22.01.2018 Views

Catim - PLANO FORMAÇÃO 2018

You also want an ePaper? Increase the reach of your titles

YUMPU automatically turns print PDFs into web optimized ePapers that Google loves.

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 1


2 | | Plano de Formação 2018


Bem-vindo!

A aposta na qualificação, na internacionalização e na digitalização, tem impacto

em todos os processos organizacionais industriais, impondo aos intervenientes uma

enorme capacidade de adaptação à mudança e a integração de novas mentalidades.

Os processos organizacionais, nos mais variados domínios, estão e são cada vez

mais tecnológicos, mais automatizados, mais digitais, incorporando mais inteligência

e exigindo a todos os intervenientes o desenvolvimento de competências potenciando

a produtividade e eficácia organizacional.

Acreditamos que o CATIM pode contribuir por via da transferência de know-how

e capacidade de inovação, para a melhor adaptação à mudança de paradigma a que

assistimos. As nossas competências técnicas e tecnológicas aliadas ao conhecimento

detalhado do tecido industrial, permitem-nos apoiar as empresas de forma efetiva e

decisiva na adaptação à revolução industrial em curso.

Em toda a nossa atividade de apoio técnico e tecnológico, no qual se inclui o

apoio na formação profissional, procuramos marcar pela diferença, disponibilizando

as competências que nos são reconhecidas, mas também pelo acompanhamento

próximo e customizado com os nossos clientes/parceiros.

A formação interempresas que desenvolvemos ano após ano é a marca da nossa

aposta na promoção das qualificações do tecido industrial e empresarial, assim

como o desenvolvimento, execução e acompanhamento de programas de formação,

orientados às necessidades particulares de cada empresa, tecnologia ou processo.

Convidamo-lo a descobrir a nossa oferta formativa para 2018. Teremos todo o

prazer em ajudá-lo a crescer em 2018. Em 2018, crescemos juntos!

“A mente que se abre a uma nova ideia, jamais

voltará ao seu tamanho original”

- Albert Einstein

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 3


07

AMBIENTE

08 ISO 14001:2015 – Implementar um Sistema de Gestão Ambiental

09 Diretiva Seveso Iii (Renovado)

10 Gestão de Resíduos, Novo Enquadramento Legal (NOVO)

10 Legislação Ambiental, Avaliação da Conformidade Legal (Renovado)

11 Pegada de Carbono, Calcular e Reduzir (Renovado)

11 Regulamento Reach - Implicações ao Nível do Utilizador a Jusante

12 Iso 50001 – Gestão da Energia, Melhorar o Desempenho Energético

12 LCA - Avaliação de Ciclo de Vida em Produtos e Processos

13 Auditorias Internas de Ambiente - Iso 14001:2015 (NOVO)

15

ENERGIA / GÁS

16 Técnico de Gás (Qualificação Inicial)

17 Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás (Qualificação Inicial)

18 Instalador de Aparelhos a Gás (Qualificação Inicial)

19 Técnico de Gás (Atualização De Conhecimentos)

19 Instalador de Aparelhos a Gás (Atualização De Conhecimentos)

20 Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás (Atualização De Conhecimentos)

20 Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás (Ex-Soldador de Cobre e Polietileno)

21 Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás (Ex-Instalador de Redes de Gás)

23

ENSAIOS

24 Ensaios Laboratoriais de Corrosão

27

METROLOGIA INDUSTRIAL

28 CMM User Level 1

29 CMM Operator Level 2

30 Incertezas nas Calibrações e Ensaios

31 GD&T - Toleranciamento Dimensional e Geométrico

32 Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

33 Metrologia Industral Aplicada a Calibrações e Ensaios (Renovado)

4 | | Plano de Formação 2018


35

QUALIDADE

36 Iso 9001:2015 - Sistemas de Gestão da Qualidade

37 Iso 9001:2015 – Operacionalizar a Transição

38 ISO/IEC 17025:2017 - Sistemas de Gestão da Qualidade para Laboratórios (NOVO)

39 ISO/IEC 17025:2017 – Operacionalizar a Transição (NOVO)

39 IATF 16949:2016 – Operacionalizar a Transição

40 IATF 16949:2016 - Sistemas de Gestão da Qualidade e Core Tools

41 Auditorias Internas da Qualidade - ISO 9001:2015 (Renovado)

42 Gestão dos Equipamentos de Medição e Monitorização (EMM’S)

43 SPC – Statisctic Process Control

44 MSA - Measurement System Analysis

45 Técnicas e Ferramentas Lean Management

46 EN 1090 – CPF e Marcação CE

47 Gestão da Manutenção

49

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

50 ISO 45001 – Nova Norma de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (NOVO)

50 Requisitos Legais - Segurança e Saúde no Trabalho (Renovado)

51 Segurança Contra Incêndio em Edifícios - Medidas de Autoproteção (SCIE)

52 Segurança no Trabalho para Trabalhadores Designados

53 Ergonomia Aplicada

54 Carta de Segurança

55 Carta de Segurança (Renovação)

55 Fichas de Dados de Segurança e Cenários de Exposição (NOVO)

56 Técnico Superior de Segurança no Trabalho (Nivel 6)

57 Segurança no Trabalho em Espaços Confinados (Renovado)

58 Produtos Químicos - Manuseamento e Armazenagem (NOVO)

59 Proteção e Segurança na Exposição de Radiações

61

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

62 Segurança em Atmosteras Potencialmente Explosivas – Diretiva Atex

63 Segurança de Máquinas - Diretiva Máquinas

64 En Iso 13849 - Segurança na Conceção de Circuitos de Comando

64 En Iso 12100 - Apreciação do Risco em Máquinas, Metodologia

65 Segurança em Equipamentos de Trabalho – Diretiva Equipamentos de Trabalho

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 5


6 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 7


ISO 14001:2015 – Implementar um Sistema de

Gestão Ambiental

DATAS: 10 e 11 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de empresas com

responsabilidade na área da Gestão Ambiental.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Interpretar os requisitos da Norma ISO 14001:2015

e conceitos subjacentes;

2. Monitorizar o desempenho ambiental da organização;

3. Detetar oportunidades de melhoria.

PROGRAMA

REQUISITOS DA NORMA ISO 14001:2015 E

IMPLICAÇÕES NA GESTÃO DA ORGANIZAÇÃO

• Contexto da organização

• Liderança: Liderança e compromisso, Politica Ambiental

e Funções, Responsabilidades e Autoridades

Organizacionais

• Planeamento:

• Ações para tratar riscos e oportunidades, aspetos

ambientais, obrigações de conformidade,

planeamento de ações

• Objetivos ambientais e planeamento para os

atingir

• Suporte:

• Recursos

• Competências

• Consciencialização

• Comunicação: Comunicação interna e Comunicação

externa

• Informação documentada: Criação e atualização,

Controlo da informação documentada

• Operacionalização:

• Planeamento e controlo operacional

• Preparação e resposta a emergências

• Avaliação do Desempenho:

• Monitorização, medição, análise e avaliação

e Avaliação da conformidade

• Auditoria interna: Programa de auditorias

internas

• Revisão pela gestão

• Melhoria:

• Não conformidade e ação corretiva

• Melhoria contínua

ABORDAGEM AO CONCEITO DE CICLO DE

VIDA

ESTRUTURA NORMALIZADA DAS NORMAS DE

SISTEMAS DE GESTÃO

• Estrutura de Alto Nível

• Pensamento baseado no Risco

8 | | Plano de Formação 2018


DIRETIVA SEVESO III

DATAS: 24 de maio de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de organizações.

Colaboradores que na estrutura da organização

detenham responsabilidades na gestão de

ambiente e segurança.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer as alterações introduzidas pela SEVESO III;

2. Avaliar a aplicabilidade e definir as ações a

empreender perante acidentes graves.

PROGRAMA

DIRETIVA SEVESO III

• Enquadramento da Diretiva e Decreto-Lei n.º

150/2015 de 5 de agosto

• Principais requisitos

AVALIAÇÃO DA APLICABILIDADE

• Critérios para análise de informação relativa a

“substâncias perigosas”

• Verificação do enquadramento dos estabelecimentos

no Decreto-Lei n.º 150/2015

• Nível inferior e superior de perigosidade

• Obrigações dos estabelecimentos face ao tipo de

enquadramento

PREVENÇÃO DE ACIDENTES GRAVES

• Conceito

• Política de prevenção de acidentes graves

• Relatório de Segurança

• Auditoria

• Plano de emergência interno (PEI)

• Plano de emergência externo (PEE)

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 9


GESTÃO DE RESÍDUOS,

NOVO ENQUADRAMENTO LEGAL

DATAS: 22 de março de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 14:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 4 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 80€

Sócio AIMMAP 90€

Não Sócio 100€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de empresas com

responsabilidade na área da Gestão de resíduos e/

ou na área ambiental.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer a legislação aplicável à gestão de resíduos;

2. Gerir de modo eficaz os vários tipos de resíduos,

associados aos processos produtivos e administrativos

da empresa;

3. Utilizar as plataformas digitais disponíveis para a

gestão de resíduos.

PROGRAMA

ENQUADRAMENTO LEGAL: REGULAMENTO

DE GESTÃO DE RESÍDUOS

FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS

• Embalagens e resíduos de embalagens

• Óleos usados

• Pneus usados

• Resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos

• Resíduos de pilhas e acumuladores

• Veículos em fim de vida

• Óleos alimentares usados

FERRAMENTAS INFORMÁTICAS PARA GESTÃO

DE RESÍDUOS

• e-GAR - Guias Eletrónicas de Acompanhamento

de Resíduos

• SILiAmb – Sistema integrado de licenciamento

do ambiente

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL, AVALIAÇÃO DA

CONFORMIDADE LEGAL

DATAS: (Ed.1) 20 de fevereiro de 2018

(Ed.2) 18 de setembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 8 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 128€

Sócio AIMMAP 144€

Não Sócio 160€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de empresas, com

responsabilidade na área do Ambiente.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer o enquadramento legal a nível nacional

e comunitário no domínio do ambiente (atualização);

2. Aplicar os diplomas legais à atividade da própria

organização.

PROGRAMA

REQUISITOS LEGAIS DE AMBIENTE

• Licenciamento da atividade industrial - Sistema

da Indústria Responsável (SIR)

• Regime jurídico de Avaliação de Impacte Ambiental

(AIA)

• Prevenção de Acidentes Graves (PAG)

• Regime das Emissões Industriais (REI)

• Licenciamento Único Ambiental (LUA)

• Responsabilidade por danos ambientais

• Resíduos

• Águas e águas residuais

• Emissões para a atmosfera

• Energia

10 | | Plano de Formação 2018


PEGADA DE CARBONO, CALCULAR

E REDUZIR

DATAS: 27 de setembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de empresas com

responsabilidade na área da Gestão de resíduos e/

ou na área ambiental.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer e identificar os conceitos associados

à pegada de carbono e gases de efeito de estufa;

2. Realizar o cálculo da pegada de carbono;

3. Identificar medidas com vista a reduzir o impacto

da pegada de carbono.

PROGRAMA

ENQUADRAMENTO

• Alterações climáticas - Situação atual e futura

• Normas e Protocolos para controlo da pegada

de carbono

CÁLCULO DA PEGADA DE CARBONO

• Métodos e fatores de conversão para CO 2

• Medidas para reduzir a pegada de carbono

CASOS PRÁTICOS

• Verificação do cálculo da pegada de carbono

REGULAMENTO REACH - IMPLICAÇÕES AO NÍVEL

DO UTILIZADOR A JUSANTE

DATAS: (Ed.1) 14 de março de 2018 (Porto)

(Ed.2) 19 de abril de 2018 (Braga)

(Ed.3) 10 de outubro de 2018 (Porto)

LOCAL: (Ed.1 e 3) Porto; (Ed.2) Braga

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 120€

Sócio AIMMAP 135€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos com responsabilidade na área do

Ambiente, Segurança, Qualidade, Compras e/ou

Produção

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer os requisitos associados ao Regulamento

REACH;

2. Implementar as ações necessárias de modo a

garantir o cumprimento do Regulamento REACH.

