Views
6 days ago

a historia de israel no antigo testamento

As relações comerciais

As relações comerciais se expandiram. Floresceu o comércio internacional além de tudo o conhecido por Israel desde os dias de Salomão. Nesta era de êxito econômico e expansão territorial, Samaria se fortificou contra qualquer invasão estrangeira 557 . Com a Síria como estadotampão, os israelitas esqueceram complacentemente o perigo que representava a Assíria. Embora Judá começou a mostrar sinais de um reavivamento político e econômico, o Reino do Sul era ainda pouco forte e estava comparativamente adormecido, ao tempo que Jeroboão continuava governando na Samaria. Com Israel em seu apogeu, dois profetas fizeram sua aparição: Amós e Oséias. Cada um deles, por turno, tratou de despertar os cidadãos de Israel de seu letargo, porém nenhum deles conseguiu que o povo voltasse de sua apostasia. Jonas – A missão de Nínive 558 Jn 1.1-4.11 Jonas teve uma mensagem popular para predicar em Israel. Em épocas de opressão, a promessa de dias prósperos foi muito bem acolhida. Sem dúvida, o cumprimento de única predição, na extensão do território de Israel sob Jeroboão, aumentou sua popularidade em seu lar pátrio. Não há indicação de que tivesse uma mensagem de advertência ou de juízo para liberar seu próprio povo (2 Rs 14.25). O sermão de Jonas aos ninivitas não foi senão adulação. O juízo e a condenação para esta cidade estrangeira está resumido no tema: "Daqui a quarenta dias Nínive será destruída". Quando finalmente ele completou esta afirmação, registrou suas experiências no livro que leva seu nome. Observe-se a seguinte breve analise: I. A viagem de Jonas para o oeste, num itinerário de ida e volta Jn 1.1-2.10 II. Uma missão de predicação com êxito Jn 3.1-10 III. A lição para Jonas Jn 4.1-11 Jonas foi divinamente comissionado para ir a Nínive, uma desagradável missão para um israelita. Durante os tempos de Jeú, Israel tinha pagado tributo ao rei assírio Salmaneser III. Jonas conhecia o sofrimento a qual a Síria estava sujeita, repelindo os ataques recentes dos assírios. Por que deveria expor-se a tão perigosa missão? As atrocidades dos assírios, que mais tarde aterrorizaram as nações em sua missão a Tiglate-Pileser III, podem ter sido praticadas naquele tempo. desde o ponto de vista humano, Assíria era o último lugar que um israelita teria escolhido para uma aventura missionária. Jonas começou sua viagem numa direção oposta. Em Jope, abordou um barco que se dirigia ao Mediterrâneo ocidental, ao porto de Târsis. Em rota para seu destino, uma tormenta de grande magnitude encheu de alarme os corações da tripulação, ainda que o mal tempo não fosse coisa desconhecida para eles. Enquanto Jonas dormia, os marinheiros atacados de pânico esvaziaram o barco e apelaram a seus deuses. Jonas foi convidado a levantar-se e a unir-se a suas orações pagãs. Os passageiros restantes decidiram que Jonas era o responsável de sua desgraça. Temerosos da ira divina, o lançaram pela borda. Imediatamente cessou a tormenta e prevaleceu 557 Ver André Parrot, Samaría, the capital of Kingdom of Israel (Londres: SMC Press, 1958). 558 Correntemente, um tratamento popular do livro de Jonas é para compreendê-lo como um conto curto para propaganda religiosa, talvez no século IV a.C. Ver B. W. Anderson, Understanding the Old Testament (Englewoods Cliffs, 1957), pp. 503-504. Para um tratamento mais elaborado, ver R. H. Pfeiffer, Introduction to the Old Testament, p. 587ss. Aage Bentzen, Introduction to the Old Testament, Vol. II (2.a ed., 1952), pp. 144-147 e ss. o consideram, com Bewer, como una parábola. Para uma defesa do livro de Jonas como registro histórico, ver A. Ch. Aalders, The problem of the Book of Jonah (Londres: Tyndale Press, 1948) e E. J. Young, An Introduction to the Old Testament, pp. 254-258. Para uma representativa interpretação histórica, ver Frank E. Gaebelein, The Servant and the Dove (Nova York: Our Hope Press, 1946), pp. 143. Keil e Delitzsch, Commentary on the Minar Prophets, Vol. I., pp. 379-417. The Minar Prophets, Vol. I, (Nova York: Funk and Wagnalls, 1885), pp. 371-427. 268

