Revista 01

nuvemveloz

A I G R E J A E O

C O R P O D E C R I S T O

P A L A V R A P R O F É T I C A

A P R E S E N T A Ç Ã O

Igrejas nas casas

R E S U M O D O S F U N D A M E N T O S

Irmãos em BH


B A T I S M O

O B A T I S M O É A Q U I L O Q U E C O N F I R M A N O S S A V I D A . S A Í M O S D A F I G U R A D A

Á G U A , A Q U A L N Ã O P O D I A T R A Z E R E F E I T O D A S A L V A Ç Ã O E M N Ó S . A

R E A L I D A D E D O B A T I S M O É M I N H A V I D A N O I R M Ã O . F O I A S S I M Q U E J E S U S F E Z

C O M O S A P Ó S T O L O S E A S S I M Q U E E S T E S F I Z E R A M C O M O S D E M A I S A T É

C H E G A R E M N Ó S .

A G O R A D E V E M O S

E N T E N D E R M E L H O R

A E S T R U T U R A D A

S A L V A Ç Ã O P A R A

A M P L I A R M O S O Q U E

G A N H A M O S A C E R C A

D O B A T I S M O .


P R O P Ó S I T O

É D E U S H A B I T A R N O H O M E M E O H O M E M

H A B I T A R E M D E U S ; O H O M E M E M D E U S , M A S

P A R A I S S O D E U S T E V E Q U E S E C O L O C A R N O

H O M E M .

V O N T A D E

C R U Z

É M A N E I R A C O M O D E U S C O N D U Z O

H O M E M P A R A S E U P R O P Ó S I T O ; É A

M A N E I R A C O M O S O M O S

C O N D U Z I D O S P A R A E S T E

P R O P Ó S I T O . A V O N T A D E É A I G R E J A ,

O I R M Ã O Q U E S E T O R N O U I G R E J A ,

O U S E J A , A V I D A D A Q U E L E Q U E É

I G R E J A A G O R A S E R V E P A R A M A T A R O

N O V O N A F É . M A T A R A N A T U R E Z A

A N T E R I O R D E S T E .

É U M E M B L E M A D A V O N T A D E D E

D E U S C O N V E N C I O N A D O P E L O

P R Ó P R I O J E S U S . A C R U Z N Ã O É A

V O N T A D E D E D E U S . A C R U Z É U M

E M B L E M A , U M I N S T R U M E N T O Q U E

F A Z C O M Q U E A V O N T A D E D E D E U S

S E E S T A B E L E Ç A E M M I M E A T R A V É S

D E M I M , O U S E J A , D O

D E S P E N S E I R O P A R A M I M E D E M I M

P A R A O D I S P E N S A D O . P O R É M N Ã O

É A C R U Z Q U E M A R C A A V O N T A D E

D E D E U S , M A S A M O R T E . A

V O N T A D E D E D E U S F O I M A T A R O

F I L H O .


E é neste contexto do emblema que me estabelece na vontade de

Deus que a MORTE em mim servirá para alcançar vida. Em mim

morte na alma. Dar a minha vida da alma a alguém. E para que

tivéssemos esta possibilidade foi que o Senhor morreu duas

mortes: morte física e espiritual. Diferente de nós que temos por

morte a alma. E o Senhor temeu a morte espiritual, pois esta o

separava do Pai. Agora, a nossa morte nos une não só ao Pai, o

Deus trino, mas aos irmãos que são família de Deus. E este

organismo de irmãos mortos uns nos outros faz com que seja

gerado nisso a Mente da Igreja, a qual é regida por meio da lei do

Espírito da vida, que nada mais é que o sacrifício do Corpo, ou seja,

é um universo criado pelo Senhor onde fazemos o que os irmãos

fazem liberalmente. Uma vez que amamos os irmãos isso jamais

poderá ser difícil de fazer, e o resultado obviamente é muito

melhor, pois para os mortos será a vida eterna, e para os vivos a

morte eterna. Existem princípios da vida de Deus: vida de

comunhão, casamento etc. Estes princípios nos mantém na

condição de IGREJA. Quebrar qualquer um dos princípios é

REJEITAR o instrumento que quer nos matar. Alguém pode se

perguntar: "devo ou não viajar? devo ou não casar? devo ou não

comprar?" Nada disso tem haver com a vontade de Deus. Mas a

vontade de Deus é permanecer nos princípios Dele. Em meio a

estes princípios nos mantemos como igreja, exercitando o amor,

que é dar a nossa vida.


C O N H E C E M O S O A M O R N I S T O : Q U E E L E D E U A S U A

V I D A P O R N Ó S , E N Ó S D E V E M O S D A R A V I D A P E L O S

I R M Ã O S .

1 J O Ã O 3 : 1 6

Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo

permaneça em vós, e o vosso gozo seja

completo. O meu mandamento é este: Que

vos ameis uns aos outros, assim como eu

vos amei. Ninguém tem maior amor do que

este, de dar alguém a sua vida pelos seus

amigos. (João15:11-13).

Dar a vida aqui é dar a vida da

alma.Exemplo: Se eu tenho

aversão ao irmão "x", O que

faço? Paro logo com isso e dou

minha vida a ele.Só assim

podemos permanecer na cruz

para estarmos mortos.


B A T I S M O

C O M O V I M O S A N T E R I O R M E N T E O B A T I S M O É A Q U I L O

Q U E C O N F I R M A N O S S A V I D A . S A Í M O S D A F I G U R A D A

Á G U A , A Q U A L N Ã O P O D I A T R A Z E R E F E I T O D A

S A L V A Ç Ã O E M N Ó S . A R E A L I D A D E D O B A T I S M O É

M I N H A V I D A N O I R M Ã O . F O I A S S I M Q U E J E S U S F E Z

C O M O S A P Ó S T O L O S E A S S I M Q U E E S T E S F I Z E R A M

C O M O S D E M A I S A T É C H E G A R E M N Ó S . A G O R A

D E V E M O S E N T E N D E R M E L H O R A E S T R U T U R A D A

S A L V A Ç Ã O P A R A A M P L I A R M O S O Q U E G A N H A M O S

A C E R C A D O B A T I S M O


S O M O S I G R E J A :

Quando o propósito tem início na vida

de duas pessoas.

S O M O S C O R P O :

Quando o propósito se conclui na vida

de vários irmãos.

D E S P E N S E I R O S F I É I S :

Quando, mortos para o mundo, nossas

vidas causam impacto nas pessoas a

ponto de os homens, ou seja, os de

fora, nos considerarem como

ministros de Cristo e despenseiros dos

mistérios de Deus.

Assim estamos vivos para Deus.

N O D E S E N V O L V I M E N T O D E N O S

T O R N A R M O S I G R E J A , T A M B É M

S E R E M O S C O R P O S E

E N T E N D E R M O S O Q U E N O S F A Z

E S T A R N E S T A S C O N D I Ç Õ E S :


D E S P E N S E I R O

Desobrigação: me desobrigo me

dispensando; Munificência: o que dou,

o que faço, nada é meu, mas daquele

que me enviou.

D N A D O

D I S P E N S E I R O

F I E L

F I E L

Aquele que crê: é o que confia e se

entrega; Persuadido facilmente: é

aquele que se faz fácil, pois já creu;

Câmbio (transação de negócios): é

aquele que entra para esta transação,

pois Cristo é o maior negócio que

existe! Execução de comandos: é

aquele que tem prontidão em executar

aquilo que lhe foi entregue a fazer.

Oficial: neste serviço é fiel, tornandose

para ele um ofício, ou seja, um

servidor oficial

N U N C A P A R A

D E C R E S C E R


3 C O I S A S P A R A T E R M O S O

P R O P Ó S I T O D E D E U S

1 U N I D A D E

" E não rogo somente por estes,

mas também por aqueles que pela

tua palavra hão de crer em mim;"

(João 17:20).

"Palavra" - preposição de tempo

e lugar. Isto porque em todos os

lugares e épocas é o que

transforma a vida do homem. Foi

assim no Antigo Testamento. É

assim num nível bem maior de

nós para os outros hoje.