PROGRAMA

REGULAMENTO REACH

• Principais requisitos, obrigações, prazos e papéis

aplicáveis às organizações

• Suportes de apoio ao cumprimento do REACH

ao nível do utilizador a jusante

• Comunicação na cadeia de abastecimento

• Substâncias que suscitam elevada preocupação

(SVHC) nos artigos colocados no mercado

• Elaboração de ferramenta para controlo das obrigações

associadas ao cumprimento do Regulamento

REACH

CASOS PRÁTICOS

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 11


ISO 50001 – GESTÃO DA ENERGIA, MELHORAR O

DESEMPENHO ENERGÉTICO

DATAS: 27 de junho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09h:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Profissionais interessados em implementar

Sistemas de Gestão de Energia nas suas

organizações e/ou integrar equipas de

racionalização energética.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer o enquadramento legal e normativo na

área da energia;

2. Conhecer os requisitos associados à norma ISO

50001;

3. Adotar boas práticas para a redução dos consumos.

PROGRAMA

FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ENERGIA

• Enquadramento legal

• Principal legislação relacionada com energia e

eficiência energética

• Sistema de Gestão dos consumos intensivos de

energia

• A Norma ISO 50001

• Planeamento Energético e Avaliação Energética

• Consumo energético de referência

• Indicadores de desempenho energético

• Variáveis relevantes ou condicionantes do desempenho

energético

PRÁTICAS DE REDUÇÃO DE ENERGIA

• Controlo operacional

• Medidas de eficiência energética

• Exercícios práticos

LCA - AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA EM

PRODUTOS E PROCESSOS

DATAS: 25 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 14:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 4 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 80€

Sócio AIMMAP 90€

Não Sócio 100€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores com atividade na

área do ambiente. Outros interessados na temática

da gestão ambiental.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer o conceito de avaliação de ciclo de

vida;

2. Conhecer as metodologias de avaliação de ciclo

de vida em produtos e processos;

3. Identificar os benefícios da utilização da metodologia

de avaliação de ciclo de vida.

PROGRAMA

AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA DE PRODUTOS

(ACV)

• Metodologias e ferramentas de apoio

• Etapas de cálculo de entradas e saídas

BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE ACV

CASOS PRÁTICOS

12 | | Plano de Formação 2018


AUDITORIAS INTERNAS DE AMBIENTE - ISO

14001:2015

DATAS: 30 e 31 de outubro e 6 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 264€

Sócio AIMMAP 297€

Não Sócio 330€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de Gestão, Responsáveis de

Sistemas de Gestão Ambiental e/ou quadros

envolvidos na implementação/melhoria do sistema

de gestão e que pretendam desenvolver e/ou

participar nas Auditorias Internas.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer a estrutura da norma e os seus requisitos

bem como implicações da sua implementação;

2. Gerir um programa de auditorias;

3. Planear e realizar auditorias internas ao Sistema

de Gestão Ambiental.

PROGRAMA

REQUISITOS DA NORMA ISO 14001:2015 E IMPLI-

CAÇÕES NA GESTÃO DA ORGANIZAÇÃO

• Contexto da organização

• Liderança e compromisso, Politica Ambiental,

Funções, Responsabilidades e Autoridades Organizacionais

• Planeamento

• Suporte

• Operacionalização

• Avaliação do Desempenho

• Melhoria

METODOLOGIAS DE AUDITORIA

• Norma ISO 19011- Definições e conceitos

• Tipos de auditorias: Internas, Clientes, Fornecedores,

Processos, Produtos

• Critérios para a qualificação de Auditores

• Aspetos comportamentais para a realização de

uma auditoria: Relação Auditor-Auditado; Técnicas

de Entrevista; Comunicação; Gestão de conflitos

• Noção da auditoria baseada no risco

REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS – SIMULAÇÃO

• Preparação e planeamento da Auditoria

• Elaboração do Plano de Auditoria

• Preparação de listas de verificação

• Auditoria simulada (reunião de abertura; auditoria;

reunião de encerramento)

• Elaboração do relatório da auditoria

• Análise das constatações

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 13


14 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 15


TÉCNICO DE GÁS - Qualificação Inicial

(Nos termos da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão com aproveitamento das UFCD integradas na ação de formação de Técnico de Gás, permitem

ao formando a solicitação à DGEG da emissão do cartão de identificação de Técnico de Gás, conforme

previsto art. 40 da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: 2 a 26 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00 (à exceção da última sessão

que decorre das 09:00 às 15:00)

CARGA HORÁRIA 150 HORAS

PREÇO:

795€

DESTINATÁRIOS

A ação de formação destina-se à formação de

Técnicos de Gás, nos termos previstos no art. 33

da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

Habilitações mínimas: 12 º ano de escolaridade

Idade mínima: 18 anos

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação o formando estará apto a

programar, organizar e coordenar a execução,

reparação, alteração ou manutenção das

instalações de gás e das redes e ramais de

distribuição de gás, bem como a instalação,

adaptação, reparação e manutenção de aparelhos

a gás, de acordo com as normas, regulamentos de

segurança e as regras de boas práticas aplicáveis,

nos termos previstos no art. 33 da Lei n.º 15/2015

de 16 de fevereiro.

PROGRAMA

• UFCD 1 (*) - Enquadramento Regulamentar e

Normativo, Metrologia, Gases Combustíveis

• UFCD 2 (*) – Aparelhos a Gás: Combustão, Tipos e

classificação de aparelhos, ligações, queimadores

• UFCD 5 (*) - Tecnologia das Redes de Gás: Tipos

de redes; Materiais, equipamentos e acessórios;

Postos de redução e medição; Introdução à

brasagem e soldadura em PE e prensagem

• UFCD 6 (*) – Construção de Redes de Gás:

Execução, reparação, ensaios e manutenção

• UFCD 7 (*) – Interpretação, gestão e monitorização

de Projeto

Nota: No decurso da ação de formação são

realizadas visitas e sessões técnicas.

(*) Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

aguarda-se a publicação de regulamentação que estabelecerá as

unidades de formação de curta duração na área do gás, podendo vir

a ser exigida nos termos previstos no Art. 40º, a frequência de mais

alguns conteúdos pelo que nesse caso, o CATIM compromete-se a

informar o formando dessa(s) alteração(ões).

16 | | Plano de Formação 2018


INSTALADOR DE INSTALAÇÕES DE GÁS E DE

REDES E RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS

QUALIFICAÇÃO INICIAL | (Nos termos da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão com aproveitamento das UFCD na ação de formação de Instalador de Instalações de Gás e de

Redes e Ramais de Distribuição de Gás, permitem ao formando a solicitação à DGEG da emissão do cartão

de identificação de Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás, conforme

previsto art. 40 da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: 28 de maio a 19 de junho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00 (à exceção da última sessão

que decorre das 09:00 às 15:00)

CARGA HORÁRIA 125 HORAS

PREÇO:

700€

DESTINATÁRIOS

A ação de formação destina-se à formação de

Instalador de Instalações de Gás e de Redes

e Ramais de Distribuição de Gás, nos termos

previstos no art. 34 da Lei n.º 15/2015 de 16 de

fevereiro.

Habilitações mínimas: 9º ano de escolaridade

Idade mínima: 18 anos

• UFCD 5 (*) - Tecnologia das Redes de Gás: Tipos

de redes; Materiais, equipamentos e acessórios;

Postos de redução e medição; Introdução à

brasagem e soldadura em PE e prensagem

• UFCD 6 (*) – Construção de Redes de Gás:

Execução, reparação, ensaios e manutenção

Nota: No decurso da ação de formação são

realizadas visitas e sessões técnicas.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação o formando estará qualificado

para realizar todas as operações nas instalações

de gás e nas redes e ramais de distribuição de gás,

sob supervisão do técnico de gás responsável,

nos termos previstos no art. 34 da Lei n.º 15/2015

de 16 de fevereiro.

PROGRAMA

• UFCD 1 (*) - Enquadramento Regulamentar e

Normativo, Metrologia, Gases Combustíveis

• UFCD 4 (*) – Execução de ligações: Prensagem,

brasagem e soldadura em PE

(*) Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

aguarda-se a publicação de regulamentação que estabelecerá as

unidades de formação de curta duração na área do gás, podendo vir

a ser exigida nos termos previstos no Art. 40º, a frequência de mais

alguns conteúdos pelo que nesse caso, o CATIM compromete-se a

informar o formando dessa(s) alteração(ões).

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 17


INSTALADOR DE APARELHOS A GÁS -

Qualificação Inicial (Nos termos da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão com aproveitamento das UFCD integradas na ação de formação de Instalador de Aparelhos a

Gás, permitem ao formando a solicitação à DGEG da emissão do cartão de identificação de Instalador de

Aparelhos a Gás, conforme previsto art. 40 da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: 15 a 31 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00 (à exceção da última sessão

que decorre das 09:00 às 13:00)

CARGA HORÁRIA 100 HORAS

PREÇO:

550€

DESTINATÁRIOS

A ação de formação destina-se à formação

de Instalador de Aparelhos a Gás, nos termos

previstos no art. 35 da Lei n.º 15/2015 de 16 de

fevereiro.

Habilitações mínimas: 9º ano de escolaridade

Idade mínima: 18 anos

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação o formando estará qualificado para

instalar, adaptar, reparar ou efetuar a manutenção

dos aparelhos a gás, sob supervisão do técnico de

gás responsável, nos termos previstos no art. 35

da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

PROGRAMA

• UFCD 1 (*) - Enquadramento Regulamentar e

Normativo, Metrologia, Gases Combustíveis

• UFCD 2 (*) - Aparelhos a Gás: Combustão, Tipos e

classificação de aparelhos, ligações, queimadores

• UFCD 3 (*) – Aparelhos a Gás: Instalação,

funcionamento, conversão, reparação e deteção

de avarias

Nota: No decurso da ação de formação de atualização,

serão realizadas Visitas e Sessões Técnicas.

(*) Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

aguarda-se a publicação de regulamentação que estabelecerá as

unidades de formação de curta duração na área do gás, podendo vir

a ser exigida nos termos previstos no Art. 40º, a frequência de mais

alguns conteúdos pelo que nesse caso, o CATIM compromete-se a

informar o formando dessa(s) alteração(ões).

18 | | Plano de Formação 2018


TÉCNICO DE GÁS – ATUALIZAÇÃO DE

CONHECIMENTOS

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, da ação de formação permite o acesso à atualização do título profissional

de Técnico de Gás nos termos da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: (Ed.1) 8, 9 e 10 de outubro de 2018

(Ed. 2) 17, 18 e 19 de dezembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 1º dia das 09:00 às 18:00; dias seguintes das

09:00 às 18:30

CARGA HORÁRIA 25 HORAS

PREÇO:

215€

DESTINATÁRIOS

O curso destina-se a titulares de licenças de

Técnico de Gás, emitidas/revalidadas (por qualquer

entidade reconhecida pela DGEG) ao abrigo do

Decreto-lei n.º 232/90, que se encontram válidas,

e que necessitam de frequentar ação de formação

de atualização de competências, necessária à

revalidação da licença.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de identificar as atualizações decorrentes

da evolução tecnológica, normativa e regulamentar

no âmbito do exercício da profissão de Técnico de

Gás, conforme previsto na Lei n. 15/2015, de 16 de

fevereiro, no Art. 33º.

PROGRAMA

• Atualização de Conceitos Básicos, Evolução

Normativa e Regulamentar

• Aparelhos a Gás (atualização)

• Tecnologia das Redes de Gás – Aspetos relativos

à atualização de tipologias, equipamentos e

acessórios

• Tecnologia das Redes de Gás – Novas soluções

de instalação e conservação

• Considerações de Gestão de Projeto (atualização)

• Visitas e Sessões Técnicas

Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

poderá vir a ser exigido, em regulamentação específica a publicar

(nos termos previstos no Art. 40º), a frequência de mais alguns

conteúdos que os agora previstos, pelo que nesse caso, o CATIM

compromete-se a informar os formandos.

Instalador de Aparelhos a Gás –

ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, da ação de formação permite o acesso à atualização do título profissional

de Instalador de Aparelhos a Gás nos termos da Lei n.º 15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: (Ed.1) 17, 18 e 19 de setembro de 2018

(Ed. 2) 5, 6 e 7 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 1º dia das 09:00 às 18:00; dias seguintes das

09:00 às 18:30

CARGA HORÁRIA 25 HORAS

PREÇO:

215€

DESTINATÁRIOS

O curso destina-se a titulares de licenças de

Mecânico de Aparelhos a Gás emitidas/revalidadas

(por qualquer entidade reconhecida pela DGEG)

ao abrigo do Decreto-lei n.º 232/90, válidas, e

que necessitam de frequentar ação de formação

de atualização de competências, necessária à

revalidação da licença.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de identificar as atualizações decorrentes

da evolução tecnológica, normativa e regulamentar

no âmbito do exercício da profissão de Instalador

de Aparelhos a Gás, conforme previsto na Lei n.

15/2015, de 16 de fevereiro, Art. 35º.

