Jornal das Oficinas 156

apcomunicacao

JDO_220x28.pdf 1 25/09/18 09:53

C

M

PUB

Y

CM

MY

CY

CMY

K

jornaldasoficinas.com

Jornal independente

da manutenção e reparação

de veículos ligeiros e pesados

156

Novembro 2018

Periodicidade | Mensal

ANO XIV | 3 euros

Diretor | João Vieira

PUB

CONCURSO CHALLENGE OFICINAS 2018

Premiar a eficiênciaPág. 12

AF-anuncioPLR-130x115mm cc.pdf 1 18/10/18 14:41

SALÃO MECÂNICA Pág. 4

Pelo segundo ano, a feira realizou-se

em Lisboa. A organização fala em 150

expositores e cerca de 25 mil visitantes

ENTREVISTA Pág. 32

Ricardo Ribeiro, CEO do Grupo

TRUSTAUTO, dá a conhecer a organização

que lidera e que prima pela diferença

ATUALIDADE Pág. 16

Saiba o que muda com o novo regulamento

dos equipamentos de proteção individual

C

TÉCNICA Pág. 86

Spot Repair: processo de reparação

de danos para trabalhos rápidos de pintura

TECNOLOGIA Pág. 20

As porcas e os parafusos estão

CM

a transformar-se em peças do passado.

O futuro dos componentes auto já chegou MY

M

Y

Logo_EscapeForte_Particulas_PRINT.pdf 1 18/10/18 14:38

ENSAIO Pág. 88

Estilo arrebatador e 223 cv de potência

Selo SKF 90 anos.pdf 1 18/10/18 14:

combinada. Assim é o Lexus RC 300h

CY

C

CMY

C

M

Y

K

M

Y

CM

CM

MY

MY

CY

CY

CMY

CMY

K

K

PUB

PUB

PUB


AIR

SUSPENSION

CENTER

+351 239 700 760

www.pro4matic.com


FOLHA DE SERVIÇO

3

EDITORIAL

Impressão – FIG, Indústrias Gráficas, S.A. Rua

Adriano Lucas, 3020 - 265 Coimbra

Tel.: 239 499 922

Na linha da frente

O JO vai estar presente no maior Congresso Europeu do Aftermarket, que

se realiza, em Roma, nos próximos dias 6 e 7 de novembro. Acompanhe

as principais novidades do evento no nosso site e nas redes sociais

Há vários anos, o JO iniciou uma colaboração internacional

com os meios especializados do aftermarket.

Uma parceria selada no AMN - Aftermarket Media

Network, um grupo de publicações europeias que pretende

oferecer um serviço adicional aos seus leitores e parceiros,

promovendo reuniões e congressos dirigidos aos executivos

do aftermarket e abrindo um canal direto de conhecimento

e intercâmbio com os parceiros estrangeiros selecionados

nos respetivos mercados.

Neste âmbito, a revista italiana Parts vai realizar, nos dias

6 e 7 de novembro, em Roma, a 14.ª edição do Parts Aftermarket

Congress, o maior encontro europeu de empresários

do pós-venda. O JO, membro fundador do AMN, estará

presente para fazer a cobertura deste importante evento,

Edição

AP COMUNICAÇÃO

N.º de Registo no ERC: 124.782

Depósito Legal n.º: 201.608/03

Tiragem – 10.000 exemplares

Propriedade João Vieira - Publicações Unipessoal, Lda. | Sede Bela Vista Office, Sala 2.29 – Estrada de Paço de Arcos, 66 - 66A, 2735 - 336 Cacém - Portugal GPS 38º45’51.12”N -

9º18’22.61”W | Tel. +351 219 288 052/4 | Fax +351 219 288 053 | Email geral@apcomunicacao.com

Consulte o Estatuto Editorial no site www.jornaldasoficinas.com

DIRETOR João Vieira – joao.vieira@apcomunicacao.com

onde irão estar mais de 500 participantes, entre distribuidores,

fabricantes, associações e entidades de referência no

aftermarket mundial.

Durante os dois dias do congresso, serão debatidos e analisados

diversos temas, como a evolução dinâmica do setor,

as tendências de desenvolvimento e as experiências dos

grandes grupos europeus de distribuição.

Roberto Vavassori, presidente do Clepa, Sylvia Gotzen, CEO

da FIGIEFA, John Quinn, CEO e diretor-geral da LKQ Europe,

e Fotios Katsardis, CEO e presidente da Temot International

Autoparts, são alguns dos oradores confirmados. As apresentações

que farão estarão focadas nas novas oportunidades

criadas pela mobilidade cada vez mais inteligente, graças

às inovações tecnológicas e motorizações alternativas. ✱

EDITOR EXECUTIVO Bruno Castanheira – bruno.castanheira@apcomunicacao.com REDAÇÃO Jorge Flores – jorge.flores@apcomunicacao.com e Joana Calado – joana.calado@apcomunicacao.com

DIRETOR COMERCIAL Mário Carmo – mario.carmo@apcomunicacao.com | GESTOR DE CLIENTES Paulo Franco – paulo.franco@apcomunicacao.com

| IMAGEM António Valente | MULTIMÉDIA Catarina Gomes | ARTE Hélio Falcão | SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E CONTABILIDADE financeiro@apcomunicacao.com

PERIODICIDADE Mensal | ASSINATURAS assinaturas@apcomunicacao.com

© Copyright Nos termos legais em vigor, é totalmente interdita a utilização ou a reprodução desta publicação, no seu todo ou em parte, sem a autorização prévia e por escrito do JORNAL DAS OFICINAS

.es

Parceiro

em Espanha

João Vieira Diretor

Colaboração,

adaptação e

integração

Em Portugal, o mercado do pós-venda automóvel,

segundo dados da DPAI (Divisão de Peças e

Acessórios Independentes), é uma indústria global

que, em 2016, registou um valor de 1.578 milhões

de euros (último ano de análise), tendo sido o

quarto ano consecutivo de crescimento do negócio.

Com este ritmo de crescimento, é expectável

que o negócio do aftermarket em Portugal possa

ultrapassar os 1.620 milhões de euros nos próximos

anos. O seu crescimento dá-se em função do

número de veículos nas estradas e da idade dos

mesmos, sendo que ambos estão a aumentar.

Contudo, o mercado do pós-venda é ainda ineficiente

nalguns aspetos chave do negócio. Está

sobrecarregado com demasiadas infraestruturas.

Todas as localidades têm uma loja de peças automóvel,

cujas prateleiras estão repletas de produtos

à espera que a procura acompanhe a oferta.

Tal como a tecnologia remodelou o automóvel,

está, também, a remodelar a forma como a manutenção

dos automóveis é realizada e as peças

são fornecidas. A telemática e a análise preditiva

de falhas estão a emergir rapidamente como alicerces

do futuro da manutenção de veículos. As

empresas que adotarem estas tecnologias, onde

se incluem fabricantes, distribuidores, retalhistas

e oficinas, irão definir o mercado do pós-venda do

futuro. Embora a tecnologia tenha criado desafios

e revoluções nas empresas do setor, trouxe,

também, oportunidades e possibilidades reais

de crescimento.

Os que procuram o crescimento terão de ajustar

os seus modelos de negócio em consonância. Isto

significa unir forças, cada um contribuindo com as

suas qualidades e experiência, para enfrentarem,

em conjunto, os desafios do negócio de forma

estratégica. Colaboração, adaptação e integração

são as novas palavras chave. E aqueles que as

adotarem como medidas de sucesso, irão assumir

a liderança. Aqueles que não o fizerem, ficarão

para trás, numa indústria em mudança a uma

velocidade estonteante.

Evidentemente, as recompensas valem bem o

esforço, uma vez que o setor da reparação automóvel

está a atravessar um momento de grande

vitalidade e dinamismo. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


4

SALÃO

MECÂNICA 2018

Capital do aftermarket

Durante três dias, Lisboa não foi apenas a capital de Portugal, mas o ponto de encontro

do aftermarket nacional. Pela segunda vez consecutiva, o Salão MECÂNICA realizou-se na FIL, no Parque

das Nações. De acordo com a entidade organizadora, Exposalão, passaram pelo pavilhão 3 da feira cerca

de 25 mil visitantes profissionais, que puderam contactar com os 150 expositores presentes

Por: João Vieira, Bruno Castanheira e Jorge Flores

Em 2018, o 8.° Salão Profissional de

Aftermarket, Equipamento Oficinal e

Logística voltou a realizar-se em Lisboa.

Mais concretamente, na FIL, no Parque

das Nações. De 26 a 28 de outubro, pelo

segundo ano consecutivo desde que saiu

da Batalha, o aftermarket nacional convergiu

para a capital portuguesa. Este ano,

sem a ExpoTransporte, a feira foi inteira-

mente dedicada à temática da mecânica

automóvel, com destaque para a logística,

uma componente primordial neste setor e

que contribui em muito para a otimização

dos processos.

“Registámos, na edição de 2018, um ligeiro

aumento no número de expositores,

reflexo do enorme universo de empresas

que fornece este setor tão ativo e que se traduziu

na participação de novas empresas,

o que trouxe uma nova dinâmica à feira e

novas possibilidades para os profissionais

que a visitaram. Este cenário permite-nos

encarar a MECÂNICA numa perspetiva

de continuidade, sempre com o intuito

de melhorar, nomeadamente em relação

a algumas áreas que não estão tão bem

representadas como gostaríamos”, referiu

Jorge Baptista, diretor comercial da feira.

MUNDO DE SOLUÇÕES

Com a realização, em Lisboa, da edição de

2018 da MECÂNICA, a Exposalão confirmou

o ponto de viragem que decidiu fazer na

feira pioneira do aftermarket nacional. Aos

longos dos 10.000 m² de área expositiva,

estiveram presentes, de acordo com dados

da organização, 150 expositores, que

responderam a todas as áreas de interesse

dos cerca de 25 mil visitantes profissionais

que passaram, ao longo de três dias, pelo

pavilhão 3. Mais do que uma exposição

dedicada ao pós-venda, esta edição apresentou-se

como um salão profissional e

com dinamismo.

Segundo a Exposalão, os milhares de

profissionais que aderiram ao evento puderam

contactar com uma vasta gama

de produtos, equipamentos e acessórios

para o setor automóvel, nomeadamente

equipamento oficinal, auto diagnóstico,

ferramentas, repintura automóvel, estruturas

e equipamentos para lavagem auto,

equipamento GPL, peças e acessórios, componentes

elétricos, vidros, iluminação, car

audio, cosmética automóvel, ar condicio-

nado, escapes, turbos, pneus, óleos e lubrificantes,

gestão de resíduos, formação,

software de apoio às oficinas, associações

setorias e imprensa especializada.

“Durante os três dias, sentiu-se a energia

deste setor, onde a linguagem específica

da mecânica e dos automóveis dominou

o ambiente, que se pautou pelos contactos

e parcerias. Estamos satisfeitos com o

resultado final e com este encontro dos

profissionais, que potenciou, com certeza,

a realização de muitos negócios”, referiu

José Frazão, promotor do evento e diretor

da MECÂNICA. Destaque merece, também,

a afluência de visitantes da região sul

(Margem Sul do Tejo, Alentejo e Algarve),

com uma presença muito significativa, que

veem neste salão a oportunidade ideal para

contactar, de perto, com os fornecedores

do seu negócio. A Exposalão já está de

olhos postos no futuro e a próxima edição

será realizada, em novembro de 2019, na

FIL, em Lisboa.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Veja o vídeo em www.jornaldasoficinas.com

5

Players de A a C

O convívio com os clientes foi uma das razões que levou

a ALTARODA a comparecer a mais uma edição da

MECÂNICA. Importa sempre colocar um rosto em determinado

nome que, por vezes, apenas se conhece à

distância. Mas não só. Em termos de novidades, a

empresa apresentou os novos elevadores Mini-lift &

Move, fazendo demonstrações ao vivo das suas qualidades.

Trata-se de um equipamento de grande portabilidade,

estabilidade e robustez.

A Álvaro de Sousa Borrego (ASB) centrou as atenções

nos produtos dedicados a repintura automóvel.

Além do convívio com clientes e parceiros, em particular

destaque nesta edição estiveram as gamas das

marcas Spies Hecker e 3M. A empresa aproveitou o

certame para realizar promoções junto dos seus clientes.

Exemplos? Na compra de uma lixadora pneumática,

da 3M, os interessados receberam, gratuitamente, um

kit manual de eliminação de imperfeições. Além disso,

a ASB promoveu uma campanha de descontos para

quem comprasse duas caixas de copos e rolos de fitas

de mascarar descartáveis.

A nova aplicação para clientes e oficinas dominou, por

completo, o espaço da Autoapp no salão. Projeto

inovador que visa otimizar a gestão do cliente e do

fornecedor, disponibiliza toda a informação necessária

sobre veículo e cliente, de forma intuitiva e à distância

de um clique. A aplicação, a apresentar, oficialmente,

em dezembro, permite angariar novos clientes que

pesquisem oficinas, controlar a agenda da oficina de

forma mais eficiente, comunicar com os seus clientes

através de um canal privilegiado, aceder ao histórico

das visitas dos clientes e otimizar a gestão de clientes

e viaturas.

A mudança do logótipo encheu, por completo, o espaço

da Bahco. Num ambiente pautado pelo cor-de-laranja

vivo, que continua a animar a imagem da marca, pertencente

ao grupo SNA, foi bastante visível, no certame,

a alteração do emblemático peixe, que, nesta atualização

do logótipo, foi (literalmente) libertado das

“amarras” que tinha anteriormente, encontrando-se,

agora, mais eleve e dinâmico. Conceito que a própria

empresa transmite com a sua atividade no mercado

nacional. A feira foi uma oportunidade para a Bahco

dar a conhecer aos profissionais a sua nova identidade

gráfica e mostrar um pouco do seu vasto e premium

portefólio em termos de ferramentas para o setor do

pós-venda automóvel. Exemplos disso, foram as novidades

BH1300 e a BH1300 QA, além do sistema

modelar de armazenamento de ferramentas BETMS,

uma das principais novidades do catálogo.

Facilitar a vida aos clientes. Foi este o grande objetivo

da Berner na MECÂNICA 2018. Para isso, a empresa

apresentou, no evento, dois programas de aplicação.

O primeiro, destinado à limpeza exterior dos automóveis,

oferecendo um serviço integrado, onde o cliente

encontra tudo o que precisa para a realização desse

serviço. O segundo programa prende-se com a mudança

de pneus. Recorrendo ao mesmo princípio de disponibilizar

toda a informação, segmentada, na mesma

plataforma, a Berner disponibiliza uma aplicação

completa sobre a temática, com todo o tipo de material

de suporte para os clientes poderem otimizar o

seu negócio nesta área.

A aposta principal da Cetrus no certame de Lisboa

continua a ser no mobiliário técnico. Na opinião dos

responsáveis da empresa, uma realidade cada vez com

maior aceitação no dia a dia das oficinas do mercado

nacional. Em exposição no seu espaço, estiveram os

produtos e equipamentos das áreas de colisão, gestão

informatizada dos lubrificantes, bancos de reparação

rápidos, sistemas de medição, e a já presença habitual

neste tipo de eventos: a torre multisserviços. Importante

ainda para a Cetrus, presença histórica no salão, é

estabelecer contactos com potenciais parceiros.

Na sua grande estreia na MECÂNICA, a Comertim

centrou as atenções, no seu stand, em torno dos produtos

da marca Lechler, da qual é importador oficial.

Num espaço marcado pelo modelo clássico, pintado

de várias cores, a empresa especialista em repintura

automóvel fez questão de destacar ainda a marca topo

de gama Boss Outo, também por si representada.

Dar visibilidade à marca Hella Gutmann, da qual a

Cometil é um dos distribuidores, pautou , também,

a participação da empresa liderada por Pedro de Jesus

na feira. Sem perder o foco principal na Hunter, a estrela

da companhia, que se fez representar pelo equipamento

Revolution Walkaway, que permite 25% ou mais de

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


6

SALÃO

MECÂNICA 2018

ganho no processo, uma vez que dispensa o facto de

o técnico ter de estar “agarrado” ao equipamento,

podendo, desta forma, realizar outras tarefas em simultâneo.

A marca norte-americana Chief (Grupo

Rotary), a nova representação da Cometil, sendo especialista

em bancos de carroçaria e sistemas de medição

de carroçaria, esteve, também, em destaque.

Sem esquecer o sistema de verificação de pneus compacto

e portátil TreadReader, da SigmaVision.

Naquela que foi a sua primeira presença num salão

nacional, a CYR deu a conhecer aquilo que faz, as

marcas com as quais trabalha (com destaque para as

NTN-SNR e Koyo) e o desenvolvimento da loja online,

que dá aos clientes (B2B e B2C) uma ferramenta poderosa

que facilita o seu trabalho, ao permitir maior

rapidez e eficácia superior. Segundo os responsáveis

da empresa de Torres Vedras, trata-se da ferramenta

mais importante nos 13 anos de atividade da CYR.

Players de E a G

Presença habitual nos eventos do setor, a Escape Forte

aproveitou a edição deste ano para estar próxima dos

seus clientes e parceiros, bem como para expandir o

seu nome na zona da Grande Lisboa, local onde se

realizou o evento. Além disso, a empresa liderada por

Rui Lopes procurou inovar no seu ramo de especialização.

Como? Através da aposta forte na divulgação

do seu trabalho na área dos filtros de partículas e

catalisadores preparados para a norma Euro 6. Uma

estratégia ímpar no ramo e que tem como objetivo

servir o mercado de reparação e reconstrução de veículos

pesados.

Fornecedor global de aftermarket. Foi, desta forma,

que a Euro Tyre definiu a sua presença na feira. De

pneus a peças, a empresa liderada por Manuel Félix

deu, como não podia deixar de ser, grande ênfase ao

projeto autónomo da rede nacional de lojas de peças

independentes que criou.

A consolidação da imagem foi um dos objetivos da

Eurocofema no certame de Lisboa. De resto, a empresa

continua a apostar na marca própria, a ECF, lançada

em 2008. As novas máquinas de ar condicionado da

Ecotechnics (modelos R134A e R1234yf), já estão

preparadas para trabalhar com o novo gás refrigerante.

Tendo como responsável César Branco, diretor comercial

da Euro Tyre, a euroPARTNER elegeu o Salão

MECÂNICA para se apresentar ao mercado. Esta rede

nacional de lojas de peças independentes baseia o seu

conceito no TecPARTNER, uma ferramenta de integração

do TecDoc com os sistemas de gestão das lojas de

peças, que permite, por exemplo, a partilha de stocks

a nível nacional e a informação sobre as pesquisas

efetuadas na zona de atuação da loja. A euroPARTNER

não pretende ser um fornecedor exclusivo das lojas de

peças, mas um parceiro de negócio e tecnológico para

melhorar a eficiência das lojas de peças independentes.

No final de 2019, a rede prevê ter 25 parceiros. As

casas de peças mantêm a sua total independência com

este projeto, que introduz, ainda, a venda de pneus

com uma das ofertas mais completas do mercado e o

conceito de marcas exclusivas de peças por zona.

Um evento como a MECÂNICA é uma oportunidade

ímpar para uma empresa como a Eticadata, que não

trabalha diretamente com os clientes finais, ficar a

conhecê-los. No fundo, permite-lhe atribuir um rosto

e um nome às licenças com que lidam na sua atividade

diária. A empresa de Braga, especialista em soluções

para o setor, deu-se a conhecer a quem a visitou na

feira.

No espaço da empresa Fernando Marques Equipamentos

(FM), as alusões à marca Gutmann eram

muitas. O objetivo passou por realçar o acordo de

parceria estabelecido entre a FM e a Escala Versão, para,

em conjunto, comercializar os aparelhos de diagnóstico

da Gutmann. As duas primeiras empresas assumiram

ainda a assistência aos clientes desta marca, tal como

têm vindo a fazer ao longo das duas últimas décadas.

O certame serviu para formalizar a relação e dar a

conhecer aos profissionais os contornos da parceria.

No espaço da Gonçalteam, as atenções recaíram,

essencialmente, para a nova máquina de alinhar direções

para veículos pesados (HPA M830 LL) e para a

HP FAIP, equipamento de acesso aos produtos topo de

gama, já preparada para pneus Run Flat. A empresa

apresentou ainda a sua gama de produtos de diagnóstico

da Launch.

A distribuidora dos lubrificantes da petrolífera Galp,

Gradoil, acredita que ainda existe muito espaço e

mercado para crescer e conquistar no segmento dos

veículos ligeiros dentro da região da Grande Lisboa. E

está empenhada em consegui-lo. Depois da sua estreia,

realizada na edição transata, a empresa garante estar,

neste momento, a conseguir colher os frutos devidos

do investimento inicial e a passar a mensagem da

qualidade dos produtos que representa. A presença

no certame deste ano foi, por isso, uma oportunidade

MECÂNICA em números

10.000 m

1

2

150 3 7

área total de exposição

45

total de expositores

dias de feira

25.000

entrevistas feitas pelo Jornal das Oficinas

pavilhão alocado ao certame visitantes rondaram esta fasquia

elementos do Jornal das Oficinas presentes

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Este é o Rui Almeida, proprietário e gestor

da oficina de reparação A. H. Almeida, na

Bobadela, Portugal.

A sua oficina é mais do que um negócio,

faz parte da sua família e da sua vida.

No nosso centro de #OFICINASORIGINAIS

juntamos os Verdadeiros Originais, de

oficinas de todo o mundo, que confiam

na TRW e partilham a nossa dedicação

à excelência. Verdadeiros profissionais que

utilizam as suas ideias e soluções originais

para se certificarem de que as suas oficinas

são as melhores naquilo que fazem.

Visite #OFICINASORIGINAIS para ouvir as

suas vozes e descobrir alguns conselhos que

fazem os clientes regressar sempre às suas

oficinas.

OFICINAS

SERVIÇO AO CLIENTE

ORIGINAIS

www.trwaftermarket.com/oficinasoriginais

Parte da ZF Aftermarket, cada peça TRW é concebida para superar desafios, tal

como os colaboradores dedicados de todo o mundo que as fazem chegar até

si. Apoiados por uma rede global de especialistas no mercado de pós-venda, os

produtos TRW ditam os padrões da segurança e da qualidade.


8

SALÃO

MECÂNICA 2018

para vincar a sua imagem junto dos potenciais clientes

e parceiros.

Pelo segundo ano consecutivo, a GravityPaint marca

presença no salão lisboeta dedicado ao pós-venda

automóvel. A empresa de Sobral de Monte Agraço

aproveitou a oportunidade para dar visibilidade ao seu

trabalho, com demonstrações ao vivo, e para dar a

conhecer algumas novidades em termos de produtos.

Entre eles, o novo spray primário de secagem UV Finixa

e as lâmpadas de secagem UV-LED da mesma marca,

bem como as mais recentes aquisições no portefólio

da Flex.

O Grupo Valente & Lopes voltou a marcar presença

na MECÂNICA. Mas, desta vez, com um stand de 162

m 2 , o maior do certame, onde apresentou um produto

inovador e uma nova parceria, que aposta na sustentabilidade,

na inovação e no desenvolvimento:

uma cobertura solar. A estrutura robusta e esteticamente

equilibrada alia as vantagens da produção de

energia limpa à proteção fornecida pela cobertura.

Composta por painéis solares, a SOLAR permite, não

só, a vertente de produto sombreador, como, também,

o aproveitamento de energia elétrica. Prova disso

mesmo, foi o automóvel Tesla S75 que esteve presente

no espaço do Grupo Valente & Lopes. Do lado oposto

do stand, protegido por uma cobertura metalo-têxtil,

modelo Digart 7, esteve um Jaguar F Type. Líder

de mercado ibérico no setor das coberturas metalo-

-têxteis, o grupo criado por Pedro Valente arrojou e

provou que está a par das tendências do mercado e,

sobretudo, atento às necessidades cada vez mais

exigentes dos clientes.

Players de I a L

Atividades paralelas

CASA informa

sobre as novas

regras do Livro

de Reclamações

A exemplo do que tem acontecido nas

anteriores edições, o Salão MECÂNICA contou

com um programa de atividades paralelas, que

decorreram num espaço próprio durante os três

dias do certame. ARAN, CEPRA, EAAT (Formação

Profissional Eletrónica Automóvel), APVGN

(Associação Portuguesa de Veículos de Gás

Natural) e CASA (Centro de Arbitragem do Sector

Automóvel), foram algumas das entidades que

realizaram workshops e conferências dedicados

a várias temáticas. Destacamos os workshops

realizados pelo CASA dedicados a “Boas Práticas na

Reparação”, onde foram apresentadas ferramentas

para as empresas utilizarem na sua relação com os

clientes, em temas como regras de orçamentação,

direitos da oficina em caso de reclamação, novas

regras do livro de reclamações e como melhorar

o relacionamento com clientes.

Sabe que o orçamento é um serviço que pode ser

cobrado ao cliente? Sabe quais são os seus direitos

quando um cliente faz uma reclamação? Sabe o

que fazer se o cliente não autoriza a reparação

necessária ao bom funcionamento do veículo?

Estas e outras questões, foram respondidas por

Sara Mendes, diretora do CASA.

A Imporfase, especialista em escapes, apresentou-se

com o intuito de estreitar laços e aprofundar conhecimentos

com os seus clientes da região de Lisboa através

dos filtros de partículas Euro 6, uma vez que os

fabricantes da empresa já dão cartas nessa área. A

Imporfase não revelou grandes novidades no evento,

mas fez questão de expor as suas propostas em termos

de válvulas elétricas de escape e de vácuo. Em destaque,

estiveram ainda os novos modelos de ponteiras

de escape.

A Interescape voltou a marcar presença na MECÂNICA.

Mais uma vez, os principais destaques da empresa

visaram o mercado da montagem e reparação de escapes,

nomeadamente sondas Lambda, sensores de

pressão e de temperatura. Neste evento, a empresa

procurou recordar os seus clientes e parceiros de que

são líderes na distribuição de peças para a reparação

de sistemas de escape, garantindo, neste contexto,

entregas bi-diárias nas regiões da Grande Lisboa e do

Grande Porto, dispondo do maior stock de peças neste

seu ramo de atividade. A Interescape procurou ainda

passar a mensagem da importância de limpar e conservar

o filtro de partículas, em vez de optar pela solução

mais fácil de o substituir.

A parceria com a AISIN é sempre a tónica dominante

no espaço da Japopeças em cada certame nacional.

Como tal, a MECÂNICA 2018 não fugiu à regra, até

porque a empresa fundada por Luís Costa trabalha a

gama do fabricante nipónico de A a Z. Assumindo que

as marcas premium continuam a ser a sua principal

aposta, a Japopeças tem vindo a investir na criação de

uma marca mais acessível em algumas linhas de produto,

como é o caso, por exemplo, dos amortecedores

Ashika (Japanparts Group). Interessante é ainda o facto

de ser expectável que o número de aplicações para

veículos europeus possa vir a assumir maior protagonismo

no portefólio da empresa.

Estar mais perto dos clientes, sendo um local privilegiado

de contacto. Foi, desta forma, que a LD Auto

classificou a sua participação na feira. Sem descurar a

área do Diesel, que é o seu core business, destacou a

reparação e limpeza de DPF, serviço que assegura desde

março deste ano. Estar presentes nos grandes centros

urbanos é um dos objetivos da LD Auto. Por isso, abriu,

no porto, o seu 11.° Bosch Car Service.

Representada em Portugal pela Best Stock, a Lucas

Oil participou, pela primeira vez, no Salão MECÂNICA,

onde pretendeu reforçar a imagem e cimentar a presença

no sul do país, uma vez que a marca norte-americana

está mais implantada a norte. Presente,

também, em Espanha, a Lucas Oil opera nos setores

automóvel (motos, ligeiros e pesados), industrial e

náutico com lubrificantes e aditivos, sem esquecer os

produtor de car care.

Nesta edição, pode dizer-se que a Lusilectra fez uma

aposta pesada. Por outras palavras, a empresa da região

do Porto colocou o foco no seu amplo espaço e nas

suas propostas para o setor dos veículos pesados. Em

particular destaque, neste contexto, estiveram as

colunas independentes, um equipamento com capacidade

para funcionar sem qualquer recurso a fios e

que poderá ser carregado numa simples tomada de

220V. Além disso, tem a particularidade de se conseguir

autorregenerar no seu movimento descendente.

Um dos temas mais aguardados foi as novas regras

do regime jurídico do Livro de Reclamações. O

principal objetivo desta alteração passa por

simplificar e desmaterializar procedimentos e

reforçar a proteção dos direitos e interesses dos

consumidores. O diploma faz várias alterações às

regras relativas ao atual formato físico do livro de

reclamações e cria, também, o formato eletrónico.

Os consumidores de serviços oficinais passam,

assim, a poder apresentar a sua reclamação por via

eletrónica e a ter o direito de receber uma resposta

no prazo máximo de 15 dias úteis. Podem, também,

através de uma plataforma eletrónica, pedir

informações à entidade reguladora e consultar

perguntas frequentes e legislação em vigor. As

oficinas, por sua vez, passam a poder enviar às

entidades reguladoras as folhas de reclamações do

livro físico por via eletrónica, evitando-se, assim,

que tenham de suportar custos com o envio das

folhas por correio.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


9

Players de M a R

A MCnur continua a afirmar a sua filosofia, no mercado,

pela capacidade de reconstruir motores, sempre

com garantia e, não menos importante, com

assinatura própria. E tem feito questão de mostrar

isso mesmo nos vários eventos do aftermarket a norte

e a sul do país, edição a edição. Desta feita, em grande

evidência no stand da empresa, estiveram as próprias

reconstruções de motores, como é disso o mais fiel

exemplo o 4.4 V8 de 286 cv que equipa o BMW X5.

Com mais de 20 anos de experiência quer no setor

dos equipamentos oficinais quer no ramo das inspeções

técnicas de veículos, a MG Equipamentos

contou com a presença da Premier Diagnostics na

feira. E o caso não era para menos, uma vez que

apresentou ao mercado um equipamento de medição

da eficiência dos filtros de partículas Diesel (DPF

Tester). Disponível para centros de inspeção, testes

de estrada ou para o aftermarket, este dispositivo de

controlo de fraudes com as emissões Diesel permite,

também, controlar os veículos altamente poluentes.

No caso concreto da problemática com os filtros de

partículas Diesel, é uma forma de reduzir, substancialmente,

os veículos que circulam com este componente

desativo ou mesmo inexistente. Assim haja

vontade política para alterar os níveis de emissões

obsoletos que são medidos nos centros de ITV.

Presença regular nos eventos do setor, a Motormáquina

privilegiou, nesta edição, o contacto direto

com os seus muitos clientes e fornecedores. À semelhança

do sucedido na edição passada do evento, a

empresa localizada em Sacavém voltou a apresentar

o seu completo portefólio de trabalhos e soluções na

reparação de veículos da marca Land Rover, a sua

grande especialidade, tendo ainda aproveitado para

distribuir aos profissionais do setor o seu mais recente

catálogo de acessórios para o segmento dos todo-o-

-terreno.

Consolidar a presença no mercado nacional foi o

grande objetivo da PBS no salão. A empresa especialista

em baterias para o ramo automóvel não

apresentou grandes novidades no seu espólio, tendo

colocado, contudo, o foco principal nos produtos

start&stop, extensão da marca Steco Power. Uma

gama que começou com apenas uma ou duas referências,

há cerca de três anos, quando foi lançada, e

que, atualmente, conta já com 16.

A Motrio, que começou como marca de produtos e

que, mais tarde, se alargou a um conceito de rede de

oficinas multimarca, está a celebrar 20 anos de existência

a nível mundial. Em Portugal, a sua presença

na feira deste ano coincidiu com a realização da

primeira convenção anual das oficinas que integram

este conceito. Em cima da mesa, estão planos para

aumentar o número de aderentes e o reforço da presença

na competição, sem esquecer a marca de

tintas Ixell, que dispõe, agora, de um novo responsável

de marketing no nosso país. Até final de 2019,

a Motrio espera chegar aos 60 membros, número que

considera ideal de modo a manter uma política de

proximidade eficaz.

A MECÂNICA 2018 permitiu à Roady celebrar os seus

20 anos de existência junto dos parceiros. A rede de

oficinas do Grupo Os Mosqueteiros aproveitou a ocasião

para divulgar a campanha “agressiva” que tem

em vigor no mercado, até ao próximo dia 25 de novembro.

Refira-se, a propósito, que são cerca de 40

Untitled-3.pdf 1 06/09/18 15:38

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


10

SALÃO

MECÂNICA 2018

Jornal das Oficinas esteve presente com stand

Concurso Challenge Oficinas 2018 foi o destaque

Nesta edição do Salão MECÂNICA, o Jornal das Oficinas

esteve presente com um stand totalmente dedicado à

promoção e divulgação do Concurso Challenge Oficinas

2018, cuja final decorreu durante os dias da feira.

Deste modo, mostrámos aos visitantes do salão as

mais-valias do concurso e a importância das oficinas

concorrerem e participarem nesta competição, cujo

objetivo, para além de vencerem, é, também, poderem

partilhar conhecimentos e experiências com outras

oficinas, bem como ganharem novas competências e

uma visão estratégica diferente sobre os modelos de

gestão oficinal que, atualmente, existem no mercado.

A segunda edição do Concurso Challenge Oficinas,

organizado pelo Jornal das Oficinas em parceria com a

Polivalor, voltou a ser um grande sucesso, tendo contado

com a participação de três oficinas, 14 profissionais e

vários membros do júri e organização, que garantiram

uma competição justa, com regras muito claras.

Para o próximo ano, fica a garantia de voltarmos a

repetir esta iniciativa, que tem merecido fortes elogios,

quer da parte das equipas participantes quer das

empresas patrocinadoras, que valorizam o facto de

estarem associadas a um evento único e desafiante,

onde apenas as melhores oficinas conseguem chegar

à final.

mil os prémios a atribuir a quem faça compras de

valor igual ou superior a €30 numa das lojas da rede.

Objetivo no certame, além de explicar aos potenciais

interessados os benefícios da estrutura, foi ainda a

angariação de novos profissionais para abrirem um

negócio no contexto da Roady. Atualmente, a rede

é do Grupo Os Mosqueteiros é composta por 32 lojas,

localizadas de norte a sul do país.

Players de S a W

O reforço da aposta nas caixas de velocidade manuais

reconstruídas, onde estiveram expostas mais unidades

no stand, marcou a participação da Santarem-

MOTOR na feira, com particular destaque para as PF

60/50 e PF 60/40 que equipam os modelos Renault

Traffic e Opel Vivaro 1.6 Diesel.

Uma das principais novidades no espaço da Spanjaard,

no salão, foi a parceria com a Pinto & Cruz, na

distribuição para o setor das duas rodas e produtos

de floresta. Em particular destaque, estiveram ainda

as gamas da marca holandesa Kroon Oil, o mais antigo

especialista em óleos para motores e engrenagens

existente no mercado. Ambas as marcas são representadas

pela ADIR-Viseu.

A empresa de Vila Nova de Gaia não faltou à chamada

na edição 2018 da MECÂNICA. Embora não tivesse

grandes novidades na gama, a Sousa dos Radiadores

ocupou o seu espaço na feira com equipamentos

melhorados e sempre de fabrico próprio, caso,

por exemplo, da máquina de corte de chapa com

assistência por computador. Em destaque, estiveram

ainda os aparelhos de refrigeração com tecnologia

de vanguarda e os novos óleos para compressores,

já preparados para o novo gás.

A Sparkes & Sparkes exibiu um pouco da oferta na

área dos componentes para caixas manuais reconstruídas,

cuja gama tem vindo a aumentar. Apesar

disso, o momento mais alto foi o anúncio da parceria

tecnológica para a área dos lubrificantes com a Fuchs,

que substitui, assim, a Morris. Quer isto dizer que

todas as caixas manuais que saem das instalações

da Sparkes & Sparkes passam a dispor de óleo Fuchs.

A promoção do programa “Oficina Premium Shell

Helix” foi o grande enfoque da Spinerg no evento.

Trata-se de um projeto concebido à medida do negócio

das oficinas multimarca e independentes, de

forma a otimizar a sua rentabilidade. Durante a feira,

os responsáveis da Spinerg explicaram aos profissionais

do setor as principais vantagens do programa:

reforça a proposta de valor, atrai e fideliza novos

clientes, colaboração com uma equipa conhecedora

e motivada, diferenciação da concorrência, aumento

do nível de satisfação dos clientes, aumento da eficácia

e rentabilidade do negócio oficinal.

