Views
7 months ago

Revista +Saúde - 10ª Edição

RUGAS NUNCA MAIS! RUGAS

RUGAS NUNCA MAIS! RUGAS NUNCA MAIS! 74, O envelhecimento da pele é um processo contínuo que afeta não só a aparência, mas também a função cutânea. No entanto, nem todos envelhecem na mesma velocidade, evidenciando que fatores intrínsecos, extrínsecos e o estilo de vida contribuem para o processo de envelhecimento. A exposição crônica ao sol acelera e agrava este mecanismo. A idade da pele de um indivíduo pode ser mensurada pela presença de determinadas alterações, como, por exemplo, rugas, sulcos, flacidez, perda volumétrica, pigmentação alterada ou por uma avaliação global da aparência. As rugas resultam de mudanças estruturais que ocorrem em áreas específicas da derme do subcutâneo, em consequência ao processo de envelhecimento cutâneo intrínseco e extrínseco. O uso médico da toxina botulínica, tanto na terapêutica quanto na área cosmética, representa um avanço científico nas pesquisas com microrganismos. Desde a descrição do botulismo como doença, a identificação do agente etiológico, a obtenção da toxina até seu uso clínico, muitos anos se passaram e inúmeras pesquisas foram publicadas. Hoje, após esse longo caminho percorrido, diversos usos da toxina botulínica estão consagrados e este medicamento tronou-se sinônimo de glamour, beleza e bem estar. Ação da toxina botulínica. A toxina botulínica age como um bloqueador neuromuscular, ou seja, bloqueando a transmissão de estímulos dos neurônios para os músculos, impedindo, parcial ou totalmente, a contração muscular. No caso das linhas de expressão, o benefício se dá de duas maneiras: 1 – De forma preventiva: como a contração muscular é paralisada não haverá a formação de rugas pela movimentação muscular na área em que foi aplicada a toxina botulínica. 2 – De forma reparativa: como a toxina botulínica tira a tensão da musculatura, as rugas, causadas por esses músculos, são amenizadas. Indicações. O uso cosmético da toxina botulínica revolucionou a dermatologia estética e hoje, além do tratamento de rugas, tais como, rugas nas laterais dos olhos, pés de galinha e marcas de expressão facial, mostra-se efetiva para as rugas de colo e pescoço, elevação da ponta do nariz, sorriso gengival, sudorese excessiva nas mãos, pés axilas, face e região inguinal, dentre outros. Atualmente se dispõe de diversos meios terapêuticos não cirúrgicos para o tratamento das

ugas faciais, mas certamente a toxina botulínica é uma das terapias mais eficazes e bem estabelecidas. Como é feita a aplicação? No exame clínico prévio ao procedimento, deve-se atentar para as assimetrias faciais do paciente, decorrentes da diferença de força muscular entre o lado direito e o esquerdo, que podem ser atenuadas ou até mesmo acentuadas, dependendo dos locais e das doses de aplicação da toxina. O exame físico da musculatura facial é muito importante e deve ser valorizado na condução da marcação dos pontos a serem tratados. Na aplicação do produto o paciente deve estar sentado, podendo empregar cremes anestésicos ou gelo para suavizar a aplicação. O tratamento envolve injeções com o uso de agulhas bem fininhas de pequenas quantidades de toxina botulínica nas áreas afetadas, é bem tolerado e demora poucos minutos, sem necessidade de afastamento ou período de recuperação prolongado. Cuidados pós-aplicação. Os pacientes são orientados a não deitar até 4 horas após a aplicação da toxina botulínica e não realizar atividades físicas nesse dia. Duração. A toxina começa a fazer efeito após 72 horas e este efeito perdura por cerca de 3 a 6 meses até que desaparece gradativamente, enquanto a ação muscular retorna. Manutenção dos resultados. Para a manutenção e otimização dos resultados, sugere-se um intervalo de aplicação em torno de 4 a 6 meses para evitar a formação de anticorpos neutralizantes e, consequentemente, ausência de resposta terapêutica. Efeitos colaterais. Os efeitos colaterais são mínimos e relacionam-se com a injeção local. Dor ou edema podem surgir em torno do local da injeção. Em casos raros, os pacientes podem desenvolver dor de cabeça, ou fraqueza temporária dos músculos vizinhos. Todos estes possíveis efeitos são leves e temporários e na maioria dos casos não limitam significativamente as atividades rotineiras. RUGAS NUNCA MAIS! ,75 MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 06 E 07

Revista +Saúde - 2ª Edição
Revista 015 - 10ª Edição
REVISTA AUGE - EDIÇÃO 27 - SAÚDE E BEM ESTAR
Revista Em Diabetes - Edição 4
Revista Em Diabetes edicao 12
Revista Em Diabetes Edição 10
Revista da Desenvolve SP 6ª Edição
Revista EmDiabetes Edição 16
saude mental 2012 FINAL 5.indd - BVS Ministério da Saúde
Revista Em Diabetes Edição 09
manual de condutas - Portal Saude Brasil . com
Edição 16 | Ano 8 | No.3 | 2010 REVISTA - Contemporânea - Uerj