Views
4 months ago

Almanaque2

Almanaque número 2, com o conteúdo completo das edições nº 7 a nº 12 da Revista Mensal Peripécias Contendo as Seções Destaques, Túnel do Tempo, Sociais, Turismo, Literatura, Sala de Leitura, Teatro, Arte, Personalidades, Poesias, Atualidades, do Fundo do Baú, Fotografia, Formaturas, Humor, Culinária, Esportes, Curiosidades, Aniversariantes, Classificados, Biblioteca, História de Família e Espaço do Leitor.

candeeiro, como contava.

candeeiro, como contava. Já casada, administrando o lar, costurava para ela, para meu pai, minhas irmãs, e para os filhos, fazendo camisas, inclusive, camisas sociais de punhos duplos, e ainda costurava para os sobrinhos e também para as netas principalmente. Fora os trabalhos de artesanato como bordados, tricô, crochet e o chamado filé. Uma espécie de rede, onde depois era preenchido com um bordado, após a rede ser esticada em uma moldura de madeira, para o trabalho de bordado ser efetuado. Sabia fazer renda de bilros, como se faz no Nordeste, e era uma perfeccionista nos trabalhos, por muitas vezes feitos após o jantar. Por vezes dizia assim “ Não está bom, não estou gostando. Vou desmanchar tudo e fazer de novo “. Era persistente em fazer direito. Na foto acima, da esquerda para direita: Antônio, José, Rosa (de laço), Maria (a freira), Manuel, Francisca, Paulina, Francisco, Jeremias (o Padre), Josão e Izaias, em pé, entre meus avós.

Nunca vi minha mãe andar de sapato baixo. Normalmente em casa andava de chinelo, do tipo acolchoado. Raras vezes, de sapato de salto alto. Sempre que saia à rua, quando mais nova, o sapato tinha o salto um pouco mais alto. Com mais idade, salto um pouco mais baixo, mas tinha salto. Não gostava de andar de ônibus. Preferia o bonde. Se estivesse muito cheio, esperava outro, mais vazio, desde que tivesse tempo. Ou então pegava um Carro de Aluguel (taxi) como se chamava antigamente, dependendo da urgência que o assunto a resolver requeresse. Por outro lado, andava muito a pé. Frequentemente, ia e voltava caminhando, à missa na Igreja de Santo Afonso, na Rua Major Ávila, próximo à Praça Saenz Peña, ou então na Matriz de Nossa Senhora de Lourdes, na avenida 28 de Setembro. Muitas vezes voltava de consulta médica, na Ordem Terceira de São Francisco de Paula, na Rua Almirante Baltazar, em frente à Quinta da Boa Vista, no Bairro de São Cristóvão, até em casa caminhando. Era também um esteio para os irmãos João e Izaías, que moraram quando solteiros lá em casa, os quais a consideravam como uma segunda mãe. Principalmente depois que meu Pai partiu, eles davam ainda uma atenção maior a ela, sempre preocupados em que estivesse bem. Minha mãe tinha cuidado com a saúde, era muito metódica e organizada, até nas finanças. Tinha um livro que era chamado de livro das compras, onde fazia anotações diárias e tinha controle de tudo. Também lia muito.

Almanaque nº 1