PROGRAMA

• Atualização de Conceitos Básicos, Evolução

Normativa e Regulamentar

• Aparelhos a Gás (atualização)

• Atualização relativa à instalação, conversão e

reparação de aparelhos a gás

• Visitas e Sessões Técnicas

Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

poderá vir a ser exigido, em regulamentação específica a publicar

(nos termos previstos no Art. 40º), a frequência de mais alguns

conteúdos que os agora previstos, pelo que nesse caso, o CATIM

compromete-se a informar os formandos.

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 19


INSTALADOR DE INSTALAÇÕES DE GÁS E DE

REDES E RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS

ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, da ação de formação permite o acesso à atualização do título profissional

de Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás, nos termos da Lei n.º

15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: (Ed.1) 2, 3 e 4 de maio de 2018

(Ed. 2) 24, 25 e 26 de setembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 1º dia das 09:00 às 18:00; dias seguintes das

09:00 às 18:30

CARGA HORÁRIA 25 HORAS

PREÇO:

215€

DESTINATÁRIOS

O curso destina-se a titulares das licenças

de Instalador de Redes de Gás e da licença

de Soldador de Cobre e Polietileno, emitidas/

revalidadas (por qualquer entidade reconhecida

pela DGEG) ao abrigo do Decreto-lei n.º 232/90,

válidas, e que necessitam de frequentar ação

de formação de atualização de competências,

necessária à revalidação da licença.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de identificar as atualizações decorrentes

da evolução tecnológica, normativa e regulamentar

no âmbito do exercício da profissão de Instalador

de Instalações de Gás e de Redes de Ramais de

Distribuição de Gás, conforme previsto na Lei n.

15/2015, de 16 de fevereiro, Art. 34º.

PROGRAMA

• Atualização de Conceitos Básicos, Evolução

Normativa e Regulamentar

• Soldadura de Cobre e PE: Atualização de

conhecimentos

• Tecnologia das Redes de Gás: Aspetos relativos

à atualização de Tipologias, Equipamentos e

Acessórios

• Tecnologia das Redes de Gás: novas soluções

de instalação e conservação

• Visitas e Sessões Técnicas

Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

poderá vir a ser exigido, em regulamentação específica a publicar

(nos termos previstos no Art. 40º), a frequência de mais alguns

conteúdos que os agora previstos, pelo que nesse caso, o CATIM

compromete-se a informar os formandos.

INSTALADOR DE INSTALAÇÕES DE GÁS E DE

REDES E RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS

ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS

(Ex-Soldador de Cobre e Polietileno)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, da ação de formação permite o acesso à atualização do título profissional

de Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás, nos termos da Lei n.º

15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: 19, 20, 21, 22, 23 e 26 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 1º e último dia das 09:00 às 18:00;

dias seguintes das 09:00 às 18:30

CARGA HORÁRIA 50 HORAS

PREÇO:

340€

20 | | Plano de Formação 2018


DESTINATÁRIOS

O curso destina-se a titulares da licença de

Soldador de Cobre e Polietileno, emitida/revalidada

(por qualquer entidade reconhecida pela DGEG)

ao abrigo do Decreto-lei n.º 232/90, válidas, e

que necessitam de frequentar ação de formação

de atualização de competências, necessária à

revalidação/reconversão da licença.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de identificar as atualizações decorrentes

da evolução tecnológica, normativa e regulamentar

no âmbito do exercício da profissão de Instalador

de Instalações de Gás e de Redes de Ramais de

Distribuição de Gás, conforme previsto na Lei n.

15/2015, de 16 de fevereiro, Art. 34º.

PROGRAMA

• Atualização de Conceitos Básicos, evolução

normativa e regulamentar

• Tecnologia das Redes de Gás – Aspetos relativos

à atualização de Tipologias, equipamentos e

acessórios

• Dispositivos das Redes de Gás

• Gasodutos

• Redes de Distribuição

• Instalações de Gás em Edifícios

• Tecnologia das Redes de Gás – Novas soluções

de instalação e conservação

• Soldadura de Cobre e PE – Atualização de conhecimentos

• Visitas e Sessões Técnicas

INSTALADOR DE INSTALAÇÕES DE GÁS E DE

REDES E RAMAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS

ATUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS

(Ex-Instalador de Redes de Gás)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, da ação de formação permite o acesso à atualização do título profissional

de Instalador de Instalações de Gás e de Redes e Ramais de Distribuição de Gás, nos termos da Lei n.º

15/2015 de 16 de fevereiro.

DATAS: 18, 19, 20, 21, 22 e 25 de junho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 1º e último dia das 09:00 às 18:00;

dias seguintes das 09:00 às 18:30

CARGA HORÁRIA 50 HORAS

PREÇO:

340€

DESTINATÁRIOS

O curso destina-se a titulares da licença de Instalador

de Redes de Gás, emitida/revalidada (por qualquer

entidade reconhecida pela DGEG) ao abrigo do

Decreto-lei n.º 232/90, válidas, e que necessitam

de frequentar ação de formação de atualização de

competências, necessária à revalidação/reconversão

da licença.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de identificar as atualizações decorrentes

da evolução tecnológica, normativa e regulamentar

no âmbito do exercício da profissão de Instalador

de Instalações de Gás e de Redes de Ramais de

Distribuição de Gás, conforme previsto na Lei n.

15/2015, de 16 de fevereiro, Art. 34º.

PROGRAMA

• Atualização de Conceitos Básicos, evolução normativa

e regulamentar

• Tecnologia das Redes de Gás – Aspetos relativos

à atualização de Tipologias, equipamentos e

acessórios

• Tecnologia das Redes de Gás – Novas soluções

de instalação e conservação

• Polietileno – Os materiais plásticos, soldadura

equipamento solar

• Cobre – Cobre e ligas de cobre, soldadura oxigás,

brasagem

• Visitas e Sessões Técnicas

Nos termos previstos na Lei n.º 15/2015, de 16 de Fevereiro,

poderá vir a ser exigido, em regulamentação específica a publicar

(nos termos previstos no Art. 40º), a frequência de mais alguns

conteúdos que os agora previstos, pelo que nesse caso, o CATIM

compromete-se a informar os formandos.

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 21


22 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 23


ENSAIOS LABORATORIAIS

DE CORROSÃO

DATAS: 26 de setembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 8 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 136€

Sócio AIMMAP 153€

Não Sócio 170€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis da qualidade, engenheiros de

produção e técnicos de laboratório de ensaios de

empresas metalúrgicas diversas.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formados estarão aptos a:

1.Conhecer os diferentes tipos de corrosão;

2.Conhecer diversos ensaios laboratoriais de

corrosão e respetivos métodos de avaliação da

corrosão;

3.Reconhecer os principais fatores que afectam os

resultados destes ensaios;

4.Perceber a necessidade da realização de ensaios

laboratoriais de corrosão.

ENSAIOS LABORATORIAIS DE CORROSÃO

• ASTM G48 / EN ISO 11463 - Determinação da resistência

à corrosão localizada dos aços inoxidáveis,

quando expostos a ambientes oxidantes contendo

cloretos

• ASTM A262 / EN ISO 3651 - Deteção da suscetibilidade

ao ataque intergranular em aços inoxidáveis

austeníticos

• ASTM B117 / EN ISO 9227 - Ensaio de nevoeiro

salino para determinação da resistência à corrosão

de materiais e seus revestimentos

PROGRAMA

FORMAS DE CORROSÃO EM AÇOS

• Corrosão Uniforme

• Corrosão Intersticial e em fendas

• Corrosão Galvânica

• Corrosão Intergranular

• Corrosão por picadas

• Corrosão sob tensão

• Corrosão com fadiga

• Corrosão Induzida pelo Hidrogénio

• Corrosão-Erosão

24 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 25


26 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 27


CMTrain - TRAINING FOR COORDINATE

METROLOGY

CMTrain - ASSOCIAÇÃO

CMTrain - Training for Coordinate Metrology e.V. é uma associação cujo objetivo é melhorar a formação e

as qualificações existentes na metrologia por coordenadas, fornecendo serviços de formação normalizados

e independentes dos fabricantes, na europa e no mundo. A Associação coordena os serviços de formação,

oferecidos pelos seus membros, como Cursos CMTrain.

CMTrain - FORMAÇÃO PARA METROLOGIA POR COORDENADAS

Quando se trata de desenvolver e produzir novos produtos, a metrologia por coordenadas é crucial.

No entanto, só se consegue aproveitar o potencial da metrologia por coordenadas, se os utilizadores e

operadores apresentarem um conhecimento profundo e multidisciplinar. O crescente número de opções

oferecidas pela metrologia por coordenadas, tal como na produção, no sistema móvel de metrologia por

CMM USER LEVEL 1

QUALIFICAÇÃO

Os formandos que obtiverem aproveitamento no exame final receberão certificado de qualificação de CMM

User Level 1, emitido pelo CMTrain.

DATAS: (Primeira sessão) 23 de abril de 2018, (Penúltima e

última sessão) 2 e 3 de julho de 2018

LOCAL: Porto (Sessões presenciais)

HORÁRIO: 09:00 às 18:00 (Sessões presenciais)

CARGA HORÁRIA 72 HORAS

(24 horas presenciais e 48 horas e-learning)

PREÇO:

1500€

DESTINATÁRIOS

Esta ação destina-se a utilizadores de CMM’s

interessados na metrologia dimensional por

coordenadas e na realização de ensaios

dimensionais e geométricos de peças.

Condições de participação: Ter computador com

acesso à internet

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Fazer preparação de medições CMM;

2. Selecionar e qualificar apalpadores;

3. Utilizar programas de medição;

4. Avaliação de características específicas com

programas CNC de atributos flexíveis.

PROGRAMA

• Mensurandas e unidades em metrologia por

coordenadas

• Localização no plano

• Localização no espaço

• Elementos geométricos e avaliação das suas

características

• Relações (ligações) geométricas

• Fundamentos da metrologia e ensaios

• CMM, elementos básicos

• Tipos de CMM

• Preparação de uma medição numa CMM

• Configurações de apalpador e qualificações

• Medições com CMM

• Avaliação das medições e estatística

• Exatidão

• Introdução à gestão da qualidade

• Exame final

28 | | Plano de Formação 2018


coordenadas, em sistemas rápidos de medição óptica ou por programação baseada no CAD, implica que

haja uma formação de alta qualidade nesta área.

Na maioria dos países não existia um perfil que caracterizasse um profissional de metrologia. Os

poucos programas de formação existentes para aquisição das competências necessárias na metrologia

por coordenadas, não eram comparáveis no mercado global, ocasionando ineficiência e diferentes

interpretações dos resultados.

Com reconhecimento internacional, estes cursos têm por objectivo a qualificação de utilizadores, operadores

e especialistas de CMM. Desenhado por especialistas em CMM e pensados para suprir as necessidades

sentidas na operação/adaptação aos variados softwares de fabricantes, os cursos, em formato b-learning,

traduzem o estado-da-arte em formação.

No formato b-learning, estes cursos permitem a aquisição dos conhecimentos base e competências chave

para a operação de máquinas CMM (independentemente do fabricante).

Formação em parceria e certificada pela CMTrain, permite a realização de um percurso formativo de 3

níveis. No final de cada nível é realizado um exame para atribuição de um Certificado de Qualificação –

CMM User (Nível 1 - Básico), CMM Operator (Nível 2 - Avançado) e CMM Expert (Nível 3 - Especialista).

CMM OPERATOR LEVEL 2

QUALIFICAÇÃO

Os formandos que obtiverem aproveitamento no exame final receberão certificado de qualificação de CMM

Operator Level 2, emitido pelo CMTrain.

DATAS: (Primeira Sessão) 24 setembro de 2018, (Três últimas

Sessões) 17, 18 e 19 de dezembro de 2018

LOCAL: Porto (Sessões presenciais)

HORÁRIO: 09:00 às 18:00 (Sessões presenciais)

CARGA HORÁRIA 112 HORAS

(32 horas presenciais e 80 horas e-learning)

PREÇO:

2400€

DESTINATÁRIOS

Operadores de máquinas CMM que pretendam

consolidar conhecimentos na área e obter a

qualificação CMM-Operator.

Condições de participação: Ter computador com

acesso à internet

RESULTADOS ESPERADOS

Os formandos terão adquirido conhecimentos

e competências que permitirão ter autonomia

na realização de ensaios dimensionais e realizar

programas de medição automática de peças em

CMM’s.

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer o toleranciamento dimensional e

geométrico;

2. Utilizar a melhor estratégia de medição numa

CMM;

3. Avaliar e interpretar resultados das medições;

4. Conhecer as fontes de influência nos resultados

das medições;

5. Conhecer as ferramentas estatísticas;

6. Conhecer diversos tipos de programação CMM;

7. Conhecer o enquadramento da metrologia por

coordenadas no âmbito dos referenciais normativos

internacionais;

8. Conhecer diversos tipos de CMM por contacto e

sem contacto e respetivos métodos de aquisição.

