Views
6 months ago

Moda & Negócios_EDIÇÃO 13 PARA IMPRESSÃO

Jénerson Alves umHomem

Jénerson Alves umHomem vestidode arte Em um rápido passeio pelo Agreste, é possível perceber que a região se ‘veste’ de arte. E boa parte dessa indumentária vem de um ‘estilista’ de excelente nível. Trata-se de Tita Caxiado, um artista de inúmeras facetas. O busto de Luiz Gonzaga, em frente ao Pátio de Eventos de Caruaru; a estátua de Frei Damião em São Joaquim do Monte; além de diversos trabalhos no Teatro de Nova Jerusalém (Fazenda Nova), são apenas alguns dos trabalhos desenvolvidos por Caxiado. Então, além de ‘vestir’ o Agreste de arte, pode-se afirmar que Caxiado é um homem ‘vestido’ de arte. Na realidade, ele é um artista múltiplo, a saber: escultor, pintor, desenhista, compositor, poeta, músico… como pode ser dito em bom nordestinês: o escambau! Há esculturas dele em diversos países do planeta, diversos livretos de literatura de cordel – abordando temáticas variadas –, três livros editados, três discos gravados. Não é por menos. São mais de 50 anos destinados à Arte, em suas mais variadas vertentes. Nascido em um sítio pertencente a Venturosa-PE, no dia 28 de fevereiro de 1951, foi criado pelos avós. Seu interesse pela música começou quando contava com 11 anos de idade, tendo em vista que seu avô era afinador de sanfonas e harmônicas de oito baixos. Foi também nesse período que começou a escrever e traçar seus primeiros desenhos. Sua cronologia é marcada por percalços e desafios, mas também por lutas e superações. Para se ter uma ideia, em fins dos anos 60 foi a São Paulo, buscando oportunidades na vida musical. Ao contrário do que 22

esperava, teve de trabalhar no campo para garantir seu sustento durante aquele período. Mesmo assim, não desistiu de seguir o caminho da arte. Ao longo de sua vida, Caxiado já teve contato com figuras de relevância nacional, inclusive o presidente Ernesto Geisel e o sociólogo Gilberto Freire. Em 1979, viajou à cidade de Cascavel-PR, onde expôs obras no saguão do Jornal Fronteiras, com apoio do Lions e do Rotary Club. Também chegou a conhecer o governador carioca Moreira Franco, em 1987, ladeado do senhor Kennety Light e da então primeira-dama de Pernambuco, Madalena Arraes. Ademais, produziu murais, peças, esculturas, escreveu livros de poesia – a exemplo de ‘Liberdade’ (1980), ‘Dissabores da vida’ (1981) e ‘Sabores’ (1988). Atualmente, Caxiado está na batalha para construir seu museu, no município de São Joaquim do Monte. A previsão é que o espaço tenha 20 metros, divididos em estações temáticas. Mesmo ainda em construção, quem visitar o local poderá desfrutar da simpática companhia do artista, bem como testemunhar seu trabalho. Na realidade, mais do que vestido de arte, Caxiado traja-se de esperança. Por isso em seu rosto há sempre um sorriso, em qualquer situação. É uma alegria extraconjuntural que emana do seu ser, servindo de esteio para superar as intempéries e, mais do que isso, convertê-las em beleza – traduzidas nas suas mais distintas expressões artísticas. Esse sentimento tem uma raiz que ele mesmo descreve: “O meu sucesso depende do apoio dos amigos e admiradores. Eu conto com vocês e com o indispensável aval de Deus”. Jénerson Alves Jornalista e membro da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel.