REVISTA MAIS SEBRAE AGOSTO 2017

maissebrae

Edição de Agosto de 2017 da Revista Mais SEBRAE

A REVISTA DO EMPREENDEDOR GAÚCHO | Agosto 2017 | Ano 3 | Nº 8

Prepare

seu negócio

para o

futuro da

gastronomia!

Confira quais as principais

tendências para o segmento

pág. 10

Envelhecimento da população

impulsiona o setor de

residenciais geriátricos

pág. 14

Novas opções de cursos

on-line estão disponíveis no

portal do SEBRAE/RS

pág. 22


EDITORIAL

Todas as mudanças que estão acontecendo

no mundo, hoje, geram impacto nas

empresas, sejam elas micro, pequenas,

médias ou grandes. O SEBRAE/RS está

atento a este cenário, por isso destaca, na

presente edição da revista Mais SEBRAE,

tendências para importantes segmentos

da economia do nosso Estado e, consequentemente,

oportunidades para quem

já tem ou pensa em ter a própria empresa.

Os negócios de Alimentação fora do lar,

que são mais de 65 mil no Rio Grande do

Sul, precisam estar se renovando constantemente

para se manterem atrativos a

uma clientela cada mais informada e exigente.

É pensando nisso que anualmente

levamos empresários gaúchos para a

maior convenção mundial do segmento,

a NRA Show, em Chicago, nos Estados

Unidos, e cujas principais lições destacamos

na reportagem de capa desta edição.

O aumento da expectativa de vida do

gaúcho e do brasileiro é outro fator que

merece atenção dos empreendedores e,

consequentemente, do SEBRAE/RS. Até

2025, o Brasil terá 30 milhões de idosos,

conforme o IBGE. Um imenso público

consumidor de necessidades específicas,

principalmente no que tange à saúde e

ao bem-estar. As Instituições de Longa

Permanência de Idosos (ILPIs) são um

exemplo de negócio em expansão no

Rio Grande do Sul e que promete crescer

nos próximos anos, como mostramos na

reportagem Para Qualificar a Saúde.

Outro tema em destaque nesta edição

é a Mercopar 2017. Entre 3 e 6 de outubro

estaremos realizando mais uma edição

da feira já consagrada pela geração

de oportunidades e aproximação de micro

e pequenas empresas com grandes

corporações. Apesar do cenário nacional,

em evidência, a feira reforça seu posicionamento

como apoiadora da indústria

gaúcha e brasileira, na medida em que

oportuniza a geração de parcerias, novos

contatos, a concretização de negócios,

entre outros benefícios. O evento conta

com a participação de todos os empreendedores

interessados em melhorar ou

desenvolver suas empresas.

Por fim, apresentamos o resultado da união

de esforços da FARSUL, do SENAR-RS,

do SEBRAE/RS, do Sistema Fecomércio/

Senac-RS, do Senai-RS e da Embrapa

e que pode ser conferido de perto na

Expointer 2017: o Salão do Empreendedor.

O espaço chegou a Expointer 2017 ainda

mais robusto, destacando o impacto

que a integração entre o Agronegócio, a

Indústria, o Comércio e os Serviços gera

para a economia do nosso Estado através

de produtos fortes e de qualidade.

Boa leitura!

Carlos Rivaci Sperotto

Presidente do Conselho Deliberativo

Estadual do SEBRAE/RS

3


CONSELHO DELIBERATIVO

Presidente Conselho Deliberativo: Carlos Rivaci Sperotto

• Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A – BANRISUL

Titular: Luiz Gonzaga Veras Mota

Suplente: Irany de Oliveira Sant’Anna Júnior

• Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul – FIERGS

Titular: Heitor José Müller

Suplente: Marco Aurélio Paradeda

• CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Titular: Ruy Fernando Fajardo Kern

Suplente: Fábio Müller

• Centro das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul – CIERGS

Titular: André Vanoni de Godoy

Suplente: Marlos Davi Schmidt

• Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia - SDECT

Titular: Márcio Biolchi

Suplente: Evandro Fontana

• BANCO DO BRASIL S/A

Titular: Edson Bündchen

Suplente: Vanderlei Barbiero

• Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul –

FEDERASUL

Titular: Simone Diefenthaeler Leite

Suplente: Olmiro Cavazzola

• Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul – FARSUL

Titular: Carlos Rivaci Sperotto

Suplente: Fábio Avancini Rodrigues

• Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Rio Grande

do Sul – FECOMÉRCIO

Titular: Luiz Carlos Bohn

Suplente: Zildo De Marchi

• Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE

Titular: José Paulo Dornelles Cairoli

Suplente: Pio Cortizo Vidal Filho

• Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI/RS

Titular: Alexandre De Carli

Suplente: Murilo Lima Trindade

• Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul – FAPERGS

Titular: Odir Antônio Dellagostin

Suplente: Marco Antonio Baldo

• SENAR - RS - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Titular: Gilmar Tietböhl Rodrigues

Suplente: Valmir Antônio Susin

• FCDL- Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul

Titular: Vitor Augusto Koch

Suplente: Fernando Luis Palaoro

• BADESUL Desenvolvimento S/A - Agência de Fomento/RS

Titular: Susana Maria Kakuta

Suplente: Paulo Odone Chaves de Araújo Ribeiro

CONSELHO FISCAL

Titulares

• FEDERASUL: José Benedicto Ledur (Presidente)

• FIERGS: Gilberto Brocco

• FCDL/RS: Jorge Claudimir Prestes Lopes

Suplentes

• FECOMÉRCIO: Ivanir Antonio Gasparin

• Banco do Brasil: Carlomagno Goebel

• Caixa Econômica Federal: Pedro Amar Ribeiro de Lacerda

DIRETORIA EXECUTIVA DO SEBRAE/RS

Diretor-Superintendente: Derly Cunha Fialho

Diretor Técnico: Ayrton Pinto Ramos

Diretor de Administração e Finanças: Carlos Alberto Schütz

EXPEDIENTE

É uma publicação do SEBRAE/RS

desenvolvida pela Gerência de

Comunicação.

Coordenação e Edição:

Luciana Bueno Santos

Reportagem:

Josine Haubert, Karen Vidaleti

e Renata Cerini

Design Gráfico e Editoração:

Gilian Gomes

Foto de Capa:

iStock Fotos

Revisão Ortográfica:

Plural - Revisão Ltda.

Tiragem: 3 mil exemplares.

Aplicativo da revista Mais SEBRAE

disponível para Android e iOS.

FALE COM A REDAÇÃO:

sebraeimprensa@sebrae-rs.com.br

(51) 3216.5165/3216.5182

Contatos com o SEBRAE/RS:

• 0800 570 0800 - atendimento

gratuito de segunda a sexta-feira,

das 8h às 19h.

• www.sebrae-rs.com.br

O visitante pode fazer download

de publicações e no link “Agência

SEBRAE de Notícias” ficar sabendo

das novidades da instituição.

• www.sebrae.com.br

SEBRAE Nacional

• Espaço Pesquisa SEBRAE/RS

O acervo de livros, revistas, vídeos e

dicas de oportunidades de negócios

enfocando gestão empresarial

pode ser consultado em todas as

unidades Regionais do SEBRAE/RS.

Encontre a unidade mais próxima

de você na página Encontre o

SEBRAE do portal do SEBRAE/RS

(sebrae-rs.com.br).

4


SUMÁRIO

INDÚSTRIA 06

26ª edição da Mercopar ocorre entre os dias 3 e 6

de outubro, em Caxias do Sul

NOVIDADES E

OPORTUNIDADES

Ambiente on-line proporciona aprendizado de

gestão a empreendedores com flexibilidade e

dinamismo

22

POLÍTICAS

PÚBLICAS

Junta Digital permite o registro de empresas

integralmente via internet, dando ao processo

mais comodidade, segurança e agilidade

25

AGRONEGÓCIOS

28

5 TENDÊNCIAS DE

ALIMENTAÇÃO

FORA DO LAR

Projeto de integração lavoura-pecuária colhe

resultados expressivos no RS

FEIRAS

Salão do Empreendedor da Expointer apresenta

oportunidades do campo à mesa

32

CAPA 10

Fomos à maior convenção anual do segmento,

a NRA Show, em Chicago, nos Estados Unidos, para

conferir antes o que vem por aí na gastronomia

Siga o exemplo

CASOS DE SUCESSO

38

SERVIÇOS 14

Envelhecimento populacional impulsiona o setor

de serviços de residenciais geriátricos, que agora

conta com o programa Conexão Healthcare

FATOS E FOTOS 40

FRASES EM DESTAQUE 42

CASOS DE SUCESSO

18

Experiência da Elevittá Elevadores mostra que é

possível oferecer soluções em harmonia com as

necessidades das pessoas e das empresas

5


INDÚSTRIA

A FEIRA QUE

REÚNE AS

MAIORES

NOVIDADES

DA INDÚSTRIA

26ª edição da Mercopar ocorre entre os dias

3 e 6 de outubro, em Caxias do Sul

Renata Cerini

A

Mercopar é uma das maiores e

mais importantes feiras de subcontratação

e inovação industrial da

América Latina. Um evento que é realizado

há 26 anos e que reúne as mais variadas

tecnologias e tendências do segmento,

atraindo expositores e visitantes de todo o

continente. A edição deste ano ocorre entre

os dias 3 e 6 de outubro nos Pavilhões

da Festa da Uva, em Caxias do Sul.

