Views
3 months ago

Moda & Negócios_EDIÇÃO 13 PARA IMPRESSÃO

Vera Grigolli OS

Vera Grigolli OS DESAFIOS DA MODA EFICIENTE Com o cenário nebuloso e incerto, a tendência é que a rotina siga por inércia, mas é preciso reagir, sair em busca por uma posição de destaque. Que tal analisarmos detalhadamente o formato de negócio em que estamos? Não raro encontraremos falhas, lacunas a serem corrigidas ou preenchidas e então é onde surgem os tais novos caminhos e as ótimas oportunidades. O retorno positivo das vendas depende de diversos fatores que precisam de harmonia entre si para que haja equilíbrio. Ao observar algumas prioridades para seduzir o consumidor encontramos itens de grande importância, como: atendimento, frequência de novidade, fator custo-benefício e a produção. O atendimento é uma preocupação constante, é a voz da sua empresa e onde constantemente se criam ações e serviços que agregam muito valor às vendas. A necessidade de apresentar novidades, por sua vez, está cada vez mais frequente, consumindo o tempo e o intelecto de quem está na criação de forma frenética, as inserções de novos produtos nas prateleiras chegam a ser quinzenais, afetando inclusive grandes magazines, que em suas estratégias encurtaram ainda mais esse prazo, seus clientes não passam mais do que 10 dias sem perceberem novidades na loja. Já o fator custo-benefício é quase um mito nas relações comerciais e exige alta complexidade para dosá-lo bem. Mas chegamos aqui no aspecto em que eu quero me focar na coluna de hoje, aspecto esse que tem sido negligenciado ou tratado inadequadamente: A produção! Nossa realidade: perdemos mercado para produtos importados com baixo custo e com forte apelo visual. São peças cheias de detalhes que, se produzidas de maneira semiartesanal (como muitos fazem aqui no Brasil), teriam custo elevado devido a fatores técnicos como a hora/máquina, sem contar a falta de padronização, que compromete a qualidade. Não vamos entrar no mérito da mercadoria oriunda de locais onde se explora mão de obra de forma inadequada, nem mesmo enfatizar o polêmico Custo Brasil. Vou me ater ao fato de que no exterior as empresas cuidam melhor do setor de produção, elas se empenham constantemente na busca por recursos e ferramentas que as tornem mais eficientes e competitivas. Em contrapartida, aqui no Brasil, há alguns anos passamos a deixar a produção para segundo plano e este processo ocorreu em duas etapas: A primeira foi quan- 6

do muitas empresas que possuíam rede de distribuição significativa e marcas consolidadas no mercado decidiram terceirizar a produção e consequentemente pararam de se preocupar com os melhores meios para executar as peças de suas coleções. O foco era simplesmente produzir mais barato. A segunda, mais recente, foi quando, embora o processo já estivesse estrangulado, foi preciso baixar ainda mais os custos por diversos motivos, sendo assim, muitos fabricantes tornaram-se comerciantes, importando e revendendo. Embora estejam fazendo parte da cadeia têxtil, indústria e comércio tomaram caminhos opostos: o primeiro foi sucateado e o segundo expandiu... E o consumidor? Tornou-se mais exigente! Para os que ainda produzem, vejo uma nova fase se iniciando, mais consciente e madura. É fato que a eficiência pode ser conquistada de várias formas, seja através da capacitação dos profissionais da área, seja através da busca por ferramentas e recursos técnicos para otimização de processos. Nem todos tem consciência que isso pode gerar um ótimo custo-benefício. Estes recursos são ideais para o momento em que vivemos, eles não dependem de alto investimento e no caso da otimização de processos, existem acessórios adaptáveis a maquinários já existentes, que podem resultar em uma produtividade padronizada e com melhor qualidade, ou seja, traduzindo-se em eficiência! Em todos esses anos atuando no mercado de moda, conheci ótimos profissionais e parceiros de trabalho com este perfil. Empresas especializadas em facilitar, padronizar, criar efeitos diferenciados, agregando valor às peças, para que o produto chegue ao consumidor com qualidade, custo benefício e dentro do timming desejado. Por isso enxergo sim, possibilidades para quem busca melhorar seus processos e para quem está atento a essas possibilidades de mudança no ritmo e formato de produção. E em meio a tanta notícia desanimadora, fiquem calmos, pois tomar atitudes produtivas podem fazer a diferença para suas empresas. Conforme iniciei a conversa, encontrar o lado positivo da situação é encontrar soluções... é surpreender, acreditar! Vera Grigolli Consultora e palestrante da It Studio consulting, especializada em mercado têxtil. Pós-graduada em Milão, na Scuola di Regione di Lombardia (Engenharia de Produto e Desenvolvimento de Coleções). www.itstudio.com.br – itstudioconsulting@gmail.com