Views
9 months ago

Revista Apólice #212

atletas contra acidentes

atletas contra acidentes pessoais para os atletas profissionais, que deverá ser compatível com a remuneração. Essa iniciativa vem para incrementar a Lei 9615/98 – Lei Pelé- que foi desenvolvida por Pelé enquanto ocupava o cargo de ministro do esporte no governo Fernando Henrique Cardoso. Desde lá, os clubes confederações e federações são obrigadas a contratar seguro de vida e de acidentes pessoas para os atletas que atuam profissionalmente. Essas propostas têm exemplos claros na realidade para serem observados, como foi o caso da ex-ginasta Laís Souza. Ela ficou tetraplégica em 2014, depois de um acidente enquanto esquiava e não tinha nenhum seguro. Lais passou por momentos difíceis até começar a receber ajuda do governo para manter seu tratamento. Em tese, o tipo de vida que é exigida de um atleta não é, por si só, um agravante na cotação do seguro. “O seguro para atleta profissional vai contemplar os riscos que o esportista poderá sofrer durante a prática do esporte. O preço do seguro vai variar de acordo com o risco e de diversos outros fatores que podem ser diferentes de seguradora para seguradora”, explica Marcella Ewerton, coordenadora de conteúdo da Bidu Corretora. 30 Também para o torcedor Quem está assistindo também pode contar com algum tipo de proteção. Algumas seguradoras oferecem proteção para quem vai assistir os atletas em ação e incentivá-los. O produto geralmente vem em forma de um seguro de acidentes pessoais que dá aos contratantes a oportunidade de concorrer a prêmios em dinheiro através da Loteria Federal. As seguradoras também adicionam outros serviços, como táxi, reservas em hotéis, auxílio em caso de perda de documentos, indicação jurídica entre outros. A executiva explica ainda que, em 2012, a prática de esportes profissionais de forma segura ganhou força com a decisão da FIFA em garantir cobertura de lesões em jogadores que atuem em partidas das seleções que integram a federação de futebol. Para amadores Quem corre de final de semana ou gosta de viajar para praticar esportes também precisam se proteger. Ainda se acredita muito que quem pratica esses esportes não tenha aceitação das companhias de seguro para se proteger, mas isso já mudou no mercado há algum tempo. “As seguradoras que oferecem seguro viagem podem oferecer também uma modalidade que contemple a prática de esportes radicais, prevendo os riscos que são específicos desses esportes”. É verdade que a probabilidade desses seguros ficarem mais caros é grande, já que o risco aumenta consideravelmente, mas as muitas corretoras e seguradoras já oferecem isso como um diferencial. Já no caso dos produtos de Vida, as coisas são um pouco diferentes e a aceitação de quem pratica pode ficar comprometida dependendo da política de aceitação da companhia.

31