Para o diretor Técnico do SEBRAE/RS, Ayrton

Pinto Ramos, a Mercopar é uma das

principais feiras, senão a única, com esse

perfil industrial no Brasil, em que no mesmo

espaço estão reunidas oportunidades

no setor metalmecânico, plástico, borracha,

automação industrial, entre outros.

“Já há sinais de um crescimento maior do

que no ano passado e, pelo menos, 85%

dos expositores de 2016 manifestaram a

intenção de continuar na Mercopar este

ano”, destaca. Quem participa da Mercopar

encontra um ambiente perfeito para

novos contatos e negócios.

6


INDÚSTRIA

Foto: Eduardo Rocha

“Além de apresentar as novidades

da indústria, o evento promove

a integração de todo o

mercado, possibilitando o contato

com clientes, concorrentes,

fornecedores e muito mais.”

Ayrton Pinto Ramos

Diretor Técnico SEBRAE/RS

A confiança é compartilhada pelo Diretor

Geral da Hannover Fairs Sulamerica, Valério

Regente. “Acreditamos na melhoria do

setor industrial e já há sinais positivos, mesmo

que timidamente, na indústria de base

e também de bens intermediários”, observa.

Para este ano, o executivo acredita no

crescimento da feira. “Em 2016, a Mercopar

ocupou um espaço de 6.600 metros quadrados,

agora devemos ampliar a área de

exposição em, pelo menos, 20%”, antecipa.

7


INDÚSTRIA

EMPREENDEDORES MOTIVADOS

Prevendo um cenário mais estável para a

economia do País, várias empresas já se

preparam para apresentar novidades durante

a feira. É o caso, por exemplo, da

Selltis, que participa da Mercopar há cerca

de dez anos e que pretende atrair um público

ainda mais focado neste ano. “Teremos

como atração principal a integração

entre a robótica e um torno CNC. Vamos

trabalhar muito forte neste aspecto, convidando

nossos clientes e demais empresários

para que nos visitem”, antecipa o Diretor

Comercial da empresa, André Vecchi.

Quem passar pelo estande verá de perto

o lançamento, no Brasil, de uma moderna

máquina de moldes de médio porte, com

15 mil rpms, novidade no mercado local,

em que se destaca justamente esta integração

do torno com a robótica.

“Nossa expectativa para este ano

é maior do que em 2016. Esperamos

por resultados positivos

em vários setores, especialmente

no agrícola.”

Andre Vecchi

Diretor Comercial Selltis

A empresa, inclusive, ampliou seu espaço

de exposição, justamente para poder

apresentar equipamentos de maior porte.

Fundada em 1996, a Selltis é referência na

comercialização de máquinas, acessórios,

treinamento e suporte técnico. Possui unidade

em Caxias do Sul e atende toda a região

Sul do País.

Outra empresa que se mostra otimista para

a edição deste ano da Mercopar é a Regal

Beloit do Brasil – Motores Marathon, que

8


INDÚSTRIA

tem parque fabril localizado em Caxias do

Sul. A estreia na feira aconteceu em 2016 e

a avaliação foi muito boa, já que o evento

proporcionou uma grande visibilidade.

“Nossos objetivos permanecem

sendo a fixação e o fortalecimento

da marca na região.”

José Valdir Araújo

Diretor Comercial Regal Beloit do Brasil

“Nossa expectativa para este ano é muito

positiva. Queremos aproveitar todas as

oportunidades que a feira nos proporciona”,

destaca Araújo. A empresa produz

motores para as mais diversas atividades,

incluindo equipamentos especiais para

usos específicos, sob consulta, com potência

até 2.400 KVA.

NÚMEROS DA FEIRA EM 2016

A Mercopar reúne uma grande quantidade

de visitantes e expositores em todas as suas

edições. Em 2016, mais uma vez, a Feira foi

sucesso de público, alcançando números

expressivos.

280

expositores

16 MIL

visitas

R$ 48 MILHÕES

em volume de negócios gerados

85%

dos expositores pretendem

participar da 26ª Edição

da Mercopar Rodada de Negócios

1.400

reuniões de negócios

61

empresas compradas

150

micro e pequenas empresas vendedoras

SEGMENTOS DA FEIRA

Metalmecânico • eletroeletrônico

automação industrial • movimentação e

armazenagem industrial • serviços • borracha

energia e meio ambiente • plásticos.

Foto: Eduardo Rocha

PARTICIPE DA MERCOPAR 2017

A Mercopar é uma realização do SEBRAE/RS

e da Hannover Fairs Sulamerica.

Interessados podem buscar informações pelo

e-mail mercopar@hanover.com.br,

site www.mercopar.com.br

ou pelo telefone 0800 701 4692.

9


CAPA

TENDÊNCIAS DE

ALIMENTAÇÃO

FORA DO LAR

Fomos à maior convenção anual

do segmento, a NRA Show,

em Chicago, nos Estados

Unidos, para conferir antes o

que vem por aí na gastronomia

Josine Haubert

10


CAPA

1

INGREDIENTES HIPERLOCAIS

Um paradoxo entre o resgate

às origens e o uso massivo

da tecnologia será verificado

nos bares, restaurantes, lancherias e

cafeterias do Brasil e do mundo muito em

breve. Esta é a promessa dos especialistas

do segmento e que foram conferidas

pelo SEBRAE/RS durante missão técnica

à National Restaurant Association (NRA)

Show 2017, maior evento do segmento

de foodservice do mundo, realizado

anualmente na cidade de Chicago, nos

Estados Unidos. Dentro das cozinhas, cada

vez mais, serão verificada a valorização

das procedências das matérias-primas

e redução do número de ingredientes

que compõem os produtos. Do outro

lado do balcão, aposta-se na agilidade

do atendimento através de máquinas

de autoatendimento, self checkout e

até drones para entrega a domicílio.

Estas movimentações refletem o

comportamento do consumidor, que

está mais atento à saúde e ao bem-estar

e disposto a pagar mais por agilidade

e qualidade nos serviços de pedido e

entrega dos seus alimentos.

Leia a seguir o detalhamento destas e de

outras tendências e prepare o seu negócio

para um futuro não tão distante.

Começou aos poucos. Timidamente,

as pessoas começaram a se interessar

mais pela procedência dos produtos

que levavam ao seu prato e valorizar

restaurantes e indústrias que privilegiam

produtores locais que usam pouco ou

nenhum tipo de aditivo químico na plantação.

Nos últimos anos, esta tendência

ganhou força. As feirinhas de produtos

locais se popularizaram, e os muitos supermercados

passaram a destinar parte

de suas gôndolas especialmente para os

produtos orgânicos. Os empresários que

ainda não estão acompanhando o movimento

devem ficar atentos, pois o tema

não vai retroceder nos próximos anos.

Pelo contrário, nos mercados de ponta,

já se pode perceber a valorização dos

ingredientes hiperlocais, ou seja, quando

o próprio restaurante é responsável

pelo cultivo do produto. “O consumidor

não quer mais alimentação artificial. Ele

busca produtos e cardápios mais simples,

com poucos e conhecidos insumos,

provenientes de produtores locais”,

analisa o coordenador da carteira de Alimentos

e Bebidas do SEBRAE/RS, Roger

Klafke. “É a retomada do saudável, da qualidade,

da preocupação com a sustentabilidade

dos restaurantes e empresas éticas,

da redução dos alimentos de origem animal.

E as pessoas estão dispostas a pagar

um pouco mais por isso”, complementa.

11


CAPA

2 3

EFEITO MASTERCHEF

A popularização dos reality shows e programas

de culinária como o MasterChef,

exibido pela TV Bandeirantes e apresentado

pela jornalista Ana Paula Padrão, estimulou

uma mudança no comportamento

do consumidor que impacta diretamente

no dia a dia de quem trabalha com o assunto,

conforme explica o especialista

do SEBRAE/RS: “Hoje o brasileiro entende

muito mais de comida do que antes.

