Revista Biosfera - 3ª Edição

pet.biologia.ufscar

A Revista Biosfera, traz, na sua terceira edição, um conteúdo exclusivo das atividades realizadas pelo PET Bio UFSCar, entrevista com ex aluno, textos científicos e muito mais! No setor "Você Sabia", ela apresenta um trabalho do nosso querido professor tutor Cléo Leite. Confiram!

Agosto de 2018

BIOSFERA

BOM RETORNO,

BIÓLOGO (A)

Conheça mais sobre as atividades do PET Bio

Informe-se

Eventos Científicos

Atente-se

Sugestões e Dicas de filmes e livros


PET Bio UFSCar

Textos e edição: Gabriela Morato, Gabriel Zucolotto, Isabelle Avolio,

Luca Buffo, Marielle Cristina e Nilmara Amaral


A Revista Biosfera

Com intuito de promover um espaço para os

alunos da biologia compartilhar suas ideias,

trabalhos acadêmicos e ter contato com

informações sobre o curso, o PET-Bio

UFSCar possui um projeto semestral, a revista

Biosfera!

A terceira edição da Biosfera tem como

público alvo os docentes e discentes da

biologia UFSCar e buscamos, com muito

carinho, inserir informações relevantes,

trazer entretenimento e divulgar o trabalho

dos estudantes da biologia.

Para as próximas edições, envie seu texto (que

pode ser um trabalho acadêmico, alguma

informação que queira compartilhar com os

colegas de curso, poemas, desenhos, etc) e

ficaremos felizes em publicar!

Email para envio dos textos e dúvidas:

pet.bio.ufscar@gmail.com

1

Atenciosamente,

Comissão Biosfera


Sobre Nós

O QUE É O PET?

O Programa de Educação Tutorial (PET) é um programa do governo federal brasileiro de

estímulo à pesquisa, ensino e extensão, no nível de graduação. O programa é subordinado à

Secretaria de Ensino Superior (SESu) do Ministério da Educação (MEC).

Nosso grupo PET-Biologia é formado por um tutor, 12 bolsistas e 4 voluntários.

O QUE FAZEMOS?

O Pet Biologia desenvolve vários eventos e projetos com caráter de Ensino, Pesquisa e

Extensão, com o objetivo de complementar a formação acadêmica dos alunos da graduação e,

assim, contribuir para a formação de profissionais com alto nível de conhecimento técnico,

científico e acadêmico.

Para melhor executarmos as nossas atividades, nos dividimos em comissões (subgrupos) de

acordo com cada projeto/evento. Atualmente, temos 17 comissões: Zooenduro, Calourada,

Seleção, Universidade Aberta, Minicursos, Feira de Profissões, Circo da Ciência, Saída de

Campo, Site, Interpets, Pesquisa, Bio na UAC, Revista Biosfera, Pet Guia, Selva, Eventos e

ENAPet.

Em cada edição da nossa Revista traremos a descrição de algumas dessas comissões.

Fique atento também ao nosso mural e as nossas redes sociais para saber mais informações!

2

BIOSFERA Volume 3


PET BIO

de

CARA

Nova

O PET Bio está de cara nova; tendo em vista que somos um grupo bastante

rotativo, entendemos que a cara do grupo muda sempre. Realizamos um concurso entre

os petianos e petianas e definimos um novo logo, que reflete nosso grupo atual. O PET

segue três pilares, que são a PESQUISA, o ENSINO e a EXTENSÃO, e o nosso logo

reflete o trabalho coletivo para alcançarmos os nossos objetivos.

Ninguém faz pesquisa, nem

ensina e muito menos faz um

trabalho de extensão sozinho.

Somos um coletivo, uma união e

frutos de muito trabalho coletivo,

representado pela formiga.

Além do novo logo, o PET Bio

também está com um mural

novinho em folha, que também

reflete nosso trabalho em equipe,

com o simbolismo da formiga.

