Views
1 week ago

Untitled - Ordem de Cristo

Vimos que as práticas

Vimos que as práticas da Ordem não estavam isentas de ritos curiosos, mas estes já não pareciam ser compreendidos pelos que os observavam. Esta certeza vem-nos nomeadamente dos testemunhos estranhos obtidos sem coacção. Em contrapartida, no que se refere às confissões extraídas em França, muitas são extremamente suspeitas. A tortura e as pressões de todos os tipos exercidas sobre os Templários, na maior parte das vezes, prevaleceram sobre a sua resistência. Assim, o irmão Ponsard de Gisy descreveu o que lhe aconteceu: foi colocado numa fossa, «com as mãos atrás das costas tão fortemente que o sangue correu até às unhas e aí ficou, sem ter mais espaço do que o comprimento de uma correia, protestando e dizendo que, se fosse posto de novo sob tortura, negaria tudo o que dizia e diria tudo o que quisessem». A 31 de Março de 1310, um grupo de Templários mandou redigir um protesto: A religião do Templo é pura, imaculada: tudo quanto é articulado contra a Ordem é falso: aqueles dos irmãos que declararam que essas imputações contra as pessoas e contra a Ordem eram verdadeiras, ou parte delas, mentiram. Os irmãos sustentam que não podem ser brandidas contra eles confissões dessas que em nada prejudicariam quer a Ordem, quer as pessoas, porque essas confissões foram arrancadas pelas ameaças de morte, pela tortura. Se há irmãos que não foram submetidos aos tratos, ficaram aterrorizados com o medo dos suplícios: ao verem os outros submetidos à tortura, disseram tudo o que os seus carrascos quiseram. As penas sofridas por um só aterrorizaram um grande número. Há aqueles que foram corrompidos pela oração, pelo dinheiro, pelas carícias, por grandes promessas, e que não puderam resistir às ameaças. Com base nisso, poderíamos pensar que tudo quanto é censurado à Ordem é falso. E, no entanto, a 2 de Julho de 1308, setenta e dois Templários que compareceram perante o Santo Padre reiteraram as suas confissões, longe de qualquer tortura, confissões demasiado precisas e demasiado coerentes entre si para não impressionarem o papa. A maior parte dos pontos do documento de acusação tiveram, por certo, de ser abandonados, mas o que restou era muito grave: essencialmente a negação de Cristo e o facto de cuspirem na cruz quando da cerimónia de recepção, os beijos no corpo e a autorização de sodomia, o culto de uma cabeça com poderes mágicos, outros tantos elementos ligados a um ritual desprovido de sentido aos olhos daqueles que persistiam em o praticar como um hábito. O papel curioso dos dignitários do Templo Ficamos perplexos perante o modo como se comportaram os dignitários da Ordem durante o processo, nomeadamente o Grão-Mestre Jacques de Molay. A 21 de Outubro, Geoffroy de Chamay, comendador da Normandia, reconheceu ter negado Cristo e a prática dos beijos quando da recepção. Disse também que Gérard de Soizet, preceptor de Auvergne, lhe dissera que era melhor unirem-se entre irmãos do que debocharem com mulheres. A 24 de Outubro, Jacques de Molay afirmou que: A manha do inimigo do gênero humano levara os Templários a uma perdição tão cega que, havia muito, aqueles que eram recebidos na Ordem negavam Jesus, com perigo da sua alma, cuspiam sobre a cruz que lhes era mostrada e cometiam, nessa altura, outras enormidades. Falando assim, condenava toda a Ordem. Falando de si mesmo, afirmou: Há quarenta e dois anos que fui recebido em Beaune, diocese de Autun, pelo irmão Humbert de Pairaud, cavaleiro, na presença do irmão Amaury de La Roche e de muitos outros cujos nomes já não retenho na memória. Primeiro, fiz todo o tipo de promessas a respeito das observâncias e dos estatutos da Ordem e, depois, impuseramme o manto. Em seguida, o irmão Humbert mandou que trouxessem uma cruz de bronze onde se encontrava a imagem do crucificado e incitou-me a renegar Cristo que figurava nessa cruz. De mau modo, fi-lo: em seguida, o irmão Humbert disse-me para cuspir na cruz, cuspi no chão. Hugues de Payraud, visitador de França, começara por negar, mas em breve se mostrou bem loquaz. Quanto a Geoffroy de Gonneville, preceptor da Aquitânia e de Poitou, confirmou os ritos de negação. Podemos, é claro, invocar a tortura para explicar essas confissões. Com efeito, quando os dignitários souberam que a Igreja avocara o caso e que haviam sido subtraídos à jurisdição real, tinham-se retractado. No entanto, não foram levados até ao papa e a sua caravana parou em Chinon. Nesse local, receberam a visita de três cardeais enviados pelo papa e então, num golpe de teatro, reiteraram as suas confissões. Estupefactos, os cardeais tomaram a precaução de ler os seus depoimentos aos dignitários e pediram-lhes que reflectissem bem antes de os assinarem. Mesmo assim, assinaram. Facto curioso, quando, a 26 de Novembro de 1309, Jacques de Molay compareceu perante a Comissão Pontifícia, começou por tergiversar, procurar escapatórias e responder ao lado das perguntas. Acabaram por lhe reler as confissões que fizera em Chinon. Indignou-se com as palavras que lhe eram atribuídas, negou-as mas, mesmo assim, não defendeu ele próprio a Ordem. Teriam modificado o que dissera? Ter-lhe-iam prometido que as suas confissões não seriam divulgadas e que se destinavam apenas a esclarecer o papa? Fora enganado de uma forma ou de outra? No que a isto respeita, Jacques de Molay pediu para ter uma entrevista em particular com Guillaume de Plaisians, conselheiro de Filipe, o Belo. Que disseram? Jacques de Molay concluíra, anteriormente, um acordo com ele e de que natureza? Ter-se-ia mostrado cúmplice da destruição de uma Ordem que se tornara perigosa? Isso é duvidoso, mas a atitude do Grão-Mestre é, mesmo assim, muito perturbadora. Na sequência do seu encontro com o conselheiro do rei, pediu oito dias para «deliberar». Obteve-os. Durante algum tempo, pareceu indeciso e, depois, renunciou a defender a Ordem,