Está mais interessado pelo tema e até se

arriscando no preparo de pratos mais elaborados

em casa”, diz Roger. Consequentemente,

o consumidor que chega até o

restaurante hoje está mais exigente e isso

reflete na operação do negócio. Ao mesmo

tempo que esta mudança de comportamento

exige mais qualificação do

empresário e do negócio, representa uma

grande oportunidade para o empreendedor

que souber capitanear o interesse do

público e criar uma relação com ele, seja

deixando a cozinha do restaurante mais

aberta, falando sobre os ingredientes com

o cliente ou mesmo ensinando as receitas.

COZINHA ÉTNICA

Outra tendência que reflete uma mudança

do comportamento do novo consumidor

é o interesse pela descoberta de novos sabores.

Uma pesquisa apresentada durante

a NRA Show, em Chicago, mostrou que

60% dos norte-americanos estão dispostos

a provar cozinhas de diferentes lugares

do mundo. Aqui no Brasil, pode-se aplicar

a tendência valorizando ingredientes das

diferentes regiões do País. “O restaurante

brasileiro também pode valorizar melhor

os itens sazonais do cardápio. A natureza

não oferece pinhão ou bergamota o ano

todo, por exemplo. Atentar o cliente para

isso e oferecer pratos com produtos da

estação podem ser uma oportunidade

para incremento de menu e promoções”,

alerta Roger.

MISSÃO À NRA SHOW

Anualmente, o SEBRAE/RS promove

missão empresarial a Chicago

durante o período de realização da

NRA Show. Além da Convenção, os

empresários que integram a comitiva

12


CAPA

4 5

SNACKFICATION

A chegada dos jovens da geração Y e Z,

nascidos na década de 80 e 90, à idade

adulta representa um importante impacto

para os empreendedores do segmento

de alimentação. Isso porque este público

tem um comportamento diferente do até

agora conhecido. “O novo consumidor é

acostumado a comer fora. Cresceu fazendo

suas refeições fora de casa e, por isso,

suas referências são mais amplas. Percebe-se

que este público não tem a cabeça

formatada para fazer as três refeições

- café da manhã, almoço e jantar - no horário

preestabelecido pela sociedade”, afirma

o coordenador do SEBRAE/RS. Para se

relacionar com estes jovens adultos, é importante

ter cardápio diverso e fracionado.

Uma opção é deixar o mesmo menu

disponível ao longo do dia, incrementar as

opções de produtos para “compartilhar” e

um cardápio cheio de “petiscos”, snacks

na língua inglesa.

TECNOLOGIA NOS SERVIÇOS

Se da cozinha para dentro é o minimalismo

e a simplicidade que ditam as tendências,

da cozinha para fora o que se vê é o oposto:

alta tecnologia e inovação do atendimento

ao delivery. Serviços inteligentes

como o da empresa Netflix, que oferece

o cardápio de vídeos de acordo com o

comportamento do usuário a partir do big

data, devem chegar aos restaurantes do

mundo, facilitando a decisão do consumidor

e, consequentemente, melhorando a

sua experiência de compra. Tótens e aplicativos

para o autoatendimento também

estarão cada vez mais presentes no dia

a dia do bares e restaurantes. A crescente

demanda por entrega de alimentos a

domicílio é outro ponto de alerta para os

empreendedores brasileiros. Nos Estados

Unidos, onde o delivery representa aproximadamente

60% do faturamento do

segmento, o serviço vem sendo aperfeiçoado

através da alta tecnologia. A rede

de fast food Chipotle, por exemplo, já está

testando drones para efetuar a entrega dos

pedidos na casa dos consumidores, com

resultados satisfatórios.

participam de visitas técnicas, previamente

agendadas pelo SEBRAE/RS, a bares,

restaurantes e outros lugares que são referência

no segmento de alimentação

fora do lar e que podem servir de inspiração

para os empreendedores. A comitiva

deste ano contou com a presença de 13

representantes de micro e pequenas empresas

gaúchas selecionados a partir de

chamada pública. Interessados em participar

do grupo no ano que vem devem

ficar atentos ao edital, que, normalmente,

é publicado no site da instituição nos meses

de janeiro e fevereiro.

13


SERVIÇOS

PARA

QUALIFICAR

A

SAÚDE

Envelhecimento

populacional

impulsiona o

setor de serviços

de residenciais

geriátricos, que

agora conta com o

programa Conexão

Healthcare

Karen Vidaleti

Nas últimas décadas, a população brasileira

tem passado por um processo de envelhecimento

que, ainda em curso, deve

posicionar o País como a sexta nação

em maior número de idosos em 2025.

Como grupo ocupacional que mais cresce

– quase triplicou de 1980 até 2000 –,

o desenvolvimento da população idosa

deve orientar os rumos dos serviços de

saúde. Isso inclui mudanças tecnológicas,

epidemiológicas, culturais e da organização,

assim como o mercado profissional.

Aos empreendedores, a estimativa da Organização

Mundial da Saúde (OMS) traz

perspectivas positivas, uma vez que indica

o aumento da demanda por serviços de

saúde e, por consequência, o aquecimento

do setor.

14


SERVIÇOS

Os idosos serão, aproximadamente, 30

milhões de pessoas no Brasil em 2025,

conforme estimativa do Instituto Brasileiro

de Geografia e Estatística (IBGE), o

que equivalerá a 15% da população. Com

participação cada vez maior na economia

do País, eles também têm movimentado

o consumo. A cada 10 idosos, sete integram

a classe média e possuem renda

familiar média de R$ 2,5 mil, proveniente

de aposentadoria e outras fontes, sendo

parte deste valor destinado à saúde e ao

bem-estar.

Um dos setores que devem ser aquecidos

diante deste cenário é o das Instituições

de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Entre os que se preparam para atender a

esse crescimento está Julio Jorge Morosino,

sócio do Villa Argento Residencial.

Com 24 anos de atividades, quatro unidades

e um escritório administrativo em Porto

Alegre, a empresa conta com cerca de

60 funcionários e 15 colaboradores (entre

médicos, psicólogos, fonoaudiólogos,

etc.) para atender a quase 80 residentes.

Na avaliação do empresário e engenheiro

biomédico, trata-se de um mercado

que teve início de maneira informal, um

cenário que, no entanto, está mudando.

Com sócios também especializados em

gestão na área de saúde, planos de ampliar

o negócio e projetos em andamento,

15


SERVIÇOS

Morosino identifica a profissionalização e

a qualificação da gestão como desafios

de quem empreende na área de residenciais

geriátricos. “Temos duas consultorias

e estamos montando rotinas, com procedimentos

operacionais padrão, e implementamos

um software de gestão onde

todas as unidades de Porto Alegre estão

integradas”, revela.

Pensamento semelhante tem o empreendedor

Thiago Lopes, proprietário do

Residencial Altos do Bela Vista, que conta

com quatro unidades de atendimento,

onde 40 profissionais atendem a cerca

de 60 residentes. Ele também reforça a

importância da qualificação e treinamento

adequado para fomentar o setor, mas

também diz que é preciso um esforço

conjunto para mudar a visão das pessoas

sobre os residenciais. “Uma dificuldade

que se encontra é desmistificar um pouco

o setor, pois ainda existe uma comparação

com asilos. O residencial trabalha

aperfeiçoando a questão de hotelaria e

assistência em saúde, qualidade de vida e

bem-estar. A família nos delega o cuidado

de saúde e fica mais voltada ao amor e

carinho”, compreende.

Para Morosino, as empresas que queiram

se diferenciar em um mercado que ganha

competitividade devem estar preparadas

para oferecer serviços de qualidade, mas

com extrema racionalização de custos.

Entretanto, manter uma filosofia de trabalho

com princípios, valores e metas também

é tarefa essencial. “Quando alguém

opta por um residencial, escolhe morar

em um lugar com segurança e privacidade,

mas onde não está sozinho. O nosso

trabalho é esse: cuidar”, sintetiza.

UNIÃO EMPRESARIAL,

SETOR FORTALECIDO

Atualmente, o Brasil representa o 6º maior

mercado mundial no segmento, segundo

o Ministério da Saúde. Dados coletados

pelo Censo 2010 mostram que o Rio

Grande do Sul concentra a maior população

de idosos do Brasil. Já Porto Alegre

é a capital brasileira com maior proporção

de idosos (15%). A cidade possui

uma população de 1.409.939 habitantes,

dos quais 212.000 têm 60 anos ou mais.

O envelhecimento da população e o aumento

da sobrevivência de pessoas com

redução da capacidade física, cognitiva e

mental dão novo fôlego às instituições de

longa permanência e, para qualificar e fo-

“O residencial trabalha

aperfeiçoando a questão de

hotelaria e assistência em

saúde, qualidade de vida e

bem-estar. A família nos delega

o cuidado de saúde e fica mais

voltada ao amor e carinho”

Thiago Lopes

Empreendedor

16


SERVIÇOS

mentar o setor, o SEBRAE/RS, em parceria

com o Sindicato dos Hospitais e Clínicas

de Porto Alegre (Sindihospa), desenvolveu

o programa Conexão Healthcare.