As principais “armas” da Tacofrota foram nas áreas

da sua especialidade: tacógrafos e climatização. A

principal novidade, neste capítulo, foi para o assumir

da distribuição oficial das estações de carga da Waeco,

um equipamento com aprovação da VW. A empresa

divulgou ainda, durante o evento, a nova parceria

com a Banner para a distribuição das suas baterias.

No stand da Veicomer, os profissionais do setor

puderam encontrar muito daquele que é o vasto

trabalho da empresa em matéria de retificações e

reparações mecânicas. Sobretudo ao nível de blocos

com muita potência. A empresa é especialista em

trabalhos, ao nível do motor interno, nomeadamente,

em propulsores de competição, conseguindo extrair

ainda mais potência dos mesmos, através do recurso

a peças específicas.

A Vértice Internacional, de São João das Lampas

marcou presença em grande estilo. O grande destaque,

no seu stand, foi para a cabine de pintura da

SAIMA. Ainda dentro da mesma marca, a empresa

divulgou as áreas de serviços rápidos de pintura, um

sistema integrado a um pórtico de infravermelhos e

que substitui, em alguns casos, a tradicional cabina

de pintura. A empresa aproveitou ainda para dar a

conhecer aos profissionais do setor as últimas novidades

da Kleen Box, uma cabina estudada para

alojamento dos equipamentos necessários à preparação

de tintas e vernizes, caso do tintómetro, a

balança e o computador. Uma estrutura que assegura

a qualidade do serviço, num ambiente livre de pó e

perfeitamente ventilado.

Para a Würth, o grande protagonista na feira foi a

marca de equipamentos de diagnóstico automóvel

representada: WoW! Aos profissionais do setor presentes,

a empresa tratou de explicar as “vantagens

cliente” de um produto e serviço de qualidade como

o referido, tais como, por exemplo, a disponibilidade

de um técnico comercial especializado e de um novo

serviço de apoio técnico. Além disso, a Würth exibiu,

no seu espaço, os produtos que compõem o seu catálogo

ao nível de ferramentas específicas para a

manutenção de automóveis. ✱

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


12

EVENTO

Concurso Challenge Oficinas 2018

Patrocinadores 2018

Parceria

Organização

Premiar a eficiência

A segunda edição do Challenge Oficinas, concurso organizado pelo Jornal das Oficinas em parceria com a

Polivalor, teve o seu desfecho no passado dia 28 de outubro. Em pleno Salão MECÂNICA, foi anunciado o

vencedor. A oficina easystop, de Lisboa, viu, assim, reconhecida (e premiada) a sua eficiência

Por: João Vieira e Bruno Castanheira

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Veja o vídeo em www.jornaldasoficinas.com

13

Jorge Zózimo, diretor-geral da

Polivalor, acompanhou de perto os

exercícios propostos às três equipas

que disputaram a final do concurso

Foi (mais) uma iniciativa pioneira no

panorama do aftermarket nacional

levada a cabo pelo Jornal das Oficinas,

desta feita em parceria com a Polivalor.

Pela segunda vez consecutiva, o

concurso Challenge Oficinas pôs à prova a

eficiência dos colaboradores das oficinas,

que, numa primeira fase, tiveram de realizar

diversos testes online, abrangendo

as principais áreas de negócio, nomeadamente

técnica, receção, peças, marketing e

gestão. Após esta fase, foram selecionadas

as seis melhores, que passaram à etapa

seguinte, onde foram avaliadas, presencialmente,

por elementos do júri.

Das três oficinas apuradas para a grande

final, venceu a equipa que conseguiu ter

a maior margem bruta. Logo, a maior eficiência:

easystop. Os finalistas do concurso

foram Roady Centro Auto (Rita Teles, Fernanda

Carrasqueira, Óscar Gomes e Pedro

Santos), SN Sport (Sérgio Nunes, Alice

Branco, Hélder Seixas, Bruno Isaac e Luís

Fialho) e easystop (Ricardo Mateus, Paulo

Pato, Ricardo Teixeira, Pedro Belchior e

Eduardo Neves). Este concurso não teria

sido possível sem o apoio fundamental

dos patrocinadores: Valvoline, Yuasa Battery,

SKF e Bolas (marcas Beta, TELWIN e

RAASM). O júri foi constituído por Jorge

Zózimo, diretor-geral da Polivalor, e Pedro

Ramos, consultor da Polivalor.

n CONCEITOS DE SERVIÇO OFICINAL

Os exercícios realizados pelas oficinas

finalistas do Challenge Oficinas 2018 basearam-se

nos conceitos de KPI de serviço,

ou seja, na informação indicadora

de desempenho dos trabalhos na oficina.

O objetivo dos KPI é conseguir, de uma

forma muito rápida, ter uma análise de

como está a oficina em termos de desempenho

e performance relativamente

às horas que tem para vender e às horas

que, efetivamente, consegue vender. Este

indicador é medido através de três KPI. A

saber: Horas de Presença; Horas Vendidas;

Horas trabalhadas. Cada um deles tem o

objetivo de avaliar determinada valência

da atividade oficinal.

Basicamente, são considerados três valores.

Primeiro: as horas de presença, ou seja,

as oito horas de horário de trabalho que os

colaboradores vão cumprir de acordo com

o contrato de trabalho. Segundo: as horas

trabalhadas, que são aquelas em que, efetivamente,

se estiver a trabalhar. E, aqui,

surge um desafio numa atividade que tem

muitas variáveis, pois a única coisa que

se consegue garantir todos os dias são

as horas de presença, se as pessoas não

faltarem. As horas trabalhadas dependem

de muitos fatores, como, por exemplo,

se a agenda está sobrecarregada ou se

um funcionário mete baixa de serviço.

Terceiro: as horas vendidas, que mede

a capacidade da oficina nos tempos de

maior pico de trabalhar essas horas de

forma mais eficiente, ou seja, trabalhar

uma hora e vender uma hora e meia.

n PERFORMANCE DE MÃO DE OBRA

É a forma como os diferentes valores

se relacionam. O primeiro tem a ver com

a utilização, que resulta das horas trabalhadas

sobre as horas de presença.

Como valores de referência, temos 85 a

95%, o que quer dizer que o funcionário

está a trabalhar entre 85 e 95% das horas

em que está na oficina. Mas este valor

também é muito controlado por quem

gere a oficina, na forma como distribui

o trabalho e como tem organizada a oficina.

Tudo tem influência. O segundo diz

respeito à eficiência da produção, que

traduz as horas vendidas sobre as ho-

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


14

EVENTO

Concurso Challenge Oficinas 2018

Orçamentação e Informação Técnica (VRC)

Equipas utilizaram

solução da TIPS 4Y

Os exercícios realizados pelas equipas finalistas do Concurso Challenge Oficinas 2018 incluíam vários

orçamentos de operações de manutenção e reparação que tinham de ser realizados com rapidez e rigor. Para

elaborar os orçamentos, as equipas utilizaram a solução VRC, disponibilizada pela empresa TIPS 4Y. O VRC

simplifica processos complexos no âmbito da orçamentação e do acesso à informação técnica. O orçamento é

elaborado em apenas quatro passos e é feito integralmente com informação do construtor automóvel (preços,

referências de peças e serviços OE). Para obter o orçamento, basta identificar a viatura através da matrícula

ou do VIN, indicar a quilometragem e selecionar o serviço através de pesquisa gráfica ou pesquisa por texto.

A opinião das equipas relativamente ao VRC foi muito positiva, tendo sido destacada a sua fácil utilização,

a rapidez e a fiabilidade na obtenção dos orçamentos, para além de transmitir confiança e transparência,

possibilitando a encomenda das peças orçamentadas na hora. De referir que a integração com o Catálogo

TecDoc permite converter as referências OE do orçamento em referências de marcas de Qualidade Equivalente.

Pedro Ramos, consultor da Polivalor,

explica a João Vieira e Bruno Castanheira

os conceitos de KPI de serviço

ras trabalhadas, ou seja, a capacidade

de conseguir vender estando a trabalhar.

Comparando com o futebol, a eficiência

de produção é semelhante à eficiência

de Cristiano Ronaldo a marcar golos na

grande área. A eficiência dele é enorme

e tem uma capacidade muito grande de

marcar golos.

A eficiência de produção é a capacidade

de converter as horas que os funcionários

estão a trabalhar em horas vendidas. Se

forem muito rápidos a oficina consegue

vender mais horas. Temos, aqui, como

valores de referência, 105 a 120%. Se for

um trabalho de diagnóstico, é impossível

conseguir atingir estes valores. Mas se

for uma mudança de filtro, tal já é possível.

Isto é para ser gerido em função da

equipa que a oficina tem. O responsável

da oficina tem de ter a capacidade de perceber

que, se tiver e mudar óleos e filtros,

pode ter uma eficiência de 170 a 180%,

havendo, inclusive, casos de eficiência

superior a 200%, para as oficinas que

criam condições especiais para atingir

estes resultados. É preciso ter a capacidade

de perceber isso, porque é o que

faz a oficina ser mais ou menos eficiente.

A eficiência global é o produto das

duas acima explicadas, ou seja, não é um

indicador novo, mas apenas o resultado

das outras anteriores, que, basicamente,

é o que interessa. Sobre as horas em que

o colaborador esteve de serviço e a quem

foi pago o ordenado de oito horas por

dia, é necessário saber quantas horas foi

ele capaz de vender.

n COLOCAR PRESSÃO

As pessoas têm, na maiorias das vezes,

excesso de cuidado na marcação da

agenda. Muitas vezes, poderiam ir mais

além do que vão. A utilização é baixa

Fase I

Questionário

porque não há essa ambição, porque não

há confiança na estrutura e na equipa. Por

vezes, é preciso desafiar a organização

para que estes valores saiam da “caixa”. A

mesma pessoa, se tiver pressão a fazer o

mesmo trabalho, pode ter uma eficiência

global de 110%. Se não houver essa

Fase II

Observação Local

FASE DO DESAFIO

Fase I & Fase II Fase III Questionário

(Grupo)

pressão, a eficiência global baixará para

90% e um observador externo se olhar

para a oficina pensa que as pessoas estão

a trabalhar. O problema é que o ritmo

de trabalho é diferente e só existe uma

forma de resolver isso: meter pressão.

Muitas vezes, mais vale não acabar a

intervenção e ter uma solução alternativa

para o cliente do que ter falta de pressão.

Porque a falta de pressão significa não

faturar. E, esse, não é o objetivo. O que é

importante, basicamente, é ter pressão

na oficina, para conseguir uma taxa de

ocupação alta e ter a equipa motivada e

com condições para trabalhar mais. ✱

Jogo Dinâmico

EASYSTOP 72,73% 78,13% 75,97% 81,81% 100,00% 89,45%

SN SPORT 68,18% 78,13% 74,15% 81,81% 90,00% 83,99%

ROADY 86,36% 68,75% 75,79% 86,36% 36,00% 58,54%

Classificação Final

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


16

ATUALIDADE

Equipamentos de proteção individual

Pela sua saúde... e segurança

No dia 31 de março de 2016, foi publicado o novo Regulamento (UE) 2016/425, de 9 de março, que estabelece

os requisitos para conceção e fabrico de equipamentos de proteção individual (EPI). Entre eles, os utilizados nas

oficinas. Este regulamento entrou em vigor a 21 de abril de 2018. Saiba o que muda e o que dizem as entidades

Por: Joana Calado

No dia 21 de abril de 2018, entrou

em vigor o novo regulamento

dos equipamentos de proteção

individual (EPI). Entende-se por equipamento

de proteção individual qualquer

dispositivo ou meio que se destine a ser

utlizado por uma pessoa para defesa contra

um ou mais riscos que possam pôr em

causa a sua saúde ou a sua segurança.

De acordo com Catarina Costa, da Au-

toridade para as Condições de Trabalho

(ACT), “o regulamento diz respeito à disponibilização

de equipamentos de proteção

individual no mercado, definindo

regras para o fabricante, o representante

autorizado, o importador, o distribuidor

e outros operadores económicos”. Já Ana

Cardoso, gerente da Qucaan, empresa

especializada no fabrico e comércio de

EPI, “a modificação na lei será sentida,

maioritariamente, pelos fabricantes de

luvas, pois é neste campo que se verificam

maiores alterações. Do ponto de

vista do consumidor, não terá qualquer

tipo de impacto, pois poderão continuar

a usar os equipamentos de que dispõem

até ao final da sua vida útil”.

n CUMPRIR NOVOS REQUISITOS

As empresas só começarão a sentir o

impacto da lei quando tiverem de adquirir

novos equipamentos, uma vez

que terão de ter em atenção se estão a

adquirir equipamentos que cumprem os

novos requisitos. Questionada sobre se

o fator preço ainda é importante para o

consumidor, a gerente da Qucaan considera

que, “cada vez mais, o consumidor

demonstra total empenho em encontrar

soluções que conciliem, da melhor forma

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


17

Principais questões sobre equipamentos de proteção individual

Quais as normas a ter em conta

na aquisição de EPI?

Na aquisição dos EPI, é necessário ter em conta

as normas do regulamento, uma vez que estes

equipamentos devem estar devidamente

identificados com a marcação CE e as instruções em

língua portuguesa, que deverão incluir, no mínimo,

os seguintes dados: instruções de armazenagem,

utilização, limpeza, manutenção, revisão e

desinfeção. Tal como os níveis ou classes de EPI e a

data ou prazo de validade.

inspeções internas de forma a garantir a correta

utilização dos equipamentos. E a informar os

utilizadores aquando da distribuição de qualquer

EPI sobre os objetivos em termos de proteção e,

em caso da sua não utilização, da imputação da

responsabilidade ao trabalhador por qualquer dano.

A fiscalização do cumprimento desta diretiva estará

a cargo da Autoridade de Segurança Alimentar

e Económica (ASAE). No entanto, em caso de

denúncia, poderá ser o ACT a verificar se o novo

regulamento está a ser cumprido.

Que tipos de EPI devem ser adquiridos?

Cada empresa deverá avaliar as suas necessidades

e escolher os EPI consoante os riscos que corre

ao exercer a sua atividade. Neste caso, pode

ser consultado o Guia Geral para a Seleção de

Equipamentos de Proteção Individual, acessível

através do site do Instituto Português da Qualidade

(IPQ). Também o ACT disponibiliza diversas

ferramentas que poderão auxiliar na escolha.

Existe fiscalização?

Apesar de não existirem inspeções periódicas nas

empresas, esta é, obrigatoriamente, efetuada

sempre que há uma denúncia ou um acidente de

trabalho. A APSEI aconselha as empresas a fazerem

E quanto a penalizações para

os incumpridores?

Segundo a APSEI, pela voz de Susana Casinha, está

previsto no regulamento que quem não cumpra as

diretrizes do mesmo, no caso do empregador, lhe

sejam imputadas responsabilidades civis e criminais.

Caso tenha sido feita uma avaliação errada dos

riscos, não só será considerada responsável a

empresa como, também, a pessoa que elaborou

a avaliação. No caso de o funcionário não utilizar

adequadamente os equipamentos que lhe são

fornecidos e daí ocorra um acidente de trabalho,

este perderá a cobertura das despesas médicas por

parte da companhia responsável pelo seguro de

acidentes de trabalho.

possível, o binómio qualidade/preço, em

detrimento da procura pelo produto mais

barato”. Apesar da busca constante em

obter o melhor preço, cada vez mais a

escolha recai sobre a melhor qualidade

e o nível de segurança do produto, em

detrimento do valor a pagar. Tendência

esta que é, de resto, comum quer ao trabalhador

quer à empresa.

No que se refere ao setor automóvel,

o uso de EPI dependerá de oficina para

oficina, consoante as áreas que esta possa

abranger. Susana Casinha, diretora-geral

O novo regulamento dos

equipamentos de proteção

individual entrou em vigor

no dia 21 de abril de 2018.

Apesar disso, ainda suscita

muitas dúvidas junto de

diversas empresas do setor

e porta-voz da Associação Portuguesa

de Segurança (APSEI), destaca o uso de

luvas, de botas com reforço de biqueira

e palmilha, anti-derrapantes e anti-estáticas,

máscaras e auriculares ou tampões.

Estes equipamentos deverão ser escolhidos

pelo responsável de segurança

da empresa ou alguém nomeado para

a função.

n GUIAS PARA TODOS OS GOSTOS

“Atendendo ao facto de que não existe

uma cultura de segurança muito implementada

no tecido empresarial português,

existem ferramentas gratuitas e

interativas disponíveis no site da ACT”,

ressalva a diretora-geral da APSEI. Esta

ferramenta poderá ser uma ajuda útil

para as empresas, uma vez que são especializadas

em vários setores e existe

uma para o ramo da reparação automóvel,

que poderá ser consultada no site.

A APSEI disponibiliza, no seu site, uma

série de manuais, transversais a diferentes

áreas, que servirão para dar explicações

mais detalhadas dos diferentes EPI

a utilizar consoante os diferentes riscos.

Direcionados para quadros técnicos das

empresas, Técnicos e Técnicos Superiores

de Segurança no Trabalho, Responsáveis

de Ambiente, Qualidade e Segurança

e Responsáveis do Departamento de

Compras.

Estes manuais surgem fruto de uma

parceria entre a ACT, a APSEI e o Instituto

Português da Qualidade (IPQ). Para

além do Guia Geral para a Seleção de

Equipamentos de Proteção Individual

(EPI), disponibilizam ainda três mais

específicos, que abrangem as áreas dos

perigos químicos, nomeadamente Guia

de Seleção de Luvas de Proteção - Riscos

Químicos, Guia Geral para o Controlo da

Exposição a Agentes Químicos e Guia

de Seleção de Aparelhos de Proteção

Respiratória Filtrantes. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


18

OBSERVATÓRIO

Conceitos de Mobilidade (Parte XI)

Inteligência autónoma

Uma empresa norte-americana desenvolveu um software capaz de equiparar a inteligência artificial dos veículos

autónomos com a mente humana. Uma inovação na interação destes modelos com peões e ciclistas

Por: Jorge Flores

Equiparar a inteligência artificial dos

veículos autónomos à mente humana,

com as suas subtilezas, mas

sem muitos dos seus desvios emocionais,

tendencialmente perigosos no trânsito,

será, porventura, a última fronteira das

empresas que desenvolvem, atualmente,

esta tecnologia. Mas empresas como a

Perceptive Automata, uma start-up com

sede em Somerville, no Massachusetts,

e escritório em Silicon Valley, estão no

caminho certo para o conseguir. Recentemente,

a start-up desenvolveu um software

que dota os veículos autónomos da

capacidade de compreender a mente humana,

interpretando o comportamento

de peões, ciclistas e condutores.

Com esta tecnologia de antecipação,

os veículos autónomos conseguem atuar

mediante a ação destes grupos mas, também,

através da avaliação rápida das intenções

e da atenção dos utentes da via

pública. Por outras palavras, a inteligência

artificial passa a dispor de uma intuição

muito semelhante à dos seres humanos.

Para conseguir esta função, a tecnologia

Perceptive Automata recorre a sensores

de recolha de dados em veículos. A forma

de atuação da tecnologia é simples. Sem

o software instalado, o veículo autónomo

pararia sempre que visse o peão. Mesmo

que este não fizesse intenção de atravessar

a via. O sistema consegue, deste

modo, ler e ter a perceção da realidade

da situação, transmitindo esta informação

ao módulo de tomada de decisões

da máquina.

n APOSTA DA HYUNDAI

Construtor rendido ao sistema é a

Hyundai. “Um dos maiores obstáculos

que os veículos autónomos enfrentam, é

a incapacidade de interpretar os importantes

sinais visuais do comportamento

humano que os condutores processam

sem qualquer esforço”, disse John Suh,

vice-presidente da Hyundai CRADLE, que

considera que a “Perceptive Automata

está a oferecer à indústria de veículos

autónomos as ferramentas necessárias

para atribuir aos mesmos uma compreensão

mais semelhante à dos humanos,

criando uma experiência de condução

mais segura e tranquila”, acrescentou o

responsável.

O fabricante sul-coreano encontra-se,

neste momento, a expandir o seu investimento

em tecnologias de inteligência

artificial com potencial para reforçar a

atividade principal da marca, bem como

nas áreas associadas da robótica e das

interações homem-máquina.

n INDÚSTRIA ADAPTA-SE

Com o nível 5 da condução autónoma

no horizonte, a indústria automóvel, no

seu conjunto, procura adaptar-se. Nesse

sentido, a Hyundai CRADLE, divisão de

projetos empresariais e de open inno-

vation da marca, demonstra estar bem

atenta ao desenrolar dos acontecimentos

tecnológicos, tendo anunciado o investimento

na Perceptive Automata para o

desenvolvimento de software destinado

a veículos autónomos e sistemas automatizados.

“Estamos muito entusiasmados por

termos um investidor como a Hyundai,

que compreende a importância do problema

que estamos a resolver no que toca

aos automóveis autónomos e à próxima

geração de sistemas de assistência ao

condutor”, garantiu Sid Misran, co-fundador

e CEO da Perceptive Automata. ✱

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


MENOS FRICÇÃO,

MAIS EFICIÊNCIA.

MAN Genuine Oil.

MAN Genuine Oil é o complemento ideal para os elementos principais de um veículo

MAN: motor, caixa de velocidades e eixos. Em conjunto com os componentes perfeitamente

harmonizados, o MAN Genuine Oil oferece protecção contra o desgaste

comprovada. Desta forma, ajuda a aumentar significativamente o ciclo de vida do veículo

e reduz os custos operacionais. Menos desgaste, mais eficiência. Com MAN

Genuine Oil. Disponível no seu centro de serviço MAN.


20

TECNOLOGIA

Componentes auto

Viagem ao futuro

As porcas e os parafusos estão a transformar-se em peças do passado. Fundir materiais com tecnologia já

começa a fazer parte do quotidiano das peças auto. E, enquanto a impressão 3D ainda é uma miragem, há

peças quase de ficção científica a serem integradas em novos projetos. Nestas páginas, fazemos uma viagem

ao futuro dos componentes para automóveis

Por: Ricardo Carvalho

Que os automóveis estão a mudar,

já não constitui novidade

para ninguém. E se mudam na

estética, nos elementos de segurança e

até no formato, tal deve-se ao facto de

serem produzidos com componentes que,

também eles, evoluíram. Mas como são

as atuais peças e componentes para automóveis?

Já há quem utilize peças feitas

em impressão 3D e continue a investigar

materiais inovadores para projetarem os

veículos do futuro, especialmente os desportivos

e topos de gama, nos quais é mais

fácil amortizar o investimento realizado.

O que está, por exemplo, por detrás de

uma simples chapa de aço prensado?

Analisando uma das secções que compõem

o pilar A (apoio vertical do para-

-brisas) de um Porsche, que, em conjunto

com os pilares B e C, forma toda a estrutura

dos passageiros, sendo, por isso, um

componente que pertence à segurança

passiva, o que encontramos? O pilar A foi

desenvolvido para garantir o espaço de

sobrevivência para os passageiros em caso

de acidente que envolva impactos fortes

ou até mesmo capotamento, especialmente

em modelos descapotáveis. Tem

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


21

Pilar A (1)

Estruturas compostas por diversos tipos

de aço de espessuras distintas e com

interior termoplástico de arquitetura de

losangos. Ganha resistência com menor

peso

Pedal (2)

É semelhante a um pedal em carbono,

pela textura do compósito, mas é

constituído em fibra de vidro para maior

resistência e estabilidade. Foi estreado,

mundialmente, no 918 Spyder

Vidro laminado (3)

Vidro de janela laminado, mas com maior

resistência e seletivo nos sons

Fusão (4)

A utilização de sofisticados sistemas

de fusão e pressão torna impossível a

produção em massa destas inovações

Veio (5)

Um dos veios rotativos de um rotor

elétrico, criado através da fusão de pó em

sucessivas camadas, ganhando resistência

e aproveitamento ótimo de material

polímeros reforçados com fibra de carbono.

Sendo a segurança dos ocupantes

uma das principais preocupações da Porsche,

os novos conceitos híbridos terão um

papel primordial no desenvolvimento de

outros componentes estruturais. O conceito

de construção híbrida 3D contribui

para o aumento da segurança, é mais leve

e pouco mais caro do que as outras soluções

utilizadas até ao momento.

Mas passemos, agora, a outros componentes.

Observando o pedal de travão dos

novos Porsche Panamera e 918 Spyder, é

possível detetar fibras pretas que se poderia

pensar que se tratariam de fibras

de carbono. Mas não. A estrutura destes

pedais é produzida a partir de fibra de

vidro termo-formada, integrada numa

estrutura reforçada de fibra de vidro, ou

seja, a mesma combinação que promete

melhorar a resistência nos novos pilares A.

Este material é homogéneo, mais leve do

que o metal e permanentemente estável.

óticas. No 918 Spyder, a Porsche utilizou,

pela primeira vez, uma pequena janela

produzida num material similar: painel

de vidro laminado produzido com duas

folhas finas de vidro com um filme entre

elas. É muito leve e se alguém lhe tocar vai

dizer que é plástico. Mas, tecnicamente,

é vidro. No atual 911 GT2 RS, o óculo traseiro

e as janelas laterais dispõem deste

vidro fino. O vidro tem menos de 2 mm de

espessura, é 40% mais leve e tem maior

resistência à projeção de pedras soltas.

Garante quase 100% de proteção contra

raios UV e propõe melhores isolamentos

térmico e acústico.

n COMPONENTES FEITOS DE PÓ

Como outras marcas já fizeram no passado,

a Porsche está a analisar a utilização

de componentes no habitáculo produzidos

a partir de materiais renováveis. Já

produziu painéis de portas com fibras

vegetais, mas ainda não cumprem os

eixo de rotor com cerca de 50 cm de comprimento.

As vantagens deste eixo face

a um componente idêntico, mas forjado,

são várias: utiliza menos material, permite

reciclar o excesso de pó e permite formas

mais complexas do que as viabilizadas na

produção clássica.

n PRÓS E CONTRAS

O tipo de produção aditiva dos componentes

também tem pontos negati-

6

Gorilla Glass (6)

Os vidros sofisticados dos telemóveis

chegam ao interior dos veículos para

fornecer ecrãs mais nítidos e precisos

ainda funções operacionais, como receber

as dobradiças da porta ou o para-brisas.

Quando olhamos para o perfil de chapa

fina do segmento do pilar A da Porsche,

vemos que contém outro perfil interno,

produzido em aço de elevada resistência,

que é mais grosso ao centro e que se torna

mais fino nas extremidades.

n SEGURANÇA PRIMEIRO

O metal de elevada resistência é protegido

por dentro com suportes rombóides.

Mas ainda recebe mais proteções, nomeadamente

duas camadas adicionais de fibra

de vidro termoplástica, injetado com

líquido e metal. São apelidados de compósitos

de folhas orgânicas e o resultado

integrado destes materiais é utilizado para

produzir o pilar A híbrido em 3D, um novo

tipo de desenho híbrido inventado pela

Porsche. Face aos pilares A convencionais,

em aço de elevada resistência, este novo

não cede em caso de capotamento e, no

global, poupa 5 kg de peso face ao pilar

“clássico”.

A estrutura leve e resistente deste componente

de futuro mistura diferentes

materiais ligeiros, como o aço de elevada

resistência, o alumínio, o magnésio e os

1

3

A Porsche é o primeiro construtor a utilizá-lo

na produção em série de veículos.

n VIDROS GORILLA GLASS

A Porsche tem um departamento que

tenta “adivinhar” as exigências do futuro.

Este departamento não funciona apenas

como ponte de ligação entre os vários

pontos de pré-desenvolvimento, mas,

também, promove ideias para o futuro,

avaliando e iniciando pesquisas e observando

tendências. Nas questões relativas

à seleção de matérias e possíveis métodos

de produção, os especialistas em desenvolvimento

são apoiados pelo departamento

de tecnologia de materiais. Por

exemplo, a maioria dos smartphones utiliza

Gorilla Glass, um vidro fino de elevada

resistência com elevadas propriedades

requisitos da marca. A Porsche trabalha

neste tema, mas refere, também, que

nem em 2048 será possível encontrar no

mercado um modelo feito de algas ou a

partir de fibras de plantas. A marca alemã

já mostrou o eixo do rotor de um motor

elétrico responsável por transferir binário

gerado eletromagneticamente para uma

engrenagem produzida a partir de aço

inoxidável especial. No veio, existe um

pequeno tubo que tem no seu interior

um pó fino e uma cinza especial: material

de base muito fina, mas de componente

sólido. Este pó é espalhado numa camada

mínima sobre a superfície do veio e, em

seguida, é fundido com laser para formar

uma ligação firme. Depois, leva mais uma

camada de pó, que é, de novo, derretida

pelo laser. Camada a camada, surge um

2

5

vos. São precisas 13 horas para produzir

um componente deste tipo. Por isso, a

produção em série não está planeada a

curto prazo, mas esta tecnologia vai revolucionar

as transmissões no futuro. Esta

produção aditiva está a revolucionar o

processo de desenvolvimento de componentes

a partir de uma folha em branco.

Outra evolução desta forma de produzir,

tem a ver com o desenho das condutas

de refrigeração definidas no meio de uma

peça. Em breve, esta solução vai conduzir

à produção de motores ainda mais

compactos e com melhor desempenho.

Atualmente, ainda não há um único automóvel

renovável ou impresso em 3D.

Pelo menos, de produção em série. Mas,

4

em 2048, os automóveis vão combinar

muitos materiais homogéneos adaptados

a cada função. O aço e o alumínio serão,

cada vez mais, conjugados com outros

materiais, que permitirão avanços em

todas as direções. É esperar para ver. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


ENTREVISTA

22

O futuro das

oficinas está

assegurado

Os responsáveis máximos da ZF Aftermarket, Markus Schmitt e Markus Wittig, partilharam, na Automechanika Frankfurt

2018, a sua visão do futuro e como está o fabricante a preparar-se para não perder terreno face aos concorrentes

Por: João Vieira

Com todas as tecnologias que se avizinham,

os veículos elétricos, os autónomos

e as aplicações de smartphone que

se assumem como assistentes (quase)

perfeitos do aftermarket, qual é o futuro

deste negócio? Desta vez, falámos, não

com um, mas com dois responsáveis da

ZF Aftermarket, que responderam às nossas

perguntas sobre o futuro do mercado

do pós-venda e as soluções que o grupo

preconiza para as oficinas de automóveis.

Como fabricante líder de componentes

a nível mundial, com várias marcas no

seu portefólio, como a própria ZF, Sachs,

Lemförder, TRW, Boge ou Openmatics, a

ZF Aftermarket tem uma palavra ainda

mais relevante a dizer quando o assunto

é o futuro do aftermarket e, consequentemente,

das oficinas. A ZF opera em áreas

distintas, mas o seu forte é no segmento

do “driveline” (transmissão) e tecnologia

de chassis, além de tecnologia de segurança

ativa e passiva. A empresa conta

com cerca de 146 mil colaboradores em

todo o mundo, com um total de 230 fábricas

a laborar em cerca de 40 países. A

marca possibilita aos veículos “ver, pensar

e agir”, um mote que se tem tornado o

pilar de trabalho do fabricante. A empresa

investe, anualmente, mais de 6% da sua

faturação em pesquisa e desenvolvimento.

Com o seu amplo portefólio, a

ZF promove a mobilidade e serviços no

segmento dos veículos ligeiros, veículos

comerciais e tecnologias industriais.

Por toda a importância que a marca tem

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


MARKUS SCHMITT, Diretor do Departamento de Conceitos Oficinais da ZF Aftermarket

MARKUS WITTIG, Diretor da Unidade de Negócio Mercado Independente de Pós-Venda (IAM) da ZF Aftermarket

23

Na Automechanika Frankfurt 2018,

falámos, não com um, mas com dois

responsáveis da ZF Aftermarket, que

responderam às nossas perguntas sobre

o futuro do pós-venda e as soluções que o

grupo preconiza para as oficinas

a nível mundial, nada melhor do que uma

conversa com o Jornal das Oficinas para

explicar o que pensa ela acerca do futuro

do setor. Até porque, tendo em conta a

sua dimensão, a ZF funcionará como um

barómetro para todas as outras marcas

e para o mercado. Em pleno Salão Automechanika,

conversámos com Markus

Schmitt, diretor do departamento de

Conceitos Oficinais, e Markus Wittig, diretor

da Unidade de Negócio do Mercado

Independente de Pós-Venda da ZF, que

nos deram a sua visão sobre aquilo que é,

realmente, importante neste momento. O

futuro deste negócio que parece sentir-se

ameaçado pelas novas tecnologias, por

novas cadeias cinemáticas e por outra

forma de encarar o serviço em oficina.

Ambos os responsáveis não mostraram

muitas preocupações e acreditam que, sabendo

trabalhar, se vai conseguir rentabilizar

ainda mais o negócio. Mas claro que

existirá um processo de aprendizagem e

de adaptação a tudo o que se perspetiva.

Markus Schmitt falou dos novos conceitos

que a marca tem trazido para o mer-

cado e que pode ler na caixa em anexo,

enquanto Marcus Wittig falou do amanhã

deste negócio, numa entrevista onde fez

saber que tudo não passa de uma forma

de saber utilizar a internet e todos os dispositivos

que lhe são paralelos.

n CONFIANÇA NO FUTURO

Wittig foi perentório e garante que há

demasiada discussão em torno do futuro

do aftermarket e muito medo daquilo que

pode vir a acontecer. O responsável acredita

que não há razões para isso. “É claro

que podemos estar expectantes, mas daí

a ter medo... Até porque se olharmos para

os factos, o mercado do aftermarket tem

vindo a crescer 13% ao ano e vai continuar.

Vai ser um processo de continuidade e as

coisas vão acontecendo pouco a pouco.

Na Europa, o parque automóvel continua

a ser maioritariamente de veículos Diesel

e gasolina. Logo, nos próximos anos esses

veículos vão precisar de ser mantidos e

de fazer revisões. Vão continuar a existir

muitos veículos que precisam de travões,

de amortecedores e de ir à oficina”.

Ao mesmo tempo que estes veículos continuam

a circular, outros serão lançados

com novas tecnologias que obrigam à mudança.

Wittig dá como exemplo os elétricos,

que também vão precisar de se deslocar à

oficina. Logo, estas têm de se adaptar para

recebê-los. “Toda a rede vai necessitar de se

adaptar, desde o fabricante, ao distribuidor,

passando pela própria oficina”. Mas há outras

questões importantes. Com os veículos

cada vez mais modernos e evoluídos, vai

“As oficinas têm de ter

formação e... informação”

Com Markus Schmitt, a conversa centrou-se nos

vários planos e conceitos que a ZF oferece ao mercado

para melhorar o panorama oficinal e formar essas

oficinas para o que aí vem. O conceito mais recente é

o ZF [pro]Tech, que foi desenvolvido para as oficinas

e chega ao mercado através dos distribuidores. O

ZF [pro]Tech oferece dois níveis de informação às

oficinas. Uma é o [pro]Tech Start, que se trata de

um plano básico que fornece aos clientes informação

técnica, vídeos, instruções e montagem dos

componentes. O segundo nível é o [pro]Tech Plus,

que lhes proporciona um pouco mais. Ou seja, neste

caso, é levado um técnico à oficina que dá formação

diária aos mecânicos. Oferecem formação “taylor

made” às oficinas num patamar bastante elevado.

Basicamente, as oficinas são formadas de acordo com

as necessidades do veículo, tudo com conhecimento

e soluções técnicas de vanguarda. No ano passado,

a taxa de sucesso da formação da ZF foi de 95%. O

conceito ZF [pro]Tech já está implementado em vários

países da Europa e foi lançado, recentemente, em

Espanha, mas ainda não está disponível em Portugal.

O programa chama-se ZF [pro]Tech e não ZF Sachs,

Lemförder ou TRW, porque cobre todas as marcas

da ZF. Se uma oficina tem dúvidas numa peça de

transmissão para qualquer veículo que seja ou

de qualquer marca do portefólio, a ZF explica.

Markus Schmitt reforçou, constantemente, o papel

preponderante da formação e na forma como a

empresa tem vindo a insistir nessa formação para

assistir veículos elétricos, mesmo que o mercado destes

ainda esteja numa fase embrionária.

Quando questionado sobre como será o futuro das

oficinas sem formação, Schmitt refere que, “na

Alemanha, temos, atualmente, 22 mil oficinas. Acredito

que o dono de cada uma delas tem de olhar para o

futuro e para a digitalização, senão perde o comboio.

