Views
4 months ago

a historia de israel no antigo testamento

Isaque e Jacó (Gn

Isaque e Jacó (Gn 25.19-36.43) I. A família de Isaque 25.19-34 Rebeca, a mãe dos gêmeos 25.19-26 Esaú e Jacó intercambiam os direitos de primogenitura 25.27-34 II. Isaque estabelecido em Canaã 26.1-33 A aliança confirmada a Isaque 26.1-5 Dificuldades com Abimeleque 26.6-22 A bênção de Deus sobre Isaque 26.23-33 III. A bênção patriarcal 26.34-28.9 Isaque favorece a Esaú 26.34-28.9 A bênção roubada: imediatas conseqüências 27.5-28.9 IV. As aventuras de Jacó com Labão 28.10-32.2 O sonho em Betel 28.10-22 Família e riqueza 29.1-30.43 A separação com Labão 31.1-32.2 V. Jacó volta a Canaã 32.3-35.21 Reconciliação de Esaú e Jacó 32.3-33.17 Dificuldades em Siquem 33.18-34.31 Adoração em Betel 35.1-15 Raquel enterrada em Belém 35.16-21 VI. Descendentes de Isaque 35.22-36.43 Os filhos de Jacó 35.22-26 Enterramento de Isaque 35.27-29 Esaú e seu clã em Edom 36.1-43 O caráter de Isaque, segundo se descreve no Gênesis, está em certa forma escurecido pelos acontecimentos da vida tanto do pai como do filho. Com o anúncio da morte de Abraão, o leitor fica imediatamente apresentado a Jacó, quem emerge como o elo da sucessão patriarcal. Pode ser que muitas das experiências de Isaque fossem similares às de Abraão, pelo que haja pouco que narrar ao respeito. Embora Isaque herdou a riqueza de seu pai e continuou a mesma pauta de vida, é interessante notar que se comprometeu em questões de agricultura perto de Gerar (26.12). Abraão em certa ocasião tinha-se detido em Gerar, em território filisteu, mas passou muito tempo nas redondezas de Hebrom. Quando Isaque começou a cultivar a terra, obteve colheitas que lhe proporcionaram o cento por um. Aquele êxito tão pouco comum nas lavouras do campo excitou a inveja dos filisteus de Gerar, de forma que Isaque teve de deslocar-se, por considerá-lo necessário, rumo a Berseba, com objeto de manter relações pacíficas. A presença dos filisteus em Canaã durante os tempos patriarcais tem sido considerada um anacronismo. O estabelecimento caftoriano em Canaã por volta de 1200 a.C. representou uma migração tardia do Povo do Mar, que previamente tinham-se estabelecido em outras ocasiões durante um longo período de tempo. Os filisteus se haviam estabelecido em pequenos grupos muito antes de 1500 a.C. Com o passar do tempo se misturaram com outros habitantes do Canaã, porém o nome de "Palestina" (Filistéia) continua levando o testemunho de sua presença em Canaã. A cerâmica caftoriana por todo o sul e a parte central da Palestina, ao igual que as referências literárias, testemunham a superioridade dos filisteus nas artes e habilidades manuais. Nos dias de Saul monopolizaram os trabalhos metalúrgicos na Palestina 47 . J. F. Lehman, "Bulletin of ¡he American Schools of Oriental Research", nº 129 (1953), pp. 15-18. Ver Gordon, op. cit., p. 124 e Wright, op. cit., p. 51. 47 Gordon, op. cit., pp. 121-123. 26