“Este é um dos segmentos

que mais cresce e

necessita do setor de

saúde de excelência”

Henri Chazan

Presidente do SindiHospa

O objetivo é potencializar a geração de

negócios entre as empresas que atuam

nos elos da cadeia de valor da saúde, no

segmento das geriatrias. “O mercado de

saúde continua a se aquecer e apresentar

novas e melhores propostas para atender

essa mudança do perfil sociodemográfico

da população, que, em breve, será a maior

consumidora de seus produtos e serviços,

principalmente os especializados no

cuidado ao idoso, conhecer suas necessidades

é fundamental para uma iniciativa

mercadológica eficaz”, sustenta o gestor

do projeto no SEBRAE/RS, Lucas Alves.

Dados do Sindihospa indicam que, aproximadamente,

600 residenciais, entre

instituições formais e informais, estejam

instalados na capital gaúcha. “Este é um

dos segmentos que mais cresce e necessita

do setor de saúde de excelência.

As pessoas estão vivendo mais tempo e

com qualidade, precisando de serviços

de saúde e bem-estar, que muitas vezes

são oferecidos por pequenas empresas e

que precisam de uma gestão qualificada”,

acrescenta o presidente do Sindihospa,

Henri Chazan.

Ao longo de dois anos, 15 empresas selecionadas

participarão das atividades do

Conexão Healthcare, que incluem ações

com foco no aprimoramento da gestão

e na geração de negócios, como compras

conjuntas, iniciativas de cooperação,

mapeamento das demandas, oficinas de

marketing e comunicação, além de consultorias

realizadas nas empresas. “O programa

Conexão Healthcare reúne um

grupo de empresários que, aos olhos da

sociedade, é concorrente, mas trabalha

em prol da sociedade, com benefícios e

retorno positivo para o cliente. O que o

programa proporcionar em compras, por

exemplo, reflete em melhorias para os

nossos clientes”, complementa o empresário

Thiago Lopes, que também representa

o Comitê de Residenciais Geriátricos

do Sindhospa.

Focos estratégicos do programa

Conexão Healthcare:

• Gestão por processos para mapeamento

de gargalos e oportunidades;

• Melhorar a produtividade das empresas

participantes;

• Promoção da conexão às oportunidades

de negócios entre os elos da cadeia;

• Promoção do relacionamento cooperativo

entre fornecedores e demandantes.

QUER PARTICIPAR?

Para saber mais, entre em contato pelos

telefones (51) 3213-1566 e 99791-3111, ou

pelo e-mail lucasa@sebrae-rs.com.br.

17


CASOS DE SUCESSO

UM NEGÓCIO DE

ACESSIBILIDADE

18


CASOS DE SUCESSO

De uma experiência de restrição de

acesso surgiu uma possibilidade

de negócio. Somada à formação

técnica, ao conhecimento do setor, relacionamento

pessoal e empresarial e às

parcerias obtidas, essa oportunidade deu

origem à Elevittá Elevadores. Com sede

no município de Aratiba, no extremo norte

do Estado, a empresa desenvolve soluções

relacionadas à acessibilidade para

pessoas com deficiências ou com mobilidade

reduzida (idosos) nos meios de

transporte coletivo, e se destaca por oferecer

um produto inovador. Trata-se de

um elevador para embarque de cadeirantes

diferente dos encontrados no mercado.

A tecnologia, patenteada, é capaz de

buscar o usuário fora do veículo.

19


CASOS DE SUCESSO

A ideia que deu origem à Elevittá foi alimentada

desde 2011 e, há cerca de quatro

anos, foi formalizada em empresa.

Em um determinado dia, Dayton Espig

deparou-se com a necessidade de utilizar

uma cadeira de rodas para locomover-se.

Se inicialmente o equipamento lhe permitiu

sair da cama e circular de forma

independente, por outro lado, fora do

quarto do hospital, encontrava restrições

de acesso, como calçada mal projetada,

degraus, escadas, corredores estreitos,

etc. Estes, segundo ele, foram os motivadores

que inspiraram a criação da empresa,

desenvolvida ao lado do sócio Erivelto

Soares Weinert.

Assim como melhorar as condições de

acessibilidade, a proposta da empresa consiste

também em oferecer soluções em harmonia

com as exigências do setor e com

as necessidades dos empresários. “Nossos

projetos mudam não somente a condição

técnica de acessibilidade. Eles são utilizados

como ferramentas que impulsionam o público

a realizar uma análise do dia. Eles demonstram

que existem maneiras diferentes

de se resolver problemas”, diz Espig.

OLHAR ESTRATÉGICO

Aproximadamente um ano de trabalho

foi dedicado a estudos de mercado, análises

de produtos existentes e de necessidades.

Para o desenvolvimento do protótipo,

os sócios contaram ainda com

aplicação de pesquisa junto ao público-

-alvo. Com o apoio da Associação de Deficientes

Físicos de Aratiba, eles testaram

equipamentos e aperfeiçoaram o projeto.

Também apresentaram o projeto aos departamentos

de transporte do Inmetro e

ABNT.

“No transporte rodoviário, viajar

na cadeira de rodas não é

possível. A ideia não é fazer

o cadeirante ir até a poltrona,

mas fazer a poltrona ir até ele.

Na pesquisa, percebemos que

as pessoas não gostam de ser

carregadas. Pensamos em facilitar

o embarque, para que pudessem

fazê-lo sem passar por

constrangimentos ou riscos.”

Erivelto Soares Weinert

Sócio Elevittá

O empresário conta que, desde o início

do projeto, contou com o apoio do

SEBRAE/RS. “Participamos de programas

que nos abriram portas. Conhecemos

pessoas de projetos semelhantes, aperfeiçoamos

a parte comercial e também

de liderança, e certificamos a empresa”,

relata. Da mesma forma, Espig enfatiza

a importância da parceria, a qual credita

muitas das conquistas obtidas nesta caminhada.

O gestor de Projetos da Indústria – Regional

Norte do SEBRAE/RS, Gladistom

Deliberali, reforça o diferencial da empresa,

que vem realizando capacitações e

consultorias na área de gestão, além de

integrar o Projeto Metal Norte – dedicado

a diversificar mercados para o setor

metalmecânico – e, mais recentemente,

o programa Rumo ao ISO, voltado à obtenção

do ISO 9001, norma que certifica

um sistema de gestão de qualidade.

20


CASOS DE SUCESSO

Foto: Divulgação

“Trabalhamos inovação, liderança

e mercado, estamos

ajudando a estruturar a área

comercial. Hoje, a Elevittá tem

contratos com as principais

encarroçadoras do Brasil e

contatos com empresas do

exterior, onde já exportam o

produto. Além de ser uma empresa

inovadora, atende a uma

causa social muito nobre.”

Gladistom Deliberali

Gestor de Projetos da Indústria – Regional

Norte do SEBRAE/RS

ESFORÇO COM RESULTADO

A tecnologia criada pela Elevittá, atualmente,

é fornecida aos principais fabricantes

de ônibus do Brasil, permitindo

que o dispositivo de poltrona móvel seja

utilizado em países como Uruguai, Chile,

Panamá, El Salvador, Costa Rica e Nicarágua.

No ano passado, a empresa firmou

parceria com uma fabricante de ônibus

chinesa, o que possibilitou que seus sistemas

sejam instalados em território asiático

e demonstrando que a tecnologia

começa a se tornar global. “Queremos

possibilitar que todos consigam perceber

o potencial que cada ser humano possui

e que limitados são, sim, nossos pensamentos

com tais restrições”, frisa Espig,

ao lembrar que a sociedade, por vezes,

tem visão distorcida em relação às pessoas

com deficiências.

Para este ano, que marca um período

de mudança para o mercado de ônibus,

a entrada em vigor de uma portaria do

Inmetro deve estimular os resultados da

empresa. Pela norma, passa a ser exigido

que os ônibus rodoviários saiam da

fábrica com elevador. Por isso, a estimativa

é obter números superiores aos alcançados

em 2016, quando registrou um

crescimento na ordem de 800%. Para

atender à demanda, a expectativa da empresa

é quase quintuplicar a capacidade

de produção. KV

21


NOVIDADES E OPORTUNIDADES

EDUCAÇÃO

A DISTÂNCIA

ENCURTA

CAMINHO

ATÉ O

CONHECIMENTO

Ambiente on-line

proporciona

aprendizado

de gestão a

empreendedores

com flexibilidade

e dinamismo

22


NOVIDADES E OPORTUNIDADES

Já imaginou poupar algumas horas

de trânsito e dedicá-las ao aprendizado?