As formigas são conhecidas por seu trabalho árduo e muito bem feito, o PET Bio se

inspira nelas, e busca cada vez mais, realizar suas atividades com excelência e

profissionalismo. Confira um pouco mais sobre o PET Bio nas redes sociais, na nossa

revista biosfera e também no nosso MURAL, que está lindo e novinho em folha!

Gostaria de deixar alguma sugestão,

dica ou crítica para o grupo PET? Entre

em contato conosco através do nosso

email ou pela página no facebook.

pet.bio.ufscar@gmail.com

facebook.com/petbioufscar/

3


PET Bio no

das Optativas Guia

O projeto de Guia de Campo para Disciplinas Optativas

surgiu em 2018, e ele visa auxiliar docentes e discentes,

os primeiros com a divulgação das disciplinas optativas

ofertadas e os segundos com a explicação de cada uma

dessas disciplinas, facilitando na hora da escolha delas.

de Atividades

Divulgação

O projeto ainda visa a melhor divulgação das atividades

que o PET realiza, trazendo maior visibilidade para o grupo

e também ajudando os estudantes de graduação e a

comunidade a conhecer um pouco mais das atividades que

o grupo realiza, podendo assim, participarem das mesmas.

e Curiosidades

Conhecimento

Também temos como objetivo, a transmissão do

conhecimento de forma clara, dinâmica e interativa, para

que ele alcance um número grande de pessoas e

proporcione a elas uma facilidade maior na hora de estudar

ou só saber um pouco mais sobre determinados assuntos.

Acesse: www.youtube.com/channel/UCi-aqFNfx_mMv12-c6sOy8Q

PET Biologia UFSCar

4


PET

UNIVERSIDADE

Bio na

U N I V E R S I D A D E A B E R T A

Nos dias 23 e 24 de maio de 2018 aconteceu

na UFSCar o evento da Universidade Aberta,

que reuniu cerca de 5.000 alunos e alunas de

75 escolas inscritas. O PET Biologia

representou o curso de Ciências Biológicas,

realizando atividades práticas, respondendo

dúvidas e expondo animais taxidermizados.

Para saber um pouco mais como foi esse

evento lindo, acesse nosso canal do YouTube,

que lá tem um vídeo completinho de como foi o

evento.

Acesse: PET Biologia UFSCar no YouTube.

C I R C O D A C I Ê N C I A

Circo da Ciência 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

Nos dias 16 e 17 de outubro de 2018 irá

acontecer na UFSCar o evento do Circo da

Ciência, e mais uma vez o PET Biologia

representará o curso de Ciências Biológicas.

Dessa vez, a atividade será realizada em

conjunto com outros cursos da UFSCar, e

promete ser mais interessante do que nunca!

Fique por dentro das nossas redes sociais

para saber mais sobre o evento e também

prestigiar o grupo PET e o curso de Ciências

Biológicas.

5


SAÍDA DE CAMPO

Ilha do Cardoso

PET Bio

Todo ano nosso PET realiza uma saída de campo e esse ano

ela acontecerá entre os dias 15 e 19 de novembro.

Dessa vez iremos para Ilha do Cardoso (litoral paulista) e a

hospedagem será no município de Cananeia - primeiro povoado

do Brasil.

Realizaremos várias atividades como:

Visita ao Portal de Cananéia - SP

Visita à Ilha do Cardoso - SP

Passeio de escuna, em que

serão observados aves e botos

Visita ao manguezal, com direito

a se sujar e tomar banho de rio

... e muito mais!

Para mais informações sobre

custo, hospedagem e alimentação

entre em contato conosco!

As vagas são limitadas e as

inscrições só vão até esse mês de

agosto.

pet.bio.ufscar@gmail.com

@petbioufscar

@petbiologia.ufscar

6

VAGAS Limitadas


PET Bio

UFSCar

NO

Nos dias 15 a 20 de julho de 2018, aconteceu em Campinas - SP, o XXIII

Encontro Nacional dos Grupos PET (ENA PET), que reuniu cerca de 1.300 pessoas

para debater e buscar melhorias para o programa PET.