119 afirmando-se iletrado e pobre mas procurando, mesmo assim, lembrar os serviços prestados pela Ordem, no passado. Que inépcia! Mesmo assim, declarou: Mas irei perante Monsenhor o Papa, quando lhe aprouver. Sou mortal como os outros homens e o futuro não me está garantido. Não seria uma forma de fazer saber que tinha medo? Que o papa o mandasse conduzir junto dele e aí poderia falar, mas enquanto a sua sorte estivesse, cada dia, nas mãos dos homens do rei, podia temer tudo. Aliás, acrescentava: Suplico-vos, pois, e peço-vos que digais a Monsenhor o Papa que chame à sua presença o mestre do Templo, logo que possível: só então lhe direi o que é a honra de Cristo e da Igreja, desde que esteja em meu poder. Na verdade, os únicos que, corajosamente, tomaram um pouco a defesa da Ordem foram os Templários de base, prova de que o Templo se tornara um corpo sem alma e de aqueles que «sabiam» o tinham deixado havia muito tempo. Mas, mesmo assim, como é possível que os dignitários não tenham clamado alto e bom som a inocência da Ordem? Que tenham tido medo, que tenham cedido sob a tortura, tudo bem. Mas não haveria um só que reagisse? O sofrimento, a falta de coragem, podem explicar muitas coisas, mas não teria havido um entendimento para conduzir ao fim da Ordem? Manifestamente, os dignitários souberam antecipadamente que os Templários seriam presos. Mesmo que suponhamos que não tenham sido prevenidos directamente, o mero facto de, em determinados locais, o segredo poder ter sido traído, implica que os Templários prevenidos desse modo tenham advertido de imediato o Grão-Mestre da Ordem. Ora, este não fez nada, nem fugiu, nem pôs a Ordem em estado de defesa. Permitiu que o apanhassem no ninho, deixando penetrar na Torre do Templo aqueles que vinham prendê-lo. Tornava possível, desse modo, a destruição da sua Ordem. Não poderemos imaginar que tinha boas razões para tal? E até, por certo, ordens que poderiam provir do círculo oculto que se separara da Ordem, do Templo interior? Isso explicaria muitas coisas. No início, os dignitários entraram no jogo e deixaram prosseguir a detenção. Depois, reconheceram os factos censurados aos Templários. Todavia, em breve se deram conta de que os irmãos eram torturados e isso não devia fazer parte do pacto. Então, hesitaram, não queriam defender a Ordem mas também não concordavam com deixar que os cavaleiros do Templo morressem sob a tortura. Quiseram ver o papa. Tal não lhes foi permitido mas deixaram-nos encontrar-se com uns cardeais que o soberano pontífice mandara junto deles. E, aí, Jacques de Molay hesitou, como vimos. Que devia dizer? Por um lado, pediu para se encontrar com o conselheiro do rei; por outro, teria querido ver o papa. Parecia perdido, como se o desenrolar do filme não correspondesse ao argumento que, previamente, lhe haviam dado a ler. Que diferença em relação aos irmãos que se declararam voluntários para assumir a defesa da sua Ordem - mais de quinhentos e sessenta. A 7 de Abril de 