PROGRAMA

• Revisão – sequência completa de medição

• Revisão – geometria

• Tolerâncias dimensionais

• Tolerâncias geométricas

• Estratégias de medição

• Estratégia de apalpação

• Programação CNC

• Avaliação

• Influências do resultado das medições

• Documentação

• Uso de parâmetros estatísticos

• Controlo estatístico do processo

• Introdução – monitorização de equipamentos de

inspeção

• Introdução – gestão da qualidade

• Metrologia por coordenadas sem contacto

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 29


INCERTEZAS NAS CALIBRAÇÕES E ENSAIOS

DATAS: 10, 11 e 17 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 208€

Sócio AIMMAP 234€

Não Sócio 260€

DESTINATÁRIOS

Diretores, Responsáveis Técnicos e Técnicos

de Laboratório que pretendam desenvolver

ou aprofundar conhecimentos no domínio das

incertezas nas calibrações e ensaios.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Distinguir os conceitos de erro e incerteza;

2. Interpretar os documentos europeus e nacionais

relacionados com incertezas aplicáveis em

calibrações e aos ensaios;

3. Definir o modelo matemático para resolução de

estimativa de incertezas em medições e ensaios;

4. Desenvolver e aplicar às calibrações internas

procedimentos para estimativa de incertezas em

instrumentos de medição universais.

ESTIMATIVA DA INCERTEZA PADRÃO

• Fontes de incerteza de medição

• Modelo Matemático

• Estimativa da incerteza tipo A e B

• Coeficiente de sensibilidade

• Determinação da incerteza padrão combinada

• Expressão da incerteza expandida

• Estudo de graus de liberdade efetivos

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE CERTIFICA-

DOS DE CALIBRAÇÃO E ENSAIO

CÁLCULO DA INCERTEZA - ESTUDO DE CASO

• Calibração interna de instrumento de medição

• Ensaios Físicos

PROGRAMA

CONCEITOS TEÓRICOS ESSENCIAIS

• VIM 2012, Vocabulário Internacional de Metrologia

• O que é o Erro, tipos e origens

• Erro, minimização e correção

• Erro e incerteza nas medições

INCERTEZA DE MEDIÇÃO E ESTATÍSTICA: SUA

APLICAÇÃO AO ESTUDO DE INCERTEZAS

• Guia para a expressão da Incerteza na

Medição (GUM) - JCGM 100:2008 Evaluation of

measurement data Guide to the expression of

uncertainty in measurement

• EA-4/02 - Expression of the Uncertainty of

Measurement in Calibration

• EA-4/16 - EA guidelines on the expression of

uncertainty in quantitative testing

Siga-nos pelas redes sociais!

30 | | Plano de Formação 2018


GD&T - TOLERANCIAMENTO DIMENSIONAL E

GEOMÉTRICO

DATAS: (Ed.1) 21 e 22 de março de 2018

(Ed.2) 17 e 18 de outubro de 2018

LOCAL: Porto (Ed.1); Braga (Ed.2)

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Projetistas, técnicos de desenho, técnicos de

produção, responsáveis de produção, técnicos de

laboratório, e outros técnicos que necessitem de

interpretar e executar um desenho técnico.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Compreender os princípios gerais do toleranciamento

e as vantagens da sua aplicação;

2. Conhecer e identificar a terminologia e a

simbologia utilizada no toleranciamento de peças

segundo a ISO 1101 - Especificação Geométrica

de Produtos (GPS).

PROGRAMA

O PRINCIPIO DE TOLERANCIAMENTO

• Considerações gerais

REFERENCIAL NORMATIVO ISO 1101 -

GEOMETRICAL PRODUCT SPECIFICATIONS

(GPS) — GEOMETRICAL TOLERANCING

— TOLERANCES OF FORM, ORIENTATION,

LOCATION AND RUN-OUT

• Considerações gerais

• O enquadramento do referencial normativo na

matriz das normas do GPS (Geometrical Product

Specifications)

• Terminologia e definições

• Conceitos básicos

• Simbologia

• Tipos de tolerâncias

• Elementos de referência

• Dimensões teoricamente exatas (TED)

• Inter-relação de tolerâncias geométricas

• A cotagem nominal

• A importância do sistema de referência para o

toleranciamento dimensional e geométrico

O TOLERANCIAMENTO GEOMÉTRICO

• Considerações gerais

• Conceitos, definições e simbologia

• As tolerâncias de forma: retitude, planeza, circularidade,

cilindricidade, perfil de linha e forma de

superfície

• As tolerâncias de orientação: paralelismo, perpendicularidade

e angularidade

• As tolerâncias de posição: localização, concentricidade,

coaxilidade e simetria

• As tolerâncias de batimento: circular e total

• A Inter-relação dimensão-geometria

• Os princípios de máximo e mínimo material

CASOS PRÁTICOS

Nota 1: Inclui o Livro Desenho Técnico Básico 3, Prof.

Simões Morais, 25ª edição.

Nota 2: Os desenhos analisados são os disponibilizados

pelos formandos ou pelo Catim.

Nota 3: Será realizada uma visita aos laboratórios do Catim.

O TOLERANCIAMENTO DIMENSIONAL

• Considerações gerais

• Cotas e desvios

• Sistema ISO de tolerâncias

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 31


LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO

TÉCNICO

DATAS: (Ed.1) 20 e 21 de junho de 2018

(Ed.2) 5 e 6 de dezembro de 2018

LOCAL: Braga (Ed.1); Porto (Ed. 2)

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Projetistas, técnicos de desenho, técnicos de

produção, responsáveis de produção, técnicos de

laboratório, e outros técnicos que necessitem de

interpretar e executar um desenho técnico.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer e compreender os princípios gerais do

desenho técnico e suas vantagens;

2. Identificar a simbologia utilizada no desenho

técnico;

3. Diferenciar o toleranciamento dimensional do

toleranciamento geométrico;

4. Ler e interpretar um desenho técnico.

PROGRAMA

O DESENHO TÉCNICO

• Considerações gerais

• Principais referenciais normativos para suporte

ao desenho técnico

• Tipos de desenho técnico

COTAGEM E TOLERANCIAMENTO

• Projeções e vistas

• Cortes e Secções

• Cotagem nominal

• Dimensão e geometria

• Disposição de cotas

• Conceitos, definições e simbologia utilizados em

toleranciamento dimensional

• Cotas e desvios

• Dimensão teoricamente exata (TED)

• Sistema ISO de tolerâncias

• Conceitos, definições e simbologia utilizados em

toleranciamento geométrico

• As tolerâncias de forma: retitude, planeza,

circularidade, cilindricidade, perfil de linha e forma

de superfície

• As tolerâncias de orientação: paralelismo, perpendicularidade

e angularidade

• As tolerâncias de posição: localização, concentricidade,

coaxilidade e simetria

• As tolerâncias de batimento: circular e total

• Os princípios de toleranciamento

• O toleranciamento geral

CASOS PRÁTICOS

Nota 1: Inclui o Livro Desenho Técnico Básico 3, Prof.

Simões Morais, 25ª edição.

Nota 2: Os desenhos analisados são os disponibilizados

pelos formandos ou pelo Catim

Nota 3: Será realizada uma visita aos laboratórios do Catim.

32 | | Plano de Formação 2018


METROLOGIA INDUSTRAL APLICADA A

CALIBRAÇÕES E ENSAIOS

DATAS: (Ed.1) 15, 16, 22, 23 e 29 de maio de 2018

(Ed.2) 14, 15, 21, 22 e 28 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 35 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 336€

Sócio AIMMAP 378€

Não Sócio 420€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis técnicos de laboratórios de

ensaio e de calibrações; Técnicos da Qualidade,

particularmente os que têm funções em gestão de

equipamento de medição, Técnicos industriais que

utilizam instrumentação metrológica.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Organizar e gerir o sistema de gestão do

equipamento de medição;

2. Identificar os princípios metrológicos teórico-

-práticos, em particular os relacionados com

calibração de instrumentos de medição, utilização

e manutenção de padrões.

PROGRAMA

CATEGORIAS DA METROLOGIA

• Científica, industrial e legal

• Rastreabilidade

CONCEITOS TEÓRICOS ESSENCIAIS

• VIM 2012, Vocabulário Internacional de Metrologia

• SI, Sistema Internacional de Unidades

• Algarismos significativos e arredondamentos

• Estudo de caso de uma calibração e/ou ensaio

nas áreas de:

• Máquinas de Medição por Coordenadas 3D

• Dimensional

• Grandezas Elétricas

• Massa, Força e Pressão

• Temperatura e Humidade

• Análise da incerteza de uma calibração e/ou

ensaio

• Análise e interpretação de certificado de calibração

e/ou ensaio

Nota 1: Nos estudos de casos os equipamentos a analisar

poderão ser:

• Manómetro/Dinamómetro (Força e Pressão)

• Instrumentos de pesagem (Massa)

• Termómetro/Termo-higrómetros (Temperatura e Humidade)

• Paquímetros/Micrómetros/Blocos Padrão (Dimensional)

• Sutas/Ensaio dimensional e geométrico de peça

(Máquinas de Medição por Coordenadas 3D)

• Amperímetros/Voltímetros (Grandezas Elétricas)

Nota 2: Será realizada uma visita aos laboratórios do

Catim.

GESTÃO DE EQUIPAMENTO DE MEDIÇÃO -

REQUISITOS PARA PROCESSOS DE MEDIÇÃO

E EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO NP EN ISO

10012

ERRO E INCERTEZA NAS CALIBRAÇÕES

• Origens, tipos de erro e correção

• Erro e incerteza

• Fontes e tipos de incerteza padrão tipo A e tipo B

• Estatísticas de localização de uma amostra

• O coeficiente de sensibilidade

• Graus de liberdade

INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

• Principais características dos instrumentos de

medição

• Boas práticas de utilização dos instrumentos

CALIBRAÇÕES E ENSAIOS – ESTUDO DE

CASOS DA METROLOGIA

• Procedimento para a calibração e ensaio

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 33


34 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 35


ISO 9001:2015 - SISTEMAS DE GESTÃO DA

QUALIDADE

DATAS: 3 e 4 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de Gestão, Responsáveis de

Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou quadros

envolvidos na implementação/melhoria do sistema

da qualidade.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer a estrutura da norma e os seus requisitos

bem como implicações da sua implementação;

2. Apresentar técnicas, ferramentas e metodologias

de implementação dos requisitos;

3. Desenvolver um plano de ações para adequação

da organização à norma;

4. Perceber o benefício que advém da implementação

de um SGQ;

5. Preparar o processo de Certificação.

PROGRAMA

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - A

NORMA ISO 9001:2015

• Os princípios da Gestão da Qualidade

• Abordagem por processos e o Ciclo PDCA

• O pensamento baseado no risco (introdução a

algumas ferramentas)

• Termos e definições

• Dos requisitos da ISO 9001 à prática

o Contexto da Organização

o Liderança

o Planeamento

o Suporte

o Operacionalização

o Avaliação de desempenho

o Melhoria

• Estratégias e etapas para um Plano de

implementação ISO 9001:2015

EXERCÍCIOS E CASOS PRÁTICOS

36 | | Plano de Formação 2018


ISO 9001:2015 – OPERACIONALIZAR A TRANSIÇÃO

DATAS: 21 de fevereiro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 80€

Sócio AIMMAP 90€

Não Sócio 100€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis da Qualidade e/ou quadros

envolvidos na implementação/melhoria do sistema

da qualidade

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer a estratégia ISO para a integração de

sistemas de gestão;

2. Conhecer as principais mudanças introduzidas

na nova versão da norma ISO 9001:2015 e as suas

implicações nos sistemas de gestão:

a. Novos requisitos;

b. Requisitos revistos.

3. Conhecer algumas metodologias para a sua

implementação;

4. Delinear as etapas relevantes para o plano de

transição das organizações certificadas.