O PET UFSCar (do qual o PET Bio faz parte) juntamente com o PET EQ da

Unicamp foram os responsáveis por organizar essa edição do evento. Os petianos e

petianas Gabriela Morato, Gabriel Zucolotto, Luca Buffo, Nilmara Amaral e Pamela

Freitas representaram o PET Bio com maestria, seja trabalhando ou participando

das discussões, e voltaram do evento com novas ideias e motivações para melhorar

ainda mais o nosso grupo.

A gente acredita que momentos como esse, de discussão e integração, trazem

um aprendizado muito grande e as experiências vividas e compartilhadas em um

evento como esse, são pra vida toda.

Ano que vem, o XXIV ENAPET se

realizará em Natal - RN, e se tudo sair

como o planejado, estaremos lá!

"Unidos pela mesma raiz"

7


Bio na UAC

Bio na UAC é uma comissão do nosso PET que desenvolve um

projeto de Ensino e Extensão na creche (UAC - Unidade de

Atendimento à Criança) da UFSCar.

O projeto tem a ideia de integrar membros do nosso grupo com

as crianças e também transmitir conhecimento científico de

uma forma mais interativa e divertida.

Atualmente, estamos desenvolvendo atividades relacionadas a

horta que as crianças têm na creche. Através de atividades

lúdicas como teatro e brincadeiras, confeccionamos regadores,

colocamos plaquinhas de identificação na horta e agora no

segundo semestre de 2018 faremos aventais e pazinhas para as

crianças mexerem com as verduras que elas mesmas plantaram.

Para mais informações e/ou sugestões mande-nos um email:

pet.bio.ufscar@gmail.com

8


9

Visitas Técnicas

Muitas pessoas de fora e até mesmo dentro do curso de biologia

não sabem ao certo o que faz um biólogo. Afinal, o que você pode

fazer com seu diploma? Dar aulas, trabalhar em laboratórios,

cuidar de animais? Participe das visitas técnicas promovidas pelo

PET-Bio para experienciar algumas das áreas que abrangem

seus conhecimentos!

A atividade de visita técnica visa o

encontro do acadêmico com o

universo profissional, nela, é possível

observar o ambiente real de uma

empresa em pleno funcionamento.

O PET Biologia, no dia 25 de Junho,

realizou uma visita técnica na EMBRAPA

Pecuária Sudeste na cidade de São

Carlos. Foram apresentadas para os

estudantes as linhas de pesquisa da

empresa e o papel do biólogo dentro

delas.

Caso você tenha interesse em alguma linha de pesquisa entre no

site: www.embrapa.br/pecuaria-sudeste/projetos

Para informações sobre estágio entre em com contato com:

Juliana Gonçalves Costa juliana.costa@embrapa.br

Esperamos vocês na próxima visita! Datas em breve!


ACADÊMICA

SEMANA

D A B I O L O G I A U F S C a r

A Semana Acadêmica da Biologia UFSCar

é um evento realizado anualmente pelos

alunos dos cursos de Licenciatura e

Bacharelado em Ciências Biológicas do

campus São Carlos, com o apoio e

participação das coordenações dos cursos.

A SEMABIO tem como objetivo

proporcionar espaços de discussão e troca de

conhecimento entre estudantes da área de

Ciências Biológicas, abrangendo alunos tanto

da própria universidade como alunos de

outras instituições de ensino.

De forma que se possa estabelecer uma

relação direta entre estudantes e especialistas

através de palestras, minicursos, oficinas,

mesas redondas, filmes e outras atividades

que são de grande valor para a formação dos

futuros biólogos.

Esse ano a Semana ocorrerá no segundo

semestre e trará como tema

principal: Mundo Animal: Permeando seus

comportamentos e ações antrópicas.