"Para que todos sejam um, como

tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti;

que também eles sejam um em nós,

para que o mundo creia que tu me

enviaste." (João 17:21)

2 R E L A C I O N A M E N T O

"E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós

somos um." (João 17:22). Crer nos faz ser um nas coisas de Cristo,

mas relacionar nos leva a ser um não só nas coisas de Cristo, mas

sermos a mesma pessoa num relacionamento de salvos.

Relacionamento é o aperfeiçoamento da unidade. Para que isto

aconteça a glória de Deus é transmitida de um para o outro neste

relacionamento. Foi transmitida para que o ser um com meu irmão

seja a diminuição do meu ser. Porque se neste relacionamento, ao

contrário de diminuir eu me envaidecer com aquilo que eu alcanço

ou faço no lugar da glória viria a vanglória. No Antigo Testamento

não havia unidade, pois não havia o Epírito Santo, mas havia uma

pseudo- glória entre determinadas pessoas: Noemi e Rute, Davi e

Jônatas, Moisés e Josué. Isto porque Deus estava no centro do

relacionamento destes, porém não era aperfeiçoamento da unidade,

pois eles nem a tinham.


3 C O M U N H Ã O

A glória de Deus é vista aqui. O relacionamento que aperfeiçoou a unidade agora faz com que duas

pessoas sejam vistas como perfeitas em Deus. Nenhuma delas sobressai neste relacionamento. Deus se

tornou o centro do palco.

Exemplos: Não se pode

dizer que um novo na fé

tenha comunhão, pois

seria semelhante afirmar

que num relacionar deste

com o Pai ele já inicia

tendo comunhão, mas pra

que isto ocorresse ele

precisou antes se

aproximar, ou seja,

relacionar. Portanto para

que a comunhão seja alvo

em nossas vidas

precisamos relacionar:

estar dispostos a abrir

nossa casa e a nossa vida.

É um filho que se torna

nosso.


Agora na casa, uma vez sendo entregues os discípulos entrelaçados, ou seja, com a comunhão com seu

despenseiro alcançada, temos que encontrar o aspecto espiritual para estarmos uns com os outros tendo

o sentido. E o sentido é FAZER DISCÍPULOS. Irei jantar, almoçar sair etc, mas será por causa deste

sentido único. Do contrário sairei por sair, iremos almoçar por almoçar etc.

Portanto já na casa o ENTRELAÇAMENTO ocorre entre todos quando, ao olharmos para esta casa, todos

ali parecem estar em dispensação. Não se consegue identificar o despenseiro, e muito menos uma

liderança. Só que pra isso acontecer precisamos entrar no negócio que é fazer discípulos. _"Ah, mas eu

estou na casa, só que não ando com ninguém ainda_" Então fale, anuncie. Este já se torna o aspecto

espiritual. Falando e anunciando fatalmente se dispensará!

Pois a questão é: -Ao receber dispensação entrei pro

mesmo universo do despenseiro: o universo de mortos.

Como posso dizer que tenho comunhão com meu

despenseiro se sou um vivo, sendo ele um morto? Ao

entrar para a casa entrei para o mesmo universo da casa: o

universo de fazer discípulos. Como posso dizer que tenho

comunhão com a casa se não faço discípulos, sendo que na

casa fazem discípulos? A questão é que ocorre dano se não

houver tido relacionamento. Mas se não houve que dano é

este? E como se resolve isto? O dano é ter a grande

dificuldade de entregar a alguém o relacionamento que

não teve. Mas se resolve isto se o discípulo de quem tem

este dano alcançar plena comunhão com o despenseiro

deste que tinha o dano.


O E N T R E L A Ç A M E N T O A L C A N Ç A D O É U S A D O E M

J O 1 7 C O M A P A L A V R A G R E G A S I N E R G Q U E É

U M A D E R I V A Ç Ã O D E S I N E R G O N .

S I N - J U N T O S A O M E S M O T E M P O .

E R G O N - T R A B A L H O .

JUNTOS AO MESMO TEMPO NO TRABALHO!

Andei com meu despenseiro e fui entregue a casa.

Temos o SIN. Ao me dispensar temos ERGON.


P A R A Q U E I S T O A C O N T E Ç A O D I S C Í P U L O D E V E S E R :

A L T A M E N T E I N D E P E N D E N T E: N Ã O D E S A S S O C I A R N U N C A O D E S P E N S E I R O

D E S U A V I D A , M A S A N D A R S E M A D E P E N D Ê N C I A G R A N D E Q U E H A V I A

A N T E S .

T O T A L M E N T E D E P E N D E N T E:

T E R T O T A L D E P E N D Ê N C I A D A V I D A D O S

I R M Ã O S , D O Q U E E L E S F A Z E M P A R A E U F A Z E R T A M B É M E T C . E T E R U M A

T O T A L D E P E N D Ê N C I A D O S E R V I Ç O D O S I R M Ã O S A M I M . M E S U J E I T A R

N Ã O P O R Q U E S Ã O M E U S L Í D E R E S , M A S P O R Q U E M E S E R V E M E D A R

R A Z Ã O D E S T E S E R V I Ç O M E D I S P E N S A N D O , O N D E V I R Ã O N A T U R A L M E N T E

V I D A S M I N I S T E R I A I S .

Vimos que o fundamento mudou a maneira de entregarmos os discípulos à casa e de nela

prosseguirmos com eles. Pois o que foi dito sobre a dispensação "acabar" é que não há mais nada a

ensinar, mas o desfrute prossegue e de maneira muito natural e até mais orgânica entre despenseiro e

dispensado.Tanto é verdade que para consequências vindouras na vida de muitos, como por exemplo o

fato de repartir-se a casa com algum irmão que passe a cooperar. Para que este irmão seja separado

para uma cooperação devemos confirmar o viver deste em sinergia. E a pessoa perfeita para que se

tenha esta resposta é nada mais, nada menos que o despenseiro.A única exceção seria no caso de o

despenseiro de salvação de algum irmão não morar mais na referida cidade. Exemplo: A Fabiana

recebeu dispensação do Ricardo, porém ele não mora mais em BH já faz muito tempo. Porém a Fabiana

passou a cooperar no serviço nas casas. Neste caso quem confirma a vida dela em sinergia é o

presbitério.


S I N E R G I A

S I N E R G I A É J U N T O S N O

M E S M O T R A B A L H O .

Não que a sinergia seja o assumir

serviços na vida do corpo, mas sinergia

vai se tratar de um aperfeiçoamento

dos santos. Portanto não é o assumir

serviços, mas pelo aperfeiçoamento

isso também acontece. Logo, a sinergia

não é assumir serviços, mas irmãos

sinérgicos são aqueles que se

aperfeiçoaram de tal maneira que se

tornam aptos para tudo na igreja,

inclusive os serviços.

Portanto seria estranho alguém que se

diz ter "alcançado" sinergia, sem tê-la

alcançado com o despenseiro. Não se

pode contar com irmãos assim. Pode

haver uma tendência de vinhas

particulares até mesmo junto às

ovelhas que este irmão "serve".


A Sinergia é

como um

magnetismo

que leva o

discípulo a

encontrar o

despenseiro,

e atrair um

ao outro,

fazendo cada

um desejar e

gostar mais

do outro.

A vinha é a casa, e nesta casa o Bruno recebeu o Pai

ao receber o Gilson e ter sinergia com ele. Digamos

que o Bruno tenha dificuldades e não tenha

recebido o Gilson. Logo ele não recebeu o Pai. Se

houve isso como é que o Bruno poderia cuidar da

vinha sem estar no Pai? Sim. Tenho que alcançar de

fato a sinergia para isso. Mas poderíamos nos

perguntar. Sinergia na prática é o quê? Apascentar

como eu apascento? Quando existe uma sintonia?

Quando há uma correspondência?

Quem vos

recebe, a mim

me recebe; e

quem me

recebe a mim,

recebe aquele

que me enviou.

(Mateus 10:40)

Na verdade, na

verdade vos

digo: Se alguém

receber o que

eu enviar, me

recebe a mim, e

quem me

recebe a mim,

recebe aquele

que me enviou.

(João 13:20).


O único fator que

evidencia a sinergia

é a verdade

Ser verdadeiro e não

se esconder. Não

esconder o íntimo.

Foi indagado, foi

procurado? Se fez

diga que fez, se não

fez diga que não fez.

