Views
10 months ago

Moda & Negócios_EDIÇÃO 12

Economia AGRESTE TEX

Economia AGRESTE TEX SUPERA TODAS AS EXPECTATIVAS E FATURA 218 MILHÕES EM CARUARU Promovida pela FCEM|Febratex Group, em parceria com a ACIC – Associação Comercial e Empresarial de Caruaru, de 08 a 11 de março último, a terceira edição da Agreste Tex recebeu 13.803 visitantes, profissionais da indústria têxtil, que conferiram, no Polo Caruaru, os principais lançamentos e inovações das 280 marcas expositoras, nacionais e internacionais, gerando negócios na ordem de R$ 218 milhões. Hélvio Roberto Pompeo Madeira, diretor-presidente do FCEM|Febratex Group, declara: “Estamos muito satisfeitos com os resultados obtidos pela “Agreste Tex 2016”, feira bienal de extrema importância para o Polo do Agreste Pernambucano, que recebeu mais de 13 mil visitantes que efetivamente fecharam negócios, mesmo com a feira sendo realizada em um momento de turbulência no cenário macroeconômico”. E completa: “A próxima edição será realizada entre os dias 13 e 16 de março de 2018 e já temos diversos expositores confirmados”. Para o presidente da ACIC, Osíris Lins Caldas, o evento é responsável por apresentar os mais modernos equipamentos para os segmentos têxtil e de confecção na região. Além disso, a AgresteTex e a Rodada de Negócios da Moda Pernambucana são importantes instrumentos de movimentação para os setores econômicos. 22

“III Ciclo PE Moda, Arte e Sustentabilidade” realiza mesa redonda na “Agreste Tex 2016 e lança sementes” No terceiro dia da Agreste Tex, foi realizada uma mesa redonda com o tema “Moda Mundo Muda Modos” enfocando os desafios dos novos tempos, mudanças estratégicas e o desenvolvimento sustentável. Com mediação de Leopoldo Nóbrega, artista multimídia e coordenador do “III Ciclo PE de Moda, Arte e Sustentabilidade”, a mesa redonda contou com a participação de: Hélvio Jr., diretor de marketing e comunicação do FCEM/Febratex Group; Maria José de Carvalho, publisher da Textilia; Maria do Carmo da Silveira Xavier, Artista Plástica e professora do Laboratório de Arte do CODAI-UFRPE ; Iolanda Wutzl, do Guia Jeanswear; João Barcellos, da revista Impressão e Cores; Trícia Mota; Professor Fábio Junior e Heloiza Lima Luz representando o coletivo Ativistas da Moda; Clara Pinti, da Canatiba; e Williams Rafael, da Carvalheiro Camisaria. Leopoldo Nóbrega abriu os trabalhos inserindo o Polo de Confecção do Agreste como cenário de desenvolvimento criativo, e a necessidade de mudanças estratégicas para o segmento, aquecendo os convidados com questionamentos como: Quais os caminhos para uma moda mais autoral e sustentável? Hélvio Jr. falou que uma das metas do FCEM/ Febratex Grooup é trazer mais inovação e conhecimento para o desenvolvimento da região. Maria do Carmo da Silveira Xavier acredita que é através da educação que podemos gerar as mudanças necessárias para a moda sustentável. “Acordem. Esqueçam a moda pela moda” é o recado dado por Maria José de Carvalho, que refletiu sobre as mudanças do consumidor e as novas tecnologias de comunicação que, segundo ela, nos afasta da verdadeira comunicação que é o olho no olho, a comunicação interpessoal. EXPOSIÇÃO COLETIVA CONSTRUSONHOS - CURADORIA ARTE PLENNA. O professor Fábio Junior destacou que é a educação que transforma as pessoas. Ele lembrou que os recursos naturais são finitos e que o Brasil é o segundo maior poluente do mundo na produção têxtil. A estilista e ativista da moda Heloiza Lima Luz declarou: “Precisamos resgatar a dignidade humana e refletir sobre como diminuir os resíduos da produção”. Iolanda Wutzl, do Guia Jeanswear, destacou a mudança de comportamento do consumidor, que hoje deseja produtos que agreguem valor e realmente sejam inovadores. A profissional sugere um resgate das origens, da moda como essência, como cultura e como sustentabilidade. Clara Pinti, da equipe de marketing da Canatiba, empresa participante da “Agreste Tex” falou sobre a importância dos confeccionistas acompanharem as mudanças do mundo e que, para ser bem-sucedido no mercado, é preciso se reinventar e inovar. Tricia Mota questionou quais as nossas motivações. O que nos leva a agir desta forma? E apontou o ser humano como peça fundamental para as mudanças. Hélvio Madeira Júnior e Hélvio Pompeo Madeira, diretores do FCEM|Febratex Group “Moda não é comunicação visual” é uma frase que João Barcelos já escutou de diversos empresários do setor, mas ele acredita exatamente no contrário. Para ele, a moda também é comunicação visual, pois você se comunica através das roupas que veste. E terminou destacando que a Agreste Tex está contribuindo muito para o crescimento da região. Williams Rafael, da Carvalheiro Camisaria, destacou a importância de debates como o proposto pelo “III Ciclo PE Moda, Arte e Sustentabilidade” para a valorização do setor. Jornalista Ana Cristina de Souza Persona Consultoria