Views
7 months ago

O MAGNIFICO - Edição Maio

2 O Magnífico

2 O Magnífico Maio de 2011 Princípios bíblicos sobre finanças Divulgação Falar sobre finanças parece ser algo muito pouco espiritual. Acontece, entretanto, que, na prática, não podemos ignorar o fato de que lidamos com esse assunto todos os dias. Existem 1.565 versículos que falam em dinheiro. Curiosamente, dos 107 versículos do sermão do monte 28 se referem a dinheiro. Além disso, Jesus se referiu ao dinheiro (ou riqueza) em 13 parábolas. Isso mostra como a Bíblia trata desse assunto com expressividade.O Senhorio de Deus é sobre absolutamente todas as coisas, inclusive sobre as riquezas e os recursos. Ele tem todo o poder e autoridade sobre tudo e todos. O profeta Ageu escreveu que o Senhor dos Exércitos disse: “minha é a prata e meu é o ouro” (Ageu 2.8). Desde os tempos de Moisés havia a compreensão que “é Ele que te dá força para adquirires riquezas…” (Deuteronômio 8.18) Vamos apontar alguns princípios bíblicos sobre finanças e citar referências selecionadas para fundamentar esses princípios. Comentários adicionais se fazem desnecessários. Abra seu coração e deixe o Espírito de Deus revelar em sua vida a aplicação de cada princípio desses para não cair na insensatez. Em relação a você mesmo 1. Viva do seu trabalho – Efésios 4.28: “Aquele que furtava, não furtes mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir o necessitado”. – Salmo 128.2: “Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás e tudo te irá bem”. – 1 Tessalonicenses 4.10-12: “Contudo, vos exortamos, irmãos, a progredirdes cada vez mais e a diligenciardes por viver tranqüilamente, cuidar do que é vosso e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos, de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar”. 2. Não viva à custa dos outros – 2 Tessalonicenses 3.7- 8,10,12: “…pois vós mesmos estais cientes do modo por que vos convém imitar-nos, visto que nunca nos portamos desordenadamente entre vós, nem jamais comemos pão a custa de outrem; pelo contrário, em labor e fadiga, de noite e de dia, trabalhamos, a fim de não sermos pesados a nenhum de vós …Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto: se alguém não quer trabalhar, também não coma…A elas, porém, determinamos e exortamos, no Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando tranqüilamente, comam o seu próprio pão…” 3. Planeje seus gastos – planejar vem antes de gastar! – Lucas 14.28: “Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir?” 4. Invista no que é necessário – Isaías 55.2: “Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão, e o vosso suor naquilo que não satisfaz? Ouvime atentamente, comei o que é bom e vos deleitareis com finos manjares”. 5. Contente-se com o que tem – 1 Timóteo 6.6-8: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com o que vestir, estejamos contentes”. 6. Não tenha apego ao dinheiro – 1 Timóteo 6.9-10: “Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males, e alguns nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores”. o meu povo para que pudéssemos dar voluntariamente estas coisas? Porque tudo vem de ti, e das tuas mãos to damos”. 11. Honre-o com seus bens – Provérbios 3.9-10: “Honra ao os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel”. 7. Não seja servo do dinheiro Senhor com os teus bens e com 15. Pague os impostos e – Mateus 6.24: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de se aborrecerse de um e amar ao outro, ou as primícias de toda a tua renda, e se encherão fartamente os teus celeiros e transbordarão de vinho os teus lagares”. tributos devidamente – Romanos 13.6-7: “Por este motivo, também pagais tributos, porque são ministros de Deus, se devotará a um e desprezará 12. Mantenha uma posição atendendo, constantemente, a ao outro. Não podeis servir a Deus e à riqueza”. Em relação à família 8. Cuide de sua família – 1 Timóteo 5.8: “Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente”. 9. Guarde para seus filhos de fé e confiança – Mateus 6.25ss: “Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes?… O Pai de vocês, que está no céu, sabe que este serviço. Pagai a todos o que lhe é devido; a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra”. 16. Seja fiel com a propriedade do outro – Lucas 16.12: “Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, quem vos dará o que é vosso?” – 2 Coríntios 12.14: “Eis que vocês precisam de tudo isso”. 17. Muito cuidado ao ser pela terceira vez, estou pronto a Em relação aos outros fiador de alguém – Provérbios ir ter convosco e não vos serei 13. Nunca fique devendo 11.15: “Quem ficar como fiador pesado, pois não vou atrás de vossos bens, mas procuro a vós outros. Não devem os filhos entesourar para os pais, mas os pais, para os filhos”. Provérbios 13.22a: “O homem de bem deixa herança aos filhos de seus filhos”. Em relação a Deus nada a ninguém – Romanos 13.7-8: “Pagai a todos o que lhes é devido: a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra. A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor”. Provérbios 22.7b: “O que toma emprestado é servo do que empresta”. de qualquer um acabará chorando. Será melhor não se comprometer”. 18. Seja generoso em dar e repartir – 1 Timóteo 6.18: “Mande que façam o bem, que sejam ricos em boas ações, que sejam generosos e estejam prontos para repartir com os outros 10. Reconheça que tudo 14. Seja fiel com compromissos aquilo que eles têm”. vem dele – 1 Crônicas 29.14: “Porque quem sou eu, e quem é assumidos – 1 Coríntios 4.1-2: “Assim, pois, importa que Autor: Rodolfo Garcia Montosa – http://www.institutojetro.com Um convite à oração Meu coração está inclinado à oração. Esta inclinação me veio como resposta de oração. Dediquei bom tempo do final do ano passado buscando a Deus a respeito do que deveria me ocupar em 2006. Orei para saber o que fazer e percebi que deveria continuar orando: a oração nasce da oração. Junto com este desejo também me chegaram alguns discernimentos. Primeiramente, percebi que não estava sendo chamado a buscar o conhecimento de Deus, o poder de Deus, respostas de Deus, experiências com Deus ou qualquer outra coisa através da oração. Desde o início, compreendi que não deveria transformar nem a oração, nem muito menos Deus, em meios para que eu alcançasse determinados fins. O chamado foi simples: orar. Orar é estar com Deus, a portas fechadas, para que Ele, que nos vê em secreto, nos dê a recompensa. A recompensa da oração não depende da agenda de quem ora, mas do amor, da misericórdia e bondade eternas de Deus, que em sua plena sabedoria e soberania distribui aos seus filhos boas dádivas e dons perfeitos. Outra coisa que discerni foi que o chamado à oração não era uma exortação a falar com Deus, mas meramente estar em silêncio em sua presença " dedicar atenção exclusiva a Deus. Sempre me chamou a atenção o fato de que no quarto, a portas fechadas, Deus não ouve o que dizemos, mas nos vê: a oração é muito mais uma atitude de entrega, rendição e disponibilidade, do que um monólogo piedoso diante de Deus. Também fui chamado à atenção para o fato de que a oração tem muito mais a ver com o amor do que com o poder de Deus. No quarto, a portas fechadas, Deus não é o General, o Todo Poderoso, o Jeová-Giré, mas o Pai, que nos sussurra "Você é meu filho amado, em quem tenho prazer". No quarto, a portas fechadas, a oração não é um amontoado de palavras, insistentes repetições de petições, uma lista de assuntos a tratar com Deus como quem despacha com seu funcionário na manhã de segunda-feira. A oração em secreto é o pronunciar singelo do Abba, o balbuciar da criança que descansa em absoluta confiança no colo do Papai do Céu. Convido você para esta jornada. Convido você a esperar em Deus, dedicar seu coração a ouvir a voz de Deus, deixando o controle nas mãos de Deus, para que em nós se cumpra sua boa, perfeita e agradável vontade. Convido você para juntos dedicarmos atenção a Deus, que verá nossos corações e nos dará recompensas. Convido você a ser vulnerável nas mãos de Deus, como uma criança, um filhinho pequenino que mal aprendeu a falar, mas que sabe que Abba é o seu lugar.