Seja verdadeiro. Este

é o ponto em que,

após uma unidade

estabelecida, marca

num relacionamento

a sinergia alcançada

por meio da

comunhão.


D O N S E S P I R I T U A I S

DEUS CONCLUIU SUA OBRA NO ES, PORÉM O

MISTÉRIO DE CRISTO É A IGREJA E O DA

IGREJA É O CORPO. COM ISSO PARECE QUE A

OBRA DO ES NÃO SERIA TÃO ABRANGENTE.

MAS COMO VIMOS QUE OS DONS DESTE ES

NOS LEVAM A RESSURREIÇÃO PODERÍAMOS

REPARTIR ENTÃO A FUNÇÃO DO ES EM DOIS

ASPECTOS BASE:

1- Multiplicação: o crescimento numérico é o

que leva a quantidade, pois sem ela,

obviamente a obra paralisaria. Por isso a

importância da dispensação.

2- Harmonia: Porque os que são segundo a

carne inclinam-se para as coisas da carne; mas

os que são segundo o Espírito para as coisas do

Espírito. (Romanos 8:5).


O Espírito Santo guiará, mas não eu individualmente

como dizem por aí. O ES guiará o Corpo de Cristo.

Portanto inclinar para o Espírito na porção de Romanos

trata-se de se inclinar para aos irmãos; e da mesma

forma inclinar-se para a carne aqui é afastar-se dos

irmãos. Isto porque carne aqui trata-se de uma palavra

diferente da que é usada por Paulo quando se trata de

pecados no corpo físico.

Carne (corpo físico) -bassar.

Carne (carne com irmãos) sarx

E ao atingirmos estes aspectos do Espírito

Santo em nós alcançamos a realidade que

se inicia e se conclui no crer que ocorreu

em nós que é quando alguém crê em um

crê em todos. Cremos, por meio de uma

ação de Deus em nós. Nesta ação

recebemos os elementos de Deus para

crermos no irmão. Por meio da unidade

aperfeiçoada, que é o relacionamento,

atingimos a comunhão, que como vimos é

o entrelaçamento. Uma vez neste ponto o

quadro normal é crer em todos. Isto se

torna uma realidade irreversível:

Muitos poderiam usar a desculpa de dizer

não crer em todos por causa de na igreja

haver pessoas individualmente com

imperfeições.


M A S Q U A N D O S E T R A T A D O C O R P O

D E C R I S T O , Q U E É O N O S S O A L V O

P A U L O T R A T A D E U M A M A N E I R A

M O S T R A N D O Q U E N O P R Ó P R I O

C O R P O E X I S T E M S I M E S T E S I R M Ã O S

I N D I V I D U A L M E N T E D É B E I S

*FRACOS: IRMÃOS GERALMENTE NOVOS, NA

MEDIDA DELES, MEDIDA PEQUENA AINDA

EM RAZÃO DO TEMPO, MAS QUE AINDA

IRÃO CRESCER. PRECISAMOS DESTES

OBVIAMENTE, POIS DENTRO DA QUESTÃO

DA PRÓPRIA MEDIDA O CORPO JÁ ESTARIA

CONCLUÍDO SE ELES NÃO ESTIVESSEM

CONOSCO. É QUESTÃO DO TEMPO

DECORRIDO.

*INDIGNOS: IRMÃOS QUE TEM SERVIÇOS NA

IGREJA, PORÉM SERVIÇOS MENOS DIGNOS.

EXEMPLO: IRMÃOS QUE TOCAM

INSTRUMENTOS, LIMPAM O LOCAL, FAZEM

O LANCHE. NÃO QUE ESTES SERVIÇOS

SEJAM RUINS ENTENDE, MAS QUE SÃO

MENOS DIGNOS QUE A DISPENSAÇÃO EM SI

E TODAS AS SUAS VERTENTES. A ESTES NÓS

HONRAMOS SEMPRE QUE TEMOS A

OPORTUNIDADE DA FAZÊ-LO.

*INDECOROSO: SÃO AQUELES QUE SÃO EM

DIVERSAS SITUAÇÕES IRMÃOS QUE AINDA AGEM

DE MANEIRA INCONVENIENTE. INFORMALMENTE

FALANDO SERIAM AQUELES IRMÃOS "SEM

NOÇÃO". A ESTES DAMOS ESPECIAL HONRA.

MESMO COM A ATITUDE INCONVENIENTE SERIA

NÓS AMARMOS ESTE IRMÃO PARA QUE ELE SE

CONVERTA DESTA ATITUDE, ATRAVÉS DO

PRÓPRIO AMOR..


*Nobres: Nobres, dignos ou decorosos já são

os irmãos que não precisam ser honrados. São

necessariamente os que honram os demais no

próprio serviço. De uma maneira igual

poderíamos dizer também que os nobres são

os que tem trabalhos mais dignos. Todos com

vistas à dispensação, ou seja, o pastoreio, a

cooperação nas casas, o serviço de governo

nas cidades.

S o m o s i n s e r i d o s n o p r o p ó s i t o d e D e u s

p o r m e i o d a i n s e r ç ã o ( i g r e j a ) , a q u a l é o

i r m ã o q u e n o s m a t a . N e s t e c a m i n h o

e s t a b e l e c e m o s u n i d a d e a o c r e r ,

r e c e b e m o s e l e m e n t o s d e D e u s p a r a c r e r

a g o r a n o i r m ã o , i s t o é , o r e l a c i o n a m e n t o

q u e m e l e v a a m o r t e , a c o m u n h ã o

a l c a n ç a d a , o e n t r e l a ç a m e n t o c o m o

d e s p e n s e i r o . U m a v e z e n t r e l a ç a d o , e d e

f a t o c r e n d o e m u m , f a t a l m e n t e c r e r e i

e m t o d o s e o e n t r e l a ç a m e n t o n a c a s a s e

d a r á o r g a n i c a m e n t e .


O Q U E M E C A B E A G O R A É F A Z E R O Q U Ê O S I R M Ã O S

F A Z E M : S E D I S P E N S A M . E S T E É O R E F L E X O D E S E

E N T E N D E R A G O R A O A S P E C T O I N D I V I D U A L D E C A D A U M

N O C O R P O .

A uns estabeleceu Deus na

IGREJA. Durante muito tempo, e

devido também à limitação da

tradução portuguesa fomos

levados a entender de que aqui

se trata da palavra EKKLESIA, só

que ao verificarmos no original a

palavra usada é outra:

EKDIKESIA, mais corretamente

pronunciada como EKDIKESIS. "

E não rogo somente por estes, mas

também por aqueles que pela tua

palavra hão de crer em mim;"

(João 17:20).


"Palavra" - preposição de tempo e lugar. Isto porque em todos os lugares e épocas é o

que transforma a vida do homem. Foi assim no Antigo Testamento. É assim num nível

bem maior de nós para os outros hoje.

"Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles

sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste." (João 17:21)A uns

estabeleceu Deus na IGREJA. Durante muito tempo, e devido também à limitação da

tradução portuguesa fomos levados a entender de que aqui se trata da palavra

EKKLESIA, só que ao verificarmos no original a palavra usada é outra: EKDIKESIA,

mais corretamente pronunciada como EKDIKESIS. " E não rogo somente por estes, mas

também por aqueles que pela tua palavra hão de crer em mim;" (João 17:20).

E K K L E S I A : D E F O R A P A R A D E N T R O , T R A N S F E R Ê N C I A D E U N I V E R S O .

E K D I K E S I S : V I N G A N Ç A , D E S F O R R A , P U N I Ç Ã O , S A T I S F A Z E R J U S T I Ç A A T O D A S A S P A R T E S ,

A B S O L V I Ç Ã O , V I N D I C A Ç Ã O .

E M O U T R A S P A L A V R A S : E K K L E S I A : S A L V A Ç Ã O E K D I K E S I S : A L É M D A S A L V A Ç Ã O

Por exemplo: Um irmão está andando com um novo. Este novo não está nem na casa e

nem partindo o pão. Isso acontecerá quando o novo for batizado no despenseiro. Em

outras palavras, quando entre os dois houver SINERGIA. _Ah... Mas a sinergia não é

quando se dispensa? Por causa do mesmo trabalho?_ Claro que será isso que irá

acontecer. Mas a questão a ser vista aqui é que num crescimento normal do Corpo, o

novo é entregue com totais condições de sair pelo despenseiro.


