Views
4 months ago

a historia de israel no antigo testamento

campanhas nas montanhas

campanhas nas montanhas Zagros. A supremacia de seu grande reino semítico declinou sob os governantes que lhe sucederam. A invasão gutiana procedente do norte (por volta de 2080 a.C.), acabou com o poder da dinastia acádia. Embora se saiba muito pouco destes invasores caucásicos, ocuparam a Babilônia durante quase um século. Um governante em Erech em Sumer acabou com o poder dos gutianos e preparou o caminho para um ressurgimento da cultura suméria, que chegou a seu máximo esplendor sob a Terceira Dinastia de Ur. O fundador da dinastia, Ur Nammu, erigiu um grande zigurate em Ur. Tijolo por tijolo, foram escavados desta grande estrutura (61x46 m na base e alcançando uma altura de 24 m), têm escrito o nome do rei Ur-Nammu com o título de "Rei de Sumer e Acad". Aqui, Nannar, o deus-lua e seu consorte Nin-Galiléia, a deusa lua, foram adorados durante a idade dourada de Ur. Após um século de supremacia, esta dinastia neo-suméria foi colapsada e a terra de Sumer reverteu no antigo sistema das cidades-estado. Isto permitiu aos amorreus, ou semitas ocidentais, que se tinham gradualmente infiltrado na Mesopotâmia, uma oportunidade para ganhar ascendência na questão. Virtualmente toda a Mesopotâmia foi logo absorvida pelos semitas. Zimri-Lim, cuja capital era Mari, sobre o Eufrates, estendeu sua influência (1750 a.C.) desde o curso médio do Eufrates em Canaã, como o governante do estado mais importante. O magnífico palácio de Mari teve logo quase trezentas habitações construídas numa extensão de 60.000 m 2 de terreno; dos desperdícios, os arqueólogos têm recuperado algo assim como 20.000 tabuinhas cuneiformes. Estes documentos de argila que revelam os interesses políticos e comerciais dos governantes amorreus, demonstram uma eficiente administração de um império de altos vôos. Por volta do 1700 a.C. Hamurabi, que fizera evoluir a pequena cidade de Babilônia num grande centro comercial, esteve em condições de conquistar Mari com seus extensos domínios 22 . Não somente dominou o alto Eufrates, senão que também subjugou o reino de Sami-Adad I, cuja capital estava em Assur, sobre o rio Tigre. Marduk, o rei-deus da Babilônia, ganhou uma proeminente posição no reino. O mais significativo dos logros de Hamurabi foi seu Código da Lei, descoberto em 1901 em Suas, que tinha sido tomado pelos elamitas quando caiu o reinado de Hamurabi. Já que os antigos costumes sumérios estavam incorporados nessas leis, resulta muito verossímil que elas representassem a cultura que prevaleceu na Mesopotâmia nos tempos patriarcais. Muitas das cartas de Hamurabi que foram descobertas indicam que foi um eficiente governante, emitindo suas ordens com claridade e atenção ao detalhe. A Primeira Dinastia de Babilônia (1800-1500 a.C.) se encontrava em seu apogeu, sob o mando de Hamurabi. Seus sucessores foram perdendo gradativamente prestigio até a invasão dos cassitas, que conquistaram Babilônia em 1500 a.C. Egito Quando Abraão chegou ao Egito, esta terra podia presumir de uma cultura de mais de um milênio de antigüidade. O começo da história do Egito se inicia usualmente com o rei Menes (3000 a.C.), quem uniu dois reinos, um do Delta do Nilo e outro do Vale 23 . Os governantes do primeiro e segundo período dinastia, tiveram sua capital no Alto Egito, perto de Tebas 24 . Os túmulos reais escavados em Abydos mostraram vasos de pedra, jóias, vasilhas de cobre e outros objetos enterrados com os reis, refletindo assim uma elevada civilização durante aquele primitivo período. Foi a primeira era do comércio internacional em tempos históricos. A idade clássica da civilização egípcia, conhecida como o período do Antigo Reino (2700-2200 a.C.), e que compreende as dinastias III-VI, testemunha um número de notáveis logros. 22 Para a datação de Hamurabi, ver Finegan, op. p. 47. Para uma mais recente discussão consultar M. R. Rowton, "The date ofício Hamurabi", Journal of Near Eastern Studies, XVII, número 2 (abril, 1958), pp. 97-111. 23 O nome hebraico de Egito é Mizraim, que indica dois reinos por seu conceito dual. 24 Manetho, um sacerdote do Egito, sob Ptolomeu Filadélfio (285-246), realizou um estudo e uma analise da história do Egito. Sua divisão da história do Egito em trinta dinastias se preserva nos escritos de Josefo (95 a.C.), Sextus Julius Africanus (221 a.C.) e Eusebius. Para uma lista completa de dinastias, ver Steindorf & Steele, "When Egypt ruled the east" (rev. Ed. University of Chicago Press, 1957), pp. 274-275. 18

