GAZETA DIARIO 576

gazetadiario

14 Cidade CONSCIENTIZAÇÃO Campanha de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes será lançada na próxima segunda-feira Audiência pública na Câmara de Vereadores marcará o início da programação, que contará com caminhada, blitze e palestras ao longo da semana AMN Reportagem Foz do Iguaçu, sexta-feira, 11 de maio de 2018 Caminhada O dia 18 de maio, lembrado nacionalmente como o Dia de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, será marcado pela tradicional caminhada na Avenida Brasil envolvendo a rede proteção, órgãos colegiados, secretarias municipais e jovens assistidos por entidades sociais. O início da passeata será às 8h30, com saída em frente ao 34º Batalhão e chegada à Praça da Paz, na Avenida JK. No domingo (20), a programação terminará com a distribuição de materiais informativos na Feirinha da Avenida JK. A Secretaria Municipal de Assistência Social e a Rede Proteger lançarão, na próxima segunda-feira (14), a Campanha de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes no município de Foz do Iguaçu. O início das atividades será às 14 horas, na Câmara de Vereadores, com uma audiência pública sobre o tema. A programação seguirá ao longo da semana com uma série de atividades, incluindo caminhada, rodas de conversa, palestras e blitze educativas. A Secretaria Extraordinária de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, a Secretaria de Saúde, o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) e o Conselho Municipal da Assistência Social (CMAS) integram a organização da campanha, que conta ainda com o apoio da Itaipu Binacional, Sest/Senat e Senac. Segundo o coordenador local, Gabriel Rugoni Machado, o objetivo é despertar a atenção das autoridades e da população em geral para a identificação e o enfrentamento à violência contra crianças e adolescentes. A semana escolhida para a campanha faz alusão ao Dia Nacional de Combate à Violência e à Exploração Sexual Infantil, lembrado em 18 de maio "A campanha também quer incentivar as pessoas que presenciarem ou suspeitarem de algum tipo de abuso ou agressão a denunciar por meio do Disque 100 ou Conselho Tutelar", adiantou. Para a secretária de Direitos Humanos, Rosa Maria Jerônymo Lima, o combate à violência sexual deve ser um trabalho permanente de toda a sociedade. "É preciso engajamento da população, das instituições, das famílias e do governo na prevenção dos crimes sexuais, no fortalecimento das denúncias e no comprometimento da rede, para que juntos possamos garantir a proteção integral de nossas crianças e adolescentes", disse. A semana escolhida para a campanha faz alusão ao Dia Nacional do Combate à Violência e à Exploração Sexual Infantil, lembrado em 18 de maio, data em que Araceli Cabrera Sanches foi morta, em 1973, aos 8 anos de idade. Programação Na terça-feira (15), alunos especiais do Nosso Canto (Centro de Adaptação Neurológica Total) e jovens assistidos pelo CREAS Norte e CRAS participarão de uma roda de conversa sobre o tema. Na quarta-feira (16), uma blitz educativa, com distribuição de panfletos, acontecerá, a partir das 9 horas, na Avenida Paraná. Também na quarta-feira serão realizadas oficinas e palestras no CREAS Leste e na ocupação do Bubas. Na quinta-feira (17) haverá a distribuição de material informativo no Terminal de Transporte Urbano de Foz, a partir das 7h30. Na sequência serão promovidas rodas de conversa no CREAS Nordeste e uma palestra na Fundação Cultural. Os trabalhos de conscientização chegarão aos trabalhadores da Itaipu Binacional, ao Senac e à faculdade Cesufoz nos períodos da tarde e noite de quinta-feira (17). História O dia 18 de maio foi escolhido em razão da história de Araceli Cabrera Sanches, morta em 1973, aos 8 anos de idade. Araceli foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e assassinada por membros de uma tradicional família do Espírito Santo. Seu corpo foi encontrado seis dias depois, desfigurado por ácido. Os agressores jamais foram condenados. "O caso Araceli aconteceu há 45 anos, e os agressores permaneceram impunes. Crimes semelhantes acontecem diariamente no nosso país, e nós, como sociedade, não podemos permanecer calados. É preciso denunciar e lutar pelo fim do abuso e da violência contra crianças", disse Gabriel. Denuncie Além do Disque 100, criado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, a população pode denunciar os crimes pelo 0800-451407, ou pelos telefones dos Conselhos Tutelares de Foz do Iguaçu (99921-7576 e 99997-4114).

More magazines by this user
Similar magazines