E K K L E S I A : D E F O R A P A R A D E N T R O , T R A N S E K K L E S I A E N T R O U P E L O D E S P E N S E I R O E A G O R A

P R E C I S A S A I R P O R E L E . M O R R E U N O D E S P E N S E I R O ( E N T R O U P O R E L E ) , O U S E J A , E S T A V A F O R A

E A G O R A E S T Á D E N T R O E K D I K E S I S U M A V E Z Q U E E N T R O U A G O R A T E M Q U E S A I R . S A I P O R

M E I O D O D E S P E N S E I R O . M O R R E U P E L O D E S P E N S E I R O , A G O R A T E M Q U E R E S S U C I T A R P O R

E L E . F E R Ê N C I A D E U N I V E R S O .

E K D I K E S I S : V I N G A N Ç A , D E S F O R R A , P U N I Ç Ã O , S A T I S F A Z E R J U S T I Ç A A T O D A S A S P A R T E S ,

A B S O L V I Ç Ã O , V I N D I C A Ç Ã O .

E M O U T R A S P A L A V R A S : E K K L E S I A : S A L V A Ç Ã O E K D I K E S I S : A L É M D A S A L V A Ç Ã O

Sistema seria não sair por ele. E neste não sair moram 2 vertentes perigosas: 1- o despenseiro retém o

novo. 2- o novo não quer sair do despenseiro. A preocupação nestes pontos negativos são que o

ESPIRITO dado na morte não poderá guiar, porque o ESPIRITO só pode guiar o Corpo, filhos maduros.

Desta maneira, Deus não tem interesse em administrar pessoas pelo SIN, mas pela SINERGIA. E como

vimos pra que isto aconteça é necessário o andar na verdade. E não há outra maneira. Isto só vai

acontecer quando este novo se dispensar. Então, como pontuamos, IGREJA na porção citada em 1

Coríntios não é EKklesia, mas Ekdikesis.Por exemplo: Um irmão está andando com um novo. Este novo

não está nem na casa e nem partindo o pão. Isso acontecerá quando o novo for batizado no

despenseiro. Em outras palavras, quando entre os dois houver SINERGIA. _Ah... Mas a sinergia não é

quando se dispensa? Por causa do mesmo trabalho?_ Claro que será isso que irá acontecer. Mas a

questão a ser vista aqui é que num crescimento normal do Corpo, o novo é entregue com totais

condições de sair pelo despenseiro.


S I G N I F I C A D O S D E E K D I K E S I S

Desforra, vingança: O plano de Deus foi momentaneamente interrompido no Éden, mas ao

reestruturá-lo, Deus tirou o pecado do nosso espírito e nos habilitou. E o pagamento, o troco, a

vingança, a desforra, por satanás, anjos caídos e demônios terem interrompido momentaneamente o

propósito de Deus vem agora. Não com especificamente Jesus, o Cristo histórico, como o sistema gosta

de pintar, mas não sabe nem explicar. Mas esta vingança vem por meio daqueles que Jesus habilitou:

nós.

Satisfazer a justiça entre todas as partes: Há uma sede de justiça a ser saciada, e a vingança

estabelecida por Deus equilibra cada um com a satisfação desta justiça: o propósito retomado e os

principados e potestades arruinados.

Absolvição: Nós estávamos condenados, mas uma vez

habilitados para o propósito, e sendo estes vingadores

de Deus, satisfazendo a justiça, em outras palavras,

A B S O L V I Ç Ã O

S Ó

A C O N T E C E

N A

D I S P E N S A Ç Ã O

fazendo discípulos, nós, que já estivemos sob a

condenação, alcançamos por meio deste maravilhoso

plano de Deus, a condição de absolvidos. Não há

condenação para os que estão em Cristo Jesus. Não há

condenação para os que fazem discípulos!!!!


Vindicação: Vindicar fala sobre recuperar algo. Parece com o termo vingar, porém trata-se mais de

reestabelecer. Por exemplo: a condição orgânica da casa é fazer discípulos como já sabemos. Este

quadro alcançado é por si a justiça satisfeita. Quando o andamento deste quadro passa a desalinhar-se,

ou, pra ser mais claro, quando os que tem que ter uma natureza normal de se dispensarem não se

dispensam, algo está errado. A justiça tem que ser recuperada. E para ocorrer isto será necessário o

empenho, o serviço, e acima de tudo a seriedade e não complacência com esta situação para com

aqueles que se encontram assim. Isto é vindicar.

I r m ã o s , n ã o h á p r o t e ç ã o f o r a d o C o r p o . M a s

o C o r p o n ã o é p a r a o s c o n f o r t á v e i s

E K k l e s i a , m a s p a r a o s v i n g a d o r e s E k d i k e s i s .

S i g n i f i c a d o s d e E K D I K E S I S : V i n g a n ç a ,

s a t i s f a z e r a t o d a s a a p a r t e s , a b s o l v i ç ã o e

v i n d i c a ç ã o . V i n d i c a ç ã o n o s t r o u x e o s e n t i d o

d e u m r e e s t a b e l e c i m e n t o d a j u s t i ç a .

R e e s t a b e l e c e r é r e c u p e r a r a l g o q u e s e

p e r d e u , q u e s o f r e u d e s v i o . O q u ê s o f r e u e s t e

d e s v i o p a r a q u e f o s s e r e c u p e r a d o ?

A j u s t i ç a , f o i e s t a b e l e c i d a e x a t a m e n t e c o m

o q u e v i m o s c o m o s i g n i f i c a d o s a n t e r i o r e s ,

o u s e j a , a v i n g a n ç a , a s a t i s f a ç ã o d a s p a r t e s ,

b e m c o m o a a b s o l v i ç ã o s ã o o

e s t a b e l e c i m e n t o d a j u s t i ç a .

V e j a m o s d a s e g u i n t e m a n e i r a : U m p e s s o a

r e c e b e u o a n ú n c i o d e u m i r m ã o . O q u e t e m o s

a q u i ? E K K L E S I A . H o u v e u m t r a n s p o r t e d o

u n i v e r s o e m q u e e s t a p e s s o a e s t a v a p a r a a g o r a

o u t r o u n i v e r s o , q u e é d e n t r o d e C r i s t o . E e s t e

e s t a r e m C r i s t o é u m a u n i d a d e a v a n ç a d a p o r

m e i o d o c r e r , o n d e a p e s s o a r e c e b e u e l e m e n t o s

d e D e u s p a r a a n d a r n u m r e l a c i o n a m e n t o q u e t e m

c o m o á p i c e a c o m u n h ã o , e m o u t r a s p a l a v r a s , o

e n t r e l a ç a m e n t o c o m o D e s p e n s e i r o . N e s t e

m o m e n t o o n o v o e n t ã o é e n t r e g u e à C a s a . E l e é

u m m o r t o e m s e u d e s p e n s e i r o e t e m o E S c o m o

e s s ê n c i a , o u s e j a , f o i b a t i z a d o n o E S . O q u e e l e é

n e s t e m o m e n t o ? A i n d a é E K K L E S I A , p o r é m

p r o n t o p a r a s e r E K D I K E S I S . E s t á t u d o p r o n t o

p a r a i s s o . E l e s ó n ã o s e r á s e e l e n ã o q u i s e r s e r .

L o g o , a i n c o e r ê n c i a e s t á n e s t e p o n t o . C o m o n ã o

s e r o q u e s e t o r n o u ?


