Revista Magno

colegiomagno

Uma publicação

do Colégio Magno/Mágico de Oz

Dezembro de 2017

Tecnologia educacional

Magno é Escola

Referência Google

Educação internacional

Inglês para

a vida toda

Planeta Magno 50 anos

A hora e a vez da

sustentabilidade

1


2


Editorial

Valores em ação

Aqui começa mais uma

edição de nossa Revista. São

muitas notícias, reportagens,

reflexões que traduzem o

espírito do Colégio Magno.

Mas, será que uma escola é

feita de projetos, atividades

e eventos?

Não se deixe enganar: uma

escola é feita de valores,

princípios e convicções.

Por trás de cada reportagem

e cada foto, estão os nossos

valores centrais.

A Revista do Magno espelha

nossa convicção de que a

boa educação deve ser integral:

crianças e jovens têm

cérebro, mas também possuem

corpos, sentimentos e

sonhos. Eles são seres individuais,

mas também coletivos,

sociáveis e afetivos. Por

isso, um bom projeto educativo

deve considerá-los em

suas múltiplas dimensões.

Mas, uma educação integral

pressupõe indissoluvelmente

um ensino acadêmico

de excelência. É função da

escola preparar as novas

É função da escola

preparar as novas

gerações para os

desafios do mundo.

E o mundo em que

vivemos é cheio

de possibilidades.

gerações para os desafios do

mundo. E o mundo em que

vivemos é cheio de possibilidades,

porém, competitivo,

incerto e exige o melhor de

nosso potencial cognitivo.

Quando falamos mundo,

queremos dizer mundo

mesmo. Este é o sentido

profundo da globalização. A

boa educação deve preparar

para uma cidadania planetária.

Isso significa que nossos

alunos precisam sair da

escola proficientes em um

idioma internacional, capazes

de se relacionar, aprender

e viver culturas diferentes

da sua. Este é o espírito

do Middle School, do High

School, dos nossos cursos de

Inglês e Espanhol.

O Magno sempre se orientou

pelas demandas de seu

tempo. A tecnologia, hoje

difundida em todas as atividades

da Escola, não é mais

que uma das linguagens de

nossa época, que crianças e

jovens precisam dominar –

com ética e inteligência.

Pronto, agora, ficará ainda

mais interessante ler nossa

revista. Mais do que saber

o que fazemos, vocês lerão

um pouco de nossa alma.

Boa leitura!

Myriam Tricate

Diretora do Colégio Magno/Mágico de Oz

3


4

FORMANDOS MAGNO 2017


Realização

Palavra Prima

11 9 9960-3162

Jornalista Responsável

Paulo de Camargo - Mtb 21.761

Redação

Paulo de Camargo

Daniel Morbi

Revisão

Equipe do Colégio Magno

Fotos

Comunicação do Magno: Rodrigo

Messias, Vinícius Silva e Victor Almeida

Tratamento de imagens:

Cecília Laszkiewicz

Produção Gráfica

Orlando Pedroso/Estúdio Bala

Esta revista é uma publicação

do Colégio Magno/Mágico de Oz

Unidade Campo Belo

(Ed. Infantil e

Ensino Fundamental I)

5041-2566

Unidade Olavo Bilac

(Berçário e Ed. Infantil)

5522-1555

Unidade Sócrates

(Ensino Fundamental

e Ensino Médio)

5685-1300

Índice

Editorial 1

Bebês com Música 3

Bebês com Arte 7

Minha casa é todo lugar 8

A hora do código 11

Festival gastronômico no Mágico de Oz 12

Conhecendo profissões 14

Rede de leitores 16

Espaços inspiradores 17

Bibliotecas vivas 18

Malucos por Ciências 20

Ideias em debate, pensamento em ação 24

Alunos... ou professores??? 26

Escola referência google 27

Um debate sobre o Ensino Médio 29

Líderes sustentáveis 30

Protagonistas até debaixo de chuva 32

Observando os rios, transformando a água 34

Uma bomba de sementes 37

De corpo, alma, mente e coração 38

Andar de bicicleta também se aprende na escola 40

Laboratórios de inovação 42

Inovar também na formação de professores 44

Suando a camisa 46

Física na piscina 48

Esporte para gostar de esportes 50

Esportes para buscar a superação 52

Middle agora começa no 6º ano 54

Inglês real para a vida real 55

Galinha Ruiva ou... The Little Red Hen 56

Pizza Place 58

Ultrapassando fronteiras 59

A África é aqui 60

É English! É Festival! É Magno! 62

A Escena: um projeto interdisciplinar 64

Magno é Cultura 66

O Corpo é a casa 68

Cinema ambiental 69

Flores por todos os lados 70

A hora da sustentabilidade 72

Planeta Magno 50 anos 76

www.colegiomagno.com.br

magno@colegiomagno.com.br

5


Baby Oz

Bebês comMúsica

A música desempenha um papel

central no desenvolvimento cognitivo.

É uma linguagem própria,

que estimula sinapses, ativa conexões,

liga emoções e pensamentos.

Essa é a parte da ciência. Mas, no

Baby Oz, a música também diverte,

aproxima, torna o berçário um

lugar muito feliz.

Para ver esse espetáculo de alegrar

qualquer pessoa, basta passar por

lá, onde a música faz sempre parte

do cardápio do dia.

Recentemente, com a ajuda do

coordenador de Música, Roberto

Schkolnick, e da musicista Nidinha

Pitanga, a Sala de Música se tornou

palco das canções preferidas

das crianças.

A novidade foi que os pais também

puderam participar das

brincadeiras musicais, usando

instrumentos e brinquedos para

acompanhar as melodias.

A aula teve como objetivo apresentar

aos pais a importância do

estímulo musical para bebês.

A participação dos pais é também

muito importante para que o bebê

aprimore diferentes tipos de conhecimento

em casa.

Por isso mesmo, as famílias receberam

o repertório musical usado

no Baby Oz – para que a casa e a

Escola sejam unidas também pela

boa música.

6


7


8


Baby Oz

Bebês

com

Arte

Nem só de Música vivem os bebês do Baby Oz. Eles também adoram

fazer arte. E que arte! Enquanto ouviam canções muito sugestivas e parlendas,

falando do mar, dos peixes, dos seres marinhos, expressaram o que

sentiam, as cores vivas da alegria.

Ao lado das babás, entre peixes, tartarugas e estrelas-do-mar, os artistas

vestiram seus aventais e pintaram todo o verde, vermelho, laranja e azul

da cor do mar.

As pinturas foram expostas durante o M.A.E., Movimento Arte na Escola,

evento que celebrou o Dia das Mães.

9


Minha casa

é todo lugar

Todos os dias, os alunos do Mágico

de Oz saem de casa para ir à

escola. Mas não seria a escola uma

segunda casa para a criança? Que

atributos os diferentes lugares têm

para que nos sintamos em casa?

Será que todos moram da mesma

maneira? Quais são as diferenças

entre as casas pelo mundo? Desvendar

essas questões foi a proposta

do novo projeto da Educação

Infantil, Minha casa é todo lugar.

Durante o bimestre, os alunos

participaram de atividades que

discutem a importância da moradia

e sua relação com as pessoas.

Os alunos observaram como as

diferentes culturas exigem tipos

10


de casas diversas. Com a ajuda das

professoras, eles entenderam como

casas diferentes das que existem na

cidade grande possuem suas próprias

características e funções. E,

com a ajuda do Google Earth, eles

conseguem ver exatamente onde

estas habitações ficam.

A língua inglesa esteve sempre

presente. Recreacionistas bilíngues

participam de todas as propostas,

estimulando as crianças a se

expressar em inglês.

Mas casa é muito mais que função.

É também conforto, afeto, família,

história. A ligação das pessoas

com seus lares e a dificuldade

daqueles que não têm onde morar

também foram abordadas em atividades

que incentivam a expressão

Projeto Educação Infantil

A representação artística das casas permitiu às crianças exercitarem

a criatividade, explorando as diferentes formas dos edifícios.

Diferentes recursos são utilizados: acima, a pintura de azulejos.

Abaixo, o trabalho com tintas no Atelier do Núcleo Ambiental.

Opa, o que a tartaruga carrega nas

costas?

A sua própria casa! Conhecer animais

diferentes, que vivem em seu próprio

corpo, foi uma descoberta incrível

para as crianças.

criativa, artística e emocional das

crianças. Além disso, a construção

de moradias foi abordada por

meio de brincadeiras lúdicas.

Com imaginação e uma ótima

estrutura pedagógica, os alunos

perceberam que a casa deles pode

estar em qualquer lugar do mundo.

11


Projeto Educação Infantil

Pequenos

arquitetos

Os alunos do Mágico de Oz realizaram

várias atividades de construção

de casas com brinquedos,

mas algumas perguntas surgiram.

Como se faz uma casa de verdade?

E o que é usado para construí-la?

Ninguém melhor para responder

a essas perguntas do que uma

arquiteta! Melhor se forem duas!

Melhor ainda se elas forem mães

de crianças da escola!

Foi o que aconteceu com as

turmas da Unidade Olavo Bilac.

As arquitetas Amália Lindenberg

- mãe da Catarina, do Maternal - e

Bianca Narita - mãe do Antonio,

do Infantil I - foram à escola para

mostrar o que é necessário para se

construir uma casa.

Os alunos viram de perto várias

plantas de casas diferentes e entenderam

como interpretá-las. Todos

conseguiram ver onde ficavam os

cômodos e imaginaram como as

casas ficariam quando prontas.

Mas como sair do desenho para

uma obra real? Com muitos tijolos,

cimento e outros materiais! As

crianças puderam manusear vários

objetos de construção e perceber

para que serve cada um deles. O

peso do tijolo, o formato da telha,

o tamanho da trena, a função dos

canos, tudo foi analisado pelos

alunos enquanto eles examinavam

os equipamentos.

As arquitetas reforçaram que o

uso de roupas de segurança, como

botas e capacetes especiais, também

é importante para quem está

em um ambiente de obras.

