Views
8 months ago

GAZETA DIARIO 553

32 Imobiliário Foz do

32 Imobiliário Foz do Iguaçu, quinta-feira, 12 de abril de 2018 DESIGN DE INTERIORES Cortina dentro do quarto pode exercer muitos papéis Vários detalhes são pensados estrategicamente para dar um efeito mais que decorativo ao ambiente As cortinas para quarto garantem atmosferas mais aconchegantes e confortáveis, além de emoldurar o espaço e cuidar da privacidade desse ambiente mais íntimo da casa. Queridinhas na decoração da sala de estar e do quarto, as cortinas podem cumprir muitos papéis dentro de um ambiente, servem para diversas finalidades, desde controlar a luminosidade que entra no quarto até como item da decoração. Escolher uma cortina para quarto não é das tarefas mais fáceis, pois existem muitas opções de tecido, acabamento e outros detalhes que se pensados estrategicamente podem dar um efeito muito mais que decorativo no seu ambiente. Pensando nisso veja algumas dicas para tornar seu projeto em algo mais simples, sem preocupações ou surpresas. Cuidado com as medidas da janela Para saber o tamanho final da cortina deve-se ter em mente que é necessário deixar uma "sobra" de tecido em relação ao tamanho da janela, assim a cortina cobrirá a janela mesmo quando estiver ventando, evitando muita claridade e também garantindo o padrão estético adequado. Existem dois tipos de cálculos para saber o tamanho ideal de cortina: para tecidos leves você deverá multiplicar o tamanho da janela e da sobra por 2, já para tecidos mais pesados ou encorpados, a multiplicação deverá ser feita por 3. Confira dois exemplos: • Tamanho da janela + 20 cm (lateral direita) + 20 cm (lateral esquerda) = ? x 2 = tamanho ideal da cortina. Ex: 1,20m (janela) + 20 cm (lateral direita) + 20 cm (lateral esquerda) = 1,60m x 2 = 3,20m de tecido; • Tamanho da janela + 20 cm (lateral direita) + 20 cm (lateral esquerda) = ? x 3 = tamanho ideal da cortina. Ex: 1,20m (janela) + 20 cm (lateral direita) + 20 cm (lateral esquerda) = 1,60m x 3 = 4,80m de tecido. Verifique o espaço no teto e na parede Outra escolha importante é qual o tipo de suporte mais adequado para o seu projeto. Varão ou trilho? Caso o cortineiro faça parte da estrutura do teto do quarto, os trilhos ficam embutidos no acabamento de gesso, dando um efeito super elegante. Já o varão é uma opção fácil de instalar e de limpar e conta com muitas opções de acabamento, como cromado, dourado, madeira, entre outros. Normalmente a altura da cortina se estende por toda a parede, ou seja, vai do teto ao chão. Dessa forma o pé-direito é alongado e o ambiente fica mais aconchegante. As cortinas curtas combinam melhor com ambientes que contem com móveis embaixo da janela ou com quartos infantis. Tipos de cores e texturas possíveis Tenha em mente que as cores neutras dão mais liberdade para a decoração de um cenário mais colorido, já os tons mais vivos e coloridos ajudam a dar mais alegria e personalidade para o ambiente. É importante ressaltar que tons mais escuros e intensos costumam desbotar com a luz do sol conforme o tempo passa, portanto você também deve considerar a intensidade de luz que entra no ambiente na hora de decidir as cores da cortina. Os tecidos mais pesados ou com sobreposições são ideais para a época de mais friozinho, pois ajudam a aquecer os ambientes. Já no caso da escolha dos tecidos mais encorpados, ou com estampas, a dica é valorizar o fundo neutro e deixá-los apenas como xale. Principais tipos de cortina • Persianas: um tipo de cortina prática e que permite um maior controle da luminosidade que entra no ambiente. Os dois tipos mais utilizados de persiana são a rolô, que é um tipo de persiana feita com tecido e que fica enrolada quando encolhida, e a romana, que é composta por lâminas e é encontrada principalmente em PVC, madeira, bambu e alumínio; • Blackout: esse tipo de cortina é feito com um material mais espesso e tem a função de bloquear a entrada de luz, além de aumentar o isolamento acústico do ambiente. Quando usada no quarto, a cortina blackout é ideal para aumentar a qualidade do sono, pois garante que o "escurinho" dure até a hora de acordar; • Cortina de voal: esse é o modelo clássico de cortina, que pode ser utilizado tanto sozinho quanto em conjunto com algum tipo de forro e/ou uma cobertura mais espessa. Sua textura pode inspirar requinte e simplicidade no mesmo ambiente; Para dar um tom mais leve na decoração do quarto, a persiana tipo rolo pode ser utilizada em diversos módulos, pequenos ou médios • Cortinas de sarja, veludo, linho ou shantung: tecidos mais encorpados são altamente recomendados para dormitórios por aumentarem a sensação de aconchego, além disso você pode escolher entre diversos efeitos de textura encontrados em cada um deles. (Reportagem: Decor Fácil) Fotografia: Divulgação