O Magnífico Maio de 2011 Antes e depois da morte Referência: LUCAS 16.19-31 3 Há uma coisa notável acerca desta passagem das Escrituras: ela é fácil de entender. Podemos discordar dela, negar sua veracidade ou desprezar seus ensinamentos, mas só uma pessoa obtusa não a entenderia. A verdade básica é que a vida é mais do que simplesmente viver, e a morte é mais do que simplesmente morrer. A morte não é o fim de todas as coisas. Há muitas especulações sobre o que acontece depois da morte. Há um profundo mistério acerca da morte e milhões de pessoas buscam os terreiros de Umbanda, os médiuns para tentar falar com os mortos. Mas isto tudo é em vão. Jesus nesse texto abre as cortinas e levanta a ponta do véu e nos mostra o que vem depois da morte: CÉU OU INFERNO. "GEENA" = lugar final dos ímpios. Esta palavra INFER- NO vem do vale dos filhos de Hinon. A princípio era um lugar belo. Acaz e Manassés queimaram crianças a Moloque ali. Era o vale da matança. Josias profanou este lugar de idolatria e transformou aquele lugar no escoadouro dos lixos da cidade - e ali o bicho roía dia e noite e o fogo era inextinguível. Os homens não gostam da doutrina do inferno. É um lugar de tormento eterno. É um lugar de trevas. É um lugar de choro e ranger de dentes. É um lugar onde o fogo não se apaga. É um lugar onde o bicho não deixa de roer. É um lugar de lembranças das oportunidades perdidas. É o lugar de remorso acusador. É lugar de separação eterna de Deus. O homem sempre quis apagar as chamas do inferno. Sempre quis anular essa doutrina. Tenta fazer isso de várias formas: 1. Negando que haja uma coisa chamada pecado = Se não há pecado, não há necessidade de castigo para ele, nem necessidade de um Salvador. Mas o pecado acontece 24 horas por dia: crimes, assaltos, mentira, suborno… 2. Achando que se existe um inferno, ele é aqui na terra mesmo. É o que estamos vivendo = Mas no inferno não vai ter igreja, não vai ter Bíblia, não vai ter música, louvor, alegria, vida, amor, arrependimento, flores, água, filhos de Deus. 3. Reencarnação - v. 31 4. Purgatório - v. 26 5. Sono da alma ou aniquilamento - v. 23 6. Deus é bom demais para punir alguém. Não precisamos nos preocupar com o além. 7. Andar tão ocupado que não tem tempo para pensar nas coisas eternas = aprisiona a alma nas grades das atividades. TODAVIA, estas respostas e esses subterfúgios nem sempre aquietam a nossa voz interior. Nem a incredulidade nem o desprezo pode apagar as chamas do inferno. Elas permaneceram para sempre. A ira de Deus contra o pecado deve ser satisfeita em algum lugar, algum dia, de alguma forma. Quem mais falou sobre inferno foi Jesus. O inferno é uma realidade ou Jesus é um embusteiro. I. PRIMEIRO ATO: O LADO TERRESTRE DA VIDA - O QUE ACONTECE NESSE LADO DA MORTE 1. O HOMEM RICO = No primeiro ato, tudo na vida desta homem rico é só beleza. Vivia em uma mansão. Tinha servos e servas. O mobiliário de sua casa era luxuoso. Carruagens do último tipo. Vivia na opulência e no prazer. Vestia-se com púrpura. Banquetes, festas, música. Vivia para si mesmo. TODOS OS DIAS SE REGALAVA EX- PLENDIDAMENTE. Era religioso, pois conhecia a Abraão e o chamava de Pai. Não é o rico acusado de crimes horrendos. Não é tachado de caluniador, fraudulento, assassino, adúltero, ébrio ou imoral. Mas também, não tem tempo para Deus, não tem tempo para o necessitado à sua porta. Seu Deus é o dinheiro. Sua vida é narcisista. Vive para si mesmo. Seu negócio é o hedonismo. Seu problema não é a riqueza, mas a riqueza sem Deus. Tudo corria bem… até que um