As atividades permitiram que as

crianças desenvolvessem noções

de espaço, interpretação de

diferentes textos e cálculo, além

de incentivarem o pensamento

criativo.

12


Tecnologia

A Hora do Código

Pais e alunos do Magno/Mágico

de Oz participam

de evento mundial

sobre Ciências

da Computação

Imagine uma semana em que estudantes

do mundo inteiro se mobilizem

com um objetivo comum:

conhecer o prazer em desenvolver

programas de computador! Esta

é a proposta da Hora do Código,

movimento que reúne mais de 180

países em torno do ensino das linguagens

digitais. O Magno/Mágico

de Oz não ficou de fora!

Durante a Semana da Educação

em Ciências da Computação, que

aconteceu entre 4 e 10 de dezembro,

alunos do Infantil, do Alfa e do

Ensino Fundamental I participaram

de várias atividades envolvendo

programação. Os pais foram convidados

a escrever linhas de código

com os filhos, permitindo uma rica

troca de conhecimentos.

À primeira vista, a produção de

softwares, jogos e aplicativos pode

parecer complicada. Mas, para os

alunos, a linguagem de computadores

já é comum.

Nos últimos anos da Educação

Infantil e no início do Ensino

Fundamental I, as crianças têm

aulas de programação no currículo.

Assim, usam a tecnologia para se

expressar, desenvolver a imaginação

e solucionar problemas de

forma criativa!

13


Educação Infantil

Festival

Gastronômico

no Mágico

de Oz

Cozinheiros preparando pratos

saborosos em uma alegre agitação,

típica dos festivais de gastronomia.

Quem eram os chefs de cozinha?

Os próprios alunos, que fizeram

muitas comidinhas gostosas para

servir. E o cenário, o refeitório do

Mágico de Oz!

A primeira tarefa proposta foi

obter os ingredientes que seriam

usados. Nem foi preciso ir longe:

bastou uma visita ao Núcleo Ambiental.

Lá, as turmas do Minimíni,

Minimaternal e Maternal colheram

frutas e legumes para suas receitas.

Com as professoras, escolheram

um cacho de bananas, as cenouras,

beterrabas, couves e vários temperos.

No mercado da Vila Oz,

compraram ovos, molhos e tudo

aquilo que tornaria o prato ainda

mais gostoso.

Depois de colherem e adquirirem

os ingredientes, os chefs prepararam

sucos, bruschettas, pães, patês

e bolo. Mas não seria um verdadeiro

Festival sem que houvesse

pessoas para experimentar os

petiscos! Um food truck especial

foi montado nas ruas da Vila Oz

e as turmas do Infantil I foram

convidadas a provar as receitas.

Foi um dia delicioso, com gosto

de quero mais!

14


15


Ensino Fundamental I

Conhecendo

profissões

Há muitos profissionais que trabalham

todos os dias no Colégio

Magno. São professores, coordenadores,

inspetores, porteiros,

faxineiros, costureiros… A lista

é enorme! Com tantas pessoas

trabalhando com coisas diferentes,

os alunos do 2º ano decidiram

conversar com os trabalhadores da

Escola para conhecer melhor as

diferentes profissões.

Para isso, os alunos aproveitaram

a oportunidade da preparação de

uma das grandes novidades do Colégio

para o final do ano, o novo

parquinho da unidade Sócrates.

O espaço está sendo construído

pela equipe de manutenção do

Colégio. Mal podendo esperar pelo

novo ambiente, as turmas foram

acompanhar os trabalhos de perto

e conheceram as pessoas que trabalham

nas obras do Magno.

Tiraram dúvidas sobre a profissão,

aprenderam quem faz o que, quais

são os instrumentos e materiais

que utilizam, como é feito o

cimento, se é necessário utilizar

equipamentos de segurança.

Além dessas perguntas, eles também

quiseram saber, em primeira

mão, quando o parquinho ficará

pronto e quais serão os brinquedos

com que irão se divertir.

Todos puderam experimentar o

que é o trabalho em uma obra.

Com o auxílio dos funcionários e

professores da Escola, manusearam

os instrumentos e ajudaram

na construção.

Toda vez que eles brincarem no

parquinho, saberão que tem um

pouco deles por lá!

Aliás, o novo parque já está pronto.

Veja a foto na quarta capa desta

edição.

16


17


Estímulo à leitura

Rede de leitores

Como as crianças aprendem a gostar

de ler? Claro, o papel da escola

é fundamental. É preciso também

que os pais deem o exemplo e

criem em casa um ambiente de

estímulo à leitura. Mas o ciclo só

estará completo se a leitura fizer

parte dos assuntos do dia a dia,

entre amigos, sem cara de aula ou

de lição.

Tudo isso vem acontecendo no

Magno. Em junho, por exemplo,

os alunos do Ensino Fundamental

I foram à biblioteca para escolher

as leituras de férias que estavam

chegando. E quem encontraram

lá? Seus colegas de Ensino Fundamental

II e Médio, e alguns funcionários

do Colégio que integram o

grupo dos Leitores de Opinião.

Num espaço especialmente preparado

para a atividade, os livros

ficaram expostos em grandes

mesas para facilitar o manuseio e

a consulta dos alunos. Os Leitores

de Opinião vestiram a camisa e

sugeriram obras de interesse de

seus colegas.

Estava formada uma rede viva de

leitura e de leitores.

18


Espaços inspiradores

Espaços vivos e interativos, tratados

com prioridade pelo projeto

pedagógico, as bibliotecas do Magno/Mágico

de Oz contam com

um acervo que cresce continuamente,

acompanhando a evolução

tecnológica, também com tablets

para a leitura de livros digitais.

Hoje, o Magno possui quatro

bibliotecas, cada uma com um

acervo preferencial para as faixas

etárias atendidas. Na Unidade

Sócrates, está a Biblioteca Central,

espaço inspirador, com a luz

natural de um belo domo, mais de-

dicada ao Ensino Fundamental II

e ao Ensino Médio. Nesta unidade,

será construída em 2018 uma nova

biblioteca, que integrará o atual

espaço do Ensino Fundamental I.

O Magno/Mágico de Oz oferece

também ótimas bibliotecas nas

Unidade Campo Belo e na Unidade

Olavo (que também passa por

ampla reforma).

Além disso, há bibliotecas volantes

e espaços informais de leitura,

como o lounge criado no pátio da

Unidade Sócrates. Tudo para que o

ambiente dos livros seja apropriado

pelos leitores.

Em todas as bibliotecas, há um

acervo atualizado constantemente,

com ficção e não ficção, bem como

materiais de estudo e formação de

professores. As famílias recebem

via ClassApp e e-mail um informativo

com as novas aquisições.

Claro, não basta ter livros. É preciso

que eles sejam lidos e basta

visitar esses espaços para ver sua

intensa utilização. Os indicadores

de empréstimos mostram um

contínuo crescimento. Afinal, ler é

mesmo muito legal!

19


Formação

Bibliotecas vivas

Como tornar a biblioteca um espaço dinâmico, interativo, criativo? Tudo

isso requer um trabalho planejado e com estratégias diversificadas. Por

isso, as bibliotecárias também passaram por uma rica formação.

Tudo começou com a visita à Estação Literária, modelo na cidade de

Guararema, da qual também participou Cátia, a chefe da biblioteca central

do Colégio. Lá, a bibliotecária Beatriz Ávila Santana, coordenadora da

Estação Literária, mostrou os diferenciais do seu trabalho. Na Estação, há

até mesmo oficinas de gastronomia, ciências, teatro e música. Na biblioteca

de Guararema, os livros estão dispostos para serem facilmente acessados,

tocados, mexidos.

Ao final, Beatriz se prontificou em vir ao Magno e, em uma manhã de

sábado, aconteceu a formação. Na conversa com as bibliotecárias da

Escola, Beatriz falou sobre a importância de uma biblioteca ser um lugar

convidativo, de encontro e, sim, de conversa. Conversaram também sobre

as escolhas dos livros, dos temas, do acervo e das muitas formas possíveis

de encantar as crianças.

Bibliotecas do Magno

Total de exemplares

em outubro de 2017

Biblioteca Sócrates:

Livros: 13990

Periódicos: 1607

DVDs: 1834

Biblioteca Ensino Fundamental I:

Livros: 9864

Jogos: 139

Periódicos: 1607

DVDs: 239

Biblioteca Campo Belo:

Livros: 4807

Jogos: 244

Periódicos: 16

DVDs: 261

Biblioteca Olavo Bilac

Livros: 4068

Jogos: 371

Periódicos: 8

DVDs: 379

20


Biblioteca central da

Sócrates: um espaço

com iluminação natural,

funciona como

o espaço central dos

livros na Escola.

A biblioteca é um

ambiente vivo, em que

os alunos aprendem,

trabalham em grupo,

acessam diferentes

recursos, como mapas,

softwares e todos os

meios pelos quais é

possível aprender.

As crianças frequentam

cotidianamente a biblioteca

da Educação Infantil, na

Unidade Campo Belo.

É um ambiente mágico,

onde as histórias são contadas,

imaginadas, vividas.

21


Educação Científica

M a l u c o s

por Ciências

22


Saber matemática é essencial.

Dominar a língua materna, imprescindível.

Mas nem sempre as

famílias se dão conta de que há

outra linguagem fundamental para

a cidadania do século XXI. Tratase

da linguagem das ciências.

Esqueça, se pensou em fórmulas

compridas e aulas chatas. A ciência

está no dia a dia. No forno micro-ondas,

na lâmpada de LED,

nos sensores. Está também nas

propriedades do sal, do fermento

e outros ingredientes da nossa

cozinha.

Tudo isso faz parte da rotina dos

alunos da Educação Infantil e do

Ensino Fundamental I do Colégio

Magno, no projeto Malucos por

Ciências.

Todas as semanas, as aulas desta

disciplina são entremeadas por

atividades planejadas para fazerem

sentido na vida dos alunos.

23


24


Educação Científica

São dezenas de experimentos, que

levam à compreensão dos procedimentos

científicos.