24 a 27

S E T E M B R O

https://semanadabiologiaufsc.wixsite.com/semabioufscar

Relacionando-se com o tema, a Semabio

trará cursos como o Curso de Aves Urbanas,

Curso de Macroinvertebrados e Curso de

Morcegos. Terá também minicursos como o

de Manejo de Crocodilianos, Animais

Peçonhentos e Reabilitação de Animais. Além

de palestras como Entomofagia, Biologia de

Tubarões e Arraias, A Teia das Aranhas,

Antropomorfismo em Equinos, Serviços

Ecológicos e muito mais.

A Semabio ainda trará uma discussão em

forma de Mesa Redonda com o tema: O Uso

de Animais nas Relações Antrópicas. Também

terá uma Exposição Acadêmica, Concurso de

Foto e Desenho e um workshop em parceria

com a Página de Oportunidades e Estágios

Voluntários.

Todo ano a Semana Acadêmica da

Biologia UFSCar homenageia um professor ou

professora da Universidade. Dessa vez, os

homenageados serão os professores Manoel

e Angélica, docentes do DEBE.

Garanta já sua inscrição e fique por dentro de todas as novidades para não

perder um evento lindo desse!

10


Cléo Alcantara Costa Leite

Atualmente é professor titular da Universidade Federal de São Carlos

e tutor do PET Biologia UFSCar. Tem experiência na área fisiológica

da biodiversidade nos vertebrados, investigando os mecanismos e

seleções que permeiam as adaptações fisiológicas que lhes permitem

viver em ambientes diferentes.

11

Você sabia da

RELAÇÃO dos teiús

com a endotermia?

Animais conhecidos tradicionalmente por

terem “sangue frio”, os lagartos teiús parecem

ser capazes de manter seu sangue “mais

quente” do que a temperatura ambiente

durante o período de acasalamento. Na

verdade, os termos sangue quente e sangue

frio não devem ser utilizados, pois levam a

várias incorreções na compreensão da

ecofisiologia animal. Independente dos

termos utilizados, essa descoberta é muito

interessante. Esses lagartos, conhecidos por

serem ectotérmicos (animal que usa fonte de

calor externa, como o sol, para ajuste da

própria temperatura corporal) pode, por certo

tempo, fazer o mesmo que mamíferos fazem,

e utilizar calor metabólico para ajustes de

temperatura. A conclusão é de um grupo de

pesquisadores brasileiros e canadenses,

coordenado pelo biólogo Cléo Leite.

Foi demonstrado que os lagartos teiús,

durante o período reprodutivo, conseguem

produzir calor por meio de um processo

chamado termogênese e fariam a

termorregulação corpórea com energia

metabólica.

No estudo, os pesquisadores analisaram

lagartos adultos da espécie Salvator

merianae em diferentes ambientes.

Eles aferiram parâmetros fisiológicos de

teiús em vida livre, e em seguida, simularam

no laboratório, as condições climáticas em

que viviam. Os pesquisadores instalaram

uma máquina termográfica, que fotografava

os lagartos e produzia imagens em espectros

de cor que variavam do amarelo (mais

quente) ao azul (mais frio) em diferentes

períodos do dia. Concluíram que a

capacidade desses lagartos de produzir calor

está ligada ao aumento da atividade

metabólica durante o período de reprodução.

Essa alteração metabólica pode ser causada

por mudanças em hormônios reprodutivos,

ou por contrações musculares, que podem

ajudar a produzir mais calor.

Tais resultados, reforçam a hipótese de

que a endotermia teria evoluído como parte

de uma estratégia reprodutiva que poderia

aumentar tanto o sucesso reprodutivo,

quanto os índices de sobrevivência da prole

desses animais. Dessa forma, pode-se supor

que a endotermia poderia estar presente

entre os vertebrados antes da evolução de

mamíferos e aves. Não sabemos ainda, até

que ponto ela está presente em répteis e

como ela pode influenciar a sobrevivência de

outras espécies.


Conhecendo

nossa VOZ

O que é a voz?

