Views
8 months ago

Revista AutoMOTIVO - Edição 126, de março de 2018

Revista AutoMOTIVO - Edição 126, de março de 2018

61 CADERNO DE

61 CADERNO DE Instalação Por: Serginho e Bila – Stop Car SP Este caderno é dedicado a você lojista / instalador. Acompanhe e nos envie seus projetos para publicarmos nas próximas edições. Dicas fundamentais para o dia a dia de um instalador Nesta matéria abordaremos temas cotidianos e corriqueiros em um dia de trabalho de um instalador. Ao ver os temas que vamos apresentar talvez você pense: “mas isso eu já sei de cor”. No entanto, muitas vezes não do ponto de vista técnico, o que pode mudar seu modo de trabalho totalmente e o transformar em um profissional muito mais preparado e qualificado para o mercado automotivo, que cada vez tem maior carga de tecnologia embarcada nos veículos automotores. Acumuladores Bateria Primeiramente, vamos entender onde todo o sistema começa. A bateria e o alternador são o coração do sistema elétrico. Eles alimentam todos os componentes elétricos de um veículo. A bateria automotiva foi projetada para oferecer grande quantidade de corrente por um curto período de tempo, corrente essa necessária para dar partida no carro. Depois que o motor estiver ligado, o alternador oferece boa parte da energia que o carro precisa, com isso, uma bateria de carro pode passar todo o seu tempo de vida útil sem ter usado mais do que 20% de sua capacidade total de armazenamento, isto em condições com perfeito equilíbrio entre carga e consumo. Usada dessa maneira, uma bateria de carro pode durar até 3 anos. Para obter uma grande quantidade de corrente, uma bateria de carro usa placas finas para aumentar sua área de superfície. Toda vez que uma bateria automotiva é descarregada totalmente sua vida útil é muito diminuída. Como recarregar corretamente sua bateria, caso necessário Em nosso cotidiano de loja sempre nos deparamos com baterias com baixo índice de tensão e corrente, e aí não tem jeito: temos que carregá-las fora do veículo para que possa retomar sua carga completa. Nessa hora, muita gente peca pela falta, ou pior, pelo excesso. Quando falamos de excesso estamos falando da aplicação de corrente muito além do recomendado às famosas cargas rápidas que, ao meu ver, é um veneno para a estagnação da bateria, reduzindo a vida útil em até 60%. Devemos sempre aplicar o sistema de carga lenta por um período maior de tempo. Vamos explicar! Primeiramente, vamos verificar a corrente da bateria descrita em Ampere. Após localizada sua corrente nominal devemos aplicar uma tensão estabilizada entre 12,6 a 14,0 Volts, com 10% de corrente nominal. Ou melhor, temos uma bateria com corrente nominal de 60 Amperes. Vamos carregá-la aplicando 10% de sua corrente, que corresponde a 6 Amperes hora, com uma tensão estabilizada entre 12,6 a 14,0 Volts. Pronto, agora sim ficou mais claro! O período de tempo vai variar conforme a condição de descarga da bateria, ou seja, quando mais descarregada maior o tempo de recarga lenta. Como fazemos para calcular a potência em watts de uma bateria? Esta é uma pergunta que a maioria das pessoas não sabe responder, mas é muito fácil. Este cálculo é fundamental para o equilíbrio do sistema elétrico do veículo, principalmente quando aumentamos um sistema de áudio veicular com um projeto utilizando amplificadores. Veja em seguida: 38 revistaautomotivo.com.br