dia… O homem rico ficou doente. A morte está constantemente procurando novas vítimas. Ela entrou rudemente pela porta de frente da casa do homem rico, com as botas sujas de lama fresca, enquanto este se encontrava assentado à sua farta mesa bebendo o doce vinho da vida. A morte arrancou o copo de seus dedos cheios de anéis e lhe falou abruptamente, enquanto o homem empalidecia: VOCÊ VAI MORRER HOJE - Ele morreu. E que funeral! Todos os parentes estavam lá. Muitos amigos. As autoridades da cidade foram dar o último adeus ao ilustre cidadão. Políticos discursaram ao lado do caixão. Elogios foram tecidos ao morto. Havia flores por toda parte. A urna mortuária era toda enfeitada e cheia de riqueza. Foi um funeral cheio de pompa. A cerimônia religiosa foi pomposa. Agora todos dizem: DES- CANSOU! Ah! Não se esqueça, esse é apenas um lado da história. Há mais, muito mais. 2. LÁZARO = Vamos agora nos voltar para o outro personagem do primeiro ato: O POBRE HOMEM LÁZARO (Lc 16.20,21). Não gostamos de ficar observando esta cena. Basta saber que um dia o mendigo também acabou morrendo. Os gélidos dedos da morte também arrancaram a sua vida. Ele não tinha amigos, nem cortejo, nem flores, nem hinos, nem cerimônia fúnebre, pois ninguém se importava com ele. Não sabemos ao certo o que fizeram com o corpo do mendigo. Do que sabemos acerca dos cães do oriente, podemos até afirmar que eles foram os seus agentes funerários, o seu cortejo e a sua sepultura. Com um estremecimento de nojo nos afastamos dizendo: QUE TRAGÉDIA! Mas aqui vimos apenas um lado da história também. Agora Jesus levanta a ponta do véu e mostra que a vida depois da morte é real. Mostra que a sepultura não é o seu ponto final. II. SEGUNDO ATO: O QUE ACONTECE DEPOIS DA MORTE No primeiro ato o lado terrestre de suas vidas, um deles era extremamente rico e o outro extremamente pobre. Um sentava-se a uma mesa farta, o outro jazia junto à porta do rico mendigando uma migalha. Um é atraente pela sua riqueza, o outro é repulsivo pela sua extrema miséria. Um andava empavonado em linho finíssimo, o outro cheio de trapos. MAS HÁ DIFERENÇAS NOS HOMENS QUE NÃO APA- RECEM NAS ROUPAS, NAS CASAS, NAS OCUPAÇÕES. Depois da morte, o contraste no destino destes dois homens continuou, mas a sua situação se inverteu. 1. LÁZARO = Quando a cortina foi levantada depois da morte do pobre, vemos anjos, cheios de alegria em servir, carregando Lázaro para o céu. LÁZARO = "Deus é meu auxílio". Embora desprezado pelos homens, embora considerado como escória, embora na sarjeta do esquecimento, embora prostrado cheio de chagas, com fome e desejando comer as migalhas que caem da mesa do rico, embora privado do convívio humano e assediado pelos cães - Ele confiava em Deus. O RICO TINHA TUDO, MENOS DEUS; LÁZARO NÃO TINHA NADA SENÃO DEUS. No céu havia consolo, música, vestes brancas, coroas, harpas angelicais, delícias perpetuamente, a face de Jesus. NENHUM OLHO VIU… Oh! Quão cedo Lázaro se esqueceu dos seus andrajos, da fome, dos cães, das noites frias, e do homem rico que o deixou na miséria. Ele foi afinal confortado! 