PROGRAMA

OS OBJETIVOS E OS NOVOS CONCEITOS

INTRODUZIDOS NA ISO 9001:2015

REQUISITOS ISO 9001:2015 (NOVO ENQUADRA-

MENTO) E IMPLICAÇÕES NOS SISTEMA

GESTÃO DA QUALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

• Alterações significativas

• O conceito de Pensamento Baseado no Risco

• Contexto da Organização

o A análise do contexto organizacional

o Exercício/caso para identificação de riscos

organizacionais

o Outras ferramentas de análise do contexto

organizacional

• Principais implicações do conceito de Conhecimento

Organizacional

• Apresentação de exemplos de aplicação de

metodologias de análise de risco de produtos e

serviços

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 37


ISO/IEC 17025:2017 - SISTEMAS DE GESTÃO DA

QUALIDADE PARA LABORATÓRIOS

DATAS: (Ed. 1) 11 e 12 de abril de 2018

(Ed. 2) 28 e 29 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 216€

Sócio AIMMAP 243€

Não Sócio 270€

DESTINATÁRIOS

Técnicos e Responsáveis de Laboratório envolvidos

na definição e implementação e melhoria de um

sistema de gestão da qualidade de acordo com os

requisitos da norma ISO/IEC 17025.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer os requisitos da Norma e implicações

da sua implementação

2. Identificar as principais etapas de construção e

implementação de um SGQ segundo o referencial

3. Desenvolver projetos de melhoria da qualidade

em ambiente de laboratório

REQUISITOS DA ISO/IEC 17025 E EXEMPLOS

DE APLICAÇÃO

• Requisitos Gerais: Imparcialidade e Confidencialidade

• Requisitos estruturais

• Requisitos de Recursos

• Requisitos dos Processos

• Requisitos do Sistema de Gestão

• Suportes do processo técnico para o pedido de

acreditação (IPAC)

EXERCÍCIOS E CASOS PRÁTICOS

PROGRAMA

INTRODUÇÃO À QUALIDADE

• Conceitos fundamentais da Qualidade em contexto

de Laboratórios

• Introdução ao Sistema Português da Qualidade

• Acreditação vs Certificação

38 | | Plano de Formação 2018


ISO/IEC 17025:2017 – OPERACIONALIZAR A

TRANSIÇÃO

DATAS: (Ed.1) 17 de maio de 2018

(Ed.2) 11 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 120€

Sócio AIMMAP 135€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos e Responsáveis de Laboratório envolvidos

na definição e implementação e melhoria de um

sistema de gestão da qualidade de acordo com os

requisitos da norma ISO/IEC 17025.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer as principais mudanças introduzidas

na nova versão da norma ISO/IEC 17025:2017 e as

suas implicações nos sistemas de gestão:

a. Novos requisitos;

b. Requisitos revistos.

2. Conhecer algumas metodologias para a sua

implementação;

3. Delinear as etapas relevantes para o plano de

transição das organizações acreditadas.

PROGRAMA

OS OBJETIVOS E OS NOVOS CONCEITOS

INTRODUZIDOS NA ISO/IEC 17025:2017

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES NOS REQUISITOS

ISO/IEC 17025:2017

• Requisitos Gerais: Imparcialidade e Confidencialidade

• Requisitos Estruturais

• Requisitos de Recursos

• Requisitos dos Processos

• Requisitos do Sistema de Gestão

EXERCÍCIOS E CASOS PRÁTICOS

IATF 16949:2016 – OPERACIONALIZAR A

TRANSIÇÃO

DATAS: 26 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 120€

Sócio AIMMAP 135€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos e colaboradores que pretendam adquirir,

desenvolver ou melhorar os conhecimentos ao

nível das especificações técnicas necessárias para

cumprir os requisitos da Indústria Automóvel.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer as principais mudanças introduzidas

na nova versão da norma IATF 16949 e as suas

implicações:

a. Novos requisitos;

b. Requisitos revistos.

2. Conhecer algumas metodologias para a sua

implementação;

3. Delinear as etapas relevantes para o plano de

transição das organizações certificadas.

PROGRAMA

OS OBJETIVOS E OS NOVOS CONCEITOS IN-

TRODUZIDOS NA IATF 16949:2016 E RELAÇÃO

COM A ISO 9001:2015

REQUISITOS IATF 16949:2016 (PRINCIPAIS AL-

TERAÇÕES) E IMPLICAÇÕES NOS SISTEMA

GESTÃO DA QUALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES:

• Contexto Organizacional, partes interessadas e

pensamento baseado no risco

• Abordagem ao risco com base na IATF 16949

• Principais alterações nos requisitos (novos e revistos)

EXERCÍCIOS E CASOS PRÁTICOS

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 39


IATF 16949:2016 - SISTEMAS DE GESTÃO DA

QUALIDADE E CORE TOOLS

DATAS: 8 e 9 de maio de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de Gestão, Responsáveis de

Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou quadros

envolvidos na implementação/melhoria do sistema

da qualidade de acordo com a IATF 16949

(Indústria Automóvel).

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer os princípios e boas práticas incutidas

pela IATF 16949, implicações e benefícios da sua

implementação;

2. Compreender os pontos comuns e diferenciadores

da IATF 16949 relativamente à ISO 9001:2015;

3. Definir e implementar um sistema de gestão

da qualidade segundo o referencial da indústria

automóvel e das empresas que fornecem esta

indústria e requisitos específicos de clientes do

setor.

PROGRAMA

OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DA IATF 16949:

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO E EVOLUTIVO

DO REFERENCIAL

ABORDAGEM ÀS PRINCIPAIS FERRAMENTAS

(METODOLOGIAS) DA INDÚSTRIA AUTOMÓVEL

(CORE TOOLS)

IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES

DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS E

PRÁTICAS RECOMENDADAS PELA IATF 16949

• APQP - Advanced Product Quality Planning, Planeamento

Avançado da Qualidade do Produto

• PPAP - Production Part Approval Process, Processo

de Aprovação do Produto)

• 8D - Eight Disciplines of Problem Solving e 5

Why’s

• FMEA - Failure mode and effects analysis, Análise

modal de falhas e efeitos

• Plano da Qualidade

DEFINIÇÃO DO PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO

DA IATF 16949

• Regras IATF

• A etapa de Avaliação: auto-avaliação/gap analysis;

auditoria(s) interna(s); fontes de informação

relevantes quanto ao grau de cumprimento de

requisitos de clientes, entre outros

REQUISITOS IATF 16949:2016 - ANÁLISE DE

REQUISITOS NO CONTEXTO DA IATF 16949

• Conceitos: termos e definições para a indústria

automóvel

• Contexto da Organização:

o A análise de contexto organizacional, expetativas

das partes interessadas e pensamento baseado

no risco

o A abordagem de processos: conformidade

de processos e de produto

o A abordagem da gestão do risco e das

oportunidades no SGQ, como base para o

alinhamento à IATF 16949:2016

• Planeamento

• Liderança

• Suporte

• Operacionalização

• Avaliação do desempenho

• Melhoria

40 | | Plano de Formação 2018


AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

- ISO 9001:2015

DATAS: 13, 14 e 20 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 264€

Sócio AIMMAP 297€

Não Sócio 330€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de Gestão, Responsáveis de

Sistemas de Gestão da Qualidade e/ou quadros

envolvidos na implementação/melhoria do sistema

da qualidade e que pretendam desenvolver e/ou

participar nas Auditorias Internas da Qualidade.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer a estrutura da norma e os seus requisitos

bem como implicações da sua implementação;

2. Apresentar técnicas, ferramentas e metodologias

de implementação dos requisitos;

3. Desenvolver um plano de ações para adequação

da organização à norma;

4. Perceber o benefício que advém da implementação

de um SGQ;

5. Gerir um programa de auditorias, planear e

conduzir as atividades de auditorias internas ao

Sistema de Gestão da Qualidade.

PROGRAMA

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - A

NORMA ISO 9001:2015

• Os princípios da Gestão da Qualidade

• Abordagem por processos e o Ciclo PDCA

• O pensamento baseado no risco

• Termos e definições

• Dos requisitos da ISO 9001 à prática

o Contexto da Organização

o Liderança

o Planeamento

o Suporte

o Operacionalização

o Avaliação de desempenho

o Melhoria

• Estratégias e etapas para um Plano de implementação

ISO 9001:2015

EXERCÍCIOS E CASOS PRÁTICOS

METODOLOGIAS DE AUDITORIA

• A ISO 19011 e relação com a ISO 17021

• Definições e conceitos

• Tipos de auditorias: Internas, Clientes, Fornecedores,

Processos, Produtos

• Critérios para a qualificação de Auditores

• Aspetos comportamentais para a realização de

uma auditoria: Relação Auditor-Auditado; Técnicas

de Entrevista; Comunicação; Gestão de conflitos

• Noção da auditoria baseada no risco

REALIZAÇÃO DE AUDITORIAS

• Preparação e planeamento da Auditoria

• Requisitos da atividade da empresa - natureza

e conformidade do produto e serviço (exemplos/

casos práticos)

• Preparação do Plano de Auditoria

• Preparação de listas de verificação

• Auditoria simulada (reunião de abertura; auditoria;

reunião de encerramento)

• Elaboração do relatório da auditoria

• Análise das auditorias

Siga-nos pelas redes sociais!

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 41


GESTÃO DOS EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E

MONITORIZAÇÃO (EMM’S)

DATAS: 3 e 4 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 176€

Sócio AIMMAP 198€

Não Sócio 220€

DESTINATÁRIOS

Diretores da Qualidade e/ou Responsáveis pelo

Sistema de Gestão de Equipamento de Medição

em empresas industriais. Diretores e Responsáveis

Técnicos de Laboratórios de Calibração e/ou

Ensaio.

Nota: Para a realização de exercícios é necessária

a utilização de um computador portátil com

instalação de Office/Excel ou equivalente.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Organizar o sistema de gestão dos equipamentos

de medição e monitorização;

2. Adquirir, rececionar, avaliar e controlar os equipamentos

de medição.

PROGRAMA

CONCEITOS INTRODUTÓRIOS ASSOCIADOS À

Gestão de Equipamentos

• Acreditação e outros reconhecimentos de entidades

metrológicas

• Introdução aos conceitos principais do Vocabulário

Internacional de Metrologia (VIM)

• Breve abordagem à ISO 10012 “‘Measurement

management systems”

ADEQUABILIDADE DOS EQUIPAMENTOS DE

MEDIÇÃO

• Requisitos de medição

• Definição de critérios de aceitação

• Calibração vs verificação metrológica

• Determinação das Periodicidade de calibração

(OIML D10 1) , entre outros)

• Equipamentos sujeitos a calibração vs verificação

(interna e externa)

• Adequabilidade dos equipamentos à especificidade

das atividades de monitorização e medição

realizadas na organização

ANÁLISE E VALIDAÇÃO DE CERTIFICADOS

DE CALIBRAÇÃO/RELATÓRIOS DE ENSAIO

(CONFIRMAÇÃO METROLÓGICA)

• Principais fontes de variação das medições

(repetibilidade, reprodutibilidade, entre outros)

• Casos práticos

• Breve visita a um Laboratório Catim

1)

OIML D10 : Guidelines for the determination of calibration intervals

of measuring instrument

42 | | Plano de Formação 2018


SPC – STATISCTIC PROCESS CONTROL

DATAS: 25 e 26 de setembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 208€

Sócio AIMMAP 234€

Não Sócio 260€

DESTINATÁRIOS

Técnicos da área da Qualidade e/ou profissionais

envolvidos em projetos de melhoria de

desenvolvimento do produto, processos de fabrico

e qualidade do produto.

Técnicos com interesse em projetos de melhoria.

Nota: Para a realização de exercícios é necessária

a utilização de um computador portátil com

instalação de Office/Excel ou equivalente.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Aplicar as ferramentas da qualidade na implementação

de melhorias (técnicas estatísticas,

análise de problemas, etc.);

2. Resolver problemas através das técnicas de

controlo estatístico do processo.

PROGRAMA

SPC – STATISCTIC PROCESS CONTROL*

• Noção de distribuição estatística (média, amplitude,

desvio padrão, distribuição normal)

• Ciclo de melhoria contínua do processo

• Noção de variação de um processo

o Fontes de variação – causas comuns e

causas especiais de variação

o Controlo do processo e capacidade do

processo

• Cartas de controlo por variáveis (construção e

interpretação)

o Cartas X-R

o Cartas X-s

o Cartas Medianas

o Carta X-MR

• Cartas pré-controlo

• Índices de capacidade por variáveis (processo,

máquina)

• Cartas de controlo por atributos

• Exemplos práticos da utilização das cartas de

controlo

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS EM CONTEXTO

COMPUTACIONAL

• Resolução de exercícios com recurso ao Office-

Excel (utilização do Office para aplicação da

ferramenta SPC nas organizações)

Introdução a outras ferramentas da

qualidade

APRESENTAÇÃO DE exemplo de software

(*) De acordo com o Manual de Referência de SPC – 2ª Edição,

Julho /2005 – AIAG

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 43


MSA - MEASUREMENT SYSTEM ANALYSIS

DATAS: 23 e 24 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 224€

Sócio AIMMAP 252€

Não Sócio 280€

DESTINATÁRIOS

Técnicos e colaboradores que pretendam adquirir,

desenvolver ou melhorar os conhecimentos ao

nível da utilização do MSA.

