrendo sangue fresco sobre sua

pele.

Ele virou a água para cima tão alto como iria, quase escaldante. Vapor derramado por trás do

recinto de vidro. Ele entrou, quase sibilando quando a água bateu em sua pele.

Ele ficou sob o spray, deixando-o bater em seu peito e bater contra sua pele. A batida choveu

em seu coração, até que a dor em sua pele combinou com a angústia rasgando seu coração em

pedaços. Inclinando-se para a frente, Jack pressionou sua testa contra a parede do chuveiro

quando o primeiro de seus soluços subiu de sua alma.


Tão estúpido. Ele era tão estúpido. Ele nunca deveria ter feito isso. Deveria ter bombardeado os

bastardos até a Idade da Pedra no primeiro dia de seu mandato. Ele deveria ter feito mil coisas

diferentes. Se tivesse, talvez Ethan ainda estivesse com ele.

Lentamente, Jack caiu de joelhos no chuveiro. As mãos dele arrastaram para baixo da parede do

chuveiro, e água vermelha-matizada girou no dreno entre os joelhos. As lágrimas se misturaram

com a água fumegante que escorria por suas bochechas, e o som do chuveiro apagou os sons

sufocantes e engasgados de seus soluços.

Quando a água ficou fria, Jack agarrou a barra de sabão e esfregou sua pele, uma e outra vez,

até que ele estava cor-de-rosa e cru.

* * * * *

Jack sentou-se em sua mesa na Força Aérea Um, olhando para longe. Dois meses atrás, Ethan o

pressionou contra sua mesa e o beijou. Ele agarrou Ethan de volta, atraindo-o para perto, e tinha

sido o começo deles. As lembranças tocavam em sua mente, um fluxo interminável de

momentos, beijos e sonhos, todos perdidos.

A batida na porta fez Jack piscar. Ele inalou, prendeu a respiração e gritou. "Entre."

O agente Daniels, vestindo jeans, um suéter e uma tira de couro, entrou. Ele tinha uma mochila

preta em uma mão.

Seus olhos estavam vermelhos e inchados, e ele não encontrou o olhar de Jack.

“Agente Daniels. ” Jack se levantou e andou ao redor da mesa. Fazendo um gesto para que

Daniels se sentasse no sofá do escritório ao seu lado. "Como você está?"

Daniels encolheu os ombros. Seus olhos apertaram enquanto pressionava os lábios. "Doc diz

que a ferida de bala está boa. Por completo. Sem problemas. ”

Jack permaneceu em silêncio.

“Eu... ” Daniels parou. Começou de novo. "Eu não me lembro da batalha na rua. Eles dizem que

eu fui nocauteado durante o IED. " Ele fechou os olhos. "Eu não posso acreditar que eles se

foram," ele sussurrou.

Jack apertou a mandíbula. Ele desviou o olhar, lutando contra sua raiva e sua agonia.

“Desculpe ” Daniels resmungou. Ele enxugou uma lágrima que caiu e fungou. "Eu sei que é difícil

para você. Eu, uhh... " Ele hesitou e então pegou a mochila que ele tinha deixado cair no sofá.

"Eu pensei que você iria querer isso. É a mochila de Ethan. Não muito, mas ele deixou um pouco

de roupa suja e seu celular atrás. ” Daniels encolheu os ombros quando passou a bolsa para Jack.

Lentamente, Jack abriu a aba e puxou o colar de Ethan para cima. Ele tinha mudado no voo para

suas roupas táticas, esquivando seu terno. Jack levou o colar ao nariz. Ainda cheirava a Ethan. O

cheiro o agarrou, apertando seu coração. Ele fechou os olhos, perdendo-se no momento.

Ele se afastou. "Você sabia."

Daniels assentiu. "Eu vi isso acontecer. Quero dizer, eu vi vocês cair um pelo outro. Ethan estava

louco por você. Disposto a quebrar todas as regras do livro, mesmo aqueles que ele pensava ser


fiel. " Daniels bufou, um pequeno sorriso em seus lábios. Desapareceu. "Eu não pensei que você

fosse gay, no entanto. Senhor."

Jack sacudiu a cabeça. "Eu não sou."

Daniels franziu o cenho.

“Não me considero gay. Estar com Ethan não era uma espécie de realização de quem eu estava

profundamente dentro. Não era um... desejo do meu homossexual escondido, enterrado

profundamente. ” Jack franziu o cenho e esfregou a camisa de Ethan entre seus dedos. Ele não

tinha falado sobre isso com ninguém, nem mesmo com Ethan. Eles cuidadosamente evitaram

qualquer conversa sobre a sexualidade de Jack, e o que isso significava. "Foi só eu me

apaixonando", Jack finalmente disse. “E descobrir como fazer isso funcionar com Ethan. ”

"Não sei se poderia estar com um cara. Não importa o quanto eu me sentisse sobre ele.

Jack sorriu. "Quando você ama alguém, realmente ama, você fará qualquer coisa. Descobrir

qualquer coisa. Porque ter-lhes em sua vida vale mais para você do que viver sem eles. Era assim

que eu me sentia com Ethan. " Ele riu, olhando para baixo, e lutou contra a súbita histeria de

seu coração. Deus, tinha sido perfeito com Ethan. Absolutamente perfeito. "O fato de que o sexo

foi realmente muito incrível foi um bom bônus."

Ele nunca mais teria isso de novo.