Vão surgir componentes novos, como os travões, por

exemplo, que serão renovados, chegam novos materiais,

novos fluidos. Por isso, têm de se atualizar e de comprar

novas ferramentas. São tudo situações novas. Se querem

mudar o para-brisas ou só o para-choques, vão ter

de comprar novas ferramentas e gastar entre 15 a 20

mil euros. Por isso, os donos de oficinas mais velhos

têm dificuldade em perceber isto. Mas nós tentamos

passar-lhes a informação e a ideia do que é melhor,

daquilo que é a melhor solução”.

Contudo, a ZF tem outras soluções e conceitos que

vão auxiliar a oficina do futuro, como o Openmatics,

“que se trata de uma plataforma aberta, pois pode

utilizar diferentes soluções e aplicações de outros

fornecedores. A maioria dos serviços telemáticos

são fechados a uma só aplicação, mas nós estamos a

trabalhar com o nosso em aberto. Podemos falar com

qualquer interveniente do mercado e dizer-lhe... queres

utilizar o nosso serviço? Implementamo-lo e podem

trabalhar com ele de forma fácil e em compatibilidade

com o sistema que já utilizam”.

chegar o momento em que vão recomendar

oficinas através de feedback dado por

outros clientes na internet. No futuro, os

condutores vão eleger o serviço – “ou

volto à minha oficina de confiança, que

sempre fez um bom trabalho, ou espero

que o veículo ou o smartphone me recomende

uma. Verifico e marco uma oficina

com boas avaliações?” Wittig acrescenta:

“Do meu ponto de vista, um dos grandes

valores atuais das oficinas é a forma como

se relacionam com o cliente. Vamos ter de

estar ligados, conectados e, a partir daí,

segue o processo. Os clientes mais jovens

estão sempre online e a oficina tem de se

adaptar e estar, também ela, sempre online.

É uma tecnologia que pode ser apreendida

e adaptada. Logo, é este um dos grandes

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


ENTREVISTA

24

Markus Schmitt e Markus Wittig

A ZF Aftermarket em Portugal

Em Portugal, a ZF Aftermarket ocupa um lugar de destaque no mercado do pós-venda. Esta área de negócio

combina a distribuição de peças de substituição das marcas Lemförder, Sachs, TRW e ZF com a prestação de

serviços, tais como reparações, retificações, diagnóstico, formação, bem como informações técnicas e apoio

para os produtos ZF. A distribuição dos produtos e os serviços são assegurados pela TRW Automotive Portugal

e pela ZF Services Portugal.

O futuro do pós-venda, segundo a ZF

desafios que se colocam às oficinas. Quem

se adaptar a este processo, ganha pontos”.

A partir da ligação em rede das oficinas

e do contacto tecnológico com os cliendados

dos veículos. A ZF está a trabalhar,

constantemente, com a Comissão Europeia

para que esta abertura seja serena. “Existem

duas plataformas. A Nevada, fornecida pelos

fabricantes de automóveis e da qual nós

fazemos parte, e Caruso, uma plataforma

livre que fornece também todos os dados

às oficinas independentes”, refere Wittig.

Quando este ponto legal estiver resolvido,

surge, então, mais uma dificuldade. Ainda

há muitos veículos no mercado sem ser-

A visão do futuro do aftermarket segundo

a ZF faz-se a partir de conceitos e soluções

que o Jornal das Oficinas explica de seguida

Smartservice - A ZF Aftermarket apresentou a aplicação

ZF Smart Service na Automechanika Frankfurt

2018, que foi desenvolvida, especialmente, para as

oficinas independentes, permitindo aos mecânicos

realizarem diagnósticos fiáveis a veículos e trabalhos

de manutenção fundamentais através de diferentes

terminais móveis, como smartphones ou tablets. A

utilização da nova tecnologia exige apenas o carregamento

da aplicação Smart Service no terminal

móvel utilizado pelo funcionário da oficina. Depois,

basta ligar o aparelho Smart Service à interface OBD

do veículo, podendo efetuar, imediatamente, um

diagnóstico abrangente do respetivo veículo. Neste

processo, a comunicação entre o aparelho Smart Service

e a aplicação é realizada através de Bluetooth.

A ZF Smart Service possibilita ainda a realização de

tarefas de manutenção básicas, como, por exemplo,

a mudança de óleo, a substituição de travões,

a reposição do ventilador ou do sensor do ângulo

da direção. A aplicação abrange uma vasta gama

de veículos europeus, norte-americanos e asiáticos.

tes, vai ser preciso fazer diagnósticos no

momento, online. E, aqui, surge uma questão

muito pertinente, que tem a ver com

a legislação europeia para acesso livre aos

ZF Car Connect - Com o ZF Car Connect e graças à ZF

Aftermarket, os operadores de frotas mistas podem

usar um novo nível de serviços de assistência digital e

ajustar a sua frota para uma utilização de forma otimizada.

A recolha e transmissão de dados são feitas pela

Vivaldi Onboard-Unit: esta unidade de diagnóstico e

telemática lê 74 sinais específicos diretamente a partir

da interface OBD do veículo. Entre outros, o nível do

combustível, o desempenho da travagem e mensagens

de erro. Adicionalmente, a Onboard-Unit transmite

dados de GPS e dados em tempo real de mudanças

repentinas de velocidade. A Openmatics, a plataforma

de telemática aberta da ZF, não só regista estes dados

como, também, os interpreta.

Electric Blue – Com a designação Electric Blue, a

ZF lança no mercado uma nova geração de pastilhas

da TRW desenvolvida especificamente para veículos

elétricos. Estas tanto reduzem, substancialmente, o

ruído interior e o desenvolvimento de poeira criada

pela travagem em veículos elétricos e representam

o elevado poder de inovação da ZF Aftermarket. As

pastilhas de travão para os 15 veículos elétricos mais

populares estão disponíveis no mercado desde setembro

de 2018. Até ao final do ano, estará coberto 97% do

parque automóvel europeu de veículos elétricos.

AxTrax AVE – A ZF Aftermarket fornece chassis de

piso rebaixado AxTrax AVE para autocarros urbanos

e o acionamento central elétrico CeTrax disponibiliza

os componentes correspondentes para os veículos,

incluindo o know-how necessário para a conversão

e o serviço de assistência. A in-tech é a responsável

pela configuração da tecnologia de controlo. Com a

“e-troFit”, por exemplo, os operadores de autocarros

têm a possibilidade de converter os autocarros convencionais,

em apenas quatro semanas, para uma

condução isenta de emissões. Se falarmos apenas do

combustível, o potencial de economia associado é de,

aproximadamente, 100.000 euros num autocarro com

um tempo de vida médio de 10 anos.

viços de telemática e a ZF pode resolver

essa questão com o sistema Openmatics,

que dá a possibilidade de aceder aos dados

da viatura e repará-las de forma simples.

n FORMAÇÃO É FATOR CHAVE

A formação será, cada vez, mais um fator

chave para o sucesso das oficinas. “Atualmente,

o mais importante é a formação

sobre veículos elétricos, eletromobilidade,

e a ZF já está a fornecer essa formação,

em alguns países da Europa, onde tem

tido grande sucesso. Não são apenas as

oficinas que precisam da formação, os

bombeiros também. Até porque quando

chegam a um acidente com um veículo

elétrico, têm de saber lidar com ele”, remata

Wittig.

A adaptação das oficinas à nova realidade

é o terceiro ponto fulcral. “Tudo

depende da forma como a oficina se vai

adaptar. Se mantiver a oficina à antiga,

sem evolução, essa oficina vai desaparecer.

Se se adaptar e realizar uma parceria

com algumas marcas ou com outras

oficinas, formar os seus mecânicos, vai

conseguir resistir e aumentar os lucros. Se

olharmos para o futuro dentro de 15 anos,

vamos verificar a mudança não apenas

dos componentes, mas, também, das unidades

de diagnóstico. Isto vai mudar, mas

surgirá outra forma de ganhar dinheiro. O

diagnóstico remoto vai ser fulcral a médio

prazo”, conclui Wittig.

O mesmo responsável falou-nos um

pouco da sua experiência na China,

onde esteve 10 anos a trabalhar para a

ZF para fazer uma comparação e dizer

que, naquele território, não há tradição

de aftermarket. “Está tudo online. Por isso,

podemos inspirar-nos nestes povos para

fazer igual na Europa. Os próprios clientes

podem educar a oficina, mostrando-lhes

como utilizam a internet para comprar

peças, marcar revisões e até fazer diagnósticos.

Na China, veem o que vão comprar

antes de o fazer. Já sabem o que querem

quando chegam à oficina. Sim, vamos ter

mudanças e temos muitos veículos a gasolina

e gasóleo na estrada que têm de ser

mantidos. Mas o futuro está nos veículos

elétricos e autónomos”, frisa Wittig. Q

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Uma marca, tudo da mesma fonte.

Lubrificantes, aditivos, produtos de cuidado com o automóvel, soluções

químicas e produtos de serviço para todo o tipo de veículos.

Para alguns é apenas química. Para nós, é o sangue que nos corre nas veias - made in Germany.

www.liqui-moly.pt


ENTREVISTA

26

Temos muita

ambição de

crescer

“A SAM comercializa

os seus produtos no

mercado ibérico há quase

25 anos. E está num

processo para acelerar a

presença em Portugal”

Recentemente nomeado country manager Ibérico da SAM, Manuel Morales, em entrevista ao Jornal das Oficinas,

revela a estratégia que vai implementar para relançar a marca no nosso mercado

Por: João Vieira

DDepois de 17 anos na Valeo e de

dois na Cecauto, Manuel Morales

é o country manager ibérico das

ferramentas SAM. Esta incorporação é o

reconhecimento da marca no enorme

potencial de vendas que os mercados

português e espanhol têm. O principal

objetivo é servir as oficinas portuguesas

com as melhores ferramentas e dar-lhes

todo o apoio que necessitem.

Há quanto tempo a SAM está presente

em Portugal?

A SAM comercializa os seus produtos

para o mercado ibérico, incluindo Portugal,

há quase 25 anos. Dispõe de cerca

de 20 distribuidores independentes em

Espanha e está num processo de negociação

de um acordo de distribuição nacional

para acelerar a presença em Portugal.

Qual a gama de produtos que a SAM

disponibiliza para as oficinas de automóveis?

Temos, atualmente, disponíveis no

mercado várias linhas de produtos para

diferentes tipos de clientes, sendo que,

no setor do aftermarket, dispomos de um

catálogo com todo o tipo de ferramentas

manuais, bem como carros de ferramentas.

Destacamos, na nossa gama de

ferramentas, o catálogo Indispensam,

que contém todos os produtos indispensáveis

ao bom funcionamento de uma

oficina, a preços muito atrativos. Quando

falamos de ferramentas, não podemos

deixar de referir o novo carro de Roller

Cabinet, composto por diversas gavetas

e compartimentos de arrumação, que

permitem realizar um trabalho seguro e

organizado, otimizando a performance

do cliente nas suas tarefas diárias.

Qual foi a mais recente novidade de

produto lançada no mercado?

Lançámos um dispositivo de arranque

do veículo sem bateria Kapsam, com supercondensador

de grafeno. A nível de ferramentas,

vão ser lançadas, brevemente,

máquinas automáticas para esvaziamento,

purga e enchimento de fluidos, isentas

de ruído.

Como funciona a vossa logística de

entregas de ferramentas aos clientes?

Encomendas com menos de 50 kg são

entregues em 24 horas (+ de 90%) ou 48

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


MANUEL MORALES

Country Manager Ibérico da SAM

27

horas, dependendo da área. Mas se tiverem

mais de 50 kg, servimos em 72h ou,

no máximo, em uma semana.

Têm plataforma de vendas online?

Não fazemos vendas online ao público.

O nosso site tem uma plataforma B2B e

vende apenas a profissionais na indústria,

automotive e construção.

Como podem as ferramentas SAM contribuir

para aumentar a rentabilidade

das oficinas de automóveis?

Através do desenvolvimento de ferra-

mentas inovadoras, proporcionamos três

elementos chave para todas as oficinas

mecânicas e de carroçaria: melhoria da

produtividade, trabalhando em todos os

serviços técnicos das oficinas; garantia

de trabalhos em segurança para todas as

oficinas; máximo conforto para o operador

para quem a ferramenta é a extensão da

mão todos os dias.

Que serviços estão associados à comercialização

das ferramentas SAM?

Oferecemos um pacote de serviços completo.

Todas as nossas ferramentas são

homologadas e verificadas em 22 pontos,

exibem um design “limpo”, assistência

técnica e comercial, serviço de logística

moderno com resposta ultrarrápida, preparação

de um pedido em 15 minutos e

entrega em 24h, um serviço de telefone

hotline permanente e ainda um serviço de

entrega urgente de ferramentas.

Está prevista a realização de ações de

formação para clientes das ferramentas

SAM?

Temos possibilidade de fazer diferentes

tipos de formação, desde a apresentação

das linhas de produtos e da empresa nas

instalações do cliente a uma formação

mais especializada na nossa plataforma

em Orcoyen (Navarra) com a equipa de

técnicos espanhóis, assim como realizamos

visitas à sede da SAM, em Saint

Etienne, perto de Lyon, França.

Ferramentas SAM

112 anos de história

Fundada, em França, no ano de 1906, por François

Blanc, a SAM especializou-se no fabrico de ferramentas

manuais para profissionais, carros de ferramentas

e equipamentos diversos para os setores do OEM e

aftermarket, indústria e construção. Atualmente, é a

marca líder de ferramentas profissionais premium em

França. Tem sede em Saint Etienne, onde trabalham

240 colaboradores, comta com delegações em quatro

países e comercializa os seus produtos em mais de 80.

A sua abrangente gama de produtos inclui mais de

9.000 referências e o departamento de Pesquisa e

Desenvolvimento desenvolve uma média de duas

patentes por mês. A estratégia da empresa passa

por estar sempre atenta às necessidades do mercado.

Neste sentido, o lançamento de novos produtos são

fundamentais.

O atual presidente e CEO são primos descendentes

da família fundadora, existindo um comité

estratégico com três gerentes (diretor de produção

/ subcontratação / compras, diretor comercial, diretor

de recursos humanos e diretor de inovação).

A SAM está organizada em unidades de negócio

e cada uma vende os seus serviços a segmentos

especializados do mercado, sempre com o objetivo

de garantir a satisfação máxima dos clientes e a

qualidade do trabalho em todas as etapas. A empresa

foi certificada, pela primeira vez, no regulamento

ISO9001 de 2008 e está prestes a receber a versão

De que forma avalia o vosso serviço de

assistência pós-venda?

Colocamos em prática um sistema para

resolver todas as solicitações de reparação

pós-venda em menos de uma

semana. Um novo serviço chamado “Postventa

Minuta” permite que o cliente substitua

a sua ferramenta danificada (seja

dentro do período de garantia ou fora

deste período) por outra na “Standard

Exchange”, dentro de 24 horas. O pagamento

não pode exceder 50% do valor do

novo produto e beneficia do transporte

de 2015 da norma.

Trabalha em estreita relação com os principais

operadores dos segmentos de indústria, automotive

e construção, como, por exemplo, Airbus, SNCF, EDF,

Air France, Exército, Peugeot, Citroën, Renault, Iveco,

Euromaster e Norauto, entre outros, desenvolvendo

produtos inovadores que podem ser comercializados

para o mercado comum por intermédio da

distribuição independente. Para este efeito, dispõe

de várias unidades fabris e uma equipa de oito

engenheiros, que trabalham no desenvolvimento

de novos produtos.

A produção inclui ferramentas manuais (chave

de fenda, alicates, chaves inglesas, aparelhos de

medição, corte, ferramentas de impacto, chaves

dinamométricas) e pequenos equipamentos de

oficina, como armazenamento (gabinete, bancada),

equipamentos de elevação e hidráulica, pit jack) e

ferramentas energizadas (ferramentas pneumáticas,

como chave de impacto, chave de fenda, lixadeira,

rebitadeira e ferramentas elétricas).

A nível de marcas, dispõe da SAM para França e da

Rodac para as subsidiárias europeias. No total, são

cerca de 9.000 referências no catálogo SAM + PTS e

outras 1.500 referências no catálogo Rodac.

Está presente com plataformas logísticas em França,

Espanha, Portugal, Bélgica e Holanda. Noutros países,

através de agentes e gerentes de zona de exportação.

de retorno incluído e uma nova garantia

de seis meses no item trocado.

Está prevista a realização de campanhas

ou promoções de produto?

Produzimos um catálogo por ano, uma

campanha geral promocional por ano e

lançamos novas campanhas personalizadas

três vezes por ano.

Qual a estratégia que vai utilizar para

dar mais notoriedade à marca SAM?

Vamos investir nos recursos humanos e

no lançamento de mais produtos inovadores,

sem descurar o serviço, que, nos dias

de hoje, se torna mais importante do que o

próprio produto. O importante é fornecer

bem os distribuidores, dando-lhes ferramentas

que os ajudem a vender bem os

produtos e a fidelizar os clientes através

de um processo de compra simples e o

mais agradável possível.

Investimos muito nas nossas equipas e

nos nossos colaboradores internamente,

transmitindo-lhes informações com o

nosso CRM 360°, treinando com líderes

de qualidade e desempenho comercial

que nos desafiam e nos permitem manter

o cliente no centro das nossas preocupações

do dia a dia e porque acreditamos

que “só existe riqueza humana”.

Quais os objetivos para o próximo ano?

Trabalhamos todos os detalhes do

nosso relacionamento comercial com os

clientes, porque, acima de tudo, apenas a

qualidade permanece e possibilita a obtenção

de bons negócios a curto, médio

e longo prazos.

No seu primeiro ano de remarket discovery

na Península Ibérica, a SAM pretende

crescer 11% em volume de negócios. E

este crescimento irá acelerar em 2019

com uma subida de mais 26%, de acordo

com os planos e ações implementadas

com os nossos parceiros de distribuição.

Além disso, devemos dobrar a nossa faturação

no período de três anos, mantendo

a mesma dinâmica que nos caracteriza.

Temos muita ambição e vamos continuar

a investir. A SAM é uma marca de ferramentas

que tem 112 anos de história. O

seu trajeto fala por si. Q

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


ENTREVISTA

28

Desafio

superado

A TIPS 4Y lançou um novo site adequado às mais

recentes tendências, nomeadamente a busca pela

simplicidade de navegação e design, com foco

no conteúdo e nas funcionalidades de interação.

O desafio foi totalmente superado, como refere

Susana Barros, em entrevista ao Jornal das Oficinas

Por: João Vieira

“Quando lançarmos o

blogue, produziremos

conteúdos muito

inovadores, que

correspondem aos

interesses identificados”

A

TIPS 4Y lançou o seu novo site

como uma nova experiência que

promove uma interação mais dinâmica

com o utilizador. De facto, mais

do que acompanhar as novas tendências

em termos de estrutura e design, foi necessário

estudar o comportamento dos

utilizadores, por forma a satisfazer as suas

necessidades da melhor forma.

A aposta no vídeo e nas imagens animadas

é uma das estratégias mais valorizadas,

permitindo que o utilizador tenha

um conhecimento muito mais realista dos

produtos e soluções da TIPS 4Y. E, na página

dedicada aos dados, a TIPS 4Y convida

mesmo o utilizador a construir a sua própria

solução de forma rápida e intuitiva,

proporcionando uma experiência muito

interessante que acelera todo o processo

de envio de proposta. O novo site está

totalmente adaptado para versão mobile

tendo em conta a crescente utilização de

dispositivos móveis no acesso e pesquisa

de informação na Internet.

E este cuidado em promover o relacionamento

com o utilizador está, também,

patente na implementação de ferramentas,

como o chat, ou na forma como se

descreve e apresenta cada elemento da

equipa.

Que objetivos propõe atingir a TIPS

4Y com o lançamento do novo site?

O lançamento do novo site da TIPS4Y

tem por objetivo construir uma identidade

digital com reputação que nos permita

aumentar visibilidade e interesse nos

visitantes. O marketing moderno digital

está focado no cliente, em conhecer o

seu perfil e os seus interesses, por forma

a comunicar conteúdo com valor. Mas

só geramos interesse se o nosso target

perceber a nossa proposta de valor. Para

isso, necessitamos de transmitir, de forma

clara e simples, o que é isso de proposta de

valor. O grande objetivo do site teve como

pressuposto exatamente essa capacidade.

Era fundamental garantir, por exemplo,

que, nos primeiros segundos de uma nova

visita ao nosso site, ficasse claro qual é

o nosso negócio, qual é a nossa oferta,

em que mercados atuamos, o que nos

diferencia e porque nos devem escolher.

Como caracteriza o novo site a nível

de estrutura e design?

O projeto do novo site foi, também, a

oportunidade de implementar uma estrutura

e design adequados às mais recentes

tendências. O mais importante era garantir

uma excelente experiência em termos de

navegabilidade, responsividade e interatividade.

No entanto, há outro desafio que, para

além da estrutura e do design, é, hoje,

incontornável: criação de conteúdo relevante

e implementação de técnicas SEO

para otimizar o site nos motores de busca.

Podemos ter a página web mais funcional

e mais bonita do mundo, mas se ninguém

a encontrar, de nada nos servirá.

Quais as suas principais funcionalidades?

Destacamos a aposta no vídeo e na imagem

animada para envolver o visitante e

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


SUSANA BARROS

Managing Partner da TIPS 4Y

29

incentivar a sua interação nas páginas de

produto. Implementámos o chat como

gatilho de interação e uma página onde

o visitante constrói uma oferta à sua medida,

juntando os módulos de dados que

se adequam ao seu negócio como se peças

de um puzzle se tratasse. E ainda este mês

de novembro lançaremos o blogue, que

será uma aposta inovadora com conteúdos

muito interessantes para o perfil dos

nossos visitantes. Mas ainda não podemos

levantar o véu.

Porque decidiram apostar no vídeo e

nas imagens animadas?

De facto, não podemos ficar indiferentes

nos deu imenso prazer implementar, porque,

de facto, envolvemos toda a equipa

na história que queríamos contar: quem

é a TIPS 4Y, o que fazemos, onde nos posicionamos,

como é que cada um de nós

sente a empresa. Então, pedimos a cada

colaborador para escrever a palavra que

melhor identificasse a TIPS4Y e todos os

cartazes que aparecem ao longo do vídeo

são genuínos e de autoria própria. Foi,

então, que nos surgiu esta frase, que é dita

logo no início do vídeo e espelha muito

da nossa cultura empresarial: “O ADN da

TIPS, somos nós que o escrevemos”, reforçando

esta ideia de que somos uma

empresa colaborativa e multi-disciplinar,

quando sabemos que o conteúdo de

vídeo é responsável por mais de 70%

de todo o tráfego da Internet. No novo

site, a utilização do vídeo e de elementos

animados nas páginas de produto são

excelentes exemplos desta tendência.

Na realidade, pensámos em ter a habitual

galeria de imagens associada ao produto,

mas a nossa equipa de marketing tinha

acabado de fazer uma enorme aposta em

termos de estratégia de vídeo marketing

e nem hesitámos em substituir a galeria

de imagens por um vídeo que permitisse

ao utilizador visualizar a experiência de

utilização daquele produto e conhecer o

seu ambiente real. Outro desafio passava

por disponibilizar a habitual ficha de

produto, a qual decidimos substituir

por uma imagem animada onde se

visualizam as principais funcionalidades

daquele produto ou solução. Todos os

vídeos que produzimos, nomeadamente

institucionais, comerciais ou tutoriais, estão

alojados no nosso canal de YouTube, que

foi totalmente customizado e é gerido de

acordo com uma estratégia bem definida.

O vídeo institucional mostra o ADN da

TIPS 4Y. Considera importante os utilizadores

conhecerem os colaboradores

da empresa e a sua visão?

O vídeo institucional foi um projeto que

onde cada um deixa a sua marca. Foi uma

experiência fantástica para todos e seria

impossível produzir um vídeo institucional

sem a imagem e contributo de todos,

porque as pessoas são, de facto, o melhor

ativo da nossa empresa. É assim que nos

sentimos.

Construíram o site para satisfazer as

necessidades dos utilizadores. Como

conseguiram conhecer as suas necessidades?

Tal como referimos no início, é muito

importante direcionar a mensagem certa

ao público certo, pelo que estudámos os

dados de comportamento e de perfil dos

utilizadores do nosso site. Identificámos

uma crescente afluência de utilizadores

mais jovens, early adopters de tecnologias,

com interesses à volta da tecnologia,

dos carros e das viagens. No site, toda a

estrutura e design correspondem às expectativas

de usabilidade identificadas.

E quando lançarmos o blogue, produziremos

conteúdos muito inovadores, que

correspondem aos interesses também

identificados.

Como consegue o utilizador construir no

site a sua própria solução de dados auto?

A página de dados convida o utilizador

a criar uma solução à sua medida. Indicamos

soluções customizáveis e cada uma

apresenta todos os módulos de dados

possíveis de integrar. O utilizador seleciona

a solução que pretende e inclui

apenas os módulos nos quais tem interesse,

enviando-nos, de seguida, esse pedido

para cotação. Esta página funciona

como um simulador, onde o utilizador

consegue identificar os módulos de dados

que a empresa dispõe e selecionar

apenas aqueles que são importantes para

o seu negócio. É uma experiência que

o conduz no papel de developer da sua

própria solução e lhe proporciona uma

autonomia guiada.

Qual tem sido a recetividade dos utilizadores

ao chat?

Temos tido uma recetividade ainda

moderada mas é uma ferramenta com

enorme potencial para uma comunicação

rápida, que adiciona confiança a quem nos

visita. Conscientes da sua importância e

no âmbito de uma estratégia de vídeo

marketing que estamos a produzir para

cinco episódios, onde cada um conta uma

funcionalidade interessante do site, dedicamos

o episódio 2 à utilização do chat

no nosso site. Para quem tiver interesse,

estamos a disponibilizar estes episódios

no nosso canal de YouTube, dentro da lista

de reprodução que se intitula “Novo WebSite”.

Vale a pena ver.

Vão, também, lançar um blogue. Quais

as expectativas para esta nova ferramenta

digital?

O blogue será lançado no decorrer do

mês de novembro, como já referido, e terá

um artigo mensal para cada uma das três

rubricas disponíveis. Serão conteúdos com

abordagens muito interessantes e diferentes

do registo habitual em que se inserem.

Vamos querer manter o suspense porque,

seguramente, são artigos que irão marcar

pela diferença. O principal objetivo é

inspirar a nossa audiência com conteúdos

dinâmicos do seu interesse e criarmos a

nossa identidade digital. Esperamos ter

aguçado a curiosidade de todos os que

leram esta entrevista concedida ao Jornal

das Oficinas. Q

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


ENTREVISTA

30

Queremos afinar a

nossa estratégia online

para estar ainda mais

próximos dos clientes

A Krautli Portugal quer estreitar a ligação com os clientes, através das ferramentas digitais. Lucas Krautli é o

homem-forte da empresa em marketing digital. Em entrevista ao Jornal das Oficinas, apontou o caminho desejado

Por: Jorge Flores

A

entrada de Lucas Krautli, filho do

fundador da empresa com o seu

apelido, no departamento de vendas

e marketing é representativa da forte

aposta na área digital. Em entrevista ao Jornal

das Oficinas, o responsável desvendou a

estratégia da Krautli para chegar ainda mais

perto dos clientes através desta ferramenta.

Há quanto tempo e em que contexto

despertou a Krautli para os benefícios

do marketing digital?

O marketing digital tem estado no horizonte

da Krautli Portugal já há bastante

tempo, à medida que temos visto o crescimento

e a aceitação das várias ferramentas,

nessa área, no nosso setor. Temos estado

presentes em múltiplas plataformas, mas

só recentemente disponibilizámos mais

concentração e recursos para expandir

a nossa presença na social media, assim

como em outros canais de comunicação.

Com a minha entrada no departamento

de vendas e marketing da Krautli Portugal,

aproveitámos a oportunidade para afinar a

nossa estratégia online e expandir a nossa

pegada digital, para estarmos ainda mais

perto dos clientes.

Que vantagens sublinharia nesta ferramenta?

A vantagem principal do marketing digital

é que pode ser atingida uma audiência alvo

de uma forma mais económica e mensurável.

As iniciativas de marketing digital,

planeadas e escolhidas cuidadosamente,

podem chegar aos clientes a um custo mais

baixo face aos métodos de marketing tradicionais.

Além disso, permite-nos aumentar

o reconhecimento, tanto da nossa marca

como das marcas dos produtos que comercializamos

para uma vasta audiência.

É claro que, sendo nós operadores B2B,

não estando em contacto com o consumidor,

o nosso alcance e envolvimento

com estes é limitado. Daí a utilização

da comunicação via canais digitais para

aumentarmos a nossa exposição e subir

valor, tanto da nossa marca como das dos

nossos produtos.

Quais canais do marketing digital que

tem a Krautli utilizado? E qual o retorno?

Atualmente, estamos ativos nas redes

sociais, através do Facebook, LinkedIn e

YouTube. E estamos a interagir, semanalmente,

com o nosso público. O Facebook

é, certamente, o nosso principal impulsionador,

pois ainda é o meio mais utilizado

nos nossos negócios. Além disso, também

estamos a utilizar uma estratégia de marketing

através de email, enviando um boletim

informativo, KrautliNews, para todos os

clientes. E, por último, otimizamos, efetivamente,

tanto o nosso site como a nossa

loja online, para comunicar notícias, campanhas

e promoções, entre outros, para

ajudar a informar melhor os clientes sobre

as suas compras. Como, no final de contas,

ainda estamos na fase inicial das nossas

iniciativas online, na minha opinião temos

muito a aprender e a experimentar, mas

podemos já observar um aumento significativo

nos seguidores, o que esperamos

que se transforme num aumento maior nas

vendas. No entanto, estamos a aumentar a

nossa consciencialização de marca em todo

o setor automóvel e esperamos manter a

máxima adesão dos clientes.

Sente que é uma área de potencial crescimento?

É, certamente, uma área de potencial

crescimento no nosso setor, embora

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


LUCAS KRAUTLI

Gestor de Marketing Digital da Krautli Portugal

31

acredite que o progresso seja lento. Temos

muitos clientes fiéis que estão connosco

há muito tempo. Mas, por vezes, demoram

a mudar. Essas pessoas serão mais difíceis

de convencer a seguir-nos online ou, por

exemplo, a solicitar produtos através dos

nossos catálogos online. No entanto, como

em qualquer setor, há uma mudança de

líderes contínua, o que significa que os

jovens de hoje serão os responsáveis das

decisões de amanhã e sentir-se-ão muito

mais confortáveis interagindo e comunicando

em plataformas digitais. Queremos

apenas garantir que estamos preparados

para responder às necessidades do cliente

do futuro.

Qual o feedback dos clientes da Krautli?

Como ainda estamos na fase inicial das

nossas iniciativas de marketing digital,

ainda não recebemos nenhum feedback

concreto dos clientes. No entanto, com

o aumento do compromisso online e do

desempenho dos nossos boletins informativos,

esperamos uma reação positiva

do mercado e dos clientes. E esperamos

interagir mais abertamente com eles online

num futuro próximo.

Considera que ainda existe alguma iliteracia

digital no setor? O que se poderá

fazer para contrariar isso?

Há, certamente, ainda alguma iliteracia

digital no nosso ramo e, isso, não é

previsível mudar a curto prazo. Como

já foi mencionado, será difícil mudar a

atitude de algumas pessoas, especialmente

as que fazem negócios da mesma

forma há anos e hesitam em se adaptar

à revolução digital. No entanto, com a

rápida expansão das ferramentas digitais

no nosso setor, quer seja em aplicativos

ou lojas online, haverá um ponto de inflexão

quando todos precisarem de se

adaptar ou se arriscarem a estagnar. As

vantagens de se tornarem digitais são

verdadeiramente grandes demais para

serem ignoradas, especialmente para empresas

como a nossa, que não têm grandes

orçamentos de marketing e querem

garantir que cada euro seja ampliado ao

máximo. Acho que ainda estamos longe

de mudar completamente para um estilo

de vida puramente digital, mas, na

Krautli Portugal, sempre olhamos para o

futuro, para que possamos permanecer

relevantes por muitos anos.

Quais têm sido os principais obstáculos

no desenvolvimento desta ferramenta?

Até agora, tivemos sorte e não enfrentámos

nenhum obstáculo importante. A

nossa principal prioridade é dar maior importância

aos clientes e, portanto, estamos

a pensar na melhor estratégia de marketing

digital para atingirmos os nossos

objetivos. Simplesmente, estar presente

não é suficiente. Temos de mostrar que

existe um benefício quando nos envolvermos

online. Como ainda estamos num

processo de aperfeiçoar a nossa estratégia

digital, isso será mais evidente à medida

que continuarmos a trabalhar e a aprender

o que funciona e o que não funciona.

Sabemos que no atual ambiente digital,

onde tudo se move muito rapidamente,

temos de manter-nos alerta e enfrentar

os obstáculos quando eles surgem.

O marketing digital representa um

grande esforço financeiro para uma

empresa como a Krautli?

Não é um esforço financeiro muito

grande, pois é necessário muito tempo

para que possamos garantir que estamos

a dirigir-nos ao público certo e com

a mensagem correta. A nossa decisão de

gastar mais recursos em marketing digital

deve-se ao facto de esta ferramenta ser

mais económica quando feita de maneira

correta. As metas podem ser alcançadas

com um orçamento limitado, especialmente

através das redes sociais. É apenas

uma questão de chamar a atenção

dos clientes para o mundo vertiginoso

de hoje e fazer com que eles ajam, o

que requer a comunicação correta no

momento certo. Dito isto, à medida que

as nossas iniciativas crescem e a nossa

presença online aumenta, investiremos

mais em marketing digital e publicidade

para expandir a nossa capacidade, o que

exigirá um orçamento maior para alcançar

os retornos desejados..

Segundo um estudo da Digital Sapienz,

61% dos consumidores deseja receber,

todas as semanas, campanhas promocionais

no smartphone e 28% deseja-o

ainda com mais frequência...

Não há dúvida de que nos estamos a

afastar da área de trabalho e estamos a

ficar mais ativos nos nossos smartphones,

o que é uma das razões pelas quais

a Krautli Portugal está a mudar para uma

abordagem mais mobile-first com a nossa

estratégia digital. Queremos ser capazes

de comunicar com os clientes em movimento

e em qualquer lugar, o que nos

permite fazê-lo. Quanto à frequência,

com base na nossa experiência, no mercado

de pós-venda, não vemos a mesma

tendência no nosso setor. Isto acontece

porque a nossa indústria ainda é bastante

tradicional. As campanhas, geralmente,

são executadas por um período de um

mês e não por uma semana. E, portanto,

são comunicadas dessa maneira. Agora,

reconhecemos que, no mundo movimentado

de hoje, estamos, constantemente,

distraídos com as marcas que tentam atrair

a nossa atenção. Assim, para garantir que

os nossos clientes não percam oportunidades

lucrativas, tentamos ser mais dinâmicos

e reforçar a nossa comunicação ao

longo do mês em vários canais, a fim de

estarmos sempre presentes quando os

nossos clientes decidirem fazer compras.

O vídeo é um canal com uma grande

tendência de crescimento. A Krautli

tem intervenção nesta área?

Estamos cientes de que há uma forte

tendência de crescimento quando se trata

de conteúdos de vídeo. No entanto, atualmente,

não vemos que seja muito relevante

nem muito interessante para o nosso negócio

utilizar uma estratégia mais focada

no vídeo. Embora possa ser envolvente e

atraente, a criação de um bom conteúdo

de vídeo exige muito tempo e esforço e,

neste momento, ainda não vemos o retorno

do investimento a fazer sentido. Além

disso, o nosso objetivo principal é gerar a

consciencialização das nossas campanhas

e promoções, o que poderemos fazer de

forma eficaz sem muito conteúdo de vídeo.

No entanto, continuaremos a fazer a

monitorização reconhecendo o mercado

de vídeos, especialmente no nosso setor,

e poderemos sempre adaptar a nossa estratégia

digital no futuro.

O que podemos esperar, no futuro, da

Krautli na área do marketing digital?