uma grande calma no mar. No que diz respeito aos marinheiros, a questão estava resolvida. Não assim para Jonas. Seus problemas apenas tinham começado. Tinha sido engolido por um grande pez 559. Três dias e três noites Jonas deveu permanecer no ventre do monstro marinho. Apelando a Deus, reconheceu francamente que estava perdido, a não ser por uma divina intervenção. Fez a simples promessa de que cumpriria seus votos uma vez que fosse liberado. E assim, sob o poder divino, o pez levou a Jonas até depositá-lo em terreno seco. Mais uma vez Jonas é convidado a ir a Nínive. Desta vez se dirigiu rumo ao leste, à distante terra da Assíria, aproximadamente a 1287 km de Israel. Localizada na margem oriental do Tigre, Nínive era uma grande cidade, com numerosos subúrbios além de suas muralhas 560. Ali Jonas começou sua missão de predicar. Sofisticado e pecador como era aquele povo, as gentes o escutaram e ouviram sua advertência: "em quarenta dias Nínive será destruída". Apenas tinha começado Jonas seu itinerário, quando o povo respondeu. Arrependendo-se, vestiram de saco e jejuaram, voltando-se a Deus com fé 561. Assim que sua mensagem se deixou ouvir no palácio, o rei entrou em ação 562. Mudaram suas vestes reais por sacos, se cobriram com cinzas. Para os cidadãos de Nínive, emitiu um decreto real, admoestando-os a que voltassem a Deus seus caminhos pecadores e se arrependessem 563. Jonas se desconcertou ao ver tão amplos sinais de arrependimento. Para sua grande surpresa, sua missão tivera um êxito impressionante. E para sua decepção, a cidade não foi destruída; foi salva, ao responder Deus com sua misericórdia ao arrependimento do povo 564. Talvez Jonas experimentasse uma reação nervosa. É difícil avaliar seu estado mental e físico, não só por sua azarada viagem, senão ao ter de predicar uma mensagem de juízo divino a um povo estranho. De qualquer forma, Jonas ficou terrivelmente confuso 565. Não satisfeito com a resposta que Deus lhe dera como aviso, Jonas se retirou a uma colina próxima, desde a qual podia ver a cidade que tinha sido indicada para sua destruição. Parece que o período de quarenta dias não tinha acabado ainda, e assim ele antecipou a possibilidade da condenação que se aproximava sobre Nínive. Refugiado à sombra de uma aboboreira, Jonas recebeu alento quando Deus fez com que a planta crescesse rapidamente, brindando-lhe uma abobada de sombra para protegê-lo do calor do dia. Porém Jonas tinha uma outra lição que aprender. Em lugar de ser testemunha da ruína da cidade, um verme destruiu a planta que tanto o havia deliciado. Deus ressaltou com isso que o profeta estava muito mais preocupado com seu próprio conforto que a respeito do bem-estar das 120.000 crianças inocentes que ainda não tinham chegado à idade do discernimento 566. Para Deus, a conversão dos assírios era muito mais importante que a preservação da planta que servia para o desfrute de uma única pessoa. 559 Não tem por quê tratar-se de uma baleia, senão de um "grande pez". Jn 1.17, Mt 12.40. para uma moderna analogia com a experiência de Jonas, veja-se o relato de John Ambrose Wilson, em que uma baleia perto das Ilhas Falkland (Malvinas argentinas) engoliu um membro da tripulação de um barco, que foi resgatado três dias mais tarde, revivido de sua inconsciência, e que depois disso continuou vivendo normalmente. Ver Princeton Theological Review, "The Sign of the Prophet Jonah", XXV (1927), 636. Para a possibilidade de uma baleia engolir um homem, ver o artigo "How to Test the Story of Jonah". por G. Macloskie en Bibliotheca Sacra, LXXII, 336 e ss 560 "Nínive, a grande cidade"; isto inclui a própria cidade e seus subúrbios. Desde 1100 a.C., Nínive foi utilizada como uma das residências reais. Depois do 722, Sargão II fez dela sua capital, e continuou sendo a primeira cidade da Assíria até sua queda no 612 a.C. 561 Para uma discussão da "fé" dos ninivitas, ver Pusey, op. cit., p. 415. 562 Gaebelein aventura a opinião de que o rei assírio em questão é ou bem Hadade-Nirari III (aprox. 811-782 a.C.) ou Salmaneser IV (aprox. 782-772 a.C.). Ver op. cit., p. 119. 563 Para uma discussão sobre a reforma —ainda que não seja mencionada na fusão secular—, ver Aalders, op. cit., pp. 6- 7. 564 Ver os tratamentos de Deus no passado. Deus assegurou a Abraão que Sodoma e Gomorra seriam salvas em graça de dez justos (Gn 18). Ver também Êx 32 e 1 Rs 21.29, onde Deus demora seu juízo por misericórdia. 565 Ver Gaebelein, op. cit., p. 129. Ver também 1 Rs 19.4, Jr 20, Jó 3. 566 Pusey, op. cit., p. 246, estima a população de Nínive em 6000.000 habitantes. 269