Na Educação Infantil, por exemplo,

as crianças aprenderam a encher

bexigas com o gás derivado da

reação de vinagre com bicarbonato

de sódio, dois itens comuns em

suas casas. A empolgação foi geral.

Recentemente, os alunos do 4º ano

foram ao MagLab para estudar

reações e acabaram na Cozinha

Experimental!

No laboratório, eles classificaram

transformações físicas e químicas.

Analisaram misturas simples, como

água com sal e fermento com vinagre

e substâncias diferentes, como

ácidos e sais coloridos.

Em cada experimento, as turmas

observaram o que aconteceu.

Houve mudança de cor? Algum

dos elementos desapareceu? Houve

derretimento? A mistura começou

a borbulhar? A partir dessas questões,

eles analisaram se as substâncias

se transformaram em outras

durante as reações.

As descobertas feitas no MagLab

foram, então, levadas à Cozinha

Experimental. Além de contar com

toda a estrutura necessária para as

aulas de Culinária, a Cozinha pode

ser um ambiente de estudo para

diferentes matérias, como foi para

o 4º ano, que colocou a mão na

massa! Com a ajuda das professoras,

os alunos cozinharam cookies,

examinando o comportamento

dos ingredientes antes e depois do

forno. Ao final, saborearam suas

descobertas, é claro!

25


Índios x Colonos

De um lado, os indígenas. Do

outro, os colonos. No centro,

problemas que começaram no

descobrimento e continuam no século

XXI. De quem é o direito de

explorar a terra? Como conviver

sem destruir culturas milenares?

Epa, mas eles parecem crianças! E

são: alunos do 4 o ano do Ensino

Fundamental I do Colégio Magno,

que participaram do debate

Indígenas x Colonos, concluindo

estudos em que eles perceberam

as diferenças entre o modo de vida

dessas personagens dos séculos

XVI e XVII e os impactos desencadeados

por essa aproximação.

Os estudantes dividiram-se em

duas bancadas, levantando argumentos

que justificassem as atuações

de cada grupo. Desse modo,

o debate possibilitou a troca de

ideias, discussões e alguns conflitos

também.

Utilizando o aplicativo Note.ly,

eles levantaram questões, compartilhando

com todos da classe.

Após o debate, os alunos regis-

Ideias em debate,

pensamento em ação

Argumentar, ouvir respeitosamente outro ponto de vista, contra-argumentar, ser capaz de rever pontos

de vista, organizar o pensamento de forma lógica e buscar as formas mais eficientes de expor as ideias.

Tudo isso está no fundamento de um bom debate – recurso pedagógico cada vez mais utilizado no Magno,

em todas as etapas, pelo potencial de desenvolver competências essenciais da vida contemporânea.

Veja, nestas páginas, três exemplos de discussões quentes e muito ricas, em três diferentes etapas do ensino:

Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II e Ensino Médio, além do High School.

Elas são de tirar a poeira dos pensamentos.

traram suas impressões em um

documento colaborativo postado

no Google Classroom.

Os estudantes aprenderam, principalmente,

o que é um debate,

como acontece e quais são as suas

regras. Adquiriram, assim, mais

do que conhecimentos históricos.

Aprenderam a expor ideias, pensar

para falar, ouvir sem preconceito

e sentir o prazer de uma boa e leal

discussão de pontos de vista.

Atividades como essas tendem a

ser cada vez mais frequentes, no

Colégio Magno.

26


Embaixadores da ONU

Direitos das crianças, maioridade tivos temas e participaram de

penal, refugiados, direitos da mulher

e trabalho infantil. Diversos aprofundar os conhecimentos

um fórum de discussão para

temas que fazem parte da pauta adquiridos. Como próximo

de discussão da ONU – Organização

das Nações Unidas foram debateram os temas escolhidos e

passo, na aula de Inglês, eles

o fio condutor para uma atividade redigiram textos, argumentando

que envolveu os alunos do 9º seu ponto de vista.

ano do Ensino Fundamental nas Os textos finais produzidos pelos

alunos podem ser conferidos

disciplinas de Geografia e Inglês.

Na aula de Geografia, os alunos neste link: www.colegiomagno.

pesquisaram sobre esses respec- com.br/onu

High School tem debate no currículo

Para o currículo das escolas norte-americanas, o debate não é apenas uma estratégia

didática. Frequentemente, há uma disciplina específica no currículo. Este é

o caso do High School, onde os alunos têm a matéria Debate.

A aula ajuda os alunos a argumentar formalmente sobre temas variados. Os

alunos aprendem a justificar seus pontos de vista, além de identificar diferenças

entre opinião e fato. Criam argumentos considerando falácias lógicas, elaborando

modelos de argumentação relevantes e eficazes para suas audiências e também

discursos contrários, de antemão, para possíveis contrapontos. Assim, todos

aprimoram suas competências discutindo temas atuais e relevantes.

Julgamento

de Sócrates

Sócrates é o filósofo lembrado

pela importância que deu ao diálogo

como forma de manifestação

do conhecimento e da humildade

de ter sempre algo a aprender. É

dele a frase: só sei que nada sei.

Seguindo os passos desse mestre

do debate, os alunos da 2ª série do

Ensino Médio encenaram um dos

mais dramáticos episódios da filosofia:

o Julgamento de Sócrates.

Vestidos a caráter, as testemunhas

de acusação, defesa e o júri foram

orientados por uma juíza de verdade,

a promotora de justiça Renata

Perin de Andrade Debski, que

conduziu o julgamento num grande

tribunal popular, ambientado

especialmente para este momento.

Os alunos foram fundo. Engajaram-se

profundamente nas atividades

que antecederam o evento,

estudaram o conteúdo, investigaram

os conceitos de justiça, tirania,

liberdade e virtude, e refletiram

sobre pressupostos e consequências

de suas posições. Por iniciativa

própria, organizaram grupos de

estudo e discussão para melhor se

posicionarem no julgamento.

Esses foram, justamente, os objetivos,

não só desta atividade, como

também das aulas de Filosofia e

Sociologia no Colégio: fornecer

um amplo repertório dos pensamentos

e teorias desenvolvidos

pela tradição, aliado a uma postura

crítica e inventiva com o intuito de

preparar os alunos para o desafio

de uma vida íntegra e consciente

no século XXI.

27


Protagonismo Juvenil

Alunos...

ou

professores?

O primeiro sábado depois do início

do segundo semestre significa

descanso para muitos alunos. Para

os alunos do Ensino Médio que

compõem o grupo de Tutores de

Tecnologia do Magno, porém, foi

dia de trabalhar e compartilhar conhecimento.

Nesse dia, eles prepararam

uma aula para pessoas mais

que especiais: seus professores.

O tema das lições foi o uso de

ferramentas do Google como

base para a produção de aulas.

Depois de aprenderem a utilizar

plataformas de armazenamento

em nuvem, como o Google Drive,

o Gmail, o Google Classroom e a

tecnologia de realidade virtual, os

alunos-tutores ensinaram, a uma

sala cheia de docentes do Colégio,

as possibilidades que a tecnologia

traz para o ensino.

Esta não foi a primeira vez. Os

tutores já se habituaram a orientar

secretários de educação, prefeitos e

profissionais da tecnologia educacional

em eventos nos escritórios

do Google, em São Paulo.

Os próprios funcionários do

Magno também foram auxiliados

na implantação dessa tecnologia

nos diferentes setores do Colégio.

A capacitação dos tutores foi

reconhecida pelo Google por meio

de certificados.

Os Tutores que ensinaram seus

mestres se sentiram realizados em

ajudá-los. Assim, experimentaram

o que é ter mente e coração de

professor.

Alunos não são apenas os

que estudam, que aprendem.

No século XXI, aprender

está diretamente ligado a

agir, a criar. Nesse contexto,

crianças e jovens do

Magno logo aprendem a ser

autores, protagonistas de

seus projetos. Parece exagero?

Nada disso. Basta dois

exemplos para ver como

rapidamente se instaura,

na Escola, uma cultura de

participação e protagonismo.

28


escola referência Google

Magno

O ano termina com uma excelente

notícia, que confirma a qualidade do

trabalho que a Escola vem realizando

no campo da tecnologia aplicada

à Educação.

O Magno acaba de ser reconhecido

como Escola Referência Google.

Ao longo dos 2,5 anos do Projeto

Google for Education no Brasil,

apenas sete instituições educacionais

receberam o selo de Escola

de Referência Google. Trata-se

de um processo rigoroso que leva

em consideração a utilização dos

Chromebooks, profissionais com

certificação Google, dentre outros

critérios. Ao se tornar uma escola

referência, o Magno passará a

constar no site oficial do Google

Education, com um perfil próprio,

utilizando as logomarcas que referendam

essa condição.

A conquista reflete o investimento

em formação que o Magno

vem fazendo nos últimos dois

anos, não apenas nas ferramentas

Google, mas em todas as frentes

em que o avanço da tecnologia

impacta a educação.

No primeiro caso, praticamente

todos os funcionários, inclusive

nas áreas administrativas, passaram

por um rigoroso processo de

certificação, que tem quatro níveis.

A equipe já possui a certificação

nível 1 e boa parte dos professores

e técnicos da área pedagógica já

atingiu os níveis 2 e 3.

Mas o processo vai muito além do

Google. Apenas nos últimos meses,

os profissionais que atuam direta ou

indiretamente nos cursos regulares e

do Full-Time passaram por formações

relacionadas ao uso de mídias

sociais, robótica, cultura it, metodologias

ativas, entre outras.

Por isso, é hora de celebrar essa

conquista, que é de todos nós.

Alexandre Campos Silva, Head Google for Education

Brasil, veio ao Magno entregar o troféu.

29


30


Um debate

sobre

o Ensino

Médio

Está na TV, nos jornais, nos corredores

das escolas: vem por aí uma

reforma do Ensino Médio que será

implantada ao longo dos próximos

anos. A reforma propõe caminhos

que o Magno já trilhou com

bastante antecipação: uma formação

mais integral, diversificação de

trajetórias, flexibilidade curricular,

estímulo ao protagonismo.