Continuaremos a concentrar-nos nas nossas

atividades de compromissos nos media

sociais, especialmente, no Facebook, e aumentar

o número dos nossos seguidores

por meio de conteúdos relevantes. Assim,

criaremos uma maior consciencialização,

através das nossas newsletters, promovendo

diversas campanhas e promoções,

podendo até aumentar a frequência de

tais comunicações, a fim de permanecermos

atualizados. Além disso, pensamos

aumentar os nossos gastos com publicidade

digital, por intermédio de websites

parceiros para alcançar um número maior

de clientes. Através da adaptação contínua

da nossa estratégia digital e dando aos nossos

“jogadores” melhores ferramentas digitais

para trabalharem, criaremos um valor

mais duradouro para os clientes. Agora e

no futuro. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


ENTREVISTA

32

Queremos que

os nossos princípios

sejam geradores

de negócio

Em entrevista exclusiva ao Jornal das Oficinas,

Ricardo Ribeiro, CEO do Grupo TRUSTAUTO,

dá a conhecer a organização que prima pela

diferença e que pretende mudar o paradigma

do aftermarket em Portugal

Por: Bruno Castanheira

É

a primeira vez que se fala da nova estrutura

liderada por Ricardo Ribeiro,

profundo conhecedor do setor do

pós-venda, fruto dos seus largos anos de

experiência no mercado. O Jornal das Oficinas

apresenta-lhe, nestas páginas, o Grupo

TRUSTAUTO. No tom cordial e ponderado

que o caracteriza, o CEO “abre o jogo” e revela

tudo sobre a organização que prima pela diferença

e que pretende mudar o paradigma

do aftermarket em Portugal. Não esquece

o passado, mas é o futuro que o motiva a

fazer mais, melhor e, sobretudo, diferente.

Quando nasceu o Grupo TRUSTAUTO?

A TRUSTAUTO nasceu em outubro de

2016, embora utilizemos o nome (como

marca e grupo) desde julho de 2017. Nasceu

fruto da necessidade de termos um

reconhecimento e um ponto de identidade

claro que demonstrasse, inequivocamente,

aquilo que somos. Dependendo, por vezes,

do produto, utilizamos a lógica de qualidade

e inovação (quality & innovation). São

estas, aliás, as keywords do nosso logótipo.

A TRUSTAUTO foi criada devido à necessidade

que tivemos de encontrar uma forma

diferente de fazer negócio. Estamos convencidos

de que conseguimos fazer diferente

e, sobretudo, fazer bem. A TRUSTAUTO

é, diria, uma conjugação biunívoca entre

a nossa relação com o fabricante e com a

reparação. É um elo de confiança que está

na raiz da nossa filosofia de trabalho. Temos

uma forma de trabalhar muito própria.

Esforçamo-nos em toda a linha. Tentamos

fazer o melhor e apresentar um serviço de

excelência. A marca e o Grupo TRUSTAUTO

nasceram como um ponto de identidade

claro que demonstra aquilo que somos.

O que esteve na génese da sua criação?

Invariavelmente, o background dos nossos

associados, que foram colhendo um sem

número de regras, de comportamentos, de

skills na visão do negócio, na introdução de

ideias e na exigência da gestão interna. Há

inúmeros detalhes na nossa atividade que

traduzem, claramente, o facto de os nossos

associados terem sido muito marcados pela

escola de um grupo internacional. E, isso,

é algo que é muito pontual em Portugal

ao nível da segunda linha da distribuição.

Existirão muito poucas casas de peças que

tenham a escola de um grupo internacional.

A nossa equipa, que tem toda o mesmo

background, acaba por beneficiar dessa

visão de negócio que, agora, se chama

muito trendline: estar próximo da oficina,

dar assessoria técnica e formativa, fazer ava-

liações da quota de mercado, seguir a lógica

do produto premium, de primeiro equipamento.

Portanto, todas estas questões que,

agora, fazem parte do nosso mainstream,

para os nossos associados é assim há mais

de 15 anos. Os nossos associados, por um

lado, e eu, por outro, devido ao percurso

que tenho feito ao longo dos anos, permite

que tenhamos uma visão mais planisférica

do negócio de aftermarket.

O Grupo TRUSTAUTO é, no fundo, uma

central de compras?

A organização que lidero é, efetivamente,

uma central de compras. A necessidade que

tivemos de juntar-nos deveu-se ao facto de

acreditarmos numa forma diferente de fazer

negócio, precisamente com pormenores e

detalhes de envolvimento quer com o fabricante

quer com a reparação. Iniciámos

este processo com uma necessidade absolutamente

fundamental de termos um laço

de imagem e de identidade coerente junto

das oficinas. Em julho de 2017, já estávamos

a utilizar a nova insígnia TRUSTAUTO, nomeadamente

na linha de produtos químicos.

A partir daí e até setembro desse ano,

decidimos que a TRUSTAUTO passaria a ser

nome de grupo e não apenas de produto.

Foi uma evolução lógica. Não levámos mais

do que dois ou três meses a perceber isso.

Em novembro de 2017, já tínhamos a imagem

que, hoje, temos.

Quantos membros fazem parte do Grupo

TRUSTAUTO?

Atualmente, o grupo é composto por

nove empresas: Auto Acessórios, Jalema,

Violantecar, Turbo Peças, Autopeças Gafanha,

Centralbat, 3R Parts, Alvercapeças,

Peciloures e Loucar. Algumas delas,

dispõem de várias lojas e vários pontos de

venda. A ideia do Grupo TRUSTAUTO é ter

mais membros a curto prazo. A implantação

da nossa imagem em instalações e viaturas

já está, aliás, em curso.

A imagem é, para o Grupo TRUSTAUTO,

fundamental?

Damos, de facto, grande importância à

imagem, que, hoje, é absolutamente fundamental

para quem quer estar na vanguarda

do negócio. Não podemos olhar apenas

para componente da negociação do preço,

que é, obviamente, uma prioridade, mas

temos de ir buscar outros vértices nessa

equação de sucesso, como é o caso, por

exemplo, do coaching, área onde estou,

provavelmente, mais envolvido com os

nossos parceiros. Seguindo-se a informa-

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


RICARDO RIBEIRO

CEO do Grupo TRUSTAUTO

33

Que linhas de produto disponibiliza o

Grupo TRUSTAUTO?

Somos representantes da marca polaca

de baterias de primeiro equipamento

AUTOPART. Damos-lhe, inclusivamente,

assessoria no mercado português. Importamos,

também, a TCMATIC, na área da

reparação e reconstrução de caixas aução

up to date da realidade da sociedade

e da relação do grupo perante os seus parceiros.

Auditamos esse processo e vamos,

em simultâneo, partilhando informação

estatística sobre o negócio, dando a possibilidade

aos nossos parceiros de fazerem

uma gestão muito mais focada e assertiva

da sua atividade. Esta necessidade de fazermos

bem as coisas, de utilizarmos uma

linguagem empresarial mais sofisticada e

mais cuidada, a todos os capítulos e em todos

os vértices da gestão, levou-nos a fazer

as coisas com qualidade já que estávamos

a começar de novo. Até porque, lá está, as

empresas no segundo layer da distribuição

vão sentindo que estão um pouco pressionadas.

Para mais, se estiverem sozinhas.

Não estamos no negócio unicamente

pela cultura e pela economia de escala,

mas para gerar uma filosofia de trabalho

que funcione como um serviço central de

assessoria, onde os nossos membros sejam,

efetivamente, acompanhados a todos os

níveis. Damos bastante importância tanto

à imagem como à escolha dos fabricantes

que vão enriquecendo o nosso portefólio.

A nossa organização vive, essencialmente,

de concentrar trabalho mais consistente e

sistematizado, que permita aos seus membros

melhorar a sua atividade diária e trazer-lhes

vantagens competitivas. Depois,

existem outros capítulos. Nós, em certa

medida, somos inovadores na questão do

comércio eletrónico. Temos, atualmente,

mais de 100 oficinas ligadas ao network das

nossas unidades. Esta ferramenta, para nós,

é absolutamente essencial na ligação com

a oficina e entre as nossas unidades. Vamos

continuar a investir no desenvolvimento

desta plataforma.

Considera o stock e a formação prioridades?

Hoje, recorremos aos stocks dos nossos

armazéns centrais, que são quatro.

A escolha é feita com base na área geográfica,

de modo a prestar um serviço de

proximidade. Dispomos de unidades que

vão servindo, também por via desta plataforma,

quer os balcões quer os clientes.

A este nível, temos um grande capital e

temos feito um grande investimento. E

continuamos a fazê-lo. Estamos a melhorar

esse processo com a escolha da transportadora

no próprio portal do cliente, para

selecionar através da matriz de entrega.

Temos as coisas bem agilizadas a esse

nível. Em termos formativos, desenvolvemos

ações de forma muito responsável,

como algo diferenciador e importante na

nossa essência. Trabalhamos, atualmente,

com a ATEC e estamos muito satisfeitos.

Quisemos fazer nesta área algo diferente.

Conseguimos ter uma agenda inovadora

para que as oficinas não frequentem as

mesmas formações dadas por diferentes

entidades. E a ATEC tem-nos ajudado a

seguir este processo de diferenciação.

Não queremos ter formações iguais ou

que estejam a ser replicadas em todo o

mercado.

Que argumentos têm para levar um

distribuidor a tornar-se membro do

Grupo TRUSTAUTO?

Uma das vantagens para a casa de peças

é o facto de lhe oferecermos, chave

na mão, uma plataforma de comércio

eletrónico, que, inquestionavelmente,

a coloca na vanguarda da relação com

as suas oficinas. Temos uma imagem de

marca credível e de futuro. Dispomos de

uma linha de produtos, de importação

direta, com prestígio e condições quer de

serviço logístico quer no plano económico

muitíssimo apetecíveis e interessantes.

Temos uma massa crítica ao nível dos fabricantes

de prestigio e contamos com

produtos alternativos de marca própria

com qualidade. Convém frisar que auditamos,

com regularidade, através de

um laboratório internacional, os nossos

produtos químicos, nomeadamente lubrificantes,

com uma amostragem a todas

as linhas e homologações. Tudo isto

mais as condições de preço irresistíveis,

permitem-nos mudar completamente o

paradigma das casas de peças. Propomos

aos distribuidores projetos de negócio

viáveis, que demonstrem uma capacidade

de execução de longo prazo, de modo a

permitir-lhes que sejam ou se mantenham

competitivos no mercado. Queremos que

os nossos princípios sejam geradores de

negócio e de parcerias de confiança.

tomáticas, e a TURBO MOTOR (turbos

reconstruídos de marcas premium). Somos

representantes da marca HENGST,

que assinala uma viragem radical naquilo

que é a nossa conceção ao nível da filtragem.

E somos importadores OCAP,

HELLA, KAWE, e TRW, só para citamos

alguns exemplos. Temos ligações a vários

fabricantes em diversas áreas, como SKF

e BILSTEIN GROUP.

E dispõem, também, de marca própria...

Identificámos, em algumas linhas de

produto, que a questão da marca própria

é fundamental. A private brand permite-

-nos blindar e proteger a estratégia e a

rentabilidade. E assegura que, dentro das

nossas áreas de influência, tenhamos total

controlo sobre a forma como o nosso

produto está a ser transacionado. Dificilmente

um concorrente nosso venderá

anti-congelantes ou escovas limpa-vidros

TRUSTAUTO nas oficinas. Utilizar a marca

própria como forma de apresentação do

branding da empresa é fundamental para

alavancar a própria imagem do grupo no

mercado e na oficina. Neste momento, a

marca registada TRUSTAUTO, que é produzida

por fabricantes premium, dispõe

de anti-congelantes, AdBlue, líquido para

limpa para-brisas, escovas limpa-vidros

e lubrificantes. É expectável que a gama

cresça. Temos planos para crescer. Inclusivamente,

ao nível da mecânica. Mas veremos

como este projeto irá desenvolver-se.

O grande desafio, aqui, é ter uma check

list, de modo a avaliarmos e decidirmos

que produto faz sentido adicionar à nossa

private brand. Não queremos fazer igual.

Vamos tomando decisões baseadas naquilo

que entendemos ou percebemos

que é fundamental para a nossa estratégia

e para a execução daquilo que é o nosso

objetivo: rentabilidade e independência

sobre o nosso futuro. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


34

REPORTAGEM

Cepsa

Novas embalagens

Num evento cheio de pompa e circunstância, que decorreu na sede mundial da companhia, em Madrid, a Cepsa

deu a conhecer a sua nova gama de embalagens para todas as linhas de lubrificantes e refrigerantes

Por: Bruno Castanheira

A

Cepsa dispõe de novas embalagens

para lubrificantes e refrigerantes.

Os designs renovados anunciam

vantagens significativas e surgem com

o objetivo de criar uma imagem mais

atraente, facilitando ainda a identificação

por parte dos clientes, proporcionando

maior resistência e otimizando a ergonomia,

mantendo os produtos em ótimas

condições. A procura contínua de soluções

efetivas norteou a criação de uma imagem

inovadora, classificada por cores, que torna

o produto mais facilmente identificável:

dourado para os lubrificantes sintéticos de

gama alta XTAR; prateado para as gamas

Avant e Genuine, destinadas a motores

menos exigentes; vermelho para sistemas

auxiliares ou outras aplicações; branco para

a gama premium de refrigerantes.

n 30% DE PLÁSTICO RECICLADO

A rotulagem foi, também ela, revista e

incorpora, agora, novos símbolos e in-

formações técnicas. Tudo para facilitar

a compreensão da informação sobre o

produto. As novas embalagens, que foram

submetidas a rigorosos testes físicos e

tecnológicos, são mais resistentes, já que

incorporam dois pontos de apoio na secção

superior. Já o novo design, além de

oferecer ao cliente a garantia de absoluta

estanquidade, permite distribuir melhor

o peso, facilitando, assim, a otimização

quer do espaço de armazenamento quer

do transporte.

As novas embalagens reúnem uma série

de características ergonómicas que

facilitam o seu uso, tais como a asa lateral

e a textura diferenciada, que melhoram

o manuseamento, garantindo, também,

maior aderência e eficácia na utilização do

produto. Outra novidade diz respeito à incorporação

de 30% de plástico reciclado

na sua composição, característica que

torna as embalagens mais sustentáveis

e reflete o compromisso da empresa rumo

à redução do impacto ambiental.

A Cepsa aproveitou ainda a ocasião

para apresentar dois novos lubrificantes

sintéticos de alta qualidade (0W20 ECO

V IV e 0W30 ECO G), que completam a

gama XTAR. Tratam-se de produtos mais

eficientes e sustentáveis, desenvolvidos,

especificamente, para alguns motores de

última geração gasolina e Diesel mais procurados

no mercado.

n UMA GRANDE COMPANHIA

Com um portefólio diversificado de lubrificantes,

óleos de base e ceras de parafina

que comercializa em mais de 80 países,

desde 1950, através de uma equipa de

vendas especializada, a Cepsa é uma das

empresas líderes no fabrico e comercialização

de lubrificantes terminados e óleos

base em Espanha, onde dispõe de duas

fábricas especializadas: uma em San Roque

(Cádiz); outra em Paterna (Valência),

que, além de lubrificantes, também produzem

refrigerantes de alta tecnologia.

Além disso, a companhia também exporta

esses produtos para a Europa e outros

mercados em expansão, como América

Latina, Médio Oriente, Norte de África e

Ásia, tendo assinado, recentemente, um

acordo com a GP Global que visa a produção

e comercialização de lubrificantes

para o setor marinho na Índia.

Com mais de 85 anos de experiência e

uma equipa com cerca de 10.000 profissionais,

dotados de excelência técnica e

capacidade de adaptação, a Cepsa está

presente nos cinco continentes através

das seguintes áreas de negócio: Exploração

e Produção; Refinação; Petroquímica;

Marketing; Gás e Eletricidade; Trading. Q

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


36

REPORTAGEM

SKF Portugal

Adrenalina asiática

A apresentação da gama asiática da SKF reuniu 120 parceiros e teve direito a experiência co-drive com o piloto

Ricardo Teodósio. O evento, pleno de adrenalina, terminou com um campeonato de lutadores de sumo

Por: Jorge Flores

Grisélia Afonso,

responsável da SKF,

apresentou a nova gama,

num dia divertido, em

que todos os parceiros

usaram um chapéu

de palha em bico,

tipicamente asiático, tal

como os novos produtos

O

programa da apresentação da

nova gama de produtos asiáticos

da SKF prometia, desde logo,

momentos de pura adrenalina. E pode

dizer-se que o evento, realizado na Quinta

do Serpa, em Bucelas, não defraudou, de

forma alguma, a expectativa dos mais de

120 parceiros da empresa que compareceram

à chamada.

Com o sol a brilhar, intenso, desde manhã

cedo, a organização logo tratou de distribuir

uns chapéus de palha, em bico, numa

alusão clara e inequívoca à gama asiática,

a todos os convidados que iam chegando

à quinta. Um dos momentos mais esperados

da manhã não podia deixar de ser a

experiência co-drive com o piloto Ricardo

Teodósio, numa pequena pista improvisada

para o efeito, na própria quinta onde decorreu

a apresentação. Antes disso, foi

necessário que os interessados fizessem

uma inscrição prévia e esperar serem contemplados

do sorteio. A expectativa era

grande e a fila também. Ao longe, o cenário

parecia o de uma plantação de arroz

no Japão, com os muitos chapéus de palha,

em bico, esperando pela sua vez para entrar

no modelo de competição.

n NOVIDADES DA GAMA

Durante (bem) mais de uma hora, Ricardo

Teodósio, designado por muitos

como o “piloto espetáculo”, ao volante do

Škoda Fabia R5, com as cores da SKF entre

os patrocinadores, mostrou a mestria

de que é feito um campeão nacional de

ralis, deslumbrando os parceiros mais

“sortudos” a quem saiu o nome no sorteio

para o co-drive. E deliciando todos os outros,

rendidos aos piões perfeitos que

aconteciam a cada mudança de turno. No

pátio central que serviu de pista, o piloto

não se cansou de inventar trajetórias e

de desenhar marcas de pneus no solo.

Uma forma original e bem enérgica de

abrir o apetite para o almoço que se seguiria

logo a seguir, na sala principal.

Já depois do repasto, Grisélia Afonso,

sales & marketing unit manager do Vehicle

Service Market (VSM) da SKF Portugal, deu

a conhecer os novos “protagonistas” da

gama asiática, nomeadamente as gamas

de direção e suspensão para automóveis

e as bombas de água para veículos industriais.

Produtos, de resto, já disponíveis

no mercado nacional.

n LUTADORES DE SUMO

Antes do final do evento, houve ainda

lugar a mais um momento de descontração,

com os parceiros da SKF a vestirem,

literalmente, o papel de lutadores de sumo

– os fatos com a “gordura extra” estavam

lá, disponíveis para quem quisesse vestir

a pele ainda mais a sério, embora os perto

de 40° C de temperatura obrigassem a algumas

desistências. Ainda assim, a experiência

foi bastante competitiva e mesmo

aguerrida, com vários combates a decorrer

em simultâneo, sob a atenta arbitragem

da organização do evento. Empoleirados

em cima de pequenos troncos baloiçantes,

os adversários procuraram derrubar-se,

mutuamente, com o apoio de uma “lança”

almofadada nas extremidades. As quedas

foram sempre amparadas pelo bom senso,

mas, no final, apenas um podia triunfar.

E o vencedor, já que o dia era pleno de

adrenalina, teve direito a uma experiência

com um Ferrari. Q

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


38

REPORTAGEM

1.ª Convenção Diesel Turbo da Bombóleo

Compêndio de informação

No passado dia 20 de outubro, realizou-se, no Centro de Congressos do Estoril, a 1.ª Convenção Diesel Turbo da

Bombóleo. Paulo Marques, administrador da empresa e organizador do evento, que teve o Jornal das Oficinas

como media partner, considerou-o um sucesso. Aqui fica o essencial das intervenções dos principais oradores

Por: Joana Calado

O

Grupo Bombóleo encheu o Centro

de Congressos do Estoril para

esclarecer os seus parceiros (e

não só) sobre o futuro dos motores Diesel

em Portugal. Na intervenção de abertura,

Paulo Marques, administrador, afirmou

que o ponto de viragem para a situação

atual terá sido o escândalo que envolveu a

Volkswagen, conhecido como “dieselgate”.

Com um quadro de oradores de renome,

o ponto comum a todas as apresentações

Paulo Marques,

administrador

da Bombóleo

foi a visão de futuro. O mercado automóvel

está a mudar e, efetivamente, existe um

decréscimo de veículos Diesel. No entanto,

e esta é uma opinião transversal a todos os

intervenientes, este tipo de motores ainda

tem “cartas a dar” no parque automóvel.

A convenção foi, também, palco da apresentação

de uma série de novos produtos,

que poderão ser utilizados em veículos híbridos

equipados com motores de combustão

interna. Apesar de, até aqui, a grande

aposta das marcas estar focada nos motores

a gasolina para esses veículos, este padrão

pode vir a mudar. Num balanço geral, Paulo

Marques considerou que o evento, apresentado

por Dário Afonso, da ACM, foi um

sucesso. E que o objetivo de esclarecer os

presentes sobre o futuro dos motores Diesel

em Portugal, foi alcançado. Até porque os

parceiros consideraram a iniciativa bastante

interessante e esclarecedora. Q

Até 2025, a alteração dos veículos

Diesel não será significativa

Marco Capasso, global product marketing Diesel da Bosch

Marco Capasso, global product marketing Diesel da Bosch, apresentou uma

vasta de gama de soluções para a questão da poluição emitida pelos veículos

Diesel. Os filtros de partículas, por exemplo, permitem reduzir em 97% as

emissões de CO2. Sendo que os motores Diesel já produzem menos 15%

do que os seus semelhantes a gasolina. Até 2025, a alteração dos veículos

Diesel existente no parque automóvel não será significativa, sendo que,

em 2030, estima-se que, apesar das alterações que possam ocorrer, ainda

exista uma percentagem de 70% de veículos com motores de combustão

interna. Para a empresa, a mudança nunca será significativa no setor dos veículos

pesados, que é onde se encontra a maioria dos veículos Diesel. Também a Bosch tem

feito uma forte aposta na reconstrução de componentes, oferecendo uma gama

de produtos reconstruídos entre os 75 e os 95%. A empresa pretende, também,

acabar com a grande diferença de valor entre produtos novos e reconstruídos.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


39

As cidades estão

cada vez mais preparadas

para não ter carros

Dário Afonso, diretor-geral da ACM

Com mais de 10 anos de experiência na área do coaching, Dário Afonso

trouxe uma apresentação mais generalista e centrada na área de negócio. Para

o diretor-geral da ACM, “as cidades estão cada vez mais preparadas para que

não sejam necessários veículos para a mobilidade. Há muitas

cidades, como Lisboa, onde estão a tentar ‘expulsar’

os veículos do seu interior.” Dário Afonso salientou,

também, a questão das peças usadas, que passarão a

chamar-se reutilizáveis. “Na Alemanha, já existe uma

marca premium que está a estudar a viabilidade

da Energy Transition Law, que consiste em

dar ao cliente a hipótese de escolher se

quer uma peça nova, reconstruída ou

usada, agora denominada de reutilizável.

Esta lei pressupõe que as peças sejam

trabalhadas como se fossem peças

novas, sendo selecionadas conforme a

qualidade, tratadas e embaladas antes

de serem vendidas”.

Os grandes problemas que a mobilidade,

hoje, gera, prende-se com a poluição localizada

Ricardo Oliveira, CEO e fundador do World Shopper

Criámos os eCharger e

eTurbo a pensar no futuro

da eletrificação

Nicolas Vilnet,

sales leader da Garrett

Advancing Motion

Nicolas Vilnet aproveitou o evento para apresentar uma nova Garrett,

depois da separação da Honeywell. Com 17 anos de experiência no ramo

automóvel e sendo a Garrett uma empresa direcionada para a produção

de turbos, a intervenção de Nicolas Vilnet focou-se na apresentação

de novos modelos a pensar em motores híbridos. A Garrett estima

que, em 2025, a percentagem de penetração do turbo no mercado

europeu esteja na ordem dos 65%, uma vez que esta irá crescer sempre

que existir um motor. A pensar no futuro da eletrificação, a empresa

tem já os turbos eCharger e eTurbo, que poderão ser aplicados em

três diferentes tipos de motor para modelos híbridos leves, híbridos e

híbridos plug-in. O eCharger permite um arranque mais rápido, sendo

que será possível cumprir o arranque dos 0 aos 100 km/h em menos

de 15% do tempo, com uma economia de combustível também na

ordem dos 15% e uma redução de emissões de 20%. O eTurbo é em

tudo similar ao eCharger apenas com a diferença de ser de menor

dimensão e, por isso, de ter um menor custo e de poder ser aplicado

em motores mais pequenos.

Ricardo Oliveira, CEO e fundador do World Shopper, apresentou novos conceitos de mobilidade. Os grandes problemas

que a mobilidade gera atualmente prende-se com a poluição localizada, os engarrafamentos e o tempo de utilização dos

veículos, que estão, em média, 90% do tempo parados. Cada vez mais vamos ouvir falar em novos tipos de mobilidade

que não pressupõem que tenhamos o veículo. Desenvolveremos, assim, menor sentido de propriedade face à viatura. A

mobilidade individual pressupõe uso prolongado e falamos de rent-a-car e car renting, entre outros. Por outro lado, temos

a mobilidade partilhada, que se trata de uso pontual de viatura. Neste setor, começam a surgir cada vez mais operadoras

de ride sharing, ou seja, é possível pedir boleia através de uma app.

Nos próximos

anos, haverá

uma progressão

lenta dos veículos

100% elétricos

David Iglesias,

service operations manager da Delphi

O service operations manager da Delphi, David

Iglesias, aproveitou o momento para apresentar a

nova imagem da marca, que conta, agora, com um

novo logótipo. Há oito anos na Delphi, David Iglesias

deu a conhecer aos presentes o “vasto horizonte”

do combustível Diesel. A Delphi prevê que, nos

próximos anos, se mantenha a lenta progressão

dos veículos 100% elétricos, um aumento notável

dos veículos híbridos e um declive, ainda que leve,

dos motores de combustão interna. A novidade foi

a apresentação da solução mild hybrid 48 Volt, que

produz 25% mais de binário, tem uma eficiência

de combustível superior em 15% e emite menos

25% de CO 2, em comparação com o sistema de 12

Volt. Esta solução permite uma poupança total de

combustível na ordem dos 70%, com um custo mais

elevado de apenas 30%. Este motor apresenta ainda

três novas funções, nomeadamente uma segunda

etapa de compressão, travagem regenerativa (o que

permite recuperar energia cinética) e um assistente

de binário com motor elétrico.

A alteração do paradigma da mobilidade

deve-se à forma como vemos as deslocações

Ricardo Silva, diretor comercial adjunto da LeasePlan

O diretor comercial adjunto da LeasePlan, Ricardo Silva, interveio, também, sobre as novas formas de mobilidade que começam

já a verificar-se na sua área de negócio. A alteração do paradigma da mobilidade deve-se, essencialmente, à nossa forma de vermos

as deslocações que fazemos. “O que era um prazer, agora é um problema”, afirmou Ricardo Silva para descrever a experiência de

condução. Para o futuro, a empresa apresentou quatro tendências, onde se incluem o crescimento da economia de partilha e a

digitalização. Os agentes de aluguer de automóveis vão interagir diretamente com o cliente. Os veículos autónomos vão resolver

muitos problemas de mobilidade nas cidades e fomentar a economia de partilha. Por fim, os modelos elétricos vão ser uma

realidade. Aliás, Ricardo Silva salientou que já existem grandes frotas a fazer a transição para veículos elétricos.

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


40

FORMAÇÃO

Sonax

Proteção prolongada

O selante cerâmico Sonax CC36 foi concebido para proteger a pintura a longo prazo. O Grupo AD Portugal promoveu

formações para certificar os aplicadores do produto e o Jornal das Oficinas marcou presença numa das ações

Por: Jorge Flores

Manuel Fonseca (à dta.) explicou as várias

vantagens do CC36, o novo selante cerâmico da

Sonax, em duas ações de formação

Por melhor que seja o produto, a

formação dos profissionais que

trabalharão com o mesmo será

sempre essencial. O Grupo AD Portugal

está ciente dessa mesma realidade

e promoveu duas ações de formação para

certificar, devidamente, os responsáveis

aplicadores do selante cerâmico Sonax

CC36 (Ceramic Coating). A primeira sessão

decorreu nos dias 1 e 2 de outubro, na

oficina AutoDetailing12, em Carnaxide,

e contou com a presença do Jornal das

Oficinas. A segunda ação teve lugar em

Albufeira, nos dias 3 e 4 do mesmo mês.

Para ministrar a formação, a marca

alemã “convocou” um formador específico,

que tratou de explicar e exemplificar

as qualidades do inovador produto

proposto pela Sonax a perto de 15 profissionais

do setor da repintura. O ambiente

era de animação e de vontade

de aprendizagem.

n EFICÁCIA COMPROVADA

Manuel Fonseca, responsável da Sonax,

explicou ao nosso jornal quais as várias

vantagens do CC36. E não hesitou em

exemplificar a capacidade de resistência

a “agressões” do produto. Recorreu, para

tal, a um isqueiro, que passou pela pintura

de um veículo antes da aplicação do

selante, deixando uma marca bastante

visível na pintura. Já depois de aplicado

o produto, efetuou a mesma ação com o

referido isqueiro, não tendo conseguido

deixar qualquer risco ou vestígio na carroçaria.

Este teste foi realizado in loco e

teve nota máxima em termos de eficácia.

Mas as suas virtudes não se ficam pela

proteção a eventuais riscos. Atendendo às

suas características, o selante cerâmico Sonax

CC36 consegue oferecer maior proteção

à pintura do automóvel em relação aos

“atentados” a que esta é sujeita durante

todo o ano por ação do vento, do frio, do

sol e da chuva, problema agravado para

quem não dispõe de garagem. Ou seja, do

tempo, seja ele bom ou mau para outro

tipo de atividades. A superfície agredida

torna-se porosa e vai perdendo cor até

se tornar baça. Muitas vezes, sem que o

dono do automóvel consiga entender

o motivo para que tal aconteça. Ora, a

função do CC36 da Sonax é, justamente,

assegurar extrema resistência, durante

muito tempo, às radiações ultravioletas,

aos químicos e a muitos outros agentes

agressivos, entre os quais o chamado “sal

do asfalto”, o alcatrão e o CO 2 proveniente

do tráfego e da indústria.

n CLIENTES RENDIDOS

O contacto dos profissionais com o CC36

da Sonax está a ser “muito positivo”, conforme

garantiu Manuel Fonseca. A procura

tem sido grande e os níveis de satisfação

são elevados. Daniel Ferreira, responsável

da oficina onde foi ministrada a ação de

formação, a AutoDetailing12 (ver rubrica

Oficina do Mês, nesta edição do Jornal

das Oficinas), é prova desse sucesso. “A

parceira com a Sonax ainda é relativamente

recente, mas tem sido muito boa,

felizmente. Durante os poucos meses

que lidamos com este novo produto, já

o temos aplicado muitas vezes. É muito

competente. E podemos afirmar que o

CC36 tem sido muito bem recebido pelos

nossos clientes”, assegurou. Q

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


42

SERVIÇO

Direção e suspensão febi

Ford Focus em análise

O Ford Focus foi introduzido em 1998 e mostrou-se muito popular entre os seus proprietários. No entanto, é, também,

um dos veículos que mais carecem de trabalhos de reparação nas oficinas

A

febi identificou alguns itens de

desgaste que são relevantes ao

reparar o sistema de suspensão

dos modelos Ford Focus. A seguir, apresentamos

as soluções da marca alemã,

que ajudam, efetivamente, o mecânico

nas operações de substituição da suspensão

do Ford Focus.

n SUSPENSÃO DIANTEIRA

A suspensão dianteira independente

do Focus é composta por uma estrutura

do tipo McPherson conectada à manga

de eixo. E este conjunto é conetado ao

chassis através de um triângulo, onde

existe um ponto de ligação à barra estabilizadora.

Os tirantes da barra estabilizadora,

1

quando apresentam desgaste, podem

produzir um ruído estridente durante a

condução em estradas com piso irregular.

Um dos itens de maior desgaste no

modelo Mk2 é o casquilho do triângulo

de suspensão (Fig. 1). Este componente

está disponível como parte do triângulo

completo ou disponível em separado

com novos parafusos de fixação. Este

último, está disponível através da febi

e oferece uma reparação económica

deste componente, comparado com a

substituição de todo o triângulo, que, na

2

maioria dos casos, poderá perfeitamente

ser mantido.

Ao realizar esta substituição, o alinhamento

do novo casquilho é muito

importante. O casquilho necessita de

ser alinhado corretamente no eixo do

braço de suspensão para uma operação

correta e para garantir uma vida útil prolongada

do componente de substituição.

O casquilho usado pode ser extraído

ou pode ser cuidadosamente cortado

usando equipamento adequado, para

não danificar o eixo no qual o casquilho

é aplicado. Uma vez removido o casquilho

usado, limpe o eixo e, com recurso a

pressão, encaixe o novo casquilho. Existe

uma ferramenta especial disponível para

manter o alinhamento durante a aplica-

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


43

ção do novo casquilho (Fig. 2).

O braço reparado pode, agora, ser aplicado

no veículo. O casquilho (febi 32418)

tem aplicações para outros modelos das

marcas Ford, Mazda e Volvo.

n SUSPENSÃO TRASEIRA

O aclamado “Control Blade” (braço de

suspensão fino com aspeto semelhante

a uma lâmina) foi desenvolvido para o

modelo Focus. O seu design compacto

permite uma máxima utilização do espaço

para a capacidade de bagagem e

proporciona um excelente desempenho

da condução. Os braços de formato fino,

o posicionamento em relação à roda de

forma a reduzir o binário da travagem,

juntamente com outros três braços,

3

período de serviço. Quando este braço

é removido para dar acesso a outros

componentes ou quando precisa de ser

substituído, os parafusos de fixação são

propensos à corrosão (Fig. 4).

Isto leva ao corte dos parafusos durante

a remoção ou ao desgaste devido

ao processo de libertação do parafuso

face ao braço. Portanto, pode ser necessário

cortá-los para remover o braço. O

parafuso interno, que é excêntrico e que

permite o ajuste do camber, deve rodar

4

livremente de forma a permitir o ajuste.

Recomenda-se que todas as fixações

dos parafusos sejam apertadas apenas

quando a suspensão do veículo estiver

sob carga e não suspensa, caso contrário

causa um esforço desnecessário nos

Subestrutura

Estabilidade:

o sistema subestimado

A barra estabilizadora é um componente da suspensão

que faz a conexão da roda à estrutura do

chassis. Muitos automóveis estão equipados com

uma barra estabilizadora no eixo dianteiro e muitos

deles também no eixo traseiro.

As barras estabilizadoras têm vindo a ser instaladas

em veículos ligeiros ao longo de muitas décadas

e permaneceram praticamente inalteradas durante

este período. A barra estabilizadora é pouco

conhecida por muitos condutores, embora este

componente desempenhe um importante papel

na garantia de uma viagem segura e confortável.

A razão é simples: sem barra estabilizadora, os

veículos, em situação de curva, ganham demasiada

inclinação e, em linha reta, perdem drasticamente

o conforto. Regra geral, os ruídos de suspensão

são quase sempre atribuídos a uma falha na área

da barra estabilizadora.

A falha ou dano na barra estabilizadora é, em grande

parte, facilmente solucionada e sem recorrer a eleva-

Casquilho da

Barra Estabilizadora

Barra

Estabilizadora

Tirante da barra

estabilizadora com

porca de retenção

(febi 04220)

Suporte do

Amortecedor

Tirante

de Barra

Estabilizadora

dos custos. Isto deve-se aos custos relativamente baixos

do material e à instalação fácil e direta. Mas tenha em

atenção o seguinte: caso a barra estabilizadora apresente

danos, o veículo não deve circular. A falha aumenta o

risco do movimento de rolamento da estrutura do veículo

levando à perda de controlo e, em casos mais extremos,

o veículo pode mesmo capotar.

Tirante da barra estabilizadora com

porcas de retenção (febi 09206)

Design e função

O sistema de estabilidade contempa outros componentes,

como, por exemplo, os tirantes e casquilhos

da barra estabilizadora.

A barra estabilizadora é instalada na subestrutura

do veículo através de casquilhos de borracha. Os

tirantes da barra estabilizadora conectam a barra

ao amortecedor ou, em alternativa, aos braços

de suspensão. As rótulas do tirante garantem a

liberdade de movimento, necessária para permitir

que a barra estabilizadora desempenhe a sua função

sem falhas.