A voz é o som que resulta da vibração

das cordas vocais, provocada pela

passagem de ar através da laringe. Ela é

a forma mais comum de comunicação e

tem grande importância nas relações

sociais e na vida profissional, por isso é

fundamental usá-la de maneira correta.

Como ela é produzida?

O ar dos pulmões sobe pela traqueia,

passa pela laringe, e vibra a mucosa

que recobre as cordas. O som é

amplificado nas cavidades de

ressonância (garganta, boca e nariz) e

pelos órgãos de articulação (lábios,

dentes, maxilares, língua, palato duro

e mole).

Sua voz é única!

Toda voz humana tem um caráter

único, dependendo da estrutura das

cavidades de ressonância e dos órgãos

articuladores de cada um.

12


Cuidados

VOZ

com a

DICAS PARA VOCÊ SER AMIGO(A) DA SUA VOZ!

Durma bem - a voz nunca é boa

depois de uma noite mal

dormida.

Evite ingerir álcool em excesso,

bem como outras drogas.

Procure reduzir a quantidade de

fala durante quadros gripais,

crises alérgicas e período prémenstrual.

Evite ingerir leite e derivados,

bebidas gasosas, chocolate e

alimentos com grande

quantidade de cafeína antes de

utilizar a voz continuamente.

No caso de problemas vocais,

procure um fonoaudiólogo e um

médico otorrinolaringologista.

Consuma bastante maçã - ela

possui propriedade adstringente,

auxilia na limpeza da boca e da

faringe, favorecendo a voz.

Não fale em excesso. Fale sem

esforço e evite pigarrear, gritar e

dar gargalhadas exageradas.

Beba 2 litros de água/dia, à

temperatura ambiente.

Para mais dicas e informações como essa, fiquem por dentro

das nossas redes sociais e também fiquem atentos e atentas às

próximas edições da revista BIOSFERA!

13


e u s s o c i a l i d a

- d e e m

S A O C A R L O S 0 2 D E

o r m i g a s ?

f

P. da Rocha

Felipe

A G O S T O D E 2 0 1 8

Fiz minha graduação em Bacharelado

em Ciências Biológicas na UFSCar –

São Carlos no período de 2012 a

2017, sendo um ano de Ciências sem

Fronteiras (Inglaterra), e um ano

fazendo estágio na USP de Ribeirão

Preto. Agora no começo de 2018 eu

comecei o mestrado no PPG –

Ecologia na Unicamp.

Comecei a curtir muito os tópicos

de evolução e comportamento social,

principalmente em insetos sociais

como as formigas, que exibem um

tipo de socialidade que chamamos de

eussocialidade.

A eussocialidade é definida por

três características principais:

1.Divisão reprodutiva do trabalho

(com ou sem castas estéreis), ou

seja, toda a reprodução está

centralizada em um ou alguns

indivíduos;

2.Sobreposição de gerações, quando

mais de uma geração de prole está

presente ao mesmo tempo em um

ninho;

3.Cuidado cooperativo da prole,

como o próprio nome diz, outros

indivíduos, e não apenas o que

O Brasil é excelente para o estudo

das formigas (Mirmecologia), muitas

das melhores pesquisas são feitas

por grupos ou com colaboração de

grupos brasileiros, mirmecólogos do

mundo todo gostariam de passar um

Além disso, são organismos muito

abundantes, encontradas em todos os

científica foi com o Prof. Fábio

Nascimento da USP – Ribeirão, O

laboratório do Prof. Fábio trabalha

cutícula destes insetos e que são

parceiros do ninho, reconhecimento

outros. A maior parte dos pósreproduz,

cuidam das proles

geradas.

bom tempo por aqui.

lugares (exceto nos polos),

apresentam uma diversidade de

hábitos impressionante, e uma

importância ecológica gigantesca.

Minha primeira iniciação

com comportamento e ecologia

química de himenópteros,

principalmente com os

hidrocarbonetos que formam a

usados para reconhecimento de

de parceiros sexuais, castas e

graduandos lá trabalham com vespas

(Vintão)

14


e abelhas sem ferrão, como a

jataí, a marmelada e outras. Eu

me aventurei no comportamento de

forrageio de uma espécie de

formiga, Pheidole oxyops.