Foz do Iguaçu, quinta-feira, 12 de abril de 2018 AMBIENTES Dicas ajudam a fazer um projeto luminotécnico ideal Imobiliário 33 É muito importante contratar um profissional da área para auxiliar na tarefa O projeto luminotécnico é o estudo da iluminação artificial com a finalidade de conciliar a função de cada ambiente, seja interno ou externo, proporcionando funcionalidade, beleza e economia de energia elétrica para a construção. Essa última característica é a mais relevante, afinal, o uso exagerado de lâmpadas significa gastos extras e desperdícios de energia. É muito importante contratar um profissional da área para auxiliar na tarefa da escolha das luminárias e calcular exatamente a quantidade necessária de luz para cada ambiente, garantindo o conforto necessário. Esse responsável leva em consideração os gostos dos moradores, sempre mostrando as propostas do projeto luminotécnico para que a iluminação possa usufruir de melhor maneira o local sem perder a sua identidade. Uma dica importante é iniciar o projeto no momento da construção, pois há uma flexibilidade maior para mudanças, além de poder trabalhar junto com a luz natural dos ambientes. Por isso, quando for realizar o projeto, ele deve conter a planta do local e especificações de lâmpadas, luminárias e os pontos elétricos. Atualmente as lâmpadas de LED são as melhores alternativas em relação a economia, durabilidade e qualidade. Apesar do alto investimento, estes são os modelos com o melhor custo x benefício. Caso for optar pelas lâmpadas de LED, procure as amareladas de até 3000k para salas, quartos e salas de jantar. Use as brancas de 4000k para cozinhas e banheiros. Principais tipos de iluminação Antes de saber os tipos de iluminação, o ideal é entender qual a finalidade principal do ambiente. Existem locais onde a quantidade de iluminação pede mais cuidado, por exemplo, um consultório médico. Já um local com o uso informal, como um depósito, a função é conseguir uma iluminação sem se preocupar com a sua aparência. Para um hotel, a estética é essencial: as luzes devem chamar a atenção para que os clientes se interessem por aquele local. Por isso é muito importante saber qual o tipo de iluminação que será utilizado. Embora o tradicional seja instalar a lâmpada no centro do teto de um cômodo, existem outras formas de posicioná-las. Cada proposta e ambiente pede um tipo de iluminação específica, que pode ser difusa, direta ou indireta. Veja os três principais tipos de iluminação para projetos de luminotécnica: • Direta: o modelo direto, como o próprio Rasgos no gesso permitem um desenho no forro e trazem beleza ao ambiente nome já diz, é onde a luz que incide diretamente sobre algum ponto específico. Por exemplo: uma luminária ou abajur iluminando uma mesa de trabalho ou um criadomudo; • Indireta: muito comum em forros de gesso, a luz reflete na superfície branca e se distribui pelo ambiente, permitindo criar ambientes mais intimistas; • Difusa: esse tipo de iluminação é aquele que distribui uniformemente a luz no ambiente. Por isso é muito utilizada em salas, quartos e banheiros. (Reportagem: Decor Fácil) Fotografia: Divulgação