Views
4 months ago

Moda & Negócios_EDIÇÃO 10 PARA IMPRESSÃO

Os negócios no mercado

Os negócios no mercado mundial de toda a cadeia têxtil, desde a produção de matérias-primas, passando pelos tecidos e indo até a indústria de confecções, são extremamente competitivos e movimentam, segundo dados informados pela ABIT - Associação Brasileira da Indústria Têxtil, mais de US$ 355 bilhões anuais. Deste valor, US$ 151 bilhões estão atrelados aos produtos têxteis e os Bento R.P. de Albuquerque Algumas Tendências no Mercado Mundial de Confecções No caso específico do Brasil, que é o dono do sexto maior parque têxtil do mundo, com mais de 30 mil empresas atuando em toda a cadeia produtiva do setor, os negócios superam a marca dos US$ 25 bilhões anuais, gerando mais de 1,5 milhão de empregos, entre formais e informais. outros US$ 180 bilhões são decorrentes do setor de confecções. A evolução do mercado de têxteis e de confecções em todo o mundo se deve ao fato do aumento de renda nos países mais desenvolvidos e à abertura de novos mercados nos países emergentes como o Brasil, a Rússia, a Índia e, principalmente, a China. A indústria têxtil e de confecções sempre teve uma participação decisiva no desenvolvimento do Brasil e foi um dos primeiros setores industriais a ser implantados em nosso país. Os dados oficiais também indicam que o volume de negócios no mercado nacional de têxteis e de vestuário representa hoje mais de 4% do nosso PIB - Produto Interno Bruto. Por ser autossuficiente no setor de algodão, o nosso país se tornou o segundo maior produtor mundial de índigo para fabricação de jeans, o terceiro maior produtor mundial de malha e o oitavo maior produtor mundial de tecidos planos. E no setor de confecções, somos responsáveis por uma produção anual de mais de 6,4 bilhões de peças de vestuário por ano. O detalhe é que a produção de confecções de vestuário é uma das atividades que mais agrega valor aos produtos da nossa cadeia têxtil, pois traduz a moda e o estilo de se vestir

do brasileiro em peças que se tornam desejo de compra quando expostas nas lojas de varejo de confecções. Mas todos nós sabemos que a moda segue as suas próprias leis, igualando-se à arte nesse ponto. A moda não é algo apenas consumível ou para se vestir, ela engloba estilo, personalidade, atitude e glamour, exprimindo também a vontade de experimentar o novo, de se tornar algo único e inconfundível para o consumidor. E conquistar o gosto do consumidor de confecções é um desafio para qualquer empresa da cadeia produtiva, pois a tarefa exige sensibilidade, criatividade e atualização constante sobre as tendências do mercado. Por tudo isso, deve ser ressaltado que um detalhe importante nos negócios com confecções foi a grande mudança no poder decisório da cadeia produtiva do setor, aqui no Brasil e em todo o mundo, que se transferiu da indústria para as empresas varejistas de confecções. O desenvolvimento de marcas próprias do varejo e o desenvolvimento de coleções específicas para marcas de estilistas têm provocado modificações significativas na maneira de atuar das indústrias de confecções. Outro aspecto muito importante que tem sido registrado na cadeia produtiva de confecções é que muitas indústrias brasileiras estão sendo levadas a terceirizar sua produção, buscando reduzir os seus investimentos em instalações e pessoal, ao mesmo tempo em que procuram aproveitar, num amplo processo de parceria, a capacidade ociosa de outras empresas concorrentes ou a capacidade de facções instaladas dentro ou fora dos arranjos produtivos de confecções espalhados por todo o país. Por tudo isso, a nossa indústria de confecções precisa estar atenta a tudo o que ocorre no mercado mundial e aqui mesmo em nosso mercado interno. Prof. Bento R. P. de Albuquerque Consultor e Vice-diretor da Faculdade de Administração da Universidade de Pernambuco. bento@jbconsultores.com.br