Passei na seleção para o

mestrado na Unicamp com o Prof.

Paulo Oliveira. O Prof. Paulo é

um grande pesquisador,

mirmecólogo, conhecido por seus

trabalhos com ecologia e

comportamento de formigas. Seus

alunos já trabalharam muito com

história natural de diversas

espécies, comportamento,interações

positivas e negativas com outros

A minha área neste laboratório

foca mais para um lado de ecologia

de comunidades, estou começando

chelifer e O. hastatus), uma com

ninho terrícola e outra com ninho

organismos, orientação espacial.

meu trabalho com comunidades

bacterianas associadas a duas

espécies de Odontomachus (O.

arborícola.

Felipe P. da Rocha (Vintão)

Redação: Gabriela Morato

E - M A I L P A R A C O N T A T O : F E L I P E . U F S C A R 0 1 2 @ G M A I L . C O M

Você na BIOSFERA!

Gostaria de ter seu trabalho na Revista Biosfera? Entre

em contato conosco pelo nosso email ou pelas redes sociais

e divulgue seu trabalho. Além de visibilidade, você pode

ajudar alguém que está na dúvida sobre o curso, mostrando

as diversas possibilidades que as Ciências Biológicas

podem oferecer!

pet.bio.ufscar@gmail.com

@petbioufscar

15


toda aula introdutória sobre classificação taxonômica,

Em

Von Linné aparece e muitas vezes é considerado o pai

Carlos

taxonomia. De fato Lineu contribuiu muito para essa área.

da

será que apenas ele é autor da sequência hierárquica de

Mas

taxonômicos Reino-Filo-Classe-Ordem-Família-Gênero-

níveis

o famoso ReFiCOFaGE?

Espécie,

a verdade é que Lineu utilizou apenas cinco desses

Bom,

não empregou Filo e Família. Além de propor um acima

termos;

Reino – o Império – e um abaixo de Espécie – a Variedade.

de

também que foi ele quem criou a nomenclatura

Aprende–se

entretanto já no século XVI na Suíça, Gaspard Bauhin

binomial,

utilizava esse sistema e em 1757 o aracnólogo sueco Carl


também a utilizou. A hierarquia dos táxons também já

Clerck

sido apresentada por Aristóteles ainda no séc. IV a.C.

havia

e então? Qual foi o grande contribuição de Lineu para

Mas

taxonomia?

a

utilizou palavras que já existiam há muito tempo no

Lineu

Baseando–se no antigo sistema hierárquico feudal ele

latim.

o arranjo social para a Biologia. É por isso que reino, do

trouxe

‘regnum’ tem o mesmo nome de um país governado por

latim

do latim ‘classis’, significa divisão. Na sociedade da

Classe,

um reino era composto pelas classes da população:

época,

dos camponeses, classe dos médicos, classe dos

classe

entre outras. Contudo, em 1694, o botânico francês

artesãos,

Pitton de Tournefort já havia dividido as plantas em

Joseph

Indivíduo no qual Lineu se inspirou, provavelmente.

classes.

Qual origem dos

nomes dos níveis

taxonômicos?

Texto adaptado da

página do facebook

Nomes Científicos

um monarca.

16


originado de ‘ordo’, em latim, significa arranjo,

Ordem

A sociedade também se configurava em ordens:

disposição.

dos monges, ordem dos militares, ordem dos cavaleiros

ordem

etc. E Lineu se inspirou no botânico alemão Augustus Quirinus

e

palavras gênero e espécie existiam há muito tempo.

As

já havia as empregado, só que com outros

Aristóteles

Com o passar dos anos, os naturalistas foram

significados.

definições diferenciadas a esses termos.

dando

do latim ‘genus’, significa descendência, origem.