Memórias estavam passando em cascata pela sua mente novamente, como instantâneos fora

do tempo ou um rolo de filme girando fora de controle. Ele se levantou. "Obrigado por me trazer

isso. Por favor, me avise se precisar de alguma coisa, Agente Daniels. ”

Quando Daniels olhou para ele, Jack finalmente viu toda a solidão, a mágoa e a culpa que Daniels

estava enterrando, empurrando tão profundamente dentro de sua alma que esperava que

ninguém pudesse vê-la. Daniels piscou, e o momento se foi, sua angústia substituída por um

brilho suave e plano nos olhos. Ele se levantou, acenou com a cabeça uma vez, e se dirigiu para

a porta.

"Levi..." Jack se atrapalhou. Ele não sabia o que dizer. Ele sabia o que Daniels estava sentindo,

por Deus ele sabia o que estava sentindo, mas o que ele poderia fazer? Ele não tinha mais nada

para dar. Não depois disso. "Levi, não seja um estranho", ele finalmente disse.

Daniels não o reconheceu enquanto se afastava do escritório de Jack.

Esperando lá fora estava o diretor Irwin. Jack encontrou seu olhar através da porta. Irwin olhou

para baixo imediatamente.

Bom, Jack pensou. A ira viciosa rasgou-o, o ódio e a fúria amarga chamuscando suas veias. Seu

sangue saltou, como cães furiosos perseguindo presas. Eu deveria joga-lo em uma estrada na

Síria e deixá-los ter seu caminho com você. Deixa-lo sentir o que eu sentia. Mas Irwin nunca

sentiria as verdadeiras profundezas do horror de Jack, nem sua agonia, nem teria seu coração

partido tão perfeitamente e com certeza quanto o de Jack. Ele nunca veria o amor de sua vida

em uma rua com uma arma na cabeça, e depois esperaria, com ansiedade, pelo seu resgate,

apenas para assistir a toda a missão explodir em uma tempestade de arrependimento amargo e

vidas destruídas.

Sem palavras, Jack fez um gesto para que Irwin entrasse. Ficou de pé no centro da sala, com os

braços cruzados, as pernas abertas e esperou enquanto Irwin se sentava.


O sofá onde Ethan e eu fizemos uma vez, voando em uma viagem rápida a Nova York para um

jantar beneficente - Jack fechou suas memórias, e a imagem de Ethan deitado de costas,

ofegante e pervertido, sorrindo quando ele alcançou Jack para um mais beijo

“Diretor Irwin ” começou Jack. Sua voz era fúria fria e fusão nuclear, poder contido e esperando

para explodir. “Considero-o diretamente responsável pelos acontecimentos na Etiópia. ”

“Senhor... ” a voz de Irwin estremeceu.

“Cale a boca! ” Berrou Jack. "Você não pode falar! O tempo para falar foi antes desta viagem!

Antes, quando você deveria ter feito seu trabalho e nos informado toda a situação no chão! "

"Senhor! Não havia nenhuma evidência de rebeldes estrangeiros na Etiópia! Não houve relato

de atividade jihadista! " Irwin virou os olhos doloridos para Jack. "Meu pessoal me assegurou

que este seria um risco responsável."

"Um risco responsável?" Jack apertou seus braços, fisicamente segurando-se para não atacar.

"Dois dos meus agentes estão mortos, e toda uma equipe Marine! Eu quase fui morto! "

"Senhor..." Irwin olhou para baixo novamente, seus ombros caindo. "Eu não sei como isso

aconteceu."

"Bem, nós vamos descobrir. Espero sua renúncia antes de aterrissarmos em Washington. E você

comparecerá perante o Senado para responder por suas flagrantes falhas de inteligência. O

Congresso vai chegar ao fundo disso, e se eles acharem que está justificado, eles vão começar

uma investigação do DOJ. " Jack fez uma pausa. "Eu preferiria que o avião deixasse você na Síria e

deixasse você correr o risco, mas acho que ver você apodrecer na prisão vai trazer algum nível de

satisfação."

O diretor Irwin ficou em silêncio. Ele piscou e fechou os olhos. "Você terá minha renúncia em

uma hora, Sr. Presidente."

“Saia ” grunhiu Jack. "Eu não quero nunca ver seu rosto novamente."

* * * * *

A luz do sol atravessava uma janela aberta. Cortinas de neblina branca tremulavam em uma leve

brisa, lírios de stargazers e tigre balançavam em um vaso de cristal logo abaixo da janela,

colocados em uma mesa espelhada embutida com gravuras a ouro e mosaicos brilhantes feitos

de rubis, esmeraldas e safiras.

Ethan piscou, mantendo os olhos fechados antes de abri-los novamente. Ele virou a cabeça

lentamente; Ele não tinha certeza se ficaria em seu pescoço, o que com a batida atrás de seus

olhos e na base de seu crânio - e mais do quarto ornamentado veio à vista. Um espaço amplo,

palaciano, com pisos de mármore e colunas que levavam a uma varanda aberta. Havia um

candelabro de cristal em cima e um tapete turco espalhado pelo chão que custaria mais do que

a maioria das casas na América.

Ele estava deitado em uma cama larga e coberto em lençóis pegajosos. Suando, ele puxou-os

para trás, chutando-os lentamente. Seus pés emaranhados, e Ethan lutou através da lentidão

maçante de sua mente nebulosa. Ele reconheceu o toque de sedativos em seu sistema, e ele

respirou fundo enquanto sua cabeça nadava. Quando a tontura passou, ele tentou de novo, e

então ele estava livre dos lençóis enrolados.