Gigantescas pirâmides, as maravilhas dos séculos que seguiriam, provêem um amplo testemunho da avançada cultura destes primitivos governantes. A Pirâmide escalonada de Saqqara, a mais primitiva grande estrutura feita em pedra, foi construída como um mausoléu real por Inhotep, um arquiteto que também ganhou renome como sacerdote, autor de provérbios e mágico. A Grande Pirâmide em Gizeh alcança um teto de 147 m por uma base de quase 40.000 m² de base. A gigantesca esfinge que representa o Rei Kefrén da Quarta Dinastia é outra obra que não teve comparação. Os "Textos das Pirâmides", inscritos durante a Quinta e Sexta Dinastias sobre os muros das câmaras e salões, indicam que os egípcios em sua adoração ao sol se anteciparam à posteridade. Os provérbios de Pathotep, que serviu como Grande Vizir sob um Faraó da Quinta Dinastia, são realmente notáveis por seus conselhos práticos 25 . As seguintes cinco dinastias que governaram o Egito (2200-200 a.C.), surgiram num período de decadência. Decresceu o governo centralizado. A capital foi trasladada de Mênfis a Herakleópolis. A literatura clássica deste período reflete um governo débil e mutável. Para o final deste período, a Undécima Dinastia, sob o agressivo Intefs e Mentuhoteps, se construiu um estado forte em tebas. O Reino Médio (2000-2780 a.C.) marca a reaparição de um poderoso governo centralizado. Embora nativa para Tebas, a Dinastia Décimo Segunda estabeleceu sua capital perto de Mênfis. A riqueza do Egito aumentou de valor por um projeto de irrigação que abriu o fértil Fajum com seu vale para a agricultura. Simultaneamente uma enorme atividade em construir grandes edifícios se produziu em Karnak, perto de Tebas, e em outros lugares do país. Além de promover operações de mineração para a extração do cobre na península do Sinai, os governantes também construíram um canal que conectava o Mar Vermelho com o Nilo; isto os capacitou para manter melhores relações comerciais com a costa somali da África oriental. Para o sul, Núbia foi anexada até a terceira cachoeira do Nilo, e ali se manteve uma colina comercial fortificada. Os objetos egípcios encontrados pelos arqueólogos na Síria, Palestina e Creta, testemunham as poderosas atividades comerciais dos egípcios na esfera do Mediterrâneo oriental. Enquanto que o Antigo Reino é lembrado por sua originalidade e seu gênio na arte, o Reino Médio fez sua contribuição na literatura clássica. As escolas de Palácio treinavam oficiais em ler e escrever durante o próspero reinado dos Amenhemets e Sen-userts da Décimo Segunda Dinastia. Embora a massa permanecia na pobreza, resultava possível para o indivíduo médio naquela época de feudalismo entrar no serviço do governo por meio da educação, treinamento, e especial capacidade. Os textos de instrução escritos nos ataúdes de pessoas alheias à realeza, indicam que muitas pessoas então gozavam da possibilidade de entrar "na outra vida". "A história de Sinhué" é o mais fino exemplo da literatura procedente do antigo Egito destinado a entreter. "O Canto do Harpista" é outra obra mestra do Reino Médio, enriquece os homens para que gozem dos prazeres da vida 26 . Dois séculos de desintegração, declive e invasão, seguiram ao Reino Médio; conseqüentemente este período é bastante escuro para o historiador. As débeis dinastias XIII e XIV deram passo aos hicsos ou povo amurito. Estes intrusos, que provavelmente chegaram desde a Ásia Menor, destruíram os egípcios por meio de carros guerreiros tirados por cavalos e do arco composto, ambas armas desconhecidas para as tropas egípcias. Os hicsos estabeleceram Avaris no Delta como sua capital. Contudo, os egípcios foram autorizados para manter uma espécie de autoridade em Tebas. Pouco depois do 1600 a.C., os governantes de Tebas se fizeram poderosos o bastante como para expulsar aquele poder estranho e estabelecer a Dinastia XVIII, introduzindo assim o Novo Reino. 25 Para a história do Egito anterior a 1600 a.C., ver W. C. Hayes, "The Scepíer of Egypt, parte I (Nova Iorque, Harper and Brothers, 1953). 26 Para sua tradução ver James B. Pritchard, "Ancient Near Eastern texts relating to the Old Testament" (Princeton University Press, 1955), p. 467. 19

