Views
1 week ago

Untitled - Ordem de Cristo

Foi a

Foi a rapacidade de um monarca falido para quem a religião era um meio e a riqueza um fim. Malograda a posse da Palestina pelos Cruzados, pelo retraimento da Europa Cristã e pela supremacia dos turcos muçulmanos, os Templários regressam ao Ocidente aureolados pela glória obtidas nas batalhas de Ascalão, Tiberíade e Mansorah. Essas batalhas, se não consolidaram o domínio dos Cristãos na Terra Santa, provocaram, contudo, a admiração das aguerridas hostes do Islão (muçulmanos), influindo sobre a moral dos Mouros que ocupavam parte da Espanha. Iniciam entre os Templários o culto de um gnosticismo eclético que admite e harmoniza os princípios de várias religiões, conciliando o politeísmo em sua essência com os mistérios mais profundos do cristianismo. São instituídas regras iniciáticas que se estendem por sete graus, que vieram a ser adoptados pela Franco-maçonaria Universal (três elementares, três filosóficos e um cabalístico), denominados "Adepto", "Companheiro", "Mestre Perfeito", "Cavaleiro da Cruz", "Intendente da Caverna Sagrada", "Cavaleiro do Oriente"e "Grande Pontífice da Montanha Sagrada". A Caverna Sagrada era o lugar Santo onde se reuniam os cavaleiros iniciados. Tinha a forma de um quadrilátero (quadrado) perfeito. O ORIENTE representava a Primavera, o Ar, Infância e a Madrugada. O Meio-dia (Sul), o Estio, o Fogo e a Idade adulta. O OCIDENTE, o Outono, a Água, o Anoitecer. O NORTE, a Terra, o Inverno, a Noite. Eram as quatro fases da existência. O Fogo no Meio-dia simbolizava a verdadeira iniciação, a regeneração, a renovação, a chama que consumia todas as misérias humanas e das cinzas, purificadas, retirava uma nova matéria isenta de impurezas e imperfeições. No ORIENTE, o Ar da Madrugada vivificando a nova matéria, dava-lhe o clima da Primavera em que a Natureza desabrochava em florações luxuriantes, magníficas acariciando a Infância. Vinha depois o OUTONO, o Anoitecer, o amortecer da vida, a que a Água no OCIDENTE alimentava os últimos vestígios desta existência. O NORTE, marca o ocaso da Vida. A Terra varrida pelas tempestades e cobertas pela neve que desolam e que matam, é o Inverno que imobiliza, que entorpece e que conduz à Noite caliginosa e fria a que não resiste a debilidade física, a que sucumbe a fragilidade humana. E é no contraste entre o Norte e o Meio-dia que os Templários baseiam o seu esoterismo, alertando os iniciados da existência de uma segunda vida. Nada se perde: Tudo se Transforma. ...Vai ser iniciado um "Cavaleiro da Cruz". O Grande Pontífice da Montanha Sagrada empunha a Espada da Sabedoria, e toma lugar no Oriente. Ao centro do Templo, um