D e i x e m o s a a n o m a l i a d e l a d o e f o q u e m o s

e n t ã o n o n o s s o e x e m p l o . E s t e m o r t o n a c a s a

a g o r a é u m v i n g a d o r d e D e u s , e l e p u n i r á

p o t e s t a d e s , p r i n c i p a d o s e h o s t e s d o m a l ,

p o r t e r e m i n t e r r o m p i d o m o m e n t a n e a m e n t e

o p r o p ó s i t o d o P a i , i s s o t e r á c o m o r e s u l t a d o

s a t i s f a z e r a s p a r t e s , d a r o q u e é d e v i d o ,

t a n t o a D e u s , c o m o t a m b é m a s a t a n á s . E o

r e s u l t a d o e n t ã o p a r a e s t e n o v i n h o q u e

e n t r o u n a c a s a , a o f a z e r i s s o é e s t a r

a b s o l v i d o ! Q u e l i n d o e n t e n d e r m o s i s t o ! C a i

p o r t e r r a a c h a r q u e e u e s t o u l i v r e d e

c o n d e n a ç ã o p o r q u e a c o n t e c e u a p e n a s m i n h a

i n c l u s ã o n a c o m u n h ã o . J a m a i s p o d e r i a s e r

i s t o ! D o c o n t r á r i o D e u s n o s t e r i a c h a m a d o

p a r a s e u C o r p o s e m m o t i v o a l g u m ! M a s é

q u a n d o s o u E k d i k e s i s é q u e g a n h o a

a b s o l v i ç ã o d e D e u s . E t u d o i s t o é u m a t o

l i n d o e m a r a v i l h o s o : a d i s p e n s a ç ã o . M e

d i s p e n s a r s i g n i f i c a q u e v i n g o a D e u s e

s a t i s f a ç o a s p a r t e s . C o m i s s o a p a r t e q u e m e

c a b e c o m o b e n e f í c i o e s p e c í f i c o é a

a b s o l v i ç ã o . G r a n d e d e m a i s i s t o ! P o r t a n t o

t u d o i s t o é o e s t a b e l e c i m e n t o d a j u s t i ç a . S ó

q u e p o d e a c o n t e c e r n o , a g o r a n o v o

p e r c u r s o , u m a q u e d a , u m d e s a l i n h o , u m

d e s n i v e l a m e n t o d e t o d o e s t e q u a d r o q u e

m o s t r a m o s s e r a v i d a d o d i s c í p u l o . I s t o

p r e c i s a s e r r e c u p e r a d o ! O s d e s n i v e l a d o s

p r e c i s a m s e r r e e s t a b e l e c i d o s . T r a z i d o s

n o v a m e n t e p a r a o q u a d r o q u e a l c a n ç a r a m .

N ã o é o c a s o a q u i d o s q u e n e m s e d i s p e n s a r a m .

E s t e s t e m a i n d a q u e s e r E K D I K E S I S . E s t e s n e m

s ã o o e x e m p l o c i t a d o . M a s p a r a o s q u e s e

e n c o n t r a m e m d e s n í v e l t e m q u e h a v e r u m a

r e c u p e r a ç ã o . E e s t a r e c u p e r a ç ã o é c h a m a d a d e

v i n d i c a ç ã o : a r e c u p e r a ç ã o d a j u s t i ç a a l c a n ç a d a . E

d a m e s m a m a n e i r a q u e v i n d i c a ç ã o é r e c u p e r a r a

j u s t i ç a , o b v i a m e n t e , t a m b é m é a m a n u t e n ç ã o

d e l a . A m a n u t e n ç ã o d e l a é e u m e s e n t i r n o b r e ,

f a z e r j u s a c o m u n h ã o q u e a l c a n c e i , s a b e r a

i m p o r t â n c i a d e l a , e p o r e l a v i v e r . D a í s u r g i r ã o

m e u s r e s p o n s á v e i s p a s s o s n e s t e v i v e r . E u n ã o

t r a t e i p r e c o c e m e n t e a l g u é m à C a s a . E u n ã o i r e i

m e c o n t e n t a r e m v e r f a l s a s c o m u n h õ e s d a q u e l e s

p r ó x i m o s a m i m . P e l o c o n t r á r i o , e u a j u d a r e i o s

q u e e s t i v e r e m n e s s a c o n d i ç ã o , p o i s v i v o c o m

e l e s . P o i s a j u s t i ç a e s t a b e l e c i d a é n o s s o a l v o . E

s e n e c e s s á r i o f o r v i n d i c a r e m o s .

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para

profetas, e outros para evangelistas, e outros para

pastores e doutores,Querendo o aperfeiçoamento dos

santos, para a obra do ministério, para edificação do

corpo de Cristo;( Efésios 4:11,12).


A g o r a p a s s a m o s a e n t e n d e r m e l h o r o q u a d r o q u e

P a u l o v e i o m o s t r a n d o e m E f é s i o s 4 : " D e u s d e u u n s

e m E k d i k e s i s p a r a a p ó s t o l o s , p r o f e t a s " ( . . . ) D e u s

i n t r o d u z i u n e s t e o r g a n o g r a m a i r m ã o s E k d i k e s i s

p a r a u m a l v o e s p e c í f i c o : " c o m v i s t a s a o

a p e r f e i ç o a m e n t o d o s s a n t o s "

A p e r f e i ç o a m e n t o a q u i s e t r a t a n o g r e g o d e

K A T A P I T H I O N O S , q u e a p o r t u g u e s a n d o s e t o r n a

K A T A R T I S M O .

K A T A R T I S M O t e m o s e n t i d o b á s i c o d e

C A P A C I T A Ç Ã O .

E m E k d i k e s i s t e m q u e h a v e r c a p a c i t a ç ã o . P a r a q u ê ?

C a p a c i t a ç ã o p a r a a p e r f e i ç o a r . É u m a s e q u ê n c i a

p a d r o n i z a d a , o u s e j a , u m e f e i t o c a s c a t a . E t u d o i s t o

t e n d o c o m o a l v o o s s a n t o s . Q u e s a n t o s ? O s n o v o s .

M a s s ó e l e s ? C l a r o q u e s i m , p o r q u e é i n a d m i s s í v e l

o s a n t i g o s n ã o s e r e m a p e r f e i ç o a d o s .

A p o r ç ã o p r o s s e g u e ( . . . ) " p a r a o d e s e m p e n h o d o s e u s e r v i ç o " , S a b e m o s q u e m e n t ã o s ã o e s t e s

s a n t o s . A g o r a a q u i f a l a d o " s e u s e r v i ç o " . S e r v i ç o d e q u e m ? D e s t e s s a n t o s . E n t e n d e a g o r a ? T o d o o

o r g a n o g r a m a i n f u n d i d o p o r D e u s e m E K D I K E S I S n u n c a e j a m a i s p o d e r i a s e r a l g o p a r a d e s t a q u e d e

u m a n o m e n c l a t u r a , m a s a p ó s t o l o s , p r o f e t a s e t c . T o d o s e l e s f o r a m c o l o c a d o s p o r c a u s a d e u m ú n i c o

a l v o , o s n o v o s . É t u d o i s t o p a r a o a p e r f e i ç o a m e n t o d o s s a n t o s , p a r a q u e e s t e s s a n t o s p o s s a m

d e s e m p e n h a r o s e r v i ç o q u e a g o r a t e r á q u e p a s s a r a s e r d e l e s t a m b é m : E R G O N , A D I S P E N S A Ç Ã O .

E n g a n o é d a q u e l e i r m ã o q u e a c h a q u e s e e l e n ã o s e e n c o n t r a r n e s t a c o n d i ç ã o q u e m o e s t á

d e n u n c i a n d o s ã o o s r e s p o n s á v e i s n a C a s a . Q u e m o e s t á d e n u n c i a n d o é o t e m p o . P o r q u e a m a l d a d e é

D e u s t e r p r o p o r c i o n a d o t o d o e s t e o r g a n o g r a m a d e E K D I K E S I S a e l e , q u a n d o a i n d a e r a u m n e ó f i t o , e

e l e t e r v i v i d o p r a s i e o p r ó p r i o t e m p o h o j e o d e n u n c i a r . E q u a n d o e s t e s e s t ã o p r ó x i m o s a n ó s e

d i z e m e s t a r v i v e n d o , e n q u a n t o n a v e r d a d e n ã o e s t ã o , q u e p o s s a m o s v i n d i c a r .


T r a z e r e s t e n o v a m e n t e p a r a a j u s t i ç a d e o n d e c a i u . N ã o s e n d o l e v i a n o e c o m p l a c e n t e p a r a e s t e .

E s t a r í a m o s p e r m i t i n d o q u e e l e a c a b a s s e d e e f e t u a r o s e u d e s v i o . M a s s e g u r a m o s f i r m e m e n t e n a

m ã o d e s t e e o a j u d a m o s c o m s e r i e d a d e e s i n c e r i d a d e a o l h a r p a r a o p r o p ó s i t o e n ã o a l i m e n t a r

f a l s a s c o m u n h õ e s e m s u a v i d a . I s t o é v i n d i c a r . É n ã o s e r l e v i a n o n o r e i n o d e D e u s c o m d e s c u l p a s .