Quando a roda sofre uma deflexão, a torção da barra

estabilizadora garante que a roda oposta receba, igualmente,

o movimento, quer seja ascendente quer seja

descendente. Desta forma, é evitado o movimento

de rolamento excessivo (inclinação lateral) do chassis

durante as curvas. Se as duas rodas receberem o mesmo

movimento, a barra estabilizadora não será ativada.

permitem a fixação precisa da roda. O

casquilho do braço de suspensão traseiro

(febi 34249), que é substituível como no

braço de suspensão dianteiro, precisa

de ser alinhado corretamente durante a

instalação, caso contrário a borracha irá

torcer e encurtar a vida útil do casquilho

(Fig. 3).

O braço de suspensão, que está localizado

entre a subestrutura e a manga

de eixo, é propenso a fraturas por stress,

que podem levar à falha após um longo

casquilhos e pode fazer com que sejam

apertados na posição incorreta. Quando

todas as reparações da suspensão estão

finalizadas, recomenda-se um alinhamento

completo das rodas de forma a

garantir o bom desempenho do veículo.

Muitos componentes de suspensão da

febi estão disponíveis em ProKit, que vem

com todas as peças necessárias para a

reparação. Isto economiza tempo e dinheiro

à oficina, evitando a necessidade

de obter peças separadas. Q

Sintomas de falha

Em caso de falha ou dano no sistema, os elevados

ruídos na suspensão ocorrem com maior frequência

ao conduzir sob buracos ou lombas. Os ruídos são

causados principalmente por casquilhos desgastados

ou rótulas dos tirantes defeituosas. No caso de

casquilhos desgastados, uma folga não intencional

surge entre o casquilho e a barra estabilizadora,

originando ruídos entre estes dois componentes

durante a circulação do veículo.

O tipo de tirante mais utilizado é composto por um

fole de borracha que serve para proteger a rótula

de salpicos de água ou de outras influências externas.

Nas rótulas, durante o processo de fabrico, é, também,

adicionada massa lubrificante de forma a garantir o movimento

sem atrito. Por vezes, o fole surge danificado. Isto

permite que a água penetre na rótula, desenvolvendo

um desgaste anormal. A consequência é a folga excessiva

da rótula, o que conduz aos ruídos acima mencionados.

Ao substituir o tirante da barra estabilizadora, durante

a instalação, deve ser assegurado o binário correto de

aperto. Caso contrário, a rótula pode ser danificada, levando

ao desgaste prematuro ou até mesmo à sua rutura.

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


44

PARCERIA

ORGANIZAÇÃO

Quem é quem (parte II)

Eis os quatro finalistas que faltavam conhecer do concurso Melhor Mecatrónico 2018, depois

de apresentados, na passada edição, os outros quatro. Nos próximos dias 16 e 17 de novembro,

as instalações da ATEC – Academia de Formação acolherão a derradeira etapa desta iniciativa

ímpar no panorama do aftermarket nacional

Patrocinadores 2018

solutions

for

your

business

soluções para o seu negócio

NUNO SANTOS

“Aferir o contexto da profissão e uma forma

de valorizar-me”

Nuno Santos não tem dúvidas acerca das razões que

o levaram a participar na terceira edição do concurso

Melhor Mecatrónico: “Aferir o contexto da profissão e

uma forma de valorizar-me ao nível do conhecimento

de alguns sistemas que não domino por completo.

Por outro lado, a nova experiência, que acaba por

trazer sempre uma mais-valia pessoal e profissional.

Demonstrar aos meus colegas que podemos evoluir

permanentemente e acabar por promover a HNZ-

Auto, credibilizando a mesma perante os clientes”. E

quais as suas expectativas em relação ao concurso?

“Já foram ultrapassadas”, assegura. “Não sabia o que

me esperava no início do concurso, mas a esperança

de obter um dos lugares na final estava longe do meu

pensamento”, acrescenta. “Não sabia os moldes do

concurso ao certo nem os temas a abordar. Alguns

foram respondidos com o apoio da restante equipa

de profissionais da HNZ-Auto. Agora, é desfrutar da

final e dar o meu melhor para dignificar a profissão”,

garante.

ARTUR AGOSTINHO DA SILVA

“Sempre gostei de novos desafios na área

automóvel”

Para Artur Agostinho da Silva, as razões que o levaram

a participar no concurso Melhor Mecatrónico 2018

estão há muito identificadas: “Sempre gostei de

novos desafios na área automóvel e, também, de

ser posto à prova e ser avaliado”. Pois é precisamente

o que este finalista irá encontrar nos próximos dias

16 e 17 de novembro, quando tiver de realizar,

perante o olhar atento do painel de jurados da

ATEC – Academia de Formação, os exercícios que

lhe serão propostos. Em relação às expectativas do

concurso, Artur Agostinho da Silva afirma: “Penso

que vou aprender bastante. Assim como conhecer e

conviver com outros técnicos”. E como olha ele para

a profissão de mecatrónico automóvel? “Creio que

é uma profissão com futuro para técnicos que se

apliquem, pois a evolução do automóvel não para”.

Sempre atento a todas as questões relacionadas com a

profissão, o candidato encara esta participação como

uma experiência enriquecedora, independentemente

do que aconteça na final.

GONÇALO SALVADOR

“Espero provas com um nível de

dificuldade elevado”

O mecatrónico automóvel da Caetano Drive Setúbal

revela ao Jornal das Oficinas o que o levou a participar:

“Foi a aquisição de novos conhecimentos, pela

competitividade do concurso”. Gonçalo Salvador

partilha, de resto, das opiniões dos seus colegas de

profissão e rivais na final, ao afirmar que a troca de

experiências e a aquisição de conhecimentos são os

principais pontos de destaque na terceira edição

desta iniciativa. Em relação ao concurso, “espero

provas com um nível de dificuldade elevado, pois

esta profissão é muito exigente. Face à evolução da

tecnologia, cada vez mais é importante a formação

e o desenvolvimento desta função nas oficinas”, frisa

Gonçalo Salvador ao Jornal das Oficinas. Já não restam

dúvidas de que este concurso está, definitivamente, a

marcar o panorama do aftermarket nacional. E como

olha o finalista para a profissão que desempenha?

“Olho para a profissão de mecatrónico automóvel

como uma atividade muito exigente a nível técnico e

que requer muito conhecimento e formação contínua”.

TIAGO RITA

“Pretendia ficar entre os três melhores e que

as provas me corressem bem”

Apesar de ser o finalista mais parco em palavras dos

quatro presentes nesta página, Tiago Rita, que exerce

a sua atividade profissional na C. Santos VP, sabe bem o

que o levou a participar no concurso Melhor Mecatrónico

2018: “Quis participar neste concurso para pôr à prova as

minhas capacidades enquanto mecatrónico automóvel”,

começa por dar conta o candidato ao Jornal das Oficinas.

Para, depois, sem rodeios, mas com muita humildade

e realismo à mistura, revelar as suas expectativas em

relação ao concurso: “Pretendia ficar entre os três

melhores e que as provas me corressem bem”. Ambição

que é, de resto, legítima. E que só depende de Tiago

Rita, pois o conhecimento e a concentração serão fatores

preponderantes no desempenho que terá o concorrente

nos dois dias da final. E como encara este finalista a

profissão de mecatrónico automóvel? A resposta de

Tiago Rita é elucidativa e demonstra bem o que o levou

a abraçar esta atividade: “A profissão de mecatrónico é

a mais adequada aos automóveis atuais, onde o técnico

tem de ter conhecimento em mais do que uma área”.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Get inside

Electrodo central mais pequeno (0.4mm)

Maior potência

Melhora o rendimento do motor

Até 5% de economia no consumo

de combustível

contribuem para uma melhor experiência de condução. Por essa razão, não surpreende que nove em cada dez automóveis sejam equipados de

origem com peças DENSO. Produtos como as nossas velas de iridium, que melhoram a acelaração e evitam falhas de incandescência.

Se os princi

aftermarket.iberia@denso-ts.it


NOTÍCIAS EMPRESAS

46

Monroe alerta condutores

para importância dos amortecedores

A Monroe utiliza passadeiras 3D pedestres para instruir os condutores sobre a importância da substituição

dos amortecedores. Para tal, aplicou gráficos tridimensionais em duas movimentadas passadeiras pedestres

na Maia. Os gráficos 3D são projetados para chamar a atenção dos condutores de modo a que possam

desacelerar ao aproximarem-se das passagens de peões. O projeto, em colaboração com a cidade da Maia,

irá transformar as movimentadas passadeiras do Colégio Novo da Maia e da Cidade Desportiva. Os novos

gráficos tridimensionais irão melhorar as passadeiras que são usadas cerca de 120 mil vezes por ano pelos

estudantes e são projetadas para suportar um desgaste de um milhão de veículos. “Estamos orgulhosos por

trazer este programa inovador para a Maia. Melhorar a segurança de condutores, passageiros e peões está

no centro de todos os produtos da Monroe. Estamos confiantes de que esta nova iniciativa irá educar os

proprietários de veículos sobre a necessidade de utilizar amortecedores que funcionem adequadamente e

esperamos estender este conceito a outras cidades na Europa”, disse Olivier Schyns, diretor de marketing da

Tenneco Europe Aftermarket.

euroPARTNER é novo

conceito de lojas de peças

A euroPARTNER, novo conceito de rede de lojas de peças

independentes, fez a sua apresentação oficial na feira

MECÂNICA 2018. A euroPARTNER baseia o seu conceito no

TecPARTNER , uma ferramenta de integração do TecDoc

com os sistemas de gestão das lojas de peças, que permite,

entre outras coisas, a partilha de stocks a nível nacional

e informação sobre as pesquisas efetuadas na zona de

atuação da loja de peças. As lojas de peças mantêm a sua

total independência com este projeto. Introduz-se ainda a

venda de pneus, com uma das ofertas mais completas do

mercado, e o conceito de marcas exclusivas de peças por

zona. Suportado por um programa de formação completo

e um portefólio de produtos que cobre mais de 70% das

vendas diárias dos clientes. Além disto conta, desde já, com

uma rede potencial de vendas de mais de 4.500 oficinas,

que se podem tornar clientes do euroPARTNER local. A

euroPARTNER não pretende ser um fornecedor exclusivo das

lojas de peças, mas um parceiro de negócio e tecnológico

para melhorar a eficiência das lojas de peças independentes.

Mais informações, em www.europartner.pt.

AutoCrew e Rede Electrão juntas

A Amb3E – Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos, gestora da Rede Electrão, com o apoio da AutoCrew,

está a promover a primeira edição da campanha Electrão Auto, uma ação de sensibilização ambiental

e de recolha de equipamentos elétricos e eletrónicos, pilhas e acumuladores usados, com uma vertente social.

Com o objectivo de promover comportamentos mais responsáveis de reciclagem, as oficinas da rede AutoCrew

Portugal aderentes a esta campanha tornam-se, durante um ano, locais de recolha da Rede Electrão. Quer isto

dizer que, até 30 de setembro de 2019, é possível entregar nestes estabelecimentos equipamentos elétricos,

lâmpadas e pilhas usadas, além da garantia de um tratamento correto desses mesmos resíduos. Receber em

troca um check-up oficial simples por matrícula e ainda um desconto de 10% em peças de substituição da marca

Bosch são outras vantagens. As três oficinas que recolherem a maior quantidade de equipamentos elétricos

usados e a oficina que recolher a maior quantidade de pilhas usadas vão receber um prémio monetário que

vai reverter num apoio a uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social) escolhida pelas próprias

oficinas. Haverá, ainda, um prémio extra, caso as quantidades reunidas pela totalidade das oficinas atinja um

patamar mínimo, que será doado a uma IPSS escolhida pela AutoCrew Portugal.

MCoutinho Peças, AZ Auto

e RINO em festa com clientes

A MCoutinho Peças, juntamente com a AZ Auto e a

RINO, proporcionaram aos seus clientes uma experiência

diferente: participar numa regata no rio Tejo. Foram 12

barcos a competir entre si, manobrados pela própria tripulação.

Uma corrida cheia de boa disposição, entreajuda e

experiências únicas. Após todo o esforço, os clientes foram

brindados com um almoço à beira-rio. Estas três insígnias

marcaram,assim, um dia diferente na vida dos seus clientes,

celebrando as respetivas relações comerciais.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


47

RINO Alltrust Motors foi inaugurada

No passado dia 13 de outubro, foi inaugurada, em Estremoz, a Alltrust Motors.

Foi num ambiente de muita festa e diversão que a nova oficina da rede RINO abriu

portas aos seus convidados. João Pedro Santos, proprietário da oficina, e Pedro

Loureiro, gestor de conta Rino, mostraram todas as mudanças feitas no local, bem

como as alterações nas ferramentas de negócio. Fruto do protocolo de serviços que

a Spanjaard tem com o Grupo MCoutinho e Rino, mais uma vez implementou o seu

vantajoso conceito de Programa Oficina Especializada. No âmbito deste programa,

a RINO Alltrust Motors tem condições de compra preferenciais e conta com o apoio

dos técnicos da Spanjaard para ações de formação e promoção de campanhas locais.

Publicidade

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


48

NOTÍCIAS

Empresas

CEPRA ganha medalha

de excelência no Euroskills 2018

Daniel Stelmach, formando de Mecatrónica Automóvel do CEPRA, obteve uma

medalha de excelência e o título “Best of Nation” no Campeonato Europeu das

Profissões – Euroskills Budapest 2018. Durante três dias, Daniel realizou quatro exigentes

provas (Diagnóstico; Motores; Diagnóstico Elétrico; Direção e Rodas), sempre

sob o olhar atento dos jurados internacionais que classificam o desempenho dos

concorrentes até ao mais ínfimo pormenor. A competição de “Automotive Technology”

esteve, este ano, a um nível muito elevado de desempenho, com 17 países

em competição, e foi, até ao momento, a mais competitiva, com um nível médio

de pontuações dos concorrentes muito superior ao de anteriores campeonatos.

Daniel Stelmach obteve a classificação mais alta da seleção portuguesa, o que lhe

permitiu obter a medalha de “Best of the Nation”, obtendo, também, uma medalha

de excelência pela pontuação obtida no seu desempenho. Muitos foram os meses de

trabalho do concorrente e do seu jurado para garantir uma preparação abrangente,

já que, para além da preparação específica para as provas práticas, há trabalhos de

cariz teórico, como a capacidade de leitura de literatura técnica, a prática de inglês

técnico (língua oficial dos campeonatos), o conhecimento de normas e regulamentos

da organização e, sobretudo, a familiarização com o software utilizado nas várias

marcas que serão utilizadas na competição. Mas o esforço e a dedicação foram

compensados pelo excelente resultado obtido.

Da esq.ª para a dta.: Rui Ferreira (presidente do C.A. do CEPRA);

Daniel Stelmach, concorrente português da Competição de Automotive Technology

(medalha de excelência e título “Best of Nation”); Eduardo Fonseca (chief expert

de Automotive Technology); António Caldeira (diretor do CEPRA e presidente

do “Hearings Commitee”)

Publicidade

febiTruck

TRANSFORME POTÊNCIA EM MOVIMENTO.

EMBRAIAGENS COM TECNOLOGIA febi.

• Embraiagens para veículos pesados com qualidade equivalente OE

• Mais de 400 componentes de embraiagem na gama para os „Big 7“

dos fabricantes europeus de veículos pesados

• Todos os componentes relevantes a partir de uma única fonte

www.febi.com

SOLUTIONS MADE IN GERMANY TM

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


49

Escape Forte pioneira

na norma Euro 6

Após ter sido a primeira empresa portuguesa

a desenvolver técnicas de reparação e reconstrução

de DPF’s de ligeiros, a Escape Forte torna-se pioneira

na reconstrução de filtros com a normativa Euro 6.

As viaturas equipadas com a norma Euro 6 (pesados)

requerem um serviço célere, de qualidade e de

confiança, de forma a diminuir o tempo de paragem

do veículo. Este é um serviço que a Escape Forte tem

toda a capacidade e experiência comprovadas para

providenciar, apresentando aos clientes um serviço

rápido, eficaz e com garantia, sendo inédito a nível

nacional.

Bosch torna-se parceira oficial da FIA Formula E

O Campeonato FIA Formula E regressa com uma novidade. A Bosch torna-se parceira oficial desta competição

do desporto automóvel, a primeira totalmente elétrica em veículos monolugar. Este é mais um passo para tornar a

Bosch líder na eletromobilidade. “A Bosch é o parceiro para a eletrombilidade e esta é uma iniciativa que reflete esse

status”, afirma Markus Heyn, membro do conselho de administração da Robert Bosch GmbH. Esta parceria cobre um

leque alargado de momentos publicitários, tanto nas próprias pistas como em online e televisão. “A Bosch é um dos

fornecedores líderes mais reputados e respeitados na indústria automóvel e esta aposta na Formula E é, seguramente,

um passo de gigante. Não podia imaginar decisão mais natural do que esta, com a longa experiência e tradição da

Bosch nos desportos motorizados e conhecimento na eletrificação, automatização e conectividade. Do meu ponto

de vista, estes pilares são a chave para o futuro da mobilidade urbana e, em conjunto com os nossos parceiros,

podemos, coletivamente, acelerar a mudança para o elétrico”, disse Alejandro Agag, fundador & CEO da Formula E.

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


50

NOTÍCIAS

Empresas

Nós damos uma mãozinha

Catálogos eletrónicos Japanparts,

Ashika e Japko com imagens a 360º

As marcas Japanparts, Ashika e Japko, do Japanparts Group, introduzem nos

seus catálogos eletrónicos as imagens dos produtos a 360°: uma nova função que

permite visualizar imediatamente as principais características de construção, a

fim de garantir a escolha correta dos componentes. Esta nova função, disponível

para um número cada vez maior de referências, permite aos utilizadores identificar,

de maneira mais rápida e precisa, a peça de reposição, evitando os riscos

de erros nas encomendas, uma vez que consegue girar e aumentar as diversas

perspetivas da peça de reposição. A função é particularmente útil quando o utilizador

deve confrontar a imagem do catálogo com um componente que acabou

de remover do veículo. Esta útil ferramenta completa os catálogos interativos

que o Japanparts Group oferece para todas as suas três linhas de produto, onde

é possível efetuar a busca com base no código da peça de reposição Japanparts

Group, no código do concorrente ou no código OEM do fabricante, com base

no modelo de automóvel ou com base no motor.

Não fazemos

manutenção automóvel,

mas fazemos a manutenção

da sua terminologia!

TRADUÇÃO E DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA

Criamos e traduzimos manuais técnicos à melhor

relação qualidade/preço do mercado. Temos

profissionais especializados em várias áreas da

indústria e uma tecnologia que nos permite criar

projetos à medida de cada cliente.

CONHEÇA O PROGRAMA PARCEIRO JABA

Através da identificação e alinhamento de todas

as traduções antigas do parceiro JABA, é criada

uma base de dados que permite detetar todas as

repetições em novos projetos e baixar consideravelmente

o valor final do documento, mantendo

a terminilogia e o estilo de comunicação já

existentes. Um programa criado a pensar em si!

Novo calendário da febi

é uma ilha de sonho

Para alguns, esta é a ilha perfeita para umas férias de verão. Para um especialista

de peças automóvel, este é o sítio perfeito para a sessão fotográfica

do novo calendário. A ilha de Palma de Maiorca foi o local escolhido para as

fotos do calendário de oficina da febi 2019. No final de junho, uma equipa de 12

elementos visitou a ilha que conquista a preferência de muitos dos apreciadores

de sol. Ao redor da capital, Palma, o fotógrafo Christian Deutscher ensaiou com

as três modelos em diferentes locais. Foram tiradas mais de 6.000 fotografias

em poucos dias. Contudo, apenas as 12 melhores entram no calendário de 2019.

A 18.ª edição é composta por 65 mil exemplares, que são enviados, exclusivamente,

para clientes e oficinas independentes em todo o mundo.

Publicidade

Vila Novembro Nova de I 2018 Gaia | Telf: 227 729 455/6/7/8 | Fax: 227 729 459

Mail: portugal@jaba-translations.pt | Web: jaba-translations.pt


CUMPRE COM

ESPECIFICAÇÕES

DE FABRICANTES

VEÍCULOS

UM DOS

MAIORES

DO MERCADO

MAXIMIZAÇÃO

DA LONGEVIDADE

E EFICIÊNCIA

DO MOTOR

LIMPEZA

DO MOTOR

FLUIDEZ

A FRIO

REDUÇÃO

DA OXIDAÇÃO

E CORROSÃO

RESISTÊNCIA

À TEMPERATURA

PROTECÇÃO

DO AMBIENTE

www.eurorepar.com


52

NOTÍCIAS

Empresas

Auto Delta não coloca de parte

a responsabilidade social

A Auto Delta tem em vigor uma campanha que procura, promovendo um produto

recente na extensa gama que disponibiliza, apoiar a Associação Portuguesa de

Paralisia Cerebral de Leiria (APPCL), uma Instituição Particular de Solidariedade Social

(IPSS) dotada de estatuto de Utilidade Pública. Assim, pela venda de cada pneu das

marcas Continental e Barum, a Auto Delta irá doar um euros para esta associação,

contribuindo com o seu apoio para o desenvolvimento

da mesma. A APPCL foi fundada

por um grupo de pais de crianças, jovens

e adultas, portadoras de paralisia cerebral,

situações neurológicas afins e outras, que

se constitui como dinamizadora de outros

pais com os mesmos problemas, no sentido

de melhorar a qualidade de vida dos seus

filhos e famílias. A sua ação, não passando

despercebida aos olhos de quem observa

e analisa cuidadosamente a sociedade em

que está inserido, merece, sem dúvida, ser

apoiada. Desta forma, a Auto Delta não poderia

deixar de sentir a obrigação de intervir,

numa base voluntária, contribuindo para

minorar tudo aquilo que faz com que não

exista uma sociedade mais justa para todos.

Blue Print tem nova gama

de escovas premium

A Blue Print introduziu uma renovada gama de escovas limpa-vidros premium

para aplicação em veículos europeus, asiáticos e americanos. Esta gama abrangente

consiste em escovas limpa-vidros de vários tipos: convencionais, híbridas e planas,

além de traseiras de ajuste específico, cobrindo mais de 90% dos veículos ligeiros

europeus através de 47 referências. Todas as escovas limpa-vidros Blue Print são

projetadas e fabricadas de acordo com os padrões industriais japoneses de qualidade,

durabilidade, resistência a químicos e ao ozono. As escovas da Blue Print são testadas

para 500 mil ciclos para um desempenho superior de limpeza e são adequadas

a todas as estações do ano. A identificação da escova correta para um veículo foi

simplificada através da estrutura da referência da peça Blue Print. O número da peça

combina o tipo e dimensão da escova, fazendo com que se torne mais fácil encontrar

o componente que se precisa.

NelsonTripa.pdf 1 16/10/18 16:32

Publicidade

SOLUÇÕES EM A/C AUTO

E REFRIGERAÇÃO DE TRANSPORTE

Visite-nos no Facebook

Open Parts tem novo

catálogo online

A capacidade de inovar é um dos principais objetivos que sempre distinguiram

a Open Parts. Graças à adopção da plataforma multi-serviços

internacional TecAlliance, é, agora, disponibilizado um novo catálogo online

constantemente atualizado, em linha com a evolução do parque automóvel

circulante na Europa. As informações de cada código individual serão consultáveis

através de um interface de navegação, que simplifica a experiência

de pesquisa do utilizador. O catálogo online estará disponível para consulta

na área pública do site, em www.exoautomotive.com/openparts.

Rua Fernando Vicente - Armazém 15 - 2560-677 Torres Vedras

Novembro Telefone: I 2018+351 261 335 050 - E-mail: geral@nelsontripa.pt

Coordenadas GPS - Latitude 39º5'42.83"N - Longitude 9º15'7,74"W


53

SPANJAARD fez formação

na Autopop

A Autopop é a empresa com mais anos no setor da venda de peças automóvel

na Ilha da Madeira, contando já com 45 anos de atividade, celebrados

no passado mês de outubro. Começou a trabalhar com a marca SPANJAARD

no final dos anos 70 e, apesar dos seus comerciais estarem familiarizados

com a gama de produtos auto da marca, ministrou uma formação com

demonstrações para aprofundar certas aplicações, como, também, para

apresentar novos conceitos de venda e vantagens de utilização da marca,

nomeadamente o Programa Oficina Especializada SPANJAARD, que possibilita

uma vasta oferta de serviços complementares que vão ao encontro

das boas práticas mecânicas e da diferenciação da qualidade profissional.

SantaremMOTOR concretiza

novas parcerias

A SantaremMOTOR fechou mais uma parceira com fornecedores europeus que

comercializam, quase em exclusivo, motores de viaturas fabricadas de 2014 em diante,

incluindo o grupo dos híbridos, cada vez mais presentes no mercado. Esta aposta

internacional aliada ao forte marketing realizado pela empresa, que conta com registos

fotográficos com mais e melhor qualidade e quantidade, vem reforçar todo o

empenho de uma equipa que trabalha todos os dias para ser líder na prestação de

serviço no ramo das mecânicas usadas em Portugal.

Publicidade

autopecas_cab.pdf 1 12/10/18 15:06

Tenneco concluiu aquisição

da Federal-Mogul

A 1 de outubro de 2018, a Tenneco concluiu a aquisição da Federal-Mogul,

fornecedora líder global de fabricantes de equipamentos originais e

do mercado de reposição, com cerca de 55 mil funcionários em todo o

mundo e uma receita de 7,8 biliões de dólares em 2017. Além disso, a empresa

espera separar os seus negócios para formar duas novas empresas

independentes, uma empresa de Aftermarket e Controlo na Condução, bem

como uma nova empresa de tecnologia Powertrain, no final de 2019. Após a

separação, a empresa de Aftermarket e Controlo na Condução será uma das

maiores empresas globais de pós-venda, com múltiplas linhas de produtos

e multimarcas. Sobre a futura empresa de tecnologia Powertrain, sabe-se

que será uma das maiores empresas de puro powertrain do mundo, servindo

mercados de Equipamento Original com soluções desenhadas para

a economia de combustível, a produção de energia e critérios de requisitos

de poluição para motores a gasolina e Diesel.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

2018 I Novembro


54

NOTÍCIAS

Empresas

OSRAM utiliza lâmpadas XLS

no Toyota Corolla

Com os seus inovadores produtos XLS (“eXchangeable LED Signal lamp”), a OS-

RAM lançou uma série de lâmpadas de sinalização standardizadas baseadas em LED

(Norma UN/ECE R128). Pela primeira vez, uma plataforma uniforme com três diferentes

versões de luz pode cobrir todas as aplicações de sinalização importantes em

veículos. O que permite substituições simples, reduz a complexidade e os custos

gerais para os fabricantes de automóveis, levando a processos de desenvolvimento

mais rápidos graças aos padrões adaptados. As lâmpadas LY5 eLW5 XLS da OSRAM

foram instaladas nos novos modelos Toyota Corolla a partir do verão de 2018. Para

oficinas e proprietários de automóveis, uma plataforma standardizada significa que

as fontes de luz podem ser substituídas e o esforço de reparação pode ser reduzido,

o que, por sua vez, baixa os custos.

D&M lança nova alinhadora

3D John Bean Visualiner V1200 e...

A Domingos & Morgado, através da sua representada John Bean, acabou

de lançar no mercado uma nova alinhadora 3D, recorrendo a uma nova

tecnologia de alinhamento – medição dinâmica da viatura – de forma a

tornar a operação de alinhamento de viaturas ainda mais rápida. Trata-se

da John Bean Visualiner V1200. A marca, consciente da importância cada

vez maior do fator tempo na prestação de serviços, como forma de maximizar

a rentabilidade das oficinas e casas de pneus, decidiu trilhar um

novo caminho, criando uma máquina verdadeiramente revolucionária, em

que colocou de parte as tradicionais câmaras fotográficas de alta definição

(UHR) para recorrer às novas câmaras de filmar em alta definição (HRD), de

modo a efetuar uma medição dinâmica, em vídeo. A grande vantagem da

medição dinâmica da viatura é que, além de garantir uma medição muito

mais rápida, permite ainda – recorrendo a elaborados algoritmos de cálculo

– eliminar erros de leitura causados por objetos acidentalmente calcados

pelas rodas durante o movimento, diminuindo, assim, de forma quase total,

a necessidade de repetição dessa mesma leitura. Além de uma precisão a

toda a prova, a V1200 é a mais rápida alinhadora disponível no mercado.

Atlantic_parts.pdf 1 18/10/18 16:56

Publicidade

Atlantic Parts

É uma estrutura de distribuição de peças e acessórios

para o setor retalhista de peças automóvel.

De raiz nacional, tem por missão contribuir

para o prestígio e rentabilidade dos seus

clientes, através da oferta de produtos com

qualidade a preços competitivos.

ATLANTIC PARTS, SA

Recta da Granja - Campo Raso

Parque Raso - Armazém 3

2710-142 SINTRA

Tel.: 21 910 69 80 - Fax: 21 910 69 87

...promove campanhas

de equipamentos John Bean

Para encerrar bem o ano, a Domingos & Morgado, em parceria com as

empresas de renting LIQUI.DO e GRENKE, acaba de lançar no mercado,

em conjugação com a sua parceira de negócio John Bean, três aguerridas

campanhas comerciais. Estas ações, que abrangem três das grandes

famílias do equipamento para pneus, são uma espécie de presente das

comemorações do 20.º aniversário da D&M e visam permitir aos operadores

do ramo dos pneus encerrar o ano de 2018 com acesso facilitado à nova

gama de alinhadoras, equilibradoras e desmontadoras John Bean. Embora

sem modificações tão espetaculares como as alinhadoras e equilibradoras,

também a presente gama de desmontadoras foi inteiramente revista, contendo

algumas mais-valias dignas de nota, com preços muito competitivos.

Quanto à gama das alinhadoras, as grandes novidades incluídas nestas

campanhas são a V1200 e a V2100, ambas dotadas de tecnologia de vídeo

e câmaras 5,1 Mps VHR, sistema operativo LINUX e novo software New Generation

Aligner, que contribuem (e de que maneira) para o extraordinário

desempenho apresentado por estas máquinas.

ATLANTIC PARTS, SA (Norte)

Rua das Cancelas, 235

4425-341 São Novembro Pedro de Afins I 2018

Tel.: 22 973 45 46 - Fax: 22 973 05 54


55

MGM faz formação em

manuseamento de gases fluorados

As empresas e técnicos que trabalham com equipamentos fixos de refrigeração,

ar condicionado e bombas de calor que contenham determinados

gases fluorados com efeito de estufa, deverão ser certificados nos termos

do Regulamento (CE) N.º 303/2008, transposto para o quadro nacional através

do DL n.º 56/2011, de 21 de abril. Cada vez mais, os compressores de

parafuso vêm integrados com secadores por refrigeração. Estas unidades

contêm gases fluorados com efeito de estufa. Para estes casos, a MGM está

preparada, nos trâmites legais, com dois técnicos certificados na categoria

I para executar manobras de assistência e reparação nestes equipamentos.

C

M

Y

CM

MY

CY

Qualidade e Rapidez

Nós fazemos a diferença

DÚVIDAS?

CMY

K

Autozitânia organizou 8.º Team Building

O 8.º Team Building da Autozitânia decorreu, este ano, em Vila Nova Santo André, no fim

de semana de 6 e 7 de outubro. O evento anual para colaboradores da empresa esteve

na Costa Vicentina, mais concretamente em Santo André, onde, durante esse fim de

semana, os colaboradores da empresa participaram em várias atividades, com muitos

jogos, diversão e lazer. Este ano, o evento visou promover a interação e o envolvimento

de todos os participantes, que responderam, de forma entusiasta e comprometida, a

todos os objetivos propostos. A competitividade foi evidente na prova de karting, na

qual os participantes lutaram até ao fim por um lugar no pódio. O Team Building 2018

pretendeu cimentar a identidade de grupo, espírito de equipa, cooperação, confiança e

comunicação, valores muito presentes nos colaboradores da Autozitânia.

Publicidade

Tire-as com

o especialista

em ar condicionado

www.rplclima.com

2018 I Novembro


56

NOTÍCIAS

Empresas

Publicidade

Motorservice atua com sucesso

contra falsificadores

A MS Motorservice International GmbH tem, repetidamente, tomado ações legais

contra a pirataria de produtos. Através de providência cautelar, o especialista em peças

de reposição conseguiu que dois fabricantes chineses tivessem de retirar bombas de

líquido de arrefecimento falsificadas dos seus stands na Automechanika Frankfurt 2018.

Além disso, os produtos não poderão continuar a ser comercializados na Alemanha.

Há anos que a empresa protege-se e aos seus clientes das réplicas deficientes vindas

do Extremo Oriente. Já em 2014, os gestores de produto da Motorservice tinham

descoberto uma falsificação da bomba do líquido de arrefecimento CWA 200 da

Pierburg no stand de um fornecedor chinês na principal feira do aftermarket. A Motorservice

emitiu um aviso de produto e a Pierburg, detentora da patente, apresentou

uma queixa e ganhou na primeira instância. As duas empresas ficaram proibidas de

comercializar a bomba do líquido de arrefecimento.

FAE junta-se ao Grupo

ATR International

A FAE assinou um acordo com o Grupo ATR International AG como fornecedor

reconhecido através de um acordo geral internacional, assegurando,

assim, a oportunidade de explorar novos mercados e crescer em

conjunto com o grupo. A ATR International estabeleceu-se em 1999 graças

à crescente internacionalização de compras e intercâmbio de produtos e

serviços no setor do pós-venda. A ATR é um dos grupos de compra melhor

sucedidos, que trabalha com os principais distribuidores do mercado

pós-venda. Tem 37 acionistas e um volume de negócio de 22,5 mil milhões

de euros. O grupo realiza um trabalho e seleção de fornecedores através

de atividades de compras coordenadas.

Cometil recebe prémio Hevea

para Melhor Equipamento

Realizou-se, em outubro, a primeira edição dos prémios Hevea da Indústria

dos Pneus, uma iniciativa da Revista EuroPneus. A cerimónia de

entrega dos prémios decorreu nas instalações da IFEMA, em Madrid, tendo

sido atribuídos toféus às 12 categorias que estavam a concurso. A Cometil

foi a empresa premiada na categoria “Melhor Equipamento Oficinal”, com

o modelo Hunter Revolution Walkaway.

Nesta primeira edição dos prémios Hevea, participaram como nomeadas

um grande número de empresas que, no seu conjunto, representam o presente

e o futuro deste setor do pós-venda. Foram registados e validados

7.829 votos de profissionais, um número muito significativo e que mostra

a força e a dinâmica do mercado dos pneus em Espanha. Assistiram à gala

dos prémios Hevea mais de 200 pessoas, na sua maioria diretores gerais,

diretores comerciais e de marketing das principais empresas do setor dos

pneus e da mecânica rápida, representantes de instituições e associações

e os principais meios de comunicação especializada.

Novembro I 2018


O próximo pano

limpo está à distância

de uma manobra.

NÓS TRATAMOS DISSO

mewa.pt/e-de-confianca


58

NOTÍCIAS

Empresas

ZF expande portefólio de peças Lemförder

As peças de chassis e de direção são importantes para a segurança. Por isso, é necessário verificar,

minuciosamente, essas peças durante todas as inspeções. Os diferentes tipos de chassis não facilitam

em nada o trabalho das oficinas. Só nas últimas semanas, o portefólio de produtos da Lemförder para

peças de chassis e de direção foi ampliado para incluir 60 novos braços de suspensão transversais para os

atuais modelos Range Rover, Land Rover Discovery, Jaguar XF, XJ, F e S Type. Até final de 2018, o portefólio

de produtos será ampliado para incluir mais 120 peças Lemförder originais, como, por exemplo, para os

modelos Tesla Model X, plataforma 35-Up da BMW, Citroën Jumper e Alfa Romeo Giulia.

Auto Barros tem novos produtos

Fundada em maio de 1985, por Ricardo Barros, a Auto Barros

– Acessórios, Lda., que conta com três estabelecimentos (Seixezelo;

Porto; Lisboa), é, provavelmente, a empresa que mais

vende alternadores e motores de arranque em Portugal. Agora,

a sua oferta cresceu graças à inclusão do novo alternador Start

Stop Hybrid Original, que é encarado como a nova geração de

alternadores para Citroën e Peugeot. Mas não só. Novidade é,

também, o motor de arranque OE Nissan Atleon 4.0-D, sendo este

mais um exemplo de como a empresa está sempre atenta aos mais

recentes desenvolvimentos na área da eletricidade automóvel.

