Revista Carta Premium - 5a Edicao

revistacartapremium

Quinta edição da revista Carta Premium traz reportagens exclusivas sobre gins premium nacionais, lista de espumantes premiados, mais de 100 opções de receitas de drinques e coquetéis com cachaça, lançamentos de destilados e de cervejas

Etiqueta

Rogério Wellington de Souza, mais

conhecido por Frajola, coordenador

de bar do SubAstor, na capital

paulista, concorda também que

uns 10 anos para cá os bartenders

vêm executando um trabalho para

formação dos apreciadores criando

receitas que levam cachaça em sua

composição e apostando em marcas

que fazem o destilado em suas mais

variadas versões com competência e

cuidado. “A qualidade dos insumos

usados nos coquetéis impacta diretamente

na qualidade da bebida e

da experiência do cliente. Não apenas

no paladar e aroma, mas no dia

seguinte. Destilados produzidos com

pouco controle ou cuidado tendem a

ter qualidade inferior e provocar uma

bela ressaca no dia seguinte”, lembra

o profssional.

Na escolha dos dos produtos tanto

para a carta de um estabelecimento

como no dia a dia profissional ele

lembra que é de fundamental saber

a procedência de cada produto, qual

alambique, como é cultivada, colhida

a cana, como é feita a destilação e o

envelhecimento. “Todos esses fatores

são decisivos para um produto final

de qualidade e geram um álcool de

qualidade, sem impurezas”.

Frajola também exemplifica as caracterítica

de um bom rótulo com

um produto da linha da Natique:

“Gosto muito da Santo Grau Pedro

Ximenes. Ela tem uma doçura

natural que casa muito bem com

as notas amadeiradas do barril

de carvalho, que antes de envelhecer

a cachaça foi usado para

o envelhecimento de vinho de Jerez

Pedro Ximenes. Essa cachaça

vai muito bem para a releitura de

clássicos como Old Fashioned,

por exemplo”.

E falando em drinques, ele também

nos indica uma ótima receita, o Mocotó

Sour:

Ingredientes:

- 50 ml de cachaça

- 30 ml de suco de limão cravo

- 20 ml de clara de ovo

- 3 colheres de rapadura raspada.

Preparo: “Junto tudo na coqueteleira,

com gelo, bato para resfiar e depois é

só passar na peneira. É bem refrescante

e balanceia o cítrico do

limão com o dulçor da rapadura”.

Rogerio finaliza indicando uma

tendência que tem observado

e trazendo também uma dica

importante aos profissionais

de bar: “Os clássicos têm crescido

bastante entre as solicitações

dos clientes. O consumidor

vem procurando entender

melhor o que está bebendo e

se tornando cada vez mais exigente,

buscam harmonizações

e complexidade. Sempre tem

novidades e tendências que ditam

outros caminhos, então estar

sempre reciclando é essencial

para uma boa execução

da coquetelaria. Tive bastante

sorte por ter tido a chance de

trabalhar com profissionais de

respeito como o meu próprio

tio (Pereira), o Márcio Silva e

Fabio La Pietra, entre outros,

isso engrandeceu muito minha

bagagem. E claro, a prática do

dia a dia é a melhor escola, é

quem lapida as habilidades e

talentos”.

Mestre Derivan, chefe de bar do Bar

Número, na capital paulista.

137

More magazines by this user
Similar magazines