Views
1 week ago

Almanaque2

Almanaque número 2, com o conteúdo completo das edições nº 7 a nº 12 da Revista Mensal Peripécias Contendo as Seções Destaques, Túnel do Tempo, Sociais, Turismo, Literatura, Sala de Leitura, Teatro, Arte, Personalidades, Poesias, Atualidades, do Fundo do Baú, Fotografia, Formaturas, Humor, Culinária, Esportes, Curiosidades, Aniversariantes, Classificados, Biblioteca, História de Família e Espaço do Leitor.

O Ney também sempre foi

O Ney também sempre foi muito controlado e organizado com as finanças. Me lembro das vezes que ficava na casa dele que ele tinha envelopes dentro do guarda-roupa cada um destinado a pagar uma conta (aluguel, luz, gáz, etc.). Na foto abaixo o Ney com minha mãe, a avó Pequetita e o Neyzinho. A FNM logo depois foi comprada pela FIAT que depois transferiu a unidade industrial para Betim. Na foto abaixo com o Neyzinho em Brasília na SQS 107. Voltamos a ter contato mais próximo quando voltamos a morar no Rio, na ocasião ele tinha se mudado para um dos apartamentos que meu pai recebeu na rua Santa Luiza e já não trabalhava mais na FNM. O ex-chefe dele na FNM, Coronel Aury, o tinha convidado para trabalhar na Carvalho Hosken S/A. Eu fiquei morando com meus pais em Niterói, na rua Coronel Moreira César, 341 e na ocasião namorava minha atual esposa Mara Liângela. Preocupado porque eu não estava trabalhando o Ney me levou para São Paulo para trabalhar também na Carvalho Hosken, onde fiquei quase dois anos.

Fomos de carro (ele tinha um Volkswagen branco, placa DH-8794) e na ida ele fez questão de passarmos em Itajubá. Eu não me lembrava de grande coisa de Itajubá então ele foi me mostrando onde moramos, a Fábrica de Armas, etc. De São Paulo fui para Brasília onde troquei de emprego, me casei e depois de algum tempo voltei para o Rio de Janeiro. O Antônio Rakauskas era o Diretor Financeiro da metalúrgica. Na foto abaixo o Neyzinho e a sogra, D. Maria Dias Gonçalves, no Clube Marapendi, na Barra da Tijuca, onde ele era sócio. O Ney não trocou mais de emprego, trabalhou na Carvalho Hosken até adoecer e falecer. Foi durante algum tempo Diretor Presidente de uma metalúrgica em Campo Grande que tinha sido comprada pelo Carlos de Carvalho, dono da Carvalho Hosken. Preocupação com os irmãos, futebol, manter as roupas organizadas, os sapatos sempre limpos e engraxados, curtir os programas humorísticos (era fã do Tutuca, da Praça é Nossa) e acompanhar pelo rádio os jogos do flamengo, foram hábitos que preservou.

Almanaque nº 1
Peripecias 11
Peripécias 12