Gênero

primeiro com Tournefort e foi mantido por Lineu.

Apareceu

de ‘species’, teve sua definição biológica moderna

Espécie,

pelo naturalista inglês John Ray, em 1686.

apresentada

apareceu só depois, pelo naturalista alemão Ernst

Filo

Do grego ‘phulé’ significa raça, tribo. O botânico

Haeckel.

Eichler, utilizou ‘Divisio’ (Divisão) para a Botânica, em

Augustus

Como as áreas eram “rivais” históricas, cada uma seguiu

1883.

do latim, ‘familia’ apareceu com o botânico Pierre

Família

em 1689. Magnol, algumas vezes, a tratava como um

Magnol,

de gêneros e, outras, como um gênero muito grande.

conjunto

aparecia de modo mais informal, assim Lineu nem a

Família,

Frequentemente era tratada como sinônimo de

empregou.

No no séc. XIX, com os botânicos Augustin Pyramus de

Ordem.

e Joseph Dalton Hooker, família se afirmou como um

Candolle

de gêneros.

agrupamento

criado por Lineu, caiu em desuso, por que era um

Império,

o ‘Imperium Naturae’. O nível Variedade, depois, ficou

só,

o que Lineu fez de original? Utilizou um pouquinho de

Então

naturalistas?

vários

genialidade de Lineu se encontra justamente nisso. Ele

A

num mesmo sistema, tudo o que havia de relevante em

juntou

outras classificações. Ele conseguiu a melhor maneira

várias

organizar os grupos de seres vivos, que é usada até hoje e

de

17

ReFiCOFaGE

que já havia usado esse nome na divisão das plantas, em 1690.

Gostou do texto? A

página traz muito mais

informações

interessantes a respeito

da taxonomia. Não deixe

de curtir e ficar por

dentro!!!

com seu nome.

restrito apenas aos horticultores.

no mundo todo.


Q u a l a r e l a ç ã o e n t r e o s i g n o

c â n c e r , a d o e n ç a c â n c e r e o

c a r a n g u e j o ?

Por qual motivo um canceriano tem um signo com nome de doença

e seu símbolo é um crustáceo?

Caranguejo em latim é chamado de ‘cancer’. Um objeto canceriforme

é aquele que possui forma de caranguejo. Na Grécia as constelações

foram nomeadas com nomes de animais da Terra. Como a de ‘Cancer’,

uma vez que imaginavam o desenho de uma caranguejo nela. Na

Mitologia, a deusa Hera enviou um caranguejo gigante para distrair

Hércules enquanto ele combatia a Hidra. O animal chegou a beliscar o

dedo de Hércules, mas foi esmagado pelo pé do semideus. Para

compensá-lo, Ela o transformou em uma constelação para eternizá-lo

na abóbada celeste.

A abóbada celeste foi dividida em doze partes de acordo com a

Astrologia dos zodíacos e cada parte recebeu o nome de uma

constelação. Aqueles nascidos entre 21 de junho e 21 de julho, nasceram

em um período em que a constelação de Câncer cruza com a linha do

Sol no céu. O símbolo do signo, que se parece com o número 69, é um

desenho estilizado do caranguejo, como é possível ver na figura da

página seguinte.

18


A doença é conhecida desde o Antigo Egito. Na Grécia (séc. I a.C.),

Hipócrates nomeou esta enfermidade como ‘karkínos’ que em grego

significa caranguejo. Segundo o filósofo, o tumor maligno possui “as

veias esticadas por todos os lados assim como as patas de um

caranguejo”. No século II a.C, o médico romano Celsus traduziu a

palavra para o latim, ‘cancer’. Como o genitivo (uma variação da

palavra) de ‘cancer’ é ‘cancri’, a doença pode ser chamada de cancro.

O médico que tratava de pacientes com câncer, antigamente, era

chamado de carcinologista e o produtor comercial de crustáceos,

atualmente, é chamado de carcinocultor.

