Views
5 months ago

Almanaque2

Almanaque número 2, com o conteúdo completo das edições nº 7 a nº 12 da Revista Mensal Peripécias Contendo as Seções Destaques, Túnel do Tempo, Sociais, Turismo, Literatura, Sala de Leitura, Teatro, Arte, Personalidades, Poesias, Atualidades, do Fundo do Baú, Fotografia, Formaturas, Humor, Culinária, Esportes, Curiosidades, Aniversariantes, Classificados, Biblioteca, História de Família e Espaço do Leitor.

Pisa O trem de Florença

Pisa O trem de Florença pra Pisa é bem confortável. Viagem de 1 hora e alguns minutos. Um monte de plantações Chegando a Pisa saímos da estação de trem (bem bacaninha) e resolvemos perguntar a direção paro nosso hotel numa lojinha. Atendente chinesa nos mandou pegar um ônibus. Graças a Deus duvidamos da indicação da criatura e perguntamos a um motorista de ônibus (italiano) antes se entrarmos no dito. Resultado: era só atravessar a rua e seguir em frente. Lição aprendida: não confie em "ching lings". Monte de universidades. Gente jovem para todos os lados. Barulhentas... alegres. Muito movimento nas ruas. Preços mais baixos para tudo, da comida aos artigos da Ferrari. Gente simpática. Marroquinos aglomerados em pontos específicos da cidade vendendo de um tudo pelas ruas. De bolsas "Prada" (horrivelmente falsificadas) a trenzinhos de madeira... Ciganas pedindo dinheiro pelas ruas... Basta ignora-Las e elas se mandam. Feirinha de artesanato bem legais. O italiano é um povo bonito. E nosso hotel tem elevador!!!! Cidade pequena, os pontos turísticos estão praticamente todos no mesmo lugar. Em 1 dia se conhece tudo. Maravilhas arquitetônicas. É de cair o queixo. Amanhã é rodar pela cidade olhando os prédios, ruas e ruelas. E estamos deixando Piza. Bela cidade. Pequena e simpática.

Por Nereu Corrêa UM FRANCÊS QUE ENSINOU PORTUGUÊS NO BRASIL Léon Eugéne Lapagesse é patrono de uma Escola na cidade de Criciúma, em Santa Catarina. Para merecer essa honra, só poderia ser um professor ou pessoa ligada ao magistério catarinense. De fato, a homenagem recaía sobre uma das figuras mais notáveis da galeria de professores que, no último quartel do século XIX, integraram o nosso magistério. Mais que um professor, era um mestre na verdadeira acepção da palavra. Sua contribuição não se limitou apenas a dar aulas nas várias disciplinas que lecionou, senão também a publicar livros didáticos de sua autoria, escritos no Brasil para estudantes brasileiros e adotados oficialmente nas escolas da época. Nascido na cidadezinha de Barcus, na França, Léon Eugênio Lapagesse chegou ao Brasil em 1874, vindo diretamente para Santa Catarina, depois de uma curta temporada em Buenos Aires. Léon Eugênio Lapagesse não tinha mais que vinte anos quando aportou no Desterro, como então se chamava a capital da Província. O seu primeiro emprego público, obteve-o em 1883, quando foi nomeado professor efetivo da Escola Mista da Primeira Entrância do Arraial de Itacorobi, com os vencimentos anuais de 700$000 reis. Ainda em 1883 foi nomeado professor efetivo da cadeira de francês no Instituto Literário e Normal e, em 1892, lente interino de francês no Ginásio Catarinense. Além dessa matéria, o professor Lapagesse lecionou latim, inglês, português e matemática. Na bibliografia de obras publicadas do ilustre mestre constam os seguintes títulos Exercícios de Sintaxe Francesa (1891), Manual de Verbos Irregulares da Língua Francesa (1892), Gramática Portuguesa (1892), Rudimentos de Aritmética (1892) e Homenagem ao Mérito, onde reuniu uma série de artigos sobre o Dr. Paula Guimarães, 1890. A sua Gramática Portuguesa, foi oficialmente adotada nas escolas catarinenses, o que nos diz dos méritos dessa obra, numa época em que se contavam nos dedos os compêndios de língua portuguesa. Os jornais desterrenses teceram-lhe os maiores elogios. Vejamos o que disse o Jornal do Comércio, em artigo publicado a 16 de outubro de 1889: "O Manual dos Verbos Irregulares foi um mimo precioso feito à mocidade que se dedica ao estudo do belíssimo idioma francês; a Gramática Portuguesa é um valiosíssimo presente aos que querem conhecer a língua de Camões". Do jornal Regeneração destaco este trecho: "Temos sobre a mesa esse trabalho que dignifica exuberantemente o gênio do distinto professor, o seu incontestável talento, a sua orientação e além de tudo o seu grande interesse". E, mais adiante: "A nossa instrução, portanto, já deve muito ao Sr. Lapagesse, e se procedessem assim todos os que tomaram sobre os ombros a tarefa de instruir a mocidade, não seria indubitavelmente tão triste o seu estado".

Almanaque nº 1