1310, nove prisioneiros entregaram, à comissão, uma memória que era, ao mesmo tempo, defesa jurídica e reclamação contra os procedimentos dos agentes do rei. De qualquer modo, o concílio reunido em Vienne, em Outubro de 1311, ficou muito embaraçado. Como poderiam mostrar-se justos sem incorrerem nas iras do rei de França? Os participantes não queriam comportar-se como os do concílio de Sens que, pouco mais de um ano antes, tinham enviado cinquenta e quatro Templários para a fogueira. Como fazer? Clemente V sentia-se um pouco mais livre em relação a Filipe, o Belo, porque acabara de lhe dar provas, atacando a memória de Bonifácio VIII. O rei apercebeu-se e decidiu comparecer pessoalmente em Vienne, a 20 de Março de 1312. Perante a ameaça de pressão, Clemente V preferiu precipitar as coisas. Não queria condenar a Ordem mas corria o risco de se ver obrigado a tal, com a faca encostada à garganta, pelo rei de ferro. Para evitar isso, preferiu dissolver a Ordem do Templo, «por via de provisão». Entre outras coisas, a bula proclamava: Uma voz foi ouvida nas alturas, voz de lamentação, de luto e de choros: porque chegou o tempo em que o Senhor, pela boca do profeta, faz ouvir este queixume: «Esta cidade foi para mim causa de ira e de furor; será afastada da minha presença por causa de todo o mal dos seus filhos; porque provocaram a minha cólera; voltaram-me as costas e não a face; instalaram as suas abominações na Casa sobre a qual o meu nome é invocado, para profaná-la. Construíram altares a Baal para iniciarem e consagrarem os seus filhos aos ídolos e aos demónios» (Jérém. XXXII), 31-35). Eles agiram de modo profundamente corrupto, como nos dias de Gabaá. (Oseias DC.9). Perante uma notícia tão horrenda, em presença de uma infâmia pública tão horrível (com efeito, quem ouviu alguma vez, quem viu alguma vez algo semelhante?), sucumbi quando ouvi, fiquei contristado quando vi, o meu coração encheu-se de amargura, as trevas envolveram-me. A bula continua longamente neste tom, e nela Clemente V evoca Salomão: Porque o Senhor não escolheu a nação por causa do lugar, mas o lugar por causa da nação; ora, como o próprio local do Templo participou nos crimes do povo e Salomão, que estava cheio da sabedoria como de um rio, ouviu estas palavras formais da boca do Senhor, enquanto construía um templo: «Se os vossos filhos se afastarem de mim, se deixarem de me seguir e de me honrar, se forem procurar deuses estrangeiros, eu os afastarei para longe da minha face e os expulsarei da terra que lhes dei e retirarei da minha presença o Templo que consagrei ao meu nome [ ... ].» Assim, o papa parecia querer relativizar uma sacralidade, uma legitimação que a Ordem poderia deter devido à sua presença, no passado, no local do Templo de Salomão ou então por causa do que lá tivesse descoberto. Em seguida, Clemente V lembrava o facto de ter sido prevenido dos actos dos Templários, antes mesmo de ter sido coroado: Haviam-nos insinuado que eles tinham caído no crime de