  • Page 1 and 2:

    A HISTÓRIA DE ISRAEL NO ANTIGO TES

  • Page 3 and 4:

    ÍNDICE • Prefácio .............

  • Page 5 and 6:

    indando-me sua inapreciável críti

  • Page 7 and 8:

    converteu na língua franca do Fér

  • Page 9 and 10:

    Chegou o Antigo Testamento a nós c

  • Page 11 and 12:

    ) Caim e Abel Gn 4.1-24 c) A geraç

  • Page 13 and 14:

    Lameque, um descendente de Sete, an

  • Page 15 and 16:

    • CAPÍTULO 2: A IDADE PATRIARCAL

  • Page 17 and 18:

    Mesopotâmia Os sumérios, um povo

  • Page 19 and 20:

    Gigantescas pirâmides, as maravilh

  • Page 21 and 22:

    Por causa dessa situação, Palesti

  • Page 23 and 24:

    as cronologias para esta era num es

  • Page 25 and 26:

    Desde o ponto de vista das institui

  • Page 27 and 28:

    Polemico em conduta, Jacó surgiu c

  • Page 29 and 30:

    elatou dois sonhos prognosticando s

  • Page 31 and 32:

    • CAPÍTULO 3: A EMANCIPAÇÃO DE

  • Page 33 and 34:

    Durante o resto das dinastias XIX e

  • Page 35 and 36:

    era salomônica 67 — que tem data

  • Page 37 and 38:

    coração no curso daquelas circuns

  • Page 39 and 40:

    1-Lua nova 6-7-Festa das Semanas Ju

  • Page 41 and 42:

    Idolatria e juízo Êx 32.1-34.35 C

  • Page 43 and 44:

    As leis morais eram permanentes, po

  • Page 45 and 46:

    permanência de Israel no deserto.

  • Page 47 and 48:

    3) A morte do animal. 4) A aspersã

  • Page 49 and 50:

    Por meio das festas e estações de

  • Page 51 and 52:

    cinco eram dias de sagrada convoca

  • Page 53 and 54:

    • CAPÍTULO 5: PREPARAÇÃO PARA

  • Page 55 and 56:

    Os sacerdotes recebiam uma fórmula

  • Page 57 and 58:

    liberado da escravidão do Egito fo

  • Page 59 and 60:

    Os chefes nomeados para distribuir

  • Page 61 and 62:

    Também os lembrou das recentes vit

  • Page 63 and 64:

    - 945 XXII Dinastia 945 Sisaque San

  • Page 65 and 66:

    Amarna (por volta de 1400 a.C.) ref

  • Page 67 and 68:

    Josué deve ser considerado somente

  • Page 69 and 70:

    24000 a.C. Subseqüentemente foi de

  • Page 71 and 72:

    Além do elemento surpresa e pânic

  • Page 73 and 74:

    dentro das fronteiras de Gade e Gol

  • Page 75 and 76:

    MAPA 4: AS DIVISÕES TRIBAIS A últ

  • Page 77 and 78:

    tentativas para desalojar essas gen

  • Page 79 and 80:

    definitivamente identificado, prova

  • Page 81 and 82:

    pronunciado sem realizar nenhum sac

  • Page 83 and 84:

    Noemi e seus dois filhos— para o

  • Page 85 and 86:

    Com semelhante ameaça pesando sobr

  • Page 87 and 88:

    epresentava o verdadeiro poder de D

  • Page 89 and 90:

    O relato bíblico do reinado de Sau

  • Page 91 and 92:

    Os exércitos de Israel acampados n

  • Page 93 and 94:

    mesmo tempo, negociou com êxito di

  • Page 95 and 96:

    evolvido pela guerra civil, não of

  • Page 97 and 98:

    econômica e militar tenham sido el

  • Page 99 and 100:

    declarou que Davi era o homem culp

  • Page 101 and 102:

    o que sugere uma população total

  • Page 103 and 104:

    Tributos e comércio 10.14-29 9.13-

  • Page 105 and 106:

    exército e os fenícios uma grande

  • Page 107 and 108:

    para o elaborado planejamento deste

  • Page 109 and 110:

    territórios e viajasse 1931 km em

  • Page 111 and 112:

    ESQUEMA 4: MONARQUIA NA PALESTINA (

  • Page 113 and 114:

    Thiele tem sugerido uma pista para

  • Page 115 and 116:

    A primeira fonte literatura da era

  • Page 117 and 118:

    2 Crônicas 29.1-32.33 Manassés 2

  • Page 119 and 120:

    por Oséias, quem voluntariamente p

  • Page 121 and 122:

    Carquemis (605) desapareceu o últi

  • Page 123 and 124:

    Repentinamente, o mandato desafiant

  • Page 125 and 126:

    achados nas ruínas, datam os traba

  • Page 127 and 128:

    Mediante uma diplomacia efetiva e f

  • Page 129 and 130:

    Jorão, outro filho de Acabe e Jeza

  • Page 131 and 132:

    profetas e servidores do Senhor. A

  • Page 133 and 134:

    praças no Edom, na Filistéia, Jud

  • Page 135 and 136:

    17.1-19). Como natural conseqüênc

  • Page 137 and 138:

    tesouro e tomaram cativos os membro

  • Page 139 and 140:

    amonitas, os filisteus e os tírios

  • Page 141 and 142:

    de Judá, conduziu as forças da Á

  • Page 143 and 144:

    • CAPÍTULO 13: JUDÁ SOBREVIVE A

  • Page 145 and 146:

    já que um profeta anunciou que Ama

  • Page 147 and 148:

    de Jeroboão. O crescimento de Jud

  • Page 149 and 150:

    Ezequias 253 começou seu reinado n

  • Page 151 and 152:

    Os assírios entraram na Palestina

  • Page 153 and 154:

    Dupla foi a divina promessa dada ao

  • Page 155 and 156:

    Amom - Apostasia Amom sucedeu a seu

  • Page 157 and 158:

    • CAPÍTULO 14: O DESVANECIMENTO

  • Page 159 and 160:

    Páscoa, sua observância ultrapass

  • Page 161 and 162:

    Quando o povo ouviu que o templo se

  • Page 163 and 164:

    ecebeu uma vez mais o aviso de não

  • Page 165 and 166:

    560 Neriglisar 559 Ciro 556 Nabôni

  • Page 167 and 168:

    ente ele com tributos. Junto com os

  • Page 169 and 170:

    (562-560 a.C.). Também conhecido c

  • Page 171 and 172:

    No dia do Ano Novo, em abril de 539

  • Page 173 and 174:

    cidade capital e cujo templo ainda

  • Page 175 and 176:

    mesmo, num precipício perto de Per

  • Page 177 and 178:

    Jerusalém. Aparentemente, Jeoiaqui

  • Page 179 and 180:

    A experiência de Daniel e de seus

  • Page 181 and 182:

    MAPA 10: PALESTINA DEPOIS DO EXÍLI

  • Page 183 and 184:

    Imediatamente, Ciro anunciou uma po

  • Page 185 and 186:

    lugar do culto 380 . Em menos de um

  • Page 187 and 188:

    Susã, a capital da Pérsia, é o p

  • Page 189 and 190:

    comemorar sua libertação. Purim f

  • Page 191 and 192:

    Quando o povo lhe expressou sua boa

  • Page 193 and 194:

    que lhe fornecessem de materiais de

  • Page 195 and 196:

    chefes para registrar a todo o povo

  • Page 197 and 198:

    A leitura do livro de Moisés os fe

  • Page 199 and 200:

    O leitor que se enfrenta com ele de

  • Page 201 and 202:

    Zofar, decididamente, admoesta Jó

  • Page 203 and 204:

    limitações geográficas ou raciai

  • Page 205 and 206:

    Naturalmente, o uso deste dispositi

  • Page 207 and 208:

    Evitar tratos e negócios desatinad

  • Page 209 and 210:

    A vida do oprimido é vã Ec 4.1-16

  • Page 211 and 212:

    Fala o rei Ct 2.2 A donzela às dam

  • Page 213 and 214:

    pôde ter promovido o reconheciment

  • Page 215 and 216:

    Os escritos de Isaias Escreveu Isai

  • Page 217 and 218: Admoestando seu povo para que se vo
  • Page 219 and 220: estabelecimento deste reinado. Siã
  • Page 221 and 222: alcance a escala mundial. O que aco
  • Page 223 and 224: juízo poderia ser dificilmente res
  • Page 225 and 226: Aqueles que estiveram sujeitos a re
  • Page 227 and 228: Tendo desenvolvido o tema da libera
  • Page 229 and 230: • CAPÍTULO 19: JEREMIAS, UM HOME
  • Page 231 and 232: Os anos 609-586 foram os mais difí
  • Page 233 and 234: Ao longo de todo seu ministério, J
  • Page 235 and 236: Jerusalém, estão rendendo culto a
  • Page 237 and 238: sepultamento de um jumento, sem que
  • Page 239 and 240: de Deus de que naquela terra as coi
  • Page 241 and 242: terra do exílio. Assim se cumpria
  • Page 243 and 244: Este breve sumário do reinado de Z
  • Page 245 and 246: • CAPÍTULO 20: EZEQUIEL, A ATALA
  • Page 247 and 248: destruição pela rendição de Joa
  • Page 249 and 250: Introdução Ez 1.1-3 Visão da gl
  • Page 251 and 252: vira uma realidade em Judá. O Todo
  • Page 253 and 254: Jerusalém é tão pecadora, que n
  • Page 255 and 256: dúvida a questão de a que nação
  • Page 257 and 258: terra. Israel tem profanado o nome
  • Page 259 and 260: • CAPÍTULO 21: DANIEL, HOMEM DE
  • Page 261 and 262: três companheiros apelam com empen
  • Page 263 and 264: é derrubado enquanto se mantém er
  • Page 265 and 266: período de cativeiro que duraria s
  • Page 267: • CAPÍTULO 22: EM TEMPOS DE PROS
  • Page 271 and 272: atrocidades dos amonitas e os trai
  • Page 273 and 274: Oséias continuou por várias déca
  • Page 275 and 276: aquele laço seria dissolvido. Já
  • Page 277 and 278: • CAPÍTULO 23: AS NAÇÕES ESTRA
  • Page 279 and 280: o juízo de Deus é tão decisivo q
  • Page 281 and 282: quando os trouxe desde o deserto e
  • Page 283 and 284: Ageu e Zacarias apenas se são menc
  • Page 285 and 286: apóia o esforço de seu colega par
  • Page 287 and 288: verdade, a justiça e a paz prevale
  • Page 289 and 290: os órfãos e os estrangeiros. Por
Instituições de Israel no Antigo Testamento - Roland de Vaux
04Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Proféticos
Teologia Do Antigo Testamento - Roy b. ZUCK
O ANTIGO TESTAMENTO em Quadros - John H. Walton
Biblia Shedd - Antigo Testamento
Tempos do Antigo Testamento - R. K. Harrison
O Plano da promessa de Deus - Teologia bíblica do Antigo e Novo Testamentos - Walter C. Kaiser Jr
4 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe Volume-IV Profeticos
03Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Poéticos
02Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Históricos
Matthew Henry - Antigo Testamento - Pentateuco - Gênesis a Deuteronomio
Matthew Henry - Antigo Testamento - Pentateuco - Gênesis a Deuteronômio
2 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-II Historico
Patriarcas E Profetas por Ellen G. White [Novo Edicao]
PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO - Bob Utley
Comentário da Biblia - Antigo Testamento - Russell Shedd
Comentário do Antigo Testamento - Salmos - Alan Harman
Introdução ao Antigo Testamento - Raymond B. Dilla rd & Tremper Longman III
1 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-I Pentateuco
3 Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento - Warren W. Wiersbe-Volume-III Poeticos
DICIONARIO INTERNACIONAL DO ANTIGO TESTAMENTO
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren vol.2
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren Vol.3
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren Vol.3
Orientação para a vida Direito e Lei no Antigo Testamento - Hans Jochen Boecker
Dicionário De Teologia Do Antigo Testamento - parte 1
01Comentario Biblico Expositivo do Antigo Testamento - Pentateuco
Introdução ao Antigo Testamento - E. J. Young
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren Vol.1
Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento - Willem A. VanGemeren vol.2