Champion com tecnologia

de elevado desempenho

A Adaptive Shield Technology, da Champion, consiste numa

combinação de aditivos químicos que protegem as peças do motor

de fatores internos e externos. Combinando diferentes camadas

de aditivos químicos, a tecnologia cria um escudo robusto contra

pressões extremas, temperaturas e forças de cisalhamento

que afetam uma ampla gama de motores. Esta tecnologia é

“adaptativa” na medida em que reajusta as propriedades da

proteção, dependendo das condições que afetam o motor. Os

lubrificantes Champion com Adaptive Shield Technology proporcionam

uma variedade de vantagens a uma ampla gama de

motores. Independentemente de se tratarem de motores mais

antigos ou compactos da última geração.

Clientes Autozitânia visitam fábricas da MÉGUIN

Um grupo de clientes MÉGUIN da Autozitânia visitou as duas fábricas da marca na Alemanha e teve

oportunidade de ver a mais avançada tecnologia de produção e todos os segredos por detrás dos lubrificantes

e aditivos da marca. A MÉGUIN e a Autozitânia organizaram uma visita às duas fábricas da marca

alemã para um grupo de clientes que reforçou a sua ligação aos produtos MÉGUIN. A visita completa

permitiu ver a alta tecnologia colocada em cada produto, o controlo de qualidade apertado, uma linha de

montagem tecnologicamente muito avançada, mas, também, saber mais sobre os produtos, tendências e

reforçar argumentos de vendas. “Para nós, é sempre importante mostrar aos clientes como são produzidos

os produtos que eles vendem todos os dias nas suas lojas. Mas é, também, muito importante que vejam

toda a tecnologia e processos de qualidade por detrás de cada um dos produtos. Mais do que sermos

nós a dizer que temos produtos premium, os clientes puderam ver com os seus próprios olhos”, explica

José Pereira, gestor comercial da MÉGUIN Iberia, que acompanhou a visita à Alemanha. Do programa

fez parte uma visita à histórica fábrica de Saarlouis, onde são produzidos os lubrificantes e massas da

MÉGUIN e onde foram investidos mais de 20 milhões de euros nos últimos anos, tornando esta fábrica

numa das mais avançadas do mundo. No terceiro dia, foi a vez de ser visitada a fábrica de Ulm, onde são

produzidos os aditivos, uma gama de produtos com um forte potencial de crescimento em Portugal e

onde a MÉGUIN tem uma oferta alargada.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


59

Lusilectra instala banco de potência MSR 500 4WD

A Lusilectra instalou, recentemente, na SPC Power (Matosinhos), o primeiro teste de potência MSR 500

4WD da Maha. Trata-se de um equipamento reconhecido na área dos dinamómetros como o primeiro

teste de potência com apenas um único ponto de contacto, ou seja, a utilização de um só rolo por eixo,

o que dá origem a uma condição de tração idêntica à realidade em estrada. Para além desta vantagem,

este equipamento dispõe de motores elétricos que permitem a sincronização da velocidade em ambos

os eixos, evitando, desta forma, a entrada em “safe mode” e grande parte dos erros habituais dos testes

de potência de dois rolos. O MSR 500 4WD é a opção mais fiável e exata para todos os automóveis, sejam

estes, térmicos, híbridos ou elétricos, para uso corrente ou para competição. Desta forma, a SPC Power

é mais um cliente da Lusilectra satisfeito com um produto de grande qualidade e performance, sendo o

único em Portugal com este inovador teste de potência da Maha.

Filtros Sogefi presentes

no Motor do Ano

A Sogefi foi escolhida como fornecedora de primeiro equipamento

do novo módulo de filtro de óleo do motor V8 biturbo

de 3,9 litros da Ferrari, que foi vencedor, pela quarta vez, no

“Internacional Motor Awards”. No 20.º aniversário do Internacional

Motor Awards, o júri composto por jornalistas especializados

premiou o motor biturbo V8 de 3,9 litros que desloca os Ferrari

488 Pista, Spider e GTB com o Prémio “Motor Internacional do

Ano”, um reconhecimento como o melhor motor das últimas duas

décadas. Além de ganhar este prémio pelo terceiro ano consecutivo,

o motor biturbo também arrecadou os prémios de “Melhor

Performance Engine” e “Melhor Motor” na categoria de 3 litros

a 4 litros. A Sogefi é fornecedora oficial da Ferrari e orgulha-se

de fornecer produtos que respondem aos rigorosos requisitos da

tecnologia avançada destes motores. Este módulo de filtro de

óleo de elevado desempenho e alta durabilidade, projetado pela

Sogefi, consiste num filtro que protege a válvula de derivação,

oferecendo os melhores resultados em termos de eficiência, alto

nível de pressão e maior vida útil do elemento filtrante.

Federal_Mogul.pdf 1 25/10/18 09:40

Publicidade

UMA NOVA UMA NOVA

EMBALAGEM EMBALAGEM

PARA UMA PARA UMA

NOVA PEÇA NOVA PEÇA

MOOG ANTIGA MOOG ANTIGA

MOOG NOVA MOOG NOVA

Na MOOG, estamos sempre Na MOOG, à procura estamos de sempre à procura de

novos progressos, tanto novos para progressos, as nossas tanto para as nossas

peças como para os nossos peças como serviços. para Com os nossos as serviços. Com as

nossas recentes inovações, nossas fomos recentes realmente inovações, fomos realmente

mais além em tornar mais os nossos além produtos em tornar os nossos produtos

ainda melhores e, para ainda expandir melhores a nossa e, para expandir a nossa

pegada na área de fabricação, pegada na abrimos área de uma fabricação, abrimos uma

unidade de produção unidade MOOG em de Barcelona. produção MOOG Isso em Barcelona. Isso

proporcionará um melhor proporcionará controle sobre um melhor a nossa controle sobre a nossa

produção e uma oferta produção de um serviço e uma oferta ainda melhor. de um serviço ainda melhor.

Celebramos isso dando Celebramos uma nova isso imagem dando aos uma nova imagem aos

nossos excecionais produtos nossos excecionais de Direção e produtos Suspensão. de Direção e Suspensão.

A partir de agora, poderá A partir reconhecê-los de agora, poderá fácilmente reconhecê-los na fácilmente na

sua nova e atraente embalagem!

sua nova e atraente embalagem!

www.moogparts.eu www.moogparts.eu

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro

©2018 Federal-Mogul Global Aftermarket ©2018 EMEA, Federal-Mogul BVBA. A MOOG Global é uma Aftermarket marca comercial EMEA, da BVBA. propriedade A MOOG é uma marca comercial da propriedade

da Federal-Mogul LLC, ou uma ou mais das Federal-Mogul das suas subsidiárias, LLC, ou em uma um ou ou mais mais das países. das suas subsidiárias, em um ou mais países.


60

NOTÍCIAS

Empresas

Corteco alcança 450 novas referências em 2018

A Corteco está ampliar o seu catálogo com mais de 450 novidades no mercado de aftermarket durante este

ano de 2018, oferecendo um total de mais de 16.300 referências disponíveis. Entre as principais novidades, podem

ser destacadas, por linha de produto, referências para aplicações das seguintes marcas: Mercedes-Benz - suportes

de motor, tubos de travão, filtros de habitáculo e polias de cambota, 40 referências; BMW - suportes de motor,

tubos de travão, filtros de habitáculo e polias de cambota, 43 referências; PSA - polias de cambota e suportes

de motor, 30 referências; VAG - polias de cambota, suportes de motor e filtros de habitáculo, 30 referências. A

Corteco coloca à disposição do mercado ferramentas web muito úteis e de fácil utilização para localização de

todos os seus produtos, tanto por aplicação de veículo como por dimensões, no caso dos retentores.

Leirilis lança

serviço premium DP Gold

Ao pensar nas necessidades da oficina, a Leirilis

desenvolveu um serviço voltado para a qualidade, de

forma ágil, rápida e eficiente, denominado DP Gold. O

serviço DP Gold nasce do objetivo da Leirilis de ser mais

do que um fornecedor de peças, englobando, assim, todas

as ferramentas para a gestão do negócio da oficina. De

uma forma rápida e eficaz, a oficina é capaz de satisfazer

os seus clientes, oferecendo fiabilidade, segurança e

preço. Ao aderir ao serviço DP Gold, a oficina tem acesso

a orçamentação e dados técnicos, a pesquisa ilimitada de

matrículas e a formação.

expoMECÂNICA estende-se a três pavilhões

Não estava nos planos, mas o sucesso da última mostra e a resposta do pós-venda automóvel português

à campanha da próxima edição do Salão de Equipamentos, Serviços e Peças Auto levaram a organização a

acrescentar mais uma nave da Exponor ao evento. De 3 a 5 de maio, o expoMECÂNICA 2019 reencontrará, assim,

o setor e os seus profissionais, num espaço ainda maior: serão mais de 2.000 m 2 de área e um número de

expositores que projeta um crescimento de 5%. Com uma taxa de fidelidade acima dos 80%, neste momento e

tomando por bitola a edição decorrida em abril deste ano, não admira que cerca de 76% do espaço expositivo

da mais representativa feira de negócios do pós-venda automóvel português esteja já alocado a operadores

do setor. A quase oito meses de distância, o expoMECÂNICA 2019 indicia que se apresentará na Exponor, em

Matosinhos, ainda mais robusta. E os indicadores organizativos até agora disponíveis deixam antever a ultrapassagem

das últimas cifras.

Continental tem nova

embalagem de leitura simples

A Continental agrupa as suas competências no ramo

automóvel das diferentes áreas do grupo. Por isso, desde

setembro de 2018, deixou de existir a marca de produto

ContiTech, passando a haver apenas a marca Continental.

Isto tem vantagens estratégicas para a empresa e para os

clientes, mas, também, vantagens muito tangíveis para o

dia a dia da oficina. Por exemplo, a nova embalagem dos

produtos de grande formato, permite verificar imediatamente

qual o produto dentro da embalagem, para que as

oficinas encontrem mais rapidamente aquilo que procuram

na prateleira. As ofertas adicionais comprovadas, como, por

exemplo, os códigos QR, através dos quais os técnicos de

instalação acedem imediatamente às instruções de montagem

no PIC com o smartphone, são mantidas. Também as

populares informações sobre o conteúdo e a montagem de

muitos kits fazem parte das novas embalagens.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


61

Mastersensor dá recomendações

sobre manutenção de escovas

O nível de visibilidade durante a condução é um fator

bastante influenciador na segurança. Existe tendência para

desvalorizar este ponto e dar mais importância a outras questões,

como, por exemplo, os pneus. De igual forma, a revisão e

manutenção das escovas limpa-vidros é um tema a não descurar

se se quer garantir maior segurança durante a condução. Para

isso, a Mastersensor deixa-lhe, aqui, algumas recomendações.

Substituição das escovas quando apresentarem algum tipo de

estrago: assegure-se que o sistema de braços tem as condições

adequadas (pressão e movimentos corretos); certifique-se que

o ângulo dos aspersores é o correto. Conter água no depósito

do sistema limpa para brisas: verificar, regularmente, o estado

da borracha das escovas.

MCPeças inaugurou loja na Sertã

No dia 22 de setembro de 2018, a MCPeças apresentou-se no mercado com a inauguração de uma loja no

interior do país, na Sertã. A MCPeças iniciou a sua atividade em 2005 no mercado de peças para automóveis

e a sua estratégia centra-se em destacar-se de forma diferenciadora, assentando, principalmente, em manter

o atendimento especializado ao cliente, assim como na capacidade de gestão do seu stock e entregas.

O modelo de negócio aplicado por Manuel Cotrim, fundador da MCPeças, deve-se à enorme experiência

adquirida nos diversos cargos de elevada responsabilidade no setor do aftermarket. Manuel Cotrim manteve-se

orientado para o crescimento e reinvestimento no seu negócio, tornando-se num distribuidor de

referência nas zonas onde atua. A empresa encontra-se sediada em Alverca e é com enorme satisfação que

o sucesso alcançado pela empresa até ao momento se refletiu na abertura de uma nova loja: “Temos de ir à

procura de expansão”, afirma Manuel Cotrim. Desta forma, a MCPeças detém, na Sertã, uma loja com mais

de 400 m 2 , que conta com uma equipa composta por cinco colaboradores experientes e apoiada por duas

carrinhas de distribuição, que lhe permite estar preparada para continuar a focar-se em apresentar uma

oferta global às oficinas de manutenção e reparação automóvel.

Publicidade

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


62

NOTÍCIAS

Empresas

DAYCO tem nova imagem corporativa

nos seus sites

A DAYCO redesenhou por completo os seus sites corporativo e de aftermarket, como forma

de reforçar a sua posição de líder mundial no fabrico quer de componentes originais (OE)

quer de aftermarket. A interação digital é, hoje, o principal meio de comunicação em todo o

mundo. Por isso, a DAYCO disponibiliza a sua página web corporativa como primeiro canal

de comunicação para todo o tipo de informação. A DAYCO elegeu este canal para mostrar

as mudanças da sua imagem corporativa que saem da sua identidade global, dos valores e

da cultura da companhia com uma imagem de qualidade e estilo coerentes. Relativamente a

conteúdos, as novas páginas web destacam a crescente gama de produtos DAYCO e a grande

variedade de inovações técnicas. A página web corporativa DAYCO – www.dayco.com – destaca

as componentes tecnológicas de conceção e fabrico de equipamentos originais (OE), que

se estende a mais de 40 localizações da marca em 21 países, sem esquecer as duas áreas de

negócio: ligeiros e pesados. A página web dedicada ao aftermarket (www.daycoaftermarket.

com) foca-se na informação técnica, no apoio aos clientes DAYCO e nos técnicos que aplicam

os produtos de qualidade OE.

Euro Repar Car Service MSCAR

comemora dois anos de atividade

Dinamizado pela placa Distrigo Gamobar Peças, a Euro Repar Car Service

MSCAR comemora dois anos de existência com a criação de uma nova

zona de atendimento ao cliente, receção, oficina e balcão peças. Este novo

modelo conta com um balcão de venda de peças ao público da Eurorepar. A

oficina de reparação situa-se na Estrada Nacional 125, Hortas, Zona Comercial

Amendoeiras, Lote 23, Vila Real de Santo António.

Europeças marcou presença

no Troféu Joaquim Agostinho

Pelo segundo ano consecutivo, a Europeças esteve presente no Troféu Joaquim Agostinho

como patrocinador oficial. A participação da Europeças surgiu no seguimento da estratégia de

implementação do aumento de notoriedade da empresa na zona de Torres Vedras. A Europeças

esteve presente com publicidade nas zonas da meta e com a comunicação da página de Internet

(www.europecas.pt) em todos os dorsais dos atletas participantes. O Troféu Joaquim Agostinho

está inscrito no calendário internacional desde 1983 e é a prova do ciclismo português com

mais anos consecutivos no calendário UCI (Union Cycliste Internationale, em www.uci.org).

BERU tem novo website

para melhor servir os clientes

A Federal Mogul Motorparts anunciou o lançamento do novo website

para uma das suas marcas de ignição, a BERU. A atualização traz uma série de

mudanças que melhoram a facilidade de utilização, um aumento na área de

apoio e a compatibilidade numa variedade de dispositivos, como smartphones

e tablets. Com o aumento de novos recursos, o website torna-se mais útil para

os clientes, com o download de catálogos, os identificadores de problemas, as

brochuras técnicas e uma secção “Encontre a peça”. O foco do desenvolvimento

do novo website foi o aprimoramento da função de suporte ao produto, que

levou à criação de um novo gráfico digital com identificadores de problemas

de última geração para velas de ignição e incandescentes.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


NOTÍCIAS PRODUTO

64

Industrias Dolz ampliam

gama de kits distribuição

A participação da Industrias Dolz na última edição da feira Automechanika Frankfurt

voltou a ser um enorme sucesso para a empresa. Uma participação que teve

como protagonistas as várias novidades apresentadas para o setor do pós-venda

multimarca. A ampliação da gama de kits de distribuição com bomba, a nova gama

de kits sem bomba, as novas bombas variáveis e o lançamento de uma nova app

para iOS e Android foram algumas das propostas que puderam ser conhecidas, em

primeira mão, pelos mais de 136 mil profissionais de 181 países que visitaram a feira

durante os cinco dias.

Valvoline lança

Synpower LL-12 FE 0W-30

A Krautli Portugal, representante da marca de lubrificantes e produtos

químicos Valvoline, informa que já se encontra disponível na sua rede oficial

o novo Synpower LL-12 FE 0W-30. Este novo produto foi formulado para

aplicação em praticamente todos os veículos ligeiros, com motores Diesel,

gasolina e GPL, com recomendação ACEA C2 0W-30. É especialmente

recomendado para veículos ligeiros de passageiros BMW e MINI, tal como

em alguns modelos da Hyundai, KIA, Suzuki, Toyota. O Synpower LL-12 FE

0W-30 foi formulado com uma excelente estabilidade de desempenho para

garantir intervalos de manutenção alargados. Foi projetado para uso com

sistemas de controlo de emissões, como DPF (Filtro de Partículas Diesel) e

TWC (Catalisador de Três Vias). A baixa emissão de cinzas mantém o sistema

de controlo de emissões em ótimas condições.

Readapt.pdf 1 18/10/18 17:13

Publicidade

Lisboa (V. Pinheiro)

219 666 590

Porto (Gondomar)

220 443 096

MEYLE-HD tem novo rolamento

híbrido do motor

Pela primeira vez, o novo rolamento do motor híbrido MEYLE-HD

combina as propriedades excecionais do material de poliuretano para a

longevidade e o polyelast para um maior conforto, sendo uma verdadeira

novidade no aftermarket. Através da combinação desses materiais de alta

tecnologia, o rolamento do motor híbrido MEYLE-HD garante a suspensão

sem vibrações do motor, assim como um amortecimento de confiança das

suas oscilações. Mesmo com as cargas mais altas, o rolamento do motor

garante um conforto duradouro na condução, graças às suas propriedades

aprimoradas. O rolamento do motor híbrido MEYLE-HD cria uma mais-valia

notável para os clientes da oficina. A melhoria da qualidade, em comparação

com a peça original, bem como o design tecnicamente otimizado, garantem

uma vida útil mais longa das peças relevantes para a segurança. A peça

MEYLE-HD comprovou este facto em mais de 100 mil ciclos de ensaios (7

kN / 2 Hz), no centro de testes MEYLE. Em contraste com a peça original

do rolamento do motor, não pôde ser detetado mais nenhum desgaste ou

defeitos técnicos no corpo de amortecimento na peça MEYLE‐HD.

Novembro I 2018

www.readaptportugal.com


Conduz a tua vida:

Tem presente a energia Tudor


66

NOTÍCIAS

Produto

Yuasa apresentou nova gama YBX

O fabricante japonês de baterias apresentou, na feira Automechanika Frankfurt

2018, a sua última tecnologia inovadora para oficinas, assim como a nova gama melhorada

YBX. No evento, a marca promoveu a sua ampla gama de produtos, dirigidos

nesta ocasião ao mercado automóvel, oficinas, mecânicos e distribuidores. Ao ser

um fabricante centrado na qualidade e inovação, a GS Yuasa está, constantemente, a

desenvolver-se, inovando e crescendo. A meta é apoiar o mercado nos seus diferentes

setores, melhorando a atenção do cliente, poupando tempo e dinheiro e vendendo

mais baterias. Outra novidade é o motor de busca Look Up. Este pesquisador online

é utilizado por mais de 80 mil mecânicos e oficinas, sendo o sistema de pesquisa de

baterias mais potente da Europa.

Nova marca de escovas

limpa-vidros da Valeo

A José G. Neto anunciou o lançamento de uma nova marca de escovas

limpa-vidros fabricada pela Valeo – Vision & Vision Plus – com gamas completas

de escovas convencionais e flat blade. Estas escovas são fabricadas pela

Valeo, utilizando a mais avançada tecnologia e dispõem de um adaptador

universal para uma montagem fácil e rápida, dando, assim, garantias da mais

elevada qualidade. Com 15 referências, a gama Vision convencional está

perfeitamente adaptada às necessidades do nosso mercado, bem como

a gama Vision Plus – flat blade – que, com apenas 11 referências, tem uma

cobertura de mais de 90% do parque circulante nacional.

Publicidade

Mantemos o seu negócio em movimento!

25 anos de experiência

Blue Print oferece gama de

embraiagens para veículos europeus

No passado, a Blue Print já oferecia uma ampla gama de componentes

de embraiagem para marcas e modelos asiáticos. Agora, a marca do bilstein

group ampliou o seu portefólio, tendo adicionado mais embraiagens

para veículos europeus e LCVs à sua gama, oferecendo aos clientes uma

gama de embraiagens “All-Makes” (Todas as Marcas) de uma única fonte.

Todas as embraiagens da Blue Print são especificadas para cumprir com os

exigentes padrões de modo a garantir uma substituição direta do artigo

original. Isto é possível e garantido através do Centro de Competência de

Embraiagens do bilstein group, com sede em Durmersheim, na Alemanha.

Aqui, os produtos de embraiagem cumprem inúmeros testes de qualidade

cruciais para garantir um funcionamento perfeito, um excelente conforto de

condução e uma vida útil prolongada. Através de ferramentas de medição

precisas, todas as dimensões relevantes são testadas com a precisão de um

milésimo de milímetro, a fim de garantir o encaixe perfeito.

Novembro I 2018


68

NOTÍCIAS

Produto

Soulima introduz marca Varta no seu portefólio

A Soulima ampliou o seu portefólio de produtos com a integração da marca de baterias Varta, aumentando a sua oferta de

produto neste segmento para o setor auto. A Varta é uma marca de renome e as suas baterias são sinónimo de elevada fiabilidade

e altíssimo desempenho. Com a adição da Varta, a Soulima acrescenta qualidade a esta gama de produtos e disponibiliza aos seus

clientes mais uma marca de confiança.

Nova solução

LIQUI MOLY para caixa

de velocidades

É precisamente em veículos mais antigos

que, muitas vezes, engrenar mudanças fica difícil.

Isto deve-se, normalmente, a um desgaste da

caixa de velocidades. Uma reparação mecânica

tem custos elevados, mas há outra possibilidade:

a LIQUI MOLY disponibiliza um aditivo para o

óleo da caixa de velocidades, o Getriebeoil, que

elimina, muitas vezes, os problemas das caixas

manuais. Basta adicionar o aditivo Getriebeoil

ao óleo da caixa de velocidades para reduzir a

fricção e facilitar a mudança de velocidades. Contém

o lubrificante sólido MoS2 que compensa

as irregularidades das superfícies metálicas

e reduz o desgaste. Além disso, a solicitação

térmica na caixa de velocidades reduz-se, já

que o aditivo não contém componentes corrosivos

com ação química que possam agredir

os metais não ferrosos sensíveis existentes na

caixa de velocidades. O aditivo Getriebeoil não é

um produto mágico que faz desaparecer graves

problemas mecânicos. Mas, em muitos casos,

pode resolver o problema, reduzir os sintomas

ou abrandar fortemente o avanço do defeito.

Würth lança nova linha de escovas limpa para-brisas

A Würth lançou, recentemente, uma nova linha de escovas limpa para-brisas que cumprem os requisitos dos

principais fabricantes de automóveis do mercado. Esta nova gama detém uma enorme variedade de modelos e

medidas, que poderão ser consultadas através do configurador desenvolvido para o efeito, bastando selecionar

modelo, marca e ano da viatura. Considerando, nos dias de hoje, a importância de umas escovas de para-brisas

de qualidade para a segurança da condução e evitar o risco de acidentes, a Würth concebeu a nova linha com

borracha de acordo com os padrões máximos de qualidade.

Merpecas.pdf 1 18/10/18 14:57

Publicidade

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


COMPONENTES PARA

AR CONDICIONADO AUTOMÓVEL

Visite-nos no Facebook

Rua Fernando Vicente - Armazém 15 - 2560-677 Torres Vedras - Telefone: +351 261 335 050 - E-mail: geral@nelsontripa.pt

Coordenadas GPS - Latitude 39º5'42.83"N - Longitude 9º15'7,74"W


70

NOTÍCIAS

Produto

Autopeças Cab

tem escovas Doga

A Autopeças Cab reforçou a aposta nas escovas Doga, que dispõem

de qualidade superior às escovas originais e garantem uma grande

cobertura do parque automóvel nacional, para além de proporcionarem

uma limpeza eficaz. As escovas Doga estão disponíveis em

qualquer loja da Autopeças Cab, que reforçou fortemente o seu

stock de produto, de modo a servir melhor os clientes, garantindo

um preço bastante competitivo nesta gama.

PCC comercializa

alinhador de direção 3D da Ravaglioli

A Ravaglioli, marca líder em sistemas de elevação e máquinas de alinhamento, preocupada

com o futuro próximo, apresentou, na feira Automechanika Frankfurt 2018, a sua nova máquina

de alinhar direções 3D, modelo RAVTD3000HPMB, com um software específico Mercedes-Benz,

bem com toda a sua base de dados. A marca é comercializada em Portugal pela Pinto da Costa

& Costa, Equipamentos Oficinais e Industriais (PCC).

RPA distribui kit de transmissão

automática AVS

O registro de modelos com transmissão automática está em

constante crescimento e muitos dos recentes veículos híbridos são

de transmissões automáticas. A Rui & Paulo Almeida (RPA) tem

apostado neste mercado e, para tal, confia na marca italiana AVS

Autoparts, sendo o representante nacional desta marca. A durabilidade

e a eficiência das caixas de velocidade automáticas dependem

da lubrificação perfeita e do uso de meios filtrantes confiáveis que

libertam óleo, retendo partículas indesejáveis por longos períodos.

Os filtros de transmissão automática AVS Autoparts, graças ao seu

alto nível de qualidade e aos seus níveis mais altos de segurança,

são a melhor proteção contra o desgaste das transmissões. Os kits

de Transmissão AVS incluem filtro, junta e parafusos, tudo para

fazer uma revisão cuidadosa. A RPA tem um grande número de

referências, de forma a cobrir grande parte do mercado nacional.

Wolf lança Smart Oil Cabin

para estações de serviço

A Wolf anunciou a sua mais recente inovação para ajudar as estações de serviço independentes

a prestarem serviços aos clientes com o óleo certo, na hora certa, garantindo que as

estações de serviço tenham sempre o fornecimento suficiente dos produtos de que necessitam.

A nova Smart Oil Cabin é o resultado de uma estreita colaboração entre a equipa de desenvolvimento

da empresa com o seu departamento de marketing e deve ser lançada no primeiro

trimestre de 2019. Com oito compartimentos para garrafas de 20 L e dois espaços para barris

de 60 L, a Smart Oil Cabin liga-se à rede da Wolf Lubes, com uma ligação ao distribuidor ou

retalhista do cliente. Sensores internos e/ou externos fornecem uma medição constante dos

níveis de fluido nas garrafas e nos barris, enviando dados precisos das existências ao sistema.

Os alertas de “nível de encomenda” são desencadeados quando os fluidos descem abaixo de

um determinado valor e um pedido de encomenda é criado. Uma vez aprovado pelo cliente,

este pedido é enviado, automaticamente, ao fornecedor através do sistema de mensagens

integrado e uma confirmação é enviada quando a encomenda é expedida.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


71

Philips lança câmara modular para tablier

A Philips GoSure ADR820 é uma câmara de tablier modular de alta qualidade que permite

aos utilizadores adicionarem facilmente as funções de GPS e de câmara traseira Full HD.

Os condutores podem, agora, captar os respetivos trajetos com detalhes nítidos e vivos.

Com ligação através de wi-fi, esta câmara de tablier pode ser totalmente controlada a partir

de um smartphone. O sistema avançado de assistência ao condutor (ADAS) adiciona funcionalidades

de segurança. A maioria das câmaras de tablier gravam apenas o que está a

acontecer à frente do veículo. Por isso, as colisões traseiras não são gravadas (sendo estas

um tipo comum de acidente).

Devido à construção modular da câmara, os condutores podem facilmente adicionar à

Philips GoSure ADR820 uma câmara traseira Full HD. A instalação é rápida e fácil, pois os

utilizadores apenas têm de colocar a câmara traseira no para-brisas traseiro e ligá-la à GoSure

ADR820 com o cabo fornecido. As câmaras gravam, agora, o que ocorre à frente e atrás do

veículo, com detalhes ultra nítidos.

D&M.pdf 1 22/10/18 12:04

Publicidade

GARRAS PARA AS RODAS

AC700

ALVOS XD

IMPRESSORA

CÂMARA TRASERA

SISTEMA POD

ARMAZENAGEM PARA

OS PODS DE REFERÊNCIA

MONTADOS NO

ELEVADOR/FOSSA

VEJA AQUI http://bit.ly/v1200

MAIS INFORMAÇÕES

SOBRE O EQUIPAMENTO

CARREGADORES DE

BATERIA INTEGRADOS

Telef.: 229 618 900 - Fax: 229 618 909

www.domingos-morgado.pt - comercial@domingos-morgado.pt

www.jornaldasoficinas.com

D&M no Facebook

2018 I Novembro


RGB

NOTÍCIAS PESADOS

72

EUROPART volta a receber título de “Melhor Marca”

Pela terceira vez consecutiva, a EUROPART foi escolhida como a “Melhor Marca” na categoria

“Comércio de peças para veículos comerciais”. Os leitores da revista especializada PROFI Werkstatt

escolheram, com uma excelente percentagem de 36,14 para o primeiro lugar, o distribuidor líder

na Europa em peças para veículos comerciais e equipamentos oficinais. A EUROPART foi distinguida

pelo competente serviço técnico e apoio ao cliente, pela logística rápida e precisa, bem como

pela ampla gama de produtos. A tradicional empresa de Hagen, que, em 2018, celebrou 70 anos,

é ainda enaltecida com este prémio pelo desenvolvimento sempre positivo ao longo dos anos.

Para além do prémio na categoria da distribuição de peças para veículos comerciais, a empresa

está satisfeita com as boas posições alcançadas nas outras categorias, para as quais foi nomeada.

DT Spare Parts publica

quatro novos catálogos

A marca DT Spare Parts lança novos catálogos de produtos para quatro divisões.

Na atualização do catálogo adequado para a série 2-/3- da Scania, 140

novos artigos foram integrados. No total, o catálogo de produtos contém cerca

de 2.200 peças, que substituem mais ou menos 5.000 números de referência

da marca do veículo. O catálogo para reboques da marca DT Spare Parts foi

aumentado em mais ou menos 350 novas peças, de forma que, agora, cerca

de 1.800 produtos podem ser encontrados no catálogo. Estes são destinados

a cerca de 4.100 números de referência. Além disso, a marca DT Spare Parts

oferece, com mais de 200 novas peças, uma ampla gama de produtos para as

séries O 300-/O 400- da Mercedes-Benz e séries S 200-/S 300- da Setra. O novo

catálogo de peças contém mais de 3.400 produtos próprios, que substituem

cerca de 9.600 números de referência.

Publicidade

VEDANTES

CONTROLO DE

VIBRAÇÕES

FILTRO

HABITÁCULO

A ESCOLHA PERFEITA

Motorbus inaugurou loja

em Castanheira do Ribatejo

C

M

Y

PODERÁ ENCONTRAR OS PRODUTOS CORTECO NOS NOSSOS PARCEIROS:

A nova loja da Motorbus, em Castanheira do Ribatejo, já se encontra a funcionar

desde o mês de maio, mas a inauguração oficial ocorreu no passado dia 13 de outubro, com

a presença de clientes, fornecedores, colaboradores e amigos. Óscar Pereira, fundador da

empresa, e os seus dois filhos, Joel Lebre e Pedro Lebre, agradeceram a presença e o apoio

de todos os parceiros, tendo afirmado que a abertura da loja em Castanheira do Ribatejo

“era uma ideia que tínhamos há muito tempo, mas só este ano foi possível concretizar.

Foram os nossos clientes que exigiram a nossa presença”. O local escolhido, perto da A1 e

próximo do Carregado, de Castanheira do Ribatejo e de Vila Franca de Xira, tem ajudado ao

bom desempenho da loja, que, em apenas seis meses, teve de aumentar o stock de peças,

de modo a conseguir satisfazer os pedidos dos clientes. “O stock do Porto foi replicado neste

novo espaço, quer em termos de números de referências quer de quantidades de stock”, explicou

Pedro Lebre. Com as novas instalações, a Motorbus ganha uma nova dimensão e maior

notoriedade. O potencial da região da Grande Lisboa é enorme e, por isso, os responsáveis da

empresa estão otimistas em relação ao futuro, tendo como objetivo nos próximos quatro ou

cinco anos alcançar o volume a faturação da atividade que têm a norte do país.

CM

MY

CY

CMY

K

Novembro I 2018


73

febi apresenta nova competência

em embraiagens

No Salão IAA 2018, dedicado a veículos pesados, que decorreu

em Hanover, na Alemanha, a febi apresentou a sua nova gama de

embraiagens para veículos pesados. Desde discos de embraiagem

a rolamentos e volantes de motor – o especialista no aftermarket

oferece mais de 120 kits de embraiagem e mais de 330 componentes

individuais, com uma cobertura de 80% de todos os veículos pesados.

A gama de produto também inclui soluções de embraiagens com sistemas

de embraiagem dupla. As embraiagens da febi Truck cumprem

exigentes padrões de qualidade para garantir uma substituição direta

e equivalente à instalação original. O bilstein group garante tudo isto

através do seu próprio Centro de Competência de Embraiagens, com

sede em Durmersheim, na Alemanha.

FUCHS e Sparkes & Sparkes anunciam parceria

No decorrer da feira MECÂNICA 2018, realizada na FIL, a marca alemã de lubrificantes FUCHS e a

empresa especialista na reconstrução de caixas de velocidade manuais Sparkes & Sparkes, anunciaram

uma parceria, que consiste no fornecimento de lubrificantes Titan, a gama profissional da FUCHS, para

todas as caixas de velocidade reconstruídas pela Sparkes & Sparkes.

“Reconhecemos a qualidade e a especialização da FUCHS e queremos proporcionar aos nossos clientes

a melhor performance, porque acreditamos que isso se traduz, não só em desempenho, mas, também,

em durabilidade, logo em poupança”, explica Diamantino Costa, diretor-geral da Sparkes & Sparkes.

Nesta parceria, os lubrificantes da FUCHS que vão ser usados e recomendados são da gama profissional

TITAN SINTOFLUID FE SAE 75W, TITAN SINTOFLUID SAE 75W-80, TITAN SINTOPOID FE SAE 75W-85,

TITAN SINTOPOID SAE 75W-90, TITAN SINTOPOID LS SAE 75W-90 e, nos modelos mais antigos, TITAN

SUPERGEAR SAE 80W-90. Na foto, estão Filipe Peralta, diretor comercial da FUCHS (à esq.ª), e Diamantino

Costa, diretor-geral da Sparkes & Sparkes.

Escovas Pára-Brisas 220x145mm alt.pdf 1 16/10/18 14:47

Publicidade

ESCOVAS

PÁRA-BRISAS

Visibilidade e Segurança

Visibilidade Visibilidade

Visibilidade e Segurança e Segurança

e Segurança

linha profissional

linha profissional

linha

linha

profissional

profissional

NOVA LINHA DE ESCOVAS

NOVA LINHA NOVA

PÁRA-BRISAS DE LINHA ESCOVAS DE ESCOVAS

NOVA LINHA WÜRTH: DE ESCOVAS

PÁRA-BRISAS PÁRA-BRISAS WÜRTH: WÜRTH:

• Qualidade PÁRA-BRISAS original WÜRTH: OEM.

• Qualidade • Qualidade original • Grande OEM. original variedade OEM. de opções de escolha.

• Grande • variedade Grande • Videos

• Qualidade variedade opções de aplicação. de original opções escolha.

OEM. de escolha.

• Videos de • Videos aplicação.