  • Page 2 and 3:

    Ordo Miilliitiiae Jesu Chriistii ON

  • Page 4 and 5:

    Manual de Iniciação ao Templarism

  • Page 6 and 7:

    Índice Capítulos Temas Página Ag

  • Page 8 and 9:

    originou o galego e o português. A

  • Page 10 and 11:

    novos mundos ao mundo, tornando est

  • Page 12 and 13:

    E um sonho agora partilhado por tod

  • Page 14 and 15:

    ) Leilões e Feiras para fins de so

  • Page 16 and 17:

    A Pátria ou a Nação - não nos p

  • Page 18 and 19:

    Tenho para mim que grande parte da

  • Page 20 and 21:

    Código Ético dos Cavaleiros e Dam

  • Page 22 and 23:

    Capítulo I Os Templários OS TEMPL

  • Page 24 and 25:

    que há que pôr a claro, por muito

  • Page 26 and 27:

    No entanto, os cruzados não eram s

  • Page 28 and 29:

    Godofredo de Bouillon mandara limpa

  • Page 30 and 31:

    Quase desprovidos de meios, não po

  • Page 32 and 33:

    e simplesmente, não parecia ter si

  • Page 34 and 35:

    Então, Arca da Aliança, segredos

  • Page 36 and 37:

    virgem negra de madeira que, miracu

  • Page 38 and 39:

    cavalaria». A assembleia consular

  • Page 40 and 41:

    A guerra santa A noção de guerra

  • Page 42 and 43:

    suprimam aqueles que nos perturbam;

  • Page 44 and 45:

    Espanha. Assim, em 1129, os habitan

  • Page 46 and 47:

    O poderio da Ordem inquietava vári

  • Page 48 and 49:

    situada a nove quilômetros. E por

  • Page 50 and 51:

    Templo iria resolver esse problema.

  • Page 52 and 53:

    operação. No que respeitava a lev

  • Page 54 and 55:

    duas casas no bairro da carriero de

  • Page 56 and 57:

    conquista do seu país pelos Espanh

  • Page 58 and 59:

    simplesmente, a Portugal roubar doc

  • Page 60 and 61:

    porque vale seis escudos por aqui,

  • Page 62 and 63:

    que isso é inerente à condição

  • Page 64 and 65:

    Então, os juramentos encadeavam-se

  • Page 66 and 67:

    conhecessem bem. Assim, a comenda d

  • Page 68 and 69: infernos e transferir da morada dos
  • Page 70 and 71: mau que, sozinho, criou os seres an
  • Page 72 and 73: Ordem oficial, a um determinado mom
  • Page 74 and 75: algumas pessoas, é preciso dizer q
  • Page 76 and 77: O artigo 46.º do documento de acus
  • Page 78 and 79: pertenceu à Ordem e que foi transf
  • Page 80 and 81: uma bandeira onde figura, com ênfa
  • Page 82 and 83: feições do baphomet? Quanto aos s
  • Page 84 and 85: Beth-El que serve para manter o dia
  • Page 86 and 87: Isso decorria sempre no mais profun
  • Page 88 and 89: Uma mensagem que, sem dúvida, teri
  • Page 90 and 91: tudo quanto o Velho lhes ordenava [
  • Page 92 and 93: encontram-se, pois, atestados expre
  • Page 94 and 95: «Velho guia, oh tu, o que vela na
  • Page 96 and 97: especialistas, tratar-se-ia de uma
  • Page 98 and 99: pensar em aigos, a cabra, tal como
  • Page 100 and 101: Maria, mãe de Deus, mãe muito pie
  • Page 102 and 103: Os cagots, a lepra e o sagrado Pera
  • Page 104 and 105: Ademais, o segredo dos cagots está
  • Page 106 and 107: Vejamos agora uma lenda que lhes di
  • Page 108 and 109: MORTE E RESSURREIÇÃO DA ORDEM DO
  • Page 110 and 111: Este episódio talvez tenha feito m
  • Page 112 and 113: Colonna que o papa destituíra e ex
  • Page 114 and 115: Escrevia-lhe versos: És mais bela
  • Page 116 and 117: ou em vários, diferia e separava-s
  • Page 120 and 121: uma apostasia abominável contra o
  • Page 122 and 123: esidentes fora de França tiveram t
  • Page 124 and 125: evelado também que o cofre continh
  • Page 126 and 127: como único sinal de reconhecimento
  • Page 128 and 129: protegerem das indiscrições. Simp
  • Page 130 and 131: egularmente porque são roubados co
  • Page 132 and 133: altos dignitários tenham podido ma
  • Page 134 and 135: carroças cobertas de palha deixare
  • Page 136 and 137: Hermé. Essa luz formava dois desen
  • Page 138 and 139: Seis anos mais tarde, Lhomoy, que e
  • Page 140 and 141: Coincidência? Talvez, porque o aca
  • Page 142 and 143: O prisioneiro de Gisors Todos os vi
  • Page 144 and 145: Templários que apareciam sempre ao
  • Page 146 and 147: Bernardo de Claraval atribuirá à
  • Page 148 and 149: 3º - Não alienar nenhuma das suas
  • Page 150 and 151: 4º - O hábito dos Cavaleiros de C
  • Page 152 and 153: transferidos para a igreja de Nossa
  • Page 154 and 155: Capítulo III Templários no mundo
  • Page 156 and 157: Expressão da Ordem templária reti
  • Page 158 and 159: Ordem da Milícia da Cruz do Templo
  • Page 160 and 161: Os seus promotores recusam a transm
  • Page 162 and 163: Ordo Militiae Jesu Christi Supremus
  • Page 164 and 165: CUNHA, 1991; FERNANDES, 2003. Sobre
  • Page 166 and 167: 11 Documentos Medievais portugueses
  • Page 168 and 169:

    30 Bulas e letras apostólicas conc

  • Page 170 and 171:

    Secretaria do Mestrado da Ordem de

  • Page 172 and 173:

    FARINHA, Maria do Carmo Jasmins Dia

  • Page 174 and 175:

    MARTINEZ DIEZ, G., 1993 - Los Templ

  • Page 176 and 177:

    Exaudi quaesumos, Domine, preces no

  • Page 178 and 179:

    Capítulo V REGRA PRIMITIVA DA ORDE

  • Page 180 and 181:

    Arquiva-se na Academia dei Lincei,

  • Page 182 and 183:

    12. Em todo o tempo, com a coragem

  • Page 184 and 185:

    Dos mantos dos irmãos 27. Mandamos

  • Page 186 and 187:

    Do Mestre 40. Pode o Mestre dar cav

  • Page 188 and 189:

    54. Irmãos, que nenhum dos soldado

  • Page 190 and 191:

    desprezar o aviso de ambos, fazei-o

  • Page 192 and 193:

    (23) S. Paulo, I Epístola aos Cor

  • Page 194 and 195:

    II que os ajudasse nessas batalhas.

  • Page 196 and 197:

    Os seus ideais foram publicados num

  • Page 198 and 199:

    E o seu Lema Templário, era : ("N

  • Page 200 and 201:

    A grande riqueza da ordem atrai a a

  • Page 202 and 203:

    para garantir a segurança nas estr

  • Page 204 and 205:

    Figuras e Factos (Históricos) liga

  • Page 206 and 207:

    Foi Clemente V que na sexta-feira,

  • Page 208 and 209:

    Foi a rapacidade de um monarca fali

  • Page 210 and 211:

    Os Templários adoptavam-na na inic

  • Page 212 and 213:

    O Cardeal Arcebispo de Albano leu a

  • Page 214 and 215:

    Templários - Mestres e Castelos ou

  • Page 216 and 217:

    Foi fundador dos Castelos de Almour

  • Page 218 and 219:

    Dario I, depois de muita luta, imp

  • Page 220 and 221:

    erguendo ao alto sua cruz peitoral

  • Page 222 and 223:

    como a si mesmo. As guerras de reli

  • Page 224 and 225:

    Capítulo VII Os Vídeos templário

  • Page 226 and 227:

    O Julgamento dos Templários em 130

  • Page 228 and 229:

    Templários Paris. A verdadeira his

  • Page 230 and 231:

    Os Cátaros Batalha por honra e gl

  • Page 232 and 233:

    Alfarrobeira (20.5.1449) esforçou-

  • Page 234 and 235:

    Igreja de Nossa Senhora da Graça A

  • Page 236 and 237:

    Ano 1415 1418 - 1425 1427 1433 1433

  • Page 238 and 239:

    1. Duração da Viagem: De Lisboa p

  • Page 240 and 241:

    A Bordo de um navio teremos: ♦ Ca

  • Page 242 and 243:

    A hora da refeição constituía um

  • Page 244 and 245:

    esumia o pequeno universo da socied

  • Page 246 and 247:

    compartilhado por animais, barris,

  • Page 248 and 249:

    A importância de ter um médico a

  • Page 250 and 251:

    O jogo mais procurado, embora conde

  • Page 252 and 253:

    www.tribunadomorte.com.br/especial/

  • Page 254 and 255:

    Em Maio desse mesmo ano, numa cerim

  • Page 256 and 257:

    entre os Templários e a poesia tro

  • Page 258 and 259:

    Livro dos Ritos

  • Page 260 and 261:

    A Elevação de grau a Grande Ofici

  • Page 262 and 263:

    (CTN) Condestável ou Porta-Espada

  • Page 265 and 266:

    265 Os Postulantes são conduzidos,

  • Page 267 and 268:

    267 Cito-vos um excerto do ritual d

  • Page 269 and 270:

    269 Têm nariz e não cheiram, Eles

  • Page 271 and 272:

    271 RECONHECIMENTO NAVEGANTE DA ORD

  • Page 273 and 274:

    273 flamejante formando um triângu

  • Page 275 and 276:

    275 A espada, colocada com o pomo n

  • Page 277 and 278:

    277 E sobretudo completa tu mesmo o

  • Page 279 and 280:

    279 “Bons Senhores Cavaleiros, po

  • Page 281 and 282:

    281 ADENDA DOIS AO MANUAL DE INICIA

  • Page 283 and 284:

    283 ESCUDEIRO(S): Eu, juro soleneme

  • Page 285 and 286:

    285 PILOTO: Eis o Fogo da purifica

  • Page 287 and 288:

    287 -O combate cavaleiresco: Os nos

  • Page 289 and 290:

    289 FIM DO RITUAL DE ENCERRAMENTO -

  • Page 291 and 292:

    291 O troféu de Comendador para o

  • Page 293 and 294:

    293 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 295 and 296:

    295 GMTC/GPTC: Obrigado a todos. Ir

  • Page 297 and 298:

    297 (A elevação normalmente não

  • Page 299 and 300:

    299 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 301 and 302:

    301 GMTC/GPTC Obrigado a todos. Irm

  • Page 303 and 304:

    303 (A promoção não poderá ser

  • Page 305 and 306:

    305 (os cavaleiros Grande Comendado

  • Page 307 and 308:

    307 Pois sabei que aqueles que não

  • Page 309 and 310:

    309 RITUAL DE OUTORGA DA DIGNIDADE

  • Page 311 and 312:

    311 GRÃO-MESTRE: Irmão(ã), alegr

  • Page 313 and 314:

    313

  • Page 315 and 316:

    315 • Amar a justiça • Mostrar

  • Page 317 and 318:

    317 ADENDA SETE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 319 and 320:

    319 (O grão Prior continua de pé

  • Page 321 and 322:

    321 (O Mestre-de-cerimónias vai bu

  • Page 323 and 324:

    323 PILOTO: Irmão Comendador, ning

  • Page 325 and 326:

    325 RITUAL DA CONSAGRAÇÃO DE UMA

  • Page 327 and 328:

    327 ADENDA NOVE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 329 and 330:

    329 RITUAL DE CAPÍTULO NACIONAL AP

  • Page 331 and 332:

    331 “ Nosso Senhor conduziu-vos a

  • Page 333 and 334:

    333 Eu vos saúdo Maria, Nossa Mari

  • Page 335 and 336:

    335 Título: “Manual de Introduç

  • Page 337:

    337 ORDOCHRISTI+FEUCH (PORTUGAL): M

clique aqui para baixar - Entre Irmãos
Supremo Conselho do Grau 33
Untitled - Ordem dos Médicos Dentistas