Nota: Para a realização de exercícios é necessária

a utilização de um computador portátil com

instalação de Office/Excel ou equivalente.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Utilizar a metodologia MSA na determinação da

capacidade de inspeção do sistema de medição

e identificar as vantagens da sua aplicação na

organização;

2. Identificar e selecionar os diferentes métodos de

ensaios recomendados para calibração e análise

de sua variabilidade.

ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DE

MEDIÇÃO POR VARIÁVEIS

• Sistemas Replicáveis

• Determinação da Estabilidade

• Determinação do Desvio

• Determinação da Linearidade

• Determinação da Repetibilidade e reprodutibilidade

(GR&R):

o Método da amplitude

o Método da média e amplitude (X/R)

o Método de Análise de Variância (ANOVA)

ESTUDOS DE AVALIAÇÃO de SISTEMAS DE

MEDIÇÃO POR ATRIBUTOS

• R&R POR ATRIBUTOS (Expedito e Cross-tab)

PROGRAMA

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DO MSA

• Quando utilizar a metodologia MSA

• Como determinar o(s) sistema/equipamento(s)

candidato(s) a estudo MSA

• Variabilidade dos sistemas de Medição (SM):

o Variação de localização

o Variação de dispersão

o Variação do sistema

o Tipos e fontes de variação nos sistemas de

medição

o Erros no SM

Siga-nos pelas redes sociais!

44 | | Plano de Formação 2018


TÉCNICAS E FERRAMENTAS LEAN

MANAGEMENT

DATAS: 20, 21, 27 de março de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 256€

Sócio AIMMAP 288€

Não Sócio 320€

DESTINATÁRIOS

Gestores, quadros médios e/ou superiores

responsáveis por atividades de melhoria contínua

Responsáveis/técnicos de controlo da qualidade e

produção.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Identificar melhorias a introduzir e as ferramentas

de gestão adequadas à melhoria proposta;

2. Implementar melhorias com recurso às ferramentas

apresentadas e de acordo com os princípios

LEAN.

PROGRAMA

PRODUTIVIDADE

• Conceito de produtividade

• Identificação de tempos produtivos e não produtivos

(tempo de ciclo, tempo disponível de produção,

tempos de paragem e outros tempos não produtivos)

• Estratégias para potenciar a produtividade e

competitividade

INTRODUÇÃO AO LEAN MANAGEMENT

• Princípios e benefícios da filosofia LEAN

• Produção em massa versus Just-in-Time

• Identificação dos 7 desperdícios e definição de

ações mitigadoras

• Exercício prático (aplicação dos conceitos em

contexto laboral – definição de plano de ações)

FERRAMENTAS LEAN MANAGEMENT

• Apresentação de conceitos e exemplos de aplicação

das ferramentas: 5 S; Padronização do trabalho;

Just-in-Time; Kanban; Kaizen; Poka-Yoke;

Gestão Visual; TPM; SMED; Milk Run; Balanceamento

uniforme dos postos/linhas

• Aplicação das ferramentas LEAN MANAGEMENT

em casos práticos

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 45


EN 1090 – CPF E MARCAÇÃO CE

DATAS: 17 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de serralharias e outras empresas

com fabrico de estruturas metálicas para edifícios.

Técnicos de empresas de construção civil.

Técnicos de metalomecânicas na área das

estruturas metálicas, responsáveis pela gestão das

compras.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer os requisitos da norma harmonizada

aplicável ao seu tipo de construção metálica/

produto;

2. Identificar os pontos relevantes para implementar

o controlo interno de produção (CPF).

PROGRAMA

REGULAMENTO DOS PRODUTOS DA

CONSTRUÇÃO Nº 305/2011

• Enquadramento do portefólio de conformidade

do fabricante com a EN 1090-1 (Marcação CE nos

componentes / estruturas metálicas)

CONTROLO DE PRODUÇÃO NO FABRICO

(CPF) – EN 1090-2

• Procedimentos de controlo de produção (Especificação

de Componente, Plano de inspeção e

ensaio, procedimentos de fabrico, etc.)

• Introdução às Classes de Execução vs Qualificação

de Processos

• Qualificação de processos de fabrico

• Processos de corte e conformação

• Requisitos dos processos de soldadura segundo

a EN 1090-2 vs ISO 3834 - Registos e rastreabilidade

• Requisitos de inspeção a fornecedores e/ou

qualificação de subcontratos em função dos

referenciais normativos e produtos fornecidos

• Manutenção do CPF (após Inspeção / auditoria

inicial e durante inspeções de rotina à fábrica)

CASOS PRÁTICOS - PROCESSO DE “MARCA-

ÇÃO CE”

OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DA EN 1090-1 —

REQUISITOS PARA AVALIAÇÃO DA CONFOR-

MIDADE

• Métodos de avaliação

• Avaliação da Conformidade (esquemas/processos

de avaliação aplicáveis consoante o tipo de

estrutura/classe)

Fique a saber mais sobre

nós e visite o nosso site

www.catim.pt

46 | | Plano de Formação 2018


GESTÃO DA MANUTENÇÃO

DATAS: 11 e 12 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:00

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 208€

Sócio AIMMAP 234€

Não Sócio 260€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e/ou superiores envolvidos nas

atividades de melhoria contínua e responsáveis/

técnicos da área da manutenção, controlo da

qualidade e produção.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes de:

1. Diferenciar os tipos de manutenção;

2. Desenvolver planos de manutenção preventiva;

3. Determinar indicadores de desempenho da manutenção;

4. Elaborar e analisar árvores de falhas (FTA) e FMEA’s;

5. Utilizar a metodologia RCM (SAE JA1012) para identificação

e falhas e melhoria na fiabilidade dos sistemas;

6. Implementar melhorias dos princípios do TPM (Ferramenta

LEAN).

FERRAMENTAS RCM (SAE JA1012), FMEA E

ÁRVORE DE FALHAS (FTA)

• Objetivos e importância da aplicação das ferramentas

RCM, FMEA, FTA

• Elaboração de FMEA e FTA

ANÁLISE DE RISCO DAS ATIVIDADES DE

MANUTENÇÃO

• Importância da Gestão da Segurança na análise

de risco das atividades de manutenção

• Utilização das ferramentas RCM e FMEA como

instrumento de apoio à gestão do risco das

atividades de manutenção

TPM - TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE

• Conceitos de TPM

• Manutenção centrada na aplicação do TPM

PROGRAMA

MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

• Conceitos de fiabilidade e manutenção

• Tipos de Manutenção (corretiva, preventiva e

condicionada)

• Planos de Manutenção preventiva

INDICADORES DE DESEMPENHO

• OEE, custos da manutenção, MTBF, MTTR, disponibilidade

• Exercícios de aplicação dos indicadores de desempenho

Siga-nos pelas redes sociais!

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 47


48 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 49


ISO 45001 – NOVA NORMA DE GESTÃO DA

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

DATAS: (Ed.1) 20 de junho de 2018

(Ed.2) 21 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 128€

Sócio AIMMAP 144€

Não Sócio 160€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis e técnicos da SST, Responsáveis

do sistema de gestão de qualidade e SST e/ou

quadros envolvidos na implementação/melhoria

do sistema da qualidade e SST.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer a estrutura e as exigências do novo

referencial ISO 45001;

2. Compreender o conceito de Estrutura de Alto

Nível;

3. Identificar as principais alterações introduzidas

na norma ISO 45001 relativamente à OHSAS

18001;

4. Preparar a transição da norma OHSAS 18001

para a norma ISO 45001.

PROGRAMA

ESTRUTURA DE ALTO NÍVEL – ESTRUTURA

NORMALIZADA DAS NORMAS DE SISTEMAS

DE GESTÃO

ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES RELATIVAS À

NORMA OHSAS 18001 E PLANEAMENTO PARA

A TRANSIÇÃO

REQUISITOS DA NOVA NORMA ISO 45001

(VERSÃO DIS – DRAFT INTERNATIONAL

STANDARD)

• Termos e definições

• Contexto da organização

• Liderança e participação dos trabalhadores

• Riscos e oportunidades

• Planeamento

• Suporte

• Operacionalização

• Avaliação do desempenho

• Melhoria

PENSAMENTO BASEADO NO RISCO

REQUISITOS LEGAIS - SEGURANÇA E SAÚDE NO

TRABALHO (ATUALIZAÇÃO)

DATAS: 18 e 19 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 152€

Sócio AIMMAP 171€

Não Sócio 190€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de organizações.

Colaboradores que na estrutura da organização

detenham responsabilidades na gestão e controlo

da Segurança e Saúde Ocupacional.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer o enquadramento legal a nível nacional

e comunitário no domínio da segurança

no trabalho;

2. Aplicar os diplomas legais à atividade da própria

organização.

50 | | Plano de Formação 2018


PROGRAMA

REQUISITOS LEGAIS DE SEGURANÇA E

SAÚDE NO TRABALHO (SST)

• Legislação geral de SST

• Acidentes de trabalho e doenças profissionais

• Agentes químicos

• Agentes biológicos

• Agentes físicos

o Iluminância

o Ambiente térmico

o Vibrações

o Ruído

o Radiações

• Sinalização de segurança

• Equipamentos de proteção individual

• Segurança contra incêndios em edifícios

• Segurança de Máquinas

• Movimentação manual de cargas

• Atmosferas potencialmente explosivas (ATEX)

• Prevenção de Acidentes Graves (Diretiva SEVE-

SO III)

CASOS PRÁTICOS

• Apoio na elaboração do programa de medição e

monitorização

• Apoio na elaboração do programa de comunicações

externas obrigatórias

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS -

MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO (SCIE)

DATAS: 5, 6 e 8 de junho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 264€

Sócio AIMMAP 297€

Não Sócio 330€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis e Delegados de Segurança,

Elementos das equipas de segurança, Técnicos e

Consultores de Segurança, Ambiente e Qualidade,

Projetistas de Segurança Contra Incêndios,

Técnicos de Fiscalização de Obra, Gestores

de Edifícios e outros profissionais do setor de

segurança.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer as referências legais no domínio da

segurança contra incêndios;

2. Caracterizar a(s) utilização(ões)-tipo do edifício/

recinto e categoria(s) de risco;

3. Identificar e compreender as Medidas de Autoproteção

aplicáveis a cada edifício/recinto;

4. Aplicar métodos de implementação e operacionalização

das Medidas de Autoproteção.

PROGRAMA

ENQUADRAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DA

EMERGÊNCIA

• Regime Jurídico de SCIE, Regulamento Técnico

de SCIE

• Outros diplomas relacionados

CARACTERIZAÇÃO DO RISCO DE INCÊNDIO

• Fatores de risco

• Identificação de utilizações-tipo e categorias de

risco

• Locais de risco e efetivo

• Casos práticos

DEFINIÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS

DE AUTOPROTEÇÃO

• Registos de Segurança

• Medidas de Prevenção

o Procedimentos de prevenção

o Plano de prevenção

• Medidas de Intervenção

o Procedimentos em caso de emergência

o Plano de Emergência Interno

• Definição de planos de sensibilização e formação

de Segurança Contra Incêndios

• Simulacros

o Planeamento, implementação e avaliação

• Casos práticos

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 51


SEGURANÇA NO TRABALHO PARA

TRABALHADORES DESIGNADOS

Para a formação e qualificação de profissionais na área de segurança no trabalho a ACT (Autoridade para

as Condições de Trabalho) reconhece diferentes níveis de aptidão profissional.

O curso de segurança no trabalho para trabalhadores designados, consiste numa formação que visa

a aquisição de competências básicas em matéria de segurança no trabalho, respondendo à exigência

legislativa que obriga a que os trabalhadores designados tenham formação adequada para o exercício de

atividades neste domínio.

DATAS: (Ed.1) 23, 24, 30 e 31 de janeiro de 2018

(Ed.2) 16, 18, 23 e 25 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 17:30

CARGA HORÁRIA 30 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 264€

Sócio AIMMAP 297€

Não Sócio 330€

DESTINATÁRIOS

Representantes dos trabalhadores, empregadores

e colaboradores com responsabilidade em matéria

de Segurança no Trabalho, de empresas com

atividade não enquadrável como risco elevado.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Cumprir com as obrigações legais referentes a

Segurança no Trabalho;

2. Identificar os riscos de exposição a que estão

expostos os trabalhadores;

3. Identificar ações de minimização, prevenção e

controlo dos riscos identificados;

4. Definir medidas de atuação em caso de

emergência (nomeadamente, combate a incêndios);

5. Organizar os serviços de SST na empresa;

6. Sensibilizar outros colaboradores para a necessidade

de cumprimentos dos requisitos e normas

de ST nos locais de trabalho.

