Views
1 week ago

Untitled - Ordem de Cristo

No entanto, os cruzados

No entanto, os cruzados não eram santos. De passagem, tinham pilhado e violado, a ponto de os cristãos orientais se terem visto forçados a refugiar-se junto dos Turcos: inconcebível. Em Jerusalém, também se não comportaram com uma caridade digna de nota. Inúmeros muçulmanos tinham-se refugiado na mesquita Al-Aqsa; os cristãos desalojaram-nos e fizeram uma hecatombe. Um cronista anotava: «Lá dentro, o sangue chegava-nos aos tornozelos», e Guilherme de Tiro precisava: A cidade apresentava um espectáculo tal de carnificina de inimigos, uma tal efusão de sangue, que os próprios vencedores se sentiram chocados pelo horror e a repugnância. Durante uma semana, sucederam-se os massacres e combates de rua, até o odor do sangue provocar náuseas. O reino latino de Jerusalém No entanto, os cruzados tinham fincado pé na Terra Santa e tencionavam ficar por lá. Foi fundado o reino latino de Jerusalém. Godofredo de Bouillon foi nomeado rei, mas recusou-se a cingir a coroa naquele lugar onde Cristo apenas usara uma coroa de espinhos. Godofredo, o rei cavaleiro do cisne, morreria pouco depois, em 1100. Para além do reino de Jerusalém, que se estendia do Líbano ao Sinai, formaram-se progressivamente três outros Estados: o condado de Edessa, a norte, meio franco meio arménio, fundado por Balduíno de Bolonha, irmão de Godofredo de Bouillon; o principado de Antioquia, que ocupava, grosso modo, a Síria do Norte, e, finalmente, o condado de Antioquia. Godofredo foi substituído por Balduíno I. A conquista fora realizada, mas agora se tratava de conservar e administrar os territórios obtidos. Era conveniente conservar as cidades e as praças-fortes e velar pela segurança das estradas. O inimigo fora vencido, mas não eliminado. Fundaram-se ordens, a que foram atribuídas missões diversas. Houve, entre outras, a Ordem Hospitaleira de Jerusalém, em 1110, a Ordem dos Irmãos Hospitalários Teutónicos, em 1112, e a Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo (futuros Templários), em 1118, quando Balduíno II era rei de Jerusalém. O nome de Ordem do Templo só aparece em 1128, por ocasião do Concilio de Troyes, que codificou a sua organização. Em 1130, São Bernardo escrevia o seu “De laude militiae ad Milites Templi”, para assegurar a divulgação da Ordem. Dentro em pouco, as doações tinham-se tornado importantes, o recrutamento progredia e, quando o primeiro Grão-Mestre, Hugues de Payns, morreu, em 1136, sucedendo-lhe Robert de Craon, a Ordem do Templo já era coesa. Três anos mais tarde, Inocêncio III reviu alguns aspectos da regra e concedeu ao Templo privilégios exorbitantes. Em 1144, Edessa foi retomada pelos muçulmanos, o que levou à organização da segunda cruzada, pregada por São Bernardo em 1147, enquanto a Ordem do Templo continuava a adaptar-se e desenvolver-se. A operação viria a saldar-se num malogro, mas, no terreno, os cruzados resistiam, ainda assim, bastante bem aos assaltos muçulmanos. Todavia, Saladino conseguia, pouco a pouco, unificar o mundo do Islão. Em 1174, apoderava-se de Damasco e, em 1183, de Alepo. Em seguida, após o desastre de Hattin, onde morreram inúmeros cristãos, Saladino conseguiu retomar Jerusalém, em 1187, reduzindo assim o reino latino à região de Tiro. Uma terceira cruzada foi organizada em 1190, quando Robert de Sablé era Grão-Mestre da Ordem do Templo. Viria a permitir reconquistar Chipre e Acra, em 1191. Reunia Filipe Augusto, Frederico Barba Ruiva e Ricardo Coração de Leão. Este último bateu Saladino em Jafa e, depois, tendo sido vencido, tentou regressar a Inglaterra disfarçado de templário. Reconhecido, foi feito prisioneiro, uma história que é bem conhecida de todos quantos, na infância, vibraram com as aventuras de Robin dos Bosques. Infelizmente, ao contrário do que reza a lenda, Ricardo Coração de Leão não foi o rei nobre que é descrito com bonomia e esteve longe de se comportar sempre de forma cavalheiresca. Morreu em 1196, três anos depois de Saladino e de Robert de Sablé. Em 1199, foi decidida a quarta cruzada que teve muitas dificuldades para se pôr a caminho. Quando os cruzados avistaram Constantinopla, em 1204, esqueceram o seu objectivo, conquistaram a cidade, pilharam aquele reino cristão e organizaram os Estados Latinos da Grécia. No desenrolar desse século XIII, Wolfram von Eschenbach escrevia o seu Parcifal, onde os Templários apareciam como os guardiões do Graal. Depois de se ter desviado do seu objectivo, a Palestina, para pilhar o reino bizantino, a cavalaria ocidental - nomeadamente a francesa- deve ter dito a si própria que não era necessário ir tão longe para enriquecer. Em 1208, foi pregada nova cruzada, mas esta consistia em ir sangrar o Sul de França, onde os Cátaros opunham a sua heresia a um clero local pouco convincente, porque demasiado corrompido. Os barões do Norte preferiram ir matar os Albigenses a esbarrarem nas cimitarras dos muçulmanos. Mesmo assim, foi organizada uma quinta cruzada, entre 1217 e 1221. Terminou com a tomada de Damieta, no Egipto, e sem mais êxitos. Foi esta a época escolhida pelos Mongóis para lançarem uma operação de invasão, criando uma nova frente, muito difícil de manter. Sem muita dificuldade, apoderaram-se do Irão. Todavia, Frederico II de Hohenstaufen, imperador germânico excomungado pelo papa, devolvera Jerusalém aos cristãos. O que as armas não haviam conseguido, obtivera Frederico II mediante negociações diplomáticas. Infelizmente, em 1244, a Cidade Santa viria a cair nas mãos dos Turcos.