Por isso, os alunos estavam bastante

à vontade para discutir o

tema com o professor e deputado

estadual Carlos Giannazi, mestre

em Educação (USP) e doutor em

História Econômica (USP), que

veio ao Colégio para discutir o

tema da reforma.

Foi um debate rico, no qual se falou

sobre o preparo dos docentes,

as disciplinas que perderam espaço

(não no Magno) e outros aspectos.

Familiarizados com o tema, os alunos

compartilharam suas opiniões

com o deputado Giannazi e com

os professores Cazé, de História, e

Raildo, de Atualidades. Mostraram,

assim, que acompanham as discussões

sobre o futuro da educação,

ou seja, o futuro do país.

31


Magno Internacional

Líderes

sustentáveis

A preocupação com o meio ambiente

e a busca por um estilo de

vida mais sustentável deixaram de

ser apenas causas de ambientalistas

e invadiram a economia e a política,

mobilizando líderes mundiais.

Líderes de hoje e do futuro, os

alunos do Middle School deram o

primeiro passo para a compreensão

dessa realidade, participando

do Recycled Art Project.

Parte do curso Global Leaders,

do Middle School, esse projeto

coloca em debate os impactos

que as ações humanas causam no

ambiente. Depois de estudarem as

consequências da degradação ambiental,

os alunos foram desafiados

32


a pensar em soluções sustentáveis

para diversos problemas.

De início, eles colocaram a criatividade

à mostra em uma atividade

desenvolvida com materiais

recicláveis. Garrafas PET, latinhas

de alumínio, caixas de papelão,

canudos e outros itens, que seriam

lixo para muitos, se tornaram

fonte de inspiração para as turmas.

Todos criaram seu próprio buquê

de flores sustentável. Com isso, os

estudantes puderam dar um novo

e bonito significado a algo que seria

descartado. Essas peças de arte

serão avaliadas por professores da

University of Missouri.

Depois de trabalharem com

objetos reutilizáveis na escola, os

alunos conheceram uma pessoa

que faz isso como profissão. Fernando

Teles, um dos fundadores

da ONG Mangalô, veio ao Colégio

para conversar com os alunos

sobre uma das iniciativas que

promove: o EcoLar. Para ajudar

famílias que não têm condições

de comprar uma casa, a organização

desenvolveu moradias

de baixo custo, produzidas com

caixas de leite longa vida e tubos

de pasta de dente.

Os alunos colocaram

a criatividade

à mostra em uma

atividade

desenvolvida com

materiais

recicláveis

33


Middle School

34


Protagonistas

até

debaixo

de chuva

Mesmo debaixo de chuva, ninguém se intimidou.

De mangas arregaçadas, os alunos do Middle School

saíram em busca de lixo e resíduos depositados às margens

da represa de Guarapiranga, uma das principais

que abastecem São Paulo e vem sendo continuamente

deteriorada pela poluição.

O que esta ação ambiental tem a ver com a proposta

do Middle? Ora, tudo! A atividade fez parte do processo

de estudo do livro Storytelling for Change, e mostra

como este curso contribui para ampliar a formação

dos alunos, inspirando o protagonismo e o sentido de

cidadania participativa.

O trabalho estimulou os alunos a pensarem sobre

trabalho em equipe, valorização da coletividade e respeito,

além de contribuir para a preservação do meio

ambiente.

Os alunos fizeram registros fotográficos que foram

avaliados em sala de aula, tendo como base as orientações

sobre fotojornalismo que receberam anteriormente.

Após essa análise, criaram textos-legendas

sobre o quanto a ação fotografada pode demonstrar a

mudança que eles desejam ver no mundo.

35


Observando os rios,

transformando a água

Observar a realidade, estudá-la e

conhecê-la é necessário. Mas e se fosse

possível dar um passo além, buscando

soluções, intervindo, descobrindo se

é possível despoluir um rio e utilizar

a ciência para realizar a transformação?

Foi isso o que os alunos do

Magno fizeram.

36


Há dois anos, os alunos do 9º ano

do Ensino Fundamental participam

do projeto Observando os

rios - Observando o Tietê, em

parceria com a Fundação SOS

Mata Atlântica, no qual monitoram

a qualidade da água do Córregos

de Congonhas, que corre próximo

à Unidade Sócrates.

Neste ano, o projeto prosseguiu

com dois avanços importantes. Recentemente,

os estudantes realizaram

um grande mutirão de limpeza

nas margens do córrego. Depois

de encherem os sacos de lixo, eles

iniciaram uma coleta cuidadosa da

água. Com esta amostra, eles puderam

retornar à Escola e analisar

37


vários indicadores, como nível de

oxigênio, pH e a presença de uma

série de elementos químicos. Os resultados

são cadastrados no sistema

da SOS Mata Atlântica, para que

todos possam acompanhar a situação

do riacho e cobrar melhorias

das autoridades responsáveis.

Mas, desta vez, em laboratório,

os jovens deram um passo além, e

utilizaram seus conhecimentos e

técnicas para transformar a água

escura e poluída em água límpida.

Com isso, aprenderam a mudar

a qualidade da água. A Ciência

ensina a preservar e, também, a remediar

o descaso com a natureza.

O feijão com a inscrição

Magno, que está na capa

desta edição, é fruto de

uma experiência pedagógica

e científica bemsucedida,

uma vez que

foi cultivado com a água

despoluída pelos alunos.

Por isso, esse feijão é,

sobretudo, o símbolo da

crescente relevância que a

Escola dedica ao tema da

sustentabilidade, sempre

com o protagonismo dos

alunos.

38


Uma bomba

de sementes

Do conhecimento à ação

Nos últimos anos, o Magno vem

transformando seus estudos do

meio, atualizando com as demandas

dos novos tempos e buscando

tornar os alunos cada vez mais

protagonistas de transformações.

Assim, a tradicional viagem às

cidades históricas do 9º ano se

tornou também uma pesquisa de

campo para conhecer o impacto

do desastre ambiental da barragem

de lama que rompeu. Da mesma

forma, a viagem que o 5º ano faz à

Barra Bonita tornou-se uma ação

ambiental de alto impacto.

No Projeto Bombas Verdes –

Semeando uma Ideia, os alunos

do 5º ano mergulharam num

trabalho intenso de pesquisa e uso

da tecnologia a favor da conscientização

ambiental. No período que

antecedeu a viagem de estudo do

meio a Barra Bonita, os alunos

investigaram qual seria o método

mais eficaz para semear sementes

de espécies nativas da Mata Atlântica.

Na mistura da argila com o

adubo orgânico, eles encontraram

a composição ideal. No MagLab,

colocaram a mão na massa e confeccionaram

bombas de sementes.

Durante a viagem de estudo do

meio, visitaram a Fazenda Água

Sumida e, com o auxílio das imagens

feitas pelo drone do Magno,

mapearam toda a área. Após a investigação

da mata ciliar, definiram

quais seriam os pontos de reflorestamento

e lançaram as bombas de

sementes.

De volta ao Colégio, o exército

verde surpreendeu a todos na

data em que se comemorou o Dia

Mundial do Meio Ambiente. Percorrendo

todas as salas de aula, os

alunos entregaram pacotes com

bombas de sementes aos colegas

do Ensino Fundamental ao Ensino

Médio, que poderão, agora,

semear a ideia de um planeta mais

verde. O envolvimento dos alunos

foi o ponto alto do projeto, uma

vez que eles foram os protagonistas

desde o processo de pesquisa,

passando pela confecção do

material até a criação do slogan da

campanha.

39


Educação Integral

De corpo, alma,

mente e coração

O conceito de educação integral

está no DNA do Magno, do

berçário ao Ensino Médio. Está

em todas as atividades, séries e

etapas. Mas é no Full-Time que o

princípio da educação integral se

manifesta com todo o seu brilho.

Produzindo conteúdo para mídias

sociais ou aprendendo a andar

de bicicleta, jogando xadrez com

mestres ou cozinhando, esgrimindo

ou nadando, escalando ou

programando, dançando balé ou

street dance, os alunos do Full-Time

podem optar entre quase três dezenas

de atividades para descobrir

ou explorar seus talentos.

Sejam atividades sofisticadas,

como programar robôs, ou desafiadoras

e cotidianas, como dar as

primeiras pedaladas. O Full-Time é

o lugar de aprender as técnicas de

natação, jogar o esporte favorito,

de criar, pensar, fazer.

Mas, calma lá! O Full-Time também

é o espaço de estudar, fazer

as lições de casa ou se aprofundar

nos conteúdos, nos dois tempos

diários obrigatórios de estudo assistido

com as professoras especialistas

que ficam com cada turma.

Aliás, os professores estão entre os

diferenciais. Cursos extracurriculares

não podem ser vistos como

atividades de passatempo: são uma

oportunidade imperdível de desenvolvimento.

Por isso, o Full-Time

tem professores à altura de seu

projeto. São atletas e ex-atletas de

destaque inclusive internacional,

profissionais reconhecidos em seus

campos de atuação, pesquisadores,

especialistas, mestres.

Conheça duas faces aparentemente

bem distintas entre as tantas do

Full-Time, e não deixe de visitar

o portal do Magno para conhecer

todos os cursos disponíveis.

40


Full-Time agora

tem Mídias Sociais

Todo jovem sabe o que é Facebook,

YouTube, Instagram, mas

poucos percebem que as novas

tecnologias permitem que qualquer

pessoa seja capaz de produzir

conteúdo de qualidade para

alimentar essas redes.

Os alunos do Full-Time já têm a

possibilidade de descobrir seus talentos

para gerar vídeos, imagens,

roteiros e conteúdos para a web, no

curso Mídias Sociais.

Para ministrar o curso, como ocorre

nos demais cursos do Full-Time,

a Escola trouxe a especialista Josie

Moraes, professora da ESPM.

As aulas acontecem em um laboratório

especialmente construído

para esse fim e que vem se juntar

à rede de espaços de tecnologia

do Colégio, projetado em parceria

com o próprio Canal YouTube

Kids, contando com a consultoria

de dois profissionais do YouTube.

