Views
10 months ago

Revista Apólice #204

O mercado de grandes

O mercado de grandes riscos passou por uma transformação no Brasil em 2014. Este movimento de consolidação, com empresas se movimentando e vendendo carteiras, acabou por beneficiar quem já estava estruturado para atender as demandas do mercado. Foi o caso da XL Catlin, que já estava preparada para suprir as necessidades do seu público alvo: as corporações. Desde que checapa | XL Catlin ❙❙Jorge Lombardi, Riscos de Engenharia, Marcia Barbieri, Riscos Patrimoniais, Silvia Gadelha e Najib Bousakr, Linhas Financeiras A arte de antecipar as tendências de risco XL Catlin atua no Brasil para atender, de maneira rápida e inovadora, os clientes corporativos, brasileiros e globais Kelly Lubiato gou ao país, ajustou seu foco em riscos complexos, o que deu a ela as condições necessárias para reforçar sua proposta de valor, apresentando soluções para riscos em um momento delicado do setor. “Estávamos preparados com equipes e contratos de resseguros bem estruturados, além de possuir novos produtos prontos para operar”, explica Renato Rodrigues, Country Manager da operação de seguros da XL Catlin no Brasil. A união da XL com a Catlin foi concluída em maio deste ano. Com esta operação, a empresa conseguiu reforçar ainda mais sua atuação em seguros e resseguros. Nesta nova fase de atuação no Brasil, iniciada em maio deste ano, a seguradora ressalta sua forte vocação para seguros patrimoniais e de responsabilidade civil, linhas financeiras (incluindo os riscos cibernéticos) e os seguros de especiali- 18

no Brasil e em qualquer subsidiária no mundo, inclusive o passo a passo das observações registradas pelo regulador. As apólices são sempre em formato eletrônico, assim como todos os pontos de contato com os corretores. “Estamos criando uma nova forma de trabalhar com os corretores, que são os nossos parceiros-chave. Sabemos que eles valorizam a agilidade e a transparência no contato”, informa Zampronha. Ele cita como diferencial o acesso direto dos corretores aos subscritores. Na XL Catlin, a área comercial define em conjunto com as linhas de negócio a estratégia de distribuição da companhia, além do formato de relacionamento com o mercado dos corretores. “Nos estruturamos de forma bastante enxuta porque queremos garantir um modelo eficiente de negócio. Nossa intenção é posicionar as nossas áreas de subscrição na linha de frente, já que são eles os verdadeiros criadores de soluções. Isso sim é um modelo inovador”, garante Zampronha. Rodrigues reforça este ponto de visdades - como transportes, portos e terminais - além da expertise consagrada em gestão de programas globais. A mais nova linha de produtos locais é para o setor aeroespacial (inclui aviação, satélites e produtos de toda a cadeia aeronáutica). Em aviação, a XL Catlin está entre as maiores do mundo. A missão e o propósito da companhia no Brasil sempre foram muito claros: 80% dos clientes mundiais possuem alguma operação no Brasil. “É um mercado estratégico para o futuro”, avisa Rodrigues. “Quanto mais nós conseguirmos ajudar os clientes brasileiros a terem opções de seguro e a se internacionalizarem, melhor estaremos posicionados”. O objetivo da empresa é ganhar relevância e ser a seguradora preferida quando o tema for solução para seguros corporativos e de riscos complexos. Inovação, sempre Inovar, em seguros, é olhar as tendências de riscos. “Nosso olhar é para frente, para o futuro. Nosso propósito é fazer o mundo mover adiante. Temos como objetivo sermos os subscritores dos riscos que nunca foram antes subscritos”, avisa Marcelo Zampronha, Client & Distribution Leader da XL Catlin no Brasil, complementando que sempre que conversa com corretores e clientes espera apresentar soluções novas e “fora da caixa”. “Podemos mostrar coberturas que podem resguardar o cliente de um problema futuro e ainda desconhecido”. Neste sentido, Rodrigues afirma que há estudos que mostram em que dire- ção seguem os riscos. Para ele, o risco reputacional é hoje uma das maiores preocupações das empresas e ele pode ser incluído em diversos produtos, como D&O e Recall de Produtos, por exemplo. “O foco é olhar para frente para antecipar os acontecimentos. Temos que pensar em gerenciamento de crise para o cliente, verba para respostas, publicidade, enfim, a garantia de que ele terá sua reputação protegida”. Os riscos cibernéticos, por exemplo, são abordados de duas formas diferentes: as empresas que atuam diretamente neste setor e as outras empresas que podem sofrer algum risco de seu website, redes sociais etc. “Nós trouxemos componentes de proteção para este tipo de risco”, informa Rodrigues, lembrando que várias empresas já deixaram de operar em seus setores por conta da falta de inovação, e acrescenta: “um exemplo interessante é a tendência para o seguro de automóvel sofrer uma queda nos valores dos prêmios nos próximos 20 anos, por fatores como a invenção dos carros que se dirigem sozinhos”. Toda a XL Catlin está voltada para pensar em inovação para os clientes e corretores. Na plataforma de sinistros da companhia, os clientes conseguem ver em tempo real as informações do andamento dos processos de liquidação de sinistros nos programas mundiais realizados Capital total: US$ 17 bilhões (global) Prêmio líquido: US$ 10 bilhões (global) Presença Global: 160 países Escritórios no Brasil: São Paulo e Rio de Janeiro 1º lugar no Llody´s Renato Rodrigues, Country Manager da operação de ❙❙seguros no Brasil 19

clique aqui e confira a edição de novembro da revista jrs!
Revista em - Clube Vida em Grupo
jornal dos corretores de seguros - Sincor SP