Views
6 months ago

JORNAL ACRATA Nº 4 PLINIO LEXICO

ANARCO-COMUNISMO Sistema

ANARCO-COMUNISMO Sistema econômico e social fundamentado na abolição da propriedade privada, na colocação em comum de todos os meios de produção e troca, e concebendo a “retirada no monte” como o principal modo de repartição. O comunismo anarquista difere do comunismo autoritário na medida em que ele implica o desaparecimento do Estado e das instituições que dele procedem. ANARCO-SINDICALISMO O anarco-sindicalismo é um movimento orgânico e organizado. Ele é, no plano econômico e social, bem como no terreno revolucionário, uma das expressões do anarquismo. O anarco-sindicalismo opõe-se fundamentalmente ao sindicalismo político e reformista. Defende as condições de vida dos trabalhadores e prepara-os à sua liberação econômica e social. ANARQUISMO Conjunto de princípios gerais, concepções fundamentais e aplicações práticas tendendo a suprimir o Estado, a eliminar da sociedade todo poder político, econômico, intelectual ou moral. ANTIMILITARISMO Fundamentalismo ligado ao antiestatismo, o antimilitarismo anarquista combate a própria existência da instituição militar, pilar secular do Estado. A objeção de consciência, a insubmissão ao serviço militar nacional, a insubordinação, a deserção e a resistência à empresa das forças armadas sobre a sociedade são todos exemplos de lutas antimilitaristas. Estas, para ser consequentes, devem inscrever-se no âmbito de um combate global contra o Estado e o Capital. APOIO MÚTUO Fator da evolução das sociedades, apoio mútuo é uma condição da vida social e uma garantia contra seu contrário, a luta entre as espécies. Quanto mais praticado o apoio mútuo, mais a sociedade encontra-se em uma situação de progresso moral, intelectual e social. Uma sociedade em que as instituições de apoio mútuo são destruídas em proveito do Estado é uma sociedade de decadência. O apoio mútuo é o fundamento da ética anarquista. ATEÍSMO Teoria daqueles que não reconhecem a existência de um deus, qualquer que seja, de um ser superior à natureza humana, de uma inteligência regulando os movimentos do universo e intervindo nos assuntos dos homens. Se eles recusam a ideia de Deus, os anarquistas também combatem as aplicações dessa ideia, as religiões e suas instituições. AUTONOMIA (Do grego, autonomes, que se rege por suas próprias leis) Possibilidade dos indivíduos e dos grupos de organizar-se e administrar-se a si mesmos. A autonomia, que não devemos confundir com a independência, implica a existência de regras e laços livremente consentidos. Jornal Operário Ácrata Página 2

CAPACIDADE (Capacidade das classes operárias) Para os anarquistas, a classe operária, do ponto de vista de suas relações com a sociedade e com o Estado, adquiriu consciência de si mesma como ser coletivo, moral e livre; ela se distingue da burguesia, separa os seus interesses dos dela. Possui uma ideia, isto é, criou-se uma noção de sua própria constituição, conhece as leis, condições e fórmulas de sua existência; prevê seu destino, seu fim, compreende-se a si mesma em suas relações com a sociedade e o Estado, mas de uma maneira incompleta. As classes operárias ainda não conseguiram deduzir de seus princípios uma prática geral conforme; testemunha: os preconceitos políticos de todos os tipos aos quais elas obedecem. Para os anarquistas, as classes operárias têm consciência de si mesmas, mas devem afirmar mais completamente a ideia que delas resulta e buscar sua aplicação. CLASSES Durante muito tempo, a luta de classes foi considerada como o confronto entre duas classes de interesses antagonistas: a burguesia, proprietária dos meios de produção e distribuição, e o proletariado, detentor unicamente de sua força de trabalho. Mas a noção de propriedade não basta mais em si mesma para determinar o pertencimento a uma classe ou a uma outra. Tão determinante é a posição que se ocupa da divisão hierárquica do trabalho social, em relação aos conteúdos de poder dessa posição; quer dizer, segundo que esta comporta o exercício do poder ou a submissão a este. COLETIVISMO Regime social e doutrina da propriedade dos meios de produção e troca pela coletividade. Sistema fundamentado na fórmula “A cada um segundo seu trabalho.” em matéria de distribuição. COMUNISMO Doutrina política de origem autoritária, o comunismo também é uma organização econômica e social tendo por base a supressão da propriedade privada em proveito da propriedade coletiva. Sistema fundamentado na fórmula “De cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo as suas necessidades.” Como nunca é definido quem fará a avaliação da capacidade e quem será juiz das necessidades, as fórmulas coletivistas e comunistas conhecem sempre interpretações autoritárias e estatistas. IGUALDADE Os anarquistas reivindicam a igualdade simultaneamente econômica, social e moral para todos os indivíduos. Igualdade e liberdade são indissociáveis, na medida em que ambas procedem da autonomia e da responsabilidade individual e coletiva. ÉTICA Indispensável à existência de toda sociedade, a ética, para os anarquistas, é uma série de regras morais não obrigatórias, libertas de toda empresa religiosa, sobrenatural ou transcendental. Fundadas no respeito pelo indivíduo e por sua personalidade única, essas regras têm por fundamento o apoio mútuo e o reconhecimento da igualdade, para uma maior justiça social. Jornal Operário Ácrata Página 3

JORNAL ÁCRATA ANO 2 24
Jornal edição nº 97 - Crosp
escritos revolucionários - Contra-informação e Contra-cultura
jornal ecológico - 76 - final.pmd - TW7
Jornal COPM - Ano XVl - Nº 177 - Agosto / 2011 - By ConsulteWeb!
Jornal Nº 1- MODELO NOVO.indd - CEACA-Vila
Edição 4329 Sábado, 26 de maio de 2012 - JORNAL MOMENTO