A mesma tecnologia que

conecta pessoas também amplia oportunidades

de acesso ao conhecimento.

As opções de educação a distância (EAD)

são, cada vez mais, procuradas por quem

busca atualização constante, flexibilidade

de horários, economia de tempo com

deslocamentos ou melhor aproveitamento

do tempo livre.

Dividindo-se entre a gestão do próprio negócio,

a rotina materna e as aulas na universidade,

a empreendedora Sandra Helenara

Laurindo Soine encontrou no EAD

do SEBRAE uma forma de complementar

os ensinamentos e agregar novos conceitos

ao salão de beleza que mantém em

Taquara. “Já fiz mais de 20 cursos, sempre

on-line, que me ajudaram com o negócio”,

afirma.

Os cursos possuem formatos diversos e

podem ser acessados a partir de diferentes

dispositivos, como computadores, tablets e

celulares. Ao todo, Sandra realizou 22 capacitações,

com foco especialmente na área

de gestão e temas como finanças e legislação.

“Vale a pena. Já consegui agregar muita

coisa ao negócio, apesar de que a crise

abateu muito a área da beleza, mas não

podemos desanimar”, diz ela, que há nove

anos empreende no setor.

Servidor público e estudante de Administração,

Samuel Karpss Rota tem o plano

de empreender futuramente e aposta nos

cursos a distância para complementar o

aprendizado da sala de aula. Ele conta

que conheceu o EAD do SEBRAE durante

o Desafio Empreendedor 2016 e, hoje, já

soma 29 cursos concluídos.

“Tenho o desejo de ter o meu

próprio negócio no futuro. Dei

maior atenção àqueles que

tinham relação com gestão de

pessoas, marketing e planejamento.

Há cursos bem produtivos,

a gente adquire conhecimento

e atualiza temas

vistos em aula.”

Samuel Karpss Rota

Servidor público e estudante de Administração

A educação a distância ganhou

ainda mais opções em Junho,

quando, além do portfólio das

capacitações disponíveis no

SEBRAE Nacional, os empresários

de micro e pequenas empresas

e futuros empreendedores

passaram a contar com

novas soluções desenvolvidas

pelo SEBRAE/RS. “As soluções

abordam os escopos de pessoas,

mercado e vendas, finanças,

planejamento, empreendedorismo,

inovação e organização.

Há opções com temáticas adequadas

a qualquer tipo de setor

e algumas específicas, como as

focadas no agronegócio”, explica

a técnica Marie Christine

Fabre, responsável pelo EAD do

SEBRAE/RS.

23


NOVIDADES E OPORTUNIDADES

As capacitações estão agrupadas em

uma plataforma que pode ser acessada

através do novo portal do SEBRAE/RS. As

soluções trazem formatos diferenciados,

como videoaulas, webséries, e-books e

infográficos, além de palestras e seminários

on-line. Conforme a gerente de Soluções,

Ana Claudia Monticelli, a proposta é

“levar informação e capacitação de gestão

a empresas de pequeno porte e também

ao futuro empreendedor, através da educação

a distância”.

EVOLUÇÃO E ATUALIZAÇÃO

Pesquisas, evolução do acesso à internet,

tendências mobile e de educação de adultos

auxiliaram na definição dos formatos

aplicados às capacitações. A modalidade

foi pensada para potencializar o alcance

das informações, de acordo com Marie. É

o caso do formato videoaula, que torna o

conteúdo ainda mais atrativo aos empreendedores.

Ao todo, são cerca de 120 produtos disponíveis

no ambiente on-line, sendo mais de

100 deles inéditos, detalha Marie. Segundo

Ana Claudia, a iniciativa está alinhada

ao momento vivido pelos empresários de

micro e pequenas empresas.

“Estamos acompanhando a

forma que o mercado está

evoluindo, como a tecnologia

tem influenciado no dia a dia

das pessoas e a necessidade de

otimizar o tempo. É necessário

investir na questão digital, de

educação a distância e, com

base nisso, desenvolvemos um

portfólio próprio de soluções

estruturadas e atualizadas para

esse cenário.”

Ana Claudia Monticelli

Gerente de Soluções

As capacitações EAD se somam às demais

soluções oferecidas pelo SEBRAE/RS,

como as palestras on-line, seminários, materiais

específicos de leitura, como e-book

e infográficos desenvolvidos com foco

no entendimento rápido. “São conteúdos

modernos e atrativos, dentro das principais

áreas priorizadas e contempladas”, sintetiza

Ana Claudia. KV

24


POLÍTICAS PÚBLICAS

JUNTA DIGITAL:

RUMO À SIMPLIFICAÇÃO

Ferramenta permite o registro de empresas integralmente

via internet, dando ao processo mais comodidade,

segurança e agilidade

O

Rio Grande do Sul dá mais um passo

em direção à modernização e

à desburocratização de processos

na área de registro empresarial. Desde abril,

o empreendedor gaúcho pode contar, oficialmente,

com a Junta Digital, serviço que

proporciona mais agilidade na constituição,

alteração e baixa de empresas. Com processos

realizados integralmente de forma

eletrônica, sem a necessidade de impressão

de documentos, a ferramenta utiliza assinatura

virtual, o que confere mais segurança

jurídica e confiabilidade. São mudanças

que, além de garantir maior acessibilidade

e comodidade ao empresário, prometem

tornar o registro empresarial ainda mais

simples.

Conforme o secretário-geral da Junta Comercial,

Industrial e Serviços do Rio Grande

do Sul (Jucis-RS), Cleverton Signor, este

é um importante avanço para a cadeia de

negócios do Estado, uma vez que inclui a

redução das etapas antes necessárias para

a constituição de empresas.

“Este é um ganho muito grande,

especialmente por ser um serviço

universalizado, uma ferramenta

que estará disponível 24

horas e sete dias por semana.

Hoje, a Junta Comercial atende

das 10h às 16h, porém, o

sistema passa a estar disponível

a qualquer momento, a quem

precisar dele.”

Marcio Francisco Benedusi

Técnico da Gerência de Políticas Públicas

SEBRAE/RS

25


POLÍTICAS PÚBLICAS

Enquanto o modelo anterior exigia que o

empreendedor imprimisse os documentos

e levasse até a junta comercial ou escritório

regional, a fim de protocolar e dar andamento

na intenção de constituição, alteração

ou baixa de sua empresa, a tecnologia

agora implementada modifica o procedimento

para a forma eletrônica, provocando

uma transformação significativa. “Antes do

lançamento da Junta Digital, o tempo de

registro na Junta Comercial levava, em média,

oito dias com o documento em papel.

Hoje, neste novo formato digital, a abertura

de uma empresa poderá ser feita em até

dois dias”, ressalta o técnico da gerência

de Políticas Públicas do SEBRAE/RS, Marcio

Francisco Benedusi.

Contadora e diretora da Moresco Contabilidade,

Ana Paula Mocellin Queiroz realizou

a primeira demonstração da ferramenta,

durante a cerimônia de lançamento realizada

em abril, no Palácio Piratini. Para ela, a

ferramenta vem para simplificar e facilitar a

vida de contadores e empreendedores. “A

possibilidade de abrir uma empresa do nosso

escritório – ou de qualquer outro lugar

– e do cliente realizar a assinatura digital de

onde estiver é um avanço muito importante.

A tecnologia encurta distâncias e deve

ser utilizada para os negócios no mundo

empresarial e para fomentar a economia

do nosso Estado e País”, acredita.

GANHO PARA A ECONOMIA

A Junta Digital gaúcha foi inspirada no modelo

pioneiro adotado pela Junta Comercial

de Minas Gerais (Juce-MG), em parceria

com o SEBRAE Nacional. Através de

convênio firmado em 2014, o SEBRAE/RS

e a Jucis-RS deram início aos esforços

para implantar a Rede Nacional para Simplificação

do Registro e da Legalização de

Empresas e Negócios (Redesimples) nos

municípios gaúchos. A iniciativa foi responsável

pela integração de órgãos estaduais

e municipais, além de contribuir com a digitalização

do acervo de documentos da

Junta Comercial, composto por, aproximadamente,

24 milhões de documentos, que,

na forma física, chegaram a ocupar três andares

da sede da instituição.

Os resultados obtidos por meio da implantação

da Redesimples fizeram o Rio

Grande do Sul ser escolhido para receber

o projeto da Junta Digital. “Até o momento,

temos 80 municípios gaúchos integrados,

o que significa 60% das micro e pequenas

empresas gaúchas e, até dezembro de

2017, a meta é atingir 100 municípios integrados,

representando 87% das micro e

pequenas empresas do Rio Grande do Sul”,

explica Benedusi.

