Views
1 month ago

Revista Curinga Edição 13

Revista Laboratorial do Curso de Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto.

Identidade O xadrez das

Identidade O xadrez das últimas eleições presidenciais polarizou discursos de ideologias extremadas, distintas pelo conhecido viés da luta Direita vs. Esquerda. No imaginário eleitoral, a separação pareceu resolvida. No tabuleiro da política, porém, nem tudo é o que parece... Opostos em

A palavra “política”, derivada do grego politikós, diz respeito àquilo que é da cidade, da pólis (na Grécia Antiga) e da sociedade. Desde Aristóteles é vista como uma prática enraizada, de interesse humano enquanto cidadão. “Todo homem é um ser político por natureza”, afirmou o filósofo grego em sua mais célebre obra, “A Política”. Ao longo do tempo, o termo assumiu outras conotações, como o modo de “saber lidar” com as coisas da sociedade. Assim, a política se manifesta não só pelas ações do governo e de administração do Estado, mas também pela forma como a sociedade civil se relaciona com esse mesmo Estado. Para o filósofo político italiano Norberto Bobbio a política pensada como prática humana está ligada ao conceito de poder, à ideia de posse para obtenção de vantagem de um homem ou grupo sobre o outro. “O poder político, enfim, funda-se sobre a posse dos instrumentos através dos quais se exerce a força física (armas de todo tipo e grau): é o poder coativo no sentido mais estrito da palavra”. Em consonância a isso, a divisão radical dos partidos políticos e seus candidatos entre os extremos Direita e Esquerda, podem ser, a princípio, entendidas a partir da definição clássica da Revolução Francesa, no fim do século XVIII. Texto: Daniella Andrade e Danilo Moreira Foto: Aldo Damasceno Arte: Ana Elisa Siqueira Droit X gauche Poucas pessoas sabem identificar por qual razão esses termos de orientação possuem a função de descrever uma perspectiva ou ideologia ligada a um partido ou político. Em 1789, a população francesa era considerada a maior do mundo, se dividia em três estados (1º clero, 2º nobreza e 3º povo) e sofria grande crise econômica. Com a organização da Assembleia dos Estados Gerais, a Assembleia Nacional Constituinte ganhou força política e representatividade, formada pelo 3º estado. Durante as reuniões, as tendências políticas na Assembleia Nacional se distribuíam fisicamente. À direita (droit), se colocavam os integrantes do funcionalismo real – nobres, proprietários de terra, burgueses enriquecidos e alguns clérigos - identificados como Gironda e à esquerda (gauche) os representantes do povo – membros da pequena e média burguesia, Jacobinos, que buscavam reforma para findar a grave crise que se estendia. Com o tempo, a disseminação dos atos e ideias, que provocaram a Revolução, foi determinante para a adoção dos termos de Direita e Esquerda política sob a perspectiva da Assembleia Nacional. De acordo com o historiador Murilo Cisalpino, “havia outra identificação física, ou geográfica, dentro da assembleia: ‘A Montanha’, para os jacobinos que se sentavam no alto e à esquerda e ‘A Planície’, para o grupo de deputados independentes, que costumavam se reunir na parte mais baixa da assembleia”. xeque CURINGA | EDIÇÃO 13 33

Revista Curinga Edição 21
Revista Curinga Edição 23
Revista Curinga Edição 15
Revista Curinga Edição 11
Revista Curinga Edição 18
Revista Curinga Edição 12
Revista Curinga Edição 05
Revista Curinga Edição 20
Revista Curinga Edição 17
Revista Curinga Edição 19
Revista Curinga Edição 08
Revista Curinga Edição 16
Revista Curinga Edição 07
Revista Curinga Edição 01
Revista Curinga Edição 06
Revista Curinga Edição 00
edicao-86-revista-entre-lagos
Revista UnicaPhoto - Edição 06 - Maio/2016
OBSERVATORIO DO ANALISTA EM REVISTA - 1 EDICAO
Smurfs Reviva essa emoção - Revista Hadar!
Revista Economia & Tecnologia - Universidade Federal do Paraná
Revista Curinga Edição 10
Revista Curinga Edição 09