Views
7 months ago

Revista - RAMSÉS - Março - 2018

ARTIGO Cosmologia

ARTIGO Cosmologia Egípcia - 2. Revista Ramsés - Mensal - Fevereiro de 2018 – Instituto Azimute Saudações na Câmara do Rei. Para começar a esclarecer melhor como pensavam os Egípcios Antigos, vamos estabelecer alguns conceitos. O povo que destacamos aqui nestes artigos é formado por pequenos clãs que migraram do polêmico continente Atlante. Ainda não reconhecido pela ciência oficial, porém lido escrito e falado em várias publicações ao longo de toda a história da humanidade. Desde filósofos Gregos até estudiosos de alienígenas, incluindo-se a esse clube vários cientistas, que buscam a liberdade de pensamento. Vemos isso como totalmente possível, haja vista que a ciência não nasce de leis, mas sim de especulações que se tornam pesquisas, que se tornam postulados, que se tornam teorias que podem vir a se tornarem leis. Nem sempre isso acontece... O Instituto Azimute Terapia direcional. Está formando o Grupo de Estudos da Cosmologia Egípcia. Contato com Julio T. Capelli – (55-11) 9.8332-8732 Exemplificando isso, temos: As palavras egípcias NETER e NETERT (formas masculina e feminina, respectivamente), foram erroneamente e talvez intencionalmente traduzidas por deus e deusa, e seu plural NETERU por deuses. A maioria dos acadêmicos aceitam isso. Porém o significado dos termos se relaciona com princípios e funções divinas e não deuses. Não havia nem há textos egípcios antigos que tenham sido categorizados pelos próprios egípcios como “religioso”, “funerário”, “sagrado” ou outras denominações. Os egípcios antigos tinham uma relação tão estreita com os princípios “Neteru” em seu dia a dia, em tudo que faziam que não falavam em religião. Tudo para eles era sagrado e tinha relação com “O CRIADOR”. Parece que estamos mais uma vez tocando num ponto perigoso. O suposto “Politeísmo” Outro mito. Analisando o texto acima temos que se os Egípcios acreditavam nos princípios divinos, significa que esses princípios vinham de uma fonte ‘Única”. Aquele que chamamos DEUS, em nossos dias. Na próxima tem mais... www.institutoazimute.com.br contato@institutoazimute.com.br - Whats: (11) 9.8332-8732 6

ARTIGO O que é Arteterapia ? Revista Ramsés - Mensal – Março de 2018 – Instituto Azimute A arte, sendo facilitadora da criatividade, sempre pôde alcançar emoções profundas através do processo de criação. Isso nos dá a capacidade de acessarmos aspectos desconhecidos de nós mesmos, e que quando trazidos à consciência nos permitem viver uma vida mais plena. Em cada ato nosso, sem percebermos, estamos significando, relacionando, orientando e/ou ordenando nosso interior, exteriorizando-o. Nada ocorre por acaso, sempre existe um nexo, sempre estaremos expressando nossas expectativas, crenças, traumas e desejos, mesmo que inconscientemente. Porém muitas vezes esse agir sem perceber pode nos fazer repetir padrões de comportamento que podem nos sabotar. Aliando a Arte com a Psicologia Analítica de Carl G. Jung teremos uma das bases da Arteterapia, uma técnica terapêutica que utiliza a arte para promover o encontro da pessoa com seu mundo interno, de forma suave, lúdica e sem artifícios invasivos. por Lucilene Trinca “Criar é, basicamente, formar. É poder dar forma a algo novo” (Fayga Ostrower) A arte sempre foi um meio onde o homem pôde se expressar. Deste os tempos pré-históricos, quando se desenhava com minerais e barro as paredes das cavernas, até os dias atuais, em que se desenha a partir dos meios eletrônicos mais modernos. Quando muitas vezes o individuo não consegue colocar em palavras seus traumas ou conflitos, a Arteterapia através de recursos expressivos – a pintura, a modelagem, a colagem, a dança, o teatro, o desenho, a música – dará a ele a possibilidade de transformar suas emoções em símbolos e imagens, ajudando a diminuir a carga emocional de seus conteúdos. Através da liberdade de expressão a arte se torna ferramenta poderosa de cura, facilitando o processo de transformação do ser. Todo ser humano é capaz de se expressar através da arte, visto que a arte é subjetiva. Assim sendo, um processo arteterapêutico irá beneficiar a todos, independente de idade, sexo, ou de ter ou não conhecimento ou habilidades artísticas, apresentando benefícios não só emocionais, mas sociais, cognitivos e físicos. Como resultado teremos um indivíduo que adquiriu melhor conhecimento sobre si e o outro, com o aumento da sua auto estima e maior respeito por si mesmo. Um indivíduo que reconheceu e ampliou suas potencialidades e que aprendeu a lidar com seus conflitos, fraquezas e medos. Sem deixar de citar, é claro, o prazer do fazer artístico durante todo o processo. Referências bibliográficas OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 2009. URRUTIGARAY, Maria Cristina. ARTETERAPIA: a transformação pessoal pelas imagens. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2003 www.institutoazimute.com.br contato@institutoazimute.com.br - Whats: (11) 9.8332-8732 7

março 2013 revist a mensal de tendências e guia cultural gra ... - Dif
Revista Pauta Nossa Janeiro 2018
Revista Penha | março 2018
Revista Aposta - março 2010 - CTT
Revista Riva 2018
revista VIS - Instituto de Artes - UnB
Revista Panorama da AQÜICULTURA Edição 76 março ... - Matsuda
gerações, audiências e representações mediáticas - Revista ...
Dental Ita - Revista de ofertas Abril 2018
Revista de vendas porta a porta • março 2010 - Nestlé
Download da revista n.47 - Instituto de Estudos Brasileiros - USP
A Tempo - Revista de Pesquisa em Música - n°3 - Fames
Revista Setembro – n° 31 - Crefito5