Views
5 days ago

PROJETO_DIGITAL_09-01-2018a

Com relação aos

Com relação aos impactos causados devido à supressão das florestas, o pesquisador mostra estudo feito na bacia do rio Itacaiúnas. “A bacia tem 42 mil quilômetros quadrados, dos quais, hoje, metade da floresta já foi suprimida. Observamos, por exemplo, que a temperatura do ar aumentou 2ºC, que a precipitação permanece constante e que a umidade relativa do ar caiu 10%. E o maior impacto é a descarga líquida do rio Itacaiúnas, que praticamente triplicou nos últimos 40 anos. A água que antes caia na floresta, infiltrava no solo e ficava armazenada, hoje cai direto sobre o solo, escorre sobre a superfície caindo nos rios e saindo da bacia. Ou seja, hoje, fica cada vez menos água retida na Bacia em função do desmatamento”, diz Pedro Walfir. Além dos dados coletados pela pesquisa, Walfir destaca as parcerias do ITV com órgãos ambientais, visando monitorar aspectos relacionados à hidrologia da região, por meio da instalação de estações hidrometeorológicas ao longo da bacia. Há que se ressaltar que a falta de água em certas épocas do ano já é um problema nas principais cidades no entorno da bacia do rio Itacaiúnas, como em Canaã dos Carajás, Parauapebas e Marabá. 66 7º Anuário Mineral do Pará • 2017

Para o pesquisador, a atuação do ITV vem mostrando como os investimentos da indústria mineral em pesquisa podem trazer resultados para toda a sociedade. “O Instituto tem um papel muito importante para a região como um todo, pois está focado em estudos associados com o desenvolvimento sustentável, com viés ambiental, mas também focando na questão socioeconômica: praticar uma mineração o mais sustentável possível, de forma a trazer benefícios socioeconômicos para a população que vive no entorno da mineração”, finaliza.O Instituto Tecnológico Vale foi criado com o objetivo de propiciar opções de futuro por meio da pesquisa científica e desenvolvimento de tecnologias, de forma a expandir o conhecimento e a fronteira dos negócios da Vale de maneira sustentável. Atualmente, a unidade de operação no Pará fica localizada em Belém e é especializada em questões relacionadas ao meio ambiente e desenvolvimento sustentável. O ITV prevê a integração dos eixos pesquisa, ensino e empreendedorismo, sendo a pesquisa a vertente prioritária. Suas linhas enfocam temas complementares ao Desenvolvimento Sustentável (Geologia Ambiental e Recursos Hídricos, Biodiversidade e Serviços de Ecossistema, Genômica Ambiental, Tecnologia Ambiental, Socioeconomia e Sustentabilidade, Computação Aplicada). Desde 2013, o instituto oferece um mestrado profissional reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação. É o primeiro curso do gênero a ser oferecido por um instituto vinculado a uma empresa do setor mineral. 7º Anuário Mineral do Pará • 2017 67