2. O HOMEM RICO = Aquele que viveu aqui sem Deus, depois da morte, abriu os olhos e estava no lar dos desesperados. O mendigo repousou no seio de Abraão. O rico não teve repouso nenhum, pois como é possível descansar no inferno? Em Hebreus 9.27 lemos: "E assim como aos homens está ordenado…". O julgamento não acontece nesta vida. Primeiro vem a morte, depois o juízo. Quando transgredimos as leis da natureza sofremos imediatamente = QUANDO COLO- CAMOS A MÃO NO FOGO. Mas as leis de Deus podem ser aparentemente transgredidas repetidas vezes sem nenhum castigo. O homem que blasfema não parece sofrer com isto. O homem que rouba parece ter motivos para se vangloriar que vive melhor do que o que não rouba. Aquele que vive na impureza pode achar que isso é que é vida. Mas as Escrituras não dizem que toda vez que pecamos Deus envia um anjo com vara de ferro para nos bater. A Bíblia diz que Deus marcou um dia em que vai julgar os homens (At 17.31) e eles não vão poder fugir de Deus nem subornar o tribunal de Deus. Naquele terrível dia do juízo, eles vão dar conta por cada palavra frívola que proferiram. Cada ação está registrada nos livros de Deus. Cada pensamento, cada intenção está registrado. Naquele dia os livros serão abertos. Será o dia do juízo. Ah! Dia do juízo!!! O homem rico não despertou santo. A morte não é uma varinha mágica que algum anjo agita sobre os moribundos, transformando todo o pecado em justiça, varrendo toda maldade, apagando todo o passado e transformando o pecador em filho de Deus. As pessoas gostam de crer que tudo vai bem e que todos estarão bem, tão logo morram. Mas o fato persistente é que as identidades não se alteram com a morte. Não foi outro homem que se despertou na eternidade. Foi o mesmo. E despertou para saber que… a) O inferno é um lugar de tormento - v. 23 b) O inferno é um lugar de onde se vê o gozo do céu - v. 23b c) O inferno é um lugar onde não há consolo - v. 24,25 d) O inferno é um lugar de onde não se pode sair - v. 26 e) O inferno é um lugar onde o pedido de socorro não é atendido - v. 27 f) O inferno é um lugar de lembranças amargas - v. 27,28 g) O inferno é um lugar de onde não se pode mais ajudar a família - v. 28-30. Para este homem já era tarde demais para ajudar a sua família. O desejo estava ali, mas a oportunidade passara para sempre. Observem que ele não ignorava o caminho da salvação. Divulgação Ele sabia que seus 5 irmãos precisavam de alguém que lhes falasse acerca da salvação. Ele perdera a sua oportunidade e perdera a sua alma e a oportunidade de ajudar a sua família. Talvez ele fosse covarde. Talvez tivesse medo do que a sua família pudesse pensar caso ele se voltasse para Deus. Mas agora já não tinha mais medo. Talvez por causa da sua posição de rico, ele tivesse considerado a crítica dos seus amigos como um preço alto demais para pagar se andasse nos caminhos do Senhor. Mas agora tudo havia acabado. Era tarde demais. Não há poder que nos salve depois da morte. A grito TEM MISERICÓRDIA DE MIM obteve uma única resposta: FILHO LEMBRA- TE. O abismo fora fixado. Os limites estabelecidos. O destino determinado. O QUE É A ETERNIDADE? CONCLUSÃO · Homem não tem de fazer nada para ir para o inferno. Com suas virtudes e predicados morais, ele é um pecador perdido. Mesmo sendo religioso e honrado cidadão ele está condenado, se não crer em Jesus. Não é preciso roubar, matar, adulterar. Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. · Para ir para o céu é preciso NASCER DE NOVO. CRER EM CRISTO COMO SE- NHOR E SALVADOR. (At 4.12; Jo 14.6; Jo 5.24) Se você morrer agora, para onde vai a sua alma: para o céu ou para o inferno? Ilustração: O SONHO DE WESLEY: foi ao inferno e ao céu. Rev. Hernandes Dias Lopes

Edição de Maio
Abril e Maio de 2011 - Paróquia Nossa Senhora das Mercês
Ano43-Edição 32 - Lagoinha.com
Ano 7 / # 18 Maio / Junho 2009 ISSN: 1731-0997
MAIO 2016 - edição 217
Os Estados Unidos e a Inglaterra na Profecia Biblica Ellen White [Novo Edicao]
Isaías - Igreja Batista Vida