Views
7 months ago

Boletim BIOPESB 2017 - Edição 28

Ciência Ano 7

Ciência Ano 7 n°28 - Pág 4 TRANSFORMANDO O LIXO EM LUZ: como criar uma “lâmpada” ecológica com garrafas pet Fernanda Rebellato Isabela da Silva Paes Raissa Castro Imagem Reprodução No período entre 2001 e 2002, devido à falta de investimento no setor energético do país, o Brasil sofreu com a maior crise energética da história, sendo necessário um longo período de racionamento da energia elétrica para prevenir a ausência completa desta nas residências, escolas, estabelecimentos comerciais, dentre outros. Contudo, o que era um grande problema para todo o país foi, na verdade, o que motivou um mecânico mineiro a desenvolver um método de iluminação alternativo e que mudou a vida de muitas pessoas. Alfredo Moser é um mecânico da cidade de Uberaba, Minas Gerais, e foi o responsável pela criação da “luz engarrafada”. Essa ideia baseia-se no reaproveitamento de garrafas PET e na utilização de água para amplificar a luz solar, criando uma “lâmpada” com potência entre 40 e 60 watts, as mesmas de uma lâmpada incandescente. Devido ao grande potencial desta invenção, a ONG My Shelter Foundation, das Filipinas, em parceria com o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e com o inventor brasileiro, criou o projeto Litro de Luz, que visa fornecer um meio econômico e sustentável de obtenção de luz para pessoas que vivem sem acesso à eletricidade. O projeto já instalou as “luzes engarrafadas” em mais de 15 países, melhorando a qualidade de vida de muitas pessoas, e ganhou diversos prêmios internacionais. Ele também atua no Brasil (www. litrodeluz.com), sendo que a ideia das luzes engarrafadas foi aprimorada com painéis solares e lâmpadas de LED, para que elas também pudessem ser aplicadas durante a noite, principalmente nos postes das ruas de locais que não tem acesso à iluminação elétrica. Estas ideias já melhoraram a qualidade de vida de muitas pessoas no Brasil, desde Santa Catarina até a Amazônia. Além de ajudar o meio ambiente, por serem construídas a partir de materiais reaproveitados, as luzes engarrafadas podem gerar uma grande economia no consumo de energia elétrica para o usuário. Considerando uma residência que utilize,

Ciência Ano 7, n°28 - Pág 5 aproximadamente, iluminação elétrica por 12 horas por dia, o consumo previsto é de 25,2 KWh/mês por lâmpada acesa, segundo simuladores para o uso de lâmpadas incandescentes. Entretanto, com o sistema de luzes engarrafadas, a necessidade de iluminação elétrica ocorre apenas no período da noite, por volta de 5 horas por dia, devido a isso o consumo previsto é reduzido para 9 KWh/mês por lâmpada incandescente acesa, revelando assim uma redução de aproximadamente 64% de KWh/mês para iluminação elétrica. Visando a redução no consumo da energia gasta com iluminação, este sistema mostrase muito vantajoso em diferentes localidades, destacando-se, entretanto, as áreas rurais, visto que são regiões amplas, isto é, mais expostas à luz solar, e com predominância de residências com um único pavimento. Assim, levando-se em conta o grande potencial ecológico desse novo sistema de iluminação, acreditase que sua aplicação em áreas como do território rural Serra do Brigadeiro possa trazer um grande impacto na redução dos gastos energéticos da região e corrobore com os ideais de sustentabilidade disseminados nos arredores do PESB. Recentemente,a invenção voltou a ganhar destaque. Moser foi convidado a participar de uma exposição no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, que reúne brasileiros inventores. Segundo ele, este tipo de reconhecimento nem é o principal; mas sim a satisfação de conseguir Faça você mesmo! Imagem Reprodução melhorar a qualidade de vida de algumas famílias, com ajuda das lâmpadas. “A gente quer ver a população feliz, alegre. Teve um senhor que me falou que a luz ‘custa o olho da cara’, de tão cara que é. E a mulher dele estava esperando uma criança e, com o dinheiro que ele economizou, ele conseguiu comprar o enxoval do filho. Isso emociona a gente”, comentou Moser. Para aproveitar esta idea na sua casa, você vai precisar de: - 1 garrafa PET transparente de 2L - 4 colheres de água sanitária - 2L de água - Serra tico-tico - Massa plástica ou cola de resina - Pote plástico preto 1. Encha a garrafa com a água, adicione a água sanitária para evitar a proliferação de algas e tampe a garrafa; 2. - Faça um furo circular no telhado, encaixe a garrafa e vede com massa plástica ou resina para evitar a ocorrência de goteiras; 3. Prenda o potinho sobre a tampa para evitar o seu ressecamento e quebra. Pronto, a sua iluminação natural está feita!

PARQUE ZOOLÓGICO DE SAPUCAIA DO SUL
BOLETIM MARÇO 2017
urubu rei - Rainforest Alliance
Guia Conheça Seu Bairro - Ano I - Edição 2 - Jul/Ago 2017
a mulher e a montanha - Revista Outdoor
1 Edição 205 ICMBio promove IV Seminário de Pesquisa e ...
Informativo Primacredi - Edição 12 - Abril 2017
avaliação e ações prioritárias para a conservação da ...
Guia da 3a Idade #21
25 anos de educação Reportagem: Parque Natural da Serra de Aire ...
Boletim do Búfalo - nº 2 - jul/2005 - Associação Brasileira de ...
1 Edição 217 Esec Tamoios analisa regras de visitação ... - ICMBio
sumário executivo do plano de ação nacional para - ICMBio
PME Magazine - Edição 3 - Janeiro 2017
avaliação e ações prioritárias para a conservação da ...
O Caminho do Ouro em Paraty e sua paisagem - Programa de ...
Edição Impressa - Julho/2015
Patrocínio: Realização: Apoio: - Viagem do Conhecimento
Edição 46 - Instituto de Engenharia