Views
3 months ago

Anatomia_Topogrfica__MMSS_resumo

exercicios

Ana Karoline Bittencourt

Ana Karoline Bittencourt Alves MED 12.2 ANATOMIA DO MEMBRO SUPERIOR – Carla Gabrielli o o o o o o Artéria colateral ulnar superior (vem direto da artéria braquial, acompanha o nervo ulnar ao passar pela incisura para o nervo ulnar próximo ao epicôndilo lateral do úmero) Artéria colateral ulnar inferior que também sai diretamente da artéria braquial Artéria recorrente ulnar anterior (passando na frente do epicôndilo medial, se origina da artéria ulnar) Artéria recorrente ulnar posterior (passando atrás do epicôndilo medial, se origina da artéria ulnar) Artéria recorrente radial: proveniente da artéria radial Artéria recorrente interóssea (tem origem na artéria interóssea posterior, que se originou juntamente com a artéria interóssea anterior a partir da artéria interóssea comum, que veio da artéria ulnar). Apêndice: recorrentes porque têm um trajeto oposto ao da artéria que deu origem, neste caso, têm sentido cranial ao invés de caudal. As anastomoses são: 1. Artéria colateral ulnar inferior + artéria recorrente ulnar anterior 2. Artéria colateral ulnar superior + artéria recorrente ulnar posterior 3. Artéria colateral radial + Artéria recorrente radial 4. Artéria colateral média + Artéria recorrente interóssea Se houver a necessidade de ligar a artéria braquial, deve-se fazê-lo preferencialmente após a origem da braquial profunda, para que tenha anastomose com o ramo da radial e com um ramo indireto da ulnar, então o fluxo sanguíneo fica garantido por certo tempo, até o procedimento de correção. Mas quanto mais inferior puder ligar, melhor, já que garante as anastomoses. # Artérias colaterais tem o mesmo sentido de fluxo da artéria principal de origem, enquanto as artérias recorrentes tem fluxo oposto, similar ao fluxo de veias. Veias: • Profundas - satélites das artérias • Veias radiais e ulnares se unem para formar as veias satélites da artéria braquial • Todas as outras, até as anastomoses tem homônimas • Superficiais: basílica, cefálica, intermédia do antebraço, intermédia do cotovelo e variações. A cefálica e a basílica vem de uma rede venosa do dorso da mão e a intermédia do antebraço vem de uma rede venosa palmar (Rede Venosa dorsal superficial da mão, Rede Venosa Palmar Superficial da mão) • Ao nível da fossa cubital existem várias comunicações do sistema venoso superficial e as profundas - veias perfurantes, garantindo o retorno venoso Nervos • Motores o o Compartimento anterior são dois os nervos responsáveis, o nervo mediano e o nervo ulnar, a maioria é o nervo mediano • Nervo ulnar inerva: • Inerva o flexor ulnar do carpo e a parte medial do flexor profundo dos dedos, a parte dos músculo cujos tendões vem para o quarto e quinto dedo. Acompanha a artéria ulnar • Nervo mediano inerva: • Inerva todos os outros músculos do compartimento anterior, pronador redondo, palmar longo.. no punho, tem um ponto chave onde podemos encontrar o nervo mediano afastando os tendões: entre os tendões do palmar longo e do flexor radial do carpo Compartimento posterior, para todos os músculos é o nervo radial, sem nenhuma exceção. Logo pacientes com lesão de nervo radial, se for uma lesão na altura do

