Views
9 months ago

Peripécias 12

Versão multimídia da Revista Eletrônica Peripécias nº 12 de maio de 2018! Esta é uma Edição Especial, completando um ano da nossa Revista e o conteúdo está muito bacana, destacando-se homenagens ao Marco Antônio (Aniversariante do Mês) e ao Ney Francisco (Personalidades), os dois fariam aniversário em Maio. Nesta edição também o segundo artigo sobre a Rua Santa Luiza - “Os Moradores” - e muito mais!

Francisco Alves Corrêa

Francisco Alves Corrêa Nunes e Maria Ely Corrêa Nunes Colaboração: Myriam Brito Corrêa Nunes Francisco (Chiquinho) e Maria Ely Brito, nasceram no dia 29 de março, ele em 1.909 e ela quatro anos depois, em 1.913. Casaram-se em 30 de maio de 1936 e, depois de casada Maria Ely passou a chamar-se Maria Ely Corrêa Nunes. Faziam aniversário no mesmo dia e a soma das letras dos nomes era igual a 12 e sempre achei interessante que no relógio da casa deles os números foram substituídos pelas letras dos nomes. Senador Euzebio, 38. Um ano após casar-se com Ely, Francisco ganhou de presente do Sr. José Pereira, seu sogro, um bilhete do Sweepstake (uma espécie de loteria de cavalos). Premiado com Rs 420:084$000 e comprou o Banco Espanhol. Francisco por anos, dedicou-se à filantropia, tais como a organização da Corporação para Empregados Católicos de Vila Isabel, e de Diretor Social (junta diretiva de 1946 – 1948) da Sociedade Espanhola de Beneficência (atual Hospital Espanhol). Montou o Curso São Francisco no qual davam aulas Clélia (irmã da Arlette), ele e amigos. Desta união nasceram Myriam Brito Corrêa Nunes em 18 de outubro de 1940 e Celi Maria Corrêa Nunes em 14 de maio de 1943. Maria Ely era filha de José Pereira de Castro Brito, proprietário do Café Em 1976 comemoraram 40 anos de casados e ganharam de presente Camões, originalmente na rua

uma viagem de navio. Na foto ao lado quando iam embarcar para a segunda lua de mel. Chiquinho já estava doente nesta ocasião e precisava andar de bengala. Mesmo assim, numa das noites dançantes à bordo, foi vencedor do concurso de danças e ganhou o “Troféu Pé-de-valsa”, o melhor dançarino à bordo. O casamento foi amplamente noticiado nas páginas sociais da época. Chiquinho faleceu em 6 de setembro de 1977 e Ely faleceu em 30 de dezembro de 2004.

Almanaque2
Almanaque nº 1
Edição Maio de 2012 - Versão em PDF - Revista Anônimos
Edição nro. 50 - maio 2003 - União Nacional dos Analistas ...