26


POLÍTICAS PÚBLICAS

Para Ana Paula, a reunião dos registros federais,

estaduais, municipais e órgãos licenciadores,

obtida através da Redesimples

e da Junta Digital, diminuirá a burocracia,

economizando papel, aumentando a segurança

e entregando à sociedade outro

benefício: a celeridade.

“O cliente da Junta passa a ter a

possibilidade de fazer um registro

de forma rápida e de qualquer

lugar, a qualquer hora do

dia ou da noite. Agora, durante

o processo de abertura e/ou

legalização de empresas, é a

informação que circulará e não

mais as pessoas.”

Ana Paula Mocellin Queiroz

Contadora e Diretora da Moresco Contabilidade

A modernização trazida pela Junta Digital

também deve permitir ao governo uma

visão mais abrangente sobre o desenvolvimento

e comportamento empresarial, já

que o levantamento de informações, antes

feito de forma manual, agora terá o auxílio

da tecnologia. “Estamos migrando para um

sistema mais atual, que possibilita o gerenciamento

de dados regionais e poderá nos

dar informações estratégicas sobre as atividades

implementadas no Rio Grande do

Sul”, destaca o secretário-geral da Jucis-RS.

A contribuição para a economia do Estado

também é lembrada por Ana Paula. “O

empreendedorismo precisa de espaço, de

incentivo. A Junta Digital traz agilidade nos

registros necessários para empreender. Assim,

o contador pode realizar seu trabalho

de maneira mais rápida e o empreendedor

dedicar-se ao fomento e ao crescimento

do seu negócio. Com isso, todos ganham –

o contador, o empreendedor e a economia

do Rio Grande do Sul”, afirma.

FACILIDADES E BENEFÍCIOS PARA

O EMPREENDEDOR

• Serviço disponível a qualquer momento.

• Mobilidade.

• Elimina deslocamento até a Junta

Comercial ou escritórios regionais.

• Reduz custos para o registro

de documentos.

• Reduz prazo para o registro

de documentos.

• Não é necessário apresentar (anexar) documentos

pessoais (RG, CPF, comprovante

de endereço). Neste caso é necessário

possuir certificado digital A3 (e-CPF) para

assinar o documento eletronicamente.

KV

27


AGRONEGÓCIOS

Integração

LAVOURA-

PECUÁRIA

colhe resultados

Números conquistados com projeto garantiram

a extensão das ações, realizadas através do

programa Juntos para Competir

28


AGRONEGÓCIOS

Solo mais fértil, produtividade e rentabilidade.

Estes são alguns dos ganhos

obtidos por cerca de 70 produtores

rurais, integrantes do projeto Integração Lavoura-Pecuária

(ILP), do programa Juntos

para Competir, realizado através da parceria

entre FARSUL, SENAR-RS e SEBRAE/RS. A

iniciativa teve início como um projeto-piloto

na região Noroeste do Estado, em 2015,

e capacita para a adoção de sistemas de

produção baseados na integração entre atividades

de agricultura e pecuária em uma

mesma área da propriedade. Os resultados

alcançados até o momento não só valorizam

o modelo de revezamento de culturas,

como fortalecem o trabalho e indicam a capacidade

de expansão do projeto.

Com um cronograma de ações aplicadas ao

longo de três anos, o programa inclui diagnóstico

da propriedade, cursos em grupos

e consultorias individualizadas. “O projeto

conta com 74 produtores participantes, que

vêm recebendo consultorias tecnológicas

em Sistemas Integrados, capacitações em

ferramentas da qualidade, consultorias em

adequação ambiental, cursos sobre manejo

e conservação de solo, capacitação na Norma

Regulamentadora 31 (que versa sobre

manejo correto e seguro de agrotóxicos),

programa de indicadores de desempenho

(econômico e financeiro), além de visitas a

propriedades em que o sistema ILP já está

consolidado, dias de campo, seminários,

etc”, explica a gestora do projeto na Regional

Noroeste do SEBRAE/RS, Eloisa Muxfeldt

Arns.

No município de Caibaté, um dos participantes

é Airton Gonçalves Joaquim, dono

da Agropecuária Joaquim. A propriedade -

que antes do programa se dedicava ao plantio

de lavouras (soja, milho, trigo e aveia), rotação

de culturas e pecuária de cria - passou

por uma série de mudanças de processos,

otimizando aspectos como o controle sanitário

e o manejo e uso das pastagens. Como

resultados preliminares constatam-se a me-

29


AGRONEGÓCIOS

“Há melhoria em

produtividade e renda.

Com acompanhamento

e novas técnicas,

melhoramos as condições

de produção e a forma de

pensar os custos.”

Airton Gonçalves Joaquim

Dono da Agropecuária Joaquim

lhoria nas condições do rebanho de cria e o

aumento da capacidade de suporte. Com

três décadas de trabalho dedicadas à agricultura,

ele enfatiza a necessidade de preservar

aquela que é matéria-prima para o

produtor rural. “Um dos pontos principais

do programa é conservação de solo e esse

é o alicerce para o nosso trabalho”, ressalta.

Com o aprimoramento do conhecimento

técnico e a adoção de procedimentos, o

empreendedor rural também percebe mais

eficiência no gerenciamento da propriedade.

“Há melhoria em produtividade e renda.

Com acompanhamento e novas técnicas,

melhoramos as condições de produção e a

forma de pensar os custos - esse é um dos

fatores que o programa proporciona. Quando

sabemos os custos e os ganhos, pode-

mos reparar as perdas e ampliar o que está

dando lucro”, afirma.

Em São Miguel das Missões, a Fazenda

Nascimento, do produtor Pedro Motchi

Nascimento, também recebe capacitação

e adapta suas operações. Assim como a

Agropecuária Joaquim, a propriedade, que

há cerca de cinco anos introduzia o gado

na pastagem durante o inverno, ganhou em

domínio do sistema de Integração Lavoura-Pecuário

e em controle de gestão. Hoje,

Motchi valoriza o aprendizado obtido. “Depois

que começamos com o programa, conhecemos

e começamos a pôr em prática

as técnicas, com o manejo correto, os cuidados

com o solo. O que começou como

uma experiência se tornou uma realidade

para nós”, comenta.

Além da pecuária extensiva, com pastagem

de gado durante o inverno, na lavoura, a

Fazenda Nascimento utilizava o sistema de

parceria durante o verão, o que acarretava

em carga excessiva. Entre as mudanças

perceptíveis estão o aumento na produção

de terneiros, maior produtividade de soja

nas áreas de ILP, melhora na capacidade

de suporte no inverno e no verão na área

de melhoramento do campo. “No primeiro

encontro que tivemos, não tínhamos uma

programação definida do que acontecia na

nossa propriedade. Na segunda rodada, já

conseguimos perceber uma rentabilidade

melhor. Nesses três anos (a serem concluídos

em 2018), sem dúvida, teremos um resultado

significativo”, projeta.

30


AGRONEGÓCIOS

PROPRIEDADE FORTALECIDA

Embora nos últimos dois anos, o projeto

tenha operado no Noroeste do Estado,

beneficiando produtores dos municípios

de Caibaté, Joia, Santo Ângelo,

São Luiz Gonzaga e São Miguel das

Missões, os resultados positivos foram

suficientes para embasar sua expansão.

Ao longo de 2017, a ação passa a contemplar

320 agricultores, com a abertura

de quatro novos projetos, voltados

às regiões Planalto, Sul, Campanha e

Fronteira Oeste. A estratégia, explica o

coordenador de projetos da Gerência

Setorial do Agronegócio do SEBRAE/RS,

Pedro Brites Pascotini, busca fomentar

a adoção de tecnologias para a integração

de agricultura e pecuária entre os

participantes, bem como desenvolver

aspectos mercadológicos, tratando a

propriedade rural como um negócio.

Outro aspecto destacado por Pascotini

consiste no empoderamento do produtor,

proporcionado através do processo

de treinamento e aprendizado. “Quando

passa a ter capacitação continuada,

o produtor tem um empoderamento

técnico e gerencial. Isso representa uma

capacidade maior nas tomadas de decisão

e melhor condições para administração

da propriedade”, compreende. KV

Na perspectiva do especialista, a adoção

da ILP proporciona maior rentabilidade

e sustentabilidade, a partir do aumento

da eficiência produtiva e da redução de

custos, o que alia o viés econômico ao

ambiental. “Com os sistemas ILP, estamos

intensificando atividades dentro

da propriedade, de forma sustentável.

Passa-se a produzir mais por unidade

de área, representando um aumento

da liquidez financeira e resiliência econômica

do negócio. Com maior eficiência,

a propriedade ganha como um

todo”, esclarece, ao lembrar, ainda, que

este é um modelo de produção cientificamente

comprovado como mitigador

de impactos ambientais.