T e r m o s v i s t o E K K L E S I A e E K D I K E S I S e n t e n d e m o s

q u e h á e m E f é s i o s u m O R G A N O G R A M A D O C O R P O

t o d o f e i t o e e s t a b e l e c i d o p a r a o s s a n t o s , " o s

n o v o s " , p a r a q u e e s t e s t a m b é m t e n h a m o s e u

s e r v i ç o ( d i s p e n s a ç ã o ) . P a r a q u e i s t o a c o n t e ç a n a

d i s p e n s a ç ã o , a q u e l e q u e é E K D I K E S I S c a p a c i t a o

n o v o . E s t a c a p a c i t a ç ã o v i m o s q u e é o

a p e r f e i ç o a m e n t o d a d o , o u s e j a o K A T A R T I S M O . E s t e

a p e r f e i ç o a m e n t o p a r a o s e r v i ç o t e m q u e d e s a g u a r

n a e d i f i c a ç ã o d o C o r p o d e C r i s t o . E s t a e d i f i c a ç ã o n o

g r e g o é O I K O D O M E R , q u e v e m d e O I K O N O M I A , q u e

n o s d á o s e n t i d o d e c o n s t r u í d o . M a s a í é q u e n o s

p e r g u n t a m o s : Q u e m c o n s t r u í d o ? O " C o r p o " ? S i m , s e

s o u b e r m o s o q u e P a u l o e s t á q u e r e n d o d i z e r . E l e

e s t á f a l a n d o e s p e c i f i c a m e n t e d o C o r p o n u m s e n t i d o

d e o b r a . O b r a q u e s o u e u , o b r a q u e m e t o r n e i . E u m e

d i s p e n s o , m a s n ã o s ã o o s d i s c í p u l o s a m i n h a o b r a ,

m a s p o r m e i o d o s e r v i ç o a e s t e s e u c o n s t r u í a o b r a

q u e m e t o r n o . L o g o , a e d i f i c a ç ã o a q u i é r e f e r e n t e a

m i m c o m o o b r a , s e n d o a m i n h a c o n s t r u ç ã o n a

c o n s t r u ç ã o d e t o d o s , o u s e j a , a m i n h a e d i f i c a ç ã o n a

e d i f i c a ç ã o d o C o r p o .

A M I N H A O B R A N A O B R A D O C O R P O .

I S T O É A E D I F I C A Ç Ã O D O C O R P O .

R o g o , p o i s , a o s p r e s b í t e r o s q u e h á e n t r e v ó s ,

e u , p r e s b í t e r o c o m o e l e s , e t e s t e m u n h a d o s

s o f r i m e n t o s d e C r i s t o , e a i n d a c o p a r t i c i p a n t e

d a g l ó r i a q u e h á d e s e r r e v e l a d a : p a s t o r e a i o

r e b a n h o d e D e u s q u e h á e n t r e v ó s , n ã o p o r

c o n s t r a n g i m e n t o , m a s e s p o n t a n e a m e n t e , c o m o

D e u s q u e r ; n e m p o r s ó r d i d a g a n â n c i a , m a s d e

b o a v o n t a d e ; n e m c o m o d o m i n a d o r e s d o s q u e

v o s f o r a m c o n f i a d o s , a n t e s , t o r n a n d o - v o s

m o d e l o s d o r e b a n h o . ( 1 P e d r o 5 : 1 - 3 ) .

T r a z e r e s t e n o v a m e n t e p a r a a j u s t i ç a d e o n d e

c a i u . N ã o s e n d o l e v i a n o e c o m p l a c e n t e p a r a

e s t e . E s t a r í a m o s p e r m i t i n d o q u e e l e a c a b a s s e

d e e f e t u a r o s e u d e s v i o . M a s s e g u r a m o s

f i r m e m e n t e n a m ã o d e s t e e o a j u d a m o s c o m

s e r i e d a d e e s i n c e r i d a d e a o l h a r p a r a o

p r o p ó s i t o e n ã o a l i m e n t a r f a l s a s c o m u n h õ e s

e m s u a v i d a . I s t o é v i n d i c a r . É n ã o s e r l e v i a n o

n o r e i n o d e D e u s c o m d e s c u l p a s .


R E S P O N S Á V E L P O R D O I S P O V O S : a m a t u r i d a d e a v a n ç o u d e t a l m a n e i r a q u e a u t i l i z a ç ã o d e s t e i r m ã o

p a s s a n ã o a s e r s e r v i ç o a i r m ã o s n u m a c i d a d e a p e n a s , m a s d e v i d o a n e c e s s i d a d e q u e s u r g e o c o r r e a

d i s p o s i ç ã o d e s t e n o s e r v i ç o a d u a s c i d a d e s . O e x e m p l o p r á t i c o q u e s e v i s l u m b r a n i s t o é o c a s o d o

G i l s o n , o q u a l s e r v e

1 2

d i r e t a m e n t e e m R i b e i r ã o d a s N e v e s e s e r v e B H , c o m p o n d o pA e lM a IsN uHa A mOa tB uR r A i d aN dA e , Oc Bo Rm A i Dr mO ãCo s O, Rt Pa O m . b é m

o p r e s b i t é r i o e m B H p a r a , p e l a s u a p r ó p r i a m a t u r i d a d e a u x i l i aI Sr To O s bÉ i sA p Eo Ds Iq Fu Ie C Av iÇ sÃt oO r iDa O m Ca Oo Rb rP a O n.

e s t a

c i d a d e .

A g r a n d e z a d a m a t u r i d a d e s e g u e - s e n a f a l a d e

P e d r o . P e d r o e r a p r e s b í t e r o , m a s e m s u a f a l a d i z :

" e u , p r e s b í t e r o c o m e l e s " . I s s o m o s t r a a m a t u r i d a d e

d e P e d r o . O b s e r v e q u e e l e n ã o d i s s e : " E u p r e s b í t e r o

e n t r e e l e s " ( . . . ) , m a s c o m e l e s . I s t o m o s t r a q u e e l e

n ã o e r a p o s i c i o n a d o c o m o c h e f e d e l e s , m a s p a r t e

d e l e s . P a r t e d a q u e l e p r e s b i t é r i o , p a r t e d a q u e l a

u n i d a d e . P o r i s s o é q u e t a m b é m a f a l a d e P e d r o é a

p r e s b í t e r o s , p o i s o c r e s c i m e n t o d e l e s é a r e s p o s t a

m a d u r a p a r a s e r e c e b e r d i r e t a m e n t e t u d o o q u e

D e u s r e q u e r d e t o d o s .

L á t r a t a - s e d e p a s t o r e i o n o s e n t i d o d e K A T A R T I S M O ,

o u s e j a d e a p e r f e i ç o a r o n o v o . J á a q u i e m P e d r o o

p a s t o r e a r é P O I M A I N O . S e r i a o t r a t a r d o s d e d e n t r o ,

p o i s o p a s t o r d e E f é s i o s é p a r a o s q u e e s t ã o

c h e g a n d o .

P a s t o r e a i o r e b a n h o d e D e u s q u e h á e n t r e v ó s ,

n ã o p o r c o n s t r a n g i m e n t o , m a s

e s p o n t a n e a m e n t e , c o m o D e u s q u e r ; n e m p o r

s ó r d i d a g a n â n c i a , m a s d e b o a v o n t a d e ; n e m

c o m o d o m i n a d o r e s d o s q u e v o s f o r a m

c o n f i a d o s , a n t e s , t o r n a n d o - v o s m o d e l o s d o

r e b a n h o . ( 1 P e d r o 5 : 2 - 3 ) .

P a s t o r e a r a q u i é n o g r e g o a p a l a v r a

P O I M A I N O , g o v e r n a r , p r o v e r p a s t o s , n u t r i r ,

a d m i n i s t r a r . É d i f e r e n t e d o p a s t o r m e s t r e d e

E f é s i o s 4 q u e v i m o s :

E e l e m e s m o d e u u n s p a r a a p ó s t o l o s , e o u t r o s

p a r a p r o f e t a s , e o u t r o s p a r a e v a n g e l i s t a s , e

o u t r o s p a r a p a s t o r e s e m e s t r e s ; ( E f é s i o s 4 : 1 1 ) .