• Primeiros Socorros

• Controlo da Saúde dos Trabalhadores

ELEMENTOS BÁSICOS DE GESTÃO DA PRE-

VENÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS

• Organização e gestão da prevenção na empresa

• Organismos públicos relacionados com a SST

RISCOS ESPECÍFICOS E A SUA PREVENÇÃO

NO SETOR CORRESPONDENTE À ATIVIDADE

DA EMPRESA

• Legislação setorial aplicável *

• Estatísticas de sinistralidade

• Medidas de prevenção de riscos específicos

(*) Em função do perfil/setor profissional dos formandos

A frequência deste curso permite o reconhecimento por

parte da ACT das competências necessárias ao desempenho

da função de trabalhador designado.

PROGRAMA

CONCEITOS BÁSICOS DE SEGURANÇA E

SAÚDE NO TRABALHO (SST)

• Introdução à Prevenção de Riscos Profissionais

• Quadro normativo em matéria de Prevenção de

Riscos Profissionais

RISCOS GERAIS E SUA PREVENÇÃO

• Riscos relacionados com as condições de Segurança

• Riscos relacionados com o meio ambiente de

Trabalho

• Carga de Trabalho, Fadiga e Insatisfação laboral

• Sistemas elementares de Controlo de Riscos:

proteção Coletiva e Individual

• Noções básicas de atuação em caso de emergência

e evacuação

52 | | Plano de Formação 2018


ERGONOMIA APLICADA (*)

Qualificação

A frequência com aproveitamento da ação de formação, confere a qualificação necessária para a

manutenção do título profissional de Técnico e Técnico Superior de Segurança e Saúde no trabalho, nos

termos previstos na Lei n.º 42/2012 de 28 de agosto.

DATAS: 2, 4, 9 e 11 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 18:00

CARGA HORÁRIA 30 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 256€

Sócio AIMMAP 288€

Não Sócio 320€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores com responsabilidade

na área de manutenção, produção e gestão da

segurança no trabalho.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Reconhecer a importância da análise ergonómica

dos postos de trabalho para a prevenção das

lesões músculo-esqueléticas;

2. Identificar a melhor metodologia para avaliação

da tarefa;

3. Aplicar metodologias de avaliação ergonómica;

4. Identificar soluções para melhoria dos postos de

trabalho;

5. Compreender os benefícios das alterações propostas.

ANTROPOMETRIA

• Conceitos de antropometria

• Uso de dados antropométricos

• Estudo de casos com aplicação de conceitos e

dados antropométricos

MÉTODOS DE AVALIAÇÃO ERGONÓMICA

• Metodologias de avaliação ergonómica de

Posturas e Movimentos: RULA, EWA e OWAS

• Metodologias de avaliação ergonómica de

Movimentação Manual de Cargas: NIOSH e

MATERIAL MANUAL HANDLING

• Aplicação dos métodos de avaliação ergonómica

(*) Formação contínua de atualização científica e técnica prevista na

Lei n.º 42/2012 para manutenção do título profissional de Técnico e

Técnico Superior de Segurança no Trabalho.

PROGRAMA

O QUE É A ERGONOMIA - Conceitos

básicos de ergonomia

• Legislação e normalização aplicável

• Principais condicionantes na execução das tarefas

e soluções a implementar

• Benefícios alcançados com a aplicação da

ergonomia

Siga-nos pelas redes sociais!

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 53


CARTA DE SEGURANÇA

Qualificação

No final da ação os formandos que obtenham aproveitamento recebem a Carta de Segurança, válida por

3 anos.

DATAS: (Ed.1) 27 e 28 de fevereiro de 2018

(Ed.2) 6 e 7 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 16 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos cuja atividade profissional se encontra

exposta a riscos de Segurança e Saúde no

Trabalho. Técnicos que desenvolvem atividade

laboral (construção, montagem, manutenção, etc.)

em instalações industriais.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer os conceitos básicos de segurança e

saúde no trabalho;

2. Identificar os riscos profissionais para uma

intervenção preventiva;

3. Adotar boas práticas com vista à redução e

eliminação do risco.

PROGRAMA

CONCEITOS BÁSICOS DE SEGURANÇA e

SAÚDE NO TRABALHO (SST)

• Introdução à prevenção de riscos profissionais

• Legislação aplicável

RISCOS RELACIONADOS COM AS CONDIÇÕES

DE SEGURANÇA EM AMBIENTE DE TRABALHO

• Princípios e domínios da Segurança do Trabalho

• Causas e consequências dos acidentes de trabalho

• Máquinas e equipamentos de trabalho:

o Locais e postos de trabalho

o Equipamentos de trabalho

o Atividades e operações perigosas (soldadura,

transfega de líquidos inflamáveis, trabalhos

em espaços confinados, trabalhos em altura e

em valas, atmosferas explosivas e radiações)

o Riscos elétricos

o Risco de incêndio e explosão

• Substâncias e misturas perigosas:

o Armazenagem, utilização e eliminação de

produtos químicos perigosos

o Riscos associados à exposição a substâncias

e misturas perigosas

• Movimentação manual e mecânica de cargas:

o Transporte mecânico de cargas

o Transporte manual de cargas: posturas e

movimentos

• Ruído e vibrações:

o Efeitos da exposição ao ruído, valores limite

de exposição e nível de ação

o Efeitos da exposição a vibrações, valores

limite de exposição e nível de ação

• Iluminação e ambiente térmico:

o Sistemas de iluminação

o Conforto e stress térmico

PREVENÇÃO DE RISCOS

• Sinalização de segurança:

o Critérios de seleção, instalação, manutenção

e legislação aplicável

o Medidas de prevenção e proteção adequadas

• Equipamentos de proteção individual:

o Critérios de seleção, utilização, manutenção

e conservação dos equipamentos de proteção

individual

• Instruções de segurança

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

• Riscos, medidas preventivas e corretivas

• Atuação em caso de emergência

• Evacuação

ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PRO-

FISSIONAIS

• Definição de acidente de trabalho, incidente e

doença profissional

• Comunicação e análise de acidentes de trabalho

54 | | Plano de Formação 2018


CARTA DE SEGURANÇA (RENOVAÇÃO)

Qualificação

No final da ação os formandos que obtenham aproveitamento recebem a Carta de Segurança, renovada e

válida por 3 anos.

DATAS: 24 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 8 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 88€

Sócio AIMMAP 99€

Não Sócio 110€

DESTINATÁRIOS

Técnicos detentores da Carta de Segurança (com

validade de 3 anos).

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Identificar os riscos profissionais para uma

intervenção preventiva;

2. Adotar boas práticas com vista à redução e

eliminação do risco.

PROGRAMA

RISCOS RELACIONADOS COM AS CONDIÇÕES

DE SEGURANÇA EM AMBIENTE DE TRABALHO

• Armazenagem, transporte e manuseamento de

produtos químicos perigosos

• Movimentação manual e mecânica de cargas

• Equipamentos de proteção individual e coletiva

• Segurança contra incêndio em edifícios

ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS

PROFISSIONAIS

FICHAS DE DADOS DE SEGURANÇA E CENÁRIOS

DE EXPOSIÇÃO

DATAS: 12 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 120€

Sócio AIMMAP 135€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos de segurança e ambiente, e técnicos

cuja atividade profissional envolve o contacto com

químicos, e outros quadros médios e superiores

com responsabilidade na área de segurança e

saúde no trabalho.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos devem ser capazes

de:

1. Conhecer a estrutura e conteúdo da Ficha de

Dados de Segurança (FDS);

2. Interpretar uma FDS;

3. Conhecer as obrigações dos utilizadores a

jusante;

4. Analisar cenários de exposição.

PROGRAMA

ENQUADRAMENTO LEGAL RELATIVO A

FICHAS DE DADOS DE SEGURANÇA (FDS)

• Formato e conteúdo das FDS

• Composição: Substâncias e misturas

• Riscos e medidas de prevenção

• Cenários de exposição

• Obrigações dos utilizadores a jusante

CASO PRÁTICO

• Análise de cenário de exposição

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 55


TÉCNICO SUPERIOR DE SEGURANÇA NO

TRABALHO (NIVEL 6) (b-LEARNING)

QUALIFICAÇÃO

A conclusão, com aproveitamento, permite o acesso ao título profissional de Técnico Superior de Segurança

no Trabalho, nos termos previstos pela Lei n.º 42/2012 de 28 de agosto.

DATAS: outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: (sessão presencial) 3ª das 18:00 às 22:00; 6ª das

14:00 às 18:00 / (sessão não presencial) A agendar por módulo e à

5ª entre as 14:00 e as 18:00

CARGA HORÁRIA 540 HORAS

(304h presenciais / 116h à distância / 120h tutoria

acompanhada)

PREÇO:

980€

DESTINATÁRIOS

Quadros superiores que pretendam qualificação

como Técnicos Superiores de Segurança e Saúde

no Trabalho, Nível 6.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Colaborar na definição da política geral da empresa

relativa à prevenção de riscos;

2. Planear e implementar o correspondente sistema

de gestão;

3. Desenvolver processos de avaliação de riscos

profissionais;

4. Conceber, programar e desenvolver medidas de

prevenção e de proteção;

5. Coordenar tecnicamente as atividades de segurança

no trabalho, assegurando o enquadramento

e a orientação técnica dos profissionais da área da

segurança no trabalho;

6. Gerir o processo de utilização de recursos

externos nas atividades de prevenção e de

proteção;

7. Assegurar a organização da documentação necessária

à gestão da prevenção na empresa;

8. Promover a informação e formação dos trabalhadores

e demais intervenientes nos locais de trabalho;

9. Promover a integração da prevenção nos sistemas

de comunicação da empresa, preparando e

disponibilizando a necessária informação específica;

10. Dinamizar processos de consulta e de participação

dos trabalhadores;

11. Desenvolver as relações da empresa com os

diferentes organismos da rede de prevenção;

12. Conhecer e aplicar o enquadramento legal

existente no domínio da segurança ocupacional.

PROGRAMA

• Gestão das Organizações

• Noções de Estatística e Fiabilidade

• Psicossociologia do Trabalho

• Legislação, Regulamentos e Normas sobre Segurança,

Saúde no Trabalho

• Gestão da Prevenção

• Segurança do Trabalho

• Organização da Emergência

• Higiene do Trabalho

• Ergonomia

• Avaliação de Riscos Profissionais

• Controlo de Riscos Profissionais

• Técnicas de Informação, de Comunicação e de

Negociação

• Conceção e Gestão da Formação

• Trabalho Prático Final

Formação homologada pelo Decreto Lei n.º 110/2000

para acesso ao título profissional de Técnico Superior de

Segurança no Trabalho, previsto na Lei n.º 42/2012.

56 | | Plano de Formação 2018


SEGURANÇA NO TRABALHO EM ESPAÇOS

CONFINADOS

DATAS: 18 de julho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Técnicos cuja atividade profissional se desenvolve

em espaços confinados, e outros quadros médios

e superiores com responsabilidade na área de

segurança e saúde no trabalho.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Identificar as situações que podem potenciar

risco de acidente na realização de trabalhos em

espaços confinados;

2. Adotar medidas preventivas para o trabalho em

espaços confinados;

3. Realizar com segurança trabalhos em espaços

confinados.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO PARA

ESPAÇOS CONFINADOS

• Identificação e sinalização

• Procedimentos de trabalho

• Autorização de entrada

• Responsabilidades e funções

• Equipamentos de proteção individual e coletiva

• Equipamentos de medição

ACIDENTES E ATUAÇÃO EM SITUAÇÃO DE

EMERGÊNCIA EM ESPAÇOS CONFINADOS

• Organização da resposta

• Resgate e Salvamento

CASO PRÁTICO

PROGRAMA

CARACTERIZAÇÃO E TIPOS DE ESPAÇOS

CONFINADOS

• Enquadramento legal

• Classificação dos espaços confinados e tipos de

trabalhos

PERIGOS E AVALIAÇÃO DOS RISCOS

• Identificação, avaliação e controlo dos riscos em

espaços confinados

• Principais riscos em espaços confinados

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 57


PRODUTOS QUÍMICOS - MANUSEAMENTO E

ARMAZENAGEM

DATAS: 18 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 120€

Sócio AIMMAP 135€

Não Sócio 150€

DESTINATÁRIOS

Técnicos cuja atividade profissional envolve o

contacto com químicos, e outros quadros médios

e superiores com responsabilidade na área de

segurança e saúde no trabalho.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer o enquadramento legal e normativo

associado à armazenagem e utilização de produtos

químicos;

2. Efetuar o manuseamento e utilização de produtos

químicos de acordo com as regras de segurança

e ambiente;

3. Garantir a rotulagem das embalagens de produtos

químicos;

4. Contribuir para a prevenção e controlo de derrames

de produtos químicos.