pedestal que se eleva por três degraus, está a grande estátua de Baphomet, símbolo da reunião de todas as forças e de todos os princípios (Masculino e Feminino, A Luz e as Trevas, etc...) como no Livro da Criação, a Sepher-Jetzira Livro mor da Cabala. No peito amplo da estranha e colossal figura, a Cruz, sangrando, imprime à Rosa Branca um róseo alaranjado que pouco a pouco toma a cor de sangue. É a vida que brota da união dos princípios opostos. Por cima da Cruz, a letra "G". O iniciado, Mestre Perfeito, já conhece muito bem o significado dessa letra que na mudez relativa desafia a que a interpretação na sua nova posição, junto ao Tríplice Falus, na sua junção com a Rosa-Cruz mística. "A Catequese Cristã é apenas, como o leite materno, uma primeira alimentação da Alma; o sólido banquete é a Contemplação dos Iniciados, carne e sangue do Verbo, a compreensão do Poder e da Quintessência divina." "O Gnóstico é a Verdadeira Iniciação; e a Gnose é a firme compreensão da Verdade Universal que, por meio de razões invariáveis nos leva ao conhecimento da Causa..." "Não é a Fé, mas sim a Fé unida as Ciências, a que sabe discernir a verdadeira da falsa doutrina. Fiéis são os que apenas literalmente crêem nas escrituras. Gnósticos, são os que, aprofundando-lhes o sentido interior, conhecem a verdade inteira." "Só o Gnóstico é por essência, piedoso." "O homem não adquire a verdadeira sabedoria senão quando escuta os conselhos duma voz profética que lhe revela a maneira porque foi, é, e será tudo quanto existe." O Gnosticismo dos Templários é uma nova mística que ilumina os Evangelhos e os interpreta à Luz da Razão Humana. ...O Mestre Perfeito entra de olhos vendados, até chegar ao pedestal de Baphomet. Ajoelha e faz sua prece: "Grande Arquitecto do Universo Infinito, que lês em nossos corações, que conheces os nossos pensamentos mais íntimos, que nos dá o livre arbítrio para que escolhamos entre a estrada da Luz e das Trevas." "Recebe a minha prece e ilumina a minha alma para que não caia no erro, para que não desagrade à vossa soberana vontade" "Guiai-me pelo caminho da Virtude e fazei de mim um ser útil à Humanidade". Acabada a prece, o candidato levanta-se e aguarda as provas rituais que o hão de conduziir à meta da Verdade. ...O GRANDE PONTÍFICE TEMPLÁRIO interroga o candidato a "Cavaleiro da Cruz"em tom afectivo e paternal: "Meu Irmão, a nossa Ordem nasceu e cresceu para corrigir toda espécie de imperfeição humana". "A nossa consciência é que é o juiz das nossas acções. A ignorância é o verdadeiro pecado. O inferno é uma hipótese, o céu uma esperança". "Chegou o momento de trocarmos as armas homicidas pelos instrumentos da Paz entre os