Ana Karoline Bittencourt Alves MED 12.2 ANATOMIA DO MEMBRO SUPERIOR – Carla Gabrielli cotovelo, pode ser que parte dos ramos motores, distalmente à lesão, vai ficar comprometida, então o paciente vai ter dificuldade ou não vai fazer a extensão do punho, nem a extensão do polegar - indicativos de lesão do nervo radial • Cutâneos: o Nervo cutâneo medial do antebraço (proveniente diretamente do fascículo medial) o Nervo cutâneo lateral do antebraço: ramo do nervo musculocutâneo o Nervo cutâneo posterior do antebraço (proveniente do nervo radial) o Ramo superficial do nervo radial (que vem até o dorso da mão) MEMBRO SUPERIOR V • Articulação radio-ulnar distal • Articulação do punho (não mais PULSO, termo agora designado para a pulsação arterial) • Mão ARTICULAÇÃO RADIO-ULNAR DISTAL • Entre as epífises distais do rádio e da ulna. Nessa extremidade distal temos a cabeça da ulna, estrutura arredondada que fica saltada na face dorsal medial e vai se encaixar na incisura ulnar do rádio. Tem uma classificação igual a da proximal - sinovial trocoide uniaxial (ulna permanece como osso fixo e rádio gira ao redor dela), em termos funcionais é dependente da articulação radio-ulnar proximal. • Possibilitam os movimentos de pronação e supinação (posição anatômica em que o rádio e a ulna estão paralelos entre si, e quando foram um X, em que um cruza sobre o outro, respectivamente) • Logo, os movimentos de pronação e de supinação são realizados pelas duas articulações radio-ulnares e de maneira dependentes entre si. O movimento de 'giro' da mão se deve à supinação e pronação do antebraço. • Por ser uma articulação sinovial tem uma cápsula articular e todos os elementos característicos e tem dois espessamentos dessa cápsula pela face posterior ou dorsal e anterior ou ventral: são os ligamentos rádio-ulnares anterior e posterior • Músculos que movem a articulação radio-ulnar distal (mesmo músculos atuantes na proximal, já que são dependentes): o Principal supinador é o bíceps braquial auxiliado pelo supinador o Movimento de pronação: realizado pelo pronador redondo e pelo pronador quadrado ARTICULAÇÃO DO PUNHO: • Articulação rádio-cárpica • Articulação formada entre a extremidade distal do rádio e a fileira proximal dos ossos do carpo (ossos escafoide, semilunar, piramidal e pisiforme) - a ulna também participa indiretamente dessa articulação, isso porque entre a face articular de sua cabeça e os ossos dessa primeira fileira existe um disco articular. • Articulação sinovial, elipsóide, biaxial (em um eixo transversal ou latero-lateral os movimentos possíveis são os de flexão e extensão do punho, já em um eixo sagital ou antero-posterior promovendo um desvio radial ou abdução da mão e desvio ulnar ou adução • O punho também realiza a circundunção (basta ter esses 4 movimentos - ele é a soma dos 4, e não na verdade um terceiro movimento- um importante adendo, apesar de a circundação do ombro contar com 6 tipos de movimento, não precisa ter rotação para ter circundunção) • Elementos articulares:

Exercícios Exercícios Juros e Porcentagens Juros e Porcentagens
Máis exercicios - Xunta de Galicia
Ritmos Biológicos e Exercício Físico - FEA
EXERCÍCIOS COM SUAS RESPOSTAS - Editora Pollux
servidor efetivo estar em efetivo exercício – mesmo aqueles em ...
Aula 02 - Exercícios - Prof. Allbert
Formação e exercício profissional do Nutricionista no Programa ...
Como prescrever o exercício no tratamento do Diabetes ... - Uniube
Biometria - Exercícios 2 - Probabilidade - Resolução
Regime de exercício da actividade industrial - Adegas
Regulamentação do Exercício Profissional no Sistema CONFEA ...
Biometria - Exercícios 1g - Criação de gráficos
Exercícios de Concordância - Sagrado - Rede de Educação
Síncope Relacionada ao Exercício: Qual a Importância ... - DERCAD
Diretriz em CarDiologia Do esporte e Do exerCíCio Da soCieDaDe ...
Instrumentos para a fiscalização do exercício profissional ... - CFESS
caderno de exercicios manual de direito adm.
Exercícios de concordância - Sagrado - Rede de Educação
Exercícios de Sistemas Numéricos
Exercicio - Universidade de Coimbra
Biometria - Exercícios 2 - Probabilidade
Biometria - Exercícios 5 - Teste t para dados emparelhados
Trigonometria - Teoria e Exercícios - Projeto Rumo ao ITA
Termologia - Teoria e Exercícios - Projeto Rumo ao ITA
2. Tipos de exercício e protocolos - Leonel Bernardino
gru apresentação- encerramento do exercício - Ministério da Fazenda