n Bateria n Corrente 60A n Tensão 12V n Potência = Corrente X Tensão n P= 60 X 12 n P= 720 Watts Sistemas de cabeamentos Os cabos de alimentação ou de energia são os que distribuem a corrente elétrica da bateria para os diversos equipamentos instalados no sistema de áudio. Equipamentos estes que podem ser amplificador, unidades de processamento e reprodução de áudio (CD ou DVD), entre outros. Cada um com consumo diferente e instalado em locais opostos, exigindo, assim, um tipo de cabo de alimentação diferente. Como exemplo, podemos citar os CDs ou DVDs que geralmente são instalados na parte frontal do veículo, no painel, e o amplificador, que na maioria dos casos é instalado no porta-malas. O CD ou DVD possuem um consumo de corrente relativamente baixo, de no máximo 20A. Já o amplificador consome, no mínimo, 20A em média. Neste exemplo, o cabo de alimentação vai variar por três motivos: o comprimento do cabo, a corrente de consumo do equipamento e a forma de conexão do cabo com o equipamento. No caso do CD ou DVD, o cabo é menos espesso do que utilizado para o amplificador, enquanto o cabo de alimentação é mais espesso, pois além de consumir mais corrente em A, ele também é instalado mais distante da bateria, fazendo com que o cabo seja maior. Além disso, geralmente seu conector de entrada de energia exige cabos de grande bitola, para que não haja problemas com a condução da energia da unidade geradora, no caso, a bateria para a unidade de consumo, neste caso o amplificador. Veja abaixo uma tabela que explica passo a passo esta constante de Consumo X distância = Bitola Como utilizar um relé auxiliar Na maioria dos casos os instaladores sabem instalar um relé com facilidade, mas a maior parte não tem conhecimento a fundo de como o dispositivo opera em seu interior. Levando isso em conta, vamos detalhar passo a passo seu funcionamento e desmistificar os segredos desta ferramenta que tanto nos ajuda para solucionar barreiras técnicas do nosso ambiente de trabalho. Nos bornes 85 e 86 temos o que chamamos de sistema produtos de campo magnético, ou melhor, uma bobina que quando energizada por um sinal positivo e outro negativo - em nosso caso 12VDC, que é tensão nominal do veículo - ela gera um campo magnético e atraca o relé. Esta bobina é extremamente sensível e consegue ser acionada com apenas 0,5A de corrente a 12 V, o que facilita e muito o trabalho com dispositivos mais sensíveis como, por exemplo, um pulso negativo de um alarme que é de baixa corrente. Agora vamos falar da linha de entrada de sinal de alta corrente, representada pelo numeral 30. Nesta parte temos que prestar atenção ao consumo do sistema que vamos utilizar o relé, para que o projeto não venha a ser mal sucedido em sua construção. Na maioria das vezes, certamente utilizaremos relés com capacidade de corrente de até 10A, que são os mais comuns no mercado. No entanto, temos relés auxiliares de 40A, que auxiliam partida, e até os de 70A, que são os utilizados na ventoinha de refrigeração do radiador dos veículos. Já os pinos da linha de entrada e saída são maiores que os de costume. Vale a pena se atentar nisto, ok? Bem, já falamos da linha de atraque de baixa corrente 85/86 e já falamos da linha de entrada de alta corrente 30. Agora vamos tratar da linha de saída de sinal de alta corrente: As linhas 87 e 87a. Quando o relé é cinco pinos - esta é outra nomenclatura que gera uma grande dúvida entre os leitores e amigos que nos procuram para esclarecimentos - qual a real função destas nomenclaturas 87 e 87a? Chegam a perguntar se são apenas um link, o que definitivamente não é, pois cada uma tem sua função especifica de funcionamento e aplicação. É o que vamos explicar em detalhes a seguir: CABOS DE ALIMENTAÇÃO CORRENTE ELÉTRICA COMPRIMENTO DO CABO (METROS) SEÇÃO DO CABO (MM²) CONSUMO (AMPERES) até 1 m 1 a 2 m 2 a 3 m 3 a 5 m 5 a 7 m 7 a 10 m 1 a 20 A 4.00 4.00 4.00 4.00 6.00 6.00 20 a 30 A 4.00 4.00 6.00 6.00 13.30 13.30 30 a 40 A 4.00 4.00 6.00 13.30 13.30 13.30 40 a 60 A 6.00 6.00 13.30 13.30 13.30 21.20 60 a 100 A 13.30 13.30 13.30 21.20 21.20 33.60 100 a 125 A 13.30 13.30 13.30 21.20 33.60 33.60 125 a 150 A 21.20 21.20 21.20 21.20 33.60 54.40 150 a 175 A 33.60 33.60 33.60 33.60 54.40 70,00 175 a 200 A 33.60 33.60 33.60 54.40 60,00 80,00 200 a 225 A 33.60 33.60 54.40 80,00 100,00 130,00 225 a 300 A 33.60 54.40 100,00 130,00 150,00 180,00 acima de 300 A 54.40 120,00 180,00 facebook.com.br/RevistaAutoMOTIVO 39

Revista AutoMOTIVO - Edição 125 - Fevereiro /2018
Edição Março/Abril - 2018
Revista Santíssima Virgem Edição Março 2018
Revista Santíssima Virgem Edição Junho 2018
Revista Santíssima Virgem - Edição Julho 2018
Revista Santíssima Virgem - Edição Setembro 2018
Revista Panorama da AQÜICULTURA Edição 76 março ... - Matsuda
Edição 126 - Outubro/2009 - Unifenas
Revista Santíssima Virgem Edição Abril 2018
Revista Igreja Viva Edição Setembro 2018
Revista Festejar 4 Edição
Revista Igreja Viva Edição Junho 2018
Revista EmDiabetes Edição 16
Revista Igreja Viva - Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Edição Abril 2018
Revista BRF Março / Abril 2012 – Edição 92 Arquivo PDF
Revista Digital Igreja Viva - Edição Julho 2018
Revista Pauta Nossa Janeiro 2018
Edição Impressa - Janeiro 2018
Revista BRF Fevereiro / Março 1998 Edição 6 Arquivo PDF ( 5,6 MB )
ProjetoPack em Revista - Edição 68
Revista Auto Guia ES 2ª Edição