Views
1 week ago

lilla

FILMES E TV Cena do

FILMES E TV Cena do filme americano Pariah (2011) com a personagem principal, Alike. Foto: Divulgação AMOR ENTRE ELAS Pariah e O Perfume da Memória Os filmes desta edição falam de descobertas. Um das descobertas da sexualidade e da coragem de ser o que é. O outro do amor e do conflito entre a razão e a atração. 10 | DEZ 2017 | N. 1 | LILLA

Pariah (2011) Dirigido por Dee Rees, o filme se passa em Nova York, no Brooklyn, e conta a história de Alike (Adepero Oduye), uma garota de 17 anos está se descobrindo e em meio a dúvidas e conflitos busca suas primeiras experiências como lésbica. A palavra “Pariah” significa algo como uma pessoa excluída socialmente, que é o caso de Alike. Ela é negra, lésbica e não performa feminilidade. Apesar de quieta, boa aluna e filha, a garota enfrenta situações desconfortáveis. Os pais não aceitão a homossexualidade e parecem saber que a filha é lésbica, mas negam isso para si mesmos. Tanto que a mãe insiste para que ela use “roupas femininas”, se afaste da amiga lésbica e seja amiga da filha de uma colega da igreja. Se descobrindo no mundo, Alike busca coragem para ser quem ela realmente é e como qualquer jovem tenta entender seu estilo. Dividida entre uma personalidade “masculinizada”, “agrsseiva” e a outra mais calma e poética/artistica. A diretora conta que escreveu o roteiro baseada em algumas experiências próprias, como sua saída do armário. E de forma genuína ela conduz o filme de forma que o telespectador sinta o que a personagem sente, através de movimentos de camêra e luzes dos cenários. O Perfume da Memória (2016) O filme dirigido pelo músico Oswaldo Montenegro conta a história de amor de duas mulheres. Ana (Kamila Pistori) e Laura (Amandha Monteiro) são intensas, a primeira é apaixonada por cinema, poesia tudo que envolve arte, a segunda é uma poeta passando por um divórcio. A história acontece em apenas um dia, quando Ana vai à casa de Laura, antes de viajar de volta a Londres, porque precisava conhecê-la e mostrar sua admiração com seus textos e os sentimentos que lhe causaram. Laura está em casa triste, é seu aniversário mas o fim do casamento ainda a abala, e a visita de Ana, até então uma desconhecida, incomoda primeiramente por atrapalhar sua “fossa”e por falar dos textos que tinham sido mostrados para poucas pessoas. Mas Laura permite que ela entre e as duas se aproximam, se conhecem e se descobrem nessas poucas horas de encontro. Parecidas em tantas coisas e em tantos gosto, no amor elas discordam. Laura acredita que é bom mergulhar em paixões intensas e Ana acredita na efemeridade das relações de desejo. Em praticamente apenas um cenário, o filme se desenrola com a narração do diretor, as duas atrizes e duas musicistas que deixam o filme delicado e poético. Cena do filme brasileiro O Perfume da Memória (2016) com as personagens principais, Ana e Laura. Foto: Divulgação LILLA | N. 1 | DEZ 2017 | 11