Views
4 weeks ago

Anais DCIMA Final

Página 666 alunos

Página 666 alunos tenham contato com fatores de diversas ordens, sejam elas, linguísticas, cognitivas ou interacionais. A retextualização de produções literárias africanas permite, sobretudo, compreender como se dá a oralidade em todos os seus aspectos; analisar os diferentes contextos de enunciação para então chegar à modalidade escrita. Deste modo, considerando o letramento enquanto prática social, e a retextualização como estratégia de olhar o diverso, esta pesquisa, assim como sua aplicabilidade, poderá ser como um início para quebra de paradigmas historicamente conhecidos e até mesmo equivocados sobre a história, a cultura e a tradição do continente africano. Por outro lado, a sala de aula será palco de resistência, no qual será mostrado aos discentes que a negritude é capaz de produzir conhecimentos e que por isso deve também ser valorizada em todos os seus aspectos, sem estereótipos. Abaixo, seguem as figuras com os planos de aula, os quais refletem o ensino de Literatura africana ao lado das práticas de Letramento e retextualização: Figura 1. Caminhos para aplicabilidade Universidade Federal do Maranhão – Cidade Universitária Dom Delgado Avenida dos Portugueses, 1.966 - São Luís - MA - CEP: 65080-805

Página 667 Figura 2. África em sala de aula 4. Considerações finais Voltando as questões essenciais do trabalho, pensamos que proporcionar aos discentes um encontro com o ancestral imanente às produções literárias africanas, é de certa forma, mostrar como a oralidade configura-se dentro das narrativas; entender como diferentes sociedades funcionam conforme as suas tradições e cultura, é valorizar a diversidade instituída pelos PCNs. Quanto ao papel do docente, é necessária em sala de aula, uma postura crítica, e, sobretudo, acolhedora a respeito da diversidade; uma vez que conforme os PCNs: o professor enquanto profissional deve arquitetar sua identidade com ética e autonomia buscando assim a qualidade e o aprimoramento da aprendizagem do corpo discente, e fundamentados na política da igualdade, empenhar-se, por conseguinte, para a garantia de oportunidades iguais e de aprendizagem e tratamento adequado às características pessoais de todo o corpo estudantil. Desse modo, a escola abrigará a pluralidade, presentes em diferentes contextos de produção. O papel desta pesquisa bibliográfica e sua aplicabilidade resumem-se, substancialmente, em promover atividades que envolvam a valorização da cultura africana e afro brasileira por meio de suas literaturas, e ainda, a identificação e escrita de variados gêneros textuais e discursivos aos alunos, de modo que aprendam a produzi-los e, em consequência, saibam utilizá-los no seu dia a dia em contextos específicos. O diálogo que as diferentes facetas do letramento propõem com as produções literárias africanas, assim como a retextualizaçãoem suma- é um recurso indispensável para a formação dos discentes. Universidade Federal do Maranhão – Cidade Universitária Dom Delgado Avenida dos Portugueses, 1.966 - São Luís - MA - CEP: 65080-805

  • Page 1 and 2:

    Universidade Federal do Maranhão -

  • Page 3 and 4:

    Colóquio Internacional Mídia e Di

  • Page 5 and 6:

    ORGANIZADORES Profa. Dra. Conceiç

  • Page 7 and 8:

    EVOLUÇÃO MULTIMODAL DAS IMAGENS D

  • Page 9 and 10:

    O DISCURSO EM TORNO AO CONSUMIDOR D

  • Page 11 and 12:

    Página 11 APRESENTAÇÃO A III edi

  • Page 13 and 14:

    Página 13 Machado de Assis, Drummo

  • Page 15 and 16:

    Página 15 acesso ao conhecimento e

  • Page 17 and 18:

    Página 17 A literatura definida pe

  • Page 19 and 20:

    Página 19 A língua, bem cultural

  • Page 21 and 22:

    Página 21 Para Cândido (1995, p.

  • Page 23 and 24:

    Página 23 A METÁTESE DOS RÓTICOS

  • Page 25 and 26:

    Página 25 Assim, é possível sist

  • Page 27 and 28:

    Página 27 2.1 Variação diatópic

  • Page 29 and 30:

    Página 29 Nessa perspectiva, foi p

  • Page 31 and 32:

    Página 31 mudança linguística (T

  • Page 33 and 34:

    Página 33 A PRESENÇA DOS PRECEITO

  • Page 35 and 36:

    Página 35 Platão dizia que se um

  • Page 37 and 38:

    Página 37 As noções de amor cele

  • Page 39 and 40:

    Página 39 Por fim, na conclusão d

  • Page 41 and 42:

    Página 41 poeta português “não

  • Page 43 and 44:

    Página 43 novo em todos os aspecto

  • Page 45 and 46:

    Página 45 vinculados a várias cat

  • Page 47 and 48:

    Página 47 a destinem imediatamente

  • Page 49 and 50:

    Página 49 Quadro 2: Excertos relat

  • Page 51 and 52:

    Página 51 Quadro 5: Excertos relat

  • Page 53 and 54:

    Página 53 CARNEIRO, M. F. Emergên

  • Page 55 and 56:

    Página 55 a cidade, ou seja, inves

  • Page 57 and 58:

    Página 57 Portanto, o processo de

  • Page 59 and 60:

    Página 59 diálogo entre sua forma

  • Page 61 and 62:

    Página 61 iam bater nas janelas do

  • Page 63 and 64:

    Página 63 discussão sobre esses m

  • Page 65 and 66:

    Página 65 publicação da obra - e

  • Page 67 and 68:

    Página 67 A TV UFMA se apresenta c

  • Page 69 and 70:

    Página 69 diretor de doblaje y los

  • Page 71 and 72:

    Página 71 Lessa (2002), Araújo (2

  • Page 73 and 74:

    Página 73 TAV em legendagem e dubl

  • Page 75 and 76:

    Página 75 ARAÚJO, V. Glossário b

  • Page 77 and 78:

    Página 77 ANÁLISE DO DISCURSO DE

  • Page 79 and 80:

    Página 79 (GOLDENBERG, 2004). Já

  • Page 81 and 82:

    Página 81 quem te disse que elas n

  • Page 83 and 84:

    Página 83 MENIN, V. Proteína vege

  • Page 85 and 86:

    Página 85 SANTOS, F. S. A Botânic

  • Page 87 and 88:

    Página 87 interesses político-eco

  • Page 89 and 90:

    Página 89 trabalho objetiva invest

  • Page 91 and 92:

    Página 91 Figura 1. Placa de ident

  • Page 93 and 94:

    Página 93 Figura 4. Placa com iden

  • Page 95 and 96:

    Página 95 5-Ajudando a natureza

  • Page 97 and 98:

    Página 97 característica (textos

  • Page 99 and 100:

    Página 99 BELÉM 400 ANOS: POLIFON

  • Page 101 and 102:

    Página 101 locais materializadas e

  • Page 103 and 104:

    Página 103 momentos históricos de

  • Page 105 and 106:

    Página 105 A imagem a seguir é um

  • Page 107 and 108:

    Página 107 Nesse movimento, o aind

  • Page 109 and 110:

    Página 109 Ainda no momento pré-a

  • Page 111 and 112:

    Página 111 Figura 8: Jovem negro F

  • Page 113 and 114:

    Página 113 A carta-manifesto tamb

  • Page 115 and 116:

    Página 115 Assim, vejo que a polif

  • Page 117 and 118:

    Página 117 DESIGUALDADE DE GÊNERO

  • Page 119 and 120:

    Página 119 Mas, hoje esse cenário

  • Page 121 and 122:

    Página 121 Portanto, é possível

  • Page 123 and 124:

    Página 123 Portanto, vale ressalta

  • Page 125 and 126:

    Página 125 DIFERENTES TIPOS DE GER

  • Page 127 and 128:

    Página 127 (NP 12 ), sintagma verb

  • Page 129 and 130:

    Página 129 (14) a. Os bandidos esc

  • Page 131 and 132:

    Página 131 exprimir por si nem o t

  • Page 133 and 134:

    Página 133 3. Relação entre as p

  • Page 135 and 136:

    Página 135 (37) O Zé ouvia o Paul

  • Page 137 and 138:

    Página 137 4.1.1. Gerúndio predic

  • Page 139 and 140:

    Página 139 5. Considerações fina

  • Page 141 and 142:

    Página 141 DISCURSO DE DIVULGAÇÃ

  • Page 143 and 144:

    Página 143 cotidiano da sociedade,

  • Page 145 and 146:

    Página 145 textos que tratava de a

  • Page 147 and 148:

    Página 147 Nesta perspectiva deve-

  • Page 149 and 150:

    Página 149 DIÁRIO DA BIOLOGIA. Cu

  • Page 151 and 152:

    Página 151 HERSHEY, D. Plant blind

  • Page 153 and 154:

    Página 153 Para subsidiar tal prop

  • Page 155 and 156:

    Página 155 em devir: a parte da hi

  • Page 157 and 158:

    Página 157 universidade, enfocando

  • Page 159 and 160:

    Página 159 4. Diagnóstico: Revisi

  • Page 161 and 162:

    Página 161 E se antes a presença

  • Page 163 and 164:

    Página 163 Importante é também q

  • Page 165 and 166:

    Página 165 1. Desenvolvimento do a

  • Page 167 and 168:

    Página 167 sobre os grupos de sota

  • Page 169 and 170:

    Página 169 Figura 4. Instrumento m

  • Page 171 and 172:

    Página 171 ESPAÇO, SUBJETIVIDADES

  • Page 173 and 174:

    Página 173 “arigós”. Quando c

  • Page 175 and 176:

    Página 175 pouca influência de ou

  • Page 177 and 178:

    Página 177 Muitas famílias não f

  • Page 179 and 180:

    Página 179 EVOLUÇÃO MULTIMODAL D

  • Page 181 and 182:

    Página 181 devido a seu caráter d

  • Page 183 and 184:

    Página 183 pratica a ação); não

  • Page 185 and 186:

    Página 185 5. Análise da evoluç

  • Page 187 and 188:

    Página 187 Figura 2: Distância so

  • Page 189 and 190:

    Página 189 6. Considerações fina

  • Page 191 and 192:

    Página 191 HORROR E HESITAÇÃO NO

  • Page 193 and 194:

    Página 193 fantásticos baseados n

  • Page 195 and 196:

    Página 195 literária. Contra ela

  • Page 197 and 198:

    Página 197 IDENTIDADE E REFERENCIA

  • Page 199 and 200:

    Página 199 moderno, ou seja, uma i

  • Page 201 and 202:

    Página 201 Essas recategorizaçõe

  • Page 203 and 204:

    Página 203 Percebemos assim que, n

  • Page 205 and 206:

    Página 205 ROCKENBACH, M. R. P. A

  • Page 207 and 208:

    Página 207 cidade e seu processo d

  • Page 209 and 210:

    Página 209 identidade peculiar,

  • Page 211 and 212:

    Página 211 época. A cidade de Sã

  • Page 213 and 214:

    Página 213 através dessa constant

  • Page 215 and 216:

    Página 215 INTERGENERECIDADE NA PR

  • Page 217 and 218:

    Página 217 Seguindo, então, a an

  • Page 219 and 220:

    Página 219 (BAZERMAN 2006, p.93) n

  • Page 221 and 222:

    Página 221 Na perspectiva da inter

  • Page 223 and 224:

    Página 223 KOCH, Ingedore G. Vila

  • Page 225 and 226:

    Página 225 Em meados do século XV

  • Page 227 and 228:

    Página 227 do rio Passo Fundo. Est

  • Page 229 and 230:

    Página 229 “Creio que aquilo que

  • Page 231 and 232:

    Página 231 os espaços na grande m

  • Page 233 and 234:

    Página 233 Mas, e o assassinato br

  • Page 235 and 236:

    Página 235 MARCAS LINGUÍSTICAS DA

  • Page 237 and 238:

    Página 237 2. A ‘Nova Retórica

  • Page 239 and 240:

    Página 239 O ato argumentativo é

  • Page 241 and 242:

    Página 241 Para facilitar os enten

  • Page 243 and 244:

    Página 243 Inicialmente há um di

  • Page 245 and 246:

    Página 245 Por outro lado, a const

  • Page 247 and 248:

    Página 247 MUDAR É SAIR DE ALGUM

  • Page 249 and 250:

    Página 249 Reiterando que essa “

  • Page 251 and 252:

    Página 251 Destacaremos, a partir

  • Page 253 and 254:

    Página 253 3. Análises e discuss

  • Page 255 and 256:

    Página 255 expressa seu desejo de

  • Page 257 and 258:

    Página 257 do que eu era” (l. 28

  • Page 259 and 260:

    Página 259 MEDEIROS, M. C. Unidos

  • Page 261 and 262:

    Página 261 observadas na dispersã

  • Page 263 and 264:

    Página 263 circular, uma disciplin

  • Page 265 and 266:

    Página 265 Figura 2 31 Sob o mote

  • Page 267 and 268:

    Página 267 Figura 4 33 Ana Paula,

  • Page 269 and 270:

    Página 269 O teste em que precisam

  • Page 271 and 272:

    Página 271 estão voltados para a

  • Page 273 and 274:

    Página 273 NARRATIVAS, SUBJETIVIDA

  • Page 275 and 276:

    Página 275 A obra de Maria Carolin

  • Page 277 and 278:

    Página 277 O presente estudo parte

  • Page 279 and 280:

    Página 279 NUM ANO ERA FEIJÃO E N

  • Page 281 and 282:

    Página 281 1. A desapropriação d

  • Page 283 and 284:

    Página 283 Contudo, ainda que apar

  • Page 285 and 286:

    Página 285 De acordo com lideranç

  • Page 287 and 288:

    Página 287 Após nove dias, um aco

  • Page 289 and 290:

    Página 289 Quando as dívidas eram

  • Page 291 and 292:

    Página 291 invadidas. A ação de

  • Page 293 and 294:

    Página 293 O AUDIOVISUAL E O GRAFI

  • Page 295 and 296:

    Página 295 principalmente, em cont

  • Page 297 and 298:

    Página 297 O terceiro filme exibid

  • Page 299 and 300:

    Página 299 ao combate à homofobia

  • Page 301 and 302:

    Página 301 Outro relato de experi

  • Page 303 and 304:

    Página 303 é feita, sua localiza

  • Page 305 and 306:

    Página 305 O CORPO SABE DO QUE É

  • Page 307 and 308:

    Página 307 e assumir impulsos iner

  • Page 309 and 310:

    Página 309 de desafiar, expor, col

  • Page 311 and 312:

    Página 311 comunicação-expressã

  • Page 313 and 314:

    Página 313 mesmo sabendo da efemer

  • Page 315 and 316:

    Página 315 Detenho o imutável Des

  • Page 317 and 318:

    Página 317 O CUIDADO COM A MEMÓRI

  • Page 319 and 320:

    Página 319 2. Chacina da Fazenda U

  • Page 321 and 322:

    Página 321 a respeito das lembran

  • Page 323 and 324:

    Página 323 na hora de assentar ess

  • Page 325 and 326:

    Página 325 com ampla repressão do

  • Page 327 and 328:

    Página 327 4. Considerações fina

  • Page 329 and 330:

    Página 329 O DISCURSO DO FUTURO PR

  • Page 331 and 332:

    Página 331 conhecimento na língua

  • Page 333 and 334:

    Página 333 estreita superfície de

  • Page 335 and 336:

    Página 335 tendenciada a não perm

  • Page 337 and 338:

    Página 337 língua inglesa/ desde

  • Page 339 and 340:

    Página 339 contribuem para a sua i

  • Page 341 and 342:

    Página 341 O DISPOSITIVO MIDIÁTIC

  • Page 343 and 344:

    Página 343 As condições de possi

  • Page 345 and 346:

    Página 345 3. Jean Manzon e sua fi

  • Page 347 and 348:

    Página 347 A abertura da estrada q

  • Page 349 and 350:

    Página 349 tivesse morrido desta v

  • Page 351 and 352:

    Página 351 Referências FOUCAULT,

  • Page 353 and 354:

    Página 353 mais diferentes áreas,

  • Page 355 and 356:

    Página 355 Estes elementos do gên

  • Page 357 and 358:

    Página 357 Apesar de não ter perd

  • Page 359 and 360:

    Página 359 Além dos elementos des

  • Page 361 and 362:

    Página 361 Referências ANDERSON,

  • Page 363 and 364:

    Página 363 narrativas deixou de se

  • Page 365 and 366:

    Página 365 tanto no Pará, quanto

  • Page 367 and 368:

    Página 367 As narrativas orais ind

  • Page 369 and 370:

    Página 369 Tudo começa como uma m

  • Page 371 and 372:

    Página 371 madeireiros, o que prov

  • Page 373 and 374:

    Página 373 NEVES, Ivânia; CARDOSO

  • Page 375 and 376:

    Página 375 Ao se investigar, espec

  • Page 377 and 378:

    Página 377 Para o autor, a ideia d

  • Page 379 and 380:

    Página 379 A observação da pintu

  • Page 381 and 382:

    Página 381 Figura 02. Mulher indí

  • Page 383 and 384:

    Página 383 Figura 04. O povo Tenet

  • Page 385 and 386:

    Página 385 tratadas como seres viv

  • Page 387 and 388:

    Página 387 Victoria que a maioria

  • Page 389 and 390:

    Página 389 3. “Urso Branco”: C

  • Page 391 and 392:

    Página 391 Referências BIRMAN, Jo

  • Page 393 and 394:

    Página 393 simbólicos das marcas

  • Page 395 and 396:

    Página 395 O Círio de Nazaré car

  • Page 397 and 398:

    Página 397 Desde os primórdios do

  • Page 399 and 400:

    Página 399 É interessante ressalt

  • Page 401 and 402:

    Página 401 Figura 7. Anúncio Cír

  • Page 403 and 404:

    Página 403 Neste deslocamento da h

  • Page 405 and 406:

    Página 405 QUE AMAZÔNIA É ESSA?:

  • Page 407 and 408:

    Página 407 sua nova posição - de

  • Page 409 and 410:

    Página 409 Durante o percurso de o

  • Page 411 and 412:

    Página 411 5. Análises e discuss

  • Page 413 and 414:

    Página 413 Consideramos pertinente

  • Page 415 and 416:

    Página 415 QUEM FALA, QUEM CALA: A

  • Page 417 and 418:

    Página 417 É a esse corpus que vo

  • Page 419 and 420:

    Página 419 anos 1980, do garimpo d

  • Page 421 and 422:

    Página 421 Mas quem, afinal, atuou

  • Page 423 and 424:

    Página 423 Do lado da empresa, tam

  • Page 425 and 426:

    Página 425 O jornal, assim, funcio

  • Page 427 and 428:

    Página 427 TEXTOS PUBLICITÁRIOS I

  • Page 429 and 430:

    Página 429 de uma forma geral ou a

  • Page 431 and 432:

    Página 431 Com o objetivo de exemp

  • Page 433 and 434:

    Página 433 Tabela 1: Quantidade de

  • Page 435 and 436:

    Página 435 coleção, correspondem

  • Page 437 and 438:

    Página 437 MACEDO, J. O. R. A esco

  • Page 439 and 440:

    Página 439 econômico. Elas estão

  • Page 441 and 442:

    Página 441 Esses quatro exemplos b

  • Page 443 and 444:

    Página 443 No que tange aos objeti

  • Page 445 and 446:

    Página 445 É relevante que o agen

  • Page 447 and 448:

    Página 447 A Alumar estava se impl

  • Page 449 and 450:

    Página 449 No caso ludovicense, te

  • Page 451 and 452:

    Página 451 UM ARQUIVO DISCURSIVO D

  • Page 453 and 454:

    Página 453 Na concepção foucault

  • Page 455 and 456:

    Página 455 é fruto apenas de uma

  • Page 457 and 458:

    Página 457 da Língua Brasileira d

  • Page 459 and 460:

    Página 459 Assim, o Decreto estabe

  • Page 461 and 462:

    Página 461 4. Algumas consideraç

  • Page 463 and 464:

    Página 463 UMA ANALISE SOBRE AS NA

  • Page 465 and 466:

    Página 465 1. Prática Docente A n

  • Page 467 and 468:

    Página 467 A prática docente no d

  • Page 469 and 470:

    Página 469 A interação com o alu

  • Page 471 and 472:

    Página 471 UMA CÂMERA NA MÃO, UM

  • Page 473 and 474:

    Página 473 A ideia dessa pesquisa

  • Page 475 and 476:

    Página 475 quanto ter noção no m

  • Page 477 and 478:

    Página 477 Em uma determinada cena

  • Page 479 and 480:

    Página 479 Referências BARTHES, R

  • Page 481 and 482:

    Página 481 Foi pensando em utiliza

  • Page 483 and 484:

    Página 483 2. Abordagem teórica e

  • Page 485 and 486:

    Página 485 - construir com os alun

  • Page 487 and 488:

    Página 487 Neste processo de apren

  • Page 489 and 490:

    Página 489 Referências BLOOM, H.

  • Page 491 and 492:

    Página 491 Foi pensando em utiliza

  • Page 493 and 494:

    Página 493 2. Abordagem teórica e

  • Page 495 and 496:

    Página 495 - construir com os alun

  • Page 497 and 498:

    Página 497 Neste processo de apren

  • Page 499 and 500:

    Página 499 Referências BLOOM, H.

  • Page 501 and 502:

    Página 501 Sigismund Schlomo Freud

  • Page 503 and 504:

    Página 503 como “Atividade plás

  • Page 505 and 506:

    Página 505 contrário ela a denunc

  • Page 507 and 508:

    Página 507 pela fantasia na vida p

  • Page 509 and 510:

    Página 509 1.3 Freud contra a arte

  • Page 511 and 512:

    Página 511 1.4 Uma psicanálise

  • Page 513 and 514:

    Página 513 Referências ARCHER, Mi

  • Page 515 and 516:

    Página 515 JORGE, Marco Antonio Co

  • Page 517 and 518:

    Página 517 2013b;). Após isso, fa

  • Page 519 and 520:

    Página 519 É importante destacar

  • Page 521 and 522:

    Página 521 O livro é dividido em

  • Page 523 and 524:

    Página 523 Foucault (2003, p. 208)

  • Page 525 and 526:

    Página 525 Nos versos “Ivan Cost

  • Page 527 and 528:

    Página 527 O DISCURSO DO USO DO CO

  • Page 529 and 530:

    Página 529 1. Formação identitá

  • Page 531 and 532:

    Página 531 Contamos as cédulas: d

  • Page 533 and 534:

    Página 533 a sexualidade é uma fi

  • Page 535 and 536:

    Página 535 uns segundos. Por assom

  • Page 537 and 538:

    Página 537 O DISCURSO EM TORNO AO

  • Page 539 and 540:

    Página 539 prevenção e atendimen

  • Page 541 and 542:

    Página 541 psicoativas lícitas ou

  • Page 543 and 544:

    Página 543 Assim, retomando a aná

  • Page 545 and 546:

    Página 545 Assim, se poderia acion

  • Page 547 and 548:

    Página 547 NO TEXTO) que devem ser

  • Page 549 and 550:

    Página 549 “SEBASTIANOS: OS NARR

  • Page 551 and 552:

    Página 551 os posicionamentos de q

  • Page 553 and 554:

    Página 553 manifestação folclór

  • Page 555 and 556:

    Página 555 A CONVERSAÇÃO NA CONT

  • Page 557 and 558:

    Página 557 No âmbito comunicativo

  • Page 559 and 560:

    Página 559 Conforme podemos observ

  • Page 561 and 562:

    Página 561 Em sua pesquisa acerca

  • Page 563 and 564:

    Página 563 desse fazer nos faz sub

  • Page 565 and 566:

    Página 565 Da mesma maneira que as

  • Page 567 and 568:

    Página 567 O CULTIVO DO TOPOS DA F

  • Page 569 and 570:

    Página 569 que, umas, os ventos at

  • Page 571 and 572:

    Página 571 Oh, não aguardes, que

  • Page 573 and 574:

    Página 573 Que nos vai corroendo d

  • Page 575 and 576:

    Página 575 MOBILIDADES EM TRÂNSIT

  • Page 577 and 578:

    Página 577 Ao referirmo-nos a disc

  • Page 579 and 580:

    Página 579 controlam a forma como

  • Page 581 and 582:

    Página 581 conforme os objetivos d

  • Page 583 and 584:

    Página 583 Para os motoristas de

  • Page 585 and 586:

    Página 585 Os sujeitos aqui assume

  • Page 587 and 588:

    Página 587 PERFIL TOPONOMÁSTICO D

  • Page 589 and 590:

    Página 589 1.2 O Topônimo Os top

  • Page 591 and 592:

    Página 591 O Hagiotopônimo Madre

  • Page 593 and 594:

    Página 593 Na jurisdição do Capi

  • Page 595 and 596:

    Página 595 caso, houve a alteraç

  • Page 597 and 598:

    Página 597 Em síntese, a partir d

  • Page 599 and 600:

    Página 599 ROTAÇÕES DE PERSPECTI

  • Page 601 and 602:

    Página 601 recados da mata são te

  • Page 603 and 604:

    Página 603 roupa era difícil e sa

  • Page 605 and 606:

    Página 605 portanto, um deixar-se

  • Page 607 and 608:

    Página 607 UNIVERSIDADE FEDERAL DO

  • Page 609 and 610:

    Página 609 Assim, o estudo voltou-

  • Page 611 and 612:

    Página 611 Em Alcântara, com cele

  • Page 613 and 614:

    Página 613 Social, a qual é a reu

  • Page 615 and 616: Página 615 portuguesa, nisso se re
  • Page 617 and 618: Página 617 Contudo, a memória del
  • Page 619 and 620: Página 619 7 Entrevista com a caix
  • Page 621 and 622: Página 621 APLICATIVO “NAMETESTS
  • Page 623 and 624: Página 623 Partindo desse pressupo
  • Page 625 and 626: Página 625 E por fim surge a ideia
  • Page 627 and 628: Página 627 Para Zygmunt Bauman (20
  • Page 629 and 630: Página 629 “COM VOCÊ EM TODO LU
  • Page 631 and 632: Página 631 De igual modo, o pentec
  • Page 633 and 634: Página 633 tecnológico, favorecen
  • Page 635 and 636: Página 635 (CARREIRO, 2007; RIVERA
  • Page 637 and 638: Página 637 MARTINO, Luís Mauro S
  • Page 639 and 640: Página 639 Desde este punto de vis
  • Page 641 and 642: Página 641 En este sentido, el ent
  • Page 643 and 644: Página 643 Mismo que reconocemos l
  • Page 645 and 646: Página 645 En nuestra realidad act
  • Page 647 and 648: Página 647 Las transformaciones y
  • Page 649 and 650: Página 649 IMBRIANO, Amelia Haydé
  • Page 651 and 652: Página 651 Partindo desta premissa
  • Page 653 and 654: Página 653 Deste modo, as tradiç
  • Page 655 and 656: Página 655 ID2”Eu tenho comido m
  • Page 657 and 658: Página 657 CAMARGOS, M. C. S; NASC
  • Page 659 and 660: Página 659 que, há muito se discu
  • Page 661 and 662: Página 661 Posto essas implicaçõ
  • Page 663 and 664: Página 663 No que concerne ao letr
  • Page 665: Página 665 negro. Segundo Rodrigue
  • Page 669 and 670: Página 669 Disponível em: http://
  • Page 671 and 672: Página 671 Este artigo analisa a c
  • Page 673 and 674: Página 673 tarde, em 1969, uma eme
  • Page 675 and 676: Página 675 1977 Após um longo int
  • Page 677 and 678: Página 677 1995 Ainda na década d
  • Page 679 and 680: Página 679 2002 Em 2002, a veicula
  • Page 681 and 682: Página 681 a "vendedor" e "consumi
  • Page 683 and 684: Página 683 O SERINGAL E A METÁFOR
  • Page 685 and 686: Página 685 Ocidental, o alfabeto t
  • Page 687 and 688: Página 687 "Entre o seringais" é
  • Page 689 and 690: Página 689 mantimentos com preços
  • Page 691 and 692: Página 691 Esse homem [o seringuei
  • Page 693 and 694: Página 693 Valendo-se da figuraç
  • Page 695 and 696: Página 695 A Guiana Francesa não
  • Page 697 and 698: Página 697 que, após a independê
  • Page 699 and 700: Página 699 ecossistêmicas para a
  • Page 701 and 702: Página 701 Figura 3. Garimpo ilega
  • Page 703 and 704: Página 703 DO TEXTO AO DISCURSO: R
  • Page 705 and 706: Página 705 do ensino fundamental a
  • Page 707 and 708: Página 707 (...) objeto da Anális
  • Page 709 and 710: Página 709 Após revelar que o nos
  • Page 711 and 712: Página 711 O fenômeno da globaliz
  • Page 713 and 714: Página 713 O CUIDADO COM A MEMÓRI
  • Page 715 and 716: Página 715 Chacina da Fazenda Ubá
  • Page 717 and 718:

    Página 717 a respeito das lembran

  • Page 719 and 720:

    Página 719 na hora de assentar ess

  • Page 721 and 722:

    Página 721 com ampla repressão do

  • Page 723 and 724:

    Página 723 Considerações finais

  • Page 725 and 726:

    Página 725 ANIVERSÁRIO DE 400 ANO

  • Page 727 and 728:

    Página 727 e não de outros, ou se

  • Page 729 and 730:

    Página 729 um ano antes do anivers

  • Page 731 and 732:

    Página 731 Aqui também há a atua

  • Page 733 and 734:

    Página 733 Figura 3: Capa do livro

  • Page 735 and 736:

    Página 735 O POTENCIAL DOS APLICAT

  • Page 737 and 738:

    Página 737 estudos que versam sobr

  • Page 739 and 740:

    Página 739 cursos: Inglês, Espanh

  • Page 741 and 742:

    Página 741 competência comunicati

  • Page 743 and 744:

    Página 743 No segundo momento, rea

  • Page 745 and 746:

    Página 745 4. Considerações fina

  • Page 747 and 748:

    Página 747 A IMPORTÂNCIA DO ENSIN

  • Page 749 and 750:

    Página 749 Nesse sentido, o desenv

  • Page 751 and 752:

    Página 751 Com efeito na justifica

  • Page 753 and 754:

    Página 753 atinge a dimensão da t

  • Page 755 and 756:

    Página 755 (II) ressalte a import

  • Page 757 and 758:

    Página 757 Estipule um tempo para

  • Page 759 and 760:

    Página 759 BIRDERMAN, Maria Tereza

  • Page 761 and 762:

    Página 761 transformação. Portan

  • Page 763 and 764:

    Página 763 verdadeiro, a teoria p

  • Page 765 and 766:

    Página 765 justamente a relação

  • Page 767 and 768:

    Página 767 entre lugar da alterida

  • Page 769 and 770:

    Página 769 “Não basta que os mu

  • Page 771 and 772:

    Página 771 REFERÊNCIAS BEHARES, L

  • Page 773 and 774:

    Página 773 Campo. Resolução CNE/

  • Page 775 and 776:

    Página 775 organização e resist

  • Page 777 and 778:

    Página 777 ponto de vista que é p

  • Page 779 and 780:

    Página 779 múltiplos dispositivos

  • Page 781 and 782:

    Página 781 movimentos sociais em d

  • Page 783 and 784:

    Página 783 A educação do Campo,

  • Page 785 and 786:

    Página 785 OS DISCURSOS DOS PROFES

  • Page 787 and 788:

    Página 787 segundo momento, foi re

  • Page 789 and 790:

    Página 789 condições gerais de e

  • Page 791 and 792:

    Página 791 Em virtude de tais apon

  • Page 793 and 794:

    Página 793 4. Considerações fina

  • Page 795 and 796:

    Página 795 A MEMÓRIA PEDAGÓGICA

  • Page 797 and 798:

    Página 797 Nessa concepção de me

  • Page 799 and 800:

    Página 799 A memória individual n

  • Page 801 and 802:

    Página 801 De acordo com Mota (200

  • Page 803 and 804:

    Página 803 MAGALHÃE, Lívia Diana

  • Page 805 and 806:

    Página 805 Para Elias (1989, p.23)

  • Page 807 and 808:

    Página 807 No mundo fabril, onde o

  • Page 809 and 810:

    Página 809 da disciplinarização

  • Page 811 and 812:

    Página 811 a memória como atribut

  • Page 813 and 814:

    Página 813 DISCURSO E IMAGEM: O US

  • Page 815 and 816:

    Página 815 Dentre a variedade de s

  • Page 817 and 818:

    Página 817 informação (evidênci

  • Page 819 and 820:

    Página 819 Na ilustração a ideia

  • Page 821 and 822:

    Página 821 3. Jornal O Estado, 11

  • Page 823 and 824:

    Página 823 O GÊNERO CHARGE E UMA

  • Page 825 and 826:

    Página 825 Em outras palavras, as

  • Page 827 and 828:

    Página 827 Elo na cadeia da comuni

  • Page 829 and 830:

    Página 829 1. Temer o capitão da

  • Page 831 and 832:

    Página 831 Referências BAKHTIN, M

  • Page 833 and 834:

    Página 833 bandeira a luta por dir

  • Page 835 and 836:

    Página 835 assumido centralidade e

  • Page 837 and 838:

    Página 837 Nesse processo as ONG

  • Page 839 and 840:

    Página 839 A publicação da porta

  • Page 841 and 842:

    Página 841 fundamental para a cons

  • Page 843 and 844:

    Página 843 A MEMÓRIA DO NARRADOR

  • Page 845 and 846:

    Página 845 tornando-se desse modo

  • Page 847 and 848:

    Página 847 O lugar de onde fala o

  • Page 849 and 850:

    Página 849 O texto literário esta

  • Page 851 and 852:

    Página 851 MEMÓRIA E REPRESENTAÇ

  • Page 853 and 854:

    Página 853 1. A Teoria das Represe

  • Page 855 and 856:

    Página 855 Desse modo, as represen

  • Page 857 and 858:

    Página 857 Por ser uma droga líci

  • Page 859 and 860:

    Página 859 Uma hipótese para este

  • Page 861 and 862:

    Página 861 Este trabalho tomou cor

  • Page 863 and 864:

    Página 863 Assim, a análise discu

  • Page 865 and 866:

    Página 865 Assim, o biopoder aprim

  • Page 867:

    Página 867 A cidade e o corpo se r

Anais VII SIC - Ciências Sociais Aplicadas - UERN
Anais VII SIC - UERN
anais 2011 - Faculdade de Ciências e Letras - Unesp
anais_40_semana_historia
Junho/Julho de 2011 - UFRJ
Anais Semana de História 2005 - Campus de Três Lagoas
Brincar, Jogar, Viver - Ministério do Esporte
Homo eloquens homo politicus. A retórica e a construção da cidade ...
Anais do Jalla Brasil 2010 - Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós ...
a batalha de argel - DTI- Diretoria de Tecnologia da Informação - UFV
Acesse a programação do evento.
Look at Me Terreiro do Paço - Associação Turismo
resumos - Letras-II SINALEL - UFG
A Urbanização no Brasil: o processo geral - Universidade Federal ...
Espaços e Paisagens. Vol. 1 - Universidade de Coimbra
CADERNO DE RESUMOS - IEL - Unicamp
Volume 3: Ciências Sociais Aplicadas, Engenharias, Linguística e
Polifonia nº 18 - 2009 - UFMT
Educação Patrimonial - Portal da Prefeitura de Londrina - Estado do ...
Proposta de Projeto – Solicitação de Patrocínio - Uece
La globalización imperialista y los territorios ... - Ippur - UFRJ