Esse espaço, denominado Lab de

Comunicação e Mídias Sociais,

tem a função de um estúdio, vivo e

criativo, onde os alunos dão vazão

à sua criatividade e aprendem a

influir positivamente, gerando

conteúdos criativos, inteligentes

e responsáveis para a web – que

pode, sim, ter muita qualidade.

41


Andar de bicicleta

também se aprende

na escola

Quando falamos sobre aprender a andar de bicicleta, vem à cabeça a casa, o parque, uma rua – sempre com

alguém atento aos carros. Mas isso também pode acontecer na escola.

Não em qualquer escola, mas certamente no Magno.

Nas aulas de Esportes de Aventura do Full-Time, os alunos deram o primeiro passo rumo a manobras ainda

mais radicais: aprenderam a se equilibrar nas bikes.

Notando que havia crianças que chegavam ao curso sem saber andar sobre duas rodas, a equipe do Magno desenvolveu

um programa de atividades especiais para elas. Usando bicicletas adequadas e realizando exercícios de

equilíbrio e de capacidade física, as aulas promovem a autonomia e a confiança dos estudantes com os pedais.

Saber andar sem as rodinhas traz liberdade e qualidade de vida aos alunos. Depois de aprender, muitos já pegaram

suas bicicletas e aproveitaram o fim de semana para passear com a família!

42


43


MAGLAB

Laboratórios

de inovação

O Laboratório de Mídias Sociais vem para se unir a uma verdadeira rede de

espaços diferenciados que o Colégio Magno/Mágico de Oz criou para atender

às novas demandas da educação.

A sala de aula ainda existe, mas é mobilizada para se tornar um espaço interativo,

de colaboração e autoria. Ao mesmo tempo, são consolidados os espaços

de criação e produção, chamados, genericamente, de Rede MagLab.

São ateliers reconfigurados para que os alunos desenvolvam projetos que envolvem

Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática (dentro do conceito

de STEAM); são espaços makers, dotados de recursos como impressoras

3D, cortadoras a laser e ferramentas; são espaços interativos diversos, que

tornam a educação uma experiência significativa, real, autoral e criativa. Há até

mesmo um laboratório específico para o ensino de Matemática, o MatLab.

Espaços que ampliam as possibilidades de aprendizagem não são novidade no

Magno. Ambientes como a Vila Oz e o Núcleo Ambiental foram inovadores e

continuam a estimular novas práticas.

O século XXI, tempo da revolução tecnológica, conferiu uma nova roupagem

aos espaços educativos e, novamente, o Colégio respondeu à altura aos

desafios de seu tempo.

44


45


Formação de professores

Inovar também

na formação

de professores

Seja com computadores, novas

metodologias, novos ambientes, o

certo é que não se faz inovação se

os professores não forem também

preparados para a inovação. Por

isso, o Magno vem oferecendo diversas

ações de formação intensivas,

em todas as áreas e para todos

os profissionais da Escola – entre

professores, técnicos e colaboradores

de todos os setores que estão

direta ou indiretamente envolvidos

com o trabalho educativo.

A ação mais recente aconteceu no

espaço maker, em uma formação

realizada pela organização social

Nave à Vela. Divididos em grupos,

os professores foram desafiados

a construir um robô capaz de

desenhar em uma folha de papel.

Os materiais de construção foram

somente alguns componentes

eletrônicos e sucatas.

Cada equipe cumpriu a tarefa,

criando soluções completamente

diferentes entre si. A partir dessa

dinâmica, alguns conceitos educacionais

surgiram para reflexão.

A cultura maker envolve aspectos

que podem ser aplicados em

qualquer tipo de aula. O trabalho

em equipe, o incentivo a diferentes

tipos de soluções e o estímulo à

formação criativa ocorreram durante

o workshop e são elementos básicos

para a educação do século XXI.

Logo depois, o

fôlego para aprender

continuava alto. Uma

nova capacitação foi

realizada, desta vez

em parceria com

a Lego. Como nas

demais, esta também

teve grupos

que reuniam até 60

professores.

Por fim, outro ótimo

exemplo é a certificação

de professores

pelo Google.

Os profissionais do

Magno já cumpriram 820 módulos:

55 professores já receberam o

certificado.

Ações bem-sucedidas iniciadas em

anos anteriores vem sendo renovadas

e ampliadas. É o caso do curso

de Inglês aberto a todos os colaboradores,

que agora será estendido

aos pais. Nessa área, aliás, todos os

professores dos cursos High School

e Middle School concluíram o

Celta, uma das formações internacionais

mais conceituadas.

A formação continuada de todos

os profissionais, em todos os setores,

é a bola da vez da Escola. No

Magno, só não aprende quem não

quer. E todos querem.

46


Pedagogias ativas

As formações acontecem em

vários formatos e modelos. Todas

conduzem para o que se chama em

pedagogia de Metodologias Ativas,

ou seja, aquelas que modificam

o secular modelo de professores

que sabem e falam, e alunos que

ignoram e ouvem.

Um grande passo foi dado no

primeiro semestre, com o curso

in-company realizado por um dos

grandes especialistas no tema, José

Moran. O curso explorou toda a

diversidade de recursos e metodologias

ativas, como a sala de

aula invertida (quando os alunos

pesquisam antecipadamente sobre

os temas e vão para a aula para

atividades de debate, aprofundamento

e produção).

Mais de uma dezena de propostas

já implantadas em sala de aula

foram apresentadas em todas as

disciplinas (inclusive de forma

interdisciplinar), utilizando todas as

ferramentas Google, como classroom,

Hangouts Google docs.

Na área de Língua Portuguesa e

Geografia, as professoras Luciana

e Tamara mostraram como utilizam

ferramentas como My Maps e

YouTube, para construir e adaptar

roteiros de livros literários, de

forma colaborativa, com dramatização

e produção de vídeos. Em

Matemática, o professor Guilherme

Lazarini mostrou como os aplicativos

Knex, Geoplano Virtual,

Tangram Virtual e Poly Geométrio

podem ajudar a aprender sobre

sólidos geométricos e as figuras

geométricas planas.

47


48


Suando

a camisa

Os grandes eventos de esportes

do Magno, como as tradicionalíssimas

Olimpíadas do Magno e as

apresentações de demonstração do

Full-Time, são bastante conhecidos

da comunidade e são lembrados

por todos os ex-alunos. Mas

é na programação de rotina que

o trabalho esportivo do Magno

demonstra a importância que o

tema tem para o projeto pedagógico.

Esse foi o caso recente da

introdução de uma nova técnica,

denominada HIIT.

Corre, pula, puxa, empurra,

agacha, arremessa. Descansa, se

alonga. E começa tudo de novo!

Quem acompanha uma aula de

Cardio-Musculação pode até se

surpreender com esse ritmo intenso.

O HIIT, ou Treino Intervalado

de Alta Intensidade, consiste em

realizar exercícios com o máximo

de potência, mas em um curto intervalo

de tempo, intercalados com

breves momentos de descanso.

A equipe de Educação Física

do Colégio adotou este estilo de

treino nas aulas que os alunos do

9º ano do Ensino Fundamental à

3ª série do Ensino Médio realizam

durante a tarde. Movidos a

músicas animadas, realizam várias

pequenas sessões de exercícios que

eles mesmos escolhem, estimulando

o condicionamento físico e a

força muscular.

Os alunos são acompanhados

pelos professores do Colégio, que

cuidam para que as aulas atinjam o

objetivo previsto.

A nova dinâmica está agradando

os estudantes! Depois que essa

técnica começou a ser utilizada,

a procura pelas aulas de Cardio-

Musculação aumentou.

49


Física

na piscina

A atividade foi tão

divertida que até quem

não estava de

recuperação ficou com

uma pontinha de inveja.

Ficar de recuperação pode ser um

momento difícil, mas nunca é uma

punição, e sim uma oportunidade

para que os alunos compreendam

melhor os conteúdos do bimestre.

Foi pensando nisso que as aulas

de recuperação de Física para a 2ª

série do Ensino Médio passaram

por um lugar inusitado: a piscina.

Todos caíram na água para estudar

mais sobre densidade.

O desafio era compreender por

que algumas pessoas flutuam mais

do que outras. Os próprios alunos

foram objetos da pesquisa. Com

a ajuda do professor Denilson

Machado, uma série de grandezas

dos estudantes foi analisada.

Altura, massa, porcentagem de

gordura e circunferências da caixa

toráxica cheia e vazia de cada um

foram mensuradas e anotadas pelo

professor de Física, Marcos Ono.

Com esses dados em mãos, foi

hora de flutuar. A turma boiou na

horizontal e na vertical, e mediu

quantos centímetros acima da

superfície cada um ficou depois de

se estabilizar na água. Com mais

essa informação, a classe cruzou

dados e tirou conclusões. Como

realizar o cálculo do volume? Qual

é a relação entre volume e massa?

Como o nível de gordura no corpo

influencia na flutuação? Por que

algumas pessoas afundam quase

que instantaneamente, enquanto

outras têm facilidade em flutuar?

Todas essas questões puderam ser

debatidas em sala de aula.

A atividade foi tão proveitosa e

divertida que até quem não estava

de recuperação ficou com uma

pontinha de inveja.

50


51


Ozlimpíadas do Mágico de Oz

Esporte

para

gostar de

esportes

Sábado pela manhã e o Ginásio da

Unidade Sócrates estava movimentado.

Gritos de torcida, cartazes

e cornetas enchiam as arquibancadas.

Todos estavam lá para ver

um lindo espetáculo esportivo. E

os atletas eram mais que especiais:

eram os alunos do Mágico de Oz!

Estava começando mais uma edição

das Ozlimpíadas.

As Ozlimpíadas são jogos diferentes,

com caráter educativo,

cujo objetivo é celebrar o amor ao

esporte e demonstrar conquistas

da infância no que diz respeito ao

corpo e ao movimento. Assim,

saltar, arremessar, acertar alvos,

arrastar-se são algumas das habilidades

a serem demonstradas.