Polemico em conduta, Jacó surgiu como herdeiro da aliança. De acordo com os costumes de Nuzu, negociou com Esaú para assegurar-se a herança e seus direitos. Sua capacidade de negociador fica logo aparente em sua aquisição dos direitos de primogenitura pelo escasso preço de um prato de lentilhas. O irreal sentido de Esaú do valor das coisas pôde ter sido provocado pela fatiga temporária e à exaustão de uma expedição de caça que não teve recompensa alguma. Além disso, Jacó ganhou a bênção no leito de morte, usando um truque e a decepção, instigado por Rebeca, sua mãe. O significado desta aquisição se compreende melhor por comparação com as leis contemporâneas que faziam tais bênçãos orais legalmente válidas. Deve notar-se, contudo, o fato que o relato bíblico coloque a ênfase no lugar que ocupa a chefia familiar por acima das bênçãos materiais. Temendo o provável matrimônio de Jacó com mulheres hititas, tanto como a vingança de Esaú, Rebeca concebeu e instrumentou um plano para enviar a seu filho favorito a Padã-Harã. De caminho, Jacó responde a um sono em Betel com uma promessa condicional para servir a Deus e uma tentativa de dar o dizimo de suas rendas. Tendo recebido uma cordial acolhida em seu lar ancestral, Jacó entra num acordo com Labão, irmão de Rebeca. De acordo com os costumes de Nuzu, isto poderia ter sido mais que um simples contrato para o matrimônio. Aparentemente, Labão não tinha um filho naquela época, pelo que Jacó foi instituído como herdeiro legal. Típico da época foi o presente de Labão de uma criada a cada uma de suas filhas, Raquel e Lia. A esposa de Labão deu a luz mais tarde a outros filhos, pelo que Jacó deixou de ser o herdeiro principal. Aquela mudança nos assuntos não foi do agrado de Jacó; desejou ir embora, porém foi dissuadido por um novo contrato que lhe abria a possibilidade de obter riqueza mediante os rebanhos de Labão. Com o passar do tempo, Jacó chegou a ser tão próspero, apesar do reajuste de contrato de Labão, que a relação existente entre o pai e o genro se alterou. Alentado por Deus para voltar à terra de seus pais, Jacó reuniu todas suas possessões e partiu no momento oportuno, quando Labão estava ausente num negócio de gado. Três dias mais tarde Labão soube da partida de Jacó e mandou em sua busca. Após sete dias lhe deu alcance nas colinas de Gileade. Labão estava profundamente perturbado pela desaparição de seus deuses-lar. O terafim, que Raquel tinha escondido com êxito enquanto Labão buscava nas possessões de Jacó, pôde ter sido mais legal que de significação religiosa para Labão 48 . De acordo com a lei Nuzu, um genro que tiver em seu poder os deuses-lar poderia reclamar a herança da família ante um tribunal. Dessa forma Raquel tentava obter certa vantagem para seu marido, ao roubá-lhe os ídolos. Porém Labão anulou qualquer benefício dessa índole por um convenio com Jacó antes de separar-se. Continuando rumo a Canaã, Jacó antecipou o terrível encontro com Esaú. O temor o venceu, ainda que toda crise do passado tivesse acabado com vantagem para ele. A ponto de não voltar, Jacó encarou-se com uma crucial experiência (32.1-32). Dividindo todas suas possessões nem rio, Jacó, em preparação para o encontro com Esaú, se voltou a Deus em oração. Reconheceu humildemente que era imerecedor de todas as bênçãos que Deus lhe havia outorgado. Mas de face para o perigo, suplicou por sua liberação. Durante a solidão da noite, lutou a braço partido com um homem. Nesta estranha experiência, na qual reconheceu um encontro divino, seu nome foi mudado pelo de "Israel" em lugar de continuar chamando-se Jacó. Depois disso, Jacó não foi o impostor; em seu lugar esteve sujeito à decepção e aos sofrimentos por seus próprios filhos. Quando chegou Esaú, Jacó se prostrou sete vezes —outra antiga tradição mencionada nos documentos ugaríticos e de Amarna—, e recebeu a seguridade do perdão de seu irmão. Declinando cortesmente a generosa ajuda oferecida por Esaú, Jacó continuou lentamente para o Sucote, enquanto Esaú voltava ao Seir. 48 Labão distinguia entre os deuses de Nahor e o Deus de Abraão (Gn 31.29-30). Enquanto que Jacó era monoteísta, Labão era politeísta. 27

  • Page 1 and 2: A HISTÓRIA DE ISRAEL NO ANTIGO TES
  • Page 3 and 4: ÍNDICE • Prefácio .............
  • Page 5 and 6: indando-me sua inapreciável críti
  • Page 7 and 8: converteu na língua franca do Fér
  • Page 9 and 10: Chegou o Antigo Testamento a nós c
  • Page 11 and 12: ) Caim e Abel Gn 4.1-24 c) A geraç
  • Page 13 and 14: Lameque, um descendente de Sete, an
  • Page 15 and 16: • CAPÍTULO 2: A IDADE PATRIARCAL
  • Page 17 and 18: Mesopotâmia Os sumérios, um povo
  • Page 19 and 20: Gigantescas pirâmides, as maravilh
  • Page 21 and 22: Por causa dessa situação, Palesti
  • Page 23 and 24: as cronologias para esta era num es
  • Page 25: Desde o ponto de vista das institui
  • Page 29 and 30: elatou dois sonhos prognosticando s
  • Page 31 and 32: • CAPÍTULO 3: A EMANCIPAÇÃO DE
  • Page 33 and 34: Durante o resto das dinastias XIX e
  • Page 35 and 36: era salomônica 67 — que tem data
  • Page 37 and 38: coração no curso daquelas circuns
  • Page 39 and 40: 1-Lua nova 6-7-Festa das Semanas Ju
  • Page 41 and 42: Idolatria e juízo Êx 32.1-34.35 C
  • Page 43 and 44: As leis morais eram permanentes, po
  • Page 45 and 46: permanência de Israel no deserto.
  • Page 47 and 48: 3) A morte do animal. 4) A aspersã
  • Page 49 and 50: Por meio das festas e estações de
  • Page 51 and 52: cinco eram dias de sagrada convoca
  • Page 53 and 54: • CAPÍTULO 5: PREPARAÇÃO PARA
  • Page 55 and 56: Os sacerdotes recebiam uma fórmula
  • Page 57 and 58: liberado da escravidão do Egito fo
  • Page 59 and 60: Os chefes nomeados para distribuir
  • Page 61 and 62: Também os lembrou das recentes vit
  • Page 63 and 64: - 945 XXII Dinastia 945 Sisaque San
  • Page 65 and 66: Amarna (por volta de 1400 a.C.) ref
  • Page 67 and 68: Josué deve ser considerado somente
  • Page 69 and 70: 24000 a.C. Subseqüentemente foi de
  • Page 71 and 72: Além do elemento surpresa e pânic
  • Page 73 and 74: dentro das fronteiras de Gade e Gol
  • Page 75 and 76: MAPA 4: AS DIVISÕES TRIBAIS A últ
  • Page 77 and 78:

    tentativas para desalojar essas gen

  • Page 79 and 80:

    definitivamente identificado, prova

  • Page 81 and 82:

    pronunciado sem realizar nenhum sac

  • Page 83 and 84:

    Noemi e seus dois filhos— para o

  • Page 85 and 86:

    Com semelhante ameaça pesando sobr

  • Page 87 and 88:

    epresentava o verdadeiro poder de D

  • Page 89 and 90:

    O relato bíblico do reinado de Sau

  • Page 91 and 92:

    Os exércitos de Israel acampados n

  • Page 93 and 94:

    mesmo tempo, negociou com êxito di

  • Page 95 and 96:

    evolvido pela guerra civil, não of

  • Page 97 and 98:

    econômica e militar tenham sido el

  • Page 99 and 100:

    declarou que Davi era o homem culp

  • Page 101 and 102:

    o que sugere uma população total

  • Page 103 and 104:

    Tributos e comércio 10.14-29 9.13-

  • Page 105 and 106:

    exército e os fenícios uma grande

  • Page 107 and 108:

    para o elaborado planejamento deste

  • Page 109 and 110:

    territórios e viajasse 1931 km em

  • Page 111 and 112:

    ESQUEMA 4: MONARQUIA NA PALESTINA (

  • Page 113 and 114:

    Thiele tem sugerido uma pista para

  • Page 115 and 116:

    A primeira fonte literatura da era

  • Page 117 and 118:

    2 Crônicas 29.1-32.33 Manassés 2

  • Page 119 and 120:

    por Oséias, quem voluntariamente p

  • Page 121 and 122:

    Carquemis (605) desapareceu o últi

  • Page 123 and 124:

    Repentinamente, o mandato desafiant

  • Page 125 and 126:

    achados nas ruínas, datam os traba

  • Page 127 and 128:

    Mediante uma diplomacia efetiva e f

  • Page 129 and 130:

    Jorão, outro filho de Acabe e Jeza

  • Page 131 and 132:

    profetas e servidores do Senhor. A

  • Page 133 and 134:

    praças no Edom, na Filistéia, Jud

  • Page 135 and 136:

    17.1-19). Como natural conseqüênc

  • Page 137 and 138:

    tesouro e tomaram cativos os membro

  • Page 139 and 140:

    amonitas, os filisteus e os tírios

  • Page 141 and 142:

    de Judá, conduziu as forças da Á

  • Page 143 and 144:

    • CAPÍTULO 13: JUDÁ SOBREVIVE A

  • Page 145 and 146:

    já que um profeta anunciou que Ama

  • Page 147 and 148:

    de Jeroboão. O crescimento de Jud

  • Page 149 and 150:

    Ezequias 253 começou seu reinado n

  • Page 151 and 152:

    Os assírios entraram na Palestina

  • Page 153 and 154:

    Dupla foi a divina promessa dada ao

  • Page 155 and 156:

    Amom - Apostasia Amom sucedeu a seu

  • Page 157 and 158:

    • CAPÍTULO 14: O DESVANECIMENTO

  • Page 159 and 160:

    Páscoa, sua observância ultrapass

  • Page 161 and 162:

    Quando o povo ouviu que o templo se

  • Page 163 and 164:

    ecebeu uma vez mais o aviso de não

  • Page 165 and 166:

    560 Neriglisar 559 Ciro 556 Nabôni

  • Page 167 and 168:

    ente ele com tributos. Junto com os

  • Page 169 and 170:

    (562-560 a.C.). Também conhecido c

  • Page 171 and 172:

    No dia do Ano Novo, em abril de 539

  • Page 173 and 174:

    cidade capital e cujo templo ainda

  • Page 175 and 176:

    mesmo, num precipício perto de Per

  • Page 177 and 178:

    Jerusalém. Aparentemente, Jeoiaqui

  • Page 179 and 180:

    A experiência de Daniel e de seus

  • Page 181 and 182:

    MAPA 10: PALESTINA DEPOIS DO EXÍLI

  • Page 183 and 184:

    Imediatamente, Ciro anunciou uma po

  • Page 185 and 186:

    lugar do culto 380 . Em menos de um

  • Page 187 and 188:

    Susã, a capital da Pérsia, é o p

  • Page 189 and 190:

    comemorar sua libertação. Purim f

  • Page 191 and 192:

    Quando o povo lhe expressou sua boa

  • Page 193 and 194:

    que lhe fornecessem de materiais de

  • Page 195 and 196:

    chefes para registrar a todo o povo

  • Page 197 and 198:

    A leitura do livro de Moisés os fe

  • Page 199 and 200:

    O leitor que se enfrenta com ele de

  • Page 201 and 202:

    Zofar, decididamente, admoesta Jó

  • Page 203 and 204:

    limitações geográficas ou raciai

  • Page 205 and 206:

    Naturalmente, o uso deste dispositi

  • Page 207 and 208:

    Evitar tratos e negócios desatinad

  • Page 209 and 210:

    A vida do oprimido é vã Ec 4.1-16

  • Page 211 and 212:

    Fala o rei Ct 2.2 A donzela às dam

  • Page 213 and 214:

    pôde ter promovido o reconheciment

  • Page 215 and 216:

    Os escritos de Isaias Escreveu Isai

  • Page 217 and 218:

    Admoestando seu povo para que se vo

  • Page 219 and 220:

    estabelecimento deste reinado. Siã

  • Page 221 and 222:

    alcance a escala mundial. O que aco

  • Page 223 and 224:

    juízo poderia ser dificilmente res

  • Page 225 and 226:

    Aqueles que estiveram sujeitos a re

  • Page 227 and 228:

    Tendo desenvolvido o tema da libera

  • Page 229 and 230:

    • CAPÍTULO 19: JEREMIAS, UM HOME

  • Page 231 and 232:

    Os anos 609-586 foram os mais difí

  • Page 233 and 234:

    Ao longo de todo seu ministério, J

  • Page 235 and 236:

    Jerusalém, estão rendendo culto a

  • Page 237 and 238:

    sepultamento de um jumento, sem que

  • Page 239 and 240:

    de Deus de que naquela terra as coi

  • Page 241 and 242:

    terra do exílio. Assim se cumpria

  • Page 243 and 244:

    Este breve sumário do reinado de Z

  • Page 245 and 246:

    • CAPÍTULO 20: EZEQUIEL, A ATALA

  • Page 247 and 248:

    destruição pela rendição de Joa

  • Page 249 and 250:

    Introdução Ez 1.1-3 Visão da gl

  • Page 251 and 252:

    vira uma realidade em Judá. O Todo

  • Page 253 and 254:

    Jerusalém é tão pecadora, que n

  • Page 255 and 256:

    dúvida a questão de a que nação

  • Page 257 and 258:

    terra. Israel tem profanado o nome

  • Page 259 and 260:

    • CAPÍTULO 21: DANIEL, HOMEM DE

  • Page 261 and 262:

    três companheiros apelam com empen

  • Page 263 and 264:

    é derrubado enquanto se mantém er

  • Page 265 and 266:

    período de cativeiro que duraria s

  • Page 267 and 268:

    • CAPÍTULO 22: EM TEMPOS DE PROS

  • Page 269 and 270:

    uma grande calma no mar. No que diz

  • Page 271 and 272:

    atrocidades dos amonitas e os trai

  • Page 273 and 274:

    Oséias continuou por várias déca

  • Page 275 and 276:

    aquele laço seria dissolvido. Já

  • Page 277 and 278:

    • CAPÍTULO 23: AS NAÇÕES ESTRA

  • Page 279 and 280:

    o juízo de Deus é tão decisivo q

  • Page 281 and 282:

    quando os trouxe desde o deserto e

  • Page 283 and 284:

    Ageu e Zacarias apenas se são menc

  • Page 285 and 286:

    apóia o esforço de seu colega par

  • Page 287 and 288:

    verdade, a justiça e a paz prevale

  • Page 289 and 290:

    os órfãos e os estrangeiros. Por