É K A T A R T I S M O p a r a v i v e r P O I M A I N O .

K A T A R T I S M O p a r a o s d e f o r a q u e e s t ã o e n t r a n d o

P O I M A I N O é p a r a o s q u e e s t ã o d e n t r o .


O que destrói é ocorrer a inversão disto:

Achar que POIMAINO é lugar de KATARTISMO. Este é o atraso da

obra de Deus, pois em POIMAINO os

irmãos já são aperfeiçoados, pois viveram o KATARTISMO.

Rebanho na porção em Pedro é POIMINIO, que quer dizer irmãos

presididos.

P A S T O R E A I O R E B A N H O D E D E U S Q U E H Á E N T R E V Ó S , N Ã O

P O R C O N S T R A N G I M E N T O , M A S E S P O N T A N E A M E N T E , C O M O

D E U S Q U E R ; N E M P O R S Ó R D I D A G A N Â N C I A , M A S D E B O A

V O N T A D E ; ( 1 P E D R O 5 : 2 ) .

Portanto há a necessidade da perfeita relação entre POIMAINO e

POIMINIO:

Se POIMAINO é governar;

POIMINIO tem que ser governável.

Se POIMAINO é promover pastos;

POIMINIO tem que ser um povo que pasta.

Se POIMAINO é nutrir

POIMINIO tem que ser um povo nutrido

Se POIMAINO é administrar;

POIMINIO tem que ser administrável.


V i m o s e m E f é s i o s o O r g a n o g r a m a d o

C o r p o . T u d o p a r a o n o v o n a f é s e r

c a p a c i t a d o p a r a t a m b é m f u n c i o n a r

c o m o t o d o s d e n t r o d o o r g a n o g r a m a . " É a

v i s ã o d e d e n t r o p a r a f o r a p a r a o s d e f o r a

e n t r a r e m . " E n t ã o e n t r a m o s

a g o r a n a v i s ã o d o a n d a m e n t o d i s s o t u d o

e s p e c i f i c a m e n t e p a r a o s d e d e n t r o .

P o d e r í a m o s c h a m a r d e " p ú b l i c o

i n t e r n o d o r e i n o " . N e s t e i n t e r i o r

c o m e ç a m o s a v e r a f a l a d e P e d r o s o b r e

t e r m o s d a d o s a i r m ã o s m a i s

e x p e r i m e n t a d o s p a r a e n t e n d e r e s t e

f u n c i o n a m e n t o i n t e r n o .

P R E S B U S - a n c i ã o e i r m ã o s d e d o i s

p o v o s ;

P O I M A I N O - p a s t o r e a r , n ã o o p a s t o r d e

E f é s i o s , q u e é p a r a o s d e f o r a q u e e s t ã o

e n t r a n d o , m a s p a r a o s d e

d e n t r o , o s q u a i s s ã o u m p o v o s u j e i t o , u m

r e b a n h o q u e v i m o s n a o r i g e m s e r a

p a l a v r a P O I M I N I O .


Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo

permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo.

O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos

outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem

maior amor do que este, de dar alguém a sua vida

pelos seus amigos. (João15:11-13).

P A R E C E Q U E A Q U I S E T R A T A D E A P E N A S

I R M Ã O S D E L O C A L I D A D E S D I F E R E N T E S ,

Q U E T A L V E Z P O D E R I A M P A R E C E R A T É

V I S I T A N T E S ,

M A S N A V E R D A D E E R A E L E S A L I P O R

C A U S A D E U M A R E S P O N S A B I L I D A D E

M A I O R . É D I T O Q U E H A V I A M P R O F E T A S

E M E S T R E S .

E M P E D R O N O S F O I D I T O S O B R E O

P R E S B Í T E R O D E N T R O D E U M

P R E S B I T É R I O . P R E S B Í T E R O C O M E L E S .

M A S C O M E L E S Q U E M ?

O P R E S B Í T E R O , I R M Ã O M A I S

E X P E R I M E N T A D O C O M O U T R O S

T A M B É M M A I S E X P E R I M E N T A D O S D O

Q U E O R E S T A N T E D O S S A N T O S .

Q U E M S Ã O E S T E S ? O S B I S P O S .

C R U Z

É U M E M B L E M A D A V O N T A D E D E

D E U S C O N V E N C I O N A D O P E L O

P R Ó P R I O J E S U S . A C R U Z N Ã O É A

V O N T A D E D E D E U S . A C R U Z É U M

E M B L E M A , U M I N S T R U M E N T O Q U E

F A Z C O M Q U E A V O N T A D E D E D E U S

S E E S T A B E L E Ç A E M M I M E A T R A V É S

D E M I M , O U S E J A , D O

D E S P E N S E I R O P A R A M I M E D E M I M

P A R A O D I S P E N S A D O . P O R É M N Ã O

É A C R U Z Q U E M A R C A A V O N T A D E

D E D E U S , M A S A M O R T E . A

V O N T A D E D E D E U S F O I M A T A R O

F I L H O .


A p a l a v r a p a r a b i s p o s é E P I S K O P O S , q u e

q u e r d i z e r s u p e r v i s o r . M a s a f i n a l , o n d e

e n c o n t r a m o s e n t ã o e s t e s b i s p o s n a

p o r ç ã o c i t a d a ? Q u a n d o é m e n c i o n a d o o s

p r o f e t a s . S i m o s b i s p o s s ã o p r o f e t a s e

o s p r o f e t a s s ã o b i s p o s . P r o f e t a é u m a

c o n s t i t u i ç ã o e b i s p o u m a p o s i ç ã o .

C o n s t i t u i ç ã o p o r q u e a p r o f e c i a é a v i d a

d e s t e i r m ã o , s ã o a s a t i t u d e s d e l e . E

c o m o e l e é c o n s t i t u í d o d i s s o e l e o c u p a

u m a p o s i ç ã o n e s t e f u n c i o n a m e n t o

d e s u p e r v i s i o n a r . M a s c o m o é q u e s e

s u p e r v i s i o n a ? E s t a n d o a t e n t o a

d e s l i z e s ? F i c a n d o d e " o l h o " n o s i r m ã o s

p a r a i n s p e c i o n á - l o s ? N ã o . A m a n e i r a d e

v i s t o r i a r é s e n d o o q u e e l e s e t o r n o u : o

m o d e l o . É u m a p e r f e i t a r e l a ç ã o e n t r e

o s i r m ã o s q u e q u e r e m a c o n s t i t u i ç ã o

q u e e l e a l c a n ç o u j u n t o c o m a

r e s p o n s a b i l i d a d e d e l e d e n u n c a d e i x a r

d e s e r o q u e é p a r a q u e a v i s t o r i a s e d ê

d e f o r m a f l u i d a .

P o r t a n t o , i n d i v i d u a l m e n t e v i s t o r i a m o s

s a n t o s , m a s q u a n d o e l e s e s t ã o j u n t o s

e n t r e s i e c o m o o u o s i r m ã o s

m a i s e x p e r i e n t e s a i n d a ( p r e s b í t e r o s ) ,

e s t e s b i s p o s f o r m a m o p r e s b i t é r i o c o m o

o b j e t i v o d e P O I M A I N O , p a s t o r e a r

o r e b a n h o c o m o j á v i m o s .

T u d o a q u i é q u e s t ã o d e c r e s c i m e n t o : O

p r e s b í t e r o , e v i d e n t e m e n t e s a i r á d o

p r e s b i t é r i o , b e m c o m o b i s p o s s a i r ã o d o s

p a s t o r e s . T u d o o r g â n i c o , e n ã o u m a

n o m e a ç ã o d e c h e f e s , a t é p o r q u e e s t e s

s ã o c h a m a d o s é a s e r v i r t o d a a

i g r e j a . E s t a m u d a n ç a n o s e r v i ç o é o

S e n h o r s e r s u p r i d o m e d i a n t e n ã o s ó

g r a ç a a l c a n ç a d a p e l o i r m ã o , m a s G R A Ç A

S O B R E G R A Ç A , o u s e j a , e l e a l c a n ç o u

g r a ç a p a r a s e d i s p e n s a r , m a s a g o r a é

g r a ç a s o b r e g r a ç a , u m a c a p a c i t a ç ã o

d i f e r e n t e d e K A T A R T I S M O , m a s u m a

c a p a c i t a ç ã o a g o r a p a r a s e r M O D E L O .