27 O fim de um reino e de uma ordem Durante todo este tempo, os Templários estiveram praticamente em todas as frentes, alimentando, graças à gestão genial de um património ocidental colossal, o esforço de guerra no Oriente. Mas o povo, os nobres, começavam indubitavelmente a cansar-se. As vitórias e as derrotas sucediam-se, tornavam-se banais. Já não existia o entusiasmo inicial. Em contrapartida, o Oriente influenciara o Ocidente. O contacto com outra civilização deixara marcas. Tinham aparecido produtos novos nos mercados da Europa; haviam-se desenvolvido técnicas e ciências graças a frutuosas relações estabelecidas entre sábios e letrados das duas civilizações. O Ocidente abria-se ao fascínio do Levante. Um homem pensava ainda ter o dever de levar o ferro, em nome de Cristo, ao seio dos infiéis: São Luís. Em 1248, iniciou a catastrófica sétima cruzada. Em nome de um ideal, desdenhava das realidades, recusando-se a ouvir aqueles que, como os Templários, conheciam bem os problemas locais. Acumulou erros e sofreu uma grave derrota em Mansurá, enquanto os Mamelucos turcos consolidavam o seu poder no Egipto. Em 1254, São Luís regressou a França. Quatro anos mais tarde, os Mongóis apoderaram-se de Bagdad, pondo fim ao califado abássida. Em 1260, foram repelidos para a Síria pelos Turcos e, no ano seguinte, os Gregos retomavam Constantinopla. Em 1270, São Luís, que nunca percebera nada e nem sempre retirara as lições da sua primeira campanha, participava na oitava cruzada. Encontrou a morte em frente a Tunis, nesse mesmo ano. Em 1282, foi concluída uma trégua de dez anos com o Egipto, enquanto os Cavaleiros Teutónicos haviam decidido levar as suas espadas mais para norte e criar um reino na Prússia. Em 1285, Filipe III, cognominado o Audaz, que sucedera a São Luís no trono de França, extinguia-se, deixando o lugar a Filipe IV, o Belo. Seis anos mais tarde, com a derrota de São João de Acre, no decurso da qual foi morto o Grão-Mestre da Ordem do Templo, Guillaume de Beaujeu, a Terra Santa foi perdida e evacuada. Os Templários retiraram para Chipre. Em 1298, Jacques de Molay tornou-se Grão-Mestre da Ordem: o último Grão-Mestre. Um ano mais tarde, organizou uma expedição ao Egipto, mas o reino latino de Jerusalém acabara de vez. Filipe, o Belo, teve violentos confrontos com o papa Bonifácio VIII, que o excomungou, em 1303. O sumo pontífice morreu nesse mesmo ano. Em 1305, o seu sucessor, também ele em litígio com Filipe, o Belo, morreu envenenado e o rei de França tornou papa um homem com quem fizera acordos: Bertrand de Göt, que reinou sob o nome de Clemente V. Nesse mesmo ano, foram lançadas acusações de extrema gravidade contra a Ordem do Templo, que assumiram a forma de denúncias feitas perante o rei de França. Acusações duvidosas mas que surgiam num bom momento: a Ordem inquietava, agora que o seu poder já não tinha onde se exercer no Oriente. Em 1306, Filipe, o Belo, sempre sem dinheiro, baniu os judeus do reino de França, não sem antes os ter espoliado dos seus bens e de ter mandado torturar alguns deles. Em 1307, mandou prender todos os templários do reino e escolheu para tal fim a data de 13 de Outubro. A 17 de Novembro, o papa acedeu a pedir a sua prisão em toda a Europa. Foram realizadas acusações estereotipadas e a instrução do processo fez-se com a ajuda da tortura. Mesmo assim, o papa tentou organizar a regularidade dos procedimentos mas não ousou atacar directamente o rei de França. Pouco a pouco, os Templários tentaram formalizar a sua defesa mas, a partir de 1310, alguns deles foram condenados e conduzidos à fogueira. Em 1312, quando do segundo concílio de Viena, a Ordem do Templo foi extinta sem ser condenada. Os bens dos Templários foram, teoricamente, devolvidos aos Hospitalários de São João de Jerusalém. A 19 de Março de 1314, o Grão-Mestre, Jacques de Molay, e vários outros dignitários foram queimados vivos. Um mês mais tarde, a 20 de Abril, morreu, por sua vez, o papa Clemente V. No dia 29 de Novembro ocorreu a morte de Filipe, o Belo. A Ordem do Templo extinguira-se mas a sua história não terminara. Deixou vestígios que, tal como as catedrais que ajudara a construir, transpuseram o tempo. Vivera dois séculos, período durante o qual a evolução da civilização ocidental fora muito importante, muito mais do que deixa entender a concepção estática que geralmente se tem em relação à Idade Média. Dois séculos de evolução económica, de desenvolvimento do comércio e do artesanato, de progresso nas artes. Dois séculos que marcaram para sempre o mundo. A Ordem do Templo esteve intimamente ligada a essa evolução e esse não é o menor dos mistérios que agora teremos de abordar. O MISTÉRIO DAS ORIGENS Jerusalém, cenário do nascimento da Ordem Antes das cruzadas, o Mediterrâneo era um lago muçulmano onde os Barbarescos quase faziam reinar a sua lei. De início, tinham tolerado os peregrinos antes de os destruírem, tanto em terra como no mar. A cruzada deveria pôr tudo em boa ordem, mas manter Jerusalém e mais algumas cidades ou praças-fortes não era cobrir todo o território e a insegurança mantinha-se. Quanto à capital, parecia pacificada.

  • Page 2 and 3: Ordo Miilliitiiae Jesu Chriistii ON
  • Page 4 and 5: Manual de Iniciação ao Templarism
  • Page 6 and 7: Índice Capítulos Temas Página Ag
  • Page 8 and 9: originou o galego e o português. A
  • Page 10 and 11: novos mundos ao mundo, tornando est
  • Page 12 and 13: E um sonho agora partilhado por tod
  • Page 14 and 15: ) Leilões e Feiras para fins de so
  • Page 16 and 17: A Pátria ou a Nação - não nos p
  • Page 18 and 19: Tenho para mim que grande parte da
  • Page 20 and 21: Código Ético dos Cavaleiros e Dam
  • Page 22 and 23: Capítulo I Os Templários OS TEMPL
  • Page 24 and 25: que há que pôr a claro, por muito
  • Page 28 and 29: Godofredo de Bouillon mandara limpa
  • Page 30 and 31: Quase desprovidos de meios, não po
  • Page 32 and 33: e simplesmente, não parecia ter si
  • Page 34 and 35: Então, Arca da Aliança, segredos
  • Page 36 and 37: virgem negra de madeira que, miracu
  • Page 38 and 39: cavalaria». A assembleia consular
  • Page 40 and 41: A guerra santa A noção de guerra
  • Page 42 and 43: suprimam aqueles que nos perturbam;
  • Page 44 and 45: Espanha. Assim, em 1129, os habitan
  • Page 46 and 47: O poderio da Ordem inquietava vári
  • Page 48 and 49: situada a nove quilômetros. E por
  • Page 50 and 51: Templo iria resolver esse problema.
  • Page 52 and 53: operação. No que respeitava a lev
  • Page 54 and 55: duas casas no bairro da carriero de
  • Page 56 and 57: conquista do seu país pelos Espanh
  • Page 58 and 59: simplesmente, a Portugal roubar doc
  • Page 60 and 61: porque vale seis escudos por aqui,
  • Page 62 and 63: que isso é inerente à condição
  • Page 64 and 65: Então, os juramentos encadeavam-se
  • Page 66 and 67: conhecessem bem. Assim, a comenda d
  • Page 68 and 69: infernos e transferir da morada dos
  • Page 70 and 71: mau que, sozinho, criou os seres an
  • Page 72 and 73: Ordem oficial, a um determinado mom
  • Page 74 and 75: algumas pessoas, é preciso dizer q
  • Page 76 and 77:

    O artigo 46.º do documento de acus

  • Page 78 and 79:

    pertenceu à Ordem e que foi transf

  • Page 80 and 81:

    uma bandeira onde figura, com ênfa

  • Page 82 and 83:

    feições do baphomet? Quanto aos s

  • Page 84 and 85:

    Beth-El que serve para manter o dia

  • Page 86 and 87:

    Isso decorria sempre no mais profun

  • Page 88 and 89:

    Uma mensagem que, sem dúvida, teri

  • Page 90 and 91:

    tudo quanto o Velho lhes ordenava [

  • Page 92 and 93:

    encontram-se, pois, atestados expre

  • Page 94 and 95:

    «Velho guia, oh tu, o que vela na

  • Page 96 and 97:

    especialistas, tratar-se-ia de uma

  • Page 98 and 99:

    pensar em aigos, a cabra, tal como

  • Page 100 and 101:

    Maria, mãe de Deus, mãe muito pie

  • Page 102 and 103:

    Os cagots, a lepra e o sagrado Pera

  • Page 104 and 105:

    Ademais, o segredo dos cagots está

  • Page 106 and 107:

    Vejamos agora uma lenda que lhes di

  • Page 108 and 109:

    MORTE E RESSURREIÇÃO DA ORDEM DO

  • Page 110 and 111:

    Este episódio talvez tenha feito m

  • Page 112 and 113:

    Colonna que o papa destituíra e ex

  • Page 114 and 115:

    Escrevia-lhe versos: És mais bela

  • Page 116 and 117:

    ou em vários, diferia e separava-s

  • Page 118 and 119:

    Vimos que as práticas da Ordem nã

  • Page 120 and 121:

    uma apostasia abominável contra o

  • Page 122 and 123:

    esidentes fora de França tiveram t

  • Page 124 and 125:

    evelado também que o cofre continh

  • Page 126 and 127:

    como único sinal de reconhecimento

  • Page 128 and 129:

    protegerem das indiscrições. Simp

  • Page 130 and 131:

    egularmente porque são roubados co

  • Page 132 and 133:

    altos dignitários tenham podido ma

  • Page 134 and 135:

    carroças cobertas de palha deixare

  • Page 136 and 137:

    Hermé. Essa luz formava dois desen

  • Page 138 and 139:

    Seis anos mais tarde, Lhomoy, que e

  • Page 140 and 141:

    Coincidência? Talvez, porque o aca

  • Page 142 and 143:

    O prisioneiro de Gisors Todos os vi

  • Page 144 and 145:

    Templários que apareciam sempre ao

  • Page 146 and 147:

    Bernardo de Claraval atribuirá à

  • Page 148 and 149:

    3º - Não alienar nenhuma das suas

  • Page 150 and 151:

    4º - O hábito dos Cavaleiros de C

  • Page 152 and 153:

    transferidos para a igreja de Nossa

  • Page 154 and 155:

    Capítulo III Templários no mundo

  • Page 156 and 157:

    Expressão da Ordem templária reti

  • Page 158 and 159:

    Ordem da Milícia da Cruz do Templo

  • Page 160 and 161:

    Os seus promotores recusam a transm

  • Page 162 and 163:

    Ordo Militiae Jesu Christi Supremus

  • Page 164 and 165:

    CUNHA, 1991; FERNANDES, 2003. Sobre

  • Page 166 and 167:

    11 Documentos Medievais portugueses

  • Page 168 and 169:

    30 Bulas e letras apostólicas conc

  • Page 170 and 171:

    Secretaria do Mestrado da Ordem de

  • Page 172 and 173:

    FARINHA, Maria do Carmo Jasmins Dia

  • Page 174 and 175:

    MARTINEZ DIEZ, G., 1993 - Los Templ

  • Page 176 and 177:

    Exaudi quaesumos, Domine, preces no

  • Page 178 and 179:

    Capítulo V REGRA PRIMITIVA DA ORDE

  • Page 180 and 181:

    Arquiva-se na Academia dei Lincei,

  • Page 182 and 183:

    12. Em todo o tempo, com a coragem

  • Page 184 and 185:

    Dos mantos dos irmãos 27. Mandamos

  • Page 186 and 187:

    Do Mestre 40. Pode o Mestre dar cav

  • Page 188 and 189:

    54. Irmãos, que nenhum dos soldado

  • Page 190 and 191:

    desprezar o aviso de ambos, fazei-o

  • Page 192 and 193:

    (23) S. Paulo, I Epístola aos Cor

  • Page 194 and 195:

    II que os ajudasse nessas batalhas.

  • Page 196 and 197:

    Os seus ideais foram publicados num

  • Page 198 and 199:

    E o seu Lema Templário, era : ("N

  • Page 200 and 201:

    A grande riqueza da ordem atrai a a

  • Page 202 and 203:

    para garantir a segurança nas estr

  • Page 204 and 205:

    Figuras e Factos (Históricos) liga

  • Page 206 and 207:

    Foi Clemente V que na sexta-feira,

  • Page 208 and 209:

    Foi a rapacidade de um monarca fali

  • Page 210 and 211:

    Os Templários adoptavam-na na inic

  • Page 212 and 213:

    O Cardeal Arcebispo de Albano leu a

  • Page 214 and 215:

    Templários - Mestres e Castelos ou

  • Page 216 and 217:

    Foi fundador dos Castelos de Almour

  • Page 218 and 219:

    Dario I, depois de muita luta, imp

  • Page 220 and 221:

    erguendo ao alto sua cruz peitoral

  • Page 222 and 223:

    como a si mesmo. As guerras de reli

  • Page 224 and 225:

    Capítulo VII Os Vídeos templário

  • Page 226 and 227:

    O Julgamento dos Templários em 130

  • Page 228 and 229:

    Templários Paris. A verdadeira his

  • Page 230 and 231:

    Os Cátaros Batalha por honra e gl

  • Page 232 and 233:

    Alfarrobeira (20.5.1449) esforçou-

  • Page 234 and 235:

    Igreja de Nossa Senhora da Graça A

  • Page 236 and 237:

    Ano 1415 1418 - 1425 1427 1433 1433

  • Page 238 and 239:

    1. Duração da Viagem: De Lisboa p

  • Page 240 and 241:

    A Bordo de um navio teremos: ♦ Ca

  • Page 242 and 243:

    A hora da refeição constituía um

  • Page 244 and 245:

    esumia o pequeno universo da socied

  • Page 246 and 247:

    compartilhado por animais, barris,

  • Page 248 and 249:

    A importância de ter um médico a

  • Page 250 and 251:

    O jogo mais procurado, embora conde

  • Page 252 and 253:

    www.tribunadomorte.com.br/especial/

  • Page 254 and 255:

    Em Maio desse mesmo ano, numa cerim

  • Page 256 and 257:

    entre os Templários e a poesia tro

  • Page 258 and 259:

    Livro dos Ritos

  • Page 260 and 261:

    A Elevação de grau a Grande Ofici

  • Page 262 and 263:

    (CTN) Condestável ou Porta-Espada

  • Page 265 and 266:

    265 Os Postulantes são conduzidos,

  • Page 267 and 268:

    267 Cito-vos um excerto do ritual d

  • Page 269 and 270:

    269 Têm nariz e não cheiram, Eles

  • Page 271 and 272:

    271 RECONHECIMENTO NAVEGANTE DA ORD

  • Page 273 and 274:

    273 flamejante formando um triângu

  • Page 275 and 276:

    275 A espada, colocada com o pomo n

  • Page 277 and 278:

    277 E sobretudo completa tu mesmo o

  • Page 279 and 280:

    279 “Bons Senhores Cavaleiros, po

  • Page 281 and 282:

    281 ADENDA DOIS AO MANUAL DE INICIA

  • Page 283 and 284:

    283 ESCUDEIRO(S): Eu, juro soleneme

  • Page 285 and 286:

    285 PILOTO: Eis o Fogo da purifica

  • Page 287 and 288:

    287 -O combate cavaleiresco: Os nos

  • Page 289 and 290:

    289 FIM DO RITUAL DE ENCERRAMENTO -

  • Page 291 and 292:

    291 O troféu de Comendador para o

  • Page 293 and 294:

    293 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 295 and 296:

    295 GMTC/GPTC: Obrigado a todos. Ir

  • Page 297 and 298:

    297 (A elevação normalmente não

  • Page 299 and 300:

    299 CAVALEIRO DESIGNADO: Leitura da

  • Page 301 and 302:

    301 GMTC/GPTC Obrigado a todos. Irm

  • Page 303 and 304:

    303 (A promoção não poderá ser

  • Page 305 and 306:

    305 (os cavaleiros Grande Comendado

  • Page 307 and 308:

    307 Pois sabei que aqueles que não

  • Page 309 and 310:

    309 RITUAL DE OUTORGA DA DIGNIDADE

  • Page 311 and 312:

    311 GRÃO-MESTRE: Irmão(ã), alegr

  • Page 313 and 314:

    313

  • Page 315 and 316:

    315 • Amar a justiça • Mostrar

  • Page 317 and 318:

    317 ADENDA SETE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 319 and 320:

    319 (O grão Prior continua de pé

  • Page 321 and 322:

    321 (O Mestre-de-cerimónias vai bu

  • Page 323 and 324:

    323 PILOTO: Irmão Comendador, ning

  • Page 325 and 326:

    325 RITUAL DA CONSAGRAÇÃO DE UMA

  • Page 327 and 328:

    327 ADENDA NOVE AO MANUAL DE INICIA

  • Page 329 and 330:

    329 RITUAL DE CAPÍTULO NACIONAL AP

  • Page 331 and 332:

    331 “ Nosso Senhor conduziu-vos a

  • Page 333 and 334:

    333 Eu vos saúdo Maria, Nossa Mari

  • Page 335 and 336:

    335 Título: “Manual de Introduç

  • Page 337:

    337 ORDOCHRISTI+FEUCH (PORTUGAL): M

Untitled - Ordem de Cristo
Untitled - Ordem dos Médicos Dentistas
CAPA JA228.ps, page 1 @ Normalize ( Untitled-1 ) - Ordem dos ...
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled
Untitled