Texto adaptado da

página do facebook

Nomes Científicos

19


Eventos Científicos

Mais infos :

https://www.facebook.com/I-

Congresso-de-Mulheres-na-

Ci%C3%AAncia-da-UFMG-

1627783757269239/?ref=br_rs

Mais infos :

http://www.reabilitacaof

aunamarinha.com.br/

Dias 24 e 25 de agosto. Mais infos :

https://www.facebook.com/GrupoDeEst

udosDeAnimaisSelvagensUnifeob/

20


21

Eventos Científicos

VII Encontro nacional de ensino de

biologia. DIas 3 a 6 de setembro.

Mais infos :

http://eventos.idvn.com.br/enebio201

8

Dias 19 a 22 de novembro.

Mais infos : https://www.einscricao.com/encontroan

ualetologia/2018

Mais infos:

http://solamac2018.com/


de filmes e

Dicas

livros

Que tal aproveitar esse começo de semestre para

assistir ou ler algo para se distrair e aprender

algo novo? Se você curte uma boa leitura e é

fã de cinema, confira nossas dicas especiais de livros e

filmes.

Para assistir

WALL-E (2008)

Gênero: Animação, Ficção Científica, Comédia

Após entulhar a Terra de lixo e poluir a atmosfera com

gases tóxicos, a humanidade deixou o planeta e passou a

viver em uma gigantesca nave. O plano era que o retiro

durasse alguns poucos anos, com robôs sendo deixados

para limpar o planeta. WALL-E é o último destes robôs,

que começa a colecionar alguns objetos encontrados,

entre eles uma planta que nasceu no planeta. A trama

começa quando EVA é enviada para a Terra com a

finalidade de encontrar sinais de vegetação, e WALL-E

apaixona-se por ela.

Na Natureza Selvagem (2007)

Gênero: Aventura, Drama

Em 1990, com 22 anos, Christopher McCAndless ao

terminar a faculdade, doa todo o seu dinheiro a uma

instituição de caridade, muda de identidade e decide viver

uma vida longe do materialismo do quotidiano.

Desconfiado das relações humanas e influenciado

pelas suas leituras, ansiava por chegar ao Alasca, onde

poderia estar longe do homem e em comunhão com a

natureza selvagem e pura.

22


Para ler

Criação Imperfeita (2010)

Marcelo Gleiser

"O belo não é simétrico, o universo não foi feito para

nós. Nem ao menos a vida existe pelo fato do universo ser

propicio a ela. Somos todos acidentes, o início do cosmos,

a formação da vida e sua evolução."

Gleiser, um dos grandes cientistas da atualidade,

desmonta o maior mito da ciência e da filosofia ocidentais:

o de que a Natureza é regida pela perfeição. O físico

brasileiro radicado nos EUA também contesta o discurso

dos ateístas radicais, como Richard Dawkins, mostrando

que a ciência não prova a inexistência de Deus.

O Fenótipo Estendido (1982)

Richard Dawkins

Neste livro Dawkins expõe sua teoria de que os

organismos vivos são máquinas de sobrevivência

construídas pelos genes para maximizar suas chances

de replicação.

Dawkins desenvolve a ideia de que um gene tem

influência no ambiente em que vive o organismo

através do modo como o gene manipula o

comportamento deste organismo. Seja no fazer de um

ninho ou o tecer de uma teia.

23


PETIANA

e PETIÃO

fonte: Humor na ciência

24


Caro(a) leitor(a)...

Se você desenha, escreve poemas ou textos

em geral, está fazendo um projeto legal e

gostaria de divulgar, ou simplesmente quer

deixar um depoimento para os calouros e

calouras de 2019, entre em contato com a

gente pelo email abaixo ou por nossas redes

sociais, e nos ajude a construir a QUARTA

EDIÇÃO desse projeto lindo que é a

BIOSFERA!

pet.bio.ufscar@gmail.com

@petbiologia.ufscar

@petbioufscar

VEM SOMAR COM O PET BIO!

25

More magazines by this user
Similar magazines