• de Grande aplicação. variedade de opções de escolha.


e


ano

Videos

da viatura.

de aplicação.

e ano da viatura. e ano

da viatura.

e ano da viatura.

www.jornaldasoficinas.com

Würth Portugal · T +351 219 157 200 · www.wurth.pt · eshop.wurth.pt

Würth Portugal Würth · T +351 Portugal 219 157 · T 200 +351 · www.wurth.pt 219 157 200 · www.wurth.pt · eshop.wurth.pt · eshop.wurth.pt

Würth Portugal · T +351 219 157 200 · www.wurth.pt · eshop.wurth.pt

2018 I Novembro


74

NOTÍCIAS REPINTURA

R-M tem novo

espectrofotómetro Colortronic 12/6

A R-M aprimora a sua tecnologia de medição de cores com o lançamento do novo espectrofotómetro

Colortronic 12/6. A operação simples e a transmissão de dados para a estação de

trabalho via wi-fi aceleram os fluxos de trabalho. O software atualizado Color Explorer e Shop

Master permitem que os resultados das medições sejam ajustados com maior precisão. O espectrofotómetro

Colortronic 12/6 apresenta novos hardware e software, juntamente com uma

nova tecnologia de medição. Doze geometrias garantem resultados de medição ainda mais

precisos. Uma câmara a cores reconhece o efeito em acabamentos metálicos/pérolas tendo

por base seis fotos coloridas. Isso possibilita ajustar com maior precisão as cores. O grande

visor permite que o alvo de medição seja visualizado de forma fidedigna via vídeo. Depois, os

resultados podem ser transmitidos via wi-fi para a estação de trabalho.

THE

DIFFERENCE

IS DEBEER

MATT FINISHES

BESA lança novo FPP - Fast Paint Preparation

Este sistema reduz, a uma terça parte, o tempo de preparação de pintura face a um sistema

de misturas convencional. Trata-se de uma solução limpa e adequada a todo o tipo de pinturas

e à maioria de pistolas. Eis as suas principais características: reduz o tempo de preparação da

pintura em 66%, com a consequente redução de custos; compatível com pinturas à base de

água; adaptadores disponíveis para todo o tipo de pistolas; perfeita conservação da pintura que

sobra. O produto apresenta-se em recipientes de dois tamanhos, 600 e 400 ml, com medidas

de filtros de 190µ e 125µ em cada um deles. Este lançamento enquadra-se na estratégia de

investigação e desenvolvimento da empresa, fruto do seu constante trabalho de pesquisa e

melhoria de novos produtos.

Marca DeBeer certificada

pelo Centro Zaragoza

A DeBeer, marca pertencente ao fabricante Valspar Automotive,

é a primeira a ser distinguida em Espanha com o certificado de qualidade

pelo Centro Zaragoza. Este centro é um dos maiores complexos de formação

sediado em Espanha. A certificação foi atribuída à qualidade da tinta DeBeer,

englobando os sistemas de mistura e o cumprimento das exigências ambientais

OEM (Original Equipment Manufacturer). Foram feitos testes que garantem que

o produto é resistente a intempéries, oscilações de temperatura e utilização

de jatos de alta pressão, como, também, ao nível do brilho e flexibilidade

de acabamento, com base na norma UNE-EN ISO. A DeBeer passa a contar,

atualmente, com mais uma certificação, juntando, assim, às já adquiridas pela

Base Aquosa Série 900+ e de marcas como Ford, General Motors, Chrysler e

Mazda (na América do Norte e no Japão).

3M revela novo processo de reparação

de pequenos defeitos

A 3M apresenta ao mercado um novo processo de reparação de pequenos

defeitos no revestimento de pintura, que permite um acabamento

perfeito à primeira, a satisfação dos clientes e uma poupança notável de tempo

e dinheiro. Dependendo do tipo de defeito, o sistema de reparação da 3M

permite tratar, de forma específica, defeitos pequenos, grandes ou escorridos,

o que facilita o trabalho das oficinas e permite obter resultados mais rápidos

e eficientes. O sistema conta com uma lixadora pneumática roto-orbital para

imperfeições, que funciona com discos abrasivos autoadesivos de 32 mm,

garantindo um acabamento perfeito à primeira e a satisfação dos clientes.

Devido ao tamanho pequeno da máquina, permite que os defeitos sejam

reparados na sua dimensão e, assim, conseguir reparações mais eficientes.

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


75

ASB juntou clientes em encontro

de técnicos de repintura

A Álvaro de Sousa Borrego, S.A., em parceria com a 3M e a Spies Hecker, reuniu, em Mafra, mais de

uma centena de profissionais do setor da repintura automóvel, num evento dedicado à apresentação de

novas soluções no mercado, mas, também, marcado pelo convívio e confraternização. Durante a manhã, os

participantes tiveram a oportunidade de conhecer as novidades do setor em tintas e consumíveis, assistir

à demonstração de produtos consumíveis e ainda tiveram a oportunidade de entrar em jogo no campo

de paintball. No final do evento, após um almoço convívio, os participantes foram presenteados com uma

fotografia celebrativa do evento. Estes encontros têm como objetivo aproximar as marcas aos clientes

que, muitas vezes, apenas conhecem o comercial da ASB que “dá a cara” pelas três marcas. A manhã foi

considerada produtiva e, acima de tudo, divertida.

Publicidade

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


76

NOTÍCIAS

Repintura

Cromax nomeia Kevin Torfs

como novo brand manager EMEA

Desde 1 de outubro de 2018 que Kevin Torfs é o brand manager da

Cromax na Europa, Médio Oriente e África (EMEA). O anúncio coincide com a

comemoração do 5.º aniversário da marca na sua incorporação como Cromax.

Kevin Torfs exerceu vários cargos na Cromax nos últimos 13 anos e foi, mais

recentemente, digital marketing specialist. Além disso, obteve a certificação

Six Sigma Black Belt para a Axalta. A marca está empenhada em continuar a

proporcionar produtos e serviços inovadores às suas oficinas, em particular

processos de economia de energia, que ajudam as oficinas com os respetivos

custos totais de energia. “O nosso foco também incide diretamente sobre

tudo o que é digital. Desde os processos e ferramentas mais avançados até

aos serviços de valor acrescentado, as nossas oficinas podem obter maior

produtividade e fluxos de trabalho otimizados”, explicou Kevin Torfs.

Spies Hecker e Sodicor realizaram

seminário sobre orçamentação

No dia 25 de setembro, a Sodicor, em conjunto com a sua parceira Spies Hecker, reuniu cerca

de 30 pessoas, no Restaurante Montanha, em São Gonçalo. O local, com uma vista soberba

sobre o Funchal, foi o escolhido para debater o tema “Orçamentação na Repintura Automóvel”.

O seminário lançou a reflexão sobre a influência da orçamentação na rentabilidade oficinal.

Afinal, a orçamentação é o momento

chave da venda do serviço, ou seja, o

momento em que se decide por que

preço irá ser ele vendido. A cuidada

análise de todos os itens que influenciam

o orçamento é crítica, para que

o mesmo reflita o valor em materiais

e o tempo de mão de obra corretos e

adequados. Os participantes, gestores

oficinais e profissionais de repintura

automóvel da ilha da Madeira contribuíram

para o debate com a partilha

das suas experiências e informações.

Foram evidenciadas as vantagens da utilização de ferramenta de orçamentação (programas de

orçamentação), pelo rigor, rapidez e vertente prática que proporcionam aos profissionais. Mas a

principal vantagem reconhecida pelos presentes foi que tal ferramenta proporciona informação

fulcral, dotando os utilizadores de conhecimento e, consequentemente, de maior capacidade

para negociações mais exigentes, como as que envolvem a regularização de sinistros. A jornada

de trabalho terminou no final da tarde, com a satisfação partilhada entre os participantes de

um dia rico em formação e informação útil para as suas atividades profissionais.

Publicidade

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


78

CARROScomHISTÓRIA

VW T2 «Pão de Forma»

Ícone cultural

Alguns acontecimentos na história do automóvel parecem não ter explicação. O «fenómeno Pão de Forma»,

para a maioria, poderá muito bem ser um deles

Por: João Paulo Lima

Se pensarmos que estas carrinhas

apelidadas pela forma não diferem

muito das conhecidas “Ford Transit”

ou “Toyota Hiace”, podemos estar enganados.

As VW T2 dispõem de algo que a

maioria das suas concorrentes não tem:

“história”. Tudo começa depois da guerra.

Mais propriamente, em 1947, quando o

importador holandês Ben Pon fez chegar

ao fabricante alemão a informação da necessidade

de um veículo de transporte versátil,

que apoiasse o pequeno comerciante

que florescia na altura. A marca regista,

recebe até umas dicas e desenvolve um

modelo económico sobre o chassis do

“Carocha”. Depois de alguns testes, inclusive

o realizado no túnel de vento da

Universidade Técnica de Braunschweig,

em novembro de 1949, é apresentado um

protótipo denominado “Bulli”, que passa

à produção a 8 de março de 1950.

Algumas alterações foram realizadas ao

modelo dador, nomeadamente a estrutura

ventude e até o amor livre. A sua expressão

alegre e “bem-disposta” transformou-a

rapidamente num cartão de visita para

muitos suportes publicitários e filmes,

aumentando sem precedentes a sua

popularidade.

Presentemente e resultado de todos

estes motivos, os modelos “Transporter”

atingiram quotas de mercado completamente

díspares face a qualquer previsão

realizada. Todas as versões dispõem de

valores de mercado muito elevados, fruto

da valorização do modelo “Samba” de

1951 e 21 vidros, apresentada em dois

tons e teto de abrir que excedeu todas as

expectativas. A “Transporter” foi fabricada

em muitas partes do mundo, tendo-se

produzido até mais tarde no Brasil. O

primeiro modelo, denominado T1, iniciou

a sua produção a um ritmo de 10

unidades por dia até 1967, altura em que,

na Alemanha, foi introduzida a geração

seguinte. Fora da Europa, manteve-se em

tubular central, que se vê substituída por

um corpo autoportante com capacidade

para 750 kg de carga, motorizado por um

1.131 cc de 18 kW às 3.300 rpm. A versão

de passageiros passou a estar disponível

até oito lugares, com a possibilidade de

se poder remover as duas filas traseiras

para o transporte de carga. O primeiro

exemplar produzido foi uma versão comercial,

pintada de azul simbolizando

ganga, vestuário de trabalho nos anos

50. A partir daí, o sucesso fez a história.

A qualidade de construção alemã nunca

deixou dúvidas. Em caso de falha, uma

rede de concessionários bem presente

servia para reparar e manter. A mecânica

fácil e robusta, aliada a uma habitabilidade

de polivalência indiscutível, fizeram

com que encontrássemos estes comerciais

durante muitos anos em quase todos os

trabalhos. Porém, o seu mais mediático

carisma surge nos EUA com o movimento

hippie. Aqui, simbolizou a liberdade, a juprodução

até mais tarde, saindo o último

exemplar da fábrica de Anchieta no Brasil,

em dezembro de 2013. As razões que

levaram à suspensão de produção de

tão icónico modelo prenderam-se com

normas de antipoluição.

A VW comercializou, no total, cerca de

3,5 milhões de unidades, em forma de

furgão, ambulância, pick-up, comerciais

com lugares, veículos de caravanism e

plataformas de apoio, entre outros. Podemos

considerar o “Pão de forma“ como o

primeiro MPV, estando ainda no mercado

atualmente na sua sexta geração, fazendo

jus tanto estética como mecanicamente, à

história que “transporter”. As principais características

mecânicas que acompanharam

os primeiros modelos praticamente

até ao final da sua produção provêem do

“Carocha”. A tração traseira, a refrigeração

a ar e os quatro cilindros opostos são dos

muitos elementos comuns partilhados

entre estes dois modelos. ✱

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


CLASSIFICADOS

79

2mod_app_JO.pdf 1 25/09/18 10:46

41jeep_Crown_2018_8modulos.pdf 3 18/10/18 14:48

C

M

Toda a informação numa só aplicação

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Vídeos

Notícias

Publicações

Redes Sociais

09mod_APMariaPia_Golf_2016.pdf 2 19/09/18 10:51

AUTO PEÇAS MARIA PIA, LDA

“Com 25 anos de experiência”

C

M

Y

CM

C

MY

M

CY

Y

CMY

CM

K

MY

CY

CMY

K

HORÁRIO >2ª a 6ª Feira - 9h às 12h30 - 14h30 às18h30 >Sábado - 8h às 12h

Especializados nas marcas VW, SKODA, SEAT, AUDI e em peças para VW Carocha

Tel.: 213 964 690 | 213 964 837 | Fax: 213 971487

Rua Freitas Gazul,13B - C. Ourique - 1350-148 Lisboa

autopecasmariapia@gmail.com

GRANDE VARIEDADE DE PEÇAS JEEP

. .

geral@41jeep.com 261 931 456 www.41jeep.com

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


OFICINAdoMÊS

80

AutoDetailing12

OFICINA DO MÊS

Diferença no detalhe

A AutoDetailing12 nasceu em 2012 e não mais parou. Situada em Carnaxide, dedica-se a serviços de bate-chapa,

pintura e recondicionamento automóvel. Na oficina, o detalhe é fator de distinção e sinónimo de rigor

Por: Jorge Flores

A

qualidade do serviço, na oficina

AutoDetailing12, tal como o nome

sugere, encontra-se, precisamente,

no detalhe. Na empresa, esta palavra não

é sinónimo de pormenor, mas, antes, de

rigor no trabalho realizado. Fundada, em

2012, por Daniel Ferreira e Maria Simões,

a oficina mudou-se, há quatro anos, para

as instalações de Carnaxide, local onde

recebeu o Jornal das Oficinas. A empresa

tem um cariz familiar. Além do casal fundador,

também lá trabalham o filho, André

Gomes, e a nora. Uma equipa unida até

pelos laços familiares. “A nossa experiência

era no ramo das molduras”, revelou Daniel

Ferreira. “Trabalhámos nessa área durante

20 anos, até o negócio ir abaixo”, acrescentou.

Os automóveis eram uma paixão.

“Comecei com uma pequena garagem

aqui perto, a fazer polimentos, limpezas.

O crescimento foi tão grande e tão rápido,

através dos clientes que passavam a palavra

uns aos outros, que decidimos investir

neste negócio de uma forma mais séria”,

contou. “Começámos do nada. Quando

viemos para aqui, nem tínhamos ainda

o dinheiro para a renda no final do mês.

Mas com muito esforço e dedicação de

todos, conseguimos dar a volta”, revelou

Maria Simões. “Chegámos a trabalhar noites

inteiras. Quando abríamos o portão,

já era de dia”, completou Daniel Ferreira.

n PRIMAR PELA QUALIDADE

A AutoDetailing12 realiza serviços de

bate-chapa e pintura (dispõe, há dois

anos e meio, de uma estufa para o efeito,

na oficina, um investimento próximo dos

20 mil euros), que representam entre 70

e 80% da atividade, além de trabalhos

como lavagem manual, limpeza de interiores,

polimentos, recuperação de óticas

e aplicação de cerâmicas. No fundo, “tudo

Daniel Ferreira

e Maria Simões

fundaram uma

empresa de cariz

familiar

o que é recondicionamento automóvel”,

explicou Daniel Ferreira, garantindo que,

neste momento, a AutoDetailing12 conta

com tantos clientes particulares como

empresas. “Somos muito procurados por

stands de automóveis”, disse. Desde que

abriu as portas, trabalho é algo que não

tem faltado. “Primamos sempre pela qualidade”,

reforçou Daniel Ferreira. “Nesta

área, não pode ser de outra maneira”,

sublinhou. E o resultado está à vista. E

brilha. “Chego a ter períodos em que disponho

de 15 automóveis para pintar”,

disse. Trabalho para o qual conta com a

experiência do seu filho, pintor profissional

desde tenra idade.

n FOCADOS NA ATIVIDADE

O negócio corre de feição e Daniel Ferreira

não pretende alargar a atividade a

outras áreas. “Prefiro focar-me na nossa

especialidade. Nem para atender a todos

os pedidos, nesta área, temos tempo”, brincou

o responsável, que também não quer

ouvir falar em aderir a redes de oficinas.

“Gostamos de pensar e decidir por nós

próprios”, assegurou.

No horizonte, a médio prazo, poderá

estar a adoção de um novo armazém.

“Nunca largarei esta casa, mas gostava,

um dia, de ter um outro espaço para trabalhos

de recondicionamento. Aqui ficariam

os serviços de bate-chapa e pintura.

Mas só quando surgir a oportunidade

certa para podermos expandir”, afirmou

o responsável. ✱

AutoDetailing12

Gerente Daniel Ferreira | Morada Av.ª Comendador Nunes Corrêa, Armazém 4, 2790 - 226 Carnaxide | Telefone 912 265 122

Email autodetailing@hotmail.com | Facebook www.facebook.com/autodetailing12

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


YES WE HAVE

Mais de 400 referências de termostatos • 92% de cobertura do parque circulante Asiatico •

gama Asiática, Americana e Europeia

www.japanpartsgroup.com

30.000 referências • 140 linhas de produto


82

EMPRESA

APL Expresso

Novas instalações

No âmbito do projeto de ampliação e modernização das suas áreas logísticas, a APL Expresso mostrou a colaboradores,

parceiros e amigos as novas instalações, situadas no Pico D’Água Park, em Ponta Delgada

Por: Joana Calado

A

inauguração decorreu no passado

dia 5 de outubro e reuniu centenas

de pessoas. Situado no Pico D’Água

Park, em Ponta Delgada, o novo espaço

dispõe do triplo da capacidade de armazenagem,

sendo mais amplo e tendo uma

localização mais central. O que permitirá à

APL Expresso dar maior resposta aos pedidos

dos clientes, uma vez que possibilita

várias entregas por dia para qualquer ponto

da ilha de São Miguel. “Ter instalações próprias

é algo que sempre ansiámos desde

que fundámos a empresa e, ao fim de 15

anos, conseguimos atingir o ponto de evolução

que nos permitiu replicar, aqui, nos

Açores, aquilo que é o método da Create

Business”, afirmou Miguel Lopes, gerente

da empresa, ao Jornal das Oficinas.

O objetivo para este projeto passa por

continuar a garantir a capacidade de stock,

para que, numa zona periférica, o cliente

consiga ter a peça no menor espaço de

tempo possível, além de a empresa dispo-

nibilizar produtos que os outros players não

têm. A APL Expresso, em conjunto com a

Create Business, oferece aos clientes todo

o tipo de apoios, desde formação especializada

para mão de obra até apoios à gestão

da própria oficina. Nunca descurando o

variado leque de produtos, entre peças e

ferramentas, que têm em stock.

n “PEÇAS SEM PEGADA 2025”

Com o projeto “Peças sem Pegada 2025”,

a decorrer em paralelo, a construção das

novas instalações esteve assente na premissa

da sustentabilidade. As modernas

infraestruturas estão equipadas com

painéis solares e baterias, que as tornam

autossuficientes em termos energéticos.

O projeto está a superar as expectativas

da empresa, que já adquiriu cinco veículos

100% elétricos para a equipa comercial e

dois para a administração, estando mais um

a caminho. Miguel Lopes lamenta não ser

sido ainda possível substituir os veículos

da distribuição, por questões logísticas,

mas garante que, assim que a tecnologia

permitir, tal será feito.

Em maio deste ano, a empresa concluiu

o projeto de mudança das instalações

no continente, passando de Alverca para

Frielas, contando, agora, com um espaço

oito vezes maior. O próximo passo será a

alteração das instalações na Horta, onde

se prevê que o espaço vá aumentar para

o dobro.

A par das mudanças, a APL Expresso comemora

15 anos de existência. O gerente

da empresa assegura que o mercado nos

Açores tem sofrido profundas mudanças.

“Em 2009, era muito fechado, 100% feito

ao balcão, com uma política de preços desregulada

e com pouco registo das transações.

Atualmente, um pouco por nossa

influência, tem vindo a regular-se e a amadurecer,

aproximando-se do mercado do

continente. O parque automóvel também

se alterou, passando a ser menos asiático

e mais europeu”, explicou Miguel Lopes.

n JUNTAR O ÚTIL AO AGRADÁVEL

Onde outros players viam um nicho, a APL

Expresso viu o seu core business. O gerente

defende que, ao estar totalmente focada na

comercialização de componentes na região

insular, a empresa estabeleceu uma parceria

com a Create Business. “Eles tinham a

ambição de estar presentes em todas as regiões

do país e nós já éramos uma empresa

que trabalhava 100% para os Açores. Portanto,

foi juntar o útil ao agradável”, revelou

Miguel Lopes. E devido ao facto de os Açores

ser considerado um nicho de mercado,

não existem muitos players a operar nesta

localização. Para mais, a maior parte dos

que existem não ambiciona vender para

outras ilhas. Assim, a APL Expresso não tem,

digamos, concorrência direta. “Não somos

um pequeno retalhista local. Funcionamos

quase como um grossista para os Açores”,

concluiu o responsável ao nosso jornal. Q

APL Expresso

Administrador Miguel Lopes | Sede Pico D’Água Park, Rua 5, n.°s 5 e 7, Pico da Pedra, 9500 – 049 Ponta Delgada | Telefone 296 682 490

Email pecas@aplexpresso.pt | Site www.aplexpresso.com

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Ponta Delgada – Horta – Frielas

CALL CENTER 214 350 937

pecas@aplexpresso.net

by APL EXPRESSO


84

TÉCNICA&SERVIÇO

Condução assistida

Tecnologia ao serviço da segurança

Os sistemas de condução assistida são uma ajuda à... condução. Isto é, não se tratam de sistemas

que permitem que o veículo se desloque sem intervenção do condutor, mas sim de sistemas que

prestam assistência em determinadas circunstâncias

Neste artigo, compilamos vários

sistemas de ajuda à condução,

também conhecidos por ADAS

(Advanced Driver Assistence Systems). Com

estes sistemas, a condução converteu-se

numa experiência totalmente diferente,

mais segura e confortável, em que o veículo

assume o comando nos casos em que o

controlo é comprometido por diferentes

circunstâncias.

CONTROLO DE VELOCIDADE

ADAPTATIVO

O condutor seleciona a velocidade à qual

pretende circular, mantendo a distância de

segurança em relação aos veículos que o

precedem. Quando o veículo deteta, através

de uma série de sensores, que o veículo

que o precede circula a uma velocidade

mais reduzida, adapta a sua velocidade à do

referido veículo para manter a distância de

segurança. Uma vez que o sistema deteta

que pode voltar a aumentar a velocidade,

fá-lo até alcançar a previamente estabelecida

pelo condutor. Os sistemas mais avançados

também modificam a velocidade do

veículo em função do traçado da estrada

ou das limitações de velocidade impostas.

AVISO DE MUDANÇA INVOLUNTÁRIA

DE FAIXA COM ASSISTENTE DE

DIREÇÃO

O veículo avisa o condutor quando este

se encontra prestes a abandonar a faixa

pela qual circula, caso não faça uso do

correspondente indicador de mudança

de direção, sendo o próprio veículo a reorientar

a direção de forma automática se o

condutor ignorar as advertências. O sinal

de aviso é visual e acústico. Na maioria

A travagem de emergência

autónoma permite evitar colisões

com o veículo que segue à frente,

reduzindo o risco de lesões associadas

ao golpe de “chicote cervical”

dos sistemas deste tipo que são atualmente

instalados, a função de deteção

da faixa é realizada pela câmara montada

atrás do para-brisas. Funciona a partir de

determinadas velocidades, visto que se

trata de um sistema pensado para zonas

não urbanas.

TRAVAGEM DE EMERGÊNCIA

AUTÓNOMA

Através de um radar e de uma câmara

frontal montada por trás do para-brisas,

o veículo vai monitorizando os diferentes

veículos e obstáculos que encontra

à sua frente, de modo que emite um

aviso acústico e sonoro de advertência

ao condutor quando calcula a possibilidade

de poder ocorrer uma colisão. Se

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Colaboração

Centro ZARAGOZA

www.centro-zaragoza.com

85

O condutor recebe informação relativa à via graças ao sistema

de reconhecimento de sinais

após o aviso o condutor acionar o travão,

o veículo (ao já estar prevenido) ajuda a

reduzir a distância de travagem aplicando

a intensidade do travão ao máximo, independentemente

da força aplicada sobre

o pedal pelo condutor. Caso o condutor

ignore estes sinais, o veículo assumirá o

controlo, realizando uma travagem de

forma automática. Existem sistemas de

travagem especificamente desenvolvidos

para cidade e outros para zonas não urbanas,

visto que o seu funcionamento varia

em função da velocidade do veículo que

potencialmente se possa ver envolvido

num acidente.

SISTEMA DE ASSISTÊNCIA AO

ESTACIONAMENTO

Através dos sensores do veículo, este

monitoriza o espaço entre veículos até

detetar um lugar suficiente para poder

estacionar. Uma vez encontrado, o sistema

realizará o trabalho de viragem da

direção, sendo o condutor responsável

por engrenar as mudanças (seguindo as

instruções que o sistema mostra no ecrã)

e por acionar o acelerador e o travão.

SISTEMA DE SAÍDA EM MARCHA-ATRÁS

O sistema deteta o trânsito que se aproxima

por trás do nosso veículo quando

procedemos à saída em marcha-atrás de

um estacionamento em espinha. Este sistema

é ativado juntamente com o assistente

de estacionamento, proporcionando

alertas ao condutor quando deteta algum

veículo a aproximar-se, chegando os travões

a ser acionados.

SISTEMA DE RECONHECIMENTO DE

SINAIS DE TRÂNSITO

Através de uma câmara montada atrás do

para-brisas, o veículo reconhece os sinais

de trânsito fundamentais para a segurança,

como são os de limitação de velocidade

e os de proibição de ultrapassagem. A informação

dos sinais é mostrada no painel

de instrumentos e, além disso, no caso dos

limites de velocidade indicados estarem a

ser superados, o sistema avisa o condutor

através de um sinal acústico e visual.

SISTEMA DE DETEÇÃO DE ÂNGULOS

MORTOS

Permite a deteção de veículos que se

aproximam do nosso por trás e pelas

laterais, de forma que nos avisa da sua

presença perante uma possível manobra

de mudança de faixa. Normalmente, os

veículos utilizam sensores situados nos

ângulos traseiros do para-choques. Se um

veículo é detetado, uma advertência luminosa

é mostrada no espelho retrovisor do

respetivo lado, advertência que também

se torna intermitente caso o indicador de

mudança de direção do lado em causa se

encontre acionado, mostrando a intenção

do condutor de mudar de faixa ou dire-

A deteção de veículos que se

aproximam do nosso é monitorizada

através de sensores, normalmente

situados nos ângulos traseiros

do para-choques

Exemplo prático:

Toyota C-HR

Este crossover da Toyota caracteriza-se, não só, por

dispor de uma versão híbrida, mas, também, por

implementar os principais sistemas avançados de

ajuda à condução existentes no mercado.

Os principais sistemas avançados de ajuda à condução

(ADAS) são reunidos no novo Toyota C-HR

sob o conceito Toyota Safety Sense, que a marca

japonesa estende ao conjunto dos seus produtos.

Seguindo a tendência de outros fabricantes, a

Toyota implementa no modelo C-HR os sistemas

contidos no denominado Toyota Safety Sense, de

série, para toda a sua gama, composta por três tipos

de acabamento: Active, Advance e Dynamic Plus.

Os sistemas incluídos neste denominado Toyota Safety

Sense são o sistema de pré-colisão com deteção

de peões, o sistema de assistência de sinais de trânsito

e o sistema de aviso de mudança involuntária

de faixa. Adicionalmente, inclui outro sistema, o

controlo inteligente de luzes de estrada, sistema

que se afasta um pouco dos mencionados como

ADAS, mas que também se revela especialmente útil.

ção para o lado de onde vem o veículo

no ângulo morto.

ASSISTENTE DE ABERTURA DE PORTAS

O assistente para a abertura de portas

também utiliza os sensores traseiros, que

detetam o trânsito que circula por trás,

A deteção de ciclistas

e peões pressupõe

um avanço sobre os

sistemas de travagem

autónoma

de tal forma que adverte os utilizadores

do veículo quando o veículo se encontra

parado e estes abrem a porta do lado

correspondente.

ASSISTENTE DE MUDANÇA DE DIREÇÃO

O sistema monitoriza o trânsito que se

aproxima a circular em sentido contrário

quando o condutor viaja a uma velocidade

muito reduzida e ativa o indicador de mudança

de direção do lado esquerdo para

realizar uma mudança de direção para o

referido lado. Se, no início da viragem, for

detetada a possibilidade de colisão devido

à presença de um veículo que circula em

sentido contrário, o sistema aciona, de

forma automática, os travões, detendo

o veículo.

O Toyota C-HR integra muitos dos sistemas englobados

dentro da tecnologia denominada pela Toyota como

Toyota Safety Sense.

O sistema de pré-colisão (PCS) com deteção de peões

(PD) é composto por um sistema de travagem de emergência

autónoma (AEB na sua denominação genérica),

ou seja, um sistema que permite ao veículo detetar

outros veículos ou obstáculos e peões que se interponham

na sua trajetória.

O sistema utiliza uma câmara montada atrás do para-

-brisas e um radar de ondas milimétricas para realizar

tais funções de deteção.

TRAVAGEM DE EMERGÊNCIA PERANTE

A PRESENÇA DE PEÕES NA TRAJETÓRIA

Na realidade, trata-se de um sistema

de travagem de emergência autónoma.

O veículo deteta os peões, realizando as

mesmas funções de advertência e travagem

automática, mas, agora, também

com a capacidade de reconhecer peões

que possam interferir na trajetória do

veículo.

ASSISTENTE DE DESVIO

O veículo calcula uma via de escape perante

uma manobra ativa de desvio por

parte do condutor, quando é detetada uma

possível colisão com o veículo que segue à

frente. Os diferentes sensores permitem detetar

a distância ao obstáculo, assim como

o espaço disponível para realizar uma manobra,

de forma que o sistema intervém

suavemente sobre a direção para ajudar o

condutor na manobra de desvio sem que

perca o controlo do veículo e sempre que

a referida manobra tenha sido iniciada de

forma voluntária pelo próprio condutor. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


86

TÉCNICA&SERVIÇO

Spot Repair

Definição e vantagens

Este artigo aborda o processo de reparação denominado Spot Repair, uma técnica empregue em trabalhos

rápidos de pintura e específica para a reparação de danos pontuais, muito pequenos, nos quais se limita a zona

de reparação à zona do dano, sem necessidade de aplicar verniz em toda a peça

Se observarmos o parque automóvel,

veremos que existe uma grande

quantidade de automóveis com

pequenos danos na carroçaria. Alguns

deles, pelo seu tamanho e localização,

poderiam ser reparados através da técnica

denominada Spot Repair, um processo

de reparação para danos pontuais, muito

pequenos, em que a zona de reparação

se limita ao dano, conseguindo-se reduzir

os tempos do processo de reparação e os

custos dos materiais relativamente a uma

reparação convencional.

Trata-se de reparações nas quais não

existe qualquer, ou é mínima, a intervenção

do bate-chapa. E nas quais os tempos

de trabalho rondam os 90-120 minutos.

Os processos de reparação Spot Repair

são uma alternativa para eliminar danos

pontuais na carroçaria de forma rápida e

económica. Mas, antes de se explicar em

que consiste o processo de reparação, é

importante definir quando é possível realizar

esta técnica, as suas características e

as vantagens que proporciona tanto para

o cliente como para a oficina.

n FATORES A TER EM CONTA

No momento de avaliar se é possível

reparar um dano utilizando a técnica Spot

Repair, deve ter-se em conta uma série

de fatores.

TIPO DE ACABAMENTO:

No caso de cores prateadas claras ou

com uma elevada percentagem de partículas

metalizadas e no caso de acabamentos

tricamada, é necessária uma maior

superfície para efetuar corretamente o

esbatimento da cor. Pelo que será mais

complicado limitar a zona a reparar e obter

um bom resultado.

No caso de acabamentos texturizados e

acabamentos mate, não é possível utilizar

esta técnica em nenhum caso, uma vez

que não é possível realizar o processo de

polimento na zona de união da pintura

aplicada com a pre-existente na peça.

TAMANHO DO DANO:

O Spot Repair está limitado a danos muito

pequenos, danos pontuais. Geralmente,

fala-se de uma superfície a pintar não maior

do que uma folha DIN A4 ou de danos com

um diâmetro de 3,5 cm, no máximo.

LOCALIZAÇÃO DO DANO:

Por razões técnicas, uma vez que se

poderia notar a diferença de tom ou a

zona de esbatimento do verniz aplicado,

é necessário estabelecer diferentes zonas

na carroçaria, uma vez que não é recomendável

utilizar este processo de trabalho

em todas.

Zonas a vermelho: em superfícies horizontais,

como o capot, o tejadilho, ou a

horizontal da tampa da bagageira, não

é recomendado realizar reparações Spot

Repair, uma vez que se trata de zonas de

elevada visibilidade.

Zonas a amarelo: em superfícies verticais,

como nas laterais até à altura das

cavas das rodas e na superfície vertical

da mala até ao para-choques, apenas é

aconselhável este tipo de reparações se

o dano se encontrar na borda da peça,

próximo de um canto ou dobra e se a cor

não for uma das consideradas “difíceis”. Em

cores prata ou metalizadas, por exemplo,

será mais fácil perceber a reparação e, por

conseguinte, são menos recomendáveis.

Zona a verde: é possível realizar as repa-

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


Colaboração

Centro ZARAGOZA

www.centro-zaragoza.com

87

rações do tipo Spot Repair sem restrições

no resto das superfícies exteriores, em

todas as superfícies interiores e nas zonas

cobertas, como, por exemplo, na zona da

matrícula ou nas molduras.

Ou seja, as zonas de menor impacto visual

são aquelas onde é recomendável a

realização deste tipo de reparações.

ESTADO DA PEÇA:

O Spot Repair recomenda-se no caso de

danos pontuais, únicos e localizados em

determinadas zonas. Se, para além deste

pequeno dano, a peça apresentar outros

danos, como riscos e/ou deformações, problemas

de aderência ou de correspondência

da cor, não se recomenda a realização

da reparação do dano através da técnica

Spot Repair, uma vez que se deverá realizar

a reparação completa da peça.

n CARACTERÍSTICAS DOS

PROCESSOS SPOT REPAIR

Para além de ser necessário ter em consideração

os fatores citados anteriormente,

as características que definem os processos

de reparação Spot Repair são:

Nenhuma ou uma intervenção mínima

do bate-chapa: tratam-se de danos pequenos

que, na grande maioria das situações,

não necessitam de trabalhos prévios

de chaparia ou, em caso de necessidade,

precisam de um trabalho mínimo de reparação

da chapa.

Não é necessário desmontar as peças

a pintar: neste tipo de reparações, o

As técnicas de

Spot Repair são

uma oportunidade

de negócio para

a oficina e uma

possibilidade de

trabalho que pode

estar a escapar

Avaliação do dano

processo de pintura é, normalmente, realizado

com a peça a reparar montada no

veículo, eliminando os possíveis tempos

de desmontagem e montagem da mesma.

Não é necessário envernizar toda a

peça: não se prevê o revestimento completo

da peça reparada com verniz e, por

conseguinte, reduz-se o consumo de material.

Nestas reparações, deve limitar-se

a extensão da área de reparação tanto

quanto possível.

Todas as operações são realizadas

numa zona com as devidas condições:

recomenda-se que este processo de reparação

seja realizado numa zona de preparação

com plenum, aspiração e cortinas

ou painéis de separação, sem necessidade

de utilizar a estufa de pintura, que, assim,

fica livre para o resto dos trabalhos. Desta

forma, evitam-se os tempos de deslocação

do veículo e reduz-se o ponto crítico no

fluxo de trabalho que costuma ocorrer na

estufa de pintura das oficinas.

Geralmente, sem necessidade de

substituir a peça: o Spot Repair trata,

habitualmente, de danos pequenos,

nos quais não se aplica verniz em toda

a peça. Mas, por vezes, incluem-se outros

tipos de reparações rápidas, como a

substituição de uma peça. Exemplos: um

guarda-lamas dianteiro, um retrovisor ou,

inclusivamente, um para-choques. Nestes

casos, aplicar-se-ia um aparelho húmido

sobre húmido e produtos de secagem rápida

para agilizar o processo de reparação.

l Clientes particulares com veículos novos

e/ou muito cuidados, que recuperam

a estética e o valor original da viatura

graças ao Spot Repair;

l Empresas de renting, leasing, aluguer,

compra e venda, frotas;

l Clientes que recorrem à oficina por outros

motivos, como revisões ou problemas

mecânicos, sendo que, na receção

do veículo, são detetados pequenos danos

que podem ser reparados através

desta técnica;

l Clientes com uma elevada dependência

do veículo, que não podem prescindir

do automóvel durante muito tempo.

n VANTAGENS DOS PROCESSOS SPOT

REPAIR

A técnica de reparação Spot Repair é

vantajosa tanto para o cliente como para

a oficina que dispõe deste serviço. As vantagens

que o serviço Spot Repair proporciona

do ponto de vista dos clientes são:

Os processos

de reparação

Spot Repair são

uma alternativa

para eliminar

danos pontuais

na carroçaria de

forma rápida e

económica

l Serviço rápido, podendo recolher o

veículo reparado no mesmo dia, em

poucas horas;

l Trata-se de uma reparação mais económica

face à convencional;

l Restauro da estética do veículo. O

cliente mantém o valor do veículo;

l Neste tipo de serviços, oferecem-se

orçamentos claros, inequívocos e definitivos,

antes de se deixar o veículo

para ser reparado.

