Views
7 months ago

Almanaque2

Almanaque número 2, com o conteúdo completo das edições nº 7 a nº 12 da Revista Mensal Peripécias Contendo as Seções Destaques, Túnel do Tempo, Sociais, Turismo, Literatura, Sala de Leitura, Teatro, Arte, Personalidades, Poesias, Atualidades, do Fundo do Baú, Fotografia, Formaturas, Humor, Culinária, Esportes, Curiosidades, Aniversariantes, Classificados, Biblioteca, História de Família e Espaço do Leitor.

vender. Era uma

vender. Era uma reciclagem da época. E os imigrantes JUDEUS, que compravam joias, ou roupas velhas. Um deles falava mais claro e dizia “Compra Roupa Velha e Compra joia “, esse era mais baixo. O outro que era mais alto usava chapéu, terno e gravata, falava tão enrolado, que o som que saia do que falava, eu pelo menos entendia assim: “AAAAAMARII A UPA NISAPIIIIIIIII “ mas ele estava dizendo: “Comprasee roupaaa usadaa “ e dava um giro de 180 graus para trás, a fim de ver se tinha cliente. Achava gozadíssimo. Em minha casa, tinha um pé de SAPOTI, árvore rara. Outros dois vizinhos tinham também, e na época da frutificação vinha um homem que comprava sapoti, passava lá por casa e comprava, às vezes, de 200 a 250 frutas, que subia na árvore e colhia com o maior cuidado. Dizia ele que vendia para uma fábrica de chicletes, que utilizavam aquela “cica” branca que sai da fruta. Deixava umas para nós saborearmos. As que estavam mais maduras. Levava as mais verdes. Realmente se procurarmos no Google hoje, fala sobre a utilidade do látex para a fabricação dos chicletes. Mais até a que sai do tronco, e a utilidade do caroço do sapoti como diurético. A fruta que tinha em minha casa era a oval sapoti, porque a redonda é sapota.

FRANCISCA MENEZES SIMÕES CORRÊA Colaboração: José Francisco Simões Corrêa No início do mês, dia 02 de abril, relembramos o nascimento de Francisca Menezes Simões Corrêa, minha mãe que nasceu em 1899, no final do século XIX, e no final do mês, dia 28 de abril relembramos, a partida de Francisquinha, (como era tratada por grande parte da família) em 1993, sete anos antes de entrarmos no século XXI. Minha mãe enquanto teve saúde, sempre foi muito trabalhadeira e prendada. Aprendeu a costurar com sua irmã mais velha, que mais tarde foi para Clausura no convento em Marseille, na França. Sabia também tecer, na Roca e no Tear, onde quando solteira, fazia trabalhos durante o dia e às vezes em luz de

Almanaque nº 1
Peripécias 12