209 Homens. A missão do Cavaleiro da Cruz é amar ao próximo como a si mesmo. As guerras de religião são monstruosidades causadas pela ignorância, geradas pelo fanatismo. As energias activas devemos orientá-las no sentido do Amor e da Beleza; mas não se edifica uma obra de linhas esbeltas sem um sentimento estético apolítico que só se adquire pelo estudo que conduz ao aperfeiçoamento moral e espiritual". "O homem precisa Crer em algo. Os primitivos cultuavam os Manes. Os Manes eram as almas humanas desprendidas pela morte da matéria e que continuavam em uma nova vida". "Onde iriam os primitivos beber a ideia da alma? Respondei-me, se sois um Mestre Perfeito Templário". "- Nos fenómenos psíquicos que propiciam aparições, nas ilações tiradas dos sonhos, e na percepção". "-Acreditais que os mortos se podem manifestar aos vivos?" "- Sim. Acredito que a Alma liberta do invólucro físico sobe a um plano superior, se sublima, e volve ao mundo para rever os que lhe são simpáticos, segundo a lei das afinidades". "- Acreditais na ressurreição física de Cristo?" "- Não." "- Acreditais na Metempsicose (Lei de Transmigração das Almas)?" "- Sim. A semelhança das acções, dos sentimentos, dos gestos e das atitudes que podemos observar em determinados seres não resultam apenas da educação mas da transmigração das almas. Essa transmigração não se opera em razão hereditária". "- Acreditai que a morte legal absolve o assassino? Que o Soldado não é responsável pelo sangue que derrama"? "- Não acredito". " - Atentai agora nas palavras do Cavaleiro do Ocidente que vos dirá os sentidos que imprimimos no Grau de Cavaleiro da Cruz". "A Ordem do Templo criou uma doutrina e adquiriu uma noção da moral humana que nem sempre se harmoniza com as concepções teológicas cristãs apresentadas como verdades indiscutíveis. Por isso nos encontramos aqui, em carácter secreto, para nos concentrarmos nos estudos transcendentes por meio do qual chegaremos à Verdadeira Harmonia." "As boas obras dependem das boas inclinações da vontade que nos pode conduzir à realização das boas acções. A intuição é que leva os homens a empreender as boas acções. Quando o Grande Pontífice vos falou do culto dos primitivos, ele definiu a existência de uma intuição comum a todos os seres humanos." "Assim como por detrás das crenças dos Atlantes havia a intuição que indicava a existência de um Ser Supremo, o Grande Arquitecto responsável pela construção do Universo, também existia nesses povos um sentimento inato do Bem e do Belo, e um instinto de justiça que era a base de sua Moral." "A Ciência nos deu meios de podermos aperfeiçoar a Moral dos antigos, mas a inteligência nos diz que além da Ciência existe a Harmonia Divina". "Das acções humanas, segundo Platão, deverá o homem passar à Sabedoria para lhe contemplar a Beleza; e, lançado nesse oceano, procriará com uma inesgotável fecundidade as melhores ideias filosóficas, até que forte e firme seu espírito, por esta sublime contemplação, não percebe mais do que uma ciência: a do Belo". Estavam findas as provas de iniciação. O iniciado dirigia-se então para o Altar dos Holocaustos, onde o Sacrificador lhe imprime a Fogo, sobre o coração, o emblema dos Cavaleiros do Templo... Foi nessa intervenção indómita de Roma que influiu poderosamente para que a "Divina Comédia" de Dante Alighieri fosse o que realmente é - uma alegoria metafísico-esotérica onde se retratam as provas iniciáticas dos Templários em relação à imortalidade. Na DIVINA COMÉDIA cada Céu representa um Grau de iniciação Templário. Em contraste com o Inferno, que significa o mundo profano, o verdadeiro Purgatório onde devem lapidar-se as imperfeições humanas, vem o Último Céu a que só ascendem os espíritos não maculados pela maldade, isentos de paixões mesquinhas, dedicados à obra do Amor, da Beleza e da Bondade. É lá o zénite da Inteligência e do Amor. A doutrina Iniciática da Ordem do Templo compreende a síntese de todas as tradições iniciáticas, gnósticas, pitagóricas, árabes, hindus, cabires, onde perpassam, numa visão Cosmorâmica todos os símbolos dos Grandes e Pequenos mistérios e das Ciências Herméticas: A Cruz e a Rosa, o Ovo e a Águia, as Artes e as Ciências, sobretudo a Cruz, que para os Templários, assim como para os Maçons seus verdadeiros sucessores, era o símbolo da redenção humana. Dante Alighieri e sua Grande Obra: A Divina Comédia, foi o cronista literário da Ordem dos Cavaleiros do Templo. Os Templários receberam da Ordem do Santo Graal o esquema iniciático e a base esotérica que serviu de base para seu sistema gnóstico. Pois o que era a Cavalaria Oculta de Santo Graal senão um sistema legitimamente Maçónico ainda mal definido, mas já adaptado aos princípios da Universalização da Fraternidade Humana? O Santo Graal significava a taça de que serviu Jesus Cristo na ceia com os discípulos, e na qual José de Arimathéa teria aparado o sangue que jorrava da ferida de Cristo produzida pela lança do centurião romano. Era a Taça Sagrada que figurava em todas as cerimónias iniciáticas das antigas Ordens de Cavaleiros que possuíam graus e símbolos misteriosos, e que a Maçonaria moderna incorporou em seus ritos, por ser fatal aos perjuros.