31


FEIRAS

SALÃO DO

EMPREENDEDOR

APRESENTA

TENDÊNCIAS E

OPORTUNIDADES

do campo

à mesa

Visitantes da Expointer conhecem

modelos e inovações para geração de

negócios em sete cadeias produtivas

32


FEIRAS

Disseminação do conhecimento,

troca de experiências e geração

de negócios. Estes são apenas

alguns dos elementos que movimentam

o Salão do Empreendedor, na 40ª edição

da Expointer, entre 26 de agosto e

3 de setembro. Fruto de parceria entre

FARSUL, SENAR-RS e SEBRAE/RS, através

do programa Juntos para Competir,

Fecomércio/Senac-RS e Senai/RS, com

apoio da Embrapa, a iniciativa apresenta

oportunidades aos produtores rurais

que estão em busca de melhorias para

implantar em seus sistemas produtivos;

aos potenciais empresários, investidores

e empreendedores no ramo do agronegócio;

e aos empresários de forma geral,

independentemente da área de atuação.

Nesta edição, todo o conteúdo e as atrações

interativas proporcionadas pelo Salão

do Empreendedor estão vinculadas à

ideia de mostrar a cadeia produtiva dos

segmentos apresentados, dentro da visão

“Do campo à mesa”, que relaciona

a conexão dos produtos do campo, os

meios de processamento e a oferta ao

consumidor. “O destino do que o campo

produz, com qualidade e eficiência, é

para o consumidor final. É preciso a sinergia

das cadeias produtivas para a melhor

entrega. Entenda-se: cuidado desde

o plantio, no campo; a transformação,

na indústria; e a entrega diferenciada ao

consumidor final, no comércio e serviços”,

explica o diretor-superintendente

do SEBRAE/RS, Derly Fialho.

“Quando as cadeias produtivas

funcionam bem,

todos ganham. É isso que

estamos propondo no Salão

do Empreendedor, parceria

das entidades que fazem o

elo dessas cadeias, FARSUL,

SENAR-RS e SEBRAE/RS, Senai-RS

e, Fecomércio/Senac,

com apoio da Embrapa.”

Derly Fialho

Diretor-superintendente do SEBRAE/RS

33


FEIRAS

Uma programação dinâmica, composta

por formatos diferenciados e conteúdos

estratégicos, envolve o público

no ambiente de 1.400 m², localizado

no pavilhão Internacional do Parque de

Exposições Assis Brasil, em Esteio. Os

visitantes podem conferir diversas atividades,

como capacitações, atendimento

e orientações nos diversos espaços

previstos, oficinas, palestras e atividades

interativas, criadas para estimular a criatividade

e oferecer ideias para melhorar os

empreendimentos e/ou para a criação

de novos negócios.

O compartilhamento de informações e

o destaque para inovações e oportunidades

valiosas ao produtor e empreendedor

rural são, para o superintendente do

SENAR-RS, Gilmar Tietböhl, diferenciais

do Salão.

“Nesta gestão de esforços,

o importante é poder

mostrar a correlação entre

todos os elos da cadeia

produtiva, ou seja, o quanto

um setor depende do outro.

A harmonia entre eles é o

que garantirá a produção

saudável, a renda e a

qualidade do produto.”

Gilmar Tietböhl

Superintendente SENAR-RS

34


FEIRAS

Leite e derivados

Vitivinicultura

Apicultura

Horticultura

Olivicultura

Ovinocultura

Pecuária

de corte

As sete

cadeias estão

representadas

através de

demonstração

de processos

produtivos e

representação

de tecnologias

e equipamentos

utilizados na

cadeia produtiva.

VISÃO DE CADEIA

Pelo segundo ano na feira, que é considerada

uma das principais do setor agropecuário

na América Latina, este Salão

do Empreendedor tem sua programação

orientada a partir de sete segmentos

selecionados por seu potencial de

desenvolvimento no Rio Grande do Sul.

São eles: Apicultura, Horticultura (Fruticultura

e Olericultura), Leite e derivados,

Olivicultura, Ovinocultura, Pecuária de

Corte e Vitivinicultura. “O foco está no

negócio, com o olhar de cadeia, fortalecendo

a apresentação de produtos e

tecnologias”, afirma o diretor Técnico do

SEBRAE/RS, Ayrton Pinto Ramos.

As sete cadeias estão representadas através

de diferentes temáticas. Em Inovação

e Tecnologia, são apresentadas tecnologias

e inovações tecnológicas de ponta,

além de demonstração de processos

produtivos, representação de tecnologias

e equipamentos utilizados na cadeia

produtiva destes segmentos. A Arena do

Conhecimento está dedicada à realização

de palestras, debates, workshops e

outras atividades focadas em troca de

conhecimentos.

Na tradicional e atrativa Vitrine da Carne

Gaúcha, são oferecidas oficinas demonstrativas

de desossa e cortes. O Salão

do Empreendedor ainda abre espaço

para a mostra de produtos e derivados

oriundos das sete cadeias produtivas

abordadas neste ano, além de degustação,

em ambiente que permite ao público

visitante acompanhar a preparação

de pratos, experimentação e harmonização.

Paralelamente, acontece o Salão

35


CAPA FEIRAS

Digital, que leva os conhecimentos ofertados

no Salão do Empreendedor para

o ambiente on-line, através do portal do

SEBRAE/RS.

Dessa forma, quem passa pelo local tem

uma experiência de imersão em tendências

e oportunidades identificadas

nos segmentos explorados. O visitante

compreende melhor, por exemplo,

questões como produção e sanidade da

carne; assim como novas tecnologias

que vêm para contribuir com a horticultura.

“Apresentamos uma série de conceitos

de forma pioneira e realçamos a

inovação, a tecnologia, a qualidade e a

apresentação do produto junto ao público

consumidor”, esclarece o diretor

Técnico do SEBRAE/RS.

Também está no centro das atividades

o conceito de sustentabilidade de negócio

nos segmentos escolhidos para

compor o conteúdo desta edição.

“Colocamos em debate, por exemplo,

quais são os modelos de negócio mais

adequados para a apicultura, a olivicultura,

o leite... A conexão com o empreendedorismo

e o olhar sobre a cadeia

de produção do Estado são constantes

nas palestras, workshops, debates e atividades

que incentivam a troca de conhecimento”,

ressalta.

Foto: Fagner Almeida

36


FEIRAS CAPA

Foto: Fagner Almeida

“A grande ideia do Salão do

Empreendedor é mostrar

como se faz e o que está

envolvido na produção de

itens do dia a dia – detalhando

cuidados, técnicas e tecnologia

– e, claro, além disso, gerar

oportunidades de negócios.”

Fabio Avancini Rodrigues

Diretor da FARSUL

EVOLUÇÃO E ADAPTAÇÃO

Na edição anterior, cerca de 14 mil pessoas

visitaram o Salão do Empreendedor

durante a Expointer. Deste total, 27%

do público eram produtores rurais, e o

restante, público do meio urbano, nem

sempre familiarizado com a temática do

agronegócio. “Sabemos quem é nosso

público e estamos prontos para interagir

com todos. Fazemos o Salão pensando

nos produtores rurais que buscam

conhecer os sistemas produtivos,

no investidor que busca assertividade

e no empresário que precisa conhecer

os gargalos que deve cuidar e também

nos consumidores em geral, que buscam

compreender melhor o meio produtivo

rural. Temos técnicos com condições

de dar a informação e o suporte

tecnológico necessário para todos”,

relata o gerente Setorial do Agronegócio

do SEBRAE/RS, João Paulo Kessler.

O crescimento e a robustez do projeto

também são lembrados pelo diretor

da FARSUL, Fabio Avancini Rodrigues.

“A partir da iniciativa da FARSUL, do

SENAR-RS e do SEBRAE/RS, através

do programa Juntos para Competir,

fizemos, no ano passado, o primeiro

Salão do Empreendedor Rural. Podemos

dizer que foi um ensaio para este ano,

quando aprimoramos a ideia, trazendo

indústria e comércio para dentro do

espaço”, observa.

Rodrigues refere-se à integração de

Senai-RS e Fecomércio/Senac-RS ao

grupo de entidades responsáveis pela

organização do espaço e das atividades,

reforçando a parceria e completando o

ciclo das cadeias. KV

37


CASOS DE SUCESSO

SIGA O EXEMPLO

ROTA DE TURISMO RURAL

Prepara empresários para

gerenciar negócios que

ofereçam uma experiência

turística, encantem e fidelizem

visitantes.

