Views
9 months ago

a historia de israel no antigo testamento

No lugar santo havia

No lugar santo havia colocadas três peças de mobília: a mesa dos pães da proposição ao norte, o candelabro de ouro para o sul e o altar do incenso ante o véu, separando o lugar santo do lugar santíssimo. A mesa dos pães da proposição estava feita de acácia, recoberta de ouro puro, tendo uma coroa de ouro ao redor, rodeada de uma moldura de quatro dedos, coroado tudo de ouro. Se fizeram quatro argolas de ouro para os quatro pés em seus cantos. As argolas estão por defronte da moldura, para passar por elas as varas para levá-la (Êx 25.23-30; 37.10-16). Além disso, pratos, colheres e tigelas para as libações, todo de ouro puro. Sobre a mesa se colocavam cada sábado doze pães para a proposição, que eram comidos pelos sacerdotes (Lv 24.5-9). O candelabro de ouro puro todo ele em sua base e em seu pé era trabalhado a cinzel (Êx 25.31- 39; 37.17-24). A forma e medidas do pedestal aparecem incertas. De seus lados saiam seis braços, três de um lado e três do outro. Três copos a modo de amêndoa, um botão e uma flor, numa haste, e outros três copos iguais na outra. E no candelabro mesmo havia também quatro copos em forma de amêndoas, com seus botões e flores. Um botão debaixo filhas duas primeiras hastes que saem do candelabro, outro embaixo das outras duas, e um terceiro embaixo das duas últimas hastes que saiam também do candelabro. Todo em ouro puro batido a cinzel. Cada tarde os sacerdotes enchiam as lâmpadas com azeite de oliva subministrado pelos israelitas, para prover a luz durante toda a noite (Êx 27.20-21; 30-7.8) 82 . O altar dourado, primeiramente usado para a queima do incenso, ficava no lugar santo ante a entrada no lugar santíssimo. Feito de acácia recoberto de ouro, este altar tinha quase 1 m de altura e 46 cm². Tinha uma borda de ouro em volta da parte superior e uma ponta e uma argola sobre cada canto, de forma que pudesse ser convenientemente transportada com varas (Êx 30.1- 10, 28.34-37). Cada manhã e cada tarde, ao chegar os sacerdotes ao candelabro, queimavam incenso utilizando fogo procedente do altar de bronze. A arca da aliança ou testemunho era o objeto mais sagrado na região de Israel. Esta, e somente esta, tinham seu lugar especial no lugar santíssimo. Feita de madeira de acácia recoberta de ouro puro por dentro e por fora, este cofre tinha 1,15 m de comprimento, com um profundidade e largura de 70 cm (Êx 25.10-22; 37.1-9). Com argolas de ouro e varas a cada lado, os sacerdotes podiam facilmente transportá-la. A coberta da arca era chamada de propiciatório. Dois querubins de ouro permaneciam sobre a tampa, de frente um ao outro, com suas asas cobrindo o centro do propiciatório. Este lugar representava a presença de Deus. A diferença dos pagãos, não existia nenhum objeto material para representar o Deus de Israel no espaço que mediava entre os querubins. O Decálogo claramente proibia nenhuma imagem ou semelhança de Deus. não obstante, o propiciatório era o lugar onde Deus e o homem se encontravam (Êx 30.6), onde Deus falava ao homem (Êx 25.22, Nm 7.89), e onde o sumo sacerdote aparecia no dia da expiação para aspergir o sangue para a nação de Israel (Lv 16.14). dentro da arca propriamente dita, estava depositado o Decálogo (Êx 25.21; 31.38, Dt 10.3-5), um pote de maná (Êx 16.32-34) e a vara de Arão que florescera (Nm 17.10). Antes de que Israel entrasse em Canaã, o livro da Lei foi colocado perto da Arca (Dt 31.26). O sacerdócio Anterior aos tempos de Moisés, as ofertas eram usualmente feitas pelo cabeça da família, que oficialmente representava a sua família no reconhecimento e a adoração a deus. exceto pela referência de Melquisedeque como sacerdote de deus em Gn 14.18, não se menciona oficialmente o ofício ou cargo de sacerdote. Mas já que Israel tinha sido redimido do Egito, o Ef de sacerdote teve uma significativa importância. Deus desejou que Israel fosse uma nação santa (Êx 19.6). para uma ministração adequada e uma adoração e culto efetivos, Deus designou a Arão para servir como sumo sacerdote durante a 82 No final do livro, o leitor pode aceder ao Apêndice 1, onde encontrará uma série de desenhos realizados acerca do Tabernáculo e suas partes, a fim de ter uma idéia mais clara desses objetos (Adição da Tradutora). 44