E N Ã O P E N S E Q U E S E R M O D E L O É A Q U E L E Q U E D E V E S E R P E R G U N T A D O P E L O S

I R M Ã O S :

_ P O S S O I R ?

_ P O S S O F I C A R ?

_ D E V O F A Z E R ?

O S Q U E A S S I M P E R G U N T A M , N A V E R D A D E , E S T Ã O P R O C U R A N D O D E S C U L P A S P A R A

D I Z E R L Á N A F R E N T E Q U E N Ã O F O R A M R E S P O N S Á V E I S A T É M E S M O P E L A S U A S A Í D A

D A C O M U N H Ã O !

A G O R A S A B E M O S D I F E R E N C I A R D E M A N E I R A M A I S A M P L A A C O M U N H Ã O D A I G R E J A

E A C O M U N H Ã O D O C O R P O . I S T O A C E R C A D O I N D I V Í D U O P O D E R I A S E R V I S T O D A

S E G U I N T E M A N E I R A :

C O M U N H Ã O D A I G R E J A

I N I C I A N A D I S P E N S A Ç Ã O ;

C O N C L U I D A D I S P E N S A Ç Ã O P A R A A C A S A .

C O M U N H Ã O D O C O R P O

I N I C I A N A C A S A ;

C O N C L U I D A C A S A P A R A O S M I N I S T É R I O S .

Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em

cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi: alguém que seja irrepreensível,

marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem

são insubordinados. Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de Deus,

não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância;

antes, hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, que tenha domínio de si, apegado à palavra

fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como

para convencer os que o contradizem.

(Tito 1: 5 - 9).


-Apegado a Palavra.

Nem bíblia havia! Haviam então as essências vividas por eles.

-Constituísses presbíteros.

Obviamente é dito acerca de presbitério, mesmo tendo sido citado

presbíteros, pois Paulo já via tudo

naturalmente acontecendo: um presbitério do qual, pelo

crescimento natural é claro acontecer o ou os

presbíteros dentre este presbitério.

-Indispensável que o bispo (...)

É a mesma ligação com a porção em:

Fiel é a palavra: se alguém aspira ao

episcopado, excelente obra almeja. É

necessário, portanto, que o bispo seja

irrepreensível, esposo de uma só

mulher, temperante, sóbrio, modesto,

hospitaleiro, apto para ensinar; não

dado ao vinho, não violento, porém

cordato, inimigo de contendas,

não avarento; e que governe bem a

própria casa, criando os filhos sob

disciplina, com todo o respeito (pois,

se alguém não sabe governar a

própria casa, como cuidará da igreja

de Deus?); não seja neófito, para não

suceder que se ensoberbeça e incorra

na condenação do diabo. Pelo

contrário, é necessário que ele tenha

bom testemunho dos de fora, a fim

de não cair no opróbrio e no laço do

diabo. (1 Timóteo 3: 1- 7).


- SE ALGUÉM ASPIRA O EPISCOPADO (...)

SE ALGUÉM ALMEJA SER BISPO?

POIS É, ESTAMOS VACINADOS AGORA NÃO É?

Depois do que entendemos, vemos que aqui é

dito: "SE ALGUÉM ASPIRA A CONSTITUIÇÃO

DO MODELO"

Se alguém de dentre os irmãos tem caracteres

dos que são modelos. De antemão eles já vivem

como o padrão

que estes irmãos se tornaram.

Semelhantemente, quanto a diáconos, é necessário que sejam respeitáveis, de uma só palavra, não

inclinados a muito vinho, não cobiçosos de sórdida ganância, conservando o mistério da fé com a

consciência limpa. Também sejam estes primeiramente experimentados; e, se se mostrarem

irrepreensíveis, exerçam o diaconato. Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam

elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo. O diácono seja marido de uma só

mulher e governe bem seus filhos e a própria casa. Pois os que desempenharem bem o diaconato

alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus.

(1 Timóteo 3:8- 13).


Estes irmãos, que são cooperadores não são ainda o

modelo, mas o semelhantemente mostra que eles já

estão

tomando a forma dos que são modelo mediante uma

dispensação, não mais de salvação, não mais de

KATARTISMO, mas de ministérios.

E neste organismo temos então por comunhão da igreja

a comunhão dos profetas com os pastores que

capacitam as ovelhas. Já na comunhão do Corpo temos a

comunhão do presbitério com os apóstolos, pois os

apóstolos são o laço que autentica esta comunhão de

todos. Isto é lindo porque é exatamente o laço que faz

ser

Corpo aqueles que ainda são um testemunho, como é o

caso de Sabará, Caçapava e outras novas

dispensações em novas cidades.

E, especificamente a comunhão do Corpo deste

presbitério com os apóstolos, que de maneira primária é

por

meio do ou dos presbíteros é dado o nome de

PERSEVERANÇA.

Logo, toda este organismo vivo em comunhão é a prática

de Atos 2.42: a doutrina, a comunhão, o partir do pão e

as orações são todo este organismo vivo de comunhão.


E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na

comunhão, e no partir do pão, e nas orações.

( Atos 2:42)

Apóstolos modelos dos profetas, profetas dos

pastores e pastores das ovelhas.Qual a base para isto?

Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos,

mas concidadãos dos santos, e sois da família de

Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos

e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra

angular; no qual todo o edifício, bem-ajustado, cresce para

santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós

juntamente estais sendo edificados para habitação de

Deus no Espírito.(Efésios 2: 19 - 22).

Qual o critério para ser concidadão? Ser edificado

sobre o fundamento dos apóstolos e profetas. Em

outras palavras é estar na comunhão gerada neles.

A construção e desconstrução que Paulo fez e que agora fazemos

também é que construirmos para entender as engrenagens, e

desconstruirmos para entender que as engrenagens não são a

lataria que é vista, o chassi exterior. O chassi exterior são

DISPENSEIROS FIÉIS.

Daqui pra frente é tão inconcebível você se apegar as

nomenclaturas quanto você, ao falar que vai a padaria

com seu carro dizer: "Vou pegar meu motor 2.0, roda aro 15,

bateria, alternador e reservatório de água, bem

como o tanque de gasolina, escapamento, e ir ali comprar um

pão". Não! Mas você diz vou ali com o carro! É isso que o Senhor

quer: Ir ali, onde Ele precisa ser suprido com os DISPENSEIROS

FIÉIS!


Irmãos, está aqui a confusão que esta nova

doutrina dos "desigrejados" oferecem: Eles

destroem a função por não saberem construí-la

para depois desconstruí-la, e colocá-la em seu

devido lugar. E se é o ES que rege a função no

Corpo eles acabam por rejeitar o Espírito Santo.

É de fato a cartada final de Satanás.

Observe a construção disso ao longo da história:

- Incitar Roma a perseguir não teve o resultado

esperado então satanás cirou o sistema Estado,

o catolicismo;

- o sistema Estado se tornou grande escândalo,

então satanás trouxe mais "liberdade" fora

destas amarras no chamado protestantismo;

- O protestantismo se corrompeu

posicionalmente de tal maneira que hoje muitos

estão começando a acordar. E este acordar tem

sido um risco que é estes perceberem e

passarem a viver a comunhão que Deus

disponibilizou para que sejam salvos.

Aí satanás dá o golpe final:

_"Venham para a comunhão! Libertem-se do

sistema de vez. Não se deve ter placas e nomes"_

Contanto que as funções, as engrenagens sejam

destruídas. É o carro com aquele chassi lindo, mas

quando se abre o capô não há nada ali dentro! Então

perca, se você ainda tem, o costume de dizer que em

BH existem profetas, pastores etc, porque isto são

funções. Entenda-as, mas saiba que em BH o que

existe são DISPENSEIROS FIÉIS.

Porque se nos sujeitarmos uns aos outros neste

funcionamento é impossível a posição ser aflorada.

More magazines by this user
Similar magazines