Por outro lado, as vantagens que este

tipo de serviço proporciona do ponto de

vista das oficinas são:

l Potencial de vendas adicionais. Recuperar

trabalho que escapa;

l Oferecer um serviço novo que aumenta

e fideliza os clientes;

l Não necessita de grandes investimentos;

l Mais reparações em menos tempo.

Maior fluxo de veículos;

l Neste tipo de reparações, geralmente

não é necessário ceder um automóvel

de substituição ao cliente;

l Aumenta os lucros, a produtividade e

a competitividade da oficina.

Em suma, as técnicas de reparação

através de Spot Repair são uma oportunidade

de negócio para a oficina, uma

possibilidade de trabalho que pode estar

a escapar. ✱

Nos acabamentos texturizados e/

ou mate não é possível realizar os

processos de reparação Spot Repair

n A QUEM É DIRIGIDO?

O processo de reparação Spot Repair

é dirigido a:

Polimento da zona após a reparação

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


MUNDO AUTOMÓVEL

88

Lexus RC 300h F Sport

Prestígio sobre rodas

Híbridos, há muitos. Mas poucos têm o prestígio e a exclusividade deste. Com um design

irresistível, 223 cv de potência máxima combinada e níveis de equipamento e segurança difíceis

de igualar, o Lexus RC 300h F Sport é um coupé sublime. Para mais, oferece prestações muito

interessantes e uma dinâmica apurada. E, na verdade, nem o preço incomoda

Por: Bruno Castanheira

São nada menos do que nove as versões

híbridas que a Lexus coloca à

disposição do consumidor português

(serão 11 no final deste ano). Do

compacto CT 200h ao topo de gama LS

500h, passando, por ordem crescente de

preço, pelos IS 300h, NX 300h, GS 300h,

GS 450h, RX 450h e LC 500h (brevemente,

chegarão ao mercado os UX 250h e ES

300h), há muito por onde escolher. No

entanto, um modelo há em toda esta ofensiva

que se destaca dos restantes: RC 300h.

Para mais, estando equipado com o acabamento

F Sport, que lhe aumenta (e de

que maneira) o apelo. Sem corrermos o

risco de estar a exagerar, podemos afirmar,

retirando desta equação talvez o LC 500h,

que o RC 300h é o híbrido mais sedutor

da marca de luxo da Toyota.

n POSE SENSUAL

É a melhor forma de classificar os contornos

(definidos) do RC 300h. Pela elegância

do design, pelo bom gosto

evidenciado na elaboração de cada detalhe,

pela atenção que desperta onde quer

que se encontre. Este coupé da Lexus tem,

de facto, uma pose sensual. A carroçaria

pintada de preto realça o alinhamento

estilizado dos faróis de LED e as luzes de

circulação diurna em forma de “visto”. O

pack F Sport confere-lhe um ar desportivo.

Para além de jantes de 19” em dois tons,

montadas em pneus Dunlop SP Sport Maxx

050, de medida 235/40R19 96Y no eixo

dianteiro e 265/35R19 94Y no eixo traseiro,

o acabamento F Sport acrescenta para-

-choques e embaladeiras desportivos e

grelha escura. A cobiça que o RC 300h

desperta é, de facto, muita. O logótipo azul

da grelha traduz a tecnologia híbrida que

o equipa.

Por dentro, o design é tão irresistível como

o exterior. Volante de três braços em pele,

pedais e apoio para o pé esquerdo em

alumínio perfurado, revestimentos em pele

nos bancos, portas e várias secções, mostradores

com fundo escuro e relógio analógico,

são algumas características que se

destacam. A qualidade de construção é

muito boa. O posto de condução também.

Espaço para ocupantes e bagagem é que

não existe muito, devido à configuração

2+2 do habitáculo.

O RC 300h beneficia dos mais sofisticados

sistemas de segurança da Lexus. A saber:

controlo de estabilidade (VSC); cruise control

adaptativo com funcionamento a

partir dos 40 km/h (ACC); assistência à

manutenção na faixa de rodagem (LKA);

alerta de transposição de faixa de rodagem

sem fazer “pisca” (LDA); monitor de ângulos

mortos (BSM); sistema de alerta de

tráfego traseiro (RCTA); reconhecimento

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


AVALIAÇÃO OBRIGATÓRIA

89

O design é um dos principais atributos

do Lexus RC 300h, sobretudo

na versão F Sport. A suspensão

variável adaptativa contribui para o

desempenho dinâmico de elevado

gabarito. Os 223 cv do sistema híbrido

convencem, mas não deslumbram

MOTOR DE COMBUSTÃO

Tipo

4 cil. em linha,

long., diant.

Cilindrada (cc) 2494

Diâmetro x curso (mm)

90,0x98,0

Taxa de compressão 13,0:1

Potência máxima (cv/rpm) 181/6000

Binário máximo (Nm/rpm) 221/4200-5400

Distribuição

Alimentação

2 v.e.c./Dual VVT-i,

16 válvulas

injeção eletrónica

MOTOR ELÉTRICO

Tipo

Íman permanente

Potência máxima (cv/kW) 143/105

Binário máximo (Nm) 300

BATERIA

Tipo

hidretos

metálico-níquel

Voltagem (V) 230

TRANSMISSÃO

Tração

traseira com VSC

Caixa de velocidades

CVT

de sinais de trânsito (RSA); sistema automático

de máximos (AHB); sistema de

pré-colisão (PCS); controlo de assistência

ao arranque em subida (HAC). Tudo siglas

para memorizar.

No que diz respeito a equipamento, o RC

300h está recheado de itens. Eis alguns:

sistema áudio Pioneer com 10 altifalantes;

monitor de assistência ao estacionamento

com guias no ecrã; navegação premium e

serviços conectados; ecrã central de 10,3”

operado através de painel tátil; bancos

dianteiros ventilados com regulação elétrica

e memória; sistema de acesso sem

chave; climatização bi-zona; inserções em

carbono.

n EFICÁCIA HÍBRIDA

Confortável, seguro, previsível e fácil de

conduzir. Com a vantagem de ser ágil e

reativo. Equipado com suspensão variável

adaptativa (AVS), o RC 300h é envolvente

e faz tudo de forma competente. Até porque

o rolamento da carroçaria em curva

é reduzido, a direção é incisiva e, nas travagens

em apoio, este híbrido lida bem

com as transferências de massa. Modos

de condução, são vários: “Eco”, “Normal”/”-

Custom”, “Sport S “, “Sport S+” e “EV”. O RC

300h tem no sistema Lexus Hybrid Drive

um dos seus ex-líbris. Contempla um motor

de quatro cilindros a gasolina, 2.5 VVT-i,

que funciona segundo o ciclo Atkinson,

uma bateria de hidreto metálico-níquel

alojada sob o banco traseiro e um motor

elétrico de 105 kW (143 cv). Tudo somado,

a potência máxima combinada é de 223

cv, que é transmitida às rodas traseiras por

intermédio de uma caixa automática de

variação contínua, que não prima pela

rapidez e amplifica o ruído de funcionamento

do motor de combustão interna.

De uma forma simplificada, podemos

dizer que o funcionamento dos dois motores

é gerido por uma unidade eletrónica

de controlo. O motor de combustão envia

movimento para as rodas e, ao mesmo

tempo, faz atuar um gerador, cuja energia

aciona o motor elétrico ou é armazenada

na bateria. Sempre que se liga o RC 300h,

quando se arranca ou em descidas longas

e pouco acentuadas, é a eletricidade que

desloca este Lexus. Em situações normais,

os dois motores estão em funcionamento

e ambos deslocam o RC 300h, sendo parte

da energia direcionada para recarregar a

bateria. Em aceleração, o combustível fóssil

“une-se” à eletricidade, sendo, além disso,

retirada energia das baterias para fazer

mover o motor elétrico com mais força.

Nas desacelerações e travagens (existe,

também, um sistema regenerativo nos

travões), o motor elétrico atua como gerador,

transformando a energia cinética

das rodas em energia elétrica, que é armazenada

na bateria. Sempre que o Lexus

para, como, por exemplo, num semáforo

vermelho ou numa fila de trânsito, o motor

de combustão é desligado, entrando em

funcionamento mais tarde, depois de o

veículo ter arrancado em modo elétrico.

Como qualquer full hybrid, o RC 300h está

apto a circular em modo 100% elétrico

durante alguns (poucos) quilómetros. ✱

DIREÇÃO

Tipo

pinhão e cremalheira

Assistência

sim (elétrica)

Diâmetro de viragem (m) 11,2

TRAVÕES

Dianteiros (ø mm) discos vent. (334)

Traseiros (ø mm) discos vent. (310)

ABS

sim, com EBD+BAS

SUSPENSÕES

Dianteira

braços duplos triang.

Traseira

multilink

Barra estabilizadora frente/trás sim/sim

PERFORMANCES ANUNCIADAS

Velocidade máxima (km/h) 190

0-100 km/h (s) 8,6

Cons. Extra-urb./comb./urb. (l/100 km) 5,1/4,7/5,3

Emissões de CO 2 (g/km) 120

Nível de emissões Euro 6

DIMENSÕES, PESO E CAPACIDADES

Cx 0,29

Comprimento/largura/altura (mm) 4695/1840/1395

Distância entre eixos (mm) 2730

Vias frente/trás (mm) 1580/1570

Capacidade do depósito (l) 66

Capacidade da mala (l) 340

Peso (kg) 1775

Relação peso/potência comb. (kg/cv) 7,95

Jantes de série fr.-tr.

Pneus de série fr.-tr.

Pneus teste fr.-tr.

Mecânica

Pintura

Anticorrosão

Bateria

8Jx19” - 9Jx19”

235/40R19 96Y

265/35R19 94Y

Dunlop SP Sport

Maxx 050, 235/40R19 96Y – 265/35R19 94Y

GARANTIAS

5 anos ou 160.000 km

3 anos

12 anos

5 ou 10 anos

ASSISTÊNCIA

1.ª revisão 30.000 km

Custo 1.ª revisão (c/ IVA) €400

Intervalos de assistência

30.000 km

Imposto Único de Circulação (IUC) €195,41

PREÇO (s/ despesas) €61.222

Unidade testada €61.222

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


90

MUNDO AUTOMÓVEL

NOTÍCIAS

Por: Bruno Castanheira

Volkswagen T-Cross chega em abril

Com 4,11 metros de comprimento e 1,56 metros de altura (mais 54 mm e 112 mm do que o Polo, respetivamente).

o T-Cross é um modelo totalmente novo, que amplia a oferta SUV da Volkswagen. Trata-se de

um veículo jovem, prático e versátil, que concorre no segmento dos compactos. Prático e com um estilo

casual, multifacetado e sofisticado, oferece múltiplas soluções. E, como todos os membros da família SUV

da Volkswagen, tem uma presença imponente. Construído com base na plataforma modular MQB, o novo

T-Cross aposta num interior espaço e funcional. Para as linhas de equipamento Life e Style, estão disponíveis

pacotes de design e pacotes R Line. Produzido, em conjunto com o Polo, na fábrica espanhola da Volkswagen,

na província de Navarra, o novo T-Cross disponibilizará, na fase de lançamento, três eficientes motores turbo.

As duas unidades a gasolina de três cilindros, 1.0 TSI, contam com filtro de partículas e oferecem 95 e 115

cv. A oferta é complementada com um motor Diesel de quatro cilindros: 1.6 TDI de 95 cv. Todos ps blocos

cumprem a norma de emissões Euro 6d-TEMP. Consoante o motor selecionado, a potência é transmitida às

rodas dianteiras através de uma caixa manual de cinco ou seis velocidades, existindo uma de dupla embraiagem

com sete relações (DSG). O novo T-Cross tem chegada prevista a Portugal para abril do próximo ano. ✱

Opel Crossland X ganha novo motor

O Opel Crossland X prepara-se para receber um novo motor

1.5 Turbo D. Disponível em duas versões (102 e 120 cv), este

propulsor, de quatro cilindros, também pode trazer acoplada

caixa automática de seis velocidades, preenchendo uma lacuna

que existia na anterior oferta deste modelo. O popular SUV

da Opel passa, assim, a ter a opção de transmissão automática

tanto em motor a gasolina (1.2 Turbo de 110 cv) como

turbodiesel (1.5 Turbo D de 120 cv). O novo motor cumpre a

exigente norma de emissões Euro 6d-TEMP. O sistema start/

stop faz parte do equipamento de série. O novo motor 1.5

Turbo D conta com cabeça e cárter construídos em alumínio.

As quatro válvulas por cilindro são acionadas por intermédio

de duas árvore de cames à cabeça. No evoluído sistema de

alimentação, com turbocompressor, surge a injeção common

rail, que está apta a funcionar até 2.000 bar, com injetores de

oito orifícios. Com preços a partir de €18.310, gama Crossland X

é formada por três níveis de equipamento: Edition, Innovation

e Ultimate. O novo motor 1.5 Turbo D é proposto a partir de

€23.810 na versão Edition, com 102 cv. A alternativa com caixa

automática pode ser adquirida a partir de €26.360, desde a

versão Innovation com 120 cv. ✱

Hyundai NEXO obtém cinco estrelas no Euro NCAP

O novo Hyundai NEXO recebeu a classificação máxima (cinco estrelas) nos testes do Euro NCAP. O veículo

elétrico fuel cell de segunda geração da marca sul-coreana fez-se valer dos seus elevados níveis de segurança

ativa e passiva nas quatro categorias em avaliação. A performance de alto nível, conseguida através da ampla

gama de equipamentos de segurança e da elevada robustez do chassis, demonstraram a forma como o

NEXO protege os seus ocupantes e os outros utilizadores da estrada. É o primeiro veículo elétrico fuel cell a

receber a classificação máxima de cinco estrelas do Euro NCAP. Para cumprir as normas de segurança europeias

mais rigorosas, o novo NEXO conta com as mais recentes tecnologias de segurança ativa e assistência

à condução Hyundai SmartSense, que permitem reduzir, significativamente, o risco de colisão e aumentam

o nível de conforto. O Euro NCAP testou, de forma rigorosa, a Travagem Autónoma de Emergência (FCA) com

deteção de peões. O sistema é uma das muitas funcionalidades avançadas de segurança ativa, alertando o

condutor para situações de emergência e travando automaticamente sempre que necessário. Já o Sistema

de Manutenção na Faixa de Rodagem, também recebeu excelente classificação nos testes do Euro NCAP. ✱

Novo Škoda chama-se Scala

Nova personalidade, nova tecnologia, novo nome. Com o

Scala, a Škoda aumenta a sua oferta no concorrido (e competitivo)

segmento dos compactos. Este novo modelo oferece

elevados níveis de segurança ativa e passiva, faróis de LED

à frente e atrás, muito espaço para bagagem e passageiros,

bem como inúmeras soluções “Simply Clever”. Estão disponíveis

cinco motorizações (todas Euro 6d-TEMP), com potências

compreendidas entre 90 e 150 cv. Este hatchback de cinco

portas combina design emotivo com elevado grau de funcionalidade,

sem esquecer a conectividade de vanguarda. O

novo Škoda Scala transporta para um veículo de produção em

série a linguagem de design do Vision RS, concept que esteve

em destaque no Salão de Paris. Para complementar o visual

moderno do Scala, a mais recente tecnologia digital também

foi introduzida neste novo modelo. O opcional cockpit virtual

pode ser configurado de várias formas e está disponível com

um ecrã de 10,25”, o maior no segmento dos veículos compactos.

Já o ecrã do sistema de infoentretenimento, tem uma

dimensão de 9,2”, estando, também ele, no topo do segmento.

O início de comercialização do novo Škoda Scala em Portugal

terá lugar durante o segundo trimestre de 2019, exceto a

variante a gás natural comprimido (CNG), que chegará mais

tarde nesse ano. ✱

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


APRESENTAÇÃO

Mercedes-Benz Classe C

91

Água das pedras

com vitamina “C”

O Classe C é um porta-estandarte vendas da Mercedes-Benz e chegará em julho. Nesta evolução, o modelo

germânico modificou 50% dos componentes e o Jornal das Oficinas foi conhecê-lo numa apresentação

nacional, tendo comprovado que o “C” ainda não perdeu o seu “gás”

Por: Jorge Flores

Com uma folha de serviço onde se

contabilizam 415 mil unidades

vendidas, o Mercedes-Benz Classe

C pode não alcançar os números do modelo

coqueluche da marca alemã, o “A”,

mas continua a ser um peso-pesado nas

vendas. Para a marca alemã importa, por

isso, não perder a inspiração no momento

de ir refrescando as suas linhas nas gamas

Limousine, Station e Cabrio. Mesmo que

subtilmente. Como foi o caso do modelo

que o Jornal das Oficinas foi conhecer,

numa apresentação nacional, que partiu

da sede da Mercedes-Benz, na Abrunheira,

e conduziu os jornalistas a uma pequena

road trip rumo ao Parque Natural das Pedras

Salgadas, na região de Bornes de Aguiar.

O programa incluía uma visita ao Museu

Água das Pedras, permitindo perguntar,

muito a propósito, se será caso para afirmar

se que o “C” terá perdido algum gás

nesta atualização com chegada ao mercado

nacional prevista para julho do próximo

anos? A resposta é negativa. Conserva-o,

na perfeição. Na dianteira, a principal novidade

são os para-choques redesenhados

para todos os níveis de equipamento,

registando diferenças consoante a opção

estética escolhida. De acordo com a marca,

a ideia desta evolução visual foi combinar

emotividade com inteligência.

O look do modelo é caracterizado pela sua

dianteira e pelo estilo dos faróis dianteiros

e traseiros. O design exterior AMG inclui,

de série, a grelha do radiador com padrão

em diamante. Os para-choques dianteiros

foram redesenhados para todas as linhas

de equipamento. No nível Exclusive, a aparência

mostra-se ainda mais expressiva,

enquanto a linha Avantgarde é, toda ela,

voltada para o dinamismo.

n REQUINTE E CONFORTO

No interior, os melhoramentos da marca

foram todos para o aperfeiçoamento dos

níveis de requinte e conforto, além dos cuidados

fundamentais em termos de atualização

tecnológica. A consola central surge,

agora, com um elegante revestimento

contínuo, disponível em madeira porosa

de nogueira e com acabamento em castanho,

ou madeira porosa de carvalho com

acabamento em antracite. O laminado de

madeira em 3D na consola central combina

Mercedes-Benz C 220d Station

Motor

4 cil. linha Diesel, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1950

Potência máxima (cv/rpm) 194/3800

Binário máximo (Nm/rpm) 400/1600-2800

Velocidade máxima (km/h) 233

0-100 km/h (s) 7,0

Consumo combinado (l/100 km) 4,7

Emissões de CO 2 (g/km) 123

Preço €51.460

um carácter artesanal com uma aparência

moderna. E resulta muito bem.

O Classe C está equipado com botões de

controlo táteis no volante. E estes respondem

aos movimentos dos dedos, tal como

se de um ecrã de smartphone se tratasse,

permitindo controlar as funções do painel

de instrumentos e de todo o sistema

de entretenimento, sem retirar as mãos

do volante. De realçar ainda o comando

Distronic e o controlo da velocidade de

cruzeiro, que poderá ser acionado pelos

controlos do volante.

n NOVO DIESEL

O novo Classe C tem algumas estreias em

termos de motores. Desde logo, o bloco

1.5 a gasolina introduzido no C200, uma

versão mais potente do Diesel de 2,0 litros

estreado no “E” e ainda uma versão mais

potente do V6 utilizado no AMG C 43 4Matic.

O motor AMG 3.0 V6 biturbo, também

disponível em julho próximo, contará com

mais 23 cv (perfazendo, agora, 390 cv) e

tirando cinco segundos no arranque dos

0 aos 100 km/h.

A gama “C” será proposta nas configurações,

sedan de quatro portas, station, coupé

e cabrio, embora as duas últimas estejam

disponíveis com motores maiores a gasolina.

Os preços do novo Classe C começam

nos €46.450 (C200 1.5 Híbrido de 184 cv

+ 14 cv) e terminam nos €84.196 reclamados

pela versão C400 4Matic de 333 cv. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


92

MUNDO AUTOMÓVEL

EM ESTRADA

Novos modelos lançados no mercado

Por: Jorge Flores

Kia Niro PHEV

Espécie protegida

Mazda CX-3 1.5 Skyactiv-D AT AWD Excellence

Elegância compacta

Dacia Duster 1.5 dCi 4x2 Comfort

Manter a receita

Citroën C3 Aircross 1.2 PureTech Feel

Lição estudada

Eleito, recentemente, “Carro Ecológico de 2018”, o Kia Niro

PHEV tem credenciais para se afirmar no mercado sem

complexos de qualquer espécie. Trata-se de um modelo

que foi concebido, de raiz, como um crossover híbrido plug-in.

E está a colher os louros dessa mesma definição. Ou

seja, sobre a certeza em relação aquilo que é e representa.

Para os utilizadores ditos normais, o Niro PHEV transmite

a confiança de poder ser carregado numa tomada, tendo

uma autonomia elétrica anunciada de 58 km (caso esteja

completamente carregado). Em relação à primeira versão

híbrida, consegue a proeza de registar consumos bas-

tante inferiores: 1,3 l/100 km anunciados para o regime

combinado. Valor complicado de obter numa condução

normal, mas que não excede os 3,5 l/100 km reais.

Tudo isto sem comprometer, demasiado, pelo menos,

o seu comportamento. O Kia Niro PHEV arranca sempre

em modo elétrico e consegue cumprir o arranque dos

0 aos 100 km/h em 10,8 segundos e alcançar os 172

km/h de velocidade máxima. O visual não é dos mais

atrativos? Porventura, não será. Mas não envergonha

ninguém. E contempla até um nível de equipamento

surpreendente, como são disso exemplo o Pack Safety,

com sistema de travagem autónoma de emergência e

o aviso de tráfego na retaguarda.

Os SUV compactos têm grande procura no mercado nacional.

Um campeonato onde o CX-3 tem uma palavra

a dizer. Para conceber este modelo, a Mazda recorreu à

mesma plataforma do 2, dotando-o de um, visual apelativo

para o segmento onde se insere. O visual é moderno,

duro e chama a atenção na via pública. No habitáculo, a

“colagem” ao “2” é evidente. Mas casa, perfeitamente,

com o modelo. A posição de condução é muito aprazível e

os instrumentos estão colocados ao alcance do condutor.

Os materiais escolhidos não comprometem em nada. O

motor 1.5 Skyactiv-D de 105 cv de potência às 4.000 rpm

que o Mazda CX-3 é competente. Trata-se de um Diesel

com disponibilidade, sobretudo, em regimes mais baixos,

sendo, de resto, muito bem apoiado por uma automática,

tração integral e nível de equipamento Excellence, o

que faz disparar (e de que maneira) o preço a que é

vendido. Com este propulsor, o SUV compacto nipónico

consegue consumos de combustível simpáticos para a

carteira. Segundo valores anunciados pela marca, em

regime combinado, regista não mais de 5,2 l/100 km.

O Dacia Duster não pretende fingir ser aquilo que não é.

A marca romena é um braço perfeitamente racional e

funcional do Grupo Renault. Não contem, por isso, com

grandes modificações estéticas ou mecânicas quando

este SUV for alvo de uma revisão. Ou atualização. Neste

caso, esteticamente, talvez seja possível mencionar uma

postura um pouco mais musculada do modelo. Tudo

idêntico. Os faróis de LED diurnos estão colocados nas

extremidades e casam bem com a grelha dianteira,

essa sim, com um maior impacto visual no conjunto.

Com a linha de cintura elevada, as proteções e as barras

no tejadilho, o Duster continua a ter o aspeto de um

aventureiro, mesmo na versão 4x2, como a que, aqui,

surge em apreço. No habitáculo, as alterações são mais

expressivas, notando-se o maior cuidado ao nível dos

materiais e na escolha do equipamento, sobretudo, no

nível Comfort. O motor 1.5 dCi de 110 cv às 4.000 rpm

e 260 Nm de binário máximo às 1.750 rpm mantém

uma energia constante em vários regimes de circulação,

não se notando quebras quando é necessário fazer uma

ultrapassagem. Além disso, os consumos de 4,5 l/100 km,

em média, dão que pensar. Pela positiva, entenda-se.

O Citroën C3 Aircross é um modelo que estudou bem

a lição e que sabe perfeitamente em que segmentos

circula. Tem uma estética favorável logo ao primeiro

olhar e demonstra uma versatilidade e funcionalidade

no habitáculo de que poucos concorrentes se podem

gabar. Não significa que seja um modelo perfeito. Apenas

que não falha em nada no que são requisitos essenciais,

mesmo não fazendo perder a cabeça em nenhum dos

aspetos. Com um look oscilante entre a suavidade e o

lado mais selvagem, sempre com um bom compromisso,

destacando-se, nas suas linhas, os grupos óticos bipartidos,

o capot elevado e o double chevron cromado que

integram uma assinatura luminosa de LED. Na traseira,

ombros largos e luzes traseiras com efeito 3D marcam a

diferença. Por dentro, encontramos um modelo que prima

pela simplicidade. Mas no bom sentido. Sem exageros,

sim, mas sem pecar pela ausência de nada de significativo,

que, no conjunto, contribuem para uma boa

experiência a bordo. A unidade ensaiada vem equipada

com o motor a gasolina 1.2 PureTech de 130 cv, sendo

apoiado por uma caixa automática de seis velocidades.

Um três cilindros que mostra uma inesperada energia

nas acelerações e recuperações, mantendo sempre sob

relativo controlo os consumos de combustível, na ordem

dos 5,6 l/100 km anunciados em ciclo combinado.

MOTOR

4 cil. linha, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1580

Potência total (cv/rpm)

141/n.d.

Binário total (Nm/rpm)

265/n.d.

Velocidade máxima (km/h) 172

0-100 km/h (s) 10,8

Consumo combinado (l/100 km) 1,3

Emissões de CO 2 (g/km) 29

Preço €38.558

IUC €127,44

MOTOR 4 cil. linha Diesel, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1499

Potência máxima (cv/rpm) 105/4000

Binário máximo (Nm/rpm) 270/1800-2500

Velocidade máxima (km/h) 177

0-100 km/h (s) 10,1

Consumo combinado (l/100 km) 5,2

Emissões de CO 2 (g/km) 136

Preço €33.106

IUC €157,01

MOTOR 4 cil. linha Diesel, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1461

Potência máxima (cv/rpm) 110/4000

Binário máximo (Nm/rpm) 260/1750

Velocidade máxima (km/h) 169

0-100 km/h (s) 11,9

Consumo combinado (l/100 km) 4,5

Emissões de CO 2 (g/km) 116

Preço €19.650

IUC €127,44

MOTOR

3 cil. linha, transv., diant.

Cilindrada (cc) 1199

Potência máxima (cv/rpm) 130/5500

Binário máximo (Nm/rpm) 230/1750

Velocidade máxima (km/h) 183

0-100 km/h (s) 9,3

Consumo combinado (l/100 km) 5,6

Emissões de CO 2 (g/km) 126

Preço €16.407

IUC €122,84

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


USO PROFISSIONAL

Opel Combo

93

Expressão dupla

Em novembro, chega ao mercado o novo e premiado Opel Combo. Nesta quinta geração, o modelo alemão tem

duas expressões, a de furgão e a Life, ambas com mais espaço interior e uma capacidade tecnológica superior

Por: Jorge Flores

Com uma carreira de mais de 30

anos, o Opel Combo chega à sua

quinta geração com motivos muito

válidos para encarar o futuro com otimismo.

Ou não tenha sido ele eleito “Furgão

Internacional do Ano 2019”. Na versão

furgão compacto, tem um comprimento

total de 4,4 metros e ganhou espaço interior,

uma qualidade superior e muitos

mais argumentos tecnológicos para enfrentar

o mercado.

O objetivo da marca alemã com a proposta

“comercial” é proporcionar a máxima

eficiência aos profissionais e garantir

custos de utilização muito baixos. Para

isso, muito contribui uma arquitetura

completamente nova. A versatilidade,

assegurada com opções de dois ou três

lugares na primeira fila de bancos, é outro

dos trunfos.

Pertencente ao Groupe PSA, o Opel

Combo surge com uma gama ampla de

escolhas, que incluem cabina com dois

ou três lugares à frente. O volume de carga

(3,3 m 3 ) e a capacidade de carga (650 kg)

são argumentos de peso.

n SALTO TECNOLÓGICO

O reforço do lado tecnológico é um dos

maiores destaques da nova geração do

Combo. Exemplo disso, são os 19 sistemas

de assistência, de série, que facilitam a

condução, as manobras e o transporte de

mercadorias. Por sua vez, a câmara traseira

permanente permite atuar como se de

um espelho retrovisor digital se tratasse,

solucionando a habitual falta de visibilidade

traseira dos furgões.

O motor 1.6 Turbo D, em versões de 75

e 100 cv de potência, ambas com caixa

manual de cinco velocidades, e o bloco

1.5 Turbo D, com 130 cv, disponível com

caixa manual de seis velocidades ou caixa

automática de oito relações, são os eleitos

para esta quinta geração. Os níveis de

equipamento deste furgão são dois: Essentia

e Enjoy. O segundo, de série, conta

com programador de velocidade, três

lugares à frente, banco do condutor ajustável

em seis vias, ar condicionado, travão

elétrico de estacionamento, sensores de

estacionamento, antepara de carga com

abertura, sistema de infoentretenimento

multimédia com ecrã de 8” (compatível

com Apple CarPlay e Android Auto), estando

disponível desde €20.310.

n COMBO EM REGISTO LIFE

Na sua expressão menos profissional, o

Opel Combo Life destina-se a famílias e

negócios familiares, disponibilizando,

também, uma máxima versatilidade com

variantes de carroçaria standard e XL de

distância entre eixos longa, bem como

versões de cinco e sete lugares.

A gasolina, o motor eleito para esta versão

é o tricilíndrico de injeção direta 1.2

Turbo com 110 cv. Do lado Diesel, a proposta

reside no 1.5 Turbo D, em versões

de 75, 100 e 130 cv. Registe-se a entrada

no segmento de uma inédita caixa automática

de oito velocidades, disponível,

em opção, com o motor 1.5 Turbo D mais

potente.

O Combo Life mantém as características

de robustez, mas exibe alguns traços mais

atraentes, além de se apresentar muito

bem composto em termos tecnológicos.

Os níveis de equipamento Enjoy e Innovation

trazem, de série, duas portas laterais

de correr com vidros elétricos, ar

condicionado, rádio multimédia com ecrã

de 8” (compatível com Android Auto e

Apple CarPlay), sensores de estacionamento

e faróis de nevoeiro. O preço de

acesso à gama começa nos €22.990. ✱

www.jornaldasoficinas.com

2018 I Novembro


94

MUNDO AUTOMÓVEL

PESOS-PESADOS

Por: Ricardo Carvalho

MAN vai produzir autocarros

elétricos

A próxima fase na modernização e preparação

para a produção de transportes elétricos, já está em

desenvolvimento na fábrica da MAN na cidade de Starachowice,

na Polónia. A operadora, MAN Bus Sp. z o.o.

Starachowice, recebeu, em agosto de 2018, a aprovação

para expandir as suas atividades e incluir a produção de

autocarros totalmente eléctricos na Zona Económica

Especial Starachowice. O investimento necessário para a

produção destes veículos está estimado em cerca de 27,4

milhões de euros e a conclusão das obras está prevista

para o final de 2021. Esta é uma etapa importante no

desenvolvimento da fábrica, que funciona como um

centro de excelência MAN para a produção de autocarros

urbanos. Só no ano passado, foram produzidos

1.724 unidades. A fábrica de Starachowice estabelece

as bases para a marca se expandir com os veículos

de emissões zero num futuro próximo, mantendo os

mesmos padrões de alta qualidade de sempre. Antes

do início da produção, em 2020, o projeto terá de ser

preparado cuidadosamente, com o conceito de segurança,

eficiência e ergonomia dos veículos elétricos. ✱

Schmitz Cargobull AG prepara investimento

A Schmitz Cargobull preparar um investimento de 100 milhões de euros, que já foi aprovado e tem como objetivo

o aumento da capacidade da fábrica de Vreden, na Alemanha. Estas instalações, que são o centro especializado da

Schmitz Cargobull para as caixas dos semirreboques, transformar-se-ão, em breve, numa fábrica digital e automatizada,

que combinará personalização de alto nível, com standards de qualidade elevados e custos de produção

mínimos. Graças aos investimentos efetuados no ano passado, as medidas no sentido da expansão da capacidade

já estão a decorrer em Panevezys, na Lituânia, especialmente nas instalações de produção de espuma para os painéis

Ferroplast. Andreas Schmitz anunciou que “há duas linhas adicionais de produção para o semirreboque S.KO e

para a carroçaria M.KO, bem como para os kits de montagem M.KO, que devem começar a funcionar brevemente”.

A capacidade técnica da fábrica irá triplicar. As 10 unidades por dia que eram produzidas em 2017 passarão para

30 de abril de 2019 em diante. ✱

IVECO saúda isenção para

veículos a gás natural

O Parlamento Federal Alemão aprovou a resolução

para isentar os veículos alternativos movidos a gás

natural, acima de 7,5 toneladas, da taxa de poluição das

portagens nas autoestradas, a partir de 1 de janeiro de

2019 e por um período inicial de dois anos. Significa isto

que as frotas a gás natural irão contar com os mesmos

benefícios dos veículos elétricos e que apenas terão de

pagar as portagens relativas aos custos das infraestruturas

e as taxas de ruídos incluídas nas portagens. Esta

isenção, juntamente com os subsídios para a aquisição

de veículos a gás natural, anunciada em julho (€12.000

para os veículos a GNL; €8.000 para veículos a GNC),

aumenta as vantagens financeiras destes camiões

sustentáveis para os operadores logísticos alemães,

com uma poupança entre 9,3 a 18,7 cêntimos por quilómetro,

dependendo da classe do peso. Fruto dos seus

mais de 20 anos de experiência no desenvolvimento e

apoio a veículos movidos a gás natural, a IVECO lidera,

hoje, o caminho, com uma oferta completa, desde o

comercial ligeiro Daily NP até ao primeiro camião de

longo curso, o Stralis NP, o qual oferece as melhores

vantagens em desempenho e conforto, juntamente

com as vantagens económicas e ambientais do gás

natural, com até 1.600 km de autonomia. ✱

Scania tem novas instalações no Porto

Com vista a proporcionar a qualidade habitual da marca sueca, as novas instalações, no Porto, adaptam-se às

necessidades dos clientes para prosseguir a via da aproximação entre produtos e serviços Scania, através de uma

assistência personalizada. Deste modo, a marca consolida-se como fornecedor de soluções para os negócios dos

clientes. As novas instalações contam com uma superfície total de 15.000 m2, dos quais 11.820 m2 se destinam à

promoção e 1.985 m2 à oficina. Foi feito um importante investimento económico nesta nova localização, na qual

trabalham 36 pessoas. O concessionário oferece um vasto leque de serviços, que vão desde a venda e reparação de

camiões e autocarros até à reparação de veículos industriais e semirreboques novos e de ocasião, de todas as marcas,

passando por motores industriais e marítimos da marca Scania. Além de contratos de reparação e manutenção

personalizados, feitos à medida para cada tipo de veículo e de trabalho, estudos de propostas de seguro, cursos

de condução eficiente, que visam obter o máximo rendimento do veículo Scania e soluções de financiamento à

medida de cada cliente. ✱

Novembro I 2018

www.jornaldasoficinas.com


LUBRIFICANTES ESPECIAIS

THE EXPERTS’

CHOICE

DESDE 1906

2018

EXPOMECÂNICA | EXPOMOTO

AUTOMOBILIA | MECÂNICA FIL

WWW.SPANJAARD-PORTUGAL.COM

WWW.KROON-OIL-PORTUGAL.COM

More magazines by this user