permanência de Israel no deserto. Assistindo-o, estavam seus quatro filhos: Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar. Os dois primeiros mas tarde serão castigados em juízo por levar fogo não sagrado ao interior do tabernáculo (Lv 8.10; Nm 10.2-4). Em virtude de ter escapado da morte no Egito, o primogênito de cada família pertencia a Deus. escolhidos como substitutos pelo filho mais velho de cada família, os levitas auxiliavam os sacerdotes em seu ministério (Nm 3.5-13; 8.17). Desta forma, a totalidade da nação estava representada no ministério sacerdotal. As funções dos sacerdotes eram várias. Sua primeira responsabilidade era mediar entre Deus e o homem. Oficiando nas ofertas prescritas, eles conduziam o povo assegurando-lhe a expiação pelo pecado (Êx 28.1-43; Lv 16.1-34). O discernimento da vontade de Deus para o povo era a mais solene obrigação (Nm 27.21; Dt 33.8). sendo custódios da lei, também estavam comissionados para instruir os laicos. O cuidado e a administração do tabernáculo também ficava sem embargo sua jurisdição. Conseqüentemente, os levitas estavam facultados para assistirem os sacerdotes na execução das muitas responsabilidades designadas a eles. A santidade dos sacerdotes é aparente nos requerimentos para um viver santo, igual que ns pré-requisitos para o serviço (Lv 21.1-22.10). A exemplaridade na conduta era especialmente aplicada pelos sacerdotes como obrigação de ter um especial cuidado em questões de matrimônio e de disciplina da família. Enquanto que as taras físicas os excluíam permanentemente do serviço sacerdotal, a falta de limpeza cerimonial resultante da lepra, ou de contatos proibidos, os desqualificava temporariamente do ministério. Os costumes pagãos, a profanação das coisas sagradas, e a contaminação eram coisas que deviam ser evitadas pelos sacerdotes em todas as ocasiões. Para o sumo sacerdote as restrições eram ainda muito mais exigentes (Lv 21.1-15). A santidade peculiar para os sacerdotes também estava indicada pelos ornamentos que tinham instruções de vestirem. Feitos de materiais escolhidos e da melhor lavor artesanal, tais vestiduras enfeitavam os sacerdotes em beleza e dignidade. O sacerdote vestia uma túnica, um cinto, uma tiara, e calções de linho, tudo isso fabricado com linho fino (Êx 28.40-43; 39.27-29). A túnica era comprida, sem costuras e com mangas de linho fino, que chegavam quase até os pés. O cinto, embora não esteja particularmente descrito, se colocava por acima da túnica. De acordo com Êx 39.29, o azul, a púrpura e o carmesim eram trabalhados no linho branco torcido do cinto, com lavor de bordado, correspondendo aos materiais e cores utilizados no véu e ornamentos do tabernáculo. O manto do sacerdote terminava numa mitra. Sob a túnica devia usar os calções de fino linho quando entrava no santuário (Êx 28.42). O sumo sacerdote se distinguia por ornamentos adicionais que consistiam numa túnica bordada, um éfode, um peitoral e uma mitra para a cabeça (Êx 28.4-39). O vestido, que se estendia Deus o pescoço até embaixo dos joelhos, era azul e liso, exceto por umas campainhas e umas romãs aderidas nas bordas. O primeiro, de cor azul, púrpura e carmesim, tinha um propósito ornamental. As campainhas, feitas de ouro, estavam desenhadas para conduzir a congregação que esperava em qualquer momento a entrada do sumo sacerdote no lugar santíssimo, no dia da expiação. O éfode consistia em duas peças de ouro, de azul, de púrpura, carmesim e linho fino torcido, unidas entre si com fitas nos ombros. Nos quadris, uma peça estendida em forma de banda, na cintura, afirmava ambas em seu lugar. sobre cada peça dos ombros do éfode, o sumo sacerdote vestia uma pedra preciosa com os nomes de seis tribos gravadas pela ordem de seu nascimento. para igualar a conta, os levitas eram omitidos, já que eles assistiam os sacerdotes, ou talvez José contava por Efraim e Manassés. Desta forma, o sumo sacerdote representava a totalidade da nação de Israel em seu ministério de mediação. Adornando o éfode, levava duas bordas douradas e duas pequenas correntes de ouro puro. No peitoral, numa espécie de sacola quadrada, de 25 cm, estava o mais luxuoso, magnífico e misterioso complemento do vestido do sumo sacerdote. Cadeiazinhas de ouro puro trançado o uniam ao ombro do éfode. O fundo estava amarrado com um cordão de azul à banda da cintura. Todo de pedras gravadas com os nomes tribais, estavam montadas em ouro sobre a lâmina 45

Patriarcas E Profetas por Ellen G. White [Novo Edicao]