Desta vez, foi escolhido o tema

“sustentabilidade” para conduzir

os jogos. Na estação Exploradores

da natureza, o objetivo foi limpar

uma floresta. Trabalhando em

equipe, os alunos recolheram todo

52


o lixo que encontraram e separaram

os materiais para passar pelo

processo de reciclagem. Além de

capacidade física, eles mostraram

muita consciência ecológica.

As demais estações transformaram

o Ginásio em muitos lugares

diferentes:

- No Petecabol, nossos atletas

“viajaram” à praia para jogar

peteca;

- As Pirâmides e o Everest foram

montados na quadra para que as

crianças mostrassem toda a força

na hora de escalar;

- No posto de Le Parkour, elas

correram, saltaram, engatinharam

e atravessaram uma série de obstáculos

de uma minicidade;

- E, finalmente, elas visitaram os

Anéis de Saturno e arremessaram

discos através dos aros, demonstrando

muita destreza.

O Baby Oz também não foi esquecido!

Além de todas essas atividades,

a equipe do Colégio montou

um espaço especial para pais e bebês,

cheio de colchões, brinquedos

e material diversificado. Ao final,

todos os participantes receberam

medalhas, entregues com orgulho

pelos pais.

53


Olimpíadas do Magno

Esportes

para buscar

a superação

Alunos de 27 colégios engajados

em 13 modalidades esportivas.

Mais de 2 mil atletas. As Olimpíadas

do Colégio Magno se

consolidaram como uma das

maiores e mais tradicionais

de São Paulo, promovendo o

amor pelo esporte, o respeito às

regras e, sobretudo, estimulando

a autossuperação e o trabalho

coletivo.

Todos os eventos são abertos de

uma forma especial, que mostra

a vinculação entre os esportes e

a educação. É um espetáculo à

parte, cheio de surpresas e com

grande impacto sobre o público.

Em 2017, o início da 37ª edição

da competição foi marcado

pelos talentos no esporte, na

música e na dança.

Flávia Saraiva, atleta medalha de

bronze nos Jogos Pan-americanos

de 2015 e maior revelação

54


Flávia Saraiva, atleta

medalha de bronze nos

Jogos Pan-americanos

de 2015,

surprreendeu o público

da ginástica olímpica nos Jogos

Olímpicos do Rio de Janeiro, em

2016, surpreendeu a todos na

abertura do evento. A representante

da nova geração de ginastas

fez uma apresentação magistral no

Ginásio de Esportes do Magno

completamente lotado.

A abertura do maior evento

esportivo da Escola teve, também,

as apresentações das orquestras de

cordas, sopro, percussão e coral,

que deram o tom ao espetáculo,

e dos alunos de ballet, jazz e urban

dance, que não deixaram por menos

e fizeram uma performance

impecável.

55


Cidadania Global

Middle agora começa no 6º ano

O enorme interesse demonstrado

pelas famílias, o desenvolvimento

dos alunos e o aprofundamento da

parceria com a Mizzou University

permitirão ao Magno dar um salto

inédito em seu projeto de educação

global. A partir de 2018, o

Middle School começará no 6º ano

do Ensino Fundamental.

O programa terá o nome de Magno

School Voices, com a mesma

carga horária semanal das demais

etapas – 4 horas semanais. Assim

como em todo o Middle, a ênfase

do projeto são os temas globais,

mas o objetivo específico será o de

desenvolver a linguagem, comunicação

e diferentes competências do

aluno, sempre como protagonistas.

O Middle School Voices vai partir

do conteúdo interdisciplinar via

aquisição da leitura, aplicação, escrita,

bem como das competências

de linguagem oral. Pelo programa,

os alunos aprenderão a conhecer

melhor os recursos da voz para

a boa comunicação, ampliando

também seu vocabulário por meio

de uma plataforma on-line adaptativa

de aprendizagem de idiomas.

Dessa forma, o programa usa a

linguagem como veículo para cultivar

qualidades de liderança.

Isso fará com que os alunos estejam

ainda mais bem preparados

para os objetivos dos anos seguintes,

baseados no eixo STEAM

(Ciências, Tecnologia, Engenharia,

Arte e Matemática), na agenda global

da ONU/UNESCO, com foco

no tema da Ciência Ambiental (7º

ano) e Direitos Humanos (8º ano).

Toda a produção e avaliação é

feita em sala de aula, em todos os

encontros. Não há tarefas de casa,

salvo a ocasião que o aluno precise

concluir algum trabalho que tenha

deixado de fazê-lo em sala.

Os alunos podem ingressar em

qualquer etapa, sob a condição de

ter um nível de inglês que permita

o bom acompanhamento do curso.

Para cada ano concluído, o aluno

recebe o certificado de conclusão

para o ano cursado.

56


Inglês real

para a vida

real

No Magno/Mágico de Oz, desde

o berçário, o trabalho com o ensino

de língua inglesa é prazeroso,

significativo, integrado ao currículo

e baseado nas competências de

comunicação. Mas, não confunda:

o inglês no Magno não está para

brincadeira.

Não por acaso, todos os indicadores

de proficiência mais reconhecidos,

como os exames de Cambridge,

mostram uma escola que, na

prática, entrega alunos bilíngues,

ou seja, capazes de ler, falar, conversar

e se expressar no idioma

internacional mais importante.

Quase a totalidade dos alunos

situa-se nos níveis mais elevados

de domínio do idioma, tanto no

nível PET (intermediário) como

no FCE (avançado).

É essa fluência que permite a

praticamente todos os alunos da

Escola estarem aptos para seguir

os dois cursos internacionais

hoje oferecidos em parceria com

a Mizzou University – o Middle

School e o High School, que

acontecem totalmente em língua

inglesa e exigem um elevado nível

de proficiência.

Trata-se de uma estratégia integrada,

construída ao longo do

tempo, que vem dando certo.

Avaliações rotineiras, como a

Consolidation Activity, ajudam a

orientar o trabalho pedagógico e

fornecem um retrato imediato e

fidedigno do trabalho.

O trabalho com o Inglês começa

ainda no Berçário e nos primeiros

anos da Educação Infantil, que

conta com atividades cotidianas de

sensibilização e uma coordenadora

específica, que faz intervenções

livres durante as atividades desenvolvidas

pelos alunos. Ao longo

desta etapa, as crianças trabalham

com materiais didáticos específicos,

com uma progressiva aproximação

com a língua.

No Ensino Fundamental I, por

exemplo, são 4 horas semanais. Os

que fazem o Full-Time, ainda têm

acesso ao Curso de Inglês mais

focado em comunicação.

No Ensino Fundamental II, a

partir do 6º ano, além da carga

horária regular, os alunos têm a

possibilidade de cursar o Middle

School (veja matéria a seguir) e, a

partir do 9º ano, o High School.

Com isso, a carga semanal chega a

8 horas dedicadas ao uso intensivo

do idioma. Veja, a seguir, algumas

atividades que ilustram o espírito

do trabalho realizado, nos diferentes

níveis.

57


Educação Infantil

Galinha Ruiva

ou...

The Little

Red Hen

58


Uma galinha de penas avermelhadas

andou ciscando pelo Núcleo

Ambiental. Foi vista com seus

pintinhos e alguns amigos: a vaca,

o pato e o porquinho Cheiroso.

Ela estava à procura de ajudantes

para cozinhar um delicioso pão.

Quem poderia ajudá-la? Os bebês

do Baby Oz e as crianças da Educação

Infantil!

Um dia ensolarado e um laboratório

a céu aberto, em pleno centro

urbano, onde as crianças podem

vivenciar a natureza. O cenário

não poderia ser melhor para a ambientação

preparada especialmente

para a contação de histórias.

E lá estavam as crianças, ansiosas

para ouvir a história da pequena

galinha ruiva, ou melhor, The

Little Red Hen. Afinal, era uma

atividade de inglês!

Depois, na Cozinha Experimental,

elas colocaram a mão na massa e

produziram deliciosos pãezinhos.

Depois, foram com os colegas até

a Vila Oz para conferir o resultado.

Deu até água na boca!

59


Ensino de Inglês

Fogão, geladeira, utensílios de toda

espécie e até mesmo uma estrutura

de espelhos que permite aos

alunos acompanhar tudo o que se

faz nas bancadas. Essa é a Cozinha

Experimental do Magno, que

conta com todos os equipamentos

necessários para uma aula completa

de... Inglês!

No Magno, cada vez mais a prática

culinária é usada para trabalhos

em todas as áreas, inclusive em

projetos interdisciplinares e formativos.

Foi o que aconteceu com os

alunos do curso Elementary 2.

Em sala de aula, eles pesquisaram

os hábitos alimentares de diferentes

partes do mundo e elaboraram

diálogos, em inglês, entre

um garçom e um cliente numa

pizzaria. O próximo passo foi ir à

Cozinha e finalizar o estudo. Lá, os

alunos colocaram a mão na massa,

produziram e saborearam pizzas

de diversos sabores. Que delícia!

Pizza

Place

60


Ensino Fundamental II

Ultrapassando

fronteiras

Tudo começou quando a coordenadora

Lígia Brull encontrou em

Londres o livro Dear World, How

are you (Querido Mundo, Como Vai

Você?), escrito por Toby Little, um

garoto de apenas 9 anos. O livro

é a compilação de cartas que ele

enviou para diferentes pessoas em

muitos países. Toby escreveu para

um cientista na Antártica, para o

Duque e a Duquesa de Cambridge

e até para o Papa Francisco, além

de inúmeras crianças ao redor do

mundo.

No Brasil, a edição traduzida da

obra foi escolhida para um trabalho

interdisciplinar do 7 o ano, nas

áreas de Literatura, Inglês e Geografia.

O trabalho poderia acabar

aí, mas foi bem mais longe. Após

Lígia obter o e-mail da mãe de

Toby, foi marcada uma videoconferência

entre o autor e os alunos

do Magno.

A Sala STEAM ficou lotada para

o concorridíssimo bate-papo, em

inglês, entre os alunos, Toby e

sua mãe. Quando os alunos têm

a oportunidade de conversar com

o escritor, eles estreitam os laços

também com a cultura original do

autor da obra

O toque final ao charmoso projeto

aconteceu em Londres. De volta

à cidade, em um típico dia chuvoso

londrino, Lígia foi recebida

na casa de Toby, para lhe entregar

pessoalmente as cartas escritas –

também em inglês – pelos alunos

do Colégio.

O ponto de encontro foi a famosa

livraria Waterstones. Lá, Toby recebeu

as cartas e também presentes,

como uniforme de futebol do

Magno, boné do Brasil e fotos

dos alunos com quem ele havia

conversado por Skype. Com um

delicioso cappuccino, foi encerrado

um projeto que ficará marcado

na memória de todos os alunos.

61


Videoconferência – Tanzânia

A África

é aqui!

62


No mês de novembro, os alunos

do 2º ano do Colégio Magno

cruzaram os oceanos sem sair do

lugar. Fizeram uma viagem na

história, na geografia, na língua, na

diversidade, no respeito a culturas

diferentes das suas. Eles realizaram

uma videoconferência com crianças

da Tanzânia.

Tudo começou com uma atividade

de Português, com o trabalho de

gêneros textuais e textos instrucionais

– como as instruções típicas

dos jogos. A partir daí, expandiram

a proposta para conhecer

jogos de todo o mundo, nas aulas

de História.

Nesse momento, a professora

Beatriz Binnie, no High School,

abriu uma possibilidade imperdível:

uma conversa com alunos de

uma escola da Tanzânia, na África,

na qual Binnie também trabalha,

periodicamente. Pronto, era a vez

de utilizar as competências linguísticas.

O projeto culminou com a

videoconferência, para a qual os

alunos se prepararam muito bem,

e com a apresentação dos resultados

na Mostra UNESCO.

Em tempo: as crianças da Tanzânia

acabam de receber brinquedos

e brincadeiras que os alunos do

Magno enviaram por Correio! Veja

a foto ao lado! Quanta alegria!

63


English Festival Night 2017

64


É

English!

É

Festival!

É

Magno!

Durante anos, os filmes inspiram

pessoas de todas as idades.

Todo mundo tem guardadas na

memória cenas de seus filmes

preferidos. Para celebrar o amor

à sétima arte, alunos do Ensino

Fundamental II e Ensino Médio

encenaram trechos de grandes

longas-metragens no English

Festival Night, tradicional

apresentação do Magno em que

todos dão um show de interpretação

em inglês.

O palco do Auditório Elis Regina

se transformou nos cenários

de filmes consagrados, como

O Poderoso Chefão, Indiana Jones,

Toy Story e Star Wars. As cenas

foram apresentadas por dois

personagens: um avô e seu neto

que compartilham o amor pelo

cinema. Juntos, interagiram com

a plateia, tornando o espetáculo

ainda mais interessante.

Dentre os filmes, um especial: O

Mágico de Oz. Esta história serviu

de inspiração para o início do

Colégio Magno/Mágico de Oz.

Para terminar o espetáculo, todos

assistiram a uma retrospectiva

com imagens dos quase 50 anos

de Escola. Foi emoção digna de

cinema!

Além de uma bela apresentação,

o English Festival Night é o

momento em que alunos demonstram

toda a desenvoltura

com o inglês. Isto é fruto não só

do trabalho intenso do Departamento

de Inglês do Magno,

como de coordenadores, professores

e equipe técnica de toda a

Escola. Palmas para todos!

65


Ensino de Espanhol

A Escena:

um projeto

interdisciplinar

O trabalho do Espanhol vem se

fortalecendo e se diversificando

no Magno. Afinal, o Espanhol

também é uma das línguas mais

faladas do planeta e o idioma que

nos permite nos aproximar de

nossos vizinhos ibero-americanos,

com quem compartilhamos as

fontes de nossa cultura.

As estratégias do Espanhol são

diferentes das utilizadas no inglês,

e envolvem os jovens de maneira

diversa.

Recentemente, por exemplo, os

alunos do 9º ano mergulharam

em um novo contexto: o teatro, a

partir de uma perspectiva multidisciplinar

que envolveu Produção

Textual, Língua Espanhola e

Artes Cênicas, tendo como ponto

de partida a temática “Relacionamentos”

e todas as nuances que

este mote pode oferecer.

Para gerar maior aproximação

com o estilo de texto teatral, a

professora Andrea Nascimento

desenvolveu com os alunos o

gênero literário “conto”. Foram

trabalhadas habilidades como o

léxico temático, a descrição de

cenários, a elaboração de textos

para posterior leitura dramatizada

e a dramatização.

No período que antecedeu a

66


apresentação, os alunos tiveram

um incremento cultural: assistiram

a trechos de filmes de origem

espanhola e argentina. A partir da

produção teatral, com a assinatura

da professora de Artes Cênicas,

Ximena Araya, foram orientados

na montagem do cenário, iluminação

e som, na sala de projeção,

além de se envolverem na pesquisa

e composição do figurino.

O resultado foi uma produção de

alta qualidade artística e maturidade

linguística. Aplausos para os

alunos e professores!

No lugar do outro

Nos últimos anos, o mundo tem

passado por uma intensa crise

de refugiados. Muitas pessoas de

vários países tiveram que fugir

de seus lares em busca de segurança

e de melhor qualidade de

vida em outras regiões. Entender

a condição dos imigrantes é o

primeiro passo para que possamos

ajudá-los. E é isso que o 9º ano do

Ensino Fundamental está fazendo

nas aulas de Espanhol.

Os alunos desenvolveram um projeto

em que fazem entrevistas com

refugiados em espanhol. Para se

preparar, eles analisaram diferentes

culturas pelo mundo. Ao assistirem

ao curta-metragem Hiyab, em

que uma estudante muçulmana

é discriminada por sua roupa, as

turmas notaram como muitos são

segregados por seus trajes, crenças

e tradições.

Para reforçar o vocabulário e o

uso do idioma, os alunos recriaram

cenas do curta na Sala de Teatro

do Magno. Todos interpretaram

os personagens, falando na língua

estrangeira e conhecendo expressões

e termos novos.

Com todo esse conhecimento, e

com o espanhol em dia, foi a hora

do passo seguinte: conversar com

uma refugiada política. A colombiana

Leonor Solano González

veio ao Magno para mostrar aos

estudantes e professores que as

ideias erradas que temos sobre

pessoas de outros países podem

marginalizar os asilados. Tratar

imigrantes com estereótipos e

ironia nunca é a melhor maneira

de fazer com que eles se sintam

acolhidos. Sensibilidade, solidariedade

e compaixão são as palavras

principais.

O 9º ano captou bem a mensagem

para usar esses princípios para

desenvolver um roteiro de perguntas

para as entrevistas. A maneira

como os alunos receberam Leonor

e se inspiraram depois das atividades

mostra que estão todos preparados

belas troca de experiências.

67


Educação e Cultura

Magno

é cultura

A preocupação em ampliar sempre o repertório cultural dos alunos – e também de todos

os profissionais da educação – é um diferencial importante do Colégio Magno.

Ao longo do ano, são inúmeras saídas culturais, com visitas a museus, exposições artísticas,

exibições de cinema. Em 2017, não foi diferente!

68


Os alunos do 6º ano do Ensino

Fundamental II foram ao MAM e

viveram uma experiência enriquecedora

dentro e fora do Museu, ao

visitar a exposição Anita Malfatti:

100 anos de arte moderna.

A mostra inclui pinturas e desenhos

que pontuam diversos

momentos da produção da artista,

sempre sintonizada com seu tempo

e com diferentes aspectos do

Modernismo.

Ao lado das professoras e coordenadoras,

os apreciadores da arte

utilizaram tablets e smartphones para

documentar o conjunto expressionista

que consagrou a artista como

figura essencial do Modernismo

brasileiro.

Parte da programação curricular da

disciplina de Artes, a visita incluiu

também uma atividade no Jardim

das Esculturas, localizado na parte

externa do MAM.

Alunos utilizaram tablets e

smartphones para documentar

o conjunto expressionista

69


Educação e Cultura

O Corpo é a Casa

Conhecer um espaço consagrado

de arte e cultura e estudar as suas

características. Discutir temas

fundamentais sobre o próprio conceito

do que é arte. Os alunos do

5º ano aproveitaram ao máximo a

visita ao CCBB - Centro Cultural

Banco do Brasil.

Os alunos foram à exposição O

Corpo é a Casa, do artista austríaco

Erwin Wurm, que produz em suas

obras o deslocamento de elementos

do cotidiano para o campo

da arte. Casas, carros, roupas e

alimentos surgem a partir de um

contexto inesperado, engraçado e,

ao mesmo tempo, crítico em relação

à sociedade contemporânea.

O corpo e o comportamento

humano estão também em discussão

em suas “Esculturas de Um

Minuto”, quando o público se

transforma em parte da obra: os

alunos foram convidados a seguir

instruções para se tornarem, eles

mesmos, uma escultura do artista

durante 60 segundos, numa espécie

de “performance” não planejada.

Eles adoraram a experiência.

70


Cinema Ambiental

Um bom filme é aquele que, além

de entreter, é capaz de levantar

reflexões e de ensinar algo novo.

E foi isso o que aconteceu com

o 9º ano! Os alunos saíram para

uma manhã de excelente cinema e

visitaram a Cinemateca Brasileira

para uma sessão especial sobre

um tema muito importante: a

sustentabilidade.

As turmas assistiram ao documentário

O Mercado da Dúvida, que

aborda as tentativas recentes de

grandes empresas norte-americanas

em desprestigiar pesquisas

de cunho ambiental aos olhos do

grande público.

Após a exibição, os estudantes e

professores do Colégio participaram

de um fórum com um representante

do Instituto Ecofalante,

organização social responsável

pela principal mostra de cinema

ambiental do país. A participação e

a maturidade dos nossos alunos na

discussão sobre o meio ambiente

foram o destaque.

Essa atividade foi desenvolvida especialmente

para o 9º ano, graças

a uma parceria entre o Magno e o

Instituto Ecofalante. A partir de

uma parceria realizada no âmbito

do Programa das Escolas Associadas

da UNESCO, do qual o Magno

faz parte, a ida ao Magno gerou

a duas escolas públicas o direito

de assistir ao filme e discuti-lo em

sessões gratuitas.

71


Voluntariado

Flores

por

todos

os lados

72


A primavera chegou! As flores

começaram a desabrochar e os

dias estão ensolarados! Esse clima

gostoso é perfeito para uma festa.

Foi o que alunos, professores e

funcionários do Colégio fizeram

para as senhoras da Casa de Repouso

Samaritana. O Voluntariado

do Magno preparou uma bela

Festa de Primavera para elas!

A celebração foi toda florida!

Cada senhora ganhou um girassol

do nosso grupo e, depois de se

divertirem com o presente, plantaram-nos

em vasinhos. Os alunos

ajudaram-nas a colocar terra e a

deixar suas flores bem bonitas para

decorar a casa de repouso! No clima

da atividade, houve uma sessão

musical em que todos cantaram a

canção “O Girassol”, de Vinicius

de Moraes.

E, como toda boa festa, não faltou

muita comida e bebida! Foi um dia

de muita diversão, confraternização

e, o mais importante, empatia.

Esse é o objetivo do projeto de

Voluntariado do Magno: mostrar

que todos podemos fazer a diferença

na comunidade.

73


Mostra UNESCO 2017

A hora da

sustentabilidade

Sustentabilidade, empatia e tolerância. Essas foram as palavras que deram o tom da Mostra

UNESCO 2017. Usando como inspiração o Ano Internacional do Turismo Sustentável

para o Desenvolvimento, todo o Colégio se mobilizou para realizar projetos que discutissem

a preservação do meio ambiente e a identificação com diferentes povos e culturas. Os

resultados foram apresentados em um dia de muito conhecimento!

Ter consciência ambiental tornouse

indispensável no mundo atual.

Os trabalhos apresentados pelos

alunos mostram que eles já deram o

primeiro passo. A sustentabilidade

foi abordada por diversos ângulos.

Logo na entrada, os visitantes

puderam conhecer um jeito inusitado

de reaproveitar a água. As

turmas do 9º ano produziram um

forno solar com uma parabólica

gigantesca. O objetivo era purificar

74


a água do Córrego Congonhas, a

qual monitoram todos os meses, e

utilizá-la para regar plantas em um

sistema de hidroponia completamente

idealizado pelos estudantes.

A água também foi tema do trabalho

“O mar não está para peixe”

do 3º ano. Os alunos discutiram a

poluição fluvial, mostrando seus

impactos na sociedade. Enquanto

isso, o 5º ano realizou manifestações

pelo Magno, conscientizando

a todos sobre a importância dos

mares, além de apresentar produções

criativas, como um vaso

autossustentável e um método

de plantio de sementes usando

drones.

Utilizamos água para tudo. Até

para nos divertir! E remar nos

botes da piscina do Colégio foi

muito divertido para quem visitou

a instalação Raftingbilidade. Enquanto

esperavam sua vez na fila,

as pessoas souberam mais sobre as

ações sustentáveis do Magno em

viagem à Paraty.

Estudos do meio

Todos os Estudos do Meio deste

ano também tiveram destaque. As

atividades de campo realizadas pela

Escola traduzem bem a proposta

de Turismo Sustentável da UNES-

CO. Por isso, os pais puderam explorar,

por meio de fotos e vídeos,

um pouco do que seus filhos vivenciaram.

Representantes da Quíron,

que auxilia o Colégio nas viagens,

trouxeram animais exóticos, como

cobras, jacarés e iguanas. Todos conheceram

as características desses

bichos e se encantaram!

Mas não é necessário viajar para

muito longe para fazer parte de

um Turismo Sustentável. Basta

ir à praça mais próxima! O 4º

ano visitou a Praça Júlio Atlas e

pensou em uma série de intervenções

para deixar o local mais

amigável à natureza. Os resultados

foram apresentados no

estande do projeto “Se essa praça

fosse minha”, com direito à maquete

de uma praça ideal criada

pelas turmas.

A reciclagem teve espaço com

trabalhos que envolveram arte, realizados

pelo 8º ano. Até as crianças

do Mágico de Oz reutilizaram e

montaram uma casa somente com

caixas de leite. Além disso, os alunos

ajudaram nas vendas de uma

barraca de produtos orgânicos. Os

visitantes puderam levar para casa

legumes e vegetais frescos.

75


Conhecendo culturas

A Mostra UNESCO 2017 ainda

foi palco de uma série de atividades

que discutiram a interculturalidade

e a situação dos refugiados.

Palestras, workshops e oficinas apresentaram

ao público as tradições e

crenças de outros países.

O evento recebeu convidados muito

especiais. Dentre eles, esteve o

advogado especialista em direitos

humanos Edgard Raoul Gomes

Neto, que passou mais de 20 dias

com refugiados, percorrendo com

eles o caminho entre a Grécia e

a Alemanha, no ano passado. A

apresentação mostrou parte de sua

experiência e aquilo que aprendeu

sobre a crise humanitária. Para o

Magno, a presença de Edgard foi

ainda mais especial, pois foi nosso

aluno e é filho da nossa coordenadora

Raquel.

O dia teve muita participação dos

visitantes. Todos aprenderam a

produzir suas próprias bonecas

africanas Abayomi com Renee e

Lambert, casal que imigrou da

África para o Brasil. Aqueles que

queriam ajudar, passaram no estande

“Flores para os refugiados”

e compraram flores cuja renda é

toda revertida para a causa dos

imigrantes. O Ginásio ficou cheio

de ritmo com o workshop de dança

76


congolesa ministrado por Calvin

Denangowe, bailarino nascido na

República Democrática do Congo.

A música não parou com a apresentação

da canção “Light a candle

for peace”, escrita por crianças e

professores do mundo todo, nas

vozes dos alunos do 2º ano. Eles

mostraram todas as brincadeiras

que conheceram e ensinaram às

crianças de uma escola na Tanzânia

durante o semestre.

As famílias também acompanharam

uma apresentação da Orquestra do

Magno e da Banda Mazeej, formada

por músicos muçulmanos, judeus

e cristãos, de origem libanesa,

síria e brasileira. É a música como

elemento de união entre as pessoas.

Não só os refugiados foram lembrados.

O pessoal do Ensino Médio

e do Voluntariado do Colégio

recolheu doações de alimentos não

perecíveis, roupas e cadernos para a

ONG Recica, que cuida de crianças

e adolescentes vulneráveis, e para a

Aldeia Guarani Guyrapa-ju.

Muitas outras atividades aconteceram

na Mostra UNESCO.

Teve roda de conversa com

autores literários, apresentações

do High School e dos alunos que

participaram do projeto Parlamento

Jovem, oficinas maker e

de tecnologia Google, desfile de

roupas típicas e muitas produções

artísticas.

A Mostra UNESCO deste ano

foi mais que uma apresentação de

trabalhos escolares: foi uma demonstração

dos sonhos de nossos

alunos por uma sociedade melhor.

77


Planeta Magno

50 anos

Lançado durante a Mostra, o projeto

Planeta Magno 50 Anos promoverá

iniciativas que estimulem

o desenvolvimento de uma cultura

sustentável em toda a comunidade.

Muito já foi feito. Desde a construção

da Unidade Sócrates, o

Magno possui uma piscina semiolímpica,

preenchida com 500 mil

litros de água e que consumia eletricidade

para se manter aquecida

a 31 o . O sistema de aquecimento

passou a ser feito por meio de serpentinas,

com uma tecnologia de

energia solar adaptada pela Escola

para esse fim.

Da mesma forma, o cloro utilizado

para o controle de micro-organismos

nas piscinas foi substituído

com vantagens ambientais pelo gás

ozônio.

Os banheiros ganharam torneiras

econômicas e novos dispositivos

para descargas econômicas. Toda

a iluminação da escola vem sendo

substituída por lâmpadas de LED.

Por fim, o ClassApp permitiu que

as circulares em papel fossem praticamente

eliminadas. Para o final

de 2017 e 2018, um programa mais

amplo será implantado, conferindo

unidade a todas as iniciativas.

Sistema verde

O Magno implantará uma horta

orgânica hidropônica, que será

utilizada no abastecimento interno

Croqui mostra vista superior da futura horta sustentável do Colégio Magno

do restaurante. Além da produção

hortifruti, a horta terá, por sugestão

de alunos, o plantio de chá,

que será servido para os visitantes

da Escola. A horta será irrigada

com água captada da chuva e

armazenada em cisternas, e o solo

será enriquecido com o uso de

compostagem a partir das sobras

dos restaurantes. No mesmo espaço,

placas fotovoltaicas transformarão

a luz solar em energia.

Coleta seletiva

A escola vai implantar um modelo

de coleta de lixo reciclável mais

eficiente. O uso correto das lixeiras

será alvo de uma campanha dos

alunos do Colégio.

Atitudes Sustentáveis

A promoção de posturas sustentáveis

não depende apenas de

conhecimentos. Requer principalmente

mudanças de atitude

e, portanto, de uma cultura do

desperdício e da preocupação individualista,

local, para a cultura do

pensamento global, que envolve

a busca de uma vida melhor para

todos. Esse é o objetivo dessa

campanha criada e conduzida

pelos alunos.

Projeto Mobilidade

Um dos principais aspectos

modernos e urbanos das atitudes

sustentáveis é o da mobilidade. O

movimento de carros para levar e

buscar alunos na escola representa

cerca de 30% do trânsito urbano.

Este projeto terá diferentes etapas,

envolvendo alunos do Ensino

Fundamental II e do Médio, bem

como professores. Ao final, será

apresentada uma proposta para estimular

as viagens compartilhadas.

Aguardem!

78


79


80

More magazines by this user
Similar magazines