Views
9 months ago

Revista Apólice #210

epidemia uma ação

epidemia uma ação estruturada e inovadora de medicina preventiva, eficaz e com foco no paciente. Protocolos de atendimento são ferramentas de extrema importância para evitar custos desnecessários, proporcionando um atendimento com qualidade, sem prejuízos ao paciente”, pontua Ianni, que também defende o investimento em educação continuada dos profissionais da área e a implantação de protocolos de prevenção, “peças-chave não apenas no atual contexto, mas no futuro do setor”. Além da transmissão correta de informações à população para o bom uso dos recursos médicos, é preciso educar sobre a prevenção das doenças epidêmi- cas. Em relação ao zika vírus, à dengue e ao chikungunya, transmitidas pelo Aedes aegypti, o Ministério da Saúde aponta que 85% dos focos do mosquito são encontrados em residências. Para difundir as informações, a FenaSaúde está elaborando uma cartilha que deve esclarecer como identificar e eliminar esses focos e, em paralelo, estimular gestantes a não deixar de fazer o pré-natal e seguir as recomendações médicas atuais. Operadoras cobrirão teste para o zika vírus Único teste disponível para diagnóstico do zika vírus, o RT-PCR não é, até o momento, coberto pelas operadoras de saúde. Para ter acesso ao exame, os beneficiários ainda precisam desembolsar em torno de R$ 1,6 mil ou recorrer aos laboratórios que fazem a análise na rede pública de saúde. Em fevereiro deste ano, a Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – enviou um ofício para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) pedindo a ampliação desse tipo de cobertura. “Frente a esta nova e alarmante realidade, a Proteste defende que, ainda que não previsto no Rol de Procedimentos, o exame RT-PCR, assim como os exames rápidos que estão sendo desenvolvidos e serão disponibilizados comercialmente na rede privada de saúde, tenham cobertura obrigatória pelas operadoras de planos de saúde, para garantir os melhores e mais eficazes diagnósticos e tratamentos da doença”, afirmou a entidade, na ocasião, alegando que “em situações excepcionais, de risco iminente aos consumidores brasileiros” entendia que “não se pode aguardar uma nova atualização do Rol de Procedimentos, daqui a dois anos”. Dois meses depois, o órgão regulador finalizou uma proposta para a Irlau Machado Filho, do Grupo ❙❙NotreDame Em 2015, as Órteses, Próteses e Materiais Especiais foram objeto de Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada para investigar a chamada Máfia das Próteses. Em janeiro do mesmo ano, a Portaria Interministerial nº 38 (Ministérios da Saúde, Justiça e Fazenda) criou o Grupo Técnico Interministerial (GTI) com o objetivo de propor medidas para a reestruturação e ampliação da transparência do processo de produção, importação, aquisição, distribuição, utilização, tributação, avaliação e incorporação tecnológica, regulação de preços, e aprimoramento da regulação clínica e de acesso dos dispositivos médicos em território nacional. Órteses e próteses vs. custos médicos “A OPME têm forte peso nas despesas assistenciais dos planos. Para se ter uma ideia da disparidade dos custos médicos, um gerador do marca-passo cardioversor desfibrilador implantável (CDI) pode variar de R$ 29 mil a R$ 90 mil, dependendo da região. Uma prótese de joelho sai de fábrica por R$ 2.096 e, após o implante no paciente, sem contar gastos com internação e atendimento médico, chega a custar ao plano de saúde R$ 18.362”, declara Solange Beatriz, da FenaSaúde. Um levantamento da própria Federação aponta que um marca-passo pode custar R$ 20.523,06 no Brasil, e R$ 3.518,98 na Alemanha, para produtos com a mesma especificação. Irlau Machado Filho lembra que apesar do esforço de coibir as fraudes de órteses e próteses, o problema ainda não foi solu cionado e destaca a importância de se combater a prática para que o setor possa oferecer planos mais justos. 26

incorporação de exames de detecção do vírus ao Rol de Procedimentos. Elaborado junto com representantes do setor, com órgãos de defesa do consumidor e com a Associação Médica Brasileira (AMB), o texto será avaliado pela Diretoria Colegiada da ANS e, assim que ❙❙Clovis Ianni, da Ameplan for aprovado, a Agência dará um prazo para que operadoras organizem a rede de atendimento e de laboratórios para oferecerem os exames. “Este processo está sendo realizado com o apoio de um grupo técnico criado especificamente com essa finalidade, coordenado pela Gerência–Geral de Regulação Assistencial da Diretoria de Normas e Habilitação de Produtos (Dipro), e que conta com a participação dos principais atores da saúde suplementar. A proposta elaborada pelo grupo encontra- -se alinhada às diretrizes do Ministério da Saúde, da OMS, da AMB e do Centers for Diseases Control and Prevention (CDC) norte-americano”, divulgou a ANS, em nota. Luciana Lauretti, da Azimutemed, acredita que o modelo de incorporação de novos exames e procedimentos no Rol não acompanha a velocidade das doenças, novas tecnologias em saúde e novos serviços colocados no mercado. Já Clovis Ianni, da Ameplan, confirma que há uma forte pressão da sociedade para a inclusão do RT-PCR, mas lembra que o exame é um procedimento de alto custo e teria que ser liberado em alta escala pelas operadoras. “Existem estudos em andamento para que alternativas sejam encontradas para a absorção deste custo”, pontua, acrescentando que a última atualização do Rol foi feita em janeiro deste ano. “Haja vista que esta atualização é bienal, ainda temos um longo caminho a percorrer”, diz Ianni. Na mesma linha, Irlau Machado Filho, do Grupo NotreDame, defende que se tenha um protocolo adequado para que o exame detector do zika seja feito para quem de fato necessita, como as gestantes de risco. Segundo ele, disponibilizar o RT-PCR para todos os beneficiários pode onerar o sistema sem necessariamente um resultado efetivo. “Teremos momentos muito delicados, com custos elevados, e precisaremos entender o que buscamos e fazer com que as pessoas tenham, de fato, o que necessitam”. 27

Revista em - Clube Vida em Grupo
Fevereiro/2017 - Referência Industrial 182
Edição 94 download da revista completa - Logweb
As “mulheres” do Odelmo - Revista Mercado
clique aqui e confira a edição de novembro da revista jrs!
Dezembro/2017 - Revista Biomais 24