  • Page 2 and 3:

    Ordo Miilliitiiae Jesu Chriistii ON

  • Page 4 and 5:

    Manual de Iniciação ao Templarism

  • Page 6 and 7:

    Índice Capítulos Temas Página Ag

  • Page 8 and 9:

    originou o galego e o português. A

  • Page 10 and 11:

    novos mundos ao mundo, tornando est

  • Page 12 and 13:

    E um sonho agora partilhado por tod

  • Page 14 and 15:

    ) Leilões e Feiras para fins de so

  • Page 16 and 17:

    A Pátria ou a Nação - não nos p

  • Page 18 and 19:

    Tenho para mim que grande parte da

  • Page 20 and 21:

    Código Ético dos Cavaleiros e Dam

  • Page 22 and 23:

    Capítulo I Os Templários OS TEMPL

  • Page 24 and 25:

    que há que pôr a claro, por muito

  • Page 26 and 27:

    No entanto, os cruzados não eram s

  • Page 28 and 29:

    Godofredo de Bouillon mandara limpa

  • Page 30 and 31:

    Quase desprovidos de meios, não po

  • Page 32 and 33:

    e simplesmente, não parecia ter si

  • Page 34 and 35:

    Então, Arca da Aliança, segredos

  • Page 36 and 37:

    virgem negra de madeira que, miracu

  • Page 38 and 39:

    cavalaria». A assembleia consular

  • Page 40 and 41:

    A guerra santa A noção de guerra

  • Page 42 and 43:

    suprimam aqueles que nos perturbam;

  • Page 44 and 45:

    Espanha. Assim, em 1129, os habitan

  • Page 46 and 47:

    O poderio da Ordem inquietava vári

  • Page 48 and 49:

    situada a nove quilômetros. E por

  • Page 50 and 51:

    Templo iria resolver esse problema.

  • Page 52 and 53:

    operação. No que respeitava a lev

  • Page 54 and 55:

    duas casas no bairro da carriero de

  • Page 56 and 57:

    conquista do seu país pelos Espanh

  • Page 58 and 59:

    simplesmente, a Portugal roubar doc

  • Page 60 and 61:

    porque vale seis escudos por aqui,

  • Page 62 and 63:

    que isso é inerente à condição

  • Page 64 and 65:

    Então, os juramentos encadeavam-se

  • Page 66 and 67:

    conhecessem bem. Assim, a comenda d

  • Page 68 and 69:

    infernos e transferir da morada dos

  • Page 70 and 71:

    mau que, sozinho, criou os seres an

  • Page 72 and 73:

    Ordem oficial, a um determinado mom

  • Page 74 and 75:

    algumas pessoas, é preciso dizer q

  • Page 76 and 77:

    O artigo 46.º do documento de acus

  • Page 78 and 79:

    pertenceu à Ordem e que foi transf

  • Page 80 and 81:

    uma bandeira onde figura, com ênfa

  • Page 82 and 83:

    feições do baphomet? Quanto aos s

  • Page 84 and 85:

    Beth-El que serve para manter o dia

  • Page 86 and 87:

    Isso decorria sempre no mais profun

  • Page 88 and 89:

    Uma mensagem que, sem dúvida, teri

  • Page 90 and 91:

    tudo quanto o Velho lhes ordenava [

  • Page 92 and 93:

    encontram-se, pois, atestados expre

  • Page 94 and 95:

    «Velho guia, oh tu, o que vela na

  • Page 96 and 97:

    especialistas, tratar-se-ia de uma

  • Page 98 and 99:

    pensar em aigos, a cabra, tal como

  • Page 100 and 101:

    Maria, mãe de Deus, mãe muito pie

  • Page 102 and 103:

    Os cagots, a lepra e o sagrado Pera

  • Page 104 and 105:

    Ademais, o segredo dos cagots está

  • Page 106 and 107:

    Vejamos agora uma lenda que lhes di

  • Page 108 and 109:

    MORTE E RESSURREIÇÃO DA ORDEM DO

  • Page 110 and 111:

    Este episódio talvez tenha feito m

  • Page 112 and 113:

    Colonna que o papa destituíra e ex

  • Page 114 and 115:

    Escrevia-lhe versos: És mais bela

  • Page 116 and 117:

    ou em vários, diferia e separava-s

  • Page 118 and 119:

    Vimos que as práticas da Ordem nã

  • Page 120 and 121:

    uma apostasia abominável contra o

  • Page 122 and 123:

    esidentes fora de França tiveram t

  • Page 124 and 125:

    evelado também que o cofre continh

  • Page 126 and 127:

    como único sinal de reconhecimento

  • Page 128 and 129:

    protegerem das indiscrições. Simp

  • Page 130 and 131:

    egularmente porque são roubados co

  • Page 132 and 133:

    altos dignitários tenham podido ma

  • Page 134 and 135:

    carroças cobertas de palha deixare

  • Page 136 and 137:

    Hermé. Essa luz formava dois desen

  • Page 138 and 139:

    Seis anos mais tarde, Lhomoy, que e

  • Page 140 and 141:

    Coincidência? Talvez, porque o aca

  • Page 142 and 143:

    O prisioneiro de Gisors Todos os vi

  • Page 144 and 145:

    Templários que apareciam sempre ao

  • Page 146 and 147:

    Bernardo de Claraval atribuirá à

  • Page 148 and 149:

    3º - Não alienar nenhuma das suas

  • Page 150 and 151:

    4º - O hábito dos Cavaleiros de C

  • Page 152 and 153:

    transferidos para a igreja de Nossa

  • Page 154 and 155:

    Capítulo III Templários no mundo

  • Page 156 and 157:

    Expressão da Ordem templária reti

  • Page 158 and 159: Ordem da Milícia da Cruz do Templo
  • Page 160 and 161: Os seus promotores recusam a transm
  • Page 162 and 163: Ordo Militiae Jesu Christi Supremus
  • Page 164 and 165: CUNHA, 1991; FERNANDES, 2003. Sobre
  • Page 166 and 167: 11 Documentos Medievais portugueses
  • Page 168 and 169: 30 Bulas e letras apostólicas conc
  • Page 170 and 171: Secretaria do Mestrado da Ordem de
  • Page 172 and 173: FARINHA, Maria do Carmo Jasmins Dia
  • Page 174 and 175: MARTINEZ DIEZ, G., 1993 - Los Templ
  • Page 176 and 177: Exaudi quaesumos, Domine, preces no
  • Page 178 and 179: Capítulo V REGRA PRIMITIVA DA ORDE
  • Page 180 and 181: Arquiva-se na Academia dei Lincei,
  • Page 182 and 183: 12. Em todo o tempo, com a coragem
  • Page 184 and 185: Dos mantos dos irmãos 27. Mandamos
  • Page 186 and 187: Do Mestre 40. Pode o Mestre dar cav
  • Page 188 and 189: 54. Irmãos, que nenhum dos soldado
  • Page 190 and 191: desprezar o aviso de ambos, fazei-o
  • Page 192 and 193: (23) S. Paulo, I Epístola aos Cor
  • Page 194 and 195: II que os ajudasse nessas batalhas.
  • Page 196 and 197: Os seus ideais foram publicados num
  • Page 198 and 199: E o seu Lema Templário, era : ("N
  • Page 200 and 201: A grande riqueza da ordem atrai a a
  • Page 202 and 203: para garantir a segurança nas estr
  • Page 204 and 205: Figuras e Factos (Históricos) liga
  • Page 206 and 207: Foi Clemente V que na sexta-feira,
  • Page 210 and 211: Os Templários adoptavam-na na inic
  • Page 212 and 213: O Cardeal Arcebispo de Albano leu a
  • Page 214 and 215: Templários - Mestres e Castelos ou
  • Page 216 and 217: Foi fundador dos Castelos de Almour
  • Page 218 and 219: Dario I, depois de muita luta, imp
  • Page 220 and 221: erguendo ao alto sua cruz peitoral
  • Page 222 and 223: como a si mesmo. As guerras de reli
  • Page 224 and 225: Capítulo VII Os Vídeos templário
  • Page 226 and 227: O Julgamento dos Templários em 130
  • Page 228 and 229: Templários Paris. A verdadeira his
  • Page 230 and 231: Os Cátaros Batalha por honra e gl
  • Page 232 and 233: Alfarrobeira (20.5.1449) esforçou-
  • Page 234 and 235: Igreja de Nossa Senhora da Graça A
  • Page 236 and 237: Ano 1415 1418 - 1425 1427 1433 1433
  • Page 238 and 239: 1. Duração da Viagem: De Lisboa p
  • Page 240 and 241: A Bordo de um navio teremos: ♦ Ca
  • Page 242 and 243: A hora da refeição constituía um
  • Page 244 and 245: esumia o pequeno universo da socied
  • Page 246 and 247: compartilhado por animais, barris,
  • Page 248 and 249: A importância de ter um médico a
  • Page 250 and 251: O jogo mais procurado, embora conde
  • Page 252 and 253: www.tribunadomorte.com.br/especial/
  • Page 254 and 255: Em Maio desse mesmo ano, numa cerim
  • Page 256 and 257: entre os Templários e a poesia tro
  • Page 258 and 259:

    Livro dos Ritos

  • Page 260 and 261:

    A Elevação de grau a Grande Ofici

  • Page 262 and 263:

    (CTN) Condestável ou Porta-Espada

  • Page 265 and 266:

    265 Os Postulantes são conduzidos,

  • Page 267 and 268:

    267 Cito-vos um excerto do ritual d

  • Page 269 and 270:

    269 Têm nariz e não cheiram, Eles

  • Page 271 and 272:

    271 RECONHECIMENTO NAVEGANTE DA ORD

  • Page 273 and 274:

    273 flamejante formando um triângu

  • Page 275 and 276:

    275 A espada, colocada com o pomo n

  • Page 277 and 278:

    277 E sobretudo completa tu mesmo o

  • Page 279 and 280:

    279 “Bons Senhores Cavaleiros, po

  • Page 281 and 282:

    281 ADENDA DOIS AO MANUAL DE INICIA

  • Page 283 and 284:

    283 ESCUDEIRO(S): Eu, juro soleneme

  • Page 285 and 286:

    285 PILOTO: Eis o Fogo da purifica

  • Page 287 and 288:

    287 -O combate cavaleiresco: Os nos

  • Page 289 and 290:

    289 FIM DO RITUAL DE ENCERRAMENTO -

  • Page 291 and 292:

    291 O troféu de Comendador para o

  • Page 293 and 294:

    293 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 295 and 296:

    295 GMTC/GPTC: Obrigado a todos. Ir

  • Page 297 and 298:

    297 (A elevação normalmente não

  • Page 299 and 300:

    299 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 301 and 302:

    301 GMTC/GPTC Obrigado a todos. Irm

  • Page 303 and 304:

    303 (A promoção não poderá ser

  • Page 305 and 306:

    305 (os cavaleiros Grande Comendado

  • Page 307 and 308:

    307 Pois sabei que aqueles que não

  • Page 309 and 310:

    309 RITUAL DE OUTORGA DA DIGNIDADE

  • Page 311 and 312:

    311 GRÃO-MESTRE: Irmão(ã), alegr

  • Page 313 and 314:

    313

  • Page 315 and 316:

    315 • Amar a justiça • Mostrar

  • Page 317 and 318:

    317 ADENDA SETE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 319 and 320:

    319 (O grão Prior continua de pé

  • Page 321 and 322:

    321 (O Mestre-de-cerimónias vai bu

  • Page 323 and 324:

    323 PILOTO: Irmão Comendador, ning

  • Page 325 and 326:

    325 RITUAL DA CONSAGRAÇÃO DE UMA

  • Page 327 and 328:

    327 ADENDA NOVE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 329 and 330:

    329 RITUAL DE CAPÍTULO NACIONAL AP

  • Page 331 and 332:

    331 “ Nosso Senhor conduziu-vos a

  • Page 333 and 334:

    333 Eu vos saúdo Maria, Nossa Mari

  • Page 335 and 336:

    335 Título: “Manual de Introduç

  • Page 337:

    337 ORDOCHRISTI+FEUCH (PORTUGAL): M

clique aqui para baixar - Entre Irmãos
Supremo Conselho do Grau 33