  • Page 1 and 2: A HISTÓRIA DE ISRAEL NO ANTIGO TES
  • Page 3 and 4: ÍNDICE • Prefácio .............
  • Page 5 and 6: indando-me sua inapreciável críti
  • Page 7 and 8: converteu na língua franca do Fér
  • Page 9 and 10: Chegou o Antigo Testamento a nós c
  • Page 11 and 12: ) Caim e Abel Gn 4.1-24 c) A geraç
  • Page 13 and 14: Lameque, um descendente de Sete, an
  • Page 15 and 16: • CAPÍTULO 2: A IDADE PATRIARCAL
  • Page 17: Mesopotâmia Os sumérios, um povo
  • Page 21 and 22: Por causa dessa situação, Palesti
  • Page 23 and 24: as cronologias para esta era num es
  • Page 25 and 26: Desde o ponto de vista das institui
  • Page 27 and 28: Polemico em conduta, Jacó surgiu c
  • Page 29 and 30: elatou dois sonhos prognosticando s
  • Page 31 and 32: • CAPÍTULO 3: A EMANCIPAÇÃO DE
  • Page 33 and 34: Durante o resto das dinastias XIX e
  • Page 35 and 36: era salomônica 67 — que tem data
  • Page 37 and 38: coração no curso daquelas circuns
  • Page 39 and 40: 1-Lua nova 6-7-Festa das Semanas Ju
  • Page 41 and 42: Idolatria e juízo Êx 32.1-34.35 C
  • Page 43 and 44: As leis morais eram permanentes, po
  • Page 45 and 46: permanência de Israel no deserto.
  • Page 47 and 48: 3) A morte do animal. 4) A aspersã
  • Page 49 and 50: Por meio das festas e estações de
  • Page 51 and 52: cinco eram dias de sagrada convoca
  • Page 53 and 54: • CAPÍTULO 5: PREPARAÇÃO PARA
  • Page 55 and 56: Os sacerdotes recebiam uma fórmula
  • Page 57 and 58: liberado da escravidão do Egito fo
  • Page 59 and 60: Os chefes nomeados para distribuir
  • Page 61 and 62: Também os lembrou das recentes vit
  • Page 63 and 64: - 945 XXII Dinastia 945 Sisaque San
  • Page 65 and 66: Amarna (por volta de 1400 a.C.) ref
  • Page 67 and 68: Josué deve ser considerado somente
  • Page 69 and 70:

    24000 a.C. Subseqüentemente foi de

  • Page 71 and 72:

    Além do elemento surpresa e pânic

  • Page 73 and 74:

    dentro das fronteiras de Gade e Gol

  • Page 75 and 76:

    MAPA 4: AS DIVISÕES TRIBAIS A últ

  • Page 77 and 78:

    tentativas para desalojar essas gen

  • Page 79 and 80:

    definitivamente identificado, prova

  • Page 81 and 82:

    pronunciado sem realizar nenhum sac

  • Page 83 and 84:

    Noemi e seus dois filhos— para o

  • Page 85 and 86:

    Com semelhante ameaça pesando sobr

  • Page 87 and 88:

    epresentava o verdadeiro poder de D

  • Page 89 and 90:

    O relato bíblico do reinado de Sau

  • Page 91 and 92:

    Os exércitos de Israel acampados n

  • Page 93 and 94:

    mesmo tempo, negociou com êxito di

  • Page 95 and 96:

    evolvido pela guerra civil, não of

  • Page 97 and 98:

    econômica e militar tenham sido el

  • Page 99 and 100:

    declarou que Davi era o homem culp

  • Page 101 and 102:

    o que sugere uma população total

  • Page 103 and 104:

    Tributos e comércio 10.14-29 9.13-

  • Page 105 and 106:

    exército e os fenícios uma grande

  • Page 107 and 108:

    para o elaborado planejamento deste

  • Page 109 and 110:

    territórios e viajasse 1931 km em

  • Page 111 and 112:

    ESQUEMA 4: MONARQUIA NA PALESTINA (

  • Page 113 and 114:

    Thiele tem sugerido uma pista para

  • Page 115 and 116:

    A primeira fonte literatura da era

  • Page 117 and 118:

    2 Crônicas 29.1-32.33 Manassés 2

  • Page 119 and 120:

    por Oséias, quem voluntariamente p

  • Page 121 and 122:

    Carquemis (605) desapareceu o últi

  • Page 123 and 124:

    Repentinamente, o mandato desafiant

  • Page 125 and 126:

    achados nas ruínas, datam os traba

  • Page 127 and 128:

    Mediante uma diplomacia efetiva e f

  • Page 129 and 130:

    Jorão, outro filho de Acabe e Jeza

  • Page 131 and 132:

    profetas e servidores do Senhor. A

  • Page 133 and 134:

    praças no Edom, na Filistéia, Jud

  • Page 135 and 136:

    17.1-19). Como natural conseqüênc

  • Page 137 and 138:

    tesouro e tomaram cativos os membro

  • Page 139 and 140:

    amonitas, os filisteus e os tírios

  • Page 141 and 142:

    de Judá, conduziu as forças da Á

  • Page 143 and 144:

    • CAPÍTULO 13: JUDÁ SOBREVIVE A

  • Page 145 and 146:

    já que um profeta anunciou que Ama

  • Page 147 and 148:

    de Jeroboão. O crescimento de Jud

  • Page 149 and 150:

    Ezequias 253 começou seu reinado n

  • Page 151 and 152:

    Os assírios entraram na Palestina

  • Page 153 and 154:

    Dupla foi a divina promessa dada ao

  • Page 155 and 156:

    Amom - Apostasia Amom sucedeu a seu

  • Page 157 and 158:

    • CAPÍTULO 14: O DESVANECIMENTO

  • Page 159 and 160:

    Páscoa, sua observância ultrapass

  • Page 161 and 162:

    Quando o povo ouviu que o templo se

  • Page 163 and 164:

    ecebeu uma vez mais o aviso de não

  • Page 165 and 166:

    560 Neriglisar 559 Ciro 556 Nabôni

  • Page 167 and 168:

    ente ele com tributos. Junto com os

  • Page 169 and 170:

    (562-560 a.C.). Também conhecido c

  • Page 171 and 172:

    No dia do Ano Novo, em abril de 539

  • Page 173 and 174:

    cidade capital e cujo templo ainda

  • Page 175 and 176:

    mesmo, num precipício perto de Per

  • Page 177 and 178:

    Jerusalém. Aparentemente, Jeoiaqui

  • Page 179 and 180:

    A experiência de Daniel e de seus

  • Page 181 and 182:

    MAPA 10: PALESTINA DEPOIS DO EXÍLI

  • Page 183 and 184:

    Imediatamente, Ciro anunciou uma po

  • Page 185 and 186:

    lugar do culto 380 . Em menos de um

  • Page 187 and 188:

    Susã, a capital da Pérsia, é o p

  • Page 189 and 190:

    comemorar sua libertação. Purim f

  • Page 191 and 192:

    Quando o povo lhe expressou sua boa

  • Page 193 and 194:

    que lhe fornecessem de materiais de

  • Page 195 and 196:

    chefes para registrar a todo o povo

  • Page 197 and 198:

    A leitura do livro de Moisés os fe

  • Page 199 and 200:

    O leitor que se enfrenta com ele de

  • Page 201 and 202:

    Zofar, decididamente, admoesta Jó

  • Page 203 and 204:

    limitações geográficas ou raciai

  • Page 205 and 206:

    Naturalmente, o uso deste dispositi

  • Page 207 and 208:

    Evitar tratos e negócios desatinad

  • Page 209 and 210:

    A vida do oprimido é vã Ec 4.1-16

  • Page 211 and 212:

    Fala o rei Ct 2.2 A donzela às dam

  • Page 213 and 214:

    pôde ter promovido o reconheciment

  • Page 215 and 216:

    Os escritos de Isaias Escreveu Isai

  • Page 217 and 218:

    Admoestando seu povo para que se vo

  • Page 219 and 220:

    estabelecimento deste reinado. Siã

  • Page 221 and 222:

    alcance a escala mundial. O que aco

  • Page 223 and 224:

    juízo poderia ser dificilmente res

  • Page 225 and 226:

    Aqueles que estiveram sujeitos a re

  • Page 227 and 228:

    Tendo desenvolvido o tema da libera

  • Page 229 and 230:

    • CAPÍTULO 19: JEREMIAS, UM HOME

  • Page 231 and 232:

    Os anos 609-586 foram os mais difí

  • Page 233 and 234:

    Ao longo de todo seu ministério, J

  • Page 235 and 236:

    Jerusalém, estão rendendo culto a

  • Page 237 and 238:

    sepultamento de um jumento, sem que

  • Page 239 and 240:

    de Deus de que naquela terra as coi

  • Page 241 and 242:

    terra do exílio. Assim se cumpria

  • Page 243 and 244:

    Este breve sumário do reinado de Z

  • Page 245 and 246:

    • CAPÍTULO 20: EZEQUIEL, A ATALA

  • Page 247 and 248:

    destruição pela rendição de Joa

  • Page 249 and 250:

    Introdução Ez 1.1-3 Visão da gl

  • Page 251 and 252:

    vira uma realidade em Judá. O Todo

  • Page 253 and 254:

    Jerusalém é tão pecadora, que n

  • Page 255 and 256:

    dúvida a questão de a que nação

  • Page 257 and 258:

    terra. Israel tem profanado o nome

  • Page 259 and 260:

    • CAPÍTULO 21: DANIEL, HOMEM DE

  • Page 261 and 262:

    três companheiros apelam com empen

  • Page 263 and 264:

    é derrubado enquanto se mantém er

  • Page 265 and 266:

    período de cativeiro que duraria s

  • Page 267 and 268:

    • CAPÍTULO 22: EM TEMPOS DE PROS

  • Page 269 and 270:

    uma grande calma no mar. No que diz

  • Page 271 and 272:

    atrocidades dos amonitas e os trai

  • Page 273 and 274:

    Oséias continuou por várias déca

  • Page 275 and 276:

    aquele laço seria dissolvido. Já

  • Page 277 and 278:

    • CAPÍTULO 23: AS NAÇÕES ESTRA

  • Page 279 and 280:

    o juízo de Deus é tão decisivo q

  • Page 281 and 282:

    quando os trouxe desde o deserto e

  • Page 283 and 284:

    Ageu e Zacarias apenas se são menc

  • Page 285 and 286:

    apóia o esforço de seu colega par

  • Page 287 and 288:

    verdade, a justiça e a paz prevale

  • Page 289 and 290:

    os órfãos e os estrangeiros. Por