Em 1999, viúva há dois anos, com quatro filhas adolescentes,

uma pequena propriedade rural em decadência

e dificuldade de manutenção pela escassez

de mão de obra, ouvi pelo rádio que o SEBRAE/RS

convidava a comunidade a participar de estudo, com

o objetivo de implantar projetos turísticos, no meio

urbano e rural, com a rota de turismo rural Estrada

do Sabor. Foram dois anos de aprendizado, com estágios,

reuniões, seminários e divulgação em feiras e

demais eventos, tudo coordenado pela Secretaria de

Turismo de Garibaldi e SEBRAE, com apoio da Associação

de Turismo da Serra (ATUASERRA). Em pouco

tempo, os resultados apareceram. Virei palestrante e

comecei a viajar para vários lugares, tanto para divulgação,

como para contar experiências. Os clientes

da Osteria della Colombina compram não somente

a saborosa comida colonial, nem apenas a pequena

colombina, que ativa os enlaces de memórias, mas

algo bem mais complexo que a sua forma de servir:

o dom de bem receber.

Odete Bettú Lazzari - Garibaldi

Osteria Della Colombina

A Vivare é especializada na fabricação de móveis

e cadeiras voltadas ao mercado corporativo. Fundada

em 2009 e com uma equipe formada por

arquitetos e projetistas, dedica-se a criar soluções

personalizadas com design diferenciado, que promovem

a funcionalidade e modernidade para a

iniciativa privada e órgãos públicos. Antes mesmo

de abrir o negócio, eu e meu sócio, Sérgio Antônio

Zago Júnior, montamos o plano de negócio

para desenvolver a empresa no mercado nacional

e, atualmente, com exportações para América Latina.

O SEBRAE presta assessoria técnica na área

38


CASOS DE SUCESSO

PROGRAMA FRANQUIAS RS

Auxilia na análise de franqueabilidade

do empreendimento

e na validação do modelo de

negócio para o franchising.

A Químea é uma empresa que fornece soluções

ambientais para os seus clientes, sempre buscando

reduzir os riscos e identificar oportunidades, a partir

do cuidado com o meio ambiente. A empresa iniciou

suas atividades em 2003, fruto da minha dissertação

de mestrado, sendo que os primeiros anos da Químea

foram na Incubadora Tecnológica da Universidade

Federal de Santa Maria (UFSM). Ao longo dos

anos, sempre tivemos a sustentabilidade e a inovação

como pilares do negócio. Em 2017, iniciamos a

expansão por meio de franquias e já abrimos cinco

unidades nos primeiros meses do ano. O SEBRAE/RS

tem papel fundamental na evolução da empresa, desde

o Empretec, que contribuiu muito na minha formação

como empreendedor, passando por diversos

programas e projetos do SEBRAE que participamos

ao longo dos anos, até mais recentemente no programa

Franquias RS, que tem sido muito importante

na estruturação da Químea como franqueadora.

Marçal Paim da Rocha - Santa Maria

Químea Soluções Ambientais

comercial, industrial, marketing, financeira,

dentre outros, além de promover a integração

com empresários do setor, através de

eventos, palestras, feiras, rodadas de negócio

e visitas técnicas orientadas – a empresa

participou do Edital SEBRAE de Inovação.

É fundamental conhecer o mercado, seus

possíveis parceiros e concorrentes. Por isso,

anualmente, renovamos nossas parcerias e

conhecimento com o SEBRAE.

EDITAL SEBRAE

DE INOVAÇÃO

Visa contribuir para aumentar

a competitividade e a produtividade

dos pequenos

negócios com potencial de

alto impacto.

Lisanderson Spiandorello – Caxias do Sul

Vivare Móveis

39


FATOS E FOTOS

Sete empresários de micro e pequenas

empresas gaúchas foram levados pelo

SEBRAE/RS à Feira Industrial de Hannover,

em Abril, na Alemanha. O grupo integrou a

comitiva da FIERGS e da Confederação Anual

da Indústria (CNI) ao evento e foi selecionado

através de edital de Chamada Pública.

Foto: SEBRAE/RS Foto: FIERGS

No fim de Abril, 14 lideranças gaúchas representantes

de entidades ligadas ao setor

do agronegócio estiveram no Uruguai para

conhecer a realidade da olivicultura do país

vizinho. A missão técnica foi uma iniciativa

do Programa Juntos para Competir, desenvolvido

por FARSUL, SENAR-RS e SEBRAE/RS.

Foto: SEBRAE/RS

Foto: Karine Viana/Palácio Piratini

Tapes passou a contar com um espaço exclusivo

para seus empreendedores no dia

30 de Junho. Nesta data, foi inaugurada a

Sala do Empreendedor no município. Os

diretores Superintendente e de Administração

e Finanças do SEBRAE/RS, Derly Fialho

(centro) Carlos Schütz (esquerda), respectivamente,

prestigiaram a cerimônia e assinaram

um convênio com a Prefeitura na

solenidade.

Com o propósito de facilitar o acesso ao

crédito, o SEBRAE/RS e o Badesul firmaram

parceria para viabilizar o Programa Badesul

Pequenas Empresas. A solenidade ocorreu

no Palácio do Piratini, com a presença do

governador José Ivo Sartori, da diretora-presidente

do Badesul, Susana Kakuta, e do diretor

Técnico do SEBRAE/RS, Ayrton Pinto

Ramos (foto).

40


FATOS E FOTOS

Entre os meses de Maio e Junho, o

SEBRAE/RS percorreu oito regiões gaúchas

com o evento Encontro com Lideranças. O

objetivo da iniciativa foi mapear as oportunidades

e ameaças para o desenvolvimento

de cada região, bem como iniciativas que

podem ser somadas às do SEBRAE/RS para

assegurar e ampliar a realização e execução

dos projetos já definidos.

Foto: João Paulo Lacerda

Foto: Gisele Maschmann

Foto: Giovani Vieira

Foto: Ricardo Jaeger

Uma visão inovadora sobre negócios através

de realidade virtual pode ser conferida

pelos participantes do TEDx Laçador, evento

realizado em Junho, em Porto Alegre. O

espaço montado no ambiente de convivência

foi uma iniciativa do SEBRAE/RS, um dos

apoiadores do TEDx Laçador.

Três empresas gaúchas, a Biotechnos, a Biotecno

Indústria e Comércio e a Simbios Biotecnologia,

foram premiadas no Prêmio Nacional

de Inovação, realizado no dia 26 de Junho, em

São Paulo. O Prêmio é a mais importante iniciativa

no Brasil para identificar e apoiar ações

inovadoras nas empresas do segmento da indústria,

entre grandes, médias, pequenas e micro

empresas.

As vencedoras do Prêmio SEBRAE Mulher de

Negócios no Rio Grande do Sul foram reveladas

durante cerimônia na sede da Instituição,

em Porto Alegre. Lídia Megier (E) e Silvia Bauer

venceram nas categorias Produtora Rural e Pequena

Empresa, respectivamente.

41


FRASES EM DESTAQUE

“Um País vai se desenvolver no

futuro se tiver pessoas querendo

empreender hoje. O aumento

do empreendedorismo por

oportunidade demonstra uma luz

no fim do túnel, é o início da volta

do crescimento econômico.”

GUILHERME AFIF DOMINGOS, Presidente

Nacional do SEBRAE, sobre o resultado da

Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor

(GEM) 2016.

“Queremos fortalecer as

conexões já existentes e o espírito

empreendedor em todos os setores

de acordo com o cenário que se

apresenta em cada localidade.”

DERLY FIALHO, diretor-superintendente do

SEBRAE/RS, sobre a série de Encontros com

Lideranças, realizados pela instituição entre

os meses de maio e junho em oito regiões

gaúchas.

“O empreendedor gaúcho tem

acesso ao SEBRAE/RS 24 horas

por dia, sete dias por semana

nos canais digitais e pode

escolher, portanto, como e

quando quer se capacitar.”

AYRTON PINTO RAMOS, diretor

Técnico do SEBRAE/RS sobre o novo

portal da instituição.

“Farroupilha é uma cidade caracterizada

pelo alto grau de empreendedorismo de

seus cidadãos e agora podemos contar

também com o apoio da entidade que é

referência para essa profissionalização.”

CLEONIR ROQUE SEVERGNINI, secretário

municipal de Desenvolvimento Econômico,

Trabalho e Renda de Farroupilha.

“O espaço é um ambiente físico e

virtual para aproximar a universidade

e seus recursos do mercado.”

SILVIO BITENCOURT DA SILVA, coordenador

administrativo do Portal da Inovação da

Unisinos, espaço inaugurado em maio e

que conta com a parceria do SEBRAE/RS.

“São conteúdos modernos e atrativos,

nas principais áreas de gestão que são

aderentes ao dia a dia dos pequenos

negócios.”

ANA CLAUDIA MONTICELLI, gerente de

soluções do SEBRAE/RS sobre as novas

soluções digitais que a instituição disponibiliza

no portal.

42

More magazines by this user
Similar magazines