PROGRAMA

REQUISITOS LEGAIS E NORMATIVOS

• Identificação dos requisitos legais e normativos

aplicáveis à armazenagem e manuseamento de

produtos químicos

PERIGOSIDADE DOS PRODUTOS QUÍMICOS

• Substâncias químicas, misturas e efeitos no

ambiente e no organismo humano

• Classificação de produtos químicos

ROTULAGEM E FICHA DE DADOS DE

SEGURANÇA DOS PRODUTOS QUÍMICOS

• Pictogramas de perigo

• Advertências de perigo

• Rotulagem de produtos químicos

• Interpretação de fichas de dados de segurança

ARMAZENAGEM E MANUSEAMENTO DE

PRODUTOS QUÍMICOS

• Regras para armazenagem e manuseamento de

produtos químicos

• Equipamentos de proteção individual

• Resposta a situações de emergência (combate a

incêndios e derrames)

58 | | Plano de Formação 2018


PROTEÇÃO E SEGURANÇA NA EXPOSIÇÃO

DE RADIAÇÕES

DATAS: 15 de maio de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 14:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 4 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 80€

Sócio AIMMAP 90€

Não Sócio 100€

DESTINATÁRIOS

Quadros médios e superiores de organizações.

Colaboradores que na estrutura da organização

detenham responsabilidades na gestão e controlo

da Segurança e Saúde Ocupacional.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Identificar o tipo de radiação e diferenciar radiações

ionizantes de não ionizantes;

2. Conhecer, interpretar e definir medidas de proteção.

PROGRAMA

• Legislação Aplicável

• Radiações Ionizantes e Não Ionizantes

• Exposição Ocupacional – Grupos de Risco

• Formas e Efeitos da Exposição

• Quantificação e Controlo da Exposição

• Proteção Contra a Exposição Ocupacional

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 59


60 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 61


SEGURANÇA EM ATMOSTERAS POTENCIALMENTE

EXPLOSIVAS – DIRETIVA ATEX

DATAS: 17 de outubro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 7 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 104€

Sócio AIMMAP 117€

Não Sócio 130€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de processo, manutenção e segurança

e Técnicos Superiores de SST.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação de formação os formandos

deverão ser capazes de:

1. Conhecer as implicações legais das Diretivas

ATEX;

2. Identificar os locais onde existe a possibilidade de

formação de atmosferas explosivas, classificá-las

em termos ATEX;

3. Intervir na seleção das máquinas e equipamentos

adequadas para laborar em atmosferas ATEX.

CLASSIFICAÇÃO DE ZONAS ATEX

• Fatores que determinam a classificação e extensão

das zonas classificadas

• Metodologias de classificação das zonas

• Medidas preventivas e organizacionais

VERIFICAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE EQUIPA-

MENTOS

• Adequabilidade dos equipamentos nas áreas

classificadas

• Características e graus de proteção dos equipamentos

• Como elaborar o Manual de proteção

PROGRAMA

ATMOSFERAS POTENCIALMENTE EXPLOSI-

VAS

• Enquadramento legal: Decreto Lei n.º 236/2003

e Decreto Lei n.º 112/1996 e Portaria n.º 341/1997

• Identificação das substâncias que originam atmosferas

potencialmente explosivas

• Características das Atmosferas ATEX originadas

por poeiras ou gases/vapores/névoas

62 | | Plano de Formação 2018


SEGURANÇA DE MÁQUINAS

DIRETIVA MÁQUINAS

DATAS: (Ed.1) 12, 14 e 16 de março de 2018

(Ed.2) 19, 21 e 23 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 21 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 264€

Sócio AIMMAP 297€

Não Sócio 330€

DESTINATÁRIOS

Fabricantes de Máquinas, Responsáveis pelo

projeto de máquinas, técnicos de manutenção.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser

capazes de:

1. Conhecer as implicações legais aplicáveis ao

fabrico de máquinas;

2. Garantir o cumprimento dos requisitos essenciais

de segurança;

3. Elaborar o processo técnico.

• Distâncias de segurança

• Processo técnico

APRECIAÇÃO DO RISCO

• Apresentação da metodologia de apreciação do

risco – EN ISO 12100

CIRCUITOS DE COMANDO

• Breve introdução à Norma EN ISO 13849

• Software SISTEMA: Características e

potencialidades

CASOS PRÁTICOS

PROGRAMA

MARCAÇÃO CE

• Enquadramento legislativo no âmbito do fabrico

de máquinas

• Obrigações dos fabricantes

DIRETIVA MÁQUINAS – Decreto Lei n.º

103/2008

• Requisitos essenciais de segurança

• Protetores e dispositivos de segurança

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 63


EN ISO 13849 - SEGURANÇA NA CONCEÇÃO DE

CIRCUITOS DE COMANDO

DATAS: 28 de junho de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 8 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 144€

Sócio AIMMAP 162€

Não Sócio 180€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis pela conceção de circuitos de

comando de máquinas.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de conceber circuitos de comando associados a

funções de segurança, aplicando a metodologia

prevista na norma EN ISO 13849.

PROGRAMA

A NORMA EN ISO 13849

• Requisitos técnicos da EN ISO 13849 -1

O PROJETO DAS PARTES DO SISTEMA

DE COMANDO RELACIONADAS COM A

SEGURANÇA DAS MÁQUINAS

• Determinação do nível de desempenho requerido,

Performance Level (PLr)

• Arquitetura do sistema de comando associado

à função de segurança, Safety integrity level (SIL)

• Conceitos de:

o Mean Time To Dangerous Failure, MTTFd

o Diagnostic Coverage, DC

o Common Cause Failure, CCF

o Probabilidade média de falha perigosa por

hora (PFHd)

• Determinação do nível de desempenho (PL)

• Validação

SOFTWARE SISTEMA

• Características, funções e potencialidades

CASOS PRÁTICOS

EN ISO 12100 APRECIAÇÃO DO RISCO EM

MÁQUINAS – METODOLOGIA

DATAS: 10 de abril de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:00 às 18:00

CARGA HORÁRIA 8 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 144€

Sócio AIMMAP 162€

Não Sócio 180€

DESTINATÁRIOS

Projetistas de máquinas e responsáveis técnicos de

processo e manutenção. Fabricantes de Máquinas,

Responsáveis pelo projeto de máquinas.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer os requisitos da norma EN ISO 12100;

2. Aplicar a metodologia de apreciação do risco,

prevista na norma EN ISO 12100, a uma máquina

e/ou equipamento de trabalho.

PROGRAMA

A NORMA EN ISO 12100 – SEGURANÇA DE

MÁQUINAS - PRINCÍPIOS GERAIS DE CONCEÇÃO

– AVALIAÇÃO E REDUÇÃO DOS RISCOS

• Análise do risco

• Avaliação do risco

• Medidas para redução do risco

CASO PRÁTICO

• Aplicação da metodologia de apreciação do risco a

uma máquina ferramenta e/ou equipamento

64 | | Plano de Formação 2018


SEGURANÇA EM EQUIPAMENTOS DE TRABALHO –

Diretiva Equipamentos de Trabalho

DATAS: (Ed.1) 22 e 23 de maio de 2018

(Ed.2) 7 e 8 de novembro de 2018

LOCAL: Porto

HORÁRIO: 09:30 às 17:30

CARGA HORÁRIA 14 HORAS

PREÇO:

Sócio CATIM 168€

Sócio AIMMAP 189€

Não Sócio 210€

DESTINATÁRIOS

Responsáveis de processo, manutenção e segurança.

Técnicos e Técnicos Superiores de SST e outros

profissionais com responsabilidades ao nível da SST.

RESULTADOS ESPERADOS

No final da ação os formandos deverão ser capazes

de:

1. Conhecer as implicações do Decreto-lei n.º

50/2005 e despoletar na organização todas as

ações necessárias para o seu cumprimento;

2. Identificar os riscos associados aos equipamentos

em utilização e definir medidas para a sua redução;

3. Definir procedimentos para a realização de verificações

iniciais, periódicas e excecionais.

VERIFICAÇÕES INICIAIS PERIÓDICAS E

EXCECIONAIS

• Responsabilidade na realização das verificações

• Listas de verificação

• Resultado da verificação

CASOS PRÁTICOS

• Realização de casos práticos aplicáveis a

equipamentos de trabalho

PROGRAMA

DIRETIVA EQUIPAMENTOS DE TRABALHO –

Decreto Lei n.º 50/2005

• Enquadramento legal

REQUISITOS MÍNIMOS DE SEGURANÇA

• O que analisar num equipamento em utilização

• Como implementar as alterações necessárias

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 65


CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO E

PARTICIPAÇÃO

Inscrição

• A inscrição nas ações de formação do CATIM, implica a aceitação das condições de participação a seguir

detalhadas:

• A inscrição é efetuada através do preenchimento do Formulário/Ficha de Inscrição, disponível online em

www.catim.pt ou a disponibilizar pelo Serviço de Formação do CATIM;

• A inscrição é confirmada por email, pelo Serviço de Formação CATIM;

• Após a receção da inscrição e se reunidos os pré-requisitos de escolaridade/idade previamente identificados

na ação de formação (se aplicável), o Serviço de Formação do CATIM, envia email (preferencial) ao inscrito, a

confirmar a receção/aceitação da inscrição;

• As inscrições serão aceites até 3 dias úteis antes da data de início da ação de formação;

• A realização da ação será confirmada, via email, cerca de 8 dias antes da data da formação.

Condições Especiais de Inscrição

• O preço da ação de formação é reduzido para associados CATIM e associados AIMMAP (apenas para as

ações assinaladas).

Participação

• O número de formandos participantes por ação de formação é limitado a um máximo de 15 formandos;

• Aos formandos que frequentem 95% da carga horária total da ação é atribuído um Certificado de

Frequência de Formação Profissional;

• Aos formandos que frequentem menos que 95% da carga horária total da ação, é atribuída uma Declaração

de Participação em Formação.

Documentação

• Aos formandos será facultada documentação e material de apoio em suporte papel ou digital;

• Toda a documentação disponibilizada ao formando no decurso da formação frequentada, destinase

exclusivamente ao uso e utilização pessoal do formando. Não é autorizada qualquer reprodução da

documentação disponibilizada, sem autorização prévia e formal do CATIM para o efeito.

Fique a saber mais sobre

nós e visite o nosso site

www.catim.pt

66 | | Plano de Formação 2018


Pagamento

• O pagamento da ação de formação, é realizado de acordo com as condições comerciais do CATIM com

o cliente (formando ou entidade patronal do formando);

• Os preços apresentados estão isentos de IVA ao abrigo do artigo 9º do CIVA.

Adiamento | Cancelamento

• O CATIM reserva-se o direito de adiar ou cancelar a ação de formação, caso não estejam reunidas as

condições pedagógicas mínimas necessárias à realização da ação;

• O CATIM aceita o cancelamento da inscrição desde que realizado por escrito e até 72h antes do início

da ação, reembolsando a totalidade do montante eventualmente pago pelo formando/entidade patronal do

formando.

Instalações | Recursos

• A Formação apresentada no Plano de Formação é realizada nos Pólos do Porto, Braga sendo o local de

formação identificado em cada ação de formação;

• Os Pólos de Formação no Porto e Braga dispõem de estacionamento;

• As salas de formação estão equipadas com Rede Wireless.

Contactos

Serviço de Formação

Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica

Centro de Formação Porto | Rua dos Plátanos, n.º 197 - 4100-414 Porto

T. (+351) 226 159 000 | F. (+351) 226 159 035

Centro de Formação Braga | Rua Cidade do Porto, Campus da Delphi - Ed. 4, - 4705-086 Braga

T. (+351) 253 193 705

formacao@catim.pt | catim@catim.pt | www.catim.pt | www.catim.pt/blog

www.facebook.com/catim.pt | www.linkedin.com/company/catim

Siga-nos pelas redes sociais!

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 67


CALENDÁRIO 2018

68 | | Plano de Formação 2018


NOTAS

+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 69


70 | | Plano de Formação 2018


+ info www.catim.pt | formacao@catim.pt | catim@catim.pt | 71


72 | | Plano de Formação 2018

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!