Views
5 months ago

LABIRINTO(1)

Poesias reunidas.

LABIRINTO – DA ESPERANÇA À PERDIÇÃO Olha nos meus olhos Sente o meu desejo Eu não quero mais Ficar sem você Vê que noite calma Longe do seu beijo Apogeu sem paz Longo amanhecer Que a madrugada antecede A solidão que pede O arrego da vida Os braços da pessoa querida Os beijos Que negou o adeus Flor! Meu paraíso real Princesa de amor sem igual Que ensinou num beijo Que onde existe amor Não floresce o adeus Não, porque a vida é quem ensina Decide os rumor do além-mar E o que vai acontecer E eu te escolho menina Por amor, pra te amar Meu tesouro maior é você 30

LABIRINTO – DA ESPERANÇA À PERDIÇÃO Eis o meu corpo Tantas vezes colocado à prova Marcado de espinhos Sem carícias tenras O sangue a correr nas veias E o coração que bate forte Abandonado dentro de mim Eis o meu sonho Arredio e esperançoso Rondando meu interior Sem jamais ter visto a realização Eis a minha vida Os olhos regem a orquestra A boca resseca de sede da felicidade Eis a minha existência inteira Agora é seu despojo Cativo, entregue sem ousar lutar Pois sei que ao recolher do chão Meu coração e os sonhos Os colocará onde poderão viver Pra esquecer das marcas dos espinhos E ver as flores nascer no deserto 31

a poesia vai - Retorta Net
Histórias de Nós
Poesias lyricas selectas de Luiz de Camões, publicadas pela v. de VM
Poesia - Academia Brasileira de Letras
Martin Scorsese no seu labirinto - Fonoteca Municipal de Lisboa
Livro de Sóror Saudade - Unama
A patria nos canticos dos seus filhos (primores da poesia da patria ...
A